PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DAS RELIGIÕES (PPGCR)

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA

Telefone/Ramal:
32168321
http://www.ufpb.br/pos/ppgcr

Notícias


Banca de DEFESA: KARLA SAMARA DOS SANTOS SOUSA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: KARLA SAMARA DOS SANTOS SOUSA
DATA: 31/07/2014
HORA: 14:00
LOCAL: CE 319
TÍTULO: Sofrimento e Lucidez: Schopenhauer e a filosofia da imanência do Dhammapada
PALAVRAS-CHAVES: Sofrimento. Realidade. Conhecimento. Conhecimento. Lucidez
PÁGINAS: 153
GRANDE ÁREA: Ciências Humanas
ÁREA: Teologia
SUBÁREA: História da Teologia
RESUMO: Este trabalho tem por intuito analisar a relação filosófica entre o pensamento de Schopenhauer e o Budismo, especificamente com sua tradição Theravada. Enfoca-se, principalmente, a intersecção das teses da doutrina schopenhaueriana acerca do sofrimento com a percepção da realidade nos ensinamentos budistas. O que em Schopenhauer aparece como miséria inerente à condição humana, nos ensinamentos budistas aparece como o modo ignorante e egóico de conceber a realidade, de onde se gera o sofrimento em toda vida. Em termos referenciais, considera-se que as teses fundamentais da filosofia schopenhaueriana mostram-se de modo mais explicito em sua obra prima, “O Mundo como Vontade e como Representação”. Nesta obra, o viés epistemológico de cognição dos fenômenos promove uma profunda reflexão sobre o sofrimento inerente à condição humana. Já no Budismo presume-se que relatos dos ensinamentos budistas encontram-se no “Cânone Páli” ou “Tipitaka”, preservados integralmente pela tradição Theravada. Nela, constam-se ideias e doutrinas orientais como tanha, dukkha, nibbana, impermanência, originação dependente, quatro nobres verdades, caminho óctuplo. Sob o ponto de vista aqui apresentado estas idéias podem estar em consonância com as teses de Schopenhauer. Dada extensão e densidade do Cânone Páli, opta-se neste trabalho por algumas passagens do Dhammapada, nele presente. O Dhammapada é um dos livros mais conhecidos da filosofia budista no Ocidente. Tenta-se, assim, construir um diálogo entre Schopenhauer e o Budismo a partir das proximidades de leituras e interpretações que é possível fazer com ambas. Tal perspectiva contribui para a fecundidade do conhecimento, pois busca corroborar a ideia de que o pensamento oriental e o ocidental não são distantes e desvinculados, mas contribuem-se reciprocamente.
MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 2478681 - DEYVE REDYSON MELO DOS SANTOS
Interno - 373.173.857-00 - JOAQUIM ANTÔNIO BERNARDES CARNEIRO MONTEIRO - UNIGRANRIO
Externo à Instituição - JOSÉ OTÁVIO AGUIAR

Notícia cadastrada em: 23/07/2014 12:11