PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA (CCA - PPGA)

CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS (CCA)

Telefone/Ramal
Não informado

Dissertações/Teses


Clique aqui para acessar os arquivos diretamente da Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da UFPB

2024
Descrição
  • SABRINA KELLY DOS SANTOS
  • BIORREGULADORES NA MITIGAÇÃO DO ESTRESSE HÍDRICO E NO PERFIL DE ÓLEOS ESSENCIAIS EM COENTRO-MARANHÃO (Eryngium foetidum L.)
  • Orientador : DIEGO SILVA BATISTA
  • Data: 18/07/2024
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • Com o objetivo de avaliar a ação de biorreguladres na morfofisiologia e o perfil de óleos essenciais em plantas de Eryngium foetidum, quatro experimentos foram conduzidos. No primeiro, duas concentrações de carnitina foram aplicadas em plantas de coentro-maranhão (100 µM e 10 mM), e após 72 dias, análises de crescimento, conteúdo fotossintético, parâmetros de trocas gasosas e fluorescência da clorofila a, foram mensuradas. No segundo experimento, 100 µM de carnitina foram aplicados nas plantas de coentro-maranhão em diferentes condições hídricas: bem-irrigado, seca e re-irrigação. No terceiro experimento 100 µM de ácido ascórbico foram aplicados nas plantas de coentro-maranhão sob seca. E no quarto experimento foram aplicados 100 µM de ácido salicílico nas plantas, também em diferentes condições hídricas (bem-irrigado, seca e re-irrigação). Após 100 dias, análises morfológicas, fisiológicas e perfil de óleos essenciais foram realizadas. 100 µM de carnitina aumentou o crescimento das plantas de coentro-maranhão em condições não-estressantes e 10 mM não alterou o crescimento. As condições hídricas e a aplicação de 100 µM de carnitina alteraram o perfil de óleos essenciais das plantas de coentro-maranhão. A produção de eríngio foi aumentado na seca, bem como na re-irrigação com a aplicação de carnitina, e a hidroquinona foi produzida apenas na combinação re-irrigação e carnitina. O ácido ascórbico, em condições sem estresse, restaurou a concentração de pigmentos, e na seca, modulou qualitativamente o perfil de óleos essenciais, sendo o dodecenal o composto que mais contribuiu para separação do perfil. O ácido salicílico não mitigou os efeitos da seca, mas em condições bem-irrigadas e re-irrigadas aumentou área foliar e pigmentos fotossintéticos. Além disto, a aplicação do ácido salicílico na seca modulou o perfil de óleos essenciais. Esses resultados servem como base para outros estudos sobre o uso exógeno dos biorreguladores carnitina, ácido ascórbico e ácido salicílico em plantas de coentro-maranhão, além de fornecer informações sobre a relação entre diferentes condições hídricas e os biorreguladores, fornecendo novas perspectivas para explorar a produção de compostos de interesse industrial e econômico.
  • JÚLIO CÉSAR GUIMARÃES ALVES
  • FISIOLOGIA E CRESCIMENTO DE MANJERICÃO CULTIVADO SOB SALINIDADE COM APLICAÇÃO DE DIFERENTES ATENUANTES
  • Orientador : THIAGO JARDELINO DIAS
  • Data: 28/06/2024
  • Hora: 13:00
  • Mostrar Resumo
  • O manjericão é uma planta medicinal, comestível e com múltiplos usos na indústria de medicamentos e de cosméticos, e devido sua elevada sensibilidade à salinidade nas fases iniciais de seu crescimento, pode ser utilizada na avaliação de estresse abiótico, a exemplo da salinidade. A aplicação de metil jasmonato é uma alternativa para mitigar os efeitos nocivos do estresse salino em plantas. Assim, o objetivo desta pesquisa foi avaliar a aplicação de metil jasmonato como atenuante aos danos causados pelo estresse salino na fisiologia e crescimento de manjericão Ocimum basilicum, cv. Alfavaca. O experimento do artigo I foi realizado em delineamento de blocos casualizados, em esquema fatorial incompleto 5x5, gerado através da matriz experimental composto de central Box. Os tratamentos foram a combinação de cinco níveis de salinidade da água de irrigação e cinco doses de metil jasmonato, com valores mínimos (- α) e máximos (α), respectivamente de 0,0 e 6,0 dS m-1 e 0,0 e 1,50 mM, totalizando nove combinações com 5 repetições. O crescimento (altura de plantas, diâmetro do caule, área foliar, número de folhas, massa seca do caule, massa seca de inflorescência, e massa seca das folhas), índices de clorofila, trocas gasosas e fluorescência de clorofila foram avaliados. Os resultados mostraram que os valores de clorofila b com incremento de sais na água de irrigação declinaram até a condutividade de 3,00 dS m-1. Conclui-se que, concentrações acima de 0,22 mM de metil jasmonato não são recomendadas para as condições do estudo. Já o experimento do artigo II foi realizando em delineamento inteiramente casualizado em esquema fatorial 4x3. Os tratamentos formam compostos por quatro níveis de condutividade elétrica (CE: 0,5; 3,0; 6,0; e 9,0; dS m-1) e três doses de peróxido de hidrogênio (H2O2: 0,0; 2,15; 3,25 mL L-1) com oito repetições, totalizando 96 unidades experimentais. O crescimento (altura de plantas, diâmetro do caule, área foliar, número de folhas, massa seca do caule, massa seca de inflorescência, e massa seca das folhas), trocas gasosas e o N total foram avaliados. O manjericão teve suas trocas gasosas, crescimento e produção de biomassa comprometidos pelo aumento da salinidade da água de irrigação. A dose de 2,15 ml L-1 de PH demonstrou melhorias significativas em variáveis como fotossíntese, concentração interna de CO2 e eficiência do uso da água.
  • TALITA DE OLIVEIRA FERREIRA
  • Metil jasmonato para a indução da coloração, composição fenólica e preservação da qualidade da uva ‘BRS Melodia’
  • Data: 27/05/2024
  • Hora: 13:30
  • Mostrar Resumo
  • O Submédio do Vale do São Francisco destaca-se pela notória importância na produção e comercialização de uvas de mesa. Com o mercado em expansão, novas cultivares de uvas foram lançadas, dentre as quais a ‘BRS Melodia’, que possui diferenciais de qualidade, especialmente a coloração vermelha e o sabor denominado de tutti-frutti. Entretanto, esta cultivar possui limitações associadas à coloração desuniforme nas bagas, sendo necessário um manejo específico para indução da coloração. O uso de reguladores vegetais é uma das técnicas mais importantes para este fim. Entre eles, o metil jasmonato (MeJA) tem ganhado destaque pelo aumento da expressão de enzimas envolvidas na biossíntese das antocianinas. O objetivo geral desta pesquisa foi determinar a influência da aplicação no período pré-colheita do MeJA na estabilidade e síntese das antocianinas, na composição fenólica e na preservação da qualidade pós-colheita da uva BRS Melodia; cultivada no Submédio do Vale do São Francisco. A pesquisa ocorreu em dois ciclos de produção, correspondentes ao primeiro e segundo semestre de 2022. No primeiro ciclo de produção, foram realizadas três aplicações do MeJA a cada sete dias nas doses de 0, 10, 20, 30 e 40 mM, sendo a primeira no início da maturação (mudança de cor da baga). No segundo ciclo, as doses foram ajustadas para 0, 5, 10, 15 e 20 mM, em única aplicação no início da maturação. As uvas foram armazenadas e avaliadas nos dias 0, 14, 21, 28, 35, 36 e 37. Para a composição fenólica foram avaliados os dias 0, 28 e 37. O primeiro e segundo ciclo de produção foram analisados separadamente, o delineamento experimental foi inteiramente casualizado, os dados que apresentaram distribuição normal foram submetidos a análise de regressão. Para o perfil fenólico foi submetido em fatorial 5 x 3 (dose de MeJA x tempo de armazenamento). Foram realizadas análises de aparência visual, firmeza da baga, coloração, teor de antocianinas, flavonoides amarelos, polifenóis extraíveis totais, composição fenólica por classes e atividade antioxidante da uva ‘BRS Melodia’. No primeiro ciclo todas as doses utilizadas promoveram a uniformidade da coloração acima de 66% e a coloração predominante foi vermelho intenso. A concentração de 10 mM foi a que promoveu maior firmeza, uniformidade na coloração acima de 81% nas bagas dos cachos, menor desgrane e maior acúmulo das antocianinas, polifenóis e atividade antioxidante pelo método de ABTS. No segundo ciclo a uniformidade na coloração foi acima de 66% e a coloração predominante foi vermelho, a concentração de 10 mM promoveu menor desgrane, com uniformidade de coloração acima de 81% e maior acúmulo de polifenóis. Em relação a composição fenólica, no primeiro ciclo de produção, especialmente a dose de 10 mM promoveu o acúmulo de diferentes tipos de antocianinas como a curomanina e peonidina, além da (+)- catequina e isoquercetina. No ciclo do segundo semestre do ano, as doses de 5 e 15 mM promoverem maior acúmulo das antocianinas curomanina e peonidina, bem como de (+)- catequina e (-)-epicatequina. Este estudo destaca que a aplicação do MeJA durante o período pré-colheita manteve a qualidade dos frutos durante o armazenamento, no primeiro ciclo a coloração das bagas foi vermelho intenso, no segundo ciclo com o ajuste das doses a coloração predominante foi vermelho que é característico da cultivar. Ainda, o acúmulo dos compostos fenólicos, após a aplicação do MeJA foi influenciado pelas safras do mesmo ano, o que permite diferenciar a qualidade fenólica da ‘BRS Melodia’.
  • DEMICHAELMAX SALES DE MELO
  • INDICADORES DA QUALIDADE EDÁFICA EM DIFERENTES SISTEMAS DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NO BREJO PARAIBANO
  • Data: 27/03/2024
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • São conhecidos como brejos de altitude a vegetação sub-montana que recobre parte do interior do nordeste do Brasil, os poucos remanescentes de Brejos de Altitude que restam, estão reduzidos a pequenos fragmentos, sufocados por atividades antrópicas, tornando incapaz a viabilidade da criação de ações de manejo e conservação destes remanescentes. No Nordeste brasileiro, a atividade humana que mais contribui para a degradação ambiental é o desmatamento, que é feito para substituição por áreas de pastagens e/ou agricultura. Considerando-se, pois, que a falta de manejo adequado do solo é uma das principais causas do processo de degradação, este estudo tem como objetivo avaliar por meio de indicadores biológicos da qualidade do solo, uma área de produção agrícola, ambiente de pecuária, ambiente de solo descoberto e vegetação nativa, com intenção de verificar riscos de degradação ambiental no município de Areia, brejo da Paraíba. O estudo será realizado em propriedade rural no município de Areia – PB (6°58'50.3"S 35°43'42.1"W). O experimento foi conduzido em um delineamento inteiramente ao acaso com 4 tratamentos (1- ambiente de agricultura, 2- ambiente de pecuária, 3- vegetação nativa, 4- solo descoberto) e 4 repetições divididas por trimestre distribuídas ao decorrer do ano. Para a coleta das amostras de análise, foi determinada em cada ambiente uma área de 20 x 20 metros, dentro dessa área foram traçadas linhas a cada 5 metros em ambos os lados e na intercessão das linhas foram determinados os pontos de coleta. Para levantamento da macrofauna armadilhas de queda, do tipo Provid foram instaladas no local. Determinou-se a frequência (FR) dos grupos encontrados e os índices de diversidade de Shannon e Pielou. Para as demais variáveis, os dados coletados foram submetidos a ANOVA a (p<0,05) e teste de tukey para comparar os tratamentos e análise multivariada e aplicado análises de componentes principais para cada fator. Para obtenção dos atributos químicos e físicos e valores da atividade das enzimas arisulfatase e betaglicosidadese, matéria orgânica, ciclagem de nutrientes, armazenamento de nutrientes, suprimento de nutrientes índice de qualidade do solo de fertilidade, Indice de qualidade do solo biológico e índice de qualidade do solo químico. As amostras de solo foram retiradas em cada ambiente com auxílio de cavador em profundidade de 0-20 cm, destorroadas e passadas em peneiras de malha de 2 mm, para obtenção da terra fina seca ao ar posteriormente enviadas ao laboratório para análise. O ambiente de vegetação nativa obteve os maiores valore para os índices de diversidade e equabilidade e a maior frequência relativa foi encontrada para a classe de insetos hymenoptera no ambiente de solo descoberto seguido do ambiente de agricultura e pecuária. Foi notado que as áreas antropizadas apresentam níveis de desequilíbrio semelhantes tendo o ambiente de pecuária com maior tendência a degradação se aproximando de um ambiente de solo descoberto. Também foi observado que a matéria orgânica no solo é fator determinante para as variáveis de índices de qualidade e atividade enzimática, o ambiente de vegetação nativa apresenta os menores índices e os ambientes de agricultura e pecuária possuem estado de conservação apropriado. Nos atributos químico-físicos dos solos, é possível verificar que o ambiente de vegetação nativa por ser abundante em argila apresenta potencial para manutenção da matéria orgânica devido maior recuperação em partículas mais finas do solo. No entanto devido ao incremento de matéria orgânica depositadas nos ambientes de agricultura e pecuária possibilitou a regulação do pH, elevação da capacidade de troca catiônica e menor acidez, favorecendo a disponibilidades de nutrientes nesses solos e partindo da análise dos componentes principais os solos descobertos teve respostas pouco representativa se aproximando ao nulo.
  • GIULIANA NAIARA BARROS SALES
  • QUALIDADE DE FRUTOS DE Passiflora cincinnata EM DIFERENTES ÉPOCAS DE COLHEITA SOB CULTIVO IRRIGADO E SEQUEIRO
  • Orientador : WALTER ESFRAIN PEREIRA
  • Data: 27/03/2024
  • Hora: 08:30
  • Mostrar Resumo
  • A Passiflora cincinata é conhecida como maracujá-do-mato e restrita quanto a variedades e técnicas de cultivo que expressem seu potencial produtivo. Esta espécie tem ganhado mercado por apresentar um sabor exótico, apreciado por pequenos produtores. A Embrapa lançou recentemente um cultivar BRS Sertão Forte que apresenta bons resultados e baixo custo de produção, com frutos com prolongada vida útil, resistência ao manuseio e transporte. Com isso, objetivou-se avaliar a qualidade de frutos de P. cincinnata cultivar comercial ‘BRS Sertão Forte’ em diferentes épocas de colheita sob condições de irrigação e de sequeiro, com delineamento experimental em blocos casualizados com 4 x 2, cinco repetições. Os frutos foram avaliados quanto a características físicas, físico-químicas e compostos bioativos. Os frutos de P. cincinnata ‘BRS Sertão Forte’ tem seu ponto crítico para colheita aos 80 dias após antese, propiciando aumentos notáveis em parâmetros essenciais. O sistema de sequeiro, embora resulte em frutos menores, destaca-se pelas características específicas de cor e carotenoides. No entanto, o cultivo irrigado aos 100 dias após antese oferece características físicas superiores e destacando a importância do manejo hídrico na produção eficaz de maracujá silvestre. Essas conclusões fornecem orientações valiosas para otimizar a produção e qualidade dos frutos.
  • CARLA REBECA DOS SANTOS MITE VIAGEM
  • PATOGENICIDADE DEBeauveria bassiana E Metarhizium anisopliae DE FORMA ISOLADA OU EM MISTURA PRÉ- INOCULADA NO PADRÃO DE MORTALIDADE DE Hyadaphis foeniculi (HEMIPTERA: APHIDIDAE)E NA RESPOSTA FUNCIONAL DE Euborellia annulipes (LUCAS, 1847) (DERMAPTERA: ANISOLABIDIDAE).
  • Orientador : JACINTO DE LUNA BATISTA
  • Data: 18/03/2024
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • Erva doce é um dos nomes populares da espécie Foeniculum vulgare Mill, originária da Europa mediterrânea. Esta cultura é principalmente conhecida pelas suas propriedades terapêuticas (diuréticas, anti inflamatórias) e culinárias. No estado da Paraíba ela é cultivada no agreste paraibano pelos agricultores familiares por constituir uma fonte alternativa de renda. Um dos principais problemas fitossanitários que acomete a cultura é o pulgão (Hyadaphis foeniculi), (Hemiptera: Aphididae) que succiona a seiva das flores e frutos, reduzindo o valor comercial da semente. Com a ascensão da produção e consumo de alimentos orgânicos, torna-se necessário a busca por alternativas de controle químico, que possam ser eficientes e pouco danosas ao ambiente. A prospecção de soluções biológicas visando o manejo desse afídeo é de importância capital e ecológica. Diante do exposto, este trabalho teve por objetivo avaliar efeito de fungos entomopatogênicos no controle de pulgão H. foeniculi, e na resposta funcional da Euborellia. annulipes (Dermaptera: Anisolabididae) tendo como presa o pulgão da erva doce. A pesquisa foi realizada através de dois bioensaios, no laboratório de entomologia do centro de ciências agrárias da Universidade Federal da Paraíba, sob condições de temperatura de 25 ± 2ºC, umidade relativa de 70 ± 10% e fotofase de 12 horas. Para o primeiro bioensaio testou-se a dose-resposta, concentrações letais 50% (CL50) e 90% (CL90), tempo letal mediano, (TLM) e padrões de sobrevivência dos fungos Beauveria bassiana e Metarhizium anisopliae, de forma isolada e combinada em H.foeniculi sob condições de laboratório, onde para tal, plântulas da erva doce foram imersas em diferentes suspensões fúngicas do produto proveniente da JCO®, nas concentrações de 1, 2, 3, 4, 5 gramas por litro de água destilada. Como testemunha utilizou-se apenas água destilada, e as ninfas do H. foeniculi foram submetidas a aplicação tópica. Usou-se o delineamento inteiramente casualizado, (DIC) com 6 tratamentos e 40 repetições por tratamentos. As avaliações foram realizadas durante 5 dias consecutivos. Os dados para dose resposta foram analisados com um modelo linear generalizado GLM, com distribuição binomial com função logit. Para concentrações letais usou-se o pacote ecotox que permite usar a análise probit ou logit para calcular a concentração letal, e para sobrevivência usou-se um modelo de regressão de riscos proporcionais de Cox. Para o segundo bioensaio, determinou-se o tipo resposta funcional, à taxa de ataque (a), e o tempo de manuseio (Th) do predador (E.annulipes) em função das densidade (1,2,4,16,32) da presa, para tal fez-se a aplicação tópica da solução fúngica proveniente da mistura de fungos de M. anisopliae e B. bassiana na tesourinha, e como testemunha apenas água destilada. Usou-se o DIC, com 2 tratamentos e 10 repetições. Os dados foram submetidos ao GLM, com distribuição Beta binomial com função logit. A velocidade de resposta mais rápida foi apresentada pelo fungo M. anisopliae. As concentrações Letais 50% (CL50) e 90% (CL90) e os TLM dos fungos M. anisopliae e B. bassiana aplicados de forma isolada ou em mistura técnica, em H. foeniculi não diferiram estatisticamente entre si. Há uma redução acentuada da percentagem de sobrevivência após 72 horas de observação. A resposta funcional da E.annulipes predando o pulgão foi do tipo II. O fungo entomopatogênico não influenciou no tipo de resposta funcional, e nos parâmetros da resposta funcional, (a) e (Th). Os dois bioagentes, fungos e E. annulipes mostraram-se compatíveis evidenciando assim um potencial para serem usados de forma simultânea em programas de Manejo integrado de pragas (MIP).
  • MÁRCIA PALOMA DA SILVA LEAL
  • FISIOLOGIA, PRODUÇÃO E CRESCIMENTO DE CULTIVARES DE PIMENTÃO COLORIDO EM CULTIVO SEMI-HIDROPÔNICO
  • Orientador : THIAGO JARDELINO DIAS
  • Data: 29/02/2024
  • Hora: 15:00
  • Mostrar Resumo
  • Os pimentões coloridos vêm crescendo no mercado de forma inovadora, em geral essa cultura é produzida em grande escala, tanto em operações agrícolas quanto em fazendas familiares. Os frutos de cores vermelha e amarela são vendidos na forma madura e é indicado a serem cultivados em ambientes protegidos devido ao maior tempo necessário para atingir a maturação. Mediante o exposto o presente trabalho avaliou objetivou-se avaliar o crescimento, as características fisiológicas e produtivas das cultivares de pimentão colorido Red Jet, Spniel, Fulgor, Bachata e Colima em cultivo semi-hidropônico e as condições de trocas gasosas diurnas em quatro cultivares de pimentão colorido (Bachata, Ravi, Colina e Spinel) cultivadas em sistema semi-hidropônico. O delineamento experimental foi inteiramente casualizado com quatro cultivares de pimentão colorido (Spinel, Bachata, Fulgor e Red Jet) subdivididas em cinco épocas de avaliação (7, 14, 21, 28 e 35 dias após o transplantio (DAT)) para as variáveis de crescimento e duas épocas (45 e 95 DAT) de avaliação para fisiologia com 10 repetições e no experimento de trocas gasosas diurnas foi inteiramente casualizado, e as cultivares foram avaliadas em cinco períodos distintos (8:00 h, 10:00 h, 12:00 h, 14:00 h e 16:00 h), com uma avaliação realizada aos 105 dias após o transplantio, para as variáveis fisiológicas ao longo do dia. As variáveis analisadas foram fatores climáticos, crescimento e desenvolvimento, produtividade, pós- colheita e fisiológicas. Todas as cultivares tiveram a maior taxa de crescimento absoluto aos 35 DAT e maior taxa de diâmetro do caule aos 21 DAT. Para o índice de clorofila a e b a cultivar Spinel obteve o maior valor. Apresentaram maior comprimento dos frutos e pH as cultivares Spinel e Fulgor, houve o aumento na concentração de carbono interno às 10h00 para todas as cultivares, enquanto a condutância estomática apresentou diferenças significativas, atingindo seu valor máximo (0,214 mmol m-2 s-1) às 10h00 e oscilando até as 12h00.As cultivares indicadas para serem produzidas em ambiente protegido em cultivo semi-hidropônico são Spinel, Fulgor e Bachata.
  • ALAN OLIVEIRA DE MALTA
  • BIOFORTIFICAÇÃO COM ZINCO DE Opuntia cochenillifera L.) EM SISTEMA HIDROPÔNICO
  • Orientador : MAILSON MONTEIRO DO REGO
  • Data: 29/02/2024
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • O processo de biofortificação agronômica com zinco (Zn) em plantas destinadas ao consumo é uma estratégia para combater a baixa ingestão de produtos à base de Zn pelos seres humanos. A palma Opuntia cochenillifera (L.) cactácea com potencial forrageiro e comestível é amplamente distribuída no Nordeste brasileiro. O teor de Zn na planta varia de acordo com a quantidade de fertilizante fornecida ao genótipo. Para que a biofortificação seja precisa e sustentável, é necessário saber como as plantas se comportam sob concentrações de Zn no solo ou na solução nutritiva, quando cultivadas em sistema hidropônico, considerando a sensibilidade à toxicidade do nutriente e o metabolismo das plantas a serem biofortificadas. O trabalho teve por objetivo avaliar o efeito de diferentes doses de Zn sobre a biofortificação de plantas de palma em sistema hidropônico sem oxigenação. O delineamento experimental foi em DIC, contendo seis tratamentos com três repetições. Os tratamentos utilizados foram diferentes doses de Zn: 0 (controle), 0,25, 0,50, 0,75, 1,00 e 1,25 mg.L-1) na forma de sulfato de zinco em solução nutritiva em bandejas. Foram avaliadas 13 características. Os dados coletados foram submetidos a análise de variância e quando significativo, as médias foram comparadas pelos critérios de Scott-Knott, ao nível de 5% significância. Os dados também foram submetidos a análise de regressão. De modo geral, há uma relação direta da dose de Zn aplicada e seu acúmulo nas diferentes partes da planta, ou seja, solução nutritiva com alta concentração de Zn aumentou sua concentração em todas as partes da planta. Nas raízes, a dose de 0,25 mg.L-1 proporcionou maior acúmulo de Zn. Doses iguais ou superior a 0,50 mg.L-1 de Zn, inibiram seu acúmulo nas diferentes partes da planta. Comportamento similar ao da raíz foi observado na parte submersa do cladódio mãe. Parte aérea da planta e cladódios-filhos apresentaram comportamento similar, há inibição do crescimento dos cladódios-filhos e os PFCM e PSCM foram menores a medida que aumenta a concentração de Zn. Porém, entre os tratamentos com Zn, a medida que aumenta a dose de Zn na solução nutritiva, observa-se aumentos do seu acúmulo nestas partes da planta. Os resultados evidenciam que a suplementação de Zn na solução nutritiva embora afete o crescimento de O. cochenillifera a biofortificação é possível, visto que a palma tem alta capacidade para acumular Zn.
  • ROBSON EDUARDO PEREIRA MONTEIRO
  • Extratos aquosos da fungicultura no manejo de doenças em pimentão
  • Orientador : LUCIANA CORDEIRO DO NASCIMENTO
  • Data: 29/02/2024
  • Hora: 09:30
  • Mostrar Resumo
  • O pimentão (Capsicum annum L.), é uma cultura de grande importância econômica, social e ambiental, a qual apresenta funcionalidade nutracêutica, com produção mundial superior à 36 milhões de toneladas. No entanto seu cultivo e produção podem ser severamente afetados por doenças como a antracnose (Colletotrichum sp.) e fusariose (Fusarium sp.) que podem inviabilizar a colheita e comercialização. Deste modo, o objetivo do trabalho foi avaliar a eficiência de extratos da fungicultura sobre Colletotrichum sp e Fusarium sp., bem como sua influência na atividade de enzimas ligadas à indução da resistência em plantas e frutos de pimentão. O experimento foi realizado no Laboratório de Fitopatologia e em casa de vegetação, pertencentes ao Centro de Ciências Agrárias da Universidade Federal da Paraíba, Areia, PB. Os isolado de Colletotrichum sp. e Fusarium sp. foram obtidos a partir de isolamento de áreas sintomáticas de plantas e frutos de pimentão. Os tratamentos foram extratos aquosos dos Cogumelos Pleurotus ostreatus, Lentinula edodes, Ganoderma lucidum, seus respectivos substratos pós-cultivo, substrato sem o cultivo de cogumelos (71,43g L-1 de água), fungicida Tiabendazol (2 mL. L-1 de água) e testemunha (água destilada esterilizada). No teste in vitro os tratamentos foram diluídos ao meio de cultura BDA, em placas de Petri e sobre o mesmo, um disco de colônia pura de Colletotrichum sp ou Fusarium sp. As placas foram mantidas a 25 ± 2 °C e as avaliações realizadas diariamente pela mensuração do diâmetro das colônias, com auxílio de uma régua graduada em centímetros. A produção de esporos foi realizada a partir da suspensão de esporos obtida da raspagem da colônia em placa de Petri, em que o número de esporos totais foi determinado em hemacitômetro. Os tratamentos anteriormente descritos foram aplicados nos frutos por imersão durante 5 minutos e realizadas as avaliações de severidade da doença por meio da quantificação de área lesionada com análise de imagem com auxílio de software ImageJ. Nas análises físico-químicas foram avaliados perda de massa, firmeza, pH, Sólidos Solúveis, Acidez Titulável, Relação SS/AT, Vitamina C. no teste in vivo, as sementes foram tratadas e inoculadas com o patógeno na concentração de 1 x 105. Foram analisadas altura de plantas, diâmetro de caule, volume e massa seca de raiz e a avaliação da Taxa de Infecção. A atividade enzimática da peroxidase, fenilalanina amônia liase e polifenoloxidase nas folhas e nos frutos de pimentão tratados também foram avaliadas. Os extratos da fungicultura apresentaram potencial como agente de biocontrole de Colletotrichum sp. e Fusarium sp., mantendo a qualidade das plantas e pós-colheita dos frutos de C. annum, bem como estimularam a atividade das enzimas peroxidase, fenilalanina amônia-liase e polifenoloxidase.
  • LYLIAN SOUTO RIBEIRO
  • VARIAÇÃO ESPACIAL E TEMPORAL DE MOSCAS-DAS-FRUTAS (DIPTERA: DROSOPHILIDAE: Zaprionus) EM POMARES DE GOIABA NO SEMIÁRIDO
  • Orientador : CARLOS HENRIQUE DE BRITO
  • Data: 29/02/2024
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • A fruticultura brasileira alcançou a marca de terceiro maior produtor do mundo, entretanto, o país ocupa o 23º lugar entre os exportadores mundiais de frutas. A produção de frutas ocorre em todas as regiões do país, mas predomina nas áreas de clima tropical e subtropical, onde a presença de moscas-das-frutas representa um dos principais entraves para a expansão da atividade frutícola. Visto a rápida dispersão desses drosofilídeos no território brasileiro, o amplo crescimento econômico associado à fruticultura no semiárido, o hábito generalista e potencial invasor de Zaprionus, bem como a escassez de informações sobre a ecologia e influência de habitats sobre as populações dessas moscas, essa pesquisa teve como objetivo avaliar associações da cobertura da vegetação, variação temporal e variáveis climáticas na ocorrência de moscas-das-frutas (Zaprionus spp.), em pomares de goiaba em uma sub-região do semiárido brasileiro. Os frutos foram obtidos por meio de coleta mensal, durante um ano em dois pomares sob condições distintas de cobertura vegetal circundante, no Cariri Paraibano. Também foi realizado o estudo de abundância de drosofilídeos por meio de bandejas contendo frutos de goiaba e armadilhas. O pomar com maior cobertura natural circundante foi o local com maior incidência e abundância de drosofilídeos. No entanto, essa ocorrência e abundância variou temporalmente nas duas localidades, principalmente sob influencia da variação temporal da temperatura e umidade do ar. Embora tenha sido encontrada uma variação espacial e temporal na abundância de Zaprionus spp., os índices de infestação indicam a necessidade de controle local, alertando a necessidade de monitoramento e estudos sobre o controle dessas moscas potencialmente invasoras.
  • JORDÂNIA ARAÚJO
  • QUALIDADE FÍSICA, FISIOLÓGICA DE SEMENTES E DIVERSIDADE GENÉTICA DE Crateva tapia L.DE DIFERENTES PROCEDÊNCIAS
  • Orientador : EDNA URSULINO ALVES
  • Data: 29/02/2024
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • Crateva tapia L. é uma espécie florestal, sendo o único membro do gênero monotípico Crataeva, pertencente a família Capparaceae, a qual tem múltiplas utilidades e se propaga principalmente por sementes, por isso é importante estudar o vigor das mesmas. Nesse sentido na pesquisa objetivou-se comparar a eficiência de testes de vigor quanto à sua capacidade de identificar a qualidade fisiológica de sementes de Crateva tapia, provenientes de diferentes plantas matrizes. Os frutos foram colhidos com a coloração amarelada em diferentes municípios do estado da Paraíba e os experimentos realizados no Laboratório de Análises de Sementes do Centro de Ciências Agrárias da Universidade Federal da Paraíba. No experimento I, de 40 frutos intactos das 35 plantas matrizes foram analisados o teor de água, comprimento e largura dos frutos. Nas análises de biometria das sementes utilizou-se 100 unidades referentes a cada planta matriz para comprimento, largura e espessura. Nos frutos da planta matriz 30 verificou-se as melhores médias de comprimento, largura e peso, enquanto na planta matriz 11 obteve-se os maiores valores para comprimento, largura e espessura. No estudo de diversidade genética formaram-se 5 grupos, sendo que 31 plantas matrizes estão alocadas em um mesmo grupo, indicando que possuem características semelhantes. No experimento II foi avaliada a qualidade fisiológica através dos testes de germinação, emergência e envelhecimento acelerado. Os resultados obtidos na germinação, primeira contagem e índice de velocidade de germinação indica que as sementes da planta matriz 36 são as mais vigorosas, enquanto o menor valor para porcentagem, comprimento e massa seca da parte aérea e raiz foram observados na planta matriz 6. Na emergência, observou-se que as sementes da planta matriz 4 destacaram-se em relação a primeira contagem de emergência, índice de velocidade de emergência e massa seca da parte aérea. Nas sementes da planta matriz 8 expostas ao envelhecimento acelerado observou-se maior valor de germinação e primeira contagem, naquelas da planta matriz 16as variáveis de primeira contagem de germinação, índice de velocidade de germinação e massa seca da parte aérea expressaram maiores valores. As características de correlação da qualidade fisiológica das sementes proporcionaram uma associação entre todas as variáveis.
  • JUCIELY GOMES DA SILVA
  • QUALIDADE DE SEMENTES DE Foeniculum vulgare Mill. PRODUZIDAS POR AGRICULTORES FAMILIARES DO ESTADO DA PARAÍBA
  • Orientador : RISELANE DE LUCENA ALCANTARA BRUNO
  • Data: 29/02/2024
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • Foeniculum vulgare Mill. (Apiaceae) é uma espécie medicinal, condimentar e aromática de grande relevância para os agricultores familiares do estado da Paraíba. A produção de suas sementes tem importante função na formulação de produtos agrícolas, farmacêuticos e alimentares, bem como na perpetuação dessa espécie. Ante o exposto, objetivou-se avaliar lotes de sementes de F. vulgare cultivadas por agricultores familiares, a fim de analisar a qualidade física, fisiológica e sanitária. Dessa forma, a dissertação foi desenvolvida em dois capítulos: o primeiro objetivou avaliar a qualidade física e fisiológica de sementes de F. vulgare Mill. produzidas por agricultores familiares do estado da Paraíba e comparar se a qualidade está de acordo com os padrões estabelecidos pela Instrução Normativa 42 para produção e comercialização de sementes; e o segundo teve por finalidade verificar a qualidade sanitária a partir da incidência de patógenos associados às sementes. Os diferentes lotes foram caracterizados quanto à origem (municípios), tipos de produção (orgânica e convencional) e coloração do tegumento (verde, castanho amarelada, marrom clara, castanho acinzentada e cinza opaco). Os 30 lotes foram adquiridos nos municípios de Areial, Alagoa Nova, Esperança, Montadas, Remígio e Solânea - Paraíba, Brasil. Quanto a qualidade física das sementes foi analisada a pureza e determinados o grau de umidade, o peso de mil sementes e as características biométricas (comprimento, largura e espessura). A qualidade fisiológica dos lotes foi analisada por meio da germinação (condições controladas), emergência (ambiente protegido); e do vigor (primeira contagem de germinação, índice de velocidade de germinação, comprimento da parte aérea e raiz e massa seca da parte aérea e da raiz). Com relação a qualidade sanitária, foi analisada a incidência de patógenos associados às sementes a partir do método “blotter-test”. O delineamento experimental utilizado foi inteiramente casualizado e os dados foram submetidos à análise de variância pelo teste F, sendo as médias agrupadas pelo teste de Scott-Knott (p≤ 0,05) com auxílio do software estatístico R®. Os resultados mostram uma ampla variação entre os lotes em todas as características analisadas. Apesar dos lotes de Foeniculum vulgare Mill. provenientes da agricultura familiar da Paraíba não se enquadrarem nos padrões de qualidade para à pureza física, 10 lotes [10 (99%), 24 (93%), 17 (83%), 22 (82%), 5 (82%), 29 (74%), 1 (71%), 28 (68%), 30 (65%) e 23 (64%)] alcançam o percentual mínimo de germinação (60%) recomendado pela Instrução Normativa 42, para produção e comercialização de sementes. Dos 30 lotes estudados, apenas 3 deles [8 (13,44%), 21 (14,22%) e 27 (19,4%)] não se enquadram no padrão do grau de umidade recomendado (13%) para a espécie. O lote 1 (orgânico) exibe maior peso de mil sementes, comprimento, largura e espessura. O lote 10 proveniente de produção convencional e os lotes 1 (71%), 5 (82%), 17 (83%) e 22 (82%) oriundos da produção orgânica possuem maior qualidade fisiológica em relação aos demais. No que se refere à incidência de patógenos nas sementes foram identificados 10 gêneros: Aspergillus spp., Fusarium sp., Rhizopus sp., Penicillium sp., Cladosporium sp, Colletotrichum sp., Chaetomium sp., Alternaria sp., Nigrospora sp., Curvularia sp., com predominância do fungo Aspergillus spp. Quanto à coloração, os lotes 3 castanho acinzentada e 21 cinza opaco, ambos orgânicos e oriundos do município de Esperança, se destacam por uma maior diversidade de gêneros associada às sementes, enquanto os lotes orgânicos 18 e 20, de coloração castanho acinzentada mostram menor incidência fúngica, estando associado às sementes desses lotes apenas o gênero Aspergillus sp. Sementes de alta qualidade física, fisiológica e sanitária resultam no estabelecimento rápido e uniforme das plântulas em campo e com garantia de produtividade e do produto colhido.
  • RODRIGO GARCIA SILVA NASCIMENTO
  • DISCUTINDO A COMPLEXA EVOLUÇÃO CARIOTÍPICA EM POACEAE: NÚMERO CROMOSSÔMICO E HETEROCROMATINA
  • Orientador : LEONARDO PESSOA FELIX
  • Data: 29/02/2024
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • A família Poaceae é uma das mais diversificadas entre as Angiospermas com aproximadamente 792 gêneros e 11.000 espécies, distribuídas globalmente. A distribuição das Poaceae abrange desde os círculos polares até áreas desérticas, com presença na maior parte dos ecossistemas terrestres. A família destaca-se como sendo a de maior importância econômica devido a diversas espécies utilizadas na alimentação, ornamentação, produção de biocombustíveis e forragem. A citogenética tem sido uma ferramenta importante para entender a evolução e a taxonomia das Poaceae, contudo, a variabilidade do número cromossômico é uma característica marcante nessa família. Nesta perspectiva, este trabalho investiga a variabilidade cromossômica e a distribuição de bandas CMA/DAPI em espécies das subfamílias Panicoideae e Chloridoideae, com o objetivo de contribuir para o entendimento da evolução cariotípica de Poaceae. Foram analisadas 17 espécies, revelando uma ampla variação no número cromossômico, desde 2n = 12 a 2n = 68, e um padrão de bandas heterocromática pouco diversificado. Os resultados confirmam a predominância de x = 10 e x = 9 para a maioria das espécies de Panicoideae e Chloridoideae, enquanto a determinação do número básico ancestral para estas subfamílias é mais complexa devido à variabilidade cromossômica observada em diferentes linhagens. A análise da distribuição de bandas CMA/DAPI revelou, para muitas espécies, um padrão de bandas inconspícuo, com bandas algumas vezes não visualizadas, o que limita o uso citotaxonômicos e evolutivo desse caractere. A distribuição limitada e pouco variada de bandas heterocromáticas em muitas das espécies analisadas contrasta com a maior diversidade observada em outros grupos de Poaceae, em especial nas tribos Aveneae e Triticeae (Pooideae), sugerindo uma associação entre a distribuição dessas bandas e a presença de diferentes sequências de DNAs satélites em distintas linhagens de Poaceae.
  • GUILHERME VINICIUS GONÇALVES DE PÁDUA
  • Padrões fenológicos vegetativos e reprodutivos de Hymenaea martiana Hayne em resposta as variáveis ambientais e avaliação das alterações fisiológicas de suas sementes armazenadas
  • Orientador : EDNA URSULINO ALVES
  • Data: 28/02/2024
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • As políticas de manejo de recursos vegetais têm passado por mudanças devido aos impactos sociais e ambientais associados a modelos agrícolas focados em objetivos econômicos, resultando em perdas aceleradas de biodiversidade. Hymenaea martiana Hayne, encontrada no Nordeste do Brasil, destaca-se por suas características botânicas e propriedades favoráveis para a construção civil, devido à sua madeira densa. Além disso, é valorizada na medicina tradicional brasileira, sendo utilizada no tratamento de condições inflamatórias, infecções, reumatismo e anemia, devido aos compostos medicinais presentes na planta. Nesse sentido, objetivou-se avaliar a influência de variáveis ambientais nos padrões fenológicos vegetativos e reprodutivos de H. martiana bem como as alterações fisiológicas de suas sementes em diferentes embalagens de armazenamento. Para isso foram conduzidos dois experimentos, os quais estão descritos a seguir: I – Fenologia: realizada por meio de observações de campo em cinco áreas naturais de H. martiana em Areia-PB, durante o período de maio de 2021 a abril de 2023. A cada 30 dias, foram avaliados eventos fenológicos como brotamento, senescência, botão floral, floração e frutificação. Análises estatísticas circulares foram empregadas para examinar a ocorrência, concentração, sazonalidade e duração desses períodos fenológicos. Além disso, correlações de Spearman foram utilizadas para testar a relação entre variáveis meteorológicas e as fenofases observadas durante o período. II - Armazenamento: O experimento foi conduzido no Laboratório de Análises de Sementes (LAS) na Universidade Federal da Paraíba, de janeiro de 2021 a janeiro de 2023. Sementes de H. martiana foram armazenadas em diferentes tipos de embalagens (polietileno semipermeável, papel kraft e pano) em condições de laboratório (T = 27 ± 4º C; UR = 60%). As avaliações ocorreram a cada três meses ao longo de 24 meses, utilizando um delineamento experimental inteiramente casualizado em parcelas subdivididas. As embalagens foram consideradas as parcelas principais (com 3 níveis) e os períodos de armazenamento como subparcelas (com 9 níveis). Foram realizadas análises físicas (teor de água) e fisiológicas (teste de emergência, primeira contagem, porcentagem de emergência, índice de velocidade de emergência, comprimento e massa seca de plântulas) em cada avaliação. A análise dos dados envolveu análise de variância e regressão polinomial em relação aos períodos de armazenamento. A espécie H. martiana apresenta um padrão sazonal anual de fenofases, incluindo brotamento, senescência, botão floral e floração. As datas médias variam entre as áreas, com brotamento em agosto (área 2), outubro (áreas 1, 4 e 5) e novembro (área 3). A senescência ocorre em julho (área 2) e agosto (áreas 1, 3, 4 e 5). A floração acontece em janeiro (áreas 3 e 4), março (área 2) e dezembro (áreas 1 e 5). A precipitação, temperatura e umidade relativa do ar influenciam significativamente esses eventos. A colheita de frutos de H. martiana é recomendada nos meses de outubro, novembro e dezembro em condições de brejo de altitude. As sementes de H. martiana mantêm qualidade fisiológica por até 15 meses quando armazenadas em sacos de polietileno semipermeável, papel kraft e pano, sob condições de sala climatizada (temperatura de 27 ± 4º C e umidade relativa de 60%).
  • JACIELE BESERRA DE LIRA
  • Nutrição nitrogenada no cultivo de mangueira no Vale do Submédio do São Francisco: efeitos na fisiologia, nutrição mineral e produtividade
  • Data: 28/02/2024
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • A cultura da manga (Mangifera indica L.) ocorre em vários países do mundo. O Brasil se destaca entre os países produtores e exportadores dessa fruta, principalmente a Região Nordeste, em especial o polo agrícola do Vale do Submédio São Francisco. Para atingir elevadas produtividades de mangueira deve-se levar em consideração, além dos aspectos fitossanitários e fitotécnicos, o manejo da adubação, devido a necessidade de satisfazer as suas exigências nutricionais. Dentre os nutrientes mais exigidos pela mangueira destaca-se o nitrogênio (N), que além de afetar a produtividade, influencia a qualidade dos frutos de mangueira. Assim, o objetivo deste trabalho é avaliar na fase brotativa o nível de suficiência em N da mangueira cv. Keitt, no Vale do Submédio do São Francisco. O delineamento experimental foi em blocos ao acaso com parcelas subdivididas em faixas, adotando-se as fontes de N (nitrato de cálcio e sulfato de amônio) nas parcelas e as doses de N (0, 25, 50, 100 e 200 % da dose recomendada) nas sub-parcelas, com quatro repetições. Antes da poda e da aplicação do paclobrutazol foram determinadas as variáveis de crescimento da planta (altura, diâmetro caulinar, volume de copa) e teores de macro e micronutrientes em folhas. Após a poda foram avaliados o número de brotações, total de ramos novos e comprimento e diâmetro dos ramos (cm). Ao final do experimento foi avaliado a produtividade em função dos tratamentos. A cv. Keitt tem o desenvolvimento vegetativo, teores de macro e micronutrientes foram influenciadas pelas diferentes fontes e doses de nitrogênio. O número, comprimento e diâmetro dos brotos, que apresentou melhores resultados para o N-nítrico. O uso de nitrato de cálcio para fornecimento de nitrogênio na dose de 100% (20 kg de N ha-1) apresentou os melhores resultados durante a fase de brotação pós-poda das mangas cv. Keitt. Diante das condições experimentais a produtividade na segunda safra foi influenciada positivamente pelo N-amoniacal.
  • LUCIANA ROSELI LEDRA DE AZEVEDO
  • Variação cromossômica e tamanho do genoma em Vanilla (Orchidaceae)
  • Orientador : LEONARDO PESSOA FELIX
  • Data: 28/02/2024
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • RESUMO Vanilla pertencente à subfamília Vanilloideae, destaca-se por ser o gênero de Orchidaceae mais conhecido e economicamente importante. As vagens de Vanilla spp. são fontes naturais de vanilina, um metabólito aromático amplamente utilizado na indústria alimentícia. Foram aqui analisadas espécies de Vanilla, obtidas em viagens de campo realizadas no Brasil. Foram utilizadas metáfases e prometáfases com morfologia cromossômica clara para caracterização cariomorfológica, e as medidas cromossômicas foram realizadas para a construção de ideogramas. Estimativas do tamanho do genoma foram realizadas por citometria de fluxo. As contagens cromossômicas foram 2n = 32 para todas as espécies. Ambas as espécies exibiram cariótipos moderadamente assimétricos, formados por pequenos cromossomos variando de 2,93 µm a 1,36 µm em V. chamissonis e de 3,15 µm a 0,82 µm em V. cribbiana. A variação do tamanho dos cromossomos é contínua, apesar de ser assimétrica. Vanilla chamissonis apresentou cariótipos formados por 24 cromossomos metacêntricos e oito submetacêntricos, enquanto V. cribbiana apresentou 10 cromossomos metacêntricos e 22 submetacêntricos. Vanilla parece ser bastante constante em termos de número de cromossomos, com alguns relatos de poliploidia e disploidia. Por outro lado, a variação no tamanho do genoma tem se mostrado elevada, apesar da escassez de dados na literatura. Nossos resultados ampliam os registros de tamanho do genoma de cinco para sete espécies, além de apresentarem o maior registro para o gênero até o momento, revelando uma variação de 5,10 vezes em apenas 5,8% das espécies conhecidas do gênero. Apesar de possuírem o mesmo número de cromossomos e cariótipos formados por cromossomos pequenos, as espécies de Vanilla aqui analisadas apresentam diferenças importantes na fórmula cariotípica, no tamanho dos cromossomos e nos padrões de coloração DAPI. Com base nessas características é possível diferenciar completamente V. chamissonis de V. cribbiana. Assim, dados cariológicos mais detalhados, combinados com a variação no tamanho do genoma, parecem ser uma abordagem promissora para pesquisas envolvendo citotaxonomia e melhoramento genético de Vanilla.
  • TALITA KELLY PINHEIRO LUCENA
  • Diversidade cariotípica em espécies brasileiras de Araceae com ênfase em Anthurium Schott: Bandeamento CMA/DAPI e tamanho do genoma
  • Orientador : LEONARDO PESSOA FELIX
  • Data: 28/02/2024
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • A família Araceae, pertencente a ordem Alismastales, destaca-se por apresentar características marcantes como a presença brácteas vistosas que protegem a inflorescência em forma de espádice. Foram analisadas espécies dos gêneros Anthurium, Philodendron, Syngonium e Xhantosoma através de técnicas citogenéticas de contagem cromossômica, identificação de cromossomos Bs e medição de cromossomos. Estimativas de tamanho genômico foram realizadas em espécies do gênero Anthurium e Philodendron. Quatro indivíduos do gênero Anthurium apresentaram 2n = 30, havendo destaque para a espécie A. petrophyllum que apresentou indivíduos com diferentes números cromossômicos, 2n = 30, 31 e 32; P. acutatum obteve uma variação de 32 a 33 cromossomos, revelando assim a presença de cromossomos Bs nessas espécies. Já a espécie Xanthosoma sagittifolium teve 2n=39, confirmando contagens prévias e sustentando a hipótese de x=13. Foram encontrados cromossomos Bs em A. harleyi (2n=30+1B), A. raimundii (2n= 30+1B), P. acutatum (2n=32+1B) A. ianthinopodum (2n=30+2B), A. petrophillum (2n=30+1-2 Bs), Anthurium sp. (2n=30+3 Bs) e A. urvilleanum (2n=30+8 Bs). A maioria dos cromossomos das espécies analisadas são metacêntricos e submetacêntricos e apresentaram bandas CMA+ pericentroméricas. Houve a presença de bandas DAPI+ em A. scandens, P. acutatum e S. podophylum. Os tamanhos genomicos das espécies analisadas variaram de 7,94 pg em A. bromelícola a 22,6 em A. gladiifolium. Foi possível observar variação intraespecífica na espécie A. petrophillum que variou na quantidade de cromossomos Bs e também no tamanho cromossômico. Os resultados desta pesquisa ampliam o registro de tamanho genômico de 9 espécies dos gêneros Philodendron e Anthurium, além de trazer informações relacionadas com contagens cromossômicas inéditas de A. minarum, A. urvilleanum, A. raimundii, A. harleyi e A. ianthinopodum.
  • MARÍLIA HORTÊNCIA BATISTA SILVA RODRIGUES
  • Maturação e vigor de sementes de Crateva tapia L.
  • Orientador : EDNA URSULINO ALVES
  • Data: 27/02/2024
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • A espécie Crateva tapia L., conhecida como trapiá, destaca-se economicamente devido às suas propriedades medicinais e aplicações em paisagismo, recuperação de áreas degradadas e reflorestamento, tornando-se importante o estudo de suas sementes. Assim, objetivou-se determinar a maturidade fisiológica de sementes de C. tapia e desenvolver protocolos para análise e determinação do vigor destas sementes. O trabalho foi desenvolvido no Laboratório de Análise de Sementes (LAS) do Centro de Ciências Agrárias da Universidade Federal da Paraíba (UFPB), pertencente ao Departamento de Fitotecnia e Ciências Ambientais, no município de Areia - PB. Os experimentos foram conduzidos em delineamento inteiramente ao acaso, sendo que no experimento I os tratamentos foram distribuídos em esquema fatorial 2 x 11, correspondentes a dois ciclos de produção da C. tapia (2020-2021 e 2021-2022) e diferentes estádios de maturação das sementes (25, 40, 55, 70, 85, 100, 115, 130, 145, 160 e 175 (dias após a antese - DAA), enquanto que no experimento II, os tratamentos foram distribuídos em esquema fatorial 2 x 3 x 5, correspondente a dois tipos de solução (saturada de cloreto de sódio (NaCl) e tradicional), três temperaturas (41, 43 e 45 °C) e cinco períodos de exposição das sementes ao envelhecimento acelerado (0, 24, 48, 72 e 96 horas). O experimento III foi conduzido em esquema fatorial 2 x 5 x 5, correspondente a duas temperaturas de embebição no pH de exsudato (20 e 30 °C), cinco tempos de embebição no pH de exsudato (30, 60, 90, 120, 150 minutos) e cinco lotes de sementes (lote I: matriz 0 de Juarez Távora; lote II: matriz 99 de Juarez Távora; lote III: matriz 100 de Juarez Távora; lote IV: matriz 101 de Juarez Távora e lote V: matriz Remígio) e o experimento IV esquema fatorial 2 x 4 x 5, correspondente a dois lotes de sementes (lote I: matriz de Esperança; lote II matriz de Remígio), quatro concentrações de sal 2, 3, 5 trifenil cloreto de tetrazólio (0,025; 0,050; 0,075 e 0,1%) e cinco tempos de imersão das sementes no sal de tetrazólio (90; 180; 270; 360 e 450 minutos). Durante a condução dos experimentos avaliou-se as características físicas e fisiológicas das sementes. As sementes de C. tapia L. atingem a maturidade fisiológica entre os 142 aos 150 dias após a antese, quando os frutos estão com a coloração verde e pequenos traços amarelos. O desenvolvimento das sementes de C. tapia L. envolve mudanças morfológicas e fisiológicas que afetam sua qualidade e capacidade de germinação. O teste de envelhecimento acelerado conduzido na temperatura de 41 °C por 24 h em solução saturada é a combinação adequada para avaliar o vigor das sementes de C. tapia. O teste do pH de exsudato-fenolfitaleína é eficiente para analisar a viabilidade de sementes de C. tapia, por 30 min, na temperatura constante de 20°C. O teste de tetrazólio, para avaliação da viabilidade e do vigor das sementes de C. tapia L., deve ser executado com solução na concentração de 0,075% na temperatura de 35 °C por um período de imersão de 270 minutos.
  • VITOR ARAUJO TARGINO
  • ASPECTOS DE CRESCIMENTO, FISIOLÓGICOS E BIOQUÍMICOS DE CAPUCHINHA SUBMETIDO À DOSES DE PROLINA COMO ATENUANTE DA SALINIDADE
  • Orientador : THIAGO JARDELINO DIAS
  • Data: 27/02/2024
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • Os estresses abióticos representam uma das principais razões para a baixa produtividade nas plantações, devido aos distúrbios que provocam nas plantas. Utilizar osmoprotetores pode ser uma alternativa para reduzir os efeitos prejudiciais desses estresses. As flores, folhas, frutos e botões de capuchinha (Tropaeolum majus) são empregados para diversos fins, como ornamentais, medicinais e alimentícios. No entanto, o estresse salino restringe o desenvolvimento e a produtividade dessa planta devido a distúrbios bioquímicos, fisiológicos e anatômicos. A aplicação de prolina pode ser uma alternativa para mitigar os danos causados por esse estresse na planta. Assim, o objetivo desta dissertação é avaliar o impacto da aplicação de prolina como um agente atenuante dos efeitos prejudiciais do estresse salino no crescimento, trocas gasosas e metabolismo da capuchinha. O delineamento experimental utilizado foi inteiramente casualizado em esquema fatorial 5 (condutividades elétricas – CEa: 0,5; 1,50; 3,00; 4,5; 6,5 dS m-1) x 4 (doses de prolina – PR: 0,0; 5,00; 10,0; 15,00 mL/L), com seis repetições. Foram avaliados o crescimento, trocas gasosas, índice de clorofilas e fluorescência da clorofila a. A aplicação de prolina diminuiu os efeitos nocivos do estresse salino no crescimento e nas trocas gasosas e aumentou o número de folhas, diâmetro do caule e comprimento da raiz. Além disso, aumentou a fotossíntese líquida, transpiração e condutância estomática. A dose de 15,0 mmol-1 associada à salinidade moderada da água de irrigação 3,0 dS m-1 estimula o crescimento e a troca gasosa, resultando em maior A, E e gs de T. majus.
  • MARIA JOELMA DA SILVA
  • Estratégias para conservação da qualidade e aumento da produtividade de sementes crioulas de Vigna unguiculata (L.) Walp em condições semiáridas
  • Orientador : EDNA URSULINO ALVES
  • Data: 26/02/2024
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • O feijão de corda (Vigna unguiculata (L.) Walp) é considerado um dos principais componentes da dieta alimentar do brasileiro, sendo, portanto, considerado de grande importância econômica e social nas regiões Norte e Nordeste. Dessa forma, torna-se indispensável o cultivo de sementes com boa qualidade fisiológica, altos valores de vigor e germinação, livres de doenças e com pureza genética e física, para o estabelecimento e crescimento das lavouras. Para preservar os estoques de sementes com qualidade elevada de uma estação para a seguinte, bem como manter e conservar a integridade genética do material, estratégias adequadas de armazenamento são essenciais. O armazenamento mantém a integridade fisiológica do material a ser conservado, mas não proporciona aumento efetivo de produção, este, depende da seleção de genótipos superiores por meio de programas de melhoramento. Uma maneira de aumentar a produtividade das espécies é pela seleção de plantas em populações segregantes, obtidas por hibridação de genótipos superiores. Portanto, este projeto tem como objetivos, analisar diferentes embalagens e períodos de armazenamento sobre a preservação das atividades fisiológicas e físicas de sementes crioulas de feijão corda, bem como desenvolver e selecionar híbridos adaptados e altamente produtivos nas condições semiáridas. A dissertação possui dois capítulos: no primeiro capítulo foram abordados ensaios de armazenamento e no segundo os testes de hibridação de variedade crioulas de Vigna unguiculata. Os ensaios de armazenamento foram desenvolvidos em laboratórios no Centro de Ciências Agrárias, onde as sementes foram armazenadas em lotes de 300 gramas, em duas condições de ambiente: laboratório e câmara fria, em duas embalagens: garrafas de polietileno tereftalato (tipo PET) e embalagem alternativa a vácuo, por um período de 360 dias. O delineamento experimental foi inteiramente ao acaso, em esquema fatorial 2 x 2 x 4 +1, os dados obtidos foram submetidos à análise da variância (Teste F, 0,01

    0,05) e as médias foram comparadas pelo teste de Tukey a 5%. Para o teste de germinação, foi observado significância para o efeito isolado dos períodos para as variáveis índice de velocidade de germinação e massa seca da parte aérea. Para a embalagem foi observada significância apenas na característica porcentagem de emergência. Deste modo plântulas armazenadas nos períodos de 180 e 360 dias apresentaram aumento no crescimento, já para a parte aérea os melhores valores foram aos 90 dias, não diferindo dos períodos de 180 e 270 dias. As sementes armazenadas em ambientes de câmara fria e laboratório por 360 dias, apresentaram bom desempenho, mantendo sua qualidade física e fisiológica, ou seja, estas podem ser mantidas de uma safra para outra em garrafa pet ou vácuo. Os cruzamentos foram desenvolvidos em casa de vegetação. Já os genitores e híbridos foram cultivados na Estação experimental em São João do Cariri, Paraíba. As avaliações foram realizadas após 65 dias para as características diâmetro do caule, área do folíolo central, comprimento da planta, comprimento do folíolo central, largura do folíolo central, número de vagens por planta, comprimento da vagem verde e produtividade de grãos verdes, após 90 dias foram avaliados comprimento da vagem seca, número de grãos secos, peso de grãos secos e produtividade de grãos secos. O delineamento foi inteiramente atualizado com nove repetições, os dados foram realizados conforme o método de Griffing (1956), método I, modelo fixo. Para as características avaliadas na capacidade específica de combinação houve efeito significativo a 5%, para todas as características avaliadas com exceção do número de grãos secos e peso de grãos secos. Com relação ao efeito recíproco, só foi observada significância a 5% de probabilidade de acordo com o teste F para 50% das variáveis, diâmetro do caule, comprimento da planta, comprimento e largura do folíolo, comprimento da vagem, número e peso de grãos secos. Assim, indica-se a seleção VT2 e VT5 para serem utilizadas como genitores em programas de melhoramento e as combinações híbridas VT1 x VT4, VT2 x VT5, VT3 x VT6 e VT4 x VT5, assim como os recíprocos VT2 x VT1, VT3 x VT1, VT5 x VT1 e VT5 x VT4. A hibridação por meio de cruzamentos dialélicos entre variedades tradicionais tem se mostrado eficaz na identificação dos genitores e híbridos mais promissores em programas de melhoramento do feijão de corda para as condições semiáridas.

  • JÚLIO SÉRGIO LEITE DA SILVA
  • RESPOSTA DO USO DE TORTA VEGETAL DE NIM NOS COMPONENTES DE RENDIMENTO E NA VIABILIDADE ECONÔMICA DO MILHO
  • Orientador : FABIO MIELEZRSKI
  • Data: 23/02/2024
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • A necessidade de transitar para uma agricultura mais sustentável e adaptável aos desafios ambientais, com redução da dependência de fertilizantes químicos e minimização do impacto ambiental, representa o novo paradigma do momento. Nesse cenário, estudos com a adoção de fertilizantes orgânicos na cultura do milho emergem como uma opção viável para a sustentabilidade da atividade agrícola. A torta de neem, fertilizante orgânico derivado das sementes, oferece uma proposta sustentável para melhorar a fertilidade do solo, promover o crescimento saudável das plantas e, ao mesmo tempo, minimizar os impactos ambientais associados ao uso de químicos. Para evidenciarmos isso, utilizou-se um delineamento experimental de blocos casualizados constituídos pelas quatro doses da torna vegetal de Neem (3 kg ha-¹, 6 kg ha-¹, 9 kg ha-¹ e 12 kg ha-¹) e um tratamento testemunha sem a presença do adubo orgânico. O surpreendente resultado indica a presença de um efeito significativo dos tratamentos com aplicação da torta de neem sobre os principais componentes de rendimento do milho, incluindo a produtividade dos grãos, sugerindo que o alto teor de carbono presente no produto orgânico pode induzir efeitos fitoquímicos e mudanças biológicas no solo, tornando-o mais produtivo. Para facilitar a interpretação e tomada de decisão, determinou-se também a análise de viabilidade econômica da torta de neem para a cultura do milho cultivado em sequeiro.
  • JOÃO HENRIQUE BARBOSA DA SILVA
  • ÁCIDO SALICÍLICO COMO ATENUANTE DOS DANOS CAUSADOS PELO ESTRESSE SALINO EM CAPUCHINHA (Tropaeolum majus L.)
  • Orientador : THIAGO JARDELINO DIAS
  • Data: 23/02/2024
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • O estresse salino é um dos principais estresses abiótico responsável pela baixa produtividade dos cultivos devido aos distúrbios que causam às plantas. A aplicação de ácido salicílico é uma alternativa para amenizar os efeitos deletérios do estresse salino sobre as plantas. Flores, folhas, frutos e botões de capuchinha (Tropaeolum majus) são utilizadas para fins medicinais, ornamentais e alimentícios. Contudo, o estresse salino limita o desenvolvimento e a produtividade desta planta devido a distúrbios bioquímicos e fisiológicos. Com isso, objetivou-se nesta dissertação avaliar o efeito da aplicação de ácido salicílico como atenuante dos efeitos danosos do estresse salino no crescimento, trocas gasosas, compostos bioativos e enzimas antioxidantes de capuchinha. Para tal, um experimento no delineamento inteiramente casualizado, em esquema fatorial 3 x 3, referente a 0 (sem estresse) 50 (estresse salino moderado) e 100 (estresse salino severo) mM de NaCl e aplicação de 0, 0,5 e 1 mM de ácido salicílico, com seis repetições, foi usado. No artigo I, com dados até a metade do ciclo da cultura, observou-se que a aplicação de ácido salicílico teve um efeito positivo na mitigação dos efeitos do estresse salino severo, resultando em um aumento significativo no número de folhas, sendo a dose mais eficaz a concentração de 1 mM, levando ainda, a melhorias notáveis na eficiência no uso da água e na eficiência fotoquímica. No entanto, as demais combinações de salinidade e ácido salicílico reduziram o crescimento e as trocas gasosas nas plantas de capuchinha. No artigo II, que diz respeito ao final do ciclo da cultura, observou-se que o ácido salicílico teve um efeito positivo na mitigação dos efeitos do estresse salino, aumentando o número de folhas e a fluorescência inicial e máxima. Sob estresse salino moderado, o ácido salicílico promoveu aumento nos teores de antocianinas, entretanto seu uso diminuiu os açúcares redutores, açúcares totais e ácido ascórbico. Houve aumento da atividade da superóxido dismutase em plantas de capuchinha sob estresse salino moderado e severo sob uso de ácido salicílico, assim como aumento da atividade da catalase sob estresse salino severo. A aplicação de ácido salicílico também reduziu a atividade da catalase e ascorbato peroxidase em plantas não estressadas. Em suma, a aplicação de 1 mM de ácido salicílico é uma estratégia viável para mitigar os efeitos danosos do estresse salino em capuchinha, contudo, sua aplicação não aumentou a produção de flores.
  • ANDRÉ LUCAS JANUÁRIO SILVA
  • BIOESTIMULANTE EM PLANTAS E NA QUALIDADE POS COLHEITA DE Capsicum annuum L. SUBMETIDAS AO ESTRESSE SALINO
  • Orientador : THIAGO JARDELINO DIAS
  • Data: 21/02/2024
  • Hora: 13:00
  • Mostrar Resumo
  • O pimentão é uma hortaliça de grande importância socioeconômica mundial. Trata-se de uma das principais hortaliças produzidas no mundo devido à facilidade de cultivo em pequenas áreas e seu ciclo curto. O efeito da salinidade sobre o crescimento e o desenvolvimento das plantas é um dos maiores problemas em regiões áridas e semiáridas, pois essas regiões apresentam um regime irregular de chuvas e elevada taxa de evaporação, com águas geralmente apresentando salinidade elevada, dessa forma, acarretando diminuição da produção agrícola e até a morte das plantas. Alternativas para minimizar os impactos do estresse salino em plantas envolvem a aplicação de bioestimulantes vegetais, sendo substâncias naturais que melhoram a eficiência nutricional, as respostas aos estresses abióticos, a produtividade e qualidade dos cultivos. Em razão disso, este trabalho teve como objetivo avaliar a eficiência do bioestimulante na mitigação do estresse salino em plantas de pimentão (Capsicum annuum L.). O experimento foi conduzido em vasos em casa de vegetação, utilizando-se o delineamento em blocos casualizados, no esquema fatorial 5 x 3, sendo os fatores os níveis de salinidade (0,5; 1,5; 2,5, 3,5 e 4,5 dS m-1) e a aplicação do bioestimulante nas doses de 0, 0,3 e 0,6 mL L-1 de água destilada, com 5 repetições. Os parâmetros avaliados foram: crescimento, produtividade, trocas gasosas, conteúdo relativo de água na folha, índice de clorofilas, fluorescência de clorofila, acúmulo de matéria seca, osmorreguladores, enzimas antioxidantes, danos oxidativos e análises físico-quimicas em pós-colheita. Os dados foram submetidos à análise de variância pelo teste F e, quando significativo, os tratamentos com o bioestimulante foram submetidos ao teste de Tukey e as concentrações de salinidade à regressão. Os resultados mostraram que o aumento dos níveis salinos provocou alterações morfosisiológicas e bioquímicas nas plantas, porém a aplicação foliar semanal do bioestimulante aliviou os efeitos prejudiciais do estresse salino sobre as trocas gasosas, melhorou o equilíbrio do estado hídrico foliar, bem como auxiliou a manutenção dos pigmentos fotossintéticos, melhorando a capacidade antioxidante e o ajustamento osmótico, e reduzindo consequentemente os danos causados ao aparato fotossintético de plantas de pimentão sob estresse salino. Além disso, o bioestimulante melhorou o crescimento, o desenvolvimento, a produtividade e a qualidade dos frutos de pimentão sob estas condições estressantes. Tanto a dose de 0,3 mL como a de 0,6 mL do bioestimulante mostraram ser eficientes na atenuação dos efeitos da salinidade nestas plantas. Os resultados desta pesquisa serão valiosos para uma melhor compreensão dos mecanismos fisiológicos associados à tolerância ao sal em plantas e o potencial de uso de bioestimulantes em sistemas de produção sustentáveis em regiões áridas e semiáridas.
  • SILVIO LISBOA DE SOUZA JUNIOR
  • INFESTAÇÃO E CONTROLE DE INSETOS PRAGA NO CAFEEIRO EM AREIA-PB
  • Orientador : JACINTO DE LUNA BATISTA
  • Data: 20/02/2024
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • O cafeeiro se destaca como um dos principais commodities do agronegócio mundial, sendo de grande relevância não apenas economicamente, mas também estando diretamente ligado à cultura em diversos países, como é o caso no Brasil, isso se deve ao alto valor agregado da cultura e à sua adaptabilidade produtiva. Apesar da relevância mencionada, a cadeia produtiva ainda sofre muito devido à falta de manejo adequado e à grande presença de insetos praga que a acometem durante seu ciclo, tais como o bicho mineiro, a broca do café e a cochonilha do cafeeiro, causando assim diversos prejuízos em sua produção, tornando-se necessária a avaliação dos danos causados e a busca por métodos eficazes para a diminuição da perda de produtividade. Portanto, esse estudo teve como objetivo avaliar a incidência de pragas que afetam a cafeicultura no estado da Paraíba, assim como avaliar métodos de controle químicos e biológicos. A pesquisa foi realizada na fazenda chã de jardim pertencente ao Centro de Ciências Agrárias da UFPB em duas áreas de cultivos com plantio de café já estabelecido, a primeira no terceiro ciclo produtivo e a segunda no quarto ciclo produtivo. A primeira avaliação de infestação foi realizada par os insetos: C. parahybenses e H. hampei nas variedades C.arábica: Catuaí vermelho 144, Catuaí amarelo 62, Catucaí 24137, Mundo novo, Arara e Bourbon, observando-se a presença do ataque desses insetos nas variedades, A segunda avaliação e controle foi realizada numa área de C.arábica de múltiplas variedades de plantio intercalado, onde verificou-se a ocorrência e controle de L. coffeella. Para o controle de L. coffeella, foi avaliado o número de galerias formadas pelo inseto testando-se 7 tratamentos: Metarhizium, Silicato de Potássio, Metarhizium + Silicato de Potássio, Metarhizium + Beauveria, Bold™, Match™ e Controle (Água).O delineamento experimental utilizado foi de blocos casualizados, com três blocos e 10 repetições por tratamento. Os dados foram submetidos à análise estatística através do modelo binomial com superdispersão para avaliar a incidência de H. hampeie C. parahybenses. Para a L. coffeella, os dados foram submetidos ao teste F utilizando o modelo linear generalizado, e os dados fisiológicos foram analisados através do agrupamento hierárquico. Não houve diferença estatística significativa entre as variedades testadas em relação à incidência de H. hampei e C. parahybenses. O inseticida Bold™ apresentou as melhores métricas para controle do L. coffeella em comparação aos demais produtos avaliados, além de demonstrar as melhores respostas fisiológicas.
  • VALÉRIA RIBEIRO GOMES
  • CULTIVO DE MANGUEIRAS ATAULFO E KENT SOB FONTES E DOSES DE N DURANTE A FASE DE PODA
  • Data: 31/01/2024
  • Hora: 08:30
  • Mostrar Resumo
  • O Vale do São Francisco destaca-se na produção de manga devido ao avançado nível tecnológico e manejo empregado. O sucesso dessa produção está intimamente ligado à adubação, especialmente ao manejo apropriado de nitrogênio, que influencia significativamente o crescimento vegetativo da planta. O objetivo deste estudo foi determinar as faixas adequadas de suprimento de nitrogênio durante a fase de brotação de duas variedades de mangueira (cv. Ataulfo e Kent). Utilizou-se um delineamento experimental em blocos casualizados, com tratamentos distribuídos em parcelas subdivididas, considerando duas fontes de nitrogênio (ureia - CH4N2O e sulfato de amônia - (NH4)2SO4) nas parcelas e doses de nitrogênio (0, 50, 100, 150 e 200% da dose recomendada) nas subparcelas, com quatro repetições de três plantas por parcela. A aplicação de nitrogênio demonstrou efeito significativo sobre o número de brotos nas cultivares de mangueira "Ataulfo" e "Kent". No entanto, é crucial considerar o estado nutricional da planta, uma vez que outros nutrientes também podem influenciar positiva ou negativamente o número de brotos. A dose de nitrogênio exerce uma influência significativa no número de brotos, independentemente da fonte escolhida, e essa dose pode variar entre cultivares. O período pré-poda é identificado como o momento em que o nitrogênio exerce sua melhor ação em comparação ao período pré-PBZ, uma vez que, nesse estágio, o número de brotos já está estabelecido.
2023
Descrição
  • TALITA REGINA VELOSO RIBEIRO GOMES
  • ESTRESSE SALINO E APLICAÇÃO DE BIOESTIMULANTE EM MUDAS DE MARACUJÁ SILVESTRE (Passiflora cincinnata Mast.).
  • Orientador : REJANE MARIA NUNES MENDONCA
  • Data: 22/12/2023
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • A espécie silvestre Passiflora cincinnata apresenta um potencial como espécie comestível, porta-enxerto e como planta ornamental. Na região Nordeste, as áreas com produção familiar de maracujazeiro estão em locais com baixa qualidade da água de irrigação, o que acarreta redução de produção e qualidade dos maracujazeiros. Desta forma o objetivo desta pesquisa foi avaliar os efeitos do bioestimulante Viusid® como adjuvante no processo de formação de mudas e na mitigação dos efeitos do estresse salino em relação a diferentes condutividades elétricas da água de irrigação (CEai), sobre as características fenométricas, nutricionais e fisiológicas de mudas de P. cincinnata. O ensaio experimental foi conduzido em uma estufa no viveiro de fruticultura da Universidade Federal da Paraíba-UFPB, situada no município de Areia-PB. Os tratamentos foram dispostos em delineamento em blocos casualizados, com arranjo fatorial de 3 x 3, sendo os fatores, condutividade elétrica da água de irrigação( CEai: 0,5; 2,5 e 5,0 dS m-1) e bioestimulante Viusid Agro® ( 0, 1,5 e 3ml/5L) com três repetições, sendo a unidade experimental composta por 4 plantas. Foram avaliadas características morfológicas de crescimento, nutricionais e fisiológicas das plantas. Os dados foram submetidos à análise de variância pelo teste F (p < 0,05) e de regressão. Observou-se nas plantas que a aplicação do bioestimulante na dose de 1,5 ml.5L-1 favoreceu o aumento em altura de plantas (AP) de Passiflora cincinnata M. sob concentrações de salinidade em 2,5 e 5 dS.m-1. A dose de 1,5 ml.5L-1 favoreceu o aumento da fluorescência máxima (Fm) e extravasamento de eletrólitos (EE) de Passiflora cincinnata M. sob concentrações de salinidade em 2,5 e 5,0 dS.m-1. A dose de 3,0 ml.5L-1 do bioestimulante não foi efetiva na mitigação do estresse salino . Conclui-se, portanto, que a aplicação do bioestimulante Viusid® é recomendada para formação de mudas de maracujazeiro silvestre P. cincinnata por promover incremento no crescimento, onde o período de 60 dias após a aplicação do tratamento foi adequado para a boa formação de mudas.
  • EDCARLOS CAMILO DA SILVA
  • Espécies de Fusarium associadas às sementes de feijão-fava
  • Orientador : LUCIANA CORDEIRO DO NASCIMENTO
  • Data: 21/12/2023
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • O feijão-fava (Phaseolus lunatus L.) é uma cultura que se destaca por sua importância socioeconômica em todo o mundo, inclusive na região Nordeste do Brasil. A ocorrência de fungos associados às sementes pode levar à redução do potencial fisiológico, originando plântulas menos vigorosas. O objetivo deste estudo foi avaliar os efeitos da termoterapia via calor úmido na qualidade sanitária e fisiológica de sementes de feijão-fava. O experimento foi conduzido no Laboratório de Fitopatologia (LAFIT) do Centro de Ciências Agrárias (CCA) da Universidade Federal da Paraíba (UFPB), Campus II, Areia-PB. Foram utilizadas sementes de seis variedades crioulas: Branca, Cearense, Cara Larga, Orelha de Vó, Roxinha e Orelha de Veia, as quais foram submetidas aos tratamentos testemunha (controle), fungicida Captana (240 g 100 kg-1 de sementes) e termoterapia úmida a 40, 50 e 60 °C por 5 e 10 minutos de imersão. Em seguida, submetidas aos testes de sanidade, germinação e emergência em delineamento experimental inteiramente ao acaso, no esquema fatorial 6 x 8 correspondendo a seis variedades de fava e oito tratamentos.
  • ERISVALDO DE SOUZA BURITI
  • Resistência de génotipos de palma forrageira à cochonilha-do-carmim Dactylopius opuntiae Cockerell (Hemiptera:Dactylopiidae).
  • Orientador : JACINTO DE LUNA BATISTA
  • Data: 20/12/2023
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • O semiárido brasileiro apresenta um clima predominantemente quente e seco propício ao cultivo da palma forageira. A espécie Opuntia ficus indica foi praticamente dizimada pela cochonilha do carmim havendo necessidade da avaliação de outras espécies e variedades que possam ser resistentes a esse inseto. Nesse sentido o objetivo deste trabalho foi identificar genótipos de palma forrageira resistentes a Dactylopius opuntiae. A pesquisa foi conduzida no Laboratório de Entomologia do Departamento de Fitotecnia e Ciências Ambientais do Centro de Ciências Agrárias (CCA) - UFPB – Campus de Areia/PB com 52 genótipos provenientes do Banco de Germoplasma do Instituto Nacional do Semiárido. Foram realizados testes com e sem chance de escolha. Para o teste sem chance de escolha, a raquete foi dividida em 3 quadrantes, cada quadrante infestado em três pontos contendo uma colônia com fêmea em período de postura. Os cladódios foram dispostos verticalmente em prateleiras de metal por fios de arame liso galvanizado, de modo que os dois lados fossem infestados. Foram realizadas avaliações da área infestada ao final de 60 dias, escolhendo-se uma colônia mais próxima de cada ponto de infestação do quadrante. Para o teste de resistência e/ou suscetibilidade, foram atribuídas notas visuais variando de zero a quatro, considerando-se as avaliações da preferência da cochonilha-de-carmim para oviposição e/ou alimentação. Para a quantificação do número indivíduos por cladódio e de indivíduos ou ninfas por colônia, utilizou-se a mesma colônia da quantificação da área infestada, as contagens foram semanais a partir do oitavo dia da infestação até 60 dias. O delineamento experimental foi inteiramente casualizado, considerando a raquete ou cladódio como a área experimental. Para o teste com chance de esolha, foram utilizadas 4 arenas quadradas com dimenções de 1,0m x 1,0m x 0,07 m de profundidade, dos 52 genótipos avaliados no teste sem chance de escolha, foram selecionados 14 sendo 7 suscetíveis e 7 resistentes. Em cada bloco foram dispostos os 14 gentótipos e no centro, as raquetes infestadas com as cochonilhas do carmim contendo aproximadamente 1000 colônias em estágio de postura. O delineamento experimental foi em blocos casualizado com 14 tratamentos e 4 repetições. Analise dos dados foi realizada utilizando-se os modelos lineares generalizados com distribuição gama, gaussiano e poisson com superdispersão, respectivamente, testada pelo envelope simulado meio normal, a superdispersão foi testada pelo pacote overdisp, as comparações foram conduzidas com auxílio da função glht do pacote multcomp. Constatou-se que todos os genótipos de O ficus indica apresentaram as maiores percenatgen de áreas infestadas, bem como as maiores notas para o nível e o grau de infestação, além das quantidades totais de colônias por cladódio e indivíduos por colônia, apresentando sua sucestibilidade ao ataque da cochonilha do carmim tanto para o teste com chance, quanto para o sem chance de escolha, com excessão do genótipo 19-OF, que apresentou baixa infestação. Diferentemente dos gentótipo de Opuntia cochellinifera, que na sua maioria não apresentarm infestação ao final de 60 dias, caracterizando-se como uma planta resistente.
  • MARIA DA CONCEIÇÃO LEITE DA SILVA
  • DIVERSIDADE GENÉTICA, QUALIDADE FÍSICA E FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE Talisia esculenta (Cambess.) Radlk DE DIFERENTES PROCEDÊNCIAS
  • Orientador : EDNA URSULINO ALVES
  • Data: 13/12/2023
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • O Brasil é um país que contempla uma ampla diversidade vegetal, parte dessas espécies nativas distribuídas por todo território, dentre as quais destaca-se a pitombeira [Talisia esculenta (Cambess.) Radlk], frutífera nativa da região amazônica, da família Sapindaceae, que é importante na conservação e restauração do ambiente, por isso a produção de sementes e o estudo da diversidade genética são importantes. Diante disso, objetivou-se avaliar a diversidade genética, assim como a qualidade física e fisiológica das sementes de T. esculenta provenientes de diferentes árvores matrizes, com a finalidade de selecionar as melhores de cada localidade. Os frutos foram coletados de 48 plantas matrizes com ocorrência natural nos municípios de Diamante, Areia e Cuité no estado da Paraíba e em Jaçanã no Rio Grande do Norte. O trabalho foi dividido em duas etapas, sendo que no capítulo avaliou-se a qualidade física através da caracterização biométrica dos frutos (comprimento, diâmetro e peso) e sementes (comprimento, largura, espessura, peso e a determinação do teor de água). O delineamento experimental foi inteiramente ao acaso e aplicou o teste de agrupamento de médias pelo método de Scott-Knott a 5% probabilidade. As plantas matrizes 5, 17, 23, 29, 33 do município de Areia-PB e a planta matriz 47 de Jaçanã-RN foram aquelas com maiores médias, demonstrando seu potencial com base nas características físicas. Os dados biométricos de frutos e sementes das plantas matrizes indicam variabilidade genética nas variáveis avaliadas dos frutos e sementes, além de selecionar plantas matrizes para coleta de sementes para produção de mudas e também devem ser mais úteis pelos programas de melhoramento genético. No capítulo II foi realizada a avaliação da qualidade fisiológica que consistiu da determinação do teor de água, porcentagem de emergência, primeira contagem e índice de velocidade de emergência, comprimento e massa seca de parte área e raízes. No estudo da diversidade genética utilizou-se as análises multivariada empregando-se o teste de média e os métodos de Singh, Tocher, UPGMA, análises das variáveis canônicas e construção do gráfico Blox-plot e o gráfico de dispersão tridimensional. Os métodos multivariados são eficientes na identificação da diversidade genética entre as plantas matrizes. As sementes da planta matriz 29 proporcionam maior porcentagem de emergência e da planta matriz 7 maior índice de velocidade de emergência, sendo procedentes da cidade de Areia-PB. As sementes da planta matriz 37, da cidade de Cuité-PB originaram plântulas mais vigorosas, com maior massa seca de parte área e raízes, sendo estas indicadas para coleta de sementes.
  • RAIFF RAMOS ALMEIDA NASCIMENTO
  • DESEMPENHO DA CLOROFILA E CRESCIMENTO DE MUDAS DE Passiflora edulis SOB DÉFICIT HÍDRICO E MICORRIZA
  • Orientador : WALTER ESFRAIN PEREIRA
  • Data: 27/10/2023
  • Hora: 08:30
  • Mostrar Resumo
  • O maracujazeiro (Passiflora edulis), é uma fruta atrativa, nutritiva e amplamente valorizada, tanto para consumo in natura quanto para fins industriais, rico em vitamina A e C, além de apresentar teores relevantes de ferro, potássio, sódio, magnésio, enxofre e cloretos, bem como fibras e proteínas alimentares. No entanto, o crescimento, produção e qualidade do maracujá são limitados por diversos fatores ambientais, sendo crucial à adoção de tecnológias que ajude no seu sistema de produção, como é o caso do uso de fungos micorrízicos. Além disso, a utilização de uma irrigação eficiente é importante para o maracujazeiro, buscando um melhor crescimento das mudas e consequentemente maior produtividade. Portanto, objetivou-se avaliar o crescimento, o índice e a fluorescência da clorofila de mudas de maracujazeiro submetidas a fungos micorrizicos e lâminas de irrigação. O experimento foi realizado em ambiente protegido no Centro de Ciências Agrárias da Universidade Federal da Paraíba. O delineamento experimental adotado foi de blocos casualizados, com três blocos e unidade experimental constituída por quatro mudas. Os tratamentos foram obtidos a partir da combinação de três doses (0, 150 e 300 mL ha-1) do produto comercial EndoMaxx da empresa Sumitomo Chemical e, três reposições de lâminas de irrigação (80, 60 e 40%) da capacidade de campo. Avaliou-se o crescimento (altura de plantas, diâmetro do caule, número de folhas, área foliar e as massas da matéria seca) e os índices de clorofila e fluorescência da clorofila a. Os dados obtidos foram submetidos a análise de variância e as médias foram comparadas pelo teste de Tukey a 5% de probabilidade. Observou-se que, doses de 300 ml ha-1 de fungo micorrízico promoveram o aumento na maioria das variáveis analisadas. Ainda, a lâmina de irrigação em 80% da capacidade de campo proporcionou melhor resposta na maioria das variáveis estudadas.
  • TAIANE GOMES FELICIANO DA SILVA
  • INTERAÇÃO ADJUVANTES E ECOLOGIA COMPORTAMENTAL COMPUTADORIZADA DE Marava arachidis (DERMAPTERA: LABIIDAE)
  • Orientador : JACINTO DE LUNA BATISTA
  • Data: 23/10/2023
  • Hora: 10:00
  • Mostrar Resumo
  • O controle biológico vem sendo um método muito demandado pela comunidade de produtores rurais na América Latina para o manejo de pragas de grande importância econômica. O uso de compostos adjuvantes é essencial para otimização da calda de aplicação de defensivos agrícolas. Tendo em vista que o princípio essencial do manejo integrado é a utilização de estratégias compatíveis, é essencial a condução de estudos que evidenciem a compatibilidade de moléculas químicas como o adjuvante com o controle biológico, apesar de que tal conhecimento ainda é considerado incipiente. Para a cultura do algodão, entre os inimigos naturais para o controle de Anthonomus grandis Boheman, 1843 (Coleoptera: Curculionidae), a espécie Marava arachidis (Yersin, 1860) (Dermaptera: Labiidae) possui status de destaque pela sua voracidade de ataque, manipulação da presa. Diante disso, o presente estudo teve os seguintes objetivos (i) caracterização da capacidade predatória de M. arachidis utilizando como presas larvas de 3º instar de A. grandis; (ii) evidenciar o impacto dos adjuvantes Redobro® e Ranger® na resposta funcional de M. arachidis utilizando larvas de A. grandis e (iii) em variáveis relacionadas à ecologia comportamental computadorizada desse predador. O experimento foi conduzido em condições de laboratório. Para a caracterização de resposta funcional, os predadores foram expostos às seguintes densidades de presas por predador: 1, 2, 4, 6 e 8 larvas por placa de Petri de 90x15mm, com 10 repetições em cada densidade. Para avaliação do impacto dos adjuvantes e resposta funcional, os tratamentos utilizados foram: H₂O destilada e os adjuvantes Redobro® (dose comercial= 3ml/L) e Ranger® (dose comercial= 3ml/L), sendo adotadas as mesmas densidades do estudo anterior. Variáveis comportamentais computadorizadas foram quantificadas para verificar efeitos subletais dos produtos na etologia de M. arachidis. Os dados foram modelados com regressão não linear e com análise de sobrevivência. Os resultados apontaram que M. arachidis é um excelente predador de larvas de A. grandis, com resposta funcional do tipo II; entretanto ao ser exposta ao adjuvante Ranger®, a sobrevivência e o comportamento predatório de M. arachidis foi alterado pela exposição desse adjuvante. Além disso, o padrão de locomoção de fêmeas de M. arachidis foi alterado, expressando menor frequência de repouso e mobilidade contínua. Portanto, os resultados do presente estudo evidenciam a elevada capacidade predatória de M. arachidis. Por outro lado, o uso do adjuvante Ranger® deve ser adotado de forma ponderada em virtude do seu impacto na sobrevivência e padrão de comportamento de predação de M. arachidis.
  • TAIANE GOMES FELICIANO DA SILVA
  • INTERAÇÃO ADJUVANTES E ECOLOGIA COMPORTAMENTAL COMPUTADORIZADA DE Marava arachidis (DERMAPTERA: LABIIDAE)
  • Orientador : JACINTO DE LUNA BATISTA
  • Data: 23/10/2023
  • Hora: 10:00
  • Mostrar Resumo
  • O controle biológico vem sendo um método muito demandado pela comunidade de produtores rurais na América Latina para o manejo de pragas de grande importância econômica. O uso de compostos adjuvantes é essencial para otimização da calda de aplicação de defensivos agrícolas. Tendo em vista que o princípio essencial do manejo integrado é a utilização de estratégias compatíveis, é essencial a condução de estudos que evidenciem a compatibilidade de moléculas químicas como o adjuvante com o controle biológico, apesar de que tal conhecimento ainda é considerado incipiente. Para a cultura do algodão, entre os inimigos naturais para o controle de Anthonomus grandis Boheman, 1843 (Coleoptera: Curculionidae), a espécie Marava arachidis (Yersin, 1860) (Dermaptera: Labiidae) possui status de destaque pela sua voracidade de ataque, manipulação da presa. Diante disso, o presente estudo teve os seguintes objetivos (i) caracterização da capacidade predatória de M. arachidis utilizando como presas larvas de 3º instar de A. grandis; (ii) evidenciar o impacto dos adjuvantes Redobro® e Ranger® na resposta funcional de M. arachidis utilizando larvas de A. grandis e (iii) em variáveis relacionadas à ecologia comportamental computadorizada desse predador. O experimento foi conduzido em condições de laboratório. Para a caracterização de resposta funcional, os predadores foram expostos às seguintes densidades de presas por predador: 1, 2, 4, 6 e 8 larvas por placa de Petri de 90x15mm, com 10 repetições em cada densidade. Para avaliação do impacto dos adjuvantes e resposta funcional, os tratamentos utilizados foram: H₂O destilada e os adjuvantes Redobro® (dose comercial= 3ml/L) e Ranger® (dose comercial= 3ml/L), sendo adotadas as mesmas densidades do estudo anterior. Variáveis comportamentais computadorizadas foram quantificadas para verificar efeitos subletais dos produtos na etologia de M. arachidis. Os dados foram modelados com regressão não linear e com análise de sobrevivência. Os resultados apontaram que M. arachidis é um excelente predador de larvas de A. grandis, com resposta funcional do tipo II; entretanto ao ser exposta ao adjuvante Ranger®, a sobrevivência e o comportamento predatório de M. arachidis foi alterado pela exposição desse adjuvante. Além disso, o padrão de locomoção de fêmeas de M. arachidis foi alterado, expressando menor frequência de repouso e mobilidade contínua. Portanto, os resultados do presente estudo evidenciam a elevada capacidade predatória de M. arachidis. Por outro lado, o uso do adjuvante Ranger® deve ser adotado de forma ponderada em virtude do seu impacto na sobrevivência e padrão de comportamento de predação de M. arachidis.
  • GEISA EMANUELLE SILVA FARIAS
  • QUALIDADE DE SEMENTES DE Hymenaea sp. DE DIFERENTES PROCEDÊNCIAS
  • Orientador : EDNA URSULINO ALVES
  • Data: 30/09/2023
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • O gênero Hymenaea sp. engloba uma variedade de espécies conhecidas popularmente como jatobás, com ampla distribuição no Brasil, sendo encontradas em várias regiões do país. O interesse pelo gênero está ligado ao potencial medicinal, econômico e ecológico, sendo as suas espécies indicadas em atividades silviculturais e de exploração sustentável. Nesse sentido, o objetivo foi avaliar a influência da procedência de sementes de Hymenaea sp. na dormência, qualidade fisiológica e sanitária. As sementes foram provenientes de quatro municípios localizados nos estados da Paraíba e Rio Grande do Norte: Areia (PB), Bananeiras (PB), Nova Floresta (PB) e Jaçanã (RN). Determinou-se o teor de água, as características biométricas das sementes (comprimento, espessura e peso), a dormência e na avaliação da qualidade fisiológica foram analisadas as seguintes variáveis: porcentagem de emergência, primeira contagem de emergência, índice de velocidade de emergência, plântulas anormais, comprimento e massa seca da parte aérea e de raízes de plântulas. Na avaliação sanitária buscou-se identificar os fungos a nível de gênero que se encontravam associados as sementes das quatro localidades. O delineamento experimental utilizado foi o inteiramente ao acaso, sendo os dados submetidos à análise de variância (ANOVA) pelo teste F e quando significativas, as médias foram comparadas pelo teste de Tukey (p ≤ 0,05). A procedência influencia o tamanho das sementes de Hymenaea sp., com as sementes maiores provenientes das plantas matrizes localizadas em Nova Floresta - PB, sendo estas com maior grau de dormência e menor vigor, enquanto a maior incidência de fungos foi nas sementes escarificadas.
  • VINICIUS RODRIGUES DOS SANTOS SENA
  • Crescimento e aspectos fisiológicos em mudas de Passiflora edulis em função de fontes de doses de nitrogênio
  • Orientador : WALTER ESFRAIN PEREIRA
  • Data: 29/09/2023
  • Hora: 13:00
  • Mostrar Resumo
  • O maracujazeiro (Passiflora edulis) é uma cultura de alto potencial produtivo no Brasil, se destacando por oferecer valor comestível, ornamental e medicinal. Para manter a posição de liderança, o país continua a dedicar recursos significativos à pesquisa, buscando viabilizar uma agricultura eficiente, economicamente acessível e altamente sustentável, como é o caso do uso do nitrogênio, sendo o nutriente mais exigido pela planta. Portanto, no presente experimento objetivou-se avaliar o efeito de fontes e doses de nitrogênio nas trocas gasosas e na fluorescência da clorofila de mudas de Passiflora edulis. O experimento foi conduzido em ambiente protegido no Centro de Ciências Agrárias da Universidade Federal da Paraíba. O delineamento experimento utilizado foi de blocos casualizados, com três blocos e duas mudas por parcela. Os tratamentos foram obtidos a partir da combinação entre as fontes de nitrogênio (ureia, sulfato de amônio e nitrato) e os percentuais da dose recomendada do adubo (50, 75, 100, 125 e 150%). A adubação foi parcelada três vezes utilizando na primeira e segunda 30% da dose recomendada, e na terceira 40% da dose recomendada. Para observar os efeitos dos tratamentos, avaliou-se os índices de clorofila e fluorescência da clorofila a e as trocas gasosas. Os resultados mostram que o sulfato e a ureia são recomendados como fontes de N, devido serem as que fornecem os maiores valores na maioria das variáveis analisadas. Além disso, a dose recomendada (150%) fornece os maiores valores da maioria das variáveis.
  • RUAN DOS SANTOS SILVA
  • Seleção de linhagens elite de pimenteiras para cultivo ornamental e resistência ao etileno
  • Orientador : ELIZANILDA RAMALHO DO REGO
  • Data: 29/09/2023
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • A pimenteira (Capsicum annuum L.) apresenta uma grande variabilidade genética que oferece uma infinidade de oportunidades para desenvolver cultivares ornamentais únicas para cultivo em vasos ou jardins. No melhoramento genético de pimenteiras ornamentais o conhecimento desta variabilidade é necessário para fazer a seleção de genótipos superiores para características de interesse agronômico. Nestas características, é de interesse a obtenção de genótipos com uma maior capacidade de resistir a problemas encontrados na fase de pós-produção que afetam a qualidade e a vida de vaso das plantas. Em geral, a exposição ao etileno é um dos mais importantes. Assim, o objetivo deste trabalho foi avaliar linhagens de pimenteiras com base em ensaios de competição, indicando para a seleção os indivíduos promissores para fins ornamentais e com resistência ao etileno. Foram utilizados 40 genótipos de pimenteiras ornamentais, que foram avaliados para características de porte, flores, frutos e de resistência ao etileno. A caracterização morfoagronômica foi realizada quando as plantas atingiram a fase adulta com base na lista de descritores para Capsicum spp. sugeridos pelo International Plant Genetic Resources Institute. Após as análises de caracterização morfoagronômica, quando as plantas apresentaram 50% dos frutos maduros, que corresponde ao ponto de comercialização as mesmas foram submetidas a análise de resistência ao etileno. Para tal, foi realizada a contagem das folhas por planta antes do tratamento com etileno e, logo após efetuada a contagem, as plantas foram armazenadas em câmaras herméticas com capacidade para 60L, as quais, foram colocadas em ambiente com temperatura de 25° C com 8-10 μmol s-1 m-2 de irradiância fornecida por lâmpada fluorescente branca. A aplicação do etileno foi feita com seringa graduada, injetando-se o gás através de septos de silicone existentes nas câmaras, utilizando-se a concentração de 10μL L-1. A taxa de abscisão foliar acumulada ao longo do período de avaliação (96h) foi expressa em porcentagem, em relação ao tempo zero, após a exposição com etileno. Os dados foram submetidos a Análise de Variância pelo teste F, com posterior agrupamento de médias pelo teste de Scott-Knott ao nivel de 1% de probabilidade. As estimativas de herdabilidade e a relação entre os coeficientes de variação genética e ambiental também foram calculados. Na análise da divergência genética adotou-se o método de Otimização de Tocher, baseado na distância generalizada de Mahalanobis e análise de variáveis canônicas. A importância relativa das variáveis foi determinada pelos métodos de Singh e por variáveis canônicas. Os resultados indicaram que as linhagens 56.26.15.1.5, UFPB291, 56.26.33.1.5, 55.50.4.1.1, 56.26.24.1.4, 55.50.4.1.2, 17.15.4.1.9, 17.15.48.1.2, 56.26.33.1.9, UFPB58, 56.26.33.1.3, 56.26.15.1.6, UFPB174, 56.26.34.1.4, 56.8.24.1.2, UFPB393, UFPB232, 56.26.34.1.2, 55.50.36.1.8 e UFPB273 possuem alta resistência ao etileno. Das linhagens indicadas, 56.8.24.1.2, UFPB58, UFPB232, UFPB273, UFPB291 e UFPB393 possuem simultaneamente características ornamentais requeridas para o cultivo em vaso, tais como menor porte e menores frutos, bem como maior resistência ao etileno. Sendo assim, é recomendada a seleção destes genótipos para a continuação do programa de melhoramento de pimenteiras ornamentais visando o lançamento de materiais para cultivo em vaso e com resistência ao etileno.
  • KARLA DANIELI DE SOUZA VIEIRA MESSIAS
  • USO DA TRANSPOSIÇÃO DE SOLO EM FLORESTA TROPICAL SECA NO BRASIL
  • Data: 31/08/2023
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • Anualmente aumenta a expansão das áreas degradadas em consequência da busca pelo desenvolvimento econômico, principalmente nos biomas submetidos à influência dos climas áridos, semiáridos e subsumidos secos. A Ciência da Ecologia da Restauração, surge como alternativa para recuperação dessas áreas, fundamentada nos conhecimentos ecológicos, agronômicos e silviculturais para o desenvolvimento e aplicação de teorias e modelos ecológicos nas práticas de restauração de ecossistemas degradados. Diante do exposto, a restauração ecológica surge como uma alternativa viável para resgatar os serviços ambientais perdidos com a degradação. Dentre os diversos modelos de restauração utilizados no Brasil, a nucleação é hoje um dos mais difundidos. Consta da utilização de várias técnicas que, juntas, são facilitadoras no processo natural de sucessão. Uma dessas técnicas, a transposição de porções (núcleos) de solo, consiste da retirada da camada superficial de solo mais serapilheira de uma área conservada para alocação em uma área degradada. A presente pesquisa tem como objetivo avaliar a possibilidade de recuperação de uma área degradada no Núcleo de Desertificação do Seridó utilizando a técnica de transposição do solo. Para tanto, através de bioindicadores da qualidade do solo a macro e mesofauna edáficas e o banco de sementes do solo, foram avaliadas as potencialidades para restauração ecológica de vários solos. Foram selecionadas sete áreas de diferentes microrregiões do semiárido da Paraíba, para a transposição do solo e alocação em uma área degradada. O delineamento foi em blocos casualizados, constando de oito tratamentos, um referente ao Controle (área degradada) e os outros sete, aos solos transportados de áreas conservadas nas microrregiões. Mensalmente, foram realizadas as análises do banco de sementes do solo, da macro e mesofauna. A transposição dos solos trouxe para a área em estudo um novo banco de sementes, que favoreceu o surgimento de novas espécies. Houve diferença significativa entre os solos transportados em relação a macro e mesofauna. O banco de sementes do solo nos tratamentos é formado predominantemente por espécies herbáceas anuais e efêmeras, permitindo também a inclusão de espécies arbustivo- arbóreas nos locais de deposição. A técnica de transposição do solo das diversas microrregiões configura-se como uma alternativa viável para estimular a sucessão florestal em áreas degradadas no Núcleo de Desertificação do Seridó.
  • COSMA LAYSSA SANTOS GOMES
  • GRAU DE DORMÊNCIA EM SEMENTES DE Hymeneae sp. EM FUNÇÃO DA ÁREA DE COLETA E DA POSIÇÃO DA SEMENTE NOS FRUTOS
  • Orientador : EDNA URSULINO ALVES
  • Data: 31/08/2023
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • As espécies florestais nativas possuem potencial para uso comercial e ambiental e o jatobá (Hymeneae spp.) é uma planta com diversidade de usos, destacando-se dentre tantos outros, o medicinal e madereiro, porém suas sementes são dormentes devido à impermeabilidade do tegumento à água, dificultando a produção de mudas. Diante disso, o objetivo neste trabalho foi avaliar a qualidade fisiológica e o grau de dormência de sementes de Hymeneae spp. em função da área de coleta e da posição da semente no fruto. As sementes de Hymeneae spp. foram obtidas de frutos maduros, colhidos manualmente embaixo de árvores matrizes localizadas em Nova Floresta, Areia - PB e Jaçanã - RN. As sementes foram separadas nas posições proximal e distais 1 a 4 (D1, D2, D3 e D4), de forma que a proximal foi considerada como à região mais próxima ao pedúnculo do fruto e a D1, D2, D3 e D4 consideradas regiões mais distantes do pedúnculo. Após a separação e retirada da polpa, as sementes das diferentes posições por localidade foram submetidas ao teste de emergência, sendo observadas por 5 meses. Após esse período, as sementes remanescentes foram retiradas dos baldes, mantendo-se suas posições, escarificadas no lado oposto ao hilo utilizando-se lixa de ferro n° 120 e, novamente semeadas nas mesmas condições descritas anteriormente, com avaliação até os 32 dias após a semeadura. As avaliações realizadas foram as seguintes variáveis: teor de água, biometria, porcentagem de emergência, primeira contagem, índice de velocidade e tempo médio de emergência, comprimento e massa seca da parte aérea e de raízes de plântulas, plântulas anormais e sementes mortas. O delineamento experimental utilizado foi inteiramente ao acaso, com os tratamentos distribuídos em esquema fatorial 3 x 5, sendo os fatores localidades e posição das sementes no fruto. A separação das sementes por posição no fruto é eficaz para obter sucesso na emergência de pântulas de Hymeneae spp. de modo a melhorar a eficiência e a qualidade de plantas produzidas, visto o seu potencial de uso. A dormência das sementes varia conforme a procedência e posição nos frutos. A dormência das sementes coletadas na cidade de Nova Floresta-PB é mais profunda, independemente de sua posição no fruto.
  • EULA PAULA DA SILVA SANTOS
  • CRESCIMENTO E FISIOLOGIA DE MUDAS DE MAMOEIRO (Carica papaya L.) SOB ESTRESSE SALINO E DOSES DE N
  • Orientador : WALTER ESFRAIN PEREIRA
  • Data: 31/08/2023
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • Nas áreas semiáridas as águas utilizadas nas irrigações, quase sempre, possuem elevadas concentrações de sais que podem comprometer o solo e principalmente o crescimento das culturas, causando distúrbios fisiológicos e nutricionais. Diante do exposto, este experimento foi desenvolvido para avaliar os efeitos da utilização de doses de nitrogênio combinadas com condutividade elétrica da água de irrigação de águas de distintos níveis salinos na produção de mudas de mamoeiro. O delineamento experimental foi em blocos casualizados, combinados segundo a matriz experimental Composto Central de Box, referente a cinco valores de condutividade elétrica (0,5; 1,0; 2,25; 3,5e 4,0 dS m-1) e cinco doses de nitrogênio (0,0; 1,3; 1,8; 3,1 e 3,6 g dm-3), com quatro repetições. Para as variáveis de crescimento foram avaliados a altura da planta, diâmetro do caule, área foliar, taxa de crescimento relativo das respectivas variáveis, a massa da matéria seca do caule, das folhas, das raízes, obtendo-se a massa seca total e o índice de qualidade de Dickson. Para a fisiologia foi avaliado as trocas gasosas, o teor relativo de nitrogênio. Os dados foram submetidos à análise de variância e de regressão. A dose de 1,8 g dm-3 de N proporcionou melhores resultados para as variáveis altura, diâmetro do caule e índice de qualidade de Dickson. A maior área foliar foi obtida com a dose de 2,1 g dm-3 de N. As doses crescentes de N contribuíram para aumento linear TCRA. Doses acima de 2 g dm-3 de N limitaram a MMSF, MMSR e MMST. Houve efeito significativo da interação (CEai x N) para MMSC e a dose de 1,8 g dm-3 de N atenuou o efeito da salinidade até 2,1 dS m-1. Com relação às trocas gasosas, o incremento de doses de 3,6 g dm-3 N sob 4 dS m-1, resultou em respostas positivas para as variáveis concentração intracelular de carbono (Ci), transpiração (E) e condutância estomática (gs). Constatou-se maior eficiência nos índices de flurescência e fotossíntese sob adubação de N. Os Maiores teores foliares de N foram encontrados foram obtidos na dose de 3,2 g dm-3 de N e 4 dS m-1 de condutividade elétrica da água de irrigação.
  • DANIELA ROSARIO DE MELLO
  • BIOMETRIA, GERMINAÇÃO E DIVERSIDADE GENÉTICA EM Tacinga inamoena (K. SCHUM.) N. P. TAYLOR & STUPPY (CACTACEAE)
  • Orientador : RISELANE DE LUCENA ALCANTARA BRUNO
  • Data: 31/07/2023
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • A integração do conhecimento morfofisiológico com a tecnologia e produção de sementes tem proporcionado retornos efetivos em diversos setores. Diante disso, objetivou-se definir o métododo adequado para a superação da dormência tegumentar em sementes de Tacinga inamoena, bem como a partir desta definição, caracterizar os aspectos morfofisiológicos das sementes. Assim como, realizar a morfobiometria de sementes provenientes de diferentes indivíduos de T. inamoena, com vistas à seleção de matrizes produtoras de sementes. Para isso, este estudo foi estruturado em dois capítulos, de modo que, no primeiro realizaram-se avaliações morfofisiológicas das sementes, sendo incialmente determinado o grau de umidade, seguido de mensurações manuais dos frutos (comprimento, largura, número de sementes/fruto e peso do fruto); caracterização morfológica externa e interna da semente, aplicação de métodos para superação da dormência (ácido sulfúrico 98% durante 20, 40 e 60 minutos; imersão em água quente à 60 ºC durante 10, 20 e 30 minutos; desponte e controle) e análise das variáveis: primeira contagem e percentual de germinação (%), sementes duras e mortas (%), índice de velocidade e tempo médio de germinação (dias), comprimento (mm) e massa seca (g. plântulas-1) da raiz, parte área e total de plântulas. No segundo capítulo, com base no processamento digital de imagens, utilizando-se o programa ImageJ® foram mensurados: área, perímetro, circularidade, comprimento, largura, razão de aspecto, redondeza e solidez de sementes de T. inamoena para estimativa de divergência entre os indivíduos. Com base nos resultados, a utilização de ácido sulfúrico concentrado (98%) durante 20, 40 e 60 minutos é eficiente como método de superação da dormência tegumentar em sementes de T. inamoena, em especial o tratamento de 60 minutos por conferir maior praticidade na remoção do embrião; a morfologia externa da semente é representada por tegumento ósseo de coloração marrom-clara, tendo forte ligação com o tipo de dormência ocorrente nesta espécie; os tecidos internos mostram a presença de embrião esbranquiçado em formato de J; a germinação da espécie é caracterizada como epígea e fanerocotiledonar, podendo ocorrer o surgimento de três cotilédones e poliembrionia. Além disso, a análise computadoriza de imagem é eficiente na detecção de diferenças biométricas entre indivíduos de T. inamoena; as variáveis estudadas (área, perímetro, circularidade, comprimento, largura, razão de aspecto, redondeza e solidez) podem ser caracterizadas como descritores eficazes para estimativa da diversidade genética entre indivíduos de T. inamoena; os indivíduos 1, 3, 9 e 10 devem ser selecionados para comporem lotes homogêneos de sementes com base na qualidade física superior; os indivíduos 6, 7, 8 e 9 são considerados mais divergentes, podendo ser selecionados para composição de lotes individuais de sementes com vistas à conservação da espécie.
  • ALINE DAYANNA ALVES DE LIMA MARCELINO
  • Indicadores metabólicos para identificação de genótipos de algodoeiro tolerantes a salinidade
  • Data: 27/07/2023
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • A cotonicultura exerce grande influência socioeconômica para o país, visto que o algodão fornece uma importante matéria prima, a fibra têxtil natural mais utilizada pela humanidade. Como parte viva da planta, a fibra recebe influência constante do ambiente e apresenta respostas aos estresses abióticos e bióticos. A salinidade é um estresse abiótico global que afeta o desenvolvimento e produção das lavouras. Encontra-se principalmente nas regiões áridas e semiáridas, sendo o Nordeste a região mais comprometida do Brasil, pois apresenta temperaturas elevadas e índice pluviométrico baixo, fatores que favorecem o acúmulo de íons no solo, conferindo um caráter salino. Quando a concentração salina do solo ultrapassa os limites relativos a cada faixa de salinidade limiar das lavouras, os efeitos adversos, osmóticos e de íon-específico da absorção de sais, afetam diretamente o metabolismo das plantas, inibindo a absorção da água por efeito da redução da pressão osmótica externa. Como consequência, decorrem modificações nas funções fisiológicas e bioquímicas das células vegetais. Os distúrbios desencadeados durante o estresse osmótico envolvem, especialmente, redução do crescimento, devido à queda na fotossíntese em consequência da perda de água na célula, alémde danos oxidativos em consequência da produção excessiva de EROs que provocam a peroxidação lipídica, degradação de proteínas e morte celular. Para evitar tais danos, espécies tolerantes, desengatilham diversos mecanismos de resposta, equilibrando o desbalanço das trocas gasosas de modo a favorecer o ajustamento osmótico apresentam habilidades que impedem, por meio de regulação, que excessivas quantidades de sais cheguem ao protoplasma, tolerando assim os efeitos tóxicos e osmóticos decorrentes. O conhecimento de fontes de resistência às condições desfavoráveis, são importantes para utilização nos programas de melhoramento genético da cultura. Nesse sentido o presente trabalho objetivou-se em avaliar um grupo de cultivares comerciais de algodoeiro quanto aos aspectos químico e fisiológico, visando identificar a tolerância ao estresse salino severo com base em descritores, fisiológicos, enzimáticos e polifenóis. Onze cultivares comerciais de algodão adaptadas aos ambientes Cerrado (savana) e semiárido foram cultivadas em casa de vegetação, em Campina Grande. Os seguintes tratamentos foram diferenciados quando as plantas estavam no estádio B1 (aparecimento do 1º botão floral): Controle e Estresse- representado por regas com água normal (0,3 dS m-1 ) e salina (10 dS m-1 ), durante 34 dias. A solução salina (NaCl) foi preparada seguindo a relação entre a condutividade elétrica da água (CEa) e as concentrações de sal (10*meq L-1 = 1 dS m-1 CEa). O delineamento foi em blocos ao acaso, com três repetições. Acompanhou-se o crescimento das plantas e avaliou-se as trocas gasosas com o auxílio do IRGA (Analizador de gás infravermelho), fluorescência da clorofila a com o auxílio de um aparelho fluorômetro modulado por pulso (OS5p - Opti Science), atividade das enzimas antioxidativas e prolina livre, realizadas a partir de extratos brutos de proteína total (25%) que foram extraídos de folhas jovens usando tampão fosfato monobásico (100 mM) e EDTA (0,1 mM), pH 7,0 e quantificado a 595 nm. A determinação de polifenóis, realizado de acordo com o método espectrofotométrico de Folin–Ciocalteau conforme descrito na literatura, e a capacidade de sequestro do radical peroxil onde a reação foi realizada a 37 °C e o decaimento de fluorescência foi medido a cada minuto por 2 h a 485/528 nm. A salinidade impactou o crescimento das plantas, refletindo nos dados de trocas gasosas e prolina livre na maioria das cultivares, porém, BRS 286, FMT 705, BRS 416 e BRS Acácia e CNPA 7MH exibiram a capacidade de superar o efeito do estresse e ajustar osmoticamente, portanto minimizando os danos ao crescimento. Foi observado que as cultivares BRS Acácia e FMT 701 ativaram adequadamente a maquinaria de enzimas antioxidantes, a fim de favorecer seu processo de defesa durante o período de estresse salino. No aspecto de fluorescência, ambas reduziram a fluorescência inicial, indicando melhor eficiência nos processos de fotossíntese. BRS Acácia, no entanto, superou em ajuste osmótico, com base na prolina total que chegou a 40% em plantas estressadas. Com esse ajuste, as plantas sofreram menos com o impacto do estresse salino, demonstrado pelo menor desgaste celular para produção de polifenóis durante o estresse severo. Em relação à eliminação do radical peroxil, verificou-se que BRS Acácia e FMT 701 sequestraram 20% e 40%, respectivamente, indicando que este último obteve menor atividade antioxidantante.
  • DAVID MARX ANTUNES DE MELO
  • DINÂMICA DE CO2 E SUAS RELAÇÕES COM VARIÁVEIS BIOFÍSICAS EM ÁREA DE CAATINGA
  • Orientador : DJAIL SANTOS
  • Data: 26/07/2023
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • A floresta Caatinga possui grande potencial na prestação de serviços ecossistêmicos, sobretudo em relação ao balanço do fluxo de CO2 no sistema solo-planta-atmosfera. Apesar disso, ainda existem dúvidas de como a Caatinga responderá aos impactos das variáveis biofísicas inerentes ao balanço de CO2 frente às mudanças climáticas. O objetivo foi avaliar os impactos de variáveis biofísicas no fluxo de CO2 no sistema solo-planta-atmosfera em uma Floresta Tropical Sazonalmente Seca. Sob a hipótese: se as variáveis biofísicas determinam o fluxo de CO2 no sistema solo-planta-atmosfera na caatinga, então as condições climáticas o definem, porque o clima regula os processos de produtividade e respiração do ecossistema. A pesquisa foi realizada na Estação Experimental Professor Ignácio Salcedo, do Instituto Nacional do Semiárido, no município de Campina Grande, Paraíba, Brasil, em um fragmento de floresta tropical sazonalmente seca sob regeneração há aproximadamente 50 anos, sob um Neossolo litólico. O fluxo de CO2 foi aferido em uma torre micrometeorológica por meio de aparelho irga soil-flux e medidas de Eddy Covariance com medições diárias, entre 2021 e 2022. Os dados foram processados por meio de análises diárias das médias do fluxo de CO2 e demais variáveis em intervalos sazonais, análises de regressão, seleção de modelo e modelagem de equações estruturais. Os resultados mostraram que o comportamento dos componentes dos fluxos de CO2 variaram em função da magnitude e distribuição das chuvas, apresentando variação com as menores taxas durante a estação seca e maiores taxas durante a estação úmida O fluxo de CO2 do solo na área estudada é controlado principalmente pela umidade do solo. Mesmo na estação seca a produtividade primária bruta se manteve com valores moderados e obteve seu pico na estação chuvosa. A respiração do ecossistema foi máxima nos meses chuvosos e mínima durante os meses secos devido à baixa umidade no solo. Mesmo durante a estação seca, a troca líquida de CO2 do ecossistema esteve em equilíbrio e a Caatinga funcionou como um sumidouro atmosférico de CO2 durante o período de estudo. Esta pesquisa contribui para o maior entendimento da variabilidade do fluxo de CO2 no sistema solo-planta-atmosfera em florestas sazonalmente secas do tipo Caatinga, ainda muito escassas na literatura.
  • ALBERT EINSTEIN MATHIAS DE MEDEIROS TEODOSIO
  • Fisiologia, qualidade e potencial funcional de frutos de acessos de umbuzeiros gigantes durante a maturação visando a valorização
  • Orientador : SILVANDA DE MELO SILVA
  • Data: 30/06/2023
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • Spondias tuberosa é uma espécie nativa brasileira de importância socioeconômica para a agricultura familiar e com grande apelo para a conservação de sua variabilidade genética, com elevada ocorrência no Semiárido Brasileiro. O umbu é um fruto consumido fresco ou processado, com ampla aceitação pelo consumidor devido ao seu sabor agridoce e pela diversidade de coloração na casca. Umbus gigantes são acessos promissores selecionados, cujo cultivo foi iniciado em pomares comerciai no Sudoeste da Bahia, os quais se destacam pelo tamanho e massa dos frutos em relação aos umbus silvestres, podendo ser até dez vezes maiores. Estas características sugerem um alto potencial comercial nacional, bem como para exportação. Baseado no exposto, este trabalho foi dividido em 2 experimentos, em delineamento inteiramente casualizado e 4 repetições. O Experimento I teve como o objetivo avaliar a fisiologia da maturação e a qualidade de frutos dos acessos de umbus gigantes: América Dourada (AD), Lontra (LO) e Macaúbas (MA) em quatro estádios de maturação, com base na coloração da casca: predominante verde (VE), verde amarelado (VA), amarelo esverdeado (AE) e predominante amarelo (AM). No Experimento II o objetivo foi avaliar os compostos bioativos, perfil de fenólicos e a atividade antioxidante dos acessos de umbuzeiros gigantes (AD, LO e MA) em quatro estádios de maturação (VE, VA, AE e AM). No Experimento I, os frutos dos umbuzeiros gigantes apresentam padrão respiratório típico climatérico, com pico climatérico após o do etileno, com diferentes evoluções da coloração e ampla diversidade morfológica, a depender da variedade. As mudanças de cor e de firmeza podem ser consideradas índices adequados de maturação para indicar o ponto de colheita destes frutos. A variabilidade entre os acessos e os estádios de maturação quanto aos atributos avaliados influencia diretamente a qualidade dos umbus gigantes e os direcionam sugestivamente para o consumo de mesa e o processamento. Os umbus gigantes são frutos tropicais com aspectos de qualidade muito específicos que os tornam promissores para exploração comercial. No Experimento II, os teores de carotenoides, flavonoides amarelos, antocianinas, compostos fenólicos totais, atividade antioxidante e o perfil de fenólicos aumentaram na casca e na polpa dos frutos de umbuzeiros gigantes com o avanço da maturação. O ácido cafeico foi o ácido fenólico majoritário na casca e na polpa, enquanto que os flavonoides encontrados em maiores teores na casca foi a miricetina e na polpa a catequina. O máximo potencial funcional dos três acessos de umbuzeiros gigante foi atingido no terceiro estádio de maturação. Estes frutos podem ser considerados fonte promissoras de compostos bioativos para consumo humano pelos potenciais efeitos antioxidantes benéficos à saúde, com grandes possibilidades para consumo fresco nos grandes mercados, além da utilização na agroindústria para o desenvolvimento de novos produtos com alto valor agregado.
  • EDINETE NUNES DE MELO
  • CULTIVO DO MARACUJAZEIRO-AMARELO EM FUNÇÃO DE VOLUME COVA, LÂMINAS DE IRRIGAÇÃO E DOSES DE POLÍMERO HIDRORRETENTOR
  • Data: 30/06/2023
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • A disponibilidade hídrica é um fator limitante para o cultivo do maracujazeiro-amarelo, técnicas de manejo do solo e o uso de polímeros hidrorretentores podem potencializar a retenção de água no solo, reduzir as perdas de água e reduzir a frequência de irrigação na cultura. Neste sentido, o objetivo da pesquisa foi avaliar a influência de lâminas de irrigação, volumes de cova e doses de polímero hidrorretentor na fertilidade do solo, estado nutriticional, trocas gasosas, índices de clorofila e produtividade do maracujazeiro-amarelo cv. BRS GA1. O experimento foi conduzido em blocos casualizados, em parcelas subdivididas no esquema fatorial 2 × (2 × 5), tendo como parcela principal as lâminas de irrigação de 70 e 100% da evapotranspiração da cultura (ETc), as subparcelas pelos volumes de covas de 64 e 128 dm3 e as doses do polímero hidrorretentor de 0; 0,5; 1,0; 1,5 e 2,0 g dm-3. Há efeito das lâminas de irrigação, volume de covas e doses do polímero hidrorretentor nos índices de clorofila foliar, trocas gasosas e produtividade do maracujazeiro-amarelo. Na cova de 64 dm3 recomenda-se aplicar doses de até 1,1 g dm-3 do polímero hidrorretentor, associado a irrigação com lâmina de 70% da ETc. Doses de 2,0 g dm-3 do polímero hidrorretentor, no volume de cova de 128 dm3, associado a lâmina de irrigação de 100% da ETc causa possível estresse nas plantas de maracujazeiro-amarelo por excesso de água.
  • CARLOS JARDEL ANDRADE OLIVEIRA
  • ATRIBUTOS DO SOLO, FISIOLOGIA, PRODUÇÃO E QUALIDADE DE FRUTOS DE MARACUJAZEIRO-AMARELO EM FUNÇÃO DE NPK E DENSIDADES POPULACIONAIS
  • Orientador : WALTER ESFRAIN PEREIRA
  • Data: 30/06/2023
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • O maracujazeiro-amarelo (Passiflora edulis Sims.) encontra no Brasil excelentes condições para sua produção, sendo de grande importância econômica no Brasil, destacando-se a região do Nordeste com a maior região de maior produção nacional, no entanto, a produtividade é relativamente baixa, estando relacionada à vários fatores, como os altos custos de produção, adequação do manejo hídrico, variações climáticas e adubações inadequadas, bem como os sistema de cultivo e condução são entraves a um maior rendimento da cultura. Sabendo-se da importância da adubação com NPK para o desenvolvimento e produção da cultura, se faz necessário avaliar os atributos químicos, o comportamento fisiológico e a produção de maracujazeiro-amarelo em função de arranjos de doses de nitrogênio e fósforo, com adicional de potássio, e de densidade populacional. O experimento foi instalado no Sítio Macaquinhos, município de Remígio, estado da Paraíba, Brasil. Os tratamentos foram obtidos através da combinação de cinco doses de nitrogênio (100, 144, 250, 356 e 600 kg N ha-1) e de cinco doses de fósforo (20, 75, 210, 285 e 400 kg P2O5 ha-1) mais um tratamento adicional – adubação potássica (780 kg K2O ha-1), combinados fatorialmente com uma e duas plantas por cova, totalizando 20 tratamentos distribuídos no delineamento de blocos casualizados, com três repetições e três covas por parcela. A aplicação das maiores doses de nitrogênio e fósforo, 600 kg ha-1 e 400 kg ha-1, respectivamente, aumenta os teores de P, K+, Ca+2, Mg+2, SB e CTC, no cultivo com uma e duas plantas por cova de maracujazeiro-amarelo. Os resultados referentes aos atributos químicos no Capítulo I: A aplicação da maior dose nitrogenada reduz os teores de Na+, H+ + Al+3 e PST em solos cultivados com uma e duas plantas de maracujazeiro-amarelo. Já a maior dose de fósforo (400 kg ha-1) reduz o pH. A dose adicional de potássio (780 kg ha-1) aumenta os valores de pH, Na+, Mg+2, PST e V na 0-20 e 20-40 cm em solos cultivados com duas plantas por cova de maracujazeiro-amarelo. Já no cultivo com uma planta por cova de maracujazeiro-amarelo, o aumento da dose adicional de potássio reduz os teores de P, Ca+2, SB e CTC na camada 20-40 cm. Recomenda-se a dose adicional de potássio (780 kg ha-1) apenas para o cultivo com duas plantas por cova de maracujazeiro-amarelo. Os aspectos fisiológicos no Capítulo II: As doses de 600 kg ha-1 de nitrogênio e 400 kg ha-1 de fósforo aumenta os índices de clorofila ‘a’, ‘b’ e ‘total’ nos cultivos com uma e duas plantas por cova. As maiores dose de nitrogênio (600 ha-1) e menor dose de fósforo (20 ha-1) aumenta a Fv, Fv/Fm e na relação Fv/Fo, e a Fv’, Fv’/Fm’, a relação Fv’/Fo’, no cultivo com duas plantas por cova. Contudo, o aumento das doses de N afeta negativamente a Fv’, Fv’/Fm’ e Fv’/Fo’ no cultivo com uma planta por cova. A dose adicional de potássio (780 kg ha-1) aumenta os índices de Fv, Fv’, Fm’, Fv’/Fm’, Fv’/Fo’, NQP e ETR em plantas de maracujazeiro amarelo em plena floração, e Fv’/Fo’ e ETR no final da frutificação, no cultivo com uma planta por cova. A produção no Capítulo III: É indicado o cultivo com duas plantas por cova de maracujazeiro-amarelo, pois aumenta a produtividade em até 37%. Recomenda-se a aplicação da dose de 600 kg ha-1 de nitrogênio em combinação com a dose de 400 kg ha-1 de fósforo, pois favorece o índice de amadurecimento precoce, a espessura da casca, o número de frutos, produção por cova e produtividade de maracujazeiro amarelo, no cultivo com uma e duas plantas por cova. Recomenda-se a aplicação da dose adicional de potássio (780 kg ha-1) no cultivo com uma e duas plantas por cova de maracujazeiro-amarelo.
  • ROBEVANIA DA SILVA ALVES ALMEIDA
  • PEQUENOS RUMINANTES E USO DO OZÔNIO COMO PROMOTORES DE SUPERAÇÃO DA DORMÊNCIA EM SEMENTES DE ESPÉCIES FLORESTAIS
  • Orientador : RISELANE DE LUCENA ALCANTARA BRUNO
  • Data: 26/06/2023
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • O bioma Caatinga abriga milhares de espécies da flora, as quais contribuem para uma série de serviços ecossistêmicos. Espécies da família Fabaceae com ocorrência neste bioma possuem potencialidades ecológicas, sociais e econômicas. No entanto, suas sementes apresentam, em sua maioria, dormência tegumentar, o que pode causar impedimento da retomada da germinação, desuniformidade e perda de produção. Dessa forma, ressalta-se a importância de pesquisas que viabilizem a superação da dormência nessas espécies. Diante disso, objetivou-se com este estudo avaliar a passagem de sementes pelo sistema digestório de pequenos ruminantes, bem como à exposição a ambientes ozonizados (O3), como métodos de superação da dormência tegumentar. O trabalho foi dividido em duas etapas, sendo cada uma descritas na forma de capítulo. No capítulo 01, avaliou-se a passagem das sementes de Libidibia ferrea (pau-ferro) e Senna spectabilis (canafístula) pelo sistema digestório de caprinos e ovinos por diferentes períodos. Avaliando-se o número de sementes recuperadas, germinação (%), índice de velocidade de germinação, tempo médio de germinação, comprimento da parte áerea e raiz (mm) e massa seca da parte áerea e raiz (g). A passagem pelo sistema digestório de caprinos e ovinos foi efetiva para superação de dormência das sementes de ambas as espécies estudadas, conferindo maior desempenho fisiológico em comparação as sementes intactas, ou seja, aquelas que não passaram pelo intestino dos animais. No capítulo 02, foram avaliadas três concentrações de O3 (0, 10 e 20 mg L -1) por cinco períodos de condicionamento (0, 30, 60, 90 e 120 min), em sete espécies florestais. Posteriormente, foram avaliadas a primeira contagem de germinação (%), percentual de germinação, índice de velocidade de germinação, comprimento digital das plântulas (mm) e massa seca de plântulas (g). De modo geral, o pré-condicionamemto fisiológico em O3, resultou em efeitos positivos na germinação de Pityrocarpa moniliformes (33 ± 61%), Cenostigma pyramidale (71 ± 96 %) e Libidibia ferrea (62 ± 85 %), com valores máximos de germinação superiores a 50%. Os métodos de superação de dormência tegumentar empregados neste estudo têm grande potencialidade de uso, ressaltando-se a importância da realização de estudos complementares que investiguem diferentes formas de adição de sementes na base alimentar de pequenos ruminantes, bem como a análise de concentrações e períodos mais intensos de O3 como mecanismos de superação da dormência tegumentar.
  • LUCELIO MENDES FERREIRA
  • Óxido nítrico na morfofisiologia e qualidade de beterraba sob estresse hídrico
  • Data: 02/06/2023
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • A seca é um fenômeno climático que afeta a produção de diversas culturas no mundo todo, como é o caso da beterraba, um alimento funcional rico em nutrientes, açúcares e compostos bioativos. Considerando o potencial do óxido nítrico (NO) em mitigar o estresse hídrico e melhorar a qualidade pós-colheita de outras espécies, a aplicação exógena de doadores de NO, como o nitroprussiato de sódio (SNP), representa uma importante estratégia para o cultivo de beterraba sob estresse hídrico. Assim, o objetivo deste estudo foi avaliar os efeitos do SNP na morfofisiologia e qualidade pós-colheita de beterraba submetida a diferentes níveis de estresse hídrico. Para isso, a morfofisiologia de plantas de beterraba pulverizadas com 100 µM de SNP ou água (controle), foi avaliada aos 36 e 66 dias após a semeadura (DAS), correspondendo a dois estádios de desenvolvimento (plântulas jovens, e plantas adultas, respectivamente). Até os 36 DAS, as plântulas foram submetidas a três níveis de irrigação: 80% da capacidade de vaso (CV – bem regada); 15% da CV (estresse hídrico moderado); e restrição hídrica severa dos 15 a 36 DAS. Após esse período, as plantas foram submetidas a quatro níveis de irrigação: 80% da CV, 15% da CV, restrição hídrica severa dos 15 a 36 DAS, seguida de re-irrigação (36 a 66 DAS); e restrição hídrica tardia, dos 45 a 66 DAS (estresse hídrico severo tardio). Nessas etapas foram avaliadas as trocas gasosas, clorofilas totais, fluorescência da clorofila, extravasamento de eletrólitos, teor de água e crescimento das plântulas. Aos 66 DAS, as raízes das plantas irrigadas com 80% e 15% da CV foram coletadas e armazenadas para avaliação dos seguintes atributos de qualidade pós-colheita: rendimento radicular, produção de açúcares, açúcares redutores, açúcares não-redutores, proteínas, lipídios, cinzas, teor de água nas raízes, sólidos solúveis, acidez titulável, pH, vitamina C, fenólicos, betalaínas totais, betacianinas, betaxantinas e capacidade antioxidante. Os resultados mostraram que os estresses hídricos moderado (15% CV) e severo (restrição total) reduziram o crescimento e a capacidade fotossintética da beterraba, enquanto a re-irrigação reverteu completamente os efeitos negativos da seca. Por sua vez, a aplicação de SNP reverteu os efeitos do estresse moderado, principalmente devido ao aumento na eficiência de carboxilação e eficiência fotoquímica. Porém, o SNP não foi efetivo na mitigação do estresse severo. Com relação à qualidade pós-colheita, a seca reduziu o rendimento radicular e de açúcares, mas aumentou a produção de compostos bioativos e a capacidade antioxidante da beterraba, enquanto a aplicação do SNP mitigou os efeitos negativos da seca, além de aumentar o conteúdo de vitamina C e a capacidade antioxidante, independentemente do estresse hídrico. Em conjunto, tais resultados indicam que a aplicação de SNP mitigou o estresse hídrico moderado em plantas de beterraba, melhorando também sua qualidade pós-colheita.
  • KATYANNE MACIEL WANDERLEY
  • DIVERSIDADE GENÉTICA E ANÁLISE DIALÉLICA EM COENTRO (Coriandrum sativum L.)
  • Orientador : MAILSON MONTEIRO DO REGO
  • Data: 02/06/2023
  • Hora: 08:30
  • Mostrar Resumo
  • No Brasil, o coentro é utilizado como tempero em larga escala. É possível que, em termos de valor de mercado, seja a segunda hortaliça folhosa mais importante do país. É cultivado ao longo de todo o ano e por muitos produtores, desempenhando um papel social significativo, especialmente nas regiões Norte e Nordeste do Brasil. Esta espécie apresenta diversidade para características de porte, flor e frutos, o que lhe confere diferentes potencialidades de uso. Além do grande consumo in natura, também são utilizados para extração de óleos essenciais de alto valor agregado, empregados nas indústrias de flavorizantes, cosméticos e medicamentos. Por apresentarem grande variabilidade genética, concede à espécie potencial para uso no melhoramento genético. Assim, o conhecimento da diversidade entre os indivíduos possibilita o arranjo de genótipos em grupos, que quando entrecruzados, podem obter maiores resultados de heterose. Os genótipos podem ser entrecruzados e avaliados por meio da metodologia da análise dialélica, sendo as de Griffing (1956), Gardner e Eberhart (1966) e Hayman (1954), as mais utilizadas. Desta forma, objetivou-se avaliar a diversidade genética entre os genitores de coentro (Coriandrum sativum L.), realizar cruzamentos dialélicos e determinar os mais promissores. O experimento foi desenvolvido em estufa agrícola no setor de Biotecnologia Vegetal do Centro de Ciências Agrárias da Universidade Federal da Paraíba (CCA-UFPB). Foram utilizados 9 genitores de coentro (C. sativum L.), o delineamento utilizado foi o inteiramente casualizado. Os dados foram submetidos à análise de variância, teste de médias Scott-Knott e estimados a herdabilidade. A divergência genética foi analisada pelo método de Tocher, com base na distância generalizada de Mahalanobis e análise de variáveis canônicas com dispersão gráfica dos acessos. A importância relativa das variáveis foi determinada pelo método descrito por Singh (1981) e por variáveis canônicas. Para a análise dialélica, foram utilizados 36 tratamentos (8 genitores e 28 híbridos) com dez repetições. A análise dialélica foi realizada para estimar a Capacidade Geral de Combinação (CGC) e Capacidade Especifica de Combinação (CEC), conforme o método de Griffing (1956). Para determinar a heterose e seus componentes, foi empregada a metodologia de Gardner e Eberhart (1966) e para estudar da herança das características morfoagronômicas, utilizou-se a metodologia de Hayman (1954). Verificou-se a existência de divergência fenotípica entre os genitores de C. sativum L., podendo ser utilizados em programas de melhoramento genético de coentro. Os genótipos Verdão, Rei, Leisure 06, Duradero e Tabocas foram selecionados. Os resultados evidenciaram que para as características de plântula, planta, flor e frutos, houve influência dos efeitos aditivos e não aditivos, com superioridade para os efeitos aditivos. Os híbridos Tabocas x Verdão (2x6), Tabocas x La Reina Baja (2x4), Purple x Rei (1x7), Verdão x Calypso (6x8), Tabocas x La Reina Baja (2x4), Cilantro x Verdão (3x6), La Reina Baja (4x6), Verdão x Rei (6x7), La Reina Baja x Rei (4x7), Tabocas x Rei (2x7), Purple x Tabocas (1x2) e Duradero x Verdão (5x6) podem ser utilizados para dar continuidade ao programa de melhoramento. Existe diversidade entre os acessos estudados, com efeitos significativos de heterose e seus componentes. Há possibilidades de ganhos genéticos, via programas de melhoramento, referentes às características planta, flor e frutos em coentro e os genótipos Purple, Verdão e Rei apresentaram a maior concentração de alelos favoráveis para caracteres de porte, flor e frutos.
  • DAYANE GOMES DA SILVA
  • DESEMPENHO DE CAPRINOS NA DISPERSÃO DE SEMENTES DE ESPÉCIES FLORESTAIS FORRAGEIRAS
  • Orientador : RISELANE DE LUCENA ALCANTARA BRUNO
  • Data: 31/05/2023
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • Baseado no papel fundamental dos caprinos na dispersão de sementes, objetivou-se com esta pesquisa avaliar o potencial de caprinos como dispersores de sementes da Caatinga e a contribuição de suas cíbalas na disseminação de espécies florestais forrageiras encontradas neste Bioma. Dessa forma, a avaliação da eficiência da passagem pelo sistema digestório de caprinos para o processo de dispersão foi realizado em 16 caprinos fêmeas da raça Moxotó que, após adaptados, foram colocados em gaiolas metabólicas individuais, providas de comedouro e bebedouro, para iniciar a oferta das respectivas sementes. Para cada animal foram fornecidas, às 06:00 h da manhã, 600 sementes de cada espécie florestal, envoltas em melaço e misturadas com a ração para facilitar a ingestão. Sendo a oferta realizada de cada espécie florestal para cada dois animais, com total de 1.200 sementes. O restante da ração (farelo de milho, farelo de soja, feno de capim tífton e suplemento mineral) foi ofertado à tarde (17:00h), para complementar as necessidades animais, segundo NRC (2007). A coleta do material orgânico (cíbalas) ocorreu após 24h da oferta das sementes, durante quatro dias. Após este período, o material de cada espécie foi homogeneizado e subdividido em amostras de trabalho (bancos de sementes em ambiente natural, bancos de sementes sob diferentes substratos em casa de vegetação e caracterização físico-química das cíbalas. As cíbalas destinadas para análise química foram secas em estufa à 55°C, moídas, peneiradas e acondicionadas em recipientes identificados e encaminhadas para análise (Matéria orgânica (MO), Condutividade elétrica (CE), Potencial Hidrogeniónico (pH) e Carbono orgânico total (C). Com relação a implantação dos bancos de cíbalas, e consequente avaliação do processo de regeneração, realizou-se a caracterização química do solo da área de estudo. Em ambiente natural, a distribuição das cíbalas se deu considerando um total de 1000 cíbalas por tratamento (espécie) em parcelas de 1m2, com 5 repetições, sendo o material recoberto por uma camada de solo de 2 cm, em uma área total de 26 x 35 m. Já em ambiente controlado (casa de vegetação), procedeu-se a distribuição das cíbalas em dois substratos (areia e solo), dispostos em bandejas de 50 x 30 cm, sendo utilizados 4 repetições de 200 cíbalas por tratamento (espécie) para o substrato areia, e 5 repetições de 500 cíbalas por tratamento, para o substrato solo. Ambos os substratos foram mantidos em capacidade de campo de 80%, sendo o solo oriundo de S.J.C.- PB (área de estudo da regeneração natural). Em relação a dispersão em ambiente controlado, para aferir a quantidade de sementes presente nas cíbalas, foram selecionadas quatro subamostras de quinhentas cíbalas, cuidadosamente maceradas manualmente para posterior contagem da quantidade de sementes oriundas das cíbalas, para cada espécie florestal forrageira estudada. As plântulas emersas foram contabilizadas por sete meses, ponderando-se o número total de plantas resultantes das espécies florestais em cada parcela. As avaliações morfológicas foram realizadas nos períodos de 30, 60, 90, 120, 150, 180 e 210 dias, sendo analisadas as seguintes variáveis: Número de plantas, Diâmetro do colo, Número de folhas e Comprimento da planta. Para auxiliar na determinação das espécies com maior germinação e, consequentemente, dispersão após a passagem pelo sistema digestório dos caprinos, foram calculadas as frequências, abundância e densidade relativa, de acordo com as seguintes fórmulas: Frequência absoluta, relativa, Abundância média por parcela, Densidade relativa e Porcentagem de sobrevivência. O experimento foi instalado em DBC para ambos experimentos, em área de ambiente natural, contendo sementes dos 8 tratamentos (7 espécies oriundas das cíbalas e uma testemunha – parcelas sem semeio) em 5 repetições, totalizando 40 parcelas. E para o ambiente controlado, utilizou-se o mesmo número de tratamentos em 4 repetições, totalizando 32 parcelas. As variáveis analisadas dos diferentes ambientes e substratos foram representados por meio de box plot, com os valores submetidos à Mapas de calor (Heatmap) com análise de agrupamento utilizando-se a distância de Gower e o método de agrupamento UPGMA e Análise de Componentes Principais. Para a realização da análise estatística e obtenção dos gráficos, utilizou-se o programa estatístico (CORE TEAM, 2018). Com base nos resultados: Todas as sete espécies florestais forrageiras tiveram suas plântulas regeneradas, por meio da dispersão das cíbalas por caprinos, nas condições ambientais de São João do Cariri (S.J.C.) - PB; Os caprinos contribuem para a dispersão de sementes das sete espécies florestais forrageiras, em especial para L. ferrea, L. leucocephala e D. virgatus, em ambiente natural; Em ambiente controlado (casa de vegetação), com exceção da espécie M. tenuiflora, todas as sementes das demais espécies produziram plântulas oriundas das cíbalas; A análise de agrupamento indica a formação de três grupos em função do ambiente natural (S.J.C.) e ambiente controlado (casa de vegetação) com substrato areia, proveniente da germinação das sementes dispersas por cíbalas; Em ambiente controlado e substrato solo, houve a formação de quatro grupos, destacando-se o primeiro com a presença das espécies P. stipulacea, D. virgatus e L. leucocephala com maiores valores para, Comprimento de Plântulas e Diâmetro do Colo.
  • LUCAS SOARES RODRIGUES
  • ESTRATÉGIAS DE MANEJO DO POMAR PARA INCREMENTO NA PRODUTIVIDADE E QUALIDADE DE FRUTOS DE MANGAS ‘ATAULFO’ E ‘KENT’
  • Data: 30/05/2023
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • A manga (Mangifera indica L.) é umas das frutas tropicais de maior importância econômica em todo o mundo e no Brasil é o segundo fruto mais exportado. As cultivares Ataulfo e Kent tem se destacado pelas características físico-químicas e sensoriais favoráveis, sendo mais demandadas pelo mercado internacional, para isso produtividade e qualidade do fruto são ligadas. A qualidade do fruto é um fator de extrema relevância, onde o cálcio (Ca) tem sido sinônimo de qualidade do fruto e algumas práticas como o déficit hídrico antes da colheita pode influenciar positivamente nesses fatores citados. Com isso, objetivou com o trabalho avaliar o efeito de fontes de cálcio e aplicação da restrição hídrica antes da colheita no estado nutricional, produtividade e na qualidade pós-colheita de frutos de mangueira ‘Ataulfo’ e ‘Kent’ produzidas em condição semiárida do Vale do São Francisco. O experimento foi realizado em duas áreas diferentes de pomar comercial de mangueira. O delineamento foi em blocos casualizados, no esquema fatorial 4 × 2, com quatro repetições e três plantas por parcela. Os fatores foram referentes às fontes de cálcio (sem aplicação de cálcio, cloreto de cálcio – CaCl2, cálcio complexado em ácidos orgânicos – Ca-AO e ácidos complexados em aminoácidos – Ca-AA) e suspensão da lâmina hídrica quinze dias antes da colheita (sem e com). Amostras de solo e folhas foram coletadas no pré florescimento e pós colheita para determinação de fertilidade e para estimativa da produtividade (t ha-1), foram contabilizados o número de frutos e em seguidas pesados (massa de frutos) e multiplicado pela densidade de plantio para determinação da produção (kg planta-1).E para fins de determinação da físico-química, foram colhidos frutos com maturidade fisiológica. A utilização de produtos complexantes em cálcio promove disponibilidade de outros nutrientes no solo favorecendo absorção e incrementando nos teores nutricionais no pré florescimento e pós colheita. Como também, fontes complexadas com déficit hídrico antes da colheita eleva a capacidade produtiva e a qualidade pós-colheita. No entanto, aplicação de cálcio complexado com aminoácidos apresentam frutos com mais qualidades e de acordo para exportação em ambas cultivares.
  • ANA CAROLINA BEZERRA
  • FISIOLOGIA, CRESCIMENTO E ANATOMIA DE Capsicum chinens CULTIVADA SOB SALINIDADE E APLICAÇÃO DE PROLINA
  • Orientador : THIAGO JARDELINO DIAS
  • Data: 30/05/2023
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • A pimenta (Capsicum chinense Jacq.), é uma cultura que desempenha um papel de destaque no âmbito cultural, gastronômico e econômico do Brasil. No entanto, a salinidade é um grande problema que acomete diversas áreas de cultivo irrigada. Dessa maneira, o sistema agrícola vem utilizando tecnologias para mitigar o estresse salino, como na prolina. Neste contexto, objetivou-se testar os efeitos da prolina exógena na fisiologia, crescimento e anatomia de plantas de Capsicum chinense Jacq. cultivadas sob condições salina. No capítulo I, utilizou-se do delineamento em blocos casualizados, com os tratamentos gerados através da matriz Composto Central Box combinando níveis de salinidades da água de irrigação (0,50; 1,3; 3,25; 5,2 e 6,0 dS m-1) e doses de prolina (0,0; 2,90; 10; 17,09 e 20 mmol). O estudo foi desenvolvido abordando os aspectos acima, sendo dividido em três capítulos. No capítulo I estudaram-se o efeito da prolina exógena sob o crescimento e a ecofisiologia de pimenta biquinho (Capsicum chinense Jacq.) irrigadas com água salina. Como conclusão, observou-se que a irrigação com água de 0,5 dS m-1 proporcionou maior crescimento das plantas de pimenta. Plantas pimenteira irrigadas com salinidade média (2,71 e 3,25 dS m-1), aliada à aplicação de baixas doses de prolina (0,0 e 5,5 mmol), proporcionou aumento da fotossíntese líquida, transpiração, eficiência intrínseca de carboxilação, eficiência intrínseca do uso da água, clorofila a e b, extravasamento de eletrólitos e conteúdo relativo de água. No capítulo II caracterizaram-se anatomicamente os órgãos vegetativos de Capsicum chinense Jacq., seccionados transversalmente à mão livre com lâmina cortante (utilizando isopor como suporte), clareadas com hipoclorito de sódio a 1% e coradas com safranina 10%. Ao final, observou-se que as características estruturais dos órgãos vegetativos de Capsicum chinense Jacq. são comuns de espécies da família Solanaceae, bem como os estômatos, presentes na folha e caule, estão localizados acima do revestimento da cutícula, característica acelera a transpiração, um dispositivo para perda de água.
  • TARSIA NAYARA MASSARY FONSECA
  • Macrofauna do solo em diferentes estratégias de restauração ecológica na Amazônia Maranhense
  • Data: 29/05/2023
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • A destruição de ecossistemas e a perca da diversidade biológica é evidente em todo o planeta. No Brasil, cerca de 1,1 milhão de hectares de florestas foram desmatadas no ano de 2020. Desses, 106.900 hectares, foram desmatados na Amazônia Maranhense. Ao sofrer perturbação, os ecossistemas iniciam o processo de regeneração, mas em muitos casos a intervenção humana é necessária para estabilizar o sistema, como o uso dos sistemas de restauração ecológica ativa, que podem ser importantes estratégias para a recuperação de áreas degradadas. Esta pesquisa, buscou verificar três estratégias de restauração: Restauração Natural; Sistema Agroflorestal; e Nucleação/Ilhas de facilitação e seus efeitos sobre os grupos de macrofauna do solo. A pesquisa foi realizada numa área experimental delineada por 18 parcelas permanentes de 900m², inseridas em 6 blocos com 3 tratamentos. A coleta da macrofauna foi realizada através do método de armadilhas de queda (Pitfall). Os dados foram analisados através dos índices de abundância, de Shannon- Wiener e índice de Pielou. Todas as análises de variância e análises multivariadas foram realizadas no programa livre R. No total, foram encontrados 61.012 indivíduos, dos quais 81,93% pertencem ao grupo Formicidae. Os dados explicam 37,32% da variância total da composição da macrofauna coletada, com 16% no PC1 e 10% no PC2. Já a BCA indica que o ano de coleta explica 40,24% de efeito sobre a composição da macrofauna do solo. O método pitfall não se mostrou adequado para avaliar a macrofauna do solo enquanto indicador da eficácia dos métodos de restauração ecológica. O estudo concluiu que o ano e a estação de coleta são os principais fatores de efeito sobre a macrofauna do solo.
  • AÍLA ROSA FERREIRA BATISTA
  • Inseticidas agrícolas associados a atrativos alimentares no controle de Ceratitis capitata (Wiedemann, 1824) (Diptera: Tephritidae)
  • Data: 26/05/2023
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • A fruticultura é uma das atividades de maior importância para o crescimento do agronegócio brasileiro, fomentando emprego e renda local e ampliando os nichos produtivos, permitindo o avanço econômico por meio da exportação de frutos tropicais e subtropicais processados ou in natura para diversos países. O Brasil atua como terceiro maior produtor mundial, com cerca de 350 espécies botânicas distribuídas em aproximadamente 65 famílias, que sofrem com o ataque de Ceratitis capitata (Wiedemann, 1824) (Diptera: Tephritidae). Devido à proliferação deste inseto praga, o principal método de controle é o químico, realizado com a aplicação de cobertura total ou na formulação/aplicação de iscas tóxicas com os inseticidas do grupo químico dos organofosforados, piretroides e espinosinas. Assim, este estudo teve como objetivo avaliar o efeito do uso de inseticidas associados a atrativos alimentares na mortalidade de Ceratitis capitata. O estudo foi conduzido no Laboratório de Invertebrados pertencente ao Centro de Ciências Agrárias da Universidade Federal da Paraíba, sob condições controladas de temperatura (25°C), umidade relativa do ar (70% ± 10%) e fotofase de 12 horas. Foram utilizados os inseticidas, malationa, deltametrina e espinetoram isolados e com a associação com Ceratrap®, Biofruit® e Melaço. Os tratamentos foram diluídos em doses mínima, recomendada e máxima, após a diluição foram aplicados sobre os frutos e acondicionados em arenas, em delineamento inteiramente casualizado, com oito repetições por tratamento, sendo a mortalidade contabilizada em função do tempo. Os dados que não apresentaram homogeneidade foram submetidos à estatística não-paramétrica, ao teste não paramétrico de Kruskal-Wallis seguido do teste de Dunn para comparar os pesticidas e as doses dentro de cada hora de avaliação e a interação com os atrativos, com significância a 5% de probabilidade. Os dados que apresentaram distribuição normal e homogeneidade com significância a 5% de acordo com o teste F, foram submetidos a ANOVA. Ao avaliar as diferentes dosagens dos inseticidas, observou-se variação na mortalidade em diferentes doses em função do tempo. Deltametrina demonstrou maior mortalidade com o aumento da dose enquanto espinetoram e malationa apresentaram respostas diferentes dependendo da dose utilizada. A dose máxima de malationa resultou em uma diminuição na quantidade de pupas. A associação de Ceratrap®, Biofruit® e Melaço aos inseticidas apresentaram resultados significativos para a mortalidade, sendo o espinetoram na dose recomendada, deltametrina na dose mínima e malationa na dose máxima, evidenciando que a associação influencia na mortalidade de adultos de Ceratitis capitata, bem como na oviposição de ovos nos frutos. apresentaram melhor associação aos atrativos para a mortalidade e a utilização dos atrativos influenciou no aparecimento de pupas nos frutos.
  • HELTON DE SOUZA SILVA
  • GOIABEIRA ‘PALUMA’ IRRIGADA COM ÁGUA SALINA E TRATADA COM BIOESTIMULANTES
  • Data: 25/05/2023
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • A goiabeira ‘Paluma’ apresenta elevado potencial produtivo, podendo alcançar 100 t ha-1, no entanto, nos polos frutícolas do semiárido nordestino há forte limitação dessa produtividade, causada pelo estresse salino. Ultimamente empresas do setor agrícola têm lançado produtos com a promessa de atenuar o efeito do estresse salino sobre as plantas e de atuarem como melhorador do solo. Nessa temática, objetivou-se com este trabalho, avaliar o desempenho de bioestimulantes aplicados via foliar e irrigação sobre os aspectos fisiológicos e nutricionais, qualidade e produtividade de frutos, sistema radicular e atributos químicos do solo de pomar de goaibeira ‘Paluma’ irrigado com água salina. Para os artigos I, II e IV o experimento consistiu em um fatorial 2 x 4, o primeiro fator se refere as pulverizações com Aminoagro Raiz® (Sem e Com) o segundo fator é referente a plicação de Codasal® e, ou Amianoagro Raiz® via irrigação (Sem, Codasal®, Aminoagro Raiz® e Codasal® + Aminoagro Raiz®), os tratamentos foram distribuídos em blocos ao acaso com quatro repetições. No artigo III, para as variáveis relacionadas a salinidade e fertilidade do solo aos tratamentos citados anteriormente acrescentou-se o fator profundidade do solo (0-20 e 20-40 cm), dessa forma formando um fatorial 2 x 2 x 4. Artigo I: As variáveis determinadas foram, índice de clorofila a, b e total e relação clorofila a/b. Também determinou-se variáveis relacionadas com a fluorescência da clorofila a e variáveis relacionadas com as trocas gasosas. Sendo constatado que não houve efeito significativo dos bioestimulantes sobre esses parâmetros fisiológicos. Artigo II: Determinou-se, os teores de N, P, K, Ca, Mg, S, B, Cu, Fe, Mn, Zn e Na foliar em duas fases (Floração e Crescimento de frutos). Nos frutos determinou-se os teores e a exportação de N, P, K, Ca e Mg. Também obteve-se o rendimento dos frutos. Verificou-se que o status nutricional e o rendimento dos frutos não foram melhorados pelos biestimulantes. Artigo III: A salinidade e a fertilidade do solo não foram afetadas pelos produtos. Quanto as seções de profundidade, constatou-se que o pH, P, K+, Ca+2 e Mg+2 trocável, Soma de Bases (SB), Capacidade de Troca Catiônica (CTC) e Matéria Orgânica (MO) foram superiores na camada de profundidade de 0-20 cm em comparação a profundidade do solo de 20-40 cm. Para os parâmetros da salinidade, verificou-se que na camada de 0-20 cm a Condutividade Elétrica do extrato de saturação (CEes) os teores de SO4-2, HCO3-, Cl-, K+, Ca+2 e Mg+2 solúveis, foram superiores aos teores da camada de 20-40 cm. Adicionalmente, verificou-se que a fertilidade do solo foi comprometida pela evolução da salinidade durante o período experimental. Ainda foi avaliado a massa seca da raiz, e com o software SAFIRA realizou-se a determinação do comprimento, volume e área total e por escala de diâmetro (1: <1; 2: 1<2; 3: 2<3; 4: 3<4; 5: 4<5 e 6: ≥5 mm). Também determinou-se a densidade de raiz. Na camada de solo amostrada (0-20 cm) há maior proporção de raízes menores de 2 mm. Evidenciou-se que os bioestimulantes não afetaram o sistema radicular de goiabeira. Artigo IV: Avaliou-se os teores de sólidos solúveis (SS), acidez titulável (AT), vitamina C, o pH, a firmeza, comprimento longitudinal (CL), comprimento transversal (CT), o formato (CL/CT) e massa fresca dos frutos. A aplicação foliar de Aminoagro Raiz® favoreceu a redução do CL, resultando na formação de frutos mais arredondados; os bioestimulantes causam redução do pH dos frutos de goiabeira; o Codasal® causa redução dos teores de sólidos solúveis. Considerando a qualidade global dos frutos, pode-se concluir que os bioestimulantes não melhoram a qualidade dos frutos de goiabeira ‘Paluma’ irrigada com água salina.
  • ANGELICA DA SILVA SALUSTINO
  • Interações Inseticidas e Iscas Tóxicas em Ceratitis capitata (Diptera: Tephritidae) e suas Implicações na Macrofauna do Solo
  • Data: 20/04/2023
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • Os pesticidas são de grande importância para o sucesso da produtividade agrícola, principalmente no setor frutícola, que demanda uma grande quantidade de aplicações para o controle de insetos praga, como a Ceratitis capitata (Wiedemann, 1824) (Diptera: Tephritidae). Dentre os produtos mais utilizados para o controle desta praga, estão os dos grupos organofosforados, piretróides e espinosinas, cujas aplicações se dão por meio de cobertura total ou pela utilização de iscas tóxicas. Todavia, o elevado uso desses produtos pode causar potenciais efeitos negativos ao meio ambiente e à sua biota, principalmente aos organismos do solo. Assim, este estudo teve como objetivo avaliar a suscetibilidade de C. capitata a doses de malationa, deltametrina e espinetoram de forma isolada e na formulação de iscas tóxicas, e os efeitos desses pesticidas na macrofauna do solo. A avaliação da letalidade dos inseticidas de forma isolada se deu sobre as fases imaturas e os adultos de C. capitata, via contato e via ingestão, aplicando-se doses obtidas por meio da diminuição da dose recomendada em intervalos de 20%, sendo essa a dose mínima utilizada. Os parâmetros avaliados foram: (1) viabilidade de ovos e (2) de pupas e (3) mortalidade de larvas e (4) de adultos. Quando os produtos foram associados aos atrativos, formando as iscas tóxicas, ofertou-se às moscas misturas com os pesticidas na dose recomendada pelo fabricante (D100) e uma dose de 80% da dose recomendada (D80). Após a oferta das iscas aos insetos, avaliou-se a toxicidade das mesmas em função do tempo. Para a avaliação do efeito dos pesticidas na macrofauna, os mesmos foram aplicados na dosagem recomendada pelo fabricante, utilizando-se o dobro do volume de calda para aplicações terrestres. Após a aplicação, a macrofauna do solo foi avaliada com base no método Tropical Soil Biology and Fertility (TSBF), com posterior determinação da densidade (indivíduos por m²), riqueza, índices de diversidade de Shannon-Weaver (H'), equabilidade de Pielou (J’) e diversidade máxima (Hmax). Nas aplicações utilizando apenas os pesticidas, observou-se que espinetoram e malationa quando aplicados via contato causaram uma elevada mortalidade nos adultos, com DL90 nas subdoses de 43,74% (52,48 g p.c. ha-1) e de 68,81% (137,62 mL p.c. 100L-1), respectivamente. Por ingestão, foi possível apenas a estimativa da DL50 com malationa e deltametrina para os adultos. Para a fase de ovo, apenas o defensivo com deltametrina apresentou DL50. As fases de larvas e de pupas não sofreram efeitos negativos das doses por contato. No entanto, sofreram efeito dos pesticidas, quando as larvas apresentaram uma mortalidade de 52% para espinetoram e de 61% para malationa. Para a ingestão, a letalidade das larvas foi abaixo de 20% com os três pesticidas. Com a utilização das iscas tóxicas, foram observadas maiores taxas de suscetibilidade de C. capitata com as formulações com malationa na dose D80, com tempo letal mediano (TL50) de 1 h, independentemente do atrativo utilizado. Já para as iscas formuladas com espinetoram, foi observado um TL50 de 6 h na D80. Em contraste, a menor suscetibilidade foi observada nas iscas formuladas com deltametrina, independentemente da dose e do atrativo utilizado. Para os efeitos na macrofauna do solo, foi constatado que malationa, deltametrina e espinetoram não afetaram a densidade total nem a densidade por grupos taxonômicos, excetuando-se o grupo Coleoptera, que apresentou uma menor densidade de indivíduos por m2 em solo tratado com malationa e deltametrina, diferindo dos solos tratados com o inseticida espinetoram e o tratamento controle. Deltametrina também reduziu a diversidade de indivíduos dos grupos avaliados. Assim, pode-se afirmar que deltametrina apresenta baixa eficiência no controle de adultos de C. capitata, via contato direto e com a utilização de iscas tóxicas. Espinetoram e malationa apresentam eficiência de 90% sobre C. capitata com subdoses de 43,74% (52,48 g p.c. ha-1) e 68,81% (137,62 mL p.c. 100L-1) respectivamente, via contatato direto. Em formulações de iscas tóxicas, malationa e espinetoram continuam eficientes no controle de C. capitata, mesmo com redução de 20% da dose recomendada pelo fabricante de cada produto, e podem ser formuladas com Biofruit®, com Cera Trap® e com melaço de cana-de-açúcar sem comprometimento do resultado esperado. Em campo, aplicações de malationa e de deltametrina reduzem a densidade de populações de Coleoptera e a diversidade da macrofauna do solo sob as condições testadas.
  • RAIMUNDO NONATO MORAES COSTA
  • VARIAÇÃO SAZONAL DE PARÃMETROS ECOFISIOLÓGICOS EM MATRIZES DE UMBUZEIRO
  • Data: 31/03/2023
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • A compreensão dos fatores de alta complexidades biológicas sob os efeitos da escassez hídrica, tolerância às condições ambientais adversas e os mecanismos de respostas relacionados à maior resistência de umbuzeiro à seca, são salutares para o fortalecimento dos programas de melhoramento genético e desenvolvimento de cultivares cada vez mais adequadas a situações abióticas. Foram avaliados 20 indivíduos de umbuzeiros adultos em duas estações (seca e chuvosa) nos seus aspectos ecofisiológicos em condições de campo. As observações nas trocas gasosas na estação seca mostram que, apesar do aumento da Radiação fotossinteticamente ativa, se verifica uma redução da taxa fotossintética, bem como a condutância estomática e transpiração. As baixas taxas de condutância estomática observadas, além de boa eficiência no uso da água, significando que o umbuzeiro absorve carbono com menor perda de água, o que contribui para manutenção da fotossíntese na estação seca indicam estratégia para manter o vegetal hidratado por mais tempo no período de escassez hídrica. O umbuzeiro exerce modulações das taxas fotossintéticas nas estações seca e chuvosa mantendo estável os valores de amido e açúcares redutores e totais para posterior mobilização na estação seca a fim de manter as suas necessidades de sobrevivência.
  • WITALO DA SILVA SALES
  • INDUÇÃO DE POLIPLÓIDES EM PIMENTEIRAS (Capsicum spp.)
  • Orientador : MAILSON MONTEIRO DO REGO
  • Data: 31/03/2023
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • As pimenteiras do gênero Capsicum tem grande importância alimentar, econômica, cultural e ornamental em todo o mundo. O presente trabalho investigou os potenciais efeitos fitotóxicos de agentes indutores de poliploidia em plantas (trifluralina e orizalina) sobre a emergência de quatro genótipos de pimenteiras (Capsicum spp.) e analisou a indução de poliplóides de C. annuum e das diferenças morfoanatômicas produzidas em relação aos controles diploides quando submetidas a concentrações e tempos de exposição distintos. Os dois capítulos resultaram da realização de dois experimentos com adoção do esquema fatorial triplo em delineamento inteiramente casualizado. Em ordem, os três fatores, compreenderam genótipos, concentrações de antimitóticos e tempos de exposição. A única diferença entre os dois experimentos, foi o agente indutor de poliploidia utilizado, orizalina no primeiro e trifluralina no segundo. No capítulo I, foram obtidas plântulas a partir dos tratamentos com os dois agentes antimitóticos. A trifluralina e orizalina foram fitotóxicos e causaram uma redução acentuada sobre a emergência de plantas para todos os genótipos em relação ao controle, sendo a trifluralina, mais fitotóxica. A cultivar Floribela é mais tolerante ao efeito tóxico da orizalina e mais sensível a trifluralina, quando comparada aos demais genótipos. A velocidade de emergência é inversamente proporcional a concentração dos agentes antimitóticos. Doses superiores a 0,4% produziram poucas plântulas com menor tempo de emergência, possivelmente, seja um mecanismo de dispersão da toxidez causada por orizalina e trifluralina. No capítulo II, houveram interações significativas entre os fatores em estudo para sobrevivência de plântulas ao nível de 1% de probabilidade nos dois experimentos. Foram induzidas duas plantas tetraplóides e uma triplóide de C. annuum com o uso da orizalina como agente indutor, enquanto a trifluralina mostrou-se ineficiente na indução de poliploides em pimenteiras nas condições experimentais testadas. Os poliplóides apresentaram área estomática (µm2), comprimento e largura dos estômatos (µm) maiores que os diplóides correspondentes, e por conseguinte, menor densidade estomática. O aumento na espessura da foliar (µm) e no número de cloroplastos por célula-guarda são marcadores da indução de poliploidização em C. annuum. A orizalina mostrou-se eficiente na indutoção de poliploides em C. annuum quando suas sementes são imersas em soluções de 0,1% por 48 e 72 horas (h) para UFPB-001 e UFPB-004, respectivamente, e a 0,2% por 48h na cultivar Floribela (C. frutescens).
  • KENNEDY SANTOS GONZAGA
  • OLFATÔMETRO MODULAR 3D E ATRATIVOS ALIMENTARES SÓLIDOS UTILIZADOS NA CAPTURA DE Ceratitis capitata (Diptera: Tephritidae)
  • Orientador : JACINTO DE LUNA BATISTA
  • Data: 31/03/2023
  • Hora: 10:00
  • Mostrar Resumo
  • A presença de moscas-das-frutas (Ceratitis capitata) é um fator limitante para a fruticultura, pois causa danos diretos à produção. O manejo integrado é o sistema mais eficiente no combate a esta praga. No entanto, seu sucesso só é possível quando as ferramentas de controle disponíveis são aplicadas de forma coordenada e quando aspectos como especificidades da biologia, comportamento e ecologia do inseto são levados em consideração. Nessa perspectiva, no primeiro momento objetivou-se criar um olfatômetro modular de quatro braços produzidos em impressoras 3D com matéria-prima biodegradável de alta durabilidade para ensaios com insetos, tendo como base a C. capitata. No segundo momento foi analisado atrativos alimentares sólidos na captura de C. capitata. Para materializar o dispositivo, foram utilizados dois softwares de desenho assistido por computador, uma Impressora 3D de código aberto e uma máquina CNC de corte a laser. O funcionamento foi testado através de dois bioensaios, nos quais foram avaliados a atratividades dos insetos submetidos a estímulo olfativo. Quarenta fêmeas de C. capitata foram introduzidas no centro da câmara do olfatômetro e observadas. Cada grupo de fêmea foi usado apenas uma vez, sendo realizadas 5 repetições. Os tratamentos consistiram: Água destilada (tratamento controle) e CeraTrap® em diferentes posições nos braços do olfatômetro. O segundo estudo foi composto por três ensaios experimentais, onde o primeiro ensaio consistiu em analisar a atratividade dos insetos aos atrativos sólidos em olfatômetro modular: braço (1) água destilada (tratamento controle), braço (2) Goiaba(solidificado), braço (3) Manga(solidificado) e braço (4) CeraTrap®(solidificado). No segundo ensaio foi comparado o poder de atração dos atrativos (Goiaba, Manga e CeraTrap®) na formulação sólida e líquida com armadilha tipo Jackson. No terceiro ensaio foi analisada a eficiência dos atrativos em função do tempo de exposição (3, 6, 9, 12 e 15 dias). Com uso do olfatômetro modular a maior capacidade de atração olfativa foi com uso do CeraTrap®. No segundo estudo, com uso de armadilhas tipo Jackson foi observado que polpa de frutas liofilizadas pode ser utilizadas na captura de mosca-das-frutas em substituição a atrativos comerciais à base de proteína hidrolisada (CeraTrap®), com maior atratividade até 3 dias de exposição.
  • JOSÉ AYRON MORAES DE LIMA
  • SELEÇÃO, RESISTÊNCIA E DIVERSIDADE EM PIMENTEIRAS ORNAMENTAIS CAPSICUM ANNUUM L.
  • Orientador : ELIZANILDA RAMALHO DO REGO
  • Data: 31/03/2023
  • Hora: 08:30
  • Mostrar Resumo
  • Uma das plantas hortícolas mais importantes e amplamente cultivadas no mundo é a pimenteira (Capsicum spp.). As espécies domesticadas de pimenteiras têm sido reconhecidas em todo o mundo por seu contínuo crescimento e capacidade de resposta pelo mercado consumidor. O crescente interesse por pimenteiras ornamentais é motivado pela grande variedade observada em uma série de características, incluindo tamanho, folhagem, cor do fruto e arquitetura apropriada. Portanto, o presente trabalho teve como objetivo caracterizar e avaliar a diversidade genética dentro da geração F2 em pimenteira ornamental (Capsicum annuum L) do banco de germoplasma do CCA-UFPB, com base em 20 caracteres quantitativos. O experimento foi realizado em casa de vegetação, no Laboratório de Biotecnologia Vegetal (CCAUFPB). Os tratamentos foram constituídos de 354 progênies de uma geração F2 de pimenteiras ornamentais (Capsicum annuum L.). Para a caracterização morfoagronômica, foram considerados 20 caracteres quantitativos. A análise de diversidade foi por meio de distância euclidiana média padronizada com posterior agrupamento de Tocher e por meio dos componentes principais, além disto foi realizada a análise de importância de caracteres pelo método de Singh. Todas as análises foram realizadas com o programa computacional Genes. Com base na análise da divergência genética através do método de otimização de Tocher, houve a formação de 12 grupos de indivíduos. Portanto, o elevado número de grupos formados indica alta variabilidade genética entre os 355 indivíduos da população segregante F2 de pimenteiras ornamentais. Pelo método de Singh, determinou-se que dez das vinte e três características contribuíram com 73,96% da divergência genética total, sendo elas o peso do fruto, largura da copa, comprimento da pétala, comprimento do fruto, número de sementes, comprimento do pedicelo, menor diâmetro de fruto, comprimento do filete, diâmetro da pétala, e altura da planta. É importante destacar as variáveis peso do fruto e largura da copa, que contribuíram com 10,07% e 10,00%, respectivamente, da divergência. Estes resultados indicam que estas características são mais importantes para explicar a dissimilaridade entre os indivíduos estudados. As demais características (nove) contribuíram com apenas 25,38%, destacando-se os caracteres peso da matéria fresca, diâmetro do caule, e maior diâmetro do fruto que menos contribuíram, sendo 0,72%, 0,560% e 0,55% respectivamente. As variáveis que menos contribuíram para a divergência genética, de acordo com a ACP, foi a espessura do pericarpo, comprimento do filete, diâmetro da pétala e comprimento da antera. A população composta por 355 indivíduos de pimenteiras ornamentais apresentou grande diversidade genética para caracteres quantitativos de planta e fruto, caracterizando uma população segregante F2.
  • WAGNER MAGNO CATÃO BARBOSA
  • CONTROLE DE FUSARIOSE EM ALGODOEIRO COM FONTES DE FOSFITO
  • Orientador : LUCIANA CORDEIRO DO NASCIMENTO
  • Data: 31/03/2023
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • O algodoeiro (Gossypium sp.) é uma cultura oleaginosa das mais importantes nas atividades agrícolas desenvolvidas no mundo. É a principal fonte de renda de cotonicultores, onde se produzem toneladas de pluma, desempenhando um papel de grande importância para economia mundial e indústria têxtil. A murcha-do-fusário, causada por Fusarium oxysporum f.sp, vasinfectum é a principal doença do algodoeiro. Para manejo dessa doença, medidas preventivas devem ser adotadas, como o tratamento de sementes. É importante antes do plantio a detecção de patógenos nas sementes como uma forma eficiente para evitar a introdução de microrganismos em áreas isentas, fornecer informações para produtores acerca dos principais problemas na cultura e programas de certificação. Assim, objetivou-se determinar o efeito de fontes de fosfito sobre a qualidade de sementes crioulas de algodoeiro . visando o controle de Fusarium oxysporum f. sp. vasinfectum. Os tratamentos, foram compostos por sementes de duas cultivares de algodoeiro (Gossypium hirsutum): BRS Aroeira (Remígio) e, BRS 368 (Embrapa Algodão), cinco fontes de fosfito, fungicida e controle (testemunha): T1- fosfito de potássio 40% e 20% ,T2- fosfito de cálcio 20% e 8% ,T3- fosfito de magnésio 28% e 5% , T4- fosfito de manganês 30% e 9% ,T5- fosfito de cobre 7% e 3% ,T6- fungicida e T7- testemunha . O método utilizado para o teste de sanidade foi a incubação em substrato de papel filtro “Blotter Test”. Utilizaram-se 200 sementes por lote, sendo distribuídas em dez repetições de 20 sementes. As sementes foram incubadas em placas de Petri, sendo estas mantidas por um período de dez dias à temperatura de 25 ±2°C. Para a qualidade fisiológica foram utilizadas 100 sementes, sendo quatro repetições de 25 sementes por tratamento, distribuídas em papel Germitest® à temperatura de 30 °C, avaliando-se a germinação, onde foram contabilizadas plântulas normais, plântulas anormais, plântulas infectadas, sementes mortas e duras, primeira contagem de germinação e índice de velocidade de germinação. Também foi mensurado o comprimento de plântulas e matéria seca de plântulas após doze dias da semeadura. Para avaliação dos tratamentos com fosfito em plântulas de algodoeiro, as sementes tratadas foram submetidas aos seguintes métodos:1) inoculação do substrato com suspensão de conídios; 2) imersão das sementes na suspensão de conídios e 3) contato direto das sementes com colônia do patógeno. Após 21 DAS, as plântulas foram retiradas do substrato, seccionadas na região do colo e avaliou-se a porcentagem de plântulas com escurecimento vascular, o comprimento da parte aérea e severidade da doença, atribuindo-se uma nota, baseada em uma escala de 1 a 5. Verificou-se maior eficiência do fosfito na redução da incidência e severidade de em plântulas de algodoeiro tratadas com esse produto e não afetaram a qualidade fisiológica das sementes tratadas.
  • ÉRIKA DO NASCIMENTO AMARO
  • ESPÉCIES DE Anastrepha spp; NO MUNICÍPIO DE MISSÃO VELHA NO ESTADO DO CEARÁ
  • Orientador : JACINTO DE LUNA BATISTA
  • Data: 30/03/2023
  • Hora: 10:00
  • Mostrar Resumo
  • No Cariri cearense, a fruticultura é um ramo importante de geração de emprego e renda bem como abastecimento de alimento. Nessa região, a ocorrência de moscas-das-frutas é um grande problema, principalmente pelo aumento dos custos de produção. Dentre o cultivo das fruteiras as plantas da família Anacardiaceae tem predominância na região e compreendendo aproximadamente 70 gêneros, o gênero Spondias, tem destaque em área cultivada e está entre os hospedeiros preferenciais para moscas-das-frutas. A diversidade de insetos é um tema de importância global, fornece subsídios à elaboração de projetos na área de fruticultura. Este trabalho teve como objetivo analisar a diversidade, frequência e abundancia de moscas das frutas no município de Missão Velha, Ceará em cultivo de siriguela Spondias purpurea. As coletas foram realizadas na Vila Aleixo, Sítio Palmeiras e Sítio Terra Dura, o material foi levado ao Laboratório de Entomologia da Universidade Federal da Paraíba (UFPB) para ser identificado e contabilizado. Foram capturados um total de 23.950 moscas-das-frutas por meio de armadilhas de garrafa PET, dos quais 845 exemplares eram Ceratitis capitata e 23.105 correspondiam ao gênero Anastrepha, sendo identificadas as espécies: A. obliqua, A. sororcula, A. fraterculus, A. pseudoparalella, A. zenildae, A. distincta, A. antunesi Lima, A. alveata, A. bezzi, A. pickeli Lima. A A. obliqua foi a espécie caracterizada como muito abundante em todas as três localidades atingindo uma porcentagem de 95,60% no Sítio Terra Dura apresentando os maiores índices de diversidade, como o índice de Shannon (1,3257), índice de Simpson (0,6066), índice Alpha de Fisher (1,476) e uniformidade de Pielou’s (0,6375). As espécies A. pseudoparalella, A. bezzi e a A. antunesi Lima, foram registradas pela primeira vez no estado do Ceará.
  • NAYANA RODRIGUES DE SOUSA
  • BIODIVERSIDADE E NÍVEL DE INFESTAÇÃO DAS MOSCAS-DAS-FRUTAS NA MESORREGIÃO DO AGRESTE PARAIBANO
  • Data: 27/03/2023
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • As moscas-das-frutas são as principais pragas da fruticultura mundial, destacando-se os indivíduos da família Tephritidae. Nesta, o gênero Anastrepha compreende as espécies de maior impacto econômico da região neotropical. Já a Ceratitis capitata é uma espécie exótica e a única representante do seu gênero no Brasil. O objetivo deste trabalho foi conhecer a diversidade das moscas-das-frutas na Mesorregião do Agreste Paraibano e obter informações sobre seus hospedeiros, seus parasitoides e o nível de infestação. Para isso, os frutos maduros de solo e de planta foram obtidos a partir de coletas mensais em pomares de 16 municípios. O monitoramento dos adultos foi realizado com o auxílio de armadilhas de garrafas PET, utilizando como atrativo alimentar proteína hidrolisada a 5% (300mL/armadilha). Os parâmetros avaliados foram índice de diversidade e de infestação. Foram coletados 9.472 espécimes e identificadas 14 espécies de Anastrepha spp mais a espécie Ceratitis capitata. Os índices de infestação avaliados foram obtidos de 10 culturas diferentes, com 12.305 frutos, tendo 9.691 pupários. Além disso, emergiram 2.770 adultos de Anastrepha spp e Ceratitis capitata. Os maiores níveis de infestações foram observados nas culturas do cajá (Spondias monbim), acerola (Malpighia emarginata) e seriguela (Spondias purpúrea). Os parasitoides encontrados pertencem à família Braconidae. A pesquisa reporta um novo registro de espécie do gênero Anastrepha na mesorregião do agreste do paraibano: A. manihoti. Predominou espécies acidentais das quais a mais abundante foi A. fraterculus.
  • ELEONORA BARBOSA SANTIAGO DA COSTA
  • DIFERENCIAÇÃO E CONSERVAÇÃO DA QUALIDADE PÓS-COLHEITA DE UVAS POR MEIO DO MANEJO PRÉ-COLHEITA EM PRODUÇÃO NO SEMIÁRIDO
  • Data: 28/02/2023
  • Hora: 13:30
  • Mostrar Resumo
  • A viticultura no semiárido brasileiro explora as cadeias da uva de mesa, do suco e do vinho. As maiores áreas são destinadas ao consumo in natura e à produção de sucos. Com problemas distintos, a cadeia da uva de mesa exige a superação de perdas características de cultivares de importância econômica, enquanto uvas para suco requerem agregação de valor para ampliar mercados. O objetivo geral deste trabalho foi diferenciar a composição fenólica de uvas 'BRS Magna' sob influência de porta-enxertos e ciclos de produção no período mais quente e seco do ano, bem como preservar a qualidade das uvas 'Sweet Jubilee™' através da aplicação pré-colheita de revestimentos à base de polissacarídeos com ou sem óleos essenciais. Para tanto, foram realizados quatro estudos: 1: Porta-enxertos e ciclos de produção na composição fenólica da uva 'BRS Magna' no Semiárido brasileiro; Doses de revestimentos à base de carboidratos para aplicação pré-colheita em uvas 'Sweet Jubilee™'; Revestimentos de matriz de carboidratos contendo óleo essencial de Lippia grata para reduzir perdas pós-colheita em uvas 'Sweet Jubilee™'; e galactomananas e óleo essencial de L. grata em revestimentos para preservar a qualidade das uvas 'Sweet Jubilee™'. A interação entre os porta-enxertos e as condições climáticas dos ciclos produtivos influenciou a composição fenólica da uva 'BRS Magna', indicando que a escolha do porta-enxerto pode impactar a agregação de valor aos seus produtos. O ciclo de produção de 2017 e a utilização do porta-enxerto 'Harmony' propiciaram o maior acúmulo de compostos fenólicos nos frutos, principalmente antocianinas. A aplicação de revestimentos à base de carboximetilcelulose, galactomanana e amido de semente de manga melhora a qualidade das uvas 'Sweet Jubilee™' se aplicadas nas maiores concentrações testadas. A aplicação de soluções de recobrimento com óleo essencial de L. grata em uvas 'Sweet Jubilee™' não se mostrou eficiente contra podridões pós-colheita. No entanto, novos estudos são necessários para avaliar outros elementos relacionados às concentrações das fontes de óleo essencial e fontes de revestimentos, bem como métodos de incorporação de óleos essenciais em revestimentos. Galactomanana é um material promissor como revestimento biodegradável, apresentando resultados favoráveis no retardo de alguns processos relacionados à maturação, bem como na redução da severidade da podridão em uvas quando associado ao óleo essencial de L. grata.
  • RAFAEL RAMOS DE MORAIS
  • FONTES ORGÂNICAS E CÁLCIO COMO ATENUANTES DA SALINIDADE HÍDRICA NA PRODUÇÃO E QUALIDADE PÓS COLHEITA DOS FRUTOS DO MARACUJAZEIRO AZED
  • Data: 28/02/2023
  • Hora: 13:00
  • Mostrar Resumo
  • O Brasil é o maior produtor de maracujá, porém o aumento da salinidade da água de irrigação nas áreas produtoras pode prejudicar a produção, comprometendo o crescimento e o rendimento da cultura. Assim, faz-se necessário a adoção de estratégias de manejo que permitam a produção nessas condições. Portanto, objetivou-se com esta pesquisa avaliar a aplicação de fontes orgânicas associada a aplicação de cálcio para mitigar os efeitos da salinidade da água de irrigação nos componentes produtivos do maracujazeiro-amarelo. Os tratamentos foram arranjados em parcela subdividida no esquema fatorial 2 x (2 x 5) correspondente a salinidade da água (0,3 e 4,5 dS m-1), parcela principal, e as subparcelas às combinações entre as fontes de matéria orgânica (esterco bovino e resíduo de sisal) e doses de cálcio (0, 40, 80, 120 e 160 kg ha-1). Foram avaliados o índice de amadurecimento precoce, índice de cultivo concentrado, número de frutos por planta, produção por planta e produtividade. A água salina e o esterco bovino retardam a colheita, reduzem o número de frutos e a produtividade do maracujazeiro-amarelo, associado a aplicação de cálcio. O resíduo de sisal antecipa a colheita, aumenta o número de frutos e a produtividade, sob irrigação com água salina associado a aplicação de cálcio. A aplicação de até 80 kg ha-1 de cálcio, acentua os efeitos da irrigação com água salina na produção de maracujá.
  • TATIANA LEITE BULHÕES
  • QUALIDADE, COMPOSTOS BIOATIVOS E ATIVIDADE ANTIOXIDANTE DE PIMENTÃO VERDE SOB ADUBAÇÃO COM SUBSTÂNCIAS HÚMICAS E ESTERCO BOVINO
  • Orientador : SILVANDA DE MELO SILVA
  • Data: 28/02/2023
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • O pimentão é uma hortaliça tropical anual, da família das Solanáceas, cujo cultivo é importante economicamente por oferecer retorno rápido, sendo amplamente explorado por pequenos e médios horticultores. O solo fértil e bem drenado é importante para produzir uma boa colheita, assim como o uso de insumos orgânicos, como o esterco bovino e as substâncias húmicas, que melhoram a fertilidade do solo e aumentam a disponibilidade de nutrientes para as plantas. A combinação de esterco bovino e substâncias húmicas pode ter um impacto ainda maior no desenvolvimento das hortaliças do que o uso de apenas um desses. As substâncias húmicas são compostos orgânicos encontrados em matéria orgânica decomposta, que podem aumentar a eficiência da adubação e melhorar a absorção de nutrientes pelas raízes das plantas. O objetivo do estudo foi avaliar a influência de diferentes níveis de esterco bovino combinado s com substâncias húmicas na qualidade, compostos bioativos e atividade antioxidante de pimentões. As unidades experimentais foram constituídas de quatro plantas. No total, foram testados 12 tratamentos, em quatro blocos casualizados, seguindo um esquema fatorial que combinou quatro doses de esterco bovino (8, 18, 28 e 38 t ha-1) com três doses de substâncias húmicas (SH) em uma proporção de 1:10 (m:v), correspondendo a 0, 8 e 12 kg ha-1 que resultou em um total de 48 parcelas experimentais nos frutos colhidos na maturidade comercial. No laboratório foram avaliados atributos de qualidade, compostos bioativos e atividade antioxidante. A adubação com 28 t ha-1 de esterco bovino possibilitou a produção de frutos com maior espessura de polpa, comprimento, diâmetro e peso sem a adição de substâncias húmicas. A utilização de 12 kg SH com 38 t ha-1 influenciou nos parâmetros de cor da casca tornando o fruto mais pigmentado. Por sua vez, pimentões cultivados com 18 t de esterco e 12 kg SH apresentaram maior dureza e rigidez. A aplicação de SH aumentou teores de ácido ascórbico, flavonoides amarelos, clorofilas e carotenoides totais. Além disso, frutos adubados com SH apresentaram uma maior atividade antioxidante quando comparado aos cultivados apenas com esterco bovino. No geral, os resultados indicam que a aplicação de SH permite a redução da aplicação de esterco bovino com melhoria da qualidade e atividade antioxidante dos frutos, caracterizando-se como uma estratégia eficaz para aumentar o aporte de compostos bioativos e potencial funcional do pimentão verde.
  • ISADORA NAYARA BANDEIRA MEDEIROS DE MOURA
  • SAZONALIDADE DE ARTRÓPODOS EDÁFICOS, TAXA DE DECOMPOSIÇÃO FOLIAR E REDISTRIBUIÇÃO DE NUTRIENTES EM Spodias cytherea Sonn. NO SEIÁRIDO DA PARAÍBA
  • Data: 27/02/2023
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • A ciclagem de nutrientes envolve as etapas de deposição de material orgânico, sua decomposição e disponibilização de nutrientes, sendo estas, fundamentais para a manutenção das plantas no ecossistema. Os fatores bióticos e abióticos regulam essas etapas, determinando a sustentabilidade do ambiente. Dessa forma, este estudo teve como objetivo geral estudar a distribuição, diversidade e abundância da fauna edáfica, bem como sua influência na taxa de decomposição foliar e na redistribuição dos nutrientes em Spondias cytherea Sonn., no semiárido da Paraíba. O trabalho foi desenvolvido no Assentamento Campo Comprido, no município de Patos-PB, compreendendo o período de julho/2020 a julho/2021. A amostragem da macrofauna e mesofauna edáficas foram realizadas utilizando-se armadilhas do tipo “Provid” adaptadas e anéis metálicos, respectivamente. A taxa de decomposição foliar foi estimada por meio da utilização de sacolas de náilon, distribuídas em diferentes distâncias do caule, tanto na superfície do solo quanto em profundidade. Os teores e a percentagem de redistribuição de macronutrientes e sódio foi avaliado em diferentes estádios foliares, divididos em quatro tratamentos equivalentes a folhas jovens, intermediárias, maduras e decíduas, em cinco repetições e quatro plantas por repetição. Como resultados, observou-se que o maior número de indivíduos da macrofauna edáfica foi encontrado na área de mata ciliar, enquanto que os organismos da mesofauna foram mais abundantes na área de Caatinga. A maior taxa de decomposição foliar ocorreu nos primeiros 120 dias, no qual as folhas de Spondias que encontravam-se enterradas e próximas ao tronco sofreram influência dos picos pluviométricos e consequentemente, do conteúdo de água e maior atividade de agentes decompositores; já o tratamento no qual as sacolas de náilon estavam dispostas na superfície do solo e mais distante do caule, sofreu maior influência da elevação da temperatura e fotodegradação registrados durante este período. Os maiores teores de N, P, K, Mg e Na ocorreram em folhas jovens.
  • ANA JESSICA SOARES BARBOSA
  • Aspectos ecofisiológicos de Citrus reticulata Blanco sob influência da sazonalidade no Território da Borborema, Paraíba-Brasil
  • Orientador : MANOEL BANDEIRA DE ALBUQUERQUE
  • Data: 27/02/2023
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • O presente estudo objetivou avaliar o efeito dos períodos (chuvoso vs seco) sobre o comportamento ecofisiólogico de tangerinas ‘Dancy’ e ‘Ponkan’, cultivadas em sequeiro. O trabalho foi conduzido em um pomar comercial em Lagoa Seca-PB. Foram selecionados 10 tangerineiras ‘Dancy’ e 10 tangerineiras ‘Ponkan’, posteriormente, avaliadas as trocas gasosas, fluorescência da clorofila a, clorofila a e b, precipitação e umidade do solo. Os dados foram submetidos as análises de variância (ANOVA), correlação de Pearson e componentes principais (ACP). As tangerineiras foram influenciadas pela precipitação, apresentaram menores taxas de fotossíntese (A), condutância estomática (gs) e transpiração (E), observou-se sensibilidade da abertura da fenda estomática e acréscimos de clorofila b (Cl b) em ‘Dancy’ no período seco. Nesse estudo, em ambas tangerineiras, observamos que quanto menor a temperatura ambiental, maior os níveis de gs e A, denotando que a maior disponibilidade hídrica está acoplada substancialmente a maior taxa transpiratória e consequentemente a fixação de carbono. Pode-se entender que as respostas adaptativas de ordem fisiológica apresentadas pelas tangerineiras durante o período seco, induzem a redução na perda de água, porém, são eficientes na fixação do carbono. As variações observadas nas trocas gasosas das tangerineiras estão relacionadas ao efeito de variação dos períodos, onde as mesmas apresentaram capacidade de adaptação as variações sazonais. Apesar do cenário de cultivo, tangerina ‘Dancy’ apresentou adaptação fotossintética, conferindo-lhe adaptabilidade ao estresse o que a torna excelente para o cultivo em sequeiro na região da Borborema, PB
  • ADRIANA DA SILVA SANTOS
  • Comportamentos fisiológico e metabólico das mangueiras Keitt, Palmer, Kent e Tommy Atkins sobre porta-enxertos em viveiro e na fase de implantação de pomar adensado
  • Data: 27/02/2023
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • A manga é uma das mais conhecidas frutas tropicais e com grande representatividade econômica nos mercados brasileiro e internacional. Mesmo que a cultura da mangueira possa ser propagada por sementes, a enxertia torna-se indispensável na produção de mudas e formação de pomares comerciais, uma vez que essa técnica constitui a forma de propagação mais apropriada, pois mantem o padrão genético da cultivar, tornando-se uma alternativa que possibilite a uniformidade do pomar, plantas mais resistentes, com porte reduzido e maior produtividade. Porém, trabalhos relacionados com escolha de porta-enxertos para o estabelecimento das cultivares de interesse econômico no Vale do São Francisco são incipientes. Nesse sentido, objetivou-se avaliar o efeito do porta-enxerto na produção de mudas e durante o estabelecimento de pomar adensado das mangueiras ‘Keitt’, ‘Palmer’, ‘Kent’ e ‘Tommy Atkins’ no Vale do São Francisco. O experimento foi conduzido em duas etapas, onde a primeira foi avaliada a influência da combinação porta-enxertos/cultivares-copa no crescimento, trocas gasosas e acúmulo de carboidratos em mudas de mangueiras, sendo conduzido de outubro de 2019 a maio de 2020 em viveiro com telado de 50% de sombreamento no setor de Fruticultura da Universidade Federal do Vale do São Francisco (UNIVASF), no município de Petrolina-PE. Já na segunda etapa foi estudado o estabelecimento destas combinações de mangueiras no campo, conduzido de maio de 2020 a fevereiro de 2022, sendo avaliado aos 180, 360 e 540 dias após o transplantio. O delineamento experimental foi em blocos ao acaso, realizado em esquema fatorial 3 x 4, correspondentes respectivamente aos porta-enxertos (‘Espada’, ‘Capucho’ e ‘Coquinho’) e às cultivares copa (Keitt, Palmer, Kent e Tommy Atkins), com cinco repetições de cinco plantas por parcela para a primeira etapa; e cinco repetições de duas plantas por parcela na segunda etapa. Durante a condução dos experimentos foram feitas avaliações de pegamento, crescimento, trocas gasosas, pigmentos fotossintéticos, atividade da enzima nitrato redutase, extravasamento de eletrólitos e acumulo de carboidratos nas plantas. Observou-se efeito dos porta-enxertos no crescimento, pigmentos fotossintéticos, carboidratos solúveis totais, amido e trocas gasosas das cultivares copa de mangueira’. O porta-enxerto ‘Capucho’ potencializa desempenho superior na maioria das variáveis analisadas, especialmente nas cultivares copa ‘Palmer’ e ‘Tommy Atkins’ durante a fase de muda. Há efeito dos porta-enxertos ‘Espada’, ‘Capucho’ e ‘Coquinho’ nos índices de clorofila foliar e trocas gasosas em mangueiras cvs. Keitt, Palmer, Kent e Tommy Atkins durante o estabelecimento do pomar, mas os efeitos dependem também do período de avaliação; De forma geral, os porta-enxertos ‘Espada’ e ‘Capucho’ conferem os melhores resultados para as variáveis carboidratos solúveis totais, amido solúvel, atividade da nitrato redutase em folhas e raízes e extravasamento de eletrólitos em folhas das cultivares copa ‘Keitt’ e ‘Kent’.
  • RAIMUNDO NONATO MORAES COSTA
  • VARIAÇÃO SAZONAL DE PARÂMETROS MORFOFISIOLÓGICOS, DAS TROCAS GASOSAS, FLUORESCÊNCIA DA CLOROFILA E CARBOIDRADOS EM MATRIZES DE UMBUZEIRO EM CONDIÇÕES DE SEQUEIRO
  • Data: 24/02/2023
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • A compreensão dos fatores de alta complexidades biológicas sob os efeitos da escassez hídrica, tolerância às condições ambientais adversas e os mecanismos de respostas relacionados à maior resistência de umbuzeiro à seca, são salutares para o fortalecimento dos programas de melhoramento genético e desenvolvimento de cultivares cada vez mais adequadas a situações abióticas. Foram avaliados 20 indivíduos de umbuzeiros adultos em duas estações (seca e chuvosa) nos seus aspectos ecofisiológicos em condições de campo. As observações nas trocas gasosas na estação seca mostram que, apesar do aumento da Radiação fotossinteticamente ativa, se verifica uma redução da taxa fotossintética, bem como a condutância estomática e transpiração. A baixas taxas de condutância estomática observadas, além de boa eficiência no uso da água, significando que o umbuzeiro absorve carbono com menor perda de água, o que contribui para manutenção da fotossíntese na estação seca indicam estratégia para manter o vegetal hidratado por mais tempo no período de escassez hídrica. O umbuzeiro exerce modulações das taxas fotossintéticas nas estações seca e chuvosa mantendo estável os valores de amido e açúcares redutores e totais para posterior mobilização na estação seca a fim de manter as suas necessidades de sobrevivência.
  • MILENE DE LIMA FARIAS
  • Residual de torta de filtro em cana-soca nos Tabuleiros Costeiros da Paraíba.
  • Orientador : FABIO MIELEZRSKI
  • Data: 24/02/2023
  • Hora: 13:30
  • Mostrar Resumo
  • O aproveitamento da cana-de-açúcar na sua totalidade é um fator primordial para a sustentabilidade do processo de produção do complexo sucroalcooleiro. Os grandes volumes de resíduos gerados (como a torta de filtro), podem ser reaproveitados como fonte de nutrientes, reduzindo a contaminação ambiental e os gastos com adubação mineral. Deste modo, objetivo desse trabalho é avaliar o efeito residual da adubação com torta de filtro enriquecida sobre a produtividade da cana-soca nos Tabuleiros Costeiros da Paraíba. O experimento foi conduzido na Usina Monte Alegre S/A, Mamanguape - PB no período de 2021/2022 e o delineamento experimental foi em blocos casualizados, com 12 tratamentos, constituídos de distintas combinações entre (Torta de filtro, MAP, Gesso, Fosfato e Bagaço), com quatro repetições, totalizando 48 parcelas. Foi utilizada a cultivar comercial RB 041443, plantada semimecanizada, com preparo convencional do solo, em espaçamento duplo alternado 1,6 x 0,8 m. O desempenho da cana-soca foi avaliado em termos de crescimento e produtividade. Os resultados da anova mostraram que não houve efeito significativo a 1% de probabilidade pelo teste F entre os tratamentos para a variável produtividade. Da mesma forma, também não houve efeito significativo a 5% de probabilidade pelo teste de Tukey para as variáveis morfológicas, altura de plantas, número de entrenós, diâmetro de perfilhos, número de folhas e número de perfilhos. Os resultados mostram que não houve efeito residual da utilização de torta de filtro enriquecida em cana-soca.
  • FERNANDO ANTONIO LIMA GOMES
  • PORTA-ENXERTOS E CULTIVARES DE MANGUEIRA INFUENCIAM O ESTADO NUTRICIONAL DA PLANTA E A FERTILIDADE DO SOLO
  • Data: 24/02/2023
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • A Mangifera indica é uma importante espécie das Anacardiaceae, destacando-se pelo potencial na produção de frutas, considerada a sexta fruta mais produzida no Brasil e a mais exportada do país. As altas produtividadess da cultura da mangueira no Brasil são devido à tecnologia aplicada na cultura, assim como a implantação de cultivares enxertadas que consegue colheitas precoces em relação aos plantios tradicionais, além do progama de adubação que permite o maior desenvolvimento e crescimento tanto na fase de mudas quanto na fase de estabelecimento do pomar em campo. Nesse sentido, esse estudo foi dividido em 3 capítulos. O capitulo I, foi avaliado sob o estado nutricional e a nutrição mineral das mudas de mangueira ‘Palmer’, ‘Tommy Atkins’, ‘Kent’ e ‘Keitt’ enxertadas nos porta-enxertos poliembriônicos Capucho, Coquinho e Espada. No Capitulo II, avaliar o estado nutricional de mangueiras ‘Palmer’, ‘Tommy Atkins’, ‘Kent’ e ‘Keitt’ enxertadas nos porta-enxertos poliembriônicos Capucho, Coquinho e Espada durante o estabelecimento em cultivo adensado no Vale do São Francisco. Já no Capitulo III, objetivou-se avaliar a fertilidade do solo do pomar de mangueira em fase de estabelecimento. O experimento foi conduzido em duas fases, no viveiro de Fruticultura do Campus de Ciências Agrárias da Universidade Federal do Vale do São Francisco (UNIVASF), em Petrolina-PE e em um pomar experimental do Setor de Fruticultura do Campus de Ciências Agrárias da Universidade Federal do Vale do São Francisco, localizado no Perímetro Irrigado Nilo Coelho, em Petrolina-PE. Os resultados obtidos foram submetidos à análise de variância e posterior o teste de médias. Os resultados demostraram que os teores foliares para interação de macronutrientes Nitrogênio, Fósforo, Potássio e Cálcio (N, P, K, Ca), micronutrientes Cobre e Ferro (Cu e Fe) e silício (Si) dependem da combinação copa (Tommy Atkins, Palmer, Keitt e Kent) x porta-enxerto (Espada, Capucho e Coquinho) na fase de mudas no viveiro; para a fase de estabelecimento em campo, as determinação dos efeitos do porta-enxerto em cada cultivar de mangueira, foram realizadas três coletas das folha para se determinar o estado nutricional das plantas. As coletas foram realizadas aos 180, 360, 540 dias após o transplantio (DAT), que correponderam aos meses de novembro de 2020 (1ª coleta), maio de 2021 (2ª coleta) e novembro de 2021 (3ª coleta). os teores foliares com 180 DAT, demostraram interação para macronutrientes Potássio, Cálcio e Magnésio (K, Ca e Mg), micronutriente Zinco (Zn) e Sódio (Na), com 360 DAT prevaleceu interação para os macronutrientes (N e Ca), micronutriente (Zn), e com 540 DAT, consolidou interação de macronutrientes (Ca e Mg), micronutriente (Zn), dependem da combinação copa (Tommy Atkins, Palmer, Keitt e Kent) x porta-enxerto (Espada, Capucho e Coquinho); e para os resultado dos teores de solo na fase de estabelecimento do pomar em campo com 180 DAT demostram que os valores significativos de interação para os teores de Potencial Hidrogeniônico (pH) e Acidez total (H+Al); já com 360 DAT prevaleceu os valores significativos em interação para o macronutriente Cálcio (Ca), micronutriente Cobre (Cu) e o teor de Acidez total (H+Al) e na terceira coleta consolidou interação para o teor de Potencial Hidrogeniônico (pH). Os teores médios de CE, P, K, Mg, H+Al, Zn e Mn, independente da data de avaliação (180, 360, 540 DAT) , não dependem de cultivares de copa (Tommy Atkins, Palmer, Keitt e Kent) e de porta-enxerto (Espada, Capucho e Coquinho.
  • MARIA GEISA DA SILVA SOARES
  • Qualidade de sementes crioulas de Phaseolus lunatus l. Tratadas com óleos essenciais
  • Orientador : LUCIANA CORDEIRO DO NASCIMENTO
  • Data: 14/02/2023
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • A espécie Phaseolus lunatus L. também conhecida como feijão fava, destaca-se em possuir alto valor nutricional a partir de grãos maduros, verdes ou secos, e as cascas são processadas e utilizadas para a alimentação dos animais principalmente, em períodos de escassez hídrica. O cultivo do feijão-fava é realizado principalmente na região Nordeste do Brasil, por meio dos agricultores familiares, os quais são responsáveis pela manutenção e conservação das sementes de cultivares crioulas. No entanto a incidência de patógenos nas sementes tem, acarretado grandes perdas, podendo inviabilizar áreas de plantio, obrigando a busca por alternativas de controle que não prejudiquem o homem e o meio ambiente. Face ao exposto, a presente pesquisa tem como objetivo o uso de óleos essenciais no controle de patógenos em variedades crioulas de feijão fava e sobre a fisiologia das sementes e análise cromatográfica dos óleos essenciais utilizados. Foram utilizadas três variedades de feijão-fava: Caramelo, Raio de Sol Amarela e Raio de Sol Vermelha, que foram tratadas com óleos essenciais de capim-limão, citronela, eucalipto, erva doce e manjericão na concentração de 1%. Foram utilizadas 200 sementes por tratamento para o teste de sanidade através do método de incubação em placas de Petri A qualidade fisiológica das sementes foi determinada com base nos testes de germinação, emergência e vigor. Para o teste germinação foi empregado método de rolo de papel Germitest® e para emergência, o semeio foi realizado em casa de vegetação. Foi realizada a cromatografia de massa gasosa para determinação dos componentes dos óleos essenciais utilizados. Os seguintes gêneros de fungos fitopatogênicos foram identificados em sementes de Feijão-fava: Aspergillus sp., Aspergillus niger, Penicillium sp., Cladosporium sp., Rhizopus sp., Fusarium sp. Os óleos essenciais apresentam ação antifúngica, sobre os patógenos, além de incrementar germinação, emergência, comprimento e massa seca de raiz e parte aérea, Índice de velocidade de emergência, sem interferir no vigor das sementes das variedades estudadas.
  • LUCIMERE MARIA DA SILVA XAVIER
  • Fusarium sp. ASSOCIADO A PALMA FORRAGEIRA
  • Orientador : LUCIANA CORDEIRO DO NASCIMENTO
  • Data: 13/02/2023
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • A palma forrageira é uma importante cultura para região Nordeste e pode ser infectada por Fusarium sp. que causa podridão e morte da planta. Atualmente há informações limitadas sobre a epidemiologia do Fusarium. Esta pesquisa teve como objetivo caracterizar Fusarium spp. associado à podridão da palma forrageira. Cladódios apresentando sintomas de podridão foram coletados em áreas produtoras na cidade de Algodão de Jandaíra-PB e. no Laboratório de Fitopatologia (UFPB) foi realizado o isolamento dos fungos para posterior identificação. A caracterização molecular de Fusarium spp. foi utilizando a região ITS dos genes EF1-α e TUB e a caracterização morfológica foi realizada através da avaliação da pigmentação da colônia; presença ou ausência de esporodóquios; tamanho, formato e septação de microconídeos e macroconídeos; tipos de fiálides (monofiálide e/ou polifiálide); presença ou ausência de clamidósporos; microconídios em falsas cabeças e/ou cadeia; crescimento micelial; índice de velocidade de crescimento micelial e produção de conídios. Para avaliação patogênica foram utilizados 114 genótipos de palma forrageira pertencentes ao Banco de Germoplama do Instituto Nacional do Semiárido (INSA). O isolado foi inoculado em dois pontos equidistantes em cladódios cultivados em casa-de vegetação do LAFIT, com auxilio de palitos esterilizados e colonizados pelo fungo. Fusarium contaminatum foi identificado causando podridão em palma forrageira. Dentre os 114 acessos, o 112, 128, 87, 104, 138, 92, 88, 133 e 122 foram os mais suscetíveis e os acessos 25, 27 e 31 os mais tolerantes. Os sintomas observados nos cladódios foram manchas circulares de coloração amarronzada e lesões necróticas, que se estendeu em todo o cladódio causando perfurações, murcha dos cladódios seguido de tombamento e morte nos acessos alta suscetibilidade. Nos acessos resistentes foi verificada apenas a lesão decorrente da inoculação (acessos 27, 25 e 31). Esses resultados fornecem informações sobre a associação patogênica de F. contamanatum em 114 acessos de palma forrageira no Brasil e os possíveis riscos que essa espécie pode representar para essa cultura.
  • JOSÉ LEONARDO DOS SANTOS GOMES
  • FILTRAGEM AMBIENTAL E DIVERSIDADE FUNCIONAL EM UMA COMUNIDADE DE FLORESTA ÚMIDA
  • Data: 31/01/2023
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • Atributos funcionais de plantas têm contribuído para uma melhor compreensão da funcionalidade dos ecossistemas. Fatores ambientais, por sua vez, atuam como filtros influenciando como as espécies estão distribuídas, consequentemente direcionando a diversidade funcional nas comunidades. Sensores remotos orbitais podem fornecer uma maneira de monitorar as alterações da diversidade funcional de uma forma otimizada e eficiente. Diante destes fatos, foi testado a possibilidade de mensurar atributos funcionais e se as variáveis ambientais (Altitude, Inclinação do Terreno, Abertura do Dossel, Distância da Área Perturbada e Componentes Químicos do Solo, Densidade e Porosidade Total do Solo) de uma área de Floresta de Brejo de Altitude estariam atuando como potenciais filtros influenciando a diversidade funcional local de plantas. O estudo de campo foi realizado no Parque Estadual Mata do Pau Ferro, Paraíba, Nordeste, Brasil. Calculamos a diversidade funcional utilizando um índice baseado em dendrogramas a partir de oito atributos vegetativos funcionais. Testamos a diversidade funcional como variável dependente dos seguintes Filtros ambientais preditores: fertilidade, química e física do solo, abertura de dossel, altitude, inclinação e distância da paisagem perturbada. Testamos os modelos a partir de uma análise Stepwise e selecionamos o melhor modelo através do Critério de Akaike (AIC). A diversidade funcional variou, significativamente, em função da altitude (p<0,001), do teor de matéria orgânica (p<0,001), da Porosidade Total do Solo (p<0,001) e da Distância da área perturbada (p<0,001). Também este estudo demonstrou um potencial moderado de integração entre dados de satélite e a variação espacial da diversidade funcional nas faixas B11 (p=-0,398) e B12 (p=-0,424) do sentinel-2. Foi concluído que na floresta úmida estudada, as variáveis ambientais locais associadas aos componentes do solo e a altitude atuaram como filtros abióticos, direcionando a diversidade funcional de plantas nessa comunidade.
  • JOSÉ LEONARDO DOS SANTOS GOMES
  • FILTRAGEM AMBIENTAL E DIVERSIDADE FUNCIONAL EM UMA COMUNIDADE DE FLORESTA ÚMIDA
  • Data: 31/01/2023
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • Atributos funcionais de plantas têm contribuído para uma melhor compreensão da funcionalidade dos ecossistemas. Fatores ambientais, por sua vez, atuam como filtros influenciando como as espécies estão distribuídas, consequentemente direcionando a diversidade funcional nas comunidades. Sensores remotos orbitais podem fornecer uma maneira de monitorar as alterações da diversidade funcional de uma forma otimizada e eficiente. Diante destes fatos, foi testado a possibilidade de mensurar atributos funcionais e se as variáveis ambientais (Altitude, Inclinação do Terreno, Abertura do Dossel, Distância da Área Perturbada e Componentes Químicos do Solo, Densidade e Porosidade Total do Solo) de uma área de Floresta de Brejo de Altitude estariam atuando como potenciais filtros influenciando a diversidade funcional local de plantas. O estudo de campo foi realizado no Parque Estadual Mata do Pau Ferro, Paraíba, Nordeste, Brasil. Calculamos a diversidade funcional utilizando um índice baseado em dendrogramas a partir de oito atributos vegetativos funcionais. Testamos a diversidade funcional como variável dependente dos seguintes Filtros ambientais preditores: fertilidade, química e física do solo, abertura de dossel, altitude, inclinação e distância da paisagem perturbada. Testamos os modelos a partir de uma análise Stepwise e selecionamos o melhor modelo através do Critério de Akaike (AIC). A diversidade funcional variou, significativamente, em função da altitude (p<0,001), do teor de matéria orgânica (p<0,001), da Porosidade Total do Solo (p<0,001) e da Distância da área perturbada (p<0,001). Também este estudo demonstrou um potencial moderado de integração entre dados de satélite e a variação espacial da diversidade funcional nas faixas B11 (p=-0,398) e B12 (p=-0,424) do sentinel-2. Foi concluído que na floresta úmida estudada, as variáveis ambientais locais associadas aos componentes do solo e a altitude atuaram como filtros abióticos, direcionando a diversidade funcional de plantas nessa comunidade.
  • JOÃO PAULO DE OLIVEIRA SANTOS
  • ASPECTOS MORFOLÓGICOS, FISIOLÓGICOS E PRODUTIVOS DE ACESSOS DE Opuntia spp. COM RESISTÊNCIA À Dactylopius opuntiae, NO SEMIÁRIDO BRASILEIRO
  • Data: 30/01/2023
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • Opuntia é um dos mais importantes gêneros de Cactaceae, destacando-se pelo potencial de produção de verdura e frutos para alimentação humana, e fins forrageiros de muitas de suas espécies. No Brasil, a introdução da falsa cochonilha-do-carmim (Dactylopius opuntiae) em áreas produtoras de algumas espécies desse gênero, gerou graves perdas produtivas, o que resultou na necessidade da busca e introdução de variedades com resistência a essa praga. Nesse sentido, esse estudo foi dividido em 3 capítulos. No capítulo I, buscou-se avaliar o desempenho inicial de 15 acessos de Opuntia com resistência a D. opuntiae quanto a aspectos morfológicos, fisiológicos e produtivos, buscando-se assim a seleção precoce de materiais com características superiores. No capítulo II, objetivou-se realizar a caracterização morfológica e produtiva desses acessos decorridos 365 dias após o plantio (DAP). Já no capítulo III, objetivou-se analisar os aspectos fisiológicos e a produção de matéria seca desses acessos também aos 365 DAP. O experimento foi conduzido em condições de campo na Estação Experimental de Pendência, pertencente a Empresa Paraibana de Pesquisa, Extensão Rural e Regularização Fundiária, no município de Soledade, Paraíba. Os resultados obtidos foram submetidos à análise de variância e posterior teste de médias. Análises de componentes principais (ACP) também foram utilizadas. Os resultados demonstraram que aos 180 após o plantio já é possível identificar acessos de Opuntia com características superiores, como os acessos 48, 49, 75, 91 e 100. Aos 365 DAP, a ACP evidenciou que os caracteres morfológicos, como altura e largura de plantas, bem como a área de cladódio e IAC, são diretamente relacionados com maior produção de matéria verde. Ainda, para os aspectos fisiológicos, a ACP demonstrou que para os acessos em estudo, maior concentração de pigmentos está relacionada com maiores taxas de captação de CO2, maior eficiência instantânea do uso da água e, por conseguinte, maior produtividade de matéria seca.
2022
Descrição
  • GEMERSON MACHADO DE OLIVEIRA
  • Interação entre atrativos alimentares e lufenuron sobre adultos de Spodoptera frugiperda1 (Lepidoptera: Noctuidae)
  • Orientador : JACINTO DE LUNA BATISTA
  • Data: 22/12/2022
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • Dentre os maiores desafios globais do século atual está a de atender às necessidades alimentares do mundo e um dos fatores principais que culminam na redução da produção das principais culturas são os danos provocados por insetos-praga, dentre as pragas de maior importância mundial se destaca a Spodoptera frugiperda. Diante destas perspectivas, o objetivo deste trabalho foi avaliar o efeito na fase adulta e na reprodução de S. frugiperda, do conjunto de potenciais atrativos alimentares mais o pesticida lufenuron, quando esta é submetida a diferentes períodos de exposição e suas respostas quando apenas machos ou fêmeas são expostas ao lufenuron. Primeiro foram testados cinco atrativos alimentares, Fenilacetaldeído, 2-Feniletanol, Linalol, Álcool Benzílico e a Solução de água e mel a 20%, visando avaliar seus efeitos isolados e sua interação com lufenuron. As características biológicas da fase adulta de S. frugiperda avaliadas foram os períodos de pré-oviposição, oviposição, pós-oviposição e longevidade. Na reprodução foram avaliadas ainda o número de posturas, viabilidade das posturas, ovos por posturas, ovos inférteis e viabilidade de ovos. Os dados foram submetidos à análise de variância e as médias comparadas pelo teste Scott-Knott. Foi observado que apenas nos tratamentos com atrativos isolados fenilacetaldeído e linalol juntos ao tratamento controle houve viabilidade em todas suas posturas, verificando redução ou inviabilidade total nos demais tratamentos. Esses tratamentos são os que apresentaram maior potencial de uso conjunto como isca atrativa para controle de adultos de S. frugiperda. Na segunda etapa estudou-se os diferentes períodos de exposição de adultos de S. frugiperda ao lufenuron, se tratando de quatro períodos de exposição após a emergência dos adultos aplicados em duas fontes alimentares, e o efeito esterilizante as exposição de machos e fêmeas tratados com lufenuron, formando casais com machos e fêmeas não tratadas. As características biológicas da fase adulta de S. frugiperda avaliadas foram os períodos de pré-oviposição, oviposição, pós-oviposição e a longevidade total, além do número de posturas e a viabilidade das posturas e os dados foram submetidos à análise de variância, as médias comparadas pelo teste Scott-knott a 5% de probabilidade. Nas diferentes exposições, os casais de S. frugiperda quando expostos até suas primeiras 24 e 48 horas após a emergência aos atrativos mais o lufenuron, impacta diretamente na viabilidade das posturas. Os menores valores na viabilidade das posturas foram quando ambos os sexos e apenas as fêmeas foram tratados com lufenuron. Com o contato da S. frugiperda a uma fonte atrativa alimentar mais o pesticida lufenuron, seja por um período curto, e principalmente, antes da ocorrência do acasalamento, já ocorre influência negativa na sua reprodução.
  • CHARLYS SEIXAS MAIA DORNELAS
  • VARIABILIDADE CARIOTÍPICA EM CONVOLVULACEAE, COM ÊNFASE NOS GÊNEROS Jacquemontia Choisy e Ipomoea L.
  • Data: 21/12/2022
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • Convolvulaceae é cosmopolita, apresentando 60 gêneros e aproximadamente 2.000 espécies. A família é representada por duas linhagens principais, as subfamílias Dicranostyloideae e Convolvuloideae. Em Dicranostyloideae, Jacquemontia apresenta ca. 120 espécies distribuídas em regiões tropicais e subtropicais, e no Brasil ocorrem 50 espécies, principalmente em áreas de Caatinga e Cerrado. Apenas 6% das espécies do gênero são citologicamente conhecidas, exibindo a série com 2n = 18 e 20. Por outro lado, Convolvuloideae é um grupo de plantas formado por gêneros com n = 15 e elevada estabilidade de números cromossômicos. O gênero mais conhecido cariologicamente é Ipomoea, com cerca de 800 espécies. O presente trabalho objetivou caracterizar detalhadamente os cariótipos em representantes da subfamília Dicranostyloideae com ênfase em Jacquemontia ocorrentes no semiárido, bem como em representantes diploides de Convolvuloideae, com ênfase em Ipomoea, por meio da técnica de bandeamento com fluorocromos e citometria de fluxo. Em Dicranostyloideae, os números cromossômicos para as espécies analisadas são inéditos: 2n = 18 para Jacquemontia corymbulosa e J. evolvuloides, 2n = 20 para J. chrisanthera, J. nodiflora e J. sphaerostigma, e 2n = 36 para J. mucronifera e J. pentanthos. Dinetus truncatus, grupo externo, apresentou 2n = 28. Todas as espécies analisadas apresentaram bandas CMA+ terminais. Adicionalmente, J. sphaerostigma apresentou duas bandas CMA+ pericentroméricas, enquanto J. nodiflora e J. pentanthos apresentaram bandas DAPI+ terminais. As espécies diploides J. sphaerostigma, J. corymbulosa e J. nodiflora apresentaram 1C = 0,93pg, 1,13pg e 1,41pg, respectivamente, enquanto as poliploides J. pentanthos apresentou 1C = 2,25pg e J. mucronifera 1C = 2,32pg. Em Convolvuloideae, novas contagens foram registradas para oito espécies pertencentes aos gêneros Camonea, Ipomoea e Operculina. Cromossomo B foi registrado em uma população de I. bahiensis. O número básico x = 15 foi sugerido para a subfamília Convolvuloideae. São apresentados os primeiros registros de tamanho do genoma para os gêneros Camonea, Distimake e Stictocardia, bem como para seis espécies de Ipomoea. O conteúdo de DNA variou de 1C = 0,78pg em I. bahiensis até 1,38pg em Distimake dissectus. Foram identificados dois tipos de bandas heterocromáticas em Convolvuloideae, bandas CMA+ é o tipo predominante, enquanto bandas DAPI+ é o tipo incomum, ocorrendo quatro padrões de bandeamento nos cariótipos dos representantes da subfamília. Dentre os gêneros da subfamília Dicranostyloideae, a série com n = 9, 10, 12, 13, 14, 15 evidencia a importância da disploidia na diversificação da subfamília. De acordo com as relações intergenéricas na subfamília, provavelmente Jacquemontia se originou a partir de um ancestral com n = 10, com disploidia descendente para n = 9 ocorrendo diversas vezes ao longo da diversificação do gênero. As espécies J. mucronifera e J. pentanthos possivelmente são neopoliploides que não experienciaram drásticas reduções no tamanho do genoma, como se observa durante a diploidização de poliploides mais antigos. O tamanho do genoma se constitui em um parâmetro citotaxonômico eficiente para a delimitação das espécies de Jacquemontia ocorrentes no semiárido brasileiro, incluindo as espécies do complexo J. pentanthos. Em Convolvuloideae, os dados evidenciam a ocorrência de evolução não paralela entre o tamanho do genoma e a heterocromatina. Este cenário sugere que o tamanho do genoma e o número cromossômico possivelmente representam estratégias evolutivamente estáveis associadas à adaptação e especiação na subfamília, enquanto o legado da variação na heterocromatina permanece desconhecido.
  • MICHELLE GONCALVES DE CARVALHO
  • POTENCIAL ORNAMENTAL, TERMOTERAPIA E VIABILIDADE POLÍNICA EM ESPÉCIES DE MUSSAMBÊS (Tarenaya hassleriana e Tarenaya longicarpa).
  • Data: 19/12/2022
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • Nos últimos anos a grande diversidade encontrada no gênero Tarenaya vem sendo fonte de estudos para sua introdução em programas de melhoramento. Espécies como Tarenaya hassleriana e Tarenaya longicarpa vem se destacando com características interessantes para uso como ornamental. O objetivo desse trabalho foi avaliar o potencial ornamental, o uso da termoterapia nas sementes e a viabilidade polínica das espécies de Tarenaya hassleriana e Tarenaya longicarpa. O material vegetal utilizado foi constituído de 8 acessos de mussambês, sendo sete pertencentes a espécie Tarenaya Hassleriana (UFPB1, UFPB2, UFPB3, UFPB4, UFPB5, UFPB6, UFPB7) e um acesso da espécie Tarenaya longicarpa (LB1). Os acessos foram primeiramente avaliados quanto a 25 características morfoagronomicas quantitativas e 22 caracteres qualitativos. Os dados foram submetidos à análise de variância, com posterior agrupamento das médias conforme o teste de Scott-Knott. O método de Tocher foi utilizado com base na distância de Mahalanobis e a importância relativa foi avaliada por meio do método de Singh. Também foram utilizadas as análises de variáveis canônicas com dispersão gráfica e análises de regressão polinomial. A análise de variância dos caracteres quantitativos demostrou haver diferença significativa a 1 % de probabilidade pelo teste F para a maioria das características avaliadas. Com base na análise da divergência genética, por meio do método de otimização de Tocher, os acessos foram reunidos em dois grupos, diferenciando-se dos grupos formados na analise de variáveis canônicas onde se verificou a formação de 4 grupos. Pelo método de Singh, determinou-se que seis das vinte e cinco características contribuíram com 74,98% da divergência genética, enquanto que vinte características contribuíram com apenas 25,02%. No uso de termoterapia na análise de regressão para o fator temperatura observou-se a existência de dependência dos acessos quanto ao uso do tratamento de termoterapia. A viabilidade polínica na análise de regressão para o fator doses de sacarose demonstra que os acessos apresentaram um aumento progressivo das germinações nas doses de 10 e 20% o que enfatiza a necessidade de sacarose para a germinação. Os oito acessos avaliados pertencentes a espécie T. longicarpa e T. hassleriana foram divergentes, tendo potencial para serem utilizados como genitores em programas de melhoramento de Tarenaya.
  • JALTIERY BEZERRA DE SOUZA
  • Qualidade do solo em áreas cultivadas e sob vegetação nativa no semiárido brasileiro
  • Data: 15/12/2022
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • Dado a importância do bioma Caatinga, nos últimos anos ele vem sendo explorado de forma inadequada, causando alterações na sua estrutura física, química e biológica. Essas alterações podem ser observadas com o crescente números de áreas em processo de desertificação, que traz consigo a erosão, compactação, alteração no comportamento termo-hídrico, diminuição da biota e matéria orgânica, ou seja, processos responsáveis pela disponibilidade de nutrientes para as plantas. O presente trabalho visou compreender a dinâmica termo-hídrica e biológica do solo em duas épocas do ano, como também verificar a qualidade do mesmo através dos atributos químicos e físicos, em diferentes manejos, sendo eles: uma área de vegetação nativa, uma com o cultivo da espécie Anadenanthera macrocarpa e outra com o cultivo da Moringa oleífera, localizados na Fazenda Experimental São Gabriel, em São José de Espinharas, Paraíba. Para verificar a qualidade do solo foram analisadas as alterações nos atributos físicos e químicos sendo esses parâmetros observados nas três áreas de estudos, nas profundidades de 0-10 e de 10-20 cm. Os atributos físicos estudados foram: densidade do solo, densidade da partícula e porosidade total. Dentre os atributos químicos do solo foram estudados: pH, teores de P, K+, Na+, H + Al+3, Al+3, Ca+2, Mg+2, MO, Soma de Bases e CTC. Para o levantamento da macrofauna do solo empregou-se o método “Provid”, onde dez armadilhas foram colocadas nas três áreas, permanecendo no solo por 96 h. Após esse tempo foram levadas para o laboratório para realizar a contagem e determinação do número de indivíduos e aferição da sua biomassa. Relacionado ao estudo termo-hídrico do solo foi usado um termômetro digital para realizar a avaliação da temperatura na superfície e em profundidade; já para determinação do conteúdo de água foram utilizadas capsulas de alumínio, sendo esses parâmetros coletados a cada três horas por um período de 24h nas áreas de estudo. Após a coleta, as capsulas de alumínio foram pesadas para obter a massa úmida e em seguida foram colocadas na estufa a 105º C por um período de 24 h para determinação do peso da massa seca. Para o cálculo da temperatura de superfície terrestre das imagens obtidas dos sensores termais do satélite Landsat-8, utilizou-se o software Open Source Qgis versão 3.10 que teve como finalidade comparar com os dados obtidos com a medição realizada com termômetro digital. Em seguida conclui-se que há diferença físicas e químicas nos tipos de manejos, sendo que na área onde passava por manejo hídrico apresentou maior número de indivíduos edáficos; e que a obtenção de imagens orbitais é uma metodologia satisfatória para estudos de amplitudes térmicas da superfície terrestre.
  • EDVALDO AGUIAR DE OLIVEIRA JUNIOR
  • CANA-DE-AÇÚCAR INOCULADA COM Azospirillum brasiliense E ASSOCIADA COM FERTILIZANTE DE ALGAS E URÉIA
  • Data: 17/11/2022
  • Hora: 07:30
  • Mostrar Resumo
  • A cultura da cana-de-açúcar por ser uma das mais produzidas no Brasil e por ser extraída toda a planta da área de cultivo apresenta uma alta demanda por fertilizantes nitrogenados, devido a isso busca-se alternativas como a utilização de bactérias como a Azospirillum brasiliense a partir da inoculação, por sua capacidade fixadora de nitrogênio. Esse trabalho teve como objetivo avaliar o efeito da inoculação com Azospirillum e ainda a sua associação com doses de nitrogênio e fertilizante de algas, nos fatores de rendimento da cultura. O experimento foi realizado na Fazenda Experimental Chã de Jardim, do CCA/UFPB, Areia-PB, durante um ano na etapa de cana planta. O delineamento foi o de blocos ao acaso com quatro repetições e sete tratamentos. O plantio foi realizado na densidade de doze gemas por metro com espaçamento de 1,20 m entre sulcos. A inoculação foi realizada no sulco e as adubações de cobertura com nitrogênio foram realizadas em duas etapas em cobertura. A variedade utilizada foi a RB041443, foram avaliados o nitrogênio total foliar, cálcio foliar, clorofila, sólidos solúveis, diâmetro de colmo e toneladas de cana por hectare. Os dados foram processados pelo software R, submetidos a análise de variância e teste Tukey. Não houve influência dos tratamentos nas variáveis analisadas, exceto o diâmetro de colmo, nitrogênio total e cálcio foliar, que apesar da diferença estatística não influenciou na produtividade de cana. A inoculação com Azospirillum brasiliense não influenciou na produtividade da cana-de-açúcar variedade RB041443.A aplicação do fertilizante de algas a base de Lithothamnium não apresentou ação das bactérias com reflexos na produtividade.
  • ANTÔNIO VEIMAR DA SILVA
  • ÍNDICES FOTOGRAMÉTRICOS DE VEGETAÇÃO NO RENDIMENTO DO MILHO SOB DOSES DE BIOESTIMULANTES VEGETAIS
  • Data: 10/11/2022
  • Hora: 13:00
  • Mostrar Resumo
  • O milho (Zea mays L.) é uma planta, C4, pertencente à família Poaceae que apresenta grande importância socioeconômica mundialmente, sendo que no Brasil é terceiro maior produtor e o segundo maior exportador dessa cultura. Em regiões de baixa renda, o milho representa um fator importante na alimentação humana, tanto in natura quanto pelos seus derivados, assim como para a alimentação animal. Para aumentar a produção sem ter que desmatar grandes áreas é possível utilizar de tecnologias para esse fim. Entre essas tecnologias, pode-se usar de bioestimulantes a base de produtos naturais que não prejudica o meio ambiente e nem a saúde do agricultores e animais. Nesse sentido, buscando ter controle e eficiência do cultivo nas regiões semiáridas do Brasil, o uso de avaliações como as variáveis de rendimento da cultura e dados provenientes de sensoriamento remoto com auxílio do sistema de informação geográfica (SIG) estão sendo bastante usados e estudados para diversas culturas. O objetivo geral da presente pesquisa é encontrar o melhor índice vegetal, o melhor produto, nível (doses) e fase de acordo com os parâmetros de rendimento da cultura do milho aqui estudadas. A pesquisa foi realizada na Fazenda Experimental Chã-de-Jardim, pertencente ao Centro de Ciências Agrárias da Universidade Federal da Paraíba, no município de Areia-PB, no ano de 2020 durante o período chuvoso (14/04 a 20/08/2020) e o período seco (30/07 a 03/12/2020). O delineamento utilizado foi de bloco casualizados (DBC) com quatro repetições, em esquema fatorial (3x4x3)+1, sendo três produtos, 4 níveis e 3 estádio fenológicos mais a testemunha (nível 0). Foram avaliados no primeiro experimento os índices vegetais Normalized gree-Red Difference index, Excess Green Index, Sil Asjust Vegetation Index, Triangular Greenness Index, Ground Level Image Anaysis, Redness Index e a produtividade. No segundo experimento foram avaliados o comprimento e diâmetro de espiga, número de fileira por espiga, número de grãos por fileira e espiga, massa de mil grãos e produtividade. O Índice SAVI foi o mais adequado ao avaliar a produtividade. Os produtos EP e o PH foram os melhores produtos para ambos os experimentos. O melhor estádio fenológico, de maneira geral, foi o V8 e o nível mais adequado para a maioria das variáveis estudadas foi o nível 4.
  • RAMON FREIRE DA SILVA
  • Adubação orgânica e bioestimulador vegetal na produção de pimentão no Curimataú Paraibano
  • Data: 14/10/2022
  • Hora: 08:30
  • Mostrar Resumo
  • A certificação orgânica em empresas agrícolas de produção familiar, principalmente na região Nordeste, apresenta atualmente, como entrave, a obtenção de fertilizantes de fonte orgânicas, que possibilitem além de atender as necessidades inerentes ao manejo do solo e as culturas em produção, o não comprometimento econômico da atividade, devido aos elevados custos de obtenção, o que pode comprometer o empreendimento rural. Assim, em empresas de produção orgânica, a adubação deve ser bem manejada para possibilitar excelentes ganhos produtivos, disponibilizando nutrientes de forma racional, além de manter a estrutura do solo, possibilitando uma melhor retenção hídrica. Nesse sentido, objetivou-se avaliar quantidades de esterco bovino associadas a substâncias húmicas como estimulador fisiológico para elevar produção em pimentão. As unidades experimentais foram constituídas de quatro plantas. Foram avaliados dose tratamentos, em quatro blocos casualizados, arranjados em esquema fatorial com quatro doses de esterco bovino (8, 18, 28 e 38 t ha-1) e 3 doses de substâncias húmicas na proporção 1:10 (m:v) correspondendo a 0, 8 e 12 kg ha-1, totalizando 48 parcelas experimentais. As substâncias húmicas influenciaram nas características produtivas do pimentão, obtendo-se valores máximos de peso médio de fruto (133,65 g) e diâmetro de fruto (75,73 mm) aplicando 8 t ha-1 de esterco associado a 8 kg ha-1de substâncias húmicas, correspondendo a incremento de 13,12 e 5,63% respectivamente, como também, obteve-se valor máximo de comprimento de fruto (80,94 mm) aplicando 8 t ha-1 de esterco associado a 12 kg ha-1de substâncias húmicas (incremento de 7,03%). Em nível de produção, obteve-se produção máxima de 1,2 kg por planta e 51.65 t ha-1 aplicando 38 t ha-1 de esterco associado a 12 kg ha-1 de substâncias húmicas, resultando em incremento produtivo de 10 e 16,43%, respectivamente. Os teores nutricionais máximos de P (2,4 g kg-1) da folha foram obtidos aplicando 38 t ha-1 de esterco associado a 12 kg ha-1 de substâncias húmicas, os teores máximos de K (24,5 g kg-1) foram obtidos aplicando 38 t ha-1, no entanto, a adubação orgânica não influenciou significativamente nos teores de nitrogênio foliar. As trocas gasosas foram estimuladas pelas substâncias húmicas, havendo incremento em fotossíntese líquida (34,2%) e condutância estomática (12,7%) aplicando-se 12 kg ha-1 de substâncias húmicas; obteve-se valor máximo de concentração interna de carbono (268,1 µmol mol-1) aplicando 8 t ha-1 de esterco; obteve-se taxa transpiratória máxima (5,27 mol H2O m-2 s-1) aplicando 38 t ha-1 de esterco associado a 12 kg ha-1 de substâncias húmicas, resultando em incremento de 42,4%. Além disso, obtiveram-se aumentos nas eficiências instantânea do uso da água (15,87%), instantânea da carboxilação (37,37%), aplicando-se 12 kg ha-1 de substâncias húmicas e efetiva da conversão de energia absorvida (23,53%), aplicando-se 8 kg ha-1 de substâncias húmicas; os teores de clorofila a da folha foram influenciadas pelas substâncias húmicas, resultando em incremento de 3,35%, aplicando 38 t ha-1 de esterco associado a 12 kg ha-1 de substâncias húmicas. As substâncias húmicas promoveram alterações anatômicas nas raízes do pimentão. Portanto, os bioestimulantes compostos de substâncias húmicas são uma alternativa ecologicamente viável para o manejo orgânico de pimentão, resultando em elevação de produção nas condições edafoclimáticas do Curimataú paraibano
  • LUNARA DE SOUSA ALVES
  • Incorporação de jitirana (Merremia aegyptia L.) e esterco caprino no solo visando o aumento da produtividade orgânica em rúcula
  • Orientador : THIAGO JARDELINO DIAS
  • Data: 13/10/2022
  • Hora: 08:30
  • Mostrar Resumo
  • A utilização da mistura de resíduos de origem vegetal e animal constituem em alternativa para a utilização como fonte de adubo orgânico na produção de hortaliças. O experimento foi conduzido na Fazenda Experimental Rafael Fernandes, localizada no distrito de Alagoinha, zona rural de Mossoró-RN, no período de julho a setembro de 2021, com o objetivo de avaliar doses equitativas de jitirana e esterco caprino em diferentes tempos de incorporação ao solo na produtividade agroeconômica de rúcula. O delineamento experimental utilizado foi o de blocos completos casualizados com os tratamentos arranjados em esquema fatorial 4 x 4, com três repetições. Os tratamentos consistiram da combinação de quatro doses equitativas de jitirana e esterco caprino (0,0; 2,0; 4,0 e 8,0 kg m-2 de matéria seca) com quatro tempos de incorporação (0; 15; 30 e 45 dias antes do plantio - DAS). A cultivar de rúcula utilizada foi a Cultivada. As características avaliadas foram: altura de planta, número de folhas por planta, produtividade de rúcula, número de molhos e massa seca da parte aérea. Também foram utilizados alguns indicadores econômicos como: custo de produção, renda bruta, renda líquida, taxa de retorno e índice de lucratividade. A maior produtividade e número de molhos de rúcula foram observados na dose de 8,0 kg m-2 e tempo de incorporação de trinta dias antes a semeadura da mistura equitativa de jitirana mais esterco caprino com valores máximos de 1065 kg m-2 e 20,78 unidades m-2. O melhor desempenho econômico para renda liquida, taxa de retorno e índice de lucratividade foram obtidos com a aplicação de 8,0 kg m-2 aos trinta dias antes a semeadura da rúcula com valores máximos de 3.721,18 R$; 8,65 e 87,37%, respectivamente. A mistura equitativa de jitirana com esterco caprino constitui em alternativa viável economicamente para o produtor orgânico de hortaliças.
  • AMANDA KAROLINY FERNANDES RAMOS
  • SEMENTES DE ESPÉCIES DA CAATINGA CONTIDAS EM CÍBALAS DE CAPRINOS E OVINOS: QUALIDADE E USO DA TÉCNICA DE RAIOS-X
  • Data: 08/09/2022
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • É importante utilizar sementes com alto padrão de qualidade para garantir o desenvolvimento das plantas e assim obter mudas ideais para programas de reflorestamento, principalmente em áreas do Bioma Caatinga. Além disso, é necessário compreender como ocorre a dispersão das sementes neste Bioma e quais os principais vetores. Nos últimos anos tem-se intensificado pesquisas sobre a dispersão de sementes por meio de pequenos ruminantes, como os caprinos e ovinos. Ainda, a avaliação da qualidade de sementes de espécies que ocorrem no Bioma Caatinga de maneira rápida, não-destrutiva e objetiva traz muitas vantagens para os programas de produção de mudas arbóreas florestais. Dessa forma, é imprescindível testar e aprimorar métodos rápidos e não destrutivos para avaliação da qualidade das sementes. O objetivo desta pesquisa foi avaliar as modificações morfofisiológicas, a viabilidade e o vigor de sementes de espécies da Caatinga após passarem pelo sistema digestório de caprinos e ovinos, tal como padronizar e aplicar métodos de análises de imagens de raios X para sementes de diferentes espécies antes e após a passagem pelo trato digestivo dos animais. As imagens radiográficas das sementes foram processadas utilizando-se o software ImageJ®, a partir das quais obtiveram-se descritores morfométricos e de integridade tecidual. Após as análises radiográficas, as sementes foram submetidas ao teste de germinação, obtendo-se variáveis de carácter fisiológico relacionadas à velocidade e uniformidade de germinação. Os dados foram analisados por meio da média e desvio padrão, tal como aquisição de mapa de calor, gráficos em box plot e análise de componentes principais. Observou-se as modificações morfofisiológicas em relação a viabilidade e o vigor das sementes que passaram pelo sistema digestório de pequenos ruminantes, principalmente para as variáveis tempo médio de germinação, comprimento de plântulas, massa seca de parte aérea e massa seca de plântulas, e que a análise automatizada de raios X é eficiente para obtenção de dados morfométricos e de integridade tecidual das sementes. Ainda se observou a relação da densidade relativa e densidade integrada, adquiridas por meio da análise das imagens, com os atributos fisiológicos de qualidade das sementes. Portanto, a passagem das sementes pelo sistema digestório de pequenos ruminantes tem relação com as características morfofisiológicas, a viabilidade e o vigor das sementes; além disso, a análise radiográfica é eficiente, por ser uma técnica fácil, rápida, não destrutiva e gratuita. Também, foram coletadas informações sobre características físicas das sementes e das variáveis relacionadas ao potencial fisiológico dos lotes. Assim, é possível afirmar que os caprinos e ovinos são importantes dispersores de sementes de espécies nativas da Caatinga.
  • AMANDA KAROLINY FERNANDES RAMOS
  • SEMENTES DE ESPÉCIES DA CAATINGA CONTIDAS EM CÍBALAS DE CAPRINOS E OVINOS: QUALIDADE E USO DA TÉCNICA DE RAIOS-X
  • Data: 08/09/2022
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • É importante utilizar sementes com alto padrão de qualidade para garantir o desenvolvimento das plantas e assim obter mudas ideais para programas de reflorestamento, principalmente em áreas do Bioma Caatinga. Além disso, é necessário compreender como ocorre a dispersão das sementes neste Bioma e quais os principais vetores. Nos últimos anos tem-se intensificado pesquisas sobre a dispersão de sementes por meio de pequenos ruminantes, como os caprinos e ovinos. Ainda, a avaliação da qualidade de sementes de espécies que ocorrem no Bioma Caatinga de maneira rápida, não-destrutiva e objetiva traz muitas vantagens para os programas de produção de mudas arbóreas florestais. Dessa forma, é imprescindível testar e aprimorar métodos rápidos e não destrutivos para avaliação da qualidade das sementes. O objetivo desta pesquisa foi avaliar as modificações morfofisiológicas, a viabilidade e o vigor de sementes de espécies da Caatinga após passarem pelo sistema digestório de caprinos e ovinos, tal como padronizar e aplicar métodos de análises de imagens de raios X para sementes de diferentes espécies antes e após a passagem pelo trato digestivo dos animais. As imagens radiográficas das sementes foram processadas utilizando-se o software ImageJ®, a partir das quais obtiveram-se descritores morfométricos e de integridade tecidual. Após as análises radiográficas, as sementes foram submetidas ao teste de germinação, obtendo-se variáveis de carácter fisiológico relacionadas à velocidade e uniformidade de germinação. Os dados foram analisados por meio da média e desvio padrão, tal como aquisição de mapa de calor, gráficos em box plot e análise de componentes principais. Observou-se as modificações morfofisiológicas em relação a viabilidade e o vigor das sementes que passaram pelo sistema digestório de pequenos ruminantes, principalmente para as variáveis tempo médio de germinação, comprimento de plântulas, massa seca de parte aérea e massa seca de plântulas, e que a análise automatizada de raios X é eficiente para obtenção de dados morfométricos e de integridade tecidual das sementes. Ainda se observou a relação da densidade relativa e densidade integrada, adquiridas por meio da análise das imagens, com os atributos fisiológicos de qualidade das sementes. Portanto, a passagem das sementes pelo sistema digestório de pequenos ruminantes tem relação com as características morfofisiológicas, a viabilidade e o vigor das sementes; além disso, a análise radiográfica é eficiente, por ser uma técnica fácil, rápida, não destrutiva e gratuita. Também, foram coletadas informações sobre características físicas das sementes e das variáveis relacionadas ao potencial fisiológico dos lotes. Assim, é possível afirmar que os caprinos e ovinos são importantes dispersores de sementes de espécies nativas da Caatinga.
  • PRISCILA DUARTE SILVA
  • Interação genótipo x ano para caracteres quantitativos em Portulaca umbraticola kunth
  • Orientador : ELIZANILDA RAMALHO DO REGO
  • Data: 31/08/2022
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • Portulaca umbraticola Kunth tem se destacado no mercado de plantas ornamentais devido a suas características fenotípicas, principalmente pela beleza das suas flores que conferem um aspecto atrativo para ornamentação de diversos ambientes. Entretanto, estudos relacionados a influência do ambiente nas características morfoagronômicas e seleção de genótipos aptos para serem utilizados em programas de melhoramento são incipientes. Este trabalho teve como objetivo selecionar genótipos de P. umbraticola para fins ornamentais, através da caracterização morfoagronômica e sua relação com o ambiente, levando em consideração genótipo, ano e a sua interação. O experimento foi desenvolvido em estufa pertencente ao Laboratório de Biotecnologia e Melhoramento vegetal do Centro de Ciências Agrárias, Universidade Federal da Paraíba, localizado no município de Areia, Paraíba. Utilizou-se o delineamento inteiramente casualizado com onze tratamentos e cinco repetições. A avaliação das plantas ocorreu em dois anos produtivos, considerando os caracteres: altura da planta, diâmetro do caule, diâmetro da copa, comprimento da folha, diâmetro da folha, número de ramos, distância do internódio, comprimento do ramo, número de flores, número de pétalas, comprimento do estilete, comprimento do filete clorofila a ,clorofila b e dias para florescimento. Os dados foram submetidos a análise de variância, com posterior agrupamento das médias pelo teste de Tukey a 5% de probabilidade. Foram encontradas diferenças significativas para todas as fontes de variação. A interação genótipo x ano foi significativa (p≤0,05), demonstrando que os genótipos se comportam diferentemente aos ambientes.Os ambientes influenciam diretamente nos resultados e diferença entre os genótipos avaliados, indicando que a interação Genótipo x Ano é alta para altura da planta, número de ramos e comprimento da flor todas importantes no critério de seleção de individuos em programas de melhoramento. Recomenda-se a seleção dos genótipos 3, 4, 5, 11 para dar continuidade no programa de melhoramento por apresentarem características de interesse.
  • JACKSON SILVA NÓBREGA
  • POTENCIAL DE DISSEMINAÇÃO E ASPECTOS MORFOANATÔMICOS DE SEMENTES DE ESPÉCIES DA CAATINGA CONTIDAS EM CÍBALAS DE CAPRINOS E OVINOS
  • Data: 31/08/2022
  • Hora: 08:30
  • Mostrar Resumo
  • A Caatinga possui uma grande diversidade vegetal e que apresenta espécies com elevado potencial de exploração. Dentre as principais finalidades, destaca-se o uso com forragem para a alimentação animal. A região Nordeste brasileira é a principal produtora dos rebanhos de caprinos e ovinos nacional, os quais são considerados eficientes agentes dispersores de sementes e podem promover melhorias na germinação. Assim, o objetivo deste trabalho foi avaliar o efeito da passagem de sementes de espécies da Caatinga pelo sistema digestório de caprinos e ovinos sobre a recuperação, anatomia e qualidade fisiológica das sementes. Inicialmente foi instalado um experimento com oito cabras da raça Saanem, sendo adotado como tratamentos a passagem das sementes pelo sistema digestório de cabras, nove períodos de ingestão (12, 24, 36, 48, 60, 72, 84, 96 e 108 horas) e quatro espécies florestais - Piptadenia stipulacea (Benth.) Ducke, Mimosa tenuiflora Willd., Desmanthus virgatus L. e Mimosa caesalpiniifolia Benth., e um tratamento adicional (sementes intactas). Houve recuperação das sementes das quatro espécies após a passagem pelo sistema digestório, sendo o efeito benéfico a germinação de P. stipulacea e D. virgatus. Um segundo experimento foi realizado, sendo utilizados 24 animais (12 caprinos e 12 ovinos), os períodos de recuperação de sementes excretadas e uma testemunha absoluta (sementes intactas). Para D. virgatus e M. tenuiflora houve recuperação de sementes até 120 horas após a passagem pelo sistema digestório, enquanto que para a M. caesalpiniifolia, prolongou-se até 192 horas, sendo a maior quantidade de sementes recuperadas após 48 horas para todas as espécies, tanto nos caprinos como nos ovinos. Para a D. virgatus, a passagem das sementes pelo sistema digestório por 24 horas nos caprinos e por 24 e 120 horas nos ovinos promove melhorias na germinação. Na M. tenuiflora a retenção por 120 horas nos caprinos e 96 horas nos ovinos melhora a germinação. Enquanto para a M. caesalpiniifolia, a passagem por 120 e 168 horas nos caprinos e 96 horas nos ovinos, proporciona maior germinação e vigor das sementes. A análise anatômica do tegumento de M. tenuiflora e M. caesalpiniifolia, indica que a passagem das sementes pelo sistema digestório dos caprinos e ovinos, provoca a escarificação do tegumento nos diferentes períodos de avaliação.
  • JOSEILSON MOREIRA DE ARAÚJO
  • DIVERSIDADE GENÉTICA ENTRE E DENTRO ESPÉCIES DE Opuntia SSP. REVELADA POR MARCADOR MOLECULAR ISSR
  • Data: 31/08/2022
  • Hora: 08:30
  • Mostrar Resumo
  • A família Cactaceae inclui aproximadamente 2.000 espécies nativas das Américas e distribuídas em todo o mundo. Opuntia é o gênero polifilético mais conhecido da família e a palma forrageira Opuntia fícus-indica (L.) Mill, é cultivada em mais de 20 países. Palma forrageira é uma cultura importante econômica e ecologicamente. Economicamente a palma forrageira desempenha papéis significativos na regeneração de vegetação de terras áridas e semiáridas e na desaceleração do desmatamento, perda da biodiversidade, degradação e erosão do solo. A caracterização de germoplasma é essencial para fornecer informação sobre os caracteres de cada acesso, promovendo sua classificação por meio das estimativas da diversidade genética dentro e entre grupos. O marcador ISSR é uma técnica baseada em microssatélites muito útil para estudos de genoma. Os marcadores moleculares ISSR mostram-se uma ferramenta valiosa para acessar a diversidade genética e discriminar acessos de palma forrageira. Dentro desse contexto, o objetivo deste trabalho foi avaliar a diversidade genética de 40 genótipos de Opuntia spp. do BAG do INSA, usando marcadores moleculares ISSR. A extração do DNA dos acessos foi realizada com o Kit DNeasy Plant Mini® (Qiagen). Foram utilizados 11 oligonucleotídeos iniciadores ISSR (primers. Após reações de PCR, os fragmentos de DNA amplificados foram separados em gel de agarose a 2% e fotodocumentados. Foram amplificados 839 fragmentos, distribuídos em 91 locos, dos quais 86 foram polimórficos e 5 monomórficos, polimorfismo de 94,50%. A matriz de dissimilaridade genética foi obtida a partir da distância genética entre pares de acessos, que variou de 0,32 a 1,00. A partir das distancias genéticas os 40 acessos foram agrupados em oito grupos, usando o método de Ward e em dez grupos usando Tocher. Conclui-se que há alta diversidade genética entre e dentro das espécies avaliadas e foi possível estabelecer as relações filogenéticas entre os acessos de Opuntia spp estudados. Essa informação é útil para definir a base para novas coleções representadas por Opuntia spp. e sugere-se cruzamentos entre acessos intra e interespecíficos, para ampliar a base genética das populações segregantes e promover a seleção.
  • ANGELITA LIMA DA SILVA
  • MORFOLOGIA, CURVA DE ABSORÇÃO DE ÁGUA E GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE Sterculia foetida L.
  • Data: 31/08/2022
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • A espécie Sterculia foetida L. também denominada de chichá-fedorento, oliva-de-java e castanha-da-Índia é uma árvore perene da família Malvaceae que apresenta distribuição pantropical e é comumente utilizada para fins paisagísticos, bem como na recuperação de áreas degradadas. Nessa perspectiva, o presente trabalho objetiva estudar a variabilidade física, a biometria e a qualidade fisiológica de sementes da espécie S. foetida. Os experimentos foram realizados no Laboratório de Análise de Sementes, pertencente ao Centro de Ciências Agrárias da Universidade Federal da Paraíba. No experimento I, foram analisadas sementes de nove árvores matrizes quanto ao comprimento, largura, espessura e peso, também foi avaliado o número de sementes por fruto. A qualidade fisiológica através das variáveis germinação e vigor foi determinada a partir de uma amostra de 100 sementes de cada árvore matriz, em ambiente controlado. No experimento II foram realizadas as determinações de teor de água, aspectos biométricos, curva de absorção de água e teste de germinação. A curva de absorção de água foi avaliada para sementes intactas e escarificadas por 168 horas em diferentes temperaturas. A variável germinação foi avaliada para cada uma das nove árvores matrizes de S. foetida.
  • GABRIEL TORRES RODRIGUES
  • QUALIDADE DO SOLO EM SISTEMAS DE PRODUÇÃO E AMBIENTES ATINGIDOS POR REJEITO DE MINERAÇÃO DE FERRO
  • Orientador : DJAIL SANTOS
  • Data: 30/08/2022
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • O estudo buscou avaliar a partir de indicadores físicos e químicos e investigar, através de padrões visuais pré-estabelecidos pelo método da Cromatografia de Pfeiffer (CP), a qualidade do solo em ambientes atingidos e não atingidos por rejeito de mineração de ferro. A pesquisa foi desenvolvida na Fazenda Sítio Novo, situada na comunidade rural de Vista Alegre, Esmeraldas-MG, atingida pelo rompimento da barragem de rejeitos de mineração de ferro, ocorrido em janeiro de 2019 em Brumadinho-MG. Três anos após o rompimento, com a enchente de janeiro de 2022, os rejeitos depositados na calha do rio, atingiram áreas de plantio, de criação animal e matas ciliares da Fazenda Sítio Novo e demais comunidades e municípios ao longo da bacia hidrográfica do rio Paraopeba. Os ambientes estudados foram: Sistema Agroflorestal (SAF); Pasto (PA); Mata (MA); Sistema Agroflorestal atingido pelo rejeito (SAF at.); Pasto atingido pelo rejeito (PA at.) e Mata atingida pelo rejeito (MA at.). As amostras de solo foram coletadas nas camadas de 0-20 e 20-40 cm, e para cada um dos seis ambientes, foram delimitadas quatro parcelas circulares de 100 m2 (raio de 5,64 m), distribuídas ao acaso, sendo que em cada parcela, 4 amostras simples deformadas de solo foram coletadas e misturadas para compor uma amostra composta. Foram obtidas 4 amostras compostas por ambiente, totalizando 48 amostras analisadas. O trabalho foi conduzido de acordo com uma abordagem quanti-qualitativa, com o uso de ferramentas de Diagnóstico Rural Participativo (DRP), para o reconhecimento da área; Cromatografia de Pfeiffer, para avaliação da qualidade dos solos; e análises físicas e químicas do solo. Os atributos físicos e químicos do solo foram correlacionados com resultados obtidos pela CP. Os resultados obtidos indicam que a técnica da Cromatografia de Pfeiffer pode ser utilizada para avaliação qualitativa do estado dos solos, tanto de ecossistemas naturais quanto de agroecossistemas, mostrando-se como uma alternativa viável para a avaliação e monitoramento de solos sob estresse ambiental.
  • JÉSSICA DE MEDEIROS NOBRE
  • DIVERSIDADE GENÉTICA EM BELDROEGAS COM BASE EM MARCADORES MOLECULARES SSR E RAPD
  • Orientador : MAILSON MONTEIRO DO REGO
  • Data: 30/08/2022
  • Hora: 08:30
  • Mostrar Resumo
  • A Importância do estudo da diversidade genética das plantas é indispensável para os programas de conservação e melhoramento genético, o que garante a segurança alimentar mundial e desenvolvimento de agricultura produtiva, eficiente e mais sustentável. Portanto os programas de conservação e melhoramento genético nos últimos anos vêm sendo desenvolvidos com base em metodologias da genética molecular. A Beldroega (Portulaca) possui diversos usos potenciais, entre eles se destacam o ornamental, alimentício, medicinal e forrageiro. Assim as duas aptidões principais são o uso ornamental e como planta alimentícia não convencional - PANC. É considerada um alimento funcional. A beldroega é dita como alimento poderoso, e foi intitulada com o termo de “panaceia global”. Deste modo, o objetivo deste trabalho foi caracterizar a nível molecular os materiais de diversos genótipos de Beldroega provenientes do Estado da Paraíba, Brasil, e do Estado da Geórgia, Estados Unidos por meio de marcadores EST-SSR e RAPD, buscando indicar acessos ideais para programas de melhoramento. Os experimentos foram desenvolvidos no laboratório de Biotecnologia Vegetal do Centro de Ciências Agrárias da Universidade Federal da Paraíba (CCA-UFPB). O DNA genômico foi extraído de folhas jovens e de raízes de 28 acessos de Portulaca de diferentes espécies, seguindo o protocolo de Doyle e Doyle. No primeiro capítulo, as reações de PCR foram usados 10 pares de primers EST-SST. As bandas obtidas foram convertidas em uma matriz binária, a partir da qual a matriz de dissimilaridade genética foi construída utilizando o complemento aritmético do coeficiente de Jaccard, e o dendrograma foi construído utilizado o método de WardD2. Todos os fragmentos amplificados foram polimórficos. Os pares de acessos mais semelhantes apresentaram distâncias genéticas 0, enquanto os pares mais dissimilares apresentaram distância genética 1. O valor médio de dissimilaridade foi 0,50. A população avaliada apresentou alta diversidade genética, agrupando os genótipos em cinco grupos da análise de agrupamento hierárquico de WardD2, os acessos Areia 6 e JP1 apresentaram maior distância genética entre os acessos. O método de agrupamento de Tocher observou a formação de cinco grupos onde os acessos Areia 6 e PO 5 apresentaram grupos maiores, estes devem ser utilizados como genitores no programa de melhoramento. No segundo capítulo, as reações de PCR foram usados 17 primers RAPD. As bandas obtidas foram convertidas em uma matriz binária, a partir da qual a matriz de dissimilaridade genética foi construída utilizando o complemento aritmético do coeficiente de Jaccard, e o dendrograma foi construído utilizado o método de WardD2. Todos os fragmentos amplificados foram polimórficos. Os pares de acessos mais semelhantes apresentaram distâncias genéticas 0, enquanto os pares mais dissimilares apresentaram distância genética 1. O valor médio de dissimilaridade foi 0,78. A população avaliada apresentou alta diversidade genética, agrupando os genótipos em quatro grupos da análise de agrupamento hierárquico de WardD2, os acessos Areia 11 e TIF 7 apresentaram maior distância genética entre os acessos. O método de agrupamento de Tocher observou a formação de sete grupos onde os acessos Areia 11 e TIF 7 apresentaram grupos maiores, estes são indicados a serem genitores no programa de melhoramento.
  • IARA GABRIELA DE LIMA GOMES
  • CARACTERIZAÇÃO MORFOAGRONÔMICA E HIBRIDAÇÃO DE PLANTAS DO GÊNERO Portulaca spp.
  • Orientador : ELIZANILDA RAMALHO DO REGO
  • Data: 26/08/2022
  • Hora: 08:30
  • Mostrar Resumo
  • A utilização da beldroega como recurso genético se depara com diferentes desafios para torná-las mais comercializáveis, sendo o melhoramento uma estratégia necessária para torná-la apta à competitividade do mercado. Para iniciar um programa de melhoramento, um dos primeiros requisitos é a caracterização morfoagronômica de acessos para seleção de possíveis genitores. Esta caracterização possibilita a diferenciação fenotípica entre plantas e, ainda, a identificação de plantas com características superiores, que sejam herdáveis e de interesse para os programas de melhoramento (RITSCHEL et al., 1998). No entanto, a maioria das cultivares são desenvolvidas por empresas privadas, tornando as informações referentes aos cruzamentos indisponíveis na literatura. É impossível, desta forma, afirmar que todos as variedades comerciais são provenientes de cruzamentos interespecíficos (PAKOCA, 2014). A hibridação interespecífica é comumente utilizada com o intuito de gerar variabilidade genética (VAN TUYL & DE JEU, 1997). Entretanto, possui a desvantagem de nem sempre gerar híbridos férteis devido a incompatibilidade entre as espécies (ALLARD, 1960; BORÉM & MIRANDA, 2013). Neste sentido, este estudo visa aprofundar os conhecimentos quanto ao potencial de exploração da beldroega para iniciar um programa de melhoramento a fim de registrar novas variedades e disponibilizá-las para agricultores familiares. Para tanto, esta dissertação, é composta por dois capítulos: no primeiro, foi avaliada a divergência genética entre nove acessos de Portulaca de diferentes espécies; e, no segundo capítulo, foi realizado um cruzamento interespecífico entre 18 acessos de Portulaca, objetivando analisar a compatibilidade de cruzamentos entre as espécies.
  • VALÉRIA FERNANDES DE OLIVEIRA SOUSA
  • Influência da torta de mamona na morfofisiologia, nutrição e produtividade de manjericão sob estresse salino
  • Data: 26/08/2022
  • Hora: 08:30
  • Mostrar Resumo
  • No semiárido brasileiro a ocorrência de fontes de águas com níveis elevados de sais se destaca como fator limitante para produção da maioria das culturas. Nesse cenário, estudos relatam que o uso de fertilizantes orgânicos promovem mitigação do estresse salino nas plantas. Para tanto, objetivou-se avaliar os aspectos fisiológicos, bioquímicos, nutricionais e produtivos do manjericão sob estresse salino e doses de torta de mamona. O experimento foi em blocos casualizados com cinco condutividades elétricas da água (0,5, 1,2, 3,0, 4,7 e 5,5 dS m-1) e cinco doses de torta de mamona (0,0, 1,4, 5,0, 8,5 e 10 t ha-1), com quatro repetições. As variáveis analisadas foram crescimento, trocas gasosas, fluorescência de clorofila, pigmentos fotossintetizantes, osmorreguladores, enzimas antioxidantes, danos oxidativos, nutrição foliar, produção de óleo, nutrição e salinidade do solo. Os dados foram submetidos à análise de variância e à análise de regressão. O uso de torta de mamona até 5 t ha-1 atenuou o efeito deletério da salinidade leve (3 dS m-1) no acúmulo de biomassa e teor de óleo de plantas de manjericão ao aumentar a defesa antioxidante, acúmulo de osmorreguladores, efciência fotoquímica e trocas gasosas. A adubação com torta de mamona mitigou os efeitos negativos da salinidade, incrementando a homeostase iônica em manjericão, retendo o sódio no solo sob aplicação de água salina. Entretanto, a torta de mamona não foi capaz de mitigar os efeitos deletérios do estresse salino severo, sendo que altas doses da torta intensificaram ainda mais os efeitos da alta salinidade em plantas de manjericão. Dessa forma, o uso de torta de mamona até 5 t ha-1 foi eficaz na mitigação do estresse salino moderado em plantas de manjericão.
  • MARIA LUIZA DE SOUZA MEDEIROS
  • FENOLOGIA, CARACTERIZAÇÃO FISIOLÓGICA E BIOMÉTRICA DE SEMENTES DE Sideroxylon obtusifolium (Roem. & Schult.) T. D. Penn. POR MEIO DE TESTES TRADICIONAIS E ANÁLISE DE IMAGENS
  • Orientador : EDNA URSULINO ALVES
  • Data: 17/08/2022
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • Sideroxylon obtusifolium (Roem & Schult.) T. D. Penn. é múltiplo uso, podendo ser aplicada na medicina popular, produção industrial de fitoterápicos, carpintaria, artesanato, entre outros, mas ainda há poucos estudos voltados para a mesma, sobretudo com relação à fenologia e qualidade de sementes. Nesse sentido, objetivou-se avaliar as diferentes fenofases e a caracterização fisiológica e biométrica de sementes de S. obtusifolium. Para tanto, foram realizados dois experimentos, sendo o primeiro de fenologia: conduzido em duas áreas de Caatinga paraibana, Boa Vista e Prata - PB, com 47 indivíduos da espécie sendo monitorados e avaliados a cada trinta dias durante 22 meses. O objetivo foi caracterizar os padrões fenológicos vegetativos e reprodutivos de S. obtusifolium, bem como o efeito das variáveis climáticas (precipitação, temperatura e umidade) em duas áreas de Caatinga na Paraíba. As variáveis avaliadas foram: percentual de intensidade de Fournier e o índice de atividade (brotamento, senescência, floração e frutificação), cuja sazonalidade de cada fenofase foi analisada pela estatística circular. No segundo experimento realizou-se a caracterização fisiológica e biométrica de sementes de S. obtusifolium, por meio de testes tradicionais e processamento digital de imagens com uso do software ImageJ®. Avaliou-se as seguintes variáveis: teor de água, germinação, primeira contagem e índice de velocidade de germinação, comprimento e massa seca de parte aérea e raiz de plântulas e biometria de sementes (área, perímetro, circularidade, largura, redondeza e solidez). O comportamento fenológico de brotação e senescência foliar foram contínuos, assim como de botões florais e flores em antese das populações estudadas de S. obtusifolium em áreas distintas de Caatinga e também semelhantes nos meses de pico, com maior intensidade em outubro e maior produção de frutos em julho. Os testes tradicionais utilizados para caracterização de sementes de S. obtusifolium possibilitaram o ranqueamento dos diferentes lotes, e a análise de imagem digital, obtida através do software ImageJ® foi eficiente em discriminar as diferenças biométricas entre lotes de sementes.
  • CRISTINE AGRINE PEREIRA DOS SANTOS RODRIGUES
  • INDUÇÃO IN VITRO DE EMBRIOES GINOGENICOS DE CEBOLA (Allium cepa L.) A PARTIR DE OVARIOS NÃO FECUNDADOS
  • Orientador : MAILSON MONTEIRO DO REGO
  • Data: 04/07/2022
  • Hora: 08:30
  • Mostrar Resumo
  • O melhoramento de plantas é um processo longo, que dura em média de 12 a 15 anos. Reduzir o tempo necessário para produção de uma nova variedade significa diminuição nos custos e antecipação dos lucros. Atualmente a obtenção de plantas haploides e duplo haploide tem sido o objetivo das empresas agrícolas e também para programas de melhoramento genético. O cruzamento entre duas linhagens puras permite obter híbridos homozigotos para todos os seus caracteres. Este tipo de organismo apresenta algumas características agronômicas de grande valor, como por exemplo vigor híbrido, maior resistência a diferentes estresses bióticos e abióticos e homogeneidade nas culturas. Um haplóide possui apenas um conjunto de cromossomos. Os gametas pólen e óvulo, são células haploides. A planta obtida pela duplicação de cromossomos de um haplóide é chamada de duplo haplóide.As plantas haplóides são menores e menos vigorosos do que as diplóides e apresentam alto grau de esterilidade. A utilização dessa técnica em programas de melhoramento não é uma prática rotineira porque não existem métodos eficientes para regenerar haplóides na maioria das espécies. Os principais métodos para obtenção de plantas haplóides são: a cultura de anteras, óvulos, ovários, a cultura de micrósporos e o Método Bulbosum (que envolve cruzamento interespecífico e resgate de embriões). Para realização da técnica há necessidade de haver protocolos de obtenção de haplóides. Os componentes da meio de cultivo é um dos principais fatores para a indução de haploides in vitro assim como a concentração de carboidratos para o desenvolvimento e crescimento das plantas. Os reguladores, desempenham um papel importante na reprogramação de células haploides do gametófito para o via esporofítica por isso a importância de dosar as quantidade necessárias para a obtenção de respostas eficientes, outro fator importante é genótipo e a espécie a ser induzdida pois não exiete um protocolo universal para ginogênese in vitro. Portanto o objetivo deste trabalho foi otimizar um protocolo através da cultura in vitro de botões florais de Allium cepa L. Afim de induzir embriões ginogenicos. Os experimentos foram desenvolvidos na UFPB/CCA no laboratório de biotecnologia vegetal. Utilizou-se botões não-fertilizados da variedade IPA-111 e BRS Alta Franciscana que foram inoculados em meio de cultura BDS, MS e B5, sendo inoculados 20 botões florais não-fertilizados em placa de Petri por 120 dias. O experimento foi conduzido em delineamento inteiramente casualizado, em esquema fatorial 32, os tratamentos consistiram na combinação de doses 0, 1.0 e 2.0 mg.L-1 de 2,4-D e 0, 1.0 e 2.0 mg.L-1 de BAP, com 7 repetições cada. As variáveis analisadas foram quanto a Indução de bulbo formados, número de embriões formados ,número de calos formados , diâmetro do calo, número de folhas,comprimento da folha principal ,comprimento da raiz principal , número de calo formado por variedade , número de embriões formados por variedade , número de plântulas albinas formada por variedade , porcentagem de calo por variedade, porcentagem de embriões por variedade,porcentagem de plantas albinas por variedade , porcentagem de calo formado por tratamento e porcentagem de embriões formados por tratamento.O segundo experimento foi conduzido em delineamento inteiramente casualizado, em esquema fatorial 22, os tratamentos consistiram em duas variedades de cebola IPA 11 e BRS alta franciscana, cultivadas em dois protocolos: (A) descrito por Michalik. Onde botões florais foram inoculados em meio BDS suplementado com 2,0 mg.L-1 de 2,4 D e 2,0 mg.L-1 de BAP e 100 gL-1 de sacarose onde ficaram por 15 dias. Após esse período fez -se o subcultivo em meio de regeneração (BDS) suplementado com 1,0 mg.L-1 de ANA e 2,0 mg.L-1de KIN e 100gL-1 de sacarose. Após 30 dias o embrião foi subcultivado em meio MS sem reguladores de crescimento e suplementado com 30 g.L-1 de sacarose até o desenvolvimento da plântula. Protocolo (B) descrito por Adhiyamaan, botões florais foram inoculados em meio BDS suplementado com 100g de sacarose e 2mM de putrescina filtroesterelizado, onde ficaram por 15 dias, em seguida, foram subcultivado em meio de regeneração (BDS) suplementado com 0,01mM de spermidina, por um período de 30 dias, onde os embriões foram transferidos para meio MS, sumplementado com 40g de sacarose e livre de reguladores de crescimento até o desenvolvimento da plântula. As variaveis analisadas foram: número de calo, número de embrião formado, botões vitrificados, botões viáveis, placas contaminadas, porcentagem de calo formado,número de plantas. Para o terceiro experimento tambem inoculou-se 20 botões florais, que foram colocados em placas de petri contendo os meio de indução B5, BDS e MS, suplementados com 2,0 mg.L-1 de 2,4 D e 2,0 mg.L-1 de BAP, todos os meios tiveram o pH ajustado para 5,8 antes da adição de 7 g.L-1 de ágar, em seguida, autoclavado por 15 minutos a 121°C. As placas inoculadas foram levada para a sala de crescimento com iluminação de (16/8h) a 25°C por um período de 120 dias até a produção do embrião e calos e também foram realizadas caracterizações, onde avaliou-se formação de brotos, número de embriões, número de calos, calos friáveis, calos oxidados botões viáveis e botões vitrificados. Os dados foram submetidos a análise de variância e quando houve diferenças significativas, as médias foram comparadas pelo teste Scott Knott ao nível de 5% de probabilidade. Observou-se que os tratamentos mais responsivos tem em sua composição 2,0 mg.L-1 de 2,4-D + 2,0 mg.L-1 de BAP. O meio de cultura BDS quando suplementado com poliaminas promoveu maior eficiência na indução de embrioes ginogenicos para as variedade IPA 11, assim como tambem evidenciou maior numero de calos, menor oxidação dos explantes. Quanto aos tres meios testados para a indução o meio BDS proporcionou um maior percentual de embriões e menor taxa de formação e oxidação dos calos enquanto os meio MS e B5 apresentaram maior taxa de calos oxidados e menor número de embriões. Portanto pode-se concluir que O meio BDS suplementado doses de 2mgL-1 de 2,4 D e 2,0mgL-1 e BAP induzem de forma sastifatoria a indução de embriões para as duas variedades, e ao utilizar Putrescina e Spermidina essas frequências aumtam para a variedade BRS alta franciscana. Quanto ao meio de cultura o Meio que melhor desempenha o desenvolvimento na indução é o meio BDS
  • JOSE ELDO COSTA
  • DESEMPENHO AGROINDUSTRIAL E QUALIDADE DO CORTE MECANIZADO DA CANA-DE-AÇÚCAR EM ÉPOCAS CONTRASTANTES E COM DIFERENTES VELOCIDADES DE COLHEITA
  • Orientador : FABIO MIELEZRSKI
  • Data: 27/06/2022
  • Hora: 13:30
  • Mostrar Resumo
  • Avanços tecnológicos nos processos agrícolas de produção da cana-de-açúcar podem efetivamente consolidar as práticas sustentáveis do setor sucroenergético. Na colheita mecanizada, ações têm sido realizadas visando aumento de produtividade e sustentabilidade. Recentemente, uma alternativa aos produtores é a colhedora de duas linhas simultâneas que apresenta desempenho operacional superior à colhedora de uma linha. Entre outros aspectos, no entanto, a variabilidade climática regional pode influenciar na escolha do manejo a ser adotado. Assim, neste trabalho objetivou-se avaliar os parâmetros de crescimento, rendimento da cana-de-açúcar e a qualidade do corte mecanizado nos períodos seco e chuvoso da safra na Paraíba e os efeitos de cinco velocidades de colheita da colhedora de duas linhas (2, 3, 4, 5 e 6 km h-1). O delineamento experimental foi em blocos casualizados, com quatro repetições. Foram selecionadas duas áreas comerciais da variedade RB92579 no espaçamento duplo alternado 1,5 m × 0,8 m, em Santa Rita, Paraíba, Brasil. Mudanças no crescimento da cana-de-açúcar foram notadas em função da época de corte. As menores velocidades da colhedora aumentaram o perfilhamento da planta em ambas as estações. Entretanto, a população final de plantas não foi afetada pelas mudanças da velocidade. As velocidades de colheita da colhedora não afetam o rendimento e qualidade industrial da cana-de-açúcar, independente da época de colheita. A qualidade do corte mecanizado é influenciada pelas velocidades da colhedora. A variabilidade nas perdas totais foi maior no período chuvoso.
  • MICAELA BENIGNA PEREIRA
  • DESEMPENHO DA CULTURA DA BATATA DOCE (Ipomoea batatas L.) SOB CULTIVO COM COBERTURA MORTA VEGETAL E ADUBAÇÃO ORGÂNICA NO SEMIÁRIDO BRASILEIRO
  • Data: 31/05/2022
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • Para garantir sistemas de produção férteis e sustentáveis a longo prazo, frente as mudanças edafoclimáticas e ao uso intensivo e até de forma inadequado dos recursos naturais, tem se buscado o emprego de tecnologias de base ecológica, capaz de atenuar as pressões sobre os sistemas de produção e propiciar melhor desempenho das culturas agrícolas. Objetivou-se com essa pesquisa avaliar o desempenho da cultura da batata-doce (Ipomoea batatas L.) sob cultivo com cobertura morta vegetal e adubação orgânica no Semiárido brasileiro. A pesquisa foi realizada na Fazenda Riachão, município de Aparecida, Paraíba, Brasil. O delineamento experimental foi em blocos casualizados com quatro repetições. Os tratamentos foram obtidos através da matriz Composto Central de Box, sendo compostos por doses de esterco bovino (EB) (0,0; 8,72; 30; 51,28 e 60 t ha-1) e cobertura morta vegetal (CM) (0,0; 287,73; 989,50; 1691,27 e 1979,0 g m-2), e dois tratamentos adicionais (I- testemunha; II- adubação com NPK 40-70-90 kg ha-1). Avaliaram-se as trocas gasosas; fluorescência da clorofila a; índices foliares de clorofila; número de folhas, comprimento e diâmetro da haste principal; área foliar; massa verde e seca da parte aérea; teores foliares de nitrogênio, fósforo e potássio; número total de raízes planta-1; comprimento e diâmetro de raízes; produção e produtividade comercial, produtividade total; massa média de raízes; sólidos solúveis, amido, proteína e energia bruta; pH; e teores de P, K, Fe e Mg em raízes. O uso associado de cobertura morta vegetal e adubação com esterco bovino proporciona maiores valores de índices de clorofila a, b e total e de comprimento e diâmetro da haste principal, fitomassa verde e seca da parte aérea e teores foliares de nitrogênio, maior produção e produtividade comercial, produtividade total e maiores teores de potássio e sólidos solúveis nas raízes. O maior número de folhas por planta, comprimento de raízes e energia bruta foi obtido sob adubação com esterco bovino e a maior área foliar, diâmetro de raiz, teores de ferro e amido de raízes foi sob a utilização de cobertura morta com palha de carnaubeira e capim panasco; A aplicação integrada de esterco bovino e cobertura morta vegetal foi mais eficiente que a adubação mineral com NPK para a cultura da batata-doce nas condições em que a pesquisa foi realizada.
  • MARIA DE FATIMA DE QUEIROZ LOPES
  • Alterações fisiológicas nos componentes de rendimento e qualidade nutricional do gergelim associadas a aplicação de dessecante
  • Data: 30/05/2022
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • O gergelim (Sesamum indicum) é considerado uma das espécies oleaginosas mais importantes do mundo. Apesar da importância, a desuniformidade na maturação da cultura ocasiona dificuldade para sua expansão e perdas na colheita, nesse sentido, os herbicidas surgem como alternativa para dessecação e otimização no processo de colheita. Com isso, o objetivo da pesquisa foi avaliar o potencial de dessecantes a partir da identificação do tipo e época de aplicação do produto na cultura, bem como, o período de colheita em diferentes partes da planta, a fim de avaliar seus efeitos na fisiologia da planta e de suas sementes, componentes de produção e qualidade nutricional de sementes oriundas de duas fases de maturação. Para isso, a cultivar ‘BRS Anahi’ foi cultivada em condições de sequeiro por dois anos, aplicando-se como dessecantes em pré-colheita glifosato e diuron + paraquat, em dois períodos reprodutivos (R5 e R7), com três formas de aplicação (pulverização convencional, jato dirigido, testemunha) utilizando-se o delineamento em blocos casualizados. Foram avaliadas as trocas gasosas, eficiência fotoquímica, clorofila a, b e total, fitotoxicidade, componentes de produção, qualidade fisiológica de sementes, composição centesimal e conteúdo de minerais. Os dados foram submetidos a análise multivariada de agrupamento, componentes principais e correlação. Dentre os produtos utilizados, o glifosato causou menor interferência sobre a fisiologia da planta, e proporcionou uma maior produção da cultura e não foram observadas expressivas alterações na composição centesimal e mineral em relação ao controle, promovendo melhorias na uniformidade de dessecação da planta; por outro lado, ambos os produtos prejudicam a qualidade fisiológica das sementes, sendo o glifosato responsável por promover maior fitotoxicidade ao sistema radicular de plântulas de gergelim. O jato dirigido na base da planta promove menor fitotoxicidade e é mais eficiente na produção por evitar a abertura das cápsulas e liberação das sementes, e principalmente, por facilitar a colheita mecanizada da cultura e garantir bom potencial fisiológico das sementes, em contrapartida, a aplicação convencional reduz a produtividade e a velocidade de germinação e emergência das plântulas. A aplicação em R7 mostra-se mais eficiente e não interfere na produção, qualidade fisiológica e composição nutricional da semente. A colheita tardia se sobressai e a aplicação feita na parte inferior da planta apresenta resultados mais favoráveis em relação a qualidade fisiológica e composição centesimal das sementes, enquanto na parte superior, verifica-se maior conteúdo de minerais. Dessa forma, com relação a colheita tardia (90-105 dias) para a produção destinada ao consumo, a aplicação do glifosato na fase R7, com o jato dirigido, não altera a composição centesimal e mineral de sementes de gergelim. No entanto, ambos os dessecantes promovem maior fitotoxicidade na produção de sementes. Com isso, para produção destinada ao consumo a dessecação com glifosato na fase R7, aplicado com o jato dirigido e colheita tardia não altera a composição centesimal e mineral de sementes de gergelim. No entanto, na produção de sementes, ambos os dessecantes não são recomendados por promover fitotoxicidade.
  • JACKSON TEIXEIRA LOBO
  • Bioestimulação da mangueira cv. Kent no semiárido
  • Data: 27/05/2022
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • O Brasil destaca-se como oitavo maior produtor mundial de manga com aproximadamente 67% da produção nacional colhida na região Nordeste, especialmente na região do Vale do São Francisco, que contribui para que os estados da Bahia e de Pernambuco sejam os maiores produtores nacionais e responsáveis, em 2017, por quase 90% das exportações brasileiras de manga. As exportações brasileiras de manga destinam- se em sua maioria à União Européia, mercado exigente em frutos com pouca ou nenhuma fibra, sabor superior e coloração intensa. Dentre as diversas cultivares produzidas no Brasil, a cultivar Kent apresenta sabor agradável e quantidade de fibra reduzida, o que a torna uma opção para exportação. A região do Vale do São Francisco possui clima semiárido tropical caracterizado por elevadas temperaturas e baixos índices pluviométricos, o que demanda práticas culturais específicas, especialmente visando à redução do estresse vegetal causado tanto pelas elevadas temperaturas, quanto pela redução de lâmina de irrigação que é necessária antes do período de indução floral, visando à uniformidade da floração. Ao se associar o sistema produtivo da mangueira adotado no Vale do São Francisco com as condições edafoclimáticas regionais peculiares, verifica-se, especialmente para a variedade ‘Kent’ que problemas de estresse abiótico causado pelas elevadas temperaturas tem comumente ocorrido e interferido negativamente no sistema produtivo da mangueira. As plantas ativam diferentes mecanismos de proteção em resposta a condições abióticas adversas, dentre os quais o acúmulo de solutos orgânicos de baixo peso molecular (prolina, proteína, carboidratos) nos tecidos, que vem sendo estudado especialmente em relação a estresse hídrico, térmico, salino ou estresses causados por patógenos, anaerobiose, deficiência de nutrientes, poluição atmosférica e radiação UV, e até mesmo a todos esses estresses de forma combinada “estresses múltiplos”. Alguns estudos vêm sendo desenvolvidos com o objetivo de mitigar os efeitos deletérios de efeitos abióticos especialmente com fornecimento exógeno de extratos vegetais (Ascophyllum nodosum) e prolina com resultados satisfatórios, embora para a cultura da mangueira em condições semiáridas ainda constitui uma lacuna na literatura científica. Mediante o exposto e pela importância social e econômica da fruticultura para o Vale do São Francisco, o presente projeto vem a contribuir com a sustentabilidade da atividade frutícola nacional, através da avaliação de prolina associada a Ascophyllum nodosum (L.) como mitigadores do estresse vegetal visando a redução da queda prematura de frutos na variedade ‘Kent’. O experimento será instalado em esquema fatorial 4 x 2 x 2, correspondentes à: i) concentrações de prolina: testemunha (sem prolina), 0,287; 0,575; e 1,150%; ii) Ascophyllum nodosum (L.) (com e sem) e iii) forma de aplicação (foliar ou via fertirrigação). Os tratamentos serão distribuídos em blocos ao acaso, com quatro repetições e cinco plantas de mangueira ‘Kent’ por parcela. Os resultados variaram em função das safras e fases avaliadas. Na fase de maturação de ramos, os fatores não interferiram nas trocas gasosas; e na fase de florada plena os fatores não interferiram nos teores de pigmentos fotossintéticos. Durante o pré-florescimento as máximas taxas de fotossíntese líquida e transpiração foram obtidas com a dose média de 0,61% de L-prolina. Nas condições do presente estudo, a associação entre A. nodosum e L-Prolina não favoreceu as trocas gasosas e pigmentos fotossintéticos da mangueira ‘Kent’. Mais estudos são necessários para compreender o efeito do fornecimento exógeno de prolina no manejo floral da mangueira ‘Kent’.
  • ALEX SANDRO BEZERRA DE SOUSA
  • SOLVENTE NATURAL EUTETICO PROFUNDO DE ÁCIDO ASCÓRBICO E ÁCIDO OXÁLICO COMO PLASTIFICANTES PARA FILMES E RECOBRIMENTOS DE AMIDO DE MANDIOCA E SUA APLICAÇÃO NA CONSERVAÇÃO DE MAMÃO ‘GOLDEN’
  • Data: 29/04/2022
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • O mamão é um fruto muito perecível que demanda o emprego de recobrimentos visando prolongar a vida util pós-colheita durante o transito. O uso de coberturas biodegradáveis utilizando glicerol, um derivado de petróleo, como agente plastificante tèm sido amplamente testado em mamão. Entretanto, as crescentes demandas por alimentos seguros exigem explorar abordagens inovadoras, empregando componentes naturais em substituição ao glicerol. Neste sentido, os solventes naturais euteticos profundos (NADES) podem atuar como plastificantes em substituição ao glicerol, mas o seu efeito na qualidade dos frutos ainda não foi estudado. O objetivo foi avaliar as mudanças nos compostos bioativos e no metabolismo antioxidante de mamão ‘Sunrise Solo’ recoberto com fécula de mandioca e NADES de cloreto de colina e ácido oxálico. Mamões verdes maduros foram colhidos, sanificados e recobertos com fécula de mandioca e NADES (SNADES), fécula de mandioca e glicerol (SGly) e sem recobrimentos (controle) e armazenados por 10 dias à 24 ± 3 °C. O delineamento foi o inteiramente casualisado, em esquema 3x5, sendo 3 recobrimentos e 5 períodos de análises, em 4repetições. Os teores de péroxido de hidrogênio (H2O), atividade das enzimas SOD, CAT e APX, conteúdos de carotenóides, flavonoides amarelos, fenólicos extraiveis totais (TEP) e atividade antioxidante foram avaliados. Frutos com SNADES apresentaram menores teores de H2O2, maiores de TEP e maiores atividade antioxidante (DPPH• e ABTS•+) ao fim do armazenamento. A aplicação de SNADES ativou os mecanismos de defesa dos mamões aumentando a atividade das enzimas antioxidantes que degradam o H2O2. O emprego de SNADES se caracteriza numa inovação que proporciona o aumento do potencial funcional do mamão ‘Sunrise solo’ durante o armazenamento à 24 ± 3 °C.
  • HILDERLANDE FLORENCIO DA SILVA
  • INDUÇÃO DE RESISTÊNCIA EM ALGODOEIRO NO CONTROLE DE DOENÇAS
  • Data: 29/04/2022
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • A cultura do algodão (Gossypium hirsutum L.) tem sido utilizada há milhares de anos e apresenta grande relevância na economia, tanto no Brasil como no mundo. Porém um dos fatores para a baixa produtividade da cultura está relacionada com o surgimento de doenças, responsáveis por grandes perdas na produção. Essas doenças, na maioria, são transmitidas por sementes, podendo ser disseminadas a longas distâncias. Para o manejo de doenças no algodoeiro é utilizado o controle químico, sendo necessário métodos alternativos que causem menor impacto no meio ambiente, destacando-se assim os indutores de resistência. Diante do exposto, objetivou-se avaliar a eficiência de elicitores de resistência bióticos e abióticos como componente no manejo de doenças na cultura do algodoeiro. Para o experimento de patologia de sementes foram utilizadas sementes de cinco cultivares de algodoeiro produzidas no município de Remígio, PB (BRS Rubi e BRS Aroeira), Itaporanga, PB (BRS Aroeira), Ingá, PB (BRS Verde) e a cultivar BRS 368 RF obtidas pela EMBRAPA (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária). Os tratamentos utilizados foram: AgroMos, Agrosilício, Top Folha, Amino Plus, Fosfito de Potássio, Lique Plex Bonder, Lique Plex CaMg+B, Lique Plex Fast, fungicida Captan (Dicarboximida - 240 g 100 kg-1 de sementes) e a testemunha. As sementes foram submetidas aos testes de sanidade, germinação e emergência com 200 sementes para cada tratamento, sendo no teste de sanidade distribuídas em vinte repetições de dez sementes e nos testes de germinação e emergência foram quatro repetições de 50 sementes por tratamento. O experimento de campo foi conduzido na área experimental da Chã do jardim, pertencente a UFPB, com sementes de algodão BRS Aroeira obtida por pequenos produtores na cidade de Remígio. Foram avaliadas a altura, largura e diâmetro de caule das plantas de algodão ao longo do experimento, aos 90 dias realizou-se as avaliações de trocas gasosas e de clorofila a, b e total, bem como foram retiradas folhas para a quantificação de enzimas chaves no processo de indução de resistência. O experimento in vitro foi realizado no Laboratório de Fitopatologia, no Campus II, da UFPB, onde foram avaliados o crescimento micelial do Fov e sua esporulação. Para o experimento in vivo foi realizado em casa de vegetação pertencente ao Departamento de Fitotecnia e Ciências Ambientais, sendo desenvolvido para avaliar a interação entre o patógeno e a muda de algodoeiro através do tratamento das sementes com os elicitores de resistência e após 24 horas infestadas com o patógeno, as cultivares utilizadas foram BRS Rubi e BRS Aroeira do município de Remígio, PB, BRS Verde do município de Ingá e a cultivar BRS 368 RF obtidas pela EMBRAPA, as variáveis analisadas foram altura de planta, diâmetro de caule, clorofila a, b e total, fluorescência da clorofila e taxa de infecção.
  • JOÃO VITOR ANDRADE MAGALHÃES
  • CARACTERÍSTICAS MORFOFISIOLÓGICAS INDICADORAS DE SOBREVIVÊNCIA DE MUDAS NATIVAS NO SEMIÁRIDO
  • Orientador : MANOEL BANDEIRA DE ALBUQUERQUE
  • Data: 29/04/2022
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • A restauração em terras semiáridas enfrenta o desafio de restabelecer comunidades de vegetação expostas a eventos de chuvas limitadas, altas temperaturas, limitações edáficas, que podem exceder os limites para o desenvolvimento de mudas. Em experimento em campo, avaliamos o crescimento e sobrevivência de 11 espécies de plantas nativas da Caatinga. As respostas das plantas foram testadas por meio de traços funcionais (área foliar, densidade foliar, condução estomática, eficiência no uso da água, entre outros) durante um ano. Nossos resultados mostraram que os traços foliares relacionados aos custos de construção das folhas e o estresse causado pela alta incidência de luz foram variáveis que determinaram o crescimento das plantas. A sobrevivência das plantas foi fortemente associada ao comprimento do pecíolo relacionado com maiores valores da eficiência no uso da água e taxa fotossintética máxima, indicando que espécies são adequadas ao local e tolerantes à seca. No geral, este estudo destaca as características importantes para melhorar a sobrevivência das plântulas para garantir a restauração bem-sucedida em regiões semiáridas.
  • BÁRBARA GENILZE FIGUEIREDO LIMA SANTOS
  • Fisiologia da maturação, qualidade, compostos bioativos e capacidade antioxidante de frutos de acessos de umbuzeiros gigantes
  • Orientador : SILVANDA DE MELO SILVA
  • Data: 27/04/2022
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • O umbuzeiro (Spondias tuberosa Arruda Câmara) é uma frutífera nativa do Bioma Caatinga e disseminada no Semiárido brasileiro, sendo o seu fruto, o umbu, explorado extrativamente pela população. Materiais desta espécie têm sido propagados vegetativamente visando a seleção de acessos com potenciais produtivos diferenciados para sua exploração agronômica. Entre esses materiais, os denominados umbuzeiros gigantes se destacam como promissores para os mercados de frutas frescas, com potencial de impulsionar atividades sustentadas, beneficiando as famílias que exploram a espécie. Entretanto, até o momento não existem estudos que caracterizem a fisiologia da maturação, qualidade e compostos bioativos como fatores discriminantes na agregação de valor a frutos de umbuzeiros gigantes de pomares comerciais. Assim, o objetivo deste trabalho foi avaliar a fisiologia da maturação, qualidade, compostos bioativos e capacidade antioxidante de frutos de acessos de umbuzeiros gigantes, denominados América Dourada, Lontra e Macaúbas, colhidos de pomares comerciais do sudoeste do estado da Bahia. No laboratório os frutos foram selecionados nos estádios de maturação verde maduro (VM) e maduro (M). O delineamento foi inteiramente casualizado, em fatorial 3x2, com três acessos de umbuzeiros e dois estádios de maturação, em 4 repetições. Os dados foram submetidos à análise de variância e as médias significantes foram comparadas pelo teste Tukey (p ≤ 0.05). Foram avaliados produção de etileno e CO2, massa fresca, frações de casca, polpa e semente, diâmetro longitudinal e latitudinal e relação entre diâmetros, cor (L, a*, b*, e índice de cor), firmeza, sólidos solúveis (SS), acidez titulável (AT), relação SS/AT, pH, análise sensorial descritiva qualitativa e quantitativa com escala hedônica estruturada nos frutos antes degustação e após degustação. Avaliou-se também na casca e na polpa os conteúdos de clorofilas, carotenoides, ácido ascórbico, flavonoides amarelos, antocianinas, polifenóis totais e atividade antioxidante pelos métodos de ABTS e DPPH. Os umbus gigantes apresentam comportamento típico de frutos climatéricos, com pico de etileno após 3 dias no fruto colhido VM antecipando o de CO2. A massa do Lontra VM e M foi superior a 100 g, e superior à do Macaúbas (77,39 g) e A. Dourada (61,67 g). Frutos do A. Dourada e Lontra apresentaram mais alta aceitação quanto a aparência e sabor e despertaram a intenção de compra pelos painelistas. Frutos do acesso A. Dourada são mais ricos em carotenoides e PET e possuem maior atividade antioxidante em relação aos do Lontra e Macaúbas. O Macaúbas maduro apresenta polpa com elevada acidez, alto rendimento, coloração amarela forte, sendo fortemente indicados para a agroindústria. Em conjunto, os frutos de acessos apresentam atributos de qualidade que os diferenciam e potencializa sua inserção no mercado de frutas fresca, bem como para a agroindústria.
  • MIRELLY MIGUEL PORCINO
  • INDUÇÃO DE RESISTÊNCIA DO MELOEIRO À Fusarium sp. COM PRODUTOS A BASE DE SILÍCIO
  • Data: 19/04/2022
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • O meloeiro é uma das olerícolas mais cultivadas e apreciadas no mundo, adaptada as condições climáticas semiáridas. Um dos entraves à sua produção é a alta suscetibilidade aos patógenos. Uma das principais doenças que acometem o meloeiro é a murcha-de-Fusarium (Fusarium sp.), acarretando perda de rendimento, damping off, morte das plantas, podridão em frutos e inviabilidade de comercialização. O uso de elicitores de resistência a base de silício, associados a outras práticas de manejo, podem atenuar problemas relacionados ao ataque de patógenos, além de conferir melhorias na qualidade fisiológica e produtiva da cultura. Diante do exposto o objetivo geral dessa pesquisa foi determinar a influência de elicitores de resistência sobre plantas e frutos de meloeiro (Cucumis melo L.) e seu efeito sobre Fusarium sp.. A pesquisa foi realizada no Laboratório de Fitopatologia (LAFIT) da Universidade Federal da Paraíba, Campus II Areia-PB. Os elicitores utilizados foram Silicato de Potássio, Silício puro, Agrosilício®, Rocksil®, Ácido Salicílico, Chelal® Si, além do fungicida Tiabendazol® e a testemunha (sem tratamento). Artigo I: Objetivou-se determinar os efeitos da aplicação foliar de elicitores a base de silício nos parâmetros produtivos, fisiológicos e na qualidade pós-colheita de melão amarelo em campo em dois ciclos produtivos. Analisaram-se as trocas gasosas nas plantas em campo, na pós-colheita (peso de frutos, espessura de casca e polpa, firmeza da polpa, acidez total titulável, potencial hidrogeniônico, teor de sólidos solúveis, SS/AT e vitamina C) e na atividade das enzimas peroxidases (PODs), polifenoloxidases (PPOs), fenilalanina amônia-liase (PAL). Os elicitores não influenciaram nas características físicas e químicas e na atividade enzimática dos frutos de meloeiro e não alteraram as características biométricas, a produtividade e qualidade química de frutos, nos dois ciclos de cultivo. Os elicitores promoveram o aumento da taxa fotossintética e transpiração das plantas, contudo, não alteraram a atividade das enzimas PODs, PPOs e PAL. Artigo II: Objetivou verificar o efeito de elicitores a base de silício in vitro sobre Fusarium sp. e em mudas de meloeiro amarelo. Foi avaliada a interação entre dois isolados de Fusarium sp. e os elicitores in vitro, analisando-se o índice de velocidade de crescimento micelial, percentual de inibição de crescimento, produção de esporos e percentual de inibição de esporulação. Os tratamentos mais eficientes na inibição de crescimento e infecção do patógeno em ambos os testes foram o Rocksil® e o Tiabendazol®. O Rocksil® e Silicato de Potássio reduziram o índice da doença em mudas de meloeiro. Para os parâmetros biométricos e respostas fisiológicas não se observaram diferenças entre os tratamentos. O Rocksil® é eficiente no controle in vitro de Fusarium sp.. Artigo III: Objetivou-se determinar a eficiência de elicitores a base de silício na qualidade pós-colheita e no controle de podridão causada por Fusarium sp. em frutos de meloeiro amarelo. Foram analisados o Peso de frutos; Espessura de casca e polpa; firmeza da polpa; Acidez total titulável; Potencial hidrogeniônico; Teor de sólidos solúveis; Relação Sólidos Solúveis e Acidez titulável; Vitamina C. No teste de patogenicidade em frutos foram confrontados dois isolados de Fusarium sp. medindo-se o diâmetro da lesão. Avaliou-se a atividade das enzimas PODs, PPOs e PAL. Os elicitores não reduziram a severidade da doença causada por Fusarium sp.. O Agrosilício® é eficiente na ativação da fenilalanina amônia-liase em frutos de meloeiro amarelo.
  • GABRIEL GUSTAVO FERRARO DE ANDRADE PESSOA
  • DESEMPENHO AGRONÔMICO DE GENÓTIPOS DE CANA-DE-AÇÚCAR (Saccharum officinarum L) NO LITORAL PARAIBANO
  • Orientador : FABIO MIELEZRSKI
  • Data: 18/03/2022
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • A cana-de-açúcar é uma das principais culturas produzidas nas regiões tropicais e subtropicais do mundo, destinando-se tanto para a produção de alimentos, quanto para a produção de bioenergia, devido à sua alta proporção de biomassa nas formas sólida e líquida. No estado da Paraíba, a cana-de-açúcar é a principal cultura agrícola produzida, representando uma importante fonte de recursos para a economia local. Com o presente trabalho, objetivou-se avaliar o comportamento agronômico de dezesseis genótipos de cana-de-açúcar, disponibilizados pela Rede Interuniversitária para o Desenvolvimento do Setor Sucroenergético (RIDESA). O experimento foi conduzido no município de Mataraca - PB, situado no litoral norte paraibano. Foram avaliados dezesseis genótipos de cana-de-açúcar em cana planta. O delineamento experimental foi em blocos casualizados (DBC), com quatro repetições e dezesseis tratamentos, totalizando 64 parcelas. Aos doze meses após o plantio, foram realizadas avaliações altura da cana, diâmetro do colmo e quantidade de perfilho, além da pesagem e da analise laboratorial do ATR que foi realizada em setembro de 2021. Os dados foram submetidos à ánalise de variância (ANOVA) e as médias comparadas pelo teste de Scott-Knott a uma probabilidade de erro de 5% onde, posteriormente, a matriz de dados foi submetida a uma Análise de Componentes Principais (ACP). Os genótipos que se destacaram foram: R05 e R13 em altura; 8 genótipos em diâmetro do colmo; a R13 em perfilhos; R3, R10, e R11 em ATR e R1, R11 e R13 em TCH.;
  • HERMANO OLIVEIRA ROLIM
  • CONVERSÃO DE USO DO ALGODOEIRO MOCÓ (Gossypium hirsutum L. r. marie galante Hutch) PARA LAVOURA FORRAGEIRA CULTIVADO EM NEOSSOLO FLÚVICO
  • Orientador : DJAIL SANTOS
  • Data: 10/03/2022
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • É indiscutível a relevância do algodoeiro mocó (Gossypium hirsutum L. r. marie galante Hutch) para a economia do semiárido brasileiro até a década de 90, e que a pecuária se beneficiou do sistema de produção com a utilização da lavoura para a alimentação dos rebanhos na época seca. Entretanto, poucos são os resultados de pesquisa que apontem a cultura como uma alternativa alimentar para os rebanhos na seca, e atestem o seu valor nutricional. O objetivo deste trabalho é investigar a aptidão do algodoeiro mocó, como alimento na criação de ruminantes a partir das suas características de crescimento, produção e bromatológicas. Neste sentido, foi instalado um experimento, no município de Sousa – PB, no período de fevereiro de 2018 a junho de 2019. O delineamento experimental foi em blocos casualizados, com quatro repetições, sendo que para as variáveis de biometria seguiu-se o esquema fatorial 2 x 4 x 11, sendo dois espaçamento (2,0 x 1,0 m e 1,0 x 1,0 m), quadro doses de esterco bovino (0,0; 20,0; 40,0 e 60,0 t/ha), e 11 medições (32, 51, 87, 140, 178, 213, 268, 296, 367, 430 e 457 dias após a emergência - DAE); para as variáveis de produção e produtividade seguiu-se o esquema fatorial 2 x 4 x 4, sendo dois espaçamentos, quatro doses de esterco, e quatro colheitas (aos 90, 228, 390 e 457 DAE); para as variáveis bromatológicas o esquema fatorial adotado foi o 2 x 4 sendo dois espaçamentos e quatro doses de esterco. As variáveis analisadas de produção foram: a matéria seca (MS) a fitomassa seca das folhas (FSF) e dos ramos FSR), a relação folha/ramos (RFR), e a área foliar (AF); as biométricas: a altura de plantas (ALT) o diâmetro do caule (DC) o número de ramos (NR) e o número de folhas; as bromatológicas: os teores de fósforo (P) de potássio (K), de proteína bruta (PB), de fibra em detergente neutro (FDN) e ácido (FDA), de extrato etéreo (EE), da matéria mineral (MM) e da matéria orgânica (MO), e estimados os teores, de carboidratos não fibrosos (CNF), e dos nutrientes digestíveis totais (NDT). Concluiu-se que o plantio adensado do algodoeiro mocó favorece a maior produção de FSF e FSR, com menor teor de MSF, MSR e DC; ao longo dos cortes sucessivos obteve-se maiores valores de FSF e FSR e melhor qualidade da forragem resultante do aumento da RFR e da AF e redução da MSF e MSR; a adubação com esterco bovino promove maior FSF e FSR e menor MSF e MSR, recomendando-se a dose de 60 t/ha; a adubação com esterco elevou os valores dos parâmetros biométricos até a dose de 40 t/ha; em condições de sequeiro, o algodoeiro mocó produz satisfatoriamente uma colheita no primeiro ano e duas colheitas no segundo ano, durante o período chuvoso. A adubação com esterco bovino promoveu melhor qualidade de forragem das folhas, com tendência de aumento dos teores de K, do EE e da PB até a dose 60 t/ha. Os espaçamentos pouco influenciaram a composição bromatológica das folhas e dos ramos observando-se pequenas diferenças entre eles apenas na ausência ou na maior dose de esterco aplicada. Para fins de produção de fitomassa do algodoeiro mocó e da nutrição animal, recomenda-se a adoção do espaçamento 1,0 x 1,0 m associado a doses de esterco bovino entre 20 e 40 t/ha.
  • KALINE LÍGIA DO NASCIMENTO
  • QUALIDADE FÍSICA E FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE Enterolobium contortisiliquum (Vell.) Morong. COLETADAS EM MUNICÍPIOS DO ESTADO DA PARAÍBA
  • Data: 07/03/2022
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • Enterolobium contortisiliquum Vell. Morong., de ampla ocorrência no Brasil pode ser encontrado em formações de florestas do Cerrado, em áreas de Mata Atlântica e Caatinga, sendo utilizado no paisagismo e recuperação de áreas degradadas. A espécie se propaga por sementes, por isso é importante avaliar a qualidade física, fisiológica e sanitária, as quais irão influenciar a capacidade de originar plantas com alta produtividade. No presente trabalho o objetivo foi avaliar a qualidade física e fisiológica de sementes de E. contortisiliquum coletadas em trinta plantas matrizes em municípios do estado da Paraíba. Para determinação da qualidade física foram analisados o teor de água, peso de sementes, comprimento, largura e espessura. Na avaliação da qualidade fisiológica foram analisadas as seguintes variáveis: porcentagem de emergência, primeira contagem de emergência, índice de velocidade de emergência, comprimento e massa seca da parte aérea e de raízes de plântulas. Nas características biométricas das sementes de E. contortisiliquum ocorre uma amplitude de variação, com as maiores médias de comprimento, largura e espessura nas sementes nas plantas matrizes 7 (Areia), 25 (Lagoa de Roça), 24 (Lagoa Seca) e 26. Com relação à qualidade fisiológica, se destacaram as plantas matrizes M12 e M22 (Areia), M26 (Lagoa de Roça), M27 (Campina Grande) e M29 (Serra Branca), com maior porcentagem de germinação e nível de vigor avaliado pela primeira contagem e índice de velocidade de germinação. As sementes de Enterolobium contortisiliquum provenientes das plantas matrizes M26 do município de Lagoa de Roça, M27 do município de Campina Grande, M28 e M29 do município de Serra Branca são de alta qualidade fisiológica.
  • LUCY GLEIDE DA SILVA
  • Germinação de sementes de Piptadenia stipulacea (Benth.) Ducke e Parkia platycephala benth submetidas à passagem pelo sistema digestório de caprinos e ovinos
  • Data: 04/03/2022
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • A endozoocoria é um tipo de dispersão de sementes onde após o consumo das mesmas, os animais as armazenam no sistema digestório e expelem através de suas fezes. Alguns pequenos ruminantes possuem a capacidade de dispersar sementes, e de promover a superação da dormência física que estas possuem. Devido aos altos índices de desmatamento na Caantiga, com perdas na diversidade dos vetores de dispersão, o uso dos animais, como caprinos e ovinos poderia ser uma alternativa para auxiliar no reflorestamento. Diante disso, o objetivo do trabalho foi avaliar a recuperação das sementes após a passagem pelo sistema digestório de caprinos e ovinos e determinar como este processo afeta a germinação de sementes de Piptadenia stipulacea (Benth.) Ducke. e Parkia platycephala Benth. No experimento foram fornecidas as sementes aos 12 caprinos e ovinos mantidos no setor de caprinocultura do CCA-UFPB. As sementes foram recuperadas das cíbalas dos animais com auxilio de peneira à cada 24 horas para a realização dos testes de germinação e análises anatômicas. Os dados foram submetidos à Análise de Componentes Principais. Para os ovinos, o período máximo de recuperação foi de 48 horas após a ingestão, e os caprinos tiveram dois períodos com melhores índices de recuperação de sementes (48 horas e 72 horas) na espécie de P. stipulacea (Benth.) Ducke. A passagem pelo sistema digestório dos caprinos aumentou o percentual de germinação, sendo assim os períodos de 96 e 216 horas contribuíram para superação de dormência das sementes. Quanto a passagem das sementes de P. platycephala Benth pelo sistema digestório de caprinos e ovinos, o acumulado de sementes recuperadas foi maior em caprinos do que em ovinos. Para ambas as espécies, caprinos e ovinos, o pico de recuperação das sementes aconteceu no período de 48 horas. A passagem das sementes de P. platycephala Benth pelo sistema digestório dos caprinos no tempo de 96 horas proporciona a superação da dormência das sementes e o desenvolvimento de plântulas vigorosas.
  • LUCILO JOSE MORAIS DE ALMEIDA
  • PRODUTIVIDADE E VIABILIDADE ECONÔMICA DE CANA-DE-AÇÚCAR EM RESPOSTA À DENSIDADE DE PLANTIO
  • Orientador : FABIO MIELEZRSKI
  • Data: 04/03/2022
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • O plantio com maiores densidades na cana-de-açúcar é uma das práticas utilizadas para superar a baixa produtividade. Contudo, esse material de plantio equivale a 25% do custo total de produção, sendo uma das principais despesas para o cultivo. Nesse sentido, o presente trabalho objetiva avaliar a produtividade e viabilidade econômica de cana-de-açúcar em função das densidades de plantio. O experimento foi realizado na Usina Monte Alegre no município de Mamanguape, Paraíba, Brasil, durante março de 2021 a janeiro de 2022 com a variedade RB92579. Sendo estudadas sete densidades de plantio: T1: 7 gemas m-1, T2: 10 gemas m-1, T3: 12 gemas m-1, T4: 11 gemas m-1, T5: 15 gemas m-1, T6: 17 gemas m-1, T7: 24 gemas m-1, em blocos casualizados com quatro repetições. Foram avaliados o crescimento, produtividade e viabilidade econômica. A maior produtividade de cana e açúcar, 77,69 ton ha-1 e 10,390 ton ha-1, respectivamente, foi com densidades de plantio de 17 e 24 gemas-1. Enquanto a produtividade mínima de cana (61,313 ton ha-1) e açúcar (7,924 ton ha-1) foi registrada nas densidades de semeadura de 7 e 11 gemas-1. Contudo, as densidades de cultivo com 7 e 10 gemas m-1 foram as que proporcionam maior lucratividade em torno de 50%, seguida das densidades 12, 15 e 17 gemas m-1 com média de 45% de lucro e 11 e 24 gemas m-1 com menor proporção de lucro em média 38%. O cultivo com 17 gemas m-1 de cana proporciona em cana-planta, variedade RB92579 maior produtividade com índice de lucro de 45%, sendo o mais indicado.
  • KARLA MARIANA SILVA
  • Citogenética de espécies do gênero Peperomia Ruiz e Pav. (Piperaceae).
  • Data: 28/02/2022
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • Peperomia é um dos maiores gêneros da família Piperaceae, compreende 1.500 espécies, com distribuição limitada às zonas tropicais e pantropicais. No Brasil, o gênero é representado por 160 espécies, com ocorrência de três espécies na Paraíba. Peperomia é considerada a mais complexa das Angiospermas basais, sendo a única a possuir hábito epífito do clado. Há uma ampla variação de números cromossômicos conhecidos e dos níveis de ploidia. O número básico para o gênero é x = 11, com número básico secundário x = 12. Este trabalho teve como objetivo determinar o número cromossômico, nível de ploidia e a composição da heterocromatina constitutiva em espécies de Peperomia. Pontas de raízes foram coletadas em 8Hq por 24h e fixadas em Carnoy. As lâminas foram preparadas pelo método de esmagamento em ácido acético 60% e coradas com os fluorocromos CMA/DAPI. Foram analisadas citogeneticamente sete espécies de Peperomia. O número cromossômico das espécies analisadas variou de 2n = 22 a 2n = 60. Dados inéditos de número cromossômico foi observado em P. serpens com 2n = 22. A dupla coloração com os fluorocromos CMA/DAPI revelou dois tipos de bandas heterocromáticas nas espécies de Peperomia analisadas: bandas CMA+/DAPI-, CMA+/DAPI0. Nas espécies P. blanda e P. glabella não foi possível identificar bandas heterocromáticas visíveis. Provavelmente as alterações nos números e estruturas cromossômicas servem principalmente para cruzar barreiras e assim permitir caminhos evolutivos divergentes. Sendo assim, sugere-se que a poliploidia é o principal mecanismo de evolução cariotípica em Peperomia.
  • LUCY GLEIDE DA SILVA
  • Germinação de sementes de Piptadenia stipulacea (Benth.) Ducke e Parkia platycephala benth submetidas à passagem pelo sistema digestório de caprinos e ovinos
  • Data: 28/02/2022
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • A endozoocoria é um tipo de dispersão de sementes onde após o consumo das mesmas, os animais as armazenam no sistema digestório e expelem através de suas fezes. Alguns pequenos ruminantes possuem a capacidade de dispersar sementes, e de promover a superação da dormência física que estas possuem. Devido aos altos índices de desmatamento na Caantiga, com perdas na diversidade dos vetores de dispersão, o uso dos animais, como caprinos e ovinos poderia ser uma alternativa para auxiliar no reflorestamento. Diante disso, o objetivo do trabalho foi avaliar a recuperação das sementes após a passagem pelo sistema digestório de caprinos e ovinos e determinar como este processo afeta a germinação de sementes de Piptadenia stipulacea (Benth.) Ducke. e Parkia platycephala Benth. No experimento foram fornecidas as sementes aos 12 caprinos e ovinos mantidos no setor de caprinocultura do CCA-UFPB. As sementes foram recuperadas das cíbalas dos animais com auxilio de peneira à cada 24 horas para a realização dos testes de germinação e análises anatômicas. Os dados foram submetidos à Análise de Componentes Principais. Para os ovinos, o período máximo de recuperação foi de 48 horas após a ingestão, e os caprinos tiveram dois períodos com melhores índices de recuperação de sementes (48 horas e 72 horas) na espécie de P. stipulacea (Benth.) Ducke. A passagem pelo sistema digestório dos caprinos aumentou o percentual de germinação, sendo assim os períodos de 96 e 216 horas contribuíram para superação de dormência das sementes. Quanto a passagem das sementes de P. platycephala Benth pelo sistema digestório de caprinos e ovinos, o acumulado de sementes recuperadas foi maior em caprinos do que em ovinos. Para ambas as espécies, caprinos e ovinos, o pico de recuperação das sementes aconteceu no período de 48 horas. A passagem das sementes de P. platycephala Benth pelo sistema digestório dos caprinos no tempo de 96 horas proporciona a superação da dormência das sementes e o desenvolvimento de plântulas vigorosas.
  • RUBENS RANGEL ROLIM
  • POTENCIAL GENÉTICO, ADAPTABILIDADE E SELEÇÃO SIMULT NEA DE VARIEDADES TRADICIONAIS DE FEIJÃO DE CORDA PARA SUSTENTABILIDADE PRODUTIVA NO SEMIÁRIDO
  • Data: 28/02/2022
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • O feijão de corda é considerado uma das principais fontes de proteína na alimentação humana, podendo ser utilizada também na alimentação animal e como adubo verde. Devido sua versatilidade produtiva e alta variabilidade genética, possui alta capacidade adaptativa com baixa exigência de água e nutrientes para seu cultivo, sendo uma excelente espécie para pesquisas em regiões áridas e semiáridas. Nosso objetivo foi avaliar a interação genótipo ambiente e a diversidade genética em variedades tradicionais de feijão de corda, para seleção de genitores que apresentem boa adaptabilidade, com alto desempenho genético e agronômico. Além de determinar quais características podem ser usadas como critério para seleção de plantas com maior produção de grãos e de biomassa. O experimento foi conduzido em dois municípios da região do Cariri Paraibano, o primeiro está inserido em um dos núcleos de desertificação do Semiárido Brasileiro e o segundo em uma reserva com iniciativas de conservação. Os dados das quinze características analisadas dos 12 genótipos utilizados, foram submetidas a estimadores de parâmetros genéticos, à análise de variância multivariada com agrupamentos baseados na distância generalizada de Mahalanobis. Também foram estimadas correlações simples, correlações canônicas, e análise de trilha, para estudar a associação entre os caracteres e seus efeitos diretos e indiretos na determinação de características que possam ser utilizadas para seleção de genótipos com maior produção de grãos e de biomassa. Nossos resultados demonstram que para todas as características avaliadas, a interação foi simples, o que significa que um mesmo genótipo pode ser recomendado para os diferentes ambientes estudados. Embora os padrões de desempenho entre as variedades tenham sido semelhantes nos diferentes ambientes, os melhores valores foram obtidos na fazenda com melhor histórico de conservação ambiental e com maior precipitação. Constatou-se variabilidade genética entre os genótipos analisados, bem como superioridade das variedades tradicionais em relação as testemunhas para características de precocidade e produtividade. As variáveis número de grãos por vargem, dias para maturação e peso de 100 grãos foram as que mais contribuíram para divergência, podem ser indicadas para compor índices de seleção e/ou seleção simultânea, pois estes podem auxiliar direta e indiretamente no ganho de produtividade em feijão de corda. Foi possível também identificar caracteres que maximizam a resposta correlacionada como dias para floração, comprimento da vagem, número de vagens por planta. O uso destas características para a composição de índices de seleção e/ou seleção simultânea e caracteres pode auxiliar na obtenção de genótipos com maior produção de biomassa. Para obtenção de novas cultivares com dupla aptidão sugere-se explorar a hibridação para tentar quebrar as correlações desfavoráveis observadas. Indica-se a combinação das variedades Cariri, Roxinho, Rabo de Tatu, Corujinha e Macaíba para serem utilizadas como genitores em programas de melhoramento de feijão de corda. Pode-se afirmar que, é possível aumentar o rendimento e investir em pesquisas com feijão de corda utilizando variedades crioulas, em condições semiáridas e em locais com diferentes condições edafoclimáticas. Desde que, a produtividade esteja relacionada a sustentabilidade do ecossistema.
  • JOSÉ ACHILLES DE LIMA NEVES
  • Citogenética de Santalales: Heterocromatina e Quantificação de DNA
  • Data: 28/02/2022
  • Hora: 08:30
  • Mostrar Resumo
  • Santalales é a maior ordem entre as 12 ordens de angiospermas com espécies parasitas, distribuída em regiões tropicais e temperadas, ausente apenas na Antártida. Ximeniaceae, Loranthaceae, Santalaceae e Viscaceae são quatro das 20 famílias da ordem Santalales, constituídas por plantas hemiparasitas de raízes ou ramos com haustórios primários e/ou secundários, caracterizadas por apresentar geralmente cromossomos grandes, números cromossômicos estáveis e grandes genomas. Neste trabalho objetivamos: (1) Relatar a variação cromossômica numérica em representantes de Santalales, particularmente, Loranthaceae e Viscacae, uma vez que os estudos citológicos, em sua maioria, são baseados principalmente em análises meióticas; (2) Compreender os mecanismos atuantes na evolução cariotípica desse grupo de plantas hemiparasitas. Para tanto, foi utilizado a coloração com DAPI, bem como, a dupla CMA/DAPI e quantificação do DNA nuclear através da citometria de fluxo. Todas as espécies analisadas apresentaram núcleos interfásicos reticulados, com 2n = 16, 18 e 28 para Loranthaceae, 2n = 16 e 28 para Viscaceae, 2n = 28 para Santalaceae e 2n = 24 para Ximeniaceae. Os maiores cromossomos foram observados para os gêneros Phoradendron e Psittacanthus, e os menores Ximenia, Dendrophthoe e Santalum. O bandeamento CMA/DAPI revelou a presença de bandas CMA+ terminais para Ximeniaceae, bandas CMA+ intersticiais, subterminais e terminais em Loranthaceae, enquanto que em representantes de Santalaceae e Viscaceae foram observadas bandas CMA+ intersticiais e pericentroméricas. O tamanho dos genomas teve uma variação de oito vezes em Loranthaceae, e de sete vezes em Viscaceae. Loranthaceae apresentou, em média, genomas menores (2C = 54,62 pg) em comparação a Viscaceae (2C = 74,64 pg). Os principais gêneros das famílias Santalaceae e Viscaceae se mostraram numericamente variáveis com números cromossômicos sugerindo eventos de disploidia e poliploidia como mecanismos importantes na evolução desses grupos de plantas. Entre as espécies analisadas da ordem Santalales não foi possível correlacionar número, tamanho cromossômico médio e conteúdo de DNA nuclear. Assim como na frequência de poliploidia em Viscaceae e Santalaceae, é necessária uma análise conjunta de número, tamanho cromossômico médio e conteúdo de DNA nuclear nas mesmas populações. A obtenção desses dados se torna particularmente difícil pelos problemas técnicos relacionados às análises cromossômicas em membros de plantas com hábito parasítico.
  • MANOELA GOMES DA CRUZ
  • DESEMPENHO AGRONÔMICO DE GENÓTIPOS EM CANA-SOCA NO BREJO PARAIBANO, ORIGINADOS A PARTIR DE MICROPROPAGAÇÃO
  • Orientador : FABIO MIELEZRSKI
  • Data: 25/02/2022
  • Hora: 09:30
  • Mostrar Resumo
  • A cana-de-açúcar é considerada uma grande alternativa para o setor de biocombustíveis, devido o potencial de produção de etanol e diversos produtos. Assim, o melhoramento genético torna-se uma ótima opção, permitindo desenvolver variedades que se adaptem melhor as adversidades ambientais. Deste modo, objetivou-se avaliar o desempenho agronômico de nove genótipos de cana-de-açúcar, originados a partir de micropropagação, no brejo paraibano, analisando-se as características produtivas e estruturais. A pesquisa foi conduzida na Fazenda Experimental Chã de Jardim, pertencente à Universidade Federal da Paraíba, no município de Areia. Sua condução e avaliação foram a partir de agosto de 2020, no qual iniciou a cana-soca de segundo ano. O delineamento foi em blocos casualizados (DBC), com quatro repetições e nove tratamentos, totalizando 36 parcelas. Os tratamentos aplicados foram nove genótipos de cana-de-açúcar, originadas de micropropagação vegetativa, sendo eles: CTC 15, CTC 9004, CTC 9005, RB 015935, RB 965902, RB 975201, RB 975242, RB 935744 e RB 867515 como testemunha. Foram demarcadas 05 plantas nas linhas centrais de cada parcela, para avaliações a cada 60 dias, totalizado 06 avaliações. As avaliações foram para determinar Altura de plantas, Número de plantas por metro linear, Número de folhas abertas, Número de entrenós, Diâmetro de colmos, Comprimento de folhas, Largura de folhas, Brix e Produtividade t.ha-1. Os dados foram submetidos à análise de variância pelo teste F e as médias comparadas pelo Teste Tukey ao nível de 1% e 5% de probabilidade. Os dados quantitativos foram submetidos à análise de regressão pelo software Sisvar. Verificou-se que os genótipos RB 867515 e RB 975201, destacaram-se com as maiores médias de Altura de plantas, com respectivos 139,97 cm e 135,17 cm de altura. Quanto ao Número de plantas por metro linear, a superioridade foi obtida com os genótipos RB 935744, RB 975242, CTC 9005, CTC 9004 e CTC 15, sendo estes, iguais estatisticamente, com médias de 11,18 plantas, 9,99 plantas, 10,15 plantas, 9,56 plantas e 9,79 plantas, respectivamente. Os genótipos de cana-de-açúcar não diferiram em relação ao Número de Plantas por metro linear quando atingiram 60 dias, 220 dias, 270 dias, 310 dias e 380 dias após colheita. Contudo, com 120 dias houve diferença, com destaque dos maiores números de plantas para os genótipos RB 935744 e RB 975242, com 26,66 plantas e 25,66 plantas por metro linear. Ademais, vale destacar que o genótipo RB 975242 não diferiu dos genótipos RB 015935 e CTC 15 que também tiveram alta quantidade de plantas, com 21,54 plantas e 21,78 plantas por metro linear no mesmo período de tempo. A produtividade e índice de maturação não diferiram entre os genótipos estudados. Os genótipos RB 867515, RB 935744, RB 975201 e CTC 9004 apresentam as melhores características estruturais de desenvolvimento. A produtividade (t.ha-1) média geral foi de 41.86 t.ha-1, no segundo ciclo de crescimento, apresentando-se próxima a produtividade média do estado da Paraíba.
  • MANOELA GOMES DA CRUZ
  • DESEMPENHO AGRONÔMICO DE GENÓTIPOS EM CANA-SOCA NO BREJO PARAIBANO, ORIGINADOS A PARTIR DE MICROPROPAGAÇÃO
  • Orientador : FABIO MIELEZRSKI
  • Data: 25/02/2022
  • Hora: 09:30
  • Mostrar Resumo
  • A cana-de-açúcar é considerada uma grande alternativa para o setor de biocombustíveis, devido o potencial de produção de etanol e diversos produtos. Assim, o melhoramento genético torna-se uma ótima opção, permitindo desenvolver variedades que se adaptem melhor as adversidades ambientais. Deste modo, objetivou-se avaliar o desempenho agronômico de nove genótipos de cana-de-açúcar, originados a partir de micropropagação, no brejo paraibano, analisando-se as características produtivas e estruturais. A pesquisa foi conduzida na Fazenda Experimental Chã de Jardim, pertencente à Universidade Federal da Paraíba, no município de Areia. Sua condução e avaliação foram a partir de agosto de 2020, no qual iniciou a cana-soca de segundo ano. O delineamento foi em blocos casualizados (DBC), com quatro repetições e nove tratamentos, totalizando 36 parcelas. Os tratamentos aplicados foram nove genótipos de cana-de-açúcar, originadas de micropropagação vegetativa, sendo eles: CTC 15, CTC 9004, CTC 9005, RB 015935, RB 965902, RB 975201, RB 975242, RB 935744 e RB 867515 como testemunha. Foram demarcadas 05 plantas nas linhas centrais de cada parcela, para avaliações a cada 60 dias, totalizado 06 avaliações. As avaliações foram para determinar Altura de plantas, Número de plantas por metro linear, Número de folhas abertas, Número de entrenós, Diâmetro de colmos, Comprimento de folhas, Largura de folhas, Brix e Produtividade t.ha-1. Os dados foram submetidos à análise de variância pelo teste F e as médias comparadas pelo Teste Tukey ao nível de 1% e 5% de probabilidade. Os dados quantitativos foram submetidos à análise de regressão pelo software Sisvar. Verificou-se que os genótipos RB 867515 e RB 975201, destacaram-se com as maiores médias de Altura de plantas, com respectivos 139,97 cm e 135,17 cm de altura. Quanto ao Número de plantas por metro linear, a superioridade foi obtida com os genótipos RB 935744, RB 975242, CTC 9005, CTC 9004 e CTC 15, sendo estes, iguais estatisticamente, com médias de 11,18 plantas, 9,99 plantas, 10,15 plantas, 9,56 plantas e 9,79 plantas, respectivamente. Os genótipos de cana-de-açúcar não diferiram em relação ao Número de Plantas por metro linear quando atingiram 60 dias, 220 dias, 270 dias, 310 dias e 380 dias após colheita. Contudo, com 120 dias houve diferença, com destaque dos maiores números de plantas para os genótipos RB 935744 e RB 975242, com 26,66 plantas e 25,66 plantas por metro linear. Ademais, vale destacar que o genótipo RB 975242 não diferiu dos genótipos RB 015935 e CTC 15 que também tiveram alta quantidade de plantas, com 21,54 plantas e 21,78 plantas por metro linear no mesmo período de tempo. A produtividade e índice de maturação não diferiram entre os genótipos estudados. Os genótipos RB 867515, RB 935744, RB 975201 e CTC 9004 apresentam as melhores características estruturais de desenvolvimento. A produtividade (t.ha-1) média geral foi de 41.86 t.ha-1, no segundo ciclo de crescimento, apresentando-se próxima a produtividade média do estado da Paraíba.
  • JAILSON MEDEIROS SILVA
  • DINÂMICA TERMO-HÍDRICA DO SOLO EM FUNÇÃO DA COBERTURA VEGETAL NO SEMIÁRIDO BRASILEIRO
  • Data: 24/02/2022
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • A radiação solar é a fonte primordial de energia para processos que ocorrem no sistema terra-atmosfera. Através da radiação solar a temperatura do solo influencia fatores químicos, físicos e biológicos e é um parâmetro chave que afeta nas mudanças de equilíbrio entre fluxo de água, fluxo de energia e estabilidade ecológica. Objetivou-se avaliar a dinâmica da temperatura e conteúdo de água do solo sujeito a diferentes tipos de coberturas vegetais. O experimento foi desenvolvido em quatro áreas distintas (plantio de moringa; plantio de angico; caatinga nativa e solo exposto) na Fazenda São Gabriel, no munícipio de São José de Espinharas, PB. A pesquisa foi desenvolvida de 19 a 25 de maio de 2021, diariamente foram coletados dados de temperatura do solo em diferentes profundidades (0,0; 7,5 e 15 cm), conteúdo de água do solo, direção do vento, velocidade do vento, temperatura ambiente, umidade relativa do ar, pluviosidade e luminosidade. As coletas de todas as variáveis supracitadas ocorreram nos horários de 6h, 9h, 12h, 15h e 18 horas. Para a temperatura do solo, empregou-se delineamento casualizado sob esquema fatorial 4x3 (quatro áreas e três profundidades); para o conteúdo de água no solo, utilizou-se delineamento misto com duas repetições por área subdivididas no tempo. Já para as demais variáveis empregou-se um delineamento inteiramente casualizado subdivido no tempo. Constatou-se correlação positiva entre: velocidade do vento e luminosidade; umidade do ar e pluviosidade; temperatura ambiente e temperatura do solo; e correlação negativa entre umidade do ar e temperatura do solo; umidade do ar e temperatura ambiente; pluviosidade e temperatura do solo; pluviosidade e temperatura ambiente. A direção de vento mais frequente na área ocorreu da direção 110º (sudeste). A presença de vegetação mantém maior quantidade de água no solo e propicia menores amplitudes térmicas em relação a solos descobertos. Áreas de plantio possuem temperaturas mais elevadas na superfície, mas propiciam estabilidade térmica nas camadas subjacentes. A temperatura na área de caatinga em estudo apresentou menor amplitude térmica ao longo do dia, diferindo das demais áreas.
  • MANOEL CÍCERO DE OLIVEIRA FILHO
  • SELETIVIDADE DOS EXTRATOS AQUOSOS E ALCOÓLICOS DE Calotropis procera (Aiton, 1811) (Gentianales: Apocynaceae) SOBRE Euborellia annulipes (Lucas, 1847) (Dermaptera: Anisolabididae)
  • Data: 24/02/2022
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • O uso de extratos vegetais para o controle de pragas vem ganhando espaço nos últimos anos, sobretudo com o advento de ser inócuo para os seres humanos e não deixar resíduos nos alimentos. Assim, algumas plantas como algodão de seda (Calotropis procera) estão sendo estudas, por apresentarem potencial inseticida. A aplicação dos extratos nos cultivos para o controle de insetos-praga, pode implicar na redução dos inimigos naturais, como a tesourinha Euborellia annulipes, que são grandes aliadas do controle biológico. Dessa forma é necessário compreender a ação desses produtos sobre a biologia dos insetos predadores. Objetivou-se com a realização dessa pesquisa avaliar a influência dos extratos aquosos e alcoólicos de C. procera em diferentes concentrações sobre o inseto predador E. annulipes. A pesquisa foi desenvolvida no Laboratório de Zoologia dos Invertebrados (LABIN) do Departamento de Biociências do Centro de Ciências Agrárias da Universidade Federal da Paraíba (CCA-UFPB), Campus II, Areia – PB, à temperatura de 25 ± 1º C, fotofase de 12 horas e umidade de 70 ± 10%. Testou-se as concentrações de 0, 5, 10, 15 e 20% do extrato aquoso e alcoólico de folhas de C. procera, com aplicação tópica sobre as fases ninfais e adultos de E. annulipes. Avaliou-se a sobrevivência dos insetos, parâmetros morfológicos e de reprodução. As concentrações citadas também foram aplicadas sobre os ovos do inseto predador para verificar o efeito ovicida. Conclui-se que o extrato alcoólico alonga, enquanto o extrato aquoso diminui a duração dos instares de E. annulipes; altas concentrações do extrato alcoólico, promove a redução no tamanho do inseto predador; ocorre redução nos parâmetros de número de ovos e ninfas, quando submetidos a aplicação do extrato alcoólico; em condições de laboratório a aplicação via tópica do extrato aquoso são inócuas ao inseto predador; as concentrações do extrato alcoólico, demonstra ser inócua na concentração de 5%, já nas de 10, 15 e 20% são levemente nocivas ao inseto predador; quanto ao efeito ovicida, conclui-se que com o aumento da concentração do extrato ocorre redução na viabilidade dos ovos, e esse aumento é maior no extrato alcóolico.
  • LETÍCIA BARBOSA DE LACERDA
  • CÁPSULAS BIODEGRADÁVEIS PARA LIBERAÇÃO DO AGENTE BIOLÓGICO Euborellia annulipes (DERMAPTERA: ANISOLABIDIDAE)
  • Orientador : JACINTO DE LUNA BATISTA
  • Data: 23/02/2022
  • Hora: 14:30
  • Mostrar Resumo
  • O predador Euborellia annulipes se destaca pelo potencial como predador de artrópodes-praga de importância agrícola. No entanto, um dos grandes problemas na expansão do controle biológico, principalmente predadores, está nas técnicas de liberação em campo. Desta forma, objetivou-se nessa pesquisa avaliar os efeitos das cápsulas biodegradáveis para liberação desses insetos. Bioensaio I: Quatro tipos de cápsulas foram avaliados para o acondicionamento de ovos de E. annulipes, sendo elas oriundas: da fibra do coco, da cana-de-açúcar, agave e da bananeira. Duas fontes de umidade também foram avaliadas, sendo elas água e hidrogel perfazendo assim um fatorial 4 x 2, sendo cada tratamento com 10 repetições e cada repetição com 10 ovos do predador. Bioensaio II: As duas melhores cápsulas selecionadas no Bioensaio I foram novamente avaliadas considerando também duas idades dos ovos do predador. Perfazendo assim um fatorial 2 x 2 x 2, sendo cada tratamento com 10 repetições e cada repetição com 10 ovos. Os dados foram testados pelo ajuste de modelos lineares generalizados com distribuição binomial de erros e função de ligação do tipo logit. No bioensaio I, obteve-se efeito significativo isolado do uso das cápsulas (p<0.001) e das fontes de umidade (p<0.001). Para o material das cápsulas, resultados satisfatórios foram obtidos com o uso de cápsulas a base de coco, cana-de-açúcar e agave. Todavia, o uso de cápsulas a base de bananeira se mostrou inferior aos demais tratamentos. No tocante as fontes de umidade, resultados promissores foram obtidos com o uso de hidrogel, que propiciou probabilidade de eclosão superior ao uso de água. No bioensaio II, obteve-se efeito significativo isolado do uso das cápsulas (p<0.001), com as cápsulas de côco propiciando probabilidade de eclosão de ninfas iguais estatisticamente a testemunha e interação significativa (p<0.05)das fontes de umidade com a idade dos ovos. Espera-se que os resultados obtidos nesta dissertação forneçam informações para novos estudos com E. annulipes associados à sua liberação em campo, além de evidenciar o potencial da fibra de cocopara confecção de cápsulase da utilização do hidrogel.
  • JOANA GOMES DE MOURA
  • Efeitos da adubação orgânica e mineral sobre a produção, trocas gasosas, teores de clorofila e fluorescência da batata-doce
  • Orientador : THIAGO JARDELINO DIAS
  • Data: 23/02/2022
  • Hora: 08:30
  • Mostrar Resumo
  • A batata-doce é uma cultura de grande importância econômica e social, amplamente cultivada na região Nordeste do Brasil, mas que ainda não atinge altas produtividades devido ao manejo cultural adotado. Dessa forma, objetivou-se avaliar a produção, trocas gasosas, teores de clorofila e fluorescência em plantas de batata-doce em função da adubação com torta de filtro e parcelamento da adubação mineral nitrogenada. O trabalho foi conduzido na Fazenda Experimental Chã de Jardim do Centro de Ciências Agrárias (CCA), da Universidade Federal da Paraíba (UFPB), no período de agosto a dezembro de 2018. O delineamento experimental utilizado foi blocos casualizados em esquema fatorial 5 x 3, com quatro repetições. Sendo cinco doses de torta de filtro (0, 10, 20, 30 e 40 t ha-1) e três parcelamentos da adubação mineral nitrogenada [plantio (P), plantio + cobertura (P30), plantio + duas coberturas (P30-60)]. As variáveis, comprimento de raiz, massa de raízes com padrão comercial e massa verde da parte aérea, responderam significativamente de forma isolada ao parcelamento da adubação nitrogenada. As doses de torta de filtro utilizadas não influenciaram as variáveis relacionadas à produção, as trocas gasosas, teores de clorofila e fluorescência da clorofila na cultura da batata-doce, nas condições do experimento. O manejo de adubação com nitrogênio, quando realizado no plantio e uma cobertura aos 30 dias após o plantio, propicia maior teor de clorofila a, clorofila b, clorofila total e aumento no comprimento de raiz, massa de raízes com padrão comercial e massa verde da parte aérea na cultura da batata-doce.
  • JOANA GOMES DE MOURA
  • Efeitos da adubação orgânica e mineral sobre a produção, trocas gasosas, teores de clorofila e fluorescência da batata-doce
  • Orientador : THIAGO JARDELINO DIAS
  • Data: 23/02/2022
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • A batata-doce é uma cultura de grande importância econômica e social, amplamente cultivada na região Nordeste do Brasil, mas que ainda não atinge altas produtividades devido ao manejo cultural adotado. Dessa forma, objetivou-se avaliar a produção, trocas gasosas, teores de clorofila e fluorescência em plantas de batata-doce em função da adubação com torta de filtro e parcelamento da adubação mineral nitrogenada. O trabalho foi conduzido na Fazenda Experimental Chã de Jardim do Centro de Ciências Agrárias (CCA), da Universidade Federal da Paraíba (UFPB), no período de agosto a dezembro de 2018. O delineamento experimental utilizado foi blocos casualizados em esquema fatorial 5 x 3, com quatro repetições. Sendo cinco doses de torta de filtro (0, 10, 20, 30 e 40 t ha-1) e três parcelamentos da adubação mineral nitrogenada [plantio (P), plantio + cobertura (P30), plantio + duas coberturas (P30-60)]. As variáveis, comprimento de raiz, massa de raízes com padrão comercial e massa verde da parte aérea, responderam significativamente de forma isolada ao parcelamento da adubação nitrogenada. As doses de torta de filtro utilizadas não influenciaram as variáveis relacionadas à produção, as trocas gasosas, teores de clorofila e fluorescência da clorofila na cultura da batata-doce, nas condições do experimento. O manejo de adubação com nitrogênio, quando realizado no plantio e uma cobertura aos 30 dias após o plantio, propicia maior teor de clorofila a, clorofila b, clorofila total e aumento no comprimento de raiz, massa de raízes com padrão comercial e massa verde da parte aérea na cultura da batata-doce.
  • EDILEIDE NATÁLIA DA SILVA RODRIGUES
  • FISIOLOGIA DA MATURAÇÃO E METABOLISMO DE PAREDE CELULAR DE FRUTOS DE ACESSOS DE UMBUZEIRO
  • Data: 22/02/2022
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • O umbuzeiro é uma espécie nativa e endêmica do Semiárido Brasileiro, cujo fruto, o umbu, apresenta sabor e aroma muito apreciados, sendo uma fonte segura de emprego e renda para populações das áreas de ocorrência. Neste contexto, acessos com características diferenciadas vêm sendo selecionados com vistas a mercados potenciais, a exemplo do umbu gigante. Frutos colhidos em estádio de maturação verde maduro apresentam rápido amadurecimento e, assim, rápida perda de qualidade, reduzindo o período de comercialização. Nesse sentido, estudos referentes ao metabolismo de polissacarídeos e ação de enzimas da parede celular podem fornecer uma base teórica para melhor se entender a maturação que irá possibilitar retardar o amaciamento dos frutos na pós-colheita, possibilitando aumentar a conservação pós-colheita e, portanto, ampliar seu consumo e uso e, assim, a geração de emprego e renda para a população do Semiárido. Diante do exposto, o objetivo deste trabalho foi avaliar a fisiologia da maturação e o metabolismo de parede celular de frutos de acessos de umbuzeiro em 2 estádios de maturação. Foi avaliado a produção de etileno, taxa respiratório, firmeza, pectina total e solúvel e atividades de enzimas relacionadas ao amaciamento dos frutos. O delineamento utilizado foi o inteiramente casualizado, em esquema fatorial 4x2 (quatro acessos, incluindo o umbuzeiro do ocorrência em Cuitê -PB, América Dourada, Lontra e Macaúbas, em 2 estádios de maturação, verde maduro e maduro. O padrão respiratório dos frutos é do tipo climatérico típico. O índice de cor da casca indicou transição da coloração verde para o amarelo durante a maturação dos acessos Cuité, Lontra e Macaúbas. O acesso América Dourada, apresentou diferença estatística entre os estádios de maturação no aumento de firmeza, diminuição de pectina total na casca e aumento da atividade de poligalacturonase na casca. Os acessos América Dourada, Lontra e Macaúbas em estádios de maturação similares apresentam firmezas aproximadamente 2 vezes superior à do acesso Cuité. Frutos do acesso Lontra, por apresentar alta relação SS/AT, é indicando consumo como fruto fresco, o que é preferível ao paladar do consumidor brasileiro. O progresso na maturação dos umbus Cuité - PB, Lontra e Macaúbas é caracterizado pelo aumento de sólidos solúveis, índice de cor, diminuição da acidez titulável, aumento da relação SS/AT, bem como diminuição da pectina total na polpa (exceto o acesso Cuité), aumento da pectina solúvel na polpa do fruto, aumento da atividade da enzima poligalacturonase (exceto o acesso Cuité) e o consequente amaciamento dos frutos, caracterizado pela redução da firmeza. O estudo de enzimas relacionadas ao metabolismo de polissacarídeos da parede celular forneceu uma base teórica para compreender a ação das enzimas no amaciamento de frutos de Spondias tuberosa na pós-colheita.
  • IZAIAS ROMARIO SOARES DO NASCIMENTO
  • CRESCIMENTO E FISIOLOGIA DE MUDAS DE MAMOEIRO SOB SALINIDADE E EXTRATO DE MICROALGAS ENRIQUECIDO COM CÁLCIO
  • Data: 22/02/2022
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • A disponibilidade de água em quantidade e qualidade limitam a expansão agrícola na região Nordeste. As águas disponíveis apresentam elevados teores de sais, que podem prejudicar o crescimento das plantas. Em busca de alternativas para mitigar o efeito da salinidade no crescimento de mudas de mamoeiro, objetivou-se avaliar os efeitos da salinidade da água de irrigação e o uso de extrato de microalgas e cálcio no crescimento e fisiologia do mamoeiro. O experimento foi no delineamento de blocos casualizados em esquema fatorial entre condutividade da água de irrigação (0,5; 1,1; 2,5; 3,9 e 4,5 dS m-1) e utilização de extrato de microalgas com cálcio (com e sem). As variáveis avaliadas foram altura, diâmetro, número de folhas, área foliar, massa seca de parte aérea, raiz e total, trocas gasosas e índices de clorofila. O aumento da condutividade elétrica da água de irrigação inibiu o crescimento e a fisiologia das mudas. O uso de microalgas favoreceu todas as variáveis, reduzindo os efeitos da salinidade sobre os índices de clorofila e acúmulo de matéria seca.
  • HELOISA MARTINS DE ARAUJO
  • Infestação, resistência e capacidade biológica da Cochonilha de escama Diaspis echinocacti em diferentes variedades de palma forrageira
  • Orientador : JACINTO DE LUNA BATISTA
  • Data: 21/02/2022
  • Hora: 14:30
  • Mostrar Resumo
  • A palma forrageira é uma cultura chave para a pecuária nordestina, no entanto tem seu cultivo comprometido a cada ano pela infestação da cochonilha de escama, que além de limitar a produtividade aumenta o custo da produção.Considerando a necessidade de buscar informações sobre o manejo desse inseto, objetivou-se nessa pesquisa, fazer um levantamento da infestação da cochonilha de escama em áreas de cultivo com palma no Cariri Paraibano e Oeste Potiguar, assim como, selecionar variedades resistentes, avaliar aspectos biológicos e a resistência induzida através da aplicação de silicato de potássio em cinco variedades. O experimento foi dividido em quatro etapas: na primeira foi realizado um levantamento de infestação da cochonilha de escama em variedades de palma forrageira nos municípios Monteiro, Boa Vista e Caturité no Cariri Paraibano e Encanto e Messias Targino no Oeste Potiguar, foram selecionados 50 plantas ao acaso para cada variedade de palma e município. A avaliação constou de uma análise da raquete terciária, onde foram atribuídas notas, variando de zero a quatro, em função do nível de infestação (0,0; 25,0; 50,0; 75,0 e 100,0%). O material coletado foi levado para o Laboratório de Entomologia Agrícola do CCA – UFPB para realização da contagem das ninfas e adultos vivos. Na segunda etapa foi observada a preferência hospedeira da cochonilha de escama nas variedades Doce Susceptível, Mão de Moça, Orelha de Elefante Mexicana e Doce Resistente através de teste com e sem chance de escolha, ambos em delineamento inteiramente casualizado com 10 repetições por variedade, as avaliações foram realizadas em 24, 48 e 72 horas após montagem do bioensaio. No terceiro ensaio foi observado a resistência induzida após aplicação de silicato de potássio nas variedades de palma, a distribuição dos tratamentos foi realizada em em blocos casualizados arranjados em esquema fatorial 5x2 cinco variedades (Testemunha, Doce Susceptível, Mão de Moça, Orelha de Elefante Mexicana e Doce Resistente) e presença e ausência do silicato de potássio, tendo sido utilizadas 20 repetições por variedade. Para testemunha considerou-se uma variedade cultivada no campus e utilizada para criação e multiplicação dos insetos. Na quarta etapa foi estudado os aspectos biológicos (duração ninfal, número de fêmeas, longevidade, período de pré-oviposição, viabilidade ninfal, número de ovos) Constatou-se que a variedade de palma orelha de elefante cultivada em todas as propriedades do Cariri Paraibano e Oeste Potiguar quando comparada as demais, foi a que apresentou maior índice de infestação da cochonilha de escama, sendo o município de Boa Vista o que alcançou maior nota de infestação. A palma Doce Resistente foi confirmado como apresentando a maior resistência a cochonilha de escama. A presença de silicato de potássio pareceu induzir maior resistência a palma contra a cochonilha de escama. A cochonilha de escama apresentou maior potencial biológico na variedade Mão de Moça.
  • ISAAC LUCENA DE AMORIM
  • RESTAURAÇÃO ECOLÓGICA EM TERRAS SECAS DO NORDESTE DO BRASIL
  • Data: 18/02/2022
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • A cada ano aumenta a expansão das terras degradadas, principalmente nos biomas submetidos à influência dos climas áridos, semiáridos e subsumidos secos. Esta problemática fez surgir a Ciência da Ecologia da Restauração, fundamentada nos conhecimentos ecológicos, agronômicos e silviculturais para o desenvolvimento e aplicação de teorias e modelos ecológicos nas práticas de restauração de ecossistemas degradados. Com base nesta ciência, duas técnicas de restauração foram avaliadas em uma área degradada do semiárido Paraibano: Regeneração Natural (RN) e Nucleação Passiva (NP), com os seguintes objetivos: RN, conhecer a composição florística, a estrutura fitossociológica e a biomassa da comunidade herbáceo-subarbustiva em regeneração; NP, verificar as potencialidades nucleadoras de galhadas e poleiros como atrativos para dispersores de sementes e estabelecimento de plantas. No estudo da comunidade herbáceo-subarbustiva foram demarcadas 20 parcelas de 2,0 x 2,0 m, e cada parcela foi subdividida em quatro subparcelas de 1 m2 (uma para coleta da biomassa na estação chuvosa, outra para coleta da biomassa na estação seca, a terceira para realizar o levantamento florístico/fitossociológico e a quarta subparcela para coleta de solo, visando análise química); foram identificadas 35 espécies, das quais 23 % pertencem à família Fabaceae; no entanto, o capim panasco (Aristida adscensionis) foi a mais abundante e com maior Valor de Importância; a biomassa produzida na estação chuvosa foi reduzida em mais de 90% na estação seca. No estudo da nucleação passiva foram avaliados 5 tratamentos (diferentes distâncias entre núcleos), em blocos ao acaso, com 4 repetições, tendo as galhadas dimensões de 0,7 m3 e os poleiros com cerca de 2 m de altura, constituídos por ramos fixados a uma coluna de madeira e na base uma tela de sombrite de 1 m2 para coleta das excretas dos pássaros; foi observado que as galhadas proporcionaram abrigo para a fauna e ainda favoreceram acúmulo de matéria orgânica no solo; já os poleiros artificiais foram atrativos importantes de dispersores da avifauna, tendo os poleiros mais distantes uns dos outros maior efetividade. Portanto, para as condições de semiárido nordestino, as técnicas de restauração ecológica testadas se mostraram promissoras, apesar de seus sucessos estarem muito diretamente dependentes das características pluviais da estação chuvosa.
  • JOÃO VICTOR DA SILVA MARTINS
  • ESTRATÉGIAS DE MANEJO DE SOLO E ÁGUA E SUA RELAÇÃO NA QUALIDADE PÓS-COLHEITA DO TOMATE
  • Data: 14/02/2022
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • A baixa disponibilidade de água e nutrientes são fatores limitantes a produção agrícola. A crescente preocupação com a escassez hídrica nos últimos anos, têm despertado o interesse dos pesquisadores em desenvolver estratégias que maximizem o uso de água e nutrientes e mantenha a qualidade final dos frutos. O tomate é a segunda hortaliça mais importante do mundo. A obtenção de altos rendimentos e frutos de qualidade para à indústria passa pela adoção de técnicas que promovam o aumento e otimização da eficiência do uso da água (EUA) e nutrientes pela cultura. O déficit de irrigação (DI) é uma técnica que vem sendo amplamente difundida com intuito de diminuir o uso de água e aumentar a produtividade dos cultivos agrícolas. Todavia, o emprego de manejos combinados de água e solo, e sua relação com a qualidade final dos frutos de tomate destinados a indústria, ainda é mal compreendido. Diante disso, o objetivo foi investigar as respostas na qualidade pós colheita do tomate indústria, às estratégias de manejo combinados visando otimizar o uso de água e nutrientes pela planta. O experimento foi em blocos casualizados, com 4 repetições em esquema de parcelas subdivididas. Duas frequências de irrigação (FI) (um e sete dias) foram implantadas nas parcelas e três modelos de manejo de solo (adubação convencional + calcário [AC]; adubação convencional + gesso + calcário [ACG]; adubação convencional + gesso + fósforo aplicado em profundidade [ACGP]) foram implantados nas subparcelas. A colheita dos frutos se deu 128 dias após o transplantio. A firmeza da polpa, teor de sólidos solúveis (SST), acidez titulável (AT), relação SST/AT, matéria seca (MS), açúcares redutores (AR), quantidade de cálcio (Ca2+) compostos fenólicos (CF), carotenoides totais (CT) foram avaliados. A atividades das enzimas pectinolíticas poligalacturonase (PG) e pectinametilesterase (PME) também foram determinadas. O manejo de solo com ACG e FI de sete dias proporcionaram maior SST e AR, nos frutos. A relação SST/AT foi maior nos frutos submetidos a FI de sete dias, não havendo diferença entre os tipos de manejos. A firmeza dos frutos foi maior com ACG e FI de sete dias e teve relação inversa com a atividade das enzimas PG e PME. A porcentagem de MS foi maior nos frutos manejados com AC e ACG mais FI de sete dias. A quantidade de cálcio (Ca2+) nos frutos de tomate foi menor apenas no tratamento composto pela AC e a FI de sete dias. Os compostos fenólicos e carotenoides totais foram maiores no tratamento ACG e em todos manejos com FI de sete dias. As estratégias de manejo combinadas de água e solo promoveram aumento na qualidade pós colheita do tomate indústria. O tratamento ACG e FI de sete dias influenciaram positivamente os sólidos solúveis totais, açúcares redutores, relação SST/AT, Firmeza, matéria seca, compostos fenólicos e carotenoides totais do tomate.
  • DANIELE BATISTA ARAÚJO
  • CRESCIMENTO DE MUDAS DE MAMOEIRO EM FUNÇÃO DE DOSES DE HIDROGEL E LÂMINA DE IRRIGAÇÃO
  • Orientador : WALTER ESFRAIN PEREIRA
  • Data: 11/02/2022
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • O mamoeiro (Carica papaya L.) é uma cultura muito importante no Brasil e, para garantir altas produtividades, é necessário que os pomares sejam renovados de dois a quatro anos., contudoContudo, alguns locais enfrentam problemas com a disponibilidade de água. Assim, a produção de mudas de qualidade é extremamente importante, principalmente envolvendo técnicas que reduzam o desperdício de água. Objetivou-se nesta pesquisa avaliar o crescimento inicial de mudas de mamoeiro em função de doses de polímero hidroretentor e de lâminas de irrigação em dois volumes de substrato. O experimento foi realizado em casa de vegetação, no delineamento em blocos casualizados com quatro blocos, sendo os tratamentos obtidos mediante a matriz composto central de Box, referente a lâminas de irrigação de 40%; 48%; 70%; 91% e 100% da evaporação e a doses de polímero hidroretentor de 0; 2,2; 7,5; 12,8 e 15 g dm-3, em dois volumes de substrato (100 e 200 cm3). Avaliou-se: altura da planta, diâmetro do caule, número de folhas e massa seca da parte aérea e de raízes. Os dados foram submetidos a análise de variância e de regressão. Verificou-se que para altura, diâmetro do caule, comprimento de raízes, massa seca da parte aérea e de raízes houve efeito significativo da interação doses x lâminas x volume de substrato, . o O aumento da dose de hidrogel favoreceu aumentou o crescimento de mudas de mamoeiro cultivar Tainung nº 1, assim como o aumento da lâmina de irrigação e a interação entre ambos. O maior volume de substrato utilizado (200 cm3) é o mais recomendável recomendado para produção de mudas de mamoeiro.
  • DANIELE BATISTA ARAÚJO
  • CRESCIMENTO DE MUDAS DE MAMOEIRO EM FUNÇÃO DE DOSES DE HIDROGEL E LÂMINA DE IRRIGAÇÃO
  • Orientador : WALTER ESFRAIN PEREIRA
  • Data: 11/02/2022
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • O mamoeiro (Carica papaya L.) é uma cultura muito importante no Brasil e, para garantir altas produtividades, é necessário que os pomares sejam renovados de dois a quatro anos., contudoContudo, alguns locais enfrentam problemas com a disponibilidade de água. Assim, a produção de mudas de qualidade é extremamente importante, principalmente envolvendo técnicas que reduzam o desperdício de água. Objetivou-se nesta pesquisa avaliar o crescimento inicial de mudas de mamoeiro em função de doses de polímero hidroretentor e de lâminas de irrigação em dois volumes de substrato. O experimento foi realizado em casa de vegetação, no delineamento em blocos casualizados com quatro blocos, sendo os tratamentos obtidos mediante a matriz composto central de Box, referente a lâminas de irrigação de 40%; 48%; 70%; 91% e 100% da evaporação e a doses de polímero hidroretentor de 0; 2,2; 7,5; 12,8 e 15 g dm-3, em dois volumes de substrato (100 e 200 cm3). Avaliou-se: altura da planta, diâmetro do caule, número de folhas e massa seca da parte aérea e de raízes. Os dados foram submetidos a análise de variância e de regressão. Verificou-se que para altura, diâmetro do caule, comprimento de raízes, massa seca da parte aérea e de raízes houve efeito significativo da interação doses x lâminas x volume de substrato, . o O aumento da dose de hidrogel favoreceu aumentou o crescimento de mudas de mamoeiro cultivar Tainung nº 1, assim como o aumento da lâmina de irrigação e a interação entre ambos. O maior volume de substrato utilizado (200 cm3) é o mais recomendável recomendado para produção de mudas de mamoeiro.
  • CAÍKE DE SOUSA PEREIRA
  • TRATAMENTO DE PLANTA MATRIZ COM BIOESTIMULANTE E ENRAIZAMENTO DE ESTACAS DE GOIABEIRA (Psidium guajava L.) ‘SÉCULO XXI’, SOB CONCENTRAÇÕES DE ÁCIDO INDOLBUTÍRICO
  • Data: 10/02/2022
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • A goiabeira (Psidium guajava L.) vem se destacando como uma importante fruteira tropical, pois, apresenta boa aceitação no mercado e proporciona boa produção e rentabilidade ao fruticultor. Para tanto, é importante que as plantas apresentem boa qualidade e aspectos nutricionais satisfatórios, nesse sentido, o uso dos chamados bioestimulantes pode ser uma alternativa eficiente, considerando que os mesmos são ricos em substâncias que atuam na formação de enzimas, hormônios e clorofila, favorecendo as plantas no processo de absorção de água e nutrientes. Portanto, objetivou-se no presente estudo avaliar os processos fisiológicos de plantas matrizes de goiabeira cultivar Século XXI, submetidas às doses do bioestimulante VIUSID Agro®, bem como, verificar se há efeito sinergístico da aplicação desse produto nas matrizes de goiabeira com o ácido indolbutírico, na promoção do enraizamento de estacas herbáceas. Para a pesquisa foram desenvolvidos dois capítulos: I - o delineamento experimental utilizado foi inteiramente casualizado (DIC), sendo o ensaio disposto em parcela subdividida no tempo, em que na parcela estão doses de VIUSID Agro® (0; 1 ml/3L; 2 ml/3L) e nas subparcelas o número de aplicações do produto (2, 3, 4 e 5 aplicações), com quatro repetições, composta de uma planta por repetição; II - os tratamentos foram dispostos em arranjo fatorial 3 x 5, sendo os fatores doses do bioestimulante VIUSID Agro® (0; 1,0 e 2,0 ml/3 L-1de solução) e concentrações do ácido indolbutírico (0; 1.000; 2.000; 3.000 e 5.000 mg L-1). O delineamento experimental utilizado foi o inteiramente casualizado (DIC), com três repetições, sendo a unidade experimental composta por 10 plantas. No capítulo I foram avaliadas variáveis como: sobrevivência das estacas, estacas enraizadas, estacas vivas sem raiz, estacas com calo, retenção foliar, mortalidade, número de raízes, raízes maiores que 1cm, massa seca da parte aérea, da raiz e total. No capítulo II foram avaliadas variáveis de trocas gasosas: taxa de assimilação líquida, condutância estomática, concentração de CO2 nos espaços intercelulares, transpiração, temperatura foliar, eficiência no uso da água, eficiência intrínseca do uso da água e eficiência instantânea de carboxilação. Variáveis de fluorescências como: fluorescência inicial, fluorescência máxima, fluorescência variável, a razão, rendimento quântico do fotossistema II e teor de clorofila a, b e total. Assim, para as condições estudadas, conclui-se que no capítulo I: As variáveis de trocas gasosas e fluorescência da clorofila “a” foram influenciadas positivamente pela dose de 1,0 ml/3L do VIUSID Agro®, enquanto que a dose de 2,0 ml/3L resultou em estresse nas plantas. No capítulo II: Houve interação sinergística entre o bioestimulante e o ácido indolbutírico que promoveram maior incremento no enraizamento, onde a dose 1,0 ml/3 L-1 do VIUSID Agro® e a concentração 2.000 mg L-1 do AIB proporcionam maior comprimento de raiz, retenção foliar, massa seca da parte aérea e massa seca total. Estacas tratadas com a dose 1,0 ml/3 L-1 do VIUSID Agro® e a concentração 5.000 mg L-1 do AIB obtiveram enraizamento médio de 90%.
2021
Descrição
  • LUCIA MARA FIGUEIREDO
  • IMPACTOS DA IRRIGAÇÃO COM EFLUENTES AGROINDUSTRIAIS NO DESENVOLVIMENTO DE ESPÉCIES VEGETAIS NATIVAS DA CAATINGA
  • Orientador : MANOEL BANDEIRA DE ALBUQUERQUE
  • Data: 30/12/2021
  • Hora: 14:30
  • Mostrar Resumo
  • Água é um fator limitante para a agropecuária e a indústria nas regiões áridas e semiáridas. Por sua vez, a agroindústria consome grandes volumes de água e geram grandes quantidades de efluentes. Atualmente, há uma tendência de reaproveitar efluentes industriais para irrigação agrícola. O objetivo desta pesquisa foi avaliar o impacto da irrigação com diferentes proporções de efluente agroindustrial (EA) no desenvolvimento de mudas de Canafístula (Peltophorum dubium (Spreng.) Taub), Saboneteira (Sapindus saponária L.), ipê rosa (Tabebuia impetiginosa) e o ipê amarelo (Handroanthus chrysothricus (Mart. ex DC.) Mattos.), bem como na qualidade do substrato. Foi adotado um delineamento de blocos ao acaso com quatro repetições para cada espécie. Foram avaliados seis tratamentos, sendo quatro concentrações de EA na água de irrigação (25; 50; 75; e 100% de efluente, diluído em água de abastecimento (AA)) e dois tratamentos controle (AA; e água de poço (AP)). O EA foi oriundo do processamento de leite e vegetais do setor de produção do IFPB Campus Sousa. As mudas de canafístula e saboneteira tinham 73 dias de semeadura. Já as os ipês foram irrigadas desde a semeadura. As 4 espécies foram irrigadas diariamente, durante 90 dias, com as diferentes fontes de irrigação. A irrigação com diferentes proporções de EA não afetou significativamente (P > 0,05) o crescimento e a biomassa da parte aérea e da raiz, a fluorescência da clorofila, a eficiência quântica do Fotossistema II, a concentração interna e taxa de assimilação de CO2, a transpiração e condutância estomática, a eficiência instantânea de carboxilação e as eficiências instantânea e intrínseca no uso de água das mudas de ambas as espécies, sobretudo quando comparados com a irrigação com AA e AP. Com exceção, foi registrado aumento significativo no comprimento da raiz das mudas de Saboneteira, bem como nos parâmetros de número de folhas e diâmetro para ipê amarelo e, ainda, altura da planta para ipê rosa com o aumento do EA na água de irrigação. Ao final do experimento, foi estimado um aumento no teor de Na+ dos substratos irrigados com EA em concentrações superiores a 62%, independentemente da espécie cultivada. Recomenda-se a utilização de 60% EA na água de irrigação para produção das mudas estudadas, pois a qualidade das mudas não diferiu daquelas irrigadas com AA e AP e o acumulo de Na+ no substrato foi mínimo.
  • ALINE BATISTA BELEM GOMES
  • Predição de ganhos e divergência genética em populações de abóbora (Cucurbita Moschata) enriquecidas nutricionalmente.
  • Data: 30/12/2021
  • Hora: 13:30
  • Mostrar Resumo
  • A abóbora é considerada uma fonte importante de carotenoides, precursor da vitamina A. Estratégias de melhoramento que visem o enriquecimento nutricional são necessárias para que se forneça aos consumidores compostos essenciais à alimentação e saúde. Tendo como base a seleção realizada em populações locais de abóbora cultivadas na região Nordeste do Brasil, objetivou-se nesse trabalho estimar o ganho genético obtido em características químico-nutricionais, por meio de ciclos de seleção massal. O experimento foi realizado no Campo Experimental Pedro Arle, localizado no município de Frei Paulo-SE, pertencente à Embrapa Tabuleiros Costeiros. Foram avaliados os descritores: massa do fruto (MF), formato do fruto (FF), atributos da coloração da polpa do fruto luminosidade, croma (CP) e ângulo Hue (HP), intensidade da cor da polpa (IntCP), massa seca (MS), teor de sólidos solúveis totais (SS) e teor de carotenoides totais (CAT). A variável teor de carotenoides totais foi o caráter alvo do processo seletivo. Para a variância genotípica, todas as estimativas foram positivas e diferentes de zero. Os valores variaram de 0,02 para IntCP a 1303,39 para a variável CAT, sendo os menores valores observados para PF; LP; CP e SS. Os valores da herdabilidade média das populações variaram de 0,02 a 0,73. Os valores da acurácia em sua quase totalidade foram muito altos ou altos, à exceção da CP (Ac = 0,17) e IntCP (Ac = 0,61). A análise de regressão evidencia que houve um ganho genético para a característica alvo de seleção (CAT), exceto quando se trata do CS5 que houve um decréscimo na média, tendo em vista que a recombinação referente a esse ciclo esteve sob condições de cultivo de intensa seca, fator que interfere diretamente na biossíntese de carotenoides. O formato cordiforme se sobressaiu em relação aos demais durante todos os ciclos de seleção. A análise de correlação indica obtenção de ganhos indiretos em massa seca e teor de sólidos solúveis os quais tem impacto na qualidade nutricional. O último ciclo de seleção, tratamento CS6, é um material superior e diferencial para a característica alvo estudada.
  • HERMANO OLIVEIRA ROLIM
  • CONVERSÃO DE USO DO ALGODOEIRO MOCÓ (Gossypium hirsutum L. r. marie galante Hutch) PARA LAVOURA FORRAGEIRA
  • Orientador : DJAIL SANTOS
  • Data: 30/12/2021
  • Hora: 08:30
  • Mostrar Resumo
  • É indiscutível a relevância do algodoeiro mocó (Gossypium hirsutum L. r. marie galante Hutch) para a economia do semiárido brasileiro até a década de 90, e que a pecuária se beneficiou do sistema de produção com a utilização da lavoura para a alimentação dos rebanhos na época seca. Entretanto, poucos são os resultados de pesquisa que apontem a cultura como uma alternativa alimentar para os rebanhos na seca, e atestem o seu valor nutricional. O objetivo deste trabalho é investigar a aptidão do algodoeiro mocó, como alimento na criação de ruminantes a partir das suas características de crescimento, produção e bromatológicas. Neste sentido, foi instalado um experimento, no município de Sousa-PB, no período de fevereiro de 2018 a junho de 2019. O delineamento experimental foi em blocos casualizados, com quatro repetições, sendo que para as variáveis de biometria seguiu-se o esquema fatorial 2 × 4 × 11, sendo dois espaçamentos (2,0 × 1,0 m e 1,0 × 1,0 m), quatro doses de esterco bovino (0,0; 20,0; 40,0 e 60,0 t/ha), e 11 medições (aos 32, 51, 87, 140, 178, 213, 268, 296, 367, 430 e 457 dias após a emergência - DAE); para as variáveis de produção e produtividade seguiu-se o esquema fatorial 2 × 4 × 4, sendo dois espaçamentos, quatro doses de esterco e quatro colheitas (aos 90, 228, 390 e 457 DAE); para as variáveis de bromatológicas o esquema fatorial adotado foi o 2 × 4, sendo dois espaçamentos e quatro doses de esterco. As variáveis analisadas foram: Produção [matéria seca (MS), fitomassa seca de folhas (FSF) e de ramos (FSR), relação folha/ramos (RFR) e área foliar (AF)]; Biométricas [altura de plantas (ALT), diâmetro do caule (DC), número de ramos (NR) e número de folhas]; Bromatológicas: [teores de fósforo (P), potássio (K), proteína bruta (PB), fibra em detergente neutro (FDN) e ácido (FDA), extrato etéreo (EE), matéria mineral (MM) e matéria orgânica (MO), e estimados os teores de carboidratos não fibrosos (CNF), e de nutrientes digestíveis totais (NDT)]. Concluiu-se que o plantio adensado do algodoeiro mocó favorece uma maior produção de FSF e FSR, com menores valores de MSF, MSR e DC; ao longo dos cortes sucessivos obteve-se maiores valores de FSF e FSR e melhor qualidade da forragem resultante do aumento da RFR e da AF e da redução da MSF e MSR; a adubação com esterco bovino promove maior FSF e FSR e menores valores de MSF e MSR, recomendando-se a dose de 60 t/ha; a adubação com esterco elevou os valores dos parâmetros biométricos até a dose de 40 t/ha; em condições de sequeiro, o algodoeiro mocó produz satisfatoriamente uma colheita no primeiro ano e duas colheitas no segundo ano, durante o período chuvoso. A adubação com esterco bovino promoveu melhor qualidade de forragem das folhas, com tendência de aumento dos teores de K, do EE e da PB até a dose 60 t/ha. Os espaçamentos pouco influenciaram a composição bromatológica das folhas e dos ramos observando-se pequenas diferenças entre os mesmos apenas na ausência ou na maior dose de esterco aplicada.
  • JOELMA FARIAS VIEIRA DE JESUS
  • ASPECTOS FISIOLÓGICOS E PRODUTIVOS DE MANJERICÃO (Ocimum basilicum L.) SOB SALINIDADE E ADUBAÇÃO FOSFATADA
  • Orientador : THIAGO JARDELINO DIAS
  • Data: 30/12/2021
  • Hora: 08:30
  • Mostrar Resumo
  • A baixa disponibilidade de água de boa qualidade para irrigação é um problema comum para a maioria dos produtores, fazendo com que águas salinas sejam utilizadas na irrigação. Entretanto, o excesso de sais na água pode comprometer o crescimento e desenvolvimento das culturas, tornando necessário o uso de estratégias para contornar essa situação. Assim, à adoção de técnicas de manejo com adubação mineral a base de fósforo pode mitigar os efeitos deletérios do estresse salino em plantas. Neste sentido, o objetivou-se com este trabalho avaliar o efeito de doses de fósforo sobre a fisiologia e produção de manjericão em função da salinidade da água de irrigação. O experimento foi conduzido em ambiente protegido no Centro de Ciências Humanas, Sociais e Agrárias da Universidade Federal da Paraíba localizado no município de Bananeiras, PB. O delineamento experimental foi em blocos casualizado (três blocos) com cinco condutividades elétricas da água de irrigação (0,50; 1,30; 3,25; 5,20; 6,00 dS m-1), cinco doses de fósforo (P) (0,0; 29,08; 100,00; 170,92; 200,00; g) e cinco repetições, sendo 9 combinações geradas através da matriz Composto Central de Box., totalizando 135 unidades experimentais. Foram avaliadas as trocas gasosas utilizando-se o analisador de gás infravermelho (IRGA), fluorescência inicial (F0), máxima (Fm) e variável (Fv) e o rendimento quântico do fotossistema II (Fv/Fm) utilizando fluorômetro modulado, índices de clorofila a, b e total utilizando clorofilômetro e biometria de plantas (altura de planta, número de folhas, diâmetro do caule e área foliar). Será realizada a coleta de solo e posterior análise química e física para avaliar o acúmulo de nutrientes no solo e coletadas amostras foliares para avaliar os teores de macro e micronutrientes. Os resultados serão submetidos à análise de variância pelo Teste F (p<0,05). Para as variáveis com efeito da interação significativa serão ajustadas a superfície de resposta, e caso contrário, será realizada a análise de regressão polinomial. As análises estatísticas serão executadas com o software estatístico.
  • DIEGO ALMEIDA MEDEIROS
  • ATRIBUTOS QUÍMICOS, FÍSICOS E MACROFAUNA EDÁFICA DE SOLOS EM ÁREAS DE PRODUÇÃO DE HORTALIÇAS FOLHOSAS ORGÂNICAS
  • Orientador : DJAIL SANTOS
  • Data: 29/12/2021
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • A agricultura é uma atividade indispensável para toda e qualquer sociedade, independentemente do nível de desenvolvimento econômico e social. O grande desafio é saber como manter os solos produtivos sem alterar drasticamente os diferentes ecossistemas terrestres. Neste trabalho objetivou-se avaliar os atributos químicos, físicos e macrofauna edáfica de solos em áreas de pequenas unidades de produção de hortaliças orgânicas certificadas em municípios da mesorregião do Agreste Paraibano. Para avaliar a qualidade do solo foram selecionados indicadores físicos (textura, argila dispersa, grau de floculação, densidade do solo, porosidade total, macro e micro porosidade, capacidade de campo, ponto de murcha permanente, água disponível e condutividade hidráulica), indicadores químicos (pH do solo, carbono orgânico total, matéria orgânica, estoque de carbono, capacidade de troca de cátions, alumínio trocável, sódio, soma de bases, saturação por bases, potássio e fósforo disponível), e um indicador biológico (macrofauna do solo). Os cultivos com hortaliças proporcionam maior densidade de solo em comparação com o solo sob vegetação nativa. O uso das técnicas de análise multivariada mostrou-se eficiente na distinção de ambientes sob os cultivos estudados. O cultivo em bases orgânicas proporcionou a manutenção da qualidade do solo em condições melhores e/ou semelhantes que a condição de áreas de reserva legal. As espécies olerícolas folhosas estudadas proporcionam ambientes positivos para as comunidades de organismos edáficos. A estrutura, dinâmica e ocorrência das comunidades de macroartrópodes do solo está fortemente relacionado com os teores mais elevados de matéria orgânica.
  • JOÃO FELIPE DA SILVA GUEDES
  • Ensaios de valor de cultivo e uso de linhagens de pimenteiras ornamental
  • Orientador : ELIZANILDA RAMALHO DO REGO
  • Data: 28/12/2021
  • Hora: 08:30
  • Mostrar Resumo
  • O gênero Capsicum pertence a família Solanaceae com aproximadamente 33 espécies, onde apenas 5 são domesticadas: C. annuum L., C. baccatum L., C. chinense Jacq., C. pubescens L. e C. frutescens L. As recomendações de novas cultivares são realizadas através de ensaios de competição na fase final de um programa de melhoramento. Os ensaios em DHE são normalmente conduzidos em apenas um local e com, no mínimo, dois cultivos sucessivos. Sendo assim, o presente trabalho teve como objetivo avaliar e caracterizar uma geração F7 de Pimenteiras Ornamentais (Capsicum annuum L.) com base em descritores morfológicos e teste de Distinguibilidade, Homogeneidade e Estabilidade (DHE), para fins do Serviço Nacional de Proteção de Cultivares. O experimento foi conduzido em casa de vegetação do Laboratório de Biotecnologia Vegetal, do Centro de Ciências Agrárias da Universidade Federal da Paraíba (CCA/UFPB). Foram utilizadas 10 plantas de 31 populações de pimenteiras ornamentais pertencentes ao Banco de Germoplasma de Capsicum spp. do CCA/UFPB e sete testemunhas adicionais. Estas foram avaliadas em 2 anos de cultivo para 23 caracteres quantitativos de planta, flor e fruto. O delineamento experimental utilizado foi o inteiramente ao acaso (DIC), com testemunhas adicionais. Os caracteres quantitativos foram submetidos a análise de variância (ANOVA), em esquema fatorial simples 31 x 2 (Genótipos x Anos), com 10 repetições e cálculo da relação entre CVg/CVe. Estes dados foram submetidos ao teste de médias de acordo com os critérios de Scott-Knott (p≤0,05). Todas as análises foram realizadas através do programa GENES. De acordo com a análise de variância, pode-se observar efeitos significativos, pelo teste F (p≤0,05), para todas as 23 variáveis analisadas no fator genótipo (G), exceto para DFLOR, QNTP, QNTA, CFIL, CEST, CP, MED, NS e TMS. Houve, também, diferença significativa (p≤0,05) para a interação do fator genótipo por ambiente (G x A), exceto para MED. As variáveis CA e EP não apresentam significância para nenhum dos fatores avaliados, bem como para a interação entre eles. Os coeficientes de variação encontrados apresentaram valores entre 5,35% e 58,41%. Para CVg/CVe, foi apresentando valores menores e maiores que a unidade. É possível concluir que houve diferença entre os genótipos avaliados, tanto no primeiro, quanto no segundo ano de cultivo. Os genótipos 56.26.24.1.4, 56.26.24.1.1, 56.26.33.1.3, 56.26.34.1.2 e 56.26.24.1.8 podem ser selecionados para Para a obtenção do certificado de proteção de cultivares junto ao Serviço de Proteção de Cultivares (SNPC) do MAPA, conforme critérios exigidos.
  • JEFFERSON ALVES DIAS
  • TROCAS GASOSAS, PIGMENTOS CLOROPLASTÍDICOS E PRODUÇÃO DO MARACUJAZEIRO CULTIVADO COM ÁGUA SALINA, ADUBADO COM CÁLCIO E MATERIA ORGÂNICA
  • Orientador : WALTER ESFRAIN PEREIRA
  • Data: 28/12/2021
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • A pouca disponibilidade hídrica da região Nordeste faz com que produtores de maracujá trabalhem com água de baixa qualidade, com elevado teores de sais, o que provoca nas plantas modificações nos mecanismos bioquímicos e fisiológicos, com consequências na produção. O objetivo deste trabalho foi avaliar a aplicação combinada de cálcio e matéria orgânica no cultivo do maracujá acesso Guinezinho irrigados com água salina sobre os aspectos fisiológicos e produtividade. Os tratamentos foram distribuídos em parcela subdividida, com quatro repetições de quatro plantas por unidade experimental, usando o fatorial 2A x (2C x 2M), referente as águas não salina e salina de condutividade elétrica 0,5 e 4,5 dS m-1, duas fontes de cálcio no solo (Calcário dolomítico e Nitrato de cálcio) sem e com matéria orgânica oriunda de esterco bovino. A água de irrigação com condutividade elétrica de 4,5 dS m-1 perjudica todos os processos fotossintéticos das plantas de maracujazeiro; O cálcio independente da fonte pode ser utilizado para mitigar os efeitos degenerativos dos estresses provocados pelos sais da água de irrigação na cultura do maracujazeiro; A matéria orgânica promove benefícios aos processos fotossintéticos das plantas de maracujazeiro; A produtividade não foi afetada pelos fatores avaliados.
  • JEFFERSON ALVES DIAS
  • TROCAS GASOSAS, PIGMENTOS CLOROPLASTÍDICOS E PRODUÇÃO DO MARACUJAZEIRO CULTIVADO COM ÁGUA SALINA, ADUBADO COM CÁLCIO E MATERIA ORGÂNICA
  • Orientador : WALTER ESFRAIN PEREIRA
  • Data: 28/12/2021
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • A pouca disponibilidade hídrica da região Nordeste faz com que produtores de maracujá trabalhem com água de baixa qualidade, com elevado teores de sais, o que provoca nas plantas modificações nos mecanismos bioquímicos e fisiológicos, com consequências na produção. O objetivo deste trabalho foi avaliar a aplicação combinada de cálcio e matéria orgânica no cultivo do maracujá acesso Guinezinho irrigados com água salina sobre os aspectos fisiológicos e produtividade. Os tratamentos foram distribuídos em parcela subdividida, com quatro repetições de quatro plantas por unidade experimental, usando o fatorial 2A x (2C x 2M), referente as águas não salina e salina de condutividade elétrica 0,5 e 4,5 dS m-1, duas fontes de cálcio no solo (Calcário dolomítico e Nitrato de cálcio) sem e com matéria orgânica oriunda de esterco bovino. A água de irrigação com condutividade elétrica de 4,5 dS m-1 perjudica todos os processos fotossintéticos das plantas de maracujazeiro; O cálcio independente da fonte pode ser utilizado para mitigar os efeitos degenerativos dos estresses provocados pelos sais da água de irrigação na cultura do maracujazeiro; A matéria orgânica promove benefícios aos processos fotossintéticos das plantas de maracujazeiro; A produtividade não foi afetada pelos fatores avaliados.
  • JOABE FREITAS CRISPIM
  • Teste de geração precoce em pimenteiras ornamentais
  • Orientador : ELIZANILDA RAMALHO DO REGO
  • Data: 27/12/2021
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • Nos últimos anos tem ocorrido um crescimento notável no mercado brasileiro de plantas ornamentais e, nesse sentido, a produção de pimenteiras para este segmento têm demonstrado grandes potencialidades e expectativas. Assim, a caracterização morfoagronômica torna-se uma importante ferramenta, capaz de fornecer uma série de informações sobre o potencial dos genótipos dentro do programa de melhoramento. Sendo assim, este trabalho tem o objetivo de avaliar linhagens de pimenteiras ornamentais (Capsicum annuum L.) com base em ensaios de competição. O experimento foi conduzido em casa de vegetação na Universidade Federal da Paraíba em dois anos/ciclos de cultivo. Foi adotado um delineamento inteiramente casualizado, com seis linhagens provindas de uma geração F2 (58, 174, 232, 239, 250 e 273), cujos progenitores são Genitor UFPB 390 e UFPB 137, pertencentes ao Banco de Germoplasma de Capsicum spp. do CCA/UFPB. Foram utilizadas cinco testemunhas comerciais (Espaquetinho, Etna, Pirâmide, Calypso e Stromboli). Foi utilizado 10 repetições por genótipo. As plantas foram avaliadas de acordo com 23 descritores quantitativos de flor, porte e fruto. Os dados foram submetidos à análise de variância e as médias foram comparadas utilizando-se o teste de Tukey ao nível de 5% de probabilidade. Todas as análises estatísticas foram realizadas com o software GENES. Observou-se interação significativa (p ≤ 0,05) entre os fatores Ano e Genótipo para todas as variáveis, exceto peso do fruto (PF) e espessura do pericarpo (EP). As linhagens 58, 232 e 250 mostraram-se promissoras e, portanto, são recomendadas para seleção e avanço de geração, em virtude da presença de características desejáveis de relevante valor estético para fins ornamentais.
  • ADJAIR JOSÉ DA SILVA
  • Resposta de Capsicum annum L. a relação N/K e bioestimulante vegetal
  • Orientador : THIAGO JARDELINO DIAS
  • Data: 20/12/2021
  • Hora: 08:30
  • Mostrar Resumo
  • Cultivado em todo o território brasileiro, o pimentão Capsicum annum L., está entre as dez hortaliças de maior valor econômico no Brasil, a terceira solanácea mais produzida depois do tomate e da batata, a grande demanda do mercado consumidor, rápido retorno econômico, curto período de tempo entre as colheitas, são os principais fatores que estimulam a produção, entre algumas técnicas de produção e manejo, destaca-se a utilização de produtos promotores de crescimento e desenvolvimento vegetal, como os bioestimulante, Neste sentido, objetivou-se estudar a resposta de Capsicum annum L. a relação N:K e doses de bioestimulante vegetal. A realização da pesquisa ocorreu no período de março a julho de 2020, no Engenho Triunfo zona rural do município de Areia-PB. O estudo foi desenvolvido, abordando os aspectos acima descritos, sendo dividido em três artigos. No artigo I estudou-se a produção de pimentão. Constatou-se que A relação N:K 3:1 (75% N 25% K) e a dose 4,5 ml de bioestimulante influenciaram positivamente na produção e produtividade de Capsicum annum no referido estudo, respectivamente. No artigo II avaliou-se o crescimento, onde a relação N:K de 1:1 foi a mais adequada para crescimento, diâmetro e altura de Capsicum annum na dose de bioestimulante 4,5 mL. A maior área foliar e índice de área foliar de C. annum ocorreram nas doses de 2,8 mL e 2,2 mL de bioestimulante nas relações 3:1 e 2:1, respectivamente. Quanto à massa seca das folhas a relação N:K de 2:1 foi favorável, na dose 3,4 mL de bioestimulante. A relação N:K de 2:1, e dose de 4,5 mL do bioestimulante podem ser indicadas para as condições desta pesquisa. No artigo III estudou-se as trocas gasosas fluorescências de clorofila: fluorescência inicial, máxima, variável. E os índices de clorofila: clorofilas a, b e total. Pela análise de variância foi observado que não houve efeito significativo na interação dos fatores, doses de bioestimulante e proporções de N:K, como também não houve efeito significativo para ambos os fatores isolados na atividade fotoquímica e pigmentos fotossintéticos do pimentão aos 30 e 60 dias após o plantio (DAP). Nesse sentido foi realizado intervalos de confiança (bandas) para demonstrar o efeito médio de cada proporção de N:K em função do acréscimo na concentração do bioestimulante para as variáveis estudadas.
  • ADJAIR JOSÉ DA SILVA
  • Resposta de Capsicum annum L. a relação N/K e bioestimulante vegetal
  • Orientador : THIAGO JARDELINO DIAS
  • Data: 20/12/2021
  • Hora: 08:30
  • Mostrar Resumo
  • Cultivado em todo o território brasileiro, o pimentão Capsicum annum L., está entre as dez hortaliças de maior valor econômico no Brasil, a terceira solanácea mais produzida depois do tomate e da batata, a grande demanda do mercado consumidor, rápido retorno econômico, curto período de tempo entre as colheitas, são os principais fatores que estimulam a produção, entre algumas técnicas de produção e manejo, destaca-se a utilização de produtos promotores de crescimento e desenvolvimento vegetal, como os bioestimulante, Neste sentido, objetivou-se estudar a resposta de Capsicum annum L. a relação N:K e doses de bioestimulante vegetal. A realização da pesquisa ocorreu no período de março a julho de 2020, no Engenho Triunfo zona rural do município de Areia-PB. O estudo foi desenvolvido, abordando os aspectos acima descritos, sendo dividido em três artigos. No artigo I estudou-se a produção de pimentão. Constatou-se que A relação N:K 3:1 (75% N 25% K) e a dose 4,5 ml de bioestimulante influenciaram positivamente na produção e produtividade de Capsicum annum no referido estudo, respectivamente. No artigo II avaliou-se o crescimento, onde a relação N:K de 1:1 foi a mais adequada para crescimento, diâmetro e altura de Capsicum annum na dose de bioestimulante 4,5 mL. A maior área foliar e índice de área foliar de C. annum ocorreram nas doses de 2,8 mL e 2,2 mL de bioestimulante nas relações 3:1 e 2:1, respectivamente. Quanto à massa seca das folhas a relação N:K de 2:1 foi favorável, na dose 3,4 mL de bioestimulante. A relação N:K de 2:1, e dose de 4,5 mL do bioestimulante podem ser indicadas para as condições desta pesquisa. No artigo III estudou-se as trocas gasosas fluorescências de clorofila: fluorescência inicial, máxima, variável. E os índices de clorofila: clorofilas a, b e total. Pela análise de variância foi observado que não houve efeito significativo na interação dos fatores, doses de bioestimulante e proporções de N:K, como também não houve efeito significativo para ambos os fatores isolados na atividade fotoquímica e pigmentos fotossintéticos do pimentão aos 30 e 60 dias após o plantio (DAP). Nesse sentido foi realizado intervalos de confiança (bandas) para demonstrar o efeito médio de cada proporção de N:K em função do acréscimo na concentração do bioestimulante para as variáveis estudadas.
  • BRUNA REGINA DOS SANTOS SILVA
  • INTERAÇÃO GENÓTIPO X AMBIENTE E REPETIBILIDADE DE PALMA FORRAGEIRA NO SEMIÁRIDO PARAIBANO
  • Data: 17/12/2021
  • Hora: 08:30
  • Mostrar Resumo
  • A palma forrageira (Opuntia e subgênero Nopalea spp.) é a principal planta xerófila cultivada no Brasil, utilizada como base alimentar para os rebanhos, especialmente na época de estiagem. Estudos que visem a influência da interação GxA nas características de produção são extremamente importantes para encontrar os fatores que estão por trás da diferença entre os genótipos.O objetivo deste trabalho foi avaliar a resposta produtiva de três genótipos de palma forrageira em ensaios multi-ambientais no Semiárido paraibano, baseados na adaptabilidade, estabilidade, parâmetros genéticos e repetibilidade. Esse trabalho é composto por quatro capítulos. O primeiro deles é uma revisão de literatura. Para os demais as áreas experimentais foram distribuídas em nove Microrregiões do Semiárido Paraibano, totalizando dezesseis municípios. Foram utilizados os genótipos de palma forrageira Orelha de Elefante Mexicana, Baiana e Miúda, todos resistentes a Cochonilha-do-carmim. O delineamento experimental foi o de blocos casualizados, com quatro repetições. Os experimentos foram avaliados por dois anos quanto ao número de cladódios por planta, peso da massa verde por planta, peso médio de cladódios por planta e porcentagem de massa seca por planta. Os dados foram submetidos a análise de variância univariada conjunta para o fator ambiente (combinação de local e ano). As médias foram comparadas pelo teste F a 5% de probabilidade e em seguida, para os capítulos II e III foram realizadas às análises gráficas com GGE biplot “Wich won where” (quem ganhou onde); “Discriminação x Representatividade” “Desempenho x. Estabilidade”; “Ambiente Ideal”; “Genótipo ideal” para capturar parte do objetivo proposto. Para o capítulo IV foi realizada uma análise de variância multivariada (Manova) e REML para estimar os componentes de variância genética e ambiental, além da repetiilidade. Houve a formação de um único mega-ambiente para as características de número de cladódios por planta (genótipo Miúda) e peso médio dos cladódios por planta (genótipo Orelha de Elefante Mexicana) e de dois mega-ambientes para as características de peso da massa verde por planta e porcentagem de massa seca por planta (genótipos Miúda e Orelha de Elefante Mexicana). A variação genética foi maior que a variação ambiental apenas na característica de peso médio de cladódios assim como para a estimativa do coeficiente de repetibilidade, que foi maior também para essa característica. Com base nesses resultados, recomenda-se a seleção do genótipo Orelha de Elefante Mexicana como um material genético superior por ter alto desempenho, ser mais adaptado, estável e recomendado de forma geral nos ambientes avaliados do semiárido paraibano. Para seleção de genótipos superiores, o ambiente ideal é no município de Zabelê.
  • BRUNO ALEXANDRE DE ARAUJO SOUSA
  • QUALIDADE E ATIVIDADE ANTIOXIDANTE DOS FRUTOS DO MARACUJAZEIRO-AMARELO SOB SALINIDADE DA ÁGUA, FONTES DE CÁLCIO E MATÉRIA ORGÂNICA
  • Data: 17/12/2021
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • O maracujá-amarelo destaca-se na fruticultura brasileira, especialmente na região Nordeste, devido às condições edafoclimáticas favoráveis. Também possui alto valor comercial e importância socioalimentar, além das características físico-químicas e químicas do fruto, que determinam sua qualidade sensorial e aceitação pelo mercado consumidor. Nas áreas do semiárido nordestino, dada a oferta limitada de água em quantidade e qualidade, torna-se necessário o uso das fontes hídricas com alta salinidade, que demandam a busca de alternativas eficientes que viabilizem o cultivo do maracujazeiro-amarelo, por ser uma cultura sensível aos sais. Assim, objetivou-se avaliar a qualidade e atividade antioxidante dos frutos do maracujazeiro amarelo (Passiflora edulis) acesso Guinezinho, em dois ciclos produtivos subsequentes, em função da salinidade, de duas fontes de cálcio, sem e com aplicação de esterco bovino. Os tratamentos foram distribuídos em blocos ao acaso, com quatro repetições, avaliados em dois ciclos produtivos subsequentes, adotando o esquema fatorial 2A x (2C x 2M), relativos às águas de irrigação não salina e salina (0,5 e 4,5 dS m-1), no solo com 126 kg ha-1 de cálcio na forma de calcário calcítico e nitrato de cálcio, sem e com esterco bovino para elevar o teor que o solo possuía de matéria orgânica para 4%, aplicados 50% na preparação das covas e 50% no início da floração das plantas. Nos frutos foram avaliadas a qualidade física, físico-química, quantificação dos polifenóis extraíveis totais, flavonóides amarelos, antocianinas e a atividade antioxidante total, pelos métodos de captura dos radicais livres ABTS●+ e DPPH●. Os dados foram submetidos à ANOVA e as médias comparadas pelo teste de Tukey a 5% de probabilidade.
  • KALINE DA SILVA NASCIMENTO
  • ANDROGENESE EM PIMENTEIRAS ORNAMENTAIS
  • Orientador : MAILSON MONTEIRO DO REGO
  • Data: 07/12/2021
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • As pimenteiras apresentam ampla diversidade genética e grande versatilidade de 
uso, tendo se tornado alvo de programas de melhoramento genético que visam produzir 
novas cultivares que atendam às necessidades do mercado. No sistema convencional de 
melhoramento de plantas autógamas, como as pimenteiras, são necessários de sete a oito 
ciclos de autofecundação para estabilizar o genótipo pela fixação de genes em 
 homozigose. Para reduzir esse tempo, pode-se utilizar a cultura de micrósporos. A partir 
da cultura desses explantes pode-se conseguir a haploidização, que é uma técnica que 
permite a transferência de genes de forma rápida. O primeiro passo para desenvolver um 
protocolo de haploidização seria verificar a viabilidade polínica das plantas e em seguida 
caracterizar o desenvolvimento de botões e encontrar parâmetros morfológicos para 
identificar botões de flores na janela de desenvolvimento correta e em seguida estabelecer um protocolo de isalamento desses micrósporos. Por isso, objetivou-se estabelecer em 
que estágio de crescimento de botão floral de Capsicum annuum é possível encontrar 
micrósporos uninucleares e estabelecer um protocolo para isolamento e cultivo desses 
 micrósporos. Para isso, os genótipos UFPB 099, UFPB 001 e UFPB 004 foram verificado 
quanto sua viabilidade, e em seguidas os botões florais foram divididos em sete classes e 
posteriormente caracterizados. Mesmo não sendo uma determinação geral, para esse 
estudo estabeleceu-se que os botões florais de pimenteiras devem ter dimensões médias 
de 2,4 mm de comprimento, 2,3 mm de diâmetro e sépalas e pétalas com tamanho 
similares para uma melhor obtenção de micrósporos uninucleares. Após essa 
identificação novos botões florais foram submetidos a métodos de maceração, filtragem, 
limpeza e meios de cultura foram testados para estabelecimento de protocolo de 
isolamento e cultivo dos micrósporos. A maceração com cadinho e pistilo, a utilização de 
filtros com voal de 32 μm, e o método 2 de isolamento foram as escolhidas para 
otimização do processo de isolamento. Os meios utilizados também foram eficientes e 
uma maior porcentagem de embriões foi obtida para as amostras tratadas com SAHA 
(0,05 e 0,1 μM) por 24 horas.
  • LUCÉLIA KÁTIA DE LIMA
  • FISIOLOGIA DA MATURAÇÃO, QUALIDADE, PROPRIEDADES FUNCIONAIS, PERFIS DE VOLÁTEIS E MINERAIS DE FRUTOS DE CAJARANA DO SERTÃO (Spondias spp.) DURANTE A MATURAÇÃO
  • Data: 30/11/2021
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • A cajarana do Sertão (Spondias sp.) é uma fruta de ampla ocorrência e consumo de frutos durante a safra no Semiárido e com amplo potencial para mercados emergentes. Entretanto, estudos aprofundados sobre a fisiologia da maturação, propriedades funcionais e perfil de voláteis do fruto em suas porções ainda são necessários. A produção de etileno e atividade respiratória, e na polpa e casca de frutos as mudanças na qualidade, compostos bioativos, atividade antioxidante total e atividade enzimática, ainda não estudados, foram avaliados durante a maturação, bem como os perfis de voláteis e de minerais. O delineamento foi o inteiramente casualisado, em 5 estádios de maturação e 4 repetições. A cajarana do Sertão apresenta padrão respiratório típico climatérico. Observou-se aumento no diâmetro e na massa fresca com o avanço da maturação. Os conteúdos de compostos bioativos, com elevado aporte de carotenoides, atividade antioxidante e enzimática foram significativamente (P ≤0,05) maiores na casca do que a polpa durante a maturação do fruto. Comportamento similar foi observado nos perfis de voláteis e de minerais. Foram majoritariamente identificados e quantificados 45 compostos voláteis na casca e 53 na polpa. A classe dos terpenos mostrou maiores quantidade de compostos seguidos de ésteres, aldeídos e álcoois. Os compostos majoritários identificados foram α-Copaene, Allo-Ocimene, β-Caryophyllene, trans-β-Ocimenes, Limonene, (Z)-Ocimene, Ethyl butanoate, Butyl acetate, Ethyl hexanoate. Em geral durante a maturação o conteúdo de ésteres aumentou tanto na casca quanto na polpa, enquanto a maioria dos aldeídos e terpenos apresentaram redução com o avanço da maturação dos frutos. Nos minerais, foram quantificados 22, com K, Ca, P, Mg e Fe presentes em maiores teores nesta ordem. Os resultados indicaram que a cajarana do Sertão é um fruto de amplo potencial de consumo, que deve ser valorizado pelos aspectos diferenciais de qualidade e propriedades funcionais.
  • ADRIANA PRICILLA JALES DANTAS
  • DÉFICIT HÍDRICO E ÁCIDO SALICÍLICO NA QUALIDADE, ATRIBUTOS SENSORIAIS E PROPRIEDADES FUNCIONAIS DE CULTIVARES DE FEIJÃO-CAUPI
  • Orientador : SILVANDA DE MELO SILVA
  • Data: 26/11/2021
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • O feijão-caupi (Vigna unguiculata (L.) Walp) caracteriza-se como a leguminosa mais consumida no Norte e Nordeste do Brasil, portanto, é importante para a agricultura e suporte socioeconômico regional. Entretanto, a severidade do déficit hídrico (DW)nas fases críticas desta cultura é um dos fatores que limitam a sua produção, assim tem sido sugerido o uso de eliciadores endógenos, como o ácido salicílico (AS), como um meio mitigar os severos efeitos dos fatores de estresse na produtividade dessa leguminosa. Todavia, a melhoria na produção precisa vir acompanhada da melhoria dos atributos nutricionais ou que estes sejam pelo menos equiparáveis, pois o feijão-caupi é fonte de proteínas, açúcar solúvel, aminoácidos, vitaminas e minerais, além apresentar compostos bioativos benéficos a saúde. Deste modo, torna-se necessário explorar os efeitos do déficit hídrico na qualidade nutricional e funcional de cultivares de feijão-caupi e avaliar se a aplicação exógena do ácido salicílico na planta, pode impactar nos atributos de qualidade e sensoriais, e no potencial funcional dos grãos. Nesse sentido, esse trabalho foi desenvolvido em dois ensaios. Cada ensaio foi conduzido em delineamento inteiramente casualizado, em esquema fatorial 3 x 2, três doses de ácido salicílico (0, 2 e 4 mM) e duas lâminas de irrigação (W50 com e W100 sem estresse), em 3 blocos. No ensaio I (Capítulo I) avaliou-se os efeitos do déficit hídrico e aplicação do atenuador ácido salicílico (AS) sobre características de qualidade e atributos sensoriais de cultivares de feijão-caupi: BRS-Pajeú, BRS-Pujante e BRS-Tapaihum. Para análise física utilizou-se 50 grãos (50 repetições) de cada tratamento e para as demais avaliações foram utilizadas 100g de grão cozido de cada tratamento. As cultivares apresentaram variação nas propriedades físicas, composição e percepção sensorial em respostas ao déficit hídrico e ao uso do AS. Notou-se que o efeito do AS dependeu da cultivar, da condição hídrica e da concentração do ácido. Feijão-caupi representa uma ótima fonte K, Mg, Ca e Fe, cujos conteúdos foram aumentados pelo DW na BRS-Pageu e -Pungente em contraposição ao AS e reduzido na Tapaihum. Para a BRS-Pageú observou-se redução dos teores de proteína e lipídeos sob déficit hídrico independente de AS. A BRS-pujante respondeu positivamente quanto a estes compostos ao AS sob DW, enquanto a .BRS- Tapaihum manteve mais elevados os níveis sob DW. Adicionalmente, a intenção de compras e aceitação global das cultivares sob déficit hídrico foi inferior. No ensaio II (Capítulo II) foram avaliados o impacto do déficit hídrico e do uso do atenuador AS sob os compostos bioativos e atividade antioxidante das cultivares de feijão-caupi no grão cozido e no caldo, separadamente. O déficit hídrico provocou um aumento no conteúdo de antocianinas, flavonoides amarelos e polifenóis extraíveis totais e na atividade antioxidante das cultivares BRS-Pajeú e BRS-Pujante, enquanto, a cultivar BRS-Tapaihum apresentou o maior conteúdo de compostos bioativo e a maior atividade antioxidante no tratamento com uso de 4 mM de AS na condição de déficit hídrico. Estes resultados indicam que o uso de ácido salicílico em cultivares de feijão-caupi mais pigmentadas propicia o aumento do potencial funcional, sob condições de estresse hídrico.
  • GIRLENE MARIA DE ALENCAR
  • DIVERSIDADE GENÉTICA DE PALMA FORRAGEIRA (Opuntia spp.) ACESSADA POR MARCADOR ISSR
  • Data: 19/11/2021
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • A palma forrageira (Opuntia spp.), que tem como centro de origem o México é o foco desse estudo que tem como objetivo realizar a caracterização da diversidade desse importante recurso genético que é essencial para a sustentabilidade do semiárido brasileiro, com a finalidade de munir de informações o Banco Ativo de Germoplasma para o melhoramento desses acessos, visando atingir as melhores características agronômicas com relação resistência à cochonilha do carmim (Dactylopius opuntiae). Ao analisar a diversidade genética de 25 acessos das espécies: Opuntia atropes Rose, O. cochenillifera (L.) Salm Dyck subgênero Nopalea, O. robusta var. larreyi (F.A.C. Weber) Bravo, O. robusta Wendl., O. stricta Haw, O. undulata Griffiths e O. joconostle por meio de caracteres moleculares, utilizando os primers ISSR - 807, ISSR - 808, ISSR – 809, ISSR – 810, ISSR – 811, ISSR – 818, ISSR – 825, ISSR – 827, ISSR – 834, ISSR – 840, ISSR – 841, ISSR – 842 E ISSR – 868 com uma temperatura de anelamento de 50°, que amplificaram 1091 bandas, das quais 125 foram polimórficas e 14 monomórficas. Os fragmentos obtidos foram convertidos em uma matriz binaria e a partir dessa matriz foi possível estabelecer a dissimilaridade genética entre os indivíduos. Essa técnica molecular mostrou-se eficiente para estimar que entre as espécies, os acessos 37 x 14 e 37 x 76 das espécies O. cochenilifera e O. atropes, respectivamente, são os mais indicados como potenciais genitores, já que têm dissimilaridade igual a 1 e tem mesmo nível de ploidia, 2n=2x=22; e dentro das espécies, os acessos 13 x 14, 75 x 76 e 76 x 85 da espécie O. atropes, e da espécie O. cochenillifera, os acessos 37 x 42, com índice de divergência 1, são os mais indicados como potenciais genitores para o programa de melhoramento de Opuntia spp. Sobre o acesso 82 (O. joconostle) a análise molecular corrobora com a análise fenotípica e citológica de que este acesso, na verdade pertence à espécie O. stricta, devida à sua similaridade com acessos desse grupo, principalmente o acesso 75. O Coeficiente de Correlação Cofenética (CCC) para o agrupamento de Tocher foi de 0,884** enquanto que a o Coeficiente de Correlação Cofenética obtido na análise de cluster foi 0,95***, evidenciando maior consistência no agrupamento hierárquico usando os critérios de Ward.
  • FRANCISCO DE ASSYS ROMERO DA MOTA SOUSA
  • ADUBAÇÃO NITROGENADA E POTÁSSICA NA FISIOLOGIA DA MATURAÇÂO E PROPRIEDADES FUNCIONAIS DA BANANA ‘VITÓRIA’
  • Orientador : SILVANDA DE MELO SILVA
  • Data: 17/11/2021
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • A bananicultura é uma atividade frutícola predominante nas regiões tropicais quentes e úmidas do mundo com chuvas abundantes, incluindo África, América Latina, Caribe, Ásia e Pacífico. Entretanto, as cultivares tradicionais são suscetíveis a doenças e apresentam características de qualidade que comprometem a comercialização em mercados mais competitivos. Assim, faz-se necessário a introdução de cultivares mais resistentes e produtivas para que se possa superar os desafios de atender as correntes demandas de mercado. Portanto, o objetivo desta pesquisa foi avaliar a fisiologia da maturação e qualidade dos frutos da bananeira ‘Vitória’ introduzida no Brejo Paraibano sob diferentes combinações de nitrogênio e potássio. Este trabelho foi conduzido em dois experimentos: No primeiro experimento avaliou-se as combinações de doses de N e K para se definir as faixas com características de qualidades mais adequadas. No segundo experimento, nas combinações que proporcionaram melhor qualidade avaliou-se a expressão e atividade de enzimas do metabolismo antioxidante. O delineamento experimental foi o de parcela subdividida no tempo em blocos ao acaso, sendo os tratamentos das parcelas dois ciclos de cultivo (1ª e 2ª produção) e, na subparcela, os tratamentos foram 5 doses de nitrogênio N (15; 90; 150; 210 e 285 g planta-1) e 5 de potássio (24; 144; 240; 336 e 456 g planta-1), combinados conforme a matriz Pan Puebla III. Para o primeiro experimento, após a colheita, os frutos foram avaliados quanto a: atividade respiratória, características físicas, físico-químicas, sensoriais e propriedades funcionais, expressão e atividade enzimática. Doses elevadas de N proporcionam aumento do comprimento, massa, coloração, brilho, acidez, conteúdo de polifenóis e atividade antioxidante. As combinações de K e N influenciaram a atividade respiratória. A dose correspondente a 285 Kg ha-1, de nitrogênio associados a 24 Kg K2O ha-1, de potássio, foram obtidos os maiores valores da SS/AT. Níveis correspondentes a 210 kg ha-1 de Nitrogênio e 336 kg K2O ha-1 de Potássio e altas doses de K, proporcionam frutos com maior aceitação pelos painelistas, e maiores características de qualidade, sendo nestes aspectos a combinação que melhor adequou-se às condições de cultivo no Brejo Paraibano. Para a segundo experimento, doses mais elevadas de K reduziram a taxa respiratória de frutos de banana ‘Vitória’; bananas que receberam elevadas doses de K apresentaram conteúdos mais elevados de ácido ascórbico; banana ‘que receberam doses 210N/144K e 285N/336K, apresentaram maior expressão e atividade das enzimas do ácido ascórbico; banana ‘Vitória’ de plantas que receberam dose de 210N/456K foram os que foram mais aceitos na avaliação sensorial.
  • ANNIE MAIA BATISTA SANTOS
  • ÁCIDO SALICÍLICO COMO ATENUANTE DO ESTRESSE SALINO NA FISIOLOGIA E PRODUÇÃO DE MUDAS DO MAMOEIRO
  • Data: 31/08/2021
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • O mamoeiro (Carica papaya L.) é considerada uma cultura de grande importância socioeconômica no Brasil e no mundo. Somente na região Nordeste do Brasil, no ano de 2019, a produção foi de 54,9% da produção de mamoeiro do país. Contudo, as regiões áridas e semiáridas são caracterizadas por apresentarem excesso de sais na água. O objetivo da pesquisa foi avaliar a ação do ácido salicílico como atenuante dos efeitos do estresse salino na produção de mudas do mamoeiro O experimento foi conduzido na Universidade Federal da Paraíba, em Areia, Paraíba, Brasil. O delineamento experimental foi em blocos casualizados, com os tratamentos obtidos segundo a matriz experimental Composto Central de Box, referente a cinco condutividades elétricas da água de irrigação e cinco doses de ácido salicílico, com valores mínimo e máximos de 0,3 e 5,0 dSm-1 e 0,0 e 2,0 mmol L-1, com três repetições Foram avaliadas as plantas quanto ao desenvolvimento (altura, diâmetro do caule, área foliar e massas secas), trocas gasosas, fluorescência da clorofila e teores de clorofila. Houve interação dos fatores estudados para área foliar, diâmetro do caule De forma isolada constatou-se diferença significativa para as variáveis, altura, massa seca da parte aérea. Já para as variáveis fisiológicas houve interação dos fatores estudados para fluorescência inicial, relação Fv/Fm, transpiração e condutância estomática, dessa forma, ambos os fatores interferem de forma simultânea nas mudas de mamoeiro. De forma isolada, os índices de clorofilas a, b e total, fotossíntese líquida e fluorescência máxima foram influenciadas significativamente para os fatores citados, exceto fotossíntese líquida e fluorescência máxima que foram significativos apenas para condutividades elétricas das águas de irrigação. O estresse salino reduz todas as variáveis estudadas, referentes ao crescimento das mudas de mamoeiro. A alta condutividade elétrica nas mudas de mamoeiro promove efeitos negativos independente da aplicação do fitohormônio.
  • JOSUÉ JOSÉ DA SILVA
  • APLICAÇÃO DE ÓLEOS VEGETAIS NO CONTROLE AO ÁCARO DA NECROSE Aceria guerreronis KEIFER (ACARI: ERIOPHYIDAE) EM COQUEIR
  • Orientador : JACINTO DE LUNA BATISTA
  • Data: 30/08/2021
  • Hora: 14:30
  • Mostrar Resumo
  • O coqueiro (Cocos nucifera L) é uma planta de clima tropical, cultivado em cerca de 90 países, destacando-se o continente asiático, líder na produção e comercialização. No Brasil a Região Nordeste é a maior produtora de coco com 74,0% da produção nacional. A cultura é frequentemente infestada por insetos praga desde a fase de mudas até a fase de produção cuja importância depende da região de cultivo, das condições climáticas e do próprio manejo fitotécnico da cultura efetuado pelo produtor. No Estado da Paraíba, entre as pragas que causam prejuízos econômicos, destaca-se o ácaro-da-necrose, Aceria guerreronis (Acari: Eriophyidae). A severidade dos danos ocorrem nos períodos de florescimento e frutificação, afetando diretamente a produção devido a queda prematura de flores ede frutos no início de sua formação. Os primeiros sintomas do ataque são manchas branco-amareladas de formato triangular na epiderme do fruto próximo a bráctea, que em seguida torna-se esclerosadas e irreversíveis e a medida que cresce o fruto aumenta o seu tamanho. O método de controle mais utilizado é o químico realizado na maioria das vezes, pela aplicação de acaricidas não seletivos os quais atingem também a entomofauna benéfica como os insetos predadores e os polinizadores associados a cultura, além de poder apresentar resíduos destes produtos no fruto. Entre métodos adicionais ao químico, o uso de óleos vegetais vem se destacando como alternativa segura e ecologicamente correta no controle sustentável da praga. O trabalho de pesquisa foi realizado em área de produção de coco da variedade Anã-Verde-do-Jiqui, pertencente a Companhia Alimentícia do Vale, município de Lucena-PB, latitude 06°56’24.84” Se longitude 34°55’51.93” , no período de agosto de 2020 a janeiro de 2021. O modelo experimental usado foi o de blocos casualizados, constando de dez tratamentos, T0- Testemunha, T1, T2, T3 e T4,respectivamente,óleo de coco, de soja, de algodão e de laranja, T5- Fenpiroximato,T6, T7, T8 e T9; respectivamente, óleo de coco, de soja, de algodão e de laranja +Fenpiroximato. A comparação das médias dos tratamentos foi realizada pelo teste de Tukey a nível de 5% de probabilidade. Os óleos de coco, algodão, soja e o de laranja foram eficientes no controle e na redução do nível de dano no fruto causado pela ação do ácaro-da-necrose, sendo o óleo de coco o que demonstrou maior potencial para utilização no controle deste ácaro, quando combinado ao acaricida Fenpiroximato. Conclui-se com o estudo que os óleos de coco, algodão, soja e o de laranja são eficientes no controle e na redução do nível de dano no fruto(nível 1 e 2), causado pelo ácaro-da-necrose em comparação ao tratamento testemunha utilizado nesta pesquisa, podendo constituir-se como um componente a ser inserido no manejo integrado dessa praga na cultura do coqueiro.
  • PAULO HENRIQUE DE ALMEIDA CARTAXO
  • DIETAS ARTIFICIAIS PARA A CRIAÇÃO DE Ceratitis capitata (WIED. 1824) (DIPTERA: TEPHRITIDAE)
  • Data: 29/07/2021
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • Ceratitis capitata (Wied. 1824) (Diptera: Tephritidae) é um inseto polífago responsável por severos danos a fruticultura mundial. Estratégias de controle requerem estudos laboratoriais em que são demandadas grandes quantidades de indivíduos dessa praga, necessitando portanto, da implantação de criações massais. O sucesso dessas criações é dependente do uso de dietas artificiais, que representam um dos principais custos desse sistema. Nesse sentido, esse estudo objetivou avaliar a eficiência de diferentes dietas artificiais a base de alimentos regionais no desenvolvimento de C. capitata em laboratório. Ovos de C. capitata foram inoculados em dietas artificiais a base de batata-doce, cará, cenoura, jerimum e macaxeira, todos na versão crua e cozida, totalizando dez tratamentos, sendo a cenoura crua o tratamento controle. Avaliaram-se variáveis relacionadas as características biométricas e biológicas de C. capitata, como viabilidade larval e pupal, fecundidade, fertilidade e razão sexual, além do tempos de pré-oviposição, oviposição e de vida dos adultos. Resultados promissores foram obtidos com o uso de dietas artificias a base de alimentos regionais, como batata-doce e jerimum, em que observou-se maior peso e tamanho de pupas, boa fecundidade e fertilidade, insetos com maior tempo de oviposição e maior longevidade, cujos resultados foram semelhantes ou superiores aos obtidos com a dieta a base de cenoura crua. Em contraste, a dieta a base de macaxeira crua não permitiu a eclosão das larvas. Resultados insatisfatórios também foram obtidos com as dietas a base de cará, tanto cru como cozido, o que inviabiliza sua recomendação para utilização em dietas artificiais para esse inseto. As dietas artificiais derivadas de jerimum e batata-doce, crus ou cozidos, se mostram eficientes como substitutos da cenoura em dietas artificiais de C. capitata.
  • DANIELA DUARTE BARBOSA
  • PIRUVATO E SUPERÓXIDO DESMUTASE COMO ATENUADORES DO ESTRESSE HÍDRICO NO CRESCIMENTO INICIAL DO AMENDOIM
  • Data: 21/07/2021
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • A deficiência hídrica é um dos fatores mais limitantes no desenvolvimento das plantas. Os distúrbios desencadeados durante o estresse hídrico envolvem, especialmente, redução do crescimento, devido a queda na fotossíntese em consequência da perda de água na célula, além de danos oxidativos em consequência da produção excessiva de ROS que levam a peroxidação lipídica, degradação de proteínas e morte celular. Para evitar tais danos, as plantas desengatilham diversos mecanismos de resposta, equilibrando o desbalanço das trocas gasosas de modo a favorecer o ajustamento osmótico. Vários metabolitos secundários se alinham no processo de defesa, alguns dos quais têm papel chave na facilitação dos precursores na cascata de eventos de detoxicação, como o piruvato e a superóxido dismutase (SOD). O piruvato, substrato do Ciclo do Ácido Tricarboxílico, constitui a segunda etapa da respiração e acontece na matriz mitocondrial, fornecendo ATP e NADH às células. Quando as células se encontram em estresse, as proteínas carreadoras de piruvato (MPCs) transportam o piruvato para as mitocôndrias, auxiliando a sinalização via ABA para ativar os movimentos estomáticos, minimizando a perda de água. A SOD é a enzima precursora do processo de detoxicação celular, atuando na eliminação das espécies reativas de oxigênio (EROs), por meio da dismutação de radicais superóxidos, favorecendo a neutralização de espécies reativas e restabelecimento do equilíbrio celular. Em plantas tolerantes a seca a atividade da SOD é elevada de modo a favorecer a ação das demais enzimas que a precedem no complexo antioxidativo. Contudo, nas plantas sensíveis a atividade da SOD é mais lenta e, portanto, os danos celulares são maiores levando a consequências imprevisíveis durante o manejo. Como a tolerância ao estresse hídrico é governada por fatores genéticos, a adoção de cultivares sensíveis fica restrita a ambientes favoráveis, onde a produção pode ser garantida. Não se sabe se a suplementação de metabolitos por via exógena pode mitigar o efeito do estresse hídrico em plantas sensíveis. Para testar essa hipótese, desenvolveu-se o presente trabalho que teve por objetivo investigar a atuação de dois metabolitos fisiológico e bioquímico, o piruvato e SOD, na atenuação dos efeitos do déficit hídrico em plantas de amendoim (Arachis hypogaea L.) submetidos a onze dias de estresse hídrico. As cultivares selecionadas foram BR 1 (subesp. fastigiata) e IAC Caiapó (subesp. hypogaea), tolerante e sensível a seca, respectivamente. A aplicação exógena desses metabolitos em diferentes concentrações foi testada em plantas jovens (fase V1) e avaliadas quanto ao crescimento, trocas gasosas, ajustamento osmótico e enzimas do complexo antioxidativo. Nos estudos com o piruvato, testados nas concentrações de 100 µM e 50 mM, verificou-se que o déficit hídrico afetou o crescimento e as funções fisiológicas das duas cultivares, porém teve ação mitigadora na sensível IAC Caiapó, a 50 mM, especialmente na recuperação da fotossíntese, condutância estomática e conteúdo relativo de água, onde as perdas foram menores, comparando com as plantas do tratamento estressado. Essa situação favoreceu o acumulo de prolina, numa concentração menor (100 µM), que foi beneficiada pela quantidade de água disponível na célula (RWC), auxiliando no ajustamento osmótico. Com relação as enzimas antioxidativas, não foi vista contribuição do piruvato nessa cultivar, de modo a evitar possíveis danos celulares decorrentes do estresse hídrico. Tal resposta deve estar possivelmente associada ao reduzido nível de danos, representados pelos inputs de SOD, CAT e APX visto nas plantas estressadas nesse trabalho. Nos estudos com a SOD exógena, testada nas concentrações de 2.5, 5.0 e 7.5 U, foi observado que o aporte da enzima promoveu benefícios em ambas cultivares, de modo diferenciado. Na BR 1, a aplicação de SOD (7,5 U) contribuiu para recuperação da taxa de fotossíntese em mais de 9%, sendo consequência da elevação do carbono interno que na menor concentração (2.5U) foi suficiente para elevar a taxa em 13%, com relação ao tratamento estressado. A maquinaria das enzimas antioxidativas foi mais atuante nas concentrações a partir de 5 U, de modo que ao final do processo de neutralização de H2O2 e O2, o status das plantas praticamente voltaram a normalidade das plantas controle. Na IAC Caiapó, o benefício da SOD exógena foi mais expressivo, registrado na recuperação das trocas gasosas e RWC em baixa concentração (2.5 U), que foi suficiente para assegurar a recuperação das plantas sob estresse. IAC Caiapó, contudo, por ser sensível a seca, demostrou que a atividade enzimática, para recuperação do processo antioxidativo foi mais lenta, mesmo com aporte de 5 U da SOD, baseando-se nas médias do tratamento estressado. Os resultados apresentados nesses trabalhos são relevantes porque demonstram o potencial atenuador do piruvato e SOD exógenos na fisiologia e bioquímica de plantas sob estresse, especialmente as sensíveis ao déficit hídrico. Como o trabalho envolveu duas cultivares contrastantes na fase inicial de crescimento, recomenda-se o aprofundamento desse estudo com outros acessos, em diferentes fases fenológicas a fim de agregar mais conhecimentos sobre os benefícios desses compostos na mitigação dos efeitos deletérios do estresse hídrico.
  • JOSEVAN DE ANDRADE SILVA
  • TEORES FOLIARES DE NUTRIENTES NO MARACUJAZEIRO-AMARELO EM FUNÇÃO DA DENSIDADE POPULACIONAL E DE DOSES DE N E P
  • Orientador : WALTER ESFRAIN PEREIRA
  • Data: 02/07/2021
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • O maracujazeiro amarelo (Passiflora edulis.), fruteira tropical, encontra no território brasileiro condições edafoclimáticas adequadas para o cultivo. Porém, a produtividade apresentada está abaixo do potencial da cultura. inúmeros fatores podem ser elencados para justificar o baixo rendimento, tais como o manejo inadequado da adubação, irrigação e tratos culturais. Uma perspectiva que pode melhorar, com resultados promissores, é o adensamento do cultivo pelo aumento do número de plantas por cova. Sendo essencial estudar, nesse sistema de cultivo, o manejo da adubação. Neste experimento objetivou-se, determinar os teores nutricionais do maracujazeiro amarelo, em função da densidade de plantas por cova e as doses de nitrogênio e fósforo. através da combinação de cinco doses de nitrogênio (100, 144, 250, 356 e 400 kg N ha-1) e de fósforo (20, 75, 210, 285 e 400 kg P2O5 ha-1), conforme o esquema 22 + 2 x 2 + 1, combinados com uma e duas plantas por cova. Os tratamentos foram distribuídos no delineamento de blocos casualizados, com três repetições e três plantas por unidade experimental. O nitrogênio a partir de 350 kg ha inibe a absorção de macro e micronutrientes como fosforo, cálcio, magnésio, manganês e boro. Em contrapartida favorece o acúmulo de cobre, ferro e zinco. O fosforo em 400 kg há promove maior acumulo de nutrientes como potássio, enxofre, cálcio, manganês e boro. O uso de duas plantas/; por cova favorece o acúmulo de fosforo, potássio, cálcio, magnésio e boro, enquanto que com uma planta por cova foram, nitrogênio, zinco e cobre.
  • LUIZ EDUARDO SOUZA MUNIZ
  • Crescimento do sistema radicular da Nopalea cochenillifera Salm-Dyck, variedade miúda, em função da adubação fosfatada
  • Data: 21/06/2021
  • Hora: 14:30
  • Mostrar Resumo
  • A palma forrageira apresenta-se como alternativa estratégica para o semiárido do Nordeste brasileiro, principalmente nos períodos secos do ano. O conhecimento da distribuição do sistema radicular desta cultura permitirá um melhor entendimento do manejo que poderá ser propiciado à palma. Dessa forma, objetivou-se estudar a distribuição do sistema radicular da palma forrageira (Nopalea cochenillifera), variedade miúda, submetida a adubação fosfatada. O trabalho foi conduzido na Estação Experimental Ignácio Salcedo, no Instituto Nacional do Semiárido – INSA, em Campina Grande-PB, em um Planossolo Háplico, em esquema fatorial 4 x 4 (quatro doses de superfosfato simples: D1 = 0,0 g; D2 = 662,5 g; D3 = 825 g; D4 = 1000 g em cada linha do plantio, e quatro profundidades de coleta de solo: P1 = 0 – 5 cm; P2 = 5 – 10 cm; P3 = 10 – 15 cm; P4 = 15 – 20 cm), ao acaso, com quatro repetições. A coleta do solo foi realizada na linha e entrelinha do plantio. Foram avaliados o comprimento e a densidade de raízes. Para a determinação do comprimento de raízes, utilizou-se o método de Tennant. A análise dos dados permite concluir que, o sistema radicular da palma forrageira miúda representado pelo comprimento e a densidade de raízes concentra-se (> 80 %) nos primeiros 10 cm do solo; a adubação fosfatada não interferiu na distribuição do sistema radicular da palma forrageira miúda, tanto na linha como na entrelinha de plantio, bem como em profundidade e, não se recomenda fazer capinas nesta cultura e, sim, a ceifa do mato.
  • PEDRO LIMA FILHO
  • Trocas Gasosas, produção e qualidade do melão amarelo (Cucumis melo L.) cultivar Gladial, em função das lâminas de água e doses de silício
  • Data: 31/05/2021
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • O meloeiro (Cucumis melo L.) pertence à família das Curcubitáceas e tem encontrado na região Nordeste condições climáticas favoráveis para seu cultivo durante praticamente todo ano, tendo os estados do Ceará e Rio Grande do Norte como os maiores produtores nacionais da fruta. Desta forma, a ampliação da demanda de frutos nos mercados nacional e internacional torna necessário o aprimoramento de técnicas de produção capazes de otimizar a utilização de insumos e água para obtenção de frutos que atendam a qualidade exigida pelos consumidores. Em decorrência das mudanças climáticas, o nível de pluviosidade nas regiões produtoras tem diminuído e a temperatura média tende a eleva-se, o que demanda a busca de alternativas para minimizar os efeitos do estresse biótico e abiótico. Como alternativa, o silício vem sendo testado em várias culturas visando à redução dos efeitos negativo, como o estresse hídrico. Diante do exposto, objetivou-se com este estudo avaliar os efeitos fisiológicos, de crescimento e a qualidade do melão amarelo cultivar Gladial, cultivado sob lâminas de irrigação e doses de silício. Para tanto, foi conduzido um ensaio em campo, onde se utilizou delineamento em blocos casualizados com três repetições, em que os tratamentos foram dispostos em parcela subdividida, em que nas parcelas estão dispostas as lâminas de irrigação (55-75-85-100% da ETc) e nas subparcelas as doses de silício (0; 100; 200, e 300 kg/ha-1). Cada parcela experimental está representada por uma área de 9,60 m² formada por três linhas de plantio espaçadas dois metros, onde cada linha de plantio foi composta por 8 plantas espaçadas em 30 cm e considerou-se como parcela útil, as quatro plantas da fileira central. A cultivar Gladial foi utilizada, sendo do tipo amarelo. Os resultados evidenciam que a lâmina de irrigação de 100% da ETc proporcionou melhor troca gasosa e crescimento das plantas. Desta forma, conclui-se que as doses de silício utilizadas não amenizam o estresse hídrico e possibilitam a recomendação da redução da lâmina de irrigação. A aplicação de silício promoveu a disponibilidade e um aumento nos teores de N, P, K, Ca, e Mg nas plantas de melão. A dose de 300kg/ha de silício utilizada proporcionou um incremento na espessura da polpa, resistência do fruto, resistência da polpa e massa seca total do meloeiro.
  • GLEYSE LOPES FERNANDES DE SOUZA
  • Salinidade hídrica, fontes orgânicas e cálcio no crescimento, componentes produtivos, fisiologia e pós-colheita do maracujazeiro amarelo
  • Data: 31/05/2021
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • O experimento foi conduzido no município de Remígio, Paraíba, Brasil. Solo da área experimental é um Neossolo Regolítico eutrófico. Com o objetivo de avaliar fontes orgânicas e cálcio como mitigadores da salinidade da água de irrigação nos aspectos de crescimento, componentes produtivos, fisiologia e pós-colheita do maracujazeiro amarelo. Os tratamentos foram organizados em parcela subdividida no esquema fatorial 2 x (2 x 2), relativo à condutividade elétrica da água de irrigação (0,3 e 4,5 dS m-1), parcela principal, e as subparcelas às combinações entre matéria orgânica (esterco bovino e resíduo de sisal – Agave sisalana) e adubação calcítica (sem e 120 kg ha-1 de cálcio). Os resultados referentes ao crescimento e componentes produtivos encontram-se no capitulo I (Salinidade hídrica, fontes orgânicas e cálcio no crescimento e componentes produtivos do maracujazeiro amarelo), p. 1 -36; os aspectos fisiológicos no capitulo II (Salinidade hídrica, fontes orgânicas e cálcio na fisiologia do maracujazeiro amarelo), p. 37 - 78 , e pós-colheita dos frutos no capitulo III (Crescimento e qualidade do maracujá amarelo de cultivo irrigado com água salina, fontes orgânicas e cálcio), p. 79 - 112.
  • MARIA ALAINE DA CUNHA LIMA
  • APLICAÇÃO DA TÉCNICA “BOCAJ” NA RESTAURAÇÃO DE ÁREA DEGRADADA EM FLORESTA TROPICAL SECA
  • Data: 28/05/2021
  • Hora: 16:00
  • Mostrar Resumo
  • A exploração intensiva dos recursos naturais e o super pastoreio, em área de caatinga tem contribuído para alteração da dinâmica natural ocasionando a degradação ambiental. E devido isso, estratégias que busquem diminuir e reverter esse cenário vêm sendo desenvolvida. Este estudo teve como objetivo avaliar a potencialidade da técnica nucleadora “bocaj” na restauração de área de caatinga no Seridó da Paraíba. A pesquisa foi conduzida na Fazenda Experimental Cachoeira de São Porfirio, localizada em Santa Luzia – PB, entre fevereiro/2020 e março/2021. O delineamento adotado foi em blocos casualizados, com quatro repetições e cinco tratamentos, representados pelo banco de sementes de quatro espécies arbóreas: catingueira (Cenostigma pyramidalis), mofumbo (Combretum leprosum), jurema preta (Mimosa tenuiflora), umburana (Commiphora leptophloeos) e a mistura entre o banco de sementes dessas espécies, retirado embaixo da copa destas plantas e distribuído em covas com diferentes profundidades (10 e 20 cm). Verificou-se, mensalmente, a pluviosidade, a temperatura do solo, o conteúdo de água; o surgimento de plantas por covas e as variáveis altura, diâmetro e número de folha das espécies que surgiram onde foi aplicada a técnica. Os dados foram submetidos à análise de variância pelo teste F e quando significativos foram avaliados os efeitos do desdobramento dos tratamentos em função dos meses de avaliação e efeito do desdobramento em função dos tratamentos e profundidades. A espécie faveleira (Cnidoscolus quercifolius) foi a mais frequente, surgindo em todos os tratamentos avaliados. O banco de semente oriundo da catingueira diferiu estatisticamente para as variáveis estudadas em função dos meses de avaliação. Concluiu-se que o banco de sementes oriundo da copa de catingueira mostrou-se mais eficiente, proporcionando maior desenvolvimento e enriquecimento vegetal na área de estudo, possivelmente em função da grande quantidade de matéria orgânica que produz face a queda contínua de folíolos durante o seu crescimento; é necessário se dar maior ênfase a estudos com a faveleira, principalmente no que tange a dispersão, germinação e armazenamento de sementes, pois esta espécie demonstrou apresentar maior viabilidade para crescer e se estabelecer em condições de semiaridez e, a técnica de nucleação bocaj mostrou ser uma metodologia viável e eficaz na restauração de área degradada, servindo como uma ferramenta importante no combate à desertificação no semiárido.
  • FRANCISCA HORTÊNCIA COURAS DIAS
  • INDUÇÃO DE RESISTÊNCIA À Fusarium sp. EM FEIJÃO GUANDU
  • Data: 28/05/2021
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • O feijão guandu (Cajanus cajan) é uma leguminosa utilizado como cobertura morta, no intuito de reter mais umidade em áreas com baixa precipitação, para a adubação verde e na alimentação humana e animal. Estudos relatam presença de fungos associados ás sementes de guandu, como Aspergillus niger, Aspergillus flavus, Cladosporium sp., Fusarium oxysporum, Fusarium udum, Fusarium verticilloides, Penicillium sp., Curvularia lunata, sendo a murcha do Fusarium a doença mais destrutiva da cultura. Entre os métodos de controle de patógenos em sementes, a indução de resistência em plantas vem sendo estudada como uma alternativa ao uso de agentes químicos com resultados promissores. Esse trabalho teve como objetivo determinar o efeito de elicitores de resistência a incidência de patógenos em sementes e em plantas de feijão guandu, bem como no poder fungicida/fungistático do elicitor in vitro sobre Fusarium sp.. Os experimentos foram conduzidos nos Laboratórios de Fitopatologia e em casa de vegetação do Centro de Ciências Agrárias, UFPB. Para os experimentos dos dois capítulos foram utilizados os mesmos tratamentos: T0 = Testemunha, T1 = Fungicida, T2 = AgroMos®, T3 = Liqui-Plex® Bonder, T4 = Liqui-Plex® CaMg+B, T5 = Liqui-Plex® Fast, T6 = Folha Top® Aminoagro, T7 = Master Potássio®, T8 = Master RR Ultra ® e T9 = Viusid® Agro. Foram realizados os testes de sanidade, germinação e emergência. De acordo com os resultados obtidos, os elicitores utilizados são eficientes na redução de incidência de A.niger e Cladosporium sp. em sementes de feijão guandu. Os tratamentos T7, T8 e T9 se destacam com os melhores resultados nas variáveis fisiológicas analisadas. No segundo experimento, verificouVerificou-se o potencial dos elicitores no controle in vitro de Fusarium sp. Isolado de sementes de feijão guandu, adicionando-se os tratamentos em meio de cultura BDA, vertidos em placas de Petri, adicionado-se um disco de 5 mm de diâmetro da colônia fúngica pura no centro de cada placa. O controle in vivo foi realizado em casa de vegetação, onde avaliaram-se a incidência do Fusarium sp., trocas gasosas e a atividade das enzimas peroxidase (POD), polifenoloxidase (PPO) e fenilalanina amônia liase (FAL) em plantas de feijão guandu, 38 dias após a semeadura. De acordo com os resultados, os tratamentos T2, T5, T6 e T8 são eficientes no controle do crescimento micelial no teste in vitro. Os tratamentos T3, T8 e T9 são eficientes no controle da esporulação de Fusarium sp.. Os tratamentos T3, T5, T6, T7, T8 e T9 reduzem a incidência de Fusarium sp. em plantas de feijão guandu. Os tratamentos com os elicitores utilizados não interferem nas trocas gasosas em plantas de guandu. Apenas o tratamento T4 induz a produção de enzimas peroxidase, polifenoloxidase e fenilalanina amônia liase em plantas de feijão guandu.
  • KHYSON GOMES ABREU
  • SELETIVIDADE DE EXTRATOS VEGETAIS UTILIZADOS NO CONTROLE DE Spodoptera frugiperda (Smith, 1797) (Lepidoptera: Noctuidae) SOBRE O PREDADOR Marava arachidis (Yersin,1860) (Dermaptera: Labiidae)
  • Data: 26/05/2021
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • Entre os insetos-praga com mais importância na cultura do milho, destaca-se a lagarta-do-cartucho Spodoptera frugiperda (Smith, 1797) (Lepidoptera: Noctuidae). O uso de inseticidas químicos é fortemente utilizado em seu controle, com o intuito de minimizar esta alternativa, o uso de plantas com atividades biológicas diversas está sendo utilizado adotado com frequência em virtude de suas atividades bioinseticidas, por serem menos nocivas ao homem e ambiente. Contudo, torna-se necessária a busca por plantas seletivas para a manutenção das populações de insetos predadores em áreas agrícolas. A espécie Marava arachidis (Yersin, 1860) (Dermaptera: Labiidae) possui um comportamento generalista, e por ter hábito alimentar diversificado, demonstra ser um predador de grande potencial a ser utilizado em programas de controle biológico. Sendo assim, considerando-se que o uso de extratos vegetais no controle de insetos-praga vem se tornando uma alternativa aos inseticidas químicos, e o estudo de extratos sobre os controladores naturais não são analisados, o objetivo desta pesquisa é avaliar a seletividade de extratos vegetais alcoólicos e aquosos de diversas plantas com atividade bioinseticida sobre a Marava arachidis (Yersin,1860). A pesquisa foi conduzida no Laboratório de Invertebrados, localizado no Departamento de Biociências do Centro de Ciências Agrárias da Universidade Federal da Paraíba (CCA-UFPB). Para verificar o efeito de contato e ingestão dos extratos vegetais, foram aplicados e ofertados a ninfas e adultos de M. arachidis, sendo utilizados as seguintes plantas: sisal, juazeiro, marmeleiro, capim santo, mastruz, hortelã, arruda, cinamomo, nim e flor de seda, sendo utilizadas na concentração a 10%. Por via tópica e ingestão, os extratos alcoólicos utilizados de sisal, juazeiro, marmeleiro, capim santo, mastruz, hortelã e flor de seda são seletivos, enquanto arruda, cinamomo e nim são altamente tóxicos por contato e levemente nocivos por ingestão. Os extratos aquosos utilizados de sisal, juazeiro, marmeleiro, capim santo, mastruz, hortelã e flor de seda são seletivos pela via de entrada tópica e de ingestão sendo inócuos à Marava arachidis. Arruda, cinamomo e nim são levemente nocivos a esse predador pela via de entrada tópica e por ingestão de ovos tratados de Spodoptera frugiperda.
  • ADRIANO SALVIANO LOPES
  • CRESCIMENTO E FISIOLOGIA DE PLANTAS DE RABANETE (Raphanus sativus L.) SOB USO E REUSO DE SUBSTRATO FERTILIZADO COM NITROGÊNIO
  • Data: 26/05/2021
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • Um dos principais problemas que afetam a produção comercial do rabanete é a nutrição mineral inadequada, sendo o nitrogênio um dos nutrientes requeridos em maior quantidade pela cultura, assim, é necessário realizar estudos sobre fontes e doses de nitrogênio para entender o desenvolvimento da cultura sob estas condições, já que para alcançar alta produtividade é necessário que seu estado nutricional esteja adequado. O uso de resíduos com intuito de suprir as necessidades das culturas vem aumentando nos sistemas de produções agrícolas, porém, ainda poucos elucidados. Neste sentido, o presente estudo teve como objetivo avaliar crescimento, fisiologia e produtividade de Raphanus sativus sob uso e reuso de substrato fertilizado com fontes e doses de nitrogênio. Os experimentos foram realizados no Centro de Ciências Humanas, Sociais e Agrárias da Universidade Federal da Paraíba. No primeiro ciclo adotou-se um delineamento experimental em blocos casualizados com esquema fatorial 3 x 5 (3 fontes de nitrogênio – ureia, sulfato de amônio e fosfato monoamônico; e 5 doses de nitrogênio – 0, 15, 30, 45 e 60 kg ha–1) com três blocos compostos por três plantas por bloco, no segundo ciclo experimental foi utilizado o resíduo do substrato fertilizado com as fontes e doses de N do ciclo anterior. As variáveis de crescimento, fisiológicas e produtividade foram avaliadas. Plantas de rabanete sob adubação com a fonte fosfato monoamônico na dose de 30 kg ha–1 é considerada adequada para o cultivo do rabanete. O crescimento de plantas de rabanete foi influenciado positivamente pelas fontes e doses de N. As variáveis fisiológicas tiveram alta relação com o uso das fontes e doses de N. Houve correlação positiva para as variáveis massa fresca e seca da folha, massa seca e fresca da raiz tuberosa, altura de plantas, comprimento da raiz tuberosa, trocas gasosas, índice de clorofila e fluorescência de clorofila de plantas de rabanete (Raphanus sativus L.). A reutilização do substrato fertilizado com sulfato de amônio e fosfato monoamônico é uma boa opção no cultivo do rabanete.
  • MARIANNE COSTA DE AZEVEDO
  • DESENVOLVIMENTO E PRODUTIVIDADE DO MILHO (Zea mays L.) EM RESPOSTA AO USO DE PLANTAS DE COBERTURA MORTA NO BREJO PARAIBANO
  • Data: 07/05/2021
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • Apesar da importância do milho para o estado da Paraíba, o estado apresenta baixa produtividade desse grão, devido fatores ambientais e tecnológicos. O uso das plantas de cobertura podem resultar no aumento da produtividade das culturas devido aos benéficos que esse manejo traz ao solo e a cultura principal. Objetivou-se avaliar os efeitos da utilização de plantas de cobertura nas características agronômicas, nos componentes de rendimento e na produtividade do milho. O experimento realizado na cidade de Areia – PB durante dois anos. Inicialmente foram cultivadas as plantas de cobertura (Crotalária spectabilis; Crotalária juncea; Feijão Guandu (Cajanus cajan) Milheto (Pennisetum glaucum (L.) R. Br.), mais a testemunha) as mesmas foram cortadas quando atingiram o florescimento, e logo após foi realizado o plantio de três genótipos de milho (AG-1051, Robusta e um genótipo crioulo). O experimento foi em parcelas subdivididas com quatro repetições, totalizando 72 parcelas. Foi avaliado a massa verde e seca das plantas de cobertura, o diâmetro de colmo, número de folhas e altura de plantas do milho e os componentes de rendimento e produtividade do milho. O milheto e a C. juncea foram as plantas de cobertura com maior produção de matéria seca. A falta de cobertura morta no solo resulta em plantas de milho com menor diâmetro de colmo e menor produtividade. O milho robusta apresentou menor altura de plantas. As plantas de cobertura não afetaram o diâmetro de espigas, número de fileiras por espiga e o peso de mil grãos do milho. A palhada da C. juncea e C. spectabilis favoreceram o aumento no peso das espigas de milho. A maior produtividade de milho é alcançada quando se cultiva o AG-1051 na palhada da Crotalária juncea.
  • ANA BEATRIZ TORRES MELO DE FREITAS
  • AVALIAÇÃO DE GENÓTIPOS DE CANA-DE-AÇÚCAR ORIUNDOS DE MICROPROPAGAÇÃO NO BREJO PARAIBANO
  • Orientador : FABIO MIELEZRSKI
  • Data: 30/04/2021
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • A demanda da cana-de-açúcar no Brasil é muito alta e uma maior disponibilidade dessa matéria prima se faz necessário. É possível elevar a oferta aumentando os índices de produtividade da cultura. Para tal, um dos principais trunfos é a utilização de genótipos mais adaptados ao ambiente. O objetivo desse trabalho foi avaliar nove genótipos de cana-de-açúcar no Brejo paraibano, analisando o desempenho fisiológico e agronômico. O experimento foi conduzido no município de Areia – PB. O delineamento utilizado foi o de blocos casualizados (DBC) e foram utilizadas nove variedades de cana-de-açúcar oriundas de micropropagação CTC 15, CTC 9004, CTC 9005, RB 015935, RB 965902, RB 975201, RB 975242, RB 935744, RB 867515 em 4 blocos com 9 parcelas de 15 m² cada. Para as análises fisiológicas foi utilizado um analisador de gás infravermelho- IRGA e as variáveis foram taxa de fotossíntese líquida (A), concentração de carbono interno (Ci), condutância estomática (gs), transpiração (E), eficiência instantânea do uso de água (EUA) e eficiência instantânea de carboxilação (EiCi). Para os parâmetros agronômicos foi mensurado altura média de colmos (AC), diâmetro médio de colmos (D), úmero de entrenós (NE), toneladas de cana por hectare (TCH) e sólidos solúveis (SS). Todos os dados foram submetidos à análise de variância e a comparação das médias foi feita pelo teste de Scott-Knott, (p ≤ 0,05) para verificar a significância. A variedade CTC 15 exibiu a melhor média de condutância estomática (gs) e a variedade CTC 9004 apresentou o melhor valor de produtividade (TCH), seguida da variedade RB 975242. Para a variável altura de colmo, as variedades RB 975201, RB 867515 RB 975242 e RB 935744 apresentaram maiores alturas na região do Brejo. Para condutância estomática a variedade CTC 15 apresenta melhor resultado. As variedades CTC 9004, CTC 15, CTC 9005, RB 015935, RB 975942 apresentam boa resposta produtiva no Brejo paraibano para cana planta.
  • JOSÉ MANOEL FERREIRA DE LIMA CRUZ
  • MURCHA DE FUSÁRIO DO CAUPI: CARACTERIZAÇÃO DO PATÓGENO E POTENCIAL DE Trichoderma spp. NO MANEJO
  • Data: 26/04/2021
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • Fungos do gênero Fusarium spp. são habitantes do solo amplamente distribuídos e que causam doenças em várias culturas economicamente importantes. Dentre essas culturas, destaca-se o o feijão-caupi (Vigna unguiculata L.). Na busca de alternativas para redução do uso de fungicidas sintéticos sobre sementes e grãos, fungos como Trichoderma spp. Que predominam na rizosfera de diferentes espécies vegetais, apresentam potencial de controle para fitopatógenos e auxiliam na promoção do crescimento vegetal. Objetivou-se realizar a caracterização morfológica e patogênica de Fusarium sp., selecionar estirpes de Trichoderma sp. com potencial na solubilização de fosfato, síntese de ácido indol-3-acético e promoção de crescimento, bem como avaliar o antagonismo entre Fusarium sp. x Trichoderma sp.. A pesquisa foi conduzida no Laboratório de Fitopatologia pertencente a Universidade Federal da Paraíba. Foram isoladas 250 estirpes de Trichoderma e Fusarium e selecionados 50 isolados de cada gênero com base suas características morfológicas para realização dos testes propostos. As estirpes de Fusarium sp. foram isoladas de sementes infectadas e de Trichoderma sp. de amostras de solo do Parque Estadual Mata do Pau Ferro, Areia -PB. O isolado mais agressivo do patógeno foi confrontado in vivo e in vitro com dez isolados do antagonista com potencial biocontrolador. Observou-se que os isolados de Fusarium sp. apresentaram uma ampla variabilidade morfológica, principalmente com relação a pigmentação da colônia, índice de velocidade de crescimento micelial e características micromorfológicas. Em relação a caracterização patogênica, 80% foram patogênicos à cultura do feijão-caupi., com hipótese que provavelmente possui mais de uma espécie de Fusarium ocasionando a murcha-de-fusário em feijão-caupi. Os isolados de Trichoderma spp. apresentaram diferenças morfológicas em relação a pigmentação, índice de velocidade de crescimento micelial e produção de conídios, além de diferentes níveis na solubilização de fosfatos e síntese de ácido indol-3-acético, onde apresentaram promoção de crescimento inicial com capacidade de colonizar as raízes de feijão-caupi. Os isolados de Trichoderma spp. testados no controle de Fusarium spp. apresentaram produção de metabólitos voláteis, não voláteis, micoparasitismo e inibição na germinação de conídios, sendo eficientes na redução da incidência e severidade, além de promover incremento nos processos fotossintéticos e na integridade da membrana plasmática vegetal.
  • TAYRON RAYAN SOBRINHO COSTA
  • RESPOSTA FISIOLÓGICA E ÍNDICES DE VEGETAÇÃO FOTOGRAMÉTRICOS DO MILHO CULTIVADO EM SUCESSÃO DE DIFERENTES COBERTURAS VEGETAIS
  • Orientador : FABIO MIELEZRSKI
  • Data: 26/04/2021
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • O milho (Zea mays L.) é uma planta da família Poaceae (gramíneas). E é uma das culturas de maior importância mundial, sendo no Brasil a segunda cultura mais cultivada. Em regiões de baixa renda, o milho representa um fator importante na alimentação humana, tanto pelos seus derivados, como in natura. Em muitas situações, este grão constitui a ração diária da base alimentícia. Para minimizar o efeito da seca, a adoção de plantas de cobertura, pode trazer benefícios como redução de plantas espontâneas e melhoria da fertilidade do solo. Buscando ter um melhor controle e eficiência do cultivo nas regiões semiáridas brasileiras, o uso de avaliações como parâmetros fisiológicos e dados provenientes de sensoriamento remoto em conjunto com sistemas de informações geográficas (SIG) estão sendo amplamente usados. O presente trabalho têm por objetivo verificar a resposta dos genótipos de milho em plantio direto comas espécies de cobertura vegetal segundo os parâmetros avaliados. A pesquisa foi realizada na Fazenda Experimental Chã-de-Jardim, pertencente ao Centro de Ciências Agrárias da Universidade Federal da Paraíba, no município de Areia-PB, nos anos agrícolas de 2018/2019 e 2019/2020. O delineamento utilizado foi de blocos casualizados (DBC), com quatro repetições, no esquema de parcelas subdividas 3x6, sendo 3 [(Cultivar Robusto, pontinha e AG 1051) x 6 (5 plantas de cobertura – (Brachiaria ruziziensis, Milheto (Pennisetum glaucum (L.)), Feijão Guandu (Cajanus cajan), Crotalária espectabilis e Crotalária juncea mais a testemunha)], totalizando 18 tratamentos, em uma área experimental de 972 m2. Foram avaliados parâmetros fisiológicos como taxa de fotossíntese, concentração interna de CO2, transpiração, condutância estomática, eficiência instantânea no uso da água e a eficiência instantânea de carboxilação, e indices vegetais como Visible Atmospherically Resistant Index, Redness Index, Normalized green-Red Difference Index, Ground Level Image Analysis, Excess Red-Green, Excess Red Vegetative Index, Excess Green Index e o Color Index of Vegetation Extraction. Nas condições deste estudo, a cultivar Robusta apresentou melhores resultados para Taxa de fotossíntese, transpiração, condutância estomática, eficiência instantânea no uso da água e a eficiência instantânea de carboxilação, já as plantas de cobertura não apresentaram diferença estatística para a maioria das variáveis fisiológicas estudadas. Para observar diferenças entre os genótipos, é indicado o uso do índice Excess Red Vegetative Index. Já Para observar diferenças do efeito das plantas de cobertura no milho, indica-se o Normalized green-Red Difference Index para essa finalidade.
  • JOYCE NAIARA DA SILVA
  • CARACTERÍZAÇÃO FÍSICA, FISIOLÓGICA E DIVERSIDADE GENÉTICA DE FRUTOS E SEMENTES DE Hymenaea sp.
  • Data: 17/03/2021
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • O aumento na demanda de mudas de espécies florestais para arborização urbana, recuperação de áreas degradadas e sistemas agroflorestais tem exigido conhecimentos da variabilidade genética, qualidade física e fisiológica das sementes de diferentes plantas matrizes, visto que sementes mais vigorosas originarão mudas de melhor qualidade. Diante disso, neste trabalho objetivou-se avaliar a variabilidade genética, as características físicas de frutos e sementes, bem como a qualidade fisiológica de sementes de diferentes plantas matrizes de Hymenaea sp. A pesquisa foi desenvolvida no Laboratório de Análise de Sementes do Departamento de Fitotecnia e Ciências Ambientais, do Centro de Ciências Agrárias, da Universidade Federal da Paraíba. Na pesquisa foram utilizadas 53 plantas matrizes, localizadas na cidade de Areia-PB, cujas análises físicas foram: comprimento, largura, espessura e peso dos frutos e das sementes, bem como o número de sementes por frutos. As avaliações fisiológicas foram: primeira contagem de emergência, porcentagem de emergência, índice de velocidade e tempo médio de emergência, porcentagem de plântulas anormais, comprimento e massa seca da parte aérea e do sistema radicular. Os dados biométricos foram analisados por meio de estatísticas univariadas, que compreenderam medidas de posição (valores mínimos e máximos, e média) e de dispersão (coeficientes de variação, de assimetria e de curtose), enquanto para a qualidade fisiológica o delineamento experimental utilizado foi o inteiramente ao acaso. O comprimento, largura, espessura e peso dos frutos variaram de 55,20 a 158,13 mm, 32,86 a 74,73 mm, 24,88 a 67,84 mm e 24,03 a 149,64 g, respectivamente. O número de sementes por fruto foi de 1 a 11, enquanto para as sementes a variação foi de 17,67 a 34,60 mm, 12,0 a 28,40 mm, 4,0 a 25,84 mm e 2,19 a 7,26 g para o comprimento, largura, espessura e peso, respectivamente. As maiores porcentagens e índice de velocidade de emergência foram verificados em sementes das plantas matrizes 6, 20, 117, 157, 164 e 171. Para o comprimento de parte aérea, as sementes das plantas matrizes 8, 86, 88, 117 e 152 produziram plântulas com maior comprimento, enquanto para o comprimento de raiz, as plântulas originadas de sementes das plantas matrizes 10, 11, 14, 21, 22, 24, 26, 30, 32, 54, 73, 74, 152 e 157 alcançaram maiores resultados. No que se refere a massa seca de parte aérea verificou-se que as sementes das plantas matrizes 8, 17, 88, 114, 115 e 152 tiveram melhor desenvolvimento. Em relação a variável massa seca de raízes, as plantas matrizes 1, 10, 12, 13, 15, 17, 21, 32, 73, 82, 114, 118 e 164 originaram plântulas com os maiores valores. Na população natural dos indivíduos de Hymenaea sp., do município de Areia-PB há divergência em relação às características fenotípicas de frutos e sementes, com destaque para o peso do fruto e número de sementes por fruto. Na qualidade fisiológica das sementes das diferentes plantas matrizes de Hymenaea sp. há diferenças, sendo as matrizes 6, 88 e 152 com sementes de melhor qualidade; ainda destaca-se que nas sementes da planta matriz 9 constatou-se viviparidade..
  • JOSÉ LOURIVALDO DA SILVA
  • Evolução cariotípica e composição da heterocromatina em espécies da subtribo Pleurothallidinae Lindl. (Orchidaceae A.Juss.).
  • Data: 15/03/2021
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • A subtribo Pleurothallidinae pertence à família Orchidaceae, agrupando 5.114 espécies e 44 gêneros e é um grupo monofilético, sendo distribuídas principalmente pelas regiões neotropicais. Neste trabalho buscamos estudar a evolução cariotípica, quantidade e distribuição das bandas heterocromáticas das espécies da subtribo Pleurothallidinae. Portanto, foram analisadas através da técnica de coloração CMA/DAPI, nove gêneros e 23 espécies da subtribo Pleurothallidinae, com o intuito de ampliar a quantidade de gêneros e espécies da subtribo analisadas com essa técnica. Com isso, buscamos responder as seguintes perguntas: 1) A variação de números cromossômicos e padrões de banda CMA/DAPI em Pleurothallidinae suporta a segregação de gêneros recentemente propostos com base em filogenia molecular? 2) A quantidade e distribuição de bandas CMA/DAPI é uniforme nesses gêneros? 3) Stelis e gêneros relacionados podem realmente ser caracterizados pela ausência ou quantidades muito pequenas de heterocromatina? Com isso esperamos contribuir para o melhor entendimento da filogenia de Pleurothallidinae e identificar os mecanismos envolvidos na evolução cariotípica da subtribo. A subtribo Pleurothallidinae possui uma grande diversidade de números cromossômicos e de padrões de bandas CMA/DAPI potencialmente utilizáveis na delimitação de táxons proximamente relacionados. Além disso, o compartilhamento de características cariotípicas similares como número cromossômico e padrão de bandas, pode constituir uma ferramenta auxiliar no suporte de hipóteses de filogenia. Os números cromossômicos das espécies da subtribo Pleurothallidinae analisadas neste trabalho variaram de 2n = 18 em uma espécie em Pleurothallis a 2n = 44 em Acianthera. Gêneros como Acianthera e Specklinia, por exemplo, foram caracterizados por apresentar números básicos primários x = 20 e x = 10, respectivamente. Para Stelis, o número básico x = 16 é o seu mais provável número básico primário. O gênero Stelis incialmente parecia ser caracterizado por apresentar pouca ou nenhuma heterocromatina detectável pela técnica de bandeamento com os fluorocromos CMA e DAPI, porém, ele mostrou-se mais variável em termos de quantidade, composição e número de bandas heterocromáticas utilizáveis na delimitação taxonômica de espécies relacionadas.
  • FABIO RODRIGO ARAUJO PEREIRA
  • BIOMETRIA DE FRUTOS E CARACTERIZAÇÃO FISIOLÓGICA DE MUDAS DE UMBUZEIROS (Spondia tuberosa Arruda Câmara) IRRIGADAS COM ÁGUA SALINA
  • Data: 26/02/2021
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • Spondias tuberosa Arruda Camara é uma espécie de valor socioeconômico para o Nordeste brasileiro, sendo importante para indústria de alimentos e para consumo in natura. Objetivou-se realizar a biometria de frutos umbus de quatro municípios paraibanos e avaliar a resposta fisiológica das mudas formadas a partir desses frutos sob estresse salino. A pesquisa foi realizada entre março e maio/2020 para caracterização biométrica e de junho/2020 a janeiro/2021 para caracterização fisiológica das mudas. Na biometria do fruto, estudou-se a massa total; comprimento; diâmetro; matéria fresca, rendimento e presença de pelos, enquanto que para o endocarpo, avaliou-se peso; comprimento, diâmetro e largura. Para o estresse salino das mudas de umbuzeiros, avaliou-se a concentração interna de CO2(Ci), taxa transpiratória (E), assimilação líquida de CO2(A), eficiência instantânea de carboxilação (ACi) e a inflorescência da clorofila. Adotou-se o DIC e DBC respectivamente nos estudos e os dados foram submetidos à ANOVA e análise de componentes principais, com emprego do software R. Frutos de Queimadas e São Vicente do Seridó apresentaram melhores caracteres morfológicos quanto a massa total, comprimento, diâmetro, matéria fresca e rendimento do fruto, sendo aqueles que apresentaram biometria mais adequadas às características de comercialização, especialmente quando se refere à agroindústria. Frutos provenientes de Boqueirão apresentaram maior peso de endocarpo. A maioria dos frutos avaliados apresentou pelos em suas cascas, o que pode ser uma característica indesejável para consumo in natura por pessoas alérgicas. Com os componentes principais, obteve-se que os frutos de Queimadas foram os que apresentam maior tamanho, enquanto os frutos de São Vicente de Seridó apresentaram maior rendimento. Na avaliação da fisiologia das mudas sob estresse salino, observou-se fenotipicamente como características primárias, amarelecimento, murcha e queda de folhas, em resposta à toxicidade ocasionadas pela solução salina, já no início dos tratamentos. Aos 10 dias de tratamento salino, cerca de 3% de cada muda submetida à 50,100 e 150mM de cloreto de sódio, tiveram perda de suas folhas e 10% para aquelas submetidas à 200mM de Nacl. Com a ANOVA, encontrou-se efeito significativo dos níveis de salinidade, a 1% de probabilidade, sobre a concentração interna de CO2, transpiração e fotossíntese, aos 30 e 45 dias. O valor de Ci tendeu a diminuir à medida que se ampliou a exposição das plantas às maiores soluções salinas, com maior redução do CO2 nas mudas com 100mM de NaCl. Nas plantas com 200mM, o valor de Ci foi maior, porém foi a concentração que ocasionou maior queda total de folhas e mortalidade das mudas. A transpiração foi afetada pela elevação da salinidade no decorrer de imposição do estresse, com decréscimos significativos. O efeito linear decrescente do NaCl foi obtido mais acentuadamente para 100mM de NaCl, onde os valores de E variaram entre 1,12 mmol m2s-1 e 0,79 mmol m2s-1 aos 30 e 45 dias sob estresse salino, respectivamente, com decréscimo de 13,1% em 15 dias. Em relação a taxa de assimilação de CO2 (A) observou-se maior redução linear nas plantas submetidas à 200mM de cloreto de sódio com redução de 0,71µ mol CO2 m2s-1 entre a primeira e segunda avaliação. Mudas submetidas a 150mM de NaCl, foram as que apresentaram maior resistência fisiológica, tendo o valor de A, elevado de 1,18 para 1,51 µ mol CO2 m2s-1. A diminuição da fotossíntese, encontrada no geral, pode estar associadas às estratégias que as plantas desencadeiam como respostas às condições de estresse.
  • ROSEMERE DOS SANTOS SILVA
  • SATÉLITE ,CROMOSSOMO B OU DISPLOIDIA ASCENDENTE? ANÁLISE CARIOTÍPICA EM CRATEVA TAPIA L. (Capparideae ,Capparaceae)"
  • Data: 26/02/2021
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • A espécie Crateva tapia L., conhecida como trapiá é uma frutífera com ocorrência em diversas formações florestais, a qual tem potencial medicinal e paisagístico, recomendada para recuperação de áreas degradadas e na alimentação de animais. Diante do exposto, objetivou-se estudar a variabilidade física, qualidade fisiológica, morfobiometria de frutos, sementes, plântulas e plantas jovens e a caracterização cariotípica da espécie C. tapia. Os experimentos foram realizados nos Laboratórios de Análise de Sementes e de Citogenética Vegetal pertencentes ao Centro de Ciências Agrárias da Universidade Federal da Paraíba. Desse modo, no experimento I, frutos de oito árvores matrizes foram avaliadas quanto ao tamanho, largura, massa e número de sementes por fruto também foi avaliado o comprimento, diâmetro e espessura de sementes oriundas de quinze árvores matrizes. A qualidade fisiológica por meio das variáveis de germinação e vigor foi determinada a partir de 100 sementes de cada uma das quinze árvores matrizes, tanto em ambiente controlado como em campo. No experimento II, 100 frutos oriundos de oito árvores matrizes foram mensurados quanto ao comprimento, largura, massa e número de sementes por fruto e 100 sementes desse lote foi avaliado quando ao tamanho e massa fresca. A descrição morfológica dos frutos foi através de observações sobre os aspectos externos e internos do pericarpo, consistência da casca, coloração, brilho, forma e deiscência, enquanto na morfologia das sementes foram observadas a consistência, coloração, textura, forma, hilo e embrião. A curva de absorção de água das sementes também foi avaliada por 216 horas em diferentes temperaturas, concomitante a esse teste foi realizado o teste de germinação nas mesmas condições, de onde partiu as observações e registros da protusão da raiz primária até a aparição do primeiro par de protófilo e a planta jovem foi acompanhada da emergência até o terceiro par de eófilo e senescência dos cotilédones. No experimento III foi analisada a existência de variações cariotípicas intraespecíficas em diferentes populações de C. tapia a partir do número cromossômico e a distribuição de bandas heterocromáticas usando dupla coloração com CMA/DAPI. Além disso, foram analisadas células meióticas para identificação de cromossomos Bs e hibridização in situ fluorescente para determinar a distribuição de sítios de DNAr e confirmar a ocorrência de satélites ou rearranjos estruturais. Os dados quantitativos foram submetidos a análise descritiva e de variância pelo teste F. Entre os frutos e sementes constatou-se variabilidade nas características biométricas e fisiológicas, cujos frutos e sementes tem variação de tamanho e massa fresca. As sementes são reniformes, com aspecto imbricado, tegumento rígido, coloração marrom e hilo bem desenvolvido e o embrião é cotiledonar e de morfologia incompleta. A absorção de água segue o padrão trifásico, com a protusão da raiz ocorrendo no quarto dia, germinação epígea-fanerocotiledonar, a plântula tem hipocótilo e cotilédones herbáceos, folha composta trifoliolada, a planta jovem tem caule lenhoso, eófilos alternos e houve o desenvolvimento de muitas anormalidades durante o teste, cuja temperatura ideal foi a de 30 °C. No estudo da citogenética observou-se indivíduos com variação no padrão de heterocromatina composto por bandas CMA+/DAPI– localizadas na região terminal ou proximal. Análises de células meióticas não demostraram irregularidades na meiose, sendo observada à ocorrência de 13 cromossomos bivalentes. Na distribuição de DNAr dverificou-se a ocorrência de dois sítios 5S na região proximal e dois sítios 35S na região subterminal, sem evidências de rearranjos estruturais.
  • THIAGO PEREIRA DE SOUSA
  • RELAÇÕES FLORÍSTICAS E ESTRUTURAIS DO COMPONENTE ARBUSTIVO-ARBÓREO E REGENERANTE NO PARQUE NACIONAL DA FURNA FEIA, RN
  • Data: 26/02/2021
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • O processo histórico de ocupação de terras no Nordeste brasileiro e o modelo extrativista predatório nas áreas de Caatinga, tem trazido consequências drásticas para os recursos naturais renováveis, onde o conhecimento da composição florística e estrutura fitossociológica das espécies têm contribuído para a conservação, recuperação e manejo dos ecossistemas; à medida que os estudos foram avançando, sentiu-se a necessidade de se entender os processos de regeneração das espécies nos ecossistemas, através da avaliação do banco de sementes nas diferentes situações, é possível identificar casos em que, por exemplo, apenas o isolamento dos fatores de degradação garantiria a regeneração florestal. O trabalho foi desenvolvido no Parque Nacional da Furna Feia, em três estratos classificados em função do histórico uso, sendo: (A1) perturbado, (A2) conservado, e (A3) preservado. Foram distribuídas aleatoriamente oito unidades amostrais em cada estrato, geolocalizadas com receptor de GPS e demarcadas com fita métrica, compostas por parcelas fixas de 20,0 m x 20,0 m; sendo amostrados e etiquetados todos os indivíduos arbustivos/arbóreos vivos com (CAP) ≥ 0,6 m a 1,3 m do solo, a intensidade amostral foi definida pela variância da população infinita, com amostra piloto de oito parcelas. Na amostragem da regeneração natural foi implantada uma sub-parcela em uma das extremidades de cada parcela, com 1,0 x 20,0 m (20m²), sendo amostrados todos os indivíduos arbustivo/arbóreos com altura ≥ 0,5 m, agrupados por classes de altura, em que: C1 = altura (H) ≥ 0,5 até 1,5m; C2 = altura (H) >1,5 até 2,5m; C3 = altura (H) >2,5m. A suficiência foi obtida na 6ª parcela, aos 2.180m². No estrato A1 foram amostrados 679 indivíduos de 28 espécies e 14 famílias botânicas, no estrato A2, 541 indivíduos de 22 espécies e 14 famílias botânicas, e no estrato A3, 856 indivíduos, de 21 espécies e 11 famílias botânicas. Em todos os estratos, a família Fabaceae foi a mais rica em número de espécies, seguida da Euphorbiaceae e Solanaceae. Mesmo com perturbação antrópica, o estrato A1 apresentou maior número de espécies em relação aos estratos A2 e A3, o que denota uma resiliência capaz de promover sua auto regeneração natural. Entretanto, o compartilhamento de espécies do estrato A1 com os demais foi inferior a 50%, comportamento que reflete claramente a perturbação antrópica como fator determinante na variabilidade florística. A suficiência amostral da regeneração natural com resposta em platô para os três estratos avaliados se estabilizou na 16ª parcela, com interseção da parte linear e o plateau aos 320m², sugerindo que a amostra é suficiente para representar a fitodiversidade da área. No estrato A1, foram amostrados um total de 70 indivíduos, distribuídos em 12 espécies e 7 famílias botânicas, já no estrato A2, foi amostrado um total de 62 indivíduos, distribuídos em 14 espécies e 10 famílias botânicas. No estrato A3, foi observado o maior número de indivíduos regenerantes, com um total de 101 indivíduos, distribuídos em 14 espécies e 9 famílias botânicas. Em geral, verifica-se que a maioria das espécies do componente adulto não conseguem se estabelecer componente regenerante, comprometendo o desenvolvimento da vegetação como um todo, onde das 28 espécies amostradas no componente adulto apenas Mimosa arenosa, Piptadenia stipulacea, Croton blanchetianus e Bauhinia cheilantha apresentaram intenso recrutamento, provavelmente por suas características ecológicas adaptativas, melhor se ajustando as condições do meio e assim se estabelecendo-se. As famílias Fabaceae e Euphorbiaceae possuem maior representatividade de espécies regenerantes, apresentando adaptação e sobrevivência as variações edafoclimáticas da região, com potencial de sucesso no estabelecimento local e atingirem a fase adulta. Os três estratos apresentam baixa riqueza de espécies regenerantes, entre as quais houve um destaque muito significativo de Mimosa arenosa com melhor estabelecimento nas três classes de altura, em todos os parâmetros avaliados, sendo está comumente encontrada em áreas naturais regenerativas, favorecendo o desenvolvimento de outras espécies.
  • GIVALDO FARIAS DO NASCIMENTO JUNIOR
  • USO DE OLEOS ESSENCIAIS NO CONTROLE DE Sitophilus zeamais (COLEOPTERA: CURCULIONIDAE)
  • Orientador : GLEIDYANE NOVAIS LOPES MIELEZRSKI
  • Data: 25/02/2021
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • O milho é uma das principais culturas no Mundo e no Brasil. Durante o armazenamento, o milho é atacado por diversas pragas sendo a principal o gorgulho-do-milho [Sitophilus zeamais L] podendo gerar perdas de 15%. O gorgulho-do-milho é um besouro pequeno pertencente à ordem Coleoptera que ataca grãos, farinhas e farelos. Esse inseto perfura o milho para se alimentar e colocar seus ovos. Ele consegue sobreviver em condições adversas como temperaturas elevadas, baixa umidade e alta pressão. Essas condições são encontradas nas massas de grãos armazenadas. Além disso, o gorgulho possui um alto potencial biótico o que dificulta o controle dessa praga. O método mais eficiente para controlar o gorgulho-do-milho é a fumigação. Na fumigação são utilizados produtos químicos altamente tóxicos e inflamáveis o que confere riscos de contaminação e explosão a quem estiver realizando a fumigação. Por esses motivos várias pesquisas vêm sendo realizadas com o objetivo de encontrar métodos alternativos para o controle do gorgulho-do-milho. No presente trabalho foi avaliada a ação de óleos vegetais de alho, cravo, eucalipto, gengibre, gergelim e limoneno, nas concentrações de 1%, 2%, 3% e 4% como alternativa para o controle do gorgulho-do-milho. Foram avaliadas a mortalidade e a emergência do gorgulho do milho, onde os tratamentos com óleos de eucalipto e limoneno não demonstraram eficiência, entretanto, os tratamentos com óleos de gengibre e gergelim foram os mais eficientes impedindo a emergência. Quando se avalia a mortalidade, os tratamentos com gergelim e alho foram os mais eficientes. Portanto, os óleos de eucalipto e limoneno não provocam mortalidade satisfatória como também não interferem na emergência de novos adultos de S. zeamais, o óleo de alho tem potencial inseticida provocando mortalidade de S. zeamais,os óleos de cravo, gengibre e gergelim possuem potencial para controlar S. zeamais provocando sua mortalidade e diminuindo sua emergência.
  • MARIA SILVANA NUNES
  • MANEJO PÓS-COLHEITA DA ANTRACNOSE EM MANGA ‘TOMMY ATKINS’
  • Data: 19/02/2021
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • O maior desafio da fruticultura, na atualidade, é o resíduo deixado pela utilização de grandes quantidades de agrotóxicos, comprometendo a saúde humana, animal e do meio ambiente. Assim, o alimento orgânico vem ganhando cada vez mais valorização por parte dos consumidores, por ser produzido em um modelo de agricultura mais seguro e sustentável. O objetivo do trabalho foi avaliar a influência de indutores de resistência no manejo pós-colheita da antracnose e as alterações físico-químicas e enzimáticas provocadas em mangas ‘Tommy Atkins’ produzidas em sistema de cultivo convencional e em período de conversão para o sistema orgânico. Os experimentos foram conduzidos no Laboratório de Fitopatologia, da Universidade Federal da Paraíba. Os tratamentos utilizados foram: T1- Agro-Mos®, T2- Bion 500 WG®, T3- Caulim, T4- Ecolife®, T5- Eco-Shot®, T6- Pró-Agrim®, T7- Rocksil®, T8- Controle e T9- Fungicida Tiabendazol. Foi avaliada a severidade da antracnose, observando-se a infecção natural utilizando uma escala de notas. As análises de firmeza, pH, vitamina C, Sólidos solúveis, acidez titulável e relação SS/AT foram realizadas ao 3º, 6º, 9º e 12º dia de armazenamento e a avaliação da perda de massa fresca foi determinada diariamente. A atividade enzimática da Peroxidase, Polifenoloxidase e Fenilalanina amônia-liase foi determinada pela maceração da casca dos frutos para formação do extrato, com posterior centrifugação a 12.000 rpm durante 15 minutos a -4ºC. O experimento foi conduzido em DIC em esquema de parcela subdividida. Os dados foram submetidos à análise de variância, as médias foram comparadas pelo teste de Scott-Knott (p ≤ 0,05) entre tratamentos e submetidas à análise de regressão entre os períodos de armazenamento. Os resultados da avaliação da severidade em mangas convencionais mostraram que a utilização de Caulim e Rocksil® proporcionaram uma redução de 8,1% e 11,3% da severidade determinada em mangas do tratamento Controle e a aplicação de Caulim, Eco-shot® e Rocksil® foram os tratamentos com potencial elicitor na atividade enzimática dos frutos. Para mangas em período de conversão, todos os tratamentos foram eficientes na redução severidade de antracnose. Não foi identificada ação elicitora sob a enzima PPO e o tratamento com Rocksil® foi o mais eficiente no estimulo da atividade enzimática da PAL. As características físico-químicas não foram comprometidas com aplicação dos tratamentos elicitores testados neste estudo em mangas oriundas dos sistemas de cultivo convencional e em período de conversão para o sistema orgânico.
  • ANA PAULA PEREIRA DO NASCIMENTO
  • LÂMINAS DE IRRIGAÇÃO, POLÍMERO HIDRORETENTOR E VOLUME DE COVA NO CULTIVO DO MARACUJAZEIRO AMARELO
  • Data: 19/02/2021
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • O trabalho foi conduzido no município de Remígio, Paraíba, Brasil. O Solo da área experimental foi classificado como Neossolo Regolítico, distrófico, não salino, O objetivo do trabalho foi avaliar, o feito do hidrogel em dois, tipos de cova submetida a duas lâminas de irrigação no desenvolvimento do maracujazeiro amarelo de maracujazeiro amarelo (Passiflora edulis Sims), da espécie Gigante Amarelo – BRS GA1, O ensaio foi conduzido no delineamento de blocos casualizados em parcelas subdivididas, usando o esquema fatorial 2 × 2 × 2, relativo às lâminas de irrigação de 70 % e 100% da exigência evapotranspirativa da cultura (ETc), covas com volume de 64 e 128 dm3 , no solo sem (0,0) e com 1,5 g dm-3 de polímero hidrorretentor . As parcelas corresponderam as lâminas de irrigação e as subparcelas às combinações entre o volume das covas e ao polímero hidrorrententor. Os resultados referentes a fertilidade e ao crescimento das plantas no campo encontram-se no capitulo I (Lâminas de irrigação, polímero hidroretentor e volume de cova na fertilidade do solo e crescimento do maracujazeiro amarelo (Passiflora edulis L.), pg. (17 a 82); os aspectos da fisiologia das plantas estão dispostos no capítulo II intitulado(lâminas de irrigação, polímero hidroretentor e volume de cova na clorofila, trocas gasosas e produtividade do maracujazeiro amarelo), pg. (83 a 113).
2020
Descrição
  • ERIFRANKLIN NASCIMENTO SANTOS
  • FENOLOGIA DE Tabebuia caraiba (Mart.) Bureau, CARACTERIZAÇÃO MORFOFISIOLÓGICA E CONSERVAÇÃO DE SUAS SEMENTES
  • Orientador : RISELANE DE LUCENA ALCANTARA BRUNO
  • Data: 22/12/2020
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • A Tabebuia caraiba (Mart.) Bureau é uma espécie vegetal pertencente à família botânica Bignoniaceae e de ocorrência em diversos ecossistemas da Caatinga, Cerrado e Pantanal. Por possuir elevada capacidade de adaptação a ambientes diversos, a T. caraiba tem se mostrado apropriada para recuperação de áreas degradadas e ainda com prospecção para uso na indústria farmacológica. Assim, estudos que abordem a fisiologia destas plantas relacionando seu ciclo reprodutivo às condições ambientais locais, bem como a formação de suas sementes, aliada ao conhecimento do armazenamento das mesmas e ainda a diversidade genética existente na população de plantas contribui sobremaneira para garantir a conservação da espécie e potencializar os diversos usos de forma sustentável, sobretudo, em ambiente de Caatinga. Dessa forma, objetivou-se com este trabalho desenvolver estudos na área da ecofisiologia de T. caraiba, a partir da avaliação da fenologia relacionada a pulsos e interpulsos de precipitação, e ainda contribuir na área de tecnologia de produção de sementes de espécies nativas, com abordagem na formação e armazenamento de suas sementes envolvendo a caracterização das mudanças físicas, fisiológicas e bioquímicas durante esses processos. Além disso, o estudo buscou avaliar a divergência genética existente entre diferentes matrizes de T. caraiba por meio da avaliação de descritores morfo-fisiológicos de sementes. Para o alcance dos objetivos o trabalho foi desenvolvido em campo e em condições de laboratório. Em campo, os estudos ocorreram nas cidades de São João do Cariri e Sumé, ambas no estado da Paraíba, Brasil, com 30 matrizes de T. caraiba em cada, caracterizando as populações avaliadas. Na avaliação da fenologia, cada matriz foi avaliada quinzenalmente, entre janeiro de 2018 a dezembro de 2019, quanto a presença e ausência das fenofases brotação, floração, frutificação e senescência foliar, de acordo com o índice de atividade e sua intensidade em cada população de matrizes, sendo esses resultados relacionados à distribuição dos pulsos de precipitação nas áreas. Dessa forma, verificou-se para as condições do Cariri paraibano que a T. caraiba possui ciclo reprodutivo anual, concentrando brotação, floração e frutificação nos meses de novembro e dezembro, na estação seca. Dentre as fenofases observadas em T. caraiba, a menor sazonalidade foi observada para a senescência, com ocorrência em diversos meses independente do ano. A precipitação pluvial é correlacionada de forma significativa com as fenofases avaliadas, com maior correlação negativa para a senescência. No tocante à formação e maturação das sementes, em cada população de plantas, frutos foram colhidos semanalmente, dos 14 aos 49 dias após a antese, sendo classificados quanto a cor. Em condições de laboratório, as sementes foram retiradas dos frutos e o teor de água, germinação, vigor, composição química e atividade das enzimas superóxido dismutase, catalase e peroxidase das sementes foram determinadas. Assim verificou-se que a maturidade fisiológica de sementes de T. caraiba ocorre aos 42 dias após a antese, quando o fruto apresenta coloração verde-acinzentada e início de abertura da fenda. O aumento na concentração de proteínas, lipídios, amido e açúcares redutores ocorreu até a fase final da maturação destas sementes. A redução na atividade das enzimas superóxido dismutase e catalase pode ser um indicador para a determinação da maturidade de sementes de T. caraiba. A redução de 60% na atividade enzimática da superóxido dismutase e de 75% da catalase, em média, serve como indicador para a determinação da maturidade das sementes desta espécie. A partir desse resultado, colheitas de frutos aos 35, 42 e 49 dias após a antese foram realizadas. Após o beneficiamento, com base em cada estádio de maturação e em cada cidade, as sementes foram acondicionadas em embalagens de sacos de papel Kraft e armazenadas em geladeira (6 ± 2 ° C) durante 360 dias. No início do armazenamento e a cada 90 dias, amostras de sementes foram retiradas, determinado o teor de água, e avaliados quanto a germinação, vigor e atividade das enzimas superóxido dismutase, catalase e peroxidase. As sementes de T.caraiba obtidas de frutos colhidos aos 35, 42 e 49 dias após a antese, permanecem com elevada viabilidade aos 360 dias de armazenamento, mantendo as sementes oriundas de frutos colhidos aos 42 dias após a antese com elevado vigor. A atividade das enzimas superóxido dismutase e catalase não está vinculada ao processo de deterioração das sementes de T. caraiba em condições de armazenamento. Para estudar a variabilidade genética entre e dentro das populações, frutos de 20 matrizes foram coletados aos 42 dias após a antese, e após o beneficiamento, suas sementes foram analisadas quanto a características físicas e fisiológicas. As estimativas de herdabilidade, variância genética, e a relação entre os coeficientes de variação genética e ambiental foram calculados; também foi realizada a análise de componentes principais e a quantificação da divergência genética obtida pelo algoritmo de Gower. Com base nos resultados, há variabilidade entre esses indivíduos quanto às características físicas e fisiológicas de sementes e estas encontram-se sob baixa influência ambiental. As características de germinação e vigor são de grande relevância para o estudo da tecnologia de sementes, indicando as matrizes SJC P03, SJC P04, SJC P11, SJC P16, SJC P17, SJC P18, SJC P19, SJC P20, Sumé P01, Sume P04, Sume P08, Sume P11 e Sume P18 como genótipos superiores, demonstrando qualidade nas sementes produzidas. A população de São João do Cariri possui maior número de matrizes de T. caraiba geradoras de sementes vigorosas.
  • ROSINALDO DE SOUSA FERREIRA
  • Lâminas de irrigação e silício na produção de melancieira cv. Crimson Sweet na Mesorregião do Sertão Paraibano
  • Orientador : REJANE MARIA NUNES MENDONCA
  • Data: 15/12/2020
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • A melancia é cultura exigente em água tanto no seu crescimento vegetativo quanto no estágio de produção. Neste sentido, objetivou-se com este trabalho avaliar diferentes lâminas de irrigação e doses de silício no crescimento e produção de melancieira cv. Crimson Sweet, em dois ciclos. O experimento foi realizado em dois períodos onde o primeiro ocorreu de 06 de novembro de 2017 a 08 de janeiro de 2018, e o segundo de 30 de julho a 03 de outubro de 2018, em condições de campo no Centro de Ciências Humanas e Agrárias da Universidade Estadual da Paraíba, Campus IV, localizado no município de Catolé do Rocha-PB. O delineamento experimental foi disposto em blocos ao acaso, com parcelas subdivididas em esquema fatorial 4 x 4, referente a quatro laminas de irrigação na parcela principal calculadas com base na evapotranspiração de referência (ETo) como sendo: T1- 40% da ETo; T2- 60% da ETo; T3- 80% da ETo; e T4 – 100% da ETo, e na subparcela quatro doses de silício: 0, 40, 80 e 120 g h-1, com 4 repetições. Cada parcela experimental foi composta por 3 fileiras com 48 plantas, sendo consideradas como úteis as oito plantas centrais. Durante 20 dias após o transplantio, todas as plantas receberam o nível de irrigação de 60% da (ET0). Após este período quando as plantas já se encontravam estabelecidas em campo realizou o desbaste deixando apenas uma planta por cova. Nesse momento, foram iniciados os tratamentos com as diferentes lâminas de irrigação e aplicação do silício, sendo esta última compreendida em duas aplicações foliares. As variáveis analisadas foram, comprimento de ramo principal, número de ramos secundários, número de folhas, número de flores; diâmetro do caule, massa seca da parte aérea, massa seca da raiz, produção total de frutos, número de frutos, massa média de frutos e produção total de frutos. O acréscimo das lâminas de irrigação proporcionou resultado significativos para desenvolvimento e produção da melancia nos dois ciclos. As elevadas doses de silício promoveram feitos na produção total, massa media do fruto, massa seca da parte aérea, para o primeiro e segundo ciclo, massa seca da raiz, número folhas no primeiro ciclo, número de flores e ramos no segundo ciclo, massa media do fruto, e número de frutos decresceram nos dois ciclos.
  • ROSINALDO DE SOUSA FERREIRA
  • Lâminas de irrigação e silício na produção de melancieira cv. Crimson Sweet na Mesorregião do Sertão Paraibano
  • Orientador : REJANE MARIA NUNES MENDONCA
  • Data: 15/12/2020
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • A melancia é cultura exigente em água tanto no seu crescimento vegetativo quanto no estágio de produção. Neste sentido, objetivou-se com este trabalho avaliar diferentes lâminas de irrigação e doses de silício no crescimento e produção de melancieira cv. Crimson Sweet, em dois ciclos. O experimento foi realizado em dois períodos onde o primeiro ocorreu de 06 de novembro de 2017 a 08 de janeiro de 2018, e o segundo de 30 de julho a 03 de outubro de 2018, em condições de campo no Centro de Ciências Humanas e Agrárias da Universidade Estadual da Paraíba, Campus IV, localizado no município de Catolé do Rocha-PB. O delineamento experimental foi disposto em blocos ao acaso, com parcelas subdivididas em esquema fatorial 4 x 4, referente a quatro laminas de irrigação na parcela principal calculadas com base na evapotranspiração de referência (ETo) como sendo: T1- 40% da ETo; T2- 60% da ETo; T3- 80% da ETo; e T4 – 100% da ETo, e na subparcela quatro doses de silício: 0, 40, 80 e 120 g h-1, com 4 repetições. Cada parcela experimental foi composta por 3 fileiras com 48 plantas, sendo consideradas como úteis as oito plantas centrais. Durante 20 dias após o transplantio, todas as plantas receberam o nível de irrigação de 60% da (ET0). Após este período quando as plantas já se encontravam estabelecidas em campo realizou o desbaste deixando apenas uma planta por cova. Nesse momento, foram iniciados os tratamentos com as diferentes lâminas de irrigação e aplicação do silício, sendo esta última compreendida em duas aplicações foliares. As variáveis analisadas foram, comprimento de ramo principal, número de ramos secundários, número de folhas, número de flores; diâmetro do caule, massa seca da parte aérea, massa seca da raiz, produção total de frutos, número de frutos, massa média de frutos e produção total de frutos. O acréscimo das lâminas de irrigação proporcionou resultado significativos para desenvolvimento e produção da melancia nos dois ciclos. As elevadas doses de silício promoveram feitos na produção total, massa media do fruto, massa seca da parte aérea, para o primeiro e segundo ciclo, massa seca da raiz, número folhas no primeiro ciclo, número de flores e ramos no segundo ciclo, massa media do fruto, e número de frutos decresceram nos dois ciclos.
  • OTÍLIA RICARDO DE FARIAS
  • CARACTERIZAÇÃO E CONTROLE DE Fusarium spp. ASSOCIADO À SEMENTES DE GIRASSOL
  • Data: 11/12/2020
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • A murcha, ocasionada por Fusarium sp., constitui uma ameaça a produção do girassol. A correta identificação e adoção de medidas de controle são fundamentais para evitar os danos ocasionados por esse patógeno. O manejo dessa doença pode ser realizado através de medidas preventivas, como a microbiolização das sementes com Trichoderma spp.. Esta pesquisa objetivou realizar a caracterização molecular e morfológica, a patogenicidade e controle biológico de Fusarium spp. associado a sementes de girassol. Foram obtidos 50 isolados de Fusarium spp. a partir de amostras de sementes de oito cultivares de girassol. A caracterização molecular dos isolados de Fusarium spp. foi realizada utilizando sequências do gene fator de elongação (tef1) e o gene β-tubulina 2 (tub2). Na caracterização morfológica avaliou-se a pigmentação da colônia; presença ou ausência de esporodóquios; tamanho, formato e septação de microconídeos e macroconídeos; tipos de fiálides (monofiálide e/ou polifiálide); presença ou ausência de clamidósporos; microconídeos em falsas cabeças e/ou cadeia; crescimento micelial; índice de velocidade de crescimento micelial e produção de conídios. Determinou-se também a prevalência das espécies de Fusarium spp. por cultivar e a patogenicidade dos isolados. Na transmissão contabilizou-se a porcentagem de plântulas emergidas, sementes não germinadas com e sem Fusarium spp., plântulas sintomáticas e assintomáticas, taxa de transmissão e incidência de doença. Para controle, foram selecionados sete isolados de Trichoderma sp. (TCH01, TCH02, TCH03, TCH04, TCH05, TCH06 e TCH07) no antagonismo a F. proliferatum (F32). Os isolados foram confrontados in vitro com o patógeno em testes de cultura pareada, antibiose e micoparasitismo. A sanidade das sementes inoculadas com patógeno e tratadas com antagonista foi avaliada pelo método “blotter test”. Também avaliou-se a germinação e emergência após a microbiolização das sementes. Em casa de vegetação, determinou-se a incidência, severidade, comprimento da parte aérea, número de folhas, massa fresca e seca da parte aérea e raízes e a atividade das enzimas peroxidase (POD), polifenoloxidase (PPO) e fenilalanina amônia liase (FAL). Nos experimentos adotou-se o delineamento inteiramente casualizado (DIC). O sequenciamento do DNA permitiu identificar F. fabacearum, F. pseudocircinatum, F. verticillioides e F. proliferatum associados a sementes de girassol. Observou-se uma ampla variabilidade morfológica entre os isolados, principalmente com relação a pigmentação da colônia, crescimento micelial, índice de velocidade de crescimento micelial e produção de conídios. F.proliferatum foi a espécie mais prevalente nas diferentes cultivares de girassol. No teste de patogenicidade, verificou-se que todas as espécies foram patogênicas ao girassol. Todos os isolados das quatro espécies foram transmitidos via sementes e causaram sintomas como apodrecimento de sementes na fase de germinação, além de podridão do colo e raízes, tombamento, escurecimento vascular, subdesenvolvimento e podridão das folhas cotiledonares pós-emergência. Observou-se produção de metabólitos voláteis e micoparasitismo direto dos isolados de Trichoderma sp. sobre F. proliferatum. Trichoderma sp. é eficiente na redução da incidência e severidade da murcha, na promoção do crescimento e no aumento da atividade das enzimas peroxidase, polifenoloxidase e fenilalanina amônia liase em plantas de girassol via microbiolização das sementes.
  • LOUIS HELVIO ROLIM DE BRITTO
  • Qualidade fisiológica de sementes de Ziziphus joazeiro Mart., Leucaena leucocephala (Lam.) de Wit., Tamarindus indica L. e Spondias tuberosa Arruda após endozoocoria
  • Data: 30/11/2020
  • Hora: 14:30
  • Mostrar Resumo
  • A dispersão de sementes tem a sua importância para a biodiversidade dos nossos biomas, porque corresponde ao movimento ou transporte destas sementes até um local adequado a sua germinação, de forma a favorecer o aumento na sua probabilidade de sobrevivência, entre os métodos de dispersão tem-se a endozoocoria, no qual ocorre após a ingestão dos frutos e a excreção pelas fezes do animal. Este trabalho objetivou-se analisar a viabilidade da superação de dormência em sementes de juazeiro (Ziziphus joazeiro Mart.), leucena (Leucaena leucocephala (Lam) de Wit., tamarindo (Tamarindus indica L.) e umbu (Spondias tuberosa Arruda) após passagem pelo trato digestório dos ruminantes: bovinos (Bos taurus), caprinos (Capra aegagrus hicus), ovinos (Ovis aries), e dos monogástricos: asininos (Equus asinos), e suínos (Suis scrofa domesticus), e identificar qual das espécies florestais estudadas possui melhor viabilidade de germinação e qual animal é o dispersor mais efetivo após a ingestão e excreção dessas sementes, buscando dessa forma, proporcionar o equilíbrio da exploração racional dos recursos florestais da Caatinga com a agropecuária, incrementado pelo aumento da produção vegetal e produção animal. O experimento foi realizado entre os meses de abril e novembro dos anos de 2017 e de 2018. Após a coleta dos frutos, pesagem e fornecimento aos animais, realizados no Campus Sousa do Instituto Federal de Ciência e Tecnologia da Paraíba - IFPB, as sementes obtidas nas fezes foram analisadas no laboratório de análise de sementes do Centro de Ciências Agrárias da UFPB - Campus Areia, nas variáveis: teor de água, emergência das plântulas e o vigor, através do índice de velocidade de emergência, comprimento e massa seca de raiz primária e de parte aérea de plântulas. O delineamento estatístico adotado foi DIC, com os tratamentos em esquema fatorial 4 x 5 + 1 (espécie vegetal x espécie animal + testemunha), os dados foram submetidos à análise de variância pelo teste “F”, a 5% de probabilidade de erro e comparadas pelo teste de Tukey. Foi verificado que a dormência das sementes de Z. joazeiro, L. leucocephala, T. indica e S. tuberosa é superada pela passagem no trato digestório dos animais pesquisados. Para o teste de emergência, o Z. joazeiro e a L. leucocephala e S. tuberosa foram superiores ao T. indica más só a L. leucocephala obteve interação com todos os animais. No índice de velocidade de emergência L. leucocephala foi superior ao Z. joazeiro, T. indica e S. tuberosa. Nas demais variáveis do teste de vigor, comprimento de raiz e parte aérea, massa seca da raiz e parte aérea verificou-se o Z. joazeiro e a L. leucocephala e S. tuberosa superior ao T. indica. Para os animais, no teste de emergência das plantas estudadas, os ovinos, caprinos, asininos, suínos e bovinos foram iguais entre si, em pelo menos um ano da pesquisa, no entanto o tamarindo não se destacou para nenhuma destas espécies animais. No índice de velocidade de emergência, não houve diferenças entre os animais com as plantas estudadas, no entanto os asininos foram a única espécie entre as demais que interagiu positivamente com todas as espécies vegetais, em pelo menos um dos anos da pesquisa. Nas variáveis para o teste de vigor, comprimento de raiz e parte aérea, massa seca da raiz e parte aérea não verificou-se superioridades entre monogástricos e ruminantes e nem de uma espécie animal sobre outra espécie das estudadas e estes foram tão eficientes para a quebra de dormência quanto as sementes não tratadas.
  • GILTON BEZERRA DE GOES
  • Bioativador, adubação com fósforo e potássio e seus efeitos no solo, na fisiologia, produção e qualidade do meloeiro.
  • Data: 30/11/2020
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • O elevado o custo dos fertilizantes agrícolas tem aumentado a preocupação com o desperdício e a busca por alternativas que otimizem o aproveitamento dos nutrientes do solo. Com este propósito, avaliou-se doses da adubação fosfatada e potássica e o uso de bioativador de solo e planta sobre as características de crescimento, produção, fisiológicas e pós-colheita da cultura do meloeiro. O delineamento foi em blocos ao acaso com quatro repetições, sendo cada parcela constituída por duas linhas que totalizaram 14 plantas úteis com espaçamento de 0,30 m entre plantas e 2,00 m entre linhas. Foram avaliadas cinco doses de fósforo (25; 39,6, 75, 110,4 e 125 kg ha-1) e cinco de potássio (25; 39,6, 75, 110,4 e 125 kg ha-1), sendo as combinações de doses definidas na Matriz Composto Central de Box e acrescida de mais uma sem fertilizante químico fosfatado e potássico, totalizando 10 combinações (C1 = 0 de P e 0 de K; C2 = 25 de P e 75 de K; C3 = 75 de P e 25 de K; C4 = 75 de P e 125 de K; C5 = 125 de P e 75 de K; C6 = 39,6 de P e 110,4 de K; C7 = 110,4 de P e 39,6 de K; C8 = 39,6 de P e 39,6 de K; C9 = 75 de P e 75 de K; C10 = 110,4 de P e 110,4 de K), que foram testadas na presença e ausência do bioativador Penergetic® kompost (K) e pflanze (P). O bioativar foi aplicado no solo em fundação e em cobertura aos 21, 27 e 35 dias após o transplantio. Foram avaliadas as seguintes características: teores de N, P e K do tecido vegetal; fertilidade química do solo ao final do ciclo (pH, P, K, Na, Ca, PST e CTC); trocas gasosas; índices de clorofila a, b e total; fluorescência da clorofila; desenvolvimento; produção e pós-colheita. As combinações de doses de fósforo e potássio influenciaram significativamente nos teores de N e P nas folhas do meloeiro e nas variáveis pH, P e K do solo, porém, ao desdobrar as combinações, observou-se efeito isolado das doses de fósforo sobre os teores de N e P nas folhas de meloeiro e na concentração de fósforo no solo; e efeito isolado das doses de potássio no acúmulo de potássio no solo ao final do ciclo. Ambos os fertilizantes influenciaram isoladamente na redução do pH do solo, que baixou linearmente com o crescimento das doses. As combinações de fósforo e potássio também influenciaram todas as variáveis de trocas gasosas, havendo interação significativa entre as doses de P e K sobre a fotossíntese líquida, eficiência no uso da água e eficiência instantânea da carboxilação; e influência isolada das doses de potássio sobre a transpiração e a concentração interna de CO2. Estes resultados estão relacionados as funções do fósforo e do potássio no metabolismo das plantas, no entanto, não refletiram em ganhos ou perdas significativas nas variáveis de desenvolvimento, produção e nos índices de clorofila, pois estes não foram influenciadas significativamente por nenhum dos tratamentos. O bioativador influenciou significativamente variáveis da fluorescência da clorofila, de trocas gasosas e de pós-colheita. No caso da fluorescência, os resultados observados não possibilitam afirmações quanto a efeitos positivo ou negativos, pois o produto foi positivo na combinação 7 e negativo na combinação 8. Mas no caso das trocas gasosas, o bioativador reduziu 8% os índices de concentração interna de CO2 e em 27% a condutância estomática, contrariando sua proposta, que é seria o aumento da eficiência fotossintética das plantas. Já as variáveis de pós colheita, não manifestaram diferença significativa em função dos tratamentos, exceto o teor de vitamina C, que reduziu na presença do bioativador. Em geral o aumento das dosagens de fósforo e de potássio e o bioativador não produziram ganhos reais em termos de produção e qualidade para a cultura do meloeiro nas condições estudadas.
  • FRANCISCO ARICLENES OLINTO
  • Qualidade de sementes de espécies nativas do Semiárido: sanidade e aspectos fisiológicos
  • Data: 26/11/2020
  • Hora: 12:30
  • Mostrar Resumo
  • A craibeira (Tabebuia aurea), o ipê-rosa (Tabebuia pentaphylla), a jurema branca (Piptadenia stipulacea),o pau-ferro (Caesalpinia ferrea) e sabiá (Mimosa caesalpiniaefolia) são espécies nativas do Bioma Caatinga, disseminadas por sementes e essenciais para manutenção da diversidade vegetal no semiárido brasileiro. Dessa forma, a busca por controle de patógenos se faz necessário, considerando a importância da qualidade das sementes para produção de plantas sadias.Objetivou-se avaliar a eficiência de óleos essenciais na redução da incidência de fungos associados às sementes decraibeira, ipê-rosa, jurema branca, pau-ferro e sabiá, e sua interferência na qualidade fisiológica. Os tratamentos foram óleos essenciais de citronela, olíbano, eucalipto, girassol, sementes de uva, cravo, Melaleuca e alecrim na concentração de 1 mL. L-1, fungicida Captana e controle composto por água destilada esterilizada (ADE), utilizando-se 100 sementes por tratamento. A qualidade sanitária das sementes foi feita pelo método de incubação em placas de Petri contendo dupla camada de papel-filtro umedecida com ADE. A qualidade fisiológica das sementes foi determinada com base nos testes de germinação, emergência e vigor das sementes. O delineamento experimental foi inteiramente casualizado com dez tratamentos. O óleo essencial de cravo reduziu o percentual de incidência de Aspergillus sp. associados as sementes de craibeira, ipê-rosa, jurema branca, pau-ferro e sabiá. Para Rhizopussp., associados as sementes de craibeia, ipê-rosa, jurema branca e pau-ferro, o óleo essencial de olíbano teve maior destaque na redução da incidência. O óleo essencial de citronela contribuiu na diminuição do percentual de Penicilliumsp. e de Cladosporium sp. nas sementes de ipê-rosa, jurema branca, pau-ferro e sabiá. Em relação ao fungo Fusariumsp., o óleo essencial de alecrim proporcionou o aumento na incidência em sementes de pau-ferro e sabiá. O óleo de sementes de uva e de Melaleuca alternifolia, reduziram a qualidade fisiológica das sementes de craibeira. O óleo essencial de alecrim não interferiu negativamente na qualidade fisiológica das sementes de ipê-rosa e proporcionou um aumento no percentual de emergência. Todos os óleos essenciais contribuíram positivamente nos parâmetros da qualidade fisiológicas das sementes de jurema branca. Para as sementes de pau-ferro, os óleos essenciais de sementes de uva e de cravo reduziram a qualidade fisiológica. O óleo essencial de eucalipto reduziu a qualidade fisiológica das sementes de sabiá.
  • IZABELA NUNES DO NASCIMENTO
  • DEFESA QUÍMICA DE PLANTAS DE MILHO PARA O MANEJO DE Dichelops melacanthus E SEU INIMIGO NATURAL Telenomus podisi
  • Data: 16/10/2020
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • O milho Zea mays L. é o cereal mais produzido no mundo sendo cultivado em todos os continentes. Um dos principais fatores que comprometem o rendimento e a qualidade da produção de milho é a incidência de pragas, sendo o Dichelops melacanthus a espécie de percevejo mais importante que ataca o cultivo de milho na América do Sul. A resposta das plantas ao ataque dos herbívoros pode levar a um aumento na produção dos metabólitos secundários voláteis e não voláteis, que agem na defesa direta e indireta das plantas. Objetivou-se caracterizar o perfil químico dos voláteis liberados pelas plantas de milho, sadias e após a herbivoria do percevejo D. melacanthus, expostas ou não a voláteis sintéticos induzidos por herbivoria (VPIHs); avaliar a resposta comportamental do parasitoide Telenomus podisi e do herbívoro D. melacanthus aos voláteis liberados por plantas de milho submetidas aos diferentes tratamentos e investigar se plantas de milho atacadas pelo percevejo Dichelops melacanthus, expostas a VPIHs sintéticos tem os níveis de benzoxazinoides alterados, bem como verificar se indivíduos da população de D. melacanthus são afetados por diferentes níveis de benzoxazinoides no milho. A pesquisa foi desenvolvida em três experimentos. No primeiro, plantas sadias foram submetidas ou não à herbivoria do percevejo Dichelops melacanthus. Os voláteis das plantas foram coletados pela técnica de aeração nos períodos de 0 - 24, 24 - 48, 48 - 72 e 72 - 96 h após o início do tratamento. Para avaliar se a herbivoria por D. melacanthus afeta ou não o comportamento de busca do inimigo natural T. podisi e de fêmeas coespecíficas, foram realizados bioensaios de olfatometria em olfatômetro de tubo “Y”. No segundo experimento, foi avaliada a produção de compostos voláteis de plantas de milho expostas aos VPIHs por 24h: (RS)-linalol, (E)--farneseno, (E)--cariofileno, acetato de (E)-2-hexenila, acetato de (Z)-3-hexenila, (E)-4,8-Dimetil-1,3,7-nonatrieno (DMNT) e (E, E)-4,8,12-trimetil-1-,3,7,11-tridecatetraeno (TMTT) e indol. Com base nos resultados obtidos das análises químicas das plantas submetidas aos diferentes tratamentos, foram selecionados dois compostos: (RS)-linalol e (E)--farneseno. As plantas foram expostas aos compostos individualmente e utilizadas em bioensaios comportamentais. Para avaliar se os voláteis emitidos pelas plantas expostas aos voláteis sintéticos e tratadas ou não com herbivoria de D. melacanthus afetam o comportamento de busca de T. podisi e de fêmeas coespecíficas, foram realizados bioensaios de olfatometria em olfatômetro de tubo “Y”. Os extratos de aeração contendo os voláteis emitidos pelas plantas foram analisados por CG-FID e CG-MS para identificar e quantificar os compostos presentes nas amostras. No terceiro experimento, foi avaliada a produção de benzoxazinoides de plantas de milho expostas aos VPIHs sintéticos por 24h. Em seguida estas receberam ou não fêmeas do D. melacanthus e após 96h de herbivoria foram submetidas a uma extração líquido-líquido. Os extratos obtidos foram analisados por HPLC com detector UV e por CL acoplada a espectrometria de massa. Para avaliar se as plantas submetidas aos voláteis tiveram sua defesa direta ativada, plantas expostas ou não a VPIHs foram oferecidas como alimento para o D. melacanthus e avaliados os parâmetros de fertilidade, fecundidade e sobrevivência. A análise química dos extratos mostrou que a injúria por herbivoria de D. melacanthus induziu a planta a produzir um perfil de compostos orgânicos voláteis diferente comparado às plantas sadias. No período de 24 - 48 h observou-se que, plantas injuriadas por herbivoria produziram uma maior quantidade dos compostos acetato de (Z)-3-hexenila, (RS)-linalol, salicilato de metila, acetato de geranila, DMNT, ciclosativeno, α-humuleno, (E)-β-cariofileno, α-cadineno e TMTT. O parasitoide de ovos T. podisi respondeu preferencialmente aos odores liberados pelas plantas submetidas à herbivoria quando comparados com os odores das plantas sadias para 48 h após o início do tratamento. Os compostos voláteis sintéticos (RS)-linalol e (E)--cariofileno induziram um aumento na produção de voláteis após as plantas sofrerem um segundo estresse, o dano de herbivoria de Dichelops melacanthus, o que indica que esses compostos induziram o estado de alerta nas plantas de milho. Os resultados obtidos indicam que o tratamento exógeno das plantas de milho com os compostos selecionados alteram o perfil químico das mesmas, mas não parece melhorar a defesa indireta das plantas contra o herbívoro D. Melacanthus, uma vez que os parasitoides não foram atraídos aos voláteis de plantas expostas aos compostos. A herbivoria de D. melacanthus aumenta os níveis de benzoxazinoides em plantas de milho. Ocorreu uma alteração no conteúdo dos benzoxazinoides em plantas expostas aos compostos voláteis sintéticos (E)-2-acetato de hexenila, (E)--farneseno e DMNT, sendo o DIMBOA-Glc o composto mais suprimido. Os benzoxazinoides parecem não estar diretamente relacionados com defesa direta de plantas de milho contra o herbívoro D. melacanthus. Mas, a exposição das plantas aos VPIHs afetou negativamente o desenvolvimento de D. melacanthus. 231/5000 Benzoxazinoids do not seem to be directly related to the direct defense of corn plants against the herbivore D. melacanthus. However, the exposure of plants to HPVPs negatively affected the development of D. melacanthus.
  • EDUARDO FELIPE DA SILVA SANTOS
  • GRADIENTES DE MUDANÇAS FISIOLÓGICAS NA MATURAÇÃO E CONSERVAÇÃO PÓS-COLHEITA E POTENCIAL FUNCIONAL EM ABACAXIS ‘PEROLA’ PARCIALMENTE RECOBERTOS
  • Data: 31/08/2020
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • O abacaxi é uma infrutescência formada pela coalescência de frutilhos com o eixo central do pedúnculo. Os frutilhos que formam a infrutescência possuem idades fisiológicas diferentes ocasionando heterogeneidade na maturação e na qualidade ao longa da infrutescência, dificultando o armazenamento e o emprego de tecnologias pós-colheita. Este trabalho foi realizado em dois experimentos. No Experimento I, infrutescências do abacaxizeiro ‘Pérola’ foram colhidas em três estádios de maturação (verde, verde-amarela e totalmente amarela) e avaliados em três regiões (base, meio e ápice) quanto ao consumo de O2, liberação de CO2, coloração, firmeza, sólidos solúveis, acidez titulável, açucares redutores, não redutores e totais, ácido ascórbico, flavonoides amarelos, carotenoides totais, polifenóis extraíveis totais e atividade antioxidante. Os frutilhos possuem atividade respiratória diferente em cada seção, sendo maior na base que declina na direção apical do fruto, com comportamento não-climatérico típico. As mudanças na respiração e a diferente idade fisiológica dos frutilho ocasionam mudanças em gradiente nos parâmetros físicos e físico- químicos da polpa. O Experimento 2, teve como objetivo estudar os efeitos na qualidade e manutenção da vida útil da aplicação de recobrimento biodegradável em diferentes seções dos abacaxis ‘Perola’ durante o armazenamento. Os abscaxis foram submetidos a aplicação de recobrimento de fécula de mandioca (2,2%) e quitosana (0,3%), com total de 2,5%, em 1/3, 2/3 e 3/3 do fruto e sem recobrimento (Controle), e armazenados durante 20 dias, com períodos de avaliação a cada 4 dias. Os abacaxis foram submetidos à análises físicas, físico-químicas e compostos bioativos. Os abacaxis recobertos com 1/3 e 2/3 apresentaram redução na taxa respiratória. Estes abacaxis também apresentaram atraso no desenvolvimento da coloração amarela, e mantiveram a firmeza elevada por mais tempo. A aplicação parcial manteve os teores de sólidos solúveis e a maior relação SS/AT propiciando frutos mais saborosos. Estes recobrimentos também mantiveram os teores de ácido ascórbico e de flavonoides amarelos e menores teores de fenólicos extraíveis totais, indicando que os recobrimentos mantiveram a qualidade sem conferir estresses aos abacaxis. Em conjunto, o recobrimento parcial de abacaxi com fécula de mandioca e quitosana foi mais efetivo em manter a qualidade e prolongam a vida útil de abacaxi ‘Perola’.
  • ANTONIA DÉBORA CAMILA DE LIMA FERREIRA
  • Isolamento e caracterização de Bacillus e Lysinibacillus com potencial para controle de pragas agrícolas e insetos vetores
  • Data: 28/08/2020
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • Os insetos-praga são responsáveis por causarem sérios prejuízos econômicos e sociais a população, seja danos à produção agrícola ou pela transmissão de doenças a pessoas e animais. As bactérias Bacillus thuringiensis (Bt) e Lisynibacillus sphaericus (Ls) vem sendo amplamente estudadas para controle de pragas devido o potencial inseticida que apresentam a diferentes ordens, sendo exploradas principalmente para formulação de bioinseticidas, ou como agentes doadores de genes para construção de plantas transgênicas. O objetivo desta pesquisa foi realizar a prospecção de novas cepas de B. thuringiensis e L. sphaericus com ação inseticida a pragas de importância agrícola e também vetores de doenças. Ao todo foram processadas 159 amostras de solo que deram origem a 125 isolados que foram armazenados no Banco de Bactérias Entomopatogênicas da EMBRAPA/CENARGEN. Estes isolados foram avaliados quanto a sua toxicidade para insetos da ordem Lepidoptera (Spodoptera frugiperda, Helicoverpa armigera e Anticarsia gemmatalis, Coleoptera (Anthonomus grandis) e Diptera (Aedes aegypti e Culex quinquefasciastus). As estirpes mais patogênicas foram selecionadas e caracterizadas morfologicamente por microscopia eletrônica de varredura (MEV) e pelo perfil proteico e molecular. Após realização dos bioensaios, foi possível selecionar pelo menos uma estirpe com alta atividade inseticida para cada uma das seis espécies de insetos pragas testados. Entre as estripes selecionadas, estão S2728 e S2744 que apresentaram atividade inseticida para Spodoptera frugiperda e Anthonomus grandis, e também inclusões cristalinas evidenciadas por MEV, levando a crer que se tratava de duas estripes de B. thuringiensis (Bt). Porém, a análise de genes clássicos para Bt, via reação em cadeia da polimerase (PCR), não geraram nenhuma amplificação, sugerindo que outros fatores poderiam estar associados a toxicidade dessas cepas, e por isso foi realizado o sequenciado do genoma desses materiais utilizando o sistema de sequenciamento Novaseq. As análises realizadas até então, permitiram concluir que as mesmas pertençam o complexo do grupo B. cereus lato senso, sem revelar com exatidão a espécie. A análise das sequências por BLASTn dos ORFs mostrou a presença de um gene responsável por codificar uma proteína do grupo de Proteínas Indutoras de Necrose e etileno (NEP Like Proteins - NLP), e embora existam poucos relatos sobre a o efeito de proteínas do grupo NPLs para invertebrados, os complexos proteicos presentes nas estirpes 2728 e 2744 dão indícios da atividade entomopatogênica dessas proteínas por meio do reconhecimento dos açúcares presentes na membrana intestinal do inseto, mediado pela ligação da lectina hemolítica ou a hemaglutinina. Este estudo também contribuiu para o enriquecimento do acervo do Banco de Bactérias Entomopatogênicas EMBRAPA/CENARGEN, constituindo-se como importante recurso genético que pode ser explorado para outras aptidões além do potencial inseticida.
  • THAMILLYS DO NASCIMENTO SILVA
  • Avaliação agronômica de diferentes espécies usadas como adubo verde para agricultura sustentável
  • Orientador : DJAIL SANTOS
  • Data: 27/08/2020
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • A adubação verde é uma técnica de cultivo que utiliza plantas que apresentam rápido crescimento inicial, são eficientes na cobertura do solo pela elevada produção de biomassa vegetal, sistema radicular vigoroso e alta capacidade de supressão do banco de sementes do solo, sendo indispensável para um modelo de agricultura sustentável. Dessa forma, objetivou-se avaliar o crescimento vegetativo, produção de biomassa, densidade radicular e a correlação entre essas características com a eficiência do uso da água de dez espécies das famílias Fabaceae e Poaceae com potencial para uso em adubação verde na região semiárida, bem como realizar um inventário florístico da ocorrência de plantas espontâneas predominantes e avaliar a produção de biomassa seca do banco de sementes do solo de adubos verdes. O delineamento experimental foi em blocos casualizados com dez tratamentos, três repetições e dez plantas por repetição. As plantas foram avaliadas em dois estádios de desenvolvimento (floração e maturação). Os adubos verdes utilizados foram: Crotalaria juncea L., C. spectabilis Roth, C. ochroleuca G. Don, Canavalia ensiformes (L.) DC., Dolichos lablab L., Mucuna pruriens (L.) DC., Stizolobium aterrimum Piper & Tracy, Neonotonia wightii (Wight & Arn.) J. A. Lackey, Pennisetum americanum (L.) R. Br., e Brachiaria decumbens Stapf cv. Basilisk. Foram usadas duas abordagens neste estudo: (i) experimento em condições de campo para determinar a taxa de crescimento da parte aérea (%), biomassa seca total da parte aérea e raiz (g planta -1 ), produção de biomassa seca da parte aérea (kg planta -1 ), comprimento radicular (cm), produtividade em grãos (kg ha -1 ), densidade radicular (g cm - ³) e eficiência de uso da água (EUA); e (ii) bioensaio em casa de vegetação para caracterizar as espécies predominantes do banco de sementes, avaliando o número de indivíduos e a matéria seca das espécies de plantas espontâneas. Para o 1º capítulo, os dados foram submetidos a uma análise de variância (ANOVA), e as médias foram comparadas pelo teste de Tukey a 5% de probabilidade, através do PROC GLM do pacote estatístico SAS ® e foram correlacionados a eficiência do uso da água das espécies de adubos verdes com as variáveis (densidade radicular, matéria seca da parte aérea, matéria seca da raiz e taxa de crescimento) utilizando o teste de Pearson. Para o 2º capítulo, todas as análises estatísticas foram executadas usando o programa R.  A espécie Neonotonia wightii apresentou efeito significativo para a taxa de crescimento e densidade radicular. A maior produção de matéria seca foi observada em Dolichos lablab e Mucuna pruriens nos estádios de floração e maturação. O maior comprimento de raiz foi observado em Stizolobium aterrimum. A maior biomassa seca total foi observada em Brachiaria decumbens, não diferindo de N. wightii e de M. pruriens. Os maiores peso de sementes e produção de sementes (kg ha -1 ) foram observados em Canavalia ensiformes, D. lablab, S. aterrimum e M. pruriens. As espécies da família Fabaceae apresentaram as melhores correlações entre as variáveis agronômicas (densidade radicular, matéria seca da parte aérea, matéria seca da raiz e taxa de crescimento) com a eficiência de uso da água. Dentre as espécies predominantes no banco de sementes a família Poaceae foi a de maior predominância de indivíduos e a de maior produção de biomassa seca em todos os manejos de vegetação espontânea dos adubos verdes. As espécies de plantas leguminosas mostraram-se mais eficientes para uso na adubação verde do que espécies não-leguminosas. As espécies de plantas perenes tiveram maiores taxas de crescimento do que as espécies anuais. As leguminosas anuais e perenes mostraram-se eficientes na produção de biomassa. As espécies de leguminosas anuais têm a maior capacidade de supressão das espécies de plantas espontâneas do que as espécies de leguminosas perenes. Entre as espécies do banco de sementes se destaca a família Poaceae com potencial de melhorar futuras comunidades vegetais de biomassa e na população.
  • BRUNO DE SOUZA OLIVEIRA
  • CRESCIMENTO E METABOLISMO DA PALMA (Nopalea cochellinifera var. Baiana) NA REGIÃO SEMIÁRIDA DA PARAÍBA
  • Data: 10/08/2020
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • A cultura da palma forrageira apresenta grande potencial de exploração em regiões áridas e semiáridas, servindo como fonte de alimento para os rebanhos no período de estiagem das chuvas. No entanto, sob condições de baixa fertilidade, como visto nos solos do Nordeste Brasileiro, o aporte de nutrientes para a planta pode ser reduzido. Dentre os nutrientes essenciais ao desenvolvimento vegetal destaca-se o fósforo, que desempenha uma série de funções nos processos fisiológicos da planta, sendo sua deficiência fator limitante ao crescimento e produtividade das culturas. Diante desse contexto o objetivo deste trabalho foi avaliar o efeito da adubação fosfatada sobre o crescimento de palma (Nopalea cochellinifera var. Baiana) em função dos meses de cultivo. O experimento foi realizado em condições de campo nos períodos de março a outubro de 2019 na Estação experimental do Instituto Nacional do Semiárido, localizado no município de Campina Grande - PB. O delineamento experimental utilizado foi o de blocos casualizados com quatro repetições e quatro doses de P2O5 (0,0; 662,5; 825,0 e 1000g no sulco do plantio, ao lado das plantas), utilizando como fonte o superfosfato simples. As variáveis avaliadas foram a altura da planta, largura da planta, número de cladódios, comprimento, largura, perímetro e espessura dos cladódios, mortalidade de cladódios e número de aréolas. Durante os meses de agosto a outubro foram avaliados o pH e a temperatura interna dos cladódios. Os dados obtidos foram submetidos a análise de variância e nos casos de significância, aplicou-se o teste de Tukey para os valores médios dos meses de avaliação e análise de regressão para as doses de P2O5. As características morfometricas de altura de plantas, comprimento, largura, espessura e perímetro de cladódios apresentaram os maiores valores entre os meses de junho a agosto. A maior produção primária e secundária de cladódios e a maior mortalidade de cladódios ocorreu no mês de outubro. A adubação fosfatada nas doses de 1,0 kg e 662,5 g/m linear proporcionaram aumento na produção de cladódios primários e secundários, respectivamente. O pH do suco celular da palma var. baiana foi mais ácido nos períodos mais quente do dia, indicando dessa forma que a mesma não deve ser fornecida às vacas/cabras/ovelhas leiteiras neste tempo, pois poderá refletir na qualidade do leite.
  • ÂNDERSON RODRIGO LUCIANO DA SILVA
  • ESTRATÉGIA PARA REDUÇÃO DE ESTRESSE ABIÓTICO EM MANGUEIRA NO SEMIÁRIDO
  • Data: 29/07/2020
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • O cultivo da mangueira (Mangifera indica L.) no Submédio do Vale do Rio São Francisco é um dos mais tecnificados do Brasil. As condições edafoclimáticas e o sistema manejo utilizado possibilitam a produção de frutos durante todo o ano. Todavia, as elevadas temperaturas, associada à redução de lâmina hídrica na fase de maturação dos ramos tem provocado estresse excessivo às mangueiras. Quando expostas à estresses, as plantas ativam diferentes mecanismos de proteção dentre os quais está o acúmulo de solutos orgânicos de baixo peso molecular nos tecidos. Diante disto, objetivou-se com esta pesquisa avaliar a efetividade de película protetora a base de silício associada a carbonato de cálcio na redução de estresse abiótico da mangueira cv. Palmer no semiárido pernambucano. O experimento foi desenvolvido em pomar comercial com dez anos de idade na cidade de Petrolina, estado de Pernambuco, localizado no semiárido brasileiro. Foram avaliados os seguintes tratamentos: T1- Controle T2- carbonato de cálcio (5 kg/100 L); T3- Humigel Plus A (500 ml/100 L); T4- Humigel Plus A (500 ml/100 L) + carbonato de cálcio (5 kg/100 L); T5- Humigel Plus A (500 ml/100 L) + Humigel Plus Si (2000ml/100 L) e T6- Humigel Plus A (2000 ml/100 L) que correspondeu a dose recomendada pelo fabricante para localidades com temperaturas acima de 30 °C. As películas protetoras de cada tratamento foram aplicadas via foliar uma única após a indução floral. O delineamento experimental foi em blocos ao acaso, avaliado em parcelas subdivididas. Foram avaliados: Metabolismo de carboidratos (Carboidratos solúveis totais e amido); atividade das enzimas antioxidantes (ascorbato peroxidase, catalase, superóxido dismutase -SOD e α-amilase); atividade fotossintética (condutância estomática, transpiração,taxas de fotossíntese líquida, e concentração interna de CO2); componentes de produção diâmetro longitudinal e transversal, temperatura foliar, produção(kg planta-1), produtividade (t ha-1); pós-colheita (qualidade pós-colheita). Os dados foram submetidos a análise de variância e as médias comparadas entre si pelo teste de Tukey ao nível de 5% de probabilidade usando o software ‘R’. O conteúdo de carboidratos totais apresentaram diferença apenas aos 5 DAA e 46 DAA e aos 4 DAA todos os tratamentos apresentaram os maiores conteúdos de carboidratos. Para os teores foliares de amido o pico para T1, T2, T3 e T4 foi registrado aos 3 DAA, enquanto T5 e T6 apresentaram baixo incremento nessa data. Os resultados de α-amilase não demonstraram diferenças estatísticas entre os tratamentos nas datas avaliada percebe-se que para todos os tratamentos apresentaram elevação até 4 DAA, com comportamento distinto nas avaliações posterior. Em relação à fotossíntese liquida observa-se incremento significativo para todos os tratamentos aos três dias após a aplicação, com exceção para a testemunha, que se manteve praticamente estável. A atividade da enzima ascorbato peroxidase (APX) foi significativamente afetada pela aplicação dos tratamentos apenas em duas datas de avaliação (3 e 5 dias após a aplicação dos tratamentos). A atividade a enzima superóxido dismutase (SOD) apresentou oscilação bastante significativa basicamente para dois tratamentos (T1 – testemunha, e T2 - carbonato de cálcio na dose de 5 kg/100 L). Os resultados indicam uma clara atuação da película protetora na atenuação do estresse vegetal da mangueira, inclusive com efeito persistente em função do tempo, considerando o intervalo avaliado.
  • LANNA CECILIA LIMA DE OLIVEIRA
  • Qualidade fisiológica e sanitária de sementes de Vigna unguiculata (L.) Walp. tratadas com produtos naturais e armazenadas
  • Data: 24/07/2020
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • O armazenamento de sementes é um desafio para agricultores familiares. Buscar estratégias que mantenha a qualidade de sementes ao longo da estocagem é de grande importância para evitar perdas e prejuízos ao agricultor. O feijão macassa (Vigna unguiculata (L.) Walp.) é uma leguminosa anual, nativa do continente africano com ampla distribuição nos trópicos. Destaca-se pela sua adaptação e tolerância a condições de estresse hídrico e como fonte alimentar de grande importância nas regiões semiáridas. Os experimentos conduzidos no presente estudo tiveram como objetivo analisar a qualidade fisiológica e sanitária de sementes crioulas de V. unguiculata tratadas com pó vegetal e armazenadas. As sementes foram armazenadas em garrafas PET de um litro com pó de casca de cumaru (Amburana cearensis Freire Allemão) A.C. Smith.), folha de eucalipto (Eucalyptus spp.), casca de laranja cravo (Citrus reticulata Blanco) e frutos de pimenta do reino (Piper nigrum L.) nas dosagens de 25, 50, 75 e 100 g, testemunha (dose 0) e fungicida Captan® (240 g 100 kg-1). As análises foram realizadas em 5 períodos, a cada 45 dias e as avaliações realizadas no período zero foram executadas logo após as sementes serem tratadas. Os testes foram executados no Laboratório para Análise de Sementes e no Laboratório de Fitopatologia do Departamento de Fitotecnia e Ciências Ambientais do Centro de Ciências Agrárias da Universidade Federal da Paraíba, Areia-PB. Sendo avaliadas a umidade, peso de mil sementes, germinação, índice de velocidade de germinação, emergência, índice de velocidade de emergência, viabilidade, vigor e danos pelo teste de tetrazólio e incidência de fungos. Os resultados demonstraram que a qualidade fisiológica das sementes de V. unguiculata armazenadas não foi comprometida pelo uso dos pós, entretanto, as sementes sem tratamento também mantiveram a qualidade fisiológica dentro do padrão ao longo do armazenamento. Os pós de pimenta do reino, eucalipto e cumaru na dose 100 gramas conferiram o melhor efeito no vigor das sementes pelo teste de tetrazólio. Os fungos identificados nas sementes não comprometeram a viabilidade durante o armazenamento. O pó de folhas de eucalipto, pimenta do reino inibem dos fungos, sendo que as maiores dosagens foram mais eficientes. Há uma redução da incidência de fungos no último período do armazenamento independente do uso dos tratamentos nas sementes.
  • JOSEFA JUSSARA RÊGO SILVA
  • Características Morfofisiológicas em Palma Miúda (Nopalea cohenillifera) Submetidas a Adubação Mineral
  • Orientador : JACOB SILVA SOUTO
  • Data: 24/07/2020
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • A palma forrageira vem sendo utilizada como uma alternativa de forragem para os animais na região semiárida, visando a suplementação das forragens nos períodos críticos de estiagem. As cultivares de palma forrageira mais cultivadas pertencem principalmente às espécies Opuntia ficus-indica (L) Miller e Nopalea cochenillifera (L) Salm-Dyck. Dessa forma, a utilização de práticas de manejo para o bom desenvolvimento da palma faz-se necessária, pois um adequado sistema de adubação é fundamental para uma boa produtividade. Além disso, suas características morfofisiológicas também estão relacionadas com o potencial produtivo da palma forrageira e são importantes para a compreensão da resposta da planta quando submetida a diferentes condições ambientais. Assim, em virtude das pesquisas ainda serem escassas no que se refere ao manejo de adubação em Nopalea cohenillifera, variedade miúda, o objetivo do presente trabalho foi avaliar as características morfométricas de pH e temperatura no sulco celular de cladódio da palma sob diferentes doses de superfosfato simples. O experimento foi realizado no período de janeiro a outubro de 2019, na Fazenda Ignácio Salcedo do Instituto Nacional do Semiárido - INSA, no município de Campina Grande – PB. Os tratamentos consistiram em quatro doses de superfosfato simples (0; 662g; 825g e 1000 g de superfosfato simples/parcela, respectivamente), com dose única de cloreto de potássio (287,5g). O delineamento utilizado foi em blocos casualizados e cada parcela experimental foi composta por 10 plantas, totalizando 40 plantas por bloco, sendo um total de 160 plantas avaliadas em todo experimento, em quatro blocos. Para altura de planta, os maiores valores foram encontrados de maio a outubro, com uma média de 58,81 cm, o número de cladódio por planta foi de 11,49, para raquetes, primárias, secundárias terciarias foram de 4, 9,45 e 4,69, respectivamente, a maior média para perímetro de cladódio foi no mês de julho com 48,41 cm, perímetro 48,41cm, espessura 22,75cm, números de aréolas 3,5 cm2; para pH e temperatura as médias mínimas e máximas foram de 4,2 e 4,6 e 13 e 39°C, respectivamente. As doses de superfosfato simples não proporcionaram diferenças estatísticas em todas as variáveis analisadas. Durante o período noturno, os cladódios da palma miúda apresentaram menores valores de pH e de temperatura em comparação com o período diurno, quando as plantas estiveram menos ácidas e com as temperaturas mais elevadas, principalmente nos horários mais quentes do dia.
  • ARLISTON PEREIRA LEITE
  • Disponibilidade nutricional, características ambientais, do solo e determinação de modelos matemáticos foliares de duas espécies de mogno no Semiárido Cearense.
  • Data: 23/07/2020
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • O Brasil tem papel de destaque mundial com relação a quantidade de áreas de florestas plantadas. Algumas regiões do País apresentam limitações para o plantio de algumas espécies, como por exemplo a região semiárida nordestina, que apresenta temperatura elevada na maior parte do ano, além de uma pluviosidade com má distribuição. As espécies Khaya ivorensis e Khaya senegalensis apresentam boa adaptação ao clima dessa região aliado a um bom desenvolvimento para fins madeireiros. Diante disso o objetivo do nosso estudo foi avaliar a disponibilidade de nutrientes, efeitos do florestamento em características de luminosidade, temperatura de solo e ambiente, velocidade do vento, aporte de serrapilheira, organismos da mesofauna, teor de água no solo e definição de modelos de estimativa foliar em plantios de duas espécies do gênero Khaya no Semiárido Cearense. O experimento foi desenvolvido na Fazenda Jaburu, município de Várzea Alegre – CE, em outubro de 2019. O experimento foi instalado em delineamento inteiramente casualizado, onde foram avaliados quatro tratamentos e 10 repetições, sendo: T1 – Khaya ivorensis (6,5 anos); T2 – Khaya senegalensis (6,5 anos); T3 – Khaya senegalensis (3,5 anos); e, T4 – Khaya ivorensis (2,5 anos) e dez pseudo-repetições em delineamento inteiramente casualizado. Foram retiradas amostras de solo para a caracterização físico-química na profundidade de 0-20. A luminosidade foi avaliada através do luxímetro portátil IDEL modelo LD-505; a velocidade do vento foi mensurada através do anemômetro portátil BENETECH modelo GM816 e a temperatura do solo avaliada através de termômetro digital portátil INCOTERM modelo 9791.O aporte de serrapilheira foi avaliado com moldura metálica de 1 m2. Os dados foram submetidos a análise de variância e médias comparadas pelo teste de Tukey, quando significativas. A mesofauna foi verificada através da retirada de amostras com anéis metálicos introduzidos aleatoriamente nas profundidades do solo de 5-10 cm, colocadas no aparato de Berlese-Tullgren para extração dos organismos e posteriormente identificados. Para determinação dos modelos matemáticos foram coletadas 100 folhas de diferentes partes da planta. Os teores de fósforo variaram de 1,17 a 1,69 g kg-1. Os plantios de mogno africanos com idade superior apresentaram menores teores de potássio nas folhas. K. i (6,5 anos) e K. s (3,5 anos) apresentaram valores superiores para cálcio. Para o enxofre K. i (2,5 anos) foi, isoladamente, o tratamento com melhor desemprenho. O tratamento K. s (6,5 anos) foi superior em 81,82% quanto ao teor de ferro. Houve um acréscimo linear nas concentrações de zinco nas folhas. Para o cobre o tratamento K. i (2,5 anos) foi superior aos demais. K. s (6,5 anos) se destacou em 40% para o micronutriente manganês. . As áreas com plantios dos tratamentos Ki 6,5 e Ks 6,5 apresentaram menores valores de luminosidade. A luminosidade não apresentou correlação com a velocidade do vento (-0,03), mas apresentou forte correlação positiva com a temperatura do solo nas três profundidades avaliadas, indicando que valores altos de luminosidade ocasionam em valores elevados de temperatura, seja na superfície, a 7,5 cm de profundidade e a 15 cm de profundidade nos tratamentos do gênero Khaya avaliados. Os tratamentos Ki 6,5 e Ks 6,5 apresentaram maior quantidade de serrapilheira, menor temperatura, além de maiores quantidades para a serrapilheira na fração fíbrica. O teor de água no solo pode ser mantido mais eficiente com plantios desenvolvidos de Khaya, mas é mais influenciado pela sazonalidade. As folhas tiveram variação de 6,17 a 30,76 cm de largura e de 11,45 a 37,76 cm para comprimento para a espécie Khaya ivorensis e de 1,71 a 6,15 de largura e 4,36 a 15,64 para a espécie Khaya senegalensis. O valor do coeficiente de determinação variou de 0,33 a 0,96. De maneira geral, os nutrientes estão dentro ou acima da faixa adequada ao mogno africano. A temperatura do solo tem correlação positiva com a luminosidade, já a serrapilheira apresenta correlação inversa com essa variável. O modelo linear que correlaciona o produto da largura e comprimento das folhas se ajustou adequadamente para a estimativa da área foliar e podem ser utilizados na estimativa da área foliar para as duas espécies estudadas. Dentre os modelos estudados, os polinomiais apresenta melhor coeficiente de determinação.
  • LUCIANA NUNES CORDEIRO
  • CARACTERIZAÇÃO FÍSICA, FISIOLÓGICA E QUÍMICA DE Tamarindus indica L.
  • Data: 29/05/2020
  • Hora: 16:00
  • Mostrar Resumo
  • O tamarindeiro (Tamarindus indica L.), espécie frutífera da família Fabaceae, ocorre em regiões tropicais e subtropicais, sendo considerado ideal para ser cultivado em regiões semiáridas, pois tolera 5 a 6 meses de seca. A propagação principal do tamarindeiro, ocorre, sexuadamente, o que provoca grande variabilidade nas plantas e nos frutos, ocorrência de árvores com vigor excessivo e maior altura, retardamento da produção (por causa do longo período improdutivo causado pela juvenilidade), além de produtividade irregular, colheita difícil, demorada e de elevado custo. Nesse sentido, foram desenvolvidos dois experimentos. O primeiro objetivou avaliar as características químicas e físicas dos frutos, assim como físicas e fisiológicas das sementes de Tamarindus indica L. obtidas de diferentes árvores matrizes. O delineamento experimental foi inteiramente casualizado, tendo como tratamentos 41 árvores matrizes de tamarindo. Sendo avaliadas as seguintes características: Análises químicas do fruto, biometria de frutos e sementes, e a caracterização fisiológica das sementes de tamarindo. Com base nos resultados há variabilidade entre árvores matrizes de tamarindo quanto as características biométricas de frutos e sementes, nos aspectos físico-químicos da polpa do fruto e da qualidade fisiológica das sementes; a análise de componentes principais permitiu dividir as matrizes em dois grupos: grupo 1 e 2, , com 19 e 11 árvores matrizes de tamarindo, respectivamente. Já o segundo experimento foi desenvolvido com o objetivo de adequar a metodologia do teste de tetrazólio para avaliar a viabilidade e o vigor de sementes de Tamarindus indica L. O delineamento experimental foi o inteiramente casualizado em esquema fatorial 2x3x3, sendo dois lotes de sementes, três tempos de embebição em sal (6; 12 e 16 horas) e três concentrações de sal de tetrazólio (0,075; 0,1 e 0,5%), com quatro repetições de 25 sementes. Das variáveis avaliadas determinou-se o grau de umidade e as análises de qualidade das sementes.; na avaliação da qualidade fisiológica, por meio do teste de tetrazólio, sementes de Tamarindus indica L. devem ser condicionadas em água por 48 horas a 30ºC para retirada do tegumento, seguida do acondicionamento dos embriões na concentração de 0,01% de sal de tetrazólio por período de 6 horas, a 40ºC.
  • NÚBIA APARECIDA DOS SANTOS ANDRADE
  • Crescimento de mudas e comportamento estomático de Senna Georgica H.S. Irwin & Barneby sob diferentes níveis de sombreamento
  • Orientador : MANOEL BANDEIRA DE ALBUQUERQUE
  • Data: 30/04/2020
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • Senna georgica H. S. Irwin & Barneby é uma espécie pertencente à família Fabaceae, nativa do Cerrado e Caatinga, é conhecida popularmente como “lava prato”. A luminosidade é um importante fator ambiental que controla processos associados ao acúmulo de matéria seca, contribuindo assim para o crescimento vegetal. Dessa forma o objetivo da pesquisa foi avaliar a influência de diferentes níveis de sombreamento no desenvolvimento inicial de mudas de Senna georgica. O experimento foi desenvolvido no Laboratório Ecologia Vegetal do Departamento de Fitotecnia e Ciências Ambientais, do Centro de Ciências Agrárias, Universidade Federal da Paraíba, Campus II, Areia, PB. O delineamento experimental foi inteiramente ao acaso, com dez repetições. Os tratamentos constituíram em cincos níveis de sombreamento: 0% (pleno sol), 30%, 50% e 65% e 80% de sombreamento. As variáveis analisadas foram: altura, número de folhas, comprimento da raiz, teor de clorofila a e b, relação entre as clorofilas a e b, clorofila total, fotossíntese, transpiração, condutância estomática, carbono interno, temperatura foliar, massa seca de folha, caule, raiz e total. Senna georgica apresentou variações no crescimento influenciadas pelos níveis de sombreamento, sua fase juvenil é bastante sensível à exposição direta de luz solar, requerendo assim algum nível de sombreamento para garantir a sua sobrevivência inicial. As plantas no tratamento em pleno sol não se adaptaram a exposição da radiação. No entanto, resultados encontrados sugerem que o crescimento e a trocas gasosas das mudas de Senna georgica são favorecidos pelo cultivo da espécie num nível de sombreamento de 30%.
  • PHETRUS BITAR DE ARAUJO
  • Qualidade, atividade antioxidante e compostos fenólicos bioativos em uva ‘BRS Cora’ influenciados por sistemas de condução, porta-enxertos e variações climáticas intraanuais
  • Data: 29/04/2020
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • O Submédio do Vale do São Francisco, no nordeste do Brasil, tem se destacado na produção de uvas destinadas a elaboração de suco. Esta região possui um clima tropical semiárido e é caracterizada por altas temperaturas prevalescentes e altas taxas de insolação. Nestas condições, a produção de uvas é contínua durante o ano. No entanto, ainda são escassos estudos que correlacionem a influência dos componentes do sistema produtivo sobre as diferentes condições climáticas de cada época de produção ao longo do ano. Diante disso, o objetivo geral deste trabalho foi caracterizar a qualidade e distinguir a composição fenólica em uvas ‘BRS Cora’ sob influência de sistemas de condução e porta-enxertos, em diferentes épocas do ano, no Submédio do Vale do São Francisco. Os experimentos foram conduzidos no Campo Experimental de Bebedouro da Embrapa Semiárido, em Petrolina-PE. O primeiro experimento consistiu em caracterizar a qualidade e o potencial antioxidante da uva ‘BRS Cora’ cultivada sob os sistemas de condução latada, lira e espaldeira e os porta-enxertos ‘IAC 572’ e ‘IAC 766’, em dois ciclos de produção do mesmo ano. No segundo experimento, caracterizou-se, por cromatografia líquida de alta eficiência (HPLC), a influência dos sistemas de condução (latada, lira e espaldeira) e das diferentes épocas de produção do ano sobre a composição fenólica da uva ‘BRS Cora’. O delineamento experimental foi em blocos ao acaso, em ambos os experimentos, sendo que, para o primeiro, os tratamentos foram arranjados em parcelas subsubdivididas no tempo e, para o segundo, em parcelas subdivididas. As condições climáticas do primeiro semestre de 2019, caracterizada por temperaturas mais amenas, favoreceram o acúmulo de antocianinas, flavonoides amarelos e polifenóis extraíveis totais. Em relação aos sistemas de condução e aos porta-enxertos, a latada associada ao ‘IAC 766’ caracterizou-se por maior acúmulo de antocianinas e flavonoides amarelos na casca. As variáveis massa da baga, sólidos solúveis e açúcares solúveis totais foram beneficiadas pelas condições climáticas do segundo semestre. No segundo estudo, conclui-se que as condições de cultivo do segundo semestre de 2019 favoreceram a degradação e/ou redução das taxas de síntese dos constituintes fenolicos quantificados. O sistema de condução latada potencializou o conteúdo dos flavan-3-ois galato de epicatequina, epigalocatequina e epicatequina enquanto, para os ácidos cafeico e caftárico, foi o uso de espaldeira que promoveu esta resposta, determinando diferenciais na composição fenólica para cada situação.
  • ROBERTO TAVARES DA SILVA
  • FENOLOGIA DE Schinopsis brasiliensis Engler E SUA RELAÇÃO COM A PRECIPITAÇÃO PLUVIAL EM ÁREAS DE CAATINGA
  • Orientador : RISELANE DE LUCENA ALCANTARA BRUNO
  • Data: 31/03/2020
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • A Schinopsis brasiliensis Engler é uma espécie florestal típica do bioma caatinga, com aproximadamente 10 a 12m de altura e 60 cm de diâmetro, caracteristicamente apresenta ramos providos de espinhos. Geralmente essa espécie é encontrada em todas as áreas da caatinga, entre os territórios que abrangem os estados da Bahia a Paraíba. O objetivo do trabalho foi avaliar a fenologia de Schinopsis brasiliensis Engler, em duas áreas de caatinga paraibana e relacioná-la com a distribuição da precipitação pluvial. Para a marcação dos indivíduos foi utilizado o método de trilha, o qual consiste em estabelecer trilhas para encontrar as matrizes, com distâncias de no mínimo 50 metros a intervalos definidos, sendo selecionados, nas duas áreas, um total de 56 indivíduos. As variáveis avaliadas foram: Percentual de intensidade de Fournier e o Índice de atividade (brotamento, senescência, floração e frutificação), durante um ano e cinco meses, com utilização do calendário Juliano. A sazonalidade de cada fenofase foi analisada pela estatística circular. Com base nos resultados foi observado que a brotação inicia no começo do período chuvoso e a senescência está presente durante todo o ano, com mais intensidade na época mais seca. Os períodos de floração e frutificação, ocorrentes na época mais seca, são caracterizados como de baixa intensidade, com distribuição desuniforme de ano para ano.
  • VANDA MARIA DE AQUINO FIGUEIREDO
  • REVESTIMENTOS DE GALACTOMANANAS E PECTINAS CONTENDO ÓLEO ESSENCIAL DE Lippia grata NANOENCAPSULADO PARA A QUALIDADE E CONTROLE DA PODRIDÃO PEDUNCULAR EM MANGA ‘PALMER’
  • Data: 09/03/2020
  • Hora: 13:30
  • Mostrar Resumo
  • Para amenizar a deterioração pós-colheita e prolongar a vida útil dos frutos, diversas tecnologias podem ser utilizadas, entre elas a aplicação de revestimentos comestíveis que modificam a atmosfera, promovendo mudanças nas trocas gasosas com o ambiente. O objetivo deste trabalho foi determinar o potencial de aplicação de revestimentos biodegradáveis a partir de galactomananas e pectinas em associação a óleo essencial de Lippia grata nanoencapsulado em mangas ‘Palmer’ produzidas no submédio do Vale do São Francisco. Os experimentos foram conduzidos no Laboratório de Fisiologia Pós-Colheita da Embrapa Semiárido, Petrolina-PE. O primeiro experimento consistiu na aplicação de revestimentos à base de pectinas e galactomananas associados ou não a óleo essencial (OE) nanoencapsulado de L. grata, tendo os frutos sido submetidos a inoculação de L. theomobrae. O delineamento utilizado foi o inteiramente casualizado, em fatorial 5 x 7 (revestimento x tempo de armazenamento). Os revestimentos utilizados foram: controle 1 (sem revestimento e sem inoculação), controle 2 (sem revestimento), pectinas, pectinas + óleo, galactomananas, galactomananas + óleo. Os frutos foram mantidos sob temperatura controlada (25 ± 2,4 °C e 90 ± 5% UR) e avaliados por 14 dias. Apenas os frutos revestidos com as galactomananas se mantiveram em condições de serem avaliados até o 14º. dia, sinalizando ser a galactomanana mais adequada para o uso nestas condições. O segundo experimento contou com revestimentos em diferentes concentrações de galactomananas associados ao OE nanoencapsulado de L. grata, tendo todos os frutos sido inoculados com L. theomobrae. O delineamento usado foi o inteiramente casualizado, em fatorial de 7 x 9 (7 revestimento x tempo de armazenamento). Foram testadas três concentrações de galactomanas (0,25; 0,5; 0,75%), associadas ou não ao OE, e os frutos mantidos sob temperatura controlada (25 ± 2,4 °C e 90 ± 5% UR). A concentração de 0,5% foi a que proporcionou melhor manutenção da qualidade da manga, tendo sido escolhida para o terceiro experimento, que contou com diferentes formas de incorporação do OE. O delineamento utilizado foi o inteiramente casualizado, em fatorial 4 x 10 (revestimento x tempo de armazenamento). Os revestimentos utilizados foram: controle (sem revestimento), galactomanana, galactomanana + OE nanoencapsulado, galactomanana + OE em solução. Os frutos foram mantidos sob refrigeração (12 ± 1 °C e 90 ± 4% UR) durante 15 dias e depois transferido para temperatura ambiente (24 ± 3,2 °C e 90 ± 5% UR) por mais 10 dias. Estudo sobre o impacto dos revestimentos sob infecção de L. theomobrae foi realizado separadamente com todos os revestimentos utilizados. Os revestimentos contendo OE, em ambas as formas, proporcionaram maior manutenção dos aspectos de qualidade, tendo mantido a coloração verde da casca por mais tempo, proporcionado retardo no aumento dos teores de sólidos solúveis, na redução da acidez e no teor de betacaroteno, alcançando teores de açúcares redutores superiores aos demais revestimentos.
  • IZABELA THAÍS FIDELIS ALVES DA SILVA
  • Aspectos biológicos e comportamentais do parasitismo de Anthonomus grandis (Boh) por Bracon vulgaris Ashmead na cultura do algodoeiro.
  • Data: 28/02/2020
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • A cultura do algodão está entre as mais importantes culturas de fibras no mundo. Em praticamente todos os países produtores os insetos-praga e as doenças são considerados os principais fatores que contribuem para a redução na produção, principalmente pelo fato da planta atrair e hospedar permanentemente um complexo significativo de pragas, que atacam desde as raízes até o produto final como os capulhos, destacando-se como principal praga da região das Américas, o bicudo do algodoeiro (Anthonomus grandis). As espécies de parasitoides de larvas Catolaccus grandis (Burks) (Hymenoptera: Pteromalidae) e Bracon vulgaris Ashmead (Hymenoptera: Braconidae) apresentam grande potencial para inserção no controle e redução de populações do bicudo. Para tanto, a utilização de práticas agrícolas ecologicamente vantajosas, que beneficiem os inimigos naturais deve ser planejada. Entretanto, dado ao sistema intensivo de cultivo seu uso no Cerrado brasileiro é um desafio. Este trabalho teve por objetivo avaliar os aspectos biológicos e comportamentais do parasitismo de Anthonomus grandis (Boh) por Bracon vulgaris Ashmead na cultura do algodoeiro. Como, a atração do ectoparasitoide aos voláteis constitutivos, induzidos por herbivoria e pelo feromônio de agregação de A. grandis (Boh.). Os resultados obtidos com a pesquisa demostram que fêmeas de B. vulgaris apresentam curva de resposta funcional do tipo II, exploram os voláteis de algodão induzidos por A. grandis na busca de hospedeiros larvais , bem como, os voláteis de plantas induzidas pelo feromônio e o feromônio de A. grandis. Esses resultados subsidiam informações importantes que permitirão simular as dinâmicas populacionais de ambas espécies (parasitoide-praga) e a utilização dos voláteis de plantas através de semioquímicos para implementação de programas de controle biológico de A. grandis utilizando B. vulgaris.
  • JEAN TELVIO ANDRADE FERREIRA
  • TROCAS GASOSAS FOLIARES DE ESPÉCIES DE PLANTAS LEGUMINOSAS E NÃO-LEGUMINOSAS CULTIVADAS EM AMBIENTE SEMIÁRIDO
  • Orientador : DJAIL SANTOS
  • Data: 28/02/2020
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • A região semiárida é caracterizada por fatores climáticos como altas temperaturas e chuvas irregulares que podem fazer com que as plantas se comportem de formas variadas de acordo com as condições do ambiente e com respostas diferentes ao longo do dia. O objetivo do trabalho foi avaliar as trocas gasosas foliares pelo método do curso diário de plantas leguminosas e não leguminosas na região semiárida paraibana em um experimento com três blocos casualizados e dez tratamentos (Crotalaria juncea L., C. spectabilis Roth, C. ochroleuca G. Don., Canavalia ensiformes (L.) DC., Dolichos lablab L., Mucuna pruriens (L.) DC., Neonotonia wightii (Wight & Arn.) J.A. Lackey e Brachiaria decumbens Stapf), Pennisetum americanum (L.) R.Br.), Stilozobium aterrimum Piper and Tracy. As avaliações foram feitas seguindo o método do curso diário, sucessivamente nos horários de 8:00-10:00, 10:00-12:00, 12:00-14:00,14:00-16:00 e 16:00-18:00 horas. As variáveis analisadas foram taxa fotossintética (A), transpiração foliar (E), condutância estomática (Gs), concentração interna de CO2 (Ci), eficiência no uso de água (EUA), eficiência instantânea de carboxilação (EiC) e eficiência intrínseca do uso da água (EiUA), além da matéria seca da aérea. As espécies do gênero Crotalaria apresentaram os maiores valores de taxas fotossintéticas, o que as condicionaram a maiores abertura estomática e transpiração. As espécies B. decumbens e P. americanum apresentaram uma maior eficiência no uso da água e de carboxilação. As espécies de Fabaceae atingiram seu pico de absorção entre as 9 e 11h, e as Poaceae entre 12 e 13h. As espécies Fabaceae apresentaram as melhores respostas fotossintéticas para a espécie C. juncea e de maior produção de biomassa seca para M. pruriens.
  • RENATO PEREIRA LIMA
  • New approaches to optimizing the functionality of starch-based coatings for improving postharvest quality and conservation of tropical fruits
  • Data: 28/02/2020
  • Hora: 13:00
  • Mostrar Resumo
  • Coatings are low cost and feasible technologies to maintain the quality of stored fruits and vegetables and reduce postharvest losses. They are a thin layer blocking pores and lenticels on the fruit surfaces, acting as a barrier to moisture, O2, and CO2 exchanges, modifying internal gas concentrations, reducing product metabolic activity and delaying senescence. This work was aimed at describing the effects of cassava starch-based coatings on blocking pores, changing internal atmosphere composition and preserving qualities of coated fruits. Four experimental approaches with different objectives were carried out: I – to propose an alternative method for the estimation of blocked pores on the surface of freshly coated produce using Digital Image Processing and to quantitatively assess the impact of coating properties on blocking pores of different fruits; II – to describe the relationship between starch-based coating and the internal oxygen concentration in coated banana; III – to investigate the dynamic behaviour gases exchange and internal atmosphere build up in starch-based solution coated papaya fruit; IV – to evaluate the effects of starch-based coating with ascorbic acid/choline chloride Deep Eutectic Solvent (DES) as a plasticizer on postharvest quality of mango fruit. The proposed method for estimating the blocked pores on coated fruit surface uses stained starch granules-color to segment coated fruit images and to extract the patterns. Coating solution without Tween, as well as the one receiving Tween when it was at 60 °C, had weak interaction with the skin of fruits known to have high cutin and wax content (mandarins and peppers) but had great adhesion onto the banana surface.
  • ANGELICA DA SILVA SALUSTINO
  • AÇÃO DE BIOFERTILIZANTES LÍQUIDOS ASSOCIADOS A EXTRATOS VEGETAIS SOBRE Ceratitis capitata Wied, 1824 (Diptera: Tephritidae)
  • Data: 28/02/2020
  • Hora: 10:30
  • Mostrar Resumo
  • A mosca das frutas Ceratitis capitata Wied, 1824, é considerada uma das principais pragas de frutíferas em todo o mundo, representando a maior variedade de hospedeiros entre as demais moscas das frutas. Devido aos danos acarretados pelo uso de produtos químicos visando o controle desta praga, métodos alternativos vêm sendo utilizados para diminuir os prejuízos causados por este inseto, de forma ecologicamente correta, como o uso de extratos vegetais, os quais podem apresentar efeitos inseticidas letais e subletais. Diante do exposto o objetivo desse estudo foi avaliar a ação de biofertilizantes líquidos associados a extratos vegetais sobre Ceratitis capitata. A pesquisa foi realizada no Laboratório de Zoologia de Invertebrados no Centro de Ciências Agrárias da Universidade Federal da Paraíba. Sendo utilizados para ação deletéria dois biofertilizantes (Vairo e Plantas) associados a nove extratos vegetais (Pitanga, Alho, Gengibre, Hortelã, Pimenta, Arruda, Nim, Pinha e Cravo), na concentração única de 20%, e posteriormente apenas os extratos de Nim, Pitanga, Arruda, Gengibre e Alho em concentrações de 30, 40 e 50%. Na concentração única de 20% os extratos de gengibre, pitanga, arruda e alho quando comparados aos demais foram os que apresentaram maior probabilidade de mortalidade larval. No entanto, evidenciou-se interferência dos biofertilizantes na ação inseticida dos extratos de gengibre (B.V. 39,8% a B.P. 16,33%) e arruda (B.V. 19,8 a B.P. 4,49%). Na aplicação com diferentes concentrações, a mortalidade larval foi próxima a 100% para os extratos de Nim, Arruda e pitanga, quando associados ao biofertilizante Vairo. O biofertilizante de plantas interferiu no extrato de Nim nas concentrações de 30 e 40%, no extrato de Pitanga apenas na concentração de 30% e no extrato de Arruda na concentração de 50%. A mortalidade larval de C. capitata decorrente da aplicação de biofertilizantes associados a extratos foi influenciada pelas concentrações de 30, 40 e 50% pelo biofertilizante de plantas.
  • ANSELMO FERREIRA DA SILVA
  • Compatibilidade entre clones de cajueiro anão precoce avaliada pelos mecanismos fotossintético, osmoprotetor e de compactação de reservas sob supressão hídrica,
  • Orientador : REJANE MARIA NUNES MENDONCA
  • Data: 28/02/2020
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • A cajucultura possui grande impacto socioeconômico no Brasil, principalmente na região Nordeste. A despeito de ser a maior região produtora de caju e de ter-se grandes áreas de produção sem irrigação, as irregularidades pluviométricas têm limitado o desenvolvimento das plantas e a expansão das áreas de produção. Desta forma, alternativas de composição de porta-enxertos e copa que possuam menor demanda hídrica devem ser buscadas. O estudo de porta-enxertos com reduzida demanda hídrica vem sendo realizado em diversas culturas; porém a compatibilidade destes com as copas de interesse comercial nem sempre têm sido observadas. Entender os mecanismos fisiológicos que possibilitam a influência do porta-enxerto sobre os sítios bioquímicos da copa ou vice-versa, pode permitir a identificação de composições que possam ser recomendadas para ambientes com maior restrição hídrica, notadamente quando o cultivo for sem irrigação. Desta forma, objetivou-se com o presente estudo evidenciar interferências no enxerto pelo porta-enxerto através do status hídrico, metabolismo fotossintético, compartimentação de reservas e osmoproteção sob supressão hídrica. O trabalho foi conduzido em campo no município de Catolé do Rocha, Paraíba, Brasil, no esquema fatorial 4x4 avaliando-se quatro combinações de enxerto/porta-enxerto: CCP76/CCP76, CCP76/BRS226, BRS226/BRS226 e BRS226/CCP76; submetidas a quatro regimes hídricos (25%, 50%, 75% e 100% da ETc). O delineamento estatístico teve 3 repetições, com 48 plantas na parcela útil. Entre os blocos foi colocado uma bordadura com 4 plantas, totalizando 16 plantas como bordaduras e extremidades. Aos 30 dias sob os tratamentos foram realizadas mensurações dos diâmetros do caule da copa (DCC) e porta-enxerto (DCPE) conteúdo relativo de água (CRA), percentual de umidade (U%), dano de membrana (DM), trocas gasosas, atividade fotoquímica, pigmentos clorofilados e com 24 horas iniciou as análises de carboidratos (AST, AR e ANR), aminoácidos (AALT), proteínas solúveis totais (PST), glicina-betaína (GB), prolina (PRO) e o conteúdo de íons (Na+, K+, Ca2+ e Cl-). Tomados os resultados, a combinação BRS226/CCP76, corresponde aos melhores resultados na compartimentação de reservas (AR e NRS) em 25 e 50% da ETc. Concluiu-se que as plantas BRS226/CCP76 têm uma melhor adaptação ao déficit hídrico tanto na atividade fotoquímica (Fm, FV, Fv/Fm), como no acúmulo de carboidratos (AR e NRS) e o auto-enxerto CCP76 e a combinação CCP76/BRS226 responderam com elevação dos conteúdos de osmoproteção sob restrição hidrica. Destaca-se que pode ser utilizada a lâmina de até 50% da ETc com as combinações que possuem o BRS226 tanto como enxerto, como porta-enxerto, sem alterações drásticas no crescimento e metabolismo vegetal.
  • ANDRESSA KAMILA SOUZA ALVES
  • Aplicação de reguladores de crescimento na qualidade pós-colheita de batata doce (Ipomoea batatas)
  • Data: 28/02/2020
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • A batata doce (Ipomoea batatas L. (Lam.)) é uma importante fonte energética e consumida em grande parte do mundo, principalmente em países subdesenvolvidos . O objetivo deste trabalho foi avaliar o efeito da aplicação de reguladores de crescimento (nas características pós-colheita de batata doce. O experimento de campo foi realizado na Universidade Federal da Paraíba (CCA – Areia – PB) utilizando delineamento em blocos casualizados em esquema fatorial 4 tipos de reguladores de crescimento) e 6 doses, com 3 repetições, sendo esses o Ethrel® , Nitrato de Cálcio, Stimulate® e o Acadian®. As características dos tubérculos foram avaliadas no laboratório pós colheita da Universidade Federal da Paraíba (CCA – Areia – PB), e as análises foram o teor de glicose, sacarose, açúcares totais, amido, sólidos solúveis totais, acidez, pH e cinzas. Os dados foram submetidos ao teste de normalidade (Shapiro-Wilk) e homogeneidade (Bartlett) e, em seguida, à análise de variância. Os dados não foram significativos (P>0,05) e, por isso, análises descritivas foram realizadas. A aplicação de reguladores de crescimento (Acadian®, Ethrel®, nitrato de cálcio e Stimulate®), aplicados na pré-colheita , não foram eficientes na pós-colheita de batata doce.
  • GALILEU MEDEIROS DA SILVA
  • AVALIAÇÃO DO BANCO DE SEMENTES EM DUAS ÁREAS DA CAATINGA PARAIBANA COM PRESENÇA DA ESPÉCIE Sideroxylon obtusifolium (Roem. Schult.) T.D. Penn
  • Orientador : EDNA URSULINO ALVES
  • Data: 28/02/2020
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • A pesquisa com banco de sementes é uma ferramenta importante na avaliação do estado de conservação de espécies vegetais, uma vez que o conhecimento do banco de sementes permite o entendimento do processo de sucessão ecológica local, além de facilitar no estudo de alternativas de menor custo em projetos de recuperação de áreas degradadas. O objetivo nesse trabalho foi avaliar o banco de sementes em duas áreas da Caatinga paraibana com presença da espécie Sideroxylon obtusifolium (Roem. & Schult.) T.D. Penn. A pesquisa foi realizada em duas áreas, localizadas nos municípios de Boa Vista e Prata, ambos na Paraíba, pertencentes às fazendas Santa Rosa do Espólio e São Paulo, respectivamente. As coletas das amostras de solo foram realizadas de forma aleatória em duas etapas, na mesma época de cada ano, ambas no mês de abril do ano de 2018 e 2019. Em Boa Vista foram selecionadas 25 e em Prata 20 plantas matrizes da referida espécie, tomando como base para a coleta de solo. Em cada planta matriz foram coletadas duas amostras de solo, sendo uma na borda de sua copa e a outra a uma distância de aproximadamente 15 metros da borda de sua copa. As amostras de solo foram coletadas com auxílio de gabaritos de ferro, acondicionadas em sacos plásticos, identificadas com etiquetas e em seguida transportadas para casa de vegetação do Laboratório de Análises de Sementes do Centro de Ciências Agrárias da Universidade Federal da Paraíba (UFPB), onde foram destorroadas, uniformizadas e colocadas para germinar em bandejas de plástico, prosseguindo-se com a determinação da composição florística, diversidade de espécies (Shannon-Weaver), equabilidade de Pielou e a estrutura fitossociológica. No banco de sementes na área de Prata-PB foram reconhecidas 16 espécies, 19 gêneros dentro de 13 famílias botânicas. Na área de Boa vista-PB foram reconhecidas 39 espécies, 38 gêneros dentro de 19 famílias botânicas. Em ambas as áreas há predominância de espécies com porte herbáceo, sendo que ocorrência da espécie S. obtusifolium foi constatada apenas no banco de sementes da área de Boa Vista-PB.
  • MARIA DAS GRAÇAS RODRIGUES DO NASCIMENTO
  • ASPECTOS GENÉTICOS E QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES CRIOULAS DE Phaseolus lunatus L.
  • Data: 28/02/2020
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • A fava (Phaseolus lunatus L.) é uma cultura importante para agricultores familiares, principalmente da região Nordeste, devido às diferentes características quanto as formas, tamanho e cor. Dessa forma, o objetivo foi determinar, através da diversidade genética, se as variedades têm uma alta proximidade, como também avaliar a qualidade física, fisiológica e sanitária das sementes das diferentes variedades crioulas de Phaseolus lunatus L. adquiridas de agricultores familiares dos Estados da Paraíba e Pernambuco, submetidas ao estresse salino. A pesquisa foi realizada nos Laboratórios de Análise de Sementes e de Fitopatologia do Centro de Ciências Agrárias. As avaliações foram de citogenética, diversidade genética, qualidade fisiológica, sanitária e estresse salino. A análise citogenética foi realizada com sementes de 19 variedades, para a diversidade genética foram utilizadas sementes de 29 variedades, na avaliação da qualidade fisiológica determinou-se o teor de água, peso de mil sementes e avaliação da germinação e vigor (primeira contagem de germinação, índice de velocidade de germinação, comprimento e massa seca de plântulas, teste de tetrazólio, condutividade elétrica) e composição química, enquanto para simulação do estresse salino utilizou-se cloreto de sódio (NaCl), nas concentrações de 0,0 (testemunha); 2,0; 4,0; 6,0; 8,0 e 10,0 dS m-1. Para qualidade sanitária e fisiológica utilizou-se sementes de seis variedades crioulas de P. lunatus (Branca, Cancão, Cavalinha, Manteiguinha, Orelha de Vó e Rainha). Em todas as variedades analisadas foi constatado 2n = 22, cariótipos com tamanho médio entre 2,45 a 5,85 µm relativamente simétricos e cromossomos predominantemente metacêntricos. Entre as variedades crioulas de P. lunatus evidencia-se variabilidade genética, por isso indica-se para seleção as variedades Branca, Coquinho Moita Vermelha, Miúda, Manteiga, Raio de Sol e Orelha de Vó. A germinação média das sementes das variedades foi 91%, constatando-se para as variáveis alta herdabilidade (>70%), condição essa favorável à seleção. Os gêneros de fungos presentes nas sementes das variedades crioulas de P. lunatus são Alternaria sp., Aspergillus sp., Basiodiplodia sp., Cladosporium sp., Fusarium sp., Penicillium sp., Rizhopus sp., Rizoctonia sp. e Trichoderma sp. O percentual germinativo das sementes de variedades crioulas de P. lunatus não foi afetado por altas concentrações de NaCl, de forma que germinam até 10 dS m-1.
  • MARIA ITALA ALVES DE SOUZA
  • SELETIVIDADE DE INSETICIDAS UTILIZADOS NA CULTURA DO MILHO SOBRE O PREDADOR Marava arachidis Yersin, 1860 (Dermaptera: Forficulidae)
  • Data: 28/02/2020
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • Dentre os insetos-praga mais importantes da cultura do milho, destaca-se a lagarta-do-cartucho Spodoptera frugiperda (J. E. Smith) (Lepidoptera: Noctuidae). O controle químico é considerado o principal método para controlar esta praga, porém, algumas desvantagens como a possibilidade da não seletividade aos inimigos naturais, ressurgência da praga, seleção de insetos resistentes e contaminação humana e ambiental podem ser observados com a aplicação de produtos químicos. Isso A espécie Marava arachidis (Yersin, 1860) (Dermaptera, Forficulidae) em virtude do seu comportamento generalista, vêm se destacando como importante agente de controle biológico. Desta maneira, considerando-se a potencialidade desse predador no controle de insetos-pragas, o objetivo deste trabalho foi avaliar a seletividade de inseticidas registrados para o controle de S. frugiperda na cultura do milho sobre Marava arachidis (Yersin, 1860) em condições de laboratório. A pesquisa foi conduzida no Laboratório de Zoologia de Invertebrados, localizado no Departamento de Ciências Biológicas do Centro de Ciências Agrárias da Universidade Federal da Paraíba (CCA-UFPB). Para verificar o efeito de contato e ingestão dos inseticidas, os mesmos, foram aplicados e ofertados a ninfas e adultos de M. arachidis, sendo utilizados os seguintes inseticidas químicos: Belt (Flubendiamida), Cyptrin 250 CE (Cipermetrina), Lannate BR(Metomil), Sabre (Clorpirifós) e Xentari (Bacillus thuringiensis) sendo utilizada a dose de campo para todos os tratamentos. Dentre os tratamentos utilizados aplicados diretamente sobre esse predador, os inseticidas Flubendiamida, Metomil e B. thuringiensis foram seletivos, mostrando-se inócuos a M. arachidis, podendo ser utilizados em programas de Manejo Integrado de Pragas. Entretanto, os inseticidas Cipermetrina e Clorpirifós, não apresentaram seletividade, mostrando-se moderadamente nocivo a esse predador. Em contrapartida, o efeito de ingestão mostrou-se diferente, onde todos os inseticidas mostraram-se inócuos a esse predador.
  • MÁRCIA PALOMA DA SILVA LEAL
  • Indutores de Florescimento na Batata Doce (Sweet potato L.)
  • Orientador : THIAGO JARDELINO DIAS
  • Data: 27/02/2020
  • Hora: 13:00
  • Mostrar Resumo
  • A produção de novos conhecimentos sobre o crescimento e desenvolvimento da cultura da batata doce, para região nordeste, tem sido um avanço positivo para os produtores que garantem sua renda através da produção dessa olericola. Podendo assim, auxiliar na eficiência dos recursos produtivos e consequentemente na elevação da sua produtividade. Com vista nisso, objetivou-se avaliar o efeito dos indutores de florescimento, no crescimento e desenvolvimento, na produção, na fisiologia da planta e nos fatores ambientais para a cultura da batata doce, o experimento foi em blocos casualizados, em esquema fatorial com quatro indutores e seis concentrações, (Stimulate® 0,0; 2,0; 4,0; 6,0; 8,0; e 10,0 ml-1, Etrel 0,0; 1,0; 2,0; 3,0; 4,0; e 5,0; ml-1, Acadian® 0,0; 0,5; 1,0; 2,0; 3,0; e 4,0 ml-1 e Nitrato de cálcio 0,0; 10,0; 20,0; 30,0; 40,0; e 50,0 ml-1 ) com três repetições. As variáveis analisadas foram crescimento e desenvolvimento (altura da planta, número de folhas e diâmetro do caule), produção (peso total, número de ramas, peso de rama comercial, número de rama comercial, comprimento de rama, diâmetro da rama e parte aérea), fisiológicas (trocas gasosas: fotossíntese líquida, condutância estomática, transpiração, concentração de carbono interno, eficiência do uso da água, eficiência intrínseca do uso da água e eficiência intrínseca de carboxilação), (fluorescências de clorofila :fluorescência inicial, máxima, variável), (índices de clorofila: clorofilas a, b e total) e fatores ambientais como: temperatura média do ar (Cº), pressão atmosférica(mb), umidade relativa do ar (%),vento (m/s), chuva (mm), evaporação (mm) e fotoperíodo (horas). O indutor Etrel não é indicado para o crescimento e desenvolvimento das plantas de Batata Doce da variedade Paraíba, já os indutores Nitrato de cálcio, Stimulate® e Acadian® são recomendados para crescimento vegetativo da cultura, e os fatores climáticos como, precipitação, evaporação e evapotranspiração apresentaram características negativas para produção da batata doce na região do brejo paraibano.
  • JARDEL DA SILVA SOUZA
  • DIVERSIDADE GENÉTICA EM BELDROEGAS Portulaca spp
  • Data: 21/02/2020
  • Hora: 13:00
  • Mostrar Resumo
  • O sucesso de um programa de melhoramento depende da variabilidade genética disponível. Uma forma de conhecer a variabilidade presente em uma população de plantas é por meio da caracterização destes recursos. A Portulaca umbraticola é muito utilizada na ornamentação urbana, no entanto, seu potencial ornamental e genético e pouco estudado, possuindo uma quantidade escassa na literatura atual, muito pelo fato desta ser confundida com outras espécies do gênero Portulaca. Para se trabalhar com uma espécie e fornecer um material com qualidade para o mercado de plantas ornamentais é necessário ter conhecimento há cerca da espécie que está melhorando. Diante do exposto, o presente trabalho teve como objetivo avaliar a diversidade genética entre vinte acessos de P. umbraticola e comprovar a classificação taxonômica dos acessos comparando-os com a espécie P. oleracea e sugerir acessos ideais para programas de melhoramento genético de plantas ornamentais. Os vinte acessos foram coletados nas vias públicas nos municípios de Areia e Santa Rita, Paraíba. Cultivados em casa de vegetação em vasos de 900ml e com substrato comercial em delineamento inteiramente casualizado no Laboratório de Biotecnologia e Melhoramento Vegetal e analises citogenéticas no Laboratório de Botânica no Centro de Ciências Agrárias na Universidade Federal da Paraíba (CCA-UFPB). Foram utilizados 20 acessos que foram caracterizados quantitativos e qualitativamente. No primeiro capítulo foram caracterizados quantitavos e qualitativos de vinte acessos de P. umbraticula, os dados foram submetidos a análise de variância análise de variância multivariada, a importância relativa onde foi determinada pelo método de Sing (1981), a análise de variáveis canônicas e o teste de Scott-Knott todos os dados foram tratados com o software Genes. No segundo capítulo foram analisados os vinte acessos de P. umbraticola e uma planta da espécie P. oleracea para comparar, também foi realizado um cruzamento dialélico balanceado com progenitores sem recíproco. No primeiro capítulo sugeriu os acessos 1, 5, 6, 13, 14, 16, 18 e 19. No segundo capítulo constatou-se que todos os acessos pertencem a mesma espécie P. umbraticola Kunth.
  • WILMA FREITAS CELEDÔNIO
  • BIOESTIMULANTE NA PRODUÇÃO DE MUDAS DE ROMÃZEIRA (Punica granatum) CV. MOLLAR
  • Orientador : REJANE MARIA NUNES MENDONCA
  • Data: 20/02/2020
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • A romãzeira (Punica granatum) está entre as espécies frutíferas exóticas que vem se destacando economicamente no Brasil, principalmente, na região semiárida do Nordeste, pois, apresentam boa aceitação no mercado e proporcionam boa produção e rentabilidade ao fruticultor. No estabelecimento de áreas comerciais é importante que os materiais propagativos apresentem boa qualidade e aspectos nutricionais satisfatórios, nesse sentido, é importante a manutenção da nutrição desde a fase de produção de mudas, sendo necessário o uso de produtos rico em substâncias que atuam na formação de enzimas, hormônios e clorofila, favorecendo as plantas no processo de absorção de água e nutrientes, nesse caso, os bioestimulantes. Portanto, o objetivo desse estudo foi analisar o efeito da aplicação de bioestimulante no crescimento inicial e atividade fisiológica na fase de produção de mudas de romãzeira. A pesquisa foi realizada em estufa pertencente ao Departamento de Fitotecnia e Ciências Ambientais da Universidade Federal da Paraíba – UFPB, situada no município de Areia, Paraíba. Os tratamentos foram obtidos pelo arranjo fatorial 6x3, correspondente a 6 doses do bioestimulante (0; 0,2; 0,4; 0,6; 0,8; 1,0 ml/5L) e 3 retiradas no tempo (20, 40, 60 dias após primeira aplicação do produto). O delineamento experimental utilizado foi o de blocos casualizados (DBC), com quatro repetições, sendo a unidade experimental composta por 10 plantas. Foram avaliadas características morfológicas de crescimento e fisiológicas das plantas. Os danos foram submetidos à análise de variância pelo teste F (p <0,05). Observou-se que as plantas apresentaram resultados positivos nas características de crescimento de acordo com o aumento das concentrações do bioestimulante. Enquanto que para as variáveis de fluorescência o efeito da aplicação do bioestimulante tenha sido negativo, este não foi suficiente para afetar as variáveis de troca gasosa, até a dose 0,4mL/5L. Conclui-se portanto que aplicação do bioestimulante Viusid Agro é recomendada para a formação de mudas de romãzeira cv. Mollar, por promover incremento no crescimento, onde o período de 60 dias após aplicação do tratamento foi adequado para a boa formação de mudas de romãzeira.
  • JOÃO EVERTHON DA SILVA RIBEIRO
  • SAZONALIDADE, LUMINOSIDADE E DÉFICIT HÍDRICO SOBRE ASPECTOS ECOFISIOLÓGICOS EM PLANTAS DE Erythroxylum pauferrense Plowman
  • Data: 20/02/2020
  • Hora: 08:30
  • Mostrar Resumo
  • Estudos ecofisiológicos são de elevada importância para buscar o entendimento da relação planta-ambiente. Variações sazonais e fatores abióticos, como a irradiância e disponibilidade hídrica, podem influenciar na ecofisiologia de espécies do sub-bosque. Nesse contexto, esta pesquisa teve como objetivo avaliar o efeito da variação sazonal, luminosidade e disponibilidade hídrica sobre aspectos ecofisiológicos em plantas de Erythroxylum pauferrense Plowman. No Artigo I, objetivou-se avaliar os efeitos da sazonalidade sobre aspectos ecofisiológicos de E. pauferrense em área de dossel aberto e fechado. A pesquisa foi realizada no Parque Estadual Mata do Pau-Ferro, localizado no município de Areia, Paraíba, Brasil. As leituras das variáveis ecofisiológicas e ambientais foram realizadas mensalmente em dois períodos do ano: seco (setembro de 2017 a fevereiro de 2018) e chuvoso (março a agosto de 2018); e em duas áreas: A1 (dossel aberto) e A2 (dossel fechado). Foram mensurados o índice de área foliar, fração de céu visível e radiação fotossinteticamente ativa em cinco indivíduos em duas áreas, sendo A1: dossel aberto e A2: dossel fechado. Em cada área também foram coletados dados de umidade e temperatura do solo, precipitação mensal e temperatura do ar, durante 12 meses. Posteriormente analisaram-se os efeitos dessas variáveis ambientais sobre as variáveis de trocas gasosas, fluorescência da clorofila a, índices de clorofila, atributos morfofuncionais e relações hídricas. Os dados foram submetidos a análise multivariada por meio da análise de correlação canônica (ACC) e análise de componentes principais (ACP) para verificar correlações entre as variáveis ecofisiológicas e ambientais, posteriormente para avaliar as diferenças entre as variáveis ecofisiológicas realizou-se a análise de variância de efeito misto com medidas repetidas no tempo, e em seguida as médias foram agrupadas pelo teste de Scott-Knott (p<0,05). Os indivíduos de E. pauferrense apresentam diferentes respostas às variações sazonais em A1 e A2, apresentando um menor desenvolvimento ecofisiológico no período seco (maior estresse hídrico e luminoso). A sazonalidade influencia nos aspectos ecofisiológicos de E. pauferrense em A1 e A2, com maior influência da umidade do solo, precipitação e índice de área foliar nas trocas gasosas, fluorescência da clorofila a e índices de clorofila. No Artigo II, objetivou-se avaliar aspectos morfofisiológicos de mudas de E. pauferrense submetidas a diferentes níveis de sombreamento. O experimento foi conduzido em casa de vegetação em delineamento inteiramente casualizado, com cinco tratamentos: 0%, 30%, 50%, 70% e 90% de sombreamento e oito repetições. Avaliaram-se características crescimento, atributos morfofuncionais, trocas gasosas, fluorescência da clorofila a e índices de clorofila. Os dados foram submetidos à análise de variância e de regressão polinomial. Plantas submetidas ao sombreamento de 30% possuem maior crescimento e desempenho fisiológico, sendo esse o mais recomendado para produção de mudas de E. pauferrense. No Artigo III, objetivou-se avaliar as características morfofisiológicas em plantas de E. pauferrense submetidas a diferentes regimes hídricos. A pesquisa foi desenvolvida em casa de vegetação pertencente a Universidade Federal da Paraíba, Campus II, Areia, Paraíba, Brasil. O delineamento experimental foi em blocos casualizados, com cinco tratamentos hídricos: 100%, 80%, 60%, 40% e 20% da capacidade de pote (CP) e quatro repetições. Os parâmetros avaliados foram: crescimento, aspectos morfofuncionais, trocas gasosas, fluorescência da clorofila a e índices de clorofila. Os dados foram submetidos a análise de variância e nos casos de significância, realizaram-se análises de regressão polinomial. Constatou-se que o regime de maior estresse hídrico (20% da CP) proporcionou reduções nos parâmetros avaliados. O regime de 80% da CP é o mais recomendado para produção de mudas de E. pauferrense promovendo maior crescimento e modificações significativas nos aspectos morfofuncionais, trocas gasosas, fluorescência da clorofila a e índices de clorofila.
  • WILLIAM SANTANA ALVES
  • Número cromossômico e heterocromatina em espécies do gênero Oxalis L. (Oxalidaceae R.Br.)
  • Data: 19/02/2020
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • Oxalis L. é o maior gênero da família Oxalidaceae, com aproximadamente 500 espécies, dividido em quatro subgêneros: Trifidus, Monoxalis, Oxalis e Thamnoxys. O subgênero Thamnoxys apresenta uma ampla diversidade morfológica, acompanhada por uma variação cariotípica incomum, com a maioria das espécies diploide, com n = 5, 6, 7, 8, 9 e 11. As relações filogenéticas do grupo ainda não foram na sua totalidade elucidadas. Neste trabalho foram analisadas através da coloração CMA/DAPI, o cariótipo de 14 espécies e uma subespécie de Oxalis das seções Polymorphae, Thamnoxys e Holophyllum, Hedysarioideae e Phyllodoxys, com o objetivo de caracterizar o cariótipo desses táxons, buscando marcas cromossômicas que possam contribuir para entender a evolução cromossômica do grupo. Pontas de raízes foram pré-tratadas com 8HQ, por 24 horas e depois fixadas em Carnoy. As lâminas foram preparadas pelo método de esmagamento em ácido acético a 60% e envelhecidas em temperatura ambiente. Em seguida, as melhores lâminas foram coradas com Chromomycin (CMA) e 4',6-Diamidino-2-Phenylindole (DAPI) e fotografadas. O número cromossômico predominante entre as espécies analisadas foi 2n = 10, exceto em O. puberula com 2n = 20 (sect. Polymorphae) e nas espécies O. hedysarifolia com 2n = 12 e O. frutescens com 2n = 24, ambas pertencentes a seção Thamnoxys. No geral, as espécies apresentaram fórmula cariotípica semelhantes com cromossomos metacêntricos, submetacêntricos e acrocêntricos. A dupla coloração com os fluorocromos revelou apenas bandas CMA+, na posição terminal do braço curto. O número básico x = 5 é sugerido, devido a frequência que é encontrado nas espécies neste trabalho nas espécies do subgênero Thamnoxys. Assim, sugere-se que entre as Angiospermas, as espécies do subgênero Thamnoxys é uma das que mais apresentam assimetria cariotípica. O enriquecimento de dados citotaxonômicos vegetais das espécies pertencentes ao subgênero Thamnoxys, incluindo a determinação do número cromossômico e análises filogenéticas mais completas, ainda se torna necessário para elucidar o número básico ancestral do gênero e quais seriam os principais mecanismos envolvidos na evolução cromossômica do grupo.
  • REYNALDO TEODORO DE FÁTIMA
  • ADUBAÇÃO FOLIAR DE NITROGENIO COMO ATENUANTE DO ESTRESSE SALINO EM MUDAS DE PINHEIRA
  • Data: 19/02/2020
  • Hora: 13:00
  • Mostrar Resumo
  • A pinheira é uma fruteira tropical altamente adaptada às condições climáticas da região nordeste do Brasil. Porém, nessa região a elevada salinidade da água de irrigação tem limitado o o desenvolvimento inicial da maioria das frutiferas. Como alternativa, a suplementação adequada de nitrogenio pode atenuar os efeitos deletérios da salinidade, o qual pode ser rapidamente disponibilizado por meio da adubação foliar. Diante disso, pela ausência de trabalhos com esse método de adubação como atenuante do estresse salino, objetivou-se com a pesquisa avaliar os efeitos da adubação nitrogenada foliar na morfofisiologia de mudas de pinheira irrigadas com águas de distintas salinidades. O experimento foi conduzido em delineamento de blocos casualizados, com base na matriz Composto Central de Box, com cinco valores de condutividade elétrica da água de irrigação (CEai = 0,5; 1,15; 2,75; 4,35 e 5,0 dS m-1) e cinco doses de nitrogênio foliar (DNF= 0,0; 0,33; 1,15; 1,97 e 2,3 g L-1), com quatro repetições e duas plantas por parcela. Para tanto, foram analisadas as variáveis fisiológicas de trocas gasosas, fluorescência e clorofila, bem como as variáveis de crescimento, taxas de crescimento e qualidade aos 45 e 90DAE. A adubação nitrogenada foliar, na dose de 1,62 g L, atenua os efeitos da salinidade nas trocas gasosas de pinheira. A atividade da fluorescência e teores de clorofila são elevados pela adubação foliar de nitrogênio em pinheira aos 45 e 90 DAE. A adubação nitrogenada foliar atenua os efeitos do estresse salino no crescimento, além de manter a qualidade das mudas de pinheira, aos 90 DAE. A dose de 1,56 g L de N associada a CEai de 0,5 dSm-1 apresenta os melhores resultados na formação de mudas de pinheira.
  • FABIANO SIMPLICIO BEZERRA
  • SILÍCIO NO CRESCIMENTO E FISILOGIA DE MUDAS DE MARACUJAZEIRO-AMARELO SOB SALINIDADE
  • Data: 19/02/2020
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • O cultivo do maracujazeiro amarelo tem se destacado no cultivo de frutas tropicais, no entanto seu rendimento pode ser prejudicado devido aos danos causados pela salinidade. Diante disto, é necessário apontar, técnicas que atenuem tais danos, como a adubação silicatada para mitigar os efeitos negativos do excesso de sais na água de irrigação, sob o crescimento e fisiologia de mudas de maracujazeiro amarelo. Neste sentido, esta pesquisa foi dividida em dois capítulos. O primeiro capítulo teve como objetivo avaliar a adubação silicatada na mitigação dos efeitos negativos do excesso de sais na água de irrigação, sob o crescimento de mudas de maracujazeiro amarelo. No segundo, objetivou-se investigar o papel do silício na fisiologia de mudas de maracujazeiro amarelo sob estresse salino. O delineamento experimental foi em blocos ao acaso, em esquema fatorial incompleto, com cinco doses de silício (0; 29; 100; 171 e 200 g dm-3) e cinco condutividades elétrica da água de irrigação (0,3; 0,9; 2,4; 3,9 e 4,5 dS m-1), com quatro repetições, geradas da matriz do projeto experimental Composição Central de Box. No primeiro capítulo foi verificado que na presença de silício a altura da muda teve aumento de 23% sob estresse de salinidade. A aplicação de 40,3 a 45,9 (g dm-3) de Si permitiu maiores valores de área foliar, com utilização da água de 1,0 dS m-1. No segundo capítulo foi observado que para os períodos de avaliação 60 e 75 DAE, na presença do silício ocorreu aumento nos índices de clorofila (ICF). Os parâmetros de fluorescência da clorofila foram afetados devido a salinidade da água de irrigação, assim, foi possível verificar redução na eficiência fotoquímica do PSII devido a salinidade. Aos 75 DAE, o valor máximo 7,04 na fotossíntese líquida (A), foi na dose de 194,51 g dm-3 sob a salinidade de 0,3 dSm-1. O silício promoveu aumento de 35,4% para a fotossíntese líquida (A). Desta forma, confirmam os efeitos que o silício tem em atenuar efeitos abióticos (salinidade). A dose de silício 199,2 (g dm-3) proporcionou maior crescimento em mudas de maracujazeiro sob estresse salino aos 15 DAE. O silício protegeu a atividade fotossintética em mudas de maracujazeiro amarelo contra os danos da salinidade.
  • MAGNÓLIA MARTINS ALVES
  • ECOFISIOLOGIA DE Psychotria colorata EM UMA FLORESTA SAZONAL SEMI - ESTACIONAL
  • Data: 18/02/2020
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • Os estudos ecofisiologicos no âmbito de espécies de sub-bosque têm sido amplamente discutidos no intuito de descrever e compreender as respostas ecofisilógicas das plantas sobre diferentes tipos de ambiente. Diante da importância das espécies de sub-bosque, avaliar a composição do banco de sementes do solo e regeneração natural de uma área em uma Floresta ombrófila aberta. (Artigo 1) é avaliar possíveis alterações no funcionamento trocas gasosas em indivíduos de P. colorata no sub-bosque em um remanescente florestal ombrófila aberta em função da sazonalidade (Artigo 2). No capítulo 1 foram feito a avaliação de regeneração natural de plântulas de P. colorata, quanto à altura, diâmetro da base e número de folhas. Os resultados indicaram que as classes de altura, os indivíduos se inseriram em apenas duas classes de altura, com a maior frequência constatada na classe I - de 20 a 40 cm [(138 seguida pela classe II - 40 a 60 cm 92 indivíduos)]. Quanto ao experimento referentes ao banco de sementes, foi registrada durante todo o estudo (outubro de 2017 a dezembro de 2018) a germinação de 84 indivíduos pertencentes a 11 famílias. A família Fabaceae (3) foi a que constatou maior número de espécie, seguida de Asteraceae (6), com 2 taxa não determinadas. No artigo 2, influência da variação sazonal sobre a ecofisiologia de Psychotria colorata (willd. ex schult.). Para tanto, foram investigadas características morfo-anatômicas. Foi mensurada a taxa de fotossíntese (A) (µmol m-2 s-1), condutância estomática (Gs), transpiração (E) e concentração de carbono interno (Ci). A partir dos dados obtidos dessas variáveis, calculou-se a eficiência instantânea do uso de água (EUA, A/E), eficiência intrínseca do uso da água (EiUA, A/gs), e eficiência instantânea de carboxilação (EiC, A/Ci) Foram realizados cortes da folha para realizar a densidade estomática na parte basal, mediana e apical, números de tricomas, espessura das superfícies adaxial e abaxial da epiderme. Os resultados obtidos constataram que a taxa de transpiração (E) foi alta nos meses de maior disponibilidade de água, assim, a condutância estomática (Gs) no mês de abril resultou no valor de 0,181 mol m-2s-1, com maior precipitação. A densidade estomática nas faces adaxial e abaxial das folhas de Psychotria colorata aumentou nos meses de baixa precipitação (média de 110 estômatos mm-2, 143 estômatos mm-2, 97 estômatos mm-2, 101 estômatos mm-2).
  • MANOEL RICARDO DE ANDRADE JÚNIOR
  • CARACTERIZAÇÃO DE GENÓTIPOS DE SOLANÁCEAS COM POTENCIAL DE USO COMO PORTA-ENXERTO E COMPATIBILIDADE INICIAL DE MUDAS DE PIMENTÃO E TOMATE ENXERTADAS SOBRE DIFERENTES PORTA-ENXERTOS DA FAMÍLIA SOLANACEAE.
  • Orientador : MAILSON MONTEIRO DO REGO
  • Data: 28/01/2020
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • A família Solanaceae é composta por aproximadamente 3.000 espécies e 150 gêneros e é considerada a terceira família de maior importância econômica para o agronegócio mundial, possuindo várias espécies exploradas economicamente como é o caso da batata, berinjela, pimenta, tomate e pimentão. As oleráceas desta família são uma das mais atacadas por fitopatógenos transmitidos pelo solo e também por fatores abióticos, sendo a enxertia uma das formas integradas de lidar com esses obstáculos. Diante do exposto, o presente trabalho teve como objetivo caracterizar genótipos de solanáceas, quanto a caracteres de raiz e planta, e avaliar a sua compatibilidade inicial como porta-enxerto para cultivares comerciais de tomate e pimentão. Foram utilizados nove genótipos sendo quatro do gênero Solanum: Gogóia amarela (Solanum capsicoides), Gogóia laranja (S. agrarium), Tomate cereja cv. Carolina e Tomate ‘Caline’ IPA-7; cinco do gênero Capsicum, sendo duas pimenteiras comerciais: Pimenta de cheiro (Capsicum frutescens), Pimenta Malagueta (C. frutescens), e três genótipos comerciais de pimentão (Capsicum annuum): Pimentão ‘All Big’, Pimentão amarelo ‘SF 134’e Pimentão amarelo ‘Alegria’. As características avaliadas foram: Área do sistema radicular (ASR), Comprimento da raiz (CR), Diâmetro do caule (DC), Altura da planta (AP) e Compatibilidade enxerto/porta-enxerto. O delineamento utilizado no foi o inteiramente casualizado composto por nove tratamentos (genótipos) e cinco repetições. Os dados foram submetidos à análise de variância, com posterior agrupamento das médias pelo teste de Scott-Knott a 1% de probabilidade. Verificou-se diferença significativa entre os genótipos para as variáveis ASR, CP e DC. Os genótipos de: Gogóia laranja, Pimenta de cheiro, Pimentão ‘All Big’ e Pimentão amarelo ‘SF 134’ apresentaram a maior média para a área do sistema radicular, apresentando potencial de uso como porta-enxerto para espécies da família Solanaceae. A cultivar de tomate ‘Bartô’ apresentou compatibilidade com os acessos de Gogóia, Tomate cereja o Tomate IPA-07, já o Pimentão Yolo Wonder apresentou compatibilidade apenas sobre porta-enxerto do gênero Capsicum. Há incompatibilidade recíproca nas enxertias entre o gênero Solanum e o gênero Capsicum. Para a produção de mudas enxertadas recomenda-se o uso de espécies do gênero Solanum como porta-enxerto para a cultura do tomateiro, e espécies do gênero Capsicum como porta-enxertos para a cultura do pimentão.
2019
Descrição
  • GLÁUCIA DIOJÂNIA AZEVÊDO MEDEIROS
  • Caracterização do sistema de autoincompatibilidade e variabilidade genética do maracujazeiro amarelo (Passiflora edulis Sims.).
  • Orientador : MAILSON MONTEIRO DO REGO
  • Data: 20/12/2019
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • O maracujazeiro amarelo (Passiflora edulis Sims), é a principal espécie cultivada no Brasil. Embora apresente flores hermafroditas e férteis, normalmente é incapaz de fertilizar suas próprias flores ou flores de plantas que possuem constituição genética similar, inviabilizando autofecundações e até algumas hibridações, devido a presença da autoincompatibilidade do tipo homomórfica esporofítica. A autoincompatibilidade é muito frequente na natureza, supõe-se que mais da metade das famílias das angiospermas apresentam esse fenômeno. Em plantas, esse mecanismo é regulado por um número variável de genes com alelos múltiplos, denominados haplótipos-S, que codificam enzimas envolvidas na síntese de calose, a qual impede a passagem do tubo polínico no processo de polinização. Para contornar a restrição imposta pela autoincompatibilidade, distribui-se para plantio uma combinação de grande diversidade de alelos provenientes da mistura de genótipos diferentes. Uma das formas de se acessar e caracterizar a diversidade genética de dentro e entre as populações de P. edulis é através da utilização de marcadores moleculares. Neste contexto, o objetivo deste trabalho foi caracterizar o sistema de autoincompatibilidade e avaliar a variabilidade genética do maracujazeiro amarelo (P. edulis Sims.). Os trabalhos de campo foram realizados em pomares já estabelecidos nos municípios de Remígio-PB e as análises moleculares no Laboratório de Biotecnologia Vegetal da Universidade Federal da Paraíba, Areia, PB. Para todas as análises foram utilizadas 30 plantas de maracujazeiro amarelo, variedade Guinezinho. Aliado as diferentes estratégias de superação da autoincompatibilidade utilizadas, foram realizadas autopolinizações e cruzamentos recíprocos dentro da população. Assim como, avaliou-se as interações pólen-pistilo in vivo nas reações compatíveis e incompatíveis. Na população não foram encontradas plantas autocompatíveis e foi possível obter linhagens homozigotas, principalmente a partir das autopolinizações em antese com excisão dos estigmas. Também foram obtidos diferentes grupos de compatibilidade na população (S1, S2, S3, S4 e S5). As reações de incompatibilidade apresentam rápida resposta, com crescimento reduzido e em alguns casos anormal do tubo polínico e o fenótipo de rejeição incluiu a deposição de calose. Além disso, foram encontradas evidências em favor da hipótese de que a herança da autoincompatibilidade seja controlada por dois genes, um do sistema esporofítico (S) e outro gametofítico (G). Quanto às análises moleculares, o DNA genômico das plantas foi extraído e amplificado por PCR, utilizando onze combinações de iniciadores específicos para os haplóipos-S das classes I e II de Brassica. Fragmentos de DNA obtidos foram isolados, purificados e enviados para sequenciamento e a qualidade das sequências analisada utilizando ferramentas computacionais. Foram obtidas amplificações em todos os genótipos de P. edulis e os perfis eletroforéticos permitiram incluir seus alelos nas classes II de SLG e I de SRK. A presença de regiões amplificadas sugerem que os genes que controlam o sistema de autoincompatibilidade em Brassica e em Passiflora podem ser conservados evolutivamente. However, it was not possible to obtain satisfactory homology in a public database, due to the poor quality of the nucleotide sequences obtained. Sobre os estudos de variabilidade genética, foi possível acessar a diversidade intrapopulacional de P. edulis, usando marcadores moleculares RAPD e ISSR, sendo obtidos 87,7% e 61% de polimorfismos, respectivamente. As distâncias genéticas (0,060-0,725) demonstraram uma ampla base genética dentro da espécie. Os genótipos de P. edulis foram agrupados em diferentes grupos de similaridade, entretanto, não houve um consenso entre as técnicas RAPD e ISSR, sendo os resultados dados obtidos por RAPD mais consistentes.
  • ALTAMIRO OLIVEIRA DE MALTA
  • NUTRIÇÃO, FISIOLOGIA, PRODUÇÃO E PÓS-COLHEITA DE FRUTOS DA GOIABEIRA ‘PALUMA’ SOB ADUBAÇÃO SILICATADA
  • Data: 18/12/2019
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • A goiabeira (Psidium guajava L.) está distribuída nas regiões tropicais e subtropical de todo o mundo. O Brasil é o maior produtor mundial de goiabas vermelhas, sendo a cultivar Paluma a mais plantada, devido ao valor nutricional dos frutos e pelo valor acessível, além de sua dupla aptidão o que favorece a comercialização. O silício é o segundo elemento mais abundante da crosta terrestre, estudos recentes tem revelado seu efeito benéfico sobre os fatores bióticos e abióticos nas plantas, no entanto, esse mineral não é considerado como nutriente essencial das plantas. Diante dos efeitos benéficos do silício nas mais variadas culturas e pela ausência de trabalhos que relatem tais efeitos na goiabeira, foi realizado um experimento com objetivo de avaliar a nutrição, fisiologia, produção e pós-colheita de frutos da goiabeira ‘Paluma’ sob o efeito da adubação silicatada. O experimento foi desenvolvido de janeiro a novembro de 2018, na propriedade Sítio Macaquinhos, município de Remígio-PB. O delineamento experimental foi em blocos casualizados, em arranjo fatorial 2 × 5 + 4, sendo: duas fontes de silício [Silicato de Potássio (Prosilicon®) e Dióxido de silício (Bugram Protect®)], cinco doses (0,0, 65, 130, 195 e 260 g ha-1 SiO2 ciclo-1) e quatro tratamentos adicionais, com três repetições. As variáveis estudadas foram: teores foliares de nitrogênio, fósforo, potássio, cálcio, magnésio, enxofre, boro, cloro, cobre, ferro, manganês, sódio, zinco e silício; índice da clorofila a, b e total, fluorescência inicial, fluorescência variável, fluorescência máxima, eficiência quântica do fotossistema II, temperatura de folha, condutância estomática, transpiração, taxa fotossintética, concentração interna de carbono, eficiência no uso da água e eficiência instantânea de carboxilação; número de frutos por planta, produção, produtividade, a massa média dos frutos, comprimento e diâmetro de frutos, relação de formato, firmeza, acidez titulável, °Brix, clorofila de casca, flavonoides, antocianina, ácido ascórbico. Os dados foram submetidos a análise de variância e de de regressão polinomial (linear e quadrática) para as doses. Independente da fonte, o silício favoreceu positivamente para nutrição, fisiologia, produção e pós-colheita da goiabeira ‘Paluma’. A fonte que proporcionou maior influência sob as variáveis foi a Prosilicon® na dose estimada de 180 g de SiO2 ha-1 ciclo-1. Dentre os tratamentos adicionais, o que mais contribuiu para nutrição, fisiologia, produção e pós-colheita da goiabeira foi a junção de 10 kg de caulim + 130 g de SiO2 ha-1 ciclo-1 Prosilicon®.
  • HANNA IBIAPINA DE JESUS
  • Identificação de Colletotrichum gossypii e Colletotrichum gossypii var. cephalosporioides em sementes de algodoeiro usando a tecnologia de imagens hiperespectrais no infravermelho próximo
  • Data: 16/12/2019
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • O panorama atual da cotonicultura brasileira é marcado pelo forte aumento da produção e incremento de áreas, o que têm consolidado o país no mercado internacional como um dos principais produtores e exportadores mundiais de algodão. Apesar do bom desempenho do setor, problemas fitossanitários, em particular, se configuram como um grande entrave, em que um dos principais meios de dispersão de patógenos ocorre por sementes contaminadas. No contexto da patologia de sementes, problemas metodológicos na detecção e diferenciação das espécies fúngicas Colletotrichum gossypii (CG) e Colletotrichum gossypii var. cephalosporioides (CGC) em sementes de algodoeiro têm sido objeto de pesquisas, pois a similaridade das estruturas morfológicas das espécies, geram resultados ambíguos que contribuem para a comercialização de sementes contaminadas. Neste contexto, objetivou-se com este estudo desenvolver uma metodologia para classificação de CG e CGC em sementes de algodoeiro, utilizando a tecnologia HSI-NIR. Para tanto, sementes de algodoeiro da cultivar BRS 286 foram contaminadas com isolados de CG e CGC e submetidas ao teste de sanidade, por meio do método blotter test, antes da aquisição de imagens hiperespectrais. A classificação das amostras foi realizada a partir do desenvolvimento de um modelo PLS-DA, o qual obteve 86,5% de acerto na classificação de CG e 81,6% de acerto na classificação de CGC. Na predição de amostras externas, a performance do modelo indica que o método é promissor, com sensibilidade para a detecção e classificação de CG e CGC em sementes de algodoeiro. Vinte e duas amostras preditas tiveram a maior porcentagem dos pixels classificados corretamente, de acordo com a classe correspondente; enquanto 3 amostras apresentaram erros do tipo 1, demonstrando a existência de variações entre os isolados dentro das classes, sendo importante a introdução dessa variabilidade no modelo a fim de torná-lo mais robusto.
  • ROMMEL DOS SANTOS SIQUEIRA GOMES
  • EPIDEMIOLOGIA, TRANSMISSÃO E MANEJO DA ANTRACNOSE DO FEIJÃO FAVA
  • Data: 10/12/2019
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • O feijão fava é a segunda leguminosa de maior importância do gênero Phaseolus. Um dos problemas que acometem a cultura é a antracnose, uma das principais doenças, frequentemente encontrada em campos de produção, causando redução na produtividade. O objetivo da pesquisa foi investigar os aspectos epidemiológicos, a transmissão de Colletotrichum truncatum via sementes-plântulas e o manejo da doença em feijão-fava. No primeiro experimento o delineamento experimental utilizado foi de blocos casualizados, em esquema de parcelas subdivididas no tempo, com quatros repetições. Nas parcelas principais, foram avaliados nove genótipos de sementes crioulas de feijão fava sendo estes UFPB13; UFPB05; UFPB02; UFPB11, UFPB06, UFPB20, UFPB19, UFPB14 e UFPB04, com hábito de crescimento indeterminado e determinado e, nas subparcelas, foram avaliados cinco períodos de avaliação para determinação da severidade da antracnose causada por C. truncatum, semeadas sob condições de campo sob tutores, no município de Areia nos anos de 2015 e 2017. No segundo experimento foi avaliada a transmissão de C. truncatum via semente-plântulas. Para isso, foram comparados os métodos de inoculação nas sementes: 1-contato direto das sementes; 2-contato direto das sementes ao substrato contendo restritor hídrico de manitol; 3-contato direto das sementes ao substrato contendo restritor hídrico de sacarose e 4-imersão das sementes em suspensão de conídios. em seguida submetidos aos substratos contendo ou não o fungo previamente desenvolvido em meio batata-dextrose-ágar, às 0 h, 36 h, 60 h, 84 h e 108 h de exposição. Em um terceiro experimento o delineamento experimental utilizado foi de blocos casualizados, em esquema de parcelas subdivididas no local, com quatros repetições. Nas parcelas principais, foram avaliados quatorze tratamentos, sendo os indutores (MOF, ASM, BC, FK, AS e SCM), isolados ou associados com fungicida, além do controle com carbendazim (CA) e testemunha (TE) e, nas subparcelas foram avaliadas a influência de duas regiões de cultivo, localizadas na fazenda experimental Chã de Jardim, no município de Areia e outra na Fazenda Experimental da EMPAER, Lagoa Seca, afim de avaliar o controle da antracnose do feijão fava, sob condições de campo em 2017. Para o primeiro experimento foram avaliados o percentual de incidência, severidade, área abaixo da curva de progresso da doença (AACPD), índice de doença (ID) nos noves genótipos a partir de infecção natural de C. truncatum, bem como a produtividade da cultura. No segundo experimento as avaliações foram feitas por meio das análises de severidade e incidência da antracnose em caules e folhas, índice de doença, AACPD para antracnose, percentual de tombamento, taxa de transmissão e qualidade fisiológica de plântulas sob condições de casa de vegetação. Para o terceiro experimento foram foram avaliados o comportamento da antracnose do feijão fava, através da AACPD e ID a partir de infecção natural. Em folhas sadias foram analisadas as atividades enzimáticas da peroxidase, polifenoloxidase e fenilalanina amónia-liase e, os parâmetros de ecofisiologia por meio da quantificação da assimilação líquida de CO2 (A), condutância estomática (gs), concentração de CO2 (Ci), transpiração (E), temperatura da folha (T folha), eficiência instantânea do uso da água (EUA), a eficiência intrínseca do uso da água (EiUA), a eficiência instantânea de carboxilação (EiC) e a produtividade da cultura. Os dados foram submetidos a análise de variância (ANOVA) e, de acordo com a significância do teste F, em que no primeiro experimento as médias das variedades dentro de cada ano e, dos anos para cada variedade foram comparadas pelos testes de Tukey e F respectivamente. Para o efeito dos dias de avaliação, foi aplicada análise de regressão polinominal considerando-se modelos de até o 2º grau e R2≥60%. Realizou-se ainda Análise de Componentes Principais (ACP), considerando-se o último dia de avaliação de ambos os anos 2015 e 2017, com o objetivo de explorar o efeito conjunto da infestação por C. truncatum sobre o desempenho produtivo dos genótipos de feijão fava. No terceiro experimento as médias dos tratamentos dentro de cada área experimental e das áreas experimentais para cada tratamento foram comparadas pelos testes de Tukey e F, respectivamente. O efeito de cada indutor, com e sem fungicida, foi comparado com a testemunha absoluta e com o fungicida carbendazim, pelo teste de Dunnett em até 5% de probabilidade. Diferenças significativas foram relatadas para p≤0.05. A presente pesquisa contribuirá com o avanço sobre o patossistema da doença Antracnose versus feijão fava, além de elucidar eficiência dos tratamentos alternativos no controle do C. truncatum e sua transmissão via semente. Esses resultados contribuirão para identificar formas de inibir o progresso da doença e reduzir a incidência de patógenos e possibilitar uma alternativa de controle mais eficiente, viável e fácil de ser adotada no tratamento de sementes e sob condições de campo.
  • DANILA LIMA DE ARAÚJO
  • Atributos do solo, fisiologia, nutrição e produção do maracujazeiro amarelo sob hidrogel e cobertura vegetal
  • Orientador : LOURIVAL FERREIRA CAVALCANTE
  • Data: 22/11/2019
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • O maracujazeiro amarelo é uma das frutícolas importantes do Brasil, principalmente no Nordeste, mas em terras semiáridas a disponibilidade hídrica torna-se um fator limitante à cultura. Nesse sentindo, o trabalho teve o objetivo de avaliar os efeitos de doses de hidrogel no solo sem e com cobertura vegetal nos atributos do solo, crescimento, aspectos fisiológicos, composição foliar e produção do maracujazeiro Gigante Amarelo BRS GA1. O delineamento foi inteiramente casualizado usando o esquema fatorial 5 × 2, referente as doses de hidrogel de 0,0; 0,5; 1,0; 1,5 e 2,0 g dm-3 de solo, no solo sem e com cobertura vegetal oriundo de restos vegetais de capim braquiária desidratado (Brachiaria decumbens). Os resultados foram apresentados em três capítulos. O Capítulo – I, p. 10 - 27, contém os componentes da fertilidade, temperatura e umidade do solo e composição foliar das plantas. No Capítulo – II, p. 47 - 55, estão os resultados de índices de clorofila, fluorescências (inicial, máxima e variável), fotossíntese e de trocas gasosas das plantas e no Capítulo – III, p. 70- 78, estão os resultados de crescimento e produção das plantas.
  • ANTONIO FERNANDO DA SILVA
  • POTENCIAL FUNCIONAL E PERFIS DE COMPOSTOS FENÓLICOS, CAROTENÓIDES E FIBRAS DE CULTIVARES DE LARANJAS E TANGERINAS E CONSERVAÇÃO PÓS-COLHEITA DA TANGERINA ‘DANCY’ DA CITRICULTURA FAMILIAR
  • Data: 31/10/2019
  • Hora: 13:00
  • Mostrar Resumo
  • O Território da Borborema-PB produz laranjas e tangerinas que suprem o mercado regional, cuja qualidade exige estudos aprofundados de valorização buscando os mercados emergentes mais competitivos e demandantes de inovação. Nesse contexto, se faz necessária a definição de padrões de identidade e qualidade, diferenciais de perfil de compostos com potencial funcional, além de alternativas para a conservação pós-colheita dos frutos frescos pelo emprego de tecnologias de recobrimento biodegradáveis para frutos frescos. Baseado no exporto este trabalho avaliou laranjas e tangerinas do Território da Borborema mediante a realização de três experimentos: I –Avaliação da qualidade dos frutos de laranjeiras doce durante a maturação: II – Caracterização dos compostos bioativos e atividade antioxidante da casca e polpa de cultivares de laranjas e tangerinas e III - Conservação pós-colheita de tangerina com filme de amido adicionado de solvente natural eutético profundo. No Experimento I avaliou utilizou-se um DIC, fatorial 3x3 para avaliar a qualidade dos frutos, com três cultivares (‘Baía’, ‘Comum’ e ‘Mimo-do-Céu’), três estádios de maturação C1 (predominantemente verde); C2 (verde amarelado) e C3 (amarelo), com 60 repetições de um fruto para as avaliações físicas e 4 de 15 frutos para as demais. Foram realizadas avaliações físicas e físico-químicas da casca e do suco. Os polifenóis extraíveis totais (PET) e atividade antioxidante total (AAT) foram determinados pelos métodos ABTS e DPPH no suco e albedo. As laranjas ‘Baia’ e ‘Mimo-do-Céu’ apresentam parâmetros de qualidade que se enquadram nas normas de qualidade do CEAGESP. Em média o teor de ácido ascórbico foi superior a 45 mg.100g-1, sendo a ‘Mimo-do-Céu’ com maior teor (50,26 mg.100g-1). Durante a maturação a firmeza diminuiu e os sólidos solúveis, PET e a AAT do suco e do albedo aumentaram. Em geral, o albedo apresentou teor de PET cerca de oito vezes superiores ao do suco, que refletiu em AAT bem superior nesta porção que, portanto, se destacou pelo elevado potencial funcional, principalmente na laranja ‘Baía’. No Experimento II, o perfil de compostos bioativos foi avaliado nas cascas dos frutos de dez cultivares de laranjas (Baianinha, Salustiana, Rubi, Westin, Sincorá, Lima, Baia, Comum, Mimo, Pera) e 6 de tangerinas (Piemonte, Clemenules, Page, Dancy, Ponkan e Murcot) cada uma com quatro repetições. Foram analisados os perfis de fibras, minerais, compostos fenólicos livres e ligados, carotenoides das cascas; além da atividade antioxidante pelos métodos dos radicais ABTS, DPPH e ORAC. As cascas dos citros analisadas neste estudo possuem altas quantidades de fibras solúveis (20,74% MS) e insolúveis (36,13% MS), além de Calcio (447,87 mg.100g-1), Potássio (978,72 mg.100g-1) e Magnésio (99,88 mg.100g-1). São ricas em compostos bioativos como ácidos fenólicos e flavonoides; destacando-se as cascas de tangerina Dancy que apresentou maiores valores de polifenóis extraíveis totais livres (1,46 g GAE. 100g-1 MS) que foi proporcionado pelas altas quantidades de Hesperidina (239,99 mg.100g-1), Tangeritina (46,94 mg.100g-1), Ácido Clorogenico (118,05 mg.100g-1) e Ácido Cafeico (86,76 mg.100g-1) e ligados (0,95 g GAE. 100g-1 MS) também proporcionado pelo aporte elevado de Hesperidina (1066,22 mg.100g-1), Tangeritina (12,57 mg.100g-1), Ácido Isoferrulico (343,12 mg.100g-1) e Acido p-coumarico (60,03 mg.100g-1). Os carotenoides totais das cultivares de tangerinas são maiores tanto na casca seca (43,57 mg.100g-1) quanto da polpa liofilizada (85,23 mg.100g-1) do que os das laranjas (casca 15,34 e polpa 7,68), para tangerinas os conteúdos de carotenoides totais da polpa liofilizada é cerca de duas vezes superior ao da cascas seca; enquanto que para as laranjas ocorre o contrário, a quantidade de carotenoides da polpa é cerca de duas vezes inferior ao da casca. O perfil de carotenoides por HPLC, mostrou que as cascas possuem maior conteúdo de carotenoides que a polpa tanto na laranja quanto na tangerina. A atividade antioxidante medidas nos extratos metanólicos de cascas de laranjas e tangerinas pelos métodos de ABTS, DPPH e ORAC e nos extratos obtidos pela hidrolise básica (fenólicos ligados), ABTS, DPPH e ORAC confirmam o potencial bioativo das cascas de citrus e a sua capacidade de eliminar os radicais livres, destacando-se mais uma vez a tangerina Dancy que apresentou maiores valores no extrato dos fenólicos ligados nos três métodos. As cascas de citrus possuem características de qualidade que podem permitir sua utilização como matriz alimentar com alta valorização no mercado, pois possuem excelente teor de fibra alimentar e minerais, essenciais na dieta humana, além de elevados conteúdos de compostos bioativos reconhecidos como protetores de doenças cancerígenas e cardiovasculares, podendo ser extraídos e utilizados pelas indústrias cosméticas, farmacêutica e alimentícia. No Experimento III, foi avaliado a conservação pós-colheita da tangerina Dancy, sendo utilizados fécula de mandioca (F) e amido de jaca (J), associado à glicerol (GLI) ou a solvente Natural eutético profundo (NADES) em cinco tratamentos (FM+NADES), (FM+GLI), (FJ+NADES), (FJ+GLI) e o controle, avaliados em cinco períodos, durante 30 dias, com quatro repetições e três frutos por repetição. Foi avaliado a atividade respiratória, perda de massa, a evolução da coloração da casca, firmeza, pH, sólidos solúveis, acidez titulável, SS/AT e ácido ascórbico. Os recobrimentos FM+NADES e FJ+NADES retardaram a maturação e mantiveram a qualidades e a aparência da tangerina Dancy por mais 10 dias de armazenamento com relação ao controle, o que indica o potencial estes recobrimentos em possibilitar maior tempo na logística de transito e comercialização destes frutos, como uma tecnologia limpa, prática e alimentarmente segura. NADES proporcionou um recobrimento mais eficiente na conservação pós-colheita do que os contendo glicerol e possibilitou o desenvolvimento mais gradual e uniforme da coloração das cascas alaranjada dos frutos de tangerinas Dancy da citricultura familiar do Território da Borborema.
  • ANTONIO FERNANDO DA SILVA
  • POTENCIAL FUNCIONAL E PERFIS DE COMPOSTOS FENÓLICOS, CAROTENÓIDES E FIBRAS DE CULTIVARES DE LARANJAS E TANGERINAS E CONSERVAÇÃO PÓS-COLHEITA DA TANGERINA ‘DANCY’ DA CITRICULTURA FAMILIAR
  • Data: 31/10/2019
  • Hora: 13:00
  • Mostrar Resumo
  • O Território da Borborema-PB produz laranjas e tangerinas que suprem o mercado regional, cuja qualidade exige estudos aprofundados de valorização buscando os mercados emergentes mais competitivos e demandantes de inovação. Nesse contexto, se faz necessária a definição de padrões de identidade e qualidade, diferenciais de perfil de compostos com potencial funcional, além de alternativas para a conservação pós-colheita dos frutos frescos pelo emprego de tecnologias de recobrimento biodegradáveis para frutos frescos. Baseado no exporto este trabalho avaliou laranjas e tangerinas do Território da Borborema mediante a realização de três experimentos: I –Avaliação da qualidade dos frutos de laranjeiras doce durante a maturação: II – Caracterização dos compostos bioativos e atividade antioxidante da casca e polpa de cultivares de laranjas e tangerinas e III - Conservação pós-colheita de tangerina com filme de amido adicionado de solvente natural eutético profundo. No Experimento I avaliou utilizou-se um DIC, fatorial 3x3 para avaliar a qualidade dos frutos, com três cultivares (‘Baía’, ‘Comum’ e ‘Mimo-do-Céu’), três estádios de maturação C1 (predominantemente verde); C2 (verde amarelado) e C3 (amarelo), com 60 repetições de um fruto para as avaliações físicas e 4 de 15 frutos para as demais. Foram realizadas avaliações físicas e físico-químicas da casca e do suco. Os polifenóis extraíveis totais (PET) e atividade antioxidante total (AAT) foram determinados pelos métodos ABTS e DPPH no suco e albedo. As laranjas ‘Baia’ e ‘Mimo-do-Céu’ apresentam parâmetros de qualidade que se enquadram nas normas de qualidade do CEAGESP. Em média o teor de ácido ascórbico foi superior a 45 mg.100g-1, sendo a ‘Mimo-do-Céu’ com maior teor (50,26 mg.100g-1). Durante a maturação a firmeza diminuiu e os sólidos solúveis, PET e a AAT do suco e do albedo aumentaram. Em geral, o albedo apresentou teor de PET cerca de oito vezes superiores ao do suco, que refletiu em AAT bem superior nesta porção que, portanto, se destacou pelo elevado potencial funcional, principalmente na laranja ‘Baía’. No Experimento II, o perfil de compostos bioativos foi avaliado nas cascas dos frutos de dez cultivares de laranjas (Baianinha, Salustiana, Rubi, Westin, Sincorá, Lima, Baia, Comum, Mimo, Pera) e 6 de tangerinas (Piemonte, Clemenules, Page, Dancy, Ponkan e Murcot) cada uma com quatro repetições. Foram analisados os perfis de fibras, minerais, compostos fenólicos livres e ligados, carotenoides das cascas; além da atividade antioxidante pelos métodos dos radicais ABTS, DPPH e ORAC. As cascas dos citros analisadas neste estudo possuem altas quantidades de fibras solúveis (20,74% MS) e insolúveis (36,13% MS), além de Calcio (447,87 mg.100g-1), Potássio (978,72 mg.100g-1) e Magnésio (99,88 mg.100g-1). São ricas em compostos bioativos como ácidos fenólicos e flavonoides; destacando-se as cascas de tangerina Dancy que apresentou maiores valores de polifenóis extraíveis totais livres (1,46 g GAE. 100g-1 MS) que foi proporcionado pelas altas quantidades de Hesperidina (239,99 mg.100g-1), Tangeritina (46,94 mg.100g-1), Ácido Clorogenico (118,05 mg.100g-1) e Ácido Cafeico (86,76 mg.100g-1) e ligados (0,95 g GAE. 100g-1 MS) também proporcionado pelo aporte elevado de Hesperidina (1066,22 mg.100g-1), Tangeritina (12,57 mg.100g-1), Ácido Isoferrulico (343,12 mg.100g-1) e Acido p-coumarico (60,03 mg.100g-1). Os carotenoides totais das cultivares de tangerinas são maiores tanto na casca seca (43,57 mg.100g-1) quanto da polpa liofilizada (85,23 mg.100g-1) do que os das laranjas (casca 15,34 e polpa 7,68), para tangerinas os conteúdos de carotenoides totais da polpa liofilizada é cerca de duas vezes superior ao da cascas seca; enquanto que para as laranjas ocorre o contrário, a quantidade de carotenoides da polpa é cerca de duas vezes inferior ao da casca. O perfil de carotenoides por HPLC, mostrou que as cascas possuem maior conteúdo de carotenoides que a polpa tanto na laranja quanto na tangerina. A atividade antioxidante medidas nos extratos metanólicos de cascas de laranjas e tangerinas pelos métodos de ABTS, DPPH e ORAC e nos extratos obtidos pela hidrolise básica (fenólicos ligados), ABTS, DPPH e ORAC confirmam o potencial bioativo das cascas de citrus e a sua capacidade de eliminar os radicais livres, destacando-se mais uma vez a tangerina Dancy que apresentou maiores valores no extrato dos fenólicos ligados nos três métodos. As cascas de citrus possuem características de qualidade que podem permitir sua utilização como matriz alimentar com alta valorização no mercado, pois possuem excelente teor de fibra alimentar e minerais, essenciais na dieta humana, além de elevados conteúdos de compostos bioativos reconhecidos como protetores de doenças cancerígenas e cardiovasculares, podendo ser extraídos e utilizados pelas indústrias cosméticas, farmacêutica e alimentícia. No Experimento III, foi avaliado a conservação pós-colheita da tangerina Dancy, sendo utilizados fécula de mandioca (F) e amido de jaca (J), associado à glicerol (GLI) ou a solvente Natural eutético profundo (NADES) em cinco tratamentos (FM+NADES), (FM+GLI), (FJ+NADES), (FJ+GLI) e o controle, avaliados em cinco períodos, durante 30 dias, com quatro repetições e três frutos por repetição. Foi avaliado a atividade respiratória, perda de massa, a evolução da coloração da casca, firmeza, pH, sólidos solúveis, acidez titulável, SS/AT e ácido ascórbico. Os recobrimentos FM+NADES e FJ+NADES retardaram a maturação e mantiveram a qualidades e a aparência da tangerina Dancy por mais 10 dias de armazenamento com relação ao controle, o que indica o potencial estes recobrimentos em possibilitar maior tempo na logística de transito e comercialização destes frutos, como uma tecnologia limpa, prática e alimentarmente segura. NADES proporcionou um recobrimento mais eficiente na conservação pós-colheita do que os contendo glicerol e possibilitou o desenvolvimento mais gradual e uniforme da coloração das cascas alaranjada dos frutos de tangerinas Dancy da citricultura familiar do Território da Borborema.
  • RICARDO DE SOUSA NASCIMENTO
  • QUALIDADE E METABOLISMO ANTIOXIDANTE DURANTE A MATURAÇÃO E INOVAÇÂO NA CONSERVAÇÃO PÓS-COLHEITA DE CULTIVARES DE ABACAXI
  • Data: 23/10/2019
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • O Brasil é um produtor tradicional de abacaxi, que é amplamente consumido devido ao seu aroma e sabor agradáveis, originários de uma mistura complexa de substâncias. O principal cultivar é o Pérola, que atende ao mercado interno, mas é susceptível a fusariose, doença importante na abacaxicultura. Entretanto, visando a ampliação da oferta nos mercados, novos cultivares têm sido introduzidos, a exemplo do Vitória, que é resistente a fusariose, do qual não se tem informação sobre as mudanças no metabolismo antioxidante durante a maturação. Quanto ao abacaxi ‘Pérola’ a sua elevada perecibilidade que é agravada em decorrência do transporte à longas distâncias e deficiências nas cadeia produtiva exige estratégias inovadors para a conservação pós-colheita. A utilização de solventes naturais eutéticos profundos (NADES) associaado a dispersão de fécula de mandioca na conservação pós-colheita de abacaxi ‘Pérola’. Portanto, os objetivos deste trabalho, no Experimento I, foi avaliar a qualidade e o metabolismo antioxidante durante a maturação do abacaxi ‘Vitória’ e no Experimento II, usar estratégias inovadoras para a conservação pós-colheita de abacaxi ‘Pérola’, pelo uso de recobrimentos biodegradáveis de fécula de mandioca associado à NADES. Os delineamentos foram os inteiramente casualizados. O experimento I, foi utilizado abacaxi ‘Vitória’ 6 estádios de maturação, totalmente verde (TV), verde (V), início de pigmentação (IP), verde alaranjado (VA), parcialmente alaranjado (PA) e totalmente alaranjado (TA), em três repetições. Em abacaxi ‘Vitória’ os teores de SS, AT e a relação SS/AT, beta –caroteno, flavonoides amarelos e polifenóis extraíveis totais e a atividade antioxidante aumentam com o avanço da maturação, principalmente no estádio PA. Abacaxis do estádio de maturação PA apresentaram menores níveis de H2O2 e maiores atividades da SOD e APX. Em conjunto, abacaxi ‘Vitória’ apresenta potencial funcional mais elevado no estádio PA. No experimento II, abacaxis ‘Pérola1’ colhidos na maturidade comercial foram sanificados e recobertos com Fécula de mandioca a 2,5 % + NADES 0,75% (NADES+F); Fécula a 2,5 % + Glicerol 0,75% (F+G); Fécula a 2,5 % + Glicerol 0,375% + NADES 0,375% (F+G+NADES) e o controle (sem recobrimento), em três repetições de um abacaxi, e armazenados na condição ambiente (24±3°C e 74±3°C UR) durante 20 dias. A utilização de NADES-F reduziu a taxa respiratória, minimizou a perda de massa, manteve os teores de ácido ascórbico e atividade antioxidante mais elevada, sem comprometer a aceitação de aparência do frutos, conferindo maior aceitação sensorial. Em conjunto, o recobrimento de abacaxi com NADES-F proporcionou a manutenção da qualidade e maior intenção de compra de abacaxi ‘Pérola’ durante 20 dias de armazenamento ao ambiente, caracterizando-se numa inovação na conservação pós-colheita de abacaxi.
  • THIANE DE LIMA RODRIGUES
  • FISIOLOGIA DA MATURAÇÃO, QUALIDADE E POTENCIAL FUNCIONAL DE FRUTOS DE CULTIVARES DE BANANEIRAS (Musa spp.) DE CULTIVO ORGÂNICA DA MICRORREGIÃO DE SOUSA-PB
  • Data: 31/08/2019
  • Hora: 13:00
  • Mostrar Resumo
  • A bananeira (Musa spp.) e uma das frutiferas mais cultivadas nos paises tropicais e seu fruto um dos mais apreciados e consumidos no mundo por suas caracteristicas nutricionais e sensoriais. Na Paraiba a bananicultura e uma atividade importante na agricultura familiar, sendo a banana ‘Pacovan’, a mais cultivada. No entanto, apesar de sua importancia, ainda sao poucas as cultivares comercialmente devido a suscetibilidade as doencas e pragas. Produtores da Microrregiao de Sousa, no Sertao da Paraiba, tem buscado a introducao de cultivares resistentes dos grupos Prata e Maca, como uma alternativa emergente de produzir fruto com mais alto valor agregado pelo manejo organico, buscando aumentar a competitividade para o mercado potenciais, com os tradicionalmente cultivados e comercializados. O objetivo foi avaliar a fisiologia da maturacao, qualidade e potencial funcional de frutos de cultivares bananeiras de manejo organico..Frutos de bananeiras organicas do Grupo Prata (Prata-PT, Pacovan-PN, Fhia Maravilha-FM, BRS Platina-BP, BRS Pacovan Ken-PK, BRS Vitoria-PV, Galil18-G18, Prata Ana-PA, Prata Catarina-PC, Prata Gorutuba-PG e BRS Preciosa-PP) e do grupo Maca (Maca-MC, BRS Tropical-MT), provenientes de Sousa, Paraiba. Os frutos foram colhidos no inicio da manha, na maturidade comercial (verde com tracos amarelos), transportados para o laboratorio e avaliados quando atngiram a coloracao amarela com pontas verdes. Este trabalho de pesquisa foi foi subdividido em dois experimento: No primeiro exerimento foi avaliado a fissiologia da maturacao e qualidade de cultivatres de banana de manejo organico e no segundo experimento foi avaliado o potencial fincional destas cultivares. O delineamento foi o interamente casualizado, sendo 11 cultivares do grupo Prata e duas do Grupo Maca. Foram avaliados, comprimento, diametro, massa fresca, firmeza, coloracao, taxa respiratoria (CO2), producao de etileno (C2H4), solidos soluveis (SS), acidez titulavel (TA), relacao SS/TA, pH, acucares redutores e nao redutores, acido ascorbico (AA), Carotenoides, Flavonoides amarelos (FA), antocianinas, Polifenois extraives totais (PET), DPPH, ABTS, catalase (CAT), acido ascorbico Peroxidase (APX) e Peroxidase (POD), foram avaliados. Os comprimentos foram maiores nos frutos da ‘PN’, ‘FM’ e ‘MC’ e diametro a ‘PV’ e ‘MC’. Com relacao ao primeiro experimento, em relacao a fisiologia da maturacao, a partir da maturidade de colheita o climaterio foi observado a partir do terceiro dia de colheita, cuja taxa respiratorio variou entre 40 e 110 mL de CO2. Kg-1.h-1 e etileno entre ~12 a 2,5 µL. Kg-1.h-1, com os maiores taxas para as bananas PT’, ‘PN’, ‘PA’, ‘PC’ e ‘MC’. Com relacao a qualidade, as polpas das bananas ‘PA’ e ‘PP’ foram as mais firmes. Os teores de SS foram maiores nas bananas ‘PT’, ‘PN’, ‘PA’, ‘PC’ e ‘MC’. Os frutos mais acidos foram ‘FM’, ‘G18' e ‘MT’. A SS/AT dos frutos mais doces foram a ‘PT’, ‘PP’ e ‘MT’. Os teores de acucares redutores e nao-redutores foram maiores nas polpas das bananas da ‘PK’ e ‘PN’. Com relacao ao segundo experimento, com relacao ao potencial funcional e metabolismo antioxidante, observou-se maiores teores de AA nas polpas das bananas, a ‘PT’, ‘PG’ e ‘G18’. Os carotenoides totais, FA, antocianinas e PET foram superiores nas polpas de ‘PC’, ‘PG’, ‘PV’ e ‘BP’, nesta ordem. A atividade enzimatica da POD foi superior na ‘PC’, ‘PK’ e ‘PV’. A CAT e APX tiveram maiores atividades na ‘PA’. Os frutos do grupo maca a ‘MC’, foram superiores para a AA, carotenoides, FA, Antocianinas, PET e POD. Para as atividades enzimaticas da CAT e APX a ‘MT’ foi superior, indicando metabolismo antioxidante mais instavel. As cultivares de bananas introduzidas na microrregiao de Sousa apresenta qualidade e potencial funcional que podem ser explorados com valor agregado diferenciados, tendo como alvo mercados potenciais demandantes por diferenciais de qualidade.
  • GILIANE APARECIDA VICENTE DA SILVA SOUZA
  • Avaliação do desenvolvimento de espécies arbóreas consorciadas com gramíneas em sistemas de Integração-Lavoura-Pecúaria-Floresta no Agreste da Paraíba
  • Orientador : DJAIL SANTOS
  • Data: 30/08/2019
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • Nos ultimos anos as praticas agricolas convencionais, baseadas em monocultivos com sistemas padronizados de producao, vem demonstrando exaustao devido a elevada demanda por energia e por recursos naturais. O objetivo desse trabalho foi avaliar o desenvolvimento de especies arboreas consorciadas com gramineas em sistemas de Integracao-Lavoura-Pecuaria-Floresta implantados na regiao do Agreste. O experimento foi realizado na area da Empresa Paraibana de Pesquisa, Extensao Rural e Regularizacao Fundiaria (EMPAER), no municipio de Alagoinha-PB, em sistema de Integracao-Lavoura-Pecuaria e Floresta implantado em 2015. O delineamento experimental e o de blocos casualizados com 5 tratamentos (Gliricidia + Brachiaria; Ipe + Brachiaria; Sabia + Brachiaria; Milho + Brachiaria, Brachiaria solteira) distribuidos em 4 blocos. O primeiro capitulo constou da avaliacao da variabilidade espacial de atributos quimicos em um Planossolo Natrico Ortico no Agreste Paraibano. O metodo de avaliacao foi atraves do georreferenciamento de 40 pontos na area experimental, sendo coletadas 120 amostras de solo em 3 profundidades (0-20, 20-40 e 40-60 cm). Os maiores valores medios foram para os coeficientes de variacao, e valores de curtose e assimetria, na camada de 0-20 cm. No segundo capitulo avaliaram-se os atributos fisicos e biologicos de solo. Para os atributos fisicos houve variacao nas camadas de 0-10 e 10-20 cm. Quanto aos atributos biologicos os tratamentos com Gliricidia + Brachiaria e Milho + Brachiaria apresentaram maiores valores medios, sendo o periodo de maior atividade microbiana entre 34 e 48 horas de incubacao de solo. O maior tempo de atividade ocorreu com 10 horas de incubacao. Os atributos fisicos e biologicos de solo sao influenciados pelo consorcio de arboreas com gramineas. No terceiro capitulo o objetivo foi avaliar as trocas gasosas de especies florestais e a produtividade de gramineas no sistema integrado de producao. Utilizou-se para as avaliacoes fisiologicas um Sistema de Fotossintese Portatil (IRGA). Os maiores valores medios para condutancia estomatica foram verificados com Gliricidia e Ipe, consorciados com Brachiaria, aos 180 dias, decrescendo nas avaliacoes seguintes. Os maiores valores de produtividade do milho ocorreram no primeiro ano de producao. Os aspectos fisiologicos podem fornecer informacoes sobre adaptacoes dessas especies as condicoes ambientais locais.
  • KADSON EMMANUEL FRUTUOSO SILVA
  • SELEÇÃO FENOTÍPICA E PERDAS POR LAGARTOS DE PRODUÇÃO DE PIMENTEIRAS ORNAMENTAIS
  • Data: 30/08/2019
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • As pimenteiras pertencem ao genero Capsicum e se destacam como um importante segmento do mercado de plantas ornamentais no Brasil, e que vem apresentando um crescimento constante em funcao da demanda de novos produtos. Diante disto, o trabalho teve por objetivo analisar a diversidade genetica, as correlacoes genotipicas e fenotipicas e as perdas de producao em pimenteiras ornamentais. Os experimentos foram desenvolvidos em casa de vegetacao e no Laboratorio de Biotecnologia e Melhoramento Vegetal do Centro de Ciencias Agrarias na Universidade Federal da Paraiba (CCA/UFPB). Para isto, o trabalho foi dividido em tres capitulos. O capitulo I objetivou avaliar a diversidade genetica e populacoes F3 de pimenteiras (Capsicum annuum L.) ornamentais. Onde foram analisadas 40 populacoes segregantes e 4 testemunhas adicionais, avaliando-se 15 descritores quantitativos. O delineamento experimento foi inteiramente casualizado, com cinco plantas por populacao. Os dados foram submetidos a analise multivariada, importancia relativa dos caracteres determinada pelo metodo de Singh, analise de variaveis canonicas e o teste de Scott-knott. No segundo capitulo, foi analisada as correlacoes genotipicas e fenotipicas para 31 caracteristicas morfoagronomicas entre 5 populacoes segregantes e duas testemunhas adicionais de pimenteiras. O delineamento experimental foi inteiramente casualizado com quatro repeticoes. Os dados foram submetidos a analise de variancia, teste de Tukey (p<0.05) e correlacoes genotipicas e fenotipicas. No terceiro capitulo foram avaliadas as perdas de producao ocasionadas na cultura da pimenta (Capsicum annuum) pelos lagartos Ameiva ameiva e Tropidurus hispidus. Foram utilizados tres genotipos de pimenteiras, estes diferindo em cor de fruto maduro; vermelho, amarelo ou laranja. O delineamento experimental foi inteiramente casualizado em parcelas subdivida, com quatorze repeticoes. Os dados foram submetidos a analise de variancia com posterior teste de medias (Tukey a 5%) e analise de regressao. No capitulo I o metodo de Singh determinou que 78,8% da diversidade genetica encontrada e atribuida a oito caracteristicas. As duas primeiras variaveis canonicas reterao 69,94% da variacao total 8 das populacoes, que foram agrupadas em seis grupos pelo teste e Scott Knott. Nas analises de correlacoes obtidas no capitulo II, foram constatadas que as correlacoes genotipicas foram superiores as fenotipicas. Com correlacoes positivas entre as variaveis de germinacao, emergencia, plantulas massa de cem sementes. Correlacoes positivas foram observadas em padroes de arquitetura (AP/DC) e de frutos (CFR, MDF, PF, CF). No terceiro capitulo foram observadas perdas crescentes nos tres genotipos durante os dias de avaliacao, cujas maiores perdas na producao foram no quinto dia de avaliacao com danos superiores a 80%.
  • KARLA SELENE FORSTALL SOSA
  • ÍNDICES DE QUALIDADE BIOLÓGICA DO SOLO EM ÁREA SOB MANEJO DE ADUBOS VERDES
  • Data: 29/08/2019
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • Na busca da sustentabilidade na agricultura, a utilização de espécies vegetais com características botânicas benéficas às propriedades biológicas do solo tem sido considerada como alternativa às práticas convencionais. Objetivou-se avaliar o efeito do cultivo de espécies de plantas das famílias Fabaceae e Poaceae nas comunidades de macroartrópodes e fungos micorrízicos arbusculares do solo em ambiente semiárido. O estudo foi desenvolvido em condições de campo, em 3 blocos (DBC); constituído por 10 tratamentos. Os tratamentos foram: Crotalaria juncea L., C. spectabilis Roth, C. ochroleuca G. Don, Canavalia ensiformis (L.) DC., Dolichos lablab L., Mucuna pruriens (L.) DC., Stizolobium aterrimum Piper & Tracy, Neonotonia wightii (Wight & Arn.) J.A. Lackey, Pennisetum glaucum (L.) R.Br., e Brachiaria decumbens Stapf cv. Basilisk + plantas espontâneas. Para determinar os efeitos das espécies para adubação verde sobre a comunidade de macroartrópodes e de fungos micorrízicos no solo foram avaliados produção de biomassa seca, pH, carbono orgânico total do solo, riqueza de grupos (S), índice de diversidade de Shannon (H’) e índice de dominância de Simpson (C). Exclusivamente, para avaliação da influência dessas espécies vegetais sobre as comunidades de fungos micorrízicos arbusculares (FMA), foi realizada uma comparação de todas as variáveis analisadas em função de uma plantação de Eucalyptus globulus Labill e uma Floresta tropical úmida. Os dados foram submetidos ao teste Shapiro-Wilk para determinar a normalidade na distribuição dos dados. Para as significâncias dos índices ecológicos foi utilizada ANOVA do tipo “two-way” e aplicado o teste Bonferroni a 5%. Com base nos dados obtidos foram geradas equações para estimar a qualidade biológica do solo (IQBS), assim como o índice de qualidade micorrízica (IQM) nas áreas avaliadas. As espécies de plantas da Família Fabaceae proporcionam condições positivas para a manutenção de uma comunidade de macroartrópodes diversificada, sendo C. spectabilis e C. ochroleuca as espécies com maior riqueza e diversidade nas estações chuvosa e seca, respectivamente. Para as comunidades de FMAs as espécies de plantas que promoveram os melhores resultados nos índices ecológicos foram P. glaucum, C. ensiformis, S. aterrimum e N. wightii, quando comparados com Eucalyptus globulus Labill e a Floresta tropical úmida.
  • ANA GABRIELA SOUSA BASILIO
  • Fitomassa, pigmentos fotossintéticos e fluorescência em Capsicum chinense Jacq sob estresse salino e torta de filtro
  • Orientador : THIAGO JARDELINO DIAS
  • Data: 29/08/2019
  • Hora: 13:00
  • Mostrar Resumo
  • No Brasil o cultivo de pimenta e de grande importancia tanto pela caracteristica da rentabilidade, quando o produtor agrega valor ao produto, quanto pela importancia social. Na regiao semiarida do nordeste brasileiro, onde as aguas nem sempre sao de boa qualidade, se faz necessario o uso de tecnicas que viabilizem o manejo do solo e da agua com teor elevado de sais, de modo a se elevar os rendimentos produtivos das culturas. Desta forma, objetivou-se avaliar a producao de fitomassa de pimenta biquinho (Capsicum chinense Jacq) submetidas a diferentes niveis de salinidade da agua de irrigacao e adubadas com torta de filtro. O experimento foi realizado em casa de vegetacao, situada no Centro de Ciencias Agrarias, da Universidade Federal da Paraiba, localizada no municipio de Areia, PB. O delineamento utilizado foi blocos casualizados, com cinco condutividades eletricas da agua de irrigacao (0,5; 1,3; 3,25; 5,2 e 6,0 dS m-1) e cinco doses de torta de filtro (0; 34,8; 120,0; 205,2; 240,0 Kg/ha-1), geradas atraves da matriz composto central de Box (CCB), perfazendo dez tratamentos, com tres repeticoes e tres plantas por repeticao. As variaveis analisadas foram trocas gasosas, fluorescencias de clorofila (fluorescencia inicial, maxima, variavel e rendimento quantico do fotossistema II); indices de clorofila (clorofilas a, b e total); crescimento (altura, diametro de caule, numero de folhas, numero de flores); fitomassa (massa da raiz, caule e folhas). Os dados foram submetidos a analise de variancia e a analise de regressao. O aumento da condutividade eletrica da agua de irrigacao afetou negativamente a ecofisiologia, crescimento e fitomassa da pimenta biquinho. Contudo a condutividade eletrica e as doses de torta de filtro promoveram aumento dos teores de clorofila aos 30 dias apos o inicio da irrigacao com aguas adicionadas de sais.
  • EDNALDO DA SILVA RODRIGUES
  • DESENVOLVIMENTO DO FEIJOEIRO VAR. FAVETA, CARACTERIZAÇÃO DA MACROFAUNA ASSOCIADA A DIVERSIDADE DO BANCO DE SEMENTES SOB MANEJOS DE ADUBAÇÃO ORGÂNICA E VEGETAÇÃO ESPONTÂNEA
  • Orientador : DJAIL SANTOS
  • Data: 28/08/2019
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • O manejo da adubacao organica e da vegetacao espontanea em areas de agricultura familiar e considerada pratica promissora para o desenvolvimento e producao vegetal, os servicos ecossistemicos desempenhados pela macrofauna edafica e a manutencao do banco de sementes da vegetacao espontanea de solos arenosos da regiao semiarida. Objetivou-se avaliar os efeitos da adubacao com esterco bovino curtido e do manejo da vegetacao espontanea em Pre- e Pos-florescimento sobre: i) o crescimento e produtividade de P Vulgaris.L var. faveta cultivado em solo arenoso; ii) a diversidade da macrofauna edafica e seus niveis troficos; e iii) a diversidade de especies de plantas espontaneas representantes do banco de sementes nativo. Para os capitulos 1 e 2 o estudo foi realizado em 4 blocos (DBC); em um esquema fatorial 2 x 4, com 6 repeticoes por bloco (N = 384). Os tratamentos foram dois tratamentos de manejo adubacao organica: fornecimento de 25 T ha-1 de esterco bovino curtido e sem adubacao (controle_1); e quatro tratamentos de manejo da vegetacao espontanea (MVE): ausencia de MVE (controle_2), MVE no estagio de pre-florescimento, MVE no estagio de pos-florescimento e MVE durante todo o ciclo da cultura. Para o capitulo 3, oito tratamentos foram alocados em delineamento inteiramente casualizado, composto da combinacao entre os manejos da adubacao organica e da vegetacao espontanea. Cada parcela do capitulo 3 foi representada por caixas plasticas contendo 1,5 kg de solo da area experimental. Foram avaliados taxa de crescimento, biomassa seca de parte aerea e raiz, comprimento radicular, peso de mil sementes e a produtividade de graos. Para avaliar os efeitos da adubacao organica e do MVE sobre a macrofauna edafica e a composicao do banco de sementes da vegetacao espontanea, as variaveis foram: abundancia, frequencia relativa, riqueza de especies, indice de diversidade de Shannon (H) e indice de dominancia de Simpson (C). Para as caracteristicas de crescimento vegetativo observou-se que a taxa de crescimento, as biomassas seca de parte aerea e raiz e produtividade de graos, apresentaram os melhores resultados nos tratamentos com adubacao organica. Nao foram observadas diferencas significativas entre as variaveis de crescimento em funcao do MVE. O MVE durante o pre- e pos-florescimento, combinados com a ausencia da adubacao organica, afetou negativamente a riqueza e a diversidade da macrofauna edafica. Em comparacao com a combinacao dos controles_1 (ausencia de adubacao organica) e _2 (ausencia do MVE), o fornecimento de adubacao organica, independentemente do MVE ser realizado no pre- ou pos-florescimento, proporcionou a manutencao da diversidade do banco de sementes de especies espontaneas nativas de solos arenosos da regiao semiarida.
  • OTAVIO DO CARMO DE OLIVEIRA NETO
  • Aspectos do crescimento, nutrição, fisiologia, produção e qualidade da bananeira 'Vitória' sob adubação nitrogenada e potássica
  • Data: 07/08/2019
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • O cultivo de genotipos de bananeira susceptiveis ao Mal do Panama e as Sigatocas amarela e negra, doencas de maior importancia economica no mundo, predomina no nordeste brasileiro e no Estado da Paraiba, em especial, o cultivo da Pacovan. A cultivar Vitoria e resistente a essas doencas e possuem potencial para substitui-la, porem, pouco se conhece sobre suas necessidades nutricionais, nao havendo ainda um manejo de adubacao definido para esta cultivar. A adubacao nitrogenada e potassica, constitui-se como principal tecnica de manejo no cultivo da bananeira, com reflexos diretos na producao e qualidade dos frutos. Objetivou-se avaliar o efeito da adubacao com N e K nas caracteristicas de crescimento, nutricao, fisiologia, produtividade e qualidade de frutos da bananeira cv. Vitoria, em dois ciclos de producao. O experimento foi conduzido no periodo de janeiro de 2016 a fevereiro de 2018, no municipio de Bananeiras-PB, em delineamento experimental de blocos ao acaso, com quatro repeticoes. A combinacao de cinco doses de N (15; 90; 150; 210 e 285 g planta-1) e cinco doses de K (24; 144; 240; 336 e 456 g planta-1) constituiu os tratamentos, distribuidos atraves de matriz Pan Puebla III, formando 10 tratamentos e uma testemunha (sem adubacao). As seguintes combinacoes de N e K (g planta-1), respectivamente, definiram os tratamentos: T1 (90;144), T2 (90;336), T3 (210;144), T4 (210;336), T5 (150;240), T6 (15;144), T7 (285;336), T8 (90;24), T9 (210;456), T10 (15;24). Assim, este trabalho esta estruturado em cinco capitulos, em que no primeiro capitulo e apresentada a Introducao Geral e o Referencial Teorico. No segundo capitulo e apresentado o comportamento do crescimento da bananeira cv. Vitoria sob adubacao nitrogenada e potassica. No terceiro capitulo e mostrado os aspectos nutricionais e fisiologicos da bananeira cv. Vitoria em respostas as doses de nitrogenio e potassio. No quarto capitulo e avaliado a produtividade e os componentes de producao da bananeira cv. Vitoria em funcao da adubacao com N e K. Por fim, no quinto capitulo e estudado a qualidade de frutos da bananeira cv. Vitoria sob adubacao nitrogenada e potassica. A aplicacao conjunta de 197 Kg ha-1 de N e 362,2 Kg ha-1 de K2O, no 1º ciclo; e de 188 Kg ha-1 de N e 507 Kg ha-1 de K2O, no 2º ciclo de producao, promove a producao de 105 e 169 frutos por cacho, respectivamente. A produtividade de 28,1 e 35,2 t ha-1 podera ser atingida com aplicacao de 245,5 kg ha-1 de N e 507 kg ha-1 de K2O, no estande de 1.230 e 1.538 plantas, respectivamente. O maior teor de N (26,8 g kg-1) e K foliar (16,3 g kg-1) no 1º ciclo e obtida com aplicacao de 285 g planta-1 de N. Os teores de K foliar nos dois ciclos, sob doses de N e K de ate 285 e 456 g planta-1, respectivamente, estao abaixo dos valores encontrados na literatura. As doses de N e K aplicadas nesse trabalho nao exercem influencia sobre a A, E, EUA e EiC. O indice SPAD apresenta correlacao positiva e significativa com os indices de clorofila Falker e com os teores de clorofila. O maior ganho na producao de fitomassa seca da parte aerea de 19,7 e 22,1 kg planta-1 e obtido na dose de 164g planta-1 de N e 456 g planta-1 de K2O, no 2º ciclo, respectivamente. O florescimento e antecipado em 43 e 67 dias e a colheita em 28 e 51 dias, no 1º e 2º ciclo, sob aplicacao de 176 e 285g planta-1 de N, respectivamente. A maior firmeza de fruto no 1º (20 N) e 2º (30,3 N) ciclo e obtida com aplicacao de 285 e 184, 2 g planta-1 de N, respectivamente. Em funcao de K, a maior firmeza de fruto para o 1º (21,9 N) e 2º (29,9 N) ciclo e obtida com aplicacao de 456 g planta-1 de N. A maior relacao SST/ATT (40,3 e 40,6) e obtida no 2º ciclo sob a dose de 119,2 g planta-1 de N e 201,1g planta-1 de K, respectivamente. O amido e completamente hidrolisado no nivel 6 de maturacao e nao sofre efeito das doses de N e K estudadas.
  • LUANA FERREIRA DOS SANTOS
  • Variações na qualidade e no potencial antioxidante durante a maturação da uva 'BRS Magna' em função de porta-enxertos, em condições tropicais
  • Data: 28/06/2019
  • Hora: 08:30
  • Mostrar Resumo
  • A diversificacao da viticultura para producao de suco na regiao do Submedio do Vale do Sao Francisco, especialmente com o crescimento do cultivo de Vitis labrusca e uvas hibridas, sugere a realizacao de pesquisas focadas no estudo dos componentes do sistema produtivo e sua influencia sobre os derivados. Assim, o objetivo desse estudo foi caracterizar, durante a maturacao, as alteracoes em compostos determinantes da qualidade da uva ‘BRS Magna’ produzida sobre diferentes porta-enxertos durante ciclos de producao do primeiro e do segundo semestre do ano. Os experimentos foram conduzidos no campo Experimental de Bebedouro, da Embrapa Semiarido, Pernambuco, Brasil, com videiras da cultivar BRS Magna, sobre o sistema de conducao latada e irrigadas por gotejamento. Foram avaliados quatro ciclos de producao, sendo dois ciclos de producao do primeiro e segundo semestre do ano de 2017 e 2018. Os cachos foram coletados, periodicamente, do inicio da maturacao a colheita. Os tratamentos corresponderam aos porta-enxertos, sendo eles ‘IAC 313’, ‘IAC 572’, ‘IAC 766’, ‘Paulsen 1103’, ‘Harmony’ e ‘Freedom’, e a idade dos frutos (caracterizando estadios de maturacao). O delineamento experimental foi em blocos ao acaso, em parcelas subdivididas no tempo, para cada ciclo de producao estudado. Os porta-enxertos foram distribuidos nas parcelas e as datas ou idade das uvas, nas subparcelas. Foram adotadas quatro repeticoes, com seis plantas cada, de onde foram colhidos cinco cachos, em cada coleta. No estudo comparando os dois ciclos de producao do primeiro semestre, o ciclo de 2018 favoreceu maior acumulo de flavonoides e antocianinas. Nos dois ciclos do primeiro semestre, a colheita aproximadamente aos 64 DAF potencializou a qualidade. Quanto aos porta-enxertos, maiores teores de antocianinas e flavonoides amarelos foram favorecidos pelos porta-enxertos ‘IAC 313’ e ‘IAC 572’, no ciclo de 2017, bem como ‘IAC 313’ e ‘IAC 766’, no ciclo de 2018. No estudo comparando os dois ciclos do segundo semestre, o ciclo de 2017 favoreceu o acumulo de antocianinas nas bagas, sendo ‘IAC 766’ o que conferiu maiores teores. Independentemente do metodo, o porta-enxerto ‘IAC 572’ promoveu maior capacidade antioxidante as uvas. As ferramentas de analise multivariada confirmaram que uvas em estadio de maturacao mais avancado apresentaram maiores teores de compostos bioativos que refletiram na maior capacidade antioxidante. Os porta-enxertos ‘IAC 572’ e ‘Freedom’ destacaram-se por reunir as melhores caracteristicas de qualidade em safras especificas.
  • MARIA CÂNDIDA DE ALMEIDA MARIZ DANTAS
  • POTENCIAL SOCIOECONÔMICO DA CRIAÇÃO DE ABELHA SEM FERRÃO NOS ESTADOS DA PARAÍBA E RIO GRANDE DO NORTE
  • Data: 19/06/2019
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • A Meliponicultura exerce grande importancia na agricultura familiar por ser fonte de renda para pequenos produtores. E uma atividade que vem ganhando espaco em todo territorio nacional pela vasta diversidade da flora e dos mais variados tipos de clima existentes no Brasil. Esse potencial produzido vem refletindo na geracao da renda do produtor e, com isso, se destacando como importante fator de inclusao social. Nos estados da Paraiba e do Rio Grande do Norte a criacao racional de abelha jandaira e praticada de geracao a geracao, contudo nao ha registros precisos sobre custos de investimento e manutencao de um meliponario, tao pouco sobre custos de producao. Diante do exposto, objetivou-se pesquisar meliponicultores situados nestas duas regioes, para avaliar e comparar o potencial socioeconomico da atividade de criacao de Meliponas, com enfase para os criadores de jandaira, bem como promover discussoes sobre tecnicas de criacao e manejo dos produtos, a fim de aprimorar o conhecimento dos criadores e consequentemente maximizar a producao. A pesquisa foi desenvolvida nos estados da Paraiba (PB) e do Rio Grande do Norte, durante o periodo de maio de 2017 a maio de 2019, com levantamento de dados envolvendo temas relacionados ao processo de criacao de meliponas, a partir de informacoes prestadas pelos criadores distribuidos nas diversas regioes dos dois estados. Para este estudo foram avaliados 45 (quarenta e cinco) meliponicultores distribuidos nas quatro mesorregioes do estado da Paraiba [(Mata Paraibana, Agreste Paraibano, Borborema, Sertao Paraibano), sediados nos municipios de Joao Pessoa, Cabedelo, Dona Ines, Picui, Sao Joao do Cariri, Itaporanga, Pombal, Aparecida, Cacimba de Areia, Sao Joao do Rio do Peixe, Poco Jose de Moura, Santa Cruz e Santa Helena] e Rio Grande do Norte [Natal, Parnamirim, Barcelona, Sao Paulo do Potengi, Riachuelo, Passagem, Passa e Fica, Santa Cruz, Lajes Pintadas, Pedro Avelino, Assu, Mossoro, Patu e Campo Grande, municipios das quatro mesorregioes do estado (Leste Potiguar, Agreste Potiguar, Central Potiguar e Oeste Potiguar)]. De acordo com as avaliacoes pode-se constatar que as especies de abelhas sem ferrao mais criadas nos dois estados sao Abelha Jandaira, Urucu Nordestina, Rajada, Mosquito, Mandaguari, Moca Branca. O maior numero de criadores do Rio Grande do Norte esta localizado na regiao do Oeste Potiguar, concentrados no municipio de Mossoro, tanto na area urbana quanto na area rural, enquanto no estado da Paraiba a maior concentracao de criadores ocorreu no Sertao Paraibano. As finalidades da criacao de abelhas sem ferrao, na regiao onde o estudo foi desenvolvido, sao bastante diversificadas. Poucos criadores apresentaram apenas um motivo pelo qual criam, de certo pela ampla importancia desses insetos na preservacao da biodiversidade, dos seus produtos e da carga cultural trazida pelas populacoes, sobretudo em relacao a importancia do mel como medicamento. Desta forma, nota-se que muitos criadores ja encontram na atividade uma possibilidade de renda extra.
  • JEAN PIERRE CORDEIRO RAMOS
  • PREDIÇÃO DE GANHOS GENÉTICOS VIA ÍNDICE DE SELEÇÃO E MODELOS MISTOS EM AMENDOIM INDICADO PARA O AMBIENTE SEMIÁRIDO
  • Data: 22/05/2019
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • O amendoim e uma leguminosa de importancia mundial, sendo bastante cultivada no Brasil, principalmente na regiao Sudeste. O Nordeste brasileiro apresenta potencial para o cultivo dessa especie, porem devido a limitacoes climaticas como altas temperaturas e deficit hidrico seu cultivo mostra-se vulneravel. A obtencao de cultivares adaptados a essas condicoes e uma das principais estrategias adotadas nos programas de melhoramento que visam possibilitar o cultivo do amendoim nessa regiao. Para tanto, ferramentas genetico-estatisticas sao de fundamental importancia, por proporcionar estimativas das proporcoes de cada fonte de variacao avaliada em ensaios experimentais. Dentre os principais estimadores, pode-se citar a variancia genetica, o coeficiente de variacao genetico, herdabilidade e acuracia seletiva, servindo de pressuposto basico para a realizacao de selecao e consequente ganhos geneticos. Com o objetivo de estimar ganhos obtidos por meio de praticas seletivas no amendoim cultivado, procedeu-se este estudo, em dois niveis (capitulos). O primeiro capitulo reporta sobre ganhos de selecao de familias de amendoim RC1F3, resultante de cruzamento entre anfidiploide sintetico (A. batizocoi K9484 x A. duranensis SeSn 2848)4x e a cultivar comercial BR1 (A. hypogaea subsp. fastigiata), submetidas a supressao hidrica moderada, visando selecao de materiais tolerantes a seca. Para tanto, as 13 familias RC1F3 foram cultivadas em ambiente controlado e submetidas a 15 dias de supressao hidrica. Duas cultivares precoces e tolerantes a seca (BR1 e Senegal 55 437) foram utilizadas como testemunhas. Oito caracteres agronomicos foram adotados para caracterizacao dos materiais. Os procedimentos de selecao se basearam em modelos mistos (REML/BLUP) e indice de selecao de Soma de Ranks, proposto por Mulamba & Mock. Verificou-se relativa predominancia da variancia residual em detrimento da variancia genotipica, indicando existencia de segregacao dentro das familias. Valores de elevada acuracia foram encontrados para a maioria dos caracteres. Das 13 familias avaliadas, tres se destacaram nas caracteristicas agronomicas, com ganhos para numero de vagens/planta, comprimento da vagem e numero de sementes por vagem, alem de aumento de precocidade em pelo menos 1 dia. O segundo capitulo trata o estudo cujo objetivo e estimar quais seriam as combinacoes entre sete indices de selecao e cinco diferentes conjuntos de pesos economicos, aplicados ao amendoim tipo runner, que proporcionem ganhos geneticos superiores e equilibrados para os caracteres avaliados. Assim, onze genotipos do tipo runner foram avaliados em relacao a nove caracteristicas agronomicas. Os indices utilizados foram: o indice classico de Smith e Hazel (SH), indice baseado em Ganhos Desejados de Pesek e Baker (PB), indice base de Williams (W), indice livre de pesos e parametros de Elston (E), indice multiplicativo de Subandi et al. (S), indice com base na distancia em relacao ao ideotipo de Cruz (GI) e o indice baseado em Soma de Ranks de Mulamba e Mock (MM). Os pesos economicos foram: levando em conta os caracteres principais (CP), peso 1 (P1) para todos os caracteres, coeficiente de variacao genetica (CVg), desvio padrao genetico (DPg) e o coeficiente “B” obtido via regressao multivariada. Foi constatado efeito significativo dos genotipos para todos os caracteres avaliados (p < 0,01), indicando que existe variabilidade genetica entre os materiais estudados. A herdabilidade mostrou valores elevados para a maioria dos caracteres (acima de 90%), indicando progresso genetico com ciclos de selecao. As combinacoes SH-CP, SH-P1, SH-DPg, W-P1 e W-PDg, seguida de MM-CP, MM-CVg, MM-DPg, GI-CP, GI-P1, GI-CVg, GI-DPg e E, indicaram ganhos superiores para os caracteres relacionados a producao, porem com valores insatisfatorios para inicio de floracao e Ciclo. De forma geral, o indice de Mulamba e Mock quando aplicado com o peso 1 para todos os caracteres foi o mais promissor, por ser capaz de equilibrar os ganhos proximos aos limites maximos obtidos via selecao direta, tanto para caracteres relacionados a producao quanto a precocidade.
  • FABIO ARAUJO DOS SANTOS
  • Crescimento e aspectos fisiologia de mudas de abacaxizeiro “Vitória” cultivadas sob manejo de água salina e biofertilizante.
  • Orientador : REJANE MARIA NUNES MENDONCA
  • Data: 30/04/2019
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • A atividade agricola irrigada nas regioes aridas e semiaridas, enfrentam serias limitacoes principalmente devido a baixa disponibilidade e qualidade das aguas encontradas nos mananciais destas regioes, que quase sempre apresentam elevada concentracao de sais, que promove uma serie de alteracoes nos processos fisiologicos e bioquimicos das plantas. Desta forma, objetivou-se neste trabalho avaliar o crescimento e fisiologia de mudas de abacaxi cv. Vitoria irrigadas com agua salina em solo sem e com biofertilizante bovino. O experimento foi conduzido no viveiro de Fruticultura do Departamento de Fitotecnia e Ciencias Ambientais da Universidade Federal da Paraiba. Os tratamentos foram distribuidos em blocos ao acaso, com quatro repeticoes, em esquema fatorial 6x2, com seis niveis da condutividade eletrica da agua de irrigacao (0,5; 1,5; 2,5; 3,5; 4,5 e 5,5 dS m-1) em solo sem e com aplicacao de biofertilizante bovino. Aos 150 dias apos o transplantio foi avaliado altura da planta, diametro da roseta, diametro do caule, numero de folhas e a massa da materia seca da raiz, parte aerea e total (pela soma de ambos). Sob os aspectos fisiologicos foram determinado os indices de clorofila a, b e total, a fluorescencia inicial, maxima, variavel, eficiencia quantica do fotossistema II, concentracao interna de gas carbonico, condutancia estomatica, transpiracao, assimilacao liquida de gas carbonico, eficiencia no uso da agua e a eficiencia instantanea de carboxilacao. O aumento da salinidade nos tratamentos sem biofertilizante resultou em perda de 71,8 %, quando compara-se as plantas sob irrigacao com agua nao salina (30,58 g) e a agua estimada de 5,1 dS m-1 (8,56 g). Para a fluorescencia maxima, variavel e a eficiencia quantica do fotossistema houve reducao de 33, 49 e 27% respectivamente, quando irrigadas com a agua de 5,5 dS m-1. O aumento da salinidade da agua de irrigacao inibiu o crescimento, acumulo de biomassa e os indices de fluorescencia das mudas de abacaxi cv. Vitoria.
  • FABIO ARAUJO DOS SANTOS
  • Crescimento e aspectos fisiologia de mudas de abacaxizeiro “Vitória” cultivadas sob manejo de água salina e biofertilizante.
  • Orientador : REJANE MARIA NUNES MENDONCA
  • Data: 30/04/2019
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • A atividade agricola irrigada nas regioes aridas e semiaridas, enfrentam serias limitacoes principalmente devido a baixa disponibilidade e qualidade das aguas encontradas nos mananciais destas regioes, que quase sempre apresentam elevada concentracao de sais, que promove uma serie de alteracoes nos processos fisiologicos e bioquimicos das plantas. Desta forma, objetivou-se neste trabalho avaliar o crescimento e fisiologia de mudas de abacaxi cv. Vitoria irrigadas com agua salina em solo sem e com biofertilizante bovino. O experimento foi conduzido no viveiro de Fruticultura do Departamento de Fitotecnia e Ciencias Ambientais da Universidade Federal da Paraiba. Os tratamentos foram distribuidos em blocos ao acaso, com quatro repeticoes, em esquema fatorial 6x2, com seis niveis da condutividade eletrica da agua de irrigacao (0,5; 1,5; 2,5; 3,5; 4,5 e 5,5 dS m-1) em solo sem e com aplicacao de biofertilizante bovino. Aos 150 dias apos o transplantio foi avaliado altura da planta, diametro da roseta, diametro do caule, numero de folhas e a massa da materia seca da raiz, parte aerea e total (pela soma de ambos). Sob os aspectos fisiologicos foram determinado os indices de clorofila a, b e total, a fluorescencia inicial, maxima, variavel, eficiencia quantica do fotossistema II, concentracao interna de gas carbonico, condutancia estomatica, transpiracao, assimilacao liquida de gas carbonico, eficiencia no uso da agua e a eficiencia instantanea de carboxilacao. O aumento da salinidade nos tratamentos sem biofertilizante resultou em perda de 71,8 %, quando compara-se as plantas sob irrigacao com agua nao salina (30,58 g) e a agua estimada de 5,1 dS m-1 (8,56 g). Para a fluorescencia maxima, variavel e a eficiencia quantica do fotossistema houve reducao de 33, 49 e 27% respectivamente, quando irrigadas com a agua de 5,5 dS m-1. O aumento da salinidade da agua de irrigacao inibiu o crescimento, acumulo de biomassa e os indices de fluorescencia das mudas de abacaxi cv. Vitoria.
  • JOEL MACIEL PEREIRA CORDEIRO
  • CITOTAXONOMIA DO GÊNERO NEOTROPICAL Epidendrum L. (LAELIINAE, ORCHIDACEAE): DISCUTINDO GRUPOS INFRAGENÉRICOS
  • Data: 22/04/2019
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • O gênero Epidendrum L. (Laeliinae, Orchidaceae) abrange cerca de 1.800 espécies distribuídas pelas regiões Neotropicais. Suas espécies apresentam alto grau de variação morfológica, interações ecológicas e diversidade no número cromossômico, o que, por vezes, dificulta o estabelecimento de classificações infragenéricas e organizações taxonômicas no gênero. O presente trabalho tem como objetivo discutir o número cromossômico e a distribuição de regiões heterocromáticas com o uso dos fluorocromos cromomicina A3 (CMA) e 4´6-diaminidino-2-fenilindol (DAPI) em espécies de distintos grupos infragenéricos de Epidendrum, assim como analisar o cariótipo (número cromossômico e bandas heterocromáticas) e o tamanho do genoma (2C DNA) em espécies dos grupos “Difforme” e “Nocturnum”. A aliança Epidendrum nocturnum é marcada por eventos de poliploidia e regiões ricas em pares de base GC (CMA+) localizadas na região proximal das espécies. O conteúdo de DNA nuclear foi, de forma geral, correlacionado ao nível de ploidia, onde uma espécie diploide apresentou 2C = 2,91 ρg, espécies tetraploides apresentaram 2C ~ 6,00 ρg e uma espécie hexaploide apresentou 2C = 8,92 ρg. Para o grupo “Difforme”, todas as espécies apresentaram 2n = 40 e números variáveis de 0-4 bandas terminais e 8-16 bandas proximais CMA+/DAPI–. O conteúdo de DNA nuclear variou de 3,99 ρg em E. campaccii Hágsater & L.Sánchez a 5,68 ρg em E. althausenii A.D.Hawkes. Novas considerações taxonômicas são propostas ao conciliar as informações de distribuição de heterocromatina, tamanho do genoma, número cromossômico e caracteres morfológicos para as espécies dos grupos “Difforme” e “Nocturnum”. A discussão envolvendo distribuição de heterocromatina em diferentes grupos infragenéticos de Epidendrum abrangeu 47 espécies pertencentes a 20 grupos. Novos registros cromossômicos foram registrados para 22 espécies. A maioria dos cariótipos apresentou 2n = 40 e regiões heterocromáticas ricas em pares de base GC (CMA+). Bandas heterocromáticas ricas em AT (DAPI+) foram registradas especialmente nos grupos Schistochilum e Loefgrenii. As variações no número cromossômico aliados à distribuição de heterocromatina parecem seguir um padrão específico para a maioria dos grupos analisados. Fatores ecológicos como hábito e hábitat das plantas e distribuição geográfica também são discutidos entre os diferentes grupos de Epidendrum e conciliados nas discussões infragenéricas do gênero.
  • WHALAMYS LOURENÇO DE ARAUJO
  • Toxicidade de inseticidas a abelhas sem ferrão
  • Data: 12/04/2019
  • Hora: 08:30
  • Mostrar Resumo
  • -As abelhas sem ferrao ou meliponinios sao importantes agentes de polinizacao e bioindicadores da qualidade ambiental; alem de sua importancia socioeconomica para agricultura familiar, uma vez que sua criacao racional tem como produtos mel, propolis, cera, etc, que sao comercializados. No entanto, estas especies de meliponineos se encontram em processo acelerado de desaparecimento. Diversas acoes tem colaborado para isto, e o uso demasiado de defensivos agricolas esta entre as principais causa. Este trabalho teve como objetivo avaliar a toxicidade de defensivos agricolas utilizados na cultura do meloeiro e de citros sobre especies de abelhas sem ferrao. Para tanto, ensaios experimentais foram conduzidos no Laboratorio de Entomologia do Centro de Ciencias Agrarias da Universidade Federal da Paraiba. Os defensivos agricolas comerciais utilizados nos testes foram os dos grupos Neonicotinoide [Actara® 250 WG – Tiametoxam (T1) e Evidence® 700 WG – Imidacloprido (T2)], Piretroide [Decis® 25 EC – Deltametrina (T3) e Talstar® 100 EC – Bifentrina (T6)], Organofosforado [Sabre® 450 EW – Clorpirifos (T4)] e Biologico (Boots® – Bacilos Thungiriensis (T5)], nas dosagens medianas recomendadas pelos fabricantes para o controle de pragas do meloeiro e citros sobre a especie Jandaira (Melipona subnitida) e Urucu (Melipona scutelaris), respectivamente; e sobre a especie Irai (Nannotrigona testaceicornis) foram avaliados a toxicidade dos inseticidas com ingredientes ativos Tiametoxam (T1) e Clorpirifos (T2), nas dosagens medianas recomendadas pelos fabricantes para o controle de pragas do citros. As pesagens e quantificacoes dos produtos para preparo das caldas foram feitas com o auxilio de balanca de precisao e seringas, dadas em grama do produto comercial (g p.c.) e mililitros (ml), respectivamente. A exposicao das abelhas Jandaira e Urucu aos produtos foi realizada por meio de pulverizacao topica (Ensaio I), e a exposicao da abelha Irai foi por meio de duas vias: por nebulizacao das caldas quimicas diretamente nas abelhas e por contato com superficies tratadas por nebulizacao (Ensaio II). Em ambos os ensaios o tratamento testemunha (T0) constou de uma solucao a base de agua natural tratada. Os ensaios foram dispostos em Delineamento Inteiramente Casualizado, sendo o Ensaio I com 7 tratamentos, 10 repeticoes contendo 10 insetos cada; e o Ensaio II com 3 tratamentos, 10 repeticoes contendo 10 insetos cada, e 2 formas de contaminacao independentes. No Ensaio I, As abelhas foram capturadas de suas caixas/ninho e confinadas em potes plasticos vedados com tampas perfuradas para ventilacao. Para exposicao das abelhas aos produtos, o conteudo de 0,2 ml de calda foi pulverizado em cada repeticao, com o auxilio de seringas. As dosagens utilizadas em Jandaira foram T0: Agua natural tratada; T1: 0,4 g p.c.; T2: 0,3 g p.c.; T3: 0,03 ml p.c.; T4: 0,1 ml p.c.; T5: 0,33 ml p.c.; e T6: 0,1 ml p.c.; e as dosagens utilizadas para pulverizacao em Urucu foram T0: Agua natural tratada; T1: 0,02 g p.c; T2: 0,01 g p.c; T3: 0,03 ml p.c.; T4: 0,1 ml p.c.; T5: 0,33 ml p.c.; e T6: 0,02 ml p.c. No Ensaio II, utilizou-se mesma a metodologia para preparo das caldas e condicionamento das abelhas. Para exposicao das abelhas aos produtos, foram utilizadas as dosagens dos tratamentos T0: Agua natural tratada; T1: 0,02 g p.c; e T4: 0,1 ml p.c. Para tanto, o conteudo de ± 20 μL de calda quimica por repeticao foi aplicado via nebulizacao diretamente nas abelhas, acondicionadas nos potes. O mesmo conteudo foi aplicado via nebulizacao nos potes plasticos sem as abelhas, que depois foram postos pra secar, e posteriormente receber as abelhas, configurando a contaminacao via contato com superficie tratada por nebulizacao. Apos a contaminacao, os potes foram mantidos em condicoes ambientes. Para as observacoes, obedeceu-se o intervalo de uma; duas; tres; quatro; cinco; seis; nove; 12; 15; 18; 21; 24, 30, 36, 42, 48, 60, 72 e 96 horas, apos o inicio da exposicao das abelhas aos produtos, sendo as observacoes iniciais constantes, ate as primeiras 3 horas, para avaliacao comportamental dos insetos. Em ambos os ansaios, foi contabilizada a taxa de mortalidade. Os dados obtidos foram submetidos a analise de sobrevivencia, realizada por meio do programa GraphPad Prism (v.5 for Mac). Foi calculada a mediana do tempo de sobrevivencia com intervalo confianca de 95% e diferencas significativas entre grupos, estimados usando teste de Kaplan–Meier seguido por log-rank test, com nivel de significancia de p<0,05. No Ensaio I, todos os defensivos agricolas avaliados foram toxicos as abelhas sem ferrao Jandaira (Melipona subnitida) e Urucu (Melipona scutelaris), ate 24 horas apos contaminacao dos insetos, nas condicoes testadas. No ensaio II, o inseticida Neonicotinoide Actara® 250 WG – Tiametoxam foi toxico a abelha Irai (Nannotrigona testaceicornis), independente da forma de exposicao, enquanto que o inseticida Organofosforado Sabre® 450 EW – Clorpirifos foi mais toxico quando exposto via nebulizacao direta sobre as abelhas, que quando exposto via residual em superficie pelas abelhas contatadas.
  • RONIMEIRE TORRES DA SILVA
  • TROCAS GASOSAS, CARACTERIZAÇÃO CITOGENÉTICA E EMERGÊNCIA DE CULTIVARES DE PALMA FORRAGEIRA DOS GÊNEROS Opuntia E Nopalea
  • Data: 29/03/2019
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • Amplamente cultivada no Nordeste do Brasil, a palma forrageira e pertencente a familia das cactaceas e tem como principais generos representantes o Opuntia e o Nopalea. Sendo que, trabalhos envolvendo variacoes cromossomicas, condutancia estomatica e qualidade fisiologica de sementes das diferentes especies ocorrentes nesta familia ainda sao incipientes. Diante disso, objetivou-se com este estudo avaliar as trocas gasosas, caracterizar os niveis de ploidia correlacionando-os com caracteristicas fenotipicas de interesse para o melhoramento genetico e analisar a qualidade fisica e fisiologica de sementes de palma forrageira. Para isso, utilizaram-se cultivares coletadas no Instituto Agronomico de Pernambuco (IPA). A analise de trocas gasosas foi realizada por meio de um equipamento portatil de gas por infravermelho (IRGA), sendo medidas a taxa de assimilacao liquida do CO2 (A), a condutancia estomatica (gs), a concentracao de CO2 nos espacos intercelulares (Ci), a transpiracao (E) e a temperatura foliar (Temp); a partir destas foi calculada a eficiencia do uso da agua, a eficiencia intrinseca do uso da agua e a eficiencia instantanea de carboxilacao; os dados foram analisados estatisticamente por meio de boxplot, sendo em seguida submetidos as analises multivariadas de componentes principais (ACP) e de agrupamento. A caracterizacao cromossomica foi realizada atraves da dupla coloracao com os fluorocromos Cromomicina A3 (CMA) e 4′,6-diamidino-2-fenilindol (DAPI); para se verificar o grau de associacao entre o nivel de ploidia de cada cultivar e as caracteristicas quantitativas foi utilizado o coeficiente de correlacao linear de Pearson, sendo as variaveis qualitativas analisadas pelo teste do Phi-quadrado e qui-quadrado (X2). Quanto a biometria de frutos, esta foi realizada levando-se em consideracao o peso, comprimento, diametro, peso de mil sementes e numero de sementes por fruto; para analise da qualidade fisiologica das sementes considerou-se a emergencia de plantulas, primeira contagem da emergencia e condutividade eletrica. Ao final do teste de emergencia, as plantulas foram avaliadas quanto ao comprimento da parte aerea e da raiz, massa fresca e seca, e os cladodios foram analisadas as variaveis: comprimento, largura, massa fresca e seca. A analise dos dados foi realizada em delineamento em esquema aninhado, sendo tres niveis de ploidia e tres cultivares dentro de cada nivel. Com base nos resultados, houve variacao entre os generos e entre as cultivares de palma forrageira para as trocas gasosas, sendo possivel a formacao de tres grupos de cultivares e dois componentes principais. Todas as cultivares das especies N. cochenillifera, O. atropes e O. undulata ‘Orelha de Elefante Africana’ apresentam 2n = 22 cromossomos. Individuos tetraploides (2n = 44) foram identificados em quatro cultivares de Opuntia, assim como octaploides (2n = 88) identificados em 10 cultivares do mesmo genero. O bandeamento com CMA/DAPI revelou a ocorrencia de apenas um tipo de heterocromatina, formada por bandas CMA+/DAPI-. Houve correlacao positiva entre largura, comprimento, espessura e area do cladodio com o nivel de ploidia das cultivares. Este, por sua vez, influencia significativamente (p<0,005) de forma positiva o numero de sementes por fruto e a qualidade fisiologica das sementes.
  • SIDNEY SAYMON CANDIDO BARRETO
  • Qualidade física, fisiológica e sanitária de sementes de diferentes árvores matrizes de Cassia grandis L. f.
  • Orientador : EDNA URSULINO ALVES
  • Data: 25/03/2019
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • Cassia grandis L. f. é uma especie arborea nativa das Americas Central e do Sul, com ocorrencia no Brasil, possui potencial madeireiro, paisagistico e farmacologico, sendo indicada para programas de reflorestamento com o proposito de recuperacao de areas degradadas. Devido a sua importancia, o objetivo no trabalho foi avaliar a qualidade fisica, fisiologica e sanitaria das sementes de C. grandis obtidas de diferentes arvores matrizes. A pesquisa foi desenvolvida nos Laboratorios de Analise de Sementes e de Fitopatologia do Centro de Ciencias Agrarias da Universidade Federal da Paraiba. Para determinacao da qualidade das sementes foram avaliadas as seguintes variaveis: comprimento, largura, espessura e peso de frutos e sementes, peso de mil sementes, numero de sementes por fruto, teor de agua, germinacao, vigor (primeira contagem e indice de velocidade de germinacao e de emergencia, comprimento e massa seca de plantulas e classificacao do vigor de plantulas) e sanidade, em delineamento experimental inteiramente ao acaso. Para as caracteristicas fisicas de frutos, assim como fisicas e fisiologicas das sementes ha diferenca das arvores matrizes de Cassia grandis; o uso de sementes tratadas potencializou a qualidade fisiologica das sementes de C. grandis; os fungos Penicillium sp., Aspergillus niger, Trichoderma sp., Cladosporium sp., Rhizopus sp., Aspergillus sp. e Fusarium sp. ocorrem em sementes de C. grandis.
  • SIDNEY SAYMON CANDIDO BARRETO
  • Qualidade física, fisiológica e sanitária de sementes de diferentes árvores matrizes de Cassia grandis L. f.
  • Orientador : EDNA URSULINO ALVES
  • Data: 25/03/2019
  • Hora: 00:08
  • Mostrar Resumo
  • Cassia grandis L. f. e uma especie arborea nativa das Americas Central e do Sul, com ocorrencia no Brasil, possui potencial madeireiro, paisagistico e farmacologico, sendo indicada para programas de reflorestamento com o proposito de recuperacao de areas degradadas. Devido a sua importancia, o objetivo no trabalho foi avaliar a qualidade fisica, fisiologica e sanitaria das sementes de C. grandis obtidas de diferentes arvores matrizes. A pesquisa foi desenvolvida nos Laboratorios de Analise de Sementes e de Fitopatologia do Centro de Ciencias Agrarias da Universidade Federal da Paraiba. Para determinacao da qualidade das sementes foram avaliadas as seguintes variaveis: comprimento, largura, espessura e peso de frutos e sementes, peso de mil sementes, numero de sementes por fruto, teor de agua, germinacao, vigor (primeira contagem e indice de velocidade de germinacao e de emergencia, comprimento e massa seca de plantulas e classificacao do vigor de plantulas) e sanidade, em delineamento experimental inteiramente ao acaso. Para as caracteristicas fisicas de frutos, assim como fisicas e fisiologicas das sementes ha diferenca das arvores matrizes de Cassia grandis; o uso de sementes tratadas potencializou a qualidade fisiologica das sementes de C. grandis; os fungos Penicillium sp., Aspergillus niger, Trichoderma sp., Cladosporium sp., Rhizopus sp., Aspergillus sp. e Fusarium sp. ocorrem em sementes de C. grandis.
  • JOSÉ THYAGO AIRES SOUZA
  • ATRIBUTOS DO SOLO, FISIOLOGIA, PRODUÇÃO E QUALIDADE DO MARACUJAZEIRO AMARELO SOB IRRIGAÇÃO, REDUÇÃO DE PERDAS HÍDRICAS E MATÉRIA ORGÂNICA
  • Data: 22/03/2019
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • Indisponivel
  • YGOR HENRIQUE LEAL
  • Respiração edáfica, atributos agronômicos e fisiológicos de plantas de pimentão sob adubação biológica
  • Data: 07/03/2019
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • A adubacao biologica melhora as caracteristicas quimicas, fisicas e biologicas do solo, apresentando potencial para substituir os fertilizantes sinteticos, promovendo o maior desempenho produtivo e vegetativo das culturas. Assim, o presente estudo teve como objetivo avaliar a respiracao edafica do solo e os atributos agronomicos e fisiologicos de plantas de pimentao sob doses e epocas de aplicacao de adubos biologicos. Foram realizados dois experimentos com aplicacoes de adubos biologicos preparados a base de esterco e composto organico enriquecido, um utilizando esterco bovino (ABB) em sua composicao e outro, esterco ovino (ABO). O delineamento foi em blocos casualizados, em esquema fatorial 4 x 3 + 1, com tres repeticoes, referente a doses dos adubos biologicos (100, 200, 300 e 400 L ha-1), epocas de aplicacao (0, 30 e 60 DAT) e a testemunha absoluta. Foram avaliadas variaveis envolvidas na respiracao edafica do solo (temperatura da superficie do solo, Tsup, e a 10 cm de profundidade, T10; umidade do solo, U; e respiracao edafica do solo, RES), no crescimento das plantas (altura de planta, AP; largura da copa, LC; diametro do caule, DC; numero de folhas, NF; comprimento de folha, CF; largura de folha, LF e area foliar, AF), atributos morfologicos e de rendimento de frutos de pimentao (numero de frutos comerciais, NFC, e nao comerciais, NFNC; diametro de frutos, DF; comprimento de frutos, CF; resistencia de frutos, RF; numero de botoes florais, NBF; peso total de frutos, PTF; peso medio de frutos, PMF; e produtividade, P) e variaveis de trocas gasosa e clorofilas (fotossintese liquida, A; condutancia estomatica, gs; concentracao interna de CO2, Ci; eficiencia instantanea carboxilacao, EiC - A/Ci; taxa de transpiracao, E; eficiencia intrinseca do uso de agua, EiUA - A/gs; eficiencia no uso de agua, EUA - A/E; o indice relativo de clorofila a, b e total; e razao clorofila a/b). O ABO proporcionou maiores resultados de Tsup, T10 e RES nos dois turnos avaliados, exceto para Tsup e T10 no periodo noturno. No periodo do dia, apenas os tratamentos em que foram aplicados 400 e 300 L ha-1 do ABO, nas epocas de 0 e 30 DAT, respectivamente. O ABB proporciona maior comprimento de folha, largura de folha e area foliar no pimentao. A altura de planta, largura da copa, diametro do caule e numero de folhas nao foram influenciados pelos adubos organicos. Os adubos biologicos causaram efeitos positivos no PTF, NFC, PMF e P do pimentao. A dose de 300 L ha-1 aos 30 DAT, promove o aumento significativo no diametro de frutos de pimentao. O CF, RF e o NBF nao apresentaram diferencas sob os adubos biologicos, doses e epocas de aplicacao. A gs, A e E, apresentaram efeito aos 60 DAT com a aplicacao do ABO e a Ci aos 30 DAT com o ABB. A dose de 400 L ha-1 do ABO proporcionou maiores resultados de gs, e as doses de 200 e 300 L ha-1 do ABB promoveram maior Ci. As epocas e doses dos adubos biologicos nao promoveram diferencas para EiC, EUA e EiUA, exceto a EiC que apresentou diferenca com a aplicacao do ABO aos 60 DAT. As doses e epocas de aplicacao dos adubos biologicos nao influenciaram os indices de clorofilas e a razao clorofila a/b, exceto o indice de clorofila total, que foi superior com a aplicacao do ABB na epoca de 0 DAT.
  • THALLES ALEXANDRE DE OLIVEIRA SANTOS
  • CARACTERISTICAS MORFOAGRONÔMICAS DE Gossypium hirsutum L. VAR. “MARIE-GALANTE” HUTCH CULTIVADAS NO BREJO PARAIBANO
  • Orientador : RISELANE DE LUCENA ALCANTARA BRUNO
  • Data: 01/03/2019
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • Ao longo dos anos, a cotonicultura brasileira vem ganhando destaque em meio ao cenario do agronegocio, tendo os programas de melhoramento genetico voltados para as caracteristicas agronomicas da cultura, com enfoque na produtividade e qualidade de fibra. Diante disso, objetivou-se com esta pesquisa determinar as caracteristicas morfoagronomicas e fenologicas de quatro procedencias de algodoeiro arboreo nas condicoes do brejo paraibano. Para tal, foram selecionadas quatro populacoes de algodoeiro (1, 2, 3 e 4), procedentes de plantas mantidas por agricultores, cujas sementes foram coletadas em “bulk” destinadas a conservacao ex situ no banco ativo de germoplasma da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuaria (Embrapa). O estudo foi conduzido durante dois ciclos de producao, em sistema de sequeiro e sem a necessidade de correcao e adubacao do solo, apenas efetuando-se tratos culturais basicos e podas de uniformizacao (70 cm de altura) no periodo antecedente as avaliacoes, as quais se iniciaram 30 dias apos a poda e subsequentemente de maneira quinzenal ate a maturacao. Os estadios fenologicos vegetativo e reprodutivo foram computados mediante dias de duracao e monitoraram-se os seguintes caracteres agronomicos: altura de plantas, diametro do caule, numero de folhas, de ramos vegetativos e com botao, numero de botoes e de flores, numero de ramos com flor, com capulhos e de capulhos e contagem total de ramos. Com base nos resultados, a producao de capulhos e incrementada de um ano para outro e a fenologia entre os “bulks” ocorre de maneira similar, sendo as plantas oriundas da populacao 3, morfologicamente superiores quanto a altura e diametro do caule.
  • ENOQUE MEDEIROS NETO
  • EVOLUÇÃO CARIOTÍPICA NO GÊNERO Epidendrum L. (ORCHIDACEAE: EPIDENDROIDEAE)
  • Orientador : LEONARDO PESSOA FELIX
  • Data: 28/02/2019
  • Hora: 15:00
  • Mostrar Resumo
  • Epidendrum e o maior genero (>1500 especies) da familia Orchidaceae e o mais diversificado genero de orquideas neotropicais. E composto por diversos complexos de especies com muitas incertezas taxonomicas por sua alta variabilidade morfologica e alta variacao cromossomica numerica. A hibridizacao tem sido com frequencia hipotetizado como uma forca evolutiva responsavel pela origem da variacao morfologica e cromossomica em Epidendrum. Para a evolucao cariotipica do grupo, alem de processos de hibridizacao, o principal mecanismo responsavel pela variacao cromossomica numerica encontrada no grupo e a poliploidia. O presente trabalho teve como objetivo analisar a diversidade da heterocromatina constitutiva em sete especies de diferentes seccoes de Epidendrum e testar as hipoteses de numeros cromossomicos basicos em um contexto filogenetico. Alem disso, foi investigada a origem hibrida de individuos morfologicamente intermediarios entre E. ibaguense x E. secundum coletados na Venezuela. Foram realizadas analises de distribuicao da heterocromatina por bandeamento com fluorocromos CMA/DAPI, o numero basico inferido com a tutilizacao do software ChromEvol e para os individuos encontrados em zonas hibridas, foi realizado uma analise da morfometria floral. O numero cromossomico variou de 2n = 40, em sete especies Epidendrum, ate 2n = 78+1B em E. ibaguense, com predominio de cromossomos metacentricos e submetacentricos, com ocorrencia de acrocentricos em algumas especies. A composicao das bandas heterocromaticas foi variavel, compativel com dados previamente reportados para outras especies de Epidendrum e grupos de orquideas. De acordo com a analise do ChromEvol o numero basico sugerido para todo o genero Epidendrum foi x = 10, enquanto que para o subgenero Amphiglottium foi x = 14. A presente analise cariotipica corrobora a hipotese de que E. ibaguense e E. secundum sao os parentais de Epidendrum × gransabanense, que apresentou caracteristicas morfologicas e cariologicas intermediarias entre seus parentais. Diversos mecanismos de evolucao cromossomica podem estar envolvidos na evolucao cariotipica de Epidendrum, como poliploidia, disploidia e aneuploidia, mediados por processos de hibridizacao e rearranjos estruturais, com consequencia na variabilidade cromossomica numerica e nos padroes de composicao, distribuicao e numero dos blocos heterocromaticos
  • KARIALANE DA SILVA BELARMINO
  • FENOLOGIA, COMPOSTOS FENÓLICOS E PRODUÇÃO DE MUDAS DE Schinopsis brasiliensis Engl. VIA ESTAQUIA E DIÁSPOROS
  • Orientador : RISELANE DE LUCENA ALCANTARA BRUNO
  • Data: 28/02/2019
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • Nativa do bioma Caatinga, a especie Schinopsis brasiliensis Engl. (barauna) possui relevante importancia nos cenarios cultural, social e economico das populacoes da qual faz parte; alem disso, seu potencial madeireiro e medicinal ganha destaque em meio a flora do ecossistema. Sabe-se que, ao longo dos anos, a exploracao de especies endemicas da Caatinga ocorre de forma cada vez mais intensa, acarretando em graves problemas ambientais, com a reducao da sua biodiversidade. Diante disso, objetivou-se com a presente pesquisa caracterizar os aspectos fenologicos de S. brasiliensis e relaciona-los com a distribuicao temporal dos pulsos de precipitacao pluvial em areas do Cariri paraibano, quantificar os compostos fenolicos presentes em cascas e folhas da referida especie, assim como na especie Myracrodruon urundeuva Fr. All. (aroeira) e estudar a producao de mudas de S. brasiliensis por meio assexuado (estaquia) e sexuado (diasporos). Dessa forma, a pesquisa foi desenvolvida em tres experimentos: (i) para fenologia, 15 arvores matrizes de S. brasiliensis foram selecionadas em cada uma das tres areas do Cariri paraibano (uma localizada no municipio de Sao Joao do Cariri e duas em Boa Vista), sendo as plantas avaliadas pelo metodo do percentual de intensidade de Fournier e indice de atividade, registrando-se a presenca ou ausencia das fenofases brotamento, floracao, frutificacao e senescencia, cujos dados foram relacionados com os pulsos e interpulsos de precipitacao; (ii) nas mesmas areas, foram coletadas amostras de cascas e folhas para determinacao dos compostos fenolicos existentes na referida especie e em M. urundeuva, para tal, amostras de 20 plantas foram quantificadas por meio de Cromatrografia Liquida de Alta Eficiencia (CLAE); tambem foram coletadas amostras de solo abaixo da copa de cada arvore matriz a fim de se caracterizar as variaveis edaficas existentes e relaciona-las aos resultados obtidos, sendo os dados submetidos as analises multivariadas de componentes principais (ACP) e de agrupamento; (iii) para producao de mudas de S. brasiliensis, estacas caulinares da especie foram coletadas numa populacao natural de plantas localizadas em Boa Vista, PB, sendo as estacas devidamente acondicionadas e posteriormente padronizadas (15 cm), recebendo cortes em bisel na parte basal e reto na porcao superior; cinco doses do fitorregulador acido indolbutirico (AIB) foram testadas (0, 2000, 4000, 6000 e 8000 mg. L-1) a fim de se promover o enraizamento; tambem foram testados tres tipos de substrato (areia + vermiculita + esterco – 1:1:1, solo da caatinga + esterco – 2:1 e solo da caatinga); para a propagacao sexuada, diasporos foram escarificados mecanicamente na regiao oposta a micropila e semeados em bandejas plasticas contendo areia previamente lavada e autoclavada, apos o surgimento do segundo par de folhas definitivo, realizou-se a repicagem para sacos de polietileno contendo os mesmos substratos utilizados para a tecnica de estaquia. Com base nos resultados, a fenofase de brotamento inicia-se tao logo acontecam os eventos de precipitacao pluvial e a senescencia foliar tem ocorrencia acentuada nos periodos mais secos do ano, tendo demonstrado maior uniformidade quando comparada as demais fenofases observadas, sendo a intensidade e duracao dos eventos dependentes de como se dao os pulsos de precipitacao. Os compostos fenolicos identificados e quantificados sao pertencentes a classe de flavonoides e taninos e teores mais elevados sao conseguidos nas folhas; o solo coletado abaixo da copa de S. brasiliensis caracteriza-se como de maior fertilidade, tendo a especie demonstrado um maior potencial medicinal para os componentes determinados neste estudo. A tecnica de estaquia para a producao de mudas de S. brasiliensis nao e recomendada devido ao seu baixo indice de pegamento, assim como a obtencao de mudas com qualidade superior e conseguida por meio sexuado, com diasporos escarificados e semeados em areia e posterior desenvolvimento de plantas em substrato composto por solo da caatinga + esterco bovino.
  • MARIA LUCIA MAURICIO DA SILVA
  • BIOLOGIA REPRODUTIVA E MATURAÇÃO DE SEMENTES DE Talisia esculenta (Cambess.) Radlk.
  • Data: 28/02/2019
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • A pitombeira [Talisia esculenta (Cambess.) Radlk. (Sapindaceae)] e uma especie nativa da regiao amazonica, mas tem ampla ocorrencia nos demais biomas brasileiros. T. esculenta muito explorada como fonte de antioxidantes, na recomposicao de matas ciliares, na construcao civil, na medicina popular, por seu potencial fungicida e inseticida, na producao apicola, bem como na comercializacao de seus frutos nas feiras-livres e ruas das regioes Norte e Nordeste. Entretanto, apesar de todo o seu potencial economico e ecologico, ainda nao ha informacoes sobre sua biologia reprodutiva, bem como da tecnologia de producao de suas sementes. Considerando isso, esse trabalho foi desenvolvido visando contribuir com informacoes sobre a biologia da especie que auxiliem na producao de sementes, no extrativismo eficiente e manejado da especie. Os experimentos foram conduzidos em quatro areas de ocorrencia natural da especie no municipio de Areia, PB, nas quais foram acompanhados 15 individuos masculinos e 30 individuos femininos. No primeiro experimento (Artigo I), foram estudados aspectos da biologia floral, do sistema reprodutivo e da polinizacao de T. esculenta.
  • RONALDO BERNARDINO DOS SANTOS JÚNIOR
  • CARACTERIZAÇÃO MORFOLÓGICA, PRODUÇÃO E QUALIDADE DE GENÓTIPOS DE BATATA-DOCE EM FUNÇÃO DE ÉPOCAS DE COLHEITA E DA ADUBAÇÃO ORGÂNICA
  • Orientador : DJAIL SANTOS
  • Data: 28/02/2019
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • A batata-doce faz parte da lista de alimentos considerados fundamentais para populacoes de baixo poder aquisitivo, sendo uma das principais culturas alimenticias de paises em desenvolvimento, devido a sua elevada distribuicao e cultivo, alem do elevado teor de proteina. O objetivo deste trabalho foi caracterizar a morfologia e avaliar a producao e a qualidade de genotipos de batata-doce (Ipomoea batatas (L.) Lam.) em funcao da adubacao organica e epocas de colheita. O experimento foi desenvolvido no periodo de janeiro a junho de 2016, em um Neossolo Regolitico Psamitico tipico, textura areia franca, na Universidade Federal da Paraiba, em Areia, estado da Paraiba. O delineamento experimental empregado foi de blocos casualizados em parcelas subdivididas com tres repeticoes. Nas parcelas, foram testados cinco genotipos de batata-doce (G1: Doce Jardim, G2: Gran Fina, G3: CCA-1, G4: Pincel, e G5: Paraiba), combinados fatorialmente com tres epocas de colheita (90, 120 e 150 dias apos o plantio); e nas subparcelas, adubacao organica com esterco bovino (presenca e ausencia). Foram avaliados caracteres morfoagronomicos foram avaliados por meio de descritores (IPGRI), desempenho agronomico, teores de macro e micronutrientes em folhas e tuberculos, e qualidade nutricional de raizes. Foi observado uma grande variabilidade entre os genotipos nas caracteristicas avaliadas tanto na parte aerea quanto nas raizes. Os genotipos 3 e 5 foram os mais similares, enquanto os genotipos 1 e 2 foram os mais dissimilares. A caracterizacao morfoagronomica foi eficiente em estimar a diversidade genetica entre os genotipos de batata-doce avaliados. O genotipo 4 apresentou a maior produtividade total da parte aerea (25,75 t ha-1), enquanto o genotipo 1 apresentou o maior numero de raizes comerciais (3,18 raizes planta-1). Os genotipos 4 e 2 apresentaram maior massa seca de parte aerea (18,78 t ha-1) e de raizes (27,60 t ha-1), respectivamente. Em relacao a ausencia ou presenca de esterco, as parcelas sem esterco apresentaram os maiores resultados de produtividade com excecao da produtividade total da parte aerea, em que o melhor resultado foi obtido com a presenca de esterco (24,73 t ha-1). As epocas de colheita 120 e 150 dias apos o plantio foram as que apresentaram maiores resultados para a maioria das variaveis, com excecao da producao de parte aerea, em que o melhor resultado foi verificado aos 90 dias. Quanto aos teores de nutrientes em folhas e raizes, o genotipo 3 foi o que apresentou os maiores valores. Os maiores teores foliares, para a maioria dos nutrientes, foram verificados nas colheitas realizadas aos 90 e 120 dias apos o plantio, enquanto que para os teores de nutrientes nas raizes nao se verificou diferenca entre as epocas. Quanto a qualidade nutricional das raizes, os genotipos 3 e 4 apresentaram maior teor de proteina, de 0,96% e 0,91%, respectivamente. Os maiores teor de sacarose foram observados nas colheitas aos 90 (4,32%) e 120 (4,54%) dias apos plantio. De maneira geral, os genotipos apresentaram grande variabilidade fenotipica indicando perspectivas para um programa local de melhoramento genetico desta cultura.
  • FABRICIO RUFO LINS BONIFACIO
  • USO DA CASCA DE COCO VERDE COMO FONTE ENERGÉTICA EM SUBSTITUIÇÃO À LENHA EM CERÂMICA VERMELHA
  • Data: 28/02/2019
  • Hora: 13:00
  • Mostrar Resumo
  • O acúmulo de cascas de coco em locais inadequados na zona urbana, além de causar um efeito deletério à imagem da cidade, tem acarretado uma série de problemas econômicos e ambientais para os municípios, uma vez que, afeta os serviços municipais de coleta, transporte e deposição de lixo, por conta do grande volume que ocupa e do tempo de decomposição que pode chegar a 12 anos. A busca por alternativas energéticas, em função da disponibilidade da lenha, se torna cada dia mais necessária. Diante do exposto, objetivou-se nesta pesquisa o uso de fontes energéticas (casca do coco verde) na substituição da lenha em cerâmica vermelha no Brejo da Paraíba. Foram utilizados resíduos de cascas de coco (20, 30 e 40%), resíduos de eucalipto (20%) e resíduos de sabiá (20%) em relação à lenha controle obtida da caatinga, os quais foram queimados em forno Hoffman com temperatura superior a 900o C. As amostras de cinzas foram analisadas quanto à presença de fósforo (P2O5), cálcio (CaO), magnésio (MgO), cobre (Cu total), ferro (Fe total), manganês (Mn total) e zinco (Zn total). À medida em que se usa as diferentes fontes de resíduos utilizados na Cerâmica Produto Bom, aumenta-se a quantidade de CaO, MgO e Mn e Cu nas cinzas resultantes da queima destes materiais. No tocante ao consumo de lenha, constatou-se que o tratamento no qual se utilizou lenha + 40% de resíduo de coco, propiciou num menor consumo de lenha, com uma maior eficiência na queima dos tijolos, acarretando, por conseguinte, menor degradação ambiental, face ao menor uso de lenha advinda da caatinga. Em função dos dados obtidos no presente estudo, constatou-se que há viabilidade quanto ao uso de lenha mesclada com o resíduo de coco (40%), pela facilidade de aquisição, e que as cinzas obtidas na Cerâmica Produto Bom com adição de lenha + resíduo de coco (40%) apresentam elevados teores de CaO e MgO com potencial para serem utilizadas na correção e adubação de solos ácidos.
  • FERNANDO DOS SANTOS ARAÚJO
  • Análise não destrutiva de sementes de algodão e caracterização de algodoeiros arbóreos do Nordeste do Brasil
  • Data: 28/02/2019
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • A cotonicultura no Nordeste do Brasil e caracterizada por uma grande diversidade de sistemas de producao, incluindo areas com modernizacao intensa praticada em bases empresariais, ate pequenos nucleos de producao direcionados ao atendimento de nichos de mercado ligados a agricultura de base familiar no semiarido, o qual se encontra em processo de expansao e estruturacao e por isso necessita ser priorizada. Dessa forma, este estudo objetivou: i) desenvolver metodos rapidos, seguros e nao destrutivos para classificar sementes de cultivares de algodoeiro herbaceo quanto a viabilidade e qualidade fisica; ii) analisar a variacao genetica intra e interespecifica de algodoeiros arboreos; iii) caracterizar a qualidade tecnologica da fibra, determinar a estrutura genetica e estimar os niveis de diversidade genetica em populacoes de algodoeiro arboreo e iv) analisar o potencial forrageiro do algodoeiro arboreo. Usando a tecnica de imagens hiperespectrais no infravermelho proximo associada a analise quimiometrica foi possivel desenvolver novos metodos capazes de classificar sementes de algodoeiro imaturas e sadias e sementes viaveis e nao viaveis de forma rapida, segura e nao destrutiva. A utilizacao de marcadores moleculares ISSR baseados em PCR foi eficiente na deteccao de polimorfismo genetico em algodoeiro arboreo, sendo capazes de discriminar duas especies relacionadas e revelar relacoes geneticas evolutivas. A caracterizacao genetica de algumas populacoes locais de algodoeiro arboreo usando essa tecnica indicou que as mesmas estao geneticamente estruturadas com base na distribuicao espacial, apresentam baixa diversidade genetica, estao isoladas e se reproduzindo principalmente por autofecundacao. A avaliacao da qualidade da fibra dessas populacoes, usando metodos classicos, demonstrou que a maioria delas produz fibras com varias caracteristicas tecnologicas dentro do esperado para algodoeiros cultivados modernos. A caracterizacao morfoagronomica e quimico-bromatologica dessas populacoes demonstram que o algodoeiro arboreo pode ser uma opcao forrageira a ser utilizada para alimentacao de ruminantes no semiarido do Nordeste do Brasil.
  • LEONARDO DA SILVA SANTOS
  • Compilação de dados de composição nutricional e avaliação quimiotaxonômica de diferentes espécies na família Myrtaceae por UPLC-MS acoplada a quimiometria
  • Data: 28/02/2019
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • As plantas frutiferas que pertencem a familia Myrtaceae possuem diversos generos e especies espalhadas pelos biomas brasileiros e apresentam plantas com presenca marcante de compostos secundarios pertencentes as diversas classes de compostos quimicos. E ainda considerada uma familia complexa quanto a classificacao taxonomica devido ao elevado numero de componentes, diferenciacao morfologica dificil e com poucos estudos na area. A compilacao de dados nutricionais e um estudo de revisao sistematica, quantitativa de fonte de dados secundarios. Nao obstante, para potencializar a classificacao e investigacao quimiotaxonomica a tecnica da UPLC-QToF-MS/MS fornece informacoes mais rapidas e eficientes em comparacao com outras tecnicas. Isso deve-se a alta seletividade e sensibilidade de UPLC-QToF-MS/MS que resultam em sua aplicacao tanto para analises quantitativas como qualitativas. Diante do exposto, o presente estudo trata-se de revisao sistematica, quantitativa de fonte de dados secundarios, objetivando contemplar a analise da composicao nutricional de especies vegetais a partir de dados mensurados em numeros mediante compilacao de valores ja registrados. Assim como descrever a potencialidade de classificacao utilizando quimiometria aplicada a dados UPLC-MS para investigacao quimiotaxonomica de folhas de quinze especies do genero Psidium, Plinia, Myrciaria e Eugenia na familia Myrtaceae. A compilacao foi realizada conforme metodologias desenvolvidas pela FAO/INFOODS. Foram estudadas quinze especies vegetais dos generos Psidium, Plinia, Myrciaria e Eugenia da referida familia. Na compilacao, estudou-se as especies consideradas nativas ou de ocorrencia no Brasil a partir da busca de dados nutricionais dessas frutiferas na literatura publicada por meio de bases de dados, periodicos cientificos, nacionais e internacionais, dissertacoes de mestrado e teses de doutorado. Das 10.308 publicacoes cientificas referentes a busca por nome cientifico e popular das especies, cerca de 40 publicacoes apresentaram dados de composicao nutricional para os frutos investigados e aproximadamente 11 publicacoes foram utilizadas para a compilacao dos dados. Foram localizadas publicacoes referentes apenas aos frutos de jabuticaba, cambui, goiaba, araca- boi e pitanga de acordo com os criterios de exclusao. A identificacao da composicao nutricional desses alimentos aumentou o conhecimento acerca da biodiversidade e composicao nutricional dos frutos estudados e incentivara o consumo, comercializacao e desenvolvimento de novos produtos alimentares com base nas especies utilizadas. Porem, para que se tenha um panorama completo em relacao a composicao nutricional dos mesmos, sao necessarias mais pesquisas na area de analise de alimentos. Por sua vez, o uso de uma ferramenta multivariada foi indispensavel para detectar compostos marcadores, uma vez que um numero elevado de informacoes sobre cromatogramas nao forneceu dados conclusivos. Os resultados ofereceram uma classificacao adequada entre genero e especie, baseada principalmente em acido elagico, catequina, epicatequina, isoquercitrina, quercitrina, reynoutrina, acido madecassico, acido asiatico e morina, usados como compostos marcadores. Portanto, o metodo foi util e permitiu a distincao quimiotaxonomica satisfatoria entre os generos.
  • LUCAS SOMBRA BARBOSA
  • CARACTERÍSTICAS AGRONÔMICAS, TROCAS GASOSAS E IMPACTOS BIOLÓGICOS DE ADUBOS VERDES EM REGIÃO SEMIÁRIDA BRASILEIRA
  • Data: 28/02/2019
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • A utilizacao das especies de adubos verdes se mostra como uma pratica promotoras das servicos ecossitemicos, garantindo a sustentabilidade dos agroecossistemas. Objetivou-se avaliar o potencial das especies leguminosas e nao-leguminosas para agricultura no Brejo Paraibano, em funcao de suas caracteristicas agronomicas, fisiologicas e influencias exercidas sobre as comunidades de macroartropodes e fungos micorrizicos arbusculares. Para os capitulos 1,2 e 3, o estudo foi realizado em DBC com 3 blocos, com 8 tratamentos e 10 repeticoes por bloco (N = 240), mais uma area de vegetacao nativa como controle positivo. Os tratamentos foram: Crotalaria juncea L., Crotalaria spectabilis Roth, Crotalaria ochroleuca G. Don., Canavalia ensiformes (L.) DC., Dolichos lablab L., Mucuna pruriens (L.) DC., Neonotonia wightii (Wight & Arn.) J.A. Lackey e plantas nao-leguminosas, caracterizada por Brachiaria decumbens Stapf. cv. Basilisk. Para o capitulo 4, tres tratamentos foram alocados em DBC, composto de: cobertura vegetal - composta por plantas de milheto (Pennisetum americanum L.); controle negativo - invasoras nativas; e controle positivo - enclave de floresta umida da Caatinga. Cada tratamento (6 x 4 m) foi replicado em quatro blocos. Na avaliacao das trocas gasosas, as variaveis analisadas foram: taxa fotossintetica, transpiracao foliar, condutancia estomatica, concentracao interna de CO2, eficiencia instantanea no uso da agua, eficiencia instantanea de carboxilacao, eficiencia intrinseca no uso da agua e teores de clorofila a e b. Para avaliacao das caracteristicas agronomicas, as variaveis foram: taxa de crescimento e biomassas verde e seca da planta. Para avaliar os efeitos das diferentes especies de leguminosas e nao-leguminosa sobre a comunidade de macroartropodes, as variaveis foram: abundancia, frequencia relativa, riqueza de especies, indice de Diversidade de Shannon (H) e indice de dominancia de Simpson (C). Os dados foram submetidos ao teste de Bonferroni a 5% de probabilidade. Para avaliar os efeitos das especies leguminosa e nao-leguminosa sobre a comunidade de FMA, as variaveis foram: frequencia de ocorrencia (FOi), riqueza, numero de esporos, indices de Diversidade de Shannon (H) e Dominancia de Simpson (C). Os dados foram submetidos a analise de variancia do tipo Kruskal-Wallis e as medias obtidas entre as diferentes especies de plantas de cobertura foram comparadas pelo teste de Bonferroni a 5% de probabilidade. Para avaliar o efeito das especies de adubo verde sobre a comunidade de nematoides foi determinada a abundancia total de nematoides do solo de cada grupo de nematoides nas amostras. Para as caracteristicas agronomicas taxa de crescimento e producao de biomassa, as especies C. juncea e D. lablab, apresentaram os melhores resultados. A C. juncea apresentou os melhores resultados de adaptabilidade as condicoes edafoclimaticas de zona umida da regiao semiarida brasileira devido a maior taxa fisiologica. As especies leguminosas afetam positivamente a abundancia e riqueza da macrofauna do solo, tendo a N. wightii apresentado os melhores resultados. As especies leguminosas e nao-leguminosa afetam diretamente a riqueza e diversidade de FMA, nao havendo diferenca estatistica entre N. wightii e B. decumbens. Em comparacao com as especies nativas, o adubo verde proporcionou aumento no numero de nematoides de vida livre e reducao do numero de nematoides fitofagos.
  • RENATA DA SILVA LEANDRO
  • PERFIL FITOQUÍMICO DE COMPOSTOS BOTÂNICOS E LETALIDADE SOBRE A FASE IMATURA DE Ceratitis capitata (DIPTERA: TEPHRITIDAE)
  • Data: 28/02/2019
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • A busca por descobrir especies vegetais e isolar seus componentes ativos com propriedades inseticidas contra insetos-praga, como as moscas-das-frutas, estao recebendo consideravel atencao em todo o mundo, por gerar minimos impactos ambientais e aos seres vivos em comparacao ao uso dos pesticidas sinteticos. Dessa forma, este estudo objetivou testar a atividade inseticida de dez extratos vegetais, em diferentes concentracoes, sobre fases imaturas de C. capitata e identificar os principais compostos ativos. Os extratos etanolicos foram preparados com folhas frescas na proporcao de 30% p/v (peso do vegetal/volume de etanol 70%). A avaliacao inseticida dos extratos etanolicos foi investigada em dois ensaios, nos quais avaliaram-se o efeito dos extratos sobre a fase larval (L3) e sobre as pupas de C. capitata. Os experimentos foram realizados com dez tratamentos (extratos vegetais alcoolicos) em diferentes proporcoes (30%; 15%; 7,50%; 3,75%; 1,87%; 0,93%, 0% - controle apenas etanol), os quais foram conduzidos em delineamento inteiramente casualizado, com quatro repeticoes. Dez larvas ou pupas foram colocadas em um copo plastico e umedecidas em 1 mL das porcoes dos extratos nos respectivos tratamentos. A avaliacao foi realizada a cada 24 horas durante tres dias para larvas; e as pupas, apos serem submetidas aos tratamentos, foram acondicionadas por oito dias (desenvolvimento pupal) e, decorrido esse tempo, as avaliacoes foram feitas a cada 24 horas por oito dias. Nossos resultados demostraram uma alta mortalidade nas fases imaturas quando submetidas aos extratos de pitanga [Eugenia uniflora], cravo [Syzygium aromaticum], e Hortela da folha miuda [Mentha villosa].
  • ELIANE CECILIA DE MEDEIROS
  • ECOFISIOLOGIA DE DUAS ESPÉCIES LENHOSAS DA CAATINGA OCORRENTES EM INSELBERGS
  • Orientador : MANOEL BANDEIRA DE ALBUQUERQUE
  • Data: 27/02/2019
  • Hora: 15:00
  • Mostrar Resumo
  • No Brasil, ha escassez de dados especificos sobre a biogeografia, floristica e principalmente fisiologia das plantas de inselbergs principalmente no Nordeste. Objetivou-se neste trabalho avaliar a influencia da sazonalidade na fisiologia da Luetzelburgia auriculata e Capparis flexuosa ocorrentes em inselbergs. As leituras de dados foram realizadas na Serra da Rajada, inselberg localizado entre as rodovias RN 086 e a BR-427 na Microrregiao do Serido Oriental no municipio de Carnauba dos Dantas/RN. As plantas analisadas encontram-se no terco superior da serra, a uma altitude de aproximadamente 370 metros. As leituras foram realizadas no periodo de 10:00h as 12:00h, em intervalos de quatro meses, marco (periodo chuvoso), julho (intermediario) e novembro (seco) do ano de 2018. As variaveis avaliadas foram: taxa de fotossintese assimilacao de CO2 – (A), concentracao interna de CO2 –(Ci), taxa de transpiracao –(E), condutancia estomatica –(Gs), temperatura da folha –(Tleaf) e temperatura do ar (–Tair). Com bases nestes dados foram calculadas a eficiencia instantanea do uso da agua (A/E ), eficiencia intrinseca do uso da agua (A/Gs ) e eficiencia instantanea de carboxilacao (A/Ci ). As medidas foram feitas no terco medio das plantas, em folhas saudaveis nao destacadas e completamente expandidas, com a utilizacao de um analisador portatil de gas por infravermelho IRGA (ACD, modelo LCPro SD, Hoddesdon UK). A analise estatistica foi baseada no Delineamento Inteiramente Casualizado – DIC, com medidas repetidas no tempo. Houve uma variacao nas medias de taxa de fotossintese (A), condutancia estomatica (Gs), transpiracao (E) e na concentracao de carbono interno (Ci), quando estas foram comparadas nas diferentes epocas durante o ano. As temperaturas da folha e do ar entre as especies variaram 5% e 1% de probabilidade respectivamente, enquanto que entre epocas variaram a 1% de probabilidade pelo teste F. Eficiencia instantanea e intrinseca do uso da agua quando comparadas nos diferentes periodos, as especies tendem a aumentar no periodo seco. A clorofila A apresentou diferenca entre as especies de 5% e de 1% de probabilidade entre os periodos chuvoso, intermediario e seco. Os teores de clorofila B e clorofila Total e a relacao entre a clorofila A e B variaram a 1% de probabilidade entre as especies e entre os periodos. Ocorreu aumento de deficit de pressao de vapor a medida que o periodo do ano ficou mais seco. Conclui-se que as especies C. flexuosa e L. auriculata, otimizam a producao de reservas no periodo chuvoso, atraves das concentracoes elevadas de CO2, quando chegam ao periodo mais seco as especies tendem a baixar suas atividades ecofisiologicas, com base nas eficiencias instantanea e intrinseca do uso da agua concluimos que as especies estudadas potencializam o uso da agua nos periodos mais seco do ano. O aumento das temperaturas das folhas e do ar, bem como a variacao dos teores de clorofila A e B nos periodos mais secos, contribuem para a diminuicao dos processos fisiologicos da C. flexuosa e L. auriculata, e por fim, o aumento do deficit de pressao de vapor nos periodos mais secos nao interfere na transpiracao das especies.
  • ISABEL CRISTINA DOS SANTOS OLIVEIRA
  • Salinidade da água, biofertilizante bovino e polímero hidrorretentor na formação de mudas de maracujazeiro BRSGA1
  • Data: 27/02/2019
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • Indisponivel
  • ANTONIO AUGUSTO MARQUES RODRIGUES
  • REVESTIMENTOS E FILMES BIODEGRADÁVEIS DE DIFERENTES FONTES AMILÁCEAS: CARACTERIZAÇÃO E APLICAÇÃO PÓS-COLHEITA EM MANGA
  • Data: 27/02/2019
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • O uso de polímeros naturais biodegradáveis para a conservação pós-colheita de alimentos é tendência coerente com os compromissos da sociedade com sustentabilidade. Entre os polímeros naturais, o amido vem ganhando destaque devido sua grande disponibilidade em escala mundial, alto rendimento de extração, valor nutricional, baixo custo, biodegrabilidade e biocompatilidade. Inhame, mandioca, semente de jaca e amêndoa da manga apresentam potencial para a extração do amido e a utilização seja na indústria alimentícia ou para formulação de revestimentos biodegradáveis. A manga por ser um fruto climatérico tem rápido amadurecimento, necessitando de tecnologias pós-colheita para aumentar sua vida útil. O objetivo deste trabalho foi caracterizar as propriedades físicas, químicas e ópticas dos amidos de amêndoa de manga, semente de jaca, inhame e mandioca na produção de filmes e revestimentos biodegradáveis bem como determinar o potencial para aplicação na conservação pós-colheita de manga. Os experimentos foram conduzidos no laboratório de Fisiologia Pós-Colheita da Embrapa Semiárido. Foram utilizadas quatro fontes amiláceas: semente de jaca, amêndoa de manga, inhame e mandioca. Foi realizada caracterização desses amidos quanto ao seu potencial químico, físico e óptico. Os amidos foram utilizados como revestimentos na manga ‘Palmer’ nas concentrações de 3% (amido de mandioca) e 3,5% (amido de inhame, semente de jaca e amêndoa de manga). Esses amidos também foram utilizados para o desenvolvimento de filmes biodegradáveis, sendo preparados a partir de três concentrações (2; 3 e 3,5%) para cada uma das fontes. Esses filmes foram submetidos a avaliações físicas, ópticas e mecânicas. A partir desses experimentos foram escolhidos os amidos de semente de jaca e amêndoa de manga para utilização como revestimento em manga ‘Tommy Atkins’. O experimento foi conduzido em delineamento inteiramente causalizado, em esquema fatorial 7 x 6, sendo 7 revestimentos e 6 tempos de armazenamento. Foram utilizados os revestimentos amido de amêndoa de manga; amido de amêndoa de manga + quitosana; amido de semente de jaca; amido de semente de jaca + quitosana; quitosana; cera de carnaúba e o controle (sem revestimento). As mangas foram armazenadas sob refrigeração (12,1 ± 0,2°C e 88,9 ± 2,8% de UR) por 21 dias seguido de 9 dias em temperatura ambiente (23,3 ± 0,2°C e 88,6 ± 2,7% de UR). As quatro fontes apresentaram potencial para extração de amido devido ao teor de amido total e de amilose. Os filmes desenvolvidos apresentaram características físicas, ópticas e mecânicas comparáveis com os comerciais. O aumento na concentração de amido influenciou diretamente a espessura, permeabilidade ao vapor da água, tensão na ruptura e força de perfuração. A aplicação dos revestimentos testados resultou em: diminuição da perda de massa, manutenção da coloração verde por mais tempo, retardo da perda de firmeza da polpa, retardo no aumento do teor de pectinas solúveis e de β-caroteno, retardo na diminuição dos teores de clorofilas a e b e na ação da enzima α-amilase na manga. Os revestimentos a partir de amido da amêndoa de manga e da semente de jaca, de quitosana e de cera de carnaúba destacaram-se por esses efeitos.
  • KENNEDY SANTOS GONZAGA
  • ÓLEOS ESSENCIAIS E FUNGOS NO CONTROLE DE MOSCA-DAS-FRUTAS (Ceratitis capitata) (WIED, 1824)
  • Data: 26/02/2019
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • O Brasil e um dos maiores produtores mundias de frutas, com uma producao da ordem de mais de 41 milhoes de toneladas por ano, contudo, diversas pragas sao responsaveis por causarem impactos negativos a fruticultura, merecendo destaque os prejuizos causados pela mosca-das-frutas Ceratitis capitata. As femeas depositam seus ovos nos frutos, que serao recurso alimentar para as larvas em desenvolvimento, causando danos significativos na qualidade destes. Novas tecnicas de controle de pragas, como o uso de produtos naturais vem sendo desenvolvidos, principalmente por sua eficacia e degradabilidade. Este trabalho e composto por dois artigos cientificos, abordando novas tecnicas de controle de C. capitata. O primeiro artigo avalia a acao inseticida de oleos esseciais e fungos entomopatogenicos, sobre diferentes estagios de desenvolvimento da mosca-das-frutas, o segundo, verifica o poder de repelencia dos oleos sobre a fase adulta dos insetos, e analisa a composicao quimica dos frutos de goiaba Psidium guajava L. variedade Paluma tratados com os oleos essenciais. A pesquisa foi conduzida no Laboratorio de Zoologia de Invertebrados pertencente ao Centro de Ciencias Agrarias da Universidade Federal da Paraiba. Foram utilizados oleos essenciais de Citronela, Cravo e Copaiba e isolados das especies Metarhizium anisopliae e Beauveria bassiana. Efetuaram-se aplicacoes topicas de 2,0 μL de cada produto/concentracao com auxilio de micropipeta em larvas de 1°, 2° e 3° instar e pupas. Nao houve diferenca significativa entre os diferentes tipos de oleos (citronela, cravo e copaiba) sobre a mortalidade de larvas e pupas, quando as larvas foram tratadas nos 1° e 2° instar. Quando tratadas no 3° instar, houve efeito significativo sobre a inviabilidade das pupas. O aumento na concentracao do oleo de citronela aumentou continuamente o potencial de repelencia. A aplicacao dos oleos essenciais nao influenciou negativamente na qualidade dos frutos.
  • JOSE ELDO COSTA
  • Crescimento, atributos químicos do solo, estado nutricional e fisiologia de cajueiro adubado com farinha de osso e hidrogel
  • Data: 26/02/2019
  • Hora: 13:00
  • Mostrar Resumo
  • A recente renovacao dos pomares de cajueiro (Anacardium occidentale L.) tem contribuido com o desenvolvimento da cajucultura na regiao Nordeste do Brasil. No entanto, tem-se visto muitas dificuldades no manejo de implantacao da cultura, por diversos fatores como os edafoclimaticos, com solos naturalmente pobres em materia organica e o estresse hidrico ocasionado por precipitacoes pluviometricas irregulares. Este trabalho e composto por dois artigos cientificos, abordando a influencia de um polimero hidroabsorvente (hidrogel) e da farinha de ossos como fertilizante alternativo, em plantas de cajueiro anao precoce BRS 226 “Planalto”. O primeiro artigo objetivou avaliar o crescimento, atributos quimicos do solo e composicao nutricional das plantas. Para isso foi realizado um experimento em area rural no municipio de Januario Cicco-RN, no periodo de abril de 2017 a maio de 2018. O crescimento foi avaliado a partir da biometria bimestral apos transplantio das mudas, medindo-se a altura, o diametro do caule e o numero de folhas. As avaliacoes do efeito residual da fertilidade do solo e da composicao mineral das plantas foram realizadas em laboratorio com amostras de solo e planta, respectivamente, apos 12 meses da instalacao do experimento. O delineamento experimental foi em blocos casualizados, em esquema fatorial 2 x 5, sendo duas concentracoes do polimero (0 e 5 g l-1) no primeiro fator e cinco doses crescentes de farinha de ossos (0, 250, 500, 750 e 1000 g planta-1) no segundo, com quatro repeticoes e tres plantas por parcela. No segundo artigo, avaliou-se as trocas gasosas, a eficiencia fotoquimica e os teores de clorofila (a+b) das plantas submetidas aos mesmos tratamentos do artigo 1. Aos 340 dias apos transplantio (DAT) realizou-se as leituras fisiologicas e fotoquimicas nas folhas maduras das plantas. Houve diferenca significativa na concentracao interna de carbono e na condutancia estomatica, nao sendo verificado efeitos sobre as demais variaveis.
  • LARISSA CAVALCANTE ALMEIDA
  • MANEJO ALTERNATIVO DA ANTRACNOSE EM MUDAS DE Anacardium occidentale cv. CCP76
  • Data: 26/02/2019
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • A antracnose do cajueiro, causada por Colletotrichum gloeosporioides Penz. Sacc, e umas das doencas mais severas que incidem na cultura, podendo ocorrer em qualquer fase de desenvolvimento do ciclo de vida da planta. Seu controle vem sendo feito ao longo dos anos com o emprego de fungicidas quimicos sinteticos, no entanto os danos causados ao meio ambiente e ao homem faz surgir uma nova tendencia de mercado, intensificando a busca por metodos alternativos no controle de doencas. Dessa forma, objetivou-se com esse trabalho avaliar o efeito de diferentes oleos vegetais, bem como, indutores de resistencia comerciais no controle in vitro de C. gloesporioides. O experimento foi conduzido no Laboratorio de Fitopatologia, no Centro de Ciencias Agrarias da Universidade Federal da Paraiba, Campus II, Areia-PB. Foram testados oleos essenciais obtidos comercialmente de canela, cravo, citronela, capim limao, pequi, moringa, menta, eucalipto, gengibre e erva doce, na concentracao de 1mL/L, alem dos indutores Ecolife, Agromos, Fosfito, Viusid, Bion, Rocksil, Agrosilicio e Proagrim, nas quantidades recomendadas pelo fabricante, como controles foram utilizados o fungicida Tiabendazol e meio de cultura BDA (sem tratamento). Os tratamentos foram diluidos em meio de cultura BDA e vertidos em placas de Petri. Em seguida foram adicionados os discos da colonia fungica de C. gloesporioides, onde permaneceram por um periodo de sete dias, sob temperatura de 25 ± 2 ºC e fotoperiodo de 12 horas. Foram avaliados o Indice de velocidade de crescimento micelial (IVCM), Inibicao de crescimento micelial (ICM) e Diametro final da colonia (DF). Os dados foram submetidos a analise de variancia, sendo utilizada a analise de regressao polinomial para o IVCM e ICM. As medias de DF foram comparadas pelo teste de Scott-Knott a 5% de probabilidade. Os oleos essenciais de capim limao, erva doce e menta e os indutores Rocksil e Fosfito possuem potencial de controle in vitro sobre C. gloesporioides.
  • GEMERSON MACHADO DE OLIVEIRA
  • Interação de inseticidas reguladores de crescimento e atrativos alimentares sobre adultos de Spodoptera frugiperda (J. E. Smith) (Lepidoptera: Noctuidae)
  • Orientador : JACINTO DE LUNA BATISTA
  • Data: 25/02/2019
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • A lagarta Spodoptera frugiperda (Lepidoptera: Noctuidae) e uma das pragas mais nocivas a cultura do milho no Brasil e consequentemente ha um consideravel custo de controle, principalmente pela frequencia na aplicacao de inseticidas o que reduz significativamente a rentabilidade da cultura. Com o proposito da busca por mais alternativas no controle a essa praga, objetivou-se nessa pesquisa avaliar a eficiencia de inseticidas reguladores de crescimento em adultos de S. frugiperda. A pesquisa foi desenvolvida no Laboratorio de Entomologia do Departamento de Fitotecnia e Ciencias Ambientais do Centro de Ciencias Agrarias da Universidade Federal da Paraiba, Areia- PB. A pesquisa foi desenvolvida em duas etapas, na primeira, foi avaliada a eficiencia dos inseticidas reguladores de crescimento (Lufenuron, Diflubenzuron e Metoxifenozida) sobre os seguintes parametros biologicos: periodo de pre-oviposicao, de oviposicao, longevidade, a viabilidade de ovos, o numero total de ovos e de posturas, periodo larval e pupal e viabilidade larval e pupal da progenie. Na segunda etapa realizou-se o teste de atratividade em adultos, para tanto utilizou-se o inseticida considerado mais eficiente sobre os parametros biologicos da especie adicionando-se aos atrativos alimentares Noctovi®, phenylacetaldehyde e solucao de mel a 10%. As avaliacoes foram procedidas com 01, 06, 12, 24, 36, 48 e 72 horas da liberacao dos insetos adultos. Os dados de captura foram submetidos a analise de distribuicao Beta, processadas por meio do SAS, e as medias dos tratamentos foram comparadas pelo teste de Tukey, a 5% de probabilidade. Para avaliar o efeito dos atrativos ao longo dos periodos de exposicao os dados foram submetidos a analise de regressao. Verificou-se efeito significativo dos inseticidas reguladores de crescimento sobre adultos de S. fruperda, principalmente o Lufenuron que interferiu na reproducao desta praga. Observou-se uma possivel interferencia do inseticida na capacidade de captura dos atrativos avaliados.
  • CARLOS JARDEL ANDRADE OLIVEIRA
  • Produção de porta-enxerto de goiabeira ‘Paluma’ submetido ao estresse salino e doses de ácido salicílico
  • Data: 25/02/2019
  • Hora: 13:30
  • Mostrar Resumo
  • A goiabeira e uma especie frutifera de grande importancia economica no Brasil, contudo, na regiao semiarida os altos teores da salinidade no solo e na agua de irrigacao prejudica o seu desenvolvimento, sendo necessario utilizacao de tecnicas que atenuem o efeito do estresse salino. Neste sentido, objetivou-se avaliar a producao de porta-enxerto de goiabeira ‘Paluma’ em condicoes de estresse salino e doses de acido salicilico. O experimento foi conduzido em ambiente protegido (casa de vegetacao) do Centro de Ciencias e Tecnologia Agroalimentar - CCTA, na Universidade Federal de Campina Grande - UFCG, Campus de Pombal, PB. O delineamento experimental foi em blocos ao acaso, com cinco condutividades eletricas da agua de irrigacao (0,3; 0,77; 1,9; 3,03; 3,50 dS) e cinco doses de acido salicilico (0,00; 0,29; 1,00; 1,71; e 2,00 mM), totalizando 10 combinacoes geradas atraves da Matriz Composto Central de Box, com quatro blocos e cinco plantas por parcela. Para as variaveis de crescimento foram avaliados a altura da planta, diametro do caule, area foliar, taxa de crescimento relativo das respectivas variaveis e a massa da materia seca do caule, das folhas, das raizes, obtendo-se a massa seca total. Para a fisiologia foi avaliado as trocas gasosas, o teor relativo de agua e o deficit de saturacao hidrica. Os dados foram submetidos a analise de regressao e Anova. O acido salicilico tem efeito benefico em todas as variaveis de crescimento, em condicoes de estresse salino. O uso do acido salicilico atenua os efeitos do estresse salino no crescimento das culturas ate 0,8 dS m-1. Com relacao as trocas gasosas, altas concentracoes de sais na agua de irrigacao diminuem a condutancia estomatica, transpiracao e a eficiencia instantanea de carboxilacao dos porta-enxertos; O acido salicilico aumenta a transpiracao dos porta-enxertos; O acido salicilico inibe os efeitos do estresse salino ao longo do tempo na fotossintese liquida, eficiencia do uso da agua e no teor relativo de agua quando aplicado a dose de 0,29 mM de acido salicilico nos porta-enxertos de goiaba ‘Paluma’; Doses de acido salicilico acima de 0,7 mM causam toxidez as plantas em condicoes de estresse salino, prejudicando o crescimento, trocas gasosas e o teor relativo de agua.
  • RODRIGO GARCIA SILVA NASCIMENTO
  • Diversidade de heterocromatina na ordem Sapindales Juss. ex Bercht. & J.Presl
  • Orientador : LEONARDO PESSOA FELIX
  • Data: 22/02/2019
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • A ordem Sapindales inclui nove familias e aproximadamente 6.100 especies de distribuicao cosmopolita. Dentro da ordem, alguns generos sao bastante estudados citologicamente e se destacam pela ampla diversidade na distribuicao de heterocromatina (Citrus, Spondias, Urvillea), embora, para a grande maioria dos generos existe pouca ou nenhuma informacao cariotipica. Este trabalho teve como objetivo investigar a distribuicao da heterocromatina em diferentes familias da ordem Sapindales atraves da coloracao CMA/DAPI. Foram analisadas 19 especies das familias Anacardiaceae, Burseraceae, Meliaceae, Rutaceae, Sapindaceae e Simaroubaceae. A bandas heterocromaticas foram caracterizadas pela ocorrencia apenas de regioes ricas em GC e localizaram-se preferencialmente na regiao terminal dos cromossomos, mas foram consideravelmente variaveis em numero (de duas a 22 bandas) entre as diferentes especies analisadas. Anacardiaceae apresentou padroes de bandas semelhantes entre especies de alguns generos ou tribos na familia, enquanto Commiphora leptophloeos (Burseraceae) apresentou 22 bandas terminais. As especies de Meliaceae apresentaram cariotipos claramente distintos entre os tres generos analisados, enquanto em Rutaceae as especies analisadas apresentaram a fracao heterocromatica menor que em outros generos da subfamilia Aurantioideae mais ricos em heterocromatina. Na familia Simaroubaceae, Homalolepis bahiensis apresentou cinco blocos CMA+ terminais, com um par cromossomico heteromorfico, enquanto Sapindaceae apresentou um numero de bandas variavel, com duas bandas subterminais em Talisia esculenta, a 12 bandas em Sapindus saponaria.
  • FRANCISCO ROMARIO ANDRADE FIGUEIREDO
  • RESPOSTAS FISIOLÓGICAS DE Solanum lycopersicum L. SOB DENSIDADES CRESCENTES DE NEMATOIDES E ÁCIDO SALICÍLICO
  • Data: 21/02/2019
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • O tomateiro (Solanum lycopersicum L.) e uma das mais importantes olericolas do mundo, esta sujeita ao ataque de varios patogenos, em especial ao nematoides das galhas, que podem promover desordens fisiologicas que chegam a inviabilizar a cultura. Diante dessa problematica, torna-se necessario a busca por estrategias que minimizem tais efeitos, assim, a aplicacao do acido salicilico pode ser uma estrategia promissora. Nesse contexto, o trabalho teve como objetivo avaliar as respostas fisiologicas do tomateiro sob a influencia de diferentes densidades populacionais de Meloidogyne javanica e aplicacao do acido salicilico. O delineamento utilizado foi o de blocos casualizados, utilizando a matriz Composto Central de Box (CCB) com cinco densidades populacionais de nematoides (0; 5815; 20000; 34184 e 40000 ovos por planta) e cinco doses de acido salicilico (0,0; 0,29; 1,0; 1,71 e 2,0 mM por planta), com quatro repeticoes e duas plantas por parcela experimental. Foram avaliadas as seguintes variaveis: altura de plantas, diametro do caule, numero de folhas, area foliar, area foliar especifica, peso especifico de folha, taxa de crescimento absoluto e relativo para altura, volume de raiz, massa seca da parte aerea, massa seca de raiz, massa seca total, indice de qualidade de Dickson, numero de ovos, numero de galhas e fator de reproducao aos 50 dias apos o transplantio e infestacao do solo. As trocas gasosas, fluorescencias e indices de clorofilas foram avaliadas aos 45 dias apos o transplantio e infestacao do solo. A densidade populacional de 23903 ovos foi a que proporcionou o maior FR, porem, as DPs nao influenciaram nas caracteristicas de crescimento do tomateiro. O AS influenciou na TCRap, AFE e PEF. O acido salicilico (AS) influenciou na assimilacao liquida de CO 2 e eficiencia de carboxilacao. A infestacao por M. javanica em plantas de tomateiro influenciou negativamente nas trocas gasosas e nos teores de clorofila, sendo que a aplicacao do AS nao atenuou os efeitos negativos desses patogenos.
  • JACKSON SILVA NÓBREGA
  • ECOFISIOLOGIA DE Mesosphaerum suaveolens (L.) Kuntze SUBMETIDA AO TRATAMENTO DAS SEMENTES COM ÁCIDO SALICÍLICO COMO ATENUANTE DO ESTRESSE SALINO
  • Data: 20/02/2019
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • A Mesosphaerum suaveolens (L.) Kuntze e uma especie com grande potencial de exploracao em funcao de suas caracteristicas terapeuticas e aromaticas, apresentando grande capacidade de adaptacao as condicoes da regiao Nordeste. Porem, sua exploracao pode ser afetada pelo excesso de sais contidos no solo e na agua de irrigacao, sendo necessaria a adocao de medidas que diminuam o efeito do estresse salino. Dentre estas, surge o uso de fitohormonios como o acido salicilico que atua na regulacao dos mecanismos de defesa vegetal. Assim, objetivou-se avaliar o tratamento de sementes com acido salicilico como atenuante do estresse salino sobre a qualidade das sementes, o crescimento e a fisiologia de plantas de Mesosphaerum suaveolens (L.) Kuntze. Para tanto, tres experimentos foram realizados: No primeiro avaliou-se a germinacao e o vigor das sementes no Laboratorio de Analise de Sementes; enquanto no segundo analisou-se o crescimento e no terceiro as trocas gasosas, fluorescencias e indices de clorofilas de plantas conduzidos em casa de vegetacao do Centro de Ciencias Agrarias, Universidade Federal da Paraiba, Areia – PB. O experimento 1 foi conduzido em delineamento inteiramente ao acaso e o 2 e 3 em blocos casualizados, sendo os tres em esquema fatorial incompleto 5 x 5, com cinco niveis de condutividade eletrica da agua de irrigacao (CEa= 0,5; 1,45; 5,00; 8,55 e 10,0 dS m-1) e cinco doses de acido salicilico (AS= 0,0; 0,29; 1,0; 1,71 e 2,0 mM L-1), com quatro repeticoes, totalizando 9 combinacoes geradas atraves da matriz Composto Central de Box. De acordo com os resultados, o acido salicilico mostra ser uma alternativa promissora como estimulante da qualidade fisiologica das sementes e no crescimento das plantas em condicoes de estresse salino. A dose de 2,0 mM L-1 de acido salicilico estimula a qualidade fisiologica das sementes, por meio dos testes de germinacao e vigor das sementes (primeira contagem de germinacao, indice de velocidade de germinacao, tempo medio de germinacao e comprimento de plantula). A aplicacao da dose de 0,9 mM de acido salicilico atenua o efeito do estresse salino sobre as taxas de crescimento absoluto e relativo, numero de folhas e area foliar. O aumento da condutividade eletrica da agua de irrigacao reduz significativamente o crescimento e as trocas gasosas, fluorescencias e os indices de clorofila nas plantas de Mesosphaerum suaveolens (L.) Kuntze.
  • LEONARDO VIEIRA DE SOUSA
  • ESTRESSE SALINO E BIOESTIMULANTE VEGETAL NO CRESCIMENTO, PRODUÇÃO E FISIOLOGIA DO MANJERICÃO
  • Data: 20/02/2019
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • O cultivo de manjericão (Ocimum basilicum L.) pode ser uma alternativa econômica para o nordeste brasileiro, no entanto, algumas áreas dessa região apresentam excesso de sais na água. A aplicação de reguladores de crescimento pode mitigar os efeitos deletérios do estresse salino. O objetivo do trabalho foi avaliar a ação de bioestimulante sobre a cultura do manjericão submetido ao estresse salino. O experimento foi conduzido na Universidade Federal da Paraíba, Campus II, Areia, Paraíba, Brasil. O delineamento experimental foi em blocos casualizados, em fatorial 5 x 5, combinadas segundo a matriz experimental Composto Central de Box, referente a cinco condutividades elétricas da água de irrigação e cinco doses de regulador de crescimento vegetal, com valores mínimos (- α) e máximos (α), respectivamente de 0,5 e 6,0 dS m-1 e 0,0 e 10,0 mL L-1, totalizando nove tratamentos, com quatro repetições e duas plantas por parcela. Foram avaliadas as plantas quanto ao desenvolvimento, trocas gasosas, fluorescência da clorofila e teores de clorofila além de análises químicas do solo. Não houve interação entre as condutividades elétricas da água de irrigação e as doses de regulador de crescimento vegetal para nenhuma variável estudada. Foi constatada diferença estatística entre as condutividades elétricas para todas as variáveis de crescimento. Já para as variáveis fisiológicas houve diferença entre as condutividades elétricas para os índices clorofila, fluorescência inicial, rendimento quântico potencial e efetivo do fotossistema II, concentração interna de CO2, eficiência do uso da água, eficiência intrínseca do uso da água e eficiência instantânea de carboxilação. Já em relação aos atributos químicos do solo, ocorreu resposta crescente mediante aumento das condutividades elétricas para todas as variáveis estudadas. A salinidade da água provoca redução dos parâmetros de desenvolvimento do manjericão. Aplicações de bioestimulante não surte efeitos no crescimento e na fisiologia do manjericão quando as plantas são irrigadas com águas salinas. O estresse salino provoca mudanças nos teores de potássio e sódio, além de aumento na condutividade elétrica do extrato de saturação, capacidade de troca catiônica, soma de bases e saturação por bases.
  • RAYSSA RIBEIRO DA COSTA
  • Diferenciação da qualidade e do potencial antioxidante das uvas ‘Isabel Precoce’ e ‘BRS Cora’ em função de sistemas de condução, porta-enxertos e safras, em condições tropicais
  • Data: 20/02/2019
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • Na vitivinicultura tropical, as temperaturas minimas anuais nao sao suficientes para a inducao de dormencia, favorecendo a obtencao de duas ou mais safras programadas por ano, em mesmo parreiral. Atualmente, o principal polo de producao tropical de suco de uvas no Brasil e o Submedio do Vale do Sao Francisco, tendo como base as cultivares Isabel Precoce, BRS Cora, BRS Violeta e BRS Magna. Alem das condicoes climaticas em cada epoca de producao, o sistema de producao tambem pode afetar a qualidade e composicao fenolica das uvas em funcao da arquitetura do dossel em cada sistema de conducao e da interacao copa-porta-enxerto. Assim, o estudo caracterizou a qualidade e o potencial antioxidante das uvas ‘Isabel Precoce’ e ‘BRS Cora’ em diferentes sistemas de conducao e porta-enxertos, em quatro safras consecutivas. O delineamento experimental foi em blocos ao acaso, em parcelas sub-subdivididas no tempo, com quatro repeticoes. Foram estudados tres sistemas de conducao e dois porta-enxertos, em ciclos do primeiro e segundo semestres de 2017 e 2018. Por ocasiao da colheita, foram avaliados: massa do cacho e da baga; teor de solidos soluveis; acucares soluveis; acidez titulavel; resistencia da baga a forca de compressao; atributos de cor da casca L, a* e b*; teores de antocianinas e flavonoides amarelos na casca; teor de polifenois extraiveis totais na casca e polpa; atividade antioxidante, pelos metodos de captura dos radicais livres ABTS●+ e DPPH●. Sistemas de conducao que possibilitam maior interceptacao de radiacao solar, como lira e latada, e porta-enxertos de menor vigor, que propiciam maior abertura da copa e consequente interceptacao de radiacao solar, induziram aumento na massa e no teor de acucares das bagas, assim como contribuiram para a sintese de compostos fenolicos. Alguns dos componentes de qualidade e composicao da uva apresentaram variacoes, mesmo com fatores climaticos, sistema de conducao, porta-enxerto e carga genetica da cultivar similares, indicando que outros elementos podem influencia-los. Logo, a escolha do sistema de conducao e porta-enxerto deve considerar a estabilidade das caracteristicas de qualidade e composicao fenolica nos ciclos de mesma epoca do ano, a fim de permitir qualidade previsivel da uva e de seus derivados ao longo das safras.
  • ANA CAROLINA BEZERRA
  • QUALIDADE FISIOLÓGICA E ANATOMIA DO TEGUMENTO DE SEMENTES DE Erythrina velutina Willd. DE DIFERENTES PROCEDÊNCIAS
  • Data: 19/02/2019
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • Erythrina velutina Willd. (Fabaceae), especie nativa da Caatinga com expressivo potencial ecologico e medicinal, cuja principal forma de propagacao e por via sexuada, de forma que torna-se essencial conhecer os aspectos fisicos, fisiologicos e anatomicos de suas sementes. Diante do exposto objetivou-se avaliar o efeito da variacao ambiental ocorrente em diferentes regioes da Paraiba na biometria, germinacao e anatomia do tegumento de sementes de E. velutina. As sementes foram coletadas em 19 plantas matrizes localizadas em 10 municipios paraibanos: Juru, Sume, Aracagi, Guarabira, Sao Joao do Cariri, Esperanca, Queimadas, Cuite, Boa Vista e Areia. Para determinacao da qualidade fisica foram determinados o teor de agua, peso de mil sementes e as caracteristicas biometricas: comprimento, largura e espessura. Na avaliacao da qualidade fisiologica foram analisadas as seguintes variaveis: porcentagem de germinacao, primeira contagem de germinacao, indice de velocidade de germinacao, comprimento e massa seca da parte aerea e de raizes de plantulas. Para a anatomia do tegumento foram analisadas as seguintes variaveis: espessura do tegumento, comprimento e largura da barra de traqueoides, todos em delineamento experimental inteiramente ao acaso. Nas caracteristicas biometricas das sementes de E. velutina ocorre uma amplitude de variacao, com as maiores medias de comprimento, largura e espessura nas sementes da planta matriz 14. Com relacao a qualidade fisiologica constatou-se diferenca significativa em todas as variaveis analisadas, tanto para sementes intactas como escarificadas, com destaque para as sementes intactas das plantas matrizes 5, 14, 16 e 19 que foram as mais vigorosas, como tambem para as sementes escarificadas das plantas matrizes 4 e 10. O tegumento das sementes de E. velutina, em seccao transversal, e formado por cuticula cerosa, epiderme, hipoderme e uma camada de celulas de parenquima, em que a epiderme e composta por uma camada de macroesclereides. A hipoderme e constituida por uma camada de celulas chamadas de osteoesclereides e logo apos a camada de osteoesclereides o tegumento possui uma camada de parenquima com espessura de 10-12 celulas. A regiao do hilo e formada por funiculo, uma dupla camada de macroesclereides em palicada (contra palicada), linha lucida, uma camada de osteoesclereides, barra de traqueoides e duas camadas de parenquima. As sementes das diferentes plantas matrizes e localidades possuem dormencia tegumentar e o vigor das sementes intactas varia entre as plantas matrizes. Em relacao a anatomia, as localidades influenciam na forma e tamanho das barras de traqueoides, contudo, nao influenciam no estabelecimento da dormencia nas sementes.
  • JOSÉ SEBASTIÃO DE MELO FILHO
  • DESENVOLVIMENTO, PRODUÇÃO, TROCAS GASOSAS, PÓS-COLHEITA DE Beta vulgaris L. IRRIGADA COM ÁGUAS SALINAS E SILICIO
  • Data: 19/02/2019
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • A beterraba e uma das hortalicas mais ricas em nutrientes (compostos bioativos, acido folico e potassio). Sao escassos estudos dessa cultura sob condicoes de irrigacao com aguas salinas. A irrigacao na agricultura e uma alternativa viavel, em virtude da escassez hidrica e dos recursos naturais. As plantas nao toleram altos teores de sais, contudo, atenuadores de estresse salino apresenta estrategia para possibilitar o uso de aguas salinas na regiao semiarida. Em regioes com indices pluviometricos baixos, o estresse salino promove alteracoes fisiologicas nas plantas, afetando a produtividade das culturas. O objetivo deste trabalho foi avaliar o desenvolvimento, producao, trocas gasosas, pos-colheita de beta vulgaris L. irrigada com aguas salinas e silicio. A pesquisa foi conduzida em delineamento de blocos casualizados, em fatorial 5 x 5, referente a cinco niveis de condutividade eletrica da agua de irrigacao (CEa): (0,5; 1,3; 3,25; 5,2 e 6,0 dS m-1) e cinco doses de silicio (0,00; 2,64; 9,08; 15,52 e 18,16 mL L-1), combinadas segundo a matriz experimental Composto Central de Box, com quatro repeticoes e tres plantas por parcela. Foram realizadas as analises de crescimento, trocas gasosas, clorofilas, fluorescencias, producao e pos-colheita. Os dados foram submetidos a analise de variancia, de regressao e as avaliacoes repetidas no tempo por modelo misto. A aplicacao de silicio via foliar nao influencia no cultivo de beterraba, nem atenuou a salinidade, mas as plantas que receberam aplicacao apresentaram maiores teores de pigmentos fotossinteticos. O aumento da CEa da agua de irrigacao reduz o crescimento e producao de beterraba, mas os indices de clorofila, producao de biomassa e fluorescencia nao foram influenciados pela salinidade. A CEa da agua de irrigacao acima de 0,50 dS m-1 e suficiente para afetar negativamente o cultivo de beterraba e a dose de 9,08 ml L-1 de silicio e a mais recomendada para aplicacao. A irrigacao com agua de 6,0 dS m-1 promove melhor qualidade do tuberculo da beterraba. As adubacoes pre-colheita com silicio, aplicado via solo ou foliar, melhoraram a qualidade pos-colheita da beterraba. A irrigacao com aguas salinas inibiu as trocas gasosas das plantas de beterraba.
  • KARLA NASCIMENTO DE SOUZA
  • Diversidade Genética Entre e dentro de Populações Naturais de Plantas Infestantes com Potencial Ornamental
  • Data: 18/02/2019
  • Hora: 08:30
  • Mostrar Resumo
  • A introducao de especies nativas no mercado de plantas ornamentais representa uma crescente tendencia mundial de producao e comercializacao. Para que isto ocorra e necessario que estas especies sejam caracterizadas. O objetivo deste estudo foi avaliar a diversidade genetica entre e dentro de tres populacoes naturais de Mussambe (Cleome spinosa Jacq.) com o auxilio de marcadores morfologicos e moleculares. Foram caracterizadas tres populacoes de Mussambe, nas cidades de Remigio-PB, Esperanca-PB e Alagoinha-PB, cada populacao com 30, 30 e 27 individuos, respectivamente. A caracterizacao morfologica foi realizada a partir das variaveis: altura da planta (AP), diametro do caule (DC), diametro da copa (DDC), comprimento da folha (CF) e largura da folha (LF). Para caracterizacao molecular, utilizou-se 16 oligonucleotideos iniciadores do marcador RAPD (Random Amplified Polymorphic DNA). Todas as analises foram realizadas utilizando o software R versao 3.2.0. A analise de componentes principais foi realizada a partir dos dados morfologicos e os dois primeiros componentes retem 70% da variabilidade genetica existente nas tres populacoes. Observou-se que a variabilidade genetica dentro de cada populacao e maior do que entre populacoes. Os individuos 43 (Populacao de Remigio, PB) e 77 (Populacao de Alagoinha, PB) sao os mais divergentes entre populacoes. Na populacao de Esperanca (PB) a maior divergencia e entre os individuos 12 e 25, na populacao de Remigio (PB) e entre os individuos 41 e 43, e na populacao de Alagoinha (PB) entre os individuos 65 e 77. Em funcao desses individuos apresentarem caracteristicas de interesse ao mercado de planta ornamenteis, sugerimos que sejam utilizados como genitores em possivel programa de melhoramento da especie.
  • WELLISON FILGUEIRAS DUTRA
  • INTROGRESSÃO DE ALELOS DE Arachis SELVAGENS VISANDO AO AUMENTO DA TOLERÂNCIA À SECA NO AMENDOIM CULTIVADO
  • Data: 14/02/2019
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • A seca é um fenômeno meteorológico que causa perdas significativas na agricultura, principalmente em regiões de clima árido e semiárido, como o Nordeste brasileiro. A utilização de cultivares tolerantes está entre as principais estratégias para a convivência com a seca e o soerguimento do cultivo de espécies relevantes. Nesse contexto, o amendoim é uma oleaginosa de grande importância socioeconômica para o semiárido, predominantemente cultivada por agricultores de base familiar. Por ser uma das poucas espécies tetraploides do gênero Arachis, o amendoim cultivado é isolado reprodutivamente dos parentes selvagens, a maioria diploide. Contudo, mesmo com barreiras cromossômicas, a utilização de espécies selvagens é vista como excelente alternativa para ampliar a variabilidade genética do amendoim cultivado e desenvolver novas cultivares adaptadas ao clima semiárido. Atualmente, vários alotetraploides foram obtidos por uma equipe multidisciplinar da Embrapa, os quais estão sendo avaliados quanto à tolerância à seca. No presente estudo foram realizados procedimentos de seleção e validação numa população de alotetraploides de amendoim {BR 1 x [BR 1 x (A. batizocoi K9484 x A. duranensis SeSn 2848)4x]} com base na tolerância à seca, utilizando descritores fisiológicos e agronômicos (Capítulo I). Em seguida, alotetraploides de amendoim foram avaliados, em casa de vegetação e campo, focalizando em características moleculares, bioquímicas e agronômicas, com o objetivo de identificar e selecionar plantas com melhor capacidade de se ajustar em condições de estresse hídrico (Capítulo II). Inicialmente, sessenta e quatro alotetraploides foram cultivados em casa de vegetação em Campina Grande-PB durante a estação seca. Após o início do florescimento a irrigação foi suspensa por 15 dias, sendo retomada após este período. Três genótipos foram utilizados como testemunhas: BR1, Senegal 55-437 (tolerantes ao estresse hídrico) e LViPE-06 (sensível ao estresse hídrico). No último dia de estresse foram mensurados as trocas gasosas e o quenching não fotoquímico (NPQ) em todas as plantas. Estes dados foram utilizados na seleção de alotetraploides com tolerância à seca, juntamente com descritores agronômicos relacionados à produção e precocidade. As plantas selecionadas foram cultivadas em dois ambientes (Lagoa Seca e Campina Grande) com o objetivo de validar a tolerância à seca. Os cultivos foram realizados na época das chuvas, sendo avaliados ix descritores agronômicos relacionados à precocidade, produção e eficiência no uso da água. A expressão gênica, a atividade dos tipos de superóxido dismutase (SOD) e o conteúdo de prolina também foram avaliados nas plantas selecionadas. Baseado nos ensaios realizados, vários alotetraploides possuem tolerância à seca, com características semelhantes ou superiores as observadas na cultivar atualmente cultivada no Nordeste do Brasil (BR 1). Os alotetraploides possuem níveis diferenciados de expressão nos tipos de SOD e no precursor de prolina, havendo relação entre a produção dos transcritos e a subsequente síntese dos metabólitos. As linhagens 96 P9 e 53 P4 foram mais produtivas e eficientes no uso da água, nas condições avaliadas, denotando serem promissoras para o cultivo em condições de semiárido. A adoção destas linhagens representa uma oportunidade para ampliar a base genética de futuras cultivares, além de subsidiar a utilização de recursos genéticos selvagens em programas de melhoramento voltados para o semiárido.
  • MILENY DOS SANTOS DE SOUZA
  • RESISTÊNCIA DE TOMATEIROS MUTANTES A Bemisia tabaci (Gennadius, 1889) (Hemiptera: Aleyrodidae) BIÓTIPO B E INFLUÊNCIA SOBRE Encarsia hispida (Hymenoptera: Aphelinidae)
  • Data: 08/02/2019
  • Hora: 08:30
  • Mostrar Resumo
  • O tomateiro é uma das hortaliças mais cultivadas e consumidas no mundo. No entanto, é considerada uma cultura de alto risco quando consideramos o grande número de problemas fitossanitário no qual é acometida. A mosca-branca Bemisia tabaci biótipo B, é um desses principais problemas, dado os danos e o custo de controle que insere na produção do tomate. Cultivares resistentes associados ao controle biológico dentro de um programa de Manejo Integrado de Pragas podem atuar como uma das melhores soluções para os problemas com essa praga, visto a redução ou eliminação do controle com pesticidas. Diante do exposto o objetivo geral dessa pesquisa foi determinar se tomateiros mutantes conferem resistência a Bemisia tabaci biótipo B e sua influência sobre o parasitoide Encarsia hispida. A pesquisa foi realizada no Laboratório de Entomologia da Universidade Federal da Paraíba, Campus II Areia-PB, abordando em três artigos as temáticas acima explanadas. Em ambiente telado e campo, avaliou-se o desempenho de cinco tomateiros mutantes (aurea, cry, phyA, phyB1, phyB2) mais um tomateiro padrão suscetível (‘IAC-Santa Clara’). Artigo I: Objetivou-se determinar se tomateiros mutantes conferem resistência a mosca-branca B. tabaci biótipo B. No teste de livre escolha (TLE), mensurou-se o número de ovos, ninfas e adultos/plantas e, calculou-se também o índice de atratividade (IA), índice de preferência para oviposição IPO, colonização das ninfas, danos e crescimento da fumagina. No teste sem chances de escolha (TSE) mensurou-se o nº de ovos, o IPO, a biologia do inseto e o nº de tricomas. No TLE o Santa Clara apresentou maior nº de ovos, ninfas e adultos, maiores IPA e IPO, danos e crescimento da fumagina, além de alta colonização das ninfas e baixo nº de tricomas. No TSE o aurea proporcionou o maior e o cultivar padrão o menor nº de dias para completar a biologia do inseto. O aurea apresenta resistência tipo antibiose e antixenose, menos danos às plantas e menor crescimento da fumagina quando infestados por B. tabaci biótipo B. Artigo II: Verificou-se o comportamento bioquímico e fisiológico de tomateiros mutantes frente ao ataque de B. tabaci biótipo B. Foram mensurados o nº de ovos, ninfas e adultos da praga após três períodos de infestação e a atividade das enzimas POX, PPO e PAL como também as variáveis fisiológicas A, E, gs, Ci, iWUE, EiC e WUE, fluorescência, clorofila e nº de tricomas. Os mutantes apresentaram menor infestação e colonização da praga; maior atividade das enzimas oxidativas; e menor desgaste a fisiologia ao ser exposta ao ataque de B. tabaci quando comparados ao Santa Clara. O aurea confere maior resistência, ativa seus mecanismos bioquímicos de defesa e sofre menos danos fisiológicos diante da infestação de B. tabaci. Artigo III: Teve por objetivo investigar a interação tritrófica entre tomateiros mutantes, B. tabaci biótipo B e o parasitoide Encarsia hispida. Utilizaram-se os tomateiros como hospedeiros da praga, e ninfas de 3º e 4º instares foram submetidas ao parasitismo de E. hispida. Avaliou-se o desenvolvimento biológico do parasitoide e também o índice de parasitismo natural e sob liberações deste agente. O desenvolvimento biológico do parasitoide não foi afetado pelos tomateiros mutantes, assim como a razão sexual. Quanto ao parasitismo, o índice foi maior em ambiente protegido, sendo o mutante aurea e o cultivar padrão com os maiores valores, já em campo não se observou diferenças entre os tomateiros. Os mutantes proporcionam um desenvolvimento biológico adequado ao parasitoide; o índice de parasitismo é maior diante da liberação do parasitoide; o aurea e o Santa Clara apresentam maiores índices de parasitismo.
  • KERCIO ESTEVAM DA SILVA
  • CARACTERIZAÇÃO DE Fusarium oxysporum f. sp. cubense. E MANEJO ALTERNATIVO DO MAL DO PANAMÁ EM BANANEIRA
  • Data: 05/02/2019
  • Hora: 08:30
  • Mostrar Resumo
  • A bananeira (Musa spp.) e uma monocotiledonea pertencente a familia botanica Musaceae, o Brasil e o quinto maior produtor mundial, onde a maior porcentagem da producao brasileira esta regiao Nordeste, um dos principais problema fitossanitario e a doenca do mal-do-panama, causada pelo fungo Fusarium oxysporum f. sp. cubense nas cultivares maca, pacovan e prata, esse fungo geralmente e identificado por isolamento e caracterizacao morfologica, porem as tecnicas de biologia molecular estao contribuido para desmembrar a diversidade genetica, atraves de marcadores moleculares, o manejo dessa doenca requer o desenvolvimento de novas estrategias como o manejo alternativo. Esse trabalho teve objetivo de identifcar pela analise filogenetica isolados de diferentes regioes do Nordeste e avaliar o controle alternativo da doenca mal-do-panana na cultura da bananeira “in vitro” e “in vivo” usando extrato de alho em 5 concetracoes diferentes (C1 = 0; C2 = 2,5; C3 = 5; C4 = 7,5 e C5 = 10%), os isolados utilizados foram dos estados da Paraiba (PB), Pernambuco (PE) e Rio Grande do Norte (RN), Bahia(BA), Alagoas(AL), no total de 8 isolados monosporicos caracterizados morfologicamente utilizando os meios de cultura Batata Dextrose Agar (BDA), avaliou a coloracao da frente e verso das colonias; diametro micelial; indice de velocidade de crescimento micelial; esporulacao. A analise filogenetica gerou uma arvore, para os genes TEF e IGS pela analise Neighbor-Joining (NJ), com 21 sequencias obtidas do GenBank. aliando 8 isolados de Fusarium em estudo, na parte dos experimentos em (in vitro) conduzido em laboratorio avaliando o crescimento micelial e (in vivo) em casa de vegetacao avaliando Area Abaixo da Curva de Progresso da Doenca (AACPD) usando-se uma escala de notas . Os resultados obtidos foram, na analise filogenetica apresentou 4 grupos de Fusarium oxysporum com linhagens filogeneticas distintas, sendo que o isolado (CMM 0807) ficou agrupado como especie de Fusarium oxysporum f. sp. cubense, com 99% de suporte bootstrat., Ja com relacao as concentracoes crescentes do extrato de alho promovem reducoes significativas no crescimento micelial de Fusarium oxysporum f. sp. cubense e na severidade da doenca mal-do-panama. A bananeira (Musa spp.) e uma monocotiledonea pertencente a familia botanica Musaceae, o Brasil e o quinto maior produtor mundial, onde a maior porcentagem da producao brasileira esta regiao Nordeste, um dos principais problema fitossanitario e a doenca do mal-do-panama, causada pelo fungo Fusarium oxysporum f. sp. cubense nas cultivares maca, pacovan e prata, esse fungo geralmente e identificado por isolamento e caracterizacao morfologica, porem as tecnicas de biologia molecular estao contribuido para desmembrar a diversidade genetica, atraves de marcadores moleculares, o manejo dessa doenca requer o desenvolvimento de novas estrategias como o manejo alternativo. Esse trabalho teve objetivo de identifcar pela analise filogenetica isolados de diferentes regioes do Nordeste e avaliar o controle alternativo da doenca mal-do-panana na cultura da bananeira “in vitro” e “in vivo” usando extrato de alho em 5 concetracoes diferentes (C1 = 0; C2 = 2,5; C3 = 5; C4 = 7,5 e C5 = 10%), os isolados utilizados foram dos estados da Paraiba (PB), Pernambuco (PE) e Rio Grande do Norte (RN), Bahia(BA), Alagoas(AL), no total de 8 isolados monosporicos caracterizados morfologicamente utilizando os meios de cultura Batata Dextrose Agar (BDA), avaliou a coloracao da frente e verso das colonias; diametro micelial; indice de velocidade de crescimento micelial; esporulacao. A analise filogenetica gerou uma arvore, para os genes TEF e IGS pela analise Neighbor-Joining (NJ), com 21 sequencias obtidas do GenBank. aliando 8 isolados de Fusarium em estudo, na parte dos experimentos em (in vitro) conduzido em laboratorio avaliando o crescimento micelial e (in vivo) em casa de vegetacao avaliando Area Abaixo da Curva de Progresso da Doenca (AACPD) usando-se uma escala de notas . Os resultados obtidos foram, na analise filogenetica apresentou 4 grupos de Fusarium oxysporum com linhagens filogeneticas distintas, sendo que o isolado (CMM 0807) ficou agrupado como especie de Fusarium oxysporum f. sp. cubense, com 99% de suporte bootstrat., Ja com relacao as concentracoes crescentes do extrato de alho promovem reducoes significativas no crescimento micelial de Fusarium oxysporum f. sp. cubense e na severidade da doenca mal-do-panama.
2018
Descrição
  • SARA SANTOS CARDOSO
  • Produção e qualidade da batata-doce em função de doses e fontes de K2O
  • Orientador : ADEMAR PEREIRA DE OLIVEIRA
  • Data: 14/12/2018
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • Indisponivel
  • LEONARDO DANTAS MARQUES MAIA
  • INDUÇÃO DE RESISTÊNCIA EM ALGODOEIRO CONTRA Fusarium oxysporum f. sp. vasinfectum
  • Data: 05/12/2018
  • Hora: 08:30
  • Mostrar Resumo
  • O Brasil e o quinto maior produtor de algodao mundo com uma producao de 1653 mil toneladas. Esse destaque na producao do algodao e possivel pelas novas cultivares que vem sendo desenvolvidas para o Brasil, como por exemplo a BRS 286 e BRS 336, que possuem maior resistencia as pragas e doencas bem como uma melhor adaptacao edafoclimatica para as regioes produtoras do Brasil. Mesmo com esse avanco na producao de novas cultivares as doencas causadas por patogenos ainda e uma precopacao para o produtor da fibra de algodao. A murcha de fusario causada pelo Fusarium oxysporum f. sp. vasinfectum (Fov), e uma das principais doencas acometidas ao algodoeiro. O uso de produtos quimicos ainda e a maneira mais empregada no combate as doencas e assim o uso de produtos alternativos a essa forma de controle se torna uma necessidade para diminuir os custos na producao bem como minimizar os ricos ambientais e ao homem que o controle quimico pode acarretar. Sendo assim o objetivo desse trabalho foi determinar o comportamento do algodoeiro herbaceo BRS 286 influenciado por elicitores de resistencia, bem como determinar as enzimas ligadas a patogenese induzidas em algodoeiro tratadas com elicitores e quantificar a protecao induzida no algodoeiro contra o Fov. O experimento de campo foi conduzido na estacao experimental da EMEPA, na cidade de Alagoinha na Paraiba, com sementes de algodao BRS 286 fornecidas pela EMBRAPA Algodao. Os tratamentos utilizados no experimento foram Bion® (0,1 g.L-1), Ecolife® (1,0 ml.kg-1), Rocksil® (2,4 g.kg-1), Proagrin® (2,4 g.kg-1), Agro-mos® (1,0 ml.kg-1), Carbendazim (Carbomax® 500 sc 1,0 ml.kg-1) e o tratamento controle com agua destilada esterilizada. Foram avaliadas a altura e diametro a nivel do solo das plantas de algodao ao longo do experimento, bem como foram retiradas folhas para a quantificacao de enzimas chaves no processo de inducao de resistencia. O experimento in vitro foi realizado no laboratorio de fitopatologia, no campus II, da UFPB, onde foram avaliados o crescimento micelial do Fov e sua esporulacao. O experimento em casa de vegetacao foi desenvolvido para avaliar a interacao entre o patogeno e a muda de algodoeiro, mensurando assim os sintomas presentes nas mudas. No experimento em campo foi possivel constatar que os tratamentos Bion®, Rocksil® e Agro-mos® influenciaram positivamente no crescimento e diametro do caule de algodao BRS 286, porem nenhum tratamento influencio na qualidade da fibra produzida ao final do experimento. Os tratamentos Bion® e Agro-mos® proporcionaram uma maior atividade das enzimas Peroxidase, Polifenoloxidase e Fenilalanina amonia-liase. No experimento in vitro o Ecolife® nao influenciou no crescimento micelial do FOv, porem inibiu a esporulacao do patogeno, ja os tratamentos Bion®, Proagrin® e Agro-mos® controlaram significativamente a acao do Fov em mudas de algodoeiro.
  • MARLENE ALEXANDRINA FERREIRA BEZERRA
  • Atributos químicos, fisiologia, nutrição e produção do maracujazeiro sob salinidade da água, revestimento lateral das covas e cálcio no solo
  • Data: 23/11/2018
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • O excesso de sais solúveis, no solo e na água, e a baixa e irregular pluviosidade constituem os principais problemas à agricultura. Nesse sentido, a pesquisa foi realizada com o objetivo de avaliar os efeitos da irrigação com água salina, revestimento lateral das covas e aplicação de cálcio nos atributos da fertilidade de Neossolo Regolítico cultivado com maracujazeiro amarelo cv. BRS GA1. Os tratamentos foram arranjados em parcela subdividida no esquema 2 x (2 x 5) correspondente a salinidade da água (0,3 e 4,0 dS m-1), parcela principal, combinados com covas sem e com proteção lateral das covas e doses de cálcio (0, 30, 60, 90 e 120 kg ha-1), subparcelas. Os tratamentos foram distribuídos em quatro blocos casualizados e a unidade experimental foi formada por quatro plantas. As variáveis avaliadas foram: condutividade elétrica do extrato de saturação, pH, bases trocáveis, acidez potencial, capacidade de troca de cátions, saturação por bases e percentagem de sódio trocável do solo. Os dados foram submetidos a análise de variância, os efeitos da condutividade elétrica da água de irrigação (salinidade) e da proteção lateral das covas foram comparados pelo teste F (p ≤ 0,05) e os referentes às doses de cálcio ajustados a regressão pelo teste F (p ≤ 0,10). O aumento da condutividade elétrica da água de irrigação elevou os teores de Na+, K+, CTC e PST, enquanto para Ca2+, SB e H++Al3+ o aumento só foi constatado nas covas revestidas. O revestimento das covas com filme plástico intensificou a salinização e sodificação do solo. A aplicação de cálcio além de elevar o seu teor no solo, atenuou o efeito danoso do sódio, reduzindo a CEes, o Na+ e a PST. A adubação calcítica ao nível de 60 kg ha-1 é recomendada para cultivo de maracujazeiro amarelo em Neossolo Regolítico com baixo teor de cálcio.
  • SHERLY APARECIDA DA SILVA MEDEIROS
  • Respostas do maracujazeiro amarelo e do solo sob lâminas de irrigação e adubação organomineral
  • Data: 22/11/2018
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • Indisponivel
  • SEBASTIAO GILTON DANTAS
  • POTENCIAL ALELOPÁTICO DE FOLHAS, CAULE E RAIZ DE Melia azedarach EM ESPÉCIES DE OCORRÊNCIA NA CAATINGA
  • Data: 28/09/2018
  • Hora: 13:30
  • Mostrar Resumo
  • A Caatinga, está sujeita a diversas formas de agressões ambientais de natureza antrópica, como a introdução de espécies exóticas invasoras, que podem ter atividade alelopática nas espécies nativas, interferindo na germinação das sementes e desenvolvimento inicial destas. O presente trabalho teve por objetivo avaliar o potencial alelopático da espécie exótica Melia azedarach Linnaeus sobre as espécies alvo da Caatinga: Bauhinia cheilantha (Bong.) Steud., Mimosa tenuiflora (Willd.) Poir. e Piptadenia stipulacea (Benth.) Ducke, pertencentes à família Fabaceae. Os efeitos foram avaliados pela germinação das sementes, índice de velocidade de germinação e tamanho da raiz primária, resultado dos bioensaios com os métodos da solução aquosa, sanduiche e plant-box. Para cada espécie alvo foram utilizados raiz, caule e folhas M. azedarach totalizando nove bioensaios. No método da solução aquosa foram utilizados cinco tratamentos com quatro repetições, no método sanduiche foram usados quatro tratamentos e cinco repetições e no método da plant-box foram 36 tratamentos com quatro repetições. Os resultados obtidos foram submetidos a análise de variância (Teste F) e as médias comparadas pelo teste de Tukey a 5% de probabilidade. Pela resposta dos bioensaios com os três métodos empregados, constatou-se que o aumento da concentração das soluções aquosas e material seco de M. azedarach, provocaram inibição na germinação das sementes, diminuição no IVG e comprimento da raiz das espécies alvo, mais pronunciado pelos compostos da raiz da doadora do que pelos compostos do caule e da folha.
  • GEORGE HENRIQUE CAMÊLO GUIMARÃES
  • “Desenvolvimento de filme multifuncionais a partir de fontes de amido e seu impacto na fisiologia e conservação pós-colheita de frutos durante o armazenamento” (Development of multifunctional films from starch sources and their impact on postharvest physiology and conservation of fruits during storage)”
  • Data: 31/08/2018
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • “Desenvolvimento de filme multifuncionais a partir de fontes de amido e seu impacto na fisiologia e conservacao pos-colheita de frutos durante o armazenamento” (Development of multifunctional films from starch sources and their impact on postharvest physiology and conservation of fruits during storage)”
  • LUCIMARA FERREIRA DE FIGUEREDO
  • DESENVOLVIMENTO, PRODUÇÃO E QUALIDADE DE FRUTOS DE MELANCIA SOB ADUBAÇÃO NITROGENADA E ETHEPHON
  • Data: 30/08/2018
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo