PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA (CCA - PPGA)

CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS (CCA)

Telefone/Ramal
3209/8798

Dissertações/Teses


Clique aqui para acessar os arquivos diretamente da Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da UFPB

2021
Descrição
  • KHYSON GOMES ABREU
  • SELETIVIDADE DE EXTRATOS VEGETAIS UTILIZADOS NO CONTROLE DE Spodoptera frugiperda (Smith, 1797) (Lepidoptera: Noctuidae) SOBRE O PREDADOR Marava arachidis (Yersin,1860) (Dermaptera: Labiidae)
  • Orientador : CARLOS HENRIQUE DE BRITO
  • Data: 26/05/2021
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • Entre os insetos-praga com mais importância na cultura do milho, destaca-se a lagarta-do-cartucho Spodoptera frugiperda (Smith, 1797) (Lepidoptera: Noctuidae). O uso de inseticidas químicos é fortemente utilizado em seu controle, com o intuito de minimizar esta alternativa, o uso de plantas com atividades biológicas diversas está sendo utilizado adotado com frequência em virtude de suas atividades bioinseticidas, por serem menos nocivas ao homem e ambiente. Contudo, torna-se necessária a busca por plantas seletivas para a manutenção das populações de insetos predadores em áreas agrícolas. A espécie Marava arachidis (Yersin, 1860) (Dermaptera: Labiidae) possui um comportamento generalista, e por ter hábito alimentar diversificado, demonstra ser um predador de grande potencial a ser utilizado em programas de controle biológico. Sendo assim, considerando-se que o uso de extratos vegetais no controle de insetos-praga vem se tornando uma alternativa aos inseticidas químicos, e o estudo de extratos sobre os controladores naturais não são analisados, o objetivo desta pesquisa é avaliar a seletividade de extratos vegetais alcoólicos e aquosos de diversas plantas com atividade bioinseticida sobre a Marava arachidis (Yersin,1860). A pesquisa foi conduzida no Laboratório de Invertebrados, localizado no Departamento de Biociências do Centro de Ciências Agrárias da Universidade Federal da Paraíba (CCA-UFPB). Para verificar o efeito de contato e ingestão dos extratos vegetais, foram aplicados e ofertados a ninfas e adultos de M. arachidis, sendo utilizados as seguintes plantas: sisal, juazeiro, marmeleiro, capim santo, mastruz, hortelã, arruda, cinamomo, nim e flor de seda, sendo utilizadas na concentração a 10%. Por via tópica e ingestão, os extratos alcoólicos utilizados de sisal, juazeiro, marmeleiro, capim santo, mastruz, hortelã e flor de seda são seletivos, enquanto arruda, cinamomo e nim são altamente tóxicos por contato e levemente nocivos por ingestão. Os extratos aquosos utilizados de sisal, juazeiro, marmeleiro, capim santo, mastruz, hortelã e flor de seda são seletivos pela via de entrada tópica e de ingestão sendo inócuos à Marava arachidis. Arruda, cinamomo e nim são levemente nocivos a esse predador pela via de entrada tópica e por ingestão de ovos tratados de Spodoptera frugiperda.
  • ADRIANO SALVIANO LOPES
  • CRESCIMENTO, FISIOLOGIA E PRODUTIVIDADE DE Raphanus sativus SOB USO E REUSO DE SUBSTRATO FERTILIZADO COM FONTES E DOSES DE NITROGÊNIO
  • Orientador : THIAGO JARDELINO DIAS
  • Data: 26/05/2021
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • Um dos principais problemas que afetam a produção comercial do rabanete é a nutrição mineral inadequada, sendo o nitrogênio um dos nutrientes requeridos em maior quantidade pela cultura, assim, é necessário realizar estudos sobre fontes e doses de nitrogênio para entender o desenvolvimento da cultura sob estas condições, já que para alcançar alta produtividade é necessário que seu estado nutricional esteja adequado. O uso de resíduos com intuito de suprir as necessidades das culturas vem aumentando nos sistemas de produções agrícolas, porém, ainda poucos elucidados. Neste sentido, o presente estudo teve como objetivo avaliar crescimento, fisiologia e produtividade de Raphanus sativus sob uso e reuso de substrato fertilizado com fontes e doses de nitrogênio. Os experimentos foram realizados no Centro de Ciências Humanas, Sociais e Agrárias da Universidade Federal da Paraíba. No primeiro ciclo adotou-se um delineamento experimental em blocos casualizados com esquema fatorial 3 x 5 (3 fontes de nitrogênio – ureia, sulfato de amônio e fosfato monoamônico; e 5 doses de nitrogênio – 0, 15, 30, 45 e 60 kg ha–1) com três blocos compostos por três plantas por bloco, no segundo ciclo experimental foi utilizado o resíduo do substrato fertilizado com as fontes e doses de N do ciclo anterior. As variáveis de crescimento, fisiológicas e produtividade foram avaliadas. Plantas de rabanete sob adubação com a fonte fosfato monoamônico na dose de 30 kg ha–1 é considerada adequada para o cultivo do rabanete. O crescimento de plantas de rabanete foi influenciado positivamente pelas fontes e doses de N. As variáveis fisiológicas tiveram alta relação com o uso das fontes e doses de N. Houve correlação positiva para as variáveis massa fresca e seca da folha, massa seca e fresca da raiz tuberosa, altura de plantas, comprimento da raiz tuberosa, trocas gasosas, índice de clorofila e fluorescência de clorofila de plantas de rabanete (Raphanus sativus L.). A reutilização do substrato fertilizado com sulfato de amônio e fosfato monoamônico é uma boa opção no cultivo do rabanete.
  • MARIANNE COSTA DE AZEVEDO
  • DESENVOLVIMENTO E PRODUTIVIDADE DO MILHO (Zea mays L.) EM RESPOSTA AO USO DE PLANTAS DE COBERTURA MORTA NO BREJO PARAIBANO
  • Orientador : FABIO MIELEZRSKI
  • Data: 07/05/2021
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • Apesar da importância do milho para o estado da Paraíba, o estado apresenta baixa produtividade desse grão, devido fatores ambientais e tecnológicos. O uso das plantas de cobertura podem resultar no aumento da produtividade das culturas devido aos benéficos que esse manejo traz ao solo e a cultura principal. Objetivou-se avaliar os efeitos da utilização de plantas de cobertura nas características agronômicas, nos componentes de rendimento e na produtividade do milho. O experimento realizado na cidade de Areia – PB durante dois anos. Inicialmente foram cultivadas as plantas de cobertura (Crotalária spectabilis; Crotalária juncea; Feijão Guandu (Cajanus cajan) Milheto (Pennisetum glaucum (L.) R. Br.), mais a testemunha) as mesmas foram cortadas quando atingiram o florescimento, e logo após foi realizado o plantio de três genótipos de milho (AG-1051, Robusta e um genótipo crioulo). O experimento foi em parcelas subdivididas com quatro repetições, totalizando 72 parcelas. Foi avaliado a massa verde e seca das plantas de cobertura, o diâmetro de colmo, número de folhas e altura de plantas do milho e os componentes de rendimento e produtividade do milho. O milheto e a C. juncea foram as plantas de cobertura com maior produção de matéria seca. A falta de cobertura morta no solo resulta em plantas de milho com menor diâmetro de colmo e menor produtividade. O milho robusta apresentou menor altura de plantas. As plantas de cobertura não afetaram o diâmetro de espigas, número de fileiras por espiga e o peso de mil grãos do milho. A palhada da C. juncea e C. spectabilis favoreceram o aumento no peso das espigas de milho. A maior produtividade de milho é alcançada quando se cultiva o AG-1051 na palhada da Crotalária juncea.
  • ANA BEATRIZ TORRES MELO DE FREITAS
  • AVALIAÇÃO DE GENÓTIPOS DE CANA-DE-AÇÚCAR ORIUNDOS DE MICROPROPAGAÇÃO NO BREJO PARAIBANO
  • Orientador : FABIO MIELEZRSKI
  • Data: 30/04/2021
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • A demanda da cana-de-açúcar no Brasil é muito alta e uma maior disponibilidade dessa matéria prima se faz necessário. É possível elevar a oferta aumentando os índices de produtividade da cultura. Para tal, um dos principais trunfos é a utilização de genótipos mais adaptados ao ambiente. O objetivo desse trabalho foi avaliar nove genótipos de cana-de-açúcar no Brejo paraibano, analisando o desempenho fisiológico e agronômico. O experimento foi conduzido no município de Areia – PB. O delineamento utilizado foi o de blocos casualizados (DBC) e foram utilizadas nove variedades de cana-de-açúcar oriundas de micropropagação CTC 15, CTC 9004, CTC 9005, RB 015935, RB 965902, RB 975201, RB 975242, RB 935744, RB 867515 em 4 blocos com 9 parcelas de 15 m² cada. Para as análises fisiológicas foi utilizado um analisador de gás infravermelho- IRGA e as variáveis foram taxa de fotossíntese líquida (A), concentração de carbono interno (Ci), condutância estomática (gs), transpiração (E), eficiência instantânea do uso de água (EUA) e eficiência instantânea de carboxilação (EiCi). Para os parâmetros agronômicos foi mensurado altura média de colmos (AC), diâmetro médio de colmos (D), úmero de entrenós (NE), toneladas de cana por hectare (TCH) e sólidos solúveis (SS). Todos os dados foram submetidos à análise de variância e a comparação das médias foi feita pelo teste de Scott-Knott, (p ≤ 0,05) para verificar a significância. A variedade CTC 15 exibiu a melhor média de condutância estomática (gs) e a variedade CTC 9004 apresentou o melhor valor de produtividade (TCH), seguida da variedade RB 975242. Para a variável altura de colmo, as variedades RB 975201, RB 867515 RB 975242 e RB 935744 apresentaram maiores alturas na região do Brejo. Para condutância estomática a variedade CTC 15 apresenta melhor resultado. As variedades CTC 9004, CTC 15, CTC 9005, RB 015935, RB 975942 apresentam boa resposta produtiva no Brejo paraibano para cana planta.
  • JOSÉ MANOEL FERREIRA DE LIMA CRUZ
  • MURCHA DE FUSÁRIO DO CAUPI: CARACTERIZAÇÃO DO PATÓGENO E POTENCIAL DE Trichoderma spp. NO MANEJO
  • Orientador : LUCIANA CORDEIRO DO NASCIMENTO
  • Data: 26/04/2021
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • Fungos do gênero Fusarium spp. são habitantes do solo amplamente distribuídos e que causam doenças em várias culturas economicamente importantes. Dentre essas culturas, destaca-se o o feijão-caupi (Vigna unguiculata L.). Na busca de alternativas para redução do uso de fungicidas sintéticos sobre sementes e grãos, fungos como Trichoderma spp. Que predominam na rizosfera de diferentes espécies vegetais, apresentam potencial de controle para fitopatógenos e auxiliam na promoção do crescimento vegetal. Objetivou-se realizar a caracterização morfológica e patogênica de Fusarium sp., selecionar estirpes de Trichoderma sp. com potencial na solubilização de fosfato, síntese de ácido indol-3-acético e promoção de crescimento, bem como avaliar o antagonismo entre Fusarium sp. x Trichoderma sp.. A pesquisa foi conduzida no Laboratório de Fitopatologia pertencente a Universidade Federal da Paraíba. Foram isoladas 250 estirpes de Trichoderma e Fusarium e selecionados 50 isolados de cada gênero com base suas características morfológicas para realização dos testes propostos. As estirpes de Fusarium sp. foram isoladas de sementes infectadas e de Trichoderma sp. de amostras de solo do Parque Estadual Mata do Pau Ferro, Areia -PB. O isolado mais agressivo do patógeno foi confrontado in vivo e in vitro com dez isolados do antagonista com potencial biocontrolador. Observou-se que os isolados de Fusarium sp. apresentaram uma ampla variabilidade morfológica, principalmente com relação a pigmentação da colônia, índice de velocidade de crescimento micelial e características micromorfológicas. Em relação a caracterização patogênica, 80% foram patogênicos à cultura do feijão-caupi., com hipótese que provavelmente possui mais de uma espécie de Fusarium ocasionando a murcha-de-fusário em feijão-caupi. Os isolados de Trichoderma spp. apresentaram diferenças morfológicas em relação a pigmentação, índice de velocidade de crescimento micelial e produção de conídios, além de diferentes níveis na solubilização de fosfatos e síntese de ácido indol-3-acético, onde apresentaram promoção de crescimento inicial com capacidade de colonizar as raízes de feijão-caupi. Os isolados de Trichoderma spp. testados no controle de Fusarium spp. apresentaram produção de metabólitos voláteis, não voláteis, micoparasitismo e inibição na germinação de conídios, sendo eficientes na redução da incidência e severidade, além de promover incremento nos processos fotossintéticos e na integridade da membrana plasmática vegetal.
  • TAYRON RAYAN SOBRINHO COSTA
  • RESPOSTA FISIOLÓGICA E ÍNDICES DE VEGETAÇÃO FOTOGRAMÉTRICOS DO MILHO CULTIVADO EM SUCESSÃO DE DIFERENTES COBERTURAS VEGETAIS
  • Orientador : FABIO MIELEZRSKI
  • Data: 26/04/2021
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • O milho (Zea mays L.) é uma planta da família Poaceae (gramíneas). E é uma das culturas de maior importância mundial, sendo no Brasil a segunda cultura mais cultivada. Em regiões de baixa renda, o milho representa um fator importante na alimentação humana, tanto pelos seus derivados, como in natura. Em muitas situações, este grão constitui a ração diária da base alimentícia. Para minimizar o efeito da seca, a adoção de plantas de cobertura, pode trazer benefícios como redução de plantas espontâneas e melhoria da fertilidade do solo. Buscando ter um melhor controle e eficiência do cultivo nas regiões semiáridas brasileiras, o uso de avaliações como parâmetros fisiológicos e dados provenientes de sensoriamento remoto em conjunto com sistemas de informações geográficas (SIG) estão sendo amplamente usados. O presente trabalho têm por objetivo verificar a resposta dos genótipos de milho em plantio direto comas espécies de cobertura vegetal segundo os parâmetros avaliados. A pesquisa foi realizada na Fazenda Experimental Chã-de-Jardim, pertencente ao Centro de Ciências Agrárias da Universidade Federal da Paraíba, no município de Areia-PB, nos anos agrícolas de 2018/2019 e 2019/2020. O delineamento utilizado foi de blocos casualizados (DBC), com quatro repetições, no esquema de parcelas subdividas 3x6, sendo 3 [(Cultivar Robusto, pontinha e AG 1051) x 6 (5 plantas de cobertura – (Brachiaria ruziziensis, Milheto (Pennisetum glaucum (L.)), Feijão Guandu (Cajanus cajan), Crotalária espectabilis e Crotalária juncea mais a testemunha)], totalizando 18 tratamentos, em uma área experimental de 972 m2. Foram avaliados parâmetros fisiológicos como taxa de fotossíntese, concentração interna de CO2, transpiração, condutância estomática, eficiência instantânea no uso da água e a eficiência instantânea de carboxilação, e indices vegetais como Visible Atmospherically Resistant Index, Redness Index, Normalized green-Red Difference Index, Ground Level Image Analysis, Excess Red-Green, Excess Red Vegetative Index, Excess Green Index e o Color Index of Vegetation Extraction. Nas condições deste estudo, a cultivar Robusta apresentou melhores resultados para Taxa de fotossíntese, transpiração, condutância estomática, eficiência instantânea no uso da água e a eficiência instantânea de carboxilação, já as plantas de cobertura não apresentaram diferença estatística para a maioria das variáveis fisiológicas estudadas. Para observar diferenças entre os genótipos, é indicado o uso do índice Excess Red Vegetative Index. Já Para observar diferenças do efeito das plantas de cobertura no milho, indica-se o Normalized green-Red Difference Index para essa finalidade.
  • JOYCE NAIARA DA SILVA
  • CARACTERÍZAÇÃO FÍSICA, FISIOLÓGICA E DIVERSIDADE GENÉTICA DE FRUTOS E SEMENTES DE Hymenaea sp.
  • Orientador : EDNA URSULINO ALVES
  • Data: 17/03/2021
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • O aumento na demanda de mudas de espécies florestais para arborização urbana, recuperação de áreas degradadas e sistemas agroflorestais tem exigido conhecimentos da variabilidade genética, qualidade física e fisiológica das sementes de diferentes plantas matrizes, visto que sementes mais vigorosas originarão mudas de melhor qualidade. Diante disso, neste trabalho objetivou-se avaliar a variabilidade genética, as características físicas de frutos e sementes, bem como a qualidade fisiológica de sementes de diferentes plantas matrizes de Hymenaea sp. A pesquisa foi desenvolvida no Laboratório de Análise de Sementes do Departamento de Fitotecnia e Ciências Ambientais, do Centro de Ciências Agrárias, da Universidade Federal da Paraíba. Na pesquisa foram utilizadas 53 plantas matrizes, localizadas na cidade de Areia-PB, cujas análises físicas foram: comprimento, largura, espessura e peso dos frutos e das sementes, bem como o número de sementes por frutos. As avaliações fisiológicas foram: primeira contagem de emergência, porcentagem de emergência, índice de velocidade e tempo médio de emergência, porcentagem de plântulas anormais, comprimento e massa seca da parte aérea e do sistema radicular. Os dados biométricos foram analisados por meio de estatísticas univariadas, que compreenderam medidas de posição (valores mínimos e máximos, e média) e de dispersão (coeficientes de variação, de assimetria e de curtose), enquanto para a qualidade fisiológica o delineamento experimental utilizado foi o inteiramente ao acaso. O comprimento, largura, espessura e peso dos frutos variaram de 55,20 a 158,13 mm, 32,86 a 74,73 mm, 24,88 a 67,84 mm e 24,03 a 149,64 g, respectivamente. O número de sementes por fruto foi de 1 a 11, enquanto para as sementes a variação foi de 17,67 a 34,60 mm, 12,0 a 28,40 mm, 4,0 a 25,84 mm e 2,19 a 7,26 g para o comprimento, largura, espessura e peso, respectivamente. As maiores porcentagens e índice de velocidade de emergência foram verificados em sementes das plantas matrizes 6, 20, 117, 157, 164 e 171. Para o comprimento de parte aérea, as sementes das plantas matrizes 8, 86, 88, 117 e 152 produziram plântulas com maior comprimento, enquanto para o comprimento de raiz, as plântulas originadas de sementes das plantas matrizes 10, 11, 14, 21, 22, 24, 26, 30, 32, 54, 73, 74, 152 e 157 alcançaram maiores resultados. No que se refere a massa seca de parte aérea verificou-se que as sementes das plantas matrizes 8, 17, 88, 114, 115 e 152 tiveram melhor desenvolvimento. Em relação a variável massa seca de raízes, as plantas matrizes 1, 10, 12, 13, 15, 17, 21, 32, 73, 82, 114, 118 e 164 originaram plântulas com os maiores valores. Na população natural dos indivíduos de Hymenaea sp., do município de Areia-PB há divergência em relação às características fenotípicas de frutos e sementes, com destaque para o peso do fruto e número de sementes por fruto. Na qualidade fisiológica das sementes das diferentes plantas matrizes de Hymenaea sp. há diferenças, sendo as matrizes 6, 88 e 152 com sementes de melhor qualidade; ainda destaca-se que nas sementes da planta matriz 9 constatou-se viviparidade..
  • JOSÉ LOURIVALDO DA SILVA
  • Evolução cariotípica e composição da heterocromatina em espécies da subtribo Pleurothallidinae Lindl. (Orchidaceae A.Juss.).
  • Orientador : LEONARDO PESSOA FELIX
  • Data: 15/03/2021
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • A subtribo Pleurothallidinae pertence à família Orchidaceae, agrupando 5.114 espécies e 44 gêneros e é um grupo monofilético, sendo distribuídas principalmente pelas regiões neotropicais. Neste trabalho buscamos estudar a evolução cariotípica, quantidade e distribuição das bandas heterocromáticas das espécies da subtribo Pleurothallidinae. Portanto, foram analisadas através da técnica de coloração CMA/DAPI, nove gêneros e 23 espécies da subtribo Pleurothallidinae, com o intuito de ampliar a quantidade de gêneros e espécies da subtribo analisadas com essa técnica. Com isso, buscamos responder as seguintes perguntas: 1) A variação de números cromossômicos e padrões de banda CMA/DAPI em Pleurothallidinae suporta a segregação de gêneros recentemente propostos com base em filogenia molecular? 2) A quantidade e distribuição de bandas CMA/DAPI é uniforme nesses gêneros? 3) Stelis e gêneros relacionados podem realmente ser caracterizados pela ausência ou quantidades muito pequenas de heterocromatina? Com isso esperamos contribuir para o melhor entendimento da filogenia de Pleurothallidinae e identificar os mecanismos envolvidos na evolução cariotípica da subtribo. A subtribo Pleurothallidinae possui uma grande diversidade de números cromossômicos e de padrões de bandas CMA/DAPI potencialmente utilizáveis na delimitação de táxons proximamente relacionados. Além disso, o compartilhamento de características cariotípicas similares como número cromossômico e padrão de bandas, pode constituir uma ferramenta auxiliar no suporte de hipóteses de filogenia. Os números cromossômicos das espécies da subtribo Pleurothallidinae analisadas neste trabalho variaram de 2n = 18 em uma espécie em Pleurothallis a 2n = 44 em Acianthera. Gêneros como Acianthera e Specklinia, por exemplo, foram caracterizados por apresentar números básicos primários x = 20 e x = 10, respectivamente. Para Stelis, o número básico x = 16 é o seu mais provável número básico primário. O gênero Stelis incialmente parecia ser caracterizado por apresentar pouca ou nenhuma heterocromatina detectável pela técnica de bandeamento com os fluorocromos CMA e DAPI, porém, ele mostrou-se mais variável em termos de quantidade, composição e número de bandas heterocromáticas utilizáveis na delimitação taxonômica de espécies relacionadas.
  • FÁBIO RODRIGO ARAUJO PEREIRA
  • BIOMETRIA DE FRUTOS E CARACTERIZAÇÃO FISIOLÓGICA DE MUDAS DE UMBUZEIROS (Spondia tuberosa Arruda Câmara) IRRIGADAS COM ÁGUA SALINA
  • Data: 26/02/2021
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • Spondias tuberosa Arruda Camara é uma espécie de valor socioeconômico para o Nordeste brasileiro, sendo importante para indústria de alimentos e para consumo in natura. Objetivou-se realizar a biometria de frutos umbus de quatro municípios paraibanos e avaliar a resposta fisiológica das mudas formadas a partir desses frutos sob estresse salino. A pesquisa foi realizada entre março e maio/2020 para caracterização biométrica e de junho/2020 a janeiro/2021 para caracterização fisiológica das mudas. Na biometria do fruto, estudou-se a massa total; comprimento; diâmetro; matéria fresca, rendimento e presença de pelos, enquanto que para o endocarpo, avaliou-se peso; comprimento, diâmetro e largura. Para o estresse salino das mudas de umbuzeiros, avaliou-se a concentração interna de CO2(Ci), taxa transpiratória (E), assimilação líquida de CO2(A), eficiência instantânea de carboxilação (ACi) e a inflorescência da clorofila. Adotou-se o DIC e DBC respectivamente nos estudos e os dados foram submetidos à ANOVA e análise de componentes principais, com emprego do software R. Frutos de Queimadas e São Vicente do Seridó apresentaram melhores caracteres morfológicos quanto a massa total, comprimento, diâmetro, matéria fresca e rendimento do fruto, sendo aqueles que apresentaram biometria mais adequadas às características de comercialização, especialmente quando se refere à agroindústria. Frutos provenientes de Boqueirão apresentaram maior peso de endocarpo. A maioria dos frutos avaliados apresentou pelos em suas cascas, o que pode ser uma característica indesejável para consumo in natura por pessoas alérgicas. Com os componentes principais, obteve-se que os frutos de Queimadas foram os que apresentam maior tamanho, enquanto os frutos de São Vicente de Seridó apresentaram maior rendimento. Na avaliação da fisiologia das mudas sob estresse salino, observou-se fenotipicamente como características primárias, amarelecimento, murcha e queda de folhas, em resposta à toxicidade ocasionadas pela solução salina, já no início dos tratamentos. Aos 10 dias de tratamento salino, cerca de 3% de cada muda submetida à 50,100 e 150mM de cloreto de sódio, tiveram perda de suas folhas e 10% para aquelas submetidas à 200mM de Nacl. Com a ANOVA, encontrou-se efeito significativo dos níveis de salinidade, a 1% de probabilidade, sobre a concentração interna de CO2, transpiração e fotossíntese, aos 30 e 45 dias. O valor de Ci tendeu a diminuir à medida que se ampliou a exposição das plantas às maiores soluções salinas, com maior redução do CO2 nas mudas com 100mM de NaCl. Nas plantas com 200mM, o valor de Ci foi maior, porém foi a concentração que ocasionou maior queda total de folhas e mortalidade das mudas. A transpiração foi afetada pela elevação da salinidade no decorrer de imposição do estresse, com decréscimos significativos. O efeito linear decrescente do NaCl foi obtido mais acentuadamente para 100mM de NaCl, onde os valores de E variaram entre 1,12 mmol m2s-1 e 0,79 mmol m2s-1 aos 30 e 45 dias sob estresse salino, respectivamente, com decréscimo de 13,1% em 15 dias. Em relação a taxa de assimilação de CO2 (A) observou-se maior redução linear nas plantas submetidas à 200mM de cloreto de sódio com redução de 0,71µ mol CO2 m2s-1 entre a primeira e segunda avaliação. Mudas submetidas a 150mM de NaCl, foram as que apresentaram maior resistência fisiológica, tendo o valor de A, elevado de 1,18 para 1,51 µ mol CO2 m2s-1. A diminuição da fotossíntese, encontrada no geral, pode estar associadas às estratégias que as plantas desencadeiam como respostas às condições de estresse.
  • ROSEMERE DOS SANTOS SILVA
  • SATÉLITE ,CROMOSSOMO B OU DISPLOIDIA ASCENDENTE? ANÁLISE CARIOTÍPICA EM CRATEVA TAPIA L. (Capparideae ,Capparaceae)"
  • Orientador : EDNA URSULINO ALVES
  • Data: 26/02/2021
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • A espécie Crateva tapia L., conhecida como trapiá é uma frutífera com ocorrência em diversas formações florestais, a qual tem potencial medicinal e paisagístico, recomendada para recuperação de áreas degradadas e na alimentação de animais. Diante do exposto, objetivou-se estudar a variabilidade física, qualidade fisiológica, morfobiometria de frutos, sementes, plântulas e plantas jovens e a caracterização cariotípica da espécie C. tapia. Os experimentos foram realizados nos Laboratórios de Análise de Sementes e de Citogenética Vegetal pertencentes ao Centro de Ciências Agrárias da Universidade Federal da Paraíba. Desse modo, no experimento I, frutos de oito árvores matrizes foram avaliadas quanto ao tamanho, largura, massa e número de sementes por fruto também foi avaliado o comprimento, diâmetro e espessura de sementes oriundas de quinze árvores matrizes. A qualidade fisiológica por meio das variáveis de germinação e vigor foi determinada a partir de 100 sementes de cada uma das quinze árvores matrizes, tanto em ambiente controlado como em campo. No experimento II, 100 frutos oriundos de oito árvores matrizes foram mensurados quanto ao comprimento, largura, massa e número de sementes por fruto e 100 sementes desse lote foi avaliado quando ao tamanho e massa fresca. A descrição morfológica dos frutos foi através de observações sobre os aspectos externos e internos do pericarpo, consistência da casca, coloração, brilho, forma e deiscência, enquanto na morfologia das sementes foram observadas a consistência, coloração, textura, forma, hilo e embrião. A curva de absorção de água das sementes também foi avaliada por 216 horas em diferentes temperaturas, concomitante a esse teste foi realizado o teste de germinação nas mesmas condições, de onde partiu as observações e registros da protusão da raiz primária até a aparição do primeiro par de protófilo e a planta jovem foi acompanhada da emergência até o terceiro par de eófilo e senescência dos cotilédones. No experimento III foi analisada a existência de variações cariotípicas intraespecíficas em diferentes populações de C. tapia a partir do número cromossômico e a distribuição de bandas heterocromáticas usando dupla coloração com CMA/DAPI. Além disso, foram analisadas células meióticas para identificação de cromossomos Bs e hibridização in situ fluorescente para determinar a distribuição de sítios de DNAr e confirmar a ocorrência de satélites ou rearranjos estruturais. Os dados quantitativos foram submetidos a análise descritiva e de variância pelo teste F. Entre os frutos e sementes constatou-se variabilidade nas características biométricas e fisiológicas, cujos frutos e sementes tem variação de tamanho e massa fresca. As sementes são reniformes, com aspecto imbricado, tegumento rígido, coloração marrom e hilo bem desenvolvido e o embrião é cotiledonar e de morfologia incompleta. A absorção de água segue o padrão trifásico, com a protusão da raiz ocorrendo no quarto dia, germinação epígea-fanerocotiledonar, a plântula tem hipocótilo e cotilédones herbáceos, folha composta trifoliolada, a planta jovem tem caule lenhoso, eófilos alternos e houve o desenvolvimento de muitas anormalidades durante o teste, cuja temperatura ideal foi a de 30 °C. No estudo da citogenética observou-se indivíduos com variação no padrão de heterocromatina composto por bandas CMA+/DAPI– localizadas na região terminal ou proximal. Análises de células meióticas não demostraram irregularidades na meiose, sendo observada à ocorrência de 13 cromossomos bivalentes. Na distribuição de DNAr dverificou-se a ocorrência de dois sítios 5S na região proximal e dois sítios 35S na região subterminal, sem evidências de rearranjos estruturais.
  • THIAGO PEREIRA DE SOUSA
  • ESTRUTURA DO COMPONENTE ARBUSTIVO-ARBÓREO ADULTO E REGENERANTE COMO INDICADORES DE RESILIÊNCIA EM DIFERENTES ESTRATOS NO PARQUE NACIONAL DA FURNA FEIA
  • Orientador : MANOEL BANDEIRA DE ALBUQUERQUE
  • Data: 26/02/2021
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • O processo histórico de ocupação de terras no Nordeste brasileiro e o modelo extrativista predatório nas áreas de Caatinga, tem trazido consequências drásticas para os recursos naturais renováveis, onde o conhecimento da composição florística e estrutura fitossociológica das espécies têm contribuído para a conservação, recuperação e manejo dos ecossistemas; à medida que os estudos foram avançando, sentiu-se a necessidade de se entender os processos de regeneração das espécies nos ecossistemas, através da avaliação do banco de sementes nas diferentes situações, é possível identificar casos em que, por exemplo, apenas o isolamento dos fatores de degradação garantiria a regeneração florestal. O trabalho foi desenvolvido no Parque Nacional da Furna Feia, em três estratos classificados em função do histórico uso, sendo: (A1) perturbado, (A2) conservado, e (A3) preservado. Foram distribuídas aleatoriamente oito unidades amostrais em cada estrato, geolocalizadas com receptor de GPS e demarcadas com fita métrica, compostas por parcelas fixas de 20,0 m x 20,0 m; sendo amostrados e etiquetados todos os indivíduos arbustivos/arbóreos vivos com (CAP) ≥ 0,6 m a 1,3 m do solo, a intensidade amostral foi definida pela variância da população infinita, com amostra piloto de oito parcelas. Na amostragem da regeneração natural foi implantada uma sub-parcela em uma das extremidades de cada parcela, com 1,0 x 20,0 m (20m²), sendo amostrados todos os indivíduos arbustivo/arbóreos com altura ≥ 0,5 m, agrupados por classes de altura, em que: C1 = altura (H) ≥ 0,5 até 1,5m; C2 = altura (H) >1,5 até 2,5m; C3 = altura (H) >2,5m. A suficiência foi obtida na 6ª parcela, aos 2.180m². No estrato A1 foram amostrados 679 indivíduos de 28 espécies e 14 famílias botânicas, no estrato A2, 541 indivíduos de 22 espécies e 14 famílias botânicas, e no estrato A3, 856 indivíduos, de 21 espécies e 11 famílias botânicas. Em todos os estratos, a família Fabaceae foi a mais rica em número de espécies, seguida da Euphorbiaceae e Solanaceae. Mesmo com perturbação antrópica, o estrato A1 apresentou maior número de espécies em relação aos estratos A2 e A3, o que denota uma resiliência capaz de promover sua auto regeneração natural. Entretanto, o compartilhamento de espécies do estrato A1 com os demais foi inferior a 50%, comportamento que reflete claramente a perturbação antrópica como fator determinante na variabilidade florística. A suficiência amostral da regeneração natural com resposta em platô para os três estratos avaliados se estabilizou na 16ª parcela, com interseção da parte linear e o plateau aos 320m², sugerindo que a amostra é suficiente para representar a fitodiversidade da área. No estrato A1, foram amostrados um total de 70 indivíduos, distribuídos em 12 espécies e 7 famílias botânicas, já no estrato A2, foi amostrado um total de 62 indivíduos, distribuídos em 14 espécies e 10 famílias botânicas. No estrato A3, foi observado o maior número de indivíduos regenerantes, com um total de 101 indivíduos, distribuídos em 14 espécies e 9 famílias botânicas. Em geral, verifica-se que a maioria das espécies do componente adulto não conseguem se estabelecer componente regenerante, comprometendo o desenvolvimento da vegetação como um todo, onde das 28 espécies amostradas no componente adulto apenas Mimosa arenosa, Piptadenia stipulacea, Croton blanchetianus e Bauhinia cheilantha apresentaram intenso recrutamento, provavelmente por suas características ecológicas adaptativas, melhor se ajustando as condições do meio e assim se estabelecendo-se. As famílias Fabaceae e Euphorbiaceae possuem maior representatividade de espécies regenerantes, apresentando adaptação e sobrevivência as variações edafoclimáticas da região, com potencial de sucesso no estabelecimento local e atingirem a fase adulta. Os três estratos apresentam baixa riqueza de espécies regenerantes, entre as quais houve um destaque muito significativo de Mimosa arenosa com melhor estabelecimento nas três classes de altura, em todos os parâmetros avaliados, sendo está comumente encontrada em áreas naturais regenerativas, favorecendo o desenvolvimento de outras espécies.
  • GIVALDO FARIAS DO NASCIMENTO JUNIOR
  • USO DE OLEOS ESSENCIAIS NO CONTROLE DE Sitophilus zeamais (COLEOPTERA: CURCULIONIDAE)
  • Orientador : GLEIDYANE NOVAIS LOPES MIELEZRSKI
  • Data: 25/02/2021
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • O milho é uma das principais culturas no Mundo e no Brasil. Durante o armazenamento, o milho é atacado por diversas pragas sendo a principal o gorgulho-do-milho [Sitophilus zeamais L] podendo gerar perdas de 15%. O gorgulho-do-milho é um besouro pequeno pertencente à ordem Coleoptera que ataca grãos, farinhas e farelos. Esse inseto perfura o milho para se alimentar e colocar seus ovos. Ele consegue sobreviver em condições adversas como temperaturas elevadas, baixa umidade e alta pressão. Essas condições são encontradas nas massas de grãos armazenadas. Além disso, o gorgulho possui um alto potencial biótico o que dificulta o controle dessa praga. O método mais eficiente para controlar o gorgulho-do-milho é a fumigação. Na fumigação são utilizados produtos químicos altamente tóxicos e inflamáveis o que confere riscos de contaminação e explosão a quem estiver realizando a fumigação. Por esses motivos várias pesquisas vêm sendo realizadas com o objetivo de encontrar métodos alternativos para o controle do gorgulho-do-milho. No presente trabalho foi avaliada a ação de óleos vegetais de alho, cravo, eucalipto, gengibre, gergelim e limoneno, nas concentrações de 1%, 2%, 3% e 4% como alternativa para o controle do gorgulho-do-milho. Foram avaliadas a mortalidade e a emergência do gorgulho do milho, onde os tratamentos com óleos de eucalipto e limoneno não demonstraram eficiência, entretanto, os tratamentos com óleos de gengibre e gergelim foram os mais eficientes impedindo a emergência. Quando se avalia a mortalidade, os tratamentos com gergelim e alho foram os mais eficientes. Portanto, os óleos de eucalipto e limoneno não provocam mortalidade satisfatória como também não interferem na emergência de novos adultos de S. zeamais, o óleo de alho tem potencial inseticida provocando mortalidade de S. zeamais,os óleos de cravo, gengibre e gergelim possuem potencial para controlar S. zeamais provocando sua mortalidade e diminuindo sua emergência.
  • MARIA SILVANA NUNES
  • MANEJO PÓS-COLHEITA DA ANTRACNOSE EM MANGA ‘TOMMY ATKINS’
  • Orientador : LUCIANA CORDEIRO DO NASCIMENTO
  • Data: 19/02/2021
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • O maior desafio da fruticultura, na atualidade, é o resíduo deixado pela utilização de grandes quantidades de agrotóxicos, comprometendo a saúde humana, animal e do meio ambiente. Assim, o alimento orgânico vem ganhando cada vez mais valorização por parte dos consumidores, por ser produzido em um modelo de agricultura mais seguro e sustentável. O objetivo do trabalho foi avaliar a influência de indutores de resistência no manejo pós-colheita da antracnose e as alterações físico-químicas e enzimáticas provocadas em mangas ‘Tommy Atkins’ produzidas em sistema de cultivo convencional e em período de conversão para o sistema orgânico. Os experimentos foram conduzidos no Laboratório de Fitopatologia, da Universidade Federal da Paraíba. Os tratamentos utilizados foram: T1- Agro-Mos®, T2- Bion 500 WG®, T3- Caulim, T4- Ecolife®, T5- Eco-Shot®, T6- Pró-Agrim®, T7- Rocksil®, T8- Controle e T9- Fungicida Tiabendazol. Foi avaliada a severidade da antracnose, observando-se a infecção natural utilizando uma escala de notas. As análises de firmeza, pH, vitamina C, Sólidos solúveis, acidez titulável e relação SS/AT foram realizadas ao 3º, 6º, 9º e 12º dia de armazenamento e a avaliação da perda de massa fresca foi determinada diariamente. A atividade enzimática da Peroxidase, Polifenoloxidase e Fenilalanina amônia-liase foi determinada pela maceração da casca dos frutos para formação do extrato, com posterior centrifugação a 12.000 rpm durante 15 minutos a -4ºC. O experimento foi conduzido em DIC em esquema de parcela subdividida. Os dados foram submetidos à análise de variância, as médias foram comparadas pelo teste de Scott-Knott (p ≤ 0,05) entre tratamentos e submetidas à análise de regressão entre os períodos de armazenamento. Os resultados da avaliação da severidade em mangas convencionais mostraram que a utilização de Caulim e Rocksil® proporcionaram uma redução de 8,1% e 11,3% da severidade determinada em mangas do tratamento Controle e a aplicação de Caulim, Eco-shot® e Rocksil® foram os tratamentos com potencial elicitor na atividade enzimática dos frutos. Para mangas em período de conversão, todos os tratamentos foram eficientes na redução severidade de antracnose. Não foi identificada ação elicitora sob a enzima PPO e o tratamento com Rocksil® foi o mais eficiente no estimulo da atividade enzimática da PAL. As características físico-químicas não foram comprometidas com aplicação dos tratamentos elicitores testados neste estudo em mangas oriundas dos sistemas de cultivo convencional e em período de conversão para o sistema orgânico.
  • ANA PAULA PEREIRA DO NASCIMENTO
  • LÂMINAS DE IRRIGAÇÃO, POLÍMERO HIDRORETENTOR E VOLUME DE COVA NO CULTIVO DO MARACUJAZEIRO AMARELO
  • Data: 19/02/2021
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • O trabalho foi conduzido no município de Remígio, Paraíba, Brasil. O Solo da área experimental foi classificado como Neossolo Regolítico, distrófico, não salino, O objetivo do trabalho foi avaliar, o feito do hidrogel em dois, tipos de cova submetida a duas lâminas de irrigação no desenvolvimento do maracujazeiro amarelo de maracujazeiro amarelo (Passiflora edulis Sims), da espécie Gigante Amarelo – BRS GA1, O ensaio foi conduzido no delineamento de blocos casualizados em parcelas subdivididas, usando o esquema fatorial 2 × 2 × 2, relativo às lâminas de irrigação de 70 % e 100% da exigência evapotranspirativa da cultura (ETc), covas com volume de 64 e 128 dm3 , no solo sem (0,0) e com 1,5 g dm-3 de polímero hidrorretentor . As parcelas corresponderam as lâminas de irrigação e as subparcelas às combinações entre o volume das covas e ao polímero hidrorrententor. Os resultados referentes a fertilidade e ao crescimento das plantas no campo encontram-se no capitulo I (Lâminas de irrigação, polímero hidroretentor e volume de cova na fertilidade do solo e crescimento do maracujazeiro amarelo (Passiflora edulis L.), pg. (17 a 82); os aspectos da fisiologia das plantas estão dispostos no capítulo II intitulado(lâminas de irrigação, polímero hidroretentor e volume de cova na clorofila, trocas gasosas e produtividade do maracujazeiro amarelo), pg. (83 a 113).
2020
Descrição
  • ERIFRANKLIN NASCIMENTO SANTOS
  • FENOLOGIA DE Tabebuia caraiba (Mart.) Bureau, CARACTERIZAÇÃO MORFOFISIOLÓGICA E CONSERVAÇÃO DE SUAS SEMENTES
  • Orientador : RISELANE DE LUCENA ALCANTARA BRUNO
  • Data: 22/12/2020
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • A Tabebuia caraiba (Mart.) Bureau é uma espécie vegetal pertencente à família botânica Bignoniaceae e de ocorrência em diversos ecossistemas da Caatinga, Cerrado e Pantanal. Por possuir elevada capacidade de adaptação a ambientes diversos, a T. caraiba tem se mostrado apropriada para recuperação de áreas degradadas e ainda com prospecção para uso na indústria farmacológica. Assim, estudos que abordem a fisiologia destas plantas relacionando seu ciclo reprodutivo às condições ambientais locais, bem como a formação de suas sementes, aliada ao conhecimento do armazenamento das mesmas e ainda a diversidade genética existente na população de plantas contribui sobremaneira para garantir a conservação da espécie e potencializar os diversos usos de forma sustentável, sobretudo, em ambiente de Caatinga. Dessa forma, objetivou-se com este trabalho desenvolver estudos na área da ecofisiologia de T. caraiba, a partir da avaliação da fenologia relacionada a pulsos e interpulsos de precipitação, e ainda contribuir na área de tecnologia de produção de sementes de espécies nativas, com abordagem na formação e armazenamento de suas sementes envolvendo a caracterização das mudanças físicas, fisiológicas e bioquímicas durante esses processos. Além disso, o estudo buscou avaliar a divergência genética existente entre diferentes matrizes de T. caraiba por meio da avaliação de descritores morfo-fisiológicos de sementes. Para o alcance dos objetivos o trabalho foi desenvolvido em campo e em condições de laboratório. Em campo, os estudos ocorreram nas cidades de São João do Cariri e Sumé, ambas no estado da Paraíba, Brasil, com 30 matrizes de T. caraiba em cada, caracterizando as populações avaliadas. Na avaliação da fenologia, cada matriz foi avaliada quinzenalmente, entre janeiro de 2018 a dezembro de 2019, quanto a presença e ausência das fenofases brotação, floração, frutificação e senescência foliar, de acordo com o índice de atividade e sua intensidade em cada população de matrizes, sendo esses resultados relacionados à distribuição dos pulsos de precipitação nas áreas. Dessa forma, verificou-se para as condições do Cariri paraibano que a T. caraiba possui ciclo reprodutivo anual, concentrando brotação, floração e frutificação nos meses de novembro e dezembro, na estação seca. Dentre as fenofases observadas em T. caraiba, a menor sazonalidade foi observada para a senescência, com ocorrência em diversos meses independente do ano. A precipitação pluvial é correlacionada de forma significativa com as fenofases avaliadas, com maior correlação negativa para a senescência. No tocante à formação e maturação das sementes, em cada população de plantas, frutos foram colhidos semanalmente, dos 14 aos 49 dias após a antese, sendo classificados quanto a cor. Em condições de laboratório, as sementes foram retiradas dos frutos e o teor de água, germinação, vigor, composição química e atividade das enzimas superóxido dismutase, catalase e peroxidase das sementes foram determinadas. Assim verificou-se que a maturidade fisiológica de sementes de T. caraiba ocorre aos 42 dias após a antese, quando o fruto apresenta coloração verde-acinzentada e início de abertura da fenda. O aumento na concentração de proteínas, lipídios, amido e açúcares redutores ocorreu até a fase final da maturação destas sementes. A redução na atividade das enzimas superóxido dismutase e catalase pode ser um indicador para a determinação da maturidade de sementes de T. caraiba. A redução de 60% na atividade enzimática da superóxido dismutase e de 75% da catalase, em média, serve como indicador para a determinação da maturidade das sementes desta espécie. A partir desse resultado, colheitas de frutos aos 35, 42 e 49 dias após a antese foram realizadas. Após o beneficiamento, com base em cada estádio de maturação e em cada cidade, as sementes foram acondicionadas em embalagens de sacos de papel Kraft e armazenadas em geladeira (6 ± 2 ° C) durante 360 dias. No início do armazenamento e a cada 90 dias, amostras de sementes foram retiradas, determinado o teor de água, e avaliados quanto a germinação, vigor e atividade das enzimas superóxido dismutase, catalase e peroxidase. As sementes de T.caraiba obtidas de frutos colhidos aos 35, 42 e 49 dias após a antese, permanecem com elevada viabilidade aos 360 dias de armazenamento, mantendo as sementes oriundas de frutos colhidos aos 42 dias após a antese com elevado vigor. A atividade das enzimas superóxido dismutase e catalase não está vinculada ao processo de deterioração das sementes de T. caraiba em condições de armazenamento. Para estudar a variabilidade genética entre e dentro das populações, frutos de 20 matrizes foram coletados aos 42 dias após a antese, e após o beneficiamento, suas sementes foram analisadas quanto a características físicas e fisiológicas. As estimativas de herdabilidade, variância genética, e a relação entre os coeficientes de variação genética e ambiental foram calculados; também foi realizada a análise de componentes principais e a quantificação da divergência genética obtida pelo algoritmo de Gower. Com base nos resultados, há variabilidade entre esses indivíduos quanto às características físicas e fisiológicas de sementes e estas encontram-se sob baixa influência ambiental. As características de germinação e vigor são de grande relevância para o estudo da tecnologia de sementes, indicando as matrizes SJC P03, SJC P04, SJC P11, SJC P16, SJC P17, SJC P18, SJC P19, SJC P20, Sumé P01, Sume P04, Sume P08, Sume P11 e Sume P18 como genótipos superiores, demonstrando qualidade nas sementes produzidas. A população de São João do Cariri possui maior número de matrizes de T. caraiba geradoras de sementes vigorosas.
  • ROSINALDO DE SOUSA FERREIRA
  • Lâminas de irrigação e silício na produção de melancieira cv. Crimson Sweet na Mesorregião do Sertão Paraibano
  • Orientador : REJANE MARIA NUNES MENDONCA
  • Data: 15/12/2020
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • A melancia é cultura exigente em água tanto no seu crescimento vegetativo quanto no estágio de produção. Neste sentido, objetivou-se com este trabalho avaliar diferentes lâminas de irrigação e doses de silício no crescimento e produção de melancieira cv. Crimson Sweet, em dois ciclos. O experimento foi realizado em dois períodos onde o primeiro ocorreu de 06 de novembro de 2017 a 08 de janeiro de 2018, e o segundo de 30 de julho a 03 de outubro de 2018, em condições de campo no Centro de Ciências Humanas e Agrárias da Universidade Estadual da Paraíba, Campus IV, localizado no município de Catolé do Rocha-PB. O delineamento experimental foi disposto em blocos ao acaso, com parcelas subdivididas em esquema fatorial 4 x 4, referente a quatro laminas de irrigação na parcela principal calculadas com base na evapotranspiração de referência (ETo) como sendo: T1- 40% da ETo; T2- 60% da ETo; T3- 80% da ETo; e T4 – 100% da ETo, e na subparcela quatro doses de silício: 0, 40, 80 e 120 g h-1, com 4 repetições. Cada parcela experimental foi composta por 3 fileiras com 48 plantas, sendo consideradas como úteis as oito plantas centrais. Durante 20 dias após o transplantio, todas as plantas receberam o nível de irrigação de 60% da (ET0). Após este período quando as plantas já se encontravam estabelecidas em campo realizou o desbaste deixando apenas uma planta por cova. Nesse momento, foram iniciados os tratamentos com as diferentes lâminas de irrigação e aplicação do silício, sendo esta última compreendida em duas aplicações foliares. As variáveis analisadas foram, comprimento de ramo principal, número de ramos secundários, número de folhas, número de flores; diâmetro do caule, massa seca da parte aérea, massa seca da raiz, produção total de frutos, número de frutos, massa média de frutos e produção total de frutos. O acréscimo das lâminas de irrigação proporcionou resultado significativos para desenvolvimento e produção da melancia nos dois ciclos. As elevadas doses de silício promoveram feitos na produção total, massa media do fruto, massa seca da parte aérea, para o primeiro e segundo ciclo, massa seca da raiz, número folhas no primeiro ciclo, número de flores e ramos no segundo ciclo, massa media do fruto, e número de frutos decresceram nos dois ciclos.
  • ROSINALDO DE SOUSA FERREIRA
  • Lâminas de irrigação e silício na produção de melancieira cv. Crimson Sweet na Mesorregião do Sertão Paraibano
  • Orientador : REJANE MARIA NUNES MENDONCA
  • Data: 15/12/2020
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • A melancia é cultura exigente em água tanto no seu crescimento vegetativo quanto no estágio de produção. Neste sentido, objetivou-se com este trabalho avaliar diferentes lâminas de irrigação e doses de silício no crescimento e produção de melancieira cv. Crimson Sweet, em dois ciclos. O experimento foi realizado em dois períodos onde o primeiro ocorreu de 06 de novembro de 2017 a 08 de janeiro de 2018, e o segundo de 30 de julho a 03 de outubro de 2018, em condições de campo no Centro de Ciências Humanas e Agrárias da Universidade Estadual da Paraíba, Campus IV, localizado no município de Catolé do Rocha-PB. O delineamento experimental foi disposto em blocos ao acaso, com parcelas subdivididas em esquema fatorial 4 x 4, referente a quatro laminas de irrigação na parcela principal calculadas com base na evapotranspiração de referência (ETo) como sendo: T1- 40% da ETo; T2- 60% da ETo; T3- 80% da ETo; e T4 – 100% da ETo, e na subparcela quatro doses de silício: 0, 40, 80 e 120 g h-1, com 4 repetições. Cada parcela experimental foi composta por 3 fileiras com 48 plantas, sendo consideradas como úteis as oito plantas centrais. Durante 20 dias após o transplantio, todas as plantas receberam o nível de irrigação de 60% da (ET0). Após este período quando as plantas já se encontravam estabelecidas em campo realizou o desbaste deixando apenas uma planta por cova. Nesse momento, foram iniciados os tratamentos com as diferentes lâminas de irrigação e aplicação do silício, sendo esta última compreendida em duas aplicações foliares. As variáveis analisadas foram, comprimento de ramo principal, número de ramos secundários, número de folhas, número de flores; diâmetro do caule, massa seca da parte aérea, massa seca da raiz, produção total de frutos, número de frutos, massa média de frutos e produção total de frutos. O acréscimo das lâminas de irrigação proporcionou resultado significativos para desenvolvimento e produção da melancia nos dois ciclos. As elevadas doses de silício promoveram feitos na produção total, massa media do fruto, massa seca da parte aérea, para o primeiro e segundo ciclo, massa seca da raiz, número folhas no primeiro ciclo, número de flores e ramos no segundo ciclo, massa media do fruto, e número de frutos decresceram nos dois ciclos.
  • OTILIA RICARDO DE FARIAS
  • CARACTERIZAÇÃO E CONTROLE DE Fusarium spp. ASSOCIADO À SEMENTES DE GIRASSOL
  • Data: 11/12/2020
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • A murcha, ocasionada por Fusarium sp., constitui uma ameaça a produção do girassol. A correta identificação e adoção de medidas de controle são fundamentais para evitar os danos ocasionados por esse patógeno. O manejo dessa doença pode ser realizado através de medidas preventivas, como a microbiolização das sementes com Trichoderma spp.. Esta pesquisa objetivou realizar a caracterização molecular e morfológica, a patogenicidade e controle biológico de Fusarium spp. associado a sementes de girassol. Foram obtidos 50 isolados de Fusarium spp. a partir de amostras de sementes de oito cultivares de girassol. A caracterização molecular dos isolados de Fusarium spp. foi realizada utilizando sequências do gene fator de elongação (tef1) e o gene β-tubulina 2 (tub2). Na caracterização morfológica avaliou-se a pigmentação da colônia; presença ou ausência de esporodóquios; tamanho, formato e septação de microconídeos e macroconídeos; tipos de fiálides (monofiálide e/ou polifiálide); presença ou ausência de clamidósporos; microconídeos em falsas cabeças e/ou cadeia; crescimento micelial; índice de velocidade de crescimento micelial e produção de conídios. Determinou-se também a prevalência das espécies de Fusarium spp. por cultivar e a patogenicidade dos isolados. Na transmissão contabilizou-se a porcentagem de plântulas emergidas, sementes não germinadas com e sem Fusarium spp., plântulas sintomáticas e assintomáticas, taxa de transmissão e incidência de doença. Para controle, foram selecionados sete isolados de Trichoderma sp. (TCH01, TCH02, TCH03, TCH04, TCH05, TCH06 e TCH07) no antagonismo a F. proliferatum (F32). Os isolados foram confrontados in vitro com o patógeno em testes de cultura pareada, antibiose e micoparasitismo. A sanidade das sementes inoculadas com patógeno e tratadas com antagonista foi avaliada pelo método “blotter test”. Também avaliou-se a germinação e emergência após a microbiolização das sementes. Em casa de vegetação, determinou-se a incidência, severidade, comprimento da parte aérea, número de folhas, massa fresca e seca da parte aérea e raízes e a atividade das enzimas peroxidase (POD), polifenoloxidase (PPO) e fenilalanina amônia liase (FAL). Nos experimentos adotou-se o delineamento inteiramente casualizado (DIC). O sequenciamento do DNA permitiu identificar F. fabacearum, F. pseudocircinatum, F. verticillioides e F. proliferatum associados a sementes de girassol. Observou-se uma ampla variabilidade morfológica entre os isolados, principalmente com relação a pigmentação da colônia, crescimento micelial, índice de velocidade de crescimento micelial e produção de conídios. F.proliferatum foi a espécie mais prevalente nas diferentes cultivares de girassol. No teste de patogenicidade, verificou-se que todas as espécies foram patogênicas ao girassol. Todos os isolados das quatro espécies foram transmitidos via sementes e causaram sintomas como apodrecimento de sementes na fase de germinação, além de podridão do colo e raízes, tombamento, escurecimento vascular, subdesenvolvimento e podridão das folhas cotiledonares pós-emergência. Observou-se produção de metabólitos voláteis e micoparasitismo direto dos isolados de Trichoderma sp. sobre F. proliferatum. Trichoderma sp. é eficiente na redução da incidência e severidade da murcha, na promoção do crescimento e no aumento da atividade das enzimas peroxidase, polifenoloxidase e fenilalanina amônia liase em plantas de girassol via microbiolização das sementes.
  • LOUIS HELVIO ROLIM DE BRITTO
  • Qualidade fisiológica de sementes de Ziziphus joazeiro Mart., Leucaena leucocephala (Lam.) de Wit., Tamarindus indica L. e Spondias tuberosa Arruda após endozoocoria
  • Orientador : EDNA URSULINO ALVES
  • Data: 30/11/2020
  • Hora: 14:30
  • Mostrar Resumo
  • A dispersão de sementes tem a sua importância para a biodiversidade dos nossos biomas, porque corresponde ao movimento ou transporte destas sementes até um local adequado a sua germinação, de forma a favorecer o aumento na sua probabilidade de sobrevivência, entre os métodos de dispersão tem-se a endozoocoria, no qual ocorre após a ingestão dos frutos e a excreção pelas fezes do animal. Este trabalho objetivou-se analisar a viabilidade da superação de dormência em sementes de juazeiro (Ziziphus joazeiro Mart.), leucena (Leucaena leucocephala (Lam) de Wit., tamarindo (Tamarindus indica L.) e umbu (Spondias tuberosa Arruda) após passagem pelo trato digestório dos ruminantes: bovinos (Bos taurus), caprinos (Capra aegagrus hicus), ovinos (Ovis aries), e dos monogástricos: asininos (Equus asinos), e suínos (Suis scrofa domesticus), e identificar qual das espécies florestais estudadas possui melhor viabilidade de germinação e qual animal é o dispersor mais efetivo após a ingestão e excreção dessas sementes, buscando dessa forma, proporcionar o equilíbrio da exploração racional dos recursos florestais da Caatinga com a agropecuária, incrementado pelo aumento da produção vegetal e produção animal. O experimento foi realizado entre os meses de abril e novembro dos anos de 2017 e de 2018. Após a coleta dos frutos, pesagem e fornecimento aos animais, realizados no Campus Sousa do Instituto Federal de Ciência e Tecnologia da Paraíba - IFPB, as sementes obtidas nas fezes foram analisadas no laboratório de análise de sementes do Centro de Ciências Agrárias da UFPB - Campus Areia, nas variáveis: teor de água, emergência das plântulas e o vigor, através do índice de velocidade de emergência, comprimento e massa seca de raiz primária e de parte aérea de plântulas. O delineamento estatístico adotado foi DIC, com os tratamentos em esquema fatorial 4 x 5 + 1 (espécie vegetal x espécie animal + testemunha), os dados foram submetidos à análise de variância pelo teste “F”, a 5% de probabilidade de erro e comparadas pelo teste de Tukey. Foi verificado que a dormência das sementes de Z. joazeiro, L. leucocephala, T. indica e S. tuberosa é superada pela passagem no trato digestório dos animais pesquisados. Para o teste de emergência, o Z. joazeiro e a L. leucocephala e S. tuberosa foram superiores ao T. indica más só a L. leucocephala obteve interação com todos os animais. No índice de velocidade de emergência L. leucocephala foi superior ao Z. joazeiro, T. indica e S. tuberosa. Nas demais variáveis do teste de vigor, comprimento de raiz e parte aérea, massa seca da raiz e parte aérea verificou-se o Z. joazeiro e a L. leucocephala e S. tuberosa superior ao T. indica. Para os animais, no teste de emergência das plantas estudadas, os ovinos, caprinos, asininos, suínos e bovinos foram iguais entre si, em pelo menos um ano da pesquisa, no entanto o tamarindo não se destacou para nenhuma destas espécies animais. No índice de velocidade de emergência, não houve diferenças entre os animais com as plantas estudadas, no entanto os asininos foram a única espécie entre as demais que interagiu positivamente com todas as espécies vegetais, em pelo menos um dos anos da pesquisa. Nas variáveis para o teste de vigor, comprimento de raiz e parte aérea, massa seca da raiz e parte aérea não verificou-se superioridades entre monogástricos e ruminantes e nem de uma espécie animal sobre outra espécie das estudadas e estes foram tão eficientes para a quebra de dormência quanto as sementes não tratadas.
  • GILTON BEZERRA DE GÓES
  • Bioativador, adubação com fósforo e potássio e seus efeitos no solo, na fisiologia, produção e qualidade do meloeiro.
  • Orientador : THIAGO JARDELINO DIAS
  • Data: 30/11/2020
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • O elevado o custo dos fertilizantes agrícolas tem aumentado a preocupação com o desperdício e a busca por alternativas que otimizem o aproveitamento dos nutrientes do solo. Com este propósito, avaliou-se doses da adubação fosfatada e potássica e o uso de bioativador de solo e planta sobre as características de crescimento, produção, fisiológicas e pós-colheita da cultura do meloeiro. O delineamento foi em blocos ao acaso com quatro repetições, sendo cada parcela constituída por duas linhas que totalizaram 14 plantas úteis com espaçamento de 0,30 m entre plantas e 2,00 m entre linhas. Foram avaliadas cinco doses de fósforo (25; 39,6, 75, 110,4 e 125 kg ha-1) e cinco de potássio (25; 39,6, 75, 110,4 e 125 kg ha-1), sendo as combinações de doses definidas na Matriz Composto Central de Box e acrescida de mais uma sem fertilizante químico fosfatado e potássico, totalizando 10 combinações (C1 = 0 de P e 0 de K; C2 = 25 de P e 75 de K; C3 = 75 de P e 25 de K; C4 = 75 de P e 125 de K; C5 = 125 de P e 75 de K; C6 = 39,6 de P e 110,4 de K; C7 = 110,4 de P e 39,6 de K; C8 = 39,6 de P e 39,6 de K; C9 = 75 de P e 75 de K; C10 = 110,4 de P e 110,4 de K), que foram testadas na presença e ausência do bioativador Penergetic® kompost (K) e pflanze (P). O bioativar foi aplicado no solo em fundação e em cobertura aos 21, 27 e 35 dias após o transplantio. Foram avaliadas as seguintes características: teores de N, P e K do tecido vegetal; fertilidade química do solo ao final do ciclo (pH, P, K, Na, Ca, PST e CTC); trocas gasosas; índices de clorofila a, b e total; fluorescência da clorofila; desenvolvimento; produção e pós-colheita. As combinações de doses de fósforo e potássio influenciaram significativamente nos teores de N e P nas folhas do meloeiro e nas variáveis pH, P e K do solo, porém, ao desdobrar as combinações, observou-se efeito isolado das doses de fósforo sobre os teores de N e P nas folhas de meloeiro e na concentração de fósforo no solo; e efeito isolado das doses de potássio no acúmulo de potássio no solo ao final do ciclo. Ambos os fertilizantes influenciaram isoladamente na redução do pH do solo, que baixou linearmente com o crescimento das doses. As combinações de fósforo e potássio também influenciaram todas as variáveis de trocas gasosas, havendo interação significativa entre as doses de P e K sobre a fotossíntese líquida, eficiência no uso da água e eficiência instantânea da carboxilação; e influência isolada das doses de potássio sobre a transpiração e a concentração interna de CO2. Estes resultados estão relacionados as funções do fósforo e do potássio no metabolismo das plantas, no entanto, não refletiram em ganhos ou perdas significativas nas variáveis de desenvolvimento, produção e nos índices de clorofila, pois estes não foram influenciadas significativamente por nenhum dos tratamentos. O bioativador influenciou significativamente variáveis da fluorescência da clorofila, de trocas gasosas e de pós-colheita. No caso da fluorescência, os resultados observados não possibilitam afirmações quanto a efeitos positivo ou negativos, pois o produto foi positivo na combinação 7 e negativo na combinação 8. Mas no caso das trocas gasosas, o bioativador reduziu 8% os índices de concentração interna de CO2 e em 27% a condutância estomática, contrariando sua proposta, que é seria o aumento da eficiência fotossintética das plantas. Já as variáveis de pós colheita, não manifestaram diferença significativa em função dos tratamentos, exceto o teor de vitamina C, que reduziu na presença do bioativador. Em geral o aumento das dosagens de fósforo e de potássio e o bioativador não produziram ganhos reais em termos de produção e qualidade para a cultura do meloeiro nas condições estudadas.
  • GILTON BEZERRA DE GÓES
  • Bioativador, adubação com fósforo e potássio e seus efeitos no solo, na fisiologia, produção e qualidade do meloeiro.
  • Orientador : THIAGO JARDELINO DIAS
  • Data: 30/11/2020
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • O elevado o custo dos fertilizantes agrícolas tem aumentado a preocupação com o desperdício e a busca por alternativas que otimizem o aproveitamento dos nutrientes do solo. Com este propósito, avaliou-se doses da adubação fosfatada e potássica e o uso de bioativador de solo e planta sobre as características de crescimento, produção, fisiológicas e pós-colheita da cultura do meloeiro. O delineamento foi em blocos ao acaso com quatro repetições, sendo cada parcela constituída por duas linhas que totalizaram 14 plantas úteis com espaçamento de 0,30 m entre plantas e 2,00 m entre linhas. Foram avaliadas cinco doses de fósforo (25; 39,6, 75, 110,4 e 125 kg ha-1) e cinco de potássio (25; 39,6, 75, 110,4 e 125 kg ha-1), sendo as combinações de doses definidas na Matriz Composto Central de Box e acrescida de mais uma sem fertilizante químico fosfatado e potássico, totalizando 10 combinações (C1 = 0 de P e 0 de K; C2 = 25 de P e 75 de K; C3 = 75 de P e 25 de K; C4 = 75 de P e 125 de K; C5 = 125 de P e 75 de K; C6 = 39,6 de P e 110,4 de K; C7 = 110,4 de P e 39,6 de K; C8 = 39,6 de P e 39,6 de K; C9 = 75 de P e 75 de K; C10 = 110,4 de P e 110,4 de K), que foram testadas na presença e ausência do bioativador Penergetic® kompost (K) e pflanze (P). O bioativar foi aplicado no solo em fundação e em cobertura aos 21, 27 e 35 dias após o transplantio. Foram avaliadas as seguintes características: teores de N, P e K do tecido vegetal; fertilidade química do solo ao final do ciclo (pH, P, K, Na, Ca, PST e CTC); trocas gasosas; índices de clorofila a, b e total; fluorescência da clorofila; desenvolvimento; produção e pós-colheita. As combinações de doses de fósforo e potássio influenciaram significativamente nos teores de N e P nas folhas do meloeiro e nas variáveis pH, P e K do solo, porém, ao desdobrar as combinações, observou-se efeito isolado das doses de fósforo sobre os teores de N e P nas folhas de meloeiro e na concentração de fósforo no solo; e efeito isolado das doses de potássio no acúmulo de potássio no solo ao final do ciclo. Ambos os fertilizantes influenciaram isoladamente na redução do pH do solo, que baixou linearmente com o crescimento das doses. As combinações de fósforo e potássio também influenciaram todas as variáveis de trocas gasosas, havendo interação significativa entre as doses de P e K sobre a fotossíntese líquida, eficiência no uso da água e eficiência instantânea da carboxilação; e influência isolada das doses de potássio sobre a transpiração e a concentração interna de CO2. Estes resultados estão relacionados as funções do fósforo e do potássio no metabolismo das plantas, no entanto, não refletiram em ganhos ou perdas significativas nas variáveis de desenvolvimento, produção e nos índices de clorofila, pois estes não foram influenciadas significativamente por nenhum dos tratamentos. O bioativador influenciou significativamente variáveis da fluorescência da clorofila, de trocas gasosas e de pós-colheita. No caso da fluorescência, os resultados observados não possibilitam afirmações quanto a efeitos positivo ou negativos, pois o produto foi positivo na combinação 7 e negativo na combinação 8. Mas no caso das trocas gasosas, o bioativador reduziu 8% os índices de concentração interna de CO2 e em 27% a condutância estomática, contrariando sua proposta, que é seria o aumento da eficiência fotossintética das plantas. Já as variáveis de pós colheita, não manifestaram diferença significativa em função dos tratamentos, exceto o teor de vitamina C, que reduziu na presença do bioativador. Em geral o aumento das dosagens de fósforo e de potássio e o bioativador não produziram ganhos reais em termos de produção e qualidade para a cultura do meloeiro nas condições estudadas.
  • FRANCISCO ARICLENES OLINTO
  • Qualidade de sementes de espécies nativas do Semiárido: sanidade e aspectos fisiológicos
  • Orientador : LUCIANA CORDEIRO DO NASCIMENTO
  • Data: 26/11/2020
  • Hora: 12:30
  • Mostrar Resumo
  • A craibeira (Tabebuia aurea), o ipê-rosa (Tabebuia pentaphylla), a jurema branca (Piptadenia stipulacea),o pau-ferro (Caesalpinia ferrea) e sabiá (Mimosa caesalpiniaefolia) são espécies nativas do Bioma Caatinga, disseminadas por sementes e essenciais para manutenção da diversidade vegetal no semiárido brasileiro. Dessa forma, a busca por controle de patógenos se faz necessário, considerando a importância da qualidade das sementes para produção de plantas sadias.Objetivou-se avaliar a eficiência de óleos essenciais na redução da incidência de fungos associados às sementes decraibeira, ipê-rosa, jurema branca, pau-ferro e sabiá, e sua interferência na qualidade fisiológica. Os tratamentos foram óleos essenciais de citronela, olíbano, eucalipto, girassol, sementes de uva, cravo, Melaleuca e alecrim na concentração de 1 mL. L-1, fungicida Captana e controle composto por água destilada esterilizada (ADE), utilizando-se 100 sementes por tratamento. A qualidade sanitária das sementes foi feita pelo método de incubação em placas de Petri contendo dupla camada de papel-filtro umedecida com ADE. A qualidade fisiológica das sementes foi determinada com base nos testes de germinação, emergência e vigor das sementes. O delineamento experimental foi inteiramente casualizado com dez tratamentos. O óleo essencial de cravo reduziu o percentual de incidência de Aspergillus sp. associados as sementes de craibeira, ipê-rosa, jurema branca, pau-ferro e sabiá. Para Rhizopussp., associados as sementes de craibeia, ipê-rosa, jurema branca e pau-ferro, o óleo essencial de olíbano teve maior destaque na redução da incidência. O óleo essencial de citronela contribuiu na diminuição do percentual de Penicilliumsp. e de Cladosporium sp. nas sementes de ipê-rosa, jurema branca, pau-ferro e sabiá. Em relação ao fungo Fusariumsp., o óleo essencial de alecrim proporcionou o aumento na incidência em sementes de pau-ferro e sabiá. O óleo de sementes de uva e de Melaleuca alternifolia, reduziram a qualidade fisiológica das sementes de craibeira. O óleo essencial de alecrim não interferiu negativamente na qualidade fisiológica das sementes de ipê-rosa e proporcionou um aumento no percentual de emergência. Todos os óleos essenciais contribuíram positivamente nos parâmetros da qualidade fisiológicas das sementes de jurema branca. Para as sementes de pau-ferro, os óleos essenciais de sementes de uva e de cravo reduziram a qualidade fisiológica. O óleo essencial de eucalipto reduziu a qualidade fisiológica das sementes de sabiá.
  • IZABELA NUNES DO NASCIMENTO
  • DEFESA QUÍMICA DE PLANTAS DE MILHO PARA O MANEJO DE Dichelops melacanthus E SEU INIMIGO NATURAL Telenomus podisi
  • Data: 16/10/2020
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • O milho Zea mays L. é o cereal mais produzido no mundo sendo cultivado em todos os continentes. Um dos principais fatores que comprometem o rendimento e a qualidade da produção de milho é a incidência de pragas, sendo o Dichelops melacanthus a espécie de percevejo mais importante que ataca o cultivo de milho na América do Sul. A resposta das plantas ao ataque dos herbívoros pode levar a um aumento na produção dos metabólitos secundários voláteis e não voláteis, que agem na defesa direta e indireta das plantas. Objetivou-se caracterizar o perfil químico dos voláteis liberados pelas plantas de milho, sadias e após a herbivoria do percevejo D. melacanthus, expostas ou não a voláteis sintéticos induzidos por herbivoria (VPIHs); avaliar a resposta comportamental do parasitoide Telenomus podisi e do herbívoro D. melacanthus aos voláteis liberados por plantas de milho submetidas aos diferentes tratamentos e investigar se plantas de milho atacadas pelo percevejo Dichelops melacanthus, expostas a VPIHs sintéticos tem os níveis de benzoxazinoides alterados, bem como verificar se indivíduos da população de D. melacanthus são afetados por diferentes níveis de benzoxazinoides no milho. A pesquisa foi desenvolvida em três experimentos. No primeiro, plantas sadias foram submetidas ou não à herbivoria do percevejo Dichelops melacanthus. Os voláteis das plantas foram coletados pela técnica de aeração nos períodos de 0 - 24, 24 - 48, 48 - 72 e 72 - 96 h após o início do tratamento. Para avaliar se a herbivoria por D. melacanthus afeta ou não o comportamento de busca do inimigo natural T. podisi e de fêmeas coespecíficas, foram realizados bioensaios de olfatometria em olfatômetro de tubo “Y”. No segundo experimento, foi avaliada a produção de compostos voláteis de plantas de milho expostas aos VPIHs por 24h: (RS)-linalol, (E)--farneseno, (E)--cariofileno, acetato de (E)-2-hexenila, acetato de (Z)-3-hexenila, (E)-4,8-Dimetil-1,3,7-nonatrieno (DMNT) e (E, E)-4,8,12-trimetil-1-,3,7,11-tridecatetraeno (TMTT) e indol. Com base nos resultados obtidos das análises químicas das plantas submetidas aos diferentes tratamentos, foram selecionados dois compostos: (RS)-linalol e (E)--farneseno. As plantas foram expostas aos compostos individualmente e utilizadas em bioensaios comportamentais. Para avaliar se os voláteis emitidos pelas plantas expostas aos voláteis sintéticos e tratadas ou não com herbivoria de D. melacanthus afetam o comportamento de busca de T. podisi e de fêmeas coespecíficas, foram realizados bioensaios de olfatometria em olfatômetro de tubo “Y”. Os extratos de aeração contendo os voláteis emitidos pelas plantas foram analisados por CG-FID e CG-MS para identificar e quantificar os compostos presentes nas amostras. No terceiro experimento, foi avaliada a produção de benzoxazinoides de plantas de milho expostas aos VPIHs sintéticos por 24h. Em seguida estas receberam ou não fêmeas do D. melacanthus e após 96h de herbivoria foram submetidas a uma extração líquido-líquido. Os extratos obtidos foram analisados por HPLC com detector UV e por CL acoplada a espectrometria de massa. Para avaliar se as plantas submetidas aos voláteis tiveram sua defesa direta ativada, plantas expostas ou não a VPIHs foram oferecidas como alimento para o D. melacanthus e avaliados os parâmetros de fertilidade, fecundidade e sobrevivência. A análise química dos extratos mostrou que a injúria por herbivoria de D. melacanthus induziu a planta a produzir um perfil de compostos orgânicos voláteis diferente comparado às plantas sadias. No período de 24 - 48 h observou-se que, plantas injuriadas por herbivoria produziram uma maior quantidade dos compostos acetato de (Z)-3-hexenila, (RS)-linalol, salicilato de metila, acetato de geranila, DMNT, ciclosativeno, α-humuleno, (E)-β-cariofileno, α-cadineno e TMTT. O parasitoide de ovos T. podisi respondeu preferencialmente aos odores liberados pelas plantas submetidas à herbivoria quando comparados com os odores das plantas sadias para 48 h após o início do tratamento. Os compostos voláteis sintéticos (RS)-linalol e (E)--cariofileno induziram um aumento na produção de voláteis após as plantas sofrerem um segundo estresse, o dano de herbivoria de Dichelops melacanthus, o que indica que esses compostos induziram o estado de alerta nas plantas de milho. Os resultados obtidos indicam que o tratamento exógeno das plantas de milho com os compostos selecionados alteram o perfil químico das mesmas, mas não parece melhorar a defesa indireta das plantas contra o herbívoro D. Melacanthus, uma vez que os parasitoides não foram atraídos aos voláteis de plantas expostas aos compostos. A herbivoria de D. melacanthus aumenta os níveis de benzoxazinoides em plantas de milho. Ocorreu uma alteração no conteúdo dos benzoxazinoides em plantas expostas aos compostos voláteis sintéticos (E)-2-acetato de hexenila, (E)--farneseno e DMNT, sendo o DIMBOA-Glc o composto mais suprimido. Os benzoxazinoides parecem não estar diretamente relacionados com defesa direta de plantas de milho contra o herbívoro D. melacanthus. Mas, a exposição das plantas aos VPIHs afetou negativamente o desenvolvimento de D. melacanthus. 231/5000 Benzoxazinoids do not seem to be directly related to the direct defense of corn plants against the herbivore D. melacanthus. However, the exposure of plants to HPVPs negatively affected the development of D. melacanthus.
  • EDUARDO FELIPE DA SILVA SANTOS
  • GRADIENTES DE MUDANÇAS FISIOLÓGICAS NA MATURAÇÃO E CONSERVAÇÃO PÓS-COLHEITA E POTENCIAL FUNCIONAL EM ABACAXIS ‘PEROLA’ PARCIALMENTE RECOBERTOS
  • Orientador : SILVANDA DE MELO SILVA
  • Data: 31/08/2020
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • O abacaxi é uma infrutescência formada pela coalescência de frutilhos com o eixo central do pedúnculo. Os frutilhos que formam a infrutescência possuem idades fisiológicas diferentes ocasionando heterogeneidade na maturação e na qualidade ao longa da infrutescência, dificultando o armazenamento e o emprego de tecnologias pós-colheita. Este trabalho foi realizado em dois experimentos. No Experimento I, infrutescências do abacaxizeiro ‘Pérola’ foram colhidas em três estádios de maturação (verde, verde-amarela e totalmente amarela) e avaliados em três regiões (base, meio e ápice) quanto ao consumo de O2, liberação de CO2, coloração, firmeza, sólidos solúveis, acidez titulável, açucares redutores, não redutores e totais, ácido ascórbico, flavonoides amarelos, carotenoides totais, polifenóis extraíveis totais e atividade antioxidante. Os frutilhos possuem atividade respiratória diferente em cada seção, sendo maior na base que declina na direção apical do fruto, com comportamento não-climatérico típico. As mudanças na respiração e a diferente idade fisiológica dos frutilho ocasionam mudanças em gradiente nos parâmetros físicos e físico- químicos da polpa. O Experimento 2, teve como objetivo estudar os efeitos na qualidade e manutenção da vida útil da aplicação de recobrimento biodegradável em diferentes seções dos abacaxis ‘Perola’ durante o armazenamento. Os abscaxis foram submetidos a aplicação de recobrimento de fécula de mandioca (2,2%) e quitosana (0,3%), com total de 2,5%, em 1/3, 2/3 e 3/3 do fruto e sem recobrimento (Controle), e armazenados durante 20 dias, com períodos de avaliação a cada 4 dias. Os abacaxis foram submetidos à análises físicas, físico-químicas e compostos bioativos. Os abacaxis recobertos com 1/3 e 2/3 apresentaram redução na taxa respiratória. Estes abacaxis também apresentaram atraso no desenvolvimento da coloração amarela, e mantiveram a firmeza elevada por mais tempo. A aplicação parcial manteve os teores de sólidos solúveis e a maior relação SS/AT propiciando frutos mais saborosos. Estes recobrimentos também mantiveram os teores de ácido ascórbico e de flavonoides amarelos e menores teores de fenólicos extraíveis totais, indicando que os recobrimentos mantiveram a qualidade sem conferir estresses aos abacaxis. Em conjunto, o recobrimento parcial de abacaxi com fécula de mandioca e quitosana foi mais efetivo em manter a qualidade e prolongam a vida útil de abacaxi ‘Perola’.
  • ANTONIA DÉBORA CAMILA DE LIMA FERREIRA
  • Isolamento e caracterização de Bacillus e Lysinibacillus com potencial para controle de pragas agrícolas e insetos vetores
  • Orientador : CARLOS HENRIQUE DE BRITO
  • Data: 28/08/2020
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • Os insetos-praga são responsáveis por causarem sérios prejuízos econômicos e sociais a população, seja danos à produção agrícola ou pela transmissão de doenças a pessoas e animais. As bactérias Bacillus thuringiensis (Bt) e Lisynibacillus sphaericus (Ls) vem sendo amplamente estudadas para controle de pragas devido o potencial inseticida que apresentam a diferentes ordens, sendo exploradas principalmente para formulação de bioinseticidas, ou como agentes doadores de genes para construção de plantas transgênicas. O objetivo desta pesquisa foi realizar a prospecção de novas cepas de B. thuringiensis e L. sphaericus com ação inseticida a pragas de importância agrícola e também vetores de doenças. Ao todo foram processadas 159 amostras de solo que deram origem a 125 isolados que foram armazenados no Banco de Bactérias Entomopatogênicas da EMBRAPA/CENARGEN. Estes isolados foram avaliados quanto a sua toxicidade para insetos da ordem Lepidoptera (Spodoptera frugiperda, Helicoverpa armigera e Anticarsia gemmatalis, Coleoptera (Anthonomus grandis) e Diptera (Aedes aegypti e Culex quinquefasciastus). As estirpes mais patogênicas foram selecionadas e caracterizadas morfologicamente por microscopia eletrônica de varredura (MEV) e pelo perfil proteico e molecular. Após realização dos bioensaios, foi possível selecionar pelo menos uma estirpe com alta atividade inseticida para cada uma das seis espécies de insetos pragas testados. Entre as estripes selecionadas, estão S2728 e S2744 que apresentaram atividade inseticida para Spodoptera frugiperda e Anthonomus grandis, e também inclusões cristalinas evidenciadas por MEV, levando a crer que se tratava de duas estripes de B. thuringiensis (Bt). Porém, a análise de genes clássicos para Bt, via reação em cadeia da polimerase (PCR), não geraram nenhuma amplificação, sugerindo que outros fatores poderiam estar associados a toxicidade dessas cepas, e por isso foi realizado o sequenciado do genoma desses materiais utilizando o sistema de sequenciamento Novaseq. As análises realizadas até então, permitiram concluir que as mesmas pertençam o complexo do grupo B. cereus lato senso, sem revelar com exatidão a espécie. A análise das sequências por BLASTn dos ORFs mostrou a presença de um gene responsável por codificar uma proteína do grupo de Proteínas Indutoras de Necrose e etileno (NEP Like Proteins - NLP), e embora existam poucos relatos sobre a o efeito de proteínas do grupo NPLs para invertebrados, os complexos proteicos presentes nas estirpes 2728 e 2744 dão indícios da atividade entomopatogênica dessas proteínas por meio do reconhecimento dos açúcares presentes na membrana intestinal do inseto, mediado pela ligação da lectina hemolítica ou a hemaglutinina. Este estudo também contribuiu para o enriquecimento do acervo do Banco de Bactérias Entomopatogênicas EMBRAPA/CENARGEN, constituindo-se como importante recurso genético que pode ser explorado para outras aptidões além do potencial inseticida.
  • THAMILLYS DO NASCIMENTO SILVA
  • Avaliação agronômica de diferentes espécies usadas como adubo verde para agricultura sustentável
  • Orientador : DJAIL SANTOS
  • Data: 27/08/2020
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • A adubação verde é uma técnica de cultivo que utiliza plantas que apresentam rápido crescimento inicial, são eficientes na cobertura do solo pela elevada produção de biomassa vegetal, sistema radicular vigoroso e alta capacidade de supressão do banco de sementes do solo, sendo indispensável para um modelo de agricultura sustentável. Dessa forma, objetivou-se avaliar o crescimento vegetativo, produção de biomassa, densidade radicular e a correlação entre essas características com a eficiência do uso da água de dez espécies das famílias Fabaceae e Poaceae com potencial para uso em adubação verde na região semiárida, bem como realizar um inventário florístico da ocorrência de plantas espontâneas predominantes e avaliar a produção de biomassa seca do banco de sementes do solo de adubos verdes. O delineamento experimental foi em blocos casualizados com dez tratamentos, três repetições e dez plantas por repetição. As plantas foram avaliadas em dois estádios de desenvolvimento (floração e maturação). Os adubos verdes utilizados foram: Crotalaria juncea L., C. spectabilis Roth, C. ochroleuca G. Don, Canavalia ensiformes (L.) DC., Dolichos lablab L., Mucuna pruriens (L.) DC., Stizolobium aterrimum Piper & Tracy, Neonotonia wightii (Wight & Arn.) J. A. Lackey, Pennisetum americanum (L.) R. Br., e Brachiaria decumbens Stapf cv. Basilisk. Foram usadas duas abordagens neste estudo: (i) experimento em condições de campo para determinar a taxa de crescimento da parte aérea (%), biomassa seca total da parte aérea e raiz (g planta -1 ), produção de biomassa seca da parte aérea (kg planta -1 ), comprimento radicular (cm), produtividade em grãos (kg ha -1 ), densidade radicular (g cm - ³) e eficiência de uso da água (EUA); e (ii) bioensaio em casa de vegetação para caracterizar as espécies predominantes do banco de sementes, avaliando o número de indivíduos e a matéria seca das espécies de plantas espontâneas. Para o 1º capítulo, os dados foram submetidos a uma análise de variância (ANOVA), e as médias foram comparadas pelo teste de Tukey a 5% de probabilidade, através do PROC GLM do pacote estatístico SAS ® e foram correlacionados a eficiência do uso da água das espécies de adubos verdes com as variáveis (densidade radicular, matéria seca da parte aérea, matéria seca da raiz e taxa de crescimento) utilizando o teste de Pearson. Para o 2º capítulo, todas as análises estatísticas foram executadas usando o programa R.  A espécie Neonotonia wightii apresentou efeito significativo para a taxa de crescimento e densidade radicular. A maior produção de matéria seca foi observada em Dolichos lablab e Mucuna pruriens nos estádios de floração e maturação. O maior comprimento de raiz foi observado em Stizolobium aterrimum. A maior biomassa seca total foi observada em Brachiaria decumbens, não diferindo de N. wightii e de M. pruriens. Os maiores peso de sementes e produção de sementes (kg ha -1 ) foram observados em Canavalia ensiformes, D. lablab, S. aterrimum e M. pruriens. As espécies da família Fabaceae apresentaram as melhores correlações entre as variáveis agronômicas (densidade radicular, matéria seca da parte aérea, matéria seca da raiz e taxa de crescimento) com a eficiência de uso da água. Dentre as espécies predominantes no banco de sementes a família Poaceae foi a de maior predominância de indivíduos e a de maior produção de biomassa seca em todos os manejos de vegetação espontânea dos adubos verdes. As espécies de plantas leguminosas mostraram-se mais eficientes para uso na adubação verde do que espécies não-leguminosas. As espécies de plantas perenes tiveram maiores taxas de crescimento do que as espécies anuais. As leguminosas anuais e perenes mostraram-se eficientes na produção de biomassa. As espécies de leguminosas anuais têm a maior capacidade de supressão das espécies de plantas espontâneas do que as espécies de leguminosas perenes. Entre as espécies do banco de sementes se destaca a família Poaceae com potencial de melhorar futuras comunidades vegetais de biomassa e na população.
  • BRUNO DE SOUZA OLIVEIRA
  • CRESCIMENTO E METABOLISMO DA PALMA (Nopalea cochellinifera var. Baiana) NA REGIÃO SEMIÁRIDA DA PARAÍBA
  • Data: 10/08/2020
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • A cultura da palma forrageira apresenta grande potencial de exploração em regiões áridas e semiáridas, servindo como fonte de alimento para os rebanhos no período de estiagem das chuvas. No entanto, sob condições de baixa fertilidade, como visto nos solos do Nordeste Brasileiro, o aporte de nutrientes para a planta pode ser reduzido. Dentre os nutrientes essenciais ao desenvolvimento vegetal destaca-se o fósforo, que desempenha uma série de funções nos processos fisiológicos da planta, sendo sua deficiência fator limitante ao crescimento e produtividade das culturas. Diante desse contexto o objetivo deste trabalho foi avaliar o efeito da adubação fosfatada sobre o crescimento de palma (Nopalea cochellinifera var. Baiana) em função dos meses de cultivo. O experimento foi realizado em condições de campo nos períodos de março a outubro de 2019 na Estação experimental do Instituto Nacional do Semiárido, localizado no município de Campina Grande - PB. O delineamento experimental utilizado foi o de blocos casualizados com quatro repetições e quatro doses de P2O5 (0,0; 662,5; 825,0 e 1000g no sulco do plantio, ao lado das plantas), utilizando como fonte o superfosfato simples. As variáveis avaliadas foram a altura da planta, largura da planta, número de cladódios, comprimento, largura, perímetro e espessura dos cladódios, mortalidade de cladódios e número de aréolas. Durante os meses de agosto a outubro foram avaliados o pH e a temperatura interna dos cladódios. Os dados obtidos foram submetidos a análise de variância e nos casos de significância, aplicou-se o teste de Tukey para os valores médios dos meses de avaliação e análise de regressão para as doses de P2O5. As características morfometricas de altura de plantas, comprimento, largura, espessura e perímetro de cladódios apresentaram os maiores valores entre os meses de junho a agosto. A maior produção primária e secundária de cladódios e a maior mortalidade de cladódios ocorreu no mês de outubro. A adubação fosfatada nas doses de 1,0 kg e 662,5 g/m linear proporcionaram aumento na produção de cladódios primários e secundários, respectivamente. O pH do suco celular da palma var. baiana foi mais ácido nos períodos mais quente do dia, indicando dessa forma que a mesma não deve ser fornecida às vacas/cabras/ovelhas leiteiras neste tempo, pois poderá refletir na qualidade do leite.
  • ÂNDERSON RODRIGO LUCIANO DA SILVA
  • ESTRATÉGIA PARA REDUÇÃO DE ESTRESSE ABIÓTICO EM MANGUEIRA NO SEMIÁRIDO
  • Data: 29/07/2020
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • O cultivo da mangueira (Mangifera indica L.) no Submédio do Vale do Rio São Francisco é um dos mais tecnificados do Brasil. As condições edafoclimáticas e o sistema manejo utilizado possibilitam a produção de frutos durante todo o ano. Todavia, as elevadas temperaturas, associada à redução de lâmina hídrica na fase de maturação dos ramos tem provocado estresse excessivo às mangueiras. Quando expostas à estresses, as plantas ativam diferentes mecanismos de proteção dentre os quais está o acúmulo de solutos orgânicos de baixo peso molecular nos tecidos. Diante disto, objetivou-se com esta pesquisa avaliar a efetividade de película protetora a base de silício associada a carbonato de cálcio na redução de estresse abiótico da mangueira cv. Palmer no semiárido pernambucano. O experimento foi desenvolvido em pomar comercial com dez anos de idade na cidade de Petrolina, estado de Pernambuco, localizado no semiárido brasileiro. Foram avaliados os seguintes tratamentos: T1- Controle T2- carbonato de cálcio (5 kg/100 L); T3- Humigel Plus A (500 ml/100 L); T4- Humigel Plus A (500 ml/100 L) + carbonato de cálcio (5 kg/100 L); T5- Humigel Plus A (500 ml/100 L) + Humigel Plus Si (2000ml/100 L) e T6- Humigel Plus A (2000 ml/100 L) que correspondeu a dose recomendada pelo fabricante para localidades com temperaturas acima de 30 °C. As películas protetoras de cada tratamento foram aplicadas via foliar uma única após a indução floral. O delineamento experimental foi em blocos ao acaso, avaliado em parcelas subdivididas. Foram avaliados: Metabolismo de carboidratos (Carboidratos solúveis totais e amido); atividade das enzimas antioxidantes (ascorbato peroxidase, catalase, superóxido dismutase -SOD e α-amilase); atividade fotossintética (condutância estomática, transpiração,taxas de fotossíntese líquida, e concentração interna de CO2); componentes de produção diâmetro longitudinal e transversal, temperatura foliar, produção(kg planta-1), produtividade (t ha-1); pós-colheita (qualidade pós-colheita). Os dados foram submetidos a análise de variância e as médias comparadas entre si pelo teste de Tukey ao nível de 5% de probabilidade usando o software ‘R’. O conteúdo de carboidratos totais apresentaram diferença apenas aos 5 DAA e 46 DAA e aos 4 DAA todos os tratamentos apresentaram os maiores conteúdos de carboidratos. Para os teores foliares de amido o pico para T1, T2, T3 e T4 foi registrado aos 3 DAA, enquanto T5 e T6 apresentaram baixo incremento nessa data. Os resultados de α-amilase não demonstraram diferenças estatísticas entre os tratamentos nas datas avaliada percebe-se que para todos os tratamentos apresentaram elevação até 4 DAA, com comportamento distinto nas avaliações posterior. Em relação à fotossíntese liquida observa-se incremento significativo para todos os tratamentos aos três dias após a aplicação, com exceção para a testemunha, que se manteve praticamente estável. A atividade da enzima ascorbato peroxidase (APX) foi significativamente afetada pela aplicação dos tratamentos apenas em duas datas de avaliação (3 e 5 dias após a aplicação dos tratamentos). A atividade a enzima superóxido dismutase (SOD) apresentou oscilação bastante significativa basicamente para dois tratamentos (T1 – testemunha, e T2 - carbonato de cálcio na dose de 5 kg/100 L). Os resultados indicam uma clara atuação da película protetora na atenuação do estresse vegetal da mangueira, inclusive com efeito persistente em função do tempo, considerando o intervalo avaliado.
  • LANNA CECILIA LIMA DE OLIVEIRA
  • Qualidade fisiológica e sanitária de sementes de Vigna unguiculata (L.) Walp. tratadas com produtos naturais e armazenadas
  • Data: 24/07/2020
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • O armazenamento de sementes é um desafio para agricultores familiares. Buscar estratégias que mantenha a qualidade de sementes ao longo da estocagem é de grande importância para evitar perdas e prejuízos ao agricultor. O feijão macassa (Vigna unguiculata (L.) Walp.) é uma leguminosa anual, nativa do continente africano com ampla distribuição nos trópicos. Destaca-se pela sua adaptação e tolerância a condições de estresse hídrico e como fonte alimentar de grande importância nas regiões semiáridas. Os experimentos conduzidos no presente estudo tiveram como objetivo analisar a qualidade fisiológica e sanitária de sementes crioulas de V. unguiculata tratadas com pó vegetal e armazenadas. As sementes foram armazenadas em garrafas PET de um litro com pó de casca de cumaru (Amburana cearensis Freire Allemão) A.C. Smith.), folha de eucalipto (Eucalyptus spp.), casca de laranja cravo (Citrus reticulata Blanco) e frutos de pimenta do reino (Piper nigrum L.) nas dosagens de 25, 50, 75 e 100 g, testemunha (dose 0) e fungicida Captan® (240 g 100 kg-1). As análises foram realizadas em 5 períodos, a cada 45 dias e as avaliações realizadas no período zero foram executadas logo após as sementes serem tratadas. Os testes foram executados no Laboratório para Análise de Sementes e no Laboratório de Fitopatologia do Departamento de Fitotecnia e Ciências Ambientais do Centro de Ciências Agrárias da Universidade Federal da Paraíba, Areia-PB. Sendo avaliadas a umidade, peso de mil sementes, germinação, índice de velocidade de germinação, emergência, índice de velocidade de emergência, viabilidade, vigor e danos pelo teste de tetrazólio e incidência de fungos. Os resultados demonstraram que a qualidade fisiológica das sementes de V. unguiculata armazenadas não foi comprometida pelo uso dos pós, entretanto, as sementes sem tratamento também mantiveram a qualidade fisiológica dentro do padrão ao longo do armazenamento. Os pós de pimenta do reino, eucalipto e cumaru na dose 100 gramas conferiram o melhor efeito no vigor das sementes pelo teste de tetrazólio. Os fungos identificados nas sementes não comprometeram a viabilidade durante o armazenamento. O pó de folhas de eucalipto, pimenta do reino inibem dos fungos, sendo que as maiores dosagens foram mais eficientes. Há uma redução da incidência de fungos no último período do armazenamento independente do uso dos tratamentos nas sementes.
  • JOSEFA JUSSARA RÊGO SILVA
  • Características Morfofisiológicas em Palma Miúda (Nopalea cohenillifera) Submetidas a Adubação Mineral
  • Orientador : JACOB SILVA SOUTO
  • Data: 24/07/2020
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • A palma forrageira vem sendo utilizada como uma alternativa de forragem para os animais na região semiárida, visando a suplementação das forragens nos períodos críticos de estiagem. As cultivares de palma forrageira mais cultivadas pertencem principalmente às espécies Opuntia ficus-indica (L) Miller e Nopalea cochenillifera (L) Salm-Dyck. Dessa forma, a utilização de práticas de manejo para o bom desenvolvimento da palma faz-se necessária, pois um adequado sistema de adubação é fundamental para uma boa produtividade. Além disso, suas características morfofisiológicas também estão relacionadas com o potencial produtivo da palma forrageira e são importantes para a compreensão da resposta da planta quando submetida a diferentes condições ambientais. Assim, em virtude das pesquisas ainda serem escassas no que se refere ao manejo de adubação em Nopalea cohenillifera, variedade miúda, o objetivo do presente trabalho foi avaliar as características morfométricas de pH e temperatura no sulco celular de cladódio da palma sob diferentes doses de superfosfato simples. O experimento foi realizado no período de janeiro a outubro de 2019, na Fazenda Ignácio Salcedo do Instituto Nacional do Semiárido - INSA, no município de Campina Grande – PB. Os tratamentos consistiram em quatro doses de superfosfato simples (0; 662g; 825g e 1000 g de superfosfato simples/parcela, respectivamente), com dose única de cloreto de potássio (287,5g). O delineamento utilizado foi em blocos casualizados e cada parcela experimental foi composta por 10 plantas, totalizando 40 plantas por bloco, sendo um total de 160 plantas avaliadas em todo experimento, em quatro blocos. Para altura de planta, os maiores valores foram encontrados de maio a outubro, com uma média de 58,81 cm, o número de cladódio por planta foi de 11,49, para raquetes, primárias, secundárias terciarias foram de 4, 9,45 e 4,69, respectivamente, a maior média para perímetro de cladódio foi no mês de julho com 48,41 cm, perímetro 48,41cm, espessura 22,75cm, números de aréolas 3,5 cm2; para pH e temperatura as médias mínimas e máximas foram de 4,2 e 4,6 e 13 e 39°C, respectivamente. As doses de superfosfato simples não proporcionaram diferenças estatísticas em todas as variáveis analisadas. Durante o período noturno, os cladódios da palma miúda apresentaram menores valores de pH e de temperatura em comparação com o período diurno, quando as plantas estiveram menos ácidas e com as temperaturas mais elevadas, principalmente nos horários mais quentes do dia.
  • ARLISTON PEREIRA LEITE
  • Disponibilidade nutricional, características ambientais, do solo e determinação de modelos matemáticos foliares de duas espécies de mogno no Semiárido Cearense.
  • Orientador : JACOB SILVA SOUTO
  • Data: 23/07/2020
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • O Brasil tem papel de destaque mundial com relação a quantidade de áreas de florestas plantadas. Algumas regiões do País apresentam limitações para o plantio de algumas espécies, como por exemplo a região semiárida nordestina, que apresenta temperatura elevada na maior parte do ano, além de uma pluviosidade com má distribuição. As espécies Khaya ivorensis e Khaya senegalensis apresentam boa adaptação ao clima dessa região aliado a um bom desenvolvimento para fins madeireiros. Diante disso o objetivo do nosso estudo foi avaliar a disponibilidade de nutrientes, efeitos do florestamento em características de luminosidade, temperatura de solo e ambiente, velocidade do vento, aporte de serrapilheira, organismos da mesofauna, teor de água no solo e definição de modelos de estimativa foliar em plantios de duas espécies do gênero Khaya no Semiárido Cearense. O experimento foi desenvolvido na Fazenda Jaburu, município de Várzea Alegre – CE, em outubro de 2019. O experimento foi instalado em delineamento inteiramente casualizado, onde foram avaliados quatro tratamentos e 10 repetições, sendo: T1 – Khaya ivorensis (6,5 anos); T2 – Khaya senegalensis (6,5 anos); T3 – Khaya senegalensis (3,5 anos); e, T4 – Khaya ivorensis (2,5 anos) e dez pseudo-repetições em delineamento inteiramente casualizado. Foram retiradas amostras de solo para a caracterização físico-química na profundidade de 0-20. A luminosidade foi avaliada através do luxímetro portátil IDEL modelo LD-505; a velocidade do vento foi mensurada através do anemômetro portátil BENETECH modelo GM816 e a temperatura do solo avaliada através de termômetro digital portátil INCOTERM modelo 9791.O aporte de serrapilheira foi avaliado com moldura metálica de 1 m2. Os dados foram submetidos a análise de variância e médias comparadas pelo teste de Tukey, quando significativas. A mesofauna foi verificada através da retirada de amostras com anéis metálicos introduzidos aleatoriamente nas profundidades do solo de 5-10 cm, colocadas no aparato de Berlese-Tullgren para extração dos organismos e posteriormente identificados. Para determinação dos modelos matemáticos foram coletadas 100 folhas de diferentes partes da planta. Os teores de fósforo variaram de 1,17 a 1,69 g kg-1. Os plantios de mogno africanos com idade superior apresentaram menores teores de potássio nas folhas. K. i (6,5 anos) e K. s (3,5 anos) apresentaram valores superiores para cálcio. Para o enxofre K. i (2,5 anos) foi, isoladamente, o tratamento com melhor desemprenho. O tratamento K. s (6,5 anos) foi superior em 81,82% quanto ao teor de ferro. Houve um acréscimo linear nas concentrações de zinco nas folhas. Para o cobre o tratamento K. i (2,5 anos) foi superior aos demais. K. s (6,5 anos) se destacou em 40% para o micronutriente manganês. . As áreas com plantios dos tratamentos Ki 6,5 e Ks 6,5 apresentaram menores valores de luminosidade. A luminosidade não apresentou correlação com a velocidade do vento (-0,03), mas apresentou forte correlação positiva com a temperatura do solo nas três profundidades avaliadas, indicando que valores altos de luminosidade ocasionam em valores elevados de temperatura, seja na superfície, a 7,5 cm de profundidade e a 15 cm de profundidade nos tratamentos do gênero Khaya avaliados. Os tratamentos Ki 6,5 e Ks 6,5 apresentaram maior quantidade de serrapilheira, menor temperatura, além de maiores quantidades para a serrapilheira na fração fíbrica. O teor de água no solo pode ser mantido mais eficiente com plantios desenvolvidos de Khaya, mas é mais influenciado pela sazonalidade. As folhas tiveram variação de 6,17 a 30,76 cm de largura e de 11,45 a 37,76 cm para comprimento para a espécie Khaya ivorensis e de 1,71 a 6,15 de largura e 4,36 a 15,64 para a espécie Khaya senegalensis. O valor do coeficiente de determinação variou de 0,33 a 0,96. De maneira geral, os nutrientes estão dentro ou acima da faixa adequada ao mogno africano. A temperatura do solo tem correlação positiva com a luminosidade, já a serrapilheira apresenta correlação inversa com essa variável. O modelo linear que correlaciona o produto da largura e comprimento das folhas se ajustou adequadamente para a estimativa da área foliar e podem ser utilizados na estimativa da área foliar para as duas espécies estudadas. Dentre os modelos estudados, os polinomiais apresenta melhor coeficiente de determinação.
  • LUCIANA NUNES CORDEIRO
  • CARACTERIZAÇÃO FÍSICA, FISIOLÓGICA E QUÍMICA DE Tamarindus indica L.
  • Orientador : RISELANE DE LUCENA ALCANTARA BRUNO
  • Data: 29/05/2020
  • Hora: 16:00
  • Mostrar Resumo
  • O tamarindeiro (Tamarindus indica L.), espécie frutífera da família Fabaceae, ocorre em regiões tropicais e subtropicais, sendo considerado ideal para ser cultivado em regiões semiáridas, pois tolera 5 a 6 meses de seca. A propagação principal do tamarindeiro, ocorre, sexuadamente, o que provoca grande variabilidade nas plantas e nos frutos, ocorrência de árvores com vigor excessivo e maior altura, retardamento da produção (por causa do longo período improdutivo causado pela juvenilidade), além de produtividade irregular, colheita difícil, demorada e de elevado custo. Nesse sentido, foram desenvolvidos dois experimentos. O primeiro objetivou avaliar as características químicas e físicas dos frutos, assim como físicas e fisiológicas das sementes de Tamarindus indica L. obtidas de diferentes árvores matrizes. O delineamento experimental foi inteiramente casualizado, tendo como tratamentos 41 árvores matrizes de tamarindo. Sendo avaliadas as seguintes características: Análises químicas do fruto, biometria de frutos e sementes, e a caracterização fisiológica das sementes de tamarindo. Com base nos resultados há variabilidade entre árvores matrizes de tamarindo quanto as características biométricas de frutos e sementes, nos aspectos físico-químicos da polpa do fruto e da qualidade fisiológica das sementes; a análise de componentes principais permitiu dividir as matrizes em dois grupos: grupo 1 e 2, , com 19 e 11 árvores matrizes de tamarindo, respectivamente. Já o segundo experimento foi desenvolvido com o objetivo de adequar a metodologia do teste de tetrazólio para avaliar a viabilidade e o vigor de sementes de Tamarindus indica L. O delineamento experimental foi o inteiramente casualizado em esquema fatorial 2x3x3, sendo dois lotes de sementes, três tempos de embebição em sal (6; 12 e 16 horas) e três concentrações de sal de tetrazólio (0,075; 0,1 e 0,5%), com quatro repetições de 25 sementes. Das variáveis avaliadas determinou-se o grau de umidade e as análises de qualidade das sementes.; na avaliação da qualidade fisiológica, por meio do teste de tetrazólio, sementes de Tamarindus indica L. devem ser condicionadas em água por 48 horas a 30ºC para retirada do tegumento, seguida do acondicionamento dos embriões na concentração de 0,01% de sal de tetrazólio por período de 6 horas, a 40ºC.
  • NÚBIA APARECIDA DOS SANTOS ANDRADE
  • Crescimento de mudas e comportamento estomático de Senna Georgica H.S. Irwin & Barneby sob diferentes níveis de sombreamento
  • Orientador : MANOEL BANDEIRA DE ALBUQUERQUE
  • Data: 30/04/2020
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • Senna georgica H. S. Irwin & Barneby é uma espécie pertencente à família Fabaceae, nativa do Cerrado e Caatinga, é conhecida popularmente como “lava prato”. A luminosidade é um importante fator ambiental que controla processos associados ao acúmulo de matéria seca, contribuindo assim para o crescimento vegetal. Dessa forma o objetivo da pesquisa foi avaliar a influência de diferentes níveis de sombreamento no desenvolvimento inicial de mudas de Senna georgica. O experimento foi desenvolvido no Laboratório Ecologia Vegetal do Departamento de Fitotecnia e Ciências Ambientais, do Centro de Ciências Agrárias, Universidade Federal da Paraíba, Campus II, Areia, PB. O delineamento experimental foi inteiramente ao acaso, com dez repetições. Os tratamentos constituíram em cincos níveis de sombreamento: 0% (pleno sol), 30%, 50% e 65% e 80% de sombreamento. As variáveis analisadas foram: altura, número de folhas, comprimento da raiz, teor de clorofila a e b, relação entre as clorofilas a e b, clorofila total, fotossíntese, transpiração, condutância estomática, carbono interno, temperatura foliar, massa seca de folha, caule, raiz e total. Senna georgica apresentou variações no crescimento influenciadas pelos níveis de sombreamento, sua fase juvenil é bastante sensível à exposição direta de luz solar, requerendo assim algum nível de sombreamento para garantir a sua sobrevivência inicial. As plantas no tratamento em pleno sol não se adaptaram a exposição da radiação. No entanto, resultados encontrados sugerem que o crescimento e a trocas gasosas das mudas de Senna georgica são favorecidos pelo cultivo da espécie num nível de sombreamento de 30%.
  • PHETRUS BITTAR DE ARAÚJO
  • Qualidade, atividade antioxidante e compostos fenólicos bioativos em uva ‘BRS Cora’ influenciados por sistemas de condução, porta-enxertos e variações climáticas intraanuais
  • Data: 29/04/2020
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • O Submédio do Vale do São Francisco, no nordeste do Brasil, tem se destacado na produção de uvas destinadas a elaboração de suco. Esta região possui um clima tropical semiárido e é caracterizada por altas temperaturas prevalescentes e altas taxas de insolação. Nestas condições, a produção de uvas é contínua durante o ano. No entanto, ainda são escassos estudos que correlacionem a influência dos componentes do sistema produtivo sobre as diferentes condições climáticas de cada época de produção ao longo do ano. Diante disso, o objetivo geral deste trabalho foi caracterizar a qualidade e distinguir a composição fenólica em uvas ‘BRS Cora’ sob influência de sistemas de condução e porta-enxertos, em diferentes épocas do ano, no Submédio do Vale do São Francisco. Os experimentos foram conduzidos no Campo Experimental de Bebedouro da Embrapa Semiárido, em Petrolina-PE. O primeiro experimento consistiu em caracterizar a qualidade e o potencial antioxidante da uva ‘BRS Cora’ cultivada sob os sistemas de condução latada, lira e espaldeira e os porta-enxertos ‘IAC 572’ e ‘IAC 766’, em dois ciclos de produção do mesmo ano. No segundo experimento, caracterizou-se, por cromatografia líquida de alta eficiência (HPLC), a influência dos sistemas de condução (latada, lira e espaldeira) e das diferentes épocas de produção do ano sobre a composição fenólica da uva ‘BRS Cora’. O delineamento experimental foi em blocos ao acaso, em ambos os experimentos, sendo que, para o primeiro, os tratamentos foram arranjados em parcelas subsubdivididas no tempo e, para o segundo, em parcelas subdivididas. As condições climáticas do primeiro semestre de 2019, caracterizada por temperaturas mais amenas, favoreceram o acúmulo de antocianinas, flavonoides amarelos e polifenóis extraíveis totais. Em relação aos sistemas de condução e aos porta-enxertos, a latada associada ao ‘IAC 766’ caracterizou-se por maior acúmulo de antocianinas e flavonoides amarelos na casca. As variáveis massa da baga, sólidos solúveis e açúcares solúveis totais foram beneficiadas pelas condições climáticas do segundo semestre. No segundo estudo, conclui-se que as condições de cultivo do segundo semestre de 2019 favoreceram a degradação e/ou redução das taxas de síntese dos constituintes fenolicos quantificados. O sistema de condução latada potencializou o conteúdo dos flavan-3-ois galato de epicatequina, epigalocatequina e epicatequina enquanto, para os ácidos cafeico e caftárico, foi o uso de espaldeira que promoveu esta resposta, determinando diferenciais na composição fenólica para cada situação.
  • ROBERTO TAVARES DA SILVA
  • FENOLOGIA DE Schinopsis brasiliensis Engler E SUA RELAÇÃO COM A PRECIPITAÇÃO PLUVIAL EM ÁREAS DE CAATINGA
  • Orientador : RISELANE DE LUCENA ALCANTARA BRUNO
  • Data: 31/03/2020
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • A Schinopsis brasiliensis Engler é uma espécie florestal típica do bioma caatinga, com aproximadamente 10 a 12m de altura e 60 cm de diâmetro, caracteristicamente apresenta ramos providos de espinhos. Geralmente essa espécie é encontrada em todas as áreas da caatinga, entre os territórios que abrangem os estados da Bahia a Paraíba. O objetivo do trabalho foi avaliar a fenologia de Schinopsis brasiliensis Engler, em duas áreas de caatinga paraibana e relacioná-la com a distribuição da precipitação pluvial. Para a marcação dos indivíduos foi utilizado o método de trilha, o qual consiste em estabelecer trilhas para encontrar as matrizes, com distâncias de no mínimo 50 metros a intervalos definidos, sendo selecionados, nas duas áreas, um total de 56 indivíduos. As variáveis avaliadas foram: Percentual de intensidade de Fournier e o Índice de atividade (brotamento, senescência, floração e frutificação), durante um ano e cinco meses, com utilização do calendário Juliano. A sazonalidade de cada fenofase foi analisada pela estatística circular. Com base nos resultados foi observado que a brotação inicia no começo do período chuvoso e a senescência está presente durante todo o ano, com mais intensidade na época mais seca. Os períodos de floração e frutificação, ocorrentes na época mais seca, são caracterizados como de baixa intensidade, com distribuição desuniforme de ano para ano.
  • VANDA MARIA DE AQUINO FIGUEIREDO
  • REVESTIMENTOS DE GALACTOMANANAS E PECTINAS CONTENDO ÓLEO ESSENCIAL DE Lippia grata NANOENCAPSULADO PARA A QUALIDADE E CONTROLE DA PODRIDÃO PEDUNCULAR EM MANGA ‘PALMER’
  • Data: 09/03/2020
  • Hora: 13:30
  • Mostrar Resumo
  • Para amenizar a deterioração pós-colheita e prolongar a vida útil dos frutos, diversas tecnologias podem ser utilizadas, entre elas a aplicação de revestimentos comestíveis que modificam a atmosfera, promovendo mudanças nas trocas gasosas com o ambiente. O objetivo deste trabalho foi determinar o potencial de aplicação de revestimentos biodegradáveis a partir de galactomananas e pectinas em associação a óleo essencial de Lippia grata nanoencapsulado em mangas ‘Palmer’ produzidas no submédio do Vale do São Francisco. Os experimentos foram conduzidos no Laboratório de Fisiologia Pós-Colheita da Embrapa Semiárido, Petrolina-PE. O primeiro experimento consistiu na aplicação de revestimentos à base de pectinas e galactomananas associados ou não a óleo essencial (OE) nanoencapsulado de L. grata, tendo os frutos sido submetidos a inoculação de L. theomobrae. O delineamento utilizado foi o inteiramente casualizado, em fatorial 5 x 7 (revestimento x tempo de armazenamento). Os revestimentos utilizados foram: controle 1 (sem revestimento e sem inoculação), controle 2 (sem revestimento), pectinas, pectinas + óleo, galactomananas, galactomananas + óleo. Os frutos foram mantidos sob temperatura controlada (25 ± 2,4 °C e 90 ± 5% UR) e avaliados por 14 dias. Apenas os frutos revestidos com as galactomananas se mantiveram em condições de serem avaliados até o 14º. dia, sinalizando ser a galactomanana mais adequada para o uso nestas condições. O segundo experimento contou com revestimentos em diferentes concentrações de galactomananas associados ao OE nanoencapsulado de L. grata, tendo todos os frutos sido inoculados com L. theomobrae. O delineamento usado foi o inteiramente casualizado, em fatorial de 7 x 9 (7 revestimento x tempo de armazenamento). Foram testadas três concentrações de galactomanas (0,25; 0,5; 0,75%), associadas ou não ao OE, e os frutos mantidos sob temperatura controlada (25 ± 2,4 °C e 90 ± 5% UR). A concentração de 0,5% foi a que proporcionou melhor manutenção da qualidade da manga, tendo sido escolhida para o terceiro experimento, que contou com diferentes formas de incorporação do OE. O delineamento utilizado foi o inteiramente casualizado, em fatorial 4 x 10 (revestimento x tempo de armazenamento). Os revestimentos utilizados foram: controle (sem revestimento), galactomanana, galactomanana + OE nanoencapsulado, galactomanana + OE em solução. Os frutos foram mantidos sob refrigeração (12 ± 1 °C e 90 ± 4% UR) durante 15 dias e depois transferido para temperatura ambiente (24 ± 3,2 °C e 90 ± 5% UR) por mais 10 dias. Estudo sobre o impacto dos revestimentos sob infecção de L. theomobrae foi realizado separadamente com todos os revestimentos utilizados. Os revestimentos contendo OE, em ambas as formas, proporcionaram maior manutenção dos aspectos de qualidade, tendo mantido a coloração verde da casca por mais tempo, proporcionado retardo no aumento dos teores de sólidos solúveis, na redução da acidez e no teor de betacaroteno, alcançando teores de açúcares redutores superiores aos demais revestimentos.
  • IZABELA THAÍS FIDELIS ALVES DA SILVA
  • Aspectos biológicos e comportamentais do parasitismo de Anthonomus grandis (Boh) por Bracon vulgaris Ashmead na cultura do algodoeiro.
  • Data: 02/03/2020
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • A cultura do algodão está entre as mais importantes culturas de fibras no mundo. Em praticamente todos os países produtores os insetos-praga e as doenças são considerados os principais fatores que contribuem para a redução na produção, principalmente pelo fato da planta atrair e hospedar permanentemente um complexo significativo de pragas, que atacam desde as raízes até o produto final como os capulhos, destacando-se como principal praga da região das Américas, o bicudo do algodoeiro (Anthonomus grandis). As espécies de parasitoides de larvas Catolaccus grandis (Burks) (Hymenoptera: Pteromalidae) e Bracon vulgaris Ashmead (Hymenoptera: Braconidae) apresentam grande potencial para inserção no controle e redução de populações do bicudo. Para tanto, a utilização de práticas agrícolas ecologicamente vantajosas, que beneficiem os inimigos naturais deve ser planejada. Entretanto, dado ao sistema intensivo de cultivo seu uso no Cerrado brasileiro é um desafio. Este trabalho teve por objetivo avaliar os aspectos biológicos e comportamentais do parasitismo de Anthonomus grandis (Boh) por Bracon vulgaris Ashmead na cultura do algodoeiro. Como, a atração do ectoparasitoide aos voláteis constitutivos, induzidos por herbivoria e pelo feromônio de agregação de A. grandis (Boh.). Os resultados obtidos com a pesquisa demostram que fêmeas de B. vulgaris apresentam curva de resposta funcional do tipo II, exploram os voláteis de algodão induzidos por A. grandis na busca de hospedeiros larvais , bem como, os voláteis de plantas induzidas pelo feromônio e o feromônio de A. grandis. Esses resultados subsidiam informações importantes que permitirão simular as dinâmicas populacionais de ambas espécies (parasitoide-praga) e a utilização dos voláteis de plantas através de semioquímicos para implementação de programas de controle biológico de A. grandis utilizando B. vulgaris.
  • JEAN TELVIO ANDRADE FERREIRA
  • TROCAS GASOSAS FOLIARES DE ESPÉCIES DE PLANTAS LEGUMINOSAS E NÃO-LEGUMINOSAS CULTIVADAS EM AMBIENTE SEMIÁRIDO
  • Orientador : DJAIL SANTOS
  • Data: 28/02/2020
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • A região semiárida é caracterizada por fatores climáticos como altas temperaturas e chuvas irregulares que podem fazer com que as plantas se comportem de formas variadas de acordo com as condições do ambiente e com respostas diferentes ao longo do dia. O objetivo do trabalho foi avaliar as trocas gasosas foliares pelo método do curso diário de plantas leguminosas e não leguminosas na região semiárida paraibana em um experimento com três blocos casualizados e dez tratamentos (Crotalaria juncea L., C. spectabilis Roth, C. ochroleuca G. Don., Canavalia ensiformes (L.) DC., Dolichos lablab L., Mucuna pruriens (L.) DC., Neonotonia wightii (Wight & Arn.) J.A. Lackey e Brachiaria decumbens Stapf), Pennisetum americanum (L.) R.Br.), Stilozobium aterrimum Piper and Tracy. As avaliações foram feitas seguindo o método do curso diário, sucessivamente nos horários de 8:00-10:00, 10:00-12:00, 12:00-14:00,14:00-16:00 e 16:00-18:00 horas. As variáveis analisadas foram taxa fotossintética (A), transpiração foliar (E), condutância estomática (Gs), concentração interna de CO2 (Ci), eficiência no uso de água (EUA), eficiência instantânea de carboxilação (EiC) e eficiência intrínseca do uso da água (EiUA), além da matéria seca da aérea. As espécies do gênero Crotalaria apresentaram os maiores valores de taxas fotossintéticas, o que as condicionaram a maiores abertura estomática e transpiração. As espécies B. decumbens e P. americanum apresentaram uma maior eficiência no uso da água e de carboxilação. As espécies de Fabaceae atingiram seu pico de absorção entre as 9 e 11h, e as Poaceae entre 12 e 13h. As espécies Fabaceae apresentaram as melhores respostas fotossintéticas para a espécie C. juncea e de maior produção de biomassa seca para M. pruriens.
  • RENATO PEREIRA LIMA
  • New approaches to optimizing the functionality of starch-based coatings for improving postharvest quality and conservation of tropical fruits
  • Orientador : SILVANDA DE MELO SILVA
  • Data: 28/02/2020
  • Hora: 13:00
  • Mostrar Resumo
  • Coatings are low cost and feasible technologies to maintain the quality of stored fruits and vegetables and reduce postharvest losses. They are a thin layer blocking pores and lenticels on the fruit surfaces, acting as a barrier to moisture, O2, and CO2 exchanges, modifying internal gas concentrations, reducing product metabolic activity and delaying senescence. This work was aimed at describing the effects of cassava starch-based coatings on blocking pores, changing internal atmosphere composition and preserving qualities of coated fruits. Four experimental approaches with different objectives were carried out: I – to propose an alternative method for the estimation of blocked pores on the surface of freshly coated produce using Digital Image Processing and to quantitatively assess the impact of coating properties on blocking pores of different fruits; II – to describe the relationship between starch-based coating and the internal oxygen concentration in coated banana; III – to investigate the dynamic behaviour gases exchange and internal atmosphere build up in starch-based solution coated papaya fruit; IV – to evaluate the effects of starch-based coating with ascorbic acid/choline chloride Deep Eutectic Solvent (DES) as a plasticizer on postharvest quality of mango fruit. The proposed method for estimating the blocked pores on coated fruit surface uses stained starch granules-color to segment coated fruit images and to extract the patterns. Coating solution without Tween, as well as the one receiving Tween when it was at 60 °C, had weak interaction with the skin of fruits known to have high cutin and wax content (mandarins and peppers) but had great adhesion onto the banana surface.
  • ANGELICA DA SILVA SALUSTINO
  • AÇÃO DE BIOFERTILIZANTES LÍQUIDOS ASSOCIADOS A EXTRATOS VEGETAIS SOBRE Ceratitis capitata Wied, 1824 (Diptera: Tephritidae)
  • Data: 28/02/2020
  • Hora: 10:30
  • Mostrar Resumo
  • A mosca das frutas Ceratitis capitata Wied, 1824, é considerada uma das principais pragas de frutíferas em todo o mundo, representando a maior variedade de hospedeiros entre as demais moscas das frutas. Devido aos danos acarretados pelo uso de produtos químicos visando o controle desta praga, métodos alternativos vêm sendo utilizados para diminuir os prejuízos causados por este inseto, de forma ecologicamente correta, como o uso de extratos vegetais, os quais podem apresentar efeitos inseticidas letais e subletais. Diante do exposto o objetivo desse estudo foi avaliar a ação de biofertilizantes líquidos associados a extratos vegetais sobre Ceratitis capitata. A pesquisa foi realizada no Laboratório de Zoologia de Invertebrados no Centro de Ciências Agrárias da Universidade Federal da Paraíba. Sendo utilizados para ação deletéria dois biofertilizantes (Vairo e Plantas) associados a nove extratos vegetais (Pitanga, Alho, Gengibre, Hortelã, Pimenta, Arruda, Nim, Pinha e Cravo), na concentração única de 20%, e posteriormente apenas os extratos de Nim, Pitanga, Arruda, Gengibre e Alho em concentrações de 30, 40 e 50%. Na concentração única de 20% os extratos de gengibre, pitanga, arruda e alho quando comparados aos demais foram os que apresentaram maior probabilidade de mortalidade larval. No entanto, evidenciou-se interferência dos biofertilizantes na ação inseticida dos extratos de gengibre (B.V. 39,8% a B.P. 16,33%) e arruda (B.V. 19,8 a B.P. 4,49%). Na aplicação com diferentes concentrações, a mortalidade larval foi próxima a 100% para os extratos de Nim, Arruda e pitanga, quando associados ao biofertilizante Vairo. O biofertilizante de plantas interferiu no extrato de Nim nas concentrações de 30 e 40%, no extrato de Pitanga apenas na concentração de 30% e no extrato de Arruda na concentração de 50%. A mortalidade larval de C. capitata decorrente da aplicação de biofertilizantes associados a extratos foi influenciada pelas concentrações de 30, 40 e 50% pelo biofertilizante de plantas.
  • ANSELMO FERREIRA DA SILVA
  • Compatibilidade entre clones de cajueiro anão precoce avaliada pelos mecanismos fotossintético, osmoprotetor e de compactação de reservas sob supressão hídrica,
  • Orientador : REJANE MARIA NUNES MENDONCA
  • Data: 28/02/2020
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • A cajucultura possui grande impacto socioeconômico no Brasil, principalmente na região Nordeste. A despeito de ser a maior região produtora de caju e de ter-se grandes áreas de produção sem irrigação, as irregularidades pluviométricas têm limitado o desenvolvimento das plantas e a expansão das áreas de produção. Desta forma, alternativas de composição de porta-enxertos e copa que possuam menor demanda hídrica devem ser buscadas. O estudo de porta-enxertos com reduzida demanda hídrica vem sendo realizado em diversas culturas; porém a compatibilidade destes com as copas de interesse comercial nem sempre têm sido observadas. Entender os mecanismos fisiológicos que possibilitam a influência do porta-enxerto sobre os sítios bioquímicos da copa ou vice-versa, pode permitir a identificação de composições que possam ser recomendadas para ambientes com maior restrição hídrica, notadamente quando o cultivo for sem irrigação. Desta forma, objetivou-se com o presente estudo evidenciar interferências no enxerto pelo porta-enxerto através do status hídrico, metabolismo fotossintético, compartimentação de reservas e osmoproteção sob supressão hídrica. O trabalho foi conduzido em campo no município de Catolé do Rocha, Paraíba, Brasil, no esquema fatorial 4x4 avaliando-se quatro combinações de enxerto/porta-enxerto: CCP76/CCP76, CCP76/BRS226, BRS226/BRS226 e BRS226/CCP76; submetidas a quatro regimes hídricos (25%, 50%, 75% e 100% da ETc). O delineamento estatístico teve 3 repetições, com 48 plantas na parcela útil. Entre os blocos foi colocado uma bordadura com 4 plantas, totalizando 16 plantas como bordaduras e extremidades. Aos 30 dias sob os tratamentos foram realizadas mensurações dos diâmetros do caule da copa (DCC) e porta-enxerto (DCPE) conteúdo relativo de água (CRA), percentual de umidade (U%), dano de membrana (DM), trocas gasosas, atividade fotoquímica, pigmentos clorofilados e com 24 horas iniciou as análises de carboidratos (AST, AR e ANR), aminoácidos (AALT), proteínas solúveis totais (PST), glicina-betaína (GB), prolina (PRO) e o conteúdo de íons (Na+, K+, Ca2+ e Cl-). Tomados os resultados, a combinação BRS226/CCP76, corresponde aos melhores resultados na compartimentação de reservas (AR e NRS) em 25 e 50% da ETc. Concluiu-se que as plantas BRS226/CCP76 têm uma melhor adaptação ao déficit hídrico tanto na atividade fotoquímica (Fm, FV, Fv/Fm), como no acúmulo de carboidratos (AR e NRS) e o auto-enxerto CCP76 e a combinação CCP76/BRS226 responderam com elevação dos conteúdos de osmoproteção sob restrição hidrica. Destaca-se que pode ser utilizada a lâmina de até 50% da ETc com as combinações que possuem o BRS226 tanto como enxerto, como porta-enxerto, sem alterações drásticas no crescimento e metabolismo vegetal.
  • ANDRESSA KAMILA SOUZA ALVES
  • Aplicação de reguladores de crescimento na qualidade pós-colheita de batata doce (Ipomoea batatas)
  • Data: 28/02/2020
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • A batata doce (Ipomoea batatas L. (Lam.)) é uma importante fonte energética e consumida em grande parte do mundo, principalmente em países subdesenvolvidos . O objetivo deste trabalho foi avaliar o efeito da aplicação de reguladores de crescimento (nas características pós-colheita de batata doce. O experimento de campo foi realizado na Universidade Federal da Paraíba (CCA – Areia – PB) utilizando delineamento em blocos casualizados em esquema fatorial 4 tipos de reguladores de crescimento) e 6 doses, com 3 repetições, sendo esses o Ethrel® , Nitrato de Cálcio, Stimulate® e o Acadian®. As características dos tubérculos foram avaliadas no laboratório pós colheita da Universidade Federal da Paraíba (CCA – Areia – PB), e as análises foram o teor de glicose, sacarose, açúcares totais, amido, sólidos solúveis totais, acidez, pH e cinzas. Os dados foram submetidos ao teste de normalidade (Shapiro-Wilk) e homogeneidade (Bartlett) e, em seguida, à análise de variância. Os dados não foram significativos (P>0,05) e, por isso, análises descritivas foram realizadas. A aplicação de reguladores de crescimento (Acadian®, Ethrel®, nitrato de cálcio e Stimulate®), aplicados na pré-colheita , não foram eficientes na pós-colheita de batata doce.
  • GALILEU MEDEIROS DA SILVA
  • AVALIAÇÃO DO BANCO DE SEMENTES EM DUAS ÁREAS DA CAATINGA PARAIBANA COM PRESENÇA DA ESPÉCIE Sideroxylon obtusifolium (Roem. Schult.) T.D. Penn
  • Orientador : EDNA URSULINO ALVES
  • Data: 28/02/2020
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • A pesquisa com banco de sementes é uma ferramenta importante na avaliação do estado de conservação de espécies vegetais, uma vez que o conhecimento do banco de sementes permite o entendimento do processo de sucessão ecológica local, além de facilitar no estudo de alternativas de menor custo em projetos de recuperação de áreas degradadas. O objetivo nesse trabalho foi avaliar o banco de sementes em duas áreas da Caatinga paraibana com presença da espécie Sideroxylon obtusifolium (Roem. & Schult.) T.D. Penn. A pesquisa foi realizada em duas áreas, localizadas nos municípios de Boa Vista e Prata, ambos na Paraíba, pertencentes às fazendas Santa Rosa do Espólio e São Paulo, respectivamente. As coletas das amostras de solo foram realizadas de forma aleatória em duas etapas, na mesma época de cada ano, ambas no mês de abril do ano de 2018 e 2019. Em Boa Vista foram selecionadas 25 e em Prata 20 plantas matrizes da referida espécie, tomando como base para a coleta de solo. Em cada planta matriz foram coletadas duas amostras de solo, sendo uma na borda de sua copa e a outra a uma distância de aproximadamente 15 metros da borda de sua copa. As amostras de solo foram coletadas com auxílio de gabaritos de ferro, acondicionadas em sacos plásticos, identificadas com etiquetas e em seguida transportadas para casa de vegetação do Laboratório de Análises de Sementes do Centro de Ciências Agrárias da Universidade Federal da Paraíba (UFPB), onde foram destorroadas, uniformizadas e colocadas para germinar em bandejas de plástico, prosseguindo-se com a determinação da composição florística, diversidade de espécies (Shannon-Weaver), equabilidade de Pielou e a estrutura fitossociológica. No banco de sementes na área de Prata-PB foram reconhecidas 16 espécies, 19 gêneros dentro de 13 famílias botânicas. Na área de Boa vista-PB foram reconhecidas 39 espécies, 38 gêneros dentro de 19 famílias botânicas. Em ambas as áreas há predominância de espécies com porte herbáceo, sendo que ocorrência da espécie S. obtusifolium foi constatada apenas no banco de sementes da área de Boa Vista-PB.
  • MARIA DAS GRAÇAS RODRIGUES DO NASCIMENTO
  • ASPECTOS GENÉTICOS E QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES CRIOULAS DE Phaseolus lunatus L.
  • Data: 28/02/2020
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • A fava (Phaseolus lunatus L.) é uma cultura importante para agricultores familiares, principalmente da região Nordeste, devido às diferentes características quanto as formas, tamanho e cor. Dessa forma, o objetivo foi determinar, através da diversidade genética, se as variedades têm uma alta proximidade, como também avaliar a qualidade física, fisiológica e sanitária das sementes das diferentes variedades crioulas de Phaseolus lunatus L. adquiridas de agricultores familiares dos Estados da Paraíba e Pernambuco, submetidas ao estresse salino. A pesquisa foi realizada nos Laboratórios de Análise de Sementes e de Fitopatologia do Centro de Ciências Agrárias. As avaliações foram de citogenética, diversidade genética, qualidade fisiológica, sanitária e estresse salino. A análise citogenética foi realizada com sementes de 19 variedades, para a diversidade genética foram utilizadas sementes de 29 variedades, na avaliação da qualidade fisiológica determinou-se o teor de água, peso de mil sementes e avaliação da germinação e vigor (primeira contagem de germinação, índice de velocidade de germinação, comprimento e massa seca de plântulas, teste de tetrazólio, condutividade elétrica) e composição química, enquanto para simulação do estresse salino utilizou-se cloreto de sódio (NaCl), nas concentrações de 0,0 (testemunha); 2,0; 4,0; 6,0; 8,0 e 10,0 dS m-1. Para qualidade sanitária e fisiológica utilizou-se sementes de seis variedades crioulas de P. lunatus (Branca, Cancão, Cavalinha, Manteiguinha, Orelha de Vó e Rainha). Em todas as variedades analisadas foi constatado 2n = 22, cariótipos com tamanho médio entre 2,45 a 5,85 µm relativamente simétricos e cromossomos predominantemente metacêntricos. Entre as variedades crioulas de P. lunatus evidencia-se variabilidade genética, por isso indica-se para seleção as variedades Branca, Coquinho Moita Vermelha, Miúda, Manteiga, Raio de Sol e Orelha de Vó. A germinação média das sementes das variedades foi 91%, constatando-se para as variáveis alta herdabilidade (>70%), condição essa favorável à seleção. Os gêneros de fungos presentes nas sementes das variedades crioulas de P. lunatus são Alternaria sp., Aspergillus sp., Basiodiplodia sp., Cladosporium sp., Fusarium sp., Penicillium sp., Rizhopus sp., Rizoctonia sp. e Trichoderma sp. O percentual germinativo das sementes de variedades crioulas de P. lunatus não foi afetado por altas concentrações de NaCl, de forma que germinam até 10 dS m-1.
  • MARIA ÍTALA ALVES DE SOUZA
  • SELETIVIDADE DE INSETICIDAS UTILIZADOS NA CULTURA DO MILHO SOBRE O PREDADOR Marava arachidis Yersin, 1860 (Dermaptera: Forficulidae)
  • Orientador : CARLOS HENRIQUE DE BRITO
  • Data: 28/02/2020
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • Dentre os insetos-praga mais importantes da cultura do milho, destaca-se a lagarta-do-cartucho Spodoptera frugiperda (J. E. Smith) (Lepidoptera: Noctuidae). O controle químico é considerado o principal método para controlar esta praga, porém, algumas desvantagens como a possibilidade da não seletividade aos inimigos naturais, ressurgência da praga, seleção de insetos resistentes e contaminação humana e ambiental podem ser observados com a aplicação de produtos químicos. Isso A espécie Marava arachidis (Yersin, 1860) (Dermaptera, Forficulidae) em virtude do seu comportamento generalista, vêm se destacando como importante agente de controle biológico. Desta maneira, considerando-se a potencialidade desse predador no controle de insetos-pragas, o objetivo deste trabalho foi avaliar a seletividade de inseticidas registrados para o controle de S. frugiperda na cultura do milho sobre Marava arachidis (Yersin, 1860) em condições de laboratório. A pesquisa foi conduzida no Laboratório de Zoologia de Invertebrados, localizado no Departamento de Ciências Biológicas do Centro de Ciências Agrárias da Universidade Federal da Paraíba (CCA-UFPB). Para verificar o efeito de contato e ingestão dos inseticidas, os mesmos, foram aplicados e ofertados a ninfas e adultos de M. arachidis, sendo utilizados os seguintes inseticidas químicos: Belt (Flubendiamida), Cyptrin 250 CE (Cipermetrina), Lannate BR(Metomil), Sabre (Clorpirifós) e Xentari (Bacillus thuringiensis) sendo utilizada a dose de campo para todos os tratamentos. Dentre os tratamentos utilizados aplicados diretamente sobre esse predador, os inseticidas Flubendiamida, Metomil e B. thuringiensis foram seletivos, mostrando-se inócuos a M. arachidis, podendo ser utilizados em programas de Manejo Integrado de Pragas. Entretanto, os inseticidas Cipermetrina e Clorpirifós, não apresentaram seletividade, mostrando-se moderadamente nocivo a esse predador. Em contrapartida, o efeito de ingestão mostrou-se diferente, onde todos os inseticidas mostraram-se inócuos a esse predador.
  • MÁRCIA PALOMA DA SILVA LEAL
  • Indutores de Florescimento na Batata Doce (Sweet potato L.)
  • Orientador : THIAGO JARDELINO DIAS
  • Data: 27/02/2020
  • Hora: 13:00
  • Mostrar Resumo
  • A produção de novos conhecimentos sobre o crescimento e desenvolvimento da cultura da batata doce, para região nordeste, tem sido um avanço positivo para os produtores que garantem sua renda através da produção dessa olericola. Podendo assim, auxiliar na eficiência dos recursos produtivos e consequentemente na elevação da sua produtividade. Com vista nisso, objetivou-se avaliar o efeito dos indutores de florescimento, no crescimento e desenvolvimento, na produção, na fisiologia da planta e nos fatores ambientais para a cultura da batata doce, o experimento foi em blocos casualizados, em esquema fatorial com quatro indutores e seis concentrações, (Stimulate® 0,0; 2,0; 4,0; 6,0; 8,0; e 10,0 ml-1, Etrel 0,0; 1,0; 2,0; 3,0; 4,0; e 5,0; ml-1, Acadian® 0,0; 0,5; 1,0; 2,0; 3,0; e 4,0 ml-1 e Nitrato de cálcio 0,0; 10,0; 20,0; 30,0; 40,0; e 50,0 ml-1 ) com três repetições. As variáveis analisadas foram crescimento e desenvolvimento (altura da planta, número de folhas e diâmetro do caule), produção (peso total, número de ramas, peso de rama comercial, número de rama comercial, comprimento de rama, diâmetro da rama e parte aérea), fisiológicas (trocas gasosas: fotossíntese líquida, condutância estomática, transpiração, concentração de carbono interno, eficiência do uso da água, eficiência intrínseca do uso da água e eficiência intrínseca de carboxilação), (fluorescências de clorofila :fluorescência inicial, máxima, variável), (índices de clorofila: clorofilas a, b e total) e fatores ambientais como: temperatura média do ar (Cº), pressão atmosférica(mb), umidade relativa do ar (%),vento (m/s), chuva (mm), evaporação (mm) e fotoperíodo (horas). O indutor Etrel não é indicado para o crescimento e desenvolvimento das plantas de Batata Doce da variedade Paraíba, já os indutores Nitrato de cálcio, Stimulate® e Acadian® são recomendados para crescimento vegetativo da cultura, e os fatores climáticos como, precipitação, evaporação e evapotranspiração apresentaram características negativas para produção da batata doce na região do brejo paraibano.
  • JARDEL DA SILVA SOUZA
  • DIVERSIDADE GENÉTICA EM BELDROEGAS Portulaca spp
  • Orientador : ELIZANILDA RAMALHO DO REGO
  • Data: 21/02/2020
  • Hora: 13:00
  • Mostrar Resumo
  • O sucesso de um programa de melhoramento depende da variabilidade genética disponível. Uma forma de conhecer a variabilidade presente em uma população de plantas é por meio da caracterização destes recursos. A Portulaca umbraticola é muito utilizada na ornamentação urbana, no entanto, seu potencial ornamental e genético e pouco estudado, possuindo uma quantidade escassa na literatura atual, muito pelo fato desta ser confundida com outras espécies do gênero Portulaca. Para se trabalhar com uma espécie e fornecer um material com qualidade para o mercado de plantas ornamentais é necessário ter conhecimento há cerca da espécie que está melhorando. Diante do exposto, o presente trabalho teve como objetivo avaliar a diversidade genética entre vinte acessos de P. umbraticola e comprovar a classificação taxonômica dos acessos comparando-os com a espécie P. oleracea e sugerir acessos ideais para programas de melhoramento genético de plantas ornamentais. Os vinte acessos foram coletados nas vias públicas nos municípios de Areia e Santa Rita, Paraíba. Cultivados em casa de vegetação em vasos de 900ml e com substrato comercial em delineamento inteiramente casualizado no Laboratório de Biotecnologia e Melhoramento Vegetal e analises citogenéticas no Laboratório de Botânica no Centro de Ciências Agrárias na Universidade Federal da Paraíba (CCA-UFPB). Foram utilizados 20 acessos que foram caracterizados quantitativos e qualitativamente. No primeiro capítulo foram caracterizados quantitavos e qualitativos de vinte acessos de P. umbraticula, os dados foram submetidos a análise de variância análise de variância multivariada, a importância relativa onde foi determinada pelo método de Sing (1981), a análise de variáveis canônicas e o teste de Scott-Knott todos os dados foram tratados com o software Genes. No segundo capítulo foram analisados os vinte acessos de P. umbraticola e uma planta da espécie P. oleracea para comparar, também foi realizado um cruzamento dialélico balanceado com progenitores sem recíproco. No primeiro capítulo sugeriu os acessos 1, 5, 6, 13, 14, 16, 18 e 19. No segundo capítulo constatou-se que todos os acessos pertencem a mesma espécie P. umbraticola Kunth.
  • WILMA FREITAS CELEDÔNIO
  • BIOESTIMULANTE NA PRODUÇÃO DE MUDAS DE ROMÃZEIRA (Punica granatum) CV. MOLLAR
  • Orientador : REJANE MARIA NUNES MENDONCA
  • Data: 20/02/2020
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • A romãzeira (Punica granatum) está entre as espécies frutíferas exóticas que vem se destacando economicamente no Brasil, principalmente, na região semiárida do Nordeste, pois, apresentam boa aceitação no mercado e proporcionam boa produção e rentabilidade ao fruticultor. No estabelecimento de áreas comerciais é importante que os materiais propagativos apresentem boa qualidade e aspectos nutricionais satisfatórios, nesse sentido, é importante a manutenção da nutrição desde a fase de produção de mudas, sendo necessário o uso de produtos rico em substâncias que atuam na formação de enzimas, hormônios e clorofila, favorecendo as plantas no processo de absorção de água e nutrientes, nesse caso, os bioestimulantes. Portanto, o objetivo desse estudo foi analisar o efeito da aplicação de bioestimulante no crescimento inicial e atividade fisiológica na fase de produção de mudas de romãzeira. A pesquisa foi realizada em estufa pertencente ao Departamento de Fitotecnia e Ciências Ambientais da Universidade Federal da Paraíba – UFPB, situada no município de Areia, Paraíba. Os tratamentos foram obtidos pelo arranjo fatorial 6x3, correspondente a 6 doses do bioestimulante (0; 0,2; 0,4; 0,6; 0,8; 1,0 ml/5L) e 3 retiradas no tempo (20, 40, 60 dias após primeira aplicação do produto). O delineamento experimental utilizado foi o de blocos casualizados (DBC), com quatro repetições, sendo a unidade experimental composta por 10 plantas. Foram avaliadas características morfológicas de crescimento e fisiológicas das plantas. Os danos foram submetidos à análise de variância pelo teste F (p <0,05). Observou-se que as plantas apresentaram resultados positivos nas características de crescimento de acordo com o aumento das concentrações do bioestimulante. Enquanto que para as variáveis de fluorescência o efeito da aplicação do bioestimulante tenha sido negativo, este não foi suficiente para afetar as variáveis de troca gasosa, até a dose 0,4mL/5L. Conclui-se portanto que aplicação do bioestimulante Viusid Agro é recomendada para a formação de mudas de romãzeira cv. Mollar, por promover incremento no crescimento, onde o período de 60 dias após aplicação do tratamento foi adequado para a boa formação de mudas de romãzeira.
  • JOÃO EVERTHON DA SILVA RIBEIRO
  • SAZONALIDADE, LUMINOSIDADE E DÉFICIT HÍDRICO SOBRE ASPECTOS ECOFISIOLÓGICOS EM PLANTAS DE Erythroxylum pauferrense Plowman
  • Data: 20/02/2020
  • Hora: 08:30
  • Mostrar Resumo
  • Estudos ecofisiológicos são de elevada importância para buscar o entendimento da relação planta-ambiente. Variações sazonais e fatores abióticos, como a irradiância e disponibilidade hídrica, podem influenciar na ecofisiologia de espécies do sub-bosque. Nesse contexto, esta pesquisa teve como objetivo avaliar o efeito da variação sazonal, luminosidade e disponibilidade hídrica sobre aspectos ecofisiológicos em plantas de Erythroxylum pauferrense Plowman. No Artigo I, objetivou-se avaliar os efeitos da sazonalidade sobre aspectos ecofisiológicos de E. pauferrense em área de dossel aberto e fechado. A pesquisa foi realizada no Parque Estadual Mata do Pau-Ferro, localizado no município de Areia, Paraíba, Brasil. As leituras das variáveis ecofisiológicas e ambientais foram realizadas mensalmente em dois períodos do ano: seco (setembro de 2017 a fevereiro de 2018) e chuvoso (março a agosto de 2018); e em duas áreas: A1 (dossel aberto) e A2 (dossel fechado). Foram mensurados o índice de área foliar, fração de céu visível e radiação fotossinteticamente ativa em cinco indivíduos em duas áreas, sendo A1: dossel aberto e A2: dossel fechado. Em cada área também foram coletados dados de umidade e temperatura do solo, precipitação mensal e temperatura do ar, durante 12 meses. Posteriormente analisaram-se os efeitos dessas variáveis ambientais sobre as variáveis de trocas gasosas, fluorescência da clorofila a, índices de clorofila, atributos morfofuncionais e relações hídricas. Os dados foram submetidos a análise multivariada por meio da análise de correlação canônica (ACC) e análise de componentes principais (ACP) para verificar correlações entre as variáveis ecofisiológicas e ambientais, posteriormente para avaliar as diferenças entre as variáveis ecofisiológicas realizou-se a análise de variância de efeito misto com medidas repetidas no tempo, e em seguida as médias foram agrupadas pelo teste de Scott-Knott (p<0,05). Os indivíduos de E. pauferrense apresentam diferentes respostas às variações sazonais em A1 e A2, apresentando um menor desenvolvimento ecofisiológico no período seco (maior estresse hídrico e luminoso). A sazonalidade influencia nos aspectos ecofisiológicos de E. pauferrense em A1 e A2, com maior influência da umidade do solo, precipitação e índice de área foliar nas trocas gasosas, fluorescência da clorofila a e índices de clorofila. No Artigo II, objetivou-se avaliar aspectos morfofisiológicos de mudas de E. pauferrense submetidas a diferentes níveis de sombreamento. O experimento foi conduzido em casa de vegetação em delineamento inteiramente casualizado, com cinco tratamentos: 0%, 30%, 50%, 70% e 90% de sombreamento e oito repetições. Avaliaram-se características crescimento, atributos morfofuncionais, trocas gasosas, fluorescência da clorofila a e índices de clorofila. Os dados foram submetidos à análise de variância e de regressão polinomial. Plantas submetidas ao sombreamento de 30% possuem maior crescimento e desempenho fisiológico, sendo esse o mais recomendado para produção de mudas de E. pauferrense. No Artigo III, objetivou-se avaliar as características morfofisiológicas em plantas de E. pauferrense submetidas a diferentes regimes hídricos. A pesquisa foi desenvolvida em casa de vegetação pertencente a Universidade Federal da Paraíba, Campus II, Areia, Paraíba, Brasil. O delineamento experimental foi em blocos casualizados, com cinco tratamentos hídricos: 100%, 80%, 60%, 40% e 20% da capacidade de pote (CP) e quatro repetições. Os parâmetros avaliados foram: crescimento, aspectos morfofuncionais, trocas gasosas, fluorescência da clorofila a e índices de clorofila. Os dados foram submetidos a análise de variância e nos casos de significância, realizaram-se análises de regressão polinomial. Constatou-se que o regime de maior estresse hídrico (20% da CP) proporcionou reduções nos parâmetros avaliados. O regime de 80% da CP é o mais recomendado para produção de mudas de E. pauferrense promovendo maior crescimento e modificações significativas nos aspectos morfofuncionais, trocas gasosas, fluorescência da clorofila a e índices de clorofila.
  • WILLIAM SANTANA ALVES
  • Número cromossômico e heterocromatina em espécies do gênero Oxalis L. (Oxalidaceae R.Br.)
  • Orientador : LEONARDO PESSOA FELIX
  • Data: 19/02/2020
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • Oxalis L. é o maior gênero da família Oxalidaceae, com aproximadamente 500 espécies, dividido em quatro subgêneros: Trifidus, Monoxalis, Oxalis e Thamnoxys. O subgênero Thamnoxys apresenta uma ampla diversidade morfológica, acompanhada por uma variação cariotípica incomum, com a maioria das espécies diploide, com n = 5, 6, 7, 8, 9 e 11. As relações filogenéticas do grupo ainda não foram na sua totalidade elucidadas. Neste trabalho foram analisadas através da coloração CMA/DAPI, o cariótipo de 14 espécies e uma subespécie de Oxalis das seções Polymorphae, Thamnoxys e Holophyllum, Hedysarioideae e Phyllodoxys, com o objetivo de caracterizar o cariótipo desses táxons, buscando marcas cromossômicas que possam contribuir para entender a evolução cromossômica do grupo. Pontas de raízes foram pré-tratadas com 8HQ, por 24 horas e depois fixadas em Carnoy. As lâminas foram preparadas pelo método de esmagamento em ácido acético a 60% e envelhecidas em temperatura ambiente. Em seguida, as melhores lâminas foram coradas com Chromomycin (CMA) e 4',6-Diamidino-2-Phenylindole (DAPI) e fotografadas. O número cromossômico predominante entre as espécies analisadas foi 2n = 10, exceto em O. puberula com 2n = 20 (sect. Polymorphae) e nas espécies O. hedysarifolia com 2n = 12 e O. frutescens com 2n = 24, ambas pertencentes a seção Thamnoxys. No geral, as espécies apresentaram fórmula cariotípica semelhantes com cromossomos metacêntricos, submetacêntricos e acrocêntricos. A dupla coloração com os fluorocromos revelou apenas bandas CMA+, na posição terminal do braço curto. O número básico x = 5 é sugerido, devido a frequência que é encontrado nas espécies neste trabalho nas espécies do subgênero Thamnoxys. Assim, sugere-se que entre as Angiospermas, as espécies do subgênero Thamnoxys é uma das que mais apresentam assimetria cariotípica. O enriquecimento de dados citotaxonômicos vegetais das espécies pertencentes ao subgênero Thamnoxys, incluindo a determinação do número cromossômico e análises filogenéticas mais completas, ainda se torna necessário para elucidar o número básico ancestral do gênero e quais seriam os principais mecanismos envolvidos na evolução cromossômica do grupo.
  • REYNALDO TEODORO DE FÁTIMA
  • ADUBAÇÃO FOLIAR DE NITROGENIO COMO ATENUANTE DO ESTRESSE SALINO EM MUDAS DE PINHEIRA
  • Data: 19/02/2020
  • Hora: 13:00
  • Mostrar Resumo
  • A pinheira é uma fruteira tropical altamente adaptada às condições climáticas da região nordeste do Brasil. Porém, nessa região a elevada salinidade da água de irrigação tem limitado o o desenvolvimento inicial da maioria das frutiferas. Como alternativa, a suplementação adequada de nitrogenio pode atenuar os efeitos deletérios da salinidade, o qual pode ser rapidamente disponibilizado por meio da adubação foliar. Diante disso, pela ausência de trabalhos com esse método de adubação como atenuante do estresse salino, objetivou-se com a pesquisa avaliar os efeitos da adubação nitrogenada foliar na morfofisiologia de mudas de pinheira irrigadas com águas de distintas salinidades. O experimento foi conduzido em delineamento de blocos casualizados, com base na matriz Composto Central de Box, com cinco valores de condutividade elétrica da água de irrigação (CEai = 0,5; 1,15; 2,75; 4,35 e 5,0 dS m-1) e cinco doses de nitrogênio foliar (DNF= 0,0; 0,33; 1,15; 1,97 e 2,3 g L-1), com quatro repetições e duas plantas por parcela. Para tanto, foram analisadas as variáveis fisiológicas de trocas gasosas, fluorescência e clorofila, bem como as variáveis de crescimento, taxas de crescimento e qualidade aos 45 e 90DAE. A adubação nitrogenada foliar, na dose de 1,62 g L, atenua os efeitos da salinidade nas trocas gasosas de pinheira. A atividade da fluorescência e teores de clorofila são elevados pela adubação foliar de nitrogênio em pinheira aos 45 e 90 DAE. A adubação nitrogenada foliar atenua os efeitos do estresse salino no crescimento, além de manter a qualidade das mudas de pinheira, aos 90 DAE. A dose de 1,56 g L de N associada a CEai de 0,5 dSm-1 apresenta os melhores resultados na formação de mudas de pinheira.
  • FABIANO SIMPLICIO BEZERRA
  • SILÍCIO NO CRESCIMENTO E FISILOGIA DE MUDAS DE MARACUJAZEIRO-AMARELO SOB SALINIDADE
  • Orientador : WALTER ESFRAIN PEREIRA
  • Data: 19/02/2020
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • O cultivo do maracujazeiro amarelo tem se destacado no cultivo de frutas tropicais, no entanto seu rendimento pode ser prejudicado devido aos danos causados pela salinidade. Diante disto, é necessário apontar, técnicas que atenuem tais danos, como a adubação silicatada para mitigar os efeitos negativos do excesso de sais na água de irrigação, sob o crescimento e fisiologia de mudas de maracujazeiro amarelo. Neste sentido, esta pesquisa foi dividida em dois capítulos. O primeiro capítulo teve como objetivo avaliar a adubação silicatada na mitigação dos efeitos negativos do excesso de sais na água de irrigação, sob o crescimento de mudas de maracujazeiro amarelo. No segundo, objetivou-se investigar o papel do silício na fisiologia de mudas de maracujazeiro amarelo sob estresse salino. O delineamento experimental foi em blocos ao acaso, em esquema fatorial incompleto, com cinco doses de silício (0; 29; 100; 171 e 200 g dm-3) e cinco condutividades elétrica da água de irrigação (0,3; 0,9; 2,4; 3,9 e 4,5 dS m-1), com quatro repetições, geradas da matriz do projeto experimental Composição Central de Box. No primeiro capítulo foi verificado que na presença de silício a altura da muda teve aumento de 23% sob estresse de salinidade. A aplicação de 40,3 a 45,9 (g dm-3) de Si permitiu maiores valores de área foliar, com utilização da água de 1,0 dS m-1. No segundo capítulo foi observado que para os períodos de avaliação 60 e 75 DAE, na presença do silício ocorreu aumento nos índices de clorofila (ICF). Os parâmetros de fluorescência da clorofila foram afetados devido a salinidade da água de irrigação, assim, foi possível verificar redução na eficiência fotoquímica do PSII devido a salinidade. Aos 75 DAE, o valor máximo 7,04 na fotossíntese líquida (A), foi na dose de 194,51 g dm-3 sob a salinidade de 0,3 dSm-1. O silício promoveu aumento de 35,4% para a fotossíntese líquida (A). Desta forma, confirmam os efeitos que o silício tem em atenuar efeitos abióticos (salinidade). A dose de silício 199,2 (g dm-3) proporcionou maior crescimento em mudas de maracujazeiro sob estresse salino aos 15 DAE. O silício protegeu a atividade fotossintética em mudas de maracujazeiro amarelo contra os danos da salinidade.
  • MAGNÓLIA MARTINS ALVES
  • Níveis de sombreamento na produção de mudas de Psychotria carthagenensis jacq.
  • Orientador : MANOEL BANDEIRA DE ALBUQUERQUE
  • Data: 18/02/2020
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • Os estudos ecofisiologicos no âmbito de espécies de sub-bosque têm sido amplamente discutidos no intuito de descrever e compreender as respostas ecofisilógicas das plantas sobre diferentes tipos de ambiente. Diante da importância das espécies de sub-bosque, avaliar a composição do banco de sementes do solo e regeneração natural de uma área em uma Floresta ombrófila aberta. (Artigo 1) é avaliar possíveis alterações no funcionamento trocas gasosas em indivíduos de P. colorata no sub-bosque em um remanescente florestal ombrófila aberta em função da sazonalidade (Artigo 2). No capítulo 1 foram feito a avaliação de regeneração natural de plântulas de P. colorata, quanto à altura, diâmetro da base e número de folhas. Os resultados indicaram que as classes de altura, os indivíduos se inseriram em apenas duas classes de altura, com a maior frequência constatada na classe I - de 20 a 40 cm [(138 seguida pela classe II - 40 a 60 cm 92 indivíduos)]. Quanto ao experimento referentes ao banco de sementes, foi registrada durante todo o estudo (outubro de 2017 a dezembro de 2018) a germinação de 84 indivíduos pertencentes a 11 famílias. A família Fabaceae (3) foi a que constatou maior número de espécie, seguida de Asteraceae (6), com 2 taxa não determinadas. No artigo 2, influência da variação sazonal sobre a ecofisiologia de Psychotria colorata (willd. ex schult.). Para tanto, foram investigadas características morfo-anatômicas. Foi mensurada a taxa de fotossíntese (A) (µmol m-2 s-1), condutância estomática (Gs), transpiração (E) e concentração de carbono interno (Ci). A partir dos dados obtidos dessas variáveis, calculou-se a eficiência instantânea do uso de água (EUA, A/E), eficiência intrínseca do uso da água (EiUA, A/gs), e eficiência instantânea de carboxilação (EiC, A/Ci) Foram realizados cortes da folha para realizar a densidade estomática na parte basal, mediana e apical, números de tricomas, espessura das superfícies adaxial e abaxial da epiderme. Os resultados obtidos constataram que a taxa de transpiração (E) foi alta nos meses de maior disponibilidade de água, assim, a condutância estomática (Gs) no mês de abril resultou no valor de 0,181 mol m-2s-1, com maior precipitação. A densidade estomática nas faces adaxial e abaxial das folhas de Psychotria colorata aumentou nos meses de baixa precipitação (média de 110 estômatos mm-2, 143 estômatos mm-2, 97 estômatos mm-2, 101 estômatos mm-2).
  • MANOEL RICARDO DE ANDRADE JÚNIOR
  • CARACTERIZAÇÃO DE GENÓTIPOS DE SOLANÁCEAS COM POTENCIAL DE USO COMO PORTA-ENXERTO E COMPATIBILIDADE INICIAL DE MUDAS DE PIMENTÃO E TOMATE ENXERTADAS SOBRE DIFERENTES PORTA-ENXERTOS DA FAMÍLIA SOLANACEAE.
  • Orientador : MAILSON MONTEIRO DO REGO
  • Data: 28/01/2020
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • A família Solanaceae é composta por aproximadamente 3.000 espécies e 150 gêneros e é considerada a terceira família de maior importância econômica para o agronegócio mundial, possuindo várias espécies exploradas economicamente como é o caso da batata, berinjela, pimenta, tomate e pimentão. As oleráceas desta família são uma das mais atacadas por fitopatógenos transmitidos pelo solo e também por fatores abióticos, sendo a enxertia uma das formas integradas de lidar com esses obstáculos. Diante do exposto, o presente trabalho teve como objetivo caracterizar genótipos de solanáceas, quanto a caracteres de raiz e planta, e avaliar a sua compatibilidade inicial como porta-enxerto para cultivares comerciais de tomate e pimentão. Foram utilizados nove genótipos sendo quatro do gênero Solanum: Gogóia amarela (Solanum capsicoides), Gogóia laranja (S. agrarium), Tomate cereja cv. Carolina e Tomate ‘Caline’ IPA-7; cinco do gênero Capsicum, sendo duas pimenteiras comerciais: Pimenta de cheiro (Capsicum frutescens), Pimenta Malagueta (C. frutescens), e três genótipos comerciais de pimentão (Capsicum annuum): Pimentão ‘All Big’, Pimentão amarelo ‘SF 134’e Pimentão amarelo ‘Alegria’. As características avaliadas foram: Área do sistema radicular (ASR), Comprimento da raiz (CR), Diâmetro do caule (DC), Altura da planta (AP) e Compatibilidade enxerto/porta-enxerto. O delineamento utilizado no foi o inteiramente casualizado composto por nove tratamentos (genótipos) e cinco repetições. Os dados foram submetidos à análise de variância, com posterior agrupamento das médias pelo teste de Scott-Knott a 1% de probabilidade. Verificou-se diferença significativa entre os genótipos para as variáveis ASR, CP e DC. Os genótipos de: Gogóia laranja, Pimenta de cheiro, Pimentão ‘All Big’ e Pimentão amarelo ‘SF 134’ apresentaram a maior média para a área do sistema radicular, apresentando potencial de uso como porta-enxerto para espécies da família Solanaceae. A cultivar de tomate ‘Bartô’ apresentou compatibilidade com os acessos de Gogóia, Tomate cereja o Tomate IPA-07, já o Pimentão Yolo Wonder apresentou compatibilidade apenas sobre porta-enxerto do gênero Capsicum. Há incompatibilidade recíproca nas enxertias entre o gênero Solanum e o gênero Capsicum. Para a produção de mudas enxertadas recomenda-se o uso de espécies do gênero Solanum como porta-enxerto para a cultura do tomateiro, e espécies do gênero Capsicum como porta-enxertos para a cultura do pimentão.
2019
Descrição
  • GLÁUCIA DIOJÂNIA AZEVÊDO MEDEIROS
  • Caracterização do sistema de autoincompatibilidade e variabilidade genética do maracujazeiro amarelo (Passiflora edulis Sims.).
  • Orientador : MAILSON MONTEIRO DO REGO
  • Data: 20/12/2019
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • O maracujazeiro amarelo (Passiflora edulis Sims), é a principal espécie cultivada no Brasil. Embora apresente flores hermafroditas e férteis, normalmente é incapaz de fertilizar suas próprias flores ou flores de plantas que possuem constituição genética similar, inviabilizando autofecundações e até algumas hibridações, devido a presença da autoincompatibilidade do tipo homomórfica esporofítica. A autoincompatibilidade é muito frequente na natureza, supõe-se que mais da metade das famílias das angiospermas apresentam esse fenômeno. Em plantas, esse mecanismo é regulado por um número variável de genes com alelos múltiplos, denominados haplótipos-S, que codificam enzimas envolvidas na síntese de calose, a qual impede a passagem do tubo polínico no processo de polinização. Para contornar a restrição imposta pela autoincompatibilidade, distribui-se para plantio uma combinação de grande diversidade de alelos provenientes da mistura de genótipos diferentes. Uma das formas de se acessar e caracterizar a diversidade genética de dentro e entre as populações de P. edulis é através da utilização de marcadores moleculares. Neste contexto, o objetivo deste trabalho foi caracterizar o sistema de autoincompatibilidade e avaliar a variabilidade genética do maracujazeiro amarelo (P. edulis Sims.). Os trabalhos de campo foram realizados em pomares já estabelecidos nos municípios de Remígio-PB e as análises moleculares no Laboratório de Biotecnologia Vegetal da Universidade Federal da Paraíba, Areia, PB. Para todas as análises foram utilizadas 30 plantas de maracujazeiro amarelo, variedade Guinezinho. Aliado as diferentes estratégias de superação da autoincompatibilidade utilizadas, foram realizadas autopolinizações e cruzamentos recíprocos dentro da população. Assim como, avaliou-se as interações pólen-pistilo in vivo nas reações compatíveis e incompatíveis. Na população não foram encontradas plantas autocompatíveis e foi possível obter linhagens homozigotas, principalmente a partir das autopolinizações em antese com excisão dos estigmas. Também foram obtidos diferentes grupos de compatibilidade na população (S1, S2, S3, S4 e S5). As reações de incompatibilidade apresentam rápida resposta, com crescimento reduzido e em alguns casos anormal do tubo polínico e o fenótipo de rejeição incluiu a deposição de calose. Além disso, foram encontradas evidências em favor da hipótese de que a herança da autoincompatibilidade seja controlada por dois genes, um do sistema esporofítico (S) e outro gametofítico (G). Quanto às análises moleculares, o DNA genômico das plantas foi extraído e amplificado por PCR, utilizando onze combinações de iniciadores específicos para os haplóipos-S das classes I e II de Brassica. Fragmentos de DNA obtidos foram isolados, purificados e enviados para sequenciamento e a qualidade das sequências analisada utilizando ferramentas computacionais. Foram obtidas amplificações em todos os genótipos de P. edulis e os perfis eletroforéticos permitiram incluir seus alelos nas classes II de SLG e I de SRK. A presença de regiões amplificadas sugerem que os genes que controlam o sistema de autoincompatibilidade em Brassica e em Passiflora podem ser conservados evolutivamente. However, it was not possible to obtain satisfactory homology in a public database, due to the poor quality of the nucleotide sequences obtained. Sobre os estudos de variabilidade genética, foi possível acessar a diversidade intrapopulacional de P. edulis, usando marcadores moleculares RAPD e ISSR, sendo obtidos 87,7% e 61% de polimorfismos, respectivamente. As distâncias genéticas (0,060-0,725) demonstraram uma ampla base genética dentro da espécie. Os genótipos de P. edulis foram agrupados em diferentes grupos de similaridade, entretanto, não houve um consenso entre as técnicas RAPD e ISSR, sendo os resultados dados obtidos por RAPD mais consistentes.
  • ALTAMIRO OLIVEIRA DE MALTA
  • NUTRIÇÃO, FISIOLOGIA, PRODUÇÃO E PÓS-COLHEITA DE FRUTOS DA GOIABEIRA ‘PALUMA’ SOB ADUBAÇÃO SILICATADA
  • Data: 18/12/2019
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • A goiabeira (Psidium guajava L.) está distribuída nas regiões tropicais e subtropical de todo o mundo. O Brasil é o maior produtor mundial de goiabas vermelhas, sendo a cultivar Paluma a mais plantada, devido ao valor nutricional dos frutos e pelo valor acessível, além de sua dupla aptidão o que favorece a comercialização. O silício é o segundo elemento mais abundante da crosta terrestre, estudos recentes tem revelado seu efeito benéfico sobre os fatores bióticos e abióticos nas plantas, no entanto, esse mineral não é considerado como nutriente essencial das plantas. Diante dos efeitos benéficos do silício nas mais variadas culturas e pela ausência de trabalhos que relatem tais efeitos na goiabeira, foi realizado um experimento com objetivo de avaliar a nutrição, fisiologia, produção e pós-colheita de frutos da goiabeira ‘Paluma’ sob o efeito da adubação silicatada. O experimento foi desenvolvido de janeiro a novembro de 2018, na propriedade Sítio Macaquinhos, município de Remígio-PB. O delineamento experimental foi em blocos casualizados, em arranjo fatorial 2 × 5 + 4, sendo: duas fontes de silício [Silicato de Potássio (Prosilicon®) e Dióxido de silício (Bugram Protect®)], cinco doses (0,0, 65, 130, 195 e 260 g ha-1 SiO2 ciclo-1) e quatro tratamentos adicionais, com três repetições. As variáveis estudadas foram: teores foliares de nitrogênio, fósforo, potássio, cálcio, magnésio, enxofre, boro, cloro, cobre, ferro, manganês, sódio, zinco e silício; índice da clorofila a, b e total, fluorescência inicial, fluorescência variável, fluorescência máxima, eficiência quântica do fotossistema II, temperatura de folha, condutância estomática, transpiração, taxa fotossintética, concentração interna de carbono, eficiência no uso da água e eficiência instantânea de carboxilação; número de frutos por planta, produção, produtividade, a massa média dos frutos, comprimento e diâmetro de frutos, relação de formato, firmeza, acidez titulável, °Brix, clorofila de casca, flavonoides, antocianina, ácido ascórbico. Os dados foram submetidos a análise de variância e de de regressão polinomial (linear e quadrática) para as doses. Independente da fonte, o silício favoreceu positivamente para nutrição, fisiologia, produção e pós-colheita da goiabeira ‘Paluma’. A fonte que proporcionou maior influência sob as variáveis foi a Prosilicon® na dose estimada de 180 g de SiO2 ha-1 ciclo-1. Dentre os tratamentos adicionais, o que mais contribuiu para nutrição, fisiologia, produção e pós-colheita da goiabeira foi a junção de 10 kg de caulim + 130 g de SiO2 ha-1 ciclo-1 Prosilicon®.
  • HANNA IBIAPINA DE JESUS
  • Identificação de Colletotrichum gossypii e Colletotrichum gossypii var. cephalosporioides em sementes de algodoeiro usando a tecnologia de imagens hiperespectrais no infravermelho próximo
  • Data: 16/12/2019
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • O panorama atual da cotonicultura brasileira é marcado pelo forte aumento da produção e incremento de áreas, o que têm consolidado o país no mercado internacional como um dos principais produtores e exportadores mundiais de algodão. Apesar do bom desempenho do setor, problemas fitossanitários, em particular, se configuram como um grande entrave, em que um dos principais meios de dispersão de patógenos ocorre por sementes contaminadas. No contexto da patologia de sementes, problemas metodológicos na detecção e diferenciação das espécies fúngicas Colletotrichum gossypii (CG) e Colletotrichum gossypii var. cephalosporioides (CGC) em sementes de algodoeiro têm sido objeto de pesquisas, pois a similaridade das estruturas morfológicas das espécies, geram resultados ambíguos que contribuem para a comercialização de sementes contaminadas. Neste contexto, objetivou-se com este estudo desenvolver uma metodologia para classificação de CG e CGC em sementes de algodoeiro, utilizando a tecnologia HSI-NIR. Para tanto, sementes de algodoeiro da cultivar BRS 286 foram contaminadas com isolados de CG e CGC e submetidas ao teste de sanidade, por meio do método blotter test, antes da aquisição de imagens hiperespectrais. A classificação das amostras foi realizada a partir do desenvolvimento de um modelo PLS-DA, o qual obteve 86,5% de acerto na classificação de CG e 81,6% de acerto na classificação de CGC. Na predição de amostras externas, a performance do modelo indica que o método é promissor, com sensibilidade para a detecção e classificação de CG e CGC em sementes de algodoeiro. Vinte e duas amostras preditas tiveram a maior porcentagem dos pixels classificados corretamente, de acordo com a classe correspondente; enquanto 3 amostras apresentaram erros do tipo 1, demonstrando a existência de variações entre os isolados dentro das classes, sendo importante a introdução dessa variabilidade no modelo a fim de torná-lo mais robusto.
  • ROMMEL DOS SANTOS SIQUEIRA GOMES
  • EPIDEMIOLOGIA, TRANSMISSÃO E MANEJO DA ANTRACNOSE DO FEIJÃO FAVA
  • Orientador : LUCIANA CORDEIRO DO NASCIMENTO
  • Data: 10/12/2019
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • O feijão fava é a segunda leguminosa de maior importância do gênero Phaseolus. Um dos problemas que acometem a cultura é a antracnose, uma das principais doenças, frequentemente encontrada em campos de produção, causando redução na produtividade. O objetivo da pesquisa foi investigar os aspectos epidemiológicos, a transmissão de Colletotrichum truncatum via sementes-plântulas e o manejo da doença em feijão-fava. No primeiro experimento o delineamento experimental utilizado foi de blocos casualizados, em esquema de parcelas subdivididas no tempo, com quatros repetições. Nas parcelas principais, foram avaliados nove genótipos de sementes crioulas de feijão fava sendo estes UFPB13; UFPB05; UFPB02; UFPB11, UFPB06, UFPB20, UFPB19, UFPB14 e UFPB04, com hábito de crescimento indeterminado e determinado e, nas subparcelas, foram avaliados cinco períodos de avaliação para determinação da severidade da antracnose causada por C. truncatum, semeadas sob condições de campo sob tutores, no município de Areia nos anos de 2015 e 2017. No segundo experimento foi avaliada a transmissão de C. truncatum via semente-plântulas. Para isso, foram comparados os métodos de inoculação nas sementes: 1-contato direto das sementes; 2-contato direto das sementes ao substrato contendo restritor hídrico de manitol; 3-contato direto das sementes ao substrato contendo restritor hídrico de sacarose e 4-imersão das sementes em suspensão de conídios. em seguida submetidos aos substratos contendo ou não o fungo previamente desenvolvido em meio batata-dextrose-ágar, às 0 h, 36 h, 60 h, 84 h e 108 h de exposição. Em um terceiro experimento o delineamento experimental utilizado foi de blocos casualizados, em esquema de parcelas subdivididas no local, com quatros repetições. Nas parcelas principais, foram avaliados quatorze tratamentos, sendo os indutores (MOF, ASM, BC, FK, AS e SCM), isolados ou associados com fungicida, além do controle com carbendazim (CA) e testemunha (TE) e, nas subparcelas foram avaliadas a influência de duas regiões de cultivo, localizadas na fazenda experimental Chã de Jardim, no município de Areia e outra na Fazenda Experimental da EMPAER, Lagoa Seca, afim de avaliar o controle da antracnose do feijão fava, sob condições de campo em 2017. Para o primeiro experimento foram avaliados o percentual de incidência, severidade, área abaixo da curva de progresso da doença (AACPD), índice de doença (ID) nos noves genótipos a partir de infecção natural de C. truncatum, bem como a produtividade da cultura. No segundo experimento as avaliações foram feitas por meio das análises de severidade e incidência da antracnose em caules e folhas, índice de doença, AACPD para antracnose, percentual de tombamento, taxa de transmissão e qualidade fisiológica de plântulas sob condições de casa de vegetação. Para o terceiro experimento foram foram avaliados o comportamento da antracnose do feijão fava, através da AACPD e ID a partir de infecção natural. Em folhas sadias foram analisadas as atividades enzimáticas da peroxidase, polifenoloxidase e fenilalanina amónia-liase e, os parâmetros de ecofisiologia por meio da quantificação da assimilação líquida de CO2 (A), condutância estomática (gs), concentração de CO2 (Ci), transpiração (E), temperatura da folha (T folha), eficiência instantânea do uso da água (EUA), a eficiência intrínseca do uso da água (EiUA), a eficiência instantânea de carboxilação (EiC) e a produtividade da cultura. Os dados foram submetidos a análise de variância (ANOVA) e, de acordo com a significância do teste F, em que no primeiro experimento as médias das variedades dentro de cada ano e, dos anos para cada variedade foram comparadas pelos testes de Tukey e F respectivamente. Para o efeito dos dias de avaliação, foi aplicada análise de regressão polinominal considerando-se modelos de até o 2º grau e R2≥60%. Realizou-se ainda Análise de Componentes Principais (ACP), considerando-se o último dia de avaliação de ambos os anos 2015 e 2017, com o objetivo de explorar o efeito conjunto da infestação por C. truncatum sobre o desempenho produtivo dos genótipos de feijão fava. No terceiro experimento as médias dos tratamentos dentro de cada área experimental e das áreas experimentais para cada tratamento foram comparadas pelos testes de Tukey e F, respectivamente. O efeito de cada indutor, com e sem fungicida, foi comparado com a testemunha absoluta e com o fungicida carbendazim, pelo teste de Dunnett em até 5% de probabilidade. Diferenças significativas foram relatadas para p≤0.05. A presente pesquisa contribuirá com o avanço sobre o patossistema da doença Antracnose versus feijão fava, além de elucidar eficiência dos tratamentos alternativos no controle do C. truncatum e sua transmissão via semente. Esses resultados contribuirão para identificar formas de inibir o progresso da doença e reduzir a incidência de patógenos e possibilitar uma alternativa de controle mais eficiente, viável e fácil de ser adotada no tratamento de sementes e sob condições de campo.
  • DANILA LIMA DE ARAÚJO
  • Atributos do solo, fisiologia, nutrição e produção do maracujazeiro amarelo sob hidrogel e cobertura vegetal
  • Orientador : LOURIVAL FERREIRA CAVALCANTE
  • Data: 22/11/2019
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • O maracujazeiro amarelo é uma das frutícolas importantes do Brasil, principalmente no Nordeste, mas em terras semiáridas a disponibilidade hídrica torna-se um fator limitante à cultura. Nesse sentindo, o trabalho teve o objetivo de avaliar os efeitos de doses de hidrogel no solo sem e com cobertura vegetal nos atributos do solo, crescimento, aspectos fisiológicos, composição foliar e produção do maracujazeiro Gigante Amarelo BRS GA1. O delineamento foi inteiramente casualizado usando o esquema fatorial 5 × 2, referente as doses de hidrogel de 0,0; 0,5; 1,0; 1,5 e 2,0 g dm-3 de solo, no solo sem e com cobertura vegetal oriundo de restos vegetais de capim braquiária desidratado (Brachiaria decumbens). Os resultados foram apresentados em três capítulos. O Capítulo – I, p. 10 - 27, contém os componentes da fertilidade, temperatura e umidade do solo e composição foliar das plantas. No Capítulo – II, p. 47 - 55, estão os resultados de índices de clorofila, fluorescências (inicial, máxima e variável), fotossíntese e de trocas gasosas das plantas e no Capítulo – III, p. 70- 78, estão os resultados de crescimento e produção das plantas.
  • ANTONIO FERNANDO DA SILVA
  • POTENCIAL FUNCIONAL E PERFIS DE COMPOSTOS FENÓLICOS, CAROTENÓIDES E FIBRAS DE CULTIVARES DE LARANJAS E TANGERINAS E CONSERVAÇÃO PÓS-COLHEITA DA TANGERINA ‘DANCY’ DA CITRICULTURA FAMILIAR
  • Orientador : SILVANDA DE MELO SILVA
  • Data: 31/10/2019
  • Hora: 13:00
  • Mostrar Resumo
  • O Território da Borborema-PB produz laranjas e tangerinas que suprem o mercado regional, cuja qualidade exige estudos aprofundados de valorização buscando os mercados emergentes mais competitivos e demandantes de inovação. Nesse contexto, se faz necessária a definição de padrões de identidade e qualidade, diferenciais de perfil de compostos com potencial funcional, além de alternativas para a conservação pós-colheita dos frutos frescos pelo emprego de tecnologias de recobrimento biodegradáveis para frutos frescos. Baseado no exporto este trabalho avaliou laranjas e tangerinas do Território da Borborema mediante a realização de três experimentos: I –Avaliação da qualidade dos frutos de laranjeiras doce durante a maturação: II – Caracterização dos compostos bioativos e atividade antioxidante da casca e polpa de cultivares de laranjas e tangerinas e III - Conservação pós-colheita de tangerina com filme de amido adicionado de solvente natural eutético profundo. No Experimento I avaliou utilizou-se um DIC, fatorial 3x3 para avaliar a qualidade dos frutos, com três cultivares (‘Baía’, ‘Comum’ e ‘Mimo-do-Céu’), três estádios de maturação C1 (predominantemente verde); C2 (verde amarelado) e C3 (amarelo), com 60 repetições de um fruto para as avaliações físicas e 4 de 15 frutos para as demais. Foram realizadas avaliações físicas e físico-químicas da casca e do suco. Os polifenóis extraíveis totais (PET) e atividade antioxidante total (AAT) foram determinados pelos métodos ABTS e DPPH no suco e albedo. As laranjas ‘Baia’ e ‘Mimo-do-Céu’ apresentam parâmetros de qualidade que se enquadram nas normas de qualidade do CEAGESP. Em média o teor de ácido ascórbico foi superior a 45 mg.100g-1, sendo a ‘Mimo-do-Céu’ com maior teor (50,26 mg.100g-1). Durante a maturação a firmeza diminuiu e os sólidos solúveis, PET e a AAT do suco e do albedo aumentaram. Em geral, o albedo apresentou teor de PET cerca de oito vezes superiores ao do suco, que refletiu em AAT bem superior nesta porção que, portanto, se destacou pelo elevado potencial funcional, principalmente na laranja ‘Baía’. No Experimento II, o perfil de compostos bioativos foi avaliado nas cascas dos frutos de dez cultivares de laranjas (Baianinha, Salustiana, Rubi, Westin, Sincorá, Lima, Baia, Comum, Mimo, Pera) e 6 de tangerinas (Piemonte, Clemenules, Page, Dancy, Ponkan e Murcot) cada uma com quatro repetições. Foram analisados os perfis de fibras, minerais, compostos fenólicos livres e ligados, carotenoides das cascas; além da atividade antioxidante pelos métodos dos radicais ABTS, DPPH e ORAC. As cascas dos citros analisadas neste estudo possuem altas quantidades de fibras solúveis (20,74% MS) e insolúveis (36,13% MS), além de Calcio (447,87 mg.100g-1), Potássio (978,72 mg.100g-1) e Magnésio (99,88 mg.100g-1). São ricas em compostos bioativos como ácidos fenólicos e flavonoides; destacando-se as cascas de tangerina Dancy que apresentou maiores valores de polifenóis extraíveis totais livres (1,46 g GAE. 100g-1 MS) que foi proporcionado pelas altas quantidades de Hesperidina (239,99 mg.100g-1), Tangeritina (46,94 mg.100g-1), Ácido Clorogenico (118,05 mg.100g-1) e Ácido Cafeico (86,76 mg.100g-1) e ligados (0,95 g GAE. 100g-1 MS) também proporcionado pelo aporte elevado de Hesperidina (1066,22 mg.100g-1), Tangeritina (12,57 mg.100g-1), Ácido Isoferrulico (343,12 mg.100g-1) e Acido p-coumarico (60,03 mg.100g-1). Os carotenoides totais das cultivares de tangerinas são maiores tanto na casca seca (43,57 mg.100g-1) quanto da polpa liofilizada (85,23 mg.100g-1) do que os das laranjas (casca 15,34 e polpa 7,68), para tangerinas os conteúdos de carotenoides totais da polpa liofilizada é cerca de duas vezes superior ao da cascas seca; enquanto que para as laranjas ocorre o contrário, a quantidade de carotenoides da polpa é cerca de duas vezes inferior ao da casca. O perfil de carotenoides por HPLC, mostrou que as cascas possuem maior conteúdo de carotenoides que a polpa tanto na laranja quanto na tangerina. A atividade antioxidante medidas nos extratos metanólicos de cascas de laranjas e tangerinas pelos métodos de ABTS, DPPH e ORAC e nos extratos obtidos pela hidrolise básica (fenólicos ligados), ABTS, DPPH e ORAC confirmam o potencial bioativo das cascas de citrus e a sua capacidade de eliminar os radicais livres, destacando-se mais uma vez a tangerina Dancy que apresentou maiores valores no extrato dos fenólicos ligados nos três métodos. As cascas de citrus possuem características de qualidade que podem permitir sua utilização como matriz alimentar com alta valorização no mercado, pois possuem excelente teor de fibra alimentar e minerais, essenciais na dieta humana, além de elevados conteúdos de compostos bioativos reconhecidos como protetores de doenças cancerígenas e cardiovasculares, podendo ser extraídos e utilizados pelas indústrias cosméticas, farmacêutica e alimentícia. No Experimento III, foi avaliado a conservação pós-colheita da tangerina Dancy, sendo utilizados fécula de mandioca (F) e amido de jaca (J), associado à glicerol (GLI) ou a solvente Natural eutético profundo (NADES) em cinco tratamentos (FM+NADES), (FM+GLI), (FJ+NADES), (FJ+GLI) e o controle, avaliados em cinco períodos, durante 30 dias, com quatro repetições e três frutos por repetição. Foi avaliado a atividade respiratória, perda de massa, a evolução da coloração da casca, firmeza, pH, sólidos solúveis, acidez titulável, SS/AT e ácido ascórbico. Os recobrimentos FM+NADES e FJ+NADES retardaram a maturação e mantiveram a qualidades e a aparência da tangerina Dancy por mais 10 dias de armazenamento com relação ao controle, o que indica o potencial estes recobrimentos em possibilitar maior tempo na logística de transito e comercialização destes frutos, como uma tecnologia limpa, prática e alimentarmente segura. NADES proporcionou um recobrimento mais eficiente na conservação pós-colheita do que os contendo glicerol e possibilitou o desenvolvimento mais gradual e uniforme da coloração das cascas alaranjada dos frutos de tangerinas Dancy da citricultura familiar do Território da Borborema.
  • RICARDO DE SOUSA NASCIMENTO
  • QUALIDADE E METABOLISMO ANTIOXIDANTE DURANTE A MATURAÇÃO E INOVAÇÂO NA CONSERVAÇÃO PÓS-COLHEITA DE CULTIVARES DE ABACAXI
  • Orientador : SILVANDA DE MELO SILVA
  • Data: 23/10/2019
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • O Brasil é um produtor tradicional de abacaxi, que é amplamente consumido devido ao seu aroma e sabor agradáveis, originários de uma mistura complexa de substâncias. O principal cultivar é o Pérola, que atende ao mercado interno, mas é susceptível a fusariose, doença importante na abacaxicultura. Entretanto, visando a ampliação da oferta nos mercados, novos cultivares têm sido introduzidos, a exemplo do Vitória, que é resistente a fusariose, do qual não se tem informação sobre as mudanças no metabolismo antioxidante durante a maturação. Quanto ao abacaxi ‘Pérola’ a sua elevada perecibilidade que é agravada em decorrência do transporte à longas distâncias e deficiências nas cadeia produtiva exige estratégias inovadors para a conservação pós-colheita. A utilização de solventes naturais eutéticos profundos (NADES) associaado a dispersão de fécula de mandioca na conservação pós-colheita de abacaxi ‘Pérola’. Portanto, os objetivos deste trabalho, no Experimento I, foi avaliar a qualidade e o metabolismo antioxidante durante a maturação do abacaxi ‘Vitória’ e no Experimento II, usar estratégias inovadoras para a conservação pós-colheita de abacaxi ‘Pérola’, pelo uso de recobrimentos biodegradáveis de fécula de mandioca associado à NADES. Os delineamentos foram os inteiramente casualizados. O experimento I, foi utilizado abacaxi ‘Vitória’ 6 estádios de maturação, totalmente verde (TV), verde (V), início de pigmentação (IP), verde alaranjado (VA), parcialmente alaranjado (PA) e totalmente alaranjado (TA), em três repetições. Em abacaxi ‘Vitória’ os teores de SS, AT e a relação SS/AT, beta –caroteno, flavonoides amarelos e polifenóis extraíveis totais e a atividade antioxidante aumentam com o avanço da maturação, principalmente no estádio PA. Abacaxis do estádio de maturação PA apresentaram menores níveis de H2O2 e maiores atividades da SOD e APX. Em conjunto, abacaxi ‘Vitória’ apresenta potencial funcional mais elevado no estádio PA. No experimento II, abacaxis ‘Pérola1’ colhidos na maturidade comercial foram sanificados e recobertos com Fécula de mandioca a 2,5 % + NADES 0,75% (NADES+F); Fécula a 2,5 % + Glicerol 0,75% (F+G); Fécula a 2,5 % + Glicerol 0,375% + NADES 0,375% (F+G+NADES) e o controle (sem recobrimento), em três repetições de um abacaxi, e armazenados na condição ambiente (24±3°C e 74±3°C UR) durante 20 dias. A utilização de NADES-F reduziu a taxa respiratória, minimizou a perda de massa, manteve os teores de ácido ascórbico e atividade antioxidante mais elevada, sem comprometer a aceitação de aparência do frutos, conferindo maior aceitação sensorial. Em conjunto, o recobrimento de abacaxi com NADES-F proporcionou a manutenção da qualidade e maior intenção de compra de abacaxi ‘Pérola’ durante 20 dias de armazenamento ao ambiente, caracterizando-se numa inovação na conservação pós-colheita de abacaxi.
  • THIANE DE LIMA RODRIGUES
  • FISIOLOGIA DA MATURAÇÃO, QUALIDADE E POTENCIAL FUNCIONAL DE FRUTOS DE CULTIVARES DE BANANEIRAS (Musa spp.) DE CULTIVO ORGÂNICA DA MICRORREGIÃO DE SOUSA-PB
  • Data: 31/08/2019
  • Hora: 13:00
  • Mostrar Resumo
  • A bananeira (Musa spp.) e uma das frutiferas mais cultivadas nos paises tropicais e seu fruto um dos mais apreciados e consumidos no mundo por suas caracteristicas nutricionais e sensoriais. Na Paraiba a bananicultura e uma atividade importante na agricultura familiar, sendo a banana ‘Pacovan’, a mais cultivada. No entanto, apesar de sua importancia, ainda sao poucas as cultivares comercialmente devido a suscetibilidade as doencas e pragas. Produtores da Microrregiao de Sousa, no Sertao da Paraiba, tem buscado a introducao de cultivares resistentes dos grupos Prata e Maca, como uma alternativa emergente de produzir fruto com mais alto valor agregado pelo manejo organico, buscando aumentar a competitividade para o mercado potenciais, com os tradicionalmente cultivados e comercializados. O objetivo foi avaliar a fisiologia da maturacao, qualidade e potencial funcional de frutos de cultivares bananeiras de manejo organico..Frutos de bananeiras organicas do Grupo Prata (Prata-PT, Pacovan-PN, Fhia Maravilha-FM, BRS Platina-BP, BRS Pacovan Ken-PK, BRS Vitoria-PV, Galil18-G18, Prata Ana-PA, Prata Catarina-PC, Prata Gorutuba-PG e BRS Preciosa-PP) e do grupo Maca (Maca-MC, BRS Tropical-MT), provenientes de Sousa, Paraiba. Os frutos foram colhidos no inicio da manha, na maturidade comercial (verde com tracos amarelos), transportados para o laboratorio e avaliados quando atngiram a coloracao amarela com pontas verdes. Este trabalho de pesquisa foi foi subdividido em dois experimento: No primeiro exerimento foi avaliado a fissiologia da maturacao e qualidade de cultivatres de banana de manejo organico e no segundo experimento foi avaliado o potencial fincional destas cultivares. O delineamento foi o interamente casualizado, sendo 11 cultivares do grupo Prata e duas do Grupo Maca. Foram avaliados, comprimento, diametro, massa fresca, firmeza, coloracao, taxa respiratoria (CO2), producao de etileno (C2H4), solidos soluveis (SS), acidez titulavel (TA), relacao SS/TA, pH, acucares redutores e nao redutores, acido ascorbico (AA), Carotenoides, Flavonoides amarelos (FA), antocianinas, Polifenois extraives totais (PET), DPPH, ABTS, catalase (CAT), acido ascorbico Peroxidase (APX) e Peroxidase (POD), foram avaliados. Os comprimentos foram maiores nos frutos da ‘PN’, ‘FM’ e ‘MC’ e diametro a ‘PV’ e ‘MC’. Com relacao ao primeiro experimento, em relacao a fisiologia da maturacao, a partir da maturidade de colheita o climaterio foi observado a partir do terceiro dia de colheita, cuja taxa respiratorio variou entre 40 e 110 mL de CO2. Kg-1.h-1 e etileno entre ~12 a 2,5 µL. Kg-1.h-1, com os maiores taxas para as bananas PT’, ‘PN’, ‘PA’, ‘PC’ e ‘MC’. Com relacao a qualidade, as polpas das bananas ‘PA’ e ‘PP’ foram as mais firmes. Os teores de SS foram maiores nas bananas ‘PT’, ‘PN’, ‘PA’, ‘PC’ e ‘MC’. Os frutos mais acidos foram ‘FM’, ‘G18' e ‘MT’. A SS/AT dos frutos mais doces foram a ‘PT’, ‘PP’ e ‘MT’. Os teores de acucares redutores e nao-redutores foram maiores nas polpas das bananas da ‘PK’ e ‘PN’. Com relacao ao segundo experimento, com relacao ao potencial funcional e metabolismo antioxidante, observou-se maiores teores de AA nas polpas das bananas, a ‘PT’, ‘PG’ e ‘G18’. Os carotenoides totais, FA, antocianinas e PET foram superiores nas polpas de ‘PC’, ‘PG’, ‘PV’ e ‘BP’, nesta ordem. A atividade enzimatica da POD foi superior na ‘PC’, ‘PK’ e ‘PV’. A CAT e APX tiveram maiores atividades na ‘PA’. Os frutos do grupo maca a ‘MC’, foram superiores para a AA, carotenoides, FA, Antocianinas, PET e POD. Para as atividades enzimaticas da CAT e APX a ‘MT’ foi superior, indicando metabolismo antioxidante mais instavel. As cultivares de bananas introduzidas na microrregiao de Sousa apresenta qualidade e potencial funcional que podem ser explorados com valor agregado diferenciados, tendo como alvo mercados potenciais demandantes por diferenciais de qualidade.
  • GILIANE APARECIDA VICENTE DA SILVA SOUZA
  • Avaliação do desenvolvimento de espécies arbóreas consorciadas com gramíneas em sistemas de Integração-Lavoura-Pecúaria-Floresta no Agreste da Paraíba
  • Orientador : DJAIL SANTOS
  • Data: 30/08/2019
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • Nos ultimos anos as praticas agricolas convencionais, baseadas em monocultivos com sistemas padronizados de producao, vem demonstrando exaustao devido a elevada demanda por energia e por recursos naturais. O objetivo desse trabalho foi avaliar o desenvolvimento de especies arboreas consorciadas com gramineas em sistemas de Integracao-Lavoura-Pecuaria-Floresta implantados na regiao do Agreste. O experimento foi realizado na area da Empresa Paraibana de Pesquisa, Extensao Rural e Regularizacao Fundiaria (EMPAER), no municipio de Alagoinha-PB, em sistema de Integracao-Lavoura-Pecuaria e Floresta implantado em 2015. O delineamento experimental e o de blocos casualizados com 5 tratamentos (Gliricidia + Brachiaria; Ipe + Brachiaria; Sabia + Brachiaria; Milho + Brachiaria, Brachiaria solteira) distribuidos em 4 blocos. O primeiro capitulo constou da avaliacao da variabilidade espacial de atributos quimicos em um Planossolo Natrico Ortico no Agreste Paraibano. O metodo de avaliacao foi atraves do georreferenciamento de 40 pontos na area experimental, sendo coletadas 120 amostras de solo em 3 profundidades (0-20, 20-40 e 40-60 cm). Os maiores valores medios foram para os coeficientes de variacao, e valores de curtose e assimetria, na camada de 0-20 cm. No segundo capitulo avaliaram-se os atributos fisicos e biologicos de solo. Para os atributos fisicos houve variacao nas camadas de 0-10 e 10-20 cm. Quanto aos atributos biologicos os tratamentos com Gliricidia + Brachiaria e Milho + Brachiaria apresentaram maiores valores medios, sendo o periodo de maior atividade microbiana entre 34 e 48 horas de incubacao de solo. O maior tempo de atividade ocorreu com 10 horas de incubacao. Os atributos fisicos e biologicos de solo sao influenciados pelo consorcio de arboreas com gramineas. No terceiro capitulo o objetivo foi avaliar as trocas gasosas de especies florestais e a produtividade de gramineas no sistema integrado de producao. Utilizou-se para as avaliacoes fisiologicas um Sistema de Fotossintese Portatil (IRGA). Os maiores valores medios para condutancia estomatica foram verificados com Gliricidia e Ipe, consorciados com Brachiaria, aos 180 dias, decrescendo nas avaliacoes seguintes. Os maiores valores de produtividade do milho ocorreram no primeiro ano de producao. Os aspectos fisiologicos podem fornecer informacoes sobre adaptacoes dessas especies as condicoes ambientais locais.
  • KADSON EMMANUEL FRUTUOSO SILVA
  • SELEÇÃO FENOTÍPICA E PERDAS POR LAGARTOS DE PRODUÇÃO DE PIMENTEIRAS ORNAMENTAIS
  • Data: 30/08/2019
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • As pimenteiras pertencem ao genero Capsicum e se destacam como um importante segmento do mercado de plantas ornamentais no Brasil, e que vem apresentando um crescimento constante em funcao da demanda de novos produtos. Diante disto, o trabalho teve por objetivo analisar a diversidade genetica, as correlacoes genotipicas e fenotipicas e as perdas de producao em pimenteiras ornamentais. Os experimentos foram desenvolvidos em casa de vegetacao e no Laboratorio de Biotecnologia e Melhoramento Vegetal do Centro de Ciencias Agrarias na Universidade Federal da Paraiba (CCA/UFPB). Para isto, o trabalho foi dividido em tres capitulos. O capitulo I objetivou avaliar a diversidade genetica e populacoes F3 de pimenteiras (Capsicum annuum L.) ornamentais. Onde foram analisadas 40 populacoes segregantes e 4 testemunhas adicionais, avaliando-se 15 descritores quantitativos. O delineamento experimento foi inteiramente casualizado, com cinco plantas por populacao. Os dados foram submetidos a analise multivariada, importancia relativa dos caracteres determinada pelo metodo de Singh, analise de variaveis canonicas e o teste de Scott-knott. No segundo capitulo, foi analisada as correlacoes genotipicas e fenotipicas para 31 caracteristicas morfoagronomicas entre 5 populacoes segregantes e duas testemunhas adicionais de pimenteiras. O delineamento experimental foi inteiramente casualizado com quatro repeticoes. Os dados foram submetidos a analise de variancia, teste de Tukey (p<0.05) e correlacoes genotipicas e fenotipicas. No terceiro capitulo foram avaliadas as perdas de producao ocasionadas na cultura da pimenta (Capsicum annuum) pelos lagartos Ameiva ameiva e Tropidurus hispidus. Foram utilizados tres genotipos de pimenteiras, estes diferindo em cor de fruto maduro; vermelho, amarelo ou laranja. O delineamento experimental foi inteiramente casualizado em parcelas subdivida, com quatorze repeticoes. Os dados foram submetidos a analise de variancia com posterior teste de medias (Tukey a 5%) e analise de regressao. No capitulo I o metodo de Singh determinou que 78,8% da diversidade genetica encontrada e atribuida a oito caracteristicas. As duas primeiras variaveis canonicas reterao 69,94% da variacao total 8 das populacoes, que foram agrupadas em seis grupos pelo teste e Scott Knott. Nas analises de correlacoes obtidas no capitulo II, foram constatadas que as correlacoes genotipicas foram superiores as fenotipicas. Com correlacoes positivas entre as variaveis de germinacao, emergencia, plantulas massa de cem sementes. Correlacoes positivas foram observadas em padroes de arquitetura (AP/DC) e de frutos (CFR, MDF, PF, CF). No terceiro capitulo foram observadas perdas crescentes nos tres genotipos durante os dias de avaliacao, cujas maiores perdas na producao foram no quinto dia de avaliacao com danos superiores a 80%.
  • KARLA SELENE FORSTALL SOSA
  • ÍNDICES DE QUALIDADE BIOLÓGICA DO SOLO EM ÁREA SOB MANEJO DE ADUBOS VERDES
  • Data: 29/08/2019
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • Na busca da sustentabilidade na agricultura, a utilização de espécies vegetais com características botânicas benéficas às propriedades biológicas do solo tem sido considerada como alternativa às práticas convencionais. Objetivou-se avaliar o efeito do cultivo de espécies de plantas das famílias Fabaceae e Poaceae nas comunidades de macroartrópodes e fungos micorrízicos arbusculares do solo em ambiente semiárido. O estudo foi desenvolvido em condições de campo, em 3 blocos (DBC); constituído por 10 tratamentos. Os tratamentos foram: Crotalaria juncea L., C. spectabilis Roth, C. ochroleuca G. Don, Canavalia ensiformis (L.) DC., Dolichos lablab L., Mucuna pruriens (L.) DC., Stizolobium aterrimum Piper & Tracy, Neonotonia wightii (Wight & Arn.) J.A. Lackey, Pennisetum glaucum (L.) R.Br., e Brachiaria decumbens Stapf cv. Basilisk + plantas espontâneas. Para determinar os efeitos das espécies para adubação verde sobre a comunidade de macroartrópodes e de fungos micorrízicos no solo foram avaliados produção de biomassa seca, pH, carbono orgânico total do solo, riqueza de grupos (S), índice de diversidade de Shannon (H’) e índice de dominância de Simpson (C). Exclusivamente, para avaliação da influência dessas espécies vegetais sobre as comunidades de fungos micorrízicos arbusculares (FMA), foi realizada uma comparação de todas as variáveis analisadas em função de uma plantação de Eucalyptus globulus Labill e uma Floresta tropical úmida. Os dados foram submetidos ao teste Shapiro-Wilk para determinar a normalidade na distribuição dos dados. Para as significâncias dos índices ecológicos foi utilizada ANOVA do tipo “two-way” e aplicado o teste Bonferroni a 5%. Com base nos dados obtidos foram geradas equações para estimar a qualidade biológica do solo (IQBS), assim como o índice de qualidade micorrízica (IQM) nas áreas avaliadas. As espécies de plantas da Família Fabaceae proporcionam condições positivas para a manutenção de uma comunidade de macroartrópodes diversificada, sendo C. spectabilis e C. ochroleuca as espécies com maior riqueza e diversidade nas estações chuvosa e seca, respectivamente. Para as comunidades de FMAs as espécies de plantas que promoveram os melhores resultados nos índices ecológicos foram P. glaucum, C. ensiformis, S. aterrimum e N. wightii, quando comparados com Eucalyptus globulus Labill e a Floresta tropical úmida.
  • ANA GABRIELA SOUSA BASILIO
  • Fitomassa, pigmentos fotossintéticos e fluorescência em Capsicum chinense Jacq sob estresse salino e torta de filtro
  • Orientador : THIAGO JARDELINO DIAS
  • Data: 29/08/2019
  • Hora: 13:00
  • Mostrar Resumo
  • No Brasil o cultivo de pimenta e de grande importancia tanto pela caracteristica da rentabilidade, quando o produtor agrega valor ao produto, quanto pela importancia social. Na regiao semiarida do nordeste brasileiro, onde as aguas nem sempre sao de boa qualidade, se faz necessario o uso de tecnicas que viabilizem o manejo do solo e da agua com teor elevado de sais, de modo a se elevar os rendimentos produtivos das culturas. Desta forma, objetivou-se avaliar a producao de fitomassa de pimenta biquinho (Capsicum chinense Jacq) submetidas a diferentes niveis de salinidade da agua de irrigacao e adubadas com torta de filtro. O experimento foi realizado em casa de vegetacao, situada no Centro de Ciencias Agrarias, da Universidade Federal da Paraiba, localizada no municipio de Areia, PB. O delineamento utilizado foi blocos casualizados, com cinco condutividades eletricas da agua de irrigacao (0,5; 1,3; 3,25; 5,2 e 6,0 dS m-1) e cinco doses de torta de filtro (0; 34,8; 120,0; 205,2; 240,0 Kg/ha-1), geradas atraves da matriz composto central de Box (CCB), perfazendo dez tratamentos, com tres repeticoes e tres plantas por repeticao. As variaveis analisadas foram trocas gasosas, fluorescencias de clorofila (fluorescencia inicial, maxima, variavel e rendimento quantico do fotossistema II); indices de clorofila (clorofilas a, b e total); crescimento (altura, diametro de caule, numero de folhas, numero de flores); fitomassa (massa da raiz, caule e folhas). Os dados foram submetidos a analise de variancia e a analise de regressao. O aumento da condutividade eletrica da agua de irrigacao afetou negativamente a ecofisiologia, crescimento e fitomassa da pimenta biquinho. Contudo a condutividade eletrica e as doses de torta de filtro promoveram aumento dos teores de clorofila aos 30 dias apos o inicio da irrigacao com aguas adicionadas de sais.
  • EDNALDO DA SILVA RODRIGUES
  • DESENVOLVIMENTO DO FEIJOEIRO VAR. FAVETA, CARACTERIZAÇÃO DA MACROFAUNA ASSOCIADA A DIVERSIDADE DO BANCO DE SEMENTES SOB MANEJOS DE ADUBAÇÃO ORGÂNICA E VEGETAÇÃO ESPONTÂNEA
  • Orientador : DJAIL SANTOS
  • Data: 28/08/2019
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • O manejo da adubacao organica e da vegetacao espontanea em areas de agricultura familiar e considerada pratica promissora para o desenvolvimento e producao vegetal, os servicos ecossistemicos desempenhados pela macrofauna edafica e a manutencao do banco de sementes da vegetacao espontanea de solos arenosos da regiao semiarida. Objetivou-se avaliar os efeitos da adubacao com esterco bovino curtido e do manejo da vegetacao espontanea em Pre- e Pos-florescimento sobre: i) o crescimento e produtividade de P Vulgaris.L var. faveta cultivado em solo arenoso; ii) a diversidade da macrofauna edafica e seus niveis troficos; e iii) a diversidade de especies de plantas espontaneas representantes do banco de sementes nativo. Para os capitulos 1 e 2 o estudo foi realizado em 4 blocos (DBC); em um esquema fatorial 2 x 4, com 6 repeticoes por bloco (N = 384). Os tratamentos foram dois tratamentos de manejo adubacao organica: fornecimento de 25 T ha-1 de esterco bovino curtido e sem adubacao (controle_1); e quatro tratamentos de manejo da vegetacao espontanea (MVE): ausencia de MVE (controle_2), MVE no estagio de pre-florescimento, MVE no estagio de pos-florescimento e MVE durante todo o ciclo da cultura. Para o capitulo 3, oito tratamentos foram alocados em delineamento inteiramente casualizado, composto da combinacao entre os manejos da adubacao organica e da vegetacao espontanea. Cada parcela do capitulo 3 foi representada por caixas plasticas contendo 1,5 kg de solo da area experimental. Foram avaliados taxa de crescimento, biomassa seca de parte aerea e raiz, comprimento radicular, peso de mil sementes e a produtividade de graos. Para avaliar os efeitos da adubacao organica e do MVE sobre a macrofauna edafica e a composicao do banco de sementes da vegetacao espontanea, as variaveis foram: abundancia, frequencia relativa, riqueza de especies, indice de diversidade de Shannon (H) e indice de dominancia de Simpson (C). Para as caracteristicas de crescimento vegetativo observou-se que a taxa de crescimento, as biomassas seca de parte aerea e raiz e produtividade de graos, apresentaram os melhores resultados nos tratamentos com adubacao organica. Nao foram observadas diferencas significativas entre as variaveis de crescimento em funcao do MVE. O MVE durante o pre- e pos-florescimento, combinados com a ausencia da adubacao organica, afetou negativamente a riqueza e a diversidade da macrofauna edafica. Em comparacao com a combinacao dos controles_1 (ausencia de adubacao organica) e _2 (ausencia do MVE), o fornecimento de adubacao organica, independentemente do MVE ser realizado no pre- ou pos-florescimento, proporcionou a manutencao da diversidade do banco de sementes de especies espontaneas nativas de solos arenosos da regiao semiarida.
  • OTAVIO DO CARMO DE OLIVEIRA NETO
  • Aspectos do crescimento, nutrição, fisiologia, produção e qualidade da bananeira 'Vitória' sob adubação nitrogenada e potássica
  • Orientador : REJANE MARIA NUNES MENDONCA
  • Data: 07/08/2019
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • O cultivo de genotipos de bananeira susceptiveis ao Mal do Panama e as Sigatocas amarela e negra, doencas de maior importancia economica no mundo, predomina no nordeste brasileiro e no Estado da Paraiba, em especial, o cultivo da Pacovan. A cultivar Vitoria e resistente a essas doencas e possuem potencial para substitui-la, porem, pouco se conhece sobre suas necessidades nutricionais, nao havendo ainda um manejo de adubacao definido para esta cultivar. A adubacao nitrogenada e potassica, constitui-se como principal tecnica de manejo no cultivo da bananeira, com reflexos diretos na producao e qualidade dos frutos. Objetivou-se avaliar o efeito da adubacao com N e K nas caracteristicas de crescimento, nutricao, fisiologia, produtividade e qualidade de frutos da bananeira cv. Vitoria, em dois ciclos de producao. O experimento foi conduzido no periodo de janeiro de 2016 a fevereiro de 2018, no municipio de Bananeiras-PB, em delineamento experimental de blocos ao acaso, com quatro repeticoes. A combinacao de cinco doses de N (15; 90; 150; 210 e 285 g planta-1) e cinco doses de K (24; 144; 240; 336 e 456 g planta-1) constituiu os tratamentos, distribuidos atraves de matriz Pan Puebla III, formando 10 tratamentos e uma testemunha (sem adubacao). As seguintes combinacoes de N e K (g planta-1), respectivamente, definiram os tratamentos: T1 (90;144), T2 (90;336), T3 (210;144), T4 (210;336), T5 (150;240), T6 (15;144), T7 (285;336), T8 (90;24), T9 (210;456), T10 (15;24). Assim, este trabalho esta estruturado em cinco capitulos, em que no primeiro capitulo e apresentada a Introducao Geral e o Referencial Teorico. No segundo capitulo e apresentado o comportamento do crescimento da bananeira cv. Vitoria sob adubacao nitrogenada e potassica. No terceiro capitulo e mostrado os aspectos nutricionais e fisiologicos da bananeira cv. Vitoria em respostas as doses de nitrogenio e potassio. No quarto capitulo e avaliado a produtividade e os componentes de producao da bananeira cv. Vitoria em funcao da adubacao com N e K. Por fim, no quinto capitulo e estudado a qualidade de frutos da bananeira cv. Vitoria sob adubacao nitrogenada e potassica. A aplicacao conjunta de 197 Kg ha-1 de N e 362,2 Kg ha-1 de K2O, no 1º ciclo; e de 188 Kg ha-1 de N e 507 Kg ha-1 de K2O, no 2º ciclo de producao, promove a producao de 105 e 169 frutos por cacho, respectivamente. A produtividade de 28,1 e 35,2 t ha-1 podera ser atingida com aplicacao de 245,5 kg ha-1 de N e 507 kg ha-1 de K2O, no estande de 1.230 e 1.538 plantas, respectivamente. O maior teor de N (26,8 g kg-1) e K foliar (16,3 g kg-1) no 1º ciclo e obtida com aplicacao de 285 g planta-1 de N. Os teores de K foliar nos dois ciclos, sob doses de N e K de ate 285 e 456 g planta-1, respectivamente, estao abaixo dos valores encontrados na literatura. As doses de N e K aplicadas nesse trabalho nao exercem influencia sobre a A, E, EUA e EiC. O indice SPAD apresenta correlacao positiva e significativa com os indices de clorofila Falker e com os teores de clorofila. O maior ganho na producao de fitomassa seca da parte aerea de 19,7 e 22,1 kg planta-1 e obtido na dose de 164g planta-1 de N e 456 g planta-1 de K2O, no 2º ciclo, respectivamente. O florescimento e antecipado em 43 e 67 dias e a colheita em 28 e 51 dias, no 1º e 2º ciclo, sob aplicacao de 176 e 285g planta-1 de N, respectivamente. A maior firmeza de fruto no 1º (20 N) e 2º (30,3 N) ciclo e obtida com aplicacao de 285 e 184, 2 g planta-1 de N, respectivamente. Em funcao de K, a maior firmeza de fruto para o 1º (21,9 N) e 2º (29,9 N) ciclo e obtida com aplicacao de 456 g planta-1 de N. A maior relacao SST/ATT (40,3 e 40,6) e obtida no 2º ciclo sob a dose de 119,2 g planta-1 de N e 201,1g planta-1 de K, respectivamente. O amido e completamente hidrolisado no nivel 6 de maturacao e nao sofre efeito das doses de N e K estudadas.
  • LUANA FERREIRA DOS SANTOS
  • Variações na qualidade e no potencial antioxidante durante a maturação da uva 'BRS Magna' em função de porta-enxertos, em condições tropicais
  • Data: 28/06/2019
  • Hora: 08:30
  • Mostrar Resumo
  • A diversificacao da viticultura para producao de suco na regiao do Submedio do Vale do Sao Francisco, especialmente com o crescimento do cultivo de Vitis labrusca e uvas hibridas, sugere a realizacao de pesquisas focadas no estudo dos componentes do sistema produtivo e sua influencia sobre os derivados. Assim, o objetivo desse estudo foi caracterizar, durante a maturacao, as alteracoes em compostos determinantes da qualidade da uva ‘BRS Magna’ produzida sobre diferentes porta-enxertos durante ciclos de producao do primeiro e do segundo semestre do ano. Os experimentos foram conduzidos no campo Experimental de Bebedouro, da Embrapa Semiarido, Pernambuco, Brasil, com videiras da cultivar BRS Magna, sobre o sistema de conducao latada e irrigadas por gotejamento. Foram avaliados quatro ciclos de producao, sendo dois ciclos de producao do primeiro e segundo semestre do ano de 2017 e 2018. Os cachos foram coletados, periodicamente, do inicio da maturacao a colheita. Os tratamentos corresponderam aos porta-enxertos, sendo eles ‘IAC 313’, ‘IAC 572’, ‘IAC 766’, ‘Paulsen 1103’, ‘Harmony’ e ‘Freedom’, e a idade dos frutos (caracterizando estadios de maturacao). O delineamento experimental foi em blocos ao acaso, em parcelas subdivididas no tempo, para cada ciclo de producao estudado. Os porta-enxertos foram distribuidos nas parcelas e as datas ou idade das uvas, nas subparcelas. Foram adotadas quatro repeticoes, com seis plantas cada, de onde foram colhidos cinco cachos, em cada coleta. No estudo comparando os dois ciclos de producao do primeiro semestre, o ciclo de 2018 favoreceu maior acumulo de flavonoides e antocianinas. Nos dois ciclos do primeiro semestre, a colheita aproximadamente aos 64 DAF potencializou a qualidade. Quanto aos porta-enxertos, maiores teores de antocianinas e flavonoides amarelos foram favorecidos pelos porta-enxertos ‘IAC 313’ e ‘IAC 572’, no ciclo de 2017, bem como ‘IAC 313’ e ‘IAC 766’, no ciclo de 2018. No estudo comparando os dois ciclos do segundo semestre, o ciclo de 2017 favoreceu o acumulo de antocianinas nas bagas, sendo ‘IAC 766’ o que conferiu maiores teores. Independentemente do metodo, o porta-enxerto ‘IAC 572’ promoveu maior capacidade antioxidante as uvas. As ferramentas de analise multivariada confirmaram que uvas em estadio de maturacao mais avancado apresentaram maiores teores de compostos bioativos que refletiram na maior capacidade antioxidante. Os porta-enxertos ‘IAC 572’ e ‘Freedom’ destacaram-se por reunir as melhores caracteristicas de qualidade em safras especificas.
  • MARIA CÂNDIDA DE ALMEIDA MARIZ DANTAS
  • POTENCIAL SOCIOECONÔMICO DA CRIAÇÃO DE ABELHA SEM FERRÃO NOS ESTADOS DA PARAÍBA E RIO GRANDE DO NORTE
  • Data: 19/06/2019
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • A Meliponicultura exerce grande importancia na agricultura familiar por ser fonte de renda para pequenos produtores. E uma atividade que vem ganhando espaco em todo territorio nacional pela vasta diversidade da flora e dos mais variados tipos de clima existentes no Brasil. Esse potencial produzido vem refletindo na geracao da renda do produtor e, com isso, se destacando como importante fator de inclusao social. Nos estados da Paraiba e do Rio Grande do Norte a criacao racional de abelha jandaira e praticada de geracao a geracao, contudo nao ha registros precisos sobre custos de investimento e manutencao de um meliponario, tao pouco sobre custos de producao. Diante do exposto, objetivou-se pesquisar meliponicultores situados nestas duas regioes, para avaliar e comparar o potencial socioeconomico da atividade de criacao de Meliponas, com enfase para os criadores de jandaira, bem como promover discussoes sobre tecnicas de criacao e manejo dos produtos, a fim de aprimorar o conhecimento dos criadores e consequentemente maximizar a producao. A pesquisa foi desenvolvida nos estados da Paraiba (PB) e do Rio Grande do Norte, durante o periodo de maio de 2017 a maio de 2019, com levantamento de dados envolvendo temas relacionados ao processo de criacao de meliponas, a partir de informacoes prestadas pelos criadores distribuidos nas diversas regioes dos dois estados. Para este estudo foram avaliados 45 (quarenta e cinco) meliponicultores distribuidos nas quatro mesorregioes do estado da Paraiba [(Mata Paraibana, Agreste Paraibano, Borborema, Sertao Paraibano), sediados nos municipios de Joao Pessoa, Cabedelo, Dona Ines, Picui, Sao Joao do Cariri, Itaporanga, Pombal, Aparecida, Cacimba de Areia, Sao Joao do Rio do Peixe, Poco Jose de Moura, Santa Cruz e Santa Helena] e Rio Grande do Norte [Natal, Parnamirim, Barcelona, Sao Paulo do Potengi, Riachuelo, Passagem, Passa e Fica, Santa Cruz, Lajes Pintadas, Pedro Avelino, Assu, Mossoro, Patu e Campo Grande, municipios das quatro mesorregioes do estado (Leste Potiguar, Agreste Potiguar, Central Potiguar e Oeste Potiguar)]. De acordo com as avaliacoes pode-se constatar que as especies de abelhas sem ferrao mais criadas nos dois estados sao Abelha Jandaira, Urucu Nordestina, Rajada, Mosquito, Mandaguari, Moca Branca. O maior numero de criadores do Rio Grande do Norte esta localizado na regiao do Oeste Potiguar, concentrados no municipio de Mossoro, tanto na area urbana quanto na area rural, enquanto no estado da Paraiba a maior concentracao de criadores ocorreu no Sertao Paraibano. As finalidades da criacao de abelhas sem ferrao, na regiao onde o estudo foi desenvolvido, sao bastante diversificadas. Poucos criadores apresentaram apenas um motivo pelo qual criam, de certo pela ampla importancia desses insetos na preservacao da biodiversidade, dos seus produtos e da carga cultural trazida pelas populacoes, sobretudo em relacao a importancia do mel como medicamento. Desta forma, nota-se que muitos criadores ja encontram na atividade uma possibilidade de renda extra.
  • JEAN PIERRE CORDEIRO RAMOS
  • PREDIÇÃO DE GANHOS GENÉTICOS VIA ÍNDICE DE SELEÇÃO E MODELOS MISTOS EM AMENDOIM INDICADO PARA O AMBIENTE SEMIÁRIDO
  • Data: 22/05/2019
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • O amendoim e uma leguminosa de importancia mundial, sendo bastante cultivada no Brasil, principalmente na regiao Sudeste. O Nordeste brasileiro apresenta potencial para o cultivo dessa especie, porem devido a limitacoes climaticas como altas temperaturas e deficit hidrico seu cultivo mostra-se vulneravel. A obtencao de cultivares adaptados a essas condicoes e uma das principais estrategias adotadas nos programas de melhoramento que visam possibilitar o cultivo do amendoim nessa regiao. Para tanto, ferramentas genetico-estatisticas sao de fundamental importancia, por proporcionar estimativas das proporcoes de cada fonte de variacao avaliada em ensaios experimentais. Dentre os principais estimadores, pode-se citar a variancia genetica, o coeficiente de variacao genetico, herdabilidade e acuracia seletiva, servindo de pressuposto basico para a realizacao de selecao e consequente ganhos geneticos. Com o objetivo de estimar ganhos obtidos por meio de praticas seletivas no amendoim cultivado, procedeu-se este estudo, em dois niveis (capitulos). O primeiro capitulo reporta sobre ganhos de selecao de familias de amendoim RC1F3, resultante de cruzamento entre anfidiploide sintetico (A. batizocoi K9484 x A. duranensis SeSn 2848)4x e a cultivar comercial BR1 (A. hypogaea subsp. fastigiata), submetidas a supressao hidrica moderada, visando selecao de materiais tolerantes a seca. Para tanto, as 13 familias RC1F3 foram cultivadas em ambiente controlado e submetidas a 15 dias de supressao hidrica. Duas cultivares precoces e tolerantes a seca (BR1 e Senegal 55 437) foram utilizadas como testemunhas. Oito caracteres agronomicos foram adotados para caracterizacao dos materiais. Os procedimentos de selecao se basearam em modelos mistos (REML/BLUP) e indice de selecao de Soma de Ranks, proposto por Mulamba & Mock. Verificou-se relativa predominancia da variancia residual em detrimento da variancia genotipica, indicando existencia de segregacao dentro das familias. Valores de elevada acuracia foram encontrados para a maioria dos caracteres. Das 13 familias avaliadas, tres se destacaram nas caracteristicas agronomicas, com ganhos para numero de vagens/planta, comprimento da vagem e numero de sementes por vagem, alem de aumento de precocidade em pelo menos 1 dia. O segundo capitulo trata o estudo cujo objetivo e estimar quais seriam as combinacoes entre sete indices de selecao e cinco diferentes conjuntos de pesos economicos, aplicados ao amendoim tipo runner, que proporcionem ganhos geneticos superiores e equilibrados para os caracteres avaliados. Assim, onze genotipos do tipo runner foram avaliados em relacao a nove caracteristicas agronomicas. Os indices utilizados foram: o indice classico de Smith e Hazel (SH), indice baseado em Ganhos Desejados de Pesek e Baker (PB), indice base de Williams (W), indice livre de pesos e parametros de Elston (E), indice multiplicativo de Subandi et al. (S), indice com base na distancia em relacao ao ideotipo de Cruz (GI) e o indice baseado em Soma de Ranks de Mulamba e Mock (MM). Os pesos economicos foram: levando em conta os caracteres principais (CP), peso 1 (P1) para todos os caracteres, coeficiente de variacao genetica (CVg), desvio padrao genetico (DPg) e o coeficiente “B” obtido via regressao multivariada. Foi constatado efeito significativo dos genotipos para todos os caracteres avaliados (p < 0,01), indicando que existe variabilidade genetica entre os materiais estudados. A herdabilidade mostrou valores elevados para a maioria dos caracteres (acima de 90%), indicando progresso genetico com ciclos de selecao. As combinacoes SH-CP, SH-P1, SH-DPg, W-P1 e W-PDg, seguida de MM-CP, MM-CVg, MM-DPg, GI-CP, GI-P1, GI-CVg, GI-DPg e E, indicaram ganhos superiores para os caracteres relacionados a producao, porem com valores insatisfatorios para inicio de floracao e Ciclo. De forma geral, o indice de Mulamba e Mock quando aplicado com o peso 1 para todos os caracteres foi o mais promissor, por ser capaz de equilibrar os ganhos proximos aos limites maximos obtidos via selecao direta, tanto para caracteres relacionados a producao quanto a precocidade.
  • FABIO ARAUJO DOS SANTOS
  • Crescimento e aspectos fisiologia de mudas de abacaxizeiro “Vitória” cultivadas sob manejo de água salina e biofertilizante.
  • Orientador : REJANE MARIA NUNES MENDONCA
  • Data: 30/04/2019
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • A atividade agricola irrigada nas regioes aridas e semiaridas, enfrentam serias limitacoes principalmente devido a baixa disponibilidade e qualidade das aguas encontradas nos mananciais destas regioes, que quase sempre apresentam elevada concentracao de sais, que promove uma serie de alteracoes nos processos fisiologicos e bioquimicos das plantas. Desta forma, objetivou-se neste trabalho avaliar o crescimento e fisiologia de mudas de abacaxi cv. Vitoria irrigadas com agua salina em solo sem e com biofertilizante bovino. O experimento foi conduzido no viveiro de Fruticultura do Departamento de Fitotecnia e Ciencias Ambientais da Universidade Federal da Paraiba. Os tratamentos foram distribuidos em blocos ao acaso, com quatro repeticoes, em esquema fatorial 6x2, com seis niveis da condutividade eletrica da agua de irrigacao (0,5; 1,5; 2,5; 3,5; 4,5 e 5,5 dS m-1) em solo sem e com aplicacao de biofertilizante bovino. Aos 150 dias apos o transplantio foi avaliado altura da planta, diametro da roseta, diametro do caule, numero de folhas e a massa da materia seca da raiz, parte aerea e total (pela soma de ambos). Sob os aspectos fisiologicos foram determinado os indices de clorofila a, b e total, a fluorescencia inicial, maxima, variavel, eficiencia quantica do fotossistema II, concentracao interna de gas carbonico, condutancia estomatica, transpiracao, assimilacao liquida de gas carbonico, eficiencia no uso da agua e a eficiencia instantanea de carboxilacao. O aumento da salinidade nos tratamentos sem biofertilizante resultou em perda de 71,8 %, quando compara-se as plantas sob irrigacao com agua nao salina (30,58 g) e a agua estimada de 5,1 dS m-1 (8,56 g). Para a fluorescencia maxima, variavel e a eficiencia quantica do fotossistema houve reducao de 33, 49 e 27% respectivamente, quando irrigadas com a agua de 5,5 dS m-1. O aumento da salinidade da agua de irrigacao inibiu o crescimento, acumulo de biomassa e os indices de fluorescencia das mudas de abacaxi cv. Vitoria.
  • JOEL MACIEL PEREIRA CORDEIRO
  • CITOTAXONOMIA DO GÊNERO NEOTROPICAL Epidendrum L. (LAELIINAE, ORCHIDACEAE): DISCUTINDO GRUPOS INFRAGENÉRICOS
  • Data: 22/04/2019
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • O gênero Epidendrum L. (Laeliinae, Orchidaceae) abrange cerca de 1.800 espécies distribuídas pelas regiões Neotropicais. Suas espécies apresentam alto grau de variação morfológica, interações ecológicas e diversidade no número cromossômico, o que, por vezes, dificulta o estabelecimento de classificações infragenéricas e organizações taxonômicas no gênero. O presente trabalho tem como objetivo discutir o número cromossômico e a distribuição de regiões heterocromáticas com o uso dos fluorocromos cromomicina A3 (CMA) e 4´6-diaminidino-2-fenilindol (DAPI) em espécies de distintos grupos infragenéricos de Epidendrum, assim como analisar o cariótipo (número cromossômico e bandas heterocromáticas) e o tamanho do genoma (2C DNA) em espécies dos grupos “Difforme” e “Nocturnum”. A aliança Epidendrum nocturnum é marcada por eventos de poliploidia e regiões ricas em pares de base GC (CMA+) localizadas na região proximal das espécies. O conteúdo de DNA nuclear foi, de forma geral, correlacionado ao nível de ploidia, onde uma espécie diploide apresentou 2C = 2,91 ρg, espécies tetraploides apresentaram 2C ~ 6,00 ρg e uma espécie hexaploide apresentou 2C = 8,92 ρg. Para o grupo “Difforme”, todas as espécies apresentaram 2n = 40 e números variáveis de 0-4 bandas terminais e 8-16 bandas proximais CMA+/DAPI–. O conteúdo de DNA nuclear variou de 3,99 ρg em E. campaccii Hágsater & L.Sánchez a 5,68 ρg em E. althausenii A.D.Hawkes. Novas considerações taxonômicas são propostas ao conciliar as informações de distribuição de heterocromatina, tamanho do genoma, número cromossômico e caracteres morfológicos para as espécies dos grupos “Difforme” e “Nocturnum”. A discussão envolvendo distribuição de heterocromatina em diferentes grupos infragenéticos de Epidendrum abrangeu 47 espécies pertencentes a 20 grupos. Novos registros cromossômicos foram registrados para 22 espécies. A maioria dos cariótipos apresentou 2n = 40 e regiões heterocromáticas ricas em pares de base GC (CMA+). Bandas heterocromáticas ricas em AT (DAPI+) foram registradas especialmente nos grupos Schistochilum e Loefgrenii. As variações no número cromossômico aliados à distribuição de heterocromatina parecem seguir um padrão específico para a maioria dos grupos analisados. Fatores ecológicos como hábito e hábitat das plantas e distribuição geográfica também são discutidos entre os diferentes grupos de Epidendrum e conciliados nas discussões infragenéricas do gênero.
  • WHALAMYS LOURENÇO DE ARAUJO
  • Toxicidade de inseticidas a abelhas sem ferrão
  • Data: 12/04/2019
  • Hora: 08:30
  • Mostrar Resumo
  • -As abelhas sem ferrao ou meliponinios sao importantes agentes de polinizacao e bioindicadores da qualidade ambiental; alem de sua importancia socioeconomica para agricultura familiar, uma vez que sua criacao racional tem como produtos mel, propolis, cera, etc, que sao comercializados. No entanto, estas especies de meliponineos se encontram em processo acelerado de desaparecimento. Diversas acoes tem colaborado para isto, e o uso demasiado de defensivos agricolas esta entre as principais causa. Este trabalho teve como objetivo avaliar a toxicidade de defensivos agricolas utilizados na cultura do meloeiro e de citros sobre especies de abelhas sem ferrao. Para tanto, ensaios experimentais foram conduzidos no Laboratorio de Entomologia do Centro de Ciencias Agrarias da Universidade Federal da Paraiba. Os defensivos agricolas comerciais utilizados nos testes foram os dos grupos Neonicotinoide [Actara® 250 WG – Tiametoxam (T1) e Evidence® 700 WG – Imidacloprido (T2)], Piretroide [Decis® 25 EC – Deltametrina (T3) e Talstar® 100 EC – Bifentrina (T6)], Organofosforado [Sabre® 450 EW – Clorpirifos (T4)] e Biologico (Boots® – Bacilos Thungiriensis (T5)], nas dosagens medianas recomendadas pelos fabricantes para o controle de pragas do meloeiro e citros sobre a especie Jandaira (Melipona subnitida) e Urucu (Melipona scutelaris), respectivamente; e sobre a especie Irai (Nannotrigona testaceicornis) foram avaliados a toxicidade dos inseticidas com ingredientes ativos Tiametoxam (T1) e Clorpirifos (T2), nas dosagens medianas recomendadas pelos fabricantes para o controle de pragas do citros. As pesagens e quantificacoes dos produtos para preparo das caldas foram feitas com o auxilio de balanca de precisao e seringas, dadas em grama do produto comercial (g p.c.) e mililitros (ml), respectivamente. A exposicao das abelhas Jandaira e Urucu aos produtos foi realizada por meio de pulverizacao topica (Ensaio I), e a exposicao da abelha Irai foi por meio de duas vias: por nebulizacao das caldas quimicas diretamente nas abelhas e por contato com superficies tratadas por nebulizacao (Ensaio II). Em ambos os ensaios o tratamento testemunha (T0) constou de uma solucao a base de agua natural tratada. Os ensaios foram dispostos em Delineamento Inteiramente Casualizado, sendo o Ensaio I com 7 tratamentos, 10 repeticoes contendo 10 insetos cada; e o Ensaio II com 3 tratamentos, 10 repeticoes contendo 10 insetos cada, e 2 formas de contaminacao independentes. No Ensaio I, As abelhas foram capturadas de suas caixas/ninho e confinadas em potes plasticos vedados com tampas perfuradas para ventilacao. Para exposicao das abelhas aos produtos, o conteudo de 0,2 ml de calda foi pulverizado em cada repeticao, com o auxilio de seringas. As dosagens utilizadas em Jandaira foram T0: Agua natural tratada; T1: 0,4 g p.c.; T2: 0,3 g p.c.; T3: 0,03 ml p.c.; T4: 0,1 ml p.c.; T5: 0,33 ml p.c.; e T6: 0,1 ml p.c.; e as dosagens utilizadas para pulverizacao em Urucu foram T0: Agua natural tratada; T1: 0,02 g p.c; T2: 0,01 g p.c; T3: 0,03 ml p.c.; T4: 0,1 ml p.c.; T5: 0,33 ml p.c.; e T6: 0,02 ml p.c. No Ensaio II, utilizou-se mesma a metodologia para preparo das caldas e condicionamento das abelhas. Para exposicao das abelhas aos produtos, foram utilizadas as dosagens dos tratamentos T0: Agua natural tratada; T1: 0,02 g p.c; e T4: 0,1 ml p.c. Para tanto, o conteudo de ± 20 μL de calda quimica por repeticao foi aplicado via nebulizacao diretamente nas abelhas, acondicionadas nos potes. O mesmo conteudo foi aplicado via nebulizacao nos potes plasticos sem as abelhas, que depois foram postos pra secar, e posteriormente receber as abelhas, configurando a contaminacao via contato com superficie tratada por nebulizacao. Apos a contaminacao, os potes foram mantidos em condicoes ambientes. Para as observacoes, obedeceu-se o intervalo de uma; duas; tres; quatro; cinco; seis; nove; 12; 15; 18; 21; 24, 30, 36, 42, 48, 60, 72 e 96 horas, apos o inicio da exposicao das abelhas aos produtos, sendo as observacoes iniciais constantes, ate as primeiras 3 horas, para avaliacao comportamental dos insetos. Em ambos os ansaios, foi contabilizada a taxa de mortalidade. Os dados obtidos foram submetidos a analise de sobrevivencia, realizada por meio do programa GraphPad Prism (v.5 for Mac). Foi calculada a mediana do tempo de sobrevivencia com intervalo confianca de 95% e diferencas significativas entre grupos, estimados usando teste de Kaplan–Meier seguido por log-rank test, com nivel de significancia de p<0,05. No Ensaio I, todos os defensivos agricolas avaliados foram toxicos as abelhas sem ferrao Jandaira (Melipona subnitida) e Urucu (Melipona scutelaris), ate 24 horas apos contaminacao dos insetos, nas condicoes testadas. No ensaio II, o inseticida Neonicotinoide Actara® 250 WG – Tiametoxam foi toxico a abelha Irai (Nannotrigona testaceicornis), independente da forma de exposicao, enquanto que o inseticida Organofosforado Sabre® 450 EW – Clorpirifos foi mais toxico quando exposto via nebulizacao direta sobre as abelhas, que quando exposto via residual em superficie pelas abelhas contatadas.
  • RONIMEIRE TORRES DA SILVA
  • TROCAS GASOSAS, CARACTERIZAÇÃO CITOGENÉTICA E EMERGÊNCIA DE CULTIVARES DE PALMA FORRAGEIRA DOS GÊNEROS Opuntia E Nopalea
  • Data: 29/03/2019
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • Amplamente cultivada no Nordeste do Brasil, a palma forrageira e pertencente a familia das cactaceas e tem como principais generos representantes o Opuntia e o Nopalea. Sendo que, trabalhos envolvendo variacoes cromossomicas, condutancia estomatica e qualidade fisiologica de sementes das diferentes especies ocorrentes nesta familia ainda sao incipientes. Diante disso, objetivou-se com este estudo avaliar as trocas gasosas, caracterizar os niveis de ploidia correlacionando-os com caracteristicas fenotipicas de interesse para o melhoramento genetico e analisar a qualidade fisica e fisiologica de sementes de palma forrageira. Para isso, utilizaram-se cultivares coletadas no Instituto Agronomico de Pernambuco (IPA). A analise de trocas gasosas foi realizada por meio de um equipamento portatil de gas por infravermelho (IRGA), sendo medidas a taxa de assimilacao liquida do CO2 (A), a condutancia estomatica (gs), a concentracao de CO2 nos espacos intercelulares (Ci), a transpiracao (E) e a temperatura foliar (Temp); a partir destas foi calculada a eficiencia do uso da agua, a eficiencia intrinseca do uso da agua e a eficiencia instantanea de carboxilacao; os dados foram analisados estatisticamente por meio de boxplot, sendo em seguida submetidos as analises multivariadas de componentes principais (ACP) e de agrupamento. A caracterizacao cromossomica foi realizada atraves da dupla coloracao com os fluorocromos Cromomicina A3 (CMA) e 4′,6-diamidino-2-fenilindol (DAPI); para se verificar o grau de associacao entre o nivel de ploidia de cada cultivar e as caracteristicas quantitativas foi utilizado o coeficiente de correlacao linear de Pearson, sendo as variaveis qualitativas analisadas pelo teste do Phi-quadrado e qui-quadrado (X2). Quanto a biometria de frutos, esta foi realizada levando-se em consideracao o peso, comprimento, diametro, peso de mil sementes e numero de sementes por fruto; para analise da qualidade fisiologica das sementes considerou-se a emergencia de plantulas, primeira contagem da emergencia e condutividade eletrica. Ao final do teste de emergencia, as plantulas foram avaliadas quanto ao comprimento da parte aerea e da raiz, massa fresca e seca, e os cladodios foram analisadas as variaveis: comprimento, largura, massa fresca e seca. A analise dos dados foi realizada em delineamento em esquema aninhado, sendo tres niveis de ploidia e tres cultivares dentro de cada nivel. Com base nos resultados, houve variacao entre os generos e entre as cultivares de palma forrageira para as trocas gasosas, sendo possivel a formacao de tres grupos de cultivares e dois componentes principais. Todas as cultivares das especies N. cochenillifera, O. atropes e O. undulata ‘Orelha de Elefante Africana’ apresentam 2n = 22 cromossomos. Individuos tetraploides (2n = 44) foram identificados em quatro cultivares de Opuntia, assim como octaploides (2n = 88) identificados em 10 cultivares do mesmo genero. O bandeamento com CMA/DAPI revelou a ocorrencia de apenas um tipo de heterocromatina, formada por bandas CMA+/DAPI-. Houve correlacao positiva entre largura, comprimento, espessura e area do cladodio com o nivel de ploidia das cultivares. Este, por sua vez, influencia significativamente (p<0,005) de forma positiva o numero de sementes por fruto e a qualidade fisiologica das sementes.
  • SIDNEY SAYMON CANDIDO BARRETO
  • Qualidade física, fisiológica e sanitária de sementes de diferentes árvores matrizes de Cassia grandis L. f.
  • Orientador : EDNA URSULINO ALVES
  • Data: 25/03/2019
  • Hora: 00:08
  • Mostrar Resumo
  • Cassia grandis L. f. e uma especie arborea nativa das Americas Central e do Sul, com ocorrencia no Brasil, possui potencial madeireiro, paisagistico e farmacologico, sendo indicada para programas de reflorestamento com o proposito de recuperacao de areas degradadas. Devido a sua importancia, o objetivo no trabalho foi avaliar a qualidade fisica, fisiologica e sanitaria das sementes de C. grandis obtidas de diferentes arvores matrizes. A pesquisa foi desenvolvida nos Laboratorios de Analise de Sementes e de Fitopatologia do Centro de Ciencias Agrarias da Universidade Federal da Paraiba. Para determinacao da qualidade das sementes foram avaliadas as seguintes variaveis: comprimento, largura, espessura e peso de frutos e sementes, peso de mil sementes, numero de sementes por fruto, teor de agua, germinacao, vigor (primeira contagem e indice de velocidade de germinacao e de emergencia, comprimento e massa seca de plantulas e classificacao do vigor de plantulas) e sanidade, em delineamento experimental inteiramente ao acaso. Para as caracteristicas fisicas de frutos, assim como fisicas e fisiologicas das sementes ha diferenca das arvores matrizes de Cassia grandis; o uso de sementes tratadas potencializou a qualidade fisiologica das sementes de C. grandis; os fungos Penicillium sp., Aspergillus niger, Trichoderma sp., Cladosporium sp., Rhizopus sp., Aspergillus sp. e Fusarium sp. ocorrem em sementes de C. grandis.
  • JOSE THYAGO AIRES SOUZA
  • ATRIBUTOS DO SOLO, FISIOLOGIA, PRODUÇÃO E QUALIDADE DO MARACUJAZEIRO AMARELO SOB IRRIGAÇÃO, REDUÇÃO DE PERDAS HÍDRICAS E MATÉRIA ORGÂNICA
  • Orientador : LOURIVAL FERREIRA CAVALCANTE
  • Data: 22/03/2019
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • Indisponivel
  • YGOR HENRIQUE LEAL
  • Respiração edáfica, atributos agronômicos e fisiológicos de plantas de pimentão sob adubação biológica
  • Data: 07/03/2019
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • A adubacao biologica melhora as caracteristicas quimicas, fisicas e biologicas do solo, apresentando potencial para substituir os fertilizantes sinteticos, promovendo o maior desempenho produtivo e vegetativo das culturas. Assim, o presente estudo teve como objetivo avaliar a respiracao edafica do solo e os atributos agronomicos e fisiologicos de plantas de pimentao sob doses e epocas de aplicacao de adubos biologicos. Foram realizados dois experimentos com aplicacoes de adubos biologicos preparados a base de esterco e composto organico enriquecido, um utilizando esterco bovino (ABB) em sua composicao e outro, esterco ovino (ABO). O delineamento foi em blocos casualizados, em esquema fatorial 4 x 3 + 1, com tres repeticoes, referente a doses dos adubos biologicos (100, 200, 300 e 400 L ha-1), epocas de aplicacao (0, 30 e 60 DAT) e a testemunha absoluta. Foram avaliadas variaveis envolvidas na respiracao edafica do solo (temperatura da superficie do solo, Tsup, e a 10 cm de profundidade, T10; umidade do solo, U; e respiracao edafica do solo, RES), no crescimento das plantas (altura de planta, AP; largura da copa, LC; diametro do caule, DC; numero de folhas, NF; comprimento de folha, CF; largura de folha, LF e area foliar, AF), atributos morfologicos e de rendimento de frutos de pimentao (numero de frutos comerciais, NFC, e nao comerciais, NFNC; diametro de frutos, DF; comprimento de frutos, CF; resistencia de frutos, RF; numero de botoes florais, NBF; peso total de frutos, PTF; peso medio de frutos, PMF; e produtividade, P) e variaveis de trocas gasosa e clorofilas (fotossintese liquida, A; condutancia estomatica, gs; concentracao interna de CO2, Ci; eficiencia instantanea carboxilacao, EiC - A/Ci; taxa de transpiracao, E; eficiencia intrinseca do uso de agua, EiUA - A/gs; eficiencia no uso de agua, EUA - A/E; o indice relativo de clorofila a, b e total; e razao clorofila a/b). O ABO proporcionou maiores resultados de Tsup, T10 e RES nos dois turnos avaliados, exceto para Tsup e T10 no periodo noturno. No periodo do dia, apenas os tratamentos em que foram aplicados 400 e 300 L ha-1 do ABO, nas epocas de 0 e 30 DAT, respectivamente. O ABB proporciona maior comprimento de folha, largura de folha e area foliar no pimentao. A altura de planta, largura da copa, diametro do caule e numero de folhas nao foram influenciados pelos adubos organicos. Os adubos biologicos causaram efeitos positivos no PTF, NFC, PMF e P do pimentao. A dose de 300 L ha-1 aos 30 DAT, promove o aumento significativo no diametro de frutos de pimentao. O CF, RF e o NBF nao apresentaram diferencas sob os adubos biologicos, doses e epocas de aplicacao. A gs, A e E, apresentaram efeito aos 60 DAT com a aplicacao do ABO e a Ci aos 30 DAT com o ABB. A dose de 400 L ha-1 do ABO proporcionou maiores resultados de gs, e as doses de 200 e 300 L ha-1 do ABB promoveram maior Ci. As epocas e doses dos adubos biologicos nao promoveram diferencas para EiC, EUA e EiUA, exceto a EiC que apresentou diferenca com a aplicacao do ABO aos 60 DAT. As doses e epocas de aplicacao dos adubos biologicos nao influenciaram os indices de clorofilas e a razao clorofila a/b, exceto o indice de clorofila total, que foi superior com a aplicacao do ABB na epoca de 0 DAT.
  • THALLES ALEXANDRE DE OLIVEIRA SANTOS
  • CARACTERISTICAS MORFOAGRONÔMICAS DE Gossypium hirsutum L. VAR. “MARIE-GALANTE” HUTCH CULTIVADAS NO BREJO PARAIBANO
  • Orientador : RISELANE DE LUCENA ALCANTARA BRUNO
  • Data: 01/03/2019
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • Ao longo dos anos, a cotonicultura brasileira vem ganhando destaque em meio ao cenario do agronegocio, tendo os programas de melhoramento genetico voltados para as caracteristicas agronomicas da cultura, com enfoque na produtividade e qualidade de fibra. Diante disso, objetivou-se com esta pesquisa determinar as caracteristicas morfoagronomicas e fenologicas de quatro procedencias de algodoeiro arboreo nas condicoes do brejo paraibano. Para tal, foram selecionadas quatro populacoes de algodoeiro (1, 2, 3 e 4), procedentes de plantas mantidas por agricultores, cujas sementes foram coletadas em “bulk” destinadas a conservacao ex situ no banco ativo de germoplasma da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuaria (Embrapa). O estudo foi conduzido durante dois ciclos de producao, em sistema de sequeiro e sem a necessidade de correcao e adubacao do solo, apenas efetuando-se tratos culturais basicos e podas de uniformizacao (70 cm de altura) no periodo antecedente as avaliacoes, as quais se iniciaram 30 dias apos a poda e subsequentemente de maneira quinzenal ate a maturacao. Os estadios fenologicos vegetativo e reprodutivo foram computados mediante dias de duracao e monitoraram-se os seguintes caracteres agronomicos: altura de plantas, diametro do caule, numero de folhas, de ramos vegetativos e com botao, numero de botoes e de flores, numero de ramos com flor, com capulhos e de capulhos e contagem total de ramos. Com base nos resultados, a producao de capulhos e incrementada de um ano para outro e a fenologia entre os “bulks” ocorre de maneira similar, sendo as plantas oriundas da populacao 3, morfologicamente superiores quanto a altura e diametro do caule.
  • ENOQUE MEDEIROS NETO
  • EVOLUÇÃO CARIOTÍPICA NO GÊNERO Epidendrum L. (ORCHIDACEAE: EPIDENDROIDEAE)
  • Orientador : LEONARDO PESSOA FELIX
  • Data: 28/02/2019
  • Hora: 15:00
  • Mostrar Resumo
  • Epidendrum e o maior genero (>1500 especies) da familia Orchidaceae e o mais diversificado genero de orquideas neotropicais. E composto por diversos complexos de especies com muitas incertezas taxonomicas por sua alta variabilidade morfologica e alta variacao cromossomica numerica. A hibridizacao tem sido com frequencia hipotetizado como uma forca evolutiva responsavel pela origem da variacao morfologica e cromossomica em Epidendrum. Para a evolucao cariotipica do grupo, alem de processos de hibridizacao, o principal mecanismo responsavel pela variacao cromossomica numerica encontrada no grupo e a poliploidia. O presente trabalho teve como objetivo analisar a diversidade da heterocromatina constitutiva em sete especies de diferentes seccoes de Epidendrum e testar as hipoteses de numeros cromossomicos basicos em um contexto filogenetico. Alem disso, foi investigada a origem hibrida de individuos morfologicamente intermediarios entre E. ibaguense x E. secundum coletados na Venezuela. Foram realizadas analises de distribuicao da heterocromatina por bandeamento com fluorocromos CMA/DAPI, o numero basico inferido com a tutilizacao do software ChromEvol e para os individuos encontrados em zonas hibridas, foi realizado uma analise da morfometria floral. O numero cromossomico variou de 2n = 40, em sete especies Epidendrum, ate 2n = 78+1B em E. ibaguense, com predominio de cromossomos metacentricos e submetacentricos, com ocorrencia de acrocentricos em algumas especies. A composicao das bandas heterocromaticas foi variavel, compativel com dados previamente reportados para outras especies de Epidendrum e grupos de orquideas. De acordo com a analise do ChromEvol o numero basico sugerido para todo o genero Epidendrum foi x = 10, enquanto que para o subgenero Amphiglottium foi x = 14. A presente analise cariotipica corrobora a hipotese de que E. ibaguense e E. secundum sao os parentais de Epidendrum × gransabanense, que apresentou caracteristicas morfologicas e cariologicas intermediarias entre seus parentais. Diversos mecanismos de evolucao cromossomica podem estar envolvidos na evolucao cariotipica de Epidendrum, como poliploidia, disploidia e aneuploidia, mediados por processos de hibridizacao e rearranjos estruturais, com consequencia na variabilidade cromossomica numerica e nos padroes de composicao, distribuicao e numero dos blocos heterocromaticos
  • KARIALANE DA SILVA BELARMINO
  • FENOLOGIA, COMPOSTOS FENÓLICOS E PRODUÇÃO DE MUDAS DE Schinopsis brasiliensis Engl. VIA ESTAQUIA E DIÁSPOROS
  • Orientador : RISELANE DE LUCENA ALCANTARA BRUNO
  • Data: 28/02/2019
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • Nativa do bioma Caatinga, a especie Schinopsis brasiliensis Engl. (barauna) possui relevante importancia nos cenarios cultural, social e economico das populacoes da qual faz parte; alem disso, seu potencial madeireiro e medicinal ganha destaque em meio a flora do ecossistema. Sabe-se que, ao longo dos anos, a exploracao de especies endemicas da Caatinga ocorre de forma cada vez mais intensa, acarretando em graves problemas ambientais, com a reducao da sua biodiversidade. Diante disso, objetivou-se com a presente pesquisa caracterizar os aspectos fenologicos de S. brasiliensis e relaciona-los com a distribuicao temporal dos pulsos de precipitacao pluvial em areas do Cariri paraibano, quantificar os compostos fenolicos presentes em cascas e folhas da referida especie, assim como na especie Myracrodruon urundeuva Fr. All. (aroeira) e estudar a producao de mudas de S. brasiliensis por meio assexuado (estaquia) e sexuado (diasporos). Dessa forma, a pesquisa foi desenvolvida em tres experimentos: (i) para fenologia, 15 arvores matrizes de S. brasiliensis foram selecionadas em cada uma das tres areas do Cariri paraibano (uma localizada no municipio de Sao Joao do Cariri e duas em Boa Vista), sendo as plantas avaliadas pelo metodo do percentual de intensidade de Fournier e indice de atividade, registrando-se a presenca ou ausencia das fenofases brotamento, floracao, frutificacao e senescencia, cujos dados foram relacionados com os pulsos e interpulsos de precipitacao; (ii) nas mesmas areas, foram coletadas amostras de cascas e folhas para determinacao dos compostos fenolicos existentes na referida especie e em M. urundeuva, para tal, amostras de 20 plantas foram quantificadas por meio de Cromatrografia Liquida de Alta Eficiencia (CLAE); tambem foram coletadas amostras de solo abaixo da copa de cada arvore matriz a fim de se caracterizar as variaveis edaficas existentes e relaciona-las aos resultados obtidos, sendo os dados submetidos as analises multivariadas de componentes principais (ACP) e de agrupamento; (iii) para producao de mudas de S. brasiliensis, estacas caulinares da especie foram coletadas numa populacao natural de plantas localizadas em Boa Vista, PB, sendo as estacas devidamente acondicionadas e posteriormente padronizadas (15 cm), recebendo cortes em bisel na parte basal e reto na porcao superior; cinco doses do fitorregulador acido indolbutirico (AIB) foram testadas (0, 2000, 4000, 6000 e 8000 mg. L-1) a fim de se promover o enraizamento; tambem foram testados tres tipos de substrato (areia + vermiculita + esterco – 1:1:1, solo da caatinga + esterco – 2:1 e solo da caatinga); para a propagacao sexuada, diasporos foram escarificados mecanicamente na regiao oposta a micropila e semeados em bandejas plasticas contendo areia previamente lavada e autoclavada, apos o surgimento do segundo par de folhas definitivo, realizou-se a repicagem para sacos de polietileno contendo os mesmos substratos utilizados para a tecnica de estaquia. Com base nos resultados, a fenofase de brotamento inicia-se tao logo acontecam os eventos de precipitacao pluvial e a senescencia foliar tem ocorrencia acentuada nos periodos mais secos do ano, tendo demonstrado maior uniformidade quando comparada as demais fenofases observadas, sendo a intensidade e duracao dos eventos dependentes de como se dao os pulsos de precipitacao. Os compostos fenolicos identificados e quantificados sao pertencentes a classe de flavonoides e taninos e teores mais elevados sao conseguidos nas folhas; o solo coletado abaixo da copa de S. brasiliensis caracteriza-se como de maior fertilidade, tendo a especie demonstrado um maior potencial medicinal para os componentes determinados neste estudo. A tecnica de estaquia para a producao de mudas de S. brasiliensis nao e recomendada devido ao seu baixo indice de pegamento, assim como a obtencao de mudas com qualidade superior e conseguida por meio sexuado, com diasporos escarificados e semeados em areia e posterior desenvolvimento de plantas em substrato composto por solo da caatinga + esterco bovino.
  • MARIA LUCIA MAURICIO DA SILVA
  • BIOLOGIA REPRODUTIVA E MATURAÇÃO DE SEMENTES DE Talisia esculenta (Cambess.) Radlk.
  • Data: 28/02/2019
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • A pitombeira [Talisia esculenta (Cambess.) Radlk. (Sapindaceae)] e uma especie nativa da regiao amazonica, mas tem ampla ocorrencia nos demais biomas brasileiros. T. esculenta muito explorada como fonte de antioxidantes, na recomposicao de matas ciliares, na construcao civil, na medicina popular, por seu potencial fungicida e inseticida, na producao apicola, bem como na comercializacao de seus frutos nas feiras-livres e ruas das regioes Norte e Nordeste. Entretanto, apesar de todo o seu potencial economico e ecologico, ainda nao ha informacoes sobre sua biologia reprodutiva, bem como da tecnologia de producao de suas sementes. Considerando isso, esse trabalho foi desenvolvido visando contribuir com informacoes sobre a biologia da especie que auxiliem na producao de sementes, no extrativismo eficiente e manejado da especie. Os experimentos foram conduzidos em quatro areas de ocorrencia natural da especie no municipio de Areia, PB, nas quais foram acompanhados 15 individuos masculinos e 30 individuos femininos. No primeiro experimento (Artigo I), foram estudados aspectos da biologia floral, do sistema reprodutivo e da polinizacao de T. esculenta.
  • RONALDO BERNARDINO DOS SANTOS JÚNIOR
  • CARACTERIZAÇÃO MORFOLÓGICA, PRODUÇÃO E QUALIDADE DE GENÓTIPOS DE BATATA-DOCE EM FUNÇÃO DE ÉPOCAS DE COLHEITA E DA ADUBAÇÃO ORGÂNICA
  • Orientador : DJAIL SANTOS
  • Data: 28/02/2019
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • A batata-doce faz parte da lista de alimentos considerados fundamentais para populacoes de baixo poder aquisitivo, sendo uma das principais culturas alimenticias de paises em desenvolvimento, devido a sua elevada distribuicao e cultivo, alem do elevado teor de proteina. O objetivo deste trabalho foi caracterizar a morfologia e avaliar a producao e a qualidade de genotipos de batata-doce (Ipomoea batatas (L.) Lam.) em funcao da adubacao organica e epocas de colheita. O experimento foi desenvolvido no periodo de janeiro a junho de 2016, em um Neossolo Regolitico Psamitico tipico, textura areia franca, na Universidade Federal da Paraiba, em Areia, estado da Paraiba. O delineamento experimental empregado foi de blocos casualizados em parcelas subdivididas com tres repeticoes. Nas parcelas, foram testados cinco genotipos de batata-doce (G1: Doce Jardim, G2: Gran Fina, G3: CCA-1, G4: Pincel, e G5: Paraiba), combinados fatorialmente com tres epocas de colheita (90, 120 e 150 dias apos o plantio); e nas subparcelas, adubacao organica com esterco bovino (presenca e ausencia). Foram avaliados caracteres morfoagronomicos foram avaliados por meio de descritores (IPGRI), desempenho agronomico, teores de macro e micronutrientes em folhas e tuberculos, e qualidade nutricional de raizes. Foi observado uma grande variabilidade entre os genotipos nas caracteristicas avaliadas tanto na parte aerea quanto nas raizes. Os genotipos 3 e 5 foram os mais similares, enquanto os genotipos 1 e 2 foram os mais dissimilares. A caracterizacao morfoagronomica foi eficiente em estimar a diversidade genetica entre os genotipos de batata-doce avaliados. O genotipo 4 apresentou a maior produtividade total da parte aerea (25,75 t ha-1), enquanto o genotipo 1 apresentou o maior numero de raizes comerciais (3,18 raizes planta-1). Os genotipos 4 e 2 apresentaram maior massa seca de parte aerea (18,78 t ha-1) e de raizes (27,60 t ha-1), respectivamente. Em relacao a ausencia ou presenca de esterco, as parcelas sem esterco apresentaram os maiores resultados de produtividade com excecao da produtividade total da parte aerea, em que o melhor resultado foi obtido com a presenca de esterco (24,73 t ha-1). As epocas de colheita 120 e 150 dias apos o plantio foram as que apresentaram maiores resultados para a maioria das variaveis, com excecao da producao de parte aerea, em que o melhor resultado foi verificado aos 90 dias. Quanto aos teores de nutrientes em folhas e raizes, o genotipo 3 foi o que apresentou os maiores valores. Os maiores teores foliares, para a maioria dos nutrientes, foram verificados nas colheitas realizadas aos 90 e 120 dias apos o plantio, enquanto que para os teores de nutrientes nas raizes nao se verificou diferenca entre as epocas. Quanto a qualidade nutricional das raizes, os genotipos 3 e 4 apresentaram maior teor de proteina, de 0,96% e 0,91%, respectivamente. Os maiores teor de sacarose foram observados nas colheitas aos 90 (4,32%) e 120 (4,54%) dias apos plantio. De maneira geral, os genotipos apresentaram grande variabilidade fenotipica indicando perspectivas para um programa local de melhoramento genetico desta cultura.
  • FABRICIO RUFO LINS BONIFACIO
  • USO DA CASCA DE COCO VERDE COMO FONTE ENERGÉTICA EM SUBSTITUIÇÃO À LENHA EM CERÂMICA VERMELHA
  • Data: 28/02/2019
  • Hora: 13:00
  • Mostrar Resumo
  • O acúmulo de cascas de coco em locais inadequados na zona urbana, além de causar um efeito deletério à imagem da cidade, tem acarretado uma série de problemas econômicos e ambientais para os municípios, uma vez que, afeta os serviços municipais de coleta, transporte e deposição de lixo, por conta do grande volume que ocupa e do tempo de decomposição que pode chegar a 12 anos. A busca por alternativas energéticas, em função da disponibilidade da lenha, se torna cada dia mais necessária. Diante do exposto, objetivou-se nesta pesquisa o uso de fontes energéticas (casca do coco verde) na substituição da lenha em cerâmica vermelha no Brejo da Paraíba. Foram utilizados resíduos de cascas de coco (20, 30 e 40%), resíduos de eucalipto (20%) e resíduos de sabiá (20%) em relação à lenha controle obtida da caatinga, os quais foram queimados em forno Hoffman com temperatura superior a 900o C. As amostras de cinzas foram analisadas quanto à presença de fósforo (P2O5), cálcio (CaO), magnésio (MgO), cobre (Cu total), ferro (Fe total), manganês (Mn total) e zinco (Zn total). À medida em que se usa as diferentes fontes de resíduos utilizados na Cerâmica Produto Bom, aumenta-se a quantidade de CaO, MgO e Mn e Cu nas cinzas resultantes da queima destes materiais. No tocante ao consumo de lenha, constatou-se que o tratamento no qual se utilizou lenha + 40% de resíduo de coco, propiciou num menor consumo de lenha, com uma maior eficiência na queima dos tijolos, acarretando, por conseguinte, menor degradação ambiental, face ao menor uso de lenha advinda da caatinga. Em função dos dados obtidos no presente estudo, constatou-se que há viabilidade quanto ao uso de lenha mesclada com o resíduo de coco (40%), pela facilidade de aquisição, e que as cinzas obtidas na Cerâmica Produto Bom com adição de lenha + resíduo de coco (40%) apresentam elevados teores de CaO e MgO com potencial para serem utilizadas na correção e adubação de solos ácidos.
  • FERNANDO DOS SANTOS ARAÚJO
  • Análise não destrutiva de sementes de algodão e caracterização de algodoeiros arbóreos do Nordeste do Brasil
  • Data: 28/02/2019
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • A cotonicultura no Nordeste do Brasil e caracterizada por uma grande diversidade de sistemas de producao, incluindo areas com modernizacao intensa praticada em bases empresariais, ate pequenos nucleos de producao direcionados ao atendimento de nichos de mercado ligados a agricultura de base familiar no semiarido, o qual se encontra em processo de expansao e estruturacao e por isso necessita ser priorizada. Dessa forma, este estudo objetivou: i) desenvolver metodos rapidos, seguros e nao destrutivos para classificar sementes de cultivares de algodoeiro herbaceo quanto a viabilidade e qualidade fisica; ii) analisar a variacao genetica intra e interespecifica de algodoeiros arboreos; iii) caracterizar a qualidade tecnologica da fibra, determinar a estrutura genetica e estimar os niveis de diversidade genetica em populacoes de algodoeiro arboreo e iv) analisar o potencial forrageiro do algodoeiro arboreo. Usando a tecnica de imagens hiperespectrais no infravermelho proximo associada a analise quimiometrica foi possivel desenvolver novos metodos capazes de classificar sementes de algodoeiro imaturas e sadias e sementes viaveis e nao viaveis de forma rapida, segura e nao destrutiva. A utilizacao de marcadores moleculares ISSR baseados em PCR foi eficiente na deteccao de polimorfismo genetico em algodoeiro arboreo, sendo capazes de discriminar duas especies relacionadas e revelar relacoes geneticas evolutivas. A caracterizacao genetica de algumas populacoes locais de algodoeiro arboreo usando essa tecnica indicou que as mesmas estao geneticamente estruturadas com base na distribuicao espacial, apresentam baixa diversidade genetica, estao isoladas e se reproduzindo principalmente por autofecundacao. A avaliacao da qualidade da fibra dessas populacoes, usando metodos classicos, demonstrou que a maioria delas produz fibras com varias caracteristicas tecnologicas dentro do esperado para algodoeiros cultivados modernos. A caracterizacao morfoagronomica e quimico-bromatologica dessas populacoes demonstram que o algodoeiro arboreo pode ser uma opcao forrageira a ser utilizada para alimentacao de ruminantes no semiarido do Nordeste do Brasil.
  • LEONARDO DA SILVA SANTOS
  • Compilação de dados de composição nutricional e avaliação quimiotaxonômica de diferentes espécies na família Myrtaceae por UPLC-MS acoplada a quimiometria
  • Data: 28/02/2019
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • As plantas frutiferas que pertencem a familia Myrtaceae possuem diversos generos e especies espalhadas pelos biomas brasileiros e apresentam plantas com presenca marcante de compostos secundarios pertencentes as diversas classes de compostos quimicos. E ainda considerada uma familia complexa quanto a classificacao taxonomica devido ao elevado numero de componentes, diferenciacao morfologica dificil e com poucos estudos na area. A compilacao de dados nutricionais e um estudo de revisao sistematica, quantitativa de fonte de dados secundarios. Nao obstante, para potencializar a classificacao e investigacao quimiotaxonomica a tecnica da UPLC-QToF-MS/MS fornece informacoes mais rapidas e eficientes em comparacao com outras tecnicas. Isso deve-se a alta seletividade e sensibilidade de UPLC-QToF-MS/MS que resultam em sua aplicacao tanto para analises quantitativas como qualitativas. Diante do exposto, o presente estudo trata-se de revisao sistematica, quantitativa de fonte de dados secundarios, objetivando contemplar a analise da composicao nutricional de especies vegetais a partir de dados mensurados em numeros mediante compilacao de valores ja registrados. Assim como descrever a potencialidade de classificacao utilizando quimiometria aplicada a dados UPLC-MS para investigacao quimiotaxonomica de folhas de quinze especies do genero Psidium, Plinia, Myrciaria e Eugenia na familia Myrtaceae. A compilacao foi realizada conforme metodologias desenvolvidas pela FAO/INFOODS. Foram estudadas quinze especies vegetais dos generos Psidium, Plinia, Myrciaria e Eugenia da referida familia. Na compilacao, estudou-se as especies consideradas nativas ou de ocorrencia no Brasil a partir da busca de dados nutricionais dessas frutiferas na literatura publicada por meio de bases de dados, periodicos cientificos, nacionais e internacionais, dissertacoes de mestrado e teses de doutorado. Das 10.308 publicacoes cientificas referentes a busca por nome cientifico e popular das especies, cerca de 40 publicacoes apresentaram dados de composicao nutricional para os frutos investigados e aproximadamente 11 publicacoes foram utilizadas para a compilacao dos dados. Foram localizadas publicacoes referentes apenas aos frutos de jabuticaba, cambui, goiaba, araca- boi e pitanga de acordo com os criterios de exclusao. A identificacao da composicao nutricional desses alimentos aumentou o conhecimento acerca da biodiversidade e composicao nutricional dos frutos estudados e incentivara o consumo, comercializacao e desenvolvimento de novos produtos alimentares com base nas especies utilizadas. Porem, para que se tenha um panorama completo em relacao a composicao nutricional dos mesmos, sao necessarias mais pesquisas na area de analise de alimentos. Por sua vez, o uso de uma ferramenta multivariada foi indispensavel para detectar compostos marcadores, uma vez que um numero elevado de informacoes sobre cromatogramas nao forneceu dados conclusivos. Os resultados ofereceram uma classificacao adequada entre genero e especie, baseada principalmente em acido elagico, catequina, epicatequina, isoquercitrina, quercitrina, reynoutrina, acido madecassico, acido asiatico e morina, usados como compostos marcadores. Portanto, o metodo foi util e permitiu a distincao quimiotaxonomica satisfatoria entre os generos.
  • LUCAS SOMBRA BARBOSA
  • CARACTERÍSTICAS AGRONÔMICAS, TROCAS GASOSAS E IMPACTOS BIOLÓGICOS DE ADUBOS VERDES EM REGIÃO SEMIÁRIDA BRASILEIRA
  • Data: 28/02/2019
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • A utilizacao das especies de adubos verdes se mostra como uma pratica promotoras das servicos ecossitemicos, garantindo a sustentabilidade dos agroecossistemas. Objetivou-se avaliar o potencial das especies leguminosas e nao-leguminosas para agricultura no Brejo Paraibano, em funcao de suas caracteristicas agronomicas, fisiologicas e influencias exercidas sobre as comunidades de macroartropodes e fungos micorrizicos arbusculares. Para os capitulos 1,2 e 3, o estudo foi realizado em DBC com 3 blocos, com 8 tratamentos e 10 repeticoes por bloco (N = 240), mais uma area de vegetacao nativa como controle positivo. Os tratamentos foram: Crotalaria juncea L., Crotalaria spectabilis Roth, Crotalaria ochroleuca G. Don., Canavalia ensiformes (L.) DC., Dolichos lablab L., Mucuna pruriens (L.) DC., Neonotonia wightii (Wight & Arn.) J.A. Lackey e plantas nao-leguminosas, caracterizada por Brachiaria decumbens Stapf. cv. Basilisk. Para o capitulo 4, tres tratamentos foram alocados em DBC, composto de: cobertura vegetal - composta por plantas de milheto (Pennisetum americanum L.); controle negativo - invasoras nativas; e controle positivo - enclave de floresta umida da Caatinga. Cada tratamento (6 x 4 m) foi replicado em quatro blocos. Na avaliacao das trocas gasosas, as variaveis analisadas foram: taxa fotossintetica, transpiracao foliar, condutancia estomatica, concentracao interna de CO2, eficiencia instantanea no uso da agua, eficiencia instantanea de carboxilacao, eficiencia intrinseca no uso da agua e teores de clorofila a e b. Para avaliacao das caracteristicas agronomicas, as variaveis foram: taxa de crescimento e biomassas verde e seca da planta. Para avaliar os efeitos das diferentes especies de leguminosas e nao-leguminosa sobre a comunidade de macroartropodes, as variaveis foram: abundancia, frequencia relativa, riqueza de especies, indice de Diversidade de Shannon (H) e indice de dominancia de Simpson (C). Os dados foram submetidos ao teste de Bonferroni a 5% de probabilidade. Para avaliar os efeitos das especies leguminosa e nao-leguminosa sobre a comunidade de FMA, as variaveis foram: frequencia de ocorrencia (FOi), riqueza, numero de esporos, indices de Diversidade de Shannon (H) e Dominancia de Simpson (C). Os dados foram submetidos a analise de variancia do tipo Kruskal-Wallis e as medias obtidas entre as diferentes especies de plantas de cobertura foram comparadas pelo teste de Bonferroni a 5% de probabilidade. Para avaliar o efeito das especies de adubo verde sobre a comunidade de nematoides foi determinada a abundancia total de nematoides do solo de cada grupo de nematoides nas amostras. Para as caracteristicas agronomicas taxa de crescimento e producao de biomassa, as especies C. juncea e D. lablab, apresentaram os melhores resultados. A C. juncea apresentou os melhores resultados de adaptabilidade as condicoes edafoclimaticas de zona umida da regiao semiarida brasileira devido a maior taxa fisiologica. As especies leguminosas afetam positivamente a abundancia e riqueza da macrofauna do solo, tendo a N. wightii apresentado os melhores resultados. As especies leguminosas e nao-leguminosa afetam diretamente a riqueza e diversidade de FMA, nao havendo diferenca estatistica entre N. wightii e B. decumbens. Em comparacao com as especies nativas, o adubo verde proporcionou aumento no numero de nematoides de vida livre e reducao do numero de nematoides fitofagos.
  • RENATA DA SILVA LEANDRO
  • PERFIL FITOQUÍMICO DE COMPOSTOS BOTÂNICOS E LETALIDADE SOBRE A FASE IMATURA DE Ceratitis capitata (DIPTERA: TEPHRITIDAE)
  • Orientador : GLEIDYANE NOVAIS LOPES MIELEZRSKI
  • Data: 28/02/2019
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • A busca por descobrir especies vegetais e isolar seus componentes ativos com propriedades inseticidas contra insetos-praga, como as moscas-das-frutas, estao recebendo consideravel atencao em todo o mundo, por gerar minimos impactos ambientais e aos seres vivos em comparacao ao uso dos pesticidas sinteticos. Dessa forma, este estudo objetivou testar a atividade inseticida de dez extratos vegetais, em diferentes concentracoes, sobre fases imaturas de C. capitata e identificar os principais compostos ativos. Os extratos etanolicos foram preparados com folhas frescas na proporcao de 30% p/v (peso do vegetal/volume de etanol 70%). A avaliacao inseticida dos extratos etanolicos foi investigada em dois ensaios, nos quais avaliaram-se o efeito dos extratos sobre a fase larval (L3) e sobre as pupas de C. capitata. Os experimentos foram realizados com dez tratamentos (extratos vegetais alcoolicos) em diferentes proporcoes (30%; 15%; 7,50%; 3,75%; 1,87%; 0,93%, 0% - controle apenas etanol), os quais foram conduzidos em delineamento inteiramente casualizado, com quatro repeticoes. Dez larvas ou pupas foram colocadas em um copo plastico e umedecidas em 1 mL das porcoes dos extratos nos respectivos tratamentos. A avaliacao foi realizada a cada 24 horas durante tres dias para larvas; e as pupas, apos serem submetidas aos tratamentos, foram acondicionadas por oito dias (desenvolvimento pupal) e, decorrido esse tempo, as avaliacoes foram feitas a cada 24 horas por oito dias. Nossos resultados demostraram uma alta mortalidade nas fases imaturas quando submetidas aos extratos de pitanga [Eugenia uniflora], cravo [Syzygium aromaticum], e Hortela da folha miuda [Mentha villosa].
  • ELIANE CECILIA DE MEDEIROS
  • ECOFISIOLOGIA DE DUAS ESPÉCIES LENHOSAS DA CAATINGA OCORRENTES EM INSELBERGS
  • Orientador : MANOEL BANDEIRA DE ALBUQUERQUE
  • Data: 27/02/2019
  • Hora: 15:00
  • Mostrar Resumo
  • No Brasil, ha escassez de dados especificos sobre a biogeografia, floristica e principalmente fisiologia das plantas de inselbergs principalmente no Nordeste. Objetivou-se neste trabalho avaliar a influencia da sazonalidade na fisiologia da Luetzelburgia auriculata e Capparis flexuosa ocorrentes em inselbergs. As leituras de dados foram realizadas na Serra da Rajada, inselberg localizado entre as rodovias RN 086 e a BR-427 na Microrregiao do Serido Oriental no municipio de Carnauba dos Dantas/RN. As plantas analisadas encontram-se no terco superior da serra, a uma altitude de aproximadamente 370 metros. As leituras foram realizadas no periodo de 10:00h as 12:00h, em intervalos de quatro meses, marco (periodo chuvoso), julho (intermediario) e novembro (seco) do ano de 2018. As variaveis avaliadas foram: taxa de fotossintese assimilacao de CO2 – (A), concentracao interna de CO2 –(Ci), taxa de transpiracao –(E), condutancia estomatica –(Gs), temperatura da folha –(Tleaf) e temperatura do ar (–Tair). Com bases nestes dados foram calculadas a eficiencia instantanea do uso da agua (A/E ), eficiencia intrinseca do uso da agua (A/Gs ) e eficiencia instantanea de carboxilacao (A/Ci ). As medidas foram feitas no terco medio das plantas, em folhas saudaveis nao destacadas e completamente expandidas, com a utilizacao de um analisador portatil de gas por infravermelho IRGA (ACD, modelo LCPro SD, Hoddesdon UK). A analise estatistica foi baseada no Delineamento Inteiramente Casualizado – DIC, com medidas repetidas no tempo. Houve uma variacao nas medias de taxa de fotossintese (A), condutancia estomatica (Gs), transpiracao (E) e na concentracao de carbono interno (Ci), quando estas foram comparadas nas diferentes epocas durante o ano. As temperaturas da folha e do ar entre as especies variaram 5% e 1% de probabilidade respectivamente, enquanto que entre epocas variaram a 1% de probabilidade pelo teste F. Eficiencia instantanea e intrinseca do uso da agua quando comparadas nos diferentes periodos, as especies tendem a aumentar no periodo seco. A clorofila A apresentou diferenca entre as especies de 5% e de 1% de probabilidade entre os periodos chuvoso, intermediario e seco. Os teores de clorofila B e clorofila Total e a relacao entre a clorofila A e B variaram a 1% de probabilidade entre as especies e entre os periodos. Ocorreu aumento de deficit de pressao de vapor a medida que o periodo do ano ficou mais seco. Conclui-se que as especies C. flexuosa e L. auriculata, otimizam a producao de reservas no periodo chuvoso, atraves das concentracoes elevadas de CO2, quando chegam ao periodo mais seco as especies tendem a baixar suas atividades ecofisiologicas, com base nas eficiencias instantanea e intrinseca do uso da agua concluimos que as especies estudadas potencializam o uso da agua nos periodos mais seco do ano. O aumento das temperaturas das folhas e do ar, bem como a variacao dos teores de clorofila A e B nos periodos mais secos, contribuem para a diminuicao dos processos fisiologicos da C. flexuosa e L. auriculata, e por fim, o aumento do deficit de pressao de vapor nos periodos mais secos nao interfere na transpiracao das especies.
  • ISABEL CRISTINA DOS SANTOS OLIVEIRA
  • Salinidade da água, biofertilizante bovino e polímero hidrorretentor na formação de mudas de maracujazeiro BRSGA1
  • Data: 27/02/2019
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • Indisponivel
  • ANTONIO AUGUSTO MARQUES RODRIGUES
  • REVESTIMENTOS E FILMES BIODEGRADÁVEIS DE DIFERENTES FONTES AMILÁCEAS: CARACTERIZAÇÃO E APLICAÇÃO PÓS-COLHEITA EM MANGA
  • Data: 27/02/2019
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • O uso de polímeros naturais biodegradáveis para a conservação pós-colheita de alimentos é tendência coerente com os compromissos da sociedade com sustentabilidade. Entre os polímeros naturais, o amido vem ganhando destaque devido sua grande disponibilidade em escala mundial, alto rendimento de extração, valor nutricional, baixo custo, biodegrabilidade e biocompatilidade. Inhame, mandioca, semente de jaca e amêndoa da manga apresentam potencial para a extração do amido e a utilização seja na indústria alimentícia ou para formulação de revestimentos biodegradáveis. A manga por ser um fruto climatérico tem rápido amadurecimento, necessitando de tecnologias pós-colheita para aumentar sua vida útil. O objetivo deste trabalho foi caracterizar as propriedades físicas, químicas e ópticas dos amidos de amêndoa de manga, semente de jaca, inhame e mandioca na produção de filmes e revestimentos biodegradáveis bem como determinar o potencial para aplicação na conservação pós-colheita de manga. Os experimentos foram conduzidos no laboratório de Fisiologia Pós-Colheita da Embrapa Semiárido. Foram utilizadas quatro fontes amiláceas: semente de jaca, amêndoa de manga, inhame e mandioca. Foi realizada caracterização desses amidos quanto ao seu potencial químico, físico e óptico. Os amidos foram utilizados como revestimentos na manga ‘Palmer’ nas concentrações de 3% (amido de mandioca) e 3,5% (amido de inhame, semente de jaca e amêndoa de manga). Esses amidos também foram utilizados para o desenvolvimento de filmes biodegradáveis, sendo preparados a partir de três concentrações (2; 3 e 3,5%) para cada uma das fontes. Esses filmes foram submetidos a avaliações físicas, ópticas e mecânicas. A partir desses experimentos foram escolhidos os amidos de semente de jaca e amêndoa de manga para utilização como revestimento em manga ‘Tommy Atkins’. O experimento foi conduzido em delineamento inteiramente causalizado, em esquema fatorial 7 x 6, sendo 7 revestimentos e 6 tempos de armazenamento. Foram utilizados os revestimentos amido de amêndoa de manga; amido de amêndoa de manga + quitosana; amido de semente de jaca; amido de semente de jaca + quitosana; quitosana; cera de carnaúba e o controle (sem revestimento). As mangas foram armazenadas sob refrigeração (12,1 ± 0,2°C e 88,9 ± 2,8% de UR) por 21 dias seguido de 9 dias em temperatura ambiente (23,3 ± 0,2°C e 88,6 ± 2,7% de UR). As quatro fontes apresentaram potencial para extração de amido devido ao teor de amido total e de amilose. Os filmes desenvolvidos apresentaram características físicas, ópticas e mecânicas comparáveis com os comerciais. O aumento na concentração de amido influenciou diretamente a espessura, permeabilidade ao vapor da água, tensão na ruptura e força de perfuração. A aplicação dos revestimentos testados resultou em: diminuição da perda de massa, manutenção da coloração verde por mais tempo, retardo da perda de firmeza da polpa, retardo no aumento do teor de pectinas solúveis e de β-caroteno, retardo na diminuição dos teores de clorofilas a e b e na ação da enzima α-amilase na manga. Os revestimentos a partir de amido da amêndoa de manga e da semente de jaca, de quitosana e de cera de carnaúba destacaram-se por esses efeitos.
  • KENNEDY SANTOS GONZAGA
  • ÓLEOS ESSENCIAIS E FUNGOS NO CONTROLE DE MOSCA-DAS-FRUTAS (Ceratitis capitata) (WIED, 1824)
  • Data: 26/02/2019
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • O Brasil e um dos maiores produtores mundias de frutas, com uma producao da ordem de mais de 41 milhoes de toneladas por ano, contudo, diversas pragas sao responsaveis por causarem impactos negativos a fruticultura, merecendo destaque os prejuizos causados pela mosca-das-frutas Ceratitis capitata. As femeas depositam seus ovos nos frutos, que serao recurso alimentar para as larvas em desenvolvimento, causando danos significativos na qualidade destes. Novas tecnicas de controle de pragas, como o uso de produtos naturais vem sendo desenvolvidos, principalmente por sua eficacia e degradabilidade. Este trabalho e composto por dois artigos cientificos, abordando novas tecnicas de controle de C. capitata. O primeiro artigo avalia a acao inseticida de oleos esseciais e fungos entomopatogenicos, sobre diferentes estagios de desenvolvimento da mosca-das-frutas, o segundo, verifica o poder de repelencia dos oleos sobre a fase adulta dos insetos, e analisa a composicao quimica dos frutos de goiaba Psidium guajava L. variedade Paluma tratados com os oleos essenciais. A pesquisa foi conduzida no Laboratorio de Zoologia de Invertebrados pertencente ao Centro de Ciencias Agrarias da Universidade Federal da Paraiba. Foram utilizados oleos essenciais de Citronela, Cravo e Copaiba e isolados das especies Metarhizium anisopliae e Beauveria bassiana. Efetuaram-se aplicacoes topicas de 2,0 μL de cada produto/concentracao com auxilio de micropipeta em larvas de 1°, 2° e 3° instar e pupas. Nao houve diferenca significativa entre os diferentes tipos de oleos (citronela, cravo e copaiba) sobre a mortalidade de larvas e pupas, quando as larvas foram tratadas nos 1° e 2° instar. Quando tratadas no 3° instar, houve efeito significativo sobre a inviabilidade das pupas. O aumento na concentracao do oleo de citronela aumentou continuamente o potencial de repelencia. A aplicacao dos oleos essenciais nao influenciou negativamente na qualidade dos frutos.
  • JOSE ELDO COSTA
  • Crescimento, atributos químicos do solo, estado nutricional e fisiologia de cajueiro adubado com farinha de osso e hidrogel
  • Data: 26/02/2019
  • Hora: 13:00
  • Mostrar Resumo
  • A recente renovacao dos pomares de cajueiro (Anacardium occidentale L.) tem contribuido com o desenvolvimento da cajucultura na regiao Nordeste do Brasil. No entanto, tem-se visto muitas dificuldades no manejo de implantacao da cultura, por diversos fatores como os edafoclimaticos, com solos naturalmente pobres em materia organica e o estresse hidrico ocasionado por precipitacoes pluviometricas irregulares. Este trabalho e composto por dois artigos cientificos, abordando a influencia de um polimero hidroabsorvente (hidrogel) e da farinha de ossos como fertilizante alternativo, em plantas de cajueiro anao precoce BRS 226 “Planalto”. O primeiro artigo objetivou avaliar o crescimento, atributos quimicos do solo e composicao nutricional das plantas. Para isso foi realizado um experimento em area rural no municipio de Januario Cicco-RN, no periodo de abril de 2017 a maio de 2018. O crescimento foi avaliado a partir da biometria bimestral apos transplantio das mudas, medindo-se a altura, o diametro do caule e o numero de folhas. As avaliacoes do efeito residual da fertilidade do solo e da composicao mineral das plantas foram realizadas em laboratorio com amostras de solo e planta, respectivamente, apos 12 meses da instalacao do experimento. O delineamento experimental foi em blocos casualizados, em esquema fatorial 2 x 5, sendo duas concentracoes do polimero (0 e 5 g l-1) no primeiro fator e cinco doses crescentes de farinha de ossos (0, 250, 500, 750 e 1000 g planta-1) no segundo, com quatro repeticoes e tres plantas por parcela. No segundo artigo, avaliou-se as trocas gasosas, a eficiencia fotoquimica e os teores de clorofila (a+b) das plantas submetidas aos mesmos tratamentos do artigo 1. Aos 340 dias apos transplantio (DAT) realizou-se as leituras fisiologicas e fotoquimicas nas folhas maduras das plantas. Houve diferenca significativa na concentracao interna de carbono e na condutancia estomatica, nao sendo verificado efeitos sobre as demais variaveis.
  • LARISSA CAVALCANTE ALMEIDA
  • MANEJO ALTERNATIVO DA ANTRACNOSE EM MUDAS DE Anacardium occidentale cv. CCP76
  • Orientador : LUCIANA CORDEIRO DO NASCIMENTO
  • Data: 26/02/2019
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • A antracnose do cajueiro, causada por Colletotrichum gloeosporioides Penz. Sacc, e umas das doencas mais severas que incidem na cultura, podendo ocorrer em qualquer fase de desenvolvimento do ciclo de vida da planta. Seu controle vem sendo feito ao longo dos anos com o emprego de fungicidas quimicos sinteticos, no entanto os danos causados ao meio ambiente e ao homem faz surgir uma nova tendencia de mercado, intensificando a busca por metodos alternativos no controle de doencas. Dessa forma, objetivou-se com esse trabalho avaliar o efeito de diferentes oleos vegetais, bem como, indutores de resistencia comerciais no controle in vitro de C. gloesporioides. O experimento foi conduzido no Laboratorio de Fitopatologia, no Centro de Ciencias Agrarias da Universidade Federal da Paraiba, Campus II, Areia-PB. Foram testados oleos essenciais obtidos comercialmente de canela, cravo, citronela, capim limao, pequi, moringa, menta, eucalipto, gengibre e erva doce, na concentracao de 1mL/L, alem dos indutores Ecolife, Agromos, Fosfito, Viusid, Bion, Rocksil, Agrosilicio e Proagrim, nas quantidades recomendadas pelo fabricante, como controles foram utilizados o fungicida Tiabendazol e meio de cultura BDA (sem tratamento). Os tratamentos foram diluidos em meio de cultura BDA e vertidos em placas de Petri. Em seguida foram adicionados os discos da colonia fungica de C. gloesporioides, onde permaneceram por um periodo de sete dias, sob temperatura de 25 ± 2 ºC e fotoperiodo de 12 horas. Foram avaliados o Indice de velocidade de crescimento micelial (IVCM), Inibicao de crescimento micelial (ICM) e Diametro final da colonia (DF). Os dados foram submetidos a analise de variancia, sendo utilizada a analise de regressao polinomial para o IVCM e ICM. As medias de DF foram comparadas pelo teste de Scott-Knott a 5% de probabilidade. Os oleos essenciais de capim limao, erva doce e menta e os indutores Rocksil e Fosfito possuem potencial de controle in vitro sobre C. gloesporioides.
  • GEMERSON MACHADO DE OLIVEIRA
  • Interação de inseticidas reguladores de crescimento e atrativos alimentares sobre adultos de Spodoptera frugiperda (J. E. Smith) (Lepidoptera: Noctuidae)
  • Orientador : JACINTO DE LUNA BATISTA
  • Data: 25/02/2019
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • A lagarta Spodoptera frugiperda (Lepidoptera: Noctuidae) e uma das pragas mais nocivas a cultura do milho no Brasil e consequentemente ha um consideravel custo de controle, principalmente pela frequencia na aplicacao de inseticidas o que reduz significativamente a rentabilidade da cultura. Com o proposito da busca por mais alternativas no controle a essa praga, objetivou-se nessa pesquisa avaliar a eficiencia de inseticidas reguladores de crescimento em adultos de S. frugiperda. A pesquisa foi desenvolvida no Laboratorio de Entomologia do Departamento de Fitotecnia e Ciencias Ambientais do Centro de Ciencias Agrarias da Universidade Federal da Paraiba, Areia- PB. A pesquisa foi desenvolvida em duas etapas, na primeira, foi avaliada a eficiencia dos inseticidas reguladores de crescimento (Lufenuron, Diflubenzuron e Metoxifenozida) sobre os seguintes parametros biologicos: periodo de pre-oviposicao, de oviposicao, longevidade, a viabilidade de ovos, o numero total de ovos e de posturas, periodo larval e pupal e viabilidade larval e pupal da progenie. Na segunda etapa realizou-se o teste de atratividade em adultos, para tanto utilizou-se o inseticida considerado mais eficiente sobre os parametros biologicos da especie adicionando-se aos atrativos alimentares Noctovi®, phenylacetaldehyde e solucao de mel a 10%. As avaliacoes foram procedidas com 01, 06, 12, 24, 36, 48 e 72 horas da liberacao dos insetos adultos. Os dados de captura foram submetidos a analise de distribuicao Beta, processadas por meio do SAS, e as medias dos tratamentos foram comparadas pelo teste de Tukey, a 5% de probabilidade. Para avaliar o efeito dos atrativos ao longo dos periodos de exposicao os dados foram submetidos a analise de regressao. Verificou-se efeito significativo dos inseticidas reguladores de crescimento sobre adultos de S. fruperda, principalmente o Lufenuron que interferiu na reproducao desta praga. Observou-se uma possivel interferencia do inseticida na capacidade de captura dos atrativos avaliados.
  • CARLOS JARDEL ANDRADE OLIVEIRA
  • Produção de porta-enxerto de goiabeira ‘Paluma’ submetido ao estresse salino e doses de ácido salicílico
  • Orientador : WALTER ESFRAIN PEREIRA
  • Data: 25/02/2019
  • Hora: 13:30
  • Mostrar Resumo
  • A goiabeira e uma especie frutifera de grande importancia economica no Brasil, contudo, na regiao semiarida os altos teores da salinidade no solo e na agua de irrigacao prejudica o seu desenvolvimento, sendo necessario utilizacao de tecnicas que atenuem o efeito do estresse salino. Neste sentido, objetivou-se avaliar a producao de porta-enxerto de goiabeira ‘Paluma’ em condicoes de estresse salino e doses de acido salicilico. O experimento foi conduzido em ambiente protegido (casa de vegetacao) do Centro de Ciencias e Tecnologia Agroalimentar - CCTA, na Universidade Federal de Campina Grande - UFCG, Campus de Pombal, PB. O delineamento experimental foi em blocos ao acaso, com cinco condutividades eletricas da agua de irrigacao (0,3; 0,77; 1,9; 3,03; 3,50 dS) e cinco doses de acido salicilico (0,00; 0,29; 1,00; 1,71; e 2,00 mM), totalizando 10 combinacoes geradas atraves da Matriz Composto Central de Box, com quatro blocos e cinco plantas por parcela. Para as variaveis de crescimento foram avaliados a altura da planta, diametro do caule, area foliar, taxa de crescimento relativo das respectivas variaveis e a massa da materia seca do caule, das folhas, das raizes, obtendo-se a massa seca total. Para a fisiologia foi avaliado as trocas gasosas, o teor relativo de agua e o deficit de saturacao hidrica. Os dados foram submetidos a analise de regressao e Anova. O acido salicilico tem efeito benefico em todas as variaveis de crescimento, em condicoes de estresse salino. O uso do acido salicilico atenua os efeitos do estresse salino no crescimento das culturas ate 0,8 dS m-1. Com relacao as trocas gasosas, altas concentracoes de sais na agua de irrigacao diminuem a condutancia estomatica, transpiracao e a eficiencia instantanea de carboxilacao dos porta-enxertos; O acido salicilico aumenta a transpiracao dos porta-enxertos; O acido salicilico inibe os efeitos do estresse salino ao longo do tempo na fotossintese liquida, eficiencia do uso da agua e no teor relativo de agua quando aplicado a dose de 0,29 mM de acido salicilico nos porta-enxertos de goiaba ‘Paluma’; Doses de acido salicilico acima de 0,7 mM causam toxidez as plantas em condicoes de estresse salino, prejudicando o crescimento, trocas gasosas e o teor relativo de agua.
  • RODRIGO GARCIA SILVA NASCIMENTO
  • Diversidade de heterocromatina na ordem Sapindales Juss. ex Bercht. & J.Presl
  • Orientador : LEONARDO PESSOA FELIX
  • Data: 22/02/2019
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • A ordem Sapindales inclui nove familias e aproximadamente 6.100 especies de distribuicao cosmopolita. Dentro da ordem, alguns generos sao bastante estudados citologicamente e se destacam pela ampla diversidade na distribuicao de heterocromatina (Citrus, Spondias, Urvillea), embora, para a grande maioria dos generos existe pouca ou nenhuma informacao cariotipica. Este trabalho teve como objetivo investigar a distribuicao da heterocromatina em diferentes familias da ordem Sapindales atraves da coloracao CMA/DAPI. Foram analisadas 19 especies das familias Anacardiaceae, Burseraceae, Meliaceae, Rutaceae, Sapindaceae e Simaroubaceae. A bandas heterocromaticas foram caracterizadas pela ocorrencia apenas de regioes ricas em GC e localizaram-se preferencialmente na regiao terminal dos cromossomos, mas foram consideravelmente variaveis em numero (de duas a 22 bandas) entre as diferentes especies analisadas. Anacardiaceae apresentou padroes de bandas semelhantes entre especies de alguns generos ou tribos na familia, enquanto Commiphora leptophloeos (Burseraceae) apresentou 22 bandas terminais. As especies de Meliaceae apresentaram cariotipos claramente distintos entre os tres generos analisados, enquanto em Rutaceae as especies analisadas apresentaram a fracao heterocromatica menor que em outros generos da subfamilia Aurantioideae mais ricos em heterocromatina. Na familia Simaroubaceae, Homalolepis bahiensis apresentou cinco blocos CMA+ terminais, com um par cromossomico heteromorfico, enquanto Sapindaceae apresentou um numero de bandas variavel, com duas bandas subterminais em Talisia esculenta, a 12 bandas em Sapindus saponaria.
  • FRANCISCO ROMARIO ANDRADE FIGUEIREDO
  • RESPOSTAS FISIOLÓGICAS DE Solanum lycopersicum L. SOB DENSIDADES CRESCENTES DE NEMATOIDES E ÁCIDO SALICÍLICO
  • Data: 21/02/2019
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • O tomateiro (Solanum lycopersicum L.) e uma das mais importantes olericolas do mundo, esta sujeita ao ataque de varios patogenos, em especial ao nematoides das galhas, que podem promover desordens fisiologicas que chegam a inviabilizar a cultura. Diante dessa problematica, torna-se necessario a busca por estrategias que minimizem tais efeitos, assim, a aplicacao do acido salicilico pode ser uma estrategia promissora. Nesse contexto, o trabalho teve como objetivo avaliar as respostas fisiologicas do tomateiro sob a influencia de diferentes densidades populacionais de Meloidogyne javanica e aplicacao do acido salicilico. O delineamento utilizado foi o de blocos casualizados, utilizando a matriz Composto Central de Box (CCB) com cinco densidades populacionais de nematoides (0; 5815; 20000; 34184 e 40000 ovos por planta) e cinco doses de acido salicilico (0,0; 0,29; 1,0; 1,71 e 2,0 mM por planta), com quatro repeticoes e duas plantas por parcela experimental. Foram avaliadas as seguintes variaveis: altura de plantas, diametro do caule, numero de folhas, area foliar, area foliar especifica, peso especifico de folha, taxa de crescimento absoluto e relativo para altura, volume de raiz, massa seca da parte aerea, massa seca de raiz, massa seca total, indice de qualidade de Dickson, numero de ovos, numero de galhas e fator de reproducao aos 50 dias apos o transplantio e infestacao do solo. As trocas gasosas, fluorescencias e indices de clorofilas foram avaliadas aos 45 dias apos o transplantio e infestacao do solo. A densidade populacional de 23903 ovos foi a que proporcionou o maior FR, porem, as DPs nao influenciaram nas caracteristicas de crescimento do tomateiro. O AS influenciou na TCRap, AFE e PEF. O acido salicilico (AS) influenciou na assimilacao liquida de CO 2 e eficiencia de carboxilacao. A infestacao por M. javanica em plantas de tomateiro influenciou negativamente nas trocas gasosas e nos teores de clorofila, sendo que a aplicacao do AS nao atenuou os efeitos negativos desses patogenos.
  • JACKSON SILVA NÓBREGA
  • ECOFISIOLOGIA DE Mesosphaerum suaveolens (L.) Kuntze SUBMETIDA AO TRATAMENTO DAS SEMENTES COM ÁCIDO SALICÍLICO COMO ATENUANTE DO ESTRESSE SALINO
  • Data: 20/02/2019
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • A Mesosphaerum suaveolens (L.) Kuntze e uma especie com grande potencial de exploracao em funcao de suas caracteristicas terapeuticas e aromaticas, apresentando grande capacidade de adaptacao as condicoes da regiao Nordeste. Porem, sua exploracao pode ser afetada pelo excesso de sais contidos no solo e na agua de irrigacao, sendo necessaria a adocao de medidas que diminuam o efeito do estresse salino. Dentre estas, surge o uso de fitohormonios como o acido salicilico que atua na regulacao dos mecanismos de defesa vegetal. Assim, objetivou-se avaliar o tratamento de sementes com acido salicilico como atenuante do estresse salino sobre a qualidade das sementes, o crescimento e a fisiologia de plantas de Mesosphaerum suaveolens (L.) Kuntze. Para tanto, tres experimentos foram realizados: No primeiro avaliou-se a germinacao e o vigor das sementes no Laboratorio de Analise de Sementes; enquanto no segundo analisou-se o crescimento e no terceiro as trocas gasosas, fluorescencias e indices de clorofilas de plantas conduzidos em casa de vegetacao do Centro de Ciencias Agrarias, Universidade Federal da Paraiba, Areia – PB. O experimento 1 foi conduzido em delineamento inteiramente ao acaso e o 2 e 3 em blocos casualizados, sendo os tres em esquema fatorial incompleto 5 x 5, com cinco niveis de condutividade eletrica da agua de irrigacao (CEa= 0,5; 1,45; 5,00; 8,55 e 10,0 dS m-1) e cinco doses de acido salicilico (AS= 0,0; 0,29; 1,0; 1,71 e 2,0 mM L-1), com quatro repeticoes, totalizando 9 combinacoes geradas atraves da matriz Composto Central de Box. De acordo com os resultados, o acido salicilico mostra ser uma alternativa promissora como estimulante da qualidade fisiologica das sementes e no crescimento das plantas em condicoes de estresse salino. A dose de 2,0 mM L-1 de acido salicilico estimula a qualidade fisiologica das sementes, por meio dos testes de germinacao e vigor das sementes (primeira contagem de germinacao, indice de velocidade de germinacao, tempo medio de germinacao e comprimento de plantula). A aplicacao da dose de 0,9 mM de acido salicilico atenua o efeito do estresse salino sobre as taxas de crescimento absoluto e relativo, numero de folhas e area foliar. O aumento da condutividade eletrica da agua de irrigacao reduz significativamente o crescimento e as trocas gasosas, fluorescencias e os indices de clorofila nas plantas de Mesosphaerum suaveolens (L.) Kuntze.
  • LEONARDO VIEIRA DE SOUSA
  • ESTRESSE SALINO E BIOESTIMULANTE VEGETAL NO CRESCIMENTO, PRODUÇÃO E FISIOLOGIA DO MANJERICÃO
  • Data: 20/02/2019
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • O cultivo de manjericão (Ocimum basilicum L.) pode ser uma alternativa econômica para o nordeste brasileiro, no entanto, algumas áreas dessa região apresentam excesso de sais na água. A aplicação de reguladores de crescimento pode mitigar os efeitos deletérios do estresse salino. O objetivo do trabalho foi avaliar a ação de bioestimulante sobre a cultura do manjericão submetido ao estresse salino. O experimento foi conduzido na Universidade Federal da Paraíba, Campus II, Areia, Paraíba, Brasil. O delineamento experimental foi em blocos casualizados, em fatorial 5 x 5, combinadas segundo a matriz experimental Composto Central de Box, referente a cinco condutividades elétricas da água de irrigação e cinco doses de regulador de crescimento vegetal, com valores mínimos (- α) e máximos (α), respectivamente de 0,5 e 6,0 dS m-1 e 0,0 e 10,0 mL L-1, totalizando nove tratamentos, com quatro repetições e duas plantas por parcela. Foram avaliadas as plantas quanto ao desenvolvimento, trocas gasosas, fluorescência da clorofila e teores de clorofila além de análises químicas do solo. Não houve interação entre as condutividades elétricas da água de irrigação e as doses de regulador de crescimento vegetal para nenhuma variável estudada. Foi constatada diferença estatística entre as condutividades elétricas para todas as variáveis de crescimento. Já para as variáveis fisiológicas houve diferença entre as condutividades elétricas para os índices clorofila, fluorescência inicial, rendimento quântico potencial e efetivo do fotossistema II, concentração interna de CO2, eficiência do uso da água, eficiência intrínseca do uso da água e eficiência instantânea de carboxilação. Já em relação aos atributos químicos do solo, ocorreu resposta crescente mediante aumento das condutividades elétricas para todas as variáveis estudadas. A salinidade da água provoca redução dos parâmetros de desenvolvimento do manjericão. Aplicações de bioestimulante não surte efeitos no crescimento e na fisiologia do manjericão quando as plantas são irrigadas com águas salinas. O estresse salino provoca mudanças nos teores de potássio e sódio, além de aumento na condutividade elétrica do extrato de saturação, capacidade de troca catiônica, soma de bases e saturação por bases.
  • RAYSSA RIBEIRO DA COSTA
  • Diferenciação da qualidade e do potencial antioxidante das uvas ‘Isabel Precoce’ e ‘BRS Cora’ em função de sistemas de condução, porta-enxertos e safras, em condições tropicais
  • Data: 20/02/2019
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • Na vitivinicultura tropical, as temperaturas minimas anuais nao sao suficientes para a inducao de dormencia, favorecendo a obtencao de duas ou mais safras programadas por ano, em mesmo parreiral. Atualmente, o principal polo de producao tropical de suco de uvas no Brasil e o Submedio do Vale do Sao Francisco, tendo como base as cultivares Isabel Precoce, BRS Cora, BRS Violeta e BRS Magna. Alem das condicoes climaticas em cada epoca de producao, o sistema de producao tambem pode afetar a qualidade e composicao fenolica das uvas em funcao da arquitetura do dossel em cada sistema de conducao e da interacao copa-porta-enxerto. Assim, o estudo caracterizou a qualidade e o potencial antioxidante das uvas ‘Isabel Precoce’ e ‘BRS Cora’ em diferentes sistemas de conducao e porta-enxertos, em quatro safras consecutivas. O delineamento experimental foi em blocos ao acaso, em parcelas sub-subdivididas no tempo, com quatro repeticoes. Foram estudados tres sistemas de conducao e dois porta-enxertos, em ciclos do primeiro e segundo semestres de 2017 e 2018. Por ocasiao da colheita, foram avaliados: massa do cacho e da baga; teor de solidos soluveis; acucares soluveis; acidez titulavel; resistencia da baga a forca de compressao; atributos de cor da casca L, a* e b*; teores de antocianinas e flavonoides amarelos na casca; teor de polifenois extraiveis totais na casca e polpa; atividade antioxidante, pelos metodos de captura dos radicais livres ABTS●+ e DPPH●. Sistemas de conducao que possibilitam maior interceptacao de radiacao solar, como lira e latada, e porta-enxertos de menor vigor, que propiciam maior abertura da copa e consequente interceptacao de radiacao solar, induziram aumento na massa e no teor de acucares das bagas, assim como contribuiram para a sintese de compostos fenolicos. Alguns dos componentes de qualidade e composicao da uva apresentaram variacoes, mesmo com fatores climaticos, sistema de conducao, porta-enxerto e carga genetica da cultivar similares, indicando que outros elementos podem influencia-los. Logo, a escolha do sistema de conducao e porta-enxerto deve considerar a estabilidade das caracteristicas de qualidade e composicao fenolica nos ciclos de mesma epoca do ano, a fim de permitir qualidade previsivel da uva e de seus derivados ao longo das safras.
  • ANA CAROLINA BEZERRA
  • QUALIDADE FISIOLÓGICA E ANATOMIA DO TEGUMENTO DE SEMENTES DE Erythrina velutina Willd. DE DIFERENTES PROCEDÊNCIAS
  • Data: 19/02/2019
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • Erythrina velutina Willd. (Fabaceae), especie nativa da Caatinga com expressivo potencial ecologico e medicinal, cuja principal forma de propagacao e por via sexuada, de forma que torna-se essencial conhecer os aspectos fisicos, fisiologicos e anatomicos de suas sementes. Diante do exposto objetivou-se avaliar o efeito da variacao ambiental ocorrente em diferentes regioes da Paraiba na biometria, germinacao e anatomia do tegumento de sementes de E. velutina. As sementes foram coletadas em 19 plantas matrizes localizadas em 10 municipios paraibanos: Juru, Sume, Aracagi, Guarabira, Sao Joao do Cariri, Esperanca, Queimadas, Cuite, Boa Vista e Areia. Para determinacao da qualidade fisica foram determinados o teor de agua, peso de mil sementes e as caracteristicas biometricas: comprimento, largura e espessura. Na avaliacao da qualidade fisiologica foram analisadas as seguintes variaveis: porcentagem de germinacao, primeira contagem de germinacao, indice de velocidade de germinacao, comprimento e massa seca da parte aerea e de raizes de plantulas. Para a anatomia do tegumento foram analisadas as seguintes variaveis: espessura do tegumento, comprimento e largura da barra de traqueoides, todos em delineamento experimental inteiramente ao acaso. Nas caracteristicas biometricas das sementes de E. velutina ocorre uma amplitude de variacao, com as maiores medias de comprimento, largura e espessura nas sementes da planta matriz 14. Com relacao a qualidade fisiologica constatou-se diferenca significativa em todas as variaveis analisadas, tanto para sementes intactas como escarificadas, com destaque para as sementes intactas das plantas matrizes 5, 14, 16 e 19 que foram as mais vigorosas, como tambem para as sementes escarificadas das plantas matrizes 4 e 10. O tegumento das sementes de E. velutina, em seccao transversal, e formado por cuticula cerosa, epiderme, hipoderme e uma camada de celulas de parenquima, em que a epiderme e composta por uma camada de macroesclereides. A hipoderme e constituida por uma camada de celulas chamadas de osteoesclereides e logo apos a camada de osteoesclereides o tegumento possui uma camada de parenquima com espessura de 10-12 celulas. A regiao do hilo e formada por funiculo, uma dupla camada de macroesclereides em palicada (contra palicada), linha lucida, uma camada de osteoesclereides, barra de traqueoides e duas camadas de parenquima. As sementes das diferentes plantas matrizes e localidades possuem dormencia tegumentar e o vigor das sementes intactas varia entre as plantas matrizes. Em relacao a anatomia, as localidades influenciam na forma e tamanho das barras de traqueoides, contudo, nao influenciam no estabelecimento da dormencia nas sementes.
  • JOSÉ SEBASTIÃO DE MELO FILHO
  • DESENVOLVIMENTO, PRODUÇÃO, TROCAS GASOSAS, PÓS-COLHEITA DE Beta vulgaris L. IRRIGADA COM ÁGUAS SALINAS E SILICIO
  • Orientador : THIAGO JARDELINO DIAS
  • Data: 19/02/2019
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • A beterraba e uma das hortalicas mais ricas em nutrientes (compostos bioativos, acido folico e potassio). Sao escassos estudos dessa cultura sob condicoes de irrigacao com aguas salinas. A irrigacao na agricultura e uma alternativa viavel, em virtude da escassez hidrica e dos recursos naturais. As plantas nao toleram altos teores de sais, contudo, atenuadores de estresse salino apresenta estrategia para possibilitar o uso de aguas salinas na regiao semiarida. Em regioes com indices pluviometricos baixos, o estresse salino promove alteracoes fisiologicas nas plantas, afetando a produtividade das culturas. O objetivo deste trabalho foi avaliar o desenvolvimento, producao, trocas gasosas, pos-colheita de beta vulgaris L. irrigada com aguas salinas e silicio. A pesquisa foi conduzida em delineamento de blocos casualizados, em fatorial 5 x 5, referente a cinco niveis de condutividade eletrica da agua de irrigacao (CEa): (0,5; 1,3; 3,25; 5,2 e 6,0 dS m-1) e cinco doses de silicio (0,00; 2,64; 9,08; 15,52 e 18,16 mL L-1), combinadas segundo a matriz experimental Composto Central de Box, com quatro repeticoes e tres plantas por parcela. Foram realizadas as analises de crescimento, trocas gasosas, clorofilas, fluorescencias, producao e pos-colheita. Os dados foram submetidos a analise de variancia, de regressao e as avaliacoes repetidas no tempo por modelo misto. A aplicacao de silicio via foliar nao influencia no cultivo de beterraba, nem atenuou a salinidade, mas as plantas que receberam aplicacao apresentaram maiores teores de pigmentos fotossinteticos. O aumento da CEa da agua de irrigacao reduz o crescimento e producao de beterraba, mas os indices de clorofila, producao de biomassa e fluorescencia nao foram influenciados pela salinidade. A CEa da agua de irrigacao acima de 0,50 dS m-1 e suficiente para afetar negativamente o cultivo de beterraba e a dose de 9,08 ml L-1 de silicio e a mais recomendada para aplicacao. A irrigacao com agua de 6,0 dS m-1 promove melhor qualidade do tuberculo da beterraba. As adubacoes pre-colheita com silicio, aplicado via solo ou foliar, melhoraram a qualidade pos-colheita da beterraba. A irrigacao com aguas salinas inibiu as trocas gasosas das plantas de beterraba.
  • KARLA NASCIMENTO DE SOUZA
  • Diversidade Genética Entre e dentro de Populações Naturais de Plantas Infestantes com Potencial Ornamental
  • Orientador : ELIZANILDA RAMALHO DO REGO
  • Data: 18/02/2019
  • Hora: 08:30
  • Mostrar Resumo
  • A introducao de especies nativas no mercado de plantas ornamentais representa uma crescente tendencia mundial de producao e comercializacao. Para que isto ocorra e necessario que estas especies sejam caracterizadas. O objetivo deste estudo foi avaliar a diversidade genetica entre e dentro de tres populacoes naturais de Mussambe (Cleome spinosa Jacq.) com o auxilio de marcadores morfologicos e moleculares. Foram caracterizadas tres populacoes de Mussambe, nas cidades de Remigio-PB, Esperanca-PB e Alagoinha-PB, cada populacao com 30, 30 e 27 individuos, respectivamente. A caracterizacao morfologica foi realizada a partir das variaveis: altura da planta (AP), diametro do caule (DC), diametro da copa (DDC), comprimento da folha (CF) e largura da folha (LF). Para caracterizacao molecular, utilizou-se 16 oligonucleotideos iniciadores do marcador RAPD (Random Amplified Polymorphic DNA). Todas as analises foram realizadas utilizando o software R versao 3.2.0. A analise de componentes principais foi realizada a partir dos dados morfologicos e os dois primeiros componentes retem 70% da variabilidade genetica existente nas tres populacoes. Observou-se que a variabilidade genetica dentro de cada populacao e maior do que entre populacoes. Os individuos 43 (Populacao de Remigio, PB) e 77 (Populacao de Alagoinha, PB) sao os mais divergentes entre populacoes. Na populacao de Esperanca (PB) a maior divergencia e entre os individuos 12 e 25, na populacao de Remigio (PB) e entre os individuos 41 e 43, e na populacao de Alagoinha (PB) entre os individuos 65 e 77. Em funcao desses individuos apresentarem caracteristicas de interesse ao mercado de planta ornamenteis, sugerimos que sejam utilizados como genitores em possivel programa de melhoramento da especie.
  • WELLISON FILGUEIRAS DUTRA
  • INTROGRESSÃO DE ALELOS DE Arachis SELVAGENS VISANDO AO AUMENTO DA TOLERÂNCIA À SECA NO AMENDOIM CULTIVADO
  • Data: 14/02/2019
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • A seca é um fenômeno meteorológico que causa perdas significativas na agricultura, principalmente em regiões de clima árido e semiárido, como o Nordeste brasileiro. A utilização de cultivares tolerantes está entre as principais estratégias para a convivência com a seca e o soerguimento do cultivo de espécies relevantes. Nesse contexto, o amendoim é uma oleaginosa de grande importância socioeconômica para o semiárido, predominantemente cultivada por agricultores de base familiar. Por ser uma das poucas espécies tetraploides do gênero Arachis, o amendoim cultivado é isolado reprodutivamente dos parentes selvagens, a maioria diploide. Contudo, mesmo com barreiras cromossômicas, a utilização de espécies selvagens é vista como excelente alternativa para ampliar a variabilidade genética do amendoim cultivado e desenvolver novas cultivares adaptadas ao clima semiárido. Atualmente, vários alotetraploides foram obtidos por uma equipe multidisciplinar da Embrapa, os quais estão sendo avaliados quanto à tolerância à seca. No presente estudo foram realizados procedimentos de seleção e validação numa população de alotetraploides de amendoim {BR 1 x [BR 1 x (A. batizocoi K9484 x A. duranensis SeSn 2848)4x]} com base na tolerância à seca, utilizando descritores fisiológicos e agronômicos (Capítulo I). Em seguida, alotetraploides de amendoim foram avaliados, em casa de vegetação e campo, focalizando em características moleculares, bioquímicas e agronômicas, com o objetivo de identificar e selecionar plantas com melhor capacidade de se ajustar em condições de estresse hídrico (Capítulo II). Inicialmente, sessenta e quatro alotetraploides foram cultivados em casa de vegetação em Campina Grande-PB durante a estação seca. Após o início do florescimento a irrigação foi suspensa por 15 dias, sendo retomada após este período. Três genótipos foram utilizados como testemunhas: BR1, Senegal 55-437 (tolerantes ao estresse hídrico) e LViPE-06 (sensível ao estresse hídrico). No último dia de estresse foram mensurados as trocas gasosas e o quenching não fotoquímico (NPQ) em todas as plantas. Estes dados foram utilizados na seleção de alotetraploides com tolerância à seca, juntamente com descritores agronômicos relacionados à produção e precocidade. As plantas selecionadas foram cultivadas em dois ambientes (Lagoa Seca e Campina Grande) com o objetivo de validar a tolerância à seca. Os cultivos foram realizados na época das chuvas, sendo avaliados ix descritores agronômicos relacionados à precocidade, produção e eficiência no uso da água. A expressão gênica, a atividade dos tipos de superóxido dismutase (SOD) e o conteúdo de prolina também foram avaliados nas plantas selecionadas. Baseado nos ensaios realizados, vários alotetraploides possuem tolerância à seca, com características semelhantes ou superiores as observadas na cultivar atualmente cultivada no Nordeste do Brasil (BR 1). Os alotetraploides possuem níveis diferenciados de expressão nos tipos de SOD e no precursor de prolina, havendo relação entre a produção dos transcritos e a subsequente síntese dos metabólitos. As linhagens 96 P9 e 53 P4 foram mais produtivas e eficientes no uso da água, nas condições avaliadas, denotando serem promissoras para o cultivo em condições de semiárido. A adoção destas linhagens representa uma oportunidade para ampliar a base genética de futuras cultivares, além de subsidiar a utilização de recursos genéticos selvagens em programas de melhoramento voltados para o semiárido.
  • MILENY DOS SANTOS DE SOUZA
  • RESISTÊNCIA DE TOMATEIROS MUTANTES A Bemisia tabaci (Gennadius, 1889) (Hemiptera: Aleyrodidae) BIÓTIPO B E INFLUÊNCIA SOBRE Encarsia hispida (Hymenoptera: Aphelinidae)
  • Data: 08/02/2019
  • Hora: 08:30
  • Mostrar Resumo
  • O tomateiro é uma das hortaliças mais cultivadas e consumidas no mundo. No entanto, é considerada uma cultura de alto risco quando consideramos o grande número de problemas fitossanitário no qual é acometida. A mosca-branca Bemisia tabaci biótipo B, é um desses principais problemas, dado os danos e o custo de controle que insere na produção do tomate. Cultivares resistentes associados ao controle biológico dentro de um programa de Manejo Integrado de Pragas podem atuar como uma das melhores soluções para os problemas com essa praga, visto a redução ou eliminação do controle com pesticidas. Diante do exposto o objetivo geral dessa pesquisa foi determinar se tomateiros mutantes conferem resistência a Bemisia tabaci biótipo B e sua influência sobre o parasitoide Encarsia hispida. A pesquisa foi realizada no Laboratório de Entomologia da Universidade Federal da Paraíba, Campus II Areia-PB, abordando em três artigos as temáticas acima explanadas. Em ambiente telado e campo, avaliou-se o desempenho de cinco tomateiros mutantes (aurea, cry, phyA, phyB1, phyB2) mais um tomateiro padrão suscetível (‘IAC-Santa Clara’). Artigo I: Objetivou-se determinar se tomateiros mutantes conferem resistência a mosca-branca B. tabaci biótipo B. No teste de livre escolha (TLE), mensurou-se o número de ovos, ninfas e adultos/plantas e, calculou-se também o índice de atratividade (IA), índice de preferência para oviposição IPO, colonização das ninfas, danos e crescimento da fumagina. No teste sem chances de escolha (TSE) mensurou-se o nº de ovos, o IPO, a biologia do inseto e o nº de tricomas. No TLE o Santa Clara apresentou maior nº de ovos, ninfas e adultos, maiores IPA e IPO, danos e crescimento da fumagina, além de alta colonização das ninfas e baixo nº de tricomas. No TSE o aurea proporcionou o maior e o cultivar padrão o menor nº de dias para completar a biologia do inseto. O aurea apresenta resistência tipo antibiose e antixenose, menos danos às plantas e menor crescimento da fumagina quando infestados por B. tabaci biótipo B. Artigo II: Verificou-se o comportamento bioquímico e fisiológico de tomateiros mutantes frente ao ataque de B. tabaci biótipo B. Foram mensurados o nº de ovos, ninfas e adultos da praga após três períodos de infestação e a atividade das enzimas POX, PPO e PAL como também as variáveis fisiológicas A, E, gs, Ci, iWUE, EiC e WUE, fluorescência, clorofila e nº de tricomas. Os mutantes apresentaram menor infestação e colonização da praga; maior atividade das enzimas oxidativas; e menor desgaste a fisiologia ao ser exposta ao ataque de B. tabaci quando comparados ao Santa Clara. O aurea confere maior resistência, ativa seus mecanismos bioquímicos de defesa e sofre menos danos fisiológicos diante da infestação de B. tabaci. Artigo III: Teve por objetivo investigar a interação tritrófica entre tomateiros mutantes, B. tabaci biótipo B e o parasitoide Encarsia hispida. Utilizaram-se os tomateiros como hospedeiros da praga, e ninfas de 3º e 4º instares foram submetidas ao parasitismo de E. hispida. Avaliou-se o desenvolvimento biológico do parasitoide e também o índice de parasitismo natural e sob liberações deste agente. O desenvolvimento biológico do parasitoide não foi afetado pelos tomateiros mutantes, assim como a razão sexual. Quanto ao parasitismo, o índice foi maior em ambiente protegido, sendo o mutante aurea e o cultivar padrão com os maiores valores, já em campo não se observou diferenças entre os tomateiros. Os mutantes proporcionam um desenvolvimento biológico adequado ao parasitoide; o índice de parasitismo é maior diante da liberação do parasitoide; o aurea e o Santa Clara apresentam maiores índices de parasitismo.
  • KERCIO ESTEVAM DA SILVA
  • CARACTERIZAÇÃO DE Fusarium oxysporum f. sp. cubense. E MANEJO ALTERNATIVO DO MAL DO PANAMÁ EM BANANEIRA
  • Data: 05/02/2019
  • Hora: 08:30
  • Mostrar Resumo
  • A bananeira (Musa spp.) e uma monocotiledonea pertencente a familia botanica Musaceae, o Brasil e o quinto maior produtor mundial, onde a maior porcentagem da producao brasileira esta regiao Nordeste, um dos principais problema fitossanitario e a doenca do mal-do-panama, causada pelo fungo Fusarium oxysporum f. sp. cubense nas cultivares maca, pacovan e prata, esse fungo geralmente e identificado por isolamento e caracterizacao morfologica, porem as tecnicas de biologia molecular estao contribuido para desmembrar a diversidade genetica, atraves de marcadores moleculares, o manejo dessa doenca requer o desenvolvimento de novas estrategias como o manejo alternativo. Esse trabalho teve objetivo de identifcar pela analise filogenetica isolados de diferentes regioes do Nordeste e avaliar o controle alternativo da doenca mal-do-panana na cultura da bananeira “in vitro” e “in vivo” usando extrato de alho em 5 concetracoes diferentes (C1 = 0; C2 = 2,5; C3 = 5; C4 = 7,5 e C5 = 10%), os isolados utilizados foram dos estados da Paraiba (PB), Pernambuco (PE) e Rio Grande do Norte (RN), Bahia(BA), Alagoas(AL), no total de 8 isolados monosporicos caracterizados morfologicamente utilizando os meios de cultura Batata Dextrose Agar (BDA), avaliou a coloracao da frente e verso das colonias; diametro micelial; indice de velocidade de crescimento micelial; esporulacao. A analise filogenetica gerou uma arvore, para os genes TEF e IGS pela analise Neighbor-Joining (NJ), com 21 sequencias obtidas do GenBank. aliando 8 isolados de Fusarium em estudo, na parte dos experimentos em (in vitro) conduzido em laboratorio avaliando o crescimento micelial e (in vivo) em casa de vegetacao avaliando Area Abaixo da Curva de Progresso da Doenca (AACPD) usando-se uma escala de notas . Os resultados obtidos foram, na analise filogenetica apresentou 4 grupos de Fusarium oxysporum com linhagens filogeneticas distintas, sendo que o isolado (CMM 0807) ficou agrupado como especie de Fusarium oxysporum f. sp. cubense, com 99% de suporte bootstrat., Ja com relacao as concentracoes crescentes do extrato de alho promovem reducoes significativas no crescimento micelial de Fusarium oxysporum f. sp. cubense e na severidade da doenca mal-do-panama. A bananeira (Musa spp.) e uma monocotiledonea pertencente a familia botanica Musaceae, o Brasil e o quinto maior produtor mundial, onde a maior porcentagem da producao brasileira esta regiao Nordeste, um dos principais problema fitossanitario e a doenca do mal-do-panama, causada pelo fungo Fusarium oxysporum f. sp. cubense nas cultivares maca, pacovan e prata, esse fungo geralmente e identificado por isolamento e caracterizacao morfologica, porem as tecnicas de biologia molecular estao contribuido para desmembrar a diversidade genetica, atraves de marcadores moleculares, o manejo dessa doenca requer o desenvolvimento de novas estrategias como o manejo alternativo. Esse trabalho teve objetivo de identifcar pela analise filogenetica isolados de diferentes regioes do Nordeste e avaliar o controle alternativo da doenca mal-do-panana na cultura da bananeira “in vitro” e “in vivo” usando extrato de alho em 5 concetracoes diferentes (C1 = 0; C2 = 2,5; C3 = 5; C4 = 7,5 e C5 = 10%), os isolados utilizados foram dos estados da Paraiba (PB), Pernambuco (PE) e Rio Grande do Norte (RN), Bahia(BA), Alagoas(AL), no total de 8 isolados monosporicos caracterizados morfologicamente utilizando os meios de cultura Batata Dextrose Agar (BDA), avaliou a coloracao da frente e verso das colonias; diametro micelial; indice de velocidade de crescimento micelial; esporulacao. A analise filogenetica gerou uma arvore, para os genes TEF e IGS pela analise Neighbor-Joining (NJ), com 21 sequencias obtidas do GenBank. aliando 8 isolados de Fusarium em estudo, na parte dos experimentos em (in vitro) conduzido em laboratorio avaliando o crescimento micelial e (in vivo) em casa de vegetacao avaliando Area Abaixo da Curva de Progresso da Doenca (AACPD) usando-se uma escala de notas . Os resultados obtidos foram, na analise filogenetica apresentou 4 grupos de Fusarium oxysporum com linhagens filogeneticas distintas, sendo que o isolado (CMM 0807) ficou agrupado como especie de Fusarium oxysporum f. sp. cubense, com 99% de suporte bootstrat., Ja com relacao as concentracoes crescentes do extrato de alho promovem reducoes significativas no crescimento micelial de Fusarium oxysporum f. sp. cubense e na severidade da doenca mal-do-panama.
2018
Descrição
  • SARA SANTOS CARDOSO
  • Produção e qualidade da batata-doce em função de doses e fontes de K2O
  • Orientador : ADEMAR PEREIRA DE OLIVEIRA
  • Data: 14/12/2018
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • Indisponivel
  • LEONARDO DANTAS MARQUES MAIA
  • INDUÇÃO DE RESISTÊNCIA EM ALGODOEIRO CONTRA Fusarium oxysporum f. sp. vasinfectum
  • Orientador : LUCIANA CORDEIRO DO NASCIMENTO
  • Data: 05/12/2018
  • Hora: 08:30
  • Mostrar Resumo
  • O Brasil e o quinto maior produtor de algodao mundo com uma producao de 1653 mil toneladas. Esse destaque na producao do algodao e possivel pelas novas cultivares que vem sendo desenvolvidas para o Brasil, como por exemplo a BRS 286 e BRS 336, que possuem maior resistencia as pragas e doencas bem como uma melhor adaptacao edafoclimatica para as regioes produtoras do Brasil. Mesmo com esse avanco na producao de novas cultivares as doencas causadas por patogenos ainda e uma precopacao para o produtor da fibra de algodao. A murcha de fusario causada pelo Fusarium oxysporum f. sp. vasinfectum (Fov), e uma das principais doencas acometidas ao algodoeiro. O uso de produtos quimicos ainda e a maneira mais empregada no combate as doencas e assim o uso de produtos alternativos a essa forma de controle se torna uma necessidade para diminuir os custos na producao bem como minimizar os ricos ambientais e ao homem que o controle quimico pode acarretar. Sendo assim o objetivo desse trabalho foi determinar o comportamento do algodoeiro herbaceo BRS 286 influenciado por elicitores de resistencia, bem como determinar as enzimas ligadas a patogenese induzidas em algodoeiro tratadas com elicitores e quantificar a protecao induzida no algodoeiro contra o Fov. O experimento de campo foi conduzido na estacao experimental da EMEPA, na cidade de Alagoinha na Paraiba, com sementes de algodao BRS 286 fornecidas pela EMBRAPA Algodao. Os tratamentos utilizados no experimento foram Bion® (0,1 g.L-1), Ecolife® (1,0 ml.kg-1), Rocksil® (2,4 g.kg-1), Proagrin® (2,4 g.kg-1), Agro-mos® (1,0 ml.kg-1), Carbendazim (Carbomax® 500 sc 1,0 ml.kg-1) e o tratamento controle com agua destilada esterilizada. Foram avaliadas a altura e diametro a nivel do solo das plantas de algodao ao longo do experimento, bem como foram retiradas folhas para a quantificacao de enzimas chaves no processo de inducao de resistencia. O experimento in vitro foi realizado no laboratorio de fitopatologia, no campus II, da UFPB, onde foram avaliados o crescimento micelial do Fov e sua esporulacao. O experimento em casa de vegetacao foi desenvolvido para avaliar a interacao entre o patogeno e a muda de algodoeiro, mensurando assim os sintomas presentes nas mudas. No experimento em campo foi possivel constatar que os tratamentos Bion®, Rocksil® e Agro-mos® influenciaram positivamente no crescimento e diametro do caule de algodao BRS 286, porem nenhum tratamento influencio na qualidade da fibra produzida ao final do experimento. Os tratamentos Bion® e Agro-mos® proporcionaram uma maior atividade das enzimas Peroxidase, Polifenoloxidase e Fenilalanina amonia-liase. No experimento in vitro o Ecolife® nao influenciou no crescimento micelial do FOv, porem inibiu a esporulacao do patogeno, ja os tratamentos Bion®, Proagrin® e Agro-mos® controlaram significativamente a acao do Fov em mudas de algodoeiro.
  • MARLENE ALEXANDRINA FERREIRA BEZERRA
  • Atributos químicos, fisiologia, nutrição e produção do maracujazeiro sob salinidade da água, revestimento lateral das covas e cálcio no solo
  • Data: 23/11/2018
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • O excesso de sais solúveis, no solo e na água, e a baixa e irregular pluviosidade constituem os principais problemas à agricultura. Nesse sentido, a pesquisa foi realizada com o objetivo de avaliar os efeitos da irrigação com água salina, revestimento lateral das covas e aplicação de cálcio nos atributos da fertilidade de Neossolo Regolítico cultivado com maracujazeiro amarelo cv. BRS GA1. Os tratamentos foram arranjados em parcela subdividida no esquema 2 x (2 x 5) correspondente a salinidade da água (0,3 e 4,0 dS m-1), parcela principal, combinados com covas sem e com proteção lateral das covas e doses de cálcio (0, 30, 60, 90 e 120 kg ha-1), subparcelas. Os tratamentos foram distribuídos em quatro blocos casualizados e a unidade experimental foi formada por quatro plantas. As variáveis avaliadas foram: condutividade elétrica do extrato de saturação, pH, bases trocáveis, acidez potencial, capacidade de troca de cátions, saturação por bases e percentagem de sódio trocável do solo. Os dados foram submetidos a análise de variância, os efeitos da condutividade elétrica da água de irrigação (salinidade) e da proteção lateral das covas foram comparados pelo teste F (p ≤ 0,05) e os referentes às doses de cálcio ajustados a regressão pelo teste F (p ≤ 0,10). O aumento da condutividade elétrica da água de irrigação elevou os teores de Na+, K+, CTC e PST, enquanto para Ca2+, SB e H++Al3+ o aumento só foi constatado nas covas revestidas. O revestimento das covas com filme plástico intensificou a salinização e sodificação do solo. A aplicação de cálcio além de elevar o seu teor no solo, atenuou o efeito danoso do sódio, reduzindo a CEes, o Na+ e a PST. A adubação calcítica ao nível de 60 kg ha-1 é recomendada para cultivo de maracujazeiro amarelo em Neossolo Regolítico com baixo teor de cálcio.
  • SHERLY APARECIDA DA SILVA MEDEIROS
  • Respostas do maracujazeiro amarelo e do solo sob lâminas de irrigação e adubação organomineral
  • Orientador : LOURIVAL FERREIRA CAVALCANTE
  • Data: 22/11/2018
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • Indisponivel
  • SEBASTIAO GILTON DANTAS
  • POTENCIAL ALELOPÁTICO DE FOLHAS, CAULE E RAIZ DE Melia azedarach EM ESPÉCIES DE OCORRÊNCIA NA CAATINGA
  • Data: 28/09/2018
  • Hora: 13:30
  • Mostrar Resumo
  • A Caatinga, está sujeita a diversas formas de agressões ambientais de natureza antrópica, como a introdução de espécies exóticas invasoras, que podem ter atividade alelopática nas espécies nativas, interferindo na germinação das sementes e desenvolvimento inicial destas. O presente trabalho teve por objetivo avaliar o potencial alelopático da espécie exótica Melia azedarach Linnaeus sobre as espécies alvo da Caatinga: Bauhinia cheilantha (Bong.) Steud., Mimosa tenuiflora (Willd.) Poir. e Piptadenia stipulacea (Benth.) Ducke, pertencentes à família Fabaceae. Os efeitos foram avaliados pela germinação das sementes, índice de velocidade de germinação e tamanho da raiz primária, resultado dos bioensaios com os métodos da solução aquosa, sanduiche e plant-box. Para cada espécie alvo foram utilizados raiz, caule e folhas M. azedarach totalizando nove bioensaios. No método da solução aquosa foram utilizados cinco tratamentos com quatro repetições, no método sanduiche foram usados quatro tratamentos e cinco repetições e no método da plant-box foram 36 tratamentos com quatro repetições. Os resultados obtidos foram submetidos a análise de variância (Teste F) e as médias comparadas pelo teste de Tukey a 5% de probabilidade. Pela resposta dos bioensaios com os três métodos empregados, constatou-se que o aumento da concentração das soluções aquosas e material seco de M. azedarach, provocaram inibição na germinação das sementes, diminuição no IVG e comprimento da raiz das espécies alvo, mais pronunciado pelos compostos da raiz da doadora do que pelos compostos do caule e da folha.
  • GEORGE HENRIQUE CAMÊLO GUIMARÃES
  • “Desenvolvimento de filme multifuncionais a partir de fontes de amido e seu impacto na fisiologia e conservação pós-colheita de frutos durante o armazenamento” (Development of multifunctional films from starch sources and their impact on postharvest physiology and conservation of fruits during storage)”
  • Data: 31/08/2018
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • “Desenvolvimento de filme multifuncionais a partir de fontes de amido e seu impacto na fisiologia e conservacao pos-colheita de frutos durante o armazenamento” (Development of multifunctional films from starch sources and their impact on postharvest physiology and conservation of fruits during storage)”
  • LUCIMARA FERREIRA DE FIGUEIREDO
  • DESENVOLVIMENTO, PRODUÇÃO E QUALIDADE DE FRUTOS DE MELANCIA SOB ADUBAÇÃO NITROGENADA E ETHEPHON
  • Orientador : REJANE MARIA NUNES MENDONCA
  • Data: 30/08/2018
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • -A cultura da melancia e uma das principais especies olericolas cultivadas no Brasil, em especial na regiao Nordeste, por apresentar condicoes de solo e clima favoraveis ao seu cultivo. Nesse sentido, um experimento foi realizado no periodo de julho a outubro de 2016 e novembro de 2016 a fevereiro de 2017 na Universidade Estadual da Paraiba, campus IV, Catole do Rocha, para avaliar os efeitos da adubacao nitrogenada e ethephon nas trocas gasosas, fluorescencia teor de clorofila, crescimento, fitomassa, producao e curva de maturacao de frutos de melancieira. O delineamento experimental foi em blocos casualizados, com arranjo experimental com niveis pre-determinados para os fatores, atraves da matriz “Plan Puebla III”, com 10 tratamentos e uma testemunha (sem adubacao), os quais constituiram de 5 doses de N (9; 54; 90; 126 e 171 Kg/ha) e 5 doses de ethephon (30; 180; 300; 420 e 570 mg/L), com tres repeticoes. As doses de N foram parceladas igualmente e aplicadas em duas vezes, aos 20 dias apos o plantio (DAP) e 40 DAP A aplicacao do ethephon foi realizada aos 35 DAP. As trocas gasosas, a fluorescencia da clorofila a e os indices de clorofila a, b e total foram analisadas aos 30 DAP, ou seja no inicio do florescimento. O crescimento das plantas foi avaliado a cada sete dias a partir da primeira aplicacao do ethephon. Ao final de cada ciclo foram coletadas as plantas e separados as folhas, caules e raizes para a producao de materia seca da parte aerea (MSPA), raiz (MSR), total (MST) e a relacao raiz parte aerea (R/PA). Aos 75 DAP foi realizada a colheita dos frutos, o ponto de colheita foi identificado pela observacao da gavinha seca mais proxima do fruto e do pedunculo e pela mudanca de coloracao dos frutos, foram analisados o numero total de frutos por parcela; numero de frutos por planta; producao por planta; peso medio dos frutos por parcela e a produtividade. Aos 45 DAP e dez dias apos a antes foi iniciado o acompanhamento da curva de crescimento dos frutos totalizando cinco avaliacoes, sendo colhidos tres frutos por tratamento totalizando 33 frutos por periodo, para elaboracao da curva de maturacao. Foram avaliadas as caracteristicas fisicas e quimicas dos frutos. A cor da casca e da polpa, bem como a firmeza dos frutos so foram realizadas leituras na ultima avaliacao de cada ciclo estudado. A melhor dose de N para as trocas gasosas de melancieira cv. Crimson Sweet e entre 126 e 171 kg ha-1 de N e 420 e 570 mg/L de E; a adubacao nitrogenada tem maior influencia nas trocas gasosas em detrimento ao ethephon. A melhor dose de N para a obtencao da maxima fluorescencia da clorofila a de ate 126 kg ha-1 e 570 mg/L de E. Doses maximas de 171 kg ha-1 de N e 520 mg/L de E promovem os maiores teores de clorofila a, b e total. A associacao de 126 kg ha-1 de N e 570 mg/L de E os maiores numeros de folhas por planta, a maior massa seca total, aumento na producao por planta e o maior numero de frutos por parcela. O crescimento das plantas reduziu com a elevacao das doses de N e E. O peso medio dos frutos por parcela e a produtividade nao foram afetadas positivamente pelas doses de N e E. As maiores doses de N e E reduzem as caracteristicas fisicas e quimicas dos frutos de melancia cv. Crimson Sweet. As doses elevadas de nitrogenio e ethephon elevaram a firmeza e a luminosidade da polpa e o cromo da polpa.
  • Vandeilson Lemos Araujo
  • Relações K/N na nutrição do abacaxizeiro (Ananas comosus L. var. comosus) BRS cv. Imperial no litoral da Paraíba
  • Orientador : REJANE MARIA NUNES MENDONCA
  • Data: 29/08/2018
  • Hora: 13:00
  • Mostrar Resumo
  • A abacaxicultura e uma atividade economicamente viavel e de relevancia social nas regioes de exploracao, contudo o sucesso da atividade depende de manejo nutricional com relacoes adequadas de K/N. Objetivou-se neste estudo avaliar os efeitos de diferentes relacoes de K/N, aplicados via solo e foliar sobre o estado nutricional, a fenologia da folha “D”, producao e qualidade da infrutescencia do cv. Imperial no Estado da Paraiba. O experimento foi instalado em Neossolo Quartzarenico, no municipio de Alhandra-PB. Para avaliacao da fertilidade do solo, nutricao da planta, indices fisiologicos, crescimento da folha “D” e desenvolvimento da infrutescencia o delineamento experimental utilizado foi em blocos casualizados, com quatro repeticoes e dez tratamentos, em esquema fatorial (2x4+2). Os tratamentos constaram de quatro relacoes K/N (1,3:1; 2:1; 2,5:1 e 3:1), estabelecidas a partir de duas doses de N (585,9 e 498,0 kg de N ha-1). A unidade experimental foi constituida por cinco fileiras, cada fileira com 12 plantas, com um total de 60 plantas por unidade experimental. Utilizou-se mudas aclimatadas do cultivar Imperial provenientes de propagacao in vitro, plantadas em covas, no sistema de fileiras simples, com espacamento 0,30 x 0,90 m. Anteriormente a instalacao do experimento realizou-se a analise quimica e fisica do solo na profundidade 0-20 cm. Avaliou-se a fertilidade do solo (0-20 cm) determinando-se os teores de P, K e Na, e os foliares N, P e K foram avaliados aos 190, 250, 310, 370 dias apos o plantio. O crescimento da folha “D” foi avaliado mensurando-se o comprimento, largura basal e mediana, massa fresca e seca aos 190, 250, 310 e 370 dias apos o plantio. As avaliacoes fisiologicas foram realizadas entre 23h 00min as 04h 30min. A clorofila foi determinada com medidor eletronico e pelo metodo analitico em laboratorio. Utilizando-se o fluorometro, foram obtidas a F0, Fm, Fv, Fv/F0 e (Fv/Fm). Tambem foram determinadas a taxa de assimilacao de CO2 (A) transpiracao (T), condutancia estomatica (gs), concentracao interna de CO2 (Ci) na folha “D”, eficiencia no uso da agua (EUA), eficiencia instantanea da carboxilacaoФc (A/Ci) e o indice SPAD, sendo realizadas aos 540 dias apos o plantio. A inducao floral foi realizada aos 570 dias apos o plantio. Determinou-se a produtividade, logo apos a pesagem, determinou-se o efeito dos tratamentos sobre as caracteristicas fisicas dos mesmos, mediante a firmeza, massa da coroa, massa da casca, comprimento da coroa, diametro do fruto, massa da infrutescencia sem coroa, massa do cilindro central, firmeza do fruto integro, coloracao da casca, coloracao da polpa, acidez titulavel (AT), solidos soluveis (SS), relacao SS/AT e acido ascorbico. Verificou-se ausencia de efeito das relacoes K/N e suas interacoes, sobre todas as variaveis analisadas, exceto para o comprimento da folha “D” e periodos de avaliacao.
  • CRISTIANY VITORIO DE SOUZA
  • Óleo essencial de menta para controle de fungos em sementes de Crataeva tapia L. de diferentes árvores matrizes
  • Orientador : EDNA URSULINO ALVES
  • Data: 16/08/2018
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • A especie Crataeva tapia L. e recomendada para os programas de reflorestamento de areas degradadas, no entanto, o controle de patogenos em suas sementes deve ser estudado com maior enfase, pois os patogenos dificultam a germinacao dessa especie. Devido os grandes problemas que o tratamento quimico vem causando no meio ambiente e riscos a saude humana, a procura por metodos alternativos para o controle de patogeno sem sementes que nao afetam o meio ambiente vem ganhando uma atencao mundial. Dentre esses metodos estao os tratamentos alternativos, com os oleos essenciais. Dessa forma, o objetivo nessa pesquisa foi avaliar a eficiencia do oleo essencial de menta sobre a micoflora fungica e viabilidade de sementes de trapia (Crataeva tapia L.), visando estabelecer o controle de patogenos e, consequentemente, contribuir para a preservacao e conservacao destas especies florestais sem prejuizos ao meio ambiente. As sementes foram coletadas nos municipios de Cuite de Mamanguape - PB, Umbuzeiro - PB, Remigio - PB, Esperanca - PB e Sousa - PB. As matrizes foram submetidas aos testes de sanidade e de germinacao. A avaliacao da incidencia de fungos foi feita a partir da visualizacao dos fungos atraves do metodo de incubacao em papel filtro. Utilizou-se no teste de sanidade 100 sementes por tratamento, sendo distribuidas em dez repeticoes de dez sementes. As sementes tratadas com oleo essencial de menta foram imersas em 1 mL, por cinco minutos, em seguida incubadas em placas de Petri. No teste de germinacao utilizaram-se 100 sementes, sendo quatro repeticoes de 25 sementes por tratamento, distribuidas em papel toalha e germinadas a temperaturas entre 20 e 30 °C. O delineamento experimental utilizado foi o inteiramente casualizado em esquema fatorial 2x10. Nas sementes de C. tapia constatou-se os fungos Aspergillus sp., Aspergillus niger, Bodryodiplodia sp., Botrytis sp., Colletotrichum sp., Cladosporium sp., Fusarium sp., Monilia sp., Periconia sp., Penicillium sp. e Rhizopus sp. Portanto o uso de oleos essencias no manejo de fungos em sementes de C. tapia surge como uma alternativa promissora.
  • FLAVIA LAIS GOMES FORTUNATO
  • Análise de geração para caracteres de porte e qualidade de fruto em pimenteiras ornamentais (Capsicum annuum L.).
  • Orientador : ELIZANILDA RAMALHO DO REGO
  • Data: 14/08/2018
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • As pimentas sao cultivadas em todo o mundo, e seu agronegocio vem ganhando maior participacao no mercado devido a grande variedade de produtos, usos, e formas de consumo. O cultivo de pimentas ornamentais e uma nova tendencia no mercado consumidor brasileiro e vem aumentando gradualmente em todo o mundo. A grande variabilidade genetica existente no genero Capsicum sao condicoes basicas para o melhoramento genetico desse genero. O conhecimento da interacao genica e da heranca e essencial para a definicao de estrategias eficientes de melhoramento. Desta forma, este estudo teve como objetivo estimar os parametros geneticos e efeitos genicos envolvidos na heranca de caracteres de porte, flor e fruto em geracoes segregantes de pimenteiras ornamentais (Capsicum annuum). O experimento foi desenvolvido em casa de vegetacao, no Laboratorio de Biotecnologia Vegetal, da Universidade Federal da Paraiba (UFPB), Areia - PB. No primeiro capitulo foram utilizados como genitores dois acessos de pimenteiras ornamentais (Capsicum annuum L.) pertencentes ao banco de germoplasma de hortalicas da Universidade Federal da Paraiba (BGH-UFPB): UFPB 347 e UFPB 356. No segundo capitulo foram utilizados como genitores os acessos UFPB 349 e UFPB 356. Estes parentais foram cruzados para a obtencao da geracao F1, esta foi autofecundada para a obtencao da geracao F2. As geracoes de retrocruzamento RC1 e RC2 foram obtidas atraves do cruzamento entre a F1 e os parentais P1 e P2, respectivamente. O delineamento experimental foi inteiramente casualizado, sendo avaliadas cinco plantas de cada parental (P1 e P2), 20 plantas da geracao F1, 90 plantas da geracao F2 para cruzamento 347 x 356, e 88 plantas para o cruzamento 349 x 356, e 40 plantas do RC1 e do RC2. Foram avaliados 19 caracteres quantitativos referentes a planta, inflorescencia e fruto. Os dados obtidos foram submetidos a analise de geracao, e os efeitos dos modelos foram submetidos ao teste t em nivel de 5% de significancia. Para a analise de geracao envolvendo os parentais 347 e 356 altos valores de herdabilidade no sentido amplo foram observados para o comprimento da corola, diametro das petalas, peso do fruto, comprimento do fruto e espessura do pericarpo. Porem, apenas o comprimento da corola apresentou alta herdabilidade de sentido restrito. O modelo aditivo-dominante (m, a, d) foi adequado para explicar os parametros geneticos da maioria das caracteristicas avaliadas, com excessao do comprimento da antera e teor de materia seca, em que o modelo aditivo-dominante foi inadequado, sendo interpretado o modelo completo. Na analise de geracao envolvendo os parentais 349 e 356, apenas a altura da planta e espessura do pericarpo apresentaram alta herdabilidade no sentido amplo e restrito. O modelo aditivo-dominante (m, a, d) foi adequado para explicar os parametros geneticos da maioria das caracteristicas. No entanto, para o diametro da copa, diametro das petalas, comprimento do pedicelo e teor de materia seca o modelo aditivo-dominante foi inadequado, recomendando-se a interpretacao do modelo completo.
  • MARIA DO PERPETUO SOCORRO DAMASCENO COSTA
  • DIVERSIDADE GENÉTICA ENTRE E DENTRO DE POPULAÇÕES F4 DE PIMENTEIRAS ORNAMENTAIS (CAPSICUM ANNUUM L.)
  • Data: 14/08/2018
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • Dentre as plantas com potencial ornamental, encontram-se as pimenteiras que pertencem ao genero Capsicum e a familia Solanaceae. As pimenteiras ornamentais cultivadas em vaso tem se destacado no mercado de ornamentais por suas caracteristicas esteticas que envolvem, entre outros atributos, a coloracao dos frutos e folhas e harmonia com o vaso. A grande diversidade existente neste genero tem permitido seu uso em programas de melhoramento genetico. O melhoramento de pimenteiras ornamentais baseia-se principalmente, na hibridacao, gerando populacoes segregantes Com o avanco de geracoes segregantes e possivel selecionar as melhores linhagens de pimenteiras com caracteristicas desejaveis para ornamentais. Dessa forma objetivou-se avaliar a diversidade genetica entre e dentro de populacoes F4 de pimenteiras, selecionando familias e genotipos promissores para fins ornamentais. O experimento foi desenvolvido em casa de vegetacao no Laboratorio de Biotecnologia Vegetal no Centro de Ciencias Agrarias na Universidade Federal da Paraiba (CCA-UFPB). Foram utilizadas 10 familias e 4 testemunhas adicionais de pimenteiras para caracterizacao morfoagronomica com base em descritores qualitativos e quantitativos. O delineamento experimental empregado foi inteiramente casualizado. A unidade experimental foi constituida de uma planta por vaso. Foram avaliadas 10 familias de uma populacao F4, cada uma com 45 plantas, e 4 testemunhas adicionais, com 15 plantas cada. No primeiro capitulo foram usados 16 descritores quantitativos de planta e fruto, os dados foram submetidos a analise de variancia multivariada, a importancia relativa foi determinada pelo metodo de Singh, analise de variaveis canonicas e o teste de Scott-Knot. No Segundo capitulo foram utilizados descritores qualitativos e quantitativos e mistos. Para quantificar a contribuicao relativa das caracteristicas para a divergencia genetica foi utilizado o criterio de Singh. Em seguida utilizou-se o metodo de agrupamento de Tocher com base na distancia generalizada de Mahalanobis nas variaveis quantitativas. Nas variaveis qualitativas utilizou-se a distancia de Gower e posteriormente foi realizada uma analise mista com os dados qualitativos e quantitativos. Alem disso, foi aplicado o escalonamento multidimensional nao metrico. Todas as analises foram realizadas com o software R versao 3.0.3. No primeiro capitulo pelo metodo de Singh determinou-se que sete das dezesseis caracteristicas contribuiram com 62,70% da divergencia genetica. Na analise de variaveis canonicas, as duas primeiras variaveis canonicas explicaram 68,05% da discriminacao das familias e atraves do teste de Scott-Knott as familias foram agrupadas em 8 grupos. As familias que apresentaram as caracteristicas desejaveis para ornamentais de vaso foram 17.18, 30.16, 30.22, 55.45. No segundo capitulo foram avaliados os genotipos dentro de cada familia, a familia 47.26 foi a unica que nao apresentou genotipos com porte para ornamental para serem cultivadas em vaso pequeno, visto que suas plantas apresentavam porte alto. A analise conjunta dos dados quantitativos e qualitativos foi eficiente em expressar o grau de diversidade genetica entre os genotipos avaliados dentro de cada analisada, sendo possivel praticar selecao.
  • FERNANDO KIDELMAR DANTAS DE OLIVEIRA
  • POTENCIAL DE ESPÉCIES VEGETAIS À FITORREMEDIAÇÃO DE SOLO CONTAMINADO COM COBRE
  • Data: 03/08/2018
  • Hora: 08:30
  • Mostrar Resumo
  • A mineração é uma atividade mundial de grande importância devido à utilização dos metais que são extraídos, a exemplo do cobre, no Brasil, com destaque para o estado do Pará. Objetivou-se com esta pesquisa avaliar o potencial, ou seja, habilidade, capacidade das espécies Schizolobium amazonicum, Leucaena leucocephala e Azadirachta indica submetidas à contaminação do solo com rejeito de cobre da mineração, fitorremediar metal pesado. Para alcançar o objetivo foram realizados pesquisa bibliográfica e experimentos, organizados em três capítulos. A primeira parte é uma revisão bibliográfica sobre mineração, rejeito de mineração de cobre, fitorremediação e os vegetais a serem estudados. O primeiro capítulo avalia o potencial das espécies S. amazonicum, L. leucocephala e A. indica, submetidas ao solo contaminado com rejeito de cobre através da produção de fitomassa seca, teores e distribuição de cobre nos compartimentos radiculares, caulinares e foliares das espécies. As variáveis analisadas foram a morfométrica de crescimento, os índices e fatores de translocação e os coeficientes de extração. Os coeficientes de fitoextração foram superiores nas raízes das espécies estudadas. O segundo capítulo, teve como objetivos o de avaliar os efeitos causados em pigmentos fotossintetizantes e as atividades das enzimas superóxido dismutase e guaiacol peroxidade nas espécies S. amazonicum, L. leucocephala e A. indica, cultivadas em substrato com concentração de cobre e, avaliar possíveis alterações no teor de clorofilas “a” e “b” e carotenoides. As variáveis analisadas foram atividade das enzimas superóxido dismutase e guaiacol peroxidade, e a determinação dos pigmentos fotossintetizantes. Os teores de clorofila “a”, “b” e carotenoides nos compartimentos apicais, intermediários e senescentes para as três espécies não tiveram diferença entre si, mas na concentração de 400 mg dm-3, houve alteração para A. indica. O terceiro capítulo, objetivou-se à caracterização cromossômica através de bandas eterocromáticas nas espécies S. amazonicum, L. leucocephala e A. indica visando caracterizar itogeneticamente, e detectar o surgimento de possíveis alterações cromossômicas provenientes da contaminação pelo cobre no substrato utilizado no cultivo das espécies. Através do material vegetal foram feitas as preparações cromossômicas, coloração com fluorocromos, determinação da fórmula cariotípica e análises dos padrões de bandas heterocromáticas. Para a espécie Schizolobium amazonicum o número cromossômico encontrado de 2n = 26 surge como nova informação para literatura.
  • JARBAS FLORENTINO DE CARVALHO
  • SELEÇÃO DE GENÓTIPOS DE ALGODOEIRO HERBÁCEO SUBMETIDOS A ESTRESSE HÍDRICO E IRRIGADOS EM AMBIENTE SEMIÁRIDO
  • Data: 05/07/2018
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • O algodoeiro e de grande importancia socioeconomica para o Brasil, devido a enorme geracao de empregos e renda. Na regiao semiarida, as irregularidades de chuvas e alta taxa de evapotranspiracao sao fatores limitantes, fazendo necessaria a irrigacao na maior parte do ano, para garantir bom desempenho produtivo e boa qualidade de fibra. Para amenizar as condicoes ambientais, o uso de cultivares adaptadas e uma das principais vias para garantir a producao. Para tanto, o melhoramento genetico deve investir em combinacoes que combinem adaptacao ambiental, produtividade e qualidade da fibra. Nesse trabalho foi estudado o comportamento produtivo e parametros geneticos de linhagens avancadas de algodao submetidas a estresse hidrico (Capitulo I) e irrigacao complementar (Capitulo II), em ambientes de clima semiarido (Serra Talhada-PE e Apodi-RN). Foram avaliadas dezoito linhagens provenientes da Embrapa Algodao e duas testemunhas (BRS 286 e BRS 336). Os delineamentos utilizados foram em blocos ao acaso, em todos ensaios. As caracteristicas avaliadas foram: produtividade de algodao em caroco e em pluma, porcentagem de fibra, peso de uma capulho, comprimento da fibra, resistencia, alongamento, micronaire e indice de fiabilidade. Os dados foram submetidos a analise de variancia individual e conjunta e a selecao dos genotipos foram realizadas utilizando o indice de selecao proposto por Mulamba e Mock (1978). Os parametros geneticos evidenciaram possibilidade de ganhos expressivos no processo seletivo do algodoeiro. Destacaram-se os genotipos CNPA 2006-3052, CNPA 2006-1109 e CNPA 2005-128 como os mais tolerantes ao estresse hidrico e os genotipos CNPA 2006-3052, CNPA 2004-266, CNPA 2006-1073 e CNPA 2005-125 com a irrigacao complementar. Apesar do valor genetico dos materiais, CNPA 2006-3052 demonstrou ser de grande potencial para a industria textil, revelando excelente performance tanto em condicao de sequeiro ou irrigado, devendo ser foco de maior investimento no melhoramento para o ambiente semiarido.
  • WENNIA RAFAELLY SOUZA FIGUEIREDO
  • RESISTÊNCIA DE PALMA FORRAGEIRA “in vitro” e “ex vitro” À COCHONILHA DE ESCAMA (Diaspis echinocacti- Bouché, 1833)
  • Data: 11/04/2018
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • A Palma forrageira (Nopalea e Opuntiae) e uma cultura importante na alimentacao dos animais ruminantes, apresenta resistencia a falta de agua, a temperaturas elevadas, a solos pobres, porem e evidente a reducao na produtividade da cultura, em funcao do aumento de danos causados por pragas, como e o caso de Diaspis echinocacti. Com isso, uma maneira eficiente de minimizar esses danos e a adocao do manejo integrado de pragas (MIP), no qual o uso de variedades resistentes esta incluso.Neste sentindo, objetivou-se apresentar os aspectos biologicos de D. echinocacti e identificar genotipos in vitro e ex vitro resistente a esta praga.A execucao da pesquisa foi realizada no Laboratorio de Entomologia e no Laboratorio de Biologia Celular, ambos da UFPB/CCA, esta pesquisa foi dividida em tres artigos. No Artigo I avaliou-se os aspectos biologicos de D. echinocacti em diferentes especies de Palma Forrageira e constatou que: palma baiana ( Nopalea sp.) apresentou –se como tolerante ao desenvolvimento de D. echinocacti em todas as fases do ciclo biologico, a palma africana (Opuntia tune) ofereceu melhores condicoes para a especie D. echinocacti desenvolver-se e o ciclo biologico de D. echinocacti durou 31 dias ate a emergencia do adulto.No II Artigo identificou-se o nivel de infestacao, tipos e graus de resistencia associados a genotipos de palma forrageira D. echinocacti,, desta forma observou-se que o genotipo Baiana apresentou menor nivel de infestacao para D. echinocacti em teste de multipla escolha, o genotipo doce e baiana sao considerados plantas resistentes ao ataque de D. echinocacti e Orelha de Elefante mexicana e Gigante sao consideradas plantas com Media infestacao e suscetivel a D. echinocacti respectivamente. E no artigo III verificou-se a resistencia a cochonilha de escama em diferentes especies de palma forrageira cultivadas in vitro e concluimos com os genotipos baiana (Nopalea sp.) e gigante (Opuntia ficus indica) micropropagados sao considerados resistentes a D. echinocacti,Orelha de elefante mexicana (Opuntia strincta) e doce (Nopalea cochenilifera) micropropagados sao considerados susceptiveis a D. echinocacti e os subcultivos favoreceram para o desenvolvimento biologico de D. echinocati nesses genotipos.
  • DAVI STEFANI SOUSA
  • Determinação de indicadores de sustentabilidade da bananicultura no Brejo paraibano
  • Data: 03/04/2018
  • Hora: 08:30
  • Mostrar Resumo
  • A fruticultura tem representado importante papel na geração de emprego e renda do Estado da Paraíba. A bananicultura tem se constituído na principal atividade agrícola da Microrregião do Brejo Paraibano. Para avaliar os indicadores de sustentabilidade do seu sistema agrícola, utilizou-se dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), do período de 2005 a 2015, pesquisa de campo – entrevistas e análises química e física de solos, e metodologia de Sepúlveda (2008), em 40 propriedades agrícolas dos municípios de Alagoa Nova e Bananeiras. Verificou-se que a bananicultura exerce domínio em área colhida, valor de produção e rendimento monetário bruto, sobre todas as demais culturas do Brejo Paraibano, sendo que as equações de regressão do modelo linear indicaram declínio significativo em todas as variáveis analisadas para a lavoura total, lavoura permanente e a cultura da banana. Constatou-se ainda que, nos municípios analisados, os solos mostraram-se, pela textura e saturação de bases, respectivamente, favoráveis condições ao cultivo da bananeira e com adequado nível de fertilidade, ainda que tenham apresentado baixo teor de potássio trocável e médio teor de matéria orgânica. Apesar das condições favoráveis, os indicadores de sustentabilidade da bananicultura mostraram, nos dois municípios, índices com nível de instabilidade nas dimensões sociodemográfica e ambiental - potencializando problemas de saúde pública e desequilíbrio ambiental, e índices com nível crítico nas dimensões econômica e político-institucional – mostrando problemas na organização e integração produtiva, comercial e técnico-cientifica dos produtores rurais.
  • RAYLSON DE SÁ MELO
  • ALTERAÇÕES DURANTE A MATURAÇÃO DE FRUTOS DE DUAS ESPÉCIES DE OPUNTIA ORIUNDOS DA PARAÍBA
  • Data: 28/03/2018
  • Hora: 13:30
  • Mostrar Resumo
  • As espécies Opuntia fícus indica e Opuntia stricta são plantas originárias das regiões áridas e semiáridas do México. O México e os EUA, os frutos de opuntia se destacam entre os consumidores, seja na forma de fruto fresco, dessecado ao sol, em compotas ou os mais diversos produtos industrializados. As betalaínas são os principais pigmentos que ocorrem em frutos de cactos, abrangem um amplo espectro de cor do amarelo-alaranjado. ao vermelho–violeta que são pigmentos N-heterocíclicos solúveis em água depositados em vacúolos. Em razão dos seus comprovados benefícios à saúde humana poder tintorial, coloração atrativa, estabilidade e atividade antioxidante, têm despertado a atenção da indústria, dos pesquisadores e consumidores. Dessa forma, para despertar o interesse para a produção e utilização de frutos do gênero Opuntia na alimentação humana, é necessário a descrição da qualidade e o potencial funcional dos frutos durante o processo de maturação. Com isso, o objetivo desse trabalho foi avaliar a evolução da qualidade, dos compostos bioativos e potencial funcional de frutos de Opuntia stricta Haw e Opuntia fícus indica durante a maturação. O experimento foi conduzido no Laboratório de Biologia e Tecnologia Pós-colheita do Centro de Ciências Agrárias – UFPB. Os frutos de Opuntia stricta e Opuntia ficus indica foram colhidos manualmente em diferentes estádios de maturação no período do final da tarde, de plantas de ocorrência, de cercas-vivas residenciais do município de Areia-PB e Damião -PB respectivamente. Tomando-se como base a evolução da coloração da casca na evolução da maturação, foram identificados quatro estádios para os frutos avaliados. Em ambos os frutos as mudanças na coloração são as mais evidentes durante a maturação, caracterizando o desenvolvimento da coloração vermelho púrpura forte em frutos completamente maduros da Opuntia stricta e totalmente alaranjados para os da Opuntia ficus indica. Os compostos encontrados nos frutos dessas duas espécies são importantes para que em estudos futuros possam se entender sua ação no metabolismo nos frutos, a melhor forma de se manejar podendo alcançar frutos com melhores características para a exploração das propriedades neutraceuticas destes frutos.
  • ALEX SANDRO BEZERRA DE SOUSA
  • Fisiologia, metabolismo antioxidante e conservação pós-colheita de mamão 'sunrise solo' sob combinações de solventes naturais euteticos e profundos com recobrimento de fécula de mandioca
  • Data: 28/02/2018
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • Os recobrimentos biodegradáveis consistem numa tecnologia sustentável e de baixo custo, a exemplo daqueles a base de fécula de mandioca. No entanto, esses precisam ser incorporados de tecnologias que os tornem eficientes na conservação pós-colheita de frutos, mas sendo estáveis e inócuos aos seres humanos. Neste sentido, os solventes naturais euteticos profundos (NADES) são elaborados a partir de componentes naturais não tóxicos e que apresentam grande potencial na conservação pós-colheita de frutos, a exemplo do ácido oxálico. Além disso, os NADES consistem em tecnologia inovadora por apresentam propriedades plastificante, podendo substituir o glicerol, plastificante mais usado em recobrimentos a base de polímeros naturais. O mamão é um fruto muito consumido pela pela presença de compostos antioxidantes, mas é altamente perecível, apresentando rápida depreciação da qualidade na pós-colheita. A compreesão dos processos fisiológicos e da dinâmica no metabolismo antioxidante pode gerar bases para o desenvolvimento de tecnologias sustentáveis para ampliar a vida útil pós-colheita e manter a estabilidade dos agentes antioxidantes. Neste sentido, esta pesquisa foi dividida em dois experimentos: O Experimento I avaliou a fisiologia e conservação pós-colheita de mamão ‘Sunrise Solo’ sob associação de NADES de cloreto de colina e ácido oxálico com recobrimentos a base de fécula de mandioca (SNADES) durante o armazenamento na condição ambiente. O Experimento II teve o objetivo de avaliar o efeito da aplicação de SNADES nos compostos bioativos e metabolismo antioxidante de mamão ‘Sunrise Solo’ durante o armazenamento em condição ambiente. Os mamões foram colhidos e transportados para o LBTPC/CCA/UFPB, onde foram lavados, sanificados e submetidos aos recobrimentos. O experimento foi realizado em DIC, fatorial 4x 6, sendo 4 recobrimentos (SNADES, fécula de mandioca associada com NADES mais óleo essencial de laranja doce (NADES+O), fécula de mandioca associada com glicerol (S+Gly) e frutos sem recobrimentos (C)) e 6 períodos de avaliação (0, 2, 4, 6 e 8 dias) em condição ambiente. Os mamões recobertos com SNADES apresentaram redução na taxa respiratória, com retardo de 3 dias na ascendência climatérica quando comparados aos recobertos com SNADES+O e SGly e também maior atraso no desenvolvimento da coloração amarela, além de manterem a firmeza por mais tempo, como claros indicativos de retardo no amadurecimento. Além disso, o SNADES propiciou frutos mais saborosos e de excelente aparência. Os mamões recobertos com SNADES apresentaram melhor eficiência na captura H2O2, estando isso correlacionado com a maior atividade das enzimas CAT e APX no início do armazenamento, indicando frutos em melhor estado de conservação da qualidade. SNADES também resultou em mamões de melhor qualidade funcional com maiores teores de fenólicos extraíveis totais e maior atividade antioxidante por DPPH•. Em conjunto, esses dados demonstram que o NADES de cloreto de colina e ácido oxálico apresenta potencial para ser incorporado a matriz polimérica como agente plastificante e funcional atuando na manutenção da qualidade e no retardo do amadurecimento, prolongando a vida útil pós-colheita de mamão ‘Sunrise Solo’ durante o armazenamento ao ambiente, bem como atua na melhoria da eficiência do sistema antioxidante enzimático e no incremento de compostos bioativos e atividade antioxidante.
  • SAMARA DAYSE DA LUZ AYRES
  • Desempenho fisiológico de sementes de feijão vagem (Phaseolus vulgaris L.) em diferentes estádios de maturação
  • Data: 28/02/2018
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • Indisponivel
  • JOALISSON GONÇALVES DA SILVA
  • Contribuições para o controle de moscas-das-frutas (Diptera: Tephritidae)
  • Data: 28/02/2018
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • As moscas-das-frutas (Diptera: Tephritidae) sao insetos fitofagos com especies que podem assumir o status de praga em frutiferas. No Brasil estudos tem indicado variacoes na diversidade das moscas-das-frutas, dinamica populacional e nas interacoes com hospedeiros e parasitoides, sendo informacoes fundamentais para um controle efetivo. Entretanto, no Nordeste, sobretudo no Estado da Paraiba, as informacoes sobre a bioecologia destes tefritideos sao escassas. O estudo teve por objetivo caracterizar as populacoes de moscas-das-frutas no Brejo paraibano por meio de indices faunisticos e avaliar o efeito do uso de recobrimento biodegradavel no controle e qualidade de frutos de goiabeira ‘paluma’. A pesquisa foi desenvolvida na regiao do Brejo paraibano, abordando duas propriedades rurais de cada municipio, georreferenciadas e identificadas segundo o criterio de diversidade de especies frutiferas, utilizando os laboratorios de Zoologia de Invertebrados e Laboratorio de Fisiologia Pos-Colheita. O trabalho foi desenvolvido, abordando os aspectos acima explanados, sendo dividido em quatro artigos. No artigo I, estudou-se a analise faunistica da comunidade de moscas-das-frutas e a similaridade entre essas populacoes no municipios. O levantamento populacional foi realizado de julho de 2015 a junho de 2016. Onde foram capturadas um total de 3.159 moscas-das-frutas, das quais 85,57% pertenciam ao genero Anastrepha e 14,43% ao genero Ceratitis. 11 especies de moscas-das-frutas foram capturadas nas armadilhas. Os municipios estudados apresetaram similaridade de 54%, o que indica alta semelhanca entre as areas. No artigo II, objetivou-se obter informacoes sobre os hospedeiros das moscas-das-frutas, seus parasitoides e suas relacoes (parasitoide/mosca-das-frutas/hospedeiro), visando a elaboracao de futuros sistemas de manejo integrado destes tefritideos. As especies botanicas identificadas como hospedeiro de moscas-das-frutas, foram pertencentes a seis familias e oito especies frutiferas, apresentando uma riqueza de 11 especies. A diversidade de hospedeiros e a disponibilidade de frutos sao fatores determinante para os tipos de associacoes existentes entre as especies de tefritideos. No artigo III, a pesquisa teve por objetivo avaliar a flutuacao populacional de moscas-das-frutas e correlacionar essas informacoes com a fenologia das cultura bem como os elementos meteorologicos. Em todos os meses do ano foi observado infestacao de moscas-das-frutas para ambos os generos, no entanto o genero Anastrepha sobressaiu em relacao ao genero Ceratitis. O indice MAD em alguns municipios foi superior a 0,5 sendo recomendado se fazer o controle das moscas-das-frutas nestas areas. No artigo IV, buscou avaliar o efeito do uso de recobrimento biodegradavel associada a diferentes temperatura no controle e qualidade de frutos da goiabeira ‘paluma’ infestados por C. capitata. O uso de recobrimento biodegradavel associado a temperaturas baixas, promoveu efeito letal a ovos e larvas de C. capitata, reduzindo danos e a sobrevivencia das larval em frutos infestados, e preserva a qualidade e aparencia externa dos frutos e prolonga o periodo de vida util.
  • NATAN MEDEIROS GUERRA
  • Caracterização do manejo e produção de fava (Phaseolus lunatus L.) no estado da Paraíba, Brasil
  • Data: 27/02/2018
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • Indisponivel
  • DEMETRIUS JOSÉ DA SILVA
  • Caracterização de populações de algodoeiro mocó (Gossypium hirsutum L. raça marie-galante (Watt) Hutch.): Descritores produtivos, qualidade de fibra e divergência genética
  • Data: 27/02/2018
  • Hora: 13:30
  • Mostrar Resumo
  • Indisponivel
  • NEMORA CAVALCANTE DA SILVA
  • Revestimentos e condições de armazenamento para conservação pós-colheita de mangas cultivar Keitt
  • Data: 27/02/2018
  • Hora: 13:30
  • Mostrar Resumo
  • Indisponivel
  • EDCARLOS CAMILO DA SILVA
  • Qualidade de sementes de Gossypium hirsutum L. submetidas a tratamentos alternativos
  • Data: 27/02/2018
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • Indisponivel
  • MIGUEL AVELINO BARBOSA NETO
  • MATURAÇÃO DE FRUTOS E SALINIDADE NA QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE MANDACARU (Cereus jamacaru P. DC.)
  • Data: 27/02/2018
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • O consumo de frutos de mandacaru (Cereus jamacaru) in natura é quase que inexistente, mesmo o fruto possuindo benefícios para a saúde e nutrição humana, servindo na maior parte para alimentação animal nas épocas de seca prolongada; trabalhos que configurem os estágios ideais de colheita desses frutos podem servir de subsídios para serem utilizados na culinária futuramente. Além disso, a ocorrência dessa espécie é difusa, desde o litoral até a as zonas de mata de caatinga, localizados no alto sertão, nascendo no campo sem qualquer trato cultural, suportando ambientes xéricos, com altas temperaturas, solo rasos, umidade e salinidade. Diante disso, este trabalho foi dividido em dois capítulos: i) o primeiro teve por objetivo estudar a qualidade física e fisiológica das sementes de Cereus jamacaru nos diferentes estágios de coloração; e ii) no segundo capítulo objetivou-se avaliar o efeito da salinidade na qualidade fisiológica de sementes de mandacaru oriundas de três áreas do Agreste paraibano. No primeiro capítulo foram selecionadas duas áreas (Tacima, PB e Bananeiras, PB) de Caatinga; os indivíduos foram colhidos aleatoriamente em 5 estágios de coloração (1. Verde; 2. Verde com roxo; 3. Amarelo com roxo; 4. Vermelho com roxo e 5. Roxo predominante); nos dados biométricos foram avaliados o peso (g), comprimento (cm), diâmetro (cm), massa de polpa (g), massa de polpa com semente (g) e massa seca de frutos (g); na qualidade fisiológica foi avaliada a Germinação (g%), Primeira contagem (g%), Comprimento de plântula (cm), Massa fresca de plântula (g), Massa seca (g) e Umidade de sementes (%). De acordo com os resultados verifica-se que as sementes procedentes de Bananeiras, PB mostram-se mais vigorosas (primeira contagem de germinação) em todos os estágios de maturação; o estágio 5 de maturação, com a predominância de frutos de coloração roxa, é o indicado para a colheita em ambas as áreas, pois as sementes apresentam maior qualidade fisiológica. No segundo capítulo, as variáveis avaliadas foram: Germinação, Primeira contagem de germinação, Índice de velocidade de germinação, Tempo médio de Germinação, Comprimento de Plântulas, Massa fresca de plântulas, Massa seca de plântulas e Conteúdo relativo de água. Nas áreas de Tacima, Bananeiras e Remígio, estado da Paraíba, os frutos foram colhidos em estágio de maturação 5 (roxo predominante) e submetidos a 8 níveis de concentração salina, em solução de NaCl+ (0,01; 0,5; 1,5; 2; 2,5; 3; 4 e 5 CE dS m-1). Com base nos resultados, a salinidade não afeta negativamente a qualidade fisiológica das sementes nas respectivas concentrações salinas obtendo-se, em todas as áreas, germinação acima de 70%, essa persistência à ambientes salinos denota uma halotolerância da espécie de C. jamacaru.
  • MARIA DO SOCORRO CONCEICAO DE FREITAS
  • DISTRIBUIÇÃO DE ORGANISMOS DA FAUNA EPIGEICA, CICLAGEM DE NUTRIENTES E CARBONO DO SOLO EM AGROECOSSISTEMA DE MANGUEIRA NO SEMIÁRIDO
  • Data: 27/02/2018
  • Hora: 08:30
  • Mostrar Resumo
  • O uso de misturas de plantas nas entrelinhas de cultivo de plantas frutíferas associado ao não revolvimento do solo pode contribuir com diversidade da fauna epigeica, a ciclagem de nutrientes e sequestro de carbono no solo em ambientes irrigados sob condições semiáridas. Com objetivo de avaliar a diversidade da fauna epigeica do solo, a taxa de decomposição da fitomassa e liberação de nutrientes de diferentes misturas de plantas e o estoque de C como indicativos da qualidade e evolução de diferentes desenhos de agroecossistemas na cultura da manga (Mangifera indica L.), foi realizado um experimento no delineamento experimental em blocos casualizados, com quatro repetições, com arranjo em parcelas subdivididas, sendo as parcelas, dois sistemas de preparo do solo, sem revolvimento (SR) e com revolvimento (CR) e as subparcelas três misturas de plantas, MP1 - 75% leguminosas + 25% gramíneas e oleaginosas, MP2 - 25% leguminosas + 75% gramíneas e oleaginosas, e VE - vegetação espontânea. O estudo de decomposição da fitossamassa e liberação de nutrientes foi realizado pelo método das sacolas de náilon (litter bag) e o da fauna epigeica em armadilhas do tipo Provid, sendo acrescentado ao arranjo experimental em ambos os estudos o fator tempo de coletas (0, 8, 15, 30, 45, 60, 90, 120, 150, 180, 210, 240, 270 e 315 dias), como subsubparcela. Adicionalmente, como referência para o estudo da fauna epigeica do solo, utilizou-se uma área sob vegetação de caatinga. No estudo do estoque de C, acrescentou-se ao arranjo experimental o fator local de amostragem (linha e entrelinha de cultivo da manga), como subsubparcelas, e utilizaram-se duas áreas referência, uma área de caatinga preservada, sob o mesmo tipo de solo, e a condição do solo antes da instalação do experimento. A mistura de planta com maior proporção de leguminosas (MP1) apresentou as maiores taxas de decomposição e liberação de P e K, ao longo do tempo, seguida da MP2 (25% leguminosas + 75% gramíneas e oleaginosas) e da vegetação espontânea (VE). Porém, MP1 apresentou maior acúmulo de matéria seca em relação a VE, o seu uso em agroecossistemas no semiárido permite maior ciclagem de nutrientes ao longo do tempo. O sistema de preparo com revolvimento do solo teve efeito negativo sobre a diversidade da fauna epigeica, proporcionando os menores valores de abundância, riqueza, e índices de Shannon e de equabilidade de Pielou. As misturas de plantas MP1 e MP2 proporcionaram maior riqueza à comunidade da fauna epigeica e maiores índices de diversidade de Shannon em comparação a VE, indicando o uso potencial dessas misturas para o aumento da biodiversidade do solo em agroecossistemas de plantas frutíferas, em condições semiáridas. Verificou-se aumento no estoque de C, na maioria das camadas do solo, tanto para linha, como na entrelinha de cultivo da manga, quando comparado aos valores encontrados no início do experimento. Contudo, nenhum dos sistemas avaliados apresentou estoque mais elevado do que área sob Caatinga. O uso da mistura de planta MP1 na entrelinha aumenta o estoque de C na linha de cultivo da manga. Independentemente do sistema de preparo do solo, o desenho de agroecossistema com uso da MP1 é um sistema promissor em aumentar os estoques de C total do solo e em suas frações, bem como promover aumento do índice de manejo de C do solo na camada de 0-40 cm. Dessa forma, a prática de manejo sem revolvimento do solo, associado ao uso de misturas de plantas na entrelinha de manga, é recomendada como um sistema de manejo sustentável do solo.
  • Nícholas Lucena Queiroz
  • Utilização do DSSAT para a simulação do crescimento e desenvolvimento do Phaseolus lunatus L.
  • Data: 27/02/2018
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • Indisponivel
  • EDLÂNIA MARIA DE SOUZA
  • QUALIDADE DE SEMENTES E DIVERGÊNCIA GENÉTICA EM Cajanus cajan (L.) Millspaugh
  • Data: 26/02/2018
  • Hora: 14:30
  • Mostrar Resumo
  • As sementes crioulas, oriundas da agricultura familiar constituem um valor significativo a humanidade e importante fonte genetica de tolerancia e resistencia aos locais onde sao manejadas e conservadas. Cajanus cajan, popularmente conhecida como feijao-guandu e uma especie da familia Fabaceae que foi introduzida no Brasil por se desenvolver bem em solos de baixa fertilidade, ser resistente a seca, adaptando-se muito bem as condicoes climaticas do pais, principalmente na regiao semiarida. Dessa forma, o objetivo nesse trabalho foi avaliar a qualidade de sementes crioulas de feijao-guandu provenientes da agricultura familiar do municipio de Alagoa Nova - PB. Os experimentos foram realizados nos Laboratorios de Analise Sementes e de Fitopatologia do Centro de Ciencias Agrarias, da Universidade Federal da Paraiba, em Areia - PB, em delineamento de blocos ao acaso para emergencia em campo e inteiramente ao acaso para os testes e determinacoes realizados em laboratorio. Para as analises fisicas foram realizadas a determinacao do teor de agua, peso de mil sementes, teste de pureza fisica e determinacao de outras sementes por numero. Com relacao a qualidade fisiologica foram realizados testes de germinacao e vigor (primeira contagem, indice de velocidade de germinacao, comprimento e massa seca de raizes e parte aerea, alem do teste de emergencia em campo (primeira contagem de emergencia, indice de velocidade de emergencia, comprimento e massa seca de parte aerea). A qualidade sanitaria das sementes foi avaliada pelo exame de sementes infestadas, bem como pelo levantamento e identificacao dos principais patogenos presentes nas sementes pelo metodo do “blotter test” e para a diversidade genetica foram avaliados as variaveis dos testes realizados. A divergencia genetica foi estimada por meio da distancia generalizada de Mahalanobis (D2), formas agrupadas de acordo o metodo de otimizacao de Tocher e a identificacao das variaveis com maior contribuicao na divergencia foi realizada atraves da a analise de Singh. O teor de agua das sementes de feijao-guandu oscilou de 12,1 a 14,2%, o peso de mil sementes foi de 9,94 a 20,34 g, enquanto a pureza fisica das sementes foi de 95,1 a 99,9%, sendo que tres lotes encontravam-se fora do padrao estabelecido (98%). Para outras sementes os valores foram de zero a vinte e nove sementes de outras variedades para os lotes analisados neste trabalho. A porcentagem de germinacao das sementes de todos os lotes avaliados foi superior a 75%, exceto os lotes tres e quatro. Com relacao aos testes de emergencia, os menores resultados sao do lote tres nos testes de primeira contagem, porcentagem e indice de velocidade de emergencia em relacao aos demais. Quanto a qualidade sanitaria observou-se a presenca do gorgulho (Acanthoscelides octectus) em todos os lotes avaliados e os generos fungicos de maior ocorrencia nas sementes foram Aspergillus sp., Aspergillus niger, Monila sp., Periconia sp. e Fusarium sp., porem com uma intensidade muito baixa. Na diversidade genetica foi possivel observar que os sete lotes demonstram diversidade genetica para as 11 caracteristicas estudadas, sendo o peso de mil sementes a que mais contribui para a diversidade genetica dos sete lotes estudados.
  • LUAN NUNES DE MELO
  • TROCAS GASOSAS EM LEGUMINOSAS E SEUS EFEITOS SOBRE A COMUNIDADE DE MACROARTRÓPODES DO SOLO
  • Data: 26/02/2018
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • A utilização de leguminosas é uma prática conservacionista que promove a sustentabilidade dos solos agrícolas. Objetivou-se avaliar quais leguminosas apresentam maior potencial para agricultura no Brejo Paraibano, em função de suas características agronômicas, nutricionais e fisiológicas e, quais os efeitos dessas espécies na comunidade de macroartrópodes do solo. O estudo foi realizado em 3 blocos (DBC); contendo 8 tratamentos, com 10 repetições por bloco (N = 240). Os tratamentos foram: Crotalaria juncea L., Crotalaria spectabilis Roth, Crotalaria ochroleuca G. Don., Canavalia ensiformes (L.) DC., Dolichos lablab L., Mucuna pruriens (L.) DC., Neonotonia wightii (Wight & Arn.) J.A. Lackey e vegetação espontânea, caracterizada por Brachiaria decumbes Stapf. cv. Basilisk. Na avaliação das trocas gasosas, as variáveis analisadas foram: taxa fotossintética, transpiração foliar, condutância estomática, concentração interna de CO2, eficiência instantânea no uso da água, eficiência instantânea de carboxilação e eficiência intrínseca no uso da água. Para avaliação das características agronômicas, as variáveis foram: taxa de crescimento, biomassa verde e seca, e teor de nutrientes (N, P e K) na planta. Para avaliar os efeitos das diferentes espécies de leguminosas sobre a comunidade de macroartrópodes, as variáveis foram: abundância, frequência relativa, biomassa seca, riqueza de espécies, índice de Diversidade de Shannon (H) e índice de dominância de Simpson (C). Os dados foram submetidos ao teste de Bonferroni a 5% de probabilidade. De acordo com os resultados, a C. juncea, apresentou a maior taxa fisiológica, refletindo em maior adaptabilidade as condições de zona úmida da região semiárida brasileira. A D. lablab apresenta a maior de taxa de crescimento, biomassa seca, e teor de N na folhas. As leguminosas alteraram positivamente a abundância e a riqueza dos macroartrópodes do solo. As espécies D. lablab, C. ochroleuca, C. spectabilis e C. ensiformis têm influência direta na macrofauna do solo. A macrofauna do solo pode ser utilizada para avaliar os impactos de diferentes espécies de cobertura, em novas áreas.
  • FLAVIO RICARDO DA SILVA CRUZ
  • FENOLOGIA, BANCO DE SEMENTES E PRODUÇÃO DE MUDAS DE Sideroxylon obtusifolium (Roem. & Schult.) T.D.Penn.
  • Data: 26/02/2018
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • A remoção da cobertura vegetal destaca-se como um dos sérios problemas ambientais em diferentes partes do mundo e, no Brasil, isto não constitui exceção. A Sideroxylon obtusifolium (Roem. & Schult.) T.D.Penn., pertencente à família Sapotaceae Juss. é uma importante espécie que se encontra ameaçada no bioma Caatinga, mesmo assim há carências de estudos voltados para a mesma, sobretudo com relação à fenologia, regeneração natural e produção de mudas. Nesse sentido, objetivou-se avaliar as diferentes fenofases, o banco de sementes do solo, a influência de diferentes substratos e os níveis de sombreamento na produção de mudas de S. obtusifolium. Para tanto, foram realizados quatro experimentos, a seguir relacionados: I - fenologia: conduzido na zona rural do município de Boa Vista - PB com 26 indivíduos da espécie, avaliados a cada quinze dias durante 30 meses. As fenofases de brotamento, floração, frutificação e senescência da espécie foram correlacionadas com os dados climáticos do município (precipitação pluvial, temperatura e umidade relativa do ar); II - banco de sementes: realizado com duas coletas de solo provenientes da mesma área onde foi realizada as avaliações fenológicas, procedendo-se com a avaliação da composição florística, densidades (relativa e absoluta), diversidade de Shannon-Weaver (H´) e equabilidade de Pielou (e´); III - produção de mudas de S. obtusifolium em diferentes substratos: realizado em ambiente protegido do Departamento de Fitotecnia e Ciências Ambientais do Centro de Ciências Agrárias da Universidade Federal da Paraíba (DFCA-CCA/UFPB), onde foram avaliados 13 substratos formulados a partir de areia lavada, esterco bovino, terra de subsolo, rejeito de caulim e Basaplant® (substrato comercial); IV - crescimento de mudas de S. obtusifolium em diferentes níveis de sombreamento: realizado no viveiro florestal do Laboratório de Ecologia Vegetal (CCA-UFPB), sendo considerados os seguintes níveis de sombreamento: 0, 30, 50 e 70% de sombra. As variáveis avaliadas nos trabalhos de produção de mudas foram: altura, diâmetro do colo, relação altura/diâmetro do colo, taxa de crescimento absoluto de altura, taxa de crescimento absoluto de diâmetro, número de ramos, comprimento da raiz, relação altura/comprimento da raiz, massa seca da parte aérea (caule, ramos e folhas) e da raiz, massa seca total, relação entre a massa seca da parte aérea e de raízes, índice de qualidade de Dickson e porcentagem de folhas e raízes. Não houve efeito vii significativo entre as características fenológicas avaliadas e as variáveis ambientais (temperatura, umidade), com forte oscilação na intensidade e no índice de atividade. Durante os períodos de avaliação ocorreu senescência em todos os indivíduos de S. obtusifolium. O pico da intensidade das fenofases brotamento, botão floral, floração e frutificação foi inferior a 60%. No banco de sementes da área estudada foram reconhecidas 58 espécies, distribuídas em 49 gêneros e 23 famílias, com predominância de espécies herbáceas, assim como pertencentes à família Fabaceae. A espécie S. obtusifolium não foi constatada em nenhuma das coletas de solo. Para a produção de mudas, o rejeito de caulim e o esterco bovino são indicados, enquanto que a terra de subsolo pura e associada apenas com areia lavada não é adequada. A produção de mudas da espécie pode ser realizada em pleno sol ou com até 15% de sombreamento, sem perdas significativas no seu vigor.
  • RAFAEL RAMOS DE MORAIS
  • Tratamento de planta matriz com zinco e ethephon na propagação vegetativa de aceroleira (malphigia emarginata DC.)
  • Data: 26/02/2018
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • -
  • MARIA DE FATIMA DE QUEIROZ LOPES
  • FATORES ABIÓTICOS NA FISIOLOGIA DE SEMENTES E MUDAS DE Luetzelburgia auriculata (Alemão) Ducke
  • Data: 23/02/2018
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • O Bioma Caatinga é exclusivo do Brasil e constitui-se num dos mais ricos em biodiversidade, apesar das constantes perturbações antrópicas. Por outro lado, é necessário realizar a recuperação de áreas degradadas, sobretudo, em locais com acelerado processo de devastação. Com isso, o objetivo deste trabalho foi estudar os efeitos dos fatores abióticos na fisiologia de sementes e mudas de Luetzelburgia auriculata (Alemão) Ducke provenientes de duas classes de massa. Para tal, as sementes de Luetzelburgia auriculata foram coletadas manualmente na Fazenda de Poço da Pedra, situada no município de Caridade-CE e encaminhadas ao Laboratório de Análise de Sementes da UFPB em Areia-PB. Antes da instalação do experimento, cada unidade de semente foi pesada individualmente em balança analítica (0,001 g), com finalidade de dividir a amostra em duas classes de sementes, leves (< 0,35 g) e pesadas (≥ 0,35 g). Inicialmente foram determinados o teor de água (TA) e o peso de mil sementes (PMS), posteriormente as classes de sementes foram submetidas aos estresses salino e hídrico. Quanto ao primeiro, foram utilizados os níveis de 0,0; 1,5; 3,0; 4,5 e 6,0 dS m-1 com avaliações de germinação (G%), primeira contagem de germinação (PCG), índice de velocidade de germinação (IVG), tempo médio de germinação (TMG), comprimento de parte aérea (CPA), comprimento de raiz (CR), massa fresca de parte aérea (MFPA), massa fresca de raiz (MFR), massa fresca de cotilédone (MFCot), massa seca de parte aérea (MSPA), massa fresca de raiz (MFR), e massa seca de cotilédone (MSCot). Para o estresse hídrico, os potenciais estudados foram: 0,0; -0,2; -0,4; -0,6; -0,8 e -1,0 MPa, avaliando-se, nesta etapa, as mesmas variáveis acima listadas, com exceção de CPA, MFPA, MSPA. Subsequentemente em ambiente protegido, as mudas produzidas foram analisadas quanto as trocas gasosas e suas relações com componentes meteorológicos, sendo as variáveis estudadas: Temperatura do ambiente (TA) e umidade relativa do ar (UR), taxa de fotossíntese líquida (A), condutância estomática (gs), concentração interna de CO2 (Ci), transpiração (E), temperatura da folha (TF), eficiência no uso da água (A/E) e eficiência de carboxilação (EC). Com aumento dos estresses salino e hídrico observou-se efeito prejudicial, na maioria das variáveis morfológicas e fisiológicas, em ambas classes de sementes. Com relação as mudas, foram verificadas correlações de alta magnitude entre as variáveis TA, UR, A, E, gs, E, Ci e A/E. A taxa de fotossíntese líquida, transpiração e condutância estomática decrescem ao longo do dia, apresentando valores mínimos às 16 horas. De modo geral, as sementes pesadas (≥ 0,35 g) se mostram mais adaptadas aos estresses hídrico e salino, de modo que a qualidade fisiológica de sementes leves foi afetada pela seca e salinidade. A classe de sementes não influencia nas trocas gasosas das mudas, porém estas variáveis são influenciadas pelas horas do dia e, portanto, são dependentes de fatores meteorológicos.
  • MARIANA LIMA DO NASCIMENTO
  • Desenvolvimento biológico de Marava arachidis Yersin, 1860
  • Data: 23/02/2018
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • A cana-de-acucar (Saccharum spp.) e atualmente uma das principais culturas da agricultura brasileira. Porem alguns fatores ainda sao limitantes na otimizacao da sua producao, durante o seu desenvolvimento a cana-de-acucar enfrenta uma serie de problemas fitossanitarios, entre os quais causados por insetos, Diatraea saccharalis (Diatraea ssp.) vulgarmente conhecida como broca da cana-de-acucar e uma das principais especies responsaveis por causar injurias a esta cultura, causando grandes danos economicos. Visando eliminar o impacto causado pela aplicacao de inseticidas quimicos, novas estrategias de manejo, que utilizem metodos alternativos como controle biologico vem sendo propostas e avaliadas. Os insetos pertencentes a ordem Dermaptera, sao caracterizados como organismos com boa capacidade predatoria. Dentre os agentes biologicos com caracteristicas adequadas a esta finalidade, os dermapteros tem despertado grande atencao, pois sao predadores entomofagos com alta capacidade de ataque e se alimentam de diversas presas, particularmente, de ovos e fases imaturas de insetos de diversas ordens. Objetivou-se com essa pesquisa, avaliar os aspectos biologicos, morfometricos e a capacidade de predacao de M. arachidis quando alimentadas com D. saccharalis. A pesquisa foi realizada no Laboratorio de Zoologia dos Invertebrados, pertencente ao Departamento de Ciencias Biologicas do Centro de Ciencias Agrarias da UFPB-PB, a temperatura media de 25 ± 1ºC e fotofase de 12 horas. Foram mantidas as criacoes de M. arachidis e D. saccharalis. Para cada instar da tesourinha foram selecionados 10 individuos provenientes da criacao mantida em laboratorio, sendo alimentados com dieta artificial, ovos e lagartas do 1º ao 6º instar de D. saccharalis. Para avaliar a fase adulta foram selecionados 10 machos e 10 femeas, formando 10 casais. Foram feitas observacoes relacionadas ao numero e duracao de instares, numero de ninfas, viabilidade de ninfas, tamanho total do corpo, tamanho da capsula cefalica, peso, mortalidade, bem como o consumo medio e total de ovos e lagartas de D. saccharalis. Observou-se que mesmo em funcao de diferentes fontes de alimento, o predador apresentou quatro instares para a fase ninfal e a fase adulta; todos os instares de M.arachidis predam as diferentes fases de D. saccharalis, revelando-se como um eficiente agente de controle desta praga, visto que consumiu um grande numero tanto de ovos quanto de lagartas, por esse motivo esta especie apresenta possibilidade de uso em programas de controle biologico.
  • DAIVYD SILVA DE OLIVEIRA
  • Produção e qualidade de batata-doce adubada com fósforo e silício em solo arenoso
  • Data: 23/02/2018
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • A cultura da batata-doce assume papel importante no agronegócio de hortaliças, e responde ao uso de adubos minerais. Objetivou-se com este trabalho avaliar o efeito de doses de P2O5 e silício na produção e qualidade da batata-doce. O trabalho foi conduzido entre os meses de agosto e dezembro de 2016, no Centro de Ciências Agrárias da Universidade Federal da Paraíba, em Areia-PB, em delineamento experimental blocos casualizados em arranjo fatorial 6 x 2, com seis doses de P2O5 (0, 60, 120, 180, 240 e 300 kg ha-1) e presença e ausência de silício, na forma de silicato de potássio (100 ml/20 litros de água), em quatro repetições. As variáveis analisadas foram a massa média de raízes comerciais, número e produção de raízes planta-1, produtividades total e comercial de raízes, massa fresca e seca da parte aérea, teores de amido e cinzas nas raízes e de P e Si foliar. A massa média de raízes, o número e produção de raízes planta-1, as produtividades total e comercial, e a massa fresca e seca foliar foram superiores com o uso de fósforo e silício. As características de qualidade, amido e cinzas foram adequadas para a batata-doce. O teor de P foliar aumentou com as doses de P2O5 na presença do silício e o teor de silício foliar não foi alterado pelos tratamentos.
  • JULIANA PEREIRA DA SILVA
  • Teores de nutrientes, produtividade e qualidade pós-colheita do maracujazeiro-amarelo submetido a adubação orgânica e silicatada
  • Data: 23/02/2018
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • Indisponivel
  • FRANCISCO HELIO ALVES DE ANDRADE
  • Fósforo e salinidade da água no crescimento, trocas gasosas e osmólitos em mudas de Pinheira
  • Data: 22/02/2018
  • Hora: 10:00
  • Mostrar Resumo
  • A salinidade da água de irrigação torna-se um problema para as culturas, inclusive da pinheira, no entanto, a doção de técnicas especificas devem contribuir para o uso de água salina na agricultura. O fósforo é um nutriente importante, pois em condições de deficiência limita o crescimento de mudas de pinheira. Desta forma, objetivou-se avaliar a influência da salinidade da água e doses de superfosfato triplo (SFT) sobre o crescimento, trocas gasosas e osmólitos em mudas de pinheira. O experimento foi realizado em ambiente protegido de janeiro a março de 2017 na UFPB, Campus IV, Areia, PB, em delineamento de blocos casualizados com base na matriz de composto central de Box, referente às combinações de doses de superfosfato triplo (SFT) (0,0; 0,87; 3,0; 5,1; 6 g dm-3) e CEai (0,5; 1,1; 2,5; 3,9 e 4,5 dS m-1). Foram avaliados: altura de planta, diâmetro do caule, massa da matéria seca da parte aérea, massa da matéria seca total, e os teores de Na+, K+, Ca+2, P foliar, fotossíntese liquida, taxa de transpiração, condutância estomática, concentração interna de CO2, eficiência do uso da água, eficiência de carboxilação, prolina, glicina-betaína, açucares redutores e não redutores. Foi observado efeito de interação em diâmetro do caule, eficiência de carboxilação (A/Ci), glicina-betaína, açucares redutores e açucares não redutor. Já Altura de planta, Massa da matéria seca da parte aérea e total, taxa de crescimento absoluto, taxa de crescimento relativo, índice de qualidade de Dickson, Na+, K+, Ca+2, fósforo e prolina sofreram efeito quando são submetidas a doses de SFT. E as variáveis de Na+, K+, Ca+2, fósforo, trocas gasosas e prolina sofreram efeito isolado do fator CEai. A interação de fósforo e CEai viii promove maiores teores de osmólitos protetores glicina-betaina, açucares redutores e açucares não redutores em mudas de pinheira. Doses de superfosfato triplo e CEai elevadas, reduz o conteúdo de K+ foliar e aumento a relação Na+/K+. As doses de superfosfato triplo promove maior crescimento em mudas de pinheira, assim, aos 78 dias recomenda-se aplicação de 2,24 g dm-3 de superfosfato triplo no substrato. As doses de superfosfato triplo não atenuaram os efeitos negativos da condutividade elétrica da água de irrigação. A dose de 4,8 g dm-3 de SFT promoveu maior teor foliar de prolina. A salinidade da água de irrigação prejudica as trocas gasosas em mudas de pinheira e aumenta o conteúdo de prolina foliar. Tanto as altas condutividades elétricas da agua de irrigação, quanto, as doses elevadas de SFT provocaram estresse as mudas de pinheiras.
  • HILDERLANDE FLORENCIO DA SILVA
  • Manejo pós-colheita da antracnose em Maracujá-amarelo
  • Data: 22/02/2018
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • -
  • RUBENS RANGEL ROLIM
  • VARIABILIDADE GENÉTICA INDUZIDA POR RADIAÇÃO GAMA (Cobalto-60) EM BERINJELA (Solanum melongena L.) E CARACTERIZAÇÃO MORFOAGRONOMICA DOS MUTANTES
  • Data: 20/02/2018
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • No seculo XVI, os portugueses trouxeram a Berinjela para o Brasil e a partir dai o mercado tem expandido sua producao, atualmente dominada por hibridos. O sucesso de um programa de melhoramento baseado em hibridacao depende da variabilidade genetica disponivel para explora-la por meio da selecao. Uma forma interessante de gerar variabilidade, e a utilizacao de agentes mutagenicos. Dentro deste contexto, o presente trabalho tem como objetivo, induzir variabilidade genetica em berinjela usando radiacao gama 60Co e realizar a caracterizacao morfoagronomica dos mutantes obtidos. Sementes do genotipo de berinjela (BGH 2404), foram submetidas a radiacao gama de Cobalto-60 (60Co), nas doses de 0, 25, 50, 100, 200, 400, 800 Gy. Apos a radiacao, as sementes foram semeadas em bandejas de poliestireno de 200 celulas utilizando-se substrato comercial PlantMax. Foram avaliados 16 caracteres quantitativos e 18 caracteres qualitativos, referentes a porte, inflorescencia e fruto, com base na lista de descritores de berinjela sugerido pelo Instituto Internacional de Recursos Geneticos de Plantas - IBPGR (1990). O delineamento experimental foi inteiramente casualizado, consistindo de sete tratamentos (doses de radiacao) e 10 repeticoes. Os dados quantitativos foram submetidos a analise de variancia pelo teste F em nivel de 5% de significancia e as medias foram comparadas pelo teste de Dunnett a 5% de significancia. De acordo com os resultados obtidos conclui-se que a radiacao gama com 60Co foi responsavel por alteracoes morfologicas na maioria das caracteristicas quantitativas e qualitativas analisadas, indicando a possibilidade da ocorrencia de mutacoes nos individuos avaliados. Indica-se a dose de radiacao de 25 Gy, para inducao de possiveis eventos mutacionais em berinjela. A exposicao das sementes a radiacao gama na dose de 800 Gy, causou efeitos deleterios, fazendo com que as sementes nao germinassem. Os efeitos da radiacao gama sobre sementes de Solanun melongena L., nao segue um padrao de variacao de acordo com as doses utilizadas.
  • CRISTINE AGRINE PEREIRA DOS SANTOS
  • DIVERSIDADE GENÉTICA ACESSADA POR RAPD E INDUÇÃO DE VARIABILIDADE FENOTIPICA EM ACESSOS DE PIMENTEIRA ORNAMENTAL MEDIADA POR GIBERELINA
  • Data: 19/02/2018
  • Hora: 13:30
  • Mostrar Resumo
  • O Brasil e considerado centro de origem e diversidade genetica de algumas especies do genero Capsicum. A utilizacao dos recursos geneticos em programas de melhoramento de plantas ornamentais depende do conhecimento detalhado da extensao e distribuicao da variacao genetica disponivel nas especies cultivadas e seus parentes silvestres. A expressao fenotipica de qualquer carater resulta dos efeitos geneticos e ambientais. As giberelinas (GA3) sao hormonios vegetais essenciais ao desenvolvimento da planta, tais como: alongamento dos entrenos e desenvolvimento de flores e frutos. Deste modo o objetivo deste trabalho foi estudar a influencia de diferentes concentracoes de GA3 sobre a arquitetura de diferentes geneticos de Capsicum anuam. O experimento foi conduzido em casa de vegetacao do laboratorio de biotecnologia vegetal da Universidade Federal da Paraiba. Foram utilizados os genotipos UFPB-77.3, UFPB-134, UFPB-137, UFPB-348 e UFPB-355 pertencentes ao Banco de Germoplasma de pimenteiras ornamentais do CCA/UFPB. Estes acessos foram submetidos a diferentes concentrais de GA3 (0, 25, 50, 75 e 100 mg/L, administradas em aplicacoes por spray, com intervalos de 3 dias, a partir do 27 dia apos o transplantio. As plantas foram avaliadas quanto a 21 caracteristicas morfologicas de planta, flor e fruto. O delineamento experimental foi inteiramente casualizado com 5 tratamentos e 5 repeticoes. Os dados foram submetidos a anova com posterior agrupamento de medias pelo teste de Scott-Knott (p>0.05) e para as variaveis significativas foi realizada a analise de regressao. Em relacao aos caracteres diametro da flor, comprimento da petala, comprimento do pedicelo maior diametro do fruto, espessura do pericarpo e numero de sementes por fruto, observou-se diferencas significativas por meio teste de Scott-Knott (p>0.05), podendo ser indicado para gerar variabilidade nesses caracteres aplicando-se giberelinas.
  • MIRELLY MIGUEL PORCINO
  • Óleos essenciais no manejo da mancha marrom de alternaria em Tangerineira Dancy
  • Data: 19/02/2018
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • O Brasil é considerado o quinto maior produtor mundial de tangerinas, no entanto, sua produção vem diminuindo devido ao ataque de doenças, com destaque para a mancha marrom de alternaria, que tem como agente causal a Alternaria alternata Fr:Fr. Keissler f. sp. citri responsável por causar sérios problemas econômicos na cultura. No manejo da doença, são utilizados principalmente fungicidas sintéticos, porém o uso de produtos alternativos como os óleos essenciais tem se mostrado uma alternativa viável. Esse trabalho teve como objetivo determinar o efeito de diferentes óleos essenciais sobre A. alternata f. sp. citri in vitro, em frutos e mudas de tangerineira ‘Dancy’(Citrus tangerina Hort. ex Tanaka). Os experimentos foram conduzidos nos Laboratórios de Fitopatologia, de Biologia e Tecnologia pós-colheita e em casa de vegetação do Centro de Ciências Agrárias, UFPB. Foram realizados dois experimentos: No primeiro experimento foram utilizados três isolados de A. alternata f. sp. citri (MassarandubaParaíba, Pratânia-São Paulo e Trás dos Montes-Portugal). Para verificar a eficiência dos tratamentos nos isolados in vitro, adicionaram-se os óleos essenciais de sementes de uva, girassol, eucalipto, gengibre, copaíba, menta, erva-doce, citronela, cravo e linhaça na concentração de 1% diluídos em meio de cultura BDA com pH 6,0. No centro das placas foi adicionado um disco de 5 mm de diâmetro da colônia fungíca pura, para o experimento in vitro. Os frutos foram tratados com os mesmo óleos essenciais utilizados no experimento in vitro diluídos em água destilada esterilizada, contando com o controle e fungicida Tiabendazol (400 mL/100L), imersos nos tratamentos por 5 min. Os frutos foram aspergidos com a suspensão de esporos na concentração 105 conídios/mL de A. alternata f. sp. citri. Foi avaliado índice de velocidade de crescimento micelial, diâmetro de colônia (durante sete dias), produção de conídios e dimensões de conídios, (in vitro); severidade da doença em frutos (segundo escala de nota específica) in vivo. As análises Físico-Químicas foram realizadas por cinco período, as avaliações de sólidos solúveis totais, acidez titulavel, relação sólidos solúveis totais e acidez titulavel, pH, firmeza, rendimento de suco, ácido ascórbico, totalizando cinco avaliações e perda de massa; e atividade enzimática (peroxidase, polifenoloxidase e fenilalanina amônio-liase) em frutos de tangerineira ‘Dancy’. O delineamento foi inteiramente casualizado, com 12 tratamentos, composto de quatro repetições de três placas (in vitro) e quatro repetições de três frutos (in vivo). De acordo com os resultados obtidos, os óleos essenciais de menta, eucalipto, erva-doce e citronela foram eficientes no controle in vitro do patógeno, inibindo totalmente o crescimento in vitro das colônias fungícas. O óleo de eucalipto foi eficiente no manejo de A. alternata f. sp. citri em frutos de tangerineira ‘Dancy’ em relação aos demais tratamentos. Os óleos essenciais não interferiram na qualidade pós-colheita de frutos de tangerineira ‘Dancy’. A atividade enzimática aumentou no segundo período de avaliação dos frutos. No segundo experimento foram utilizados dois isolados de A. alternata f. sp.citri dos municípios de Massaranduba-PB e Pratânia-SP. Foram utilizadas mudas de tangerineira ‘Dancy’, tratadas com óleos essenciais de gengibre, copaíba, menta, erva-doce e citronela na concentração de 1 %, acrescidos de Tween 80 e diluídos em água destiladavi esterilizada, fungicida Tiabendazol (400 mL/100L) e ADE (sem tratamento), aspergidos até o ponto de escorrimento. Para a inoculação do patógeno a suspensão foi ajustada para 105 conídios/mL aspergida até o ponto de escorrimento. Os parâmetros avaliados foram severidade da doença e trocas gasosas em mudas de tangerineira ‘Dancy’. Os dados de severidade da doença e trocas gasosas foram analisados em delineamento inteiramente casualisado, composto por sete tratamentos e quatro repetições de duas plantas. Os resultados mostraram que o óleo essencial de erva-doce foi eficiente no manejo de A. alternata f. sp. citri em mudas de tangerineira ‘Dancy’ e os óleos essenciais de citronela, copaíba e gengibre não afetaram negativamente as trocas gasosas nas mudas.
  • MICHELLE GONCALVES DE CARVALHO
  • Diversidade genética entre e dentro de populações F3 de pimenteiras ornamentais ((Capsicum annuum)
  • Data: 19/02/2018
  • Hora: 08:30
  • Mostrar Resumo
  • -
  • TOSHIK IARLEY DA SILVA
  • Trocas gasosas e fitomassa de manjericão (Ocimum basilicum) submetido ao estresse salino e ácido salicílico
  • Data: 16/02/2018
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • A salinidade e um dos grandes entraves da agricultura moderna, afetando os processos fisiologicos e bioquimicos das plantas, e consequentemente, o seu crescimento e produtividade. Atualmente, buscam-se estrategias para amenizar os efeitos danosos dos sais as plantas, dentre esses o uso do acido salicilico. Com vista nisso, o objetivo desta pesquisa foi avaliar o efeito atenuante do acido salicilico na ecofisiologia, crescimento e fitomassa de manjericao (Ocimum basilicum L. cv. Cinnamon) submetido ao estresse salino. O experimento foi conduzido no Centro de Ciencias Agrarias da Universidade Federal da Paraiba, Areia-PB, no periodo de maio a agosto de 2017. O delineamento utilizado foi blocos casualizados, em esquema fatorial incompleto (Composto Central de Box) com cinco condutividades eletricas da agua de irrigacao (0,5; 1,3; 3,25; 5,2 e 6,0 dS m-1) e cinco doses de acido salicilico (0,0; 0,29; 1,0; 1,71 e 2,0 mM), com cinco repeticoes. O aumento da condutividade eletrica da agua de irrigacao afetou negativamente a ecofisiologia, crescimento e fitomassa de manjericao. Contudo, aos 30 dias apos o inicio do estresse as condutividades de ate 5,2 dS m-1 favoreceram os indices de clorofilas, Fv/Fm, condutancia estomatica, transpiracao e concentracao de carbono interno. O acido salicilico nao apresentou diferencas significativas, no entanto, a partir dos valores medios, notou-se que o mesmo possui acao benefica ate 1,0 mM para a maior parte das variaveis analisadas. Com isso, implica em afirmar que o acido salicilico ate a dose de 1,0 mM possui beneficos em plantas de manjericao.
  • ANTONIO CARLOS LEITE ALVES
  • Seletividade fisiológica de inseticidas e óleos essenciais a Euborellia annulipes (Dermaptera: Anisolabididae) e controle de Spodoptera frugiperda (Lepidoptera: Noctuidae)
  • Data: 16/02/2018
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • A tesourinha Euborellia annulipes e um inseto da ordem Dermaptera, que apresenta grande potencial de uso em programas de controle biologico de diversas especies de insetos-pragas, principalmente por apresentar alta capacidade de predacao de ovos e lagartas de Spodoptera frugiperda, que ainda tem como principal forma de controle o uso de produtos quimicos. Este trabalho e composto de dois artigos cientificos, abordando a seletividade de produtos sinteticos e oleos essenciais usados para controlar S. frugiperda sobre E. annulipes. O primeiro artigo visa avaliar a seletividade fisiologica de inseticidas quimicos em diferentes estadios de desenvolvimento do predador Euborellia annulipes. Para isso realizou-se experimento no Laboratorio de Entomologia da Universidade Federal da Paraiba (LEN/UFPB). A toxicidade aguda dos inseticidas foi comparada, utilizando-se esquema fatorial 7x3x5, sendo seis produtos de diferentes grupos quimicos (neonicotinoide, biologico, diamida, oganofosforado, piretroide e oxadiazina), e uma testemunha com agua destilada, tres estadios de desenvolvimento do inseto predador (ovos e ninfas de 1° e 3° instar de E. annulipes) e cinco repeticoes com cinco insetos cada. Para os insetos de 1° instar, inseticidas dos grupos biologico, oxadiazina, diamida e piretroide, foram considerados inocuos (C=1), organofosforado e neonicotinoide foram considerados nocivos (C=4) a E. annulipes. Nas ninfas de 3° instar, o organofosforado foi considerado moderadamente nocivo (C=3) e o neonicotinoide levemente nocivo (C=2), os demais grupos foram inocuos. Ovos tratados com produtos dos grupos quimico, oxadiazina, biologico e piretroide, apresentaram percentual de eclosao das ninfas de 40, 26 e 20%, respectivamente. Inseticidas neonicotinoides e diamida inviabilizaram 100% dos ovos, e o organofosforado causou 100% de mortalidade das ninfas eclodidas. A seletividade dos inseticidas estudados varia em funcao do estadio de desenvolvimento do predador Euborellia annulipes. No segundo artigo, avalia-se a eficiencia inseticida dos oleos essenciais de Vanillosmopsis arborea e Lippia microphylla sobre S. frugiperda e a seletividade ao predador Euborellia annulipes. Utilizaram-se insetos, de 3° instar de S. frugiperda e E. annulipes, oriundos de criacao massal. Os oleos essenciais de L. microphylla e V. arborea foram extraidos pelo metodo de hidrodestilacao em aparelho tipo Clevenger, e seus constituintes identificados e quantificados por meio de cromatografia gasosa. As diluicoes dos oleos foram realizadas em Tween® 80, nas concentracoes de 200, 150, 100, 50 e 0 mg mL-1. De cada diluicao foram aplicados 1,0 μL na regiao protoracica dos insetos. Verificou-se a mortalidade de S. frugiperda, por contato topico do oleo V. arborea com CL10=74,3 mg mL-1 e CL50=172,86 mg mL-1, para L. microphyla, CL10=51,26 mg mL-1 e CL50=104,52 mg mL-1. As concentracoes letais observadas para E. annulipes, foram V. arborea CL10=71,3 mg mL-1 e CL50 de 160,2 mg mL-1. Enquanto que L. microphyla, apresentou CL10=50,3 mg mL-1 e CL50=134,67 mg mL-1. Os oleos de V. arborea e L. microphylla, sao eficientes no controle de S. frugiperda, no entanto nao sao seletivos ao predador E. Annulipes.
  • ANDERSON CARLOS DE MELO GONÇALVES
  • Crescimento, produção, trocas gasosas e qualidade pós-colheita de Beta vulgaris L. em função de doses de ácido ascórbico e de lâminas de irrigação
  • Data: 15/02/2018
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • A beterraba (Beta vulgaris L.) e uma cultura de crescente demanda pelo mercado brasileiro, no entanto, o fator disponibilidade hidrica e determinante em sua producao. A adocao de estrategias fisiologicas que visem o uso do recurso hidrico limitado de forma mais eficiente, e indispensavel, o uso de antioxidantes como o acido ascorbico seria uma opcao. O objetivo deste trabalho foi avaliar a aplicacao de acido ascorbico via agua de irrigacao como estrategia fisiologica ao estresse hidrico. O experimento foi conduzido em condicoes de ambiente protegido no Centro de Ciencias Agrarias, da Universidade Federal da Paraiba, Areia, Paraiba, Brasil, em delineamento experimental de blocos casualizados em esquema fatorial incompleto com cinco concentracoes de acido ascorbico (0,00; 0,29; 1,00; 1,71 e 2,00 mM) e cinco laminas de irrigacao (40,0; 51,6; 80,0; 108,4 e 120,0 % da evapotranspiracao), com tres repeticoes e tres plantas por parcela, geradas pela matriz experimental Composto Central de Box. Foram realizadas as analises de crescimento, trocas gasosas, clorofilas, fluorescencias, producao e pos-colheita. Os dados foram submetidos a analise de variancia pelo teste F ate 5% de probabilidade, se significativas, por analise de regressao. Alem destas, nas variaveis ecofisiologicas foram estimados coeficientes de correlacao de Pearson. Os resultados mostraram que as concentracoes de acido ascorbico nas crescentes laminas de irrigacao nao expressaram consideraveis significancias no crescimento, trocas gasosas, clorofilas, fluorescencias e na producao, apenas nas analises pos-colheita. As maiores laminas de irrigacao incrementaram a producao, no entanto, reduziram indices ecofisiologicos que se correlacionam. Conclui-se que a aplicacao de acido ascorbico via agua de irrigacao nao e uma estrategia fisiologica ao estresse hidrico.
  • ALANNE LUCENA DE BRITO
  • QUALIDADE E POTENCIAL ANTIOXIDANTE DE CULTIVARES DE UVAS PARA MESA INFLUENCIADOS POR DIFERENTES PORTA-ENXERTOS EM CONDIÇÕES TROPICAIS
  • Data: 15/02/2018
  • Hora: 13:30
  • Mostrar Resumo
  • Em videiras que se desenvolvem em regiões de clima temperado, somente é possível uma colheita ao ano, em razão da ocorrência de baixas temperaturas durante o outono-inverno, enquanto que, em condições tropicais, a planta tem seus processos fisiológicos favorecidos. Neste sentido, pesquisas têm sido realizadas em busca de melhores cultivares para regiões de clima tropical com produção durante todo o ano, de potencial econômico e inserção no mercado internacional. No Vale do São Francisco, a cultura é uma das mais importantes, com destaque às cultivares sem sementes. No entanto, essas cultivares apresentam irregularidade de produção, intensivo uso de mão-de-obra e maiores técnicas de manejo. Este estudo visou determinar a influência de diferentes porta-enxertos sobre a qualidade e capacidade antioxidante de novas cultivares de uvas de mesa com potencial para produção no Submédio do Vale do São Francisco. Três cultivares foram estudadas, com base em desempenho produtivo indicado em pesquisas anteriores, a saber: A Dona, BRS Clara e Arizul. Elas foram avaliadas sobre os porta-enxertos IAC 313, IAC 572, IAC 766, SO4, Paulsen 1103 e Harmony, em duas safras. Nas condições regionais, a qualidade foi influenciada pela época de produção e, no caso da ‘A Dona’, é potencializada por alguns porta-enxertos. A safra de março-julho de 2017 favoreceu a qualidade da ‘BRS Clara’, evidenciada por menor relação sólidos solúveis/acidez titulável (SS/AT), maior massa de bagas e atividade antioxidante. A qualidade da uva ‘Arizul’ também foi melhor nesse ciclo, demonstrado por maiores massas de bagas, menor acidez, relação SS/AT e melhores índices de cor.
2017
Descrição
  • FLAUBERT QUEIROGA DE SOUSA
  • Transposição de solo para restauração de área degradada no núcleo de desertificação do Seridó, na Paraíba
  • Data: 15/12/2017
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • O fenômeno desertificação é considerado o processo de degradação ambiental das terras das zonas áridas, semiáridas e subúmidas secas, ocasionadas por fatores naturais e ações antrópicas. No Núcleo de Desertificação do Seridó, especificamente no estado da Paraíba, a área delimitada como sendo de alto nível de degradação abrange os municípios de Santa Luzia e Várzea, e a desertificação neste núcleo está relacionada particularmente a fatores climáticos, processos pedogenéticos e intervenções antrópicas. Diante do exposto, a restauração ecológica surge como uma alternativa viável para resgatar os serviços ambientais perdidos com a degradação. Dentre os diversos modelos de restauração utilizados no Brasil, a nucleação é hoje um dos mais difundidos. Consta da utilização de várias técnicas que, juntas, são facilitadoras no processo natural de sucessão. Uma dessas técnicas, a transposição de porções (núcleos) de solo, consiste da retirada da camada superficial de solo mais serapilheira de uma área conservada para alocação em uma área degradada. A presente pesquisa tem como objetivo avaliar a possibilidade de recuperação de uma área degradada no Núcleo de Desertificação do Seridó utilizando a técnica de transposição do solo (Topsoil). Para tanto, através de bioindicadores de qualidade do solo (banco de sementes do solo, respiração edáfica e mesofauna do solo) foram avaliadas as potencialidades para restauração ecológica de vários solos. Foram selecionadas sete áreas de diferentes microrregiões do semiárido da Paraíba, para a transposição do solo e alocação em uma área degradada. O delineamento foi em blocos casualizados, constando de oito tratamentos, um referente ao Controle (área degradada) e os outros sete, aos solos transportados de áreas conservadas nas microrregiões Mensalmente, foram realizadas as análises do banco de sementes do solo, da respiração edáfica e da mesofauna. A transposição dos solos trouxe para a área em estudo um novo banco de sementes, que favoreceu o surgimento de novas espécies. A respiração edáfica e a mesofauna na maioria dos solos transportados foi maior que na área degradada. A técnica de transposição do solo das diversas microrregiões configura-se como uma alternativa viável para estimular a sucessão florestal em áreas degradadas no Núcleo de Desertificação do Seridó.
  • JANAILMA LIMA DE OLIVEIRA
  • Desenvolvimento e qualidade de melão Cantaloupe 'Hy Mark' sob adubação nitrogenada e potássica
  • Data: 29/11/2017
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • -
  • MARIA DAS MERCÊS SERAFIM DOS SANTOS NETA
  • Qualidade física, fisiológica e sanitária de sementes de Shinus terebinthifolius Raddi de diferentes plantas matrizes
  • Data: 27/11/2017
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • Indisponivel
  • Marina Matias Ursulino
  • QUALIDADE FISIOLÓGICA E ARMAZENAMENTO DE SEMENTES DE PLANTAS MATRIZES DE Dimorphandra gardneriana Tulasne
  • Data: 25/10/2017
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • A espécie Dimorphandra gardneriana Tulasne é uma árvore nativa brasileira, propagadada por sementes, cujos frutos possuem alto teor dos bioflavonóides rutina e quercetina, utilizados em larga escala pela indústria farmacêutica. Dessa forma torna-se necessário avaliar a qualidade das sementes produzidas com a finalidade de selecionar plantas matrizes para a colheita de sementes de qualidade. O objetivo do trabalho foi avaliar a qualidade fisiológica das sementes de plantas matrizes de D. gardneriana, assim como o seu potencial de armazenamento. Para a caracterização dos frutos e das sementes de D. gardneriana foi determinada a biometria, enquanto que para avaliação da viabilidade e vigor das sementes foram realizados testes de germinação e vigor (primeira contagem e índice velocidade de germinação, comprimento e massa seca de plântulas, condutividade elétrica, envelhecimento acelerado, emergência em campo e os testes de frio e raios X). Para o armazenamento das sementes foram testadas diferentes embalagens (papel alumínio, papel Kraft, pano, plástico e garrafas de polietileno tereftalato - PET) e em ambientes (natural de laboratório, geladeira e câmara fria e seca) por um período de 28 meses, com avaliações do teor de água, germinação e vigor no início e a cada 40 dias de armazemanto. Os caracteres biométricos de frutos e sementes de D. gardneriana são variáveis entre as plantas matrizes, sendo indicada a 20 como aquela que possui sementes de maior tamanho. Pelos resultados do teste de envelhecimento acelerado as sementes da planta matriz 11 são as mais vigorosas. Os testes de emergência em casa de vegetação e em campo foram eficientes na separação das sementes de plantas matrizes de D. gardneriana em níveis de vigor, sendo consideradas de melhor qualidade fisiológica as sementes das plantas matrizes 19 e 20. Os resultados dos testes de frio e germinação a baixa temperatura destacam as sementes das plantas matrizes 18, 19 e 20 como as mais vigorosas, enquanto pelos resultados do teste de tetrazólio as sementes mais vigorosas foram das plantas matrizes 2, 3, 6, 8 e 13. O teste de imagem de raios X foi eficaz para avaliar a morfologia das sementes de plantas matrizes de D. gardneriana e sua xxii relação com o vigor. No armazenamento, as sementes de D. gardneriana se mantiveram viáveis e com alta qualidade fisiológica por até 20 períodos, sendo as embalagens de plástico e garrafa PET as mais adequadas para o armazenamento destas sementes.
  • ELEIDE LEITE MAIA
  • Capacidade de uso da terra, aspectos socioeconômicos e ambientais no município de Várzea, PB
  • Data: 13/10/2017
  • Hora: 08:30
  • Mostrar Resumo
  • O esgotamento dos recursos naturais devido a crescente demanda de produtos agricolas e florestais aliados a utilizacao das terras sem considerar suas potencialidades e limitacoes, tem levado a degradacao da vegetacao, do solo e da agua. O estudo da capacidade de uso das terras torna-se importante para o manejo adequado do solo, e o conhecimento da vulnerabilidade aos quais as populacoes estao expostas, constituem um elemento essencial para a avaliacao dos impactos as mesmas. O objetivo do estudo foi analisar a capacidade de uso da terra e as vulnerabilidades sociais, economicas, ambientais e as secas em area de Caatinga do Serido paraibano. O levantamento foi realizado na Fazenda Cachoeira de Sao Porfirio, localizada na Mesorregiao da Borborema, Microrregiao do Serido Ocidental, municipio de Varzea, PB. Para avaliacao da capacidade de uso do solo, a propriedade foi dividida em cinco areas (Pastagem Natural (PN), Caatinga Hiperxerofila (CAH), Caatinga Hiperxerofila e Pastejo CAHP), Pastejo (PJ) e Caatinga Nativa (CAN)), de acordo com seus limites de altitude e das feicoes dos diferentes estagios sucessionais. Foram levantadas caracteristicas no campo relacionadas a classe de solo, cor do solo, profundidade efetiva, textura do solo, permeabilidade, declividade, suscetibilidade a erosao, pedregosidade, fertilidade e uso atual, para compor a formula maxima (em forma de notacoes alfanumericas) e determinar as classes de capacidade de uso de solo, para todas as areas, com excecao da area Caatinga Nativa que foi realizada observacoes em campo. O diagnostico socioeconomico, ambiental e as seca foi realizado com visitas na zona rural do municipio de Varzea, PB, onde foi feito um levantamento das familias e aplicado 47 questionarios, subdivididos em variaveis identificadas por codigos, considerando os seguintes fatores: vulnerabilidade social; vulnerabilidade tecnologica; vulnerabilidade ambiental e vulnerabilidade as secas. Os dados foram analisados, utilizando os valores modais, maximos e minimos de cada variavel, e calculados os percentuais de degradacao de cada fator por meio da equacao da reta. Observou-se que o manejo inadequado das areas contribuiu para o aumento dos processos erosivos em todas as areas, com o surgimento de vocorocas nas areas CAH e CAHP. A area PN encontra-se apta para o cultivo agricola, ja a area PJ apresentou menor profundidade e limitacao para exploracao agricola, fazendo-se necessarias praticas conservacionistas. Foram identificadas cinco classes de capacidade de uso, II, VII, VI, IV e VIII, para as areas PN, CAH, CAHP, PJ e CAN, respectivamente. Verificou-se elevada vulnerabilidade socioeconomica e as secas na zona rural de Varzea, PB, e uma vulnerabilidade ambiental pouco acima do aceito pela metodologia. Foi observada vulnerabilidade maxima na variavel maquinaria e industrializacao, que elevou a vulnerabilidade tecnologica. Assim as caracteristicas encontradas no levantamento permitiram distinguir as classe de capacidade de uso da terra e identificar as reais condicoes da propriedade e possibilitar um planejamento conservacionista para o uso racional. O estudo das vulnerabilidades socioeconomica, ambiental e as secas indica indices altos que comprometem a qualidade de vida das familias da zona rural de Varzea, PB.
  • SARAH DO NASCIMENTO
  • Variaedade cariotípico em Araceal: número cromossômico e heterocromatina
  • Data: 30/08/2017
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • -
  • ANGELINE MARIA DA SILVA SANTOS
  • Evolução cromossômica em plantas de inselbergues com ênfase na família Apocynaceae iuss
  • Data: 30/08/2017
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • -Os inselbergues são caracterizados por apresentarem condições edafoclimáticas mais severas em relação ao ambiente do entorno, exercendo uma função seletiva importante para a evolução e especiação vegetal. A flora dos inselbergues pode apresentar diferenciação morfológica e cromossômica (níveis de ploidia), possibilitando a avaliação dos mecanismos envolvidos na diversificação das espécies. Uma hipótese longamente debatida sugere que os poliploides apresentam maior tolerância a condições ambientais mais extremas, quando comparadas com as suas contrapartes diploides. Sendo assim, o trabalho teve como objetivo analisar 28 espécies pertencentes a 10 diferentes famílias de angiospermas, ocorrentes em inselbergues na região Nordeste do Brasil com ênfase para a família Apocynaceae. Pontas de raízes foram pré-tratadas com 8HQ e Colchicina (apenas a espécie da família Costaceae) e fixadas em Carnoy. As lâminas foram preparadas pelo método de esmagamento em ácido acético e envelhecidas em temperatura ambiente. Em seguida, as melhores lâminas foram coradas com Chromomycin (CMA) e 4',6-Diamidino-2-Phenylindole (DAPI) e fotografadas. As espécies de Apocynaceae variaram de 2n = 18 a 2n = 34, com dados inéditos para seis espécies. Foram identificados três tipos de bandas heterocromáticas nas espécies da família Apocynaceae: bandas CMA+/DAPI−, CMA−/DAPI+ e CMA0/DAPI+, variando quanto ao padrão de distribuição, número e tamanho das bandas heterocromáticas. Bandas CMA+/DAPI− foram observadas em todas as espécies analisadas, e provavelmente é o tipo de heterocromatina associada as RONs. Outras espécies analisadas variaram de 2n = 18 para Chamaecostus subsessilis (Costaceae) até 2n = 76 em Dichorisandra hexandra (Commelinaceae). A poliploidia e a disploidia são os principais mecanismos de evolução cariotípica envolvidos na diversificação em Apocynaceae, sendo as espécies diploides as mais frequentemente encontradas em inselbergues. Dentre os gêneros analisados não se verificou uma relação clara entre número de bandas CMA+ e nível de ploidia. Das 27 espécies ocorrentes em inselbergues no nordeste do Brasil analisadas apenas sete são poliploides, ocorrendo especialmente nas famílias Apocynaceae, Commelinaceae, Euphorbiaceae e Melastomataceae. Além disso, não foi observada a ocorrência preferencial de citótipos poliploides em inselbergues para estas espécies, refutando a hipótese de que poliploides apresentam maior tolerância a condições edafoclimáticas mais extremas.
  • ANA CAROLINA SOUSA COSTA
  • Caracterização das mudanças na qualidade e no potencial antioxidante como indicadores do ponto de colheita das uvas ‘Sweet Sunshine’ e ‘Sweet Sapphire’ para o submédio do Vale do São Francisco
  • Data: 28/08/2017
  • Hora: 13:30
  • Mostrar Resumo
  • -
  • AMANDA TOMAZ BATISTA DE ARAUJO
  • Caracterização química e potencial de subprodutos da agroindústria familiar de polpa de frutas
  • Data: 28/08/2017
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • -
  • SAULO ANTONIO ALVES DE LIMA
  • GERMINAÇÃO EM SOLANACEAE: VARIABILIDADE EM DIFERENTES SUBGÊNEROS DE SOLANUM L. E EM PHYSALIS ANGULATA L.
  • Data: 25/08/2017
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • A família Solanaceae compreende aproximadamente 2.500 espécies e cerca de 100 gêneros distribuídos pelas regiões tropicais e temperadas do globo terrestre. O gênero Solanum, o maior da família, compreende cerca de 1.500 espécies, algumas delas de importância econômica como lavouras, plantas medicinais, tóxicas ou invasoras. A maior parte dos trabalhos abordando germinação de Solanum é restrita a espécies de importância agrícola, tóxicas ou medicinais, não sendo reconhecidos trabalhos aprofundados sobre as espécies nativas. Neste trabalho foram analisados a germinação e o vigor de sementes de espécies silvestres de Solanum, além de Physalis angulata, com a utilização de duas temperaturas constantes (20 e 30oC) e uma temperatura alternada de (20-30oC) e sementes mantidas em substrato de rolo de papel e em caixas gerbox. Em geral, todas as espécies apresentaram melhor vigor e germinação na temperatura alternada, com resultados variáveis quanto ao substrato, embora, com uma ligeira superioridade para as sementes no substrato rolo de papel. Por outro lado, os valores obtidos para vigor e geminação nas demais espécies foram baixos, sugerindo que as condições do experimento não foram suficientes para proporcionar a quebra na dormência nessas espécies.
  • TALITA FREITAS FILGUEIRA DE SÁ
  • Uso de Sistema de Informação Geográfica (SIG) para seleção de plantas matrizes de quixabeira [Sideroxylon obtusifolium (Roem. & Schult.) T.D. Penn.]
  • Data: 18/08/2017
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • A quixabeira [Sideroxylon obtusifolium (Roem. & Schult.) T.D. Penn.] é uma espécie nativa do bioma Caatinga que vem diminuindo sua população por diversos fatores, inclusive interferência antrópica. O monitoramento das características do meio onde as espécies estão inseridas e o cadastro de dados obtidos em laboratório é uma alternativa que pode contribuir na tomada de decisão individualizada. Para tal, esta pesquisa objetivou a criação de um Sistema de Informação Geográfica (SIG), que relacione dados referentes à qualidade de sementes advindas de plantas matrizes de Quixabeira (S. obtusifolium) do município de Boa Vista - PB. O sistema permite gerar análise espacial das matrizes, produto cartográfico, análise multicritério e gerar um modelo que pode ser reproduzido para outras espécies. O sistema foi produzido a partir de três etapas: coleta de dados; análises de sementes e modelagem do software de SIG. No momento da coleta, as plantas matrizes foram localizadas espacialmente por receptor-GPS e levadas para o laboratório de análise de sementes da Universidade Federal da Paraíba/CCA. Na fase de análise foram realizados testes de biometria dos frutos e das sementes, testes de germinação e vigor (emergência, primeira contagem, IVG, comprimento, massa seca de plântulas e condutividade elétrica). As matrizes M04 (46%) e M07 (44%) obtiveram os melhores resultados no teste de germinação, já na avaliação da biometria a matriz M09 apresentou resultados mais significativos, contradizendo o teste de condutividade elétrica, em que a mesma foi a que mais deteriorou seus sistemas celulares. Em posse dos resultados gerou-se um banco de dados no software Qgis para análise espacial e multicritério das plantas matrizes. Na análise multicritério todos os itens foram consultados a partir do segundo agrupamento estatístico e a matriz M11 foi considerada a mais indicada como produtora de sementes entre as dezesseis matrizes de S. obtusifolium estudadas, por apresentar resultados médios entre os dois principais agrupamentos para o conjunto de testes. O SIG foi uma ferramenta geotecnológica capaz de estabelecer a relação entre os dados de análise da semente de Quixabeira e a observação do contexto onde a matriz existe, além disso, o modelo apresentado pode ser adaptado a qualquer outra espécie, bem como a outros tipos de dados.
  • JOSE LUIZ DO NASCIMENTO JUNIOR
  • Comportamento de Apis mellífera e seletividade a inseticidas na cultura da erva doce Foeniculum vulgare Miller
  • Data: 25/07/2017
  • Hora: 08:30
  • Mostrar Resumo
  • -
  • ADAILZA GUILHERME CAVALCANTE
  • LÂMINAS DE IRRIGAÇÃO E POLÍMERO HIDROABSORVENTE NO CRESCIMENTO, FISIOLOGIA E PRODUÇÃO DO MARACUJAZEIRO AMARELO
  • Data: 21/07/2017
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • O maracujazeiro e uma cultura de clima tropical que exerce importancia economica a fruticultura brasileira, sendo cultivado em diversas regioes de o pais devido adaptar-se as diferentes condicoes edafoclimaticas. O objetivo do trabalho foi avaliar o crescimento, exigencias termicas nos estadios fenologicos, filocrono, plastocrono, fertilidade do substrato, teores foliares de NPK, aspectos fisiologicos e produtivos do maracujazeiro amarelo irrigados com laminas de irrigacao e polimero hidroabsorvente. O delineamento experimental foi em blocos casualizados com arranjo fatorial 2 × 5, relativo ao solo sem e com polimero hidroabsorvente e cinco laminas de irrigacao correspondentes a 60, 70, 80, 90 e 100 % da evapotranspiracao da cultura - ETc. As variaveis analisadas foram crescimento, acumulo termico, fertilidade do substrato, teores de NPK nas folhas, fisiologia e producao em plantas de maracujazeiro amarelo. Os resultados foram submetidos a analise de variancia pelo teste ―F‖ e as laminas de irrigacao foram estudadas por regressao, usando software SAS© versao 9.3 para processamento dos dados. O crescimento em altura, diametro da haste principal e numero de folhas cresceram com a idade das plantas apos o transplantio das mudas. O aumento das laminas de irrigacao reduziu a soma termica em °C dia, o periodo do transplantio a poda da haste principal e dos ramos secundarios e emissao dos botoes florais a fecundacao das flores elevou os teores de fosforo ate a lamina de 79% da ETc. As laminas de irrigacao, independentemente do substrato sem ou com polimero hidroabsorvente nao interferiram na acumulacao de NPK nas folhas das plantas. O aumento da lamina de irrigacao ate 81% da ETc proporcionou estimulou o rendimento quantico do fotossistema II, taxa fotossintetica, condutancia estomatica e na eficiencia no uso da agua pelas plantas de maracujazeiro amarelo. O maior numero de frutos colhidos, massa media de frutos, producao por planta e produtividade de maracujazeiro amarelo foram obtidos nos tratamentos com 100% da ETc no substrato sem polimero hidroabsorvente.
  • JEFERSON DUTRA BEZERRA
  • CRESCIMENTO, FISIOLOGIA E PRODUÇÃO DA MELANCIEIRA IRRIGADA COM ÁGUA SALINA E ADUBADA COM ESTERCO BOVINO
  • Data: 20/07/2017
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • A adicao de adubos organicos frequentemente promove alteracoes do solo, podendo mitigar os impactos do estresse salino da agua de irrigacao na producao agricola. Face ao exposto, objetivou-se com este trabalho avaliar os efeitos da irrigacao com agua salina e da adubacao com esterco bovino sobre o crescimento, fisiologia, producao e atributos qualitativos dos frutos da melancieira. O experimento foi realizado no delineamento em blocos casualizados no esquema fatorial 5 x 2, referente a cinco niveis de condutividade eletrica da agua de irrigacao (0.3, 1.3, 2.3, 3.3, e 4.3 dS m-1) sem e com aplicacao de esterco bovino, com quatro repeticoes e tres plantas uteis por parcela. Os dados foram submetidos a analise de variancia. As medias da adubacao com esterco foram comparadas pelo teste F. Para a condutividade eletrica realizou-se analise de regressao polinomial. Realizou-se tambem analises de componentes principais. A aplicacao do esterco bovino no solo nao influenciou no crescimento da melancieira irrigada com aguas salinizadas; O crescimento da melancieira e a producao de massa de materia seca sao comprometidos com o aumento da condutividade eletrica da agua de irrigacao. O aumento da condutividade eletrica da agua nao influenciou as taxas de crescimento relativo do ramo principal e do diametro do caule. O aumento da condutividade eletrica da agua de irrigacao diminuiu os teores de pigmentos fotossinteticos e aumentou o extravasamento de eletrolitos celular, diminuindo a eficiencia fotossintetica em plantas de melancieira. A aplicacao de esterco bovino no solo atenuou o efeito do estresse salino apenas para clorofila b e carotenoides. A salinidade da agua afetou negativamente as trocas gasosas, sendo mais perceptiveis na condutancia estomatica, fotossintese liquida e na transpiracao. A aplicacao do esterco bovino no solo nao influenciou nos componentes de producao da melancieira irrigada com aguas salinizadas; os componentes de producao da melancieira diminuiram com o aumento da condutividade eletrica da agua de irrigacao, com excecao do numero medio de frutos; com excecao da acidez titulavel, os atributos fisico-quimicos dos frutos da melancieira foram afetados negativamente com o aumento da condutividade eletrica da agua de irrigacao.
  • PATRÍCIA SOUZA DE SALES GONDIM
  • Qualidade de sementes de Erythrina velutina Willd. de diferentes plantas matrizes
  • Data: 12/06/2017
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • -
  • GIOVANA PATRICIA DOS SANTOS SALES
  • Qualidade e diversidade pós-produção de pimenteiras ornamentais (capsicum annum L).
  • Data: 30/05/2017
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • -
  • TALITA FREITAS FILGUEIRA DE SÁ
  • Qualidade de sementes de quixabeira [Sideroxylon obtusifolium (Roem. & Schult.) T.D. Penn.] oriundas de diferentes plantas matrizes
  • Data: 19/05/2017
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • -
  • RENNAN FERNANDES PEREIRA
  • Prospecção de genótipos de algodoeiro tolerantes ao estresse hídrico baseada em caracteres agronômicos e fisiológicos
  • Data: 27/04/2017
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • O algodoeiro é a mais importante cultura de fibras naturais em todo o mundo. No Brasil, a lavoura geralmente é conduzida em locais com baixa disponibilidade hídrica. Apesar de ter larga plasticidade genética para se adaptar a esses ambientes, essa espécie pode sofrer variações fisiológicas em função falta de água, impactando negativamente na produtividade e na qualidade da fibra, fazendo-se necessária a adoção de genótipos tolerantes a veranicos para evitar frustração de safra. Nesse sentido, realizou-se este trabalho, visando identificar cultivares produtivas e tolerantes à seca para posterior uso em trabalhos de hibridação. Foram estudados nove genótipos de algodoeiro (sete herbáceos e dois arbustivos) e dois tratamentos hídricos (controle e estresse), em delineamento inteiramente casualizado e esquema fatorial 9 x 2, com 4 repetições. O estresse hídrico constou da suspensão total da irrigação por 21 dias a partir da emissão do primeiro botão floral. As plantas foram cultivadas em vasos de 45 L, contendo solo arenoso previamente fertilizado. Foram avaliadas variáveis fisiológicas, de crescimento, de produção e as características da fibra das cultivares. Os dados foram submetidos a análises uni e multivariadas (Variáveis Canônicas). Verificou-se que os genótipos BRS Rubi, BRS 286, BRS Seridó, CNPA 5M e CNPA 7MH foram os mais tolerantes ao estresse hídrico imposto e responderam de maneira diferente quanto aos mecanismos de resistência à seca. Em condições de estresse hídrico, os genótipos que produziram fibras com melhores características foram CNPA 7MH, CNPA 5M, BRS 286 e BRS Seridó, com destaque para o arbustivo CNPA 7MH.
  • JOSÉ FRANCISCO DE LIMA NETO
  • Produção de mudas de pinheiro com água salina e insumos orgânicos
  • Orientador : WALTER ESFRAIN PEREIRA
  • Data: 26/04/2017
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • Embora a cultura da pinheira tenha boa adaptação à região nordeste, observa-se que nesta região há baixos índices pluviométricos e pouca disponibilidade de água de boa qualidade, sendo assim, o produtor acaba utilizando águas de qualidade inferior, como as águas salinas. Devido à falta de conhecimento sobre o uso de fertilizantes orgânicos na formação de mudas de pinheira irrigadas com águas salinas, objetivou-se avaliar o crescimento, as trocas gasosas e a composição mineral em mudas de pinheira irrigadas com águas salinas e adubadas com fertilizantes orgânicos. Adotou-se o delineamento experimental inteiramente casualizado, no esquema fatorial 5 x 3, correspondendo a condutividade elétrica da água de irrigação (0,5; 1,5; 2,5; 3,5 e 4,5 dS m-1) sob aplicação de fertilizantes orgânicos (tratamento controle, fertilizante de casca de fruta e biofertilizante bovino), com seis repetições. Avaliou-se a altura, diâmetro do caule, número de folhas, área foliar, comprimento da raiz, massa seca (raiz, parte aérea e total), trocas gasosas (taxa de assimilação de CO2, taxa transpiratória, condutância estomática, concentração interna de CO2, eficiência de carboxilação e a eficiência do uso da água), fluorescência da clorofila a (fluorescência inicial, fluorescência máxima, fluorescência variável e eficiência quântica potencial do fotosistema II (FSII)) e teor de sódio e cloro na raiz, caule e folha. Os dados obtidos foram submetidos à análise de variância e a análise de regressão polinomial linear ou quadrática. O aumento da condutividade elétrica na água de irrigação a partir de 0,5 dS m-1 prejudica o crescimento, a produção de massa seca e as trocas gasosas das mudas de pinheira, mas com menor severidade nas mudas com aplicação de biofertilizante bovino. A aplicação de biofertilizante proporcionou maiores valores para taxa de assimilação de CO2 e concentração interna de CO2. O incremento da salinidade diminui os teores de pigmentos fotossintetizantes de mudas de pinheira, mas com menor intensidade quando as mudas são tratadas com biofertilizante bovino; Mudas de pinheira irrigadas com águas acima de 0,5 dS m-1 aumentam os teores de sódio e cloro.
  • JOSÉ FRANCISCO DE LIMA NETO
  • Produção de mudas de pinheiro com água salina e insumos orgânicos
  • Orientador : WALTER ESFRAIN PEREIRA
  • Data: 26/04/2017
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • Embora a cultura da pinheira tenha boa adaptação à região nordeste, observa-se que nesta região há baixos índices pluviométricos e pouca disponibilidade de água de boa qualidade, sendo assim, o produtor acaba utilizando águas de qualidade inferior, como as águas salinas. Devido à falta de conhecimento sobre o uso de fertilizantes orgânicos na formação de mudas de pinheira irrigadas com águas salinas, objetivou-se avaliar o crescimento, as trocas gasosas e a composição mineral em mudas de pinheira irrigadas com águas salinas e adubadas com fertilizantes orgânicos. Adotou-se o delineamento experimental inteiramente casualizado, no esquema fatorial 5 x 3, correspondendo a condutividade elétrica da água de irrigação (0,5; 1,5; 2,5; 3,5 e 4,5 dS m-1) sob aplicação de fertilizantes orgânicos (tratamento controle, fertilizante de casca de fruta e biofertilizante bovino), com seis repetições. Avaliou-se a altura, diâmetro do caule, número de folhas, área foliar, comprimento da raiz, massa seca (raiz, parte aérea e total), trocas gasosas (taxa de assimilação de CO2, taxa transpiratória, condutância estomática, concentração interna de CO2, eficiência de carboxilação e a eficiência do uso da água), fluorescência da clorofila a (fluorescência inicial, fluorescência máxima, fluorescência variável e eficiência quântica potencial do fotosistema II (FSII)) e teor de sódio e cloro na raiz, caule e folha. Os dados obtidos foram submetidos à análise de variância e a análise de regressão polinomial linear ou quadrática. O aumento da condutividade elétrica na água de irrigação a partir de 0,5 dS m-1 prejudica o crescimento, a produção de massa seca e as trocas gasosas das mudas de pinheira, mas com menor severidade nas mudas com aplicação de biofertilizante bovino. A aplicação de biofertilizante proporcionou maiores valores para taxa de assimilação de CO2 e concentração interna de CO2. O incremento da salinidade diminui os teores de pigmentos fotossintetizantes de mudas de pinheira, mas com menor intensidade quando as mudas são tratadas com biofertilizante bovino; Mudas de pinheira irrigadas com águas acima de 0,5 dS m-1 aumentam os teores de sódio e cloro.
  • CLAUDIANA DOS SANTOS VERAS
  • Revestimento à base de carboidratos para a conservação de manga ‘Tommy Atkins
  • Data: 25/04/2017
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • O Brasil é um grande exportador de frutas, incluindo a manga (Magifera indica L.). A manga é uma espécie de grande importância socioeconômica, cultivada em mais de noventa países. Os países que mais a importam manga são Estados Unidos, Japão e países europeus. Com o intuito de chegarem com a qualidade a estes mercados, é primordial a utilização de tecnologias adequadas. Existem várias técnicas de preservação de alimentos que podem amenizar e estender o período de armazenamento pós-colheita como: secagem, desidratação, refrigeração, atmosfera modificada, filmes comestíveis, ceras e revestimento. Os revestimentos exercem a função de barreira a gases e vapor de água, retardando a degradação e aumentando a vida útil de frutos e hortaliças. Para promoção desses efeitos, os revestimentos devem apresentar propriedades mecânicas como resistência a quebra e abrasão. Vários compostos podem ser utilizados para produzir estes revestimentos como: proteínas, lipídios, polissacarídeos ou combinações destes compostos. Particularmente revestimentos à base de quitosana possuem biocompatibilidade, propriedades antimicrobianas, aparência estética desejável e atoxicidade. À base de carboximetil celulose geram uma maior resistência às trocas bruscas de temperaturas e constituem barreiras eficientes à permeação de O2. À base de alginato de sódio são eficientes na diminuição da respiração e retardardamento do amadurecimento de frutas. Estas características dos revestimentos sendo agregadas a superfície da manga permitirão vantagens econômicas/comerciais aumentado vida útil do fruto, assim como resistência a alterações físicas causadas no transporte. O objetivo do trabalho foi recomendar, entre os revestimentos à base de quitosana, alginato de sódio e carboximetil celulose, aquele que promova melhoria da qualidade e conservação pós-colheita da manga ‘Tommy Atkins’, sob armazenamento refrigerado seguido de temperatura ambiente. O emprego de revestimentos comestíveis protetores de frutos tropicais para exportação, como a manga, tem apresentado nas últimas décadas, resultados promissores, demostrando o potencial de aumento da vida útil em condições comerciais. Os polissacarídeos utilizados nos revestimentos como a quitosana, alginato de sódio e carboximetil celulose, apresentam especificidades adequadas para a aplicação por possuírem boa transparência e boa resistência às trocas gasosas.
  • FABIOLA VANESSA DE FRANCA SILVA
  • Processos fisiológicos limitantes à precocidade de Ricinus communis L.
  • Data: 20/04/2017
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • Indisponivel
  • IZABELA NUNES DO NASCIMENTO
  • Atrativos para captura de adultos de Spodoptera frugiperda (J.E. Smith, 1797) (Lepidoptera:Noctuidae)
  • Data: 20/04/2017
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • Considerando que a lagarta Spodoptera frugiperda (Lepidoptera: Noctuidae) é uma das pragas mais nocivas à cultura do milho no Brasil, objetivou-se com essa pesquisa verificar a atratividade de produtos e Diodos Emissores de Luz de diferentes cores, a adultos dessa espécie, bem como a preferência alimentar e interferência de inseticida sintético associado aos atrativos alimentares. A pesquisa foi desenvolvida no Laboratório de Entomologia do Departamento de Fitotecnia e Ciências Ambientais do Centro de Ciências Agrárias da Universidade Federal da Paraíba – CCA/UFPB, Areia- PB. Em um primeiro momento foi avaliada a eficiência de seis atrativos alimentares (proteína hidrolisada de milho (Bio Anastrepha®), melaço, sacarose, suco de uva, proteína hidrolisada de milho (Milhocina®), phenylacetaldehyde (PAA), além de um tratamento com inseticida e outro com água destilada (controle)). A avaliação da eficiência de cada atrativo foi feita om 01, 24, 48 e 72 horas após a instalação, contabilizando-se o número de insetos capturados. Destes, foram selecionados os três produtos mais atrativos, associando-os ao inseticida Premio®. Com 48 horas de exposição aos tratamentos, foi avaliada a atração e mortalidade dos insetos adultos. No segundo ensaio, para avaliação de atrativos luminosos foram utilizadas como fonte de luz lâmpadas Ultra LED nas cores: amarela, verde, branca, vermelha e azul. As avaliações dos adultos capturados foram procedidas com 01, 24, 48 e 72 horas da liberação dos insetos adultos. Os dados de captura foram submetidos à análise de distribuição Beta, processadas por meio do SAS, e as viii médias dos tratamentos foram comparadas pelo teste de Tukey, a 5% de probabilidade. Para avaliar o efeito dos atrativos ao longo dos períodos de exposição os dados foram submetidos a análise de regressão. O Composto aromático henylacetaldehyde (PAA), seguido pela proteína hidrolisada de milho (Milhocina®) e suco de uva apresentam atratividade superior aos demais produtos testados. O inseticida quando associado ao suco de uva e a milhocina, não provocou efeito antagônico. A lâmpada LED verde, seguida pelas LED´s amarela e branca são as mais atrativas para adultos de S. frugiperda.
  • EMANOEL DA COSTA ALVES
  • Produção integrada do algodoeiro: manejo de insetos e avaliação econômica
  • Data: 18/04/2017
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • Como todas as plantas cultivadas, o algodoeiro Gossypium hirsutum enfrenta diversos problemas fitossanitarios, dentre eles o ataque de artropodes-praga. Assim, buscou-se avaliar o efeito do algodao consorciado com culturas alimentares na ocorrencia de artropodes-praga e inimigos naturais e o efeito de um inseticida comercial a base de azadiractina na ocorrencia de insetos-praga e inimigos naturais. Os experimentos foram realizados na estacao experimental do Centro Nacional de Pesquisa do Algodao (CNPA), da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuaria (EMBRAPA), no municipio de Patos, PB, durante o periodo de marco a novembro de 2015. O delineamento experimental utilizado foi em blocos casualizados, com quatro repeticoes e sete tratamentos, sendo os sistemas de cultivo algodao, algodao + milho, algodao + gergelim, algodao + feijao, gergelim, feijao e milho. Foi avaliada a influencia dos consorcios em duas situacoes, sendo uma com baixa e outra com alta pressao de pragas. As amostragens realizadas foram do tipo direta convencional e metodo de caminhamento em ziguezague, sendo avaliados cinco pontos aleatorios, amostrando-se em cada ponto cinco plantas circunvizinhas, totalizando 25 plantas por parcela. Outro experimento foi conduzido com o mesmo delineamento e numero de plantas amostradas, mas com tres tratamentos (pulverizacao de Azamax® semanal, quinzenal e o controle). A analise faunistica foi realizada com base nos dados de amostragens dos dois ciclos produtivos, sendo calculado os indices de diversidade, frequencia e dominancia. Ao final de cada periodo produtivo, foram avaliadas a produtividade dos sistemas de cultivo consorciados e isolados nos dois ciclos, o indice do uso eficiente da terra (UET) e o indice da producao equivalente (Ye). Para simular o efeito de alta pressao de pragas, os experimentos foram conduzidos em dois ciclos produtivos sequenciais. A aplicacao do Azamax® foi realizada com pulverizador costal manual com capacidade para 20 litros, utilizando bico tipo conico vazio de porcelana, com vazao de 200 L ha-1. A dosagem utilizada foi a recomendada para Aphis gossypii na cultura do algodoeiro, a 0,36% do principio ativo. Ao longo das avaliacoes, os cultivos consorciados algodao com milho, algodao com gergelim e algodao com feijao nao influenciaram na reducao de insetos-praga do algodoeiro. Os consorcios nao influenciaram na ocorrencia de inimigos naturais no primeiro e segundo ciclo. Nao houve diferenca significativa, na produtividade do primeiro e segundo ciclo, nos sistemas de cultivo consorciados e algodao isolado. A populacao de bicudo-do-algodoeiro Anthonomus grandis foi crescente nos dois ciclos, porem no primeiro ciclo o tratamento sem aplicacao houve maior infestacao aos 53 e 74 DAE. As aplicacoes semanais e quinzenais de Azamax® nao influenciaram na reducao de pulgao A. gossypii e cochonilha Phenacoccus solenopsis. A ocorrencia de inimigos naturais foi maior na testemunha aos 53 DAE e aos 68 DAE. No segundo ciclo, as aplicacoes semanais e quinzenais de Azamax® nao influenciaram na reducao dos inimigos naturais.
  • Ovidio Paulo Rodrigues da Silva
  • Produção e qualidade de inhame( Dioscorea sp) em função de doses de nitrogênio e potássio
  • Data: 24/03/2017
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • -
  • ISAIAS VITORINO BATISTA DE ALMEIDA
  • FENOLOGIA E DIVERSIDADE GENÉTICA ENTRE ACESSOS DE CALOTROPIS PROCERA (AIT.) W. T. AITON BASEADA EM CARACTERES AGRONÔMICOS E BROMATOLÓGICOS
  • Data: 24/03/2017
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • Calotropis procera (Ait.) W.T. Aiton e uma especie perene e xerofila com potencial de cultivo para producao de forragem no Semiarido brasileiro. Em funcao da sua importancia economica objetivou-se com a pesquisa avaliar a fenologia e a diversidade genetica entre acessos de C. procera por meio de caracteres agronomicos e bromatologicos. Foram coletadas sementes de 70 acessos de C. procera entre outubro de 2015 e janeiro de 2016, em areas de ocorrencia natural da especie, na regiao Nordeste do Brasil. Atualmente estes acessos compoem a colecao de germoplasma do Instituto Nacional do Semiarido (INSA). O experimento foi conduzido em casa de vegetacao no INSA, em Campina Grande – PB, entre janeiro e setembro de 2016. As plantas foram cultivadas em vasos plasticos com capacidade de 10 litros, preenchidos com solo, onde foi feita a adubacao conforme recomendacao de analise do solo e foram irrigadas em intervalos de 3 dias. No estudo da fenologia as caracteristicas morfofisiologicas foram avaliadas a cada 30 dias, com inicio aos 30 dias apos a semeadura (DAS) e termino aos 240 DAS. Os indices fisiologicos foram estimados ate os 120 DAS e foi avaliada a queda de folhas, a floracao e a frutificacao. Obteve-se a media de cada caracteristica com o ajuste e selecao dos modelos de regressao para explicar o crescimento de C. procera com base no coeficiente de determinacao. O estadio vegetativo de C. procera ocorre durante os 240 DAS, com queda e producao de folhas continuamente, enquanto que o estadio reprodutivo se inicia aos 153 DAS, prosseguindo ate os 222 DAS, dependendo do acesso, tornando-se constante a emissao de inflorescencia nas plantas apos o inicio da floracao. No estudo de diversidade genetica por meio de caracteres agronomicos, o delineamento experimental utilizado foi em blocos casualizados com tres repeticoes e utilizou-se dados de 23 caracteristicas e houve diferenca significativa (p<0,01) pelo teste F em todos os caracteres, onde as estimativas dos parametros geneticos comprovaram o efeito genetico na expressao dos caracteres, com destaque para as estimativas de herdabilidade (h2) de alta magnitude. Alem disso, realizou-se a analise de Variaveis Canonicas e de agrupamento pelos metodos de Tocher e UPGMA (Unweighted Pair Group Method with Arithmetic Mean). As caracteristicas de fitomassa sao as que mais contribuem para a divergencia genetica em genotipos de C. procera. Na pesquisa de divergencia xi genetica com base na composicao bromatologica, foi feita a coleta das plantas aos 120 DAS e obteve-se as seguintes caracteristicas de producao: massa verde do caule, massa verde da folha, massa verde total, massa seca do caule, massa seca da folha e massa seca total. Alem disso, determinaram-se os teores de materia seca, materia mineral, materia organica, proteina bruta, extrato etereo, fibra em detergente neutro, fibra em detergente acido, carboidratos totais e carboidratos nao fibrosos. Com base nesses caracteres obteve-se a analise de componentes principais, de agrupamento pelo metodo de Tocher e UPGMA. Todas as caracteristicas de producao e da composicao bromatologica, com excecao da fibra em detergente acido, contribuem para divergir geneticamente os acessos de C. procera. Existe variabilidade genetica entre os 70 acessos de C. procera com base nos caracteres agronomicos e bromatologicos. Os acessos 1, 12, 20, 39, 48, 50, 57, 67 e 70 sao promissores no programa de melhoramento de C. procera, com potencial agronomico e forrageiro, podendo ser utilizados como genitores em programas de hibridacao e indicados para compor futuros estudos.
  • LUANA VITORIA DE QUEIROZ OLIVEIRA
  • Aspectos biológicos de Spodoptera frugiperda (Smith, 1797) (bepidoptera: Noctuidae), alimentada com dietas artificiais em diferentes temperaturas
  • Data: 24/02/2017
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • Indisponivel
  • EDSON DE ALMEIDA CARDOSO
  • Crescimento, estado nutricional, produção e qualidade de infrutescências do abacaxizeiro 'Pérola' em função da adubação nitrogenada e potássica
  • Data: 24/02/2017
  • Hora: 08:30
  • Mostrar Resumo
  • Indisponivel
  • ADEILSON DOS SANTOS FREIRE
  • Caracterização e Uso do Algodão no Semiárido Paraibano
  • Data: 24/02/2017
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • O algodoeiro (Gossypium hirsutum L.) é uma das espécies vegetais de maior utilidade, cuja fibra possui múltiplas aplicações industriais, sendo responsável pela maior parte da produção têxtil mundial. Para sucesso da cadeia produtiva alguns aspectos importantes devem ser levados em consideração como a elevada qualidade das sementes na obtenção de altas produtividades e características tecnológicas de fibra requerida pelo mercado. Face à sua relevância, o estudo objetivou caracterizar as condições técnicas e os aspectos socioeconômicos da cadeia produtiva do algodão, bem como avaliar a qualidade fisiológica de sementes e de fibra oriundas de agricultores, visando contribuir para a reestruturação da cadeia produtiva da cotonicultura paraibana. Primeiramente foram realizadas entrevistas semiestruturadas com agricultores dos municípios de Remígio, Juarez Távora, Gurinhém e Salgado de São Felix a partir de informações quanto ao histórico da cultura, do sistema de produção e os aspectos socioeconômicos. Para as avaliações de sementes e plumas foram utilizados 13 lotes (11 de agricultores e 2 da EMBRAPA). Foram conduzidos no Laboratório de Análise de Sementes (LAS) a determinação do teor de água e vários ensaios de qualidade fisiológica das sementes, tais como: Teste de germinação, primeira contagem de germinação, índice de velocidade de germinação, emergência de plântulas em campo, primeira contagem de emergência, índice de velocidade de emergência, envelhecimento acelerado, condutividade elétrica e respiração. Os caracteres tecnológicos da fibra foram analisados no Laboratório de Fibras da EMBRAPA Algodão para determinação de: Comprimento, uniformidade, resistência, alongamento à ruptura, índice micronaire, índice de fibras curtas, maturidade e índice de fiabilidade. Pelo diagnóstico realizado constatou-se que as localidades produtoras possuem uma cadeia produtiva de algodão consolidada, a qual precisa de incentivos das políticas públicas para a sua manutenção e crescimento exponencial e de assistência técnica por meio de capacitações dos agricultores para atualização e aperfeiçoamento das práticas e processos agrícolas do seu sistema de produção. As localidades ex-produtoras necessitam da reestruturação da sua cadeia produtiva. Em relação à qualidade das 2 sementes, os testes de envelhecimento acelerado, condutividade elétrica e respiração são eficientes na avaliação do vigor das sementes e diferenciação dos lotes das diferentes localidades. Os lotes provenientes dos agricultores de Gurinhém apresentam sementes com maior qualidade fisiológica e melhor características tecnológicas de fibra.
  • ANA JESSICA SOARES BARBOSA
  • ATRIBUTOS ECOFISIOLOGICOS DE Erythroxylum pauferrense PLOWMAN (ERYTHROXYLACEAE)
  • Data: 24/02/2017
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • Os efeitos da sazonalidade podem propiciar condições peculiares em espécies de sub-bosque, uma vez que estas têm limitações quanto à disponibilidade de luz. Com base nisso, foi realizado um estudo com intuito de verificar e avaliar as trocas gasosas de Erythroxylum pauferrense, uma espécie de sub-bosque endêmica localizada restritamente na região nordeste do Brasil. Deste modo este trabalho foi dividido em dois capítulos: I) O primeiro têm por objetivo avaliar as trocas gasosas da espécie E. pauferrense frente a variação sazonal (período seco e chuvoso). Onde em um remanescente de Floresta Atlântica, foram selecionados 10 indivíduos da espécie e também foram verificados índices de irradiância, terrores relativos de clorofila, umidade do solo, além de parâmetros fisiológicos como taxas fotossintéticas, carbono interno, transpiração, condutância estomática e temperatura da folha, todos estes atributos foram avaliados nos períodos de chuva e de estiagem. Foi observado que não houve diferença significativa de atributos, no decorrer dos períodos avaliados exceto de condutância estomática, transpiração e temperatura da folha. II) No capítulo seguinte o objetivo do trabalho foi avaliar 12 equações alométricas para estimar a área foliar utilizando-se as medidas do limbo foliar e verificar quais destas seria a melhor para estimar a área foliar da espécie E. pauferrense. Para a realização desta pesquisa, foram coletadas 600 folhas e testados doze modelos teóricos utilizando-se combinações entre as variáveis dimensionais de comprimento e largura e os respectivos valores de área foliar. Dentre os modelos que melhor estimaram a área foliar de Erytrhoxylum pauferrense foram as equações do modelo linear e potencia uma vez que, os modelos mostraram normalidade na distribuirão dos erros, as duas equações demonstram ser ótimos modelos para a estimativa de área foliar da espécie Erythroxylum pauferrense. Portanto, estes estudos forneceram informações importantes no que se refere aos mecanismos fisiológicos e contribui para estudos promissores da espécie além de trazer subsídios para o conhecimento da espécie em nível de local, podendo assim, contribuir para utilização de recuperação de áreas degradadas e para o acréscimo de diversidade florística.
  • ARLISTON PEREIRA LEITE
  • ADUBAÇÃO ORGANOMINERAL EM MANDACARU (Cereus jamacaru P. DC.) COM ESPINHO NAS CONDIÇÕES DO SEMIÁRIDO DA PARAÍBA
  • Data: 24/02/2017
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • -
  • CLAUDIENE RAFALSKI
  • Bioatividade de Piper sobre de ervas daninhas, baseada em análise de crescimento e enzimaticas
  • Data: 24/02/2017
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • -
  • DIOGENES DE SOUZA COSTA
  • Crescimento e teores de nutrientes em mudas de aceroleira (Malpighia glabra) adubados com ureia e superfosfato simples
  • Data: 24/02/2017
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • A aceroleira (Malpighia glabra L.) é uma cultura bastante valorizada e procurada, devido a apresentar na composição dos seus frutos alto teor de vitamina C. Apesar de ser, na atualidade, uma cultura com cultivo economicamente importante para diversas regiões, existem poucas pesquisas relacionadas às exigências nutricionais da aceroleira. Desta forma, objetivou-se com este experimento avaliar a influência de doses de nitrogênio e de fósforo no crescimento inicial e na composição mineral de mudas de acerola. Para o efeito, foi conduzido experimento com cinco doses de ureia (0; 0,66; 2,25; 3,85 e 4,5 g dm-3 ) e cinco doses de superfostato simples (SFS) (0; 0,87; 3,0; 5,13 e 6 g dm-3), no delineamento em blocos casualizados com quatro repetições. A unidade experimental constou de quatro sacos de polietileno contendo quatro mudas no total. Mensalmente, foram avaliados o diâmetro do caule e a altura das mudas. No final do experimento foram determinados o comprimento e a área do sistema radicular e foliar, a massa da matéria seca da parte aérea e do sistema radicular e os teores foliares de N, P e K. Os dados obtidos foram submetidos a análise de variância e regressão. Não houve interação significativa entre as doses de ureia e SFS. As doses de 2,13 g dm-3 de ureia e 2,8 g dm-3 de SFS, resultaram no maior Índice de Qualidade de Dickson nas mudas de acerola. O teor foliar de N aumentou com as doses de ureia, enquanto o de K diminuiu. O teor foliar de P aumentou com as doses de superfosfato simples.
  • JOSYELEM TIBURTINO LEITE CHAVES
  • Extração e análise do óleo de Moringa oleífera Lam. proveniente de quatro diferentes estados do Nordeste brasileiro
  • Data: 24/02/2017
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • Os óleos vegetais nos últimos anos vêm popularizando-se devido as diversas características e usos dos mesmos. Os lipídios são os principais componentes da dieta do ser humano pela alta produção de energia. Essa classe de compostos químicos forma os óleos provenientes de sementes oleaginosas. Várias plantas possuem sementes oleaginosas, entra elas, a Moringa oleifera Lam. que possui alto teor de óleo e múltiplos usos deste. Objetivou-se neste capítulo fazer uma revisão de literatura sobre o óleo vegetal de Moringa oleifera, os métodos de extração e as características a serem determinadas no óleo e nas sementes. O termo semente é utilizado ao se falar de óvulo maduro, material de reserva alimentar e o tegumento. As sementes se classificam quanto à sua composição química, para aquelas que possuem os lipídeos como principal substância de reserva dáse o nome de sementes oleaginosas. Essas sementes possuem óleo vegetal, produtos constituídos de uma mistura de triglicerídeos e que podem ser utilizados na indústria. A Moringa oleifera (Moringaceae), planta oleaginosa, possui uma variedade imensa de usos e esse fato tem atraído muitos pesquisadores, pode frutificar em seu primeiro ano nas condições ideais de manejo e possui de 17 a 40 % de óleo. A extração deste óleo vegetal pode ocorrer por prensagem ou extração com solvente. O conhecimento das características do óleo é de extrema importância A análise do óleo é de extrema importância para se conhecer as características do óleo. A composição química/centesimal determina características como a umidade, cinzas e proteínas. A composição química do óleo determina de quais ácidos graxos o óleo vegetal é formado, Estado de conservação do óleo, potencialidade de saponificação, sua densidade e outros. A composição do óleo pode variar devido às condições climáticas e agronômicas, qualidade da matéria-prima e método de extração.
  • LEANDRA DE MELO CAVALCANTE SOUSA
  • Crescimento, trocas gasosas e produtividade da beterraba em função de doses de substâncias húmicas e salinidade hídrida
  • Data: 24/02/2017
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • Beta vulgaris L. é uma das principais hortaliças cultivadas no Brasil, sendo rica em vitaminas, fibras, agentes anticancerígenos e anti-oxidantes. O desenvolvimento de estratégias para atenuar os efeitos da irrigação com águas salinas na produção agrícola pode ser uma alternativa viável para elevar a produtividade das culturas na região semiárida brasileira. Diante do exposto, objetivou-se avaliar os efeitos da substância húmica para diminuir os efeitos da salinidade da água de irrigação no crescimento, nas respostas fisiológicas e na produção da beterraba. O experimento I foi disposto em blocos casualizados, adotando o esquema fatorial de 6 x 4, referente às condutividades elétricas (CEa de 0,5; 1,5; 2,5; 3,5; 4,5; 5,5 dS m-¹ ), e quatro doses de substância húmica (SH) (0; 10; 20; 30 ml por planta) com 3 repetições. A SH foi aplicado via fertirrigação aos 15, 45 e 75 dias após emergência. O experimento II foi disposto em blocos casualizados, adotando o esquema fatorial de 6 x 4, referente às condutividades elétricas (CEa de 0,5; 1,5; 2,5; 3,5; 4,5; 5,5 dS m-¹ ), e quatro doses de SH (0; 30; 70; 140 ml por planta) com 3 repetições. A SH foi aplicada via fertirrigação aos 7, 26 e 45 dias após o transplante. Para processamento dos dados foi utilizado o pacote estatístico SAS®. As variáveis avaliadas no experimento I e II foram: a CE e o pH do solo, o crescimento (altura, número de folhas e área foliar), as respostas fisiológicas (condutância estomática, taxa de assimilação de carbono, transpiração e concentração interna de carbono), e produção (diâmetro do tubérculo, peso de tubérculo, sólidos solúveis totais, pH, matéria fresca e seca de parte aérea e da raiz). No experimento I, a beterraba tolerou a salinidade da água de irrigação até a condutividade elétrica de 5,5 dSm-1 demonstrando que apresenta boa manutenção da atividade fotossintética sob baixa exposição à salinidade, produzindo satisfatoriamente até a salinidade 5,5 dS m-1, sendo assim, uma planta resistente à salinidade da água de irrigação. As substâncias húmicas, até a dose 30 ml não proporcionou resultados satisfatórios na atenuação dos efeitos da salinidade na cultura da beterraba. No experimento II,a beterraba tolerou a salinidade da água de irrigação até a condutividade elétrica de 5,5 dS m-1, sem apresentar resposta depreciativa no crescimento, trocas gasosas, comprimento da parte aérea e da raiz, e matéria seca e fresca parte aérea e da raiz, sendo assim uma planta tolerante à salinidade da água de irrigação. A utilização de substâncias húmicas em doses ajustadas pode ser utilizada para atenuar os efeitos causados pela salinidade da água de irrigação na cultura da beterraba.
  • SILVANIA ALVES MARTINS
  • Investigação da atividade de extratos orgânicos de Piper dicaricatum e suas frações sobre a germinação e crescimento do alface
  • Data: 24/02/2017
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • O Brasil e detentor de uma das maiores biodiversidades do planeta, abrangendo especies vegetais nativas e outras introduzidas, de larga adaptacao aos diversos climas que definem a ecogeografia do pais. Varias dessas especies sao ricas em compostos organicos de amplo aproveitamento nos segmentos farmaceutico, agricola, veterinario, culinario, entre outros. As especies do genero Piper sao conhecidas mundialmente pelo extenso numero de metabolitos secundarios que produzem, tais como ligninas, flavonoides, fenilpropanoides, terpenos, entres outros, todos com registro de atividades biologicas. P. dicaricatum e uma das especies reportadas na literatura, com alto potencial larvicida e fungicida, em funcao da elevada bioatividade do oleo essencial. Nao ha relato, contudo, do potencial dessa especie para fins alelopaticos. O presente trabalho teve como objetivo investigar a atividade de extratos organicos de P. dicaricatum e suas fracoes sobre a germinacao e crescimento do alface e posteriormente, identificar as classes de compostos responsaveis pelos efeitos alelopaticos. As fracoes dos extratos aquoso e alcoolico foram obtidas a partir de solventes com diferentes polaridades, usando etanol/metanol (F-EEM), metanol (F-M), cloroformio (F-C), Acetato de etila (F-AE) e hexano (F-H). Os ensaios foram conduzidos em BOD, usando sementes de alface, semeadas em Placas de Petri, contendo 1,5 ml de cada extrato e fracao, durante 7 dias. As variaveis analisadas foram taxa de germinacao, comprimento de raiz e altura da plantula. O delineamento adotado foi inteiramente casualizado com 4 repeticoes. Os dados obtidos foram analisados estatisticamente com auxilio do programa SISVAR. Para identificacao das sub-classes de compostos, utilizou-se Cromatografia de Camada Delgada (CCD) das fracoes mais inibitorias a alface. Os resultados demonstraram que os extratos hexano e metanol causaram danos na germinacao e no crescimento da alface, contudo, a fracao cloroformio, do extrato aquoso (F-EA-C) foi a mais danosa para as plantulas porque inibiu 100% da germinacao das sementes e ainda o crescimento das plantulas. A analise de CCD revelou presenca de cumarinas e alcaloides nessa fracao, ambos reportados na literatura como altamente toxicos para a alface por inibir a germinacao, alterar o processo de divisao celular e lesionar tecidos, atestando que a especie P. divaricatum possui potencial alopatico. Os resultados dessa pesquisa oferecem subsidios para uma possivel producao de bioherbicida a partir dos metabolitos secundarios que foram identificados.
  • ANDRE JAPIASSU
  • Extrativismo do umbuzeiro na percepção dos agricultores da Comunidade Riacho da Serra, São José do Sabugi, PB
  • Data: 23/02/2017
  • Hora: 08:00

  • PATRICIA CANDIDO DA CRUZ SILVA
  • Maturação fisiológica de sementes de Lophantera lactescens Ducke
  • Data: 23/02/2017
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • Lophantera lactescens Ducke (Malphigiaceae) e uma planta arborea, exclusiva da regiao amazonica, amplamente distribuida na America do Sul, a qual se propaga por sementes. Diante disto, objetivou-se avaliar o processo de maturacao de L. lactescens, visando determinar o ponto de maturidade fisiologica. O estudo de campo foi conduzido no Centro de Ciencias Agrarias da Universidade Federal da Paraiba (CCA/UFPB), Campus II, no municipio de Areia/PB. Foram realizadas 14 colheitas de frutos quinzenalmente, no periodo de 16 de maio a 14 de novembro de 2015 e 13 de maio a 11 de novembro de 2016, as quais foram iniciadas aos 15 e estenderam-se ate os 210 dias apos a antese (DAA). Avaliou-se o teor de agua, coloracao externa, tamanho, massa seca, teste de germinacao e indice de velocidade de germinacao de sementes, como tambem comprimento e massa seca de plantulas. Utilizou-se o delineamento inteiramente ao acaso, os dados foram submetidos a analise de variancia e regressao polinomial, em funcao das epocas de colheita. Nao ocorreu grandes variacoes nas dimensoes dos frutos; o teor de agua reduziu ao longo do processo de maturacao assumindo aos 210 dias apos a antese o valor de 11%, nos dois anos estudados; a massa seca dos frutos aumentou no decorrer do processo; a germinacao e vigor das sementes aumentou, atingindo valor maximo entre 190 e 210 dias apos a antese. Nas condicoes ambientais de Areia - PB, o ponto de maturidade fisiologica das sementes de L. lactescens e atingido entre 165 e 186 dias apos a antese. O teor de agua e massa seca dos frutos foram os indices mais eficientes para determinar o ponto de colheita e maturidade fisiologica da especie.
  • NUBIA MARISA FERREIRA
  • Avaliação agronômica de espécies para adubação verde e sua influência em atributos químicos e físicos do solo
  • Data: 22/02/2017
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • A adubação verde é uma prática agrícola importante para fins de manejo e conservação do solo, com o propósito de melhorar as propriedades químicas e físicas. Existem poucos estudos com adubação verde na região Nordeste, sendo importante a avaliação do desempenho de espécies utilizadas com esta finalidade na região. Neste experimento, objetivou-se avaliar as características agronômicas, composição nutricional e influência de diferentes espécies utilizadas como adubos verdes, nas propriedades químicas e físicas do solo, na região do Brejo Paraibano. Foi conduzido um experimento com delineamento experimental em blocos inteiramente casualizados, com nove tratamentos, e distribuídos em três blocos. Os tratamentos foram: Canavalia ensiformes (L.) DC., Crotalaria spectabilis Roth, Crotalaria ochroleuca G. Don., Crotalaria juncea L., Dolichos lablab L., Stizolobium niveum (Roxb.) Kuntze, Stizolobium aterrimum Piper & Tracy, Neonotonia wightii (Wight & Arn.) J.A. Lackey e Pennisetum glaucum (L.) R.Br.. Foram avaliados o crescimento vegetativo das plantas, a taxa de cobertura, a fitomassa verde e seca, os teores e acúmulos de nutrientes no tecido vegetal (nitrogênio, fósforo, potássio, magnásio, cálcio e enxofre), taxa de decomposição e atributos químicos (pH do solo, fósforo disponível, potássio, soma de bases, saturação por bases e capacidade de troca catiônica) e físicos do solo (densidade do solo, porosidade total, macro e microporosidade). Os dados obtidos foram submetidos a análise de variância e ao teste de Tukey, e as taxas de decomposição foram avaliadas utilizando o modelo exponencial Mt = M0 * e-kt. Dentre as espécies analisadas observou-se que C. ochroleuca e C. ensiformes são as mais precoces e as que apresentam maior porte (ex. altura e diâmetro caulinar). Para as espécies N. wightii, S. niveum e S. aterrimum são recomendadas para cobertura de solo devido apresentarem maiores taxas de cobertura em um menor espaço de tempo. Os maiores teores de N foram verificados em C. ensiformes e C. spectabilis, enquanto os maiores teores de P, K e S foram encontrados em P. glaucum. Já os teores de Mg foram encontrados em C. ochroleuca. De acordo com os dados obtidos no experimento de campo, foi observado que as espécies C. ochroleuca e C. spectabilis x são mais eficientes em acúmulo de nutrientes. C. spectabilis apresentou a maior taxa de decomposição em comparação as demais espécies estudadas. Os efeitos das espécies sobre os atributos químicos e físicos são mais expressivos na camada superficial do solo; sendo que as espécies P. glaucum, C. ochroleuca, C. ensiformes e N. wightii, são mais eficientes na ciclagem de potássio e apresentaram maiores teores de matéria orgânica e maiores valores de soma de bases. As espécies S. aterrimum e S. niveum são identificadas com maiores valores de macroporosidade e microporosidade, respectivamente.
  • ANTONIA ALMEIDA DA SILVA
  • Etnobotânica, qualidade, compostos bioativos e atividade antioxidante de xiquexique (Pilosocereus gounellei) em diferentes regiões da Paraíba
  • Data: 21/02/2017
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • A família cactáceae devido as suas características adaptativas nas regiões semiáridas e suas propriedades nutricionais é utilizada como forragem, alimento humano, medicinal e ornamental. O xique-xique é uma Cactácea que se adapta em ambientes com temperaturas elevadas e baixa pluviosidade e a planta é utilizada pela população local para diversos fins, inclusive na alimentação animal e medicinal. Alguns estudos apontam a utilização do cladólio do xique-xique para produção de doces, farinhas para preparação de cuscuz, e pouco são aqueles que tratam da utilização do fruto nesta categoria, sendo interessantes estudos desta parte da planta que possam identificar potencialidade de uso. Estudos etnobotânicos podem identificar mais amplamente o uso e importância desta família de acordo com o conhecimento empírico dos moradores da região de ocorrência da mesma. Além disso, estudos que possam identificar à qualidade dos frutos e a presença de antioxidantes naturais que possam agregar valor a espécie são necessários. Com base no exposto, o objetivo deste trabalho foi identificar o uso etnobotânico com base em pesquisas realizadas, qualidade, compostos bioativos e atividades aintioxidante do fruto do xique-xique (Pilosocereus gounellei) em diferentes municípios do Semiárido da Paraíba. De acordo com as pesquisas etnobotânicas realizadas com Cactáceas, foi identificada diversidade de categoria do uso para o xique-xique, sendo a maior utilização como forragem, seguida por alimentação e construção. Em geral a polpa dos frutos de xique-xique oriundo de Solânea e Boqueirão apresentaram características físico-químicas apreciadas para consumo devido apresentar características levemente ácidas, teores de sólidos solúveis e relação SS/AT adequados, além de apresentarem maiores tamanhos sendo de interesse para mercados mais competitivos. As duas porções do fruto apresentaram fonte de compostos bioativos com Atividade antioxidante. Os frutos da localidade de Solânea apresentaram maior conteúdo de polifenóis e de betalaínas. Em São Mamede os frutos apresentaram potencial funcional superior, devido a elevada atividade antioxidante.
  • MARIA DENISE RODRIGUES DOS SANTOS
  • Alternativas de controle pós-colheita da antracnose em banana (Musa spp.) com óleos essenciais
  • Data: 21/02/2017
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • -
  • OTILIA RICARDO DE FARIAS
  • QUALIDADE DE SEMENTES DE ALGODOEIRO (Gossypium spp.) SUBMETIDAS AO CONTROLE BIOLÓGICO
  • Data: 21/02/2017
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • A ocorrência de fungos fitopatogênicos em sementes de algodoeiro pode resultar em perdas de produção significativas. O objetivo foi determinar a qualidade sanitária e fisiológica e o efeito de produtos biológicos a base de Trichoderma spp. e Bacillus spp. no tratamento de sementes de algodoeiro no controle de Fusarium oxysporum f. sp. vasinfectum. Na avaliação da qualidade sanitária e fisiológica, foram utilizados 10 lotes de sementes de algodoeiro. O método utilizado para detecção dos fungos nas sementes foi o de papel filtro (blotter test). Para avaliar a qualidade fisiológica das sementes foi realizado teste de germinação, onde contabilizou plântulas normais, anormais e com infecção primária, sementes mortas e duras, primeira contagem e índice de velocidade de germinação, comprimento e matéria seca de plântulas. Para avaliar o efeito de produtos biológicos a base de Trichoderma spp. e Bacillus spp., sementes de algodoeiro mocó (Casserengue) da cv BRS 286 e Topázio foram submetidas aos seguintes tratamentos: T1 – Testemunha (sem tratamento); T2 - Trichodel®(0,5 mL); T3 - Trichodel® (1,0 mL); T4 - Trichodel® (1,5 mL); T5 - Trichodel® (2,0 mL); T6 – Bactel® (2,0 mL); T7 – Bactel® (2,5 mL); T8 – Bactel® (3,0 mL); T9 – Bactel® (3,5 mL) diluídos em 100 mL de ADE; T10 - Fungicida Captana. Para avaliar o comportamento de Fov inoculados em sementes tratadas com produtos biológicos, a incidência do mesmo em sementes de algodoeiro e qualidade fisiológica das sementes tratadas. Os métodos de inoculação de Fov foram: 1) inoculação do substrato com suspensão de conídios; 2) imersão das sementes na suspensão de conídios e 3) contato direto das sementes com micélio do patógeno. Avaliou-se a porcentagem de plântulas com escurecimento vascular, comprimento da parte aérea e severidade da doença. Foram identificados 23 gêneros de fungos nas sementes de algodoeiro, sendo Fusarium sp., Cladosporium sp., Penicillium sp. e Colletotrichum sp. os mais frequentes. Observou-se redução na qualidade fisiológica das sementes decorrente da infecção fúngica. O produto biológico Trichodel® reduz da incidência e severidade de Fov em plântulas de algodoeiro e não afeta a qualidade fisiológica das sementes tratadas. PALAVRAS-CHAVE: Patologia de sementes. Controle biológico. Germinação.
  • ANTONIO MISSIEMÁRIO PEREIRA BERTINO
  • PRODUÇÃO E QUALIDADE DO INHAME SOB ADUBAÇÃO NITROGENADA E TIPOS DE TUTORAMENTO
  • Data: 20/02/2017
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • -
  • JOÃO EVERTHON DA SILVA RIBEIRO
  • Influência da sazonalidade sobre a ecofisiologia, e estimativa da área foliar em função de dimensões lineares do limbo foliar
  • Data: 20/02/2017
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • Erythroxylum simonis é uma espécie pertencente à família Erythroxylaceae, encontrada na região Nordeste do Brasil. É considerada uma planta de sub-bosque e por isso está sujeita a oscilações sazonais do ambiente para regular a sua ecofisiologia. Objetivou-se avaliar o efeito da sazonalidade sobre a ecofisiologia de E. simonis, no Parque Estadual Mata do Pau-Ferro, no município de Areia-PB. Para tal, as variáveis foram mensuradas bimestralmente em 10 indivíduos na estação chuvosa e na estação seca, durante um ano de coleta de dados. Foram mensurados o índice de área foliar (IAF), fração de céu visível (FCV), radiação fotossinteticamente ativa (RFA), umidade do solo, temperatura mensal e precipitação mensal, e avaliados os seus efeitos na taxa de fotossíntese, condutância estomática, carbono interno, transpiração, eficiência instantânea do uso da água, eficiência instantânea de carboxilação e teor de clorofila. Para análise dos dados, realizou-se a análise de correlação canônica (ACC) para verificar as associações existentes entre o grupo I (índice de área foliar, fração de céu visível, radiação fotossinteticamente ativa, umidade do solo, precipitação e temperatura) e grupo II (taxa de fotossíntese, concentração interna de CO2, transpiração, condutância estomática, eficiência instantânea do uso da água, eficiência instantânea de carboxilação e teor de clorofila). Posteriormente, os dados de trocas gasosas e teor relativo de clorofila foram submetidos a análise de variância e as médias comparadas entre si pelo teste de Tukey. Verificou-se maior associação da precipitação e umidade do solo com condutância estomática, transpiração, e taxa de fotossíntese. Houve diferenças significativas em todas as variáveis ecofisiológicas nas duas épocas do ano, verificando-se que as mudanças sazonais influenciaram na ecofisiologia de E. simonis.
  • NELTO ALMEIDA DE SOUSA
  • FENOLOGIA DE Myracrodruon urundeuva Fr. All. E BANCO DE SEMENTES EM ÁREAS DE CAATINGA PARAIBANA
  • Data: 20/02/2017
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • Componente do Semiarido brasileiro, a Caatinga compreende um bioma altamente biodiversificado cuja vegetacao e composta predominantemente por especies lenhosas de pequeno porte, herbaceas deciduas, plantas caducifolias e especies espinhosas; sendo que, acoes antropicas vem causando desequilibrios neste ecossistema, afetando sua fauna, flora e solo, ao passo que, muitas de suas especies endemicas, a exemplo de Myracrodruon urundeuva Fr. All. ja estao correndo o risco de extincao. Diante disso, o presente estudo foi desenvolvido em duas etapas, cujos objetivos foram: (1) caracterizar o ciclo fenologico de M. urundeuva e relaciona-lo com pulsos de precipitacoes pluviais; (2) comparar a densidade e a composicao floristica do banco de sementes acumuladas da estacao seca e chuvosa em duas areas com ocorrencia de M. urundeuva na Caatinga paraibana. Para a fenologia, um total de setenta e cinco plantas adultas foram monitoradas quinzenalmente, em areas localizadas nos municipios de Sao Joao do Cariri e Boa Vista, PB, pro periodo entre outubro de 2015 a dezembro de 2016. Para a quantificacao dos eventos fenologicos, foram utilizados o indice de atividade (percentual de plantas em determinada fase) e o indice de intensidade de Fournier, onde se registrou a presenca ou ausencia de fenofases brotamento, floracao, frutificacao e senescencia; sendo os dados relacionados com a precipitacao pluviometrica e correlacionados pelo coeficiente de Spearman. Para avaliacao do banco de sementes, foram coletadas amostras de solo em duas areas pertencentes aos mesmos municipios paraibanos do estudo anterior (fenologia), levando-se em consideracao duas estacoes climaticas: seca e chuvosa. Para isso, o solo foi coletado nas distancias de 1 e 10 m da base caulinar de cinco matrizes de M. urundeuva nas direcoes Norte, Sul, Leste e Oeste, totalizando 8 amostras de solo por planta, as quais foram acondicionadas em bandejas (22 x 15 x 5 cm), identificadas e revestidas em sacos plasticos para evitar contaminacao externa; sendo tambem realizadas determinacoes quimicas e fisicas do solo. Com base nos resultados, todos os eventos fenologicos estudados sofrem forte influencia da pluviosidade, com maior correlacao na fenofase de brotamento e maior sincronismo entre os individuos e observado durante a fase de senescencia; o banco de sementes do solo apresenta vegetacao predominantemente composta por especies herbaceas, maior densidade floristica ocorre na estacao seca e nao ha emergencia de plantulas da especie M. urundeuva independentemente da distancia fisica de coleta e sentidos cardeais.
  • ALIAN CASSIO PEREIRA CAVALCANTE
  • CRESCIMENTO, FISIOLOGIA, NUTRIÇÃO E PRODUÇÃO DE GOIABEIRA 'PALUMA' ADUBADA COM POTÁSSIO E CÁLCIO
  • Data: 17/02/2017
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • A goiabeira 'Paluma' é uma frutífera perene com elevado potencial econômico e para manter a alta produtividade, torna-se necessário a avaliação continua da fertilidade do solo, nutrição e conhecimento fisiológico da planta. Objetivou-se com esse experimento avaliar os efeitos da presença e ausência de cálcio e doses de potássio no crescimento, fisiologia, fertilidade do solo, estado nutricional das plantas e produção da goiabeira 'Paluma'. O experimento foi desenvolvido de agosto de 2015 a maio de 2016, em pomar instalado em julho de 2014, com idade 13 meses. O delineamento experimental foi em blocos casualizados com arranjo fatorial 2 × 5, relativo ao solo com e sem 120 g planta-1 ano-1 de cálcio oriundo de nitrato de cálcio e cinco doses de K2O de 0, 45, 90, 135 e 180 g planta-1ano-1 na forma de cloreto de potássio. As variáveis analisadas foram crescimento, fisiologia, fertilidade do solo, composição mineral e produção em plantas de goiabeira. Os resultados foram submetidos à análise de variância pelo teste “F” e as doses de potássio foram submetidas à análise de regressão, usando software SAS© versão 9.3. O aumento nas doses de potássio aumentou o diâmetro caulinar e a área da copa da goiabeira 'Paluma', ao longo do tempo, no solo sem e com cálcio. As plantas de goiabeira adubadas apenas com potássio sem adição de cálcio no solo apresentaram maior taxa fotossintética, eficiência no uso da água e eficiência instantânea de carboxilação. A adição de cálcio e potássio no solo estimulou maiores índices de clorofila a, b, total, fluorescência variável, fluorescência máxima, eficiência quântica, condutância estomática, taxa transpiratória e concentração interna de carbono na goiabeira. O solo dos tratamentos com potássio sem cálcio estava potencialmente mais fértil, exceto no teor de matéria orgânica. A adubação potássica com cálcio incrementou a absorção de nutrientes. A adição de cálcio diminuiu a produção da cultura, exceto na massa média de frutos, na dose máxima estimada de 150g planta-1 ano-1 de K2O.
  • GILMAR DA SILVA NUNES
  • Aspectos biológicos, predação e resposta funcional de Euborellia annulipes (Lucas) (Dermaptera: Anisolabididae) tendo Plutella xylostella (L.) (Lepidoptera: Plutellidae) como presa
  • Data: 17/02/2017
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • Este trabalho teve por objetivo caracterizar aspectos da biologia e avaliar o comportamento da predacao e a resposta funcional de Euborellia annulipes consumindo lagartas e pupas de Plutella xylostella. Alem disso, buscou-se comparar a eficiencia de dois metodos estatisticos (Bootstrap e Marquadt) para estimativa dos parametros da resposta funcional, taxa de ataque (a) e manipulacao (Th). Os experimentos foram conduzidos em condicoes de laboratorio. Foram avaliados, inicialmente, o desenvolvimento ninfal, o peso do predador, a fecundidade, a fertilidade, a longevidade e a probabilidade de sobrevivencia de machos e femeas de E. annulipes alimentada com lagartas de P. xylostella em primeiro + segundo, terceiro e quarto instares, e pupas de ate um dia, com dois e tres dias de idade. O comportamento predatorio de E. annulipes tendo lagartas e pupas de P. xylostella como presa e o numero de insetos consumidos por dia, em funcao da fase da presa e da idade das fases do predador (2, 4, 6, 8 e 10 dias), tambem foram registrados. A preferencia pela fase da presa, o ganho de peso e a resposta funcional do predador, a e Th, em funcao das densidades da presa (30, 40, 50, 60 e 70 lagartas; 5, 10, 15, 20 e 25 pupas) foram analisados. Ninfas de E. annulipes apresentaram menor periodo de desenvolvimento quando se alimentaram com lagartas de P. xylostella de quarto instar, o peso das ninfas e dos adultos foi maior quando a tesourinha consumiu pupas de tres dias de idade, a longevidade e probabilidade de sobrevivencia da fase adulta nao foram influenciadas pelo alimento consumido e a fertilidade da tesourinha so foi observada na alimentacao com pupas. As movimentacoes das lagartas incitam a predacao e pupas de P. xylostella sao menos consumidas por ninfas, a partir do terceiro instar, e femeas de E. annulipes. No segundo, terceiro e quinto instares o consumo de lagartas apresentou respostas quadraticas e as femeas consomem a presa de forma linear. Pupas sao consumidas de forma constante dos dois aos 10 dias de idade por ninfas no segundo e quinto instar e por femeas, mas sao menos consumidas em relacao a lagartas pelo predador a partir do seu terceiro instar. Ha maior preferencia de E. annulipes por lagartas de P. xylostella em relacao a pupas. A resposta funcional da tesourinha e do tipo II em cada fase da presa e o metodo Bootstrap tem eficiencia mais precisa para predicao dos parametros de taxa de ataque e tempo de manipulacao de E. annulipes em P. xylostella.
  • SAMUEL INOCENCIO ALVES DA SILVA
  • Trocas gasosas e componentes de produção em genótipos de feijão-fava
  • Data: 17/02/2017
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • -
  • MARIO LENO MARTINS VERAS
  • Aplicação de ethephon e zinco nas plantas matrizes e enraizamento de estacas de Spondias
  • Data: 13/02/2017
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • A estaquia é um dos métodos mais utilizados na propagação vegetativa de Spondias; contudo, não se tem um protocolo adequado para obtenção de mudas em escala comercial, o que propiciaria o aumento das áreas de plantio, sendo este o primeiro passo para a domesticação das espécies. Neste sentido, objetivou-se avaliar o efeito do ethephon e zinco aplicados nas plantas matrizes, e do tratamento das estacas com ácido indolbutírico (AIB) sobre o enraizamento de umbu-cajazeira (Spondias sp.), umbuzeiro (Spondias tuberosa Arr. Cam.) e cajazeira (Spondias mombin L.). Foram realizados seis experimentos com umbu-cajazeira, umbuzeiro e cajazeira, dois de cada no delineamento inteiramente casualizado, com nove tratamentos e quatro repetições, com níveis pré-determinados pela matriz ―Composto Central de Box‖, de forma isolada, as doses de Ethephon: (0; 14,5; 50; 85,5 e 100 mg.L-1) e zinco (0; 5,8; 20; 34,2 e 40 mg.L-1) e após sete dias foram aplicadas às estacas, as doses de ácido indolbutírico (AIB) (0; 872,35; 5127,65; 3000 e 6000 mg.L-1). Cada unidade experimental foi constituída por 12 estacas. Os experimentos de umbu-cajazeira foram avaliados aos 90 dias após plantio das estacas, os de umbuzeiro aos 120 dias e os de cajazeira aos 150 dias, para isso foram avaliados: o percentual de estacas brotadas, o comprimento das brotações, o diâmetro das brotações, o percentual de estacas enraizadas, o percentual de estacas vivas com e sem calo, o percentual de estacas mortas, o número de raízes por estaca, o comprimento da raiz, a massa seca das raízes, folha e a massa seca total. Os dados foram submetidos a análise de variância (p≤0,05). As variáveis com efeito da interação significativa foram ajustadas a superfície de resposta e caso contrário à análise de regressão polinomial por meio do software estatístico SAS®. Em plantas matrizes de umbu-cajazeira a aplicação de ethephon incrementou o número de estacas brotadas, número de brotações por estaca, comprimento e diâmetro de brotações de estacas, estacas mortas e número de raízes por estaca; o tratamento de planta matriz com zinco não influencia no enraizamento de estacas de umbu-cajazeira; a dose de AIB (6000 mg.L-1) de AIB proporcionou os maiores benefícios ao enraizamento adventício (43,75%) desta espécie; o maior percentual de enraizamento (47,20%) de estacas de umbuzeiro é obtido com tratamento na planta matriz com 100 mg L-1 de ethephon e utilização de AIB na concentração de 6000 mg L-1; a produção de massa seca de estacas de umbuzeiro não é influenciado pelo tratamento de planta matriz com ethephon; doses de AIB aumentam a produção de massa seca da folha e total de estacas de umbuzeiro. o tratamento de plantas matrizes com zinco não afetou as brotações, o enraizamento e a produção de massa seca de estacas de umbuzeiro; a concentração de 6000 mg.L-1 de AIB proporciona os maiores percentuais de enraizamento adventício desta espécie, apresentando um percentual de 56,25% de estacas enraizadas; o enraizamento de estacas de cajazeira não é influenciado pela interação entre ethephon x AIB; a aplicação de ethephon em plantas matrizes e doses de ácido indolbutirico não afetaram o enraizamento de cajazeira; a aplicação de zinco em plantas matrizes de cajazeira não apresenta efeito significativo sobre o enraizamento de estacas; o ácido indolbutírico aumentou as brotações, estacas vivas com calo, estacas mortas e massa seca de estacas de cajazeira, no entanto, sem influência no enraizamento.
  • FRANCISCO THIAGO COÊLHO BEZERRA
  • Atributos químicos do solo, fisiologia, nutrição e produção de melancieiras sob efeitos da salinidade hidrica, cobertura morta e adubação potássica
  • Data: 02/02/2017
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • A baixa e irregular precipitacao pluviometrica em regioes aridas e semiaridas, associada frequentemente a restricao do uso da agua devido ao excesso de sais e um dos maiores limitadores para o desenvolvimento da agricultura nessas regioes. Dessa forma, a pesquisa foi desenvolvida com o objetivo de avaliar alteracoes em atributos quimicos do Neossolo Regolitico, na fisiologia, nutricao e producao de plantas e na qualidade de melancia cv. Crimson Sweet irrigada com agua salina, cobertura do solo e doses de potassio em cultivos de primavera e verao. Os tratamentos foram organizados em parcela subdividida, sendo a parcela principal constituida pela condutividade eletrica da agua de irrigacao (0,3 dS m-1 e 3,0 dS m-1), e as subparcelas das combinacoes entre niveis de cobertura do solo (sem e com) e doses de potassio (0, 40, 80 e 120 kg ha-1 de K2O), obedecendo o respectivo esquema 2 x 2 x 4. Foi utilizado o delineamento de blocos casualizados. Os atributos quimicos do Neossolo Regolitico foram determinados na camada de 0-20 cm de profundidade, baseando-se em variaveis da fertilidade e da salinidade. As avaliacoes fisiologicas consistiram na determinacao dos indices foliares de clorofila, fluorescencia da clorofila a e trocas gasosas. A avaliacao do estado nutricional das plantas constou dos teores foliares de macronutrientes, micronutrientes, sodio e do indice de balanco nutricional. No momento da colheita foram determinados componentes de producao, produtividade e a qualidade dos frutos. Os dados foram analisados, quanto as epocas de cultivo, de forma conjunta quando as variancias residuais foram homogeneas pelo teste Fmax de Hartley. Os dados foram submetidos as analises de variancia (ANOVA), correlacao de Pearson (ρ) e componentes principais (ACP). Tambem foi elaborado Heatmap com intuito de sintetizar as informacoes. As condicoes ambientais na primavera foram mais estressantes as plantas, evidenciadas pela menor eficiencia quantica do fotossistema II, maior fluorescencia inicial e maxima da clorofila a, maior indice de clorofila b, maior desequilibrio nutricional e menor producao. O uso de irrigacao em Neossolo Regolitico cultivado com melancieira elevou a condutividade eletrica do extrato de saturacao, devendo ser utilizada com moderacao em epocas de maior demanda hidrica como na primavera. O aumento da salinidade aumentou os teores foliares de nitrogenio, manganes, sodio e diminuiu o teor foliar de ferro, a condutancia estomatica, a transpiracao das plantas, o tamanho e a docura dos frutos, mas sem afetar a produtividade. O uso de cobertura morta do solo nao e adequado em areas irrigadas com agua de 3,0 dS m-1 quando a necessidade de irrigacao e elevada, como na primavera, quando aumentou o teor de sodio. Mas, no geral, o uso de cobertura morta e indicado no cultivo de melancieira, uma vez que aumentou o numero de frutos e a producao por planta. A adubacao com cloreto de potassio pode ser utilizado eficientemente para elevar os teores de potassio trocavel e soluvel do solo. Sendo que a aplicacao de cloreto de potassio nao e recomendada em Neossolo Regolitico com teor medio de potassio, pois nas condicoes em que o trabalho foi desenvolvido observou-se reducao no numero de frutos por planta, na produtividade e no sabor doce (relacao entre solidos soluveis e acidez titulavel) dos frutos de melancia.
  • ELICA SANTOS CARVALHO RIOS
  • Desenvolvimento, produtividade e qualidade de infrutescência do abacaxizeiro ‘Imperial’ em função da adubação com N e K”
  • Data: 01/02/2017
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • A cv. Imperial apresenta resistência a fusariose e possui grande potencial comercial, por causa de características como sabor, aroma e cor dos frutos. No entanto, em virtude da necessidade de diversificação dos sistemas de cultivo e da escassez de informações sobre a cv. Imperial, é preciso avaliar o efeito da adubação e nutrição mineral do abacaxizeiro sobre a produção e qualidade dos frutos da cv. Imperial. Neste sentido, esta pesquisa foi dividida em três capítulos. O primeiro capítulo objetivou-se avaliar o efeito da adubação com N e K no abacaxizeiro „Imperial‟, sobre o crescimento e nutrição mineral da folha D. No segundo, objetivou-se avaliar o crescimento vegetativo do abacaxizeiro cv. Imperial adubado com doses de N e K. E o terceiro, teve como objetivo avaliar a produtividade e as características físico-químicas das infrutescências de abacaxizeiro cv. Imperial, submetidos à adubação com N e K. O experimento foi instalado seguindo o delineamento experimental em blocos casualizados, com 10 tratamentos e três repetições. Os tratamentos foram dispostos conforme a matriz Plan Plueba III, que consiste da combinação de cinco doses de N (15; 90; 150; 210 e 285 kg ha-1) na forma de ureia e cinco doses de K (21,6; 129,6; 216,0; 302,4 e 410,4 kg ha-1) na forma de KCl. No primeiro capítulo verificou-se que a elevação das doses de N aumentou linearmente a largura mediana da folha D, índice SPAD e teor foliar de N. A aplicação de K2O incrementou o comprimento da folha D, a largura basal, massa fresca e seca e, teor foliar de K2O. A relação de doses de nitrogênio e dias após o plantio apresentaram efeitos lineares e positivos em relação ao comprimento da folha D, largura basal e massa fresca e seca da folha D. No segundo capítulo observou que a aplicação das maiores doses de N (285 kg ha-1) e K2O (410 Kg ha-1) favoreceu o crescimento vegetativo da cv. Imperial, a produção de massa fresca total da planta variou entre 765,8 e 1.059,9 g planta-1 com aplicação de 15 e 285 kg ha-1 de N, e variou entre 765 e 1.066,7 g planta-1 com 22 e 410 kg ha-1 de K2O, respectivamente. A adubação nitrogenada causou incremento de 24,95% na produção de massa seca total em relação à adubação de 15 e 285 kg ha-1, respectivamente, aos 375 dias após o plantio. No terceiro capítulo os resultados demostram que a elevação das doses de K2O aumentou linearmente a massa do fruto com coroa, produtividade, comprimento e diâmetro do fruto e o teor de sólidos solúveis. O rendimento da coroa diminuiu com as doses crescentes de N e K2O. As doses de N aumentaram o rendimento da polpa, o índice de coloração a* e b* da casca e SS/AT. As doses crescentes de N e K2O promovem efeito positivo nas características físico-químicas dos frutos do abacaxizeiro „Imperial‟. Entretanto, as doses utilizadas não foram suficientes para obtenção do máximo potencial produtivo. A maior dose de K2O produziu frutos com massa de 632,34 g e produtividade de 26,36 t ha-1.
2016
Descrição
  • LEANDRO FIRMINO FERNANDES
  • Crescimento, produtividade e trocas gasosas do meloeiro Cantaloupe sob doses de nitrogênio e potássio.
  • Data: 16/12/2016
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • A adubação nitrogenada e potássica, constitui-se como principal técnica de manejo no cultivo do meloeiro (Cucumis melo L.), com reflexos diretos na produção e qualidade dos frutos. Diante do exposto, objetivou-se avaliar o crescimento e as trocas gasosas em plantas de melão tipo cantaloupe cv. Hy-Mark, sob diferentes doses de N e K, cultivados a pleno sol. O experimento foi conduzido no período de agosto a novembro de 2015, no município de Areia-PB, em delineamento experimental de blocos ao acaso, com quatro repetições. Os tratamentos foram constituídos pela combinação de cinco doses de N e cinco doses de K, distribuídos através de matriz Pan Puebla III, formando 10 tratamentos e uma testemunha (sem adubação). As doses de N foram 0; 12; 72; 120; 168 e 228 kg ha-1 e as de potássio corresponderam a 0; 18; 108; 180; 252 e 342 kg ha-1, assim, os tratamentos foram definidos pelas seguintes combinações de N e K, respectivamente: T1 (0;0), T2 (12;18), T3 (12;108), T4 (72;18), T5 (72;108), T6 (72;252), T7 (120;180), T8 (168;108), T9 (168;252), T10 (168;342) e T11 (228;252). Nas análises de crescimento foram avaliadas a fitomassa seca de raiz (FSR), ramos (FSRA) e folhas (FSF), relação parte aérea/raiz (PA/R), razão peso de folha (RPF), razão de área foliar (RAF), área foliar total (AFT), teores foliares de N e K e produtividade. Na análise de trocas gasosas, determinou-se a taxa de assimilação de CO2 (A), transpiração foliar (E), condutância estomática (gs) e concentração interna de CO2 (Ci). De posse desses dados, determinou-se a eficiência no uso da água (EUA) e eficiência instantânea de carboxilação (ECi). Avaliou-se também o extravasamento de eletrólitos. A melhor dose de nitrogênio e potássio para o crescimento do meloeiro cantaloupe cv. Hy-Mark, em campo, situa-se entre 155 a 183 kg ha-1 de N e 235 a 270 kg ha-1 de K. A adubação nitrogenada tem maior influência na produtividade em detrimento à adubação potássica. A melhor dose de N para obtenção da máxima produtividade deve ser de 227 kg ha-1 de N. As trocas gasosas em meloeiro cantaloupe cv. Hy-Mark não sofreram efeito das doses de N e K estudadas. As menores doses de N e K promovem maiores índices de gs, E, Ci e A, ao passo que doses maiores promovem maiores índices de EUA e ECi. O extravasamento de eletrólitos não é potencializado por elevadas doses de N e K. A relação inversa entre gs, E e Ci com EUA, caracteriza situação de estresse hídrico.
  • FRANCISCO DE ASSYS ROMERO DA MOTA SOUSA
  • Qualidade e conservação pós-colheira de melão ‘HY MAKE´sob diferentes fontes de nitrogênio e adubação potássica
  • Data: 30/11/2016
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • -
  • YKESAKY TERSON DANTAS FERNANDES
  • Desempenho fitotécnico do quiabeiro em função de fontes e parcelamento de nitrogênio
  • Data: 30/11/2016
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • -
  • ANGELA MARIA DOS SANTOS PESSOA
  • DIVERGÊNCIA GENÉTICA E ANÁLISE DIALÉLICA EM PIMENTEIRAS ORNAMENTAIS (Capsicum annuum L.)
  • Data: 24/11/2016
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • O gênero Capsicum, pertencente à família Solanaceae, que compreende espécies de pimentas e pimentões. Dentre essas, as principais espécies cultivadas são C. annuum L., C. frutescens L., C. chinense Jacq., C. baccatum L. e C. pubescens Ruiz e Pavon. As pimentas desse gênero são cultivadas em várias partes do mundo, sendo a C. annuum, a mais utilizada. Esta espécie apresenta diversidade para características de porte, flor e frutos, o que lhe confere diferentes potencialidades de uso, voltadas para o consumo in natura, industrialização e para uso ornamental. A grande variabilidade observada concede à espécie potencial para uso no melhoramento genético. Assim, a caracterização morfoagronômica fornece uma série de informações a respeito da variabilidade genética, que pode ser identificada por meio de metodologias genético-estatísticas. O conhecimento da diversidade entre os indivíduos possibilita o arranjo de genótipos em grupos, que quando entrecruzados, podem obter maiores resultados de heterose. Os genótipos podem ser entrecruzados e avaliados por meio da metodologia da análise dialélica, sendo as de Griffing (1956), Gardner e Eberhart (1966) e Hayman (1954), as mais utilizadas. Dessa forma, objetivou-se avaliar a diversidade genética entre acessos de pimenteiras (C. annuum L.), e realizar cruzamentos dialélicos entre os acessos divergentes para determinar os cruzamentos promissores para fins ornamentais. O experimento foi desenvolvido em casa de vegetação no setor de Biotecnologia Vegetal do Centro de Ciências Agrárias da Universidade Federal da Paraíba (CCA-UFPB). Foram utilizados 16 acessos de pimenteiras (C. annuum L.) para caracterização morfoagronômica com base em 28 caracteres quantitativos, referentes à plântula, planta, flor e frutos. O delineamento utilizado foi o inteiramente casualizado com 16 tratamentos com oito repetições. Os dados foram submetidos à análise de variância, teste de médias Scott-Knott e estimados a herdabilidade. A divergência genética foi analisada pelo método de Tocher, com base na distância generalizada de Mahalanobis e análise de variáveis canônicas com dispersão gráfica dos acessos. A importância relativa das variáveis foi determinada pelo método descrito por Singh (1981) e por variáveis canônicas. Para a análise dialélica, foram utilizados 49 tratamentos (7 acessos e 42 híbridos) com oito repetições de pimenteira ornamental. A análise dialélica foi realizada para estimar a Capacidade Geral de Combinação (CGC) e Capacidade Especifica de Combinação (CEC), conforme o método de Griffing (1956). Para determinar a heterose e seus componentes, foi empregada a metodologia de Gardner e Eberhart (1966) e para estudar da herança das características morfoagronômicas, utilizou-se a metodologia de Hayman (1954). Verificou-se a existência de divergência fenotípica entre os acessos de C. annuum L., podendo ser utilizados em programas de melhoramento genético de pimenteiras ornamentais. Os acessos UFPB001, UFPB004, UFPB45, UFPB77.3, UFPB099, UFPB134, , UFPB390 e Calypso foram selecionados. Os resultados evidenciaram que houve predominância dos efeitos não aditivos para as características de plântula e para as características de planta, flor e frutos, houve influência dos efeitos aditivos e não aditivos, com superioridade para os efeitos aditivos. Os híbridos UFPB001xUFPB134, UFPB001xUFPB099, UFPB004xUFPB001, UFPB390xUFPB77.3 e UFPB77.3xUFPB099 podem ser utilizados para dar continuidade ao programa de melhoramento. Existe diversidade entre os acessos estudados, com efeitos significativos de heterose e seus componentes. Há possibilidades de ganhos genéticos, via programas de melhoramento, referentes às características planta, flor e frutos em pimenteiras ornamentais, e os acessos UFPB001 e UFPB134 apresentaram a maior concentração de alelos favoráveis para caracteres de porte, os xx UFPB001, UFPB004 e UFPB099 para caracteres de flores e os UFPB390 e UFPB77.3 para caracteres de frutos.
  • ANNE KATHERINE DE HOLANDA BEZERRA ROSADO
  • Crescimento e produção de batata-doce em função de doses de nitrogênio, espaçamentos e número de ramas por cova
  • Data: 11/10/2016
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • -
  • ALINNE MENEZES SOARES
  • Crescimento e rendimento da berinjela sob fontes e doses de nitrogênio
  • Data: 21/07/2016
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • -
  • SUELI DA SILVA SANTOS MOURA
  • Morfologia e produção de mudas de Dimorphandra gardneriana Tul.
  • Data: 19/07/2016
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • -
  • DANIELA VIEIRA DOS ANJOS SENA
  • Maturação de frutos e sementes de Sideroxylon obtusifolium (Roem. & Schult.) T.D.Penn. em diferentes safras
  • Data: 18/07/2016
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • -
  • JANAILSON PEREIRA DE FIGUEREDO
  • Rendimento da cebola em função de doses e parcelamento de nitrogênio
  • Data: 08/07/2016
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • -
  • ADERDILÂNIA IANE BARBOSA DE AZEVEDO
  • Fenologia, qualidade de diósporos de Myracrodruon erundeuva e banco de sementes em áreas de caatinga
  • Data: 29/06/2016
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • Myracrodruon urundeuva em decorrência de seus múltiplos usos é alvo de processos de exploração intensos, de forma predatória, causando a diminuição de suas populações naturais. Em virtude de sua importância para conservação da paisagem natural da caatinga e da utilização de espécies nativas para os programas de reflorestamento e manejo sustentável, a presente pesquisa foi realizada em três etapas, objetivando-se: (i) caracterizar as fenofases de M. urundeuva, e sua relação com a distribuição temporal dos pulsos de precipitação pluvial em áreas do Cariri paraibano; (ii) analisar a qualidade fisiológica de diásporos de matrizes de M. urundeuva em diferentes áreas do Cariri paraibano e (iii) avaliar o banco de sementes em duas áreas de ocorrência de M. urundeuva no Cariri paraibano. Para fenologia, 78 matrizes de M. urundeuva foram selecionadas numa área localizada em São João do Cariri e duas em Boa Vista, PB, e avaliadas pelo método do percentual de intensidade de Fournier e índice de atividade. Nas mesmas áreas, diásporos de diferentes matrizes foram coletados e transportados para o Laboratório de Análise de Sementes, CCA, UFPB, para análise do potencial fisiológico. Além disso, amostras de solo de duas áreas em cada município foram coletadas a 1,0 e 10,0 m da base caulinar de matrizes de aroeira nas direções Norte, Sul, Leste e Oeste. Pelos resultados obtidos constatou-se que as fenofases de brotamento, senescência, floração e frutificação em M. urundeuva se dão em sincronia com a distribuição temporal de precipitação pluvial nas áreas de sua ocorrência. A intensidade e duração das fenofases do desenvolvimento de M. urundeuva dependem da amplitude e frequência dos pulsos de precipitação ao longo da estação chuvosa. A distribuição dos eventos fenológicos desta espécie é sazonal durante o ciclo de vida, sendo mais uniforme para a senescência. E a senescência total das folhas em M. urundeuva acontece quando os interpulsos de precipitação pluvial se intensificam à medida que avança a estação seca, caracterizando a caducifolia. A variação da qualidade fisiológica de diásporos de M. urundeuva é dependente dos fatores ambientais e varia em relação a matrizes, áreas e anos de coleta. É necessário mais de uma área para coleta de diásporos de matrizes de M. urundeuva, sendo as matrizes dos grupos 1 e 2, formados na análise de componentes principais, promissoras por conter representantes das três áreas e produzirem diásporos com elevado potencial fisiológico. Nas áreas estudadas o banco de sementes possui composição florística semelhante com predominância de espécies herbáceas.
  • JAKELLYNE FELIPE DA SILVA
  • Influência de dietas e temperaturas na biologia de Diatraea saccharalis Fabricius 1794 e Diatraea flavipennella Bot 1931
  • Data: 22/06/2016
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • -
  • AZENATE CAMPOS GOMES
  • Relações climáticas com a regeneração natural e macroartrópodes edáficos em clareiras na caatinga
  • Data: 31/05/2016
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • Estudos em áreas de clareiras configuram-se como essenciais na compreensão dos mecanismos que embasam os processos evolutivos desses ambientes. Na Caatinga o aumento dessas áreas vem ocorrendo de forma acelerada, entretanto não existe estudos nesses microambientes neste Bioma. Portanto objetivou-se com este trabalho estudar clareiras em área de Caatinga no Semiárido da Paraíba, buscando-se (I) realizar a caracterização de borda e edaficoclimatológica, (II) estudar a dinâmica do estrato regenerante e suas relações com o clima e (III) analisar as relações climáticas com a diversidade e distribuição de macroartrópodes edáficos, como subsídio a elaboração de estratégias de conservação e recuperação de áreas degradadas. O trabalho foi desenvolvido na Área experimental reservada para estudos de ecologia e dinâmica da caatinga do LAEB/CDSA/UFCG (7°39’38.8’’ S e 36°53’42.4’’ W, com 538 m de altitude). Foram selecionadas clareiras com áreas superiores a 5m2, as quais foram isoladas, e monitoradas nos anos 2013 e 2015. Considerou-se como indivíduos de borda os arbustos e árvores vivos com DNS (Diâmetro ao nível do solo) maior ou igual a 0,03 m e altura >1,0 m. Foi coletada uma amostra composta de solo em todas as clareiras, para análise física e química. Para realização das análises climáticas foram coletados os dados agrometeorológicos da área. Para o estudo da dinâmica do estrato regenerante foram distribuídas no centro das 24 clareiras uma parcela de 1,0 X 1,0 m, registrando-se todos os indivíduos jovens com altura <1,00 m e DNS < 0,03 m. Os registros dos indivíduos ocorreram mensalmente no período de janeiro de 2015 a janeiro de 2016. Foram calculados os parâmetros de estrutura fitossociológica, os quais foram correlacionados com os parâmetros climáticos. O levantamento dos Macroartrópodes edáficos também foi realizado no período de janeiro de 2015 a janeiro de 2016, onde foram distribuídas bimestralmente no centro de cada Clareira armadilhas do tipo Provid. Os parâmetros avaliados foram riqueza, abundância, os índices de diversidade e Uniformidade, os quais foram correlacionados com os dados climáticos. Foram identificadas 24 clareiras de origem antrópica. Os maiores valores de densidade do solo estiveram presentes nas clareiras 10, 4, 12, 8, 18, 5, 3, as quais também estiveram entre as que apresentaram os menores índices de matéria orgânica. Entre o ano de 2013 e 2015, 62% das clareiras tiveram um aumento na sua área em função da mortalidade de indivíduos de Croton blanchetianus Baill e 38% tiveram sua área reduzida em função da colonização de jovens ingressantes, principalmente de Jatropha mollissima (Pohl) Baill. A composição florística compreendeu a seis espécies distribuídas em seis gêneros e quatro famílias, Sendo Fabaceae e Euphorbiaceae as mais representativas. Relacionado ao estrato regenerante as clareiras estudadas ficaram representadas no período avaliado por 9.991 indivíduos, distribuídos em 46 espécies, 37 gêneros e 18 famílias, sendo Fabaceae, Euphorbiaceae, Poaceae e Malvaceae as mais representativas. Relacionado ao valor de importância, cobertura e frequência relativa mensal Aristida adscensionis L. obteve os maiores valores devido a sua elevada densidade durante todo o período avaliado. Os valores de diversidade e equabilidade variaram de 0,074 nats/ind. a 2,38 nats/ind. e 0,03 a 0,76 respectivamente. A maior diversidade ocorreu no mês de janeiro que coincidiu com período mais chuvoso e de maior umidade do solo, entretanto, não ocorreu neste período uma distribuição uniforme das espécies, de forma que o índice de equablidade foi de 0,65, valor inferior ao encontrado em maio tido como o mais elevado (0,76). Dentre os parâmetros climáticos avaliados as chuvas e a umidade do solo mostram-se como forte reguladores na densidade e diversidade das espécies inventariadas. Os pulsos de chuvas mais elevados 11 mostraram possuir diferentes impactos na dinâmica da vegetação quando comparado a pulsos moderados e mais contantes, sendo este útimo responsável pela maior elevação no número de espécies e indivíduos. A riqueza dos macroartrópodes edáficos da área estudada, encontrou-se distribuída em três classes e 22 ordens, dentre as quais, Solifugae foi registrada pela primeira vez na Paraíba. Hymenoptera representou 98,93% da área estudada. A correlação dos parâmetros climáticos com a abundância das ordens, evidenciaram que apenas esta ordem possuiu correlação positiva com a temperatura do solo (0,85). Hymenoptera, Araneae, Coleoptera detiveram as maiores frequências relativa com 13,26% por ocorrer em todas as clareiras seguido por Pseudoescorpionida com 12,15%. O aumento das chuvas e da umidade do solo condicionou maior diversidade e equabilidade. Portanto, os macroartrópodes presentes em clareiras de Caatinga atuam como bio-indicadores e são fortemente relacionados aos fatores climáticos.
  • PAULO COSTA ARAUJO
  • Maturação fisiológica de sementes de Luffa operculata L.
  • Data: 30/05/2016
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • -
  • NATALIA VITAL DA SILVA
  • PRODUÇÃO E QUALIDADE DA BATATA-DOCE EM FUNÇÃO DE BIOFERTILIZANTE E FONTES DE NITROGÊNIO
  • Data: 17/05/2016
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • Estudos que visem o aumento do rendimento e qualidade de raízes da batata-doce, podem se constituir em importantes ferramentas para melhorar a condição sócio-econômica da região Nordeste, pelo fato de ser uma das hortaliças de grande importância nessa região. Com o objetivo de avaliar o efeito de concentrações de biofertilizante e fontes de nitrogênio sobre a produção e qualidade de batata-doce, cultivar Campina, instalou-se um experimento no Centro de Ciências Agrárias na Universidade Federal da Paraíba, Areia-PB, em delineamento experimental em blocos casualizados no esquema fatorial 5 x 2, sendo cinco concentrações de biofertilizante (0, 10, 20, 30 e 40%) e duas fontes de nitrogênio (sulfato de amônio e ureia), com quatro repetições. Foram avaliados o comprimento e diâmetro, massa média, produtividades total e comercial, produção e número de raízes comercial por planta-1, massa verde da parte aérea planta-1, massa seca da parte aérea planta-1, teor de matéria orgânica do solo e teores foliares de N, P e K, teores de glicose, amido e cinzas, teores de antocianina, proteina e umidade. Pelos resultados constatou-se que o biofertilizante influenciou de forma positiva todas as características avaliadas na batata-doce, mas houve diferença em relação às fontes de nitrogênio. O comprimento, massa média, produção e número de raízes planta-1 e teor de cinzas nas raízes foram maiores com uso de sulfato de amônio. O diâmetro e as produtividades total e comercial de raízes atingiram o máximo nas fontes sulfato de amônio e ureia. A massa verde e seca foliar planta-1 aumentaram com os períodos de avaliação e com uso de nitrogênio nas duas fontes. O teor de matéria orgânica no solo após a colheita foi maior quando se aplicou ureia. Os teores foliares de N, P e K foram adequados para a batata-doce, independente das fontes de nitrogênio. Os teores de amido, proteína, antocianinas e umidade foram adequados independentes das fontes de nitrogênio. A produção e a qualidade aumentaram com o uso de biofertilizante entre 20-22%, o sulfato de amônio é a fonte de nitrogênio recomendada; o biofertilizante e o nitrogênio elevaram o teor de matéria orgânica no solo e os teores foliares de N, P e K aumentaram em função dos tratamentos.
  • JÚLIO CÉSAR GUIMARÃES ALVES
  • FLUTUAÇÃO POPULACIONAL E ANÁLISE FAUNÍSTICA DE MOSCAS-DAS-FRUTAS (Diptera: Tephritidae) EM UM POMAR COMERCIAL DE Psidium guajava L. – NOVA FLORESTA/PB
  • Data: 29/04/2016
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • A problemática com as moscas-das-frutas em pomares frutícolas é o maior entrave para a produção e exportação de frutos no mundo. No Brasil não é diferente pelo fato do país ser o terceiro maior produtor de frutas frescas do mundo atrás apenas da China e Índia. Diante do exposto, o presente trabalho teve como objetivo caracterizar as populações de moscas-das-frutas por meio de índices faunísticos e analisar a flutuação populacional no período de 12 meses em um pomar comercial de goiaba no município de Nova Floresta – PB na microrregião do Curimataú paraibano, e avaliando ainda a eficácia de três atrativos alimentares disponíveis no mercado. No Capítulo I a pesquisa teve como objetivo caracterizar as espécies de moscas-das-frutas da família Tephritidae de ocorrência no município de Nova Floresta – PB no Curimataú paraibano, bem como analisar a flutuação populacional das mesmas, no período de agosto de 2014 a julho de 2015 com a utilização de armadilhas do tipo garrafa PET. A coleta dos frutos e obtenção dos insetos adultos foi realizada a cada 15 dias, coletando-se preferencialmente frutos maduros ou em início de maturação, diferenciando os frutos colhidos do solo e das plantas. Durante o período de amostragem, foi capturado um total de 462 espécimes de moscas-das-frutas, dos quais 80,09% pertenciam ao gênero Anastrepha e 19,01% ao gênero Ceratitis. Um total de sete espécies de moscas-das-frutas foram capturadas em frutos e armadilhas no pomar, destas, seis espécies pertencem ao gênero Anastrepha (A. fraterculus, A. obliqua, A. dissimilis, A. hadropickeli, A. sororcula, A. zenildae) e uma ao genêro Ceratitis (C. capitata). Foi registrada uma nova espécie no Estado da Paraíba, a A. hadropickeli. No Capítulo II, o estudo teve como objetivo avaliar a eficiência de atrativos alimentares na captura de moscas-das-frutas, na cultura da goiabeira, com vistas a estabelecer um programa adequado desta praga no município de Nova Floresta – PB. O monitoramento dos insetos adultos de moscas-das-frutas foi realizado com auxílio de armadilhas plásticas do tipo garrafa PET contento 330 mL de proteína hidrolisada de milho diluída a 5%, 440 mL de melaço de cana-de-açúcar, diluído a 10% e 520 mL de suco de frutas a 30%. A obtenção dos adultos foi realizada a cada 15 dias, ocasião na qual eram substituídos os atrativos alimentares. O melhor atrativo alimentar ao menor custo foi Bio Anastrepha® a 5%, com uma margem de captura de 63,83% do total de Anastrepha spp. seguidos do suco de frutas a 30% e do melaço de cana-de-açúcar a 10%, respectivamente.
  • MARCIENE DANTAS MOREIRA
  • Aspectos biológicos e resposta funcional de Ceraeochrysa cubana (HAGEN) alimentada com pulgão Hyadaphis foeniculi (PASSERINI)
  • Data: 28/04/2016
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • A erva-doce, Foeniculum vulgare (Mill.), é uma planta de ciclo perene, cujas propriedades terapêuticas têm conferido importância junto aos agricultores. No entanto, esta cultura tem sofrido danos severos do pulgão Hyadaphis foeniculi (Passerini), os quais ocasionam sérios prejuízos aos agricultores. Dentro do controle biológico de pragas, os crisopídeos se destacam pela voracidade na fase jovem, e a espécie Ceraeochrysa cubana (Hagen) tem sido reconhecida como importante predador auxiliar na redução da densidade populacional de pulgões. Considerando a importância da cultura da erva-doce como estratégia para a agricultura familiar, o presente estudo teve como objetivo avaliar os aspectos biológicos e a capacidade predatória, bem como a resposta funcional de C. cubana alimentada com H. foeniculi. Para avaliação dos aspectos biológicos e capacidade predatória, os tratamentos foram constituídos por ovos de Anagasta kuehniella (Zeller) (testemunha), pulgões de 1° e 2° ínstares, pulgões de 3° e 4° ínstares e pulgões de diferentes idades, ofertados às larvas de C. cubana, sendo cada tratamento composto por 10 repetições, sobre os quais foram avaliados desenvolvimento e viabilidade larval e pupal, bem como a capacidade de predação do crisopídeo. Na análise da resposta funcional foram utilizadas larvas de primeiro, segundo e terceiro ínstares de C. cubana, as quais foram alimentadas em três diferentes densidades e regimes alimentares do pulgão. Empregou-se o delineamento inteiramente casualizado, em esquema fatorial 3x3x3, com 10 repetições cada tratamento. Para estudo do tempo de busca e de manuseio de larvas de C. cubana, nos três ínstares, alimentadas com H. foeniculi, sendo as larvas criadas em ínstares precedentes com ovos de A. kuehniella e/ou ninfas de H. foeniculi, foram utilizados seis tratamentos com 10 repetições cada. As fases larval e pupal de C. cubana não foram afetadas pela dieta à base de pulgões, verificando-se grande potencialidade de adaptação desse predador à presa em condições de laboratório. Verificou-se uma tendência de estabilização no consumo de larvas de primeiro e terceiro ínstares de C. cubana alimentadas com pulgões de diferentes ínstares nas densidades 2 e 3, e uma redução do consumo médio para as larvas de segundo ínstar do crisopídeo na densidade 3, quando alimentadas com pulgões de 1º e 2º ínstares, apresentando uma resposta funcional tipo II. O menor tempo de busca foi determinado para segundo e terceiro ínstares do crisopídeo, não havendo diferença estatística em função da alimentação no estádio precedente da larva entre estes. Quanto ao tempo de manuseio, não houve diferença siginificativa entre os tratamentos. Concluiu-se que, a partir dos parâmetros avaliados, C. cubana demonstrou-se, portanto, um predador potencial de H. foeniculi.
  • IZABELA SOUZA LOPES RANGEL
  • Morfologia e qualidade fisiológica de sementes de Luetzelbugia auriculata (Allemão) Ducke
  • Data: 12/04/2016
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • -
  • LUIZ PLACIDO CAVALCANTI DE SOUZA ANDRADE
  • QUALIDADE DE MANDIOCA DE MESA: VARIEDADES E MANEJO DE ERVAS DANINHAS
  • Data: 31/03/2016
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • -
  • Járisson Cavalcante Nunes
  • Trocas gasosas, composição mineral, produção e qualidade do maracujazeiro amarelo irrigado com água salina e adubado com potássio e biofertilizante
  • Data: 15/03/2016
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • -
  • GEISA MAYANA MIRANDA DE SOUZA
  • Manejo Integrado de cochonilhas (Pseudococcidae) em videira no submédio do vale do São Francisco
  • Data: 07/03/2016
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • A cochonilha rosada desde que foi introduzida no Brasil em 2010 vem causando prejuízos a diversas culturas. Na Região do Vale do Submédio do São Francisco os surtos desta praga foram recentemente registrados em parreirais. Até o momento, não existem produtos registrados para o seu manejo. O objetivo desse trabalho foi avaliar a eficiência de combinações de inseticidas e óleos minerais sobre a cochonilha rosada na cultura em videira. Os tratamentos foram constituídos por produtos na modalidade pulverização: Piriproxifem (Epingle®) em diferentes concentrações associado ao óleo mineral (Agris Union Agro®) e a fenpropatrina (Sumirode®) além da aplicação isolada do óleo Iharol® e Agris Union Agro®; e aplicações via solo: tiametoxam (Actara® e uma formulação em fase de teste) e imidacloprido (Nuprid®), além da testemunha (água destilada). Os produtos da modalidade pulverização foram aplicados em parreiral comercial e em laboratório. Para os testes com os produtos sistêmicos utilizaram-se plantas em vasos em condições de semicampo. As misturas contendo piriproxifem, fenpropatrina e óleo mineral, independentemente da dose empregada, promoveram reduções significativas na população de cochonilhas rosadas em campo, e em laboratório provocaram alta mortalidade em ninfas de 1º instar, porém não demonstraram efeito ovicida. Em relação aos óleos minerais utilizados isoladamente, tanto em campo quanto em laboratório, estes produtos demonstraram ser pouco eficientes no controle de cochonilha rosada. Entre os produtos sistêmicos, a maior eficiência foi proporcionada pelos tratamentos a base de tiametoxam a partir dos 7DAA. A fórmula em fase experimental apresentou desempenho equivalente ao Actara®. Piriproxifem associado a fenpropatrina e óleo mineral pulverizados e tiametoxam utilizado via solo são eficientes no controle da cochonilha rosada em videira.
  • SELMA DOS SANTOS FEITOSA
  • Ecofisiologia de cultivares de S. indicum L.: fitohormonios e estresse hidrico
  • Data: 29/02/2016
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • As condições de mudanças climáticas trazem preocupação e exigem a necessidade de se estudar as respostas das plantas em ambientes limitantes ao desenvolvimento vegetal, em especial sob estresse hídrico. O uso de fitohormonios demonstra melhorar a eficiência produtiva das culturas em condições de estresse. O presente estudo compreende experimentos em casa de vegetação e campo. No primeiro objetivou-se verificar os efeitos do estresse hídrico no comportamento fisiológico do Sesamum indicum L. (BRS Seda) quando submetido a suspensão da rega e aplicação de ácido salicílico, em delineamento experimental de blocos ao acaso com cinco repetições em fatorial 4 × 2, sendo quatro níveis de ácido salicílico (AS) e dois tratamentos hídricos. Aos 30 dias após a emergência (DAE) aplicou-se os tratamentos, o hormonal e o estresse hídrico. As trocas gasosas e o teor relativo de água foliar (TRA), foram realizados no oitavo dia após a aplicação dos tratamentos e 48 horas após a retomada da rega. Quinzenalmente, realizou-se análise do crescimento e ao final do ciclo os componentes de produção. Verificou-se diferenças significativas para as trocas gasosas no oitavo dia de estresse hídrico e após a reidratação para o fator estresse, enquanto, a interação foi significativa para temperatura foliar. A fotossíntese foi 70% inferior sob suspensão da rega e à medida que se elevou a concentração de AS. O TRA foi significativo apenas para os efeitos do estresse no período de estresse hídrico e a aplicação de AS resultou em plantas de menor porte e área foliar no tratamento sob suspensão da rega. O estresse hídrico alterou o comportamento da fotossíntese, condutância estomática, transpiração e temperatura foliar. O AS não atenuou os efeitos do estresse hídrico sobre os componentes de produção de Sesamum indicum. No experimento de campo investigou-se as respostas fisiológicas mediante aplicação de benziladenina (BA) realizado sob delineamento em blocos ao acaso com quatro repetições em esquema fatorial 3 × 4, sendo três cultivares de S. indicum (CNPA G3, CNPA G4 e BRS Seda) e quatro níveis de BA. Quinzenalmente efetuou-se a análise de crescimento, aos 80 DAE as trocas gasosas e ao final do ciclo os componentes de produção, além de determinar o teor de óleo e conteúdo energético das sementes. Realizou-se análise de variância pelo teste F, teste de Tukey e análise de regressão. Houve significância para o fator cultivar para fotossíntese líquida, concentração interna de CO2, altura da planta, diâmetro e comprimento radicular. Para o número de fruto por planta houve respostas aos tratamentos, onde a máxima eficiência técnica foi estimado para 4,72 mg L-1 de BA, correspondendo ao número mínimo de 96,55 frutos por planta na CNPA G3, que também apresentou maior índice de colheita. A energia bruta sofreu efeito do tratamento hormonal com máxima eficiência técnica de 4,81 mg L-1 de benziladenina que correspondeu a 682,2 kcal por 100 de sementes para a CNPA G3. O BA proporcionou menor fotossíntese e não influenciou nos componentes de produção, enquanto aumentou a energia bruta nas sementes. Na ausência do BA a CNPA G3 obteve a maior produtividade.
  • TONI HALAN DA SILVA IRINEU
  • CRESCIMENTO E TROCAS GASOSAS EM MUDAS DE ATEMOIA NO SOLO COM FOSFORO E BIOFERTILIZANTE
  • Data: 29/02/2016
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • Dentre as vertentes que a fruticultura abrange, a produção de mudas tem ganhado destaque, por constituir uma alternativa para o aumento do nível de emprego evitando a migração. Entretanto, ainda são muito escassos pesquisas sobre adubação organomineral para produção de mudas de atemoia. Objetivou-se com este experimento, avaliar o crescimento, eficiência fotossintética e trocas gasosas de mudas de atemoia adubadas com fósforo e biofertilizante. O delineamento experimental adotado foi o de blocos casualizados com quatro repetições, no esquema fatorial 4 x 4, correspondendo a quatro doses de fósforo: 0; 2; 4 e 6 g dm-3 e quatro concentração de biofertilizante na água: 0; 20; 40 e 60%, aplicando 300 ml por recipiente. A unidade experimental foi constituída por quatro plantas. Foram avaliadas a altura de mudas, diâmetro do caule, taxa absoluta de crescimento da altura, taxa relativa de crescimento do diâmetro, comprimento da raiz, área foliar, área foliar especifica, massa de matéria seca do caule, da folha e da parte aérea, relação da raiz parte aérea razão, massa foliar, índice de qualidade de Dickson, teor foliar de P, fluorescência inicial, eficiência quântica potencial do fotossistema II e rendimento quântico basal dos processos fotoquímicos no FSII, carbono interno, transpiração, condutância estomática, taxa fotossintética, eficiência de carboxilação e eficiência do uso da água. Os dados foram submetidos a análise de variância e de regressão. O fósforo estimulou a maioria das variáveis do crescimento das mudas de atemoeira, por outro lado, o aumento das doses de P inibiu a taxa relativa de crescimento em diâmetro, comprimento da raiz e relação raiz parte aérea, concentração interna de CO2, transpiração e condutância estomática das mudas. A concentração de 60% de biofertilizante proporcionou maior comprimento da raiz, área foliar especifica e índice de qualidade de Dickson, e maior taxa fotossintética. A combinação da dose 6 g dm-3 de fósforo e 60% de biofertilizante proporcionou maior eficiência de carboxilação e eficiência no uso da água.
  • ADELAIDO DE ARAÚJO PEREIRA
  • Características agronômicas da mandioca Manihotesculenta Crantz em função da aplicação de Silício
  • Data: 29/02/2016
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • -
  • ERTON MENDONÇA DE ALMEIDA
  • Revisao taxonomica de Ameroglossum Eb. Fisher, S. Vogel & A.V. Lopes e um novo genero de Scrophulariaceae
  • Data: 29/02/2016
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • Revisao taxonomica de Ameroglossum Eb. Fisher, S. Vogel & A.V. Lopes e um novo genero de Scrophulariaceae
  • ROBERIO DE OLIVEIRA
  • Aspectos biológicos, comportamentais e seletividade à Encarsia hispida (Hymenoptera:Aphelinidae) em Bemisia tabaci biótipo B (Hemiptera:Aleyrodidae) no algodoeiro
  • Data: 29/02/2016
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • O algodoeiro Gossypium hirsutum é uma cultura que desempenha um papel de destaque no âmbito econômico brasileiro. No entanto, a presença de pragas como a mosca-branca Bemisia tabaci biótipo B na cultura aumentam o custo de produção pelo aumento no número de aplicações de inseticidas. Com isso, uma forma para sua redução é adoção do Manejo Integrado de Pragas (MIP) que envolve um conjunto de táticas onde o controle biológico pode está incluído. Neste sentido, objetivou-se estudar os aspectos biológicos e seletividade de Encarsia hispida tendo como hospedeiro B. tabaci biótipo B em duas cultivares do algodoeiro. A realização da pesquisa ocorreu no Laboratório de Entomologia da Universidade Federal da Paraíba, Campus II Areia-PB. O estudo foi desenvolvido, abordando os aspectos acima explanados, sendo dividido em três artigos. No artigo I estudou-se o desenvolvimento biológico e parasitismo do parasitoide E. hispida em cultivares do algodoeiro. No primeiro experimento, constatou-se que houve apenas parasitoides fêmeas com longevidade, de 24,61 e 22,61 dias nas ‘BRS H8’ e ‘BRS Topázio’, respectivamente, não diferindo estatisticamente. O período do ciclo biológico do parasitoide de ovo a adulto foi de 35,68 e 33,71 dias nas ‘BRS H8’ e ‘BRS Topázio’, respectivamente, não diferindo entre si. Constataram-se índices de parasitismo de E. hispida de 34,33 e 29,63% nas ‘BRS H8’ e ‘BRS Topázio’, respectivamente. No artigo II avaliou-se o comportamento de forrageamento e teste de voo do parasitoide E. hispida em condições de laboratório. No primeiro bioensaio utilizou-se parasitoide fêmea para registro das seguintes variáveis: atividade, velocidade e padrão de caminhamento; enquanto no segundo foram utilizadas pupas do parasitoide próximo à emergência onde os adultos foram classificados conforme suas posições voadores, caminhadores e não voadores. A atividade, velocidade e padrão de caminhamento do parasitoide quando avaliados não foram influenciados nas duas cultivares do algodoeiro. O parasitoide visitou os quadrantes das folhas em grande maioria apenas uma vez, totalizando 112,2 quadrantes na cultivar BRS Topázio. Os insetos classificados em voadores atingiram 79,17 e 77,85 em ‘BRS H8’ e ‘BRS Topázio’, respectivamente. No artigo III verificou-se o efeito da toxicidade de produtos sintéticos a E. hispida onde foi aplicado delineamento inteiramente casualizado em esquema fatorial. Nos bioensaios foram utilizadas E. hispida nas fases de pupa e adulta, as quais foram submetidas à pulverização com os seguintes produtos químicos: tiametoxam, deltametrina, imidacloprido e piriproxifem, nas proporções de 1,0 g L-1, 1,0 mL L-1, 4,0 mL L-1 e 2,5 mL L-1, respectivamente, tendo água destilada como testemunha. Os inseticidas tiametoxam e imidacloprido são inócuos ao estágio de pupa, no entanto, os mesmos são nocivos à fase adulta de E. hispida. Os inseticidas deltametrina e piriproxifem são nocivos ao parasitoide E. hispida.
  • VINICIUS DE OLIVEIRA BARBOSA
  • SUBSÍDIOS PARA O CONTROLE BIOLÓGICO DO COMPLEXO DE BROCAS DA CANA-DE-AÇÚCAR
  • Data: 25/02/2016
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • O Brasil se destaca como um dos maiores produtores de cana-de-acucar (Saccharum spp.) no mundo. Dentre as pragas de importancia economica, na cultura as especies Diatraea saccharalis e Diatraea flavipennella (Lepidoptera: Crambidae), se destacam devido a disseminacao ao longo do pais, entretanto a segunda e restrita, principalmente, a alguns estados do Nordeste. Devido sua eficiencia em localizar as lagartas, alem de sua especificidade o uso do parasitoide Cotesia flavipes Cameron (Hymenoptera: Braconidae), tem sido o metodo mais eficiente de controle das brocas, sendo este considerado o maior programa de controle biologico do mundo. Considerando a predominancia de D. flavipennella nos canaviais nordestinos, objetivou-se avaliar o desempenho de C. flavipes sobre as duas especies de Diatraea, realizar o levantamento das especies de brocas e os respectivos parasitoides existentes em areas de cana-de-acucar, bem como avaliar a acao de C. flavipes sobre D. flavipennella em diferentes variedades de cana-de-acucar. A pesquisa foi conduzida no Laboratorio de Zoologia dos Invertebrados, Departamento de Ciencias Biologicas, Universidade Federal da Paraiba (LABZOO/CCA/UFPB), Areia/PB, sendo dividida em dois artigos. No artigo I estudou-se a biologia e o comportamento de preferencia das populacoes selvagem e de laboratorio de C. flavipes entre as especies de Diatraea, bem como estabelecer uma relacao entre caracteristicas fisicas e parasitismo entre as especies hospedeiras. Constatou-se que a populacao selvagem de C. flavipes exibe preferencia e melhor desempenho no parasitismo de D. flavipennella. O cruzamento entre as populacoes selvagem e de laboratorio de C. flavipes e necessario para que a liberacao massal de parasitoides no campo seja eficiente. No artigo II identificou-se o complexo de brocas-podridao presentes na cultura da cana-de-acucar em area de Brejo paraibano, sua flutuacao populacional e a atratividade desses insetos em diferentes variedades de cana-de-acucar. O levantamento foi realizado na Fazenda Engenho Macaiba da Companhia AGRO INDUSTRIAL MACAIBA LTDA, pertencente ao municipio de Alagoa Nova – PB. Constatou-se que houve correlacao entre a flutuacao populacional da especie D. flavipennella e do genero Telchin sp. com os elementos meteorologicos: temperatura media e precipitacao. Areas irrigadas com vinhaca sao mais atrativas e apresentam maior densidade do complexo de brocas, quando comparadas a areas nao irrigadas.
  • JOSE GEORGE FERREIRA MEDEIROS
  • Qualidade de sementes de angico (Anandanthera columbrina) com o uso da termoterapia
  • Data: 24/02/2016
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • -
  • RENATO FRANCISCO DA SILVA SOUZA
  • Trocas gasosas e crescimento de genótipos de fava cultivados em solo compactado
  • Data: 22/02/2016
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • A cultura do Phaseolus lunatus L. possui potencial para produção de grão, adubo verde e forragem, porém, ainda é pouco estudada, sendo necessário mais informações a respeito da cultura. Objetivou-se avaliar as trocas gasosas e a fluorescência da clorofila a de genótipos de fava cultivados em solo com diferentes níveis de compactação. O delineamento experimental foi em blocos casualizados com arranjo fatorial 3 × 4, sendo três genótipos de fava (‘Branca pequena’, ‘Orelha de vó’ e ‘Roxinha’) e quatro densidades do solo (1,1; 1,3; 1,5 e 1,7 g cm-3), com quatro repetições. Aos 38 dias após a semeadura analisou-se as seguintes variáveis: taxa fotossintética (A), transpiração foliar (E), condutância estomática (gs), concentração interna de CO2 (Ci), eficiência instantânea no uso da água (EUA), eficiência instantânea de carboxilação (EiC), eficiência intrínseca no uso da água (EiUA) e a fluorescência da clorofila a (Fo, Fm, Fv e Fv/Fm). Os dados foram submetidos a análise de variância a 5% de probabilidade pelo teste F. Os genótipos apresentaram redução na taxa fotossintética com aumento da compactação. Houve efeito da compactação na fluorescência da clorofila a apenas para o genótipo ‘Orelha de vó’, com ajuste do modelo linear para a Fm e Fv e quadrático para a Fv/Fm. O genótipo ‘Orelha de vó’ atingiu a maior taxa de E, gs e Fv/Fm nas densidades de solo 1,24, 1,29 e 1,29 g cm-3, respectivamente. O genótipo ‘Roxinha’ foi mais eficiente quanto a taxa fotossintética na maior densidade do solo.
  • RENATO PEREIRA LIMA
  • QUALIDADE, TRANSLUCIDEZ E METABOLISMO ANTIOXIDANTE DE INFRUTESCÊNCIAS DO ABACAXIZEIRO ‘PÉROLA’ SOB ADUBAÇÃO NITROGENADA E POTÁSSICA
  • Data: 22/02/2016
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • -
  • LUCIANA MENINO GUIMARÃES
  • Avaliacao de genotipos de batata-doce na regiao de Areia- PB
  • Data: 19/02/2016
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • -
  • ALINE BATISTA BELEM
  • RENDIMENTO DA CEBOLA NO SOLO COM ESTERCO BOVINO E NITROGÊNIO
  • Data: 19/02/2016
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • A cebola é a terceira hortaliça em importância econômica para o Brasil, sendo superada apenas pela batata e pelo tomate. Objetivou-se com esse trabalho avaliar o efeito de doses de esterco bovino e nitrogênio sobre o crescimento e rendimento da cebola. O trabalho foi conduzido em condições de campo, na Universidade Federal da Paraíba, em Areia-PB, entre junho a novembro de 2015. O delineamento experimental foi em blocos casualizados, em esquema fatorial 6 x 2 correspondente a seis doses de esterco bovino (0; 10; 20; 30; 40 e 50 t ha-1), e presença e ausência de nitrogênio, em quatro repetições. Foram avaliados: altura de plantas-1, massa seca e verde da parte aérea, massa média de bulbos, produtividade total e comercial de bulbos, classificação dos bulbos e teor de N foliar. A altura das plantas de cebola atingiu o máximo aos 40 dias após transplantio (DAT), 52,0 e 44,2 cm nas doses de 32,8 e 31,6t ha-1 de esterco bovino, respectivamente, na presença e ausência de N. Independente dos tratamentos o acúmulo de massa verde na cebola aumentou com o tempo. A massa média de bulbos alcançou valores máximos, 143 e 116 g com 30,5 e 35,1t ha-1de esterco bovino, respectivamente, com e sem nitrogênio. A produtividade total de bulbos máxima foi 63,5 t ha-1 na dose de 28,8 t ha-1 de esterco bovino na presença de nitrogênio. A dose de 27 t ha-1 de esterco bovino na presença do nitrogênio foi responsável pela produtividade comercial de 50 t ha-1 de bulbos, e sem nitrogênio a produtividade foi de 36 t ha-1 de bulbos na dose de 28,2 t ha-1 de esterco bovino. Na classificação da cebola não foi verificado bulbos considerados refugos. O esterco bovino e nitrogênio reduziu a produção de bulbos com diâmetros menores (classes 1 e 2), e aumentou a produção de bulbos com diâmetros maiores (classe 3). O teor N foliar foi de 24,6 g kg-1 obtido na dose de 27,2 t ha-1 de esterco bovino com nitrogênio, e de 21,8g kg-1de N na dose de 31,2 t ha-1 de esterco bovino.
  • RICARDO ALVES DA SILVA
  • DIVERSIDADE GENÉTICA EM GENÓTIPOS DE AMENDOIM DO TIPO RUNNER, CULTIVADOS NO NORDESTE BRASILEIRO
  • Data: 18/02/2016
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • Cultivares de amendoim do tipo Runner são amplamente demandadas por agricultores e beneficiários devido a elevadas produções de grãos e óleo. Tais materiais, contudo, têm limitada adaptação a ambientes pouco favoráveis devido à maior necessidade de insumos e água para permitir melhor desenvolvimento. Os trabalhos de melhoramento com esse tipo botânico focalizam na seleção de materiais que possam revelar aptidão para uso em ambientes divergentes, de modo a usa-los em trabalhos de hibridação, visando aumentar a base genética das populações resultantes. Nesse trabalho, se estimou a divergência genética em genótipos de amendoim do tipo Runner, baseando-se em métodos multivariados, por meio das técnicas de variáveis canônicas e UPGMA. Treze genótipos foram cultivados em três ambientes da região Nordeste (Campina Grande- PB, Barbalha-CE e Abreu e Lima-PE), na estação das águas. Os materiais foram cultivados em solos de textura franco-arenosa, em fileiras espaçadas em 0,70 x 0,30m. As seguintes variáveis foram registradas: peso de 100 vagens (100P), peso de 100 sementes (100S), comprimento das vagens (PL), altura da haste principal (MSH), número de vagens/planta (PPl), número de sementes/vagem (NSP) índice de colheita (HI), início da floração (B), Maturação completa da vagem (PMP) e teor de óleo nas sementes (O). Após tabulação dos dados, os resultados foram submetidos a análise de variância, seguida das análises multivariadas pelos métodos de variáveis canônicas e UPGMA, para estimar a divergência genética entre os acessos, utilizando-se do 6 software computacional Genes. Verificou-se que as duas primeiras variáveis canônicas explicaram 82,13% da variação total. Três grupos foram formados, separados por materiais de ciclos intermediário e tardio. Tal composição foi atestada por meio de dendrograma gerado via UPGMA. Os materiais mais indicados para serem usados em programas de melhoramento na região Nordeste são BRS Pérola Branca, com ciclo de apenas 115 dias e tolerância moderada a curtos veranicos, e a isolinha BR1xAnonV, ambas resultantes do cruzamento entre BR 1 e LViPE-06. Nas associações lineares obtidas pela análise de variáveis canônicas, verificaram-se associações significativas de média e alta magnitude. Nessas ultimas, citam-se: 100P x PL, 100P x PPl, 100P x HI, 100P x PMP, 100S x PPl, 100S x HI, 100S x B, 100S x O, PL x HI, PL x O, PPl x O, HI x B e B x PMP Essas associações indicam que há genes comuns influenciando positivamente os caracteres interassociados.
  • JOSE THYAGO AIRES SOUZA
  • PROPRIEDADES DO SOLO, CRESCIMENTO, COMPOSIÇÃO MINERAL E PRODUÇÃO DO MARACUJAZEIRO AMARELO EM FUNÇÃO DA ÁGUA SALINA, POTÁSSIO E BIOFERTILIZANTE BOVINO
  • Data: 18/02/2016
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • O maracujá é uma das principais frutíferas cultivadas no Brasil e principalmente na região Nordeste pelas condições edafoclimáticas favoráveis e valor econômico. Nesta região a irrigação mesmo com água de uso restritivo tem se tornado necessário para manter níveis produtivos adequados, além da adubação química e orgânica. Neste sentido foi realizado um experimento de julho de 2013 a maio de 2014, buscando avaliar os efeitos da salinidade da água, biofertilizante bovino e tipos de potássio, na fertilidade e salinidade do solo, crescimento, composição mineral, trocas gasosas e produção do maracujazeiro BRS Gigante amarelo. Os tratamentos foram arranjados em blocos ao acaso com três repetições e quatro plantas por parcela, em esquema fatorial 2 x 2 x 2, referente aos valores de condutividade elétrica das águas de irrigação de 0,35 e 4,00 dS m-1, no solo sem e com biofertilizante bovino e adubação com duas fontes de potássio (60% K2O), cloreto de potássio convencional e revestido com polímeros orgânicos, para liberação lenta do potássio. Foram avaliadas a fertilidade, salinidade, umidade e temperatura do solo, crescimento das plantas em altura, período do transplantio à poda da haste principal e à poda dos ramos laterais, número de ramos produtivos aos 100 dias após o transplantio (DAT), diâmetro do caule, composição mineral das plantas em macro, micronutrientes e sódio, trocas gasosas e produção. A irrigação com água salina reduziu os teores de magnésio na camada de 21-40, acidez potencial, CTC e proporcionou aumentos no teor de sódio do solo, percentagem de saturação por bases na camada de 0-20 cm, condutividade elétrica do extrato de saturação no período de floração das plantas, no final da estação seca, chuvosa e nos teores foliares de nitrogênio, ferro e sódio. O biofertilizante contribuiu para o aumento dos teores de fósforo, cálcio na camada de 21-40 cm, magnésio e sódio na camada de 0-20 cm, soma de bases, acidez potencial, matéria orgânica do solo, umidade do solo, condutividade elétrica do solo, mas manteve a PST em valores sem riscos de sodicidade, estimulou o crescimento das plantas mesmo no solo irrigado com água salina e os teores foliares de fósforo e zinco, porém reduziu o teor foliar de enxofre. A adubação com KCl revestido proporcionou acréscimos nos teores de potássio, percentagem de saturação por bases e matéria orgânica do solo na camada de 21-40 cm, pH do extrato de saturação do solo no final da estação seca na camada de 21-40 cm e chuvosa 0-20, estimulou o crescimento das plantas irrigadas com água de salinidade elevada e o teor de boro foliar, contudo proporcionou redução nos teores de potássio e manganês em comparação KCl convencional. O aumento da salinidade da água reduziu os teores médios de magnésio na camada de 21-40, acidez potencial, CTC e proporcionou aumentos no conteúdo de sódio edáfico, Percentagem de saturação por bases na camada de 0-20 cm, condutividade elétrica do extrato de saturação no período de floração das plantas, no final da estação seca, chuvosa e nos teores foliares de nitrogênio, ferro e sódio. Apesar de estarem em nível nutricional abaixo do recomendado, exceto em N e K, as plantas apresentaram níveis satisfatórios dos componentes de produção.
  • MILENY DOS SANTOS DE SOUZA
  • ARMADILHAS E ATRATIVOS ALIMENTARES PARA CAPTURA DA MOSCA-DAS-FRUTAS Ceratitis capitata Wiedemann (Diptera: Tephritidae)
  • Data: 18/02/2016
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • As moscas-das-frutas (Diptera: Tephritidae) causam grandes prejuízos à fruticultura mundial, atacando uma grande diversidade de frutíferas. O objetivo dessa pesquisa foi avaliar a eficiência de armadilhas e atrativos alimentares na captura da mosca-das-frutas Ceratitis capitata. A pesquisa foi desenvolvida em laboratório e ambiente telado pertencente ao Setor de Entomologia do Departamento de Fitotecnia e Ciências Ambientais do Centro de Ciências Agrárias da Universidade Federal da Paraíba – CCA/UFPB, Areia – PB. A pesquisa foi dividida em duas etapas, na primeira foi avaliada a eficiência de dois atrativos alimentares comerciais, o Bio Anastrepha® e o CeraTrap®, nas formas líquida e semissólida. Nesse ensaio os atrativos foram dispostos sob ambiente telado em armadilhas do tipo frasco caça-mosca, onde foram liberados adultos de C. capitata em seis diferentes períodos para avaliação da atratividade. Nessa etapa foram feitas avaliações da qualidade dos atrativos, através de análise do pH e do conteúdo de proteína bruta, assim como avaliações na perda do conteúdo dos atrativos quando expostos em ambiente. No segundo ensaio confeccionaram-se três tipos de armadilhas (Delta, Pet e armadilha Circular) que foram comparadas com a armadilha padrão do tipo McPhail, na captura de adultos de C. capitata. Nas armadilhas foram utilizados os atrativos alimentares Bio Anastrepha® 5% e CeraTrap® na forma liquida e semissólida, dispostos em ambiente telado onde foram liberados adultos para avaliar sua eficiência. Os dados foram submetidos a análise de variância e a testes de média, F e Scott-Knott, para o primeiro ensaio, e Tukey, para o segundo. Os atrativos foram eficientes na captura de C. capitata, tendo o atrativo líquido CeraTrap® maior efetividade ao longo dos períodos de exposição, a captura foi maior de insetos fêmeas em relação aos machos. A armadilha padrão do tipo McPhail e a armadilha alternativa do tipo Pet foram eficientes na captura de C. capitata em ambiente telado, diferindo das demais armadilhas. O atrativo mais indicado para o controle desse díptero é o CeraTrap® líquido. A armadilha alternativa do tipo Pet pode substituir a padrão do tipo McPhail na captura de C. capitata.
  • RICARDO DE SOUSA NASCIMENTO
  • Qualidade, perfil de compostos fenólicos e potencial funcional de variedades de fava (Phaseolus lunatus L.)
  • Data: 18/02/2016
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • fava (Phaseolus lunatus L.) é uma cultura originada na América Central pertencente à família Fabaceae do gênero Phaseolus, que se adapta bem na maioria das áreas climáticas e apresenta tolerância à seca e ao clima quente. Esta leguminosa é bastante cultivada na região Nordeste do Brasil em função do seu valor nutricional, sendo considerada uma boa fonte de carboidratos, proteínas, fibra, vitaminas, minerais, flavonoides, antocianinas, polifenóis e compostos antioxidantes. A principal forma de consumo e preparo da fava ocorre com grãos ainda verdes ou secos cozidos sob altas temperaturas, esse processo contribui para a redução de compostos antinutricionais e auxilia no consumo melhorando o sabor e a palatabilidade, aumenta a disponibilidade de nutrientes e leva a uma série de mudanças nas características físicas e químicas. Desse modo, são necessários estudos que determinem os fatores pré e pós cozimento que mais influenciam na preferência, sobretudo aqueles determinantes para o sabor, uma ferramenta importante para avaliar a escolha de diferentes variedades de fava, por parte do consumidor, é a análise sensorial descritiva quantitativa. Nesse sentido, este trabalho foi desenvolvido, abordando os aspectos acima explanados, sendo dividido em dois capítulos. No Capítulo I avaliou-se o efeito do cozimento sobre a qualidade e aspectos sensoriais de diferentes variedades de fava crua e cozida. Esse experimento foi conduzido em delineamento inteiramente casualizado utilizando cinco variedades de fava denominadas na região como ‘Cearense’, ‘Fava Branca’, ‘Orelha de Vó’, ‘Rosinha’ e ‘Roxinha’ analisadas em duas condições (crua e cozida). As variedades de fava apresentam diferenças em sua composição química e físico-química, o processo de cocção promove diversas alterações nas propriedades físicas e físico-químicas de todas as variedades estudadas, resultando em mudanças qualitativas e quantitativas na composição total dos grãos cozidos. No Capítulo II foram avaliados os compostos bioativos e a atividade antioxidante de diferentes variedades de fava, indicando as principais alterações decorrentes do cozimento dos grãos, bem como a composição do caldo. Esse estudo foi realizado em dois ensaios: 1) Caracterização de grãos de cinco variedades de fava cruas; 2) Avaliação da fava cozida, realizado em esquema fatorial 5 x 2, sendo 5 variedades de fava e 2 porções após o cozimento (grãos e caldo). As variedades de fava de coloração mais escura Rosinha e Roxinha apresentam em sua composição nos grãos crus, cozidos e caldos um maior conteúdo de ácidos fenólicos, antocianinas e flavonoides, bem como maior atividade antioxidante. Constatou-se uma diminuição nos compostos bioativos ocasionados pelo processo de cocção e acumulação desses no caldo. Além disso, foram detectados por meio de HPLC o ácido 2,5 dihidroxibenzoico, ácido 3,4 dihidroxibenzoico e ácido 4 hidroxibenzoico como os principais ácidos fenólicos presentes na composição de todas as variedades com destaque para a fava ‘Rosinha’ e ‘Roxinha’ os principais flavonoides detectados em todas as variedades de fava foram a catequina, crisina e miricetina.
  • KALINE DA SILVA NASCIMENTO
  • Influência de Etil-metano Sulfonato (EMS) em diferentes genótipos de pimenteiras ornamentais (Capsicum annumm L.)
  • Data: 17/02/2016
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • -
  • PRISCILA ALVES BARROSO
  • Cultura de anteras e de embriões zigóticos no melhoramento de pimenteiras ornamentais (Capsicum annumm L.)
  • Data: 17/02/2016
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • A tecnologia duplo-haploide é uma ferramenta importante no melhoramento de plantas para reduzir o tempo e os custos necessários para produção de linhas puras. A indução de embriões androgênicos haploides, a partir da cultura de anteras, é o principal fator limitante para a aplicação desta tecnologia. Assim, o objetivo deste trabalho foi induzir embriões androgênicos a partir de anteras de diferentes genótipos de pimenteiras ornamentais (Capsicum annuum L.). Foram utilizadas anteras de 9 genitores e 5 híbridos de pimenteiras ornamentais pertencentes ao banco de germoplasma de Capsicum da UFPB. As anteras foram mantidas a 4 ºC por 3 dias e, posteriormente, cultivadas em meio dupla camada, sem e com regulador de crescimento (M1 e M2, respectivamente) e mantidas em BOD a 9 ºC por uma semana e depois a 28 ºC sempre na ausência de luz. Em um segundo experimento, três genótipos foram incubados a 9 ºC por uma semana, 28 ºC por três semanas e posteriormente mantidas a 21 ºC até a obtenção dos embriões. Foram observados embriões androgênicos nos genótipos UFPB 001, UFPB 004, UFPB 099 e nos híbridos UFPB 001 x UFPB 099, UFPB 004 x UFPB 390 e UFPB 134 x UFPB 004. O genótipo UFPB 004 foi o mais responsivo, induzindo um maior número de embriões, quando cultivado no meio M2. O genótipo UFPB 099 apresentou um maior numero de embriões no meio M1, na ausência de reguladores de crescimento, e também foi o que apresentou resposta mais tardia. Uma grande quantidade de embriões anormais foi observada em todos os genótipos. Ao alterar a temperatura de incubação foi possível a diferenciação de embriões cotiledonares nos genótipos UFPB 001, UFPB 004 e UFPB 099. Apesar do grande número de embriões anormais, foi possível identificar genótipos responsivos para as condições testadas, necessitando de estudos posteriores para otimização das condições de cultivo.
  • KARMITA THAINÁ CORREIA FERREIRA
  • SELECAO ENTRE E DENTRO DE POPULACAO BASE DE PIMENTEIRAS PARA FINS ORNAMENTAIS
  • Data: 16/02/2016
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • -
  • ROMMEL DOS SANTOS SIQUEIRA GOMES
  • Resistência genética e indução de resistência á antracnose do feijão-fava
  • Data: 16/02/2016
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • -
  • ROSEMERE DOS SANTOS SILVA
  • Materiais para incrustação em sementes de repolho (Brasica oleracea L. var. capitata) com resposta sobre as características físicas e qualidade fisiológica
  • Data: 16/02/2016
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • A agregação de valor às sementes, utilizando métodos e tecnologias de produção como a de recobrimento, vem sendo uma exigência do mercado cada vez mais competitivo, visando melhorar a qualidade dos lotes e aumentar o seu índice de aproveitamento na semeadura. A incrustação, utilizada para o aumento do tamanho das sementes pequenas, como as de olerícolas, aqui em destaque as de repolho, possibilita a aplicação de produtos essenciais ao bom desempenho da cultura na fase inicial, especialmente, por permitir a inoculação de produtos que as beneficie, protegendo-as contra agentes nocivos como insetos e fungos e, também, melhorar o seu manuseio nas operações de mecanização do processo de semeadura. Neste contexto, com o presente trabalho objetivou-se incrustar sementes de repolho (Brassica oleracia L. var. capitata L.) com diferentes tipos de materiais de enchimento e percentuais de material cimentante e determinar as características físicas, avaliar a absorção de água e a qualidade fisiológica das sementes incrustadas. O trabalho foi desenvolvido no Laboratório de Armazenamento e Processamento de Produtos Agrícolas (LAPPA) da Unidade Acadêmica de Engenharia Agrícola (UAEA) do Centro de Tecnologia e Recursos Naturais (CTRN) da Universidade Federal de Campina Grande (UFCG) e, no Laboratório de Análises de Sementes vinculado ao Departamento de Fitotecnia e Ciências Ambientais (DFCA) do Centro de Ciências Agrárias (CCA), Campus II da Universidade Federal da Paraíba (UFPB), Areia-PB. As sementes, sem defensivos, foram submetidas ao processo de incrustação em uma máquina protótipo desenvolvida por pesquisadores do LAPPA para esta finalidade. Foram utilizados como materiais de enchimento (bentonita, gesso e rejeito de caulim) e goma arábica líquida como material cimentante os percentuais de 20, 30, 40 e 50 % da calda elaborada a partir da sua diluição em água destilada e esterilizada. Foram realizados três experimentos, sendo o primeiro, referente às características físicas das sementes determinadas pelo rendimento, resistência, ângulo de repouso, peso de mil sementes, retenção em peneiras, diâmetro e quantidade de vezes aumentada. No segundo experimento avaliou-se a absorção de água e no terceiro, a qualidade fisiológica, avaliada mediante testes de primeira contagem de germinação, percentagem de germinação, massa seca de parte aérea e envelhecimento acelerado e ainda determinou-se o teor de água. O delineamento estatístico utilizado foi o inteiramente ao acaso em esquema fatorial 4 x 4 (materiais de enchimento e percentual de material cimentante), sendo as médias, do fator qualitativo comparadas pelo teste Scott-Knott e para os fator quantitativo utilizou-se regressão na análise de variância. Dentre os materiais de enchimento, a bentonita, se destaca por deixar as sementes com maior tamanho e mais resistentes ao impacto. A absorção de água das sementes incrustadas é retardada, contudo, o teor de água é elevado. A germinação das sementes é influenciada pelos percentuais do cimentante (cola) na calda, empregado para fixar os materiais de enchimento; os percentuais do cimentante de 20 e 30% reduz a velocidade, mas não afeta a germinação e vigor das sementes de repolho incrustadas.
  • WILZA CARLA OLIVEIRA SOUZA
  • Diversidade genética de Fusarium spp e manejo alternativo da Fusariose do abacaxizeiro
  • Data: 16/02/2016
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • -
  • MAGNÓLIA MARTINS ALVES
  • Análises morfo-fisiológicas em plantas de Allamanda blanchetii sob déficit hídrico
  • Data: 15/02/2016
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • -
  • RAISSA RACHEL SALUSTRIANO DA SILVA MATOS
  • Quebra de dormencia de gema e metodos de destanizacao de frutos do caquizeiro ‘rama forte’ no vale do Sao Francisco
  • Data: 12/02/2016
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • -
  • RAISSA RACHEL SALUSTRIANO DA SILVA MATOS
  • Quebra de dormencia de gema e metodos de destanizacao de frutos do caquizeiro ‘rama forte’ no vale do Sao Francisco
  • Data: 12/02/2016
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • A regiao do Vale do Submedio Sao Francisco (Petrolina-PE/Juazeiro-BA), destaca-se como um dos maiores polos fruticolas do Brasil, principalmente de producao de manga e uva, no entanto a diversificacao do cultivo na regiao tornou-se imprescindivel. Para suprir essa demanda, pesquisas com especies de clima tropical umido, subtropical e temperado, com potencial economico veem sendo desenvolvidas em areas irrigadas do semiarido brasileiro. Dentre as pesquisas o caquizeiro que representa uma importante possibilidade a regiao pela boa adaptabilidade climatica e rusticidade. Assim, o presente trabalho teve como objetivo avaliar o desempenho da cianamida hidrogenada na quebra de dormencia das gemas, fenologia, producao e qualidade de frutos de caquizeiro em Petrolina-PE, assim como verificar metodos de baixo custo e que exijam pouco aparato tecnologico para remocao da adstringencia que influencia na qualidade de frutos do caqui ‘Rama Forte’. O estudo foi conduzido em Petrolina, Pernambuco, Brasil. Para o experimento com delineamento de blocos casualizados, com cinco tratamentos a base de cianamida hidrogenada (CH), associada ao oleo mineral a 3,0 %: I - Testemunha (sem aplicacao); II - CH a 0,4 %; III - CH a 0,8 %; IV - CH a 1,0 %; e V - CH a 1,5 %; com 5 repeticoes e 5 plantas por parcela. Os parametros avaliados foram: duracao dos estadios fenologicos; duracao total do ciclo fenologico; percentual de gemas de cada fase; brotacao aos 30 e 60 dias apos a aplicacao dos tratamentos; frutificacao efetiva; numero de frutos por planta; massa media de frutos; producao de frutas por planta; produtividade; diametro transversal e longitudinal; firmeza; solidos soluveis; acidez titulavel; polifenois extraiveis totais; pectina total e soluvel e taninos soluveis. Foi realizado ainda um experimento de destanizacao, com esquema fatorial de 2 x 9, correspondentes a dois periodos de avaliacao (24 e 48 horas) e nove metodos (nao destanizados [fora da caixa], nao destanizados [dentro da caixa], etanol, CO2 a 15 %, CO2 a 20 %, ethephon a 150 mg L-1, ethephon a 200 mg L-1, ethephon a 250 mg L-1, e ethephon a 300 mg L-1), no qual foi avaliado: perda de massa; firmeza; solidos soluveis; acidez titulavel; polifenois extraiveis totais; pectina total e soluvel; e taninos soluveis. Os resultados de todas as variaveis fenologicas, brotacao e producao estudadas responderam as doses de cianamida hidrogenada (CH). As plantas de caquizeiro ‘Rama Forte’ sem a aplicacao da CH brotam, mas a producao e insuficiente. O ciclo fenologico e de 240 dias em plantas nao tratadas e 205 dias em plantas tratadas com CH. Os frutos possuem qualidade para comercializacao, no entanto apresentam valores de solidos soluveis e acidez titulavel acima do valor ideal para consumo. A aplicacao de CH nao influencia nos teores de polifenois extraiveis totais, pectina soluvel e total, e taninos em frutos. Assim recomenda-se uma dose proxima a 0,8 % de CH. Para o processo de destanizacao recomenda-se o uso de vapor de etanol, pelo baixo custo e por ser um insumo de facil acesso, e por ter apresentado os menores teores de taninos soluveis e conferirem boa firmeza ao fruto.
2015
Descrição
  • FRANCISCO ABEL LEMOS ALVES
  • Variabilidade genetica, morfologica e fitoquimica de genotipos de Opuntia e Nopalea
  • Data: 22/12/2015
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • -
  • MARCIA ADRIANA CARVALHO DOS SANTOS
  • MICROPROPAGAÇÃO DE Psidium spp.
  • Data: 18/12/2015
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • O Brasil possui 47 espécies endêmicas de araçazeiros (Psidium spp.), constituindo-se num importante centro de diversidade genética do gênero. No bioma Caatinga, já foram reportadas a ocorrência das espécies Psidium schenckianum Kiaersk., P. guineense Swartz. e P. grandifolium Mart., com maior frequência das duas primeiras. Estas espécies apresentam grande potencial de uso de seus frutos, por serem ricos em vitamina C, podendo ser utilizado no consumo in natura ou industrializado, na forma de sucos, doces, compotas, geleias e sorvetes. Apresenta ainda, marcante atividade antimicrobiana, farmacológica e antioxidante além de possuir grande quantidade de óleos essenciais. Além disso, os araçazeiros são as principais fontes de resistência ao nematoide (Meloidogyne enterolobii), principal patógeno que acomete a goiabeira (P. guajava), a qual pode ser transferida para a goiabeira Paluma (cv. GP). Contudo, os araçazeiros encontram-se em risco de extinção em seus ambientes naturais e apresentam dificuldades na propagação vegetativa pelos métodos convencionais, impossibilitando a clonagem das plantas resistentes. A micropropagação é uma técnica viável para propagação de espécies passíveis de extinção e de difícil propagação vegetativa, devendo-se desenvolver protocolos que possibilitem a clonagem desta espécie para estudos futuros de melhoramento. Dessa forma, objetivou-se com a presente pesquisa desenvolver um protocolo para micropropagação de Psidium spp., determinando o meio de cultura, condições de trocas gasosas, tipo de explante e concentração de fitorreguladores. Plântulas de três acessos de araçazeiros e da cultivar de goiaba Paluma (cv. GP), foram crescidas nas seguintes condições: meios de cultura JADS, MS e WPM para determinação do meio de cultura, e em meio de cultura JADS, vedados com tampas sem membrana (SM), uma membrana (1M) e duas membranas (2M) com taxas de trocas de dióxido de carbono (TTCO2) de 14; 21 e 25 μL L-1, respectivamente, para determinar a melhor TTCO2 no crescimento de plântulas de Psidium spp. Após determinada estas condições, diferentes explantes de araçazeiros foram induzidos a regeneração in vitro, utilizando diferentes concentrações de ácido indolbutírico (AIB) (0; 2,46; 4,92 e 9,84 μM) na indução de rizogênese; benziladenina (BA) (0,0; 2,2 e viii 4,44 μM) e BA + ácido naftalenoacético (ANA) (2,22 μM BA + 0,054 μM ANA e 4,44 μM BA + 0,054 μM ANA) na regeneração de brotos dos seguintes explantes: segmentos nodais e apicais em meio de cultura semi-sólido, segmentos caulinares em meio de cultura líquido, organogênese de segmentos internodais, e secções foliares em meio de cultura semi-sólido, de um acesso de P. guineense e indução de organogênese em meio de cultura líquido, utilizando segmentos radiculares de um acesso de P. schenckianum e três acessos de P. guineense. As plântulas de araçazeiro e da cv. GP apresentaram melhor crescimento em meio de cultura JADS. Maiores TTCO2 (25 μL L-1), resultaram no crescimento das plântulas com melhores características morfofisiológicas e anatômicas, e na biossíntese de compostos de reservas nas folhas de ambas as espécies (P. guineense e P. guajava), sendo esta condição a mais indicada para o desenvolvimento de protocolos de propagação in vitro de Psidium spp. Não foi necessária adição de AIB no enraizamento das brotações. Foram obtidas brotações com e sem adição de fitorreguladores, em segmentos caulinares, segmentos apicais, nodais e, em segmentos radiculares nos acessos de P. guineense, a partir de organogênese direta, mantendo a mesma ploidia das plantas oriundas de sementes desta espécie. Em segmentos caulinares, maior número de brotações foi observado com 2,22 e 4,44 μM de BA. As brotações foram alongadas, enraizadas e aclimatizadas com 100% de sobrevivência, permitindo inferir que o protocolo de regeneração in vitro estabelecido é eficiente. Este é o primeiro protocolo de micropropagação estabelecido para araçá.
  • MARIA DAS GRAÇAS RODRIGUES DO NASCIMENTO
  • Qualidade fisiológica e sanitária em sementes de cultivares de Phaseolus lunatus L.
  • Data: 18/12/2015
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • -
  • BRUNO CESAR QUERINO DE SOUZA
  • DIVERSIDADE DA HETEROCROMATINA NA SUBTRIBO LAELIINAE (EPIDENDROIDEAE: ORCHIDACEAE), COM ÊNFASE NO GÊNERO Cattleya Lindl.
  • Data: 10/12/2015
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • A subtribo Laeliinae compreende cerca de 2000 especies distribuidas em 38 generos, exclusivamente neotropical, sendo considerada a terceira maior subtribo da familia. Citologicamente apresenta a maioria das especies com numero cromossomico basico x = 20 e evolucao cariotipica principalmente associada a poliploidia. O presente trabalho objetivou realizada uma analise citogenetica comparativa em 42 especies da subtribo Laeliinae com base em bandeamento com fluorocromos, CMA/DAPI, alem de estimar o conteudo de DNA nuclear de varias dessas especies atraves de citometria de fluxo. Todas as especies apresentaram 2n = 40, exceto Cattleya nobilior com 2n = 42 e os poliploides C. elongata, C. crispata, Encyclia alboxanthina, E. jenischiana, E. seidelii, Laelia gouldiana e Prosthechea faresiana (2n = 80). Foram observados pelo menos dois blocos CMA+/DAPI terminais em todas as especies, alem de bandas DAPI+/CMA– proximais ou terminais em varias outras especies. O conteudo de DNA das especies variou de 2C = 3,45 pg em Brassavola nodosa ate 2C = 7,96 pg em C. guttata, com ciclos de endoreduplicacao na maioria das especies. Nossos dados sugerem que embora ocorra uma aparente estabilidade cariotipica macroestrutural (2n = 40) nas especies da subtribo Laeliinae e no genero Cattleya como um todo, em geral, o padrao de diversificacao da heterocromatina foi compativel com os agrupamentos filogeneticos, identificando possiveis sinapomorfias que permitem um melhor entendimento de especies taxonomicamente complexas.
  • ANDREA CELINA FERREIRA DEMARTELAERE
  • Mancha marrom de Alternaria em tangerineira ‘Dancy’ aspectos morfofisiologicos, variabilidades genetica e inducao de resistencia
  • Data: 04/12/2015
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • -
  • CARLOS ANTONIO BELARMINO ALVES
  • Etnobotânica e distribuição local de espécies da família Anacardiaceae no semiárido do Brasil
  • Data: 04/12/2015
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • -
  • JÚLIO CARLOS POLIMENI DE MESQUITA
  • Caracterização morfoagronômica e divergência genética em populações F3 de pimenteiras ornamentais (Capsicum annuum L.)
  • Data: 03/09/2015
  • Hora: 13:00
  • Mostrar Resumo
  • -
  • EDEN CESAR SILVA MARINHO
  • Produção do pimentão adubado com biofertilizante e cinza
  • Data: 26/08/2015
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • -
  • EWERTON BRUNO DA SILVA SOARES
  • Variáveis de crescimento, produção e qualidade de mamoeiro ‘Sunrise Solo’ em função da calagem e adubação fosfatada
  • Data: 26/08/2015
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • -
  • REINALDO FERREIRA MEDEIROS
  • Crescimento, produção e qualidade do morangueiro adubado com N, P e K
  • Data: 24/08/2015
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • -
  • DIEGO ALMEIDA MEDEIROS
  • Fontes e épocas de aplicação de nitrogênio em Cenoura
  • Data: 19/08/2015
  • Hora: 00:08
  • Mostrar Resumo
  • -
  • JUSSARA CRISTINA FIRMINO DA COSTA
  • Enraizamento de estacas de goiabeira (Psidium guajava L.)
  • Data: 24/07/2015
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • -
  • RHAYSSA VIEIRA SOARES DA COSTA
  • Produtos biológicos a base de Trichoderma spp. na qualidade de sementes de algodoeiro
  • Data: 07/07/2015
  • Hora: 13:00
  • Mostrar Resumo
  • -
  • ANDREZZA KLYVIA OLIVEIRA DE ARAÚJO
  • CONTROLE BIOLÓGICO PÓS-COLHEITA DA ANTRACNOSE EM MARACUJAZEIRO AMARELO (Passiflora edulis f. flavicarpa)
  • Data: 07/07/2015
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • O objetivo do trabalho foi determinar o efeito dos agentes bióticos Sacharomyces cereviseae e Trichoderma asperellum, sobre a qualidade de frutos de maracujazeiro amarelo (Passiflora edulis f. flavicarpa) e severidade da doença em folhas de maracujazeiro destacadas, bem como crescimento micelial do patógeno in vitro. Os tratamentos utilizados foram água destilada esterilizada - ADE (T1); 4 doses de produto comercial a base de S. serevisiae, na proporção de 5; 10, 15, e 20 g/L (T2, T3, T4, T5 respectivamente); 4 doses de T. asperellum na proporção de 5; 10, 15, e 20 g/L (T6, T7, T8, T9 respectivamente) e fungicida Mancozebe na dose 2,0 g/L. Para qualidade pós- colheita foram avaliadas as variáveis Teor de Sólidos Solúveis Totais, pH, Acidez titulável, Área Abaixo da Curva de Progresso da Doença (AACPD) , inibição do crescimento micelial e diâmetro médio das lesões em folhas destacadas. A aplicação dos tratamentos nos frutos deu-se por imersão durante 2 minutos e posterior secagem à temperatura de 25 + 2 °C. Os frutos foram acondicionados em bandejas plásticas e submetidos a câmara úmida por 24 horas. A inoculação de C. gloeosporioides ocorreu através da deposição de discos de 7 mm de cultura fúngica, com sete dias de idade, na superfície do fruto, previamente ferido, em três locais equidistantes. Para avaliação do crescimento micelial do patógeno, foram utilizadas colônias puras, com 7 dias de idade, incubadas em meio BDA acrescido dos tratamentos supracitados. Para a avaliação da redução da doença em folhas de maracujazeiro destacadas utilizaram-se três discos de folhas, de aproximadamente 7 cm de diâmetro, sendo pulverizados com suspensão de esporos de C. gloeosporioides na concentração de 1x105 esporos.mL-1 e depositadas em placas de Petri. Determinou-se o período de latência através de monitoramento diário para identificação do surgimento dos primeiros sinais e sintomas do patógeno. Os resultados demonstraram que os tratamentos não influenciaram na qualidade pós-colheita dos frutos de maracujazeiro. O controle biológico com S. cerevisae e T. asperellum. reduziu a severidade da doença nos frutos tratados a 20 g/L bem como o fungicida mancozebe. Para o crescimento micelial do patógeno in vitro as melhores condições de cultivo foram com 15 e 20 g/L e o fungicida, onde a inibição do crescimento micelial foi acima de 90% para os três tratamentos. Para AACPD em folhas destacadas, os resultados mais promissores foram com S. cereviseae e T. asperellum a 20g/L, proporcionando menor severidade da doença.
  • JOEL MACIEL PEREIRA CORDEIRO
  • Citotaxonomia e evolução cariotípica em Bignoniaceae
  • Data: 26/06/2015
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • -
  • JOSE MADSON DA SILVA
  • FISIOLOGIA DO ABACAXIZEIRO ‘VITÓRIA’ CULTIVADO SOB DIFERENTES CONDIÇÕES DE ADUBAÇÃO, NO LITORAL NORTE DA PARAÍBA
  • Data: 23/06/2015
  • Hora: 07:30
  • Mostrar Resumo
  • A abacaxicultura e uma atividade de relevante importancia socioeconomica nas regioes onde e explorada, mas o aumento no preco dos insumos e a demanda por produtos de maior qualidade tem impulsionado o uso de fontes alternativas na adubacao. Neste sentido, o presente trabalho objetivou avaliar o crescimento vegetativo, as trocas gasosas e a nutricao da cultura do abacaxizeiro cv. ‘Vitoria’, cultivado sob diferentes fontes de adubacao organica. O estudo foi instalado na Fazenda Guandu, municipio de Itapororoca-PB. Para as variaveis de crescimento e trocas gasosas, o experimento foi conduzido em delineamento de blocos casualizados, em tres repeticoes, com os tratamentos arranjados em esquema de parcelas subdivididas. Os fatores em estudo constaram de tres fontes de materiais organicos (esterco bovino, cama de frango e esterco misto), quatro doses destes materiais [(100 % da dose de N recomendada pela analise de solo (DRN); 75 % DRN, 50 % DRN e sem adubacao)], os quais constituiram a parcela, a subparcela foi formada pela presenca e ausencia de adubacao verde. Paralelamente foi instalada uma parcela com adubacao mineral na dose recomendada para a cultura. As epocas de avaliacao formaram a subsubparcela. Foi avaliada materia fresca, materia seca, comprimento, largura das folhas, taxa de crescimento absoluto e relativo, condutancia estomatica, transpiracao, fotossintese liquida, concentracao interna de carbono, eficiencia no uso da agua e carbono, indice SPAD, teores foliares e no solo de nitrogenio, fosforo e potassio. Os resultados foram submetidos a analise de variancia, de regressao e teste de media. Independentemente da fonte de N usada, a dose de 7,5 g de N/planta proporcionaram maior crescimento da folha ‘D’ do abacaxizeiro ‘Vitoria’. Os maiores valores das trocas gasosas foram observados na adubacao com 7,5 g de N na ausencia da adubacao verde, independe do esterco utilizado. A maior concentracao de NPK na folha do abacaxizeiro ‘Vitoria’ foi observada aos 300 dias apos o plantio das mudas. Nao houve correlacao entre o indice xiv SPAD e o teor de N no nas folhas do abacaxizeiro ‘Vitoria’. Os teores de NPK no solo atingiram o maximo valor aos 300 dias apos o plantio, diminuindo ate o final da fase de crescimento. As fontes de estercos utilizadas nao alteraram as caracteristicas de crescimento, troca gasosa e nutricao do abacaxizeiro ‘Vitoria’.
  • DANIEL DA SILVA FERREIRA
  • Marcadores espectrais no visível e infravermelho próximo para identificação de sementes em progênies de Ricinus Communis L.
  • Data: 16/06/2015
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • -
  • ALINE DA SILVA SANTOS
  • Caracterização morfológica de cercospora e eficiência da toxina cercosporina na seleção de genótipos de pimenteiras ornamentais
  • Data: 29/05/2015
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • -
  • JEFFERSON ALVES DIAS
  • “Nutrição de plantas, produção e qualidade de frutos de tangerineira ‘Ponkan’, sob correção do solo, adubação orgânica e mineral”
  • Data: 28/05/2015
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • O baixo nível tecnológico empregado pelos produtores de tangerina no Estado da Paraíba e a falta de conhecimento sobre o manejo nutricional da cultura, para melhoria da qualidade da produção, resulta em baixa produtividade no estado. A utilização de técnicas já consagradas como correção da acidez do solo com aplicação de calcário, adição de condicionador de solo e biofertilizantes foliares diminuem os custos com fertilizantes minerais e uma melhoria nos atributos de qualidade da produção. Com isso, o objetivo desta pesquisa foi avaliar a composição mineral em nitrogênio, fósforo e potássio das folhas, produtividade e qualidade de frutos de tangerina „Ponkan‟ em função da correção do solo e adubação orgânica e mineral. O experimento foi desenvolvido em condição de campo entre os meses de fevereiro e setembro dos anos de 2011 e 2012. Os tratamentos foram arranjados em blocos ao acaso com três repetições e oito plantas por parcelas, sendo duas plantas úteis, duas plantas como bordadura em cada um dos lados e uma planta entre a linha de plantio, no esquema de parcela subdividida no tempo, sendo as parcelas principais, os oito tratamentos e as sub-parcelas, os dois anos de avaliação. Os tratamentos apresentaram a seguinte conformação: T1: Sem calcário; T2: Com calcário, segundo manual de recomendação de adubação do estado de São Paulo; T3: Calcário + Condicionador de solo (a cada 30 dias); T4: Condicionador de solo (a cada 30 dias); T5: Calcário + Biofertilizante foliar (a cada 30 dias); T6 Biofertilizante foliar (a cada 30 dias); T7 Biofertilizante foliar (a cada 30 dias) + Condicionador de solo (a cada 30 dias); T8: Calcário + Condicionador de solo (a cada 30 dias) + Biofertilizante foliar (a cada 30 dias). Os dados foram submetidos a análise de variância e os efeitos dos tratamentos foram desdobrados em contrastes não ortogonais, sendo as probabilidades das estimativas dos contrates ajustadas pelo método de Bonferroni. Os tratamentos aplicados não supriram adequadamente as tangerinas „Ponkan‟ em N e P; no decorrer dos anos os tratamentos influenciaram positivamente o número de caixas (2,8 und.) e a produtividade (56,6 t/ha) de tangerina „Ponkan‟; a dição do condicionador do solo após a sua correção com calcário e adubação química, aumentou em 202,9% a produtividade de tangerina „Ponkan‟; a correção do solo e a aplicação do condicionador neste elevaram os sólidos solúveis de tangerina „Ponkan‟; a correção da acidez do solo em conjunto com a aplicação de condicionador do solo e biofertilizante foliar, aumentou o diâmetro transversal de tangerina „Ponkan‟; o uso do condicionador do solo em conjunto com o biofertilizante foliar, diminuiu a firmeza da tangerina „Ponkan‟.
  • DAMIANA FERREIRA DA SILVA
  • Comportamento vegetativo, produtivo e fisiológico da abobrinha em resposta à aplicação de biofertilizante e diferentes fontes nitrogenadas
  • Data: 08/05/2015
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • -
  • PATRICIA DA SILVA ALEXANDRE
  • EFICIÊNCIA DO BORO SOBRE O CRESCIMENTO, COMPOSIÇÃO MINERAL E VARIÁVEIS FISIOLÓGICAS EM MUDAS CÍTRICAS
  • Data: 23/04/2015
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • A deficiência de boro em citros limita o crescimento de folhas e raízes, devido à interrupção da divisão celular. Por outro lado, a toxidez por boro reduz o crescimento da planta, aumentando o período de formação da muda e diminuindo a sua qualidade. Nesse sentido, objetivou-se com este experimento avaliar o efeito da adubação boratada sobre o crescimento, a composição mineral e as variáveis fisiológicas em mudas cítricas. No Capítulo I foi avaliado o crescimento de três copas cítricas (tangerineiras ‘Ponkan’e ‘Mexerica, e laranjeira ‘Bahia’) cultivadas em vermiculita e adubadas com boro (0; 0,5; 2,5 e 5,0 mg L-1), verificando-se que a maior altura das mudas de tangerineira ‘Mexerica’ foi obtida com doses superiores a 2,0 mg L-1. Verificou-se que o diâmetro e as demais características avaliadas não foram influenciadas pela adubação boratada. No Capítulo II foi avaliado os teores foliares de macro e micronutrientes das mudas cítricas cultivadas em vermiculita e adubadas com boro. Com exceção do N, todos os demais macronutrientes apresentaram teores foliares inadequados para a cultura dos citros. No Capítulo III foi avaliado o efeito da adubação boratada sobre as variáveis fisiológicas de mudas cítricas. Verificou-se que a transpiração nas mudas de tangerineira ‘Ponkan’ aumentou, e que a taxa fotossintética das mudas de ‘Mexerica’ diminuiu. Doses acima de 2,6 mg L-1 reduziram o índice de clorofila.
  • ALLANA RAMONY BATISTA FERNANDES
  • Biometria do pulgão Hyadaphis foeniculi (Passerini, 1860) (Hemiptera:Aphididae) nos hospedeiros erva doce (Foeniculum vulgare) e coentro (Coriandrum sativum)
  • Data: 14/04/2015
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • -
  • RÔMULO GIL DE LUNA
  • Florística e fitossociologia, deposição de serapilheira e atividade microbiana em áreas de caatinga sob pastejo caprino
  • Data: 10/04/2015
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • -
  • ALEX DA SILVA BARBOSA
  • Ecologia populacional, características anatômicas e perfil metabolômico de Pilosocereus pachycladus F. Ritter (Cactaceae)
  • Data: 27/03/2015
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • -
  • LUCAS CHAVES CAVALCANTE
  • Caracterização morfoagronômica de mutantes de pimenta biquinho (Capsicum chinence Jacy) submetidas a radiação gama
  • Data: 26/03/2015
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • -
  • SÓCRATES TORRES CARNEIRO
  • Distribuição da heterocromatina em representantes do gênero Solanum Lindl. (SOLANACEAE) do Nordeste brasileiro
  • Data: 27/02/2015
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • -
  • ALTAMIRO OLIVEIRA DE MALTA
  • Teores foliares de N, P, K e trocas gasosas em gravioleira e atributos do solo sob adubação orgânica e mineral
  • Data: 26/02/2015
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • -
  • MARIA DA GLÓRIA VIEIRA ANSELMO
  • Ocorrência e uso de Anadenanthera colubrina (Vell.) Brenan, no semiárido Paraíbano
  • Data: 26/02/2015
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • -
  • RENATO LIMA DANTAS
  • COMPOSTOS BIOATIVOS, PROPRIEDADES ANTIOXIDANTES E ANTI-INFLAMATÓRIAS DE CACTÁCEAS DO SEMIÁRIDO
  • Data: 25/02/2015
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • -
  • ANTONIO AUGUSTO MARQUES RODRIGUES
  • Qualidade, compostos bioativos e conservação pós-colheita de goiaba ‘paluma’ sob recobrimentos a base de fécula de sementes de jaca
  • Data: 23/02/2015
  • Hora: 13:00
  • Mostrar Resumo
  • O Brasil está entre os maiores produtores da goiaba, ocupando a terceira colocação, sendo as regiões Sudeste e Nordeste as de maior destaque e a cultivar Paluma a mais plantada. Entretanto, a goiaba tem uma vida útil pós-colheita curta por apresentar grande produção de etileno, elevada taxa respiratória, rápida perda de firmeza e grande susceptibilidade a podridões. Assim, o desenvolvimento de tecnologias de conservação pós-colheita é necessário, sobretudo utilizando matérias primas biodegradáveis, a exemplo do recobrimento com féculas e outros materiais sustentáveis. O emprego de recobrimentos de frutos utilizando estes materiais, no entanto, exige avaliar o comportamento na intermitência de temperatura, ou seja, durante a refrigeração e após a transferência ao ambiente no qual o fruto será comercializado. Nesse contexto, o objetivo desse trabalho foi avaliar a influência do recobrimento a base de fécula de semente de jaca e suas composições com quitosana ou alginato de sódio na qualidade e conservação pós-colheita de goiaba ‘Paluma’, durante o armazenamento refrigerado e após transferência para condição ambiente. O experimento foi conduzido no Laboratório de Biologia e Tecnologia Pós-Colheita do CCA da Universidade Federal da Paraíba, utilizando frutos oriundos de Nova Floresta-PB. O experimento foi conduzido em esquema fatorial 4 x 2 sendo como fatores 4 tratamentos e 2 ambientes, com 19 períodos e períodos x tratamentos, aninhados dentro do ambiente. Foram utilizados recobrimentos a base de fécula de semente de jaca 4% (F); combinação de fécula de semente de jaca 2% + quitosana 2% (FQ); de fécula de semente de jaca 2% + alginato 2%(FA) e o controle (sem recobrimento). As goiabas sob os diferentes recobrimentos foram armazenadas sob refrigeração a 10±2°C, durante 24 dias, sendo avaliados a cada 4 dias. Seguindo-se ao armazenamento refrigerado, a partir do 12°, 16° e 20° dia, parcelas de cada tratamento foram transferidas para a condição ambiente a 25±3°C, sendo avaliadas a cada 2 dias, compondo 3 períodos de avaliação após a intermitência de temperatura. Frutos recobertos com FQ apresentaram maior firmeza, mantiveram a coloração verde, além de maior conteúdo de sólidos solúveis. Frutos recobertos com FQ e FA apresentaram menor desidratação, menores índices de danos graves e maior aceitação. Goiabas recobertas com FQ e FA apresentaram menor declínio do conteúdo de ácido ascórbico, mesmo após a transferência para o ambiente, notadamente quando esta ocorreu após o 12° e 16° dias de refrigeração. O conteúdo de PET foi mantido em frutos recobertos com FQ, que também apresentaram maior atividade antioxidante total.
  • ANTONIO FERNANDO DA SILVA
  • Qualidade, compostos bioativos e atividade antioxidante durante a maturação de frutos de genótipos do umbuzeiro
  • Data: 23/02/2015
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • O umbuzeiro é uma frutífera endêmica do semiárido brasileiro, adaptada as características desta região. Inicia sua frutificação no período de escassez de chuvas, seu fruto é uma drupa de casca levemente pilosa ou lisa de cor verde e/ou amarela quando maduro, polpa suculenta aquosa, de sabor agridoce; é explorado de forma extrativista pelas famílias de agricultores nas regiões de ocorrência. No período de safra gera emprego e fonte de renda para as famílias das regiões de ocorrência. Embora sejam muito apreciados para o consumo fresco e já se existam informações sobre a qualidade de genótipos de umbu de alguns locais de ocorrência de plantas, ainda existem genótipos com características diferenciadas que necessitam estudos mais aprofundados, sobretudo durante a maturação. Portanto, o objetivo deste trabalho foi avaliar a qualidade de frutos do umbuzeiro colhidos em diferentes estádios de maturação, além de mudanças resultantes do processo da maturação nos compostos bioativos e atividade antioxidante. Neste sentido, este trabalho foi dividido em dois capítulos. No Capitulo I foi avaliada a qualidade dos frutos de genótipos do umbuzeiro em diferentes estádios de maturação. Para isto foi realizado foram utilizados frutos de 16 genótipos de umbuzeiro, 10 oriundos do município de Casserengue - PB e 6 oriundos do município de Brejo da Madre de Deus – PE. Foram realizadas avaliações relacionadas ao tamanho, cor de casca, rendimento e características físico-químicas. Frutos colhidos em Brejo da Madre de Deus possuem coloração da casca mais intensa quando maduros, maior tamanho e massa fresca, superando em cerca de 50% a média da literatura. Dos 16 genótipos avaliados, 9 apresentaram teor de acidez mais baixo e se adequam o consumo fresco quando colhidos nos estádios de maturação verde amarelado e amarelo. No Capitulo II foram avaliados os compostos bioativos e atividade antioxidante de porções comestíveis de frutos de genótipos do umbuzeiro em diferentes estádios de maturação. Neste experimento, os frutos foram descascados e foram avaliados separadamente a polpa e casca em relação aos compostos bioativos e a atividade antioxidante. Com base na análise de correlação, observou-se que compostos fenólicos são os principais responsáveis pela atividade antioxidante, tanto na polpa quanto na casca, juntamente com flavonoides e o ácido ascórbico. A atividade antioxidante da polpa e da casca diminuiu com o avanço da maturação. A casca apresentou aporte de fitoquímico e atividade antioxidante, em média, 5 e 15 vezes superior ao da polpa, respectivamente.
  • GILIANE APARECIDA VICENTE DA SILVA SOUZA
  • Avaliação agronômica de espécies com potencial para uso em adubação verde
  • Data: 23/02/2015
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • -
  • LEONARDO DA SILVA SANTOS
  • QUALIDADE, COMPOSTOS BIOATIVOS E ATIVIDADE ANTIOXIDANTE DE UVA ‘ISABEL’ SUBMETIDA NA PRÉ-COLHEITA A APLICAÇÃO DE CLORETO DE CÁLCIO E ELICITOR À BASE DE BIOMASSA CÍTRICA
  • Data: 20/02/2015
  • Hora: 16:00
  • Mostrar Resumo
  • A conservação pós-colheita de uvas destinadas ao consumo fresco está diretamente relacionada a todas as etapas da cadeia produtiva, fazendo-se necessário manuseio adequado durante a colheita. Atualmente se busca prolongar a vida útil de frutos através de técnicas que mantenham a máxima qualidade de consumo até a mesa do consumidor. Com isso, um conjunto de tecnologias na pré-colheita, quando aplicado de forma adequada, prolonga a vida útil e mantém as características desejáveis do produto na pós-colheita. Assim, o objetivo deste trabalho foi avaliar a influência da aplicação de cloreto de cálcio e elicitor à base de biomassa cítrica na pré-colheita de uvas ‘Isabel’ sobre a manutenção da qualidade pós-colheita, mostrando as principais mudanças nos atributos de qualidade, dos compostos bioativos e da atividade antioxidante durante o armazenamento. O experimento foi conduzido em plantio comercial em parreiral com idade de 3 anos localizado no Sítio Chã dos Esquecidos, no município de São Vicente Férrer-PE, situado no Vale do Sirijí. Utilizou-se plantas de uva da variedade ‘Isabel’ e realizou-se a aplicação dos tratamentos com auxílio de pulverizador de pressão acumulada com gatilho para garrafa PET, aplicando-se os tratamentos direcionados aos cachos. O delineamento experimental em campo foi em blocos casualizados, composto por quatro tratamentos: elicitor à base de biomassa cítrica (BC), elicitor à base de biomassa cítrica + CaCl2 (BC+C), CaCl2 (C) e Testemunha (T) sem aplicação. Vinte e um dias após a aplicação, os frutos foram colhidos pela manhã em estádio de maturação comercial e conduzidos ao Laboratório de Biologia e Tecnologia Pós-Colheita, CCA-UFPB, onde foram selecionados por uniformidade de tamanho e coloração três cachos, sendo em seguida separados por repetição de cada tratamento, baseados nos blocos do campo. Os cachos foram colocados em bandejas de poliestireno expandido e acondicionadas em atmosfera ambiente e modificada (embaladas com filme de PVC (policloreto de vinila de 17 μm) e mantidos sob a condição ambiente (25±2°C e 75±2% de UR) por até 12 dias, com avaliações aos 0, 2, 4, 6, 8, 10 e 12 dias. O uso de elicitor à base de biomassa cítrica diminuiu a perda de massa fresca. A aplicação pré-colheita de CaCl2 e do elicitor à base de Biomassa Cítrica reduziu o índice de degrana de uvas ‘Isabel’ durante o período de armazenamento. O uso de elicitor à base de Biomassa Cítrica em uvas ‘Isabel’ reduziu a incidência de podridões na pós-colheita. O conteúdo de ácido ascórbico diminuiu durante o armazenamento, independente do tratamento. O uso de elicitor à base de Biomassa Cítrica + CaCl2 aumentou o teor de antocianinas. As cascas de uva ‘Isabel’ apresentaram conteúdo de polifenóis e atividade antioxidante superiores ao da polpa.
  • GLÁUCIA DIOJÂNIA AZEVÊDO MEDEIROS
  • Genética e identificação molecular do sistema de auto-incompatibilidade do maracujazeiro (Passiflora edulis Sims.).
  • Data: 20/02/2015
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • -
  • KARIALANE DA SILVA BELARMINO
  • Diversidade genética em populações de plantas nativas acessada por RAPD e qualidade fisiológica de Diásporos de Myracrodruon urundeuva Fr. All.
  • Data: 20/02/2015
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • -
  • ENOQUE MEDEIROS NETO
  • Citogenética de representantes da família Orchidaceae Juss. com ênfase na tribo Cranichideae (Orchidoideae)
  • Data: 19/02/2015
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • -
  • MARCELO PEREIRA CRUZ
  • Caracterização morfoagrônomica de variedades de pimenteiras em sistemas orgânicos.
  • Data: 19/02/2015
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • -
  • HALLAN EMANNUEL GRIGORIO DA SILVA
  • Aspectos biológicos e capacidade de predação de Doru luteipes Schudder, 1876 alimentada com Spodoptera frugiperda Smith,1797
  • Data: 12/02/2015
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • -
  • JOALISSON GONÇALVES DA SILVA
  • Análise faunística e flutuação populacional de moscas-das-frutas (Diptera: Tephritidae) e parasitoides em pomares no brejo paraibano
  • Data: 12/02/2015
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • Dentre os aspectos fitossanitários, a infestação por moscas-das-frutas (Diptera: Tephritidae) é considerada o maior gargalo na produção, comercialização e exportação de frutíferas, caracterizando-se como a maior praga das fruteiras do país. Nesse contexto, o presente trabalho teve como objetivos gerais caracterizar as populações de moscas-das-frutas por meio de índices faunísticos e estudar a flutuação populacional ao longo de dois ano em pomares domésticos nos municípios pertencentes à microrregião do Brejo paraibano, sendo esses temas abordados nos Capítulos I e II, respectivamente. No capítulo I, o estudo teve como objetivo conhecer as espécies de moscas-das-frutas da família Tephritidae (Diptera) de ocorrência na microrregião do Brejo paraibano, bem como suas plantas hospedeiras e seus parasitoides. O trabalho foi realizado no período de julho de 2012 a junho de 2014, em duas propriedades rurais com pomares domésticos, em cada cidade do Brejo paraibano. A coleta dos frutos e obtenção dos adultos foi realizada a cada 15 dias, coletando-se preferencialmente frutos maduros ou em início de maturação, diferenciando os frutos colhidos do solo e das plantas e através de armadilhas tipo garrafa Pet. Durante o período de amostragem, foram capturados um total de 1.728 espécimes de moscas-das-frutas, dos quais 61,65% pertenciam ao gênero Anastrepha e 38.35% ao gênero Ceratitis. No capítulo II, a pesquisa teve como objetivo determinar a flutuação populacional das espécies de moscas-das-frutas da família Tephritidae (Diptera) de ocorrência na microrregião do Brejo paraibano. A área de estudo está situada na Microrregião do Brejo, em duas propriedades rurais de cada município. O monitoramento dos adultos das moscas-das-frutas foi realizado com auxílio de armadilhas plásticas do tipo garrafa Pet contento 300 ml de melaço de cana-de-açúcar, diluído à 10 %, utilizado como atrativo alimentar. Os exemplares das moscas-das-frutas capturados foram separados e identificados. Durante o monitoramento, no período de dois anos, um total de 11 espécies foram capturadas sendo 10 do gêneros Anastrepha: A. fraterculus, A. obliqua, A. distincta, A. pickeli, A. manihoti, A. dissimilis, A. antunesi, A. sororcula, A. zenildae, A. serpentina e a espécie Ceratitis capitata.
  • LEONARDO DANTAS MARQUES MAIA
  • Manejo pós-colheita de Colletotrichum gloeosporioides em manga ‘Tommy Atkins’
  • Data: 10/02/2015
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • A antracnose é a principal doença na cultura da mangueira, causada pelo patógeno Colletotrichum gloeosporioides. Formas alternativas ao controle químico, rotineiramente usado, tem sido empregado para minimizar os custos e diminuir os resíduos. Entre as alternativas, destaca-se o uso de indutores utilizando extratos vegetais e biológicos. O objetivo do trabalho foi avaliar a incidência natural de antracnose em frutos de mangueira tratados com extrato de melão-de-são-caetano (Momordica charantia) e quitosana, a severidade da doença, assim como como avaliar a qualidade pós-colheita e a produção de enzimas relacionadas a defesa de plantas. As folha de melão-de-são-caetano foram coletadas na cidade de Areia-PB, preparadas no laboratório de fitopatologia, no campus II, da UFPB, e encaminhada para o laboratório de Química de Produtos Naturais, Campus I, UFPB, para extração etanólico. Os tratamentos foram compostos pelo extrato de M. charantia nas concentrações de 1000, 1500 e 2000 ppm, quitosana nas concentrações de 1%, 1,5% e 2%, o produto comercial acibenzolar-S-metil (ASM) (0,1 g.L-1), fungicida (Tiabendazol) (4 mL.L-1) e água destilada esterilizada (controle), com quatro repetições e três frutos por repetição. As análises enzimáticas foram realizadas no dia da coleta dos frutos e oito dias após a aplicação dos tratamentos, avaliando-se as enzimas peroxidase, polifenoloxidase e fenilalanina amônia-liase. O uso de quitosana diminuiu a severidade da antracnose causada por C. gloeosporioides, em relação aos demais tratamentos. Na incidência natural de doenças nos frutos de mangueira, tanto a quitosana como o ASM inibiram o surgimento de patógenos. Na análise enzimática, a atividade da peroxidase aumentou em todos os tratamentos, quando comparados com o controle. Apenas os tratamentos com quitosana, em todas as concentrações testadas, como o extrato de M. charantia na maior concentração, propiciaram um aumento na atividade da enzima polifenoloxidase. A atividade de fenilalanina amônia-liase foi estimulada pelo tratamento de quitosana a 2%. O uso de quitosana influenciou positivamente na pós-colheita dos frutos, e estimulou a produção de todas as enzimas estudadas, sendo recomendada a aplicação da quitosana como tratamento alternativo ao controle convencional.
  • MARIA LUCIA MAURICIO DA SILVA
  • Armazenamento de sementes de Talisia esculenta (A. St. Hil.) Radlk
  • Data: 06/02/2015
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • -
2014
Descrição
  • SEVERINO DO RAMO NASCIMENTO DOS SANTOS
  • Fenologia e propagação de Amburana cearensis (Allemão) A.C. Smith
  • Data: 25/12/2014
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • -
  • IZABELA THAÍS FIDELIS ALVES DA SILVA
  • Aspectos biológicos de Anagasta Kuehniella (Zeller, 1879) (Lepidoptera, Pyralidae) em dietas artificiais e sua relação com o predador Euborellia annulipes.
  • Data: 09/12/2014
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • O controle biologico e uma das ferramentas mais importantes no manejo de pragas. Entre os agentes de controle, destacam-se os predadores, os parasitoides e os patogenos. A utilizacao de insetos tem demonstrado ser eficiente devido a possibilidade de cria-los por meio da ofertas de ovos de hospedeiros alternativos, dentre as quais destaca-se a especie Anagasta kuehniella (Zeller). Entre os predadores, a especie Euborellia annulipes e um importante agente de controle biologico, sendo reconhecida como inimigo natural de insetospraga importantes na agricultura. Diante do exposto o presente trabalho teve como objetivo avaliar o desenvolvimento biologico de A. kuehniella em dietas artificiais e sua relacao com o predador Euborellia annulipes. O experimento foi conduzido no Laboratorio de Entomologia do Departamento de Fitotecnia e Ciencias Ambientais do Centro de Ciencias Agrarias da Universidade Federal da Paraiba, em temperatura de 25 ± 1ºC, umidade relativa 70% ± 10% e fotofase de 12 horas. O desenvolvimento da presa e do predador foi avaliado em dietas a base de farinha de milho (crioulo e transgenico), farinha de mandioca, farinha de arroz, farinha de rosca, farinha de aveia e ovos de A. kuehniella. Os parametros biologicos analisados foram: duracao e viabilidade dos estadios imaturos, capacidade reprodutiva das femeas, nº de ovos da primeira oviposicao, incubacao e viabilidades dos ovos, longevidade e peso de pupas. Os dados foram submetidos a analise de variancia e as medias de tratamentos foram comparadas pelo teste de Tukey a 5% de probabilidade. A duracao do estagio imaturo de A. kuehniella foi de 49,1 dias para dietas a base de milho crioulo (T1). Nao houve diferenca significativa para o peso de pupas, numero de ovos da primeira postura e viabilidades dessa especie. Quanto ao predador E. annulipes nao houve diferenca para o periodo ninfal, periodo de pre-oviposicao e periodo de incubacao dos ovos. A oviposicao variou de 23,8 a 73,0 ovos/postura em funcao da dieta. Dietas a base de milho crioulo sao promissoras para a criacao de A. kuehniella e ovos desta traca podem ser utilizados na producao de E. annulipes
  • VALERIO DAMASIO DA MOTA SILVA
  • Fluxo de CO2 em áreas com diferentes níveis de degradação no Seridó da Paraíba
  • Data: 03/12/2014
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • -
  • EVIO ALVES GALINDO
  • Armazenamento de sementes de Enterolobium contortisiliquum (Vell.) Morong
  • Data: 06/11/2014
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • -
  • JOSE ACHILLES DE LIMA NEVES
  • Caracterização citogenética de representantes de Aspararagaceae s.l. com ênfase nas subfamlias Agovoideae Herb., Lomandroideae Thorne e Reveal e Nolinoideae Burnett
  • Data: 21/07/2014
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • -
  • JANAINA MARQUES MONDEGO
  • Resistência induzida em milho á Spodoptera frugiperda (J.E. Smith, 1797) (Lepdoptea:Noctuidae)
  • Data: 15/07/2014
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • -
  • MAYARA ANDRADE SOUZA
  • Dinâmica da serapilheira e fauna edáfica em áreas de murici (Byrsonima gardneriana A. Juss) no semiárido de Alagoas, Brasil
  • Data: 10/07/2014
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • -
  • MÁRCIA MARIA DE SOUZA GONDIM DIAS
  • QUALIDADE DE LISIANTHUS (Eustoma grandiflorum Shinn.) DE VASOS PRODUZIDOS COM DIFERENTES SUBSTRATOS E TRATADOS PÓS-COLHEITA COM INDUTORES DE RESISTÊNCIA E 1-METILCICLOPROPENO
  • Data: 30/06/2014
  • Hora: 13:00
  • Mostrar Resumo
  • Apesar da expressiva produção mundial de lisianthus (Eustoma grandiflorum Shinn.), esta ainda é uma espécie pouco pesquisada, principalmente quanto às condições ideais de cultivo, à qualidade e à pós-produção. No capítulo I, objetivou-se avaliar o efeito de diferentes misturas de substratos e a atuação de inibidores da ação do etileno na qualidade pós-produção de lisianthus produzidos em vaso. As plantas foram conduzidas em estufa de produção comercial sendo utilizada a cultivar Echo, adquirida do viveiro Isabel Yamagushi, Atibaia, SP, quando apresentavam dois pares de folhas. O transplantio foi realizando, utilizando duas mudas por vaso com capacidade de 750 ml, empregando como substrato proporções de misturas de solo (2 a 80 %), composto orgânico (0 a 80 %) e casca de arroz carbonizada (0 a 20 %), totalizando oito misturas. Quando atingiu o ponto de colheita, com flores totalmente abertas, os vasos de lisianthus foram transferidos ao Laboratório de Biologia e Tecnologia Pós-olheita da Universidade Federal da Paraíba, CCA/UFPB, e mantidos sob condição ambiente (24±2 °C e 75±4% UR). Foram avaliadas as características de ciclo de produção, vida útil de vaso, altura de vaso, número de botões fechados, número de botões abertos, número de hastes, número de folhas, diâmetro da haste, diâmetro da flor, coloração das flores, teores de antocianinas e flavonoides amarelos e analise sensorial de pós-produção de lisianthus. Para o ciclo da cultura e a altura das plantas não foi verificado efeito significativo dos componentes da mistura. Os máximos valores estimados para as características quantitativas foram obtidos com o substrato constituído de 23% solo, 75% composto orgânico e 2% casca de arroz. Para a coloração das flores, os máximos valores, foram obtidos com o substrato constituído de 77% solo, 18% composto orgânico e 5% casca de arroz e para sensorial foram obtidos com o substrato constituído de 22% solo, 2% composto orgânico e 6% casca de arroz. Verificou-se efeito significativo nos teores de antocianina e flavonoides amarelos em relação à coloração e intensidade de cor das pétalas. No capítulo II, objetivou-se avaliar os efeitos de inibidores da ação de etileno a base de Biomassa cítrica (BC) e do 1- MCP na prevenção dos danos causados pelo etileno em lisianthus. As plantas foram produzidas em estufa de produção comercial e colhidas quando apresentavam flores totalmente abertas. Foram submetidas a quatro tratamentos: controle (plantas sem aplicação de produtos), 1-MCP -0,25 μl L-1; produto a base de biomassa cítrica (BC) - 1,5mL/L e biomassa cítrica (BC) 1,5mL/L +1MCP -0,25 μl L-1, sendo analisados quanto à aparência e fluorescência durante de 10 dias. Para avaliação de respiração, foram realizadas leituras a cada 12 horas totalizando 144 horas. As mudanças nos atributos de qualidade se tornam mais acentuadas a partir do oitavo dia de avaliação refletindo numa menor aceitação sensorial de lisianthus em vaso. O produto a base de biomassa cítrica (BC) + 1MCP apresentou menor incidência de defeitos graves, desidratação das flores e aceitação comercial. O 1-MCP se mostrou eficiente no controle da respiração, quer seja viii isolado ou associado à biomassa cítrica. Todos os tratamentos preservaram de forma eficiente o aparato fotossintético das plantas ao final do armazenamento.
  • ALDERICA DA CUNHA OLIVEIRA
  • Formação de mudas de tangerineira 'Sunki Tropical’ e limoeiro Cravo ‘Santa Cruz’ irrigados com água salina
  • Data: 11/06/2014
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • -
  • ANA DE OLIVEIRA LIMA NETA
  • Caracterização química e bioquímica sob adubação nitrogenada e propriedades antioxidantes e anti-inflamatórias em cultivares de abacaxizeiro
  • Data: 06/06/2014
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • -
  • POLLYANNA FREIRE MONTENEGRO AGRA
  • Invasão biológica por Sporobulus indicus (L.) R.Br em domínio de floresta atlântica e ecossistemas associados no estado da Paraíba
  • Data: 06/06/2014
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • -
  • FERNANDA GARANHANI
  • Tecnologia de Sementes de Physalis peruviana L.
  • Data: 19/05/2014
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • -
  • LEONARDO FONSECA DA ROCHA
  • Cultivo e qualidade dos frutos de goiabeira ‘Paluma’ em solo com substâncias húmicas e cobertura morta
  • Data: 22/04/2014
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • Pela importancia das substancias humicas e do uso de residuos organicos na agricultura objetivou-se avaliar os efeitos das substancias humicas oriundas de um produto comercial (Humitec®) e da cobertura do solo com restos culturais na producao, caracteristicas fisico-quimica de frutos, composicao mineral das folhas de goiabeira „Paluma‟ e na fertilidade do solo. O experimento foi realizado em Remigio, PB, durante o periodo de agosto/2012 a novembro/2013, no delineamento em blocos casualizados, com quatro repeticoes e duas plantas por parcela, utilizando o esquema fatorial 5 x 2, correspondendo as doses de substancias humicas de 0, 10, 20, 30 e 40 mL L-1 em volume constate de 6 L planta-1 de cada mistura aplicada em intervalos 60 dias na area de projecao da copa das plantas, no solo sem e com cobertura morta. O uso de substancias humicas na forma de humitec® e da cobertura do solo com restos vegetais reduziu os teores de hidrogenio mais aluminio do solo, e a cobertura morta manteve o solo com maior umidade e menor temperatura. As plantas apresentaram teores adequados em nitrogenio, fosforo, potassio, magnesio boro, manganes, ferro e estavam deficientes em calcio, enxofre, zinco e cobre. As substancias humicas estimularam a producao da goiabeira, com maior eficiencia no solo descoberto. Com base na acidez titulavel, teores de solidos soluveis, vitamina C e pela relacao solidos soluveis/acidez titulavel da polpa (ratio), os frutos estavam com qualidade adequada para o mercado consumidor.
  • AMANDA KELLY DIAS BEZERRA
  • Qualidade fisiológica de sementes e diversidade genética em matrizes de Aspidosperma pyrifolium Mart.
  • Data: 28/03/2014
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • -
  • JULIETE ARAÚJO DA SILVA
  • Desenvolvimento do quiabeiro em diferentes espaçamentos com e sem biofertilizante
  • Data: 28/03/2014
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • -
  • MANOEL FAUSTO DE OLIVEIRA NETO
  • Crescimento e produção da mamoneira (Ricinus communis L.) em função de lâminas de irrigação
  • Data: 26/03/2014
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • -
  • GIVANILDO ZILDO DA SILVA
  • Estresse hídrico na fisiologia da germinação e morfoanatomia de plântulas de Myracrodruon urundeuva Fr. All. (Anacardiaceae)”,
  • Data: 06/03/2014
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • -
  • IRENICE GOMES DE OLIVEIRA
  • Evolução cariotípica em representantes brasileiros da subtribo Pleurothallidinae Lindl. (Orchidaceae Juss.)
  • Data: 28/02/2014
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • -
  • PETRONIO DONATO DOS SANTOS
  • TRATAMENTO DE UM SOLO SALINO-SÓDICO COM GESSO E FONTES ORGÂNICAS SOB CULTIVO ROTACIONADO DE GIRASSOL-ARROZ
  • Data: 28/02/2014
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • Um experimento foi conduzido no período 05/08/2011 a 25/09/2012, para avaliar os efeitos do gesso agrícola e fontes orgânicas seguidos de lavagem contínua e cultivo de girassol (Heliantos annus) cv 112/V-2000 e arroz (Oryza sativa) variedade Diamante em um solo salino - sódico, do Perímetro Irrigado de São Gonçalo, Sousa, Paraíba. Os tratamentos foram distribuídos em blocos ao acaso, com quatro repetições, referentes a testemunha (sem gesso e sem nenhuma fonte orgânica), gesso agrícola, esterco bovino, casca de arroz, casca de coco, gesso + esterco bovino, gesso + casca de arroz e gesso + casca de coco. O trabalho consta de três capítulos. No Capítulo – I, p. 15 – 54, estão os dados de pH, condutividade elétrica do extrato de saturação e percentagem de sódio trocável avaliados antes da aplicação dos tratamentos, após a lavagem do solo, após o cultivo do girassol e do arroz, respectivamente. O Capítulo – II, p. 55 - 81, apresenta os resultados de crescimento e produção do girassol e o Capítulo – III, p. 82 - 106, os dados de crescimento, composição foliar de macronutrientes e sódio e produção de grãos pela cultura do arroz.
  • COSMO RUFINO DE LIMA
  • Parâmetros ecofisiológicos de Poincianella pyramidalis (Tul.) L. P. Queiroz e sua relação com a variabilidade temporal das chuvas em áreas do Semiárido paraibano
  • Data: 27/02/2014
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • -
  • PABLO RADAMES CABRAL DE FRANCA
  • Desenvolvimento de uma deslintadora de algodão e avaliação da qualidade física e fisiológica das sementes
  • Data: 27/02/2014
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • -
  • TONY ANDRESON GUEDES DANTAS
  • Redução de perdas hídricas do solo com biofertilizantes e cultivado com pimentão
  • Data: 27/02/2014
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • -
  • RENATO SANTOS ROCHA
  • Aspecto nutricional da cana-de-açúcar com silício e sua resistência a cupins no município de Aldeias Altas, estado do Maranhão
  • Data: 25/02/2014
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • oo

  • FLAUBERT QUEIROGA DE SOUSA
  • Estrutura fitossicológica de remanescentes de caatinga e avaliação do banco de sementes de solo em áreas invadidas por Cryptostegia madagascariensis Bojer ex Decne, no estado do Ceará
  • Data: 24/02/2014
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • -
  • FLAVIO RICARDO DA SILVA CRUZ
  • Invasão biológica por Cryptostegia madagascariensis Bojer ex Decne, no estado do Ceará: biometria, ecofisiologia de sementes e métodos de controle”
  • Data: 24/02/2014
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • -
  • GEORGE HENRIQUE CAMÊLO GUIMARÃES
  • Mudanças na qualidade e nos compostos voláteis em abacaxi ‘Pérola’ sob recobrimentos biodegradáveis
  • Data: 24/02/2014
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • O abacaxi é uma das frutíferas mais importantes no mundo, sendo que no Brasil o cultivar Pérola é o mais consumido. Porém, apresenta problemas relacionados a curta vida útil pós-colheita. Desta forma, estudos que objetivem avaliar formas que mantenham a qualidade e prolonguem a vida útil pós-colheita em abacaxi apresentam grande relevância. Assim, o objetivo deste trabalho foi avaliar as mudanças na qualidade e nos compostos voláteis em abacaxi ‘Pérola’ sob recobrimentos biodegradáveis. Para isto, as infrutescências de abacaxizeiro ‘Pérola’ foram colhidas de plantio localizado no município de Santa Rita-PB e transportadas para o Laboratório de Biologia e Tecnologia Pós-Colheita do Centro de Ciências Agrárias da Universidade Federal da Paraíba, CAMPUS II Areia-PB. O experimento consistiu em delineamento inteiramente casualizado em esquema fatorial 4x7 (recobrimentos x períodos de avaliações), para as avaliações físicas, físico-químicas, compostos bioativos e atividade antioxidante, com três repetições, compostas por uma infrutescência por repetição, com avaliações a cada 3 dias. Para a análise sensorial, o fatorial foi 4x4 (recobrimentos x períodos de avaliações), com 10 repetições, sendo cada provador uma repetição e avaliação a cada 6 dias. Para análise de voláteis o fatorial foi 4x3 (recobrimentos x períodos de avaliações), com 3 repetições, sendo a injeção no Cromatógrafo considerada a repetição e avaliação a cada 9 dias. Os recobrimentos foram: C (controle sem recobrimento), ED (infusão de erva-doce a 3%), Q-ED (emulsão de quitosana 1,5 %) e F-ED (emulsão de fécula de mandioca 1,5 %), utilizados no capítulo 1. Para o capítulo 2, foram os seguintes recobrimentos: Q (quitosana 1,5%), F-A (emulsão de fécula de mandioca 1,5 % com ácido ascórbico), F-E (emulsão de fécula de mandioca 1,5 % com Elicitor) e F (emulsão de fécula de mandioca 1,5 %) e C (controle sem recobrimento). Os dados obtidos foram submetidos à análise de variância pelo teste F (p≤0,05). Para o fator período de armazenamento (dias), foi aplicada análise de regressão polinomial, testando modelos até o segundo grau, para o fator recobrimentos foi aplicado o teste de Tukey (p≤0,05). O recobrimento de fécula de mandioca com adição de ecolofe minimizou a degradação da clorofila tornando as intrutescências mais verdes, mas esse fator não influenciou na maturação dessas infrutescências, uma vez que essas infrutescências apresentaram aroma característico de fruto maduro com o decorrer do tempo, identificado pelo composto metil octanoato e metil 2-metil butanoato. O recobrimento de fécula de mandioca com adição de ácido ascórbico apresentou maior teor de polifenóis extraíveis totais e maior atividade antioxidante total. O abacaxi recoberto apenas com infusão de erva-doce apresentou elevados teores de ácido ascórbico e de flavonóides na polpa, apresentando também aparência acima do limite de aceitação, bem como conservando compostos voláteis característicos de abacaxi verde, como o nonanal e o etil hexanoato durante o período de armazenamento.
  • PAULO ALEXANDRE FERNANDES RODRIGUES DE MELO
  • Qualidade fisiológica e sanitária de sementes de Sideroxylon obtusifolium (Roem. & Schul.) Penn. Submetidas a diferentes métodos de desinfestação
  • Data: 24/02/2014
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • -
  • FLAVIA LAIS GOMES FORTUNATO
  • ANÁLISE DIALÉLICA PARA CARACTERES MORFOAGRONÔMICOS EM PIMENTEIRAS ORNAMENTAIS (Capsicum annuum L.)
  • Data: 21/02/2014
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • O presentetrabalho tem como objetivo caracterizar e avaliar a divergência genética entre oito acessos de pimenta (Capsicum annuum).Estimar a capacidade geral de combinação (CGC), a capacidade especifica de combinação (CEC) e a herdabilidade utilizando 11 caracteres quantitativos, e determinar oscruzamentosmais promissores, para fins ornamentais, entreseisgenitores de pimenta (Capsicum annuum). Para a análise da variabilidade foram avaliados oito genótipos com base em vinte e um caracteres quantitativos. Os dados foram submetidos à análise de variância pelo teste F em nível de 5% e 1% de significância e as médias foram agrupadas pelo teste de Scott Knott a 5% e 1% de significância. Para a análise da divergência genética utilizou-se o método de agrupamento de Tocher e variáveis canônicas. A importância relativa das características para a divergência foi calculada baseando-se no método proposto por SINGH (1981) e pela análise das variáveis canônicas.Os efeitos de tratamento foram significativos, pelo teste F, em nível de 1% para todas as características avaliadas, com exceção da largura da copa e diâmetro do caule, que foram significativos a 5% de probabilidade. Conforme a metodologia de Tocher, com base na distância generalizada de Mahalanobis, os acessos foram reunidos em dois grupos. No primeiro grupo encontram-se os acessos 348, 349, 352, 347, 346 e 356, o segundo grupo foi formado pelos acessos 355 e 357. Na análise das variáveis canônicas as três primeiras variáveis explicaram 94,18% da variância total, sendo formados quatro grupos distintos de acordo com a dispersão gráfica. De acordo com as variáveis canônicas a característica matéria fresca foi a que apresentou o maior valor de autovetor no ultimo autovalor, podendo ser descarta em estudos futuros. Pelo método de Singh (1981), determinou-se que três características contribuíram com 68,43% da divergência genética, enquanto as demais contribuíram com apenas 31,57%. Os oito acessos de Capsicum annuum analisados foram divergentes, apresentando variabilidade genética, revelando assim, o potencial dos mesmos para serem utilizados como genitores em programas de melhoramento de pimenteiras ornamentais. Para a determinação da capacidade geral e específica de combinação foi realizada a análise dialélica conforme a metodologia de Griffing (1956), método II, modelo fixo. As diferenças significativas entre os efeitos de CGC e CGA foram avaliadas utilizando-se os valores do teste t. Os efeitos de CGC e CEC foram significativos, pelo teste F, em nível de 1% para todas quase todos caractereres avaliados, com exceção do comprimento do caule, comprimento da corola e diâmetro das pétalas, sugerindo que efeitos gênicos aditivos e não-aditivosestão envolvidos nocontrole genético dessas características. Os efeitos gênicos não aditivos, epistasia e/ou dominância, foram mais importantes do que os efeitos gênicos aditivos no controle da altura da planta, largura da copa, comprimento da folha, comprimento do pecíolo, largura da folha, comprimento da antera e comprimento do filete. O diâmetro do caule apresentou tanto efeitos aditivos quantos não aditivos. Para o comprimento do caule, comprimento da corola e diâmetro das pétalas, os efeitos gênicos aditivos foram mais importantes. Os genitores 346, 348 e 349 podem ser indicados para utilização como parentais em programas de melhoramento de pimenteiras ornamentais, com base em seus valores de CGC. As melhores combinações híbridas foram 348 x 356, 348 x 355, 347 x 355 e 349 x 356 para o comprimento da folha, comprimento do pecíolo e largura da folha e 346 x 347 e 346 x 348 para o comprimento da corola e diâmetro da pétala. Para o estudo da herança os dados viii foram submetidos à análise dialélica realizada conforme a metodologia de Hayman (1954). No teste da adequação do modelo aditivo-dominante, utilizou-se a estatística t. Todas as análises estatísticas foram realizadas utilizando-se o programa computacional Genes. Os efeitos de tratamento (genitores e híbridos F1) foram significativos, pelo teste F, em nível de 1% para todas as características avaliadas. Quanto ao teste de suficiência modelo aditivo–dominante, todas as características apresentaram adequação. Os alelos recessivos foram os responsáveis pelo aumento do diâmetro do caule, comprimento do pecíolo e diâmetro das pétalas.Para a altura da planta, largura da copa,comprimento do caule, comprimento da folha, largura da folha, comprimento da corola, comprimento da antera e comprimento do fileteo aumento do caráter foi proporcionado pela concentração de alelos dominantes. A variância dos componentes genéticos (D, F, H1, H2, h2 e D-H1) e ambiental (E) apresentaram valores não significativos para quase todas as características avaliadas, com exceção da altura da planta que apresentou valor de h2 significativo. A herdabilidade no sentido amplo foi alta para todas as características avaliadas, evidenciando que a maior parte da variação fenotípica observada no caráter é de natureza genética, podendo ser transmitida aos seus descendentes. Para a maioria dos caracteres avaliados a herdabilidade no sentido restrito apresentou valores satisfatórios, com exceção da largura da copa, comprimento da folha e comprimento do pecíolo, indicando-se a seleção para a melhoria destas características.
  • EDNA DE OLIVEIRA SILVA
  • Fenologia, qualidade fisiológica e micropropagação de sementes de Schinopis brasiliensis
  • Data: 21/02/2014
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • -
  • JOÃO JOSÉ DA SILVA NETO
  • Variabilidade e controle genético de caracteres morfoagronomicos em pimenteiras ornamentais (Capsicum Annuum)
  • Data: 21/02/2014
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • -
  • STÊNIO ANDREY GUEDES DANTAS
  • Componentes de substrato na formação de mudas de maracujá amarelo tratadas com biofertilizante e irrigadas com águas salinas
  • Data: 21/02/2014
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • -
  • ITACY NILDON DE ARAUJO MONTENEGRO
  • DESEMPENHO DO FEIJÃO-VAGEM ADUBADO COM ESTERCO BOVINO E BIOFERTILIZANTE
  • Data: 20/02/2014
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • -
  • ELIZABETHE QUINTELLA DE LIMA
  • Estudo etnobotânico e de compostos bioativos de frutos de quixabeira (Sideroxylon obtusifolium Penn.) nativa do Semiárido nordestino do Brasil
  • Data: 18/02/2014
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • -
  • ERNANE NOGUEIRA NUNES
  • Qualidade e compostos bioativos de frutos de Pitaia (Hylocereus polyrhizus) produzidos na Chapada do Apodí, Ceará
  • Data: 18/02/2014
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • -
2013
Descrição
  • KEDMA MARIA SILVA PINTO
  • Perfil fitoquímico de extratos vegetais de espécies da caatinga e potencial no controle da mancha marrom de alternaria (Alternaria alternata f.sp. citri).
  • Data: 20/12/2013
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • -
  • VANESSA CAVALCANTE DE ALMEIDA
  • Caracterização morfocultural patogênica e molecular de isolados de Coletrotrichum gossypii e Colletotrichum gossypii var. Cephalosporioides
  • Data: 19/12/2013
  • Hora: 08:30
  • Mostrar Resumo
  • Considerando a importancia da identificacao de especies de Colletotrichum associadas a cultura do algodoeiro, bem como a escassez de informacoes a respeito da sistematica das especies, o objetivo desse trabalho foi a realizacao da caracterizacao morfologica e patogenica de isolados de C. gossypii var. cephalosporioides e de C. gossypii submetidos a diferentes temperaturas, visando identificar possiveis diferencas entre as duas especies e avaliacao do uso de marcadores moleculares para diferenciacao de C. gossypii e C. gossypii var. cephalosporioides. Foram utilizados cinco isolados de C. gossypii var. cephalosporioides e cinco isolados de C. gossypii os quais foram incubados a 20, 25 e 30 °C. Foram mensurados o crescimento micelial, a esporulacao, a dimensao dos conidios assim como a topografia e coloracao das colonias e o DNA desses isolados foi utilizado para analises com os marcadores moleculares ERIC-PCR, ISSR, IRAP, REMAP e Box-PCR. Os dados de caracterizacao cultural foram submetidos a analise de variancia e comparados pelo teste de Tukey. Os dados de patogenicidade foram analisados empregando-se o Modelo Linear Generalizado. Os resultados revelaram que houve diferencas entre os isolados em relacao ao crescimento micelial e esporulacao das duas especies nas diferentes temperaturas, nao tendo sido observada variacao no comprimento e largura dos conidios. C. gossypii expressou sintomas de antracnose, enquanto sintomas de ramulose foram observados apenas em plantas inoculadas com C. gossypii var. cephalosporioides. A combinacao dos cinco marcadores analisados amplificou 54 locos, dos quais 48% foram polimorficos. O marcador mais informativo foi o ERIC-PCR. Os padroes de bandas de DNA foram empregados para calculo dos valores de similaridade genetica, os quais mostraram similaridade minima de 55% e maxima de 100%. O dendograma apresentou dois grupos distintos, um grupo incluindo todos os isolados caracterizados como C. gossypii e o outro com agrupamento dos isolados de C. gossypii var. cephalosporioides indicando que as tecnicas moleculares baseadas na combinacao dos marcadores ERIC-PCR, ISSR, IRAP, REMAP e Box-PCR foram eficientes para diferenciar C. gossypii de C. gossypii var. cephalosporioides.
  • DJALMA JOSE CORREIA DE FIGUEREDO
  • Crescimento e produção de fitomassa da Mamoneira BRS Energia, adubada com nitrogênio e silício
  • Data: 17/12/2013
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • -
  • FELIPE NOLLET MEDEIROS DE ASSIS
  • Mecanismos de evolução cariotípica em Epidendrum L. (Orchidaceae: Epidendroideae)
  • Data: 13/12/2013
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • -
  • FRANCISCA JOSEANNY MAIA E OLIVEIRA
  • USO DO ESTERCO BOVINO E BIOFERTILIZANTE SOBRE A PRODUÇÃO E QUALIDADE DO INHAME Dioscorea cayennesis Lam.
  • Data: 13/12/2013
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • -
  • DANIELE LAVRA VIEIRA
  • Indução de resistência em Citrus reticulata e ação ovicida de óleos vegetais sobre Aleurocanthus Woglumi Asbhy.
  • Data: 07/11/2013
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • -

  • MARCIA MARIA BEZERRA GUIMARÃES
  • Adubação orgânica no crescimento, fisiologia e produção de fitomassa de mamoneira BRS energia.
  • Data: 31/10/2013
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • -
  • JORGE XAVIER DE ALMEIDA NETO
  • Sistema reprodutivo, diversidade genética e micropropagação do Feijão-Bravo (Capparis Flexuosa L.)
  • Data: 14/10/2013
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • -

  • KLERTON RODRIGUES FORTE XAVIER
  • Invasão biológica por Prosopis juliflora (Sw.) DC. (Fabaceae Lindl.) na Caatinga: sociabilidade com espécies nativas e potencial alelopático
  • Data: 30/09/2013
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • oo

  • MARIA SUELI ROCHA LIMA
  • Crescimento e produção de gergelim (Sesamum indicum L.) em função de lâminas de água
  • Data: 30/09/2013
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • -
  • ROSSANA CARLA MONTENEGRO DE VASCONCELOS
  • Redução de perdas hídricas, irrigação com água moderadamente salina e biofertilizantes no solo cultivado com tomateiro
  • Data: 30/09/2013
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • O tomateiro (Lycopersicon esculentum Mill.) do ponto de vista econômico está entre as hortaliças mais importantes do mercado brasileiro. É uma cultura de retorno rápido dos investimentos, visto o curto período para inicio da produção, por isso, é largamente explorada por pequenos e médios horticultores. Associado a isto, a busca por alternativas de redução de perdas hídricas e por fertilizantes naturais torna-se fundamental para sustentabilidade do pequeno agricultor nas regiões semiáridas. Neste sentido, foi desenvolvido um experimento no município de Nova Floresta, PB, no período de setembro de 2012 a fevereiro de 2013, em um LATOSSOLO AMARELO Eutrófico típico, para avaliar o crescimento e produção das plantas de tomateiro, bem como avaliar a umidade do solo nos tratamentos sem e com revestimento lateral dos sulcos com filme plástico de polietileno, sem e com biofertilizante, sem e com cobertura morta. O delineamento experimental foi em blocos ao acaso com quatro repetições, em esquema fatorial 3 x 2 x 2 com 12 tratamentos. As fontes de variação foram biofertilizantes (ausência de biofertilizante, biofertilizante comum e biofertilizante enriquecido), sistemas de cultivo (sem e com cobertura com resíduo de sisal na espessura de 5 cm) e revestimento (sem e com revestimento lateral dos sulcos com filme plástico de polietileno), totalizando 48 parcelas, em cada ensaio, perfazendo um total de 1.008 plantas. Pelos resultados, o revestimento lateral das covas interferiu positivamente no crescimento em altura, diâmetro caulinar, número de frutos por planta, massa média de frutos, rendimento individual por planta e por área e na umidade do solo, comparados aos tratamentos sem o revestimento lateral dos sulcos. O tratamento mais eficiente referiu-se ao revestimento lateral dos sulcos com filme de polietileno preto, resultando em aumento da produtividade do tomateiro em 29,7% em comparação ao sulco sem revestimento. Desta forma, esta técnica apresenta-se viável pelo aumento da umidade do solo por maior período de tempo, melhorando a eficiência de uso de água pelas plantas em condições de clima semiárido.
  • Vandeilson Lemos Araujo
  • Aclimatização e aclimatação de mudas de abacaxizeiro (Ananas comosus L. var. comosus) cv. Imperial em substratos orgânicos e comercial
  • Data: 30/09/2013
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • -

  • CATARINA DE MEDEIROS BANDEIRA
  • Controle alternativo de pulgão (Brevicoryne brassicae L.) (Hemiptera:aphididae) em repolho adubado com nitrogênio
  • Data: 09/08/2013
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • -

  • JOSE LUIZ DO NASCIMENTO JUNIOR
  • Seletividade de inseticidas ao predador Euborellia annulipes (Lucas 1847) (Dermaptera:Carcinophoridae)
  • Data: 07/08/2013
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • -

  • LANIA ISIS FERREIRA ALVES
  • Evolução cariotípica da tribo Trimezieae (Iridoideae-Iridaceae) com ênfase nos gêneros Neomarica Sprague e Trimezia Salisb. ex Herb.
  • Data: 04/07/2013
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • -

  • VALDENIA CARDOSO DA SILVA FERREIRA
  • QUALIDADE, PROPRIEDADES FUNCIONAIS E CONSERVAÇÃO PÓS-COLHEITA DE MAMÃO ‘GOLDEN’ SOB DIFERENTES COMBINAÇÕES DE RECOBRIMENTOS
  • Data: 28/06/2013
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • -

  • DAYANA SILVA DE MEDEIROS
  • Potencial fisiológico de sementes de milho obtidas nas diferentes operações do beneficiamento
  • Data: 24/05/2013
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • -

  • FRANCISCO DE ASSIS P LEONARDO
  • Atributos químicos do solo, crescimento, produção e qualidade de infrutescências do abacaxizeiro ‘Vitória’ em função de fontes de adubação nitrogenada
  • Data: 24/05/2013
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • -
  • CARLA DANIELLE DE OLIVEIRA PAIZINHO
  • Produção de serapilheira e fauna do solo no Núcleo de Desertificação do Seridó, na Paraíba.
  • Data: 22/05/2013
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • -
  • DANIELLE BRIGIDA CANDEIA RIBEIRO
  • Qualidade de sementes de Anadenanthera colubrina (Vell.) Brenan em solos com diferentes disponibilidades hídricas
  • Data: 10/05/2013
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • -

  • LUCAS BORCHARTT BANDEIRA
  • ATRIBUTOS FÍSICOS E QUÍMICOS DE UMA TOPOSSEQUÊNCIA E CICLAGEM DE NUTRIENTES EM ÁREAS DE MATA NATIVA E REFLORESTADA
  • Data: 03/05/2013
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • -

  • CARMEM VALDENIA DA SILVA SANTANA
  • Interação entre fatores do ambiente e oídium sp em feijão-caupi
  • Data: 19/04/2013
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • -

  • CLEMILTON DA SILVA FERREIRA
  • TROCAS GASOSAS, POLINIZAÇÃO ARTIFICIAL E QUALIDADE DE FRUTOS EM CLONES DE BACURIZEIRO (Platonia insignis Mart.)
  • Data: 19/04/2013
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • -

  • FRANCISCO JOZIVAN DO NASCIMENTO
  • Invasão biológica por esporobus indicus (L.) R. BR em domínio de floresta atlântica, no estado da Paraíba
  • Data: 18/04/2013
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • -

  • BRUNO BRITO DA SILVA
  • Análise genética quantitativa e molecular em população segregante de pimenteiras ormantais (Capsicum annuum L.)
  • Data: 28/03/2013
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • -

  • DIOGO DE SOUSA FERRAZ
  • Dinâmica de serapilheira, balanço e estoque de carbono em área de caatinga
  • Data: 22/03/2013
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • -

  • ELIANE DUARTE BRANDAO
  • DEGRADAÇÃO DO SOLO EM ÁREAS DE PASTAGENS NA MICRORREGIÃO DO BREJO PARAIBANO
  • Data: 22/03/2013
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • O manejo inadequado das pastagens ocasiona alterações nos atributos físicos e químicos do solo. A formação de pastagens no Brasil é muitas vezes realizada em solos ácidos e de baixa fertilidade, sendo a deficiência de fósforo e de nitrogênio responsáveis pelo baixo estabelecimento e produtividade das gramíneas. Neste aspecto, o estudo foi realizado em campo e casa de vegetação para avaliar a degradação do solo em áreas de pastagens na microrregião do Brejo Paraibano. O experimento em campo teve como objetivo avaliar os atributos físicos e químicos de Argissolo Vermelho Amarelo, em áreas de pastagens no município de Areia-PB, em diferentes posições na encosta e profundidade de amostragem do solo. Utilizou-se uma pesquisa observacional sem casualização, no entanto, para nível de efeito considerou-se três posições na encosta (transectos superior, mediano e inferior) e quatro profundidades de amostragem do solo (0,0-2,5; 2,5-7,5; 7,5-15,0 e 15,0-30,0 cm) como medida repetida no espaço com cinco repetições em cada transecto. De modo geral, as áreas de pastagens avaliadas apresentaram elevada densidade do solo e compactação da camada superficial na profundidade de 0,0-2,5 cm. Também foi observada elevada acidez e elevado teor de alumínio trocável, baixos teores de fósforo, soma de bases e saturação por bases e, médios teores de carbono orgânico total no solo. Concluiu-se que, os solos das áreas avaliadas estão degradados química e fisicamente necessitando, portanto, de ação efetiva por parte dos proprietários para reversão do quadro encontrado. Em casa de vegetação, os experimentos tiveram como objetivo avaliar a produção da Brachiaria decumbens Stapf em Argissolo Vermelho Amarelo degradado. O primeiro experimento foi conduzido em delineamento inteiramente casualizado, com cinco repetições representados pelos tratamentos: T1 (testemunha); T2 (N0-P80-K50); T3 (N30-P80-K50); T4 (N60-P80-K50); T5 (N90-P80-K50) e T6 (N120-P80-K50), correspondentes as quantidades de 0, 30, 60, 90 e 120 kg de nitrogênio aplicado por hectare ao solo, totalizando trinta unidades experimentais. Os cortes da parte aérea da gramínea foram efetuados aos 45, 75, 105, 135, 165 e 195 dias após a semeadura. Dos resultados, observou-se que as quantidades estimadas de 63, 69, e 120 de N aplicado ao solo, foram respectivamente, responsáveis pela máxima produção de fitomassa fresca da parte aérea e altura de perfilhos, fitomassa seca da parte aérea e número de perfilhos efetivos da gramínea. Concluiu-se que, as maiores produções obtidas de fitomassa da parte aérea da B. decumbens Stapf, ocorreram no primeiro e segundo corte, assim como, o maior perfilhamento ocorreu somente a partir do segundo corte. O segundo experimento foi conduzido em delineamento inteiramente casualizado com quatro repetições representados pelos tratamentos: T1 (Testemunha); T2 (Apenas calcário); T3 (N60-P60-K50); T4 (calcário+N60-P0-K50); T5 (calcário+N60-P60-K50); T6 (calcário+N60-P120-K50) e T7 (calcário+N60-P180-K50), totalizando vinte oito unidades experimentais. As quantidades de adubo mineral utilizada foram 60 kg ha-1de N; 0, 60, 120, 180 kg ha-1 de P2O5 e 50 kg ha-1 de K2O. Os cortes da parte aérea da gramínea foram efetuados aos 37, 67, 97, 127, 157 e 187 dias após a semeadura. Dos resultados, observou-se que as quantidades estimadas de 37, 58, 174 e 122 de P2O5 aplicado ao solo, foram respectivamente, responsáveis pela máxima produção de fitomassa fresca da parte aérea, altura de perfilho, número de perfilhos efetivos e fitomassa seca de cepa da gramínea. Conclui-se que, a aplicação de calcário ao solo juntamente com adubação mineral (NPK) foi eficiente para a produção da B. decumbens Stapf.

  • JOSE ADEILSON MEDEIROS DO NASCIMENTO
  • Atributos químicos do solo, nutrição e produtividade da melancia em função da adubação com esterco e potássio
  • Data: 01/03/2013
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • .

  • JANDIRA PEREIRA DA COSTA
  • Desenvolvimento e qualidade de infrutescências do abacaxizeiro ‘Pérola’ produzido sob fontes e doses de adubos orgânicos no estado da Paraíba
  • Data: 28/02/2013
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • O presente trabalho foi realizado em três experimentos e teve como objetivo avaliar a influência de fontes e doses de adubação orgânica na qualidade de infrutescências de abacaxizeiro „Pérola‟. Os experimentos foram desenvolvidos em campo na Fazenda Nova Quandu, Itapororoca/PB, zona da Mata Norte paraibana e as avaliações no Laboratório de Biologia e Tecnologia Pós-Colheita do Centro de Ciências Agrárias da Universidade Federal da Paraíba. As plantas foram conduzidas no campo sob diferentes fontes (bovina, Cama de Frango e mista) e doses (0, 50, 75 e 100) % de DNR (dose de nitrogênio, recomendado para a cultura), em espaçamento 0,80 x 0,30 x 0,30. A indução floral foi realizada aos 17 meses. Quando foi o caso, os abacaxis foram colhidos pela manhã na maturidade comercial e conduzidas ao laboratório. O primeiro experimento constou de cinco tratamentos: 1- (Testemunha absoluta) 0% DNR (dose de nitrogênio recomendada para a cultura); 2- 100% (NPK); 3- 50% DNR (450 g Esterco Bovino/Planta + 150 g Cama de Frango /Planta); 4- 75% DNR (450 g Esterco Bovino/Planta + 190 g Cama de Frango /Planta); 5- 100% DNR (450 g Esterco Bovino/Planta + 230 g Cama de Frango /Planta). Aos 43 dias após indução floral (DAIF) foram iniciadas as avaliações de comprimento e diâmetro do fruto, comprimento da coroa e massa fresca até os 133 DAIF, período correspondente à maturidade fisiológica (comercial) do abacaxi na planta. O comprimento, diâmetro da fruta evoluíram rapidamente até os 73 DAIF para o abacaxi ‟Pérola‟, caracterizando a primeira fase do desenvolvimento e crescimento rápido. Na segunda fase observou-se a desaceleração do crescimento que se estendeu até os 103 DAIF, seguido de crescimento lento até cerca de 118 DAIF. A terceira fase do desenvolvimento iniciou-se aproximadamente aos 118 DAIF observando-se o processo de maturação, estendendo-se até os 133 DAIF. O aumento crescente das doses de adubo orgânico proporcionou o aumento do comprimento, diâmetro, comprimento de coroa e massa fresca dos frutos superior ao convencional. No segundo experimento para avaliar a qualidade utilizou-se 11 tratamentos: 1-Testemunha Absoluta; 2- NPK; 3 4 e 5- esterco bovino (900,1100 e 1300g/ planta); 6 7e 8 Cama de Frango (300,380 e 460 g/planta); 9,10 e 11 esterco misto (450g EB+150,190 e 230 CF g/planta), respectivamente. Os frutos foram avaliados quantos à: massa fresca, comprimento e diâmetro do fruto, comprimento de coroa, firmeza, cor da casca (L, a, b, C e H), cor da polpa (C e H), Índice de escurecimento (IE), translucidez, sólidos solúveis, pH, Acidez Titulável, Açucares redutores, não redutores e Totais, atividade das enzimas peroxidase e polifenoloxidase. As atividades da peroxidase e polifenoloxidase aumentaram com o aumento das doses de adubos orgânicos. A partir da dose 50% N, DNR, para as fontes Bovina e Cama de Frango houve aumento dos carotenoides. As maiores doses de esterco (bovino, Cama de Frango e misto) influenciaram na classe do fruto de modo que estes se enquadrem nas classes 2 e 3, independentemente das fontes aplicadas. A dose de 1300 g de esterco bovino influencia de maneira positiva na coloração da polpa de forma apresenta menor tendência ao escurecimento interno. A fonte de adubação mista aumentou o tamanho do fruto, maior rendimento de polpa, menor rendimento de cilindro central, mas aumentou o índice de escurecimento e a translucidez da polpa. No terceiro experimento: foi avaliado os compostos bioativos e atividade antioxidante de abacaxi „Pérola‟ nos 11 tratamentos acima. O conteúdo de ácido ascórbico foi maior para frutos sob adubação orgânica na ordem decrescente para esterco misto, bovino e ave, respectivamente. O conteúdo de flavonoides amarelos foi maior em abacaxis de adubação mista. Os polifenóis decresceram a partir da dose 50% nas fontes bovino e mista, respectivamente. A partir da dose 50% DNR, para as fontes mista e bovina houve redução dos polifenois extraíveis totais. A dose de até 50% proporcionou aumento com conteúdo de ácido ascórbico para as fontes mista, bovina e Cama de Frango. As fontes orgânicas proporcionam incremento no conteúdo de ácido ascórbico e flavonoides amarelos em relação à adubação mineral. Por sua vez, a adubação mineral proporcionou maior conteúdo de PET.
  • MARIA DO PERPETUO SOCORRO DAMASCENO COSTA
  • Caracterização e diversidade genética entre genitores e híbridos interespecíficos de pimenteiras (Capsicum spp.)
  • Data: 28/02/2013
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • -
  • SARAH DO NASCIMENTO
  • VARIAÇÃO CROMOSSÔMICA E EVOLUÇÃO DA HETEROCROMATINA EM ESPÉCIES BRASILEIRAS DE ARACEAE
  • Data: 28/02/2013
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • 0

  • JEFERSON DUTRA BEZERRA
  • Crescimento, eficiência fotossintética e composição mineral de dois genótipos de maracujazeiro-amarelo sob salinidade.
  • Data: 26/02/2013
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • --
  • Miriam da Silva Tavares
  • Eficiência comparativa da adubação orgânica e mineral no crescimento e no metabolismo do algodoeiro
  • Data: 25/02/2013
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • -

  • Nícholas Lucena Queiroz
  • Características fisiológicas de genótipos de algodoeiro herbáceo a diferentes temperaturas.
  • Data: 25/02/2013
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • o

  • ANGELINE MARIA DA SILVA SANTOS
  • VARIABILIDADE ESPACIAL DO BANCO DE SEMENTES DE UMA LAGOA TEMPORÁRIA NO CARIRI PARAIBANO
  • Data: 22/02/2013
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • O banco de sementes no solo constitui-se numa das principais estratégias de sobrevivência em longo prazo das comunidades vegetais diante da sazonalidade e irregularidade do regime pluviométrico em áreas áridas e semiáridas. Considerandose que a riqueza e a densidade do banco de sementes nos ambientes áridos e semiáridos do mundo apresentam forte variação, este estudo objetiva avaliar a variação espaço-temporal do banco de sementes em uma área semiárida (Caatinga), no Nordeste do Brasil, determinando a sua composição florística e densidade de germinação. Foi selecionada a área que apresenta uma Lagoa temporária (Lagoa e Entorno) no município de São João do Cariri-PB, com vegetação de Caatinga altamente antropizada, devido a diversos usos ao longo do tempo. Em cada ponto cardeal, tomando como referência o centro da lagoa foi retirada amostras de solo para o banco de sementes (estrutura de ferro vazado 0,50 m x 0,50 m) e 5 cm de profundidade. O banco de sementes do solo foi implantado na casa de vegetação do Centro de Ciências Agrárias, no município de Areia-PB, no mês de janeiro do ano de 2012, durante 260 dias. Todo o material coletado foi distribuído em bandejas plásticas com dimensão de 28 cm x 42 cm x 7 cm e irrigado diariamente. A determinação da densidade de sementes no banco do solo foi realizada pelo método de emergência de plântulas e expressa em sementes/m². As famílias com maior número de espécies no banco de sementes do solo são a Poaceae (sete) e Asteraceae (cinco), a densidade do banco de sementes na área da Lagoa foi 2.713 sementes/m² e Entorno 3.828 sementes/m² e pós-estresse hídrico 732 sementes/m² e 1.208 sementes/m². A principal forma de vida do banco de sementes foi herbácea e apenas uma espécie arbórea representada pela Mimosa tenuiflora. A área do Entorno da lagoa apresenta a maior densidade de plantas por metro quadrado e maior diversidade de espécies, em comparação a posição de coleta em relação aos pontos cardeais, a direção no sentido Norte tanto na área da Lagoa como na do Entorno é a que apresenta menor densidade de sementes/m² e as espécies do banco de sementes, predominantemente, são constituintes do estrato herbáceo em comparação aos arbustivo e arbóreo.
  • DALMO MARCELLO DE BRITO PRIMO
  • QUALIDADE, COMPOSTOS BIOATIVOS E ATIVIDADE ANTIOXIDANTE EM FRUTAS PRODUZIDAS NO ESTADO DA PARAÍBA
  • Data: 22/02/2013
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • As frutas fornecem, além dos macro e micronutrientes essenciais, alguns compostos químicos, que exercem uma potente atividade biológica quando consumidas, assim deixando de ser somente um prazer para converter-se em uma necessidade, em função dos benefícios que proporcionam à saúde e bem-estar do ser humano. A região Nordeste do Brasil tem papel relevante no crescente desenvolvimento da fruticultura brasileira, gerando empregos e renda para a população. Este trabalho tem como objetivo avaliar a qualidade, os compostos bioativos e a atividade antioxidante total (AAT) das principais cultivares de frutíferas produzidas no Estado da Paraíba. Foram avaliadas as seguintes frutíferas: bananeira (‘Pacovan’, ‘Prata’, ‘Tropical’, ‘Maç㒠e ‘Anã’); frutas cítricas: Laranjas (‘Comum’, ‘Mimo-do-céu’ e ‘Baía’), limas ácida (‘comum’ e ‘Thaiti’) e tangerinas (‘Ponkan’ e ‘Dancy’); abacaxizeiro (‘Pérola’); mangueira (‘Tommy Atkins’); goiabeira (‘Paluma’); Maracujazeiro (‘Amarelo’); mamoeiro (‘Golden’ e ‘Formosa’) e uva (‘Isabel-precoce’). Os frutos na maturidade de consumo foram caracterizados quanto a coloração, comprimento, diâmetro, massa fresca e firmeza da polpa e avaliados quanto aos teores de sólidos solúveis (SS), açúcares solúveis totais, açúcares redutores, acidez titulável (AT), pH, SS/AT, pectina total, ácido ascórbico, flavonoides amarelos, antocianinas, carotenoides totais e polifenóis extraíveis totais (PET), bem como quanto à AAT pelos métodos ABTS e DPPH. Os frutos de mangueira da cultivar ‘Tommy Atkins’, apresentaram-se dentro dos padrões de qualidade estabelecidos para comercialização no mercado interno e de exportação. Para frutos das cultivares do mamoeiro ‘Golden’ e ‘ Formosa’ e da goiabeira ‘Paluma’ avaliadas neste trabalho, houve correlação positiva e significativa entre os valores de AAT (obtidos por ambos os métodos) e os teores de ácido ascórbico, antocianinas, flavonoides amarelos, carotenoides totais e PET, indicando que nestes frutos esta atividade foi influenciada por todos os compostos bioativos determinados. A alta atividade antioxidante dos frutos da goiabeira ‘Paluma’ mostrou-se relacionada aos altos teores de ácido ascórbico e PET.
  • ADERSON COSTA ARAUJO NETO
  • Atributos da Qualidade de sementes de Foeniculum vulgare Mill. atacadas pelo pulgão Hiadaphis foeniculi
  • Data: 21/02/2013
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • -

  • WILZA CARLA OLIVEIRA SOUZA
  • Comportamento in vitro e controle alternativo da podridão negra (Chalara paradoxa L.) em abacaxizeiro cultivar ‘Perola’.
  • Data: 21/02/2013
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • o

  • LEANDRO FIRMINO FERNANDES
  • Crescimento e desenvolvimento do porta-enxerto limoeiro ‘Cravo’ (Citrus limonia osbeck) cultivado em substratos sob doses de nitrogênio
  • Data: 20/02/2013
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • Um aspecto a ser considerado na citricultura é a produção de mudas de qualidade, utilizando substratos de boa qualidade física, química e biológica. No mercado, existem poucas marcas comerciais de substratos para a cultura dos citros, o que encarece o preço final da muda e não permite que pequenos viveiristas e produtores orgânicos possam utilizá-los. Diante do exposto, objetivou-se avaliar o desenvolvimento, crescimento e fisiologia do porta-enxerto limoeiro ‘Cravo’ (Citrus limonia Osbeck), cultivados em substratos orgânicos, mantidos em tubetes plásticos, sob condições de estufa e submetidos a diferentes doses de nitrogênio (N). Durante este trabalho foi desenvolvido três ensaios: 1) Emergência e vigor de sementes de limoeiro ‘Cravo’ em resposta a composição física de substratos orgânicos; 2) Crescimento do limoeiro ‘Cravo’ cultivado em substrato orgânico sob doses de nitrogênio; e 3) Aspectos fisiológicos do porta-enxerto limoeiro ‘Cravo’ sob adubação nitrogenada em substrato orgânico. Os três experimentos foram conduzidos em estufa, localizada no (VF/DFCA/CCA/UFPB). Nos três ensaios o delineamento experimental adotado foi o inteiramente casualizado, contendo três repetições, onde a unidade experimental conteve 30 tubetes no ensaio 1 e 40 tubetes nos ensaios 2 e 3. No ensaio 1 os tratamentos compreenderam cinco composições de substratos, sendo quatro formulados no (VF/DFCA/CCA/UFPB) e um substrato comercial. O ensaio 2 foi disposto em esquema fatorial 2 x 5, com parcelas subdivididas no tempo, onde os tratamentos compreenderam a combinação de dois substratos, sendo o melhor substrato encontrado no ensaio 1 e um substrato comercial e cinco doses de nitrogênio na forma de uréia. O ensaio 3 foi disposto em esquema fatorial 2 x 5, onde os tratamentos compreenderam a combinação de dois substratos, sendo o melhor substrato encontrado no ensaio 1 e um substrato comercial e cinco doses de nitrogênio na forma de uréia. Os substratos formulados no (VF/ DFCA/CCA/UFPB) foram [S1: 20% CAC + 20% CO + 60% AL]; [S2: 20% CAC + 40% CO + 40% AL]; [S3: 20% CAC + 60% CO + 20% AL] e [S4: 20% CAC + 80% CO + 0% AL] e um substrato comercial [S5: Golden Mix®] e as doses xiv de N na forma de uréia foram (0,0; 0,17; 0,27; 0,37 e 0,47 g L-1 de N no substrato), sendo aplicado 5 mL da solução por tubete. Adicionalmente as mudas receberam aplicações quinzenais com os demais macros e micronutrientes. No ensaio 1 avaliou-se as características físicas dos substratos, determinado-se a Ds e Du, granulometria, PT, EA, AFD, AT, AD, AR-100 hPa, CMR e o vigor das sementes através do IVE e E; No ensaio 2 avaliou-se o crescimento, determinando-se altura, diâmetro, AFT, AFF, percentagem de MAT, consistência do torrão, relação PA/R, RAF, RPF, FSPA, FSR, TCA e TCR. No ensaio 3 avaliou-se a fisiologia do L. ‘Cravo’, determinando-se a Fo, Fm, Fv e eficiência quântica do fotossistema II (Fv/Fm), índice SPAD, clorofila total, nitrogênio total nas folhas, gs, E, A, Ci, EUA e eficiência instantânea de carboxilação. No ensaio 1, constatou-se que o S4 [20% CAC + 80% CO + 0% AL] apresentou as melhores características físicas e o vigor das sementes não foi afetado pelos substratos estudados; os maiores índices de IVE foram constatados nos substratos formulados. No ensaio 2, verificou-se que as plantas crescidas no substrato formulado [20% CAC + 80% CO + 0% AL], apresentaram maior altura, diâmetro, percentagem de mudas aptas ao transplantio, consistência do torrão, fitomassa seca de parte aérea e raiz; a maior TCA foi verificada nas plantas cultivadas no substrato comercial, enquanto a maior TCR foi observada nas plantas cultivadas no substrato formulado; a dose de 0,34 g L-1 de N aplicada no substrato formulado, proporcionou 100% de mudas aptas ao transplantio; na ausência de adubação nitrogenada as plantas cultivadas nos dois substratos não apresentaram altura mínima para repicagem e verificou-se crescimento linear para maioria das características de crescimento. No ensaio 3, a fluorescência variável (Fv), a eficiência quântica máxima do fotossistema II (Fv/Fm), a concentração interna de carbono (Ci) e a condutância estomática (gs) não foi afetada pelas doses de N aplicadas; houve correlação positiva entre o índice SPAD e clorofila, e entre SPAD e nitrogênio total; a transpiração (E) e a eficiência no uso da água (A/E), não foram afetadas pelas doses de N nem pelos substratos de cultivo; o substratos formulado [20% CAC + 80% CO + 0% AL], proporcionou maiores valores de Fv/Fm, clorofila total, índice SPAD, gs e A; o baixo volume de água disponível as plantas promovido pelos substratos de cultivo, assim como as temperaturas constatadas no inteiro da estufa, afetaram negativamente as características fisiológicas estudas.
  • GIOVANA PATRICIA DOS SANTOS SALES
  • Produção de coprólitos de minhocas nativas em Latossolo Amarelo sob pastagem de Braquiárias
  • Data: 19/02/2013
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • o

  • GIOVANA PATRICIA DOS SANTOS SALES
  • Produção de coprólitos de minhocas nativas em Latossolo Amarelo sob pastagem de Braquiárias
  • Data: 19/02/2013
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • o

  • Ovidio Paulo Rodrigues da Silva
  • Resposta do inhame ao parcelamento da adubação nitrogenada
  • Data: 19/02/2013
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • o

  • GEISA MAYANA MIRANDA DE SOUZA
  • Aspectos bioecológicos da mosca negra dos citros na Paraíba
  • Data: 18/02/2013
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • o

  • Marina Matias Ursulino
  • Tecnologia de sementes de Dimorphandra gardneriana Tulasne
  • Data: 15/02/2013
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • -
  • PAULO COSTA ARAUJO
  • QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE Luffa operculata (L.) Cogniaux
  • Data: 15/02/2013
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • o

2012
Descrição
  • JOEL MARTINS BRAGA JUNIOR
  • Diversidade Genética e Ecofisiologia de Sementes e Plantas de Aspidosperma pyrifolium Mart.
  • Data: 27/12/2012
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • -
  • GILCEAN SILVA ALVES
  • Dinâmica da serapilheira em área de caatinga e indicadores de vulnerabilidade sócio-econômica do município de Várzea-PB
  • Data: 14/12/2012
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • o

  • JOSE GEORGE FERREIRA MEDEIROS
  • Fungos associados às sementes de espécies florestais: análise de incidência, controle e efeitos na qualidade fisiológica com o uso de extrato vegetais
  • Data: 29/11/2012
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • ooooooooo

  • JULIANA PEREIRA DE CASTRO
  • Citotaxonomia de espécies de Cactaceae ocorrentes no Nordeste do Brasil
  • Data: 29/06/2012
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • -

  • PATRICIA VENANCIO DA SILVA
  • Uso de braquiárias na melhoria de atributos físicos e químicos de um Latossolo Amarelo
  • Data: 31/05/2012
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • -

  • ANTONIO SOUSA SILVA
  • Dinâmica da serrapilheira e taxa de decomposição de resíduos culturais
  • Data: 17/05/2012
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • -

  • ROBERTA SALES GUEDES
  • Testes de vigor para avaliação da qualidade fisiológica de sementes de Amburana cearensis (Allemão) A.C. Smith
  • Data: 30/04/2012
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • A Amburana cearensis (Allemão) A.C. Smith é uma espécie nativa da região Nordeste, que vem sendo progressivamente explorada na movelaria fina, perfumaria e medicina. Os experimentos foram conduzidos no Laboratório de Análise de Sementes, do Centro de Ciências Agrárias, da Universidade Federal da Paraíba, em Areia - PB e nos Laboratórios de Análise de Imagens e de Análise de Sementes, do Departamento de Produção Vegetal, da Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”, Universidade de São Paulo, em Piracicaba - SP, objetivando obter informações sobre o vigor de sementes de A. cearensis. O trabalho foi dividido em três experimentos: no primeiro as sementes foram submetidas ao envelhecimento acelerado e expostas a temperatura de 42 °C durante 0, 24, 48, 72 e 96 h, no segundo realizou-se os testes de condutividade elétrica e lixiviação de potássio, cujos fatores considerados para o teste de condutividade elétrica foram os períodos de embebição das sementes (4, 8, 12, 16, 20 e 24 h) e volumes de água deionizada (75 e 100 mL) a 25 °C. O teste de lixiviação de potássio foi realizado com amostras de 50 sementes colocadas em copos plásticos contendo 75 mL de água destilada a 25 °C, cujas leituras foram efetuadas em intervalos de 4, 8, 12, 16, 20 e 24 h. No terceiro experimento as sementes foram submetidas ao teste de raios X para avaliação dos danos internos. O período de 48 h de envelhecimento é adequado para avaliação de vigor de sementes de A. cearensis; os testes de condutividade elétrica e lixiviação de potássio possibilitam discriminação dos lotes de sementes, recomendando-se para a condutividade as combinações de 75 mL/12 h e 100 mL/8 h e para a lixiviação a embebição por 4 h. A análise radiográfica é eficiente como um instrumento para selecionar sementes de A. cearensis de alta qualidade e prever o desempenho de plântulas.

  • LIDIANY APARECIDA BARBOSA
  • Fisiologia de sementes e diversidade genética em pimenteiras (Capsicum spp.)
  • Data: 14/04/2012
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • -

  • LEANDRO SILVA DO VALE
  • DESEMPENHO DE VARIEDADES DE ALGODOEIRO HERBÁCEO CULTIVADAS NO SUL DO PIAUÍ
  • Data: 30/03/2012
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • A identificação de regiões com potencial edafoclimático favorável à expressão do
    seu potencial genético é imprescindível para o sucesso da agricultura e expansão da mesma. O
    sudoeste piauiense tem aumentado gradativamente a área plantada com algodão. Na safra
    2010/11 a região apresentou área plantada de 17,6 mil demonstrando que a cultura do
    algodoeiro herbáceo apresenta adaptação às condições edafoclimáticas do cerrado piauiense.
    Objetivando verificar o desempenho de cultivares de algodoeiro herbáceo nas condições de
    clima e solo do município de Uruçuí, PI, um experimento foi conduzido na safra
    2010/2011,utilizou-se o delineamento experimental em blocos ao acaso, em esquema fatorial
    9 x 2, com 4 repetições, sendo nove cultivares (FMT 705, FMT 707, FMT 709; DP 90, DP
    604B, Delta Opal, FM 993, BRS Buriti e BRS 286 ) e dois espaçamentos entre linhas