PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO (CE - PPGE)

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA

Telefone/Ramal
Não informado

Dissertações/Teses


Clique aqui para acessar os arquivos diretamente da Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da UFPB

2024
Descrição
  • MARIA BETÂNIA NERES CARNEIRO
  • DA LUTA PELA TERRA À LUTA PELA ESCOLA NO E DO CAMPO: DESAFIOS NA EDUCAÇÃO INFANTIL NA ESCOLA TIRADENTES
  • Orientador : MARIA DO SOCORRO XAVIER BATISTA
  • Data: 30/04/2024
  • Hora: 09:30
  • Mostrar Resumo
  • Este trabalho de dissertação, vinculado à Linha de Educação Popular, do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal da Paraíba tem como objeto de estudo objeto de estudo compreender como se deu a luta pela terra e pela escola no e do campo, tendo como foco o trabalho com propostas pedagógicas com crianças filhas de agricultores familiares, assentados da reforma agrária, de acordo com os princípios da Educação do Campo e as diretrizes da Educação infantil, a partir da percepção dos professores que atuam na Educação Infantil, na Escola do Assentamento Tiradentes. No decorrer da investigação mergulhamos na história de luta pela conquista da terra e da escola que se travou de forma indissociável, como duas dimensões da mesma luta, representando uma luta por uma escola do e no campo. Uma luta para conquistar uma escola pedagogicamente identificada com a Educação do Campo. Diante dessa problemática enfrentada em sala de aula surgiram algumas indagações: como se deu a luta pela terra e por uma escola no e do campo? Quais as estratégias pedagógicas utilizadas pelos/as educadores para conciliar o currículo oficial com a proposta da Educação do Campo e das diretrizes da Educação Infantil? Quais as dificuldades e desafios enfrentados pelos educadores? Pesquisar sobre essa problemática e aprofundar o conhecimento dessa temática é relevante para contribuir para compreensão de como desenvolver uma proposta de Educação do Campo na Educação Infantil em escolas do campo. Frente a essa problemática foi definido como objetivo geral: analisar a luta pela terra e pela escola no e do campo na Escola Tiradentes. Objetivos Específicos: verificar como é feita articulação do currículo instituído pelo sistema educacional contextualizando com a realidade dos educandos; identificar as possibilidades da Educação do Campo na educação infantil e os fatores que interferem na execução das práticas pedagógicas. A metodologia de natureza qualitativa utilizou como técnicas de construção de dados entrevista semiestruturada três professoras e um professor e análise de documentos da política de Educação do Campo e o Projeto Político Pedagógico da Escola. Os resultados apontam que a luta pela terra foi indissociável da luta pela educação e pela escola no e do campo. A luta pela terra se deu na Fazenda Gendiroba, no município de Mari-Pb e durou mais de um ano até a conquista do Assentamento, enquanto a luta pela escola durou cerca de 12 anos, de 1999 quando se inicia o acampamento e foi até 2012, quando foi construído o prédio onde funciona atualmente a escola, conquistando-se assim a Escola no campo. Concomitante ocorre um movimento que busca construir um projeto educativo com os princípios da Educação do campo, constituindo assim uma escola do campo. Nesse caminho tem conseguido alguns avanços e desafios para conciliar o currículo imposto pela BNCC e o proposto pela escola.
  • MERY CRISTIANE BATISTA PACHECO
  • O LIDAR DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA COM O TEMA DA EDUCAÇÃO SEXUAL EM UMA ESCOLA PÚBLICA DE ENSINO MÉDIO NO MUNICÍPIO DE MACAPÁ-AP
  • Orientador : EDUARDO JORGE LOPES DA SILVA
  • Data: 29/04/2024
  • Hora: 09:30
  • Mostrar Resumo
  • Discutir a Educação Sexual (ES) nas escolas tem sido um desafio. Embora este seja um conteúdo que precise ser trabalhado como um tema transversal em toda a Educação Básica, ele ainda é muito questionado e foi praticamente suprimido da Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Além disso, alguns professores, principalmente aqueles ligados à matemática, eximem-se de abordá-lo. Diante deste contexto, delimitou-se, como objetivo geral desta pesquisa, analisar como os professores de matemática de uma escola pública de Ensino Médio de Macapá, no Amapá, lidam com a ES na condição de um tema transversal. Os objetivos específicos são: a. Identificar se a ES foi discutida na formação inicial e/ou continuada dos docentes; b. Conhecer as dificuldades que professores de matemática têm para abordar o assunto em suas aulas; c. Analisar o modo como conceitos ligados à ES foram trabalhados na formação inicial e/ou continuada. Como colaboradores desta pesquisa, foram selecionados quatro professores do componente curricular de matemática. Trata-se de uma pesquisa baseada na abordagem qualitativa e de campo, constituindo assim uma natureza prática, de acordo com Flick (2009), Minayo (2004; 2007), Chizzotti (2010) e Fazenda (2010). Para o estudo dos dados, será utilizada a Análise do Conteúdo (AC), de Franco (2005). Como principais aportes teóricos, esta pesquisa dialoga com Cunha e Xavier (2009), Candau e Moreira (2003) e Marcelo (2017), além de também referir-se às legislações que balizam o Ensino Médio no Brasil. Já no que diz respeito à formação de professores, as principais referências aqui utilizadas são André (2016), Pimenta (1992, 2002), Libâneo (2006, 2010) e Freire (1987). No que tange à especificidade da formação docente em matemática, buscou-se o diálogo com D’Ambrósio (1996), Cyrino (2004), Cavalcante (2013) e também com os marcos legais que versam sobre a formação inicial e continuada de professores. Em relação à ES, constituem o aporte teórico Nunes (1987), Guimarães (1995), Ribeiro (1990), Werebe (1981) e Figueiró (2020). Os resultados obtidos evidenciam que os docentes de matemática não tiveram aulas de Educação Sexual nas formações inicial e continuada. Dos quatro docentes entrevistados, apenas um deles afirmou a possibilidade de trabalhar Educação Sexual nas aulas de matemática. Três educadores consideraram a Educação Sexual como competência da instituição escolar e dois docentes se consideraram preparados para lidar com a ES de forma transversal no currículo de matemática. Estes dados possibilitam afirmar a importância da ES ser trabalhada nos cursos de formação inicial e continuada dos professores de matemática, bem como nas aulas destes.
  • VANUSA NASCIMENTO SABINO NEVES
  • “A EMANCIPAÇÃO DA MEDICINA PARAIBANA”: tessituras constitutivas da Faculdade de Medicina da Paraíba (1950-1974)
  • Orientador : CHARLITON JOSE DOS SANTOS MACHADO
  • Data: 29/04/2024
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • As determinações que estimulam a curiosidade investigativa estão relacionadas à possibilidade de a historiografia das instituições educativas transcender os parâmetros institucionais e lançar luz sobre diferentes dimensões dos fenômenos educativos. O estudo teve por objetivo central compreender as configurações que moldaram a Faculdade de Medicina da Paraíba, mediante a reconstituição de sua trajetória histórica no período de 1950 a 1974. Trata-se de uma pesquisa histórica educacional, circunscrita ao campo das instituições educativas. Metodologicamente, autorizada pela nova história cultural, de acordo com a noção de documento monumento (Le Goff, 1990), eloquentes fontes, sendo as principais: leis, atas, relatórios, livros de registros institucional, assentamentos de alunos, enunciados jornalísticos, acervos audiovisuais e escritos memorialísticos (Nóbrega, 1980a; 1980b; 1981; 1983, Medeiros, 2017; Espínola, 1980), foram acessadas e trianguladas (Trivinõs,1987). O alicerce teórico-conceitual dialogou com autores como Burke (1992; 2005), Bourdieu (1983; 1989; 1996), Certeau (1982), Chartier (2002), Chaui (2003), Cunha (2002; 2003; 2017), Elias (1989; 1994; 2000); Fernandes (1975; 1986), Nóvoa (2019; 2009), Pesavento (2013), Sanfelice (2006; 2012) e Saviani (2017), os quais, sob uma perspectiva transdisciplinar, possibilitaram correlacionar as concepções históricas educacionais e culturais com a Sociologia e as políticas educacionais. Para corroborar com a interpretação dos achados, Bakhtin (2006; 1997) e Bardin (2016) foram utilizados. A operação historiográfica partiu do contexto nacional e focalizou na Paraíba, levando em conta às imbricações com os marcos normativos e administrativos que influenciaram a formação incumbida à Faculdade de Medicina da Paraíba. Foi possível elucidar que a implementação do ensino superior na Paraíba, em termos de direcionamento para as elites, correspondeu ao padrão nacional. Mas, ao se iniciar no interior do Estado e postergar cidades mais avançadas, se distanciou do restante do país, que priorizava a instalação das instituições educativas de ensino superior nas localidades mais prósperas. A Faculdade de Medicina da Paraíba resultou do esforço de uma congregação médica, com apoio do poder público e de outros agentes interessados em materializar o ensino superior. De natureza jurídica privada, via de regra, era inacessível aos jovens de baixa posição social. Nem mesmo a sua agregação à Universidade da Paraíba, criada pelo Governo do Estado em 1955, tornou essa formação pública. A federalização, em 1960, foi o grande divisor do ensino superior médico paraibano, bem como dos demais campos, porque possibilitou a profissionalização docente em nível superior, ampliou o acesso e liberou os alunos do custeio estudantil, mas e educação universitária ainda permaneceu pouco permeável às camadas sociais menos favorecidas, já que a aprovação nos concursos de admissão exigia uma base prévia à qual os jovens das classes vulneráveis não possuíam. Dessa forma, o argumento de tese foi consolidado, pois centenas de médicos formados pela Faculdade de Medicina da Paraíba inovaram na atenção médico-sanitária. Em um processo gradativo de emancipação, as configurações da Faculdade de Medicina foram acompanhadas atentamente pela imprensa periódica, que propagandeava os avanços auferidos, propiciando representações que certificavam a capacidade didática institucional e aumentava o capital simbólico dos agentes vinculados à Faculdade de Medicina da Paraíba. No entanto, a participação feminina foi diminuta, reproduzindo o sistema histórico de privilégios e/ou de inferioridades.
  • SHIRLEY TARGINO SILVA
  • A ARTE MAIS DINÂMICA DE UMA ÉPOCA: AS REPRESENTAÇÕES DE GÊNERO NA CULTURA EDUCACIONAL CINEMATOGRÁFICA EM JOÃO PESSOA NOS ANOS 1930.
  • Orientador : JEAN CARLO DE CARVALHO COSTA
  • Data: 25/04/2024
  • Hora: 14:30
  • Mostrar Resumo
  • Este trabalho está aportado nos estudos de análise do Cinema enquanto uma “pedagogia cultural” adquirindo assim um significado específico o qual insere-se no ato de educar globalmente com a aspiração de uma narrativa que fale a todos. Entende-se que os estudos com foco no cinema revelam uma tendência na pesquisa histórica já que, usado como fonte histórica, serve para os historiadores compreender as representações sociais do passado, bem como, alçado à posição de objeto, permite discutir as agências dos artistas e do público mediante essas representações. Ademais, ao analisar o cinema como uma contra-análise da sociedade, este torna-se a ser visto como um agente de mudança da História tradicional. A problemática desta tese se constitui em saber: Qual o papel do cinema na construção dos significados culturais que temos como padrão de gênero (Masculino e Feminino)? Assim, o argumento da tese é que o cinema norte-americano transmitia à sociedade paraibana a ideia de moralizar, padronizar e estereotipar os gêneros feminino e masculino da década de 1930 ao modelo engessado pertencente à ordem social vigente. A fundamentação teórica e metodológica dessa pesquisa considerou as discussões de Marc Ferro, Siegfried Kracauer, Michel de Certeau, Michele Perrot, Joan Scott, Anita Simis, Roland Barthes, Bernstein, Diana Rose, Gemma Penn, Grada Kilomba, Angela Davis, Stuart Hall, Clifford Geertz, Carmen Rial, Thomas Schatz e Sócrates Nolasco. O recorte temporal do referente estudo compreende a década de 1930, se justificando pelo uso das fontes históricas que serão analisadas em um período determinado por Hobsbawm (2009) como a era dos estúdios, uma vez que o cinema americano incorporava novos discursos e grandes lucros por seus filmes bem como o constituindo como universal. Em suma, é possível observar que o telespectador recebe o que o cinema se dispõe a produzir, contudo, a longo prazo, os desejos da sociedade determinarão o cenário social e a produção da indústria do cinema. Por fim, esse estudo observa que o cinema legitima uma cultura, sociedade e uma época. E, a partir da função de um contexto histórico, pode ser revelado uma memória coletiva de uma sociedade que também se liga ao presente.
  • MARIA APARECIDA ROSA DE ANDRADE ALIXANDRE
  • AVALIAÇÃO FORMATIVA NA CONCEPÇÃO DOCENTE: a negação da Avaliação Classificatória e a reprodução da lógica capitalista
  • Orientador : MARIA DAS GRACAS DE ALMEIDA BAPTISTA
  • Data: 27/03/2024
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • O presente estudo trata da Avaliação Formativa que tem influenciado a concepção, as práticas, as políticas e a formação na Educação Básica, embora seja a avaliação da aprendizagem um fenômeno repleto de contradições e negações. A tese defendida é a de que a Avaliação Formativa, orientada pela lógica capitalista, nega o discurso de negação da Avaliação Classificatória. Para responder aos problemas oriundos da prática social, definimos, como caminho epistemológico, o Materialismo Histórico e Dialético, que possibilita apreender a essência do fenômeno investigado em sua existência real e efetiva, ou seja, em sua concretude, situando-o historicamente na prática social e na relação com outros fenômenos. Esse método permite uma aproximação com o fenômeno de estudo para compreendermos as contradições manifestadas na concepção docente, concluindo que a história do fenômeno é o ponto de partida para entender o movimento e desvendar suas contradições. Para analisar como se materializa a avaliação na concepção docente, realizamos uma análise a partir de duas abordagens: macroestrutural, no que se refere à historicidade da avaliação e sua relação com a estrutura social, e microestrutural, a concepção de professores sobre Avaliação Formativa. A pesquisa empírica foi realizada em três escolas do município de João Pessoa, Paraíba, com seis professoras do 5º ano do Ensino Fundamental. As entrevistas realizadas evidenciam a negação da Avaliação Classificatória e suas contradições e destacam a Avaliação Formativa na concepção docente. Porém, a não utilização do termo não significa a sua ausência na prática pedagógica. Identificamos que tanto a Avaliação Classificatória (Pedagogia Tradicional) como a Avaliação Formativa (Pedagogia Nova), ainda que em momentos históricos diferentes, estão voltadas para o fortalecimento e a manutenção do sistema capitalista. Contudo, no caso da Avaliação Formativa, utiliza-se, segundo Saviani (1989), um novo slogan, com objetivo aparentemente distinto. Tais mudanças ocorreram na medida que a burguesia foi consolidando no poder e para se manter nesse patamar, foi deixando seu caráter revolucionário, passando a caminhar contra o avanço da história e lutando contra a participação política das massas. A escola para se posicionar contra a alienação e o discurso hegemônico estabelecido pela sociedade de classes, necessita agir na sua especialidade, que nas palavras de Saviani (2012, p.48) é “a socialização do saber sistematizado”. Por fim, a partir de teóricos da Pedagogia Histórico-Crítica, em especial Saviani, evidenciamos como alternativa a Avaliação Dinâmica, que nega e incopora elementos da Avaliação Classificatória e da Avaliação Formativa.
  • DANIEL GUILLERMO GORDILLO SÁNCHEZ
  • "Aún mejorando el mundo": Experiências de estudantes venezuelanos/as em escolas paraibanas
  • Orientador : MARIA EULINA PESSOA DE CARVALHO
  • Data: 25/03/2024
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • Com mais de oito milhões de migrantes forçados/as ao redor do mundo, o fenômeno migratório venezuelano se destaca como um dos movimentos populacionais mais expressivos e sem precedentes nas Américas, impondo uma série de desafios complexos às sociedades receptoras. Por meio de um arcabouço teórico-metodológico interdisciplinar, que congrega contribuições dos estudos culturais da educação, dos estudos linguísticos e da antropologia, esta Tese investiga as experiências de quatro jovens migrantes venezuelanos/as que se estabeleceram no estado da Paraíba entre 2018 e 2021, matriculados/as em escolas públicas da região. Trata-se de um estudo etnográfico que foca em dois irmãos de 14 anos cursando o oitavo ano do ensino fundamental em João Pessoa, uma estudante de 15 anos, estudando o nono ano de forma remota na mesma cidade, e uma quarta participante de 16 anos, no último ano do ensino médio no Conde (PB), município da região metropolitana de João Pessoa. O objetivo central da pesquisa é desvendar os significados e percepções que esses/as jovens atribuem ao seu processo de adaptação e integração nas escolas públicas paraibanas, explorando os principais obstáculos e desafios educacionais que enfrentam nas instituições escolares. De modo semelhante, a Tese analisa as estratégias que os/as estudantes migrantes empregam para superar barreiras e assegurar oportunidades de escolarização, aprendizagem e socialização. O estudo evidencia que as dificuldades enfrentadas por esses/as jovens estão relacionadas, principalmente, à aprendizagem e ao domínio da língua portuguesa, ao período da pandemia da COVID-19, bem como a sua invisibilização no espaço escolar. Contudo, longe de assumirem uma posição passiva diante das adversidades, foi possível registrar a resiliência, os investimentos, os talentos e a criatividade dos/as jovens venezuelanos/as. Estas qualidades não só facilitam a superação de desafios e barreiras cotidianas, dentro e fora do espaço escolar, mas também abrem caminho para o desenvolvimento de propostas educacionais interculturais e decoloniais, visando aprimorar o acolhimento desta população no sistema escolar brasileiro.
  • JOÃO PAULO GUERREIRO DE ALMEIDA
  • Escola Família Agrícola Jaguaribana Zé Maria do Tomé: Educação do Campo e territorialização da Agroecologia
  • Orientador : SEVERINO BEZERRA DA SILVA
  • Data: 22/03/2024
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • A Escola Família Agrícola Jaguaribana Zé Maria do Tomé, localizada na comunidade Olho D’água dos Currais, município de Tabuleiro do Norte-Ceará, é uma das oito EFAs desse estado. Sua atuação é ampla e se expande para além das dinâmicas municipais, por se tratar de uma escola engajada e articulada a instituições, coletivos e movimentos sociais ligados à resistência em defesa da Agroecologia. Além da oferta de um Curso Técnico Agropecuária, a EFA Jaguaribana, por meio de sua Associação, desenvolve projetos agroecológicos junto a camponeses da região jaguaribana. Nesta pesquisa, vinculada à linha de Educação Popular do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal da Paraíba, perseguimos a seguinte questão: Como a EFA Jaguaribana Zé Maria do Tomé, por meio de diversas frentes de atuação, constroi estratégias comunitárias de resistência ao Agronegócio, na perspectiva da Educação do Campo e da Educação Popular, com vistas à territorialização da Agroecologia no Vale do Jaguaribe? Neste sentido, o objetivo deste trabalho foi analisar a atuação educativa e comunitária da Escola Família Agrícola (EFA) Jaguaribana Zé Maria do Tomé, no que respeita às estratégias de formação da população do campo para a convivência com o semiárido cearense, ao passo em que interroga suas possíveis contribuições à organização e à participação sociopolítica camponesa, construída por meio da territorialização da Agroecologia no Vale do Jaguaribe. Para o desenvolvimento da pesquisa, realizamos análise de referenciais pertinentes à Educação do Campo (Silva, 2020; Molina, 2010; Caldart, 2008; Carvalho, 2006), à Pedagogia da Alternância (Gimonet, 2007; Begnami, 2003 e 2019) e à Agroecologia (Caporal, 2011; Caporal e Costabeber, 2004; Machado e Machado Filho, 2017; Guhur e Silva, 2022), seguidos das suas interfaces com a Educação Popular. Os documentos institucionais da Escola e da Associação, tais como o Projeto Político Pedagógico e Memórias Institucionais e não institucionais (fotografias, boletins, cards e outros) também foram consultados, a fim de compreender a sua identidade e sistematizar as principais atividades desenvolvidas. Na pesquisa de campo, realizamos observações in loco, na própria EFA Jaguaribana e em comunidades camponesas onde são desenvolvidos os projetos agroecológicos, visando perceber as estratégias e contribuições dessa instituição de ensino para a organização e a participação sociopolítica camponesa. Nestes momentos, também foram entrevistados os diversos sujeitos que compõem a EFA Jaguaribana, como forma de conhecer as suas dinâmicas de atuação e o processo de territorialização da Agroecologia no Vale do Jaguaribe. A partir dessa pesquisa, identificamos que tal atuação voltada ao desenvolvimento dos territórios camponeses e à transição agroecológica promove a territorialização da Agroecologia, a qual é precedida por uma inserção comunitária e por processos educativo-políticos, atravessados pela Educação Popular e pela Educação do Campo, consequentemente, formas de educação libertadora que impulsionam à organização e à participação popular. Concluímos que a EFA Jaguaribana, por meio de suas ações, ratifica a função social de uma escola do campo, diminuindo a distância escola-comunidade, mediante a sua expansão às comunidades camponesas com o Curso Técnico e com os Projetos desenvolvidos, numa perspectiva agroecológica. Não obstante, essa dinâmica de inserção nos territórios camponeses implica numa forma de ampliar as possibilidades de atuação/formação na Pedagogia da Alternância, conferindo características e demandas particulares do semiárido e do Vale do Jaguaribe.
  • ANDREA CARDOSO DA SILVA
  • O DISCURSO EDUCATIVO DA ATUAÇÃO PROFISSIONAL DO AGENTE DE COMBATE ÀS ENDEMIAS (ACE) NA POLÍTICA PÚBLICA DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE (SUS)
  • Orientador : ERENILDO JOAO CARLOS
  • Data: 29/02/2024
  • Hora: 16:00
  • Mostrar Resumo
  • O presente trabalho, produzido na Linha de Pesquisa Estudos Culturais em Educação, se situa no eixo temático educação e saúde. À luz da Análise Arqueológica do Discurso - AAD, de Michel Foucault, esboçado em seu livro a Arqueologia do Saber (2008), essa Dissertação registra o conjunto de achados resultantes da investigação de mestrado que teve como objeto de pesquisa o discurso educativo da atuação profissional do Agente de Combate às Endemias (ACE) na Política Pública do Sistema Único de Saúde (SUS). O ACE é um trabalhador da saúde com atuação voltada à vigilância e ao controle da doença, à atenção e à promoção da saúde da população brasileira, cuja função foi vinculada ao SUS em 05 de outubro de 2006, na Lei nº 11.350, e suas atividades laborais especificadas em 05 janeiro de 2018, na Lei nº 13.595. Entretanto, não obstante o reconhecimento de sua função e atividades, somente em 20 de janeiro de 2023 seu trabalho foi regulamentado como uma profissão da saúde, mediante a Lei nº 14.536. Em face do exposto e considerando o espectro de atividades do campo de trabalho do ACE, a pesquisa centrou-se no desenvolvimento de suas ações educativas, delimitando a pesquisa no nível da analise do discurso educativo das políticas públicas de saúde do SUS. Discurso institucional que rege o dizer e o fazer educativo do ACE. A questão problema foi: que ordem discursiva educativa constitui a atuação profissional do Agente de Combate às Endemias (ACE) na Política Pública do Sistema Único de Saúde (SUS)? Baseando-nos na AAD e nas contribuições de Alcantara e Carlos (2013), a pesquisa adotou os seguintes procedimentos: mapeamento, análise e descrição das fontes e do discurso - objeto da pesquisa. Três Documentos-fonte reitores e alguns correlatos, que normatizam as políticas nacionais de educação em saúde do SUS, foram analisados e descritos. O que propiciou identificar três feixes de relações enunciativas, constitutivas da ordem do discurso, no qual se localizam e se realizam as ações educativas do ACE, a saber: a educação em saúde, a educação permanente em saúde e a educação popular em saúde. Espera-se que a pesquisa contribua para elucidar o discurso educativo do ACE no âmbito do SUS, ao tempo que demonstre a potencialidade investigativa da AAD, enquanto possibilidade de se fazer pesquisa qualitativa em educação, educação em saúde e no campo dos estudos culturais da educação.
  • MARIA LEANDRA DE SIQUEIRA FERREIRA
  • Atuação de Profissionais de Apoio Escolar da Educação Infantil com crianças com necessidades complexas de comunicação
  • Orientador : MUNIQUE MASSARO
  • Data: 29/02/2024
  • Hora: 15:30
  • Mostrar Resumo
  • Atualmente ocorre a matrícula de crianças com deficiência e necessidades complexas de comunicação na Educação Infantil, mas pouco se sabe sobre como vem acontecendo o desenvolvimento dessas crianças, bem como o suporte que estão recebendo nas instituições de Educação Infantil, embora sejam público-alvo da modalidade da Educação Especial e como determinam os documentos legais, elas têm o direito à educação, aos serviços e aparatos necessários para o seu desenvolvimento. Um dos serviços que deve ser ofertado pela modalidade da Educação Especial a essas crianças, caso seja necessário, é o profissional de apoio escolar, com isso, surgiu o seguinte questionamento: como o serviço do profissional de apoio escolar vem sendo oferecido para o desenvolvimento das crianças com deficiência e necessidades complexas de comunicação na Educação Infantil? Para responder a pergunta da pesquisa foi estabelecido como objetivo geral: analisar o serviço do profissional de apoio escolar para o desenvolvimento das crianças com deficiência e necessidades complexas de comunicação na Educação Infantil da rede municipal de ensino de João Pessoa, e como objetivos específicos: delinear o perfil do profissional de apoio escolar na Educação Infantil a partir de sua atuação com as crianças com deficiência e necessidades complexas de comunicação; identificar as ações educativas do profissional de apoio escolar com as crianças com deficiência e necessidades complexas de comunicação; e investigar as ações educativas do profissional de apoio escolar na Educação Infantil em articulação com os demais profissionais que compõem as instituições de Educação Infantil. Esta pesquisa é de cunho qualitativo, do tipo pesquisa de campo e caracteriza-se como descritiva. Os instrumentos de coleta de dados foram o questionário, a entrevista e as observações, essa última, registradas em um diário de campo. Foram sujeitos da pesquisa oito profissionais de apoio escolar que atuavam em três instituições de Educação Infantil, da rede municipal de ensino de João Pessoa, na Paraíba, lócus desta pesquisa. Os dados coletados foram analisados a partir da técnica de análise de conteúdo temática de Bardin. Os resultados indicaram que esses profissionais foram prioritariamente do sexo feminino, com as mais variadas idades e formações nas instituições pesquisadas, sua atuação se dava em aspectos relacionados aos cuidados das crianças e a questões de cunho pedagógico em menor proporção, as articulações das ações entre esse profissional e os demais profissionais das instituições eram mais notáveis com a auxiliar de sala e a professora da sala de referência. Os resultados evidenciaram ainda a necessidade de ações articuladas e direcionadas às crianças com deficiência e necessidades complexas de comunicação, que no aspecto comunicativo foram pouco assistidas nesses espaços. Espera-se que esta pesquisa possa trazer contribuições para futuras discussões sobre o profissional de apoio escolar na Educação Infantil e em especial no atendimento as crianças com deficiência e necessidades complexas de comunicação, temáticas que carecem de mais estudos.
  • IRIS ALESSANDRA DA SILVA
  • A FOTOSSÍNTESE EM LIVROS DIDÁTICOS DE CIÊNCIAS DOS ANOS FINAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: IMAGENS, TEXTOS E ALFABETIZAÇÃO CIENTÍFICA
  • Orientador : MARSILVIO GONCALVES PEREIRA
  • Data: 29/02/2024
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • Imagens e textos são importantes recursos visuais e complementares para a comunicação de ideias científicas. Do ponto de vista didático, as imagens são recursos que têm uma indiscutível importância para a visualização, contribuem na ilustração de diversos textos didático-científicos e desempenham um papel fundamental na constituição das ideias didático-científicas, na sua conceitualização e com potencial para dar evidências e condições para que os indicadores de alfabetização científica se manifestem no conteúdo. Vamos encontrar nos livros didáticos, geralmente, uma grande quantidade de fotos, desenhos e textos, os quais, em suas diferentes configurações de apresentação, tornam-se suscetíveis a diferentes leituras e análises. O presente trabalho tem como objetivo analisar imagens como recursos visuais e textos sobre o tema “fotossíntese” em livros didáticos de Ciências da Natureza, para os anos finais do ensino fundamental (6º ao 9º ano), aprovados no Programa Nacional do Livro e do Material Didático (PNLD), edição 2024-2027 e seu potencial em promover o processo de alfabetização científica. Nesta pesquisa, de caráter exploratório e descritivo vamos investigar: I) as características das ilustrações e textos do conteúdo de “fotossíntese” em livros textos, sobre o conceito de fotossíntese, II) quais problemas científicos se detectam nessas imagens e textos e, III) quais as possibilidades desses recursos para promover a AC dos alunos (indicadores de alfabetização científica). A metodologia adotada para a análise tem embasamento com Yin (2016), em que existem cinco fases de estudo do conteúdo, são elas: compilar, decompor, recompor (e arranjar), interpretar e concluir. A fase inicial, de caráter exploratório e descritivo, buscou o estudo referente aos documentos de implementação do programa (PNLD), com os critérios classificatórios das coleções analisadas, para situar aí, imagens e textos. A segunda etapa evidencia o mapeamento das editoras aprovadas e suas propostas pedagógicas apresentadas em suas coleções aprovadas no referido programa. Em um terceiro momento, a análise dos dados ocorreu com a observação de ilustrações em conjunto com os textos sobre fotossíntese. E numa quarta etapa, as ilustrações coletadas foram separadas em 5 (cinco) categorias chamados de “Grupos Ilustrativos”, foram eles: Estruturas Microscópicas Fotossintéticas, Representações de Sistemas Simples, Representações de Sistemas Complexos, Atividades Avaliativas e Práticas Experimentais. Para isto, foram realizadas análises relativas a espaço, conceitos, ilustrações, atividades práticas e exercícios propostos sobre fotossíntese. Para complementação da análise dos últimos dois grupos, foram utilizados os indicadores de Sasseron e Carvalho (2008) sujo intuito se baseia na aplicabilidade da função do conteúdo para o processo de alfabetização científica e suas respectivas potencialidades no processo de ensino e aprendizagem.
  • SUÊNIA DE LIMA FERREIRA
  • Escola no Meio Popular e Vulnerabilidade Social: Perspectivas de Adolescentes no Bairro de Cruz das Armas/João Pessoa
  • Orientador : IVONALDO NERES LEITE
  • Data: 29/02/2024
  • Hora: 10:00
  • Mostrar Resumo
  • No contexto do debate latino-americano atual, tem sido verificado a necessidade da Educação Popular se munir de abordagens emergentes que estão atravessando o cenário educacional. Os novos fenômenos estão convocando o referido campo a superar a prevalência dos mesmos paradigmas que dominaram o século XX. A questão da violência, por exemplo, é um desses fenômenos. A desigualdade social vem impulsionando consequências para os jovens, como conjunturas de vulnerabilidade, extrema pobreza, o mundo da criminalidade e das drogas. Tendo isso em atenção, as escolas públicas situadas em contextos vulneráveis, sob a perspectiva da Educação Popular, constituem-se em uma alternativa pedagógica distinta dos aspectos hegemônicos que são norteados pelas condições do capitalismo nas dimensões política, econômica, social e cultural. A presente pesquisa situa-se nesse campo temático, sendo o seu objetivo geral analisar como os alunos dos Anos Finais do Ensino Fundamental da Escola Municipal Em Tempo Integral Almirante Barroso, em João Pessoa-PB, relacionam a educação escolar com as suas perspectivas de futuro. Na intenção de alcançar o seu propósito, a pesquisa parte dos seguintes objetivos específicos: a) identificar como os alunos da escola compreendem a educação escolar; b) investigar as práticas educativas desenvolvidas pela escola; c) refletir sobre a vulnerabilidade social do lócus em que a Escola está situada. Do ponto de vista do seu referencial teórico, o estudo tem em atenção, fundamentalmente, as contribuições de duas esferas críticas: As bases analíticas sociológicas acerca da desigualdade e mobilidade social, e as perspectivas emergentes latino-americanas da Educação Popular. Metodologicamente, trata-se de uma pesquisa qualitativa operacionalizada através da realização de observações assistemáticas na EMEIEF Em Tempo Integral Almirante Barroso e mediante entrevistas narrativas com os professores; com os adolescentes, foi realizado grupo focal e eles produziram redações a respeito da sua vivência. O material empírico resultante das entrevistas foi escrutinado conforme os procedimentos técnicos da Análise Temática. Como decorrência da Análise Temática realizada, o trabalho chegou a seis categorias, as quais nortearam a discussão dos resultados quanto aos professores, quais sejam: 1) Contexto Social da Escola Almirante Barroso; 2) Proposta educacional desenvolvida na escola Almirante Barroso; 3) Dificuldades enfrentadas no cotidiano escolar; 4) Ações objetivando a superação das dificuldades; 5) Trajetória dos estudantes; 6) Perspectivas dos professores sobre os estudantes. Referente aos adolescentes, a análise do material empírico decorreu por meio de inferências diretas, a partir de leituras e releituras, tendo alguma influência do modus operandi da Análise Temática, resultando em quatro categorias temáticas: 1) Autodescrição: o que faz quando não está na escola; 2) Cotidiano na vizinhança; 3) Perspectiva de futuro; 4) A escola. Entre outros achados, identificou-se o seguinte: 1) os estudantes prezam pela busca de ascensão social e qualidade de vida, não desejando reproduzir a condição em que vivem; 2) alguns professores e suas práticas servem de estímulo para que os alunos frequentem a escola; 3) apesar de as práticas na Escola Almirante Barroso se aproximarem dos parâmetros da Educação Popular, constata-se a necessidade de haver um processo formativo envolvendo o conjunto dos professores, no sentido de possibilitar o conhecimento integral da realidade e o respeito à diversidade dos adolescentes.
  • KARINE DA SILVA
  • Ambientalização Curricular nos Cursos de Pedagogia da Universidade Federal da Paraíba
  • Orientador : MARSILVIO GONCALVES PEREIRA
  • Data: 29/02/2024
  • Hora: 09:30
  • Mostrar Resumo
  • A educação ambiental tem o papel de provocar um constante diálogo na sociedade e, ao mesmo tempo, mostrar que o ser humano faz parte da natureza e, portanto, precisa estar alinhada às práticas conscientizadoras acerca das consequências ambientais que as ações humanas provocam na natureza, em uma perspectiva crítica (Loureiro, 2006). Sendo assim, a educação ambiental deve fazer parte das vivências de aprendizagem dos(as) estudantes e dos futuros profissionais da educação, desde sua base formativa inicial, cabendo à todos os inseridos nos diferentes espaços educativos, em especial a escola, uma visão emancipadora da aplicação da educação ambiental. O estudo considerou a educação como pilar para a formação moral, cidadã, ética, ambiental e inclusiva, de toda a sociedade. Diante disso, esta pesquisa, teve como base metodológica de investigação a análise do conteúdo dos currículos dos cursos de Pedagogia da Universidade Federal da Paraíba (UFPB), de acordo com as recomendações de Bardin (1977). O objetivo geral da obra foi compreender como se explicita a ambientalização curricular dos cursos de Pedagogia da UFPB. O método empregado para a construção teórica deste trabalho foi a pesquisa documental, na qual se considerou como fontes, as propostas curriculares de cinco cursos de licenciatura em Pedagogia na UFPB, sendo eles, os Projetos Pedagógicos de Curso (PPC) dos Campus I - João Pessoa (presencial, EaD e Pedagogia do Campo), II - Bananeiras (presencial) e, IV - Mamanguape e Rio Tinto. Para análise dos dados coletados, utilizou-se análise de conteúdo, através da sistematização dos dados, definida por Bardin (1977) como indispensável para a compreensão do contexto intencional das produções escritas. Nesse caso, observou-se a presença explícita e implícita da temática ambiental nos documentos curriculares avaliados, de modo a interpretar como a inclusão dessa temática pode repercutir nas bases da formação de professores(as) através de um questionário aplicado junto a 8 docentes dos cursos de pedagogia da UPFB, sendo 4 do Camups I, 1 do Campus III e 3 do Campus IV. Os dados revelaram que a presença dos temas ambientais ainda é escassa nos PPCs analisados, facultando a imersão nos conceitos ambientais ao(à) professor(a) em formação, por meio de ofertas de disciplinas não obrigatórias e/ou de cursos de extensão (também opcionais). Por outro lado, a análise do conteúdo dos PPCs e dos questionários, demonstrou que há possibilidade de trabalho interdisciplinar e transversal na perspectiva da educação ambiental. Avalia-se que embora haja muito a ser feito no que se refere a ambientalização do currículo do curso de pedagogia, a graduação propicia a formação docente, na perspectiva ambiental crítica quando confere autonomia docente para abordar essas temáticas e adaptar o trabalho pedagógico a partir de cada realidade local. Conclui-se apresentando uma crítica ao acesso, muitas vezes desigual, à Educação Ambiental, acarretada pela falta de uma documentalização clara do currículo nos PPCs, ocasionando diferentes experiências, dentro de um mesmo componente curricular, sendo necessária ampliação dos diálogos entre docentes de diferentes áreas do conhecimento, dentro do curso, bem como a implementação de um sistema de modificação curricular mais democrático, que considere os avanços da ciência e o público-alvo da educação superior.
  • ANTONIO CARLOS SOUZA DA SILVA
  • AGENTES INDÍGENAS DE SAÚDE E EDUCADOR POPULAR NA ALDEIA ALTO DO TAMBÁ EM BAÍA DA TRAIÇÃO-PB
  • Orientador : ALINE MARIA BATISTA MACHADO
  • Data: 29/02/2024
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • A atuação do Agente Indígena de Saúde requer uma compreensão das práticas de saúde e da cultura indígena numa perspectiva dialógica e intercultural, de modo a não reproduzir modelos colonizadores sobre os povos indígenas. E exatamente por esta contextualização da educação no desenvolver desta profissão, surgiu o interesse pela Educação Popular, considerando a relação direta entre saberes e práticas populares de saúde com a realidade social da comunidade indígena Potiguara na Paraíba na aldeia Alto do Tambá, na qual o diálogo está atrelado a concepção educativa em prol da transformação da realidade do indivíduo. A educação popular com coletivos indígenas deve considerar a cultura secular com que crenças, hábitos, costumes e saberes tradicionais buscam preservar a vida indígena em permanente relação com o território e o meio ambiente conflitando com saberes e práticas de saúde dos povos colonizadores. Um modelo de intervenção em saúde com comunidades indígenas requer uma revisão das práticas assimilacionsitas que são interpostas aos saberes populares, sem considerar a história de saúde da comunidade, seus saberes e práticas. Uma perspectiva popular de saúde coletiva, por sua vez, pressupõe um diálogo intercultural em torno da saúde indígena, promovendo diálogos e compromissos conjuntos com a preservação da vida. Os Agentes Indígenas de Saúde têm suas funções bem definidas quando assumem o cargo, mas é preciso que estejam atentos ao que está ao redor, ao que a comunidade entende como necessidade, sendo assim, direcionará o foco para a prevenção de doenças e a promoção da saúde voltadas à população indígena. Assim, nosso objetivo geral é analisar os princípios da Educação Popular eventualmente presentes no processo de comunicação e metodologia de ação dos Agentes Indígenas de Saúde da Aldeia Alto do Tambá, em Baía da Traição -PB, com a comunidade atendida. Os instrumentos de coleta de dados utilizados são: observação participante, registro fotográfico, entrevista semiestruturada e formulário do perfil socioeconômico. O método de análise utilizado, adota uma perspectiva de abordagem qualitativa, do tipo estudo de caso, por se tratar de uma realidade singular, uma vez que há uma aproximação dos Agentes Indígenas de Saúde, bem como da comunidade por eles atendida.Com isso buscaremos mostrar como a prática do Agente Indígena de Saúde expressa uma atuação em educação popular.
  • MARIA DAS VITORIAS DANTAS RODRIGUES
  • O (NÃO) LUGAR DO PROTAGONISMO E DA ESCUTA INFANTIL: um estudo de caso em um CMEI de João Pessoa
  • Orientador : ADELAIDE ALVES DIAS
  • Data: 29/02/2024
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • Constitui-se objetivo principal deste trabalho identificar se no cotidiano da instituição pesquisada as crianças têm o seu protagonismo reconhecido e suas vozes consideradas, destacando a relevância da escuta nas instituições de educação infantil, observando a efetividade ou ausência desta. Cumpre dizer que a investigação se insere nos estudos de políticas educacionais voltados para inserção plena das crianças, na sociedade, com vista à construção de sua cidadania ativa. Para tanto, realizamos uma pesquisa de natureza social, qualitativa e interpretativa de inspiração etnográfica, do tipo estudo de caso. Seus fundamentos teóricos e metodológicos estão ancorados na abordagem malaguzziana, Psicologia Sociohistórica, na Sociologia da infância e na Antropologia da criança que ratificam a autoria das crianças, considerando-as como sujeitos capazes de se expressarem por si mesmas, serem produtoras e produzidas na e pela própria cultura. Para a produção dos dados, foram utilizadas as técnicas de observação participante de forma sistemática, além de entrevistas informais. A observação participante ocorreu em uma instituição de educação infantil da rede municipal de João Pessoa - PB, que atende crianças com idade entre 2 a 4 anos e onze meses. Os registros totalizaram trinta e cinco visitas com escrituração no diário de campo. Nossa hipótese inicial foi a de que o protagonismo das crianças, assim como a escuta infantil, ainda não ocupam a centralidade na maioria das práticas pedagógicas. Com base nessa hipótese, formulamos a seguinte questão de pesquisa: estamos de fato, no dia a dia das nossas creches e pré-escolas, reconhecendo o protagonismo das crianças e respeitando suas vozes? Em geral, os resultados da pesquisa indicaram que o CMEI idealizado pela criança está ancorado nas brincadeiras e interações, despontando como um lugar divertido, dinâmico, vivo, com muitas possibilidades de escolhas. Em suma, as crianças anelam brincar, criar e viver sua infância, inclusive com acesso a brinquedos estruturados e a aparelhos que fazem parte da cultura mercadológica atual. Os dados também apontam para uma clara disposição das crianças em resistir à pedagogia do controle. Além disso, denunciam o autoritarismo dos adultos ao tratarem com elas sobre as trivialidades do cotidiano, uma prática histórica que desrespeita a sua condição de sujeito, relegando-as à subalternidade, à dominação e à subserviência. Diante disso, fica evidenciada a competência das crianças para dizerem sobre si e sobre o seu cotidiano. Ao indagar as professoras e técnicas sobre a visão da criança como sujeito histórico e de direito, as respostas apresentadas foram curtas e inconsistentes, revelando uma compreensão superficial sobre o tema. Em face do exposto, concluímos que, na instituição pesquisa, o protagonismo e a escuta infantil não ocupam centralidade no processo educativo. Por fim, desejamos que os resultados aqui apresentados sirvam de insights para todos os colegas que militam em favor das crianças e suas infâncias, insite reflexões mais aprofundadas sobre escuta e protagonismo na educação infantil. Finalmente, reiteramos nosso compromisso com a construção de uma sociedade mais ética e inclusiva. Esperamos que este trabalho intensifique o enfrentamento ao modelo de educação transmissiva e preparatória, e, consequentemente, fortaleça pedagogias mais participativas e democráticas.
  • MARIA GIRLENY ROBERTO DA SILVA
  • ESTUDO SOBRE POLÍTICAS EDUCACIONAIS NO CENÁRIO DA “EDUCAÇÃO REMOTA”, EM CARÁTER EXCEPCIONAL EM TEMPOS DE PANDEMIA EM ESCOLAS PÚBLICAS MUNICIPAIS DE JOÃO PESSOA-PB
  • Orientador : JANINE MARTA COELHO RODRIGUES
  • Data: 29/02/2024
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • A presente pesquisa investigou as políticas educacionais que garantem o direito à educação, a qualidade e permanência no cenário da “Educação Remota”, no contexto pandêmico em escolas públicas municipais de João Pessoa-PB. A pandemia da Covid-19 trouxe desafios sem precedentes para a educação em todo o mundo. Devido ao crescimento acelerado dos números de infectados com a Covid- 19 a Organização Mundial de Saúde (OMS) estabeleceu medidas sanitárias para frear o seu impacto, que incluem o fechamento de escolas e a necessidade de distanciamento social, como medida para preservação da saúde dos alunos, professores e demais funcionários. Na ocasião, a educação remota emergiu como uma solução imediata para continuar proporcionando oportunidades de aprendizado aos alunos. Esta pesquisa em nível de mestrado em educação no Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE), promovido pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB), na Linha de Pesquisa em Políticas Educacionais, tem como objetivo geral analisar as políticas educacionais que garantem o direito à educação no que se refere a garantia de qualidade e permanência em tempos de pandemia no cenário de “Ensino Remoto”. Metodologicamente, trata-se de uma pesquisa com enfoque epistemetodologia da pesquisa qualitativa, do tipo exploratório, contemplando como etapas a pesquisa bibliográfica, documental, campo – com a realização da entrevista semiestruturada. O método de análise utilizado pautou-se pela Análise de Conteúdo, fundamentado nos princípios teórico-prático de Laurence Bardin (2015). Em termos específicos, a pesquisa possui relevância social e científica, sobretudo no âmbito educacional, uma vez que propõe repensar as políticas educacionais em curso, através de discussões e resgates teórico-prático que versam sobre a atuação das políticas educacionais, movimento importante para aprofundamento desse debate.
  • DIÂNGELA CARDOSO MACIEL
  • Atendimento Educacional Especializado na Educação Infantil para crianças com necessidades complexas de comunicação
  • Orientador : MUNIQUE MASSARO
  • Data: 28/02/2024
  • Hora: 15:30
  • Mostrar Resumo
  • O presente trabalho traz como tema o Atendimento Educacional Especializado na Educação Infantil, considerando que as crianças com necessidades complexas de comunicação precisam ter um apoio específico a fim de exercerem o direito de se tornarem cidadãs plenas e de conquistarem suas habilidades linguísticas para obter sua autonomia e interagirem com outras crianças e com a sociedade em geral. Algumas barreiras encontradas por essas crianças podem ser removidas por meio do uso da Tecnologia Assistiva, especificamente da Comunicação Suplementar e Alternativa (CSA). Nas escolas públicas, tais crianças têm disponível o serviço do Atendimento Educacional Especializado (AEE). Assim, o problema desta pesquisa diz respeito à seguinte questão: como ocorre a oferta do Atendimento Educacional Especializado nas instituições de Educação Infantil para crianças com necessidades complexas de comunicação e quais são as práticas docentes que fazem uso da CSA nas salas de Recursos Multifuncionais? O objetivo geral foi o de analisar o serviço do AEE oferecido para crianças com necessidades complexas de comunicação na Educação Infantil, tendo como objetivos específicos: investigar o serviço do AEE e as articulações com as salas de referência da Educação Infantil; e conhecer as ações docentes com o uso da CSA nas Salas de Recursos Multifuncionais. A metodologia se baseou numa pesquisa de campo realizada em três Centros Municipais de Educação Infantil, tendo como técnica de coleta de dados a observação. Assim, foram seis meses de observação acerca do trabalho da professora do AEE junto a dez crianças com necessidades complexas de comunicação. Após a coleta dos dados, estes foram lidos e analisados conforme os critérios da Análise de Conteúdo por meio de cinco categorias de análise: 1 - Planejamento das ações da Professora do AEE; 2 - Uso dos recursos e materiais pedagógicos para a mediação do trabalho pedagógico; 3 - Articulação da equipe escolar com as crianças com deficiência; 4 - Uso dos recursos de comunicação suplementar e alternativa; e 5 - Desenvolvimento das práticas pedagógicas das professoras do AEE. Dentre os principais resultados, destacam-se: a respeito do planejamento das ações pedagógicas, verificou-se que a professora A participou junto com a gestão escolar e os funcionários do planejamento da instituição, e a professora B também participou frequentemente do planejamento da instituição junto com a gestão, com as professoras da sala de referência e as cuidadoras; quanto à organização de recursos, observou-se que a professora B planejou uma diversidade de recursos e materiais pedagógicos; quanto ao papel da equipe escolar e sua articulação com as crianças com necessidades complexas de comunicação, verificou-se que a professora C convidou as cuidadoras para ajudarem-na com os atendimentos do AEE; e quanto ao uso dos recursos de comunicação suplementar e alternativa, apenas a professora A recorreu à prática de recursos provenientes da CSA. Concluiu-se, por fim, que esta pesquisa une Educação Infantil, Tecnologia Assistiva e Ensino-aprendizagem de crianças com necessidades complexas de comunicação, sendo este um longo caminho a ser percorrido para promover qualidade da Educação Especial nas escolas públicas do nosso país.
  • HEBELYANNE PIMENTEL DA SILVA
  • A docência no interior de Alagoas: reflexões a partir das ideias da professora Maria Mariá (1960-1963)
  • Orientador : IVONALDO NERES LEITE
  • Data: 28/02/2024
  • Hora: 10:00
  • Mostrar Resumo
  • A pesquisa manteve o objetivo geral de investigar o modo como foi se constituindo a percepção de docência da professora palmarina Maria Mariá, a ser ilustrada em seu envolvimento com a Campanha Nacional de Educandários Gratuitos (CNEG). A professora Maria Mariá de Castro Sarmento, natural da cidade de União dos Palmares (AL) e com ideias analisadas nessa pesquisa, foi estudante na Escola Normal de Maceió durante a década de 1930, e passou a exercer a docência na década de 1940, tornando-se conhecida nacionalmente pelo teor dos textos que passou a divulgar na imprensa alagoana, a partir de 1950, evidenciando a participação na CNEG, por meio das denúncias feitas ao tratamento dado à docência por tal projeto educacional voltado a formação secundária da juventude desvalida interiorana. Nessa direção, os objetivos específicos voltaram-se a: 1) Identificar as características comuns na sociedade interiorana, especificamente palmarina, captadas pela professora Maria Mariá; 2) Situar a professora Maria Mariá entre os que com ela dialogaram em espaços públicos e privados, interior e capitais; 3) Verificar as informações presentes nas publicações de Maria Mariá, que desvelam a condição do trabalho docente na localidade de União dos Palmares, em diálogo com os resultados da CNEG em Alagoas. Para tanto, foram consideradas três categorias de análise: 1) o lugar; 2) a classe; 3) o gênero. O referencial teórico da pesquisa, por sua vez, ancorou-se nos autores atrelados a Micro-história Italiana, tendo em vista a incursão pelas fontes e pela análise do material encontrado, em perspectiva indiciária, e procedimentos microanalíticos. Trata-se de uma pesquisa documental de caráter qualitativo, que foi operacionalizada a partir da garimpagem de fontes imagéticas, escritas, impressas, iconográficas, audiovisuais. Em arquivos físicos e virtuais. Foi possível localizar algumas informações ainda não exploradas sobre a vida profissional da personagem, a saber: 1) viagens feitas pela professora; 2) cartas pessoais por ela trocadas com estudantes e colegas de trabalho; 3) depoimentos de ex-alunos; 4) relações estabelecidas entre a personagem e outros intelectuais alagoanos, católicos ou políticos. Tudo permite perceber os determinantes da formação das ideias manifestadas pela professora ao analisar os resultados da CNEG. Notou-se, ao finalizar a investigação, que os marcadores que perpassam a trajetória de Maria Mariá lhe permitiram sensibilizar o olhar para a precarização do trabalho docente, em um projeto implantado em União dos Palmares com a sua colaboração, que pretendia beneficiar a população pobre interiorana. A personagem desvela-se em suas contradições, ao tempo que permite perceber as contradições que afetam o trabalho docente desde a sua constituição como profissão.
  • RODRIGO DE OLIVEIRA SANTOS
  • FORMAÇÃO DOCENTE E FERRAMENTAS DIGITAIS EM TEMPOS PANDÊMICOS: Desafios e possibilidades
  • Orientador : MARIA ZULEIDE DA COSTA PEREIRA
  • Data: 28/02/2024
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • Esta pesquisa propôs analisar as políticas de formação de docentes no contexto da pandemia nos anos finais do ensino fundamental do município de João Pessoa, PB. O contexto pandêmico trouxe imperativos, desafios psicológicos, emocionais e formativos para toda a comunidade escolar. Diante disso, o distanciamento social e o ensino remoto se tornaram formas de minimizar a disseminação do vírus e a alternativa de continuar o ano letivo. Nesse sentido, com a transferência do ensino para o ambiente virtual, os professores se depararam com uma nova realidade que exigiu deles novas posturas pedagógicas. A partir disso, o ensino remoto ancora-se nas ferramentas digitais como forma de tentar superar os desafios postos. Além desses elementos iniciais apresentados, quais foram as políticas de formação de professores para a atuação no ensino remoto durante a pandemia nos anos finais do ensino fundamental no município de João Pessoa – PB? Partindo dessa problemática, percebe-se uma fragmentação nas políticas de formação para atuação do ensino remoto, pois cada município e estado desenvolveu sua própria política de formação, uma vez que, o governo federal demorou para direcionar essa política emergencial. Para fundamentar a política de formação de professores, utilizamos (Albino; Silva, 2019); (Bezerra; Silva; Albino, 2021); (Rocha; Pereira, 2019), para fundamentar as tecnologias digitais, utilizou-se (Adão, 2023). Nossa pesquisa se ancorou em uma abordagem qualitativa, enquanto procedimento, utilizamos no estudo de caso (Yin, 1994; 2010) para entender o contexto complexo e atípico, que foi a pandemia. Além de Yin, utilizamos nos procedimentos técnicos: a pesquisa bibliográfica e documental que subsidiaram nossas análises do ponto de vista normativo (Cellard, 2008); (Richardson, 2017). Os documentos legais que constituíram e embasaram essa pesquisa foram: a (BNC-F, 2019) e o decreto nº 5/2020. Para o nosso referencial teórico-metodológico, utilizou-se a Abordagem do Ciclo de Políticas (Bowe; Ball; Gold, 1992); (Ball; Maguire; Braun, 2021). Para esta pesquisa, utilizamos o contexto da produção de texto com bases normativas e legais e o contexto da prática, onde a interpretação e recriação das políticas acontecem. Para a coleta dos dados, utilizou-se do questionário (Gill, 1999) como ferramenta que reuniu as informações sobre os professores. Para a análise dos dados, a pesquisa fundamenta-se em: (Gestrado, 2020); (Cordeiro, 2020); Galzerano, 2021); (Hobold; Mattos, 2010), esses autores/as, trouxeram elementos que problematizam as políticas emergenciais que surgiram durante a pandemia. Durante a pandemia, percebe-se que as políticas giraram em torno da reorganização e continuidade do calendário escolar. Além disso, observa-se que as implicações da pandemia acertaram em cheio a educação e, consequentemente, as camadas mais pobres. Sob a máxima de que “A educação não pode parar”, os docentes e discentes foram jogados numa realidade cercada de dificuldades, divergências e hostilidade. Para muitos alunos, o ensino remoto não passou de uma falácia, pois a maioria não tinha aparatos, condições subjetivas e nem condições objetivas para participar do ensino remoto emergencial. Por fim, a comunidade escolar de forma abrupta e efêmera, teve sua realidade modificada, ao passo que, tiveram que lidar com os imperativos da pandemia (desigualdades sociais, econômicas e tecnológicas), da crise mundial, do capital e do avanço da ótica neoliberal na educação.
  • SHEILA DUARTE DA SILVA SERÁPIO
  • EDUCAÇÃO EM SAÚDE: REVISITANDO A EXPERIÊNCIA DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO LAURO WANDERLEY – PARAÍBA - BRASIL
  • Orientador : JANINE MARTA COELHO RODRIGUES
  • Data: 28/02/2024
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • Com a expansão das classes hospitalares, sobretudo no final da década de 80, com a promulgação da Constituição de 1988 e posteriormente na década de 90 com o Estatuto da Criança e do Adolescente e com a Lei de Diretrizes e Bases da Educação foi que a patir destes documentos, ficou assegurado o direito a educação a todos e, posteriormente com a Lei nº 13.716, de 24 de setembro de 2018, foi que ficou garantido o acesso à educação a estudantes em tratamento médico, lei esta que alterou a como Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB) nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Diante do surgimento de leis e estudos, pesquisas passaram a ser mais perceptíveis e, estas buscavam fomentar ideias e pensamentos, apresentando as dificuldades encontradas e as evoluções evidenciadas, na busca de tentar estabelecer uma conexão com a prática ou modificar/melhora-la. Logo, os estudos desenvolvidos na área de educação e saúde são de fundamental importância, pois dão visibilidade a um direito tão pouco conhecido, dentro deste novo campo de atuação profissional do pedagogo, que é o direito a educação. No entanto, a saúde e a educação são considerados como direitos relacionados à igualdade, pois asseguram aos indivíduos condições materiais necessárias para a sua sobrevivência digna, considerando assim, em conjuturas essenciais para a plena prática da cidadania por serem considerados como direitos sociais. O Estudo trata-se de uma revisão integrativa de pesquisas qualitativas desenvolvidas no Hospital Universitário Lauro Wardeley sobre educação no período de 2013 a 2022, baseado no método de Whittemore e Knafl (2005), seguindo criteriosamente as seguintes etapas: formulação e identificação do problema, coleta de dados, avaliação dos dados, análise e interpretação dos dados e apresentação dos dados. A referida pesquisa tem como objetivo geral, analisar as diferentes contribuições científicas acerca das classes hospitalares no Hospital Universitário Lauro Wanderley à luz das políticas públicas na área da educação, caracterizando os temas comuns e os assuntos abordados. Para tanto, esse objetivo se desdobra com os seguintes objetivos específicos: Verificar o que foi produzido sobre experiências pedagógicas no Hospital Universitário Lauro Wanderley; Identificar os temas comuns e divergentes entre as pesquisas analisadas; Buscar possíveis relações entre as pesquisas estudadas com as políticas públicas sobre a legalidade das experiências pedagógicas em hospitais ou em um domicílio. Espera-se com a apresentação dessa dissertação, contribuir signativamente para a discussão deste tema, ainda com tão poucas publicações.
  • KRISLÂNIA DAMASCENA RODRIGUES
  • O ENUNCIADO DA GESTÃO EDUCACIONAL NAS LINHAS DE PESQUISA ESTUDOS CULTURAIS EM/DA EDUCAÇÃO DOS PPGEs DA UFPB, ULBRA E UFRGS
  • Orientador : ERENILDO JOAO CARLOS
  • Data: 27/02/2024
  • Hora: 14:30
  • Mostrar Resumo
  • A gestão educacional abrange desde a definição de políticas e objetivos, até a implementação de estratégias para alcançá-los e a avaliação dos resultados. Em forma de discurso, a gestão educacional também se mostra diversa. Situada na Linha de pesquisa em Estudos Culturais da Educação - ECE, que têm sido aplicados para entender como a cultura é usada no processo educacional, esta pesquisa tem como objetivo geral analisar o enunciado da gestão educacional nas Linhas de Pesquisa de ECE do Brasil. Justificando a pesquisa, na investigação sobre os temas e pesquisas que circulam entre os eventos da área dos ECE, foi possível constatar que o enunciado da gestão educacional não aparece nos títulos dos trabalhos e nas discussões, expondo uma provável lacuna da área. Especificamente, busca-se mapear a produção acadêmica das Linhas de pesquisa presentes nos repositórios institucionais da UFPB, ULBRA e UFRGS, identificar as produções que acionam o discurso da gestão educacional e descrever e analisar como o enunciado da gestão educacional está delineado nas linhas de ECE no Brasil. A presente pesquisa é de natureza qualitativa e adotou a Análise Arqueológica do Discurso (AAD) proposta por Michel Foucault (2000; 2008) em sua obra "Arqueologia do Saber" como referencial teórico-metodológico. Para atingir os objetivos propostos, o estudo seguiu as seguintes etapas: primeiro, realização do mapeamento dos textos-fonte relacionados à pesquisa; em seguida, procedeu à escavação e análise da zona do discurso, explorando os enunciados conforme a abordagem proposta por Alcântara e Carlos (2013). Um único trabalho foi encontrado, dentre as 333 produções das linhas de pesquisa ECE dos PPGEs da UFRGS, UFPB e ULBRA, de 2012 a 2022. Por meio da análise e da descrição realizadas da fonte, identificamos quatro séries enunciativas que, articuladas, tecem o enunciado da gestão educacional nas linhas de pesquisa, a saber: 1. série enunciativa da gestão escolar; 2. série enunciativa da gestão democrática; 3. série enunciativa da governamentalidade educacional e 4.série enunciativa da cultura escolar.
  • JULIANA DO VALE MATOS
  • Centro Familiar de Formação Por Alternância Manoel Monteiro e a Educação do Campo-MA
  • Orientador : SEVERINO BEZERRA DA SILVA
  • Data: 26/02/2024
  • Hora: 15:00
  • Mostrar Resumo
  • Este estudo centra-se na investigação das contribuições do Centro Familiar de Formação por Alternância (CEFFA) Manoel Monteiro, localizado em Lago do Junco-MA, para a manutenção das comunidades camponesas ao seu redor, a partir da abordagem teórico-metodológica da Pedagogia da Alternância. Inserindo-se no contexto da Educação do Campo, especialmente no Maranhão, onde mais de 50% das instituições de ensino público são escolas do campo que em maioria enfretam desafios infraestruturais, a pesquisa explora, durante os dois primeiros capítulos, a trajetória histórica marcada pela luta dos movimentos sociais camponeses pela Educação do Campo. A partir das metodologias apresentadas ao curso do trabalho, tem-se como principal objetivo verificar como as práticas pedagógicas da alternância transbordam a escola e contribuem para as bases organizacionais daquela realidade. Os objetivos específicos são determinados em: a) Localizar o debate da Educação do Campo e da Pedagogia da Alternância na realidade brasileira e sobretudo, maranhense; b) Identificar o trabalho pedagógico desenvolvido no CEFFA Manoel Monteiro e; c) Conferir as percepções teóricas que circundam o obejto a partir das perspectivas dos alunos e alunas do CEFFA, bem como dos egressos e demais membros que compõe a escola. Utilizando uma metodologia qualitativa, a partir de revisão bibliográfica [Gimonet (2007), Pistrak (2018), Nosella (2012), Cavalcanti (2011), entre outros] e entrevistas semiestruturadas, a observação do estudo de caso reservado aos dois últimos capítulos se dá a partir de três categorias-chave: comunidade, trabalho e auto-organização. Os resultados evidenciam a relevância do trabalho pedagógico da escola, destacando como a Pedagogia da Alternância do CEFFA emerge enquanto abordagem exitosa, promovendo a integração entre escola e comunidade, contribuindo ativamente para a manutenção das comunidades camponesas ao seu redor.
  • EDMILSON DA SILVA CABRAL
  • VIVÊNCIAS DAS INFÂNCIAS CAMPONESAS E EDUCAÇÃO DO CAMPO: PERSPECTIVAS NA EMEIEF SENHOR DO BONFIM
  • Orientador : MARIA DO SOCORRO XAVIER BATISTA
  • Data: 26/02/2024
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • Esta dissertação de mestrado, vinculada à linha de pesquisa em Educação Popular do Programa de Pós-graduação em Educação da Universidade Federal da Paraíba, objetivou analisar as especificidades das vivências das infâncias camponesas através das práticas pedagógicas desenvolvidas com crianças na escola do campo, teve como objeto de estudo as vivências das infâncias camponesas. Defende-se a concepção de criança como sujeito social de pleno direito e de infância enquanto categoria social, que na especificidade do campo caracteriza-se pela multiplicidade e heterogeneidade desse território - infâncias. A metodologia utilizada classifica-se como pesquisa de campo, com abordagem qualitativa. O campo empírico é a EMEIEF Senhor do Bonfim no município de Sapé/PB, localizada na área de assentamento da Reforma Agrária ocupada pelo MST - o Assentamento Rainha dos Anjos, a instituição educacional oferta as etapas de ensino com atendimento à infância, a saber, Educação Infantil (02 a 05 anos - Creche à Pré-Escola) e Ensino Fundamental (06 a 10 anos - 1º ao 5º ano), os sujeitos colaboradores da pesquisa são as crianças matriculadas na turma multisseriada do 1º e 2º anos e a professora que nela atua, em um total de 12 (doze) crianças e 01 (uma) profissional. Quanto às técnicas utilizou-se, observação participante, entrevista semiestruturada com a docente e oficinas temáticas - desenho e pintura e diário de bordo escolar, com as crianças. A análise e interpretação dos dados respaldaram-se, essencialmente, na perspectiva teórica da Sociologia da Infância, considerando os estudos de Corsaro (2011), Sarmento (2020), Arenhart (2007), Antônio e Tavares (2013, 2019). Diante do exposto, esse estudo permitiu caracterizar as práticas pedagógicas desenvolvidas com crianças em escola no campo, assim como possibilitou identificar as percepções das crianças camponesas acerca das vivências das infâncias na escola e no território do campo, por fim, acredita-se que tais concepções contribuem para que a escola do campo seja efetivamente compreendida como espaço de oportunização da vivência plena das infâncias, através de um processo educativo constituído, em sua essência, a partir de brincadeiras, interações e contextos lúdicos, e que contemple a realidade dos povos camponeses.
  • SANYA TELES BARBOSA
  • TRAJETÓRIAS DE EGRESSOS : A FORMAÇÃO EM EDUCAÇÃO POPULAR NA PERSPECTIVA DA APRENDIZAGEM AO LONGO DA VIDA
  • Orientador : EMILIA MARIA DA TRINDADE PRESTES
  • Data: 23/02/2024
  • Hora: 14:30
  • Mostrar Resumo
  • A dissertação objetiva analisar trajetórias de egressos do curso de doutorado da pós-graduação em Educação da UFPB da linha de Educação Popular, partindo da seguinte questão: como se apresentam as trajetórias dos egressos do curso de doutorado, da linha educação popular do PPGE, em suas atuações educacionais, sociais e profissionais e como essa população avalia a qualidade da formação para a aquisição de novas aprendizagens, além dos aspectos mais e menos destacados dessa formação para a aquisição de benefícios materiais e imateriais. Essas questões foram tratadas, teórica e metodologicamente, pelos seguintes objetivos: (i) conhecer as trajetórias dos egressos do curso de doutorado da linha Educação Popular do Programa de Pós-graduação em Educação da Universidade Federal da Paraíba sobre as suas trajetórias sociais, educacionais e profissionais; (ii) averiguar o contributo dessa formação doutoral relacionadas a benefícios materiais e imateriais, baseando-se na perspectiva teórica de aprendizagem/educação ao longo da vida; (iii) averiguar se as atuações sociais, educacionais e profissionais se relacionam – ou não – com as proposta da linha de Educação Popular. Para isso, partiu-se da hipótese de que a formação doutoral possibilita benefícios materiais e imateriais aos seus egressos, tidos como ampliação dos processos sociais/de sociabilidade e preparação para o mundo do trabalho. Este estudo caracterizou-se como qualitativo e utilizou duas técnicas para a coleta de dados: entrevistas semiestruturadas (questionário) e entrevistas coletivas (grupo focal). Como resultado, treze (13) doutores (10 mulheres e 3 homens) egressos responderam aos questionários aplicados via google forms, correspondendo a uma amostra de pouco mais de 36% dos concluintes no período 2017 a 2021. Como contributo da formação no doutorado em educação popular, os egressos pontuaram: ascensão e qualificação profissional; ingresso no magistério superior; progressão salarial e ampliação das aprendizagens. Dos treze egressos entrevistados, oito (8) participaram da roda de conversa. Nelas, foram aprofundadas questões relacionadas à formação e à aprendizagem ao longo da vida. Ao final do estudo, concluiu-se que os doutores compreendem a educação ao longo da vida como sinônima à educação popular, a partir de uma perspectiva de educação que abrange todos os aspectos de suas vidas. Também foi observado que a formação em educação popular trouxe benefícios materiais, mas, sobretudo, imateriais, conforme observado nos relatos.
  • PIÊTRA GERMANA CARVALHO DE ANDRADE PORPINO
  • A FEDERALIZAÇÃO DA UNIVERSIDADE DA PARAÍBA E A CONSOLIDAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR NO ESTADO (1960-1964)
  • Orientador : CHARLITON JOSE DOS SANTOS MACHADO
  • Data: 15/02/2024
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • Em meio ao cenário heterogêneo do ensino superior brasileiro, as universidades públicas federais ocupam uma posição central na formação de profissionais qualificados e no avanço da ciência no país (SAVIANI, 2010; VASCONCELOS, 2007). A criação de instituições universitárias ocorreu de forma bastante tardia no contexto brasileiro. A partir da década de 1940, a expansão do ensino superior foi notável, sendo a federalização destacada como o principal meio de criar universidades públicas do Estado. Esse mecanismo contribuiu significativamente para a gratuidade de fato do ensino superior público brasileiro, e foi fundamental para a expansão e integração do ensino superior ocorrido durante o período que corresponde a Terceira República (CUNHA, 1983). No contexto paraibano, a federalização foi vital para a "salvação, sobrevivência e desenvolvimento" do ensino superior local. Este trabalho teve como objetivo analisar os significados e desdobramentos da federalização da UFPB entre 1960 e o 1964, utilizando a imprensa, entrevistas coletadas entre 1979 e 1980 no âmbito do projeto “História da UFPB/NDHIR e estatutos da universidade como principais fontes históricas da pesquisa. As fontes foram coletadas em três acervos: Arquivo Central (UFPB); Núcleo de Documentação e Informação Histórica Regional (NDIHR/UFPB); e o Arquivo Histórico do Estado da Paraíba na Fundação Espaço Cultural da Paraíba (FUNESC). A abordagem metodológica incorporou contribuições do Círculo de Bakhtin, com ênfase nos conceitos de dialogismo e ideologia. A análise desses movimentos discursivos e institucionais proporcionou uma reflexão singular sobre a consolidação do ensino superior na Paraíba e aprofundou a compreensão da trajetória da UFPB, uma instituição que mantém sua presença no cenário atual e desempenha um papel de extrema relevância para o estado da Paraíba. Além disso, a pesquisa permitiu avaliar características comuns à formação do ensino superior no Brasil durante a Terceira República (1945-1964), proporcionando uma reflexão sobre a prática da federalização como elemento fundamental no desenvolvimento do ensino superior brasileiro.
  • ANDRÉ LUÍS NUNES DOS SANTOS
  • LETRAMENTO DIGITAL DE PESSOAS IDOSAS SOB A PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO AO LONGO DA VIDA: intersecções com a educação popular
  • Data: 09/02/2024
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • Diante do avanço científico e tecnológico, tornou-se perceptível as recorrentes modificações sociais e culturais ocasionadas pela ascensão globalizante das tecnologias digitais, as quais vêm impondo novas formas de conviver e de se relacionar perante a sociedade, configurando-se, na atualidade, como uma possível extensão do corpo humano. Dessa forma, os sujeitos que não as possuem ou que apresentam dificuldades em seu manuseamento, acabam sofrendo com a exclusão digital, assim como são os casos das pessoas idosas, que, em sua grande maioria, são negligenciadas e excluídas em diversas esferas sociais. Logo, cada vez mais, tem-se feito necessário o desenvolvimento do Letramento Digital crítico e reflexivo dessa parcela populacional, para que, então, possa ser garantida uma plena vivência em suas interações pessoais e profissionais. Portanto, este trabalho investigativo buscou, enquanto objetivo geral, analisar os efeitos do Letramento Digital no cotidiano de idosos(as) integrantes do Grupo Viver Bem, no município de Pilõezinhos – PB, sob a perspectiva da Educação ao Longo da Vida, interseccionando com categorias da Educação Popular. Concernente aos aspectos teórico-metodológicos, esta pesquisa possui natureza pura, abordagem qualitativa, objetivos de cunho exploratório e fundamentada no método dialético marxista. Os sujeitos da pesquisa foram 08 idosas do Grupo Viver Bem do Centro de Referência de Assistência Social do município de Pilõezinhos – PB. As referências basilares foram Freire (1996), Castells (1999), Machado (2012), Gadotti (2016) e Beauvoir (2018). Os principais resultados encontrados seguiram na compreensão de que as práticas de Letramento Digital estão presentes nas rotinas de grande parte das pessoas idosas e que, em suas próprias avaliações, as tecnologias digitais são ferramentas essenciais para o pleno convívio em sociedade, as quais podem ser apresentadas como promotoras de empoderamento, independência e autonomia, isto quando aliadas às perspectivas educacionais críticas e reflexivas.
  • MARIA DE LOURDES PEREIRA DE LIMA
  • SIGNIFICAÇÕES DO PROGRAMA EDUCAR PRA VALER (EpV) NA REDE PÚBLICA DE ENSINO NO MUNICÍPIO DE MAMANGUAPE NA PARAÍBA: PERCEPÇÃO DOCENTE
  • Data: 05/02/2024
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • RESUMO Esta pesquisa se propôs verificar as contribuições de uma política educacional de governo, intitulada Educar pra Valer, doravante EpV, que é um programa da Associação Bem Comum (ABC), tendo como apoiadora a Fundação Lemann. Implementada na rede pública no município de Mamanguape, na Paraíba, nas turmas do Ensino Fundamental no ano de 2019, consiste em diagnosticar, avaliar e melhorar os índices de rendimento, principalmente, na leitura dos estudantes que apresentavam defasagem de aprendizagem nessa categoria por quaisquer motivos. Adota como metodologia a pesquisa qualitativa, fundamentada em autores que abordam o tema em estudo, a exemplo de Andrade (2023), Ball e colaboradores (2021), Barbosa (2022), Dantas e Dantas (2019), Dantas (2021), Francelino e Rebolo (2022), Freitas (2014), Jakimiu (2021), Morosini e Fernandes (2014), Norberto (2022); Pereira (2006); documentos legais como a Constituição Federal - CF (1988), Base Nacional Comum Curricular - BNCC (2018), Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional - LDBEN (1996), Plano Nacional da Educação - PNE (2014); e sites institucionais da Associação Bem Comum - ABC (2018), Educar pra Valer (2018; 2022; 2023), Fundação Lemann (2019), Lyceum Consultoria Ltda., entre outros, para subsidiar a pesquisa. Parte-se do pressuposto de que essa política de governo é (re)contextualizada e que se (re)organiza a partir dos processos já existentes e influenciáveis, buscando dar contribuições significativas nesse mesmo viés. Nessa perspectiva, o objetivo geral desta pesquisa é analisar as possíveis contribuições do programa Educar pra Valer (EpV), enquanto política educacional para a formação do leitor na idade certa, verificada nas turmas de 5º ano do Ensino Fundamental das escolas da rede municipal de Mamanguape, em 2022. Para alcançar este objetivo, a pesquisa apresenta como sujeitos participantes 10 (dez) docentes efetivos, distribuídos em 8 (oito) escolas da zona urbana e que atuaram com esse programa em 2022. Utilizou-se como instrumento de coleta de dados o gênero entrevista, com itens contemplando opção de respostas fechadas, abertas e justificadas, alusivas ao programa EpV. Os resultados obtidos, após as análises dos dados, mostraram que os avanços foram em parte contemplados, tendo em vista que o alunado melhorou consideravelmente sua prática leitora. No entanto, para se alcançar os objetivos do programa EpV, a fim de garantir a alfabetização na idade certa e a formação do leitor fluente, os docentes devem priorizar apenas os componentes curriculares que são evidenciados nas avaliações externas – Língua Portuguesa e Matemática. Esse estreitamento curricular promove a mudança de metodologia, fazendo com que o corpo docente perca, em parte, sua autonomia, causando inconvenientes e dificuldades no processo de implantação, sendo constantemente supervisionado em sua rotina, nos cronogramas de atividades, planos de aulas, além de ser avaliado de acordo com os resultados obtidos nas avaliações diagnósticas e formativas, e, principalmente, a somativa, que promove o ranqueamento entre as escolas, causando, também, o desconforto para alguns docentes que não conseguiram alcançar a meta estipulada nas avaliações de larga escala.
2023
Descrição
  • ROSALINDA FALCAO SOARES
  • EXPERIÊNCIAS E VIVÊNCIAS EM TERRITÓRIOS DE LUTA: UMA INTERCONEXÃO COM A EDUCAÇÃO POPULAR.
  • Orientador : SEVERINO BEZERRA DA SILVA
  • Data: 22/12/2023
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • Este texto doutoral intitulado “Experiências e Vivências em Territórios de Luta: uma interconexão com a educação popular” apresentado a Linha de Pesquisa Educação Popular do Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE) da Universidade Federal da Paraíba (UFPB) aborda alguns movimentos instituídos na área de conhecimento da educação pública. Trata-se de uma pesquisa de cunho qualitativo. O percurso metodológico tomou por base a construção de fontes orais e visuais, depoimentos, entrevistas, ciclos de debates. O objetivo geral da pesquisa propõe analisar três experiências no campo de conhecimento da educação, em delimitação, a Campanha de Educação Popular(CEPLAR) na década de 1950-1960, o projeto de Gestão de Paulo Freire na Secretaria de Educação Municipal em São Paulo-capital(1989-1992) na interconexão com a experiência da Educação do Campo em Assentamentos Rurais no município de Sapé, estado da Paraíba, na década de 1990.O caminho teórico-metodológico recorreu-se aos fundamentos da Educação Popular na interface com a Pedagogia Freireana, dentre outros expoentes que dialogam com este arcabouço teórico, o que possibilitou aproximar-se dos diversos pesquisadores/as, a exemplo de Arroyo; Caldart; Molina(2009); Beisiegel(1992); Brandão(1984;2002;2016;2019); Carrilho(2013); Calado(2011); Favero(1992); Freire(1991; 1979; 1992; 1996; 1999; 2003; 2005); Méjía(2018); Le Goff(2013); Silva(2003); Stedile(2002). Na trama tecida é possível identificar a interconexão entre as experiências da educação popular na cidade de Sapé com as demais experiências em delimitação na pesquisa, considerando as particularidades de cada uma delas. Os indícios apontam que estas experiências estão interconectadas, sobretudo nas dimensões políticas, econômicas, sociais e culturais, conduzidas por processos democráticos em seus respectivos tempos históricos.
  • MARIA DAS GRAÇAS DE LIMA
  • CORAÇÕES EM PEDRAS: CONFIGURAÇÕES CRIATIVAS E IDENTITÁRIAS DO/A EDUCADOR/A EMOCIONAL NA CIDADE DE QUEIMADAS-PB
  • Orientador : SEVERINO BEZERRA DA SILVA
  • Data: 20/12/2023
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • Tese de doutorado realizada na linha de educação popular do programa de educação da Universidade Federal da Paraíba. A tese estudou as circunstâncias em que o exercício docente e as práticas formativas e colaborativas realizadas no contexto da Secretaria de Educação da Cidade de Queimadas-PB, viabilizam a construção da identidade do/a professor/a de educação emocional e os processos criativos emergentes no desenvolvimento das competências socioemocionais necessárias para tal função. Parte do pressuposto de que o mundo do trabalho é um importante espaço formativo à medida que possibilita um aprendizado realizado na e pela imersão de práticas e reflexões cotidianas escolares e que a formação continuada permite a emergência de processos criativos e identitários inovadores no que se refere à Educação Emocional. A dimensão teórica da pesquisa e que alicerça as bases da investigação está estruturada, fundamentalmente, na Teoria de Rolando Toro acerca da construção dos processos identitários. A dimensão metodológica está organizada a partir do estudo de caso, que se desenvolve em torno de um grupo de professores que possuem a responsabilidade de ministrar a disciplina de Educação Emocional na rede municipal de ensino da cidade de Queimadas-PB. Além de entrevistas semiestruturadas, foi utilizado o espaço virtual do dispositivo móvel - de forma específica o aplicativo de mensagens instantâneas WhatsApp - como uma estratégia informacional, posto que, o grupo de docentes integra este espaço virtual trocando ideias e experiências. Concluiu-se que a identidade docente do Educador Emocional se constitui individual e coletivamente a partir de um conjunto de conhecimento, experiência e valores compartilhados. Os resultados da tese permitiram afirmar que a criação dos processos identitários dos educadores e educadoras emocional são constituídos por elementos como vivência, ambiente enriquecido, motivação, imaginação e atitude crítica.
  • ANA MARIA BARBOSA DA SILVA
  • “SER BOA PROFESSORA” NA ESCOLA SACRAMENTINAS - HISTÓRIAS E MEMÓRIAS DA EDUCAÇÃO EM AMARGOSA/BA (1953- 1990)”
  • Orientador : SURYA AARONOVICH POMBO DE BARROS
  • Data: 19/12/2023
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • O objetivo desta pesquisa é investigar a construção de identidade de mulheres que estudaram no Ginásio Santa Bernadete e se tornaram professoras, na cidade de Amargosa/BA, no período entre 1953 e 1990, a partir do referencial de valorização do “ser boa professora”. Tal representação atinge a comunidade de Amargosa como um todo. Essas professoras, ex-alunas da Escola das Sacramentinas, tornam-se referências quando o assunto é ensino de qualidade, pelo fato de ao se formarem, retornaram ao Ginásio na condição de professoras e terem ensinado em escolas da cidade. As discussões foram realizadas utilizando como recorte o período histórico que vai de 1953 a 1990. Este recorte temporal foi estabelecido considerando o período em que a instituição iniciou a oferta do Curso Pedagógico para alunas da cidade de Amargosa e região (1953) e o ano e que a professora que é fio condutor desta pesquisa esteve ativa no mercado de trabalho (1990). A análise é atravessada pelas questões de gênero, tendo em vista que a educação feminina no Brasil é fortemente marcada pelas relações de gênero. A problematização se ancora em autoras como Louro (2014), Passos (1999) e outras pesquisadoras da temática educação feminina. Alguns conceitos são fundamentais, entre eles memória e identidade. A História Oral constitui a abordagem metodológica, pois a partir dela temos a oportunidade de ouvir e compartilhar memórias das depoentes, dar sentido às experiências vividas, e ainda valorizar a experiência humana individual ou coletiva. Além das entrevistas, a dissertação se apoia na análise de documentos encontrados no arquivo da escola e outras fontes primárias.
  • MÔNICA DE FÁTIMA SILVA CAVALCANTE PEREIRA
  • A EDUCAÇÃO INFANTIL NO ESTADO DA PARAÍBA: entre a subjetividade do direito e o real concreto
  • Data: 15/12/2023
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • O Brasil acumulou, durante séculos, uma dívida histórica no que se refere aos direitos das crianças de primeira infância. No campo educacional, a Constituição Federal de 1988 representou um marco por reconhecer tais crianças como sujeitos de direitos. Em 1996 a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDBEN 9394/1996) definiu a Educação Infantil como primeira etapa da Educação Básica, e a partir de então, um arcabouço normativo foi, gradativamente, sendo constituído no país como forma de responder às contradições geradas pelas lutas dos grupos socialmente constituídos e que defendem a concretização desses direitos. O Plano Nacional da Educação (BRASIL, 2014) integra esse arcabouço, e institui como sua primeira meta, a expansão do atendimento das matrículas de 0 a 3 anos e a universalização das matrículas para as crianças de 4 a 5 anos, cabendo aos municípios essa tarefa. Sendo a etapa com maior déficit de atendimento, logo, àquela com maior necessidade de financiamento, a ampliação do percentual do Produto Interno Bruto (PIB) para, no mínimo 10%, se torna urgente e inadiável. Todavia, a Emenda Constitucional no 95 de 2016 parece inviabilizar a concretização de tal meta, mesmo com a aprovação do novo FUNDEB. Esta pesquisa situa-se nesse contexto, em que os direitos são subjetivos e criam sujeitos de direito igualmente subjetivos. Mas essa subjetividade não corresponde ao real concreto, o que resulta em uma sucessão, e no acúmulo de atos normativos, sem a materialidade necessária. Desta feita, a pesquisa em tela trata de um estudo exploratório realizado nos catorze municípios que compõem o grupo denominado Regiões de Ensino do Estado da Paraíba, e tem como objetivo central analisar o cumprimento da Meta 1 do PNE (2014-2024) diante dessa conjuntura de contradições entre a subjetividade do direito da criança e o real concreto, evidenciando, principalmente, a importância do financiamento da etapa. Nessa direção, aborda aspectos históricos e conjunturais das Políticas de Educação Infantil no Brasil, a fim de identificar os principais desafios para a consolidação de tais direitos. A pesquisa empírica tem como recorte temporal os anos de 2014 a 2021, cuja coleta de dados quantitativos e qualitativos foi realizada em três fontes de sistemas online: documental, estatística e financeira. Os dados coletados foram organizados, analisados e tratados à luz do materialismo histórico-dialético. A partir desse ideário, tomamos como categorias de análise do método histórico-dialético a contradição, a práxis, e a totalidade concreta. Como categorias especificas do fenômeno estudado, destacamos o financiamento da Educação e as Políticas Públicas.
  • RONNIE WESLEY SINESIO MOURA
  • PRÁTICAS PEDAGÓGICAS PARA UMA (RE)EDUCAÇÃO DAS RELAÇÕES ÉTNICOS-RACIAIS NUMA PERSPECTIVA DECOLONIAL E AFROCENTRADA: uma análise crítica dos discursos de professores/as da EJA de uma escola quilombola da rede municipal de João Pessoa, PB
  • Data: 15/12/2023
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • A educação brasileira, historicamente marcada por uma perspectiva racista e excludente, contribuiu com a formação discriminatória da composição étnico-racial dos/as estudantes, especialmente, na Educação de Jovens e Adultos (EJA), segregando suas representações culturais, principalmente, as afrodescendentes. Nesse sentido, elencamos como objeto de estudo da presente tese as práticas pedagógicas dos/as professores/as da EJA, que desenvolvem suas atividades docentes em uma escola quilombola, e suas contribuições para uma (re)educação das relações étnico-raciais. Como problemática principal, temos o seguinte questionamento: de que maneira as práticas pedagógicas dos/as professores/as da EJA, de uma escola quilombola da rede municipal de João Pessoa, no Estado da Paraíba, contribuem para uma (re)educação das relações étnico-raciais, consequentemente, para uma educação antirracista? Para responder a essa pergunta, elencamos como objetivo geral: analisar como são desenvolvidas as práticas pedagógicas dos/as professores/as da EJA, de uma escola quilombola da rede pública municipal da cidade de João Pessoa, para uma (re)educação das relações étnico-raciais. E, como objetivos específicos: conhecer as práticas pedagógicas desenvolvidas pelos/as professores/as da EJA, em uma escola quilombola; identificar se os discursos consubstanciados nas práticas pedagógicas desses/as professores/as contribuem para uma (re)educação das relações étnico-raciais; investigar se os discursos presentes nos documentos escolares referentes à EJA estão pautados em uma perspectiva antirracista; e reconhecer as concepções desses/as professores/as acerca da temática das relações étnico-raciais e a relação destas com a sua prática pedagógica, desenvolvida em uma escola quilombola. O alicerce epistemológico da pesquisa se encontra alinhado às perspectivas decolonial e afrocêntrica. Trata-se de uma abordagem qualitativa, do tipo etnografia da prática escolar, inspirada nas orientações de André (2012). Participaram da pesquisa cinco professores/as da EJA de uma escola quilombola da rede municipal de João Pessoa. Para a geração dos dados, realizamos observação participante, construção de um diário de campo, análise documental e entrevistas semiestruturadas. Para a análise dos dados, utilizamos a Análise Crítica do Discurso (ACD) faircloughiana. Os resultados indicam que os/as professores/as da EJA entrevistados/as realizam um trabalho que procura interseccionar as questões étnico-raciais aos conteúdos de seus componentes curriculares, com mais segurança e de maneira mais fundamentada, porém, reconhecendo que existem limites pessoais e profissionais que precisam ser superados. Desse modo, concluímos que os/as participantes da pesquisa, ao trabalharem as questões étnico-raciais e quilombola, em sala de aula, contribuem para o fortalecimento do pertencimento étnico-racial dos/as estudantes, reforçando a tese de que esses professores/as da EJA de uma escola quilombola, mesmo com todos os percalços e contradições, ao relacionarem os conteúdos de seus componentes curriculares às questões étnico-raciais e quilombola, contribuem para (re)educação das relações étnico-raciais de seus/suas estudantes, apresentando um discurso e uma postura epistêmico-metodológica antirracistas, materializados em suas práticas pedagógicas, resultante do compromisso profissional e pessoal (político, ético e social) construído em suas vivências, no espaço escolar quilombola e na participação em formações ocorridas no chão da escola; tensionando o currículo escolar e posturas didático-pedagógicas eurocentrados, ainda sedimentados na escola.
  • KÁSSIA REJANE PEREIRA DE SOUSA
  • Silêncios e memórias: a idealização e implantação do Ensino Superior na cidade de Cajazeiras-PB (1965-1970)
  • Data: 29/11/2023
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • Esta proposta de pesquisa, inserida na Linha História da Educação, visa investigar o processo de idealização e implantação do Ensino Superior na cidade de Cajazeiras – PB, dentro do contexto político do Regime Militar no Brasil, desvelando os anos de silêncio, de 1965 a 1970, período em que a faculdade recém-criada permaneceu no campo da idealização, despertando a incredulidade de muitos sobre a real possibilidade de que ela viesse a existir, até seu efetivo funcionamento. Essas questões serão tratadas teórica e metodologicamente pelos objetivos: (i) conhecer mais a fundo as memórias dos sujeitos e das relações presentes no processo de criação e implantação do Ensino Superior na cidade de Cajazeiras; ii) analisar a forma como a faculdade foi idealizada; iii) compreender como as principais relações pessoais e de poder foram tecidas no silêncio destes anos, entre posições e oposições políticas e ideológicas, tendo estas sido fundamentais para que a faculdade começasse a funcionar. O método de investigação e análise das informações será o qualitativo adotando-se o tipo de análise descritiva, através da relação constituída entre a Nova História Cultural e a História do Tempo presente, utilizando-se como principal recurso metodológico o procedimento técnico da aplicação da história oral, ancorado na análise documental.
  • ALCIDESIO OLIVEIRA DA SILVA JUNIOR
  • A MAGIA QUE SEDUZ E NOS FAZ SONHAR... CURRÍCULO-IMAGEM E MASCULINIDADES NOS CINEMAS LATINO-AMERICANOS
  • Data: 15/11/2023
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • Esta pesquisa objetivou cartografar as linhas de produção de masculinidades no currículo-imagem dos cinemas latino-americanos contemporâneos, com base no caldeirão mágico das teorias pós-críticas de currículo. A tese é a de que modos de masculinidades em devir-mulher têm sido incitados e produzidos na contemporaneidade, em meio a experiências estéticas potentes na educação do sensível para as diferenças de gênero e sexualidade. Algumas perguntas, pois, guiaram-me na empreitada de compor e escrever com os encantos da arte esta pesquisa: quais movências podem ser provocadas em nós por meio do encontro com a magia do cinema? o que pode um currículo-imagem ao sublinhar modos outros de masculinidades? Por meio do método da cartografia, inspirado na Filosofia da Diferença de Gilles Deleuze e Félix Guattari, voltei-me a filmes latino-americanos como Retablo (Peru), Pelo Malo (Venezuela), Boi Neon (Brasil) e Tatuagem (Brasil) para acompanhar os fluxos de constituição de subjetividades de gênero e de sexualidade nestes currículos. O agenciamento entre as películas, as teorias curriculares pós-críticas e este pesquisador produziram desdobramentos de um currículo-imagem que nos ensina através dos afetos com as imagens: 1) em Retablo, um currículo-moldura hábil no enquadramento sufocante das diferenças convive com um currículo-amoroso que sob o signo do amor emerge da precariedade; 2) em Pelo Malo, devires-criança são desatados na imaginação de um outro mundo em um currículo-sonho; 3) em Boi Neon, há uma difusão de novas espacialidades em um nordeste que se aproxima do currículo-neon; e 4) Em Tatuagem, o currículo-desbunde, fruto de uma experiência contracultural, é força mobilizadora para uma transformação de si mesmo. Tais resultados, centelhas de magia e cinema, apontam para novas configurações de masculinidades que são ensinadas nas experiências estéticas com currículos-imagem contemporâneos, operadores de signos que fazem reluzir as diferenças. Concluo que o devir-mulher, como força estético- existencial que pode atravessar as masculinidades latino-americanas, incita desestabilizações dos locais de produção de desejo e das identidades de gênero valorizadas pela heteronormatividade, degelando a Forma-Homem em prol de uma multiplicidade de experiências de masculinidades.
  • WELLINGTA MAGNOLIA LACERDA LEITE DE ANDRADE
  • Concepções e praticas dos atoresdo processo de gestão democratica nas escolas da rede municipal ensino de João Pessoa no período 2016 -2023
  • Data: 13/11/2023
  • Hora: 08:30
  • Mostrar Resumo
  • Esta tese apresenta os resultados de uma pesquisa realizada em três escolas da Rede Municipal de Ensino de João Pessoa, Paraíba, Brasil. O principal objetivo foi analisar as concepções e práticas pedagógicas e administrativas dos gestores escolares após a mudança no sistema de nomeação destes, decorrente de decisão do Tribunal de Justiça da Paraíba, que suprimiu as eleições diretas para o cargo. Nas últimas décadas, a gestão escolar tem enfrentado desafios significativos, exigindo uma abordagem que atenda às demandas legais e sociais, particularmente quanto à participação de todos os segmentos envolvidos. Essas questões têm sido frequentemente debatidas e incorporadas às agendas das políticas educacionais. Neste estudo, buscamos alinhar a atuação nas escolas com a Meta 19 do Plano Nacional de Educação (PNE) 2014-2024, que se concentra na democratização do ensino público. No que diz respeito aos objetivos da pesquisa, adotamos uma abordagem exploratória, considerando que há uma lacuna de estudos nessa pauta nesta rede de ensino. No que se refere à metodologia, adotamos uma abordagem qualitativa, justificada por nosso objetivo de analisar fenômenos que ocorrem em contextos específicos, levando em conta o tempo, o local e a cultura. Selecionamos 3 (três) escolas entre um universo de 101 (cento e uma), representando diferentes tamanhos e localizações geográficas em João Pessoa. A pesquisa de campo envolveu a observação sistemática e a realização de entrevistas semiestruturadas. Os participantes da pesquisa incluíram dois gestores (um pedagógico e um administrativo), um especialista, dois docentes, dois funcionários e duas mães, todos membros do Conselho Deliberativo Escolar de cada escola. No total, foram entrevistados 27 (vinte e sete) sujeitos. Na análise dos resultados, utilizamos gráficos para melhor compreender as diferentes realidades e perspectivas dos entrevistados. Além disso, contextualizamos e estabelecemos relações entre as diretrizes legais e as práticas democráticas nas escolas, no período de 2016 a 2023, quando os gestores escolares passaram a ser nomeados diretamente pelo chefe do executivo, conforme determinado pelo Acórdão do TJPB. É importante ressaltar que nosso foco não foi testar ou confirmar uma hipótese, mas sim realizar descobertas e integrar os dados obtidos na literatura, nos documentos basilares e na pesquisa de campo. Constatamos que nosso estudo se enquadra em um estudo de caso, conforme a perspectiva de Yin (2010), pois todas as etapas da pesquisa, desde o planejamento até a análise dos discursos dos entrevistados, enfatizam a interpretação em um determinado contexto; com o uso de variedade de fontes de informação, permitindo ainda, algumas generalizações. Concluímos que a Gestão Democrática nas escolas pesquisadas não depende, necessariamente, do processo de escolha dos gestores pela comunidade escolar, sendo este apenas um dos elementos de participação e de democracia; mas sim, depende, sobremaneira, da efetiva implementação dos órgãos colegiados, do trabalho e de decisões participativas diárias, de modo que todos corroborem na busca da concretização da função social da escola e do seu objetivo visceral: a melhoria da qualidade de ensino nas escolas públicas municipais de João Pessoa.
  • THAISY LANNY DE ALBUQUERQUE SOUTO
  • ESCOLA DE AGRONOMIA DO NORDESTE (EAN): MEMÓRIAS E REPRESENTAÇÕES DO ENSINO SUPERIOR AGRÍCOLA NA PARAIBA (1936-1968)
  • Data: 31/10/2023
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • A Escola de Agronomia do Nordeste (EAN) foi a primeira Instituição de Ensino Superior do Estado da Paraíba, criada na década de 1930, durante o Governo do Presidente Getúlio Vargas, por intermédio do então Ministro José Américo de Almeida, idealizador desse projeto. No ano de 1936, a EAN foi inaugurada e teve início, logo no primeiro ano, o funcionamento do Curso Técnico Agrícola (para alunos que não possuíam o Ensino Secundário) e no ano seguinte, em 1937, foi realizado o primeiro vestibular para o Curso Superior de Agronomia. Na perspectiva de compreender essa história e suas memórias, busca-se analisar as práticas educacionais cotidianas desenvolvidas durante os primeiros anos de funcionamento da EAN. O recorte temporal compreende o período de 1936, ano de inauguração da Escola, até 1968, ano em que o Curso de Agronomia se tornou vinculado à Universidade Federal da Paraíba e passou a ser denominado como Centro de Ciências Agrárias. Este trabalho encontra-se pautado no aporte teórico da História Cultural, que possibilita refletir sobre as categorias de pensamento como representações, práticas, apropriações e a cultura comum e cotidiana, através dos diálogos com Michel de Certeau (1982; 1996) e Roger Chartier (1990; 2002). Além disso, em Justino Magalhães (2004; 2007), problematiza-se a história de uma instituição educativa a partir dos aspectos de sua materialidade, das representações e das apropriações. A metodologia de pesquisa consiste na História Oral, através de autores, como: Portelli (1997; 2016), Alberti (2008; 2010; 2014) e de sua intrínseca relação com a memória, a partir de Pollak (1989) e Benjamin (1994). Percebeu-se, então, que além das normas, existem as práticas dos sujeitos, que conferem singularidade ao espaço educativo da EAN.
  • MARIA LUCIENE FERREIRA LIMA
  • GÊNESE DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL FEMININA NO CEARÁ: o Colégio de Economia Doméstica Rural no Município de Iguatu (1955 – 1983)
  • Data: 30/10/2023
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • Esta pesquisa teve como objetivo fazer uma retrospectiva histórica do Colégio de Economia Doméstica Rural de Iguatu Ceará, pautados na gestão de Elze Alves Lima Verde Montenegro, primeira orientadora dos cursos que deram origem à instituição. Fundada em 1955, a instituição iniciou suas atividades voltadas para a educação profissional feminina. O estudo se situa no campo da História da Educação, em especial a história de instituições escolares e o ensino agrícola, ancorada na pertinente contribuição dos estudos historiográficos da História Cultural e da História Política, fundamentados no uso da memória. Buscamos, portanto, a reconstrução de uma memória a partir da práxis social de um sujeito fundamentado em autores como (BOURDIEU 2002, 2004, 2008), (SIRINELLI, 2003). Trabalhamos com os conceitos de memória, representação e apropriação, educação agrícola, educação profissional, educação integral e as categorias de gênero, rural e urbano. Para a análise das fontes, lançamos mão da vertente historiográfica do Paradigma Indiciário (GINZBURG, 1989; 2008), aporte teórico utilizado no sentido de ajudar a preencher algumas lacunas deixadas pelas memórias expressas em nossos arquivos. Dentro do nosso recorte temporal, a escola pesquisada passa por quatro as fases: 1) (1955-1963) - Implantação - Primeiros cursos de Extensão em Economia Doméstica, regidos pelas diretrizes da Reforma Capanema e administrado pelo Ministério da Agricultura; 2) 1(963-1967) - Construção da sede própria e início do funcionamento dos Cursos Técnico em Economia Doméstica, desdobramento da LDB de 1961; 3) (1967-1971) – As escolas agrícolas passam para o Ministério da Educação; 4) (1971-1983) – O Colégio de Economia Doméstica Rural Elza Barreto segue federalizado e se transforma em Escola Agrotécnica Federal. A tese que pretendemos defender é que os Cursos de Extensão em Economia Rural Doméstica, instalados na época, foram pensados não apenas para preparar as moças para a administração familiar, mas também, como uma alternativa de educação integral para a formação de recursos humanos aptos a atuar na defesa de interesses territoriais. Não bastava apenas ensinar a ler, escrever e contar, era preciso investir na formação moral e cívica dos sujeitos, de forma que estes se sentissem parte importante da sua localidade e corresponsáveis pelo desenvolvimento econômico, social e cultural de sua comunidade e, assim, evitar o êxodo rural. Era a educação o recurso social utilizado para preparar pessoas aptas a utilizar seus conhecimentos e as tecnologias a serviço de sua localidade e/ou região.
  • MARIA DA CONCEIÇÃO PEREIRA FERREIRA ALVES
  • POLÍTICAS DE FORMAÇÃO CONTINUADA DAS PROFESSORAS DE EDUCAÇÃO INFANTIL DO MUNICÍPIO DE JOÃO PESSOA E SUAS IMPLICAÇÕES PARA A PRÁTICA DOCENTE
  • Data: 13/10/2023
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • Esta dissertação teve como principal objetivo investigar a incidência das atuais políticas de formação continuada em nível nacional e local, das professoras de Educação Infantil, e a reverberação destas nas suas práticas docentes, no município de João Pessoa-PB. Para tanto, os objetivos específicos foram: analisar como as políticas públicas nacionais que norteiam os processos de formação continuada na esfera pública da Educação Infantil se articulam com as políticas locais; compreender como tais políticas orientam a organização e o funcionamento das propostas de formação continuada na Educação Infantil promovidas pela Rede Municipal de Ensino de João Pessoa (RME/JP) e refletir sobre os desdobramentos dessas políticas nos contextos pedagógicos de atuação das professoras. A pesquisa foi de natureza qualitativa, desenvolvida em três momentos: 1) revisão sistemática sobre a temática formação continuada para professoras da Educação Infantil; 2) análise documental, a partir das propostas das políticas nacional e local; 3) pesquisa de campo, por meio de observação dos processos formativos do ano de 2022 na RME/JP e entrevista semiestruturadas com dez (10) professoras que atuam em quatro (4) Centros Municipal de Educação Infantil (CMEIs), atendendo crianças de seis meses a cinco anos e onze meses. O método adotado para esta investigação foi sustentado na Teoria Histórico-Cultural, na perspectiva vygotskyana, considerando as contribuições de Vygotsky no campo da formação docente. Para a análise dos dados, foi utilizado a técnica de Análise de Conteúdo de Bardin (2006), buscando o detalhamento, com vistas a responder às questões desta pesquisa. Os resultados indicam que há incidência das políticas nacional e local, mas com pouca articulação entre elas.
  • DANIELE DO NASCIMENTO LEANDRO
  • EDUCAÇÃO E RACISMO INSTITUCIONAL: a (in)visibilidade do Movimento Negro na elaboração e implementação das políticas educacionais para a Educação Superior (2003-2013) na UFPB
  • Orientador : JORGE FERNANDO HERMIDA AVEIRO
  • Data: 29/09/2023
  • Hora: 18:00
  • Mostrar Resumo
  • A educação sempre esteve presente como reivindicação do Movimento Negro ora como pauta social ora como pauta política. E este presente trabalho dissertativo apresenta numa linha histórica e social como a população africana e afro-brasileira vem se desenvolvendo desde o período colonial em busca da reparação social, econômica e educação dos processos excludentes que vivenciaram e vivenciam no Brasil. Deste modo, esta pesquisa tem por objetivo geral analisar a participação do Movimento Negro paraibano na elaboração e implementação das políticas educacionais para a Educação Superior no período de 2003-2013 na Universidade Federal da Paraíba (UFPB). E por objetivos específicos identificar, na UFPB, as políticas educacionais para a Educação Superior com recorte étnico-racial, no período de 2003 a 2013; discutir as modificações na LDB (1996) e Lei de Cotas com impacto na UFPB; e pesquisar sobre a participação do Movimento Negro paraibano no processo de elaboração e implementação das políticas educacionais para a Educação Superior com destaque para às políticas de acesso e permanência. Com isso partimos da hipótese que o Movimento Negro Paraibano é um sujeito educativo, porque esteve presente na mobilização para a inclusão das políticas educacionais e que o Movimento Negro Paraibano colabora com as políticas educacionais, mas possui limites devido ao racismo estrutural e institucional. Os caminhos investigativos da presente pesquisa irão transcorrer de forma qualitativa, dialética e exploratória com foco na delimitação entre as Políticas Educacionais e a Educação das Relações Étnico-Raciais. O Procedimento de análise será o materialismo histórico-dialético, elencamos a categoria dialética “possibilidade-realidade” discutindo as contradições entre o discurso proclamado e o silenciado para as análises dos resultados. Portanto, a reparação no campo educacional para a população afrodescendente que tanto o Movimento Negro em âmbito nacional e estadual, no caso o Movimento Negro Paraibano, que eles vêm reivindicando ao longo dos anos só pode ser angariado inicialmente com a Lei 10.639 de 2003 e a Lei de Cotas em 2012 e que estão sendo implementadas lentamente por influência do racismo estrutural e institucional. A lei 10.639 tornou obrigatório nas instituições de ensino a trabalhar a Educação das Relações Étnico-Raciais e a Lei de Cotas Raciais proporcionou o acesso da população negra no universo das Universidades Federais e assim a pesquisar temáticas que envolvem o seu cotidiano.
  • ALOIRMAR JOSÉ DA SILVA
  • Educação e Violência: Constelações teóricas do Educar para não-violência
  • Orientador : EDNA GUSMAO DE GOES BRENNAND
  • Data: 29/09/2023
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • As graves violações de direitos humanos perpetradas durante a Ditadura Militar brasileira e seus rebatimentos no período da (re)democratização e no contexto da atual democracia tornaram evidente a lógica da violência que atravessa os modos de vida que constituem a sociedade brasileira. Desse cenário emergiu esta investigação, cujo foco foi o mapeamento de violações aos direitos humanos perpetradas nesse período, suas manifestações e tipologias, como também as implicações educacionais delas decorrentes. A tese foi desenvolvida a partir de um Sistema de Fontes composto pelos seguintes documentos: Tomos I, II, III, IV e V do Projeto Brasil Nunca Mais; Relatórios Finais produzidos pela Comissão Nacional da Verdade, Comissões Estaduais da Verdade, Comissões Municipais da Verdade e Comissões da Verdade instituídas em Universidades públicas. O objetivo geral consistiu em investigar elementos conceituais necessários à composição de uma perspectiva educacional para não-violência. O percurso metodológico, construído com base na Grounded Theory (Teoria Fundamentada em Dados) e com apoio do software N-Vivo, permitiu identificar elementos conceituais relevantes, categorizá-los, estabelecer a hierarquia de relações entre eles e delineá-los a partir de fundamentos filosóficos, sociológicos e educacionais. Ao operar esse processo investigativo-analítico, surgiu uma inovadora constelação conceitual que, compondo o Educar para não-violência, ancora-o em novas bases teóricas e aponta para alternativas de prevenção e desmobilização da cultura da violência. Como resultado foi criada uma constelação de conceitos, sistematizada em quatro dimensões: moral, política, normativa e pedagógica. A Base Moral articula a categoria de Justiça e as subcategorias Memória, Verdade e Reconhecimento; a Base Política contempla a categoria Política e as subcategorias Liberdade, Igualdade, Esfera Pública e Poder; a Base Normativa, por sua vez, é composta pela categoria de Estado, orbitada pelas subcategorias Democracia e Direitos humanos; e a Base Pedagógica torna evidente a necessidade de compreender a categoria Violência e as subcategorias Terror de Estado, Tortura, Perpetradores de Violência e Anistia, para afirmar o seu reverso, ou seja, a não-violência. Essas dimensões, em seu conjunto, possibilitaram afirmar o Educar para não-violência como educação para justiça, capaz de inspirar processos e projetos educativos que, em diferentes esferas da sociedade, comprometam-se a formar sujeitos aptos a construírem modos de vida democráticos e a participarem de maneira responsável do mundo comum, deslegitimando a violência, protegendo a dignidade humana, resguardando o exercício da liberdade, fomentando a solidariedade individual e coletiva, e estabelecendo a materialização da justiça social como sua finalidade.
  • GEAM FELIPE LIMA SANTOS
  • Indicadores de Alfabetização Científica como Prática da Transformação Social e da Dimensão Socioemocional em Livros Didáticos de Ciências da Natureza: Uma Análise de Atividades e Conteúdo de Ecologia
  • Data: 29/09/2023
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • Nas duas últimas décadas do século XXI, acompanhamos uma série de problemas relacionados a crise ambiental, política e sanitária da COVID-19, violação dos direitos humanos, circulação em massa de desinformação. Diante disso, muito tem se pensado acerca do Ensino das ciências/Biologia neste século, sua função no currículo escolar e na sociedade, sobretudo de que modo ele pode contribuir para uma formação científica na qual o sujeito se compreenda enquanto agente transformador da sociedade em que vive. A presente pesquisa visa analisar indicadores da alfabetização científica (AC) como prática da transformação social e a dimensão socioemocional nas atividades relacionadas ao conhecimento ecológico propostas em Livros Didáticos do PNLD 2021, de ciências da Natureza e suas Tecnologias. A metodologia adotada foi baseada na Análise de Conteúdo na perspectiva de Bardin (2011), a partir das três etapas: pré-análise, análise e interpretação. Salienta-se, que o nosso corpus de análise foi a coleção aprovada pelo PNLD 2021 para o Ensino Médio, especificamente os volumes 3 e 4 da “Moderna Plus: Ciências da Natureza e suas Tecnologias”. A análise dos dados, por sua vez, toma como base a perspectiva teórica de Duschl (2008), Stroupe (2015), Silva e Sasseron (2021), Pizarro (2014), Oliveira (2019), que discutem em seus trabalhos sobre os elementos fundamentais para implementação de uma Alfabetização Científica comprometida com a transformação social. E também Bento, Junior e Rossi (2022) com suas contribuições acerca das dimensões socioemocionais. A partir do procedimento analítico, identificou-se que os indicadores dos domínios do conhecimento científico, de Alfabetização Cientifica comprometida com a transformação social e das dimensões afetivas não se apresentam nas atividades dos volumes e capítulos de maneira integrada e equilibrada, sendo esse um dos requisitos para alcançar a AC no nosso tempo, sobretudo que seja alinhada aos desafios e problemas do século XXI. Diante das constatações inferidas, revela a premente necessidade de mobilização integrada e equilibrada dos domínios do conhecimento científico, pois se trabalhados de forma isolada e desarticulada pouco ou quase nada contribuem para o tipo de AC que forme sujeitos que se compreenda agentes transformadores de sua realidade; dos indicadores de Alfabetização Cientifica voltados para a transformação social, sobretudo os que se referem a criar e atuar, uma vez que foram pouco verificados nas atividades propostas nos volumes de livros didáticos analisados; e, por fim, das dimensões socioemocionais, que foram pouco mobilizadas e, em alguns capítulos, não apareceram nas atividades propostas. Os resultados revelam, que as propostas de coleções didáticas para atender os objetivos do Novo Ensino Médio, no recorte das atividades e conteúdos de Ecologia, que analisamos, pouco contribuem no processo de Alfabetização Científica, que vá além das dimensões conceituais, teóricas, de mobilização do conhecimento científico na tomada de decisão, mas que também promova um processo de transformação do sujeito em meio à sociedade em que vive mais especificamente na ação coletiva de cidadania, numa espécie de ativismo político, social e cultural.
  • SÁVIO SILVA VASCONCELOS
  • A DIMENSÃO ONTOLÓGICA DA EDUCAÇÃO DA INFÂNCIA PARA ALÉM DA BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR: ANÁLISE A PARTIR DA PEDAGOGIA HISTÓRICO-CRÍTICA
  • Data: 29/09/2023
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • Este trabalho tem como objetivo analisar a educação da infância a partir da Base Nacional Comum Curricular (BNCC), numa perspectiva que ultrapasse os limites da legalidade normativa idealista, expressa nos textos da lei da educação brasileira, com vistas a uma compreensão ontológica da realidade educacional concreta da criança concreta, tendo por base os fundamentos da Pedagogia Histórico-Crítica. Para o melhor desenvolvimento dessa temática, colocamos como problemas de pesquisa as seguintes indagações: 1) Quais fundamentos filosóficos e políticos orientam a proposta da Base Nacional Comum Curricular (BNCC) para a Educação Infantil? 2) É possível construir uma alternativa educacional que, mesmo se inserindo numa perspectiva contra-hegemônica, possa superar a atual proposta vigente para a Educação Infantil? O desenvolvimento desse estudo baseou-se nos aspectos metodológicos do materialismo histórico-dialético, a partir de estudos teóricos, revisão bibliográfica (textos, artigos, dissertações, teses e livros) e análise documental (dispositivos legais e documentos oficiais), com enfoque qualitativo. As categorias de análise: ontologia, ser da infância, educação da infância e sujeito-proletário do futuro, partem de uma realidade sóciohistórica situadas no debate acerca da sociabilidade humana no modo de produção capitalista. Dada a natureza dessa investigação, foi necessário recorrer ao seguintes referências: Marx (2004; 2011; 2017), Marx e Engels (2007) Lukács (2012; 2013), Mészáros (2011; 2021), Gramsci (2001; 2017), Ponce (2000), Saviani (2005; 2012; 2015), Duarte (2012; 2013), Ariès (2022), Hermida (2007; 2008), entre outros. Os resultados são definidos da seguinte maneira: na forma social vigente a educação é compreendida como instrumento de produção e desenvolvimento econômico. A constituição das subjetividades dos indivíduos a partir da escola, desde a tenra idade, parte do pressuposto da formação da capacidade produtiva para o trabalho alienado, tomando como elementos os conhecimentos, competências e habilidades que são eficazes para a manutenção da dinâmica hegemônica do capital. É neste sentido que a BNCC, especificamente a etapa da educação infantil, projeta no ser da infância o sujeitoproletário do futuro. Dessa forma, a Pedagogia Histórico-Crítica, possui os supostos ontológicos de compreensão da sociabilidade do capital e os fundamentos da crítica de superação revolucionária da concepção de educação burguesa.
  • GABRIELA DA NOBREGA CARREIRO
  • ENSINAR-APRENDER FILOSOFIAS COM FILÓSOFAS: práticas pedagógicas decoloniais no Ensino Médio
  • Data: 29/09/2023
  • Hora: 13:00
  • Mostrar Resumo
  • Esta tese tem como implicações iniciais a compreensão de que a história da filosofia é ainda um campo de conhecimento arraigado em premissas de silenciamentos e exclusões. Os espaços de formação inicial e pós-graduação desta área ainda são constituídos por uma discrepante diferença da presença de homens e mulheres e de toda a diversidade que compõem os gêneros. Essas exclusões/ausências estão implicadas diretamente na concepção de história da filosofia evocada no singular, no masculino e situada desde pressupostos eurocêntricos e ocidentais. O Ensino de Filosofia na Educação Básica, e aqui especificamente no Ensino Médio, encontra-se cruzado por concepções que advém desses espaços de formação inicial, mas também da pluralidade de experiências e sujeitas/os que compõem os processos de ensino-aprendizagem da Filosofia acampada no batente da escola. Dessa maneira, essa pesquisa está fundamentada teórico-metodologicamente na perspectiva decolonial e feminista, alicerçada na crítica aos moldes modernos/coloniais de exclusões e silenciamentos das mulheres e suas produções de conhecimentos, como também na Pedagogia Decolonial enquanto teoria educacional que desmobiliza o projeto hegemônico de escola, ao tempo em que legitima saberes e culturas, banindo colonialidades de saber-ser dos espaços formativos. Assim, o objetivo principal foi investigar as configurações das práticas pedagógicas orientadas por uma teoria decolonial e feminista que potencializasse o ensino-aprendizagem de filosofia a partir de Filósofas. Nesse sentido, visando a abordagem metodológica descolonizadora, utilizei dos princípios colaborativos da Pesquisa-Ação Pedagógica (PAPe) como via horizontalizadora no desenvolvimento de pesquisa no campo educacional escolar. Assim as ações/encontros foram desenvolvidas no âmbito escolar, nas aulas de filosofia, juntamente com a docente e uma turma do terceiro ano do Ensino Médio. Os instrumentos de pesquisa foram entrevistas abertas ou em profundidade com a docente, formulário on-line e registros nos Diários Filosóficos. As informações do formulário sinalizaram abertura e interesse na pesquisa, e os Diários Filosóficos foram analisados na perspectiva da Análise Textual Discursiva (ATD), como possibilidade e pressupostos de reflexões e argumentos que permitem uma elaboração coletiva acerca dos elementos discursivos que se apresentam com considerada recorrência nos registros das/os estudantes. Como resultado, observei a receptividade curiosa e interesse em descobrir novas narrativas e personagens da história da filosofia, com destaque para Filósofas do Sul Global, engajadas contra o colonialismo, como Lélia Gonzalez e Sophie Olúwọlé, bem como para Filósofas que são referências importantes para o início do movimento feminista europeu, como Christine de Pizan e Mary Wollstonecraft. Essas Filósofas acamparam presenças nos Diários Filosóficos das/os estudantes, nas ações e nas inspirações de artes elaboradas por elas/eles. Assim, com o desenvolvimento metodológico proposto, compreendo que a pesquisa aqui apresentada com seus resultados, reitera a tese de que a mediação da prática pedagógica decolonial possibilita condições curriculares para a presença de Filósofas no âmbito escolar, nas turmas de nível médio, possibilitando ás/aos estudantes novas narrativas e saberes filosóficos não restritos à universalidade colonizadora, geopoliticamente hegemônica, eurocentrada e androcentrada.
  • JULIANA SOARES VANDERLEY
  • O Ensino de Ciências nos Anos Iniciais e o Livro Didático: Um olhar sobre as atividades práticas experimentais na perspectiva do ensino por investigação
  • Data: 29/09/2023
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • O ensino por investigação pode ser considerado uma abordagem metodológica ativa de ensino onde o professor incentivará os alunos a buscarem soluções para os problemas propostos e não, apenas, aceite o que o lhe é imposto. Na disciplina de ciências o livro didático pode ser um importante aliado na construção do conhecimento por parte do aluno, pois diante de atividades práticas experimentais, e com a mediação do professor, os alunos conseguem trabalhar coletivamente em busca de soluções para os desafios propostos. Trata-se de uma pesquisa qualitativa, do tipo documental, que tem como objetivo analisar as características das atividades práticas experimentais, propostas nos livros didáticos de ciências dos anos iniciais do ensino fundamental, à luz da abordagem didática do ensino por investigação. Para isso, utilizou-se a classificação das atividades práticas apresentadas por Campos e Nigro (1999): demonstração prática, experimento ilustrativo, experimento descritivo e experimento investigativo. Com relação à classificação das atividades investigativas, levou-se em consideração a apresentada por Sá, Paula, Lima e Aguiar (2007): apresentação de um problema; valorização do debate e argumentação; obtenção e avaliação de evidências; aplicação e avaliação de teorias científicas e possibilidade de múltiplas interpretações. Levou-se em consideração, também, os graus de liberdade intelectual de Carvalho (2018), onde quanto maior o grau de liberdade intelectual, maior será o processo investigativo. Foram analisadas as atividades práticas experimentais, presentes em duas coleções de livros didáticos de ciências, dos anos iniciais do ensino fundamental (PNLD 2019-2022), onde foi detectado uma grande quantidade destas atividades nos livros didáticos, porém se faz necessário um olhar mais atento quanto a orientação da mediação do professor nas mesmas. Não basta, apenas, a atividade trazer a construção de um problema é preciso que se promova o debate, o levantamento de hipótese, a sua testagem, a aplicação de teorias científicas para que assim, o aluno possa construir o seu conhecimento. Contudo, não é suficiente, apenas, o livro didático apresentar propostas investigativas, é preciso que o professor seja formado a partir da visão de educação de que é possível ensinar de maneira científica na escola.
  • JOSÉ LEDY CARVALHO SANTOS
  • EXTENSÃO POPULAR E EDUCAÇÃO POPULAR: PRÁTICAS EDUCATIVAS PARA DESCOLONIZAÇÃO DA EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA
  • Orientador : PEDRO JOSÉ SANTOS CARNEIRO CRUZ
  • Data: 28/09/2023
  • Hora: 16:00
  • Mostrar Resumo
  • O presente estudo traz uma compreensão sobre a Extensão Popular na universidade, tomando como pressupostos as práticas educativas da Educação Popular no âmbito da extensão universitária, observando as ações de extensão desenvolvidas pelo projeto de extensão Universidade Popular Vale do Gurguéia, na universidade Federal do Piauí. Desde o surgimento da extensão na universidade observa-se uma relação de hegemonia e hierarquia de saberes produzidos na universidade em relação aos conhecimentos produzidos nas comunidades. A extensão universitária é frequentemente vista como uma ferramenta para a difusão do conhecimento acadêmico para a sociedade, mas também pode ser usada para perpetuar narrativas coloniais e sistemas de poder opressivos, afirmado por um paradigma de ciência europeizado do Norte, que historicamente, tem dado notoriedade e validade a esses conhecimentos em relação aos conhecimentos do Sul, aspecto potencializado, sobretudo, pelo processo de dominação e subordinação por meio da colonização. Tal dominação expressada no campo do saber desencadeou resistências para a superação desse paradigma a partir da cultura e conhecimentos do Sul, sobretudo, da América Latina, numa perspectiva filosófica decolonial e descolonial. O objetivo deste estudo é identificar e valorizar as abordagens pedagógicas alternativas da extensão popular e da educação popular que promovem a descolonização da extensão universitária por meio da Extensão Popular e práticas educativas da Educação Popular, evidenciados por potencialidades e desafios, em seu processo de promover uma ressignificação das práticas extensionistas na universidade, por meio da superação do paradigma hegemônico de extensão, através da construção de uma perspectiva descolonial de extensão dentro e fora do espaço acadêmico. O processo metodológico da pesquisa orienta-se por uma abordagem qualitativa, do tipo pesquisa-ação, no qual foi realizada, como etapa inicial, uma revisão da literatura, além de , em seguida, pesquisa documental, dentro da qual se destacou a consideração de vídeo publicado no YouTube com depoimentos e relatos de bolsistas envolvidos em iniciativas de extensão popular e educação popular, nas experiências e vivencias acumuladas no projeto de extensão Universidade Popular Vale do Gurguéia, na UFPI. Para a análise dos materiais pesquisados e dados coletados foi adotado o método hermenêutico-dialético, onde a construção do referencial teórico fundamenta-se nas produções epistemológicas de autoras e autores da Extensão Popular, Educação Popular, das pedagogias e filosofia da América Latina e da Extensão Universitária. O resultado esperado confluiu na explicitação de um conjunto de práticas e estratégias pedagógicas que podem ser utilizadas e adaptadas para a extensão universitária onde busca-se ressignificar também as relações entre universidade e comunidade de maneira que se construa uma valorização dos conhecimentos e saberes populares na produção de conhecimento a partir do Sul do Mundo.
  • MONICA DA MOTA FONSECA
  • SENTIDO DE VIDA PARA PESSOAS IDOSAS NO PROCESSO DE ESCOLARIZAÇÃO NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS
  • Data: 28/09/2023
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • A presença da pessoa idosa em nossa sociedade, hoje, é fato, e essa realidade nos faz refletir sobre o sentido de vida do/a idoso/a a partir do processo de escolarização na Educação de Jovens e Adultos (EJA). Isso nos convoca a enfrentarmos inúmeros desafios teórico-práticos para que possamos olhar o/a idoso/a também no sentido existencial, na direção de uma exímia qualidade de vida. A magnitude do tema nos instigou a buscarmos entender de que forma esse retorno aos estudos impacta sua qualidade de vida, trazendo, modificando e/ou auxiliando o sentido de vida de cada estudante. Diante disso, a presente pesquisa teve como objetivo geral analisar a percepção de estudantes idosos, matriculados na EJA, sobre o processo de escolarização e sua contribuição para a construção do sentido de vida. Definimos como objetivos específicos: (i) identificar, junto aos/às discentes idosos/as da EJA, qual o significado de sentido de vida que possuem; (ii) investigar as implicações do processo de escolarização na vida desses alunos/as idosos/as; e (iii) analisar, a partir da percepção dos/as idosos/as estudantes da EJA, como a escola tem colaborado para atenuar os problemas relativos ao processo do envelhecimento e para a construção de um sentido de vida. Trata-se de um estudo de abordagem qualitativa de cunho fenomenológico. A pesquisa foi desenvolvida em duas escolas do município de João Pessoa-PB, com estudantes de 60 anos de idade ou mais. A técnica utilizada foi a entrevista semiestruturada, cujas análises foram respaldadas na fenomenologia de Husserl (1996), na fenomenologia da percepção de Merleau-Ponty (1999) e na teoria existencialista de Viktor Frankl (2008) sobre Sentido de Vida. Os resultados apontaram para subcategorias relacionadas à felicidade, ao bem-estar, à realização, à alegria, à vontade de continuar vivendo e ao sonho de aprender a ler e a escrever na fala dos sujeitos participantes da pesquisa, bem como para percepções não verbais, demonstradas através do corpo, da emoção, da postura somada à emoção de rememorar tempos passados, que estão vinculadas ao significado de sentido de vida. Assim, o sentido de vida dos estudantes idosos da EJA foi capaz de transformá-los, à medida que estes ressignificaram sua maneira de viver. Em conclusão, evidenciamos que a educação deve se atualizar em suas metodologias, para que haja estímulo e encorajamento à pessoa idosa, numa escolarização que faça sentido e que seja fonte de felicidade, de sentido de vida.
  • ISABELLA HELLEN ESTEVAO DA SILVA
  • ATUALIDADE DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: CONCEPÇÃO DE PROFESSORES-PESQUISADORES DO CENTRO DE EDUCAÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA
  • Orientador : EDUARDO JORGE LOPES DA SILVA
  • Data: 28/09/2023
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • Esta pesquisa aborda os desafios e possibilidades da Educação de Jovens e Adultos (EJA) na contemporaneidade. Para isso, as reflexões tecidas neste trabalho relacionam-se intrinsicamente ao campo sociopolítico e às transformações sofridas no Brasil nos últimos sete anos (2016-2022), especificamente as que afligem a efetivação do direito constitucional responsável por garantir o acesso e a permanência à educação para todos os cidadãos, incluindo aqueles que não terminaram a educação básica na “idade certa”. Nesse ínterim, apresenta-se como objetivo geral desta dissertação analisar os desafios e possibilidades da EJA a partir da concepção de professores-pesquisadores do Centro de Educação da Universidade Federal da Paraíba. No que tange aos principais teóricos que contribuíram para o embasamento deste trabalho de dissertação, citamos: Freire (2021; 2015; 1990; 1967), Arroyo (2005; 2011), Haddad (2000), Haddad e Di Pierro (2015), Andrade (2021), entre outros. Metodologicamente, a investigação se fundamenta no tipo de pesquisa qualitativa com caráter exploratório, fazendo uso de entrevista semiestruturada realizada com quatro professores-pesquisadores da UFPB que apresentam a Educação de Jovens e Adultos como objeto central de seus estudos, pesquisas e/ou projetos. Para analisar os dados empíricos coletados, utilizamos a técnica de análise de conteúdo categorial, abordada por Bardin (2016). Os resultados obtidos nos mostram que a ascensão de um grupo político de extrema direita e a implementação de políticas neoliberais corroborou para o desmonte das políticas públicas e sociais, enfraqueceu o sentido público e universal de oferta educacional para os mais pobres e vulneráveis, bem como, fortaleceu o processo de invisibilização da Educação de Jovens e Adultos que se amplificou no período da pandemia e desvelou fragilidades históricas ainda presentes na atualidade, como a falta de financiamento e a precariedade na formação docente específica para o público desta modalidade. Constatamos que esses e outros fatores contribuem diretamente para a retração no número de matrículas na modalidade da Educação de Jovens e Adultos e, consequentemente, para a manutenção das desigualdades sociais. Como conclusão desta pesquisa ressaltamos a necessidade de apresentar a Educação de Jovens e Adultos como área de conhecimento dentro das Universidades do país, assim como, a necessidade de se pensar políticas públicas e curriculares efetivas que considerem as necessidades do público-alvo da EJA.
  • ARTHUR RODRIGUES DE LIMA
  • FELIPE TIAGO GOMES E A PRODUÇÃO DO HOMEM INSTITUIÇÃO NA CAMPANHA NACIONAL DE ESCOLAS DA COMUNIDADE (1943-1997)
  • Data: 27/09/2023
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • A historiografia da educação no Brasil assistiu nos últimos anos ao desenvolvimento de pesquisas em torno da Campanha Nacional de Escolas da Comunidade e a análise do modelo educacional propagado pela mantenedora escolar. Todavia, as pesquisas sobre o fundador da CNEC, Felipe Tiago Gomes, e o pensamento educacional por ele desenvolvido, ainda germinam. Após criar a Campanha, ao lado de colegas do curso de Direito em Recife no ano de 1943, o paraibano nascido em Picuí, dedicou-se a aglutinar apoio político, econômico e social para o que defendia como democratização da Educação Básica no Brasil. A partir fundação de escolas atreladas aos princípios da educação comunitária, uma escola que fosse subsidiada pela sociedade civil em parceria com o poder público, Felipe Tiago Gomes passou a percorrer as unidades da federação ampliando os estabelecimentos educacionais pertencentes a CNEC. Neste víeis, a tese analisa como alçaram Felipe Tiago Gomes a condição de intelectual a partir da criação e do seu engajamento a frente da CNEC e como as representações produzidas nesta relação o projetaram como intelectual e pensador da educação. Para tanto, utiliza-se de uma pesquisa documental e bibliográfica investigando as representações associadas ao criador da mantenedora educacional. São analisados documentos e impressos institucionais, como a Coletânea Cenecista, publicada em 1994 e CNEC em Revista, de 1983, e periódicos captados na Hemeroteca Digital Brasileira que se tornaram dispositivos de veiculação dos discursos produzidos por ou ligados a Felipe Tiago Gomes. Para auxiliar nesta pesquisa, lançamos mão de autores do campo da história dos intelectuais, como Sirinelli e o conceito de redes de sociabilidade e mediação intelectual. Autores do campo da história cultural como Chartier e o conceito de representação, visando analisar a monumentalização de Felipe Tiago Gomes na História institucional da CNEC.
  • FRANCISCO RIBEIRO DOS SANTOS JÚNIOR
  • TECNOLOGIAS PARA O MAPEAMENTO E ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA ESCOLAR NA PARAÍBA
  • Orientador : EDNA GUSMAO DE GOES BRENNAND
  • Data: 25/09/2023
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • Na era da sociedade 5.0, podemos identificar um conjunto de esforços que buscam construir uma convergência harmoniosa entre avanços tecnológicos e bem-estar humano, proporcionando um aprimoramento da nossa qualidade de vida por meio de inteligência artificial e análise de dados, por exemplo. Paralelamente a estes avanços, nossa realidade contemporânea enfrenta um desafio assustador, que suscita preocupações e apreensões: a crescente incidência de violência no ambiente escolar. Face ao exposto, buscamos com esta pesquisa investigar bases conceituais para prototipação de um sistema para o mapeamento e enfrentamento à violência escolar e ao bullying na Paraíba. Trata-se de uma pesquisa que busca nas tecnologias, uma provável resposta à incidência de violência escolar e bullying nas instituições paraibanas de ensino, podendo ser replicadas futuramente para todo o Brasil. Trata-se de um estudo exploratório, em forma de pesquisa bibliográfica de natureza qualitativa, cujo percurso metodológico tem início na investigação sobre a violência escolar na Paraíba; passa pela busca de ferramentas tecnológicas de mapeamento e enfrentamento à violência escolar e estaciona na concepção de um protótipo de sistema para auxiliar no mapeamento e no enfrentamento a violência escolar. Os resultados mostraram que, apesar de uma legislação bem objetiva nesta temática, há a ausência de dados estruturados sobre violência escolar no estado da Paraíba, dificultando a construção de uma tipologia desses atos, bem como, a implementação efetiva de estratégias de enfrentamento. As ferramentas encontradas perpassam por partes válidas, porém muito específicas, do mapeamento e enfrentamento a violência escolar e do bullying. Por último, são apresentados, discutidos e prototipados os requisitos essenciais que fundamentam o desenvolvimento do SIMOVE: Sistema de Monitoramento da Violência Escolar.
  • CRISTIANE SOUSA DE ASSIS
  • REFORMAS EDUCACIONAIS E AS CIÊNCIAS HUMANAS: REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DE PROFESSORES DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA
  • Data: 31/08/2023
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • As políticas neoliberais e as redefinições do papel do Estado, em meio a disputas com os grandes grupos privados e sob a crescente influência da pauta conservadora, têm promovido uma hierarquização dos saberes, refletida na Reforma do Ensino Médio e na Base Nacional Comum Curricular. Influenciadas pela pauta conservadora e em disputa com grandes grupos privados, essas políticas têm consequências diretas na desvalorização do ensino público e disciplinas de humanidades. O objetivo desta pesquisa é analisar a representação social de seis professores de História e Geografia que lecionam nos 7º e 8º anos do Ensino Fundamental II da rede pública municipal de João Pessoa em relação a essa reforma e como essas modificações estão redefinindo o lugar das Ciências Humanas na conjuntura educacional atual. Trata-se de uma pesquisa qualitativa, de inspiração etnográfica, fundamentada na abordagem interpretativa processual das representações sociais e na análise de conteúdo. Os procedimentos metodológicos incluíram entrevistas semiestruturadas e o uso das técnicas como Rodas de Conversa Dialógicas e da Associação Livre de Palavras. Os resultados indicam que os professores vêm a reforma como um arranjo político para desqualificar a educação pública, precarizar o trabalho docente e direcionar a formação dos jovens para o mercado de trabalho. A proposta de integração curricular, intimamente relacionada às questões de regulamentação, imposição, homogeneização e controle social, é vista pelos professores como um grave retrocesso e a ênfase dada ao domínio das competências básicas em Português e Matemática é percebida como um processo intencional que privilegia determinadas áreas do conhecimento em detrimento de outras, resultando em uma redução na abrangência das disciplinas da área de humanidades, na educação básica.
  • Dorgival Renê Tolentino Leite
  • ENTRE COTURNOS E CARTILHAS: UM ESTUDO SOBRE O PROGRAMA DE IMPLANTAÇÃO DAS ESCOLAS CÍVICO-MILITARES NO BRASIL – PECIM
  • Data: 31/08/2023
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • O contexto político em que vivemos, notadamente após a destituição da Presidenta Dilma Vana Rousseff do poder, em 2016, até o fim do Governo do Presidente Jair Messias Bolsonaro, levou a uma série de mudanças estruturais nas diversas searas do governo brasileiro, o que despertou bastante preocupação em razão da visível desconstituição de direitos e formulação de um verdadeiro projeto de nação atrelado aos interesses elitistas. A educação, por sua vez, foi uma das pastas mais afetadas, de modo que vários planos e programas, entre outras políticas públicas, se extinguiram para darem lugar a uma série de medidas que merecem urgentes estudos científicos. Nessa perspectiva, entre as novas medidas adotadas, foi instituído o Programa de Implantação das Escolas Cívico-Militares – PECIM cujas características e aspectos continuam obscuros sob o ponto de vista científico, já que ainda são poucos os trabalhos acadêmicos sobre o tema. Com efeito, considerando a necessidade de pesquisas mais densas sobre o assunto, o presente trabalho objetivou investigar como o PECIM se constituiu em meio às propostas governamentais do então Presidente Bolsonaro (2019 – 2022), a fim de que possamos compreender as concepções históricas, culturais e sociais, sempre com o interesse de entender seus reais fundamentos ideológicos e pedagógicos. A pesquisa, por sua vez, é exploratória, de modo que nos apropriaremos do materialismo histórico e dialético, cujas fontes de exploração são documentais e bibliográficas. Objetivamos ampliar os estudos sobre a temática, de modo a trabalhar com os clássicos, pois eles são capazes de fornecer fundamentos teóricos e metodológicos que permitem viabilizar o alcance do objetivo proposto neste estudo. Ao final, o resultado do estudo apresentou uma densa discussão acerca da implantação das escolas cívico-militares, trazendo à tona, inclusive, suas perspectivas ideológicas, sociais, culturais e políticas, o que ensejou a constatação do ataque à educação por meio de um programa falacioso e arraigado de opressão, bem assim na contramão de todas as conquistas e lutas pelos direitos da minoria, como o combate à homofobia, racismo, preconceito, miséria, exploração, violência contra crianças e adolescentes.
  • MARIA DAS GRAÇAS DA CRUZ BARBOSA
  • DOM JOSÉ MARIA PIRES E A EDUCAÇÃO: A PRÁTICA EDUCATIVA DA PALAVRA E DA NÃO-VIOLÊNCIA EM TEMPOS DITATORIAIS (1964-1985)
  • Orientador : MARIA ELIZETE GUIMARAES CARVALHO
  • Data: 31/08/2023
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • A presente tese teve por objeto de estudo a prática educativa presente na ação pastoral e nos escritos de Dom José Maria Pires, no recorte temporal de 1964 a 1985, na Arquidiocese da Paraíba. Cenário de perseguições e violações de direitos durante a Ditadura, a Paraíba foi também o “lugar” (CERTEAU, 2012) de luta e resistência. A problemática da pesquisa questionou se, em meio à conjuntura ditatorial, poderia um arcebispo promover processos educativos de conscientização em prol da cidadania das pessoas pobres e socialmente marginalizadas? Considerando o cenário nacional e local da época, questionou-se e refletiu-se sobre o elemento educativo contido na ação pastoral e posicionamentos implementados pelo arcebispo frente aos ditames do Regime de Exceção. O objetivo geral analisou o elemento educativo da ação pastoral e escritos do arcebispo, com fulcro nas cartas pastorais, homilias, discursos, e memórias individuais e/ou coletivas (HALBWACHS, 2006). A metodologia adotada guiou-se pela pesquisa documental e pela História Oral Temática. O método fundamentou-se no paradigma indiciário em articulação com a perspectiva hermenêutica interpretativa das subjetividades. As categorias de análise perpassaram o arcabouço teórico da narrativa em Benjamin (1987), a experiência em Larrosa (2019); a liberdade em Freire (1967; 2000; 2011), entre outros. Os resultados indicaram que o episcopado de Dom José Maria Pires foi configurado pela prática educativa da Palavra e da Não-Violência e esteve fundamentado na Teologia da Libertação e na pedagogia Freiriana, corroborando para o argumento de tese.
  • JEANE TRANQUELINO DA SILVA
  • ONGs, EDUCAÇÃO POPULAR E PROTAGONISMO JUVENIL: um estudo da Associação Comunitária Nova Vida no município de Sapé –PB
  • Data: 31/08/2023
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • RESUMO O termo ONG (Organização Não Governamental) nasceu na década de 1940. Segundo Landim (1993) foi criado pela ONU (Organização das Nações Unidas) no final da Segunda Guerra Mundial, para designar entidades não oficiais que recebiam ajuda financeira de órgãos públicos para executar projetos de interesse social. No Brasil emergem entre as décadas de 1950 e 1960, mas ganharam força a partir de 1990, período em que os governos neoliberais incentivaram a participação da sociedade civil pra atuar nas questões sociais, favorecendo a capacidade de atuar nessas instituições. Essa relação favoreceu a minimização do próprio Estado da esfera social, e ganharam importância as ONGs por meio de políticas de parceria estruturadas com o poder público. Essas entidades atuam em diversas áreas e, a despeito de suas contradições, geralmente colaboram com o desenvolvimento da cidadania e expansão da democracia, em alguns momentos auxiliando a gestão pública com o intuito de minimizar os problemas existentes no país. A presente tese tem como objetivo geral analisar a ONG Associação Comunitária Nova Vida (ACNV) a fim de explicar se contribuem para o protagonismo juvenil nas lutas e organizações sociais no município de Sapé- PB a partir dos princípios da Educação Popular. Os objetivos específicos visam: Identificar quais os princípios da Educação Popular estão presentes nas ações da ONG; Sistematizar as contribuições da ONG que possibilitam o protagonismo juvenil nos espaços de conquista por políticas públicas; Analisar quais os procedimentos metodológicos utilizados nas ações da ONG; Analisar os impactos e conquistas do protagonismo juvenil promovido pela ONG nos jovens participantes; Analisar o perfil socioeconômico dos sujeitos da pesquisa. Para tanto, esta pesquisa está ancorada em autores como: Freire (1996, 2001 e 2016), Gohn (2003, 2013 e 2014), Machado (2009 e 2012), Landim (1993) Calado (2016), Marx (2010) e nas legislações que discutem ONGs, Protagonismo Juvenil e Educação Popular. Metodologicamente nos fundamentamos no Materialismo Histórico Dialético para melhor compreender as contradições na ONG ACNV no contexto da totalidade social. Trata-se de uma pesquisa explicativa, com abordagem qualitativa, do tipo estudo de caso. Como instrumentos de coletas de dados foram utilizadas a observação participante, a análise documental, e entrevistas semiestruturadas com educadores, educandos e coordenação pedagógica da ONG ACNV. Com relação à análise dos dados, utilizamos a técnica Análise de Conteúdo preconizadas por Bardin(2011). De modo geral os resultados revelaram que o protagonismo dos adolescentes e jovens nos espaços de participação de conquista e luta pelas políticas públicas, uma educação contextualizada, assim como a criticidade e o diálogo são alguns dos elementos presentes nas ações da ONG ACNV que contribuem para o fortalecimento do Protagonismo juvenil numa perspectiva de educação popular. Portanto, nossa tese defende que a ONG Associação Comunitária Nova Vida (ACNV) promove o protagonismo juvenil fundamentada nos princípios da Educação Popular.
  • CLEOFAS LIMA ALVES DE FREITAS JUNIOR
  • Educar e Civilizar o Brasil na obra do médico missionário João Gomes da Rocha: um intelectual da educação protestante (1924-1957)
  • Orientador : JEAN CARLO DE CARVALHO COSTA
  • Data: 30/08/2023
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • A minha proposta de tese consiste em analisar a atuação do médico missionário João Gomes da Rocha como intelectual da educação protestante que na sua obra pensou a construção de um Brasil moderno, civilizado e educado, no período de 1924 a 1957. Assim, foram identificados três pressupostos durante a pesquisa: a) quais os diversos aspectos na constituição de Rocha como intelectual da educação protestante no Brasil, com destaque a herança educacional, religiosa e musical legada pelo casal Kalley e sua atuação como médico missionário; b) a sua participação ativa ao pensar a transformação do Brasil por meio da educação pela música em seu trabalho musical; c) a sua atuação ativa ao pensar o Brasil por meio da educação pela história em fazer historiográfico. Nesta perspectiva, com base no referencial do Contextualismo Linguístico proposto por Skinner (1996, 2005 e 2007), busquei conceber João Gomes da Rocha como um intelectual da educação protestante e enquanto criador, mediador cultural e autor engajado na vida do país. O diálogo com os estudos da história cultural como o de Pesavento (2005) e o uso de noções como representações, sensibilidade e identidade também foram relevantes assim como a perspectiva de Chartier (1990, 1991, 1994a, 1994b, 1995a, 1995b) e as suas noções de “representação” e "apropriação". Os estudos de história das mulheres e relações de gênero também contribuíram para a compreensão da educação das famílias na sua produção intelectual, como Pedro (2003a, 2003b, 2003c, 2005, 2006, 2009) e Soihet em seus trabalhos (1989, 2000, 2003, 2006).
  • THAIS JUSSARA DE OLIVEIRA GUEDES ISIDRO
  • Nena Garcez: pioneirismo e missão educacional (1898 a 1937)
  • Orientador : CHARLITON JOSE DOS SANTOS MACHADO
  • Data: 29/08/2023
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • Esta tese é um estudo em História da Educação que tem como objetivo compor a história de vida e formação da professora Umbelina Garcez, também conhecida como Nena, dando visibilidade a ela enquanto sujeito histórico que participou da expansão da educação pública no interior da Paraíba. Centrada nas especificidades e particularidades da vida desta educadora, desenvolvemos um trabalho biográfico que considera a pertinência e relevância da pesquisa acerca da profissão docente pois o itinerário individual é representativo e, por meio dele, é possível apreender também os caminhos percorridos pelo sistema educacional paraibano em direção à sua estruturação, visto que a formação de Nena Garcez como aluna da Escola Normal e sua atuação como professora de cadeiras isoladas no município de Mamanguape ocorreu concomitantemente ao processo de expansão e organização do sistema público do ensino paraibano. Objetivamos também compreender as dinâmicas socioculturais peculiares desta temporalidade, ampliando o olhar para os processos de escolarização, a legislação educacional vigente, as relações de poder presentes nas interações educativas, as relações de gênero incidentes no exercício do magistério, além dos aspectos políticos e econômicos da educação paraibana do período de 1898 a 1937. Traçar a trajetória da professora Umbelina Garcez se justifica pela possibilidade de trazer à baila e dar visibilidade a história de vida desta educadora, efetivando o compromisso de reconstruir historicamente a trajetória individual de uma mulher que contribuiu significativamente para o desenvolvimento da educação de Mamanguape – PB, mas não foi contemplada pela história oficial. Recorremos a Nova História Cultural como referencial teórico para o desenvolvimento da pesquisa e a História Oral como metodologia que perpassa os estudos empreendidos por meio do testemunho de familiares, ex-alunos e conhecidos que conviveram com a professora, embora apontemos o entrecruzamento com fontes documentais diversas, como documentos oficiais e não oficiais, jornais, periódicos, documentos pessoais, livros, fotografias, entre outros. Para situar epistemologicamente a pesquisa nos debates teóricos da historiografia contemporânea, centramos a atenção nas acepções de biografia, história de vida, memória e oralidade, utilizando as contribuições teóricas de Dosse (2009), Levi (2006), Avelar e Schmidt (2012 e 2018), Loriga (2011), Burke (1990 e 2004) e Chartier (1994 e 1990). O Paradigma Indiciário, contribuição de Ginzburg (1979), que suscita a prática de rastreamento de sinais, indícios e signos também se faz presente na pesquisa por meio da postura investigativa que assume-se ao seguir os rastros deixados pelos documentos, discursos e depoimentos que envolvem a professora pesquisada. Registro histórico relevante para o município de Mamanguape, a biografia de Umbelina Garcez possibilita o resgate da história da primeira professora a exercer à docência como educadora formada pela Escola Normal e nomeada pelo poder público em Mamanguape-PB, cidade que apesar de tê-la homenageado colocando seu nome em uma escola estadual, pouco sabe a seu respeito.
  • JEFFERSON DE LEMOS MEDEIROS
  • Parâmetros e indicadores de alfabetização científica: análise dos objetos de conhecimento relativos a “transformações químicas” em livros didáticos de ciências
  • Data: 25/08/2023
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • Esta pesquisa apresenta uma análise dos parâmetros e indicadores de Alfabetização Científica (AC) na abordagem do objeto de conhecimento transformações químicas em livros didáticos de Ciências do 6º ano e 9º ano do Ensino Fundamental. O objetivo geral consiste em analisar a apresentação e o desenvolvimento do objeto de conhecimento transformações químicas em livros didáticos de Ciências a partir dos parâmetros e indicadores da AC, no âmbito do Programa Nacional do Livro e Material Didático (PNLD) de 2020. O referencial teórico da pesquisa apresenta os fundamentos da AC a partir de autores como Shen (1975), Sasseron (2008) e Sasseron e Carvalho (2016), discutem também o conhecimento das transformações químicas numa perspectiva da AC e o lugar do conhecimento no Ensino de Ciências, a partir das contribuições de Chassot (1993) e de Santos e Schnetzler (1997), bem como discute como o livro didático de Ciências sofre influência da BNCC. Trata-se de uma pesquisa qualitativa de caráter documental, cuja categorização fundamenta-se no método de análise de conteúdo de Laurence Bardin (2016). Foram analisadas duas coleções aprovadas pelo PNLD 2020, ambos da editora Moderna, as coleções Araribá Mais e Ciências Naturais: aprendendo com o cotidiano, de cada coleção um livro do 6º ano e outro do 9º ano foram analisados. Os resultados evidenciam que os livros apresentam potencialmente condições para que os Parâmetros e Indicadores de Alfabetização Científica possam ocorrer durante o uso do livro e quando tiver sendo ensinado conteúdos relacionados a “Transformações Químicas”, na promoção da alfabetização científica dos alunos. Mas, os alunos, precisam vivenciar a ocorrência dos indicadores de AC para ser cientificamente alfabetizados na intimidade da sala de aula. Para isto, é necessária e indispensável a mediação do professor, para facilitar a ocorrência desses indicadores de AC nas atividades pedagógicas. A presença desses parâmetros e indicadores de AC nos conteúdos de transformações químicas constantes nos livros analisados, por se só, não asseguram a consolidação do desenvolvimento do processo de alfabetização científica na escola.
  • HELOISA CARDOSO VARÃO SANTOS SANTOS
  • EDUCAÇÃO INFANTIL E FORMAÇÃO CONTINUADA: O CASO DAS ESCOLAS COMUNITÁRIAS DE SÃO LUÍS (MA)
  • Data: 22/08/2023
  • Hora: 18:30
  • Mostrar Resumo
  • O presente estudo analisa a formação continuada dos professores que atuam na Educação Infantil em Escolas Comunitárias da cidade de São Luís/MA. A pesquisa procura defender as seguintes hipóteses de trabalho, a saber: uma proposta de formação continuada precisa partir do rico e vasto conhecimento existente, historicamente construído pela humanidade na sua vida em sociedade, em consonância com o conhecimento e a realidade das crianças concretas que frequentam as escolas comunitárias (filhos da classe trabalhadora e de outros setores marginalizados da sociedade, tais como crianças das comunidades ribeirinhas, negras e quilombolas). E também que nesse cenário de contradições que caracterizam à escola burguesa, a Pedagogia Histórico-crítica é fundamental, por ser uma proposta que defende o direito educacional como direito humano essencial, capaz de responder às históricas demandas educacionais da sociedade brasileira. A proposta de formação continuada esteve balizada nos pressupostos da Pedagogia Histórico-crítica, elaborada pelo professor Dermeval Saviani (2013). Por ser uma pedagogia enraizada na prática social global para sistematizar propostas curriculares acordes à realidade que caracterizam as crianças das comunidades onde estão localizadas as escolas comunitárias. Do ponto de vista metodológico, trata-se de uma pesquisa participante, fundamentada pelos princípios teóricos e metodológicos da Pedagogia Histórico crítica, da Filosofia da Práxis e do Materialismo Histórico e Dialético. Buscamos explicar os fenômenos da realidade a partir de condições educacionais concretas, donde se pode compreender de modo racional as fontes que geram as dinâmicas sociais, históricas, psicológicas, epistemológicas, para assim poder identificar as contradições educacionais e buscar alternativas de transformação. Também a proposta de formação continuada procurou dialogar com Pedagogia Libertadora de Freire (1978, 1982, 2011), que, semelhantemente às proposições da Pedagogia Histórico-crítica, defendem a tese da educação e da política ser duas faces de uma mesma moeda. Desenvolver uma proposta de formação de professores numa perspectiva propositiva, crítica e emancipatória contribui com a formação humana essencial para formar seres críticos, criativos e solidários.
  • HELOISA CARDOSO VARÃO SANTOS SANTOS
  • EDUCAÇÃO INFANTIL E FORMAÇÃO CONTINUADA: O CASO DAS ESCOLAS COMUNITÁRIAS DE SÃO LUÍS (MA)
  • Data: 22/08/2023
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • O presente estudo analisa a formação continuada dos professores que atuam na Educação Infantil em Escolas Comunitárias da cidade de São Luís/MA. A pesquisa procura defender as seguintes hipóteses de trabalho, a saber: uma proposta de formação continuada precisa partir do rico e vasto conhecimento existente, historicamente construído pela humanidade na sua vida em sociedade, em consonância com o conhecimento e a realidade das crianças concretas que frequentam as escolas comunitárias (filhos da classe trabalhadora e de outros setores marginalizados da sociedade, tais como crianças das comunidades ribeirinhas, negras e quilombolas). E também que nesse cenário de contradições que caracterizam à escola burguesa, a Pedagogia Histórico-crítica é fundamental, por ser uma proposta que defende o direito educacional como direito humano essencial, capaz de responder às históricas demandas educacionais da sociedade brasileira. A proposta de formação continuada esteve balizada nos pressupostos da Pedagogia Histórico-crítica, elaborada pelo professor Dermeval Saviani (2013). Por ser uma pedagogia enraizada na prática social global para sistematizar propostas curriculares acordes à realidade que caracterizam as crianças das comunidades onde estão localizadas as escolas comunitárias. Do ponto de vista metodológico, trata-se de uma pesquisa participante, fundamentada pelos princípios teóricos e metodológicos da Pedagogia Histórico crítica, da Filosofia da Práxis e do Materialismo Histórico e Dialético. Buscamos explicar os fenômenos da realidade a partir de condições educacionais concretas, donde se pode compreender de modo racional as fontes que geram as dinâmicas sociais, históricas, psicológicas, epistemológicas, para assim poder identificar as contradições educacionais e buscar alternativas de transformação. Também a proposta de formação continuada procurou dialogar com Pedagogia Libertadora de Freire (1978, 1982, 2011), que, semelhantemente às proposições da Pedagogia Histórico-crítica, defendem a tese da educação e da política ser duas faces de uma mesma moeda. Desenvolver uma proposta de formação de professores numa perspectiva propositiva, crítica e emancipatória contribui com a formação humana essencial para formar seres críticos, criativos e solidários.
  • REGINA ALICE RODRIGUES ARAUJO COSTA
  • NEOLIBERALISMO E NEOCONSERVADORISMO NAS POLÍTICAS EDUCACIONAIS BRASILEIRAS: os discursos do movimento Escola Sem Partido
  • Data: 18/08/2023
  • Hora: 14:30
  • Mostrar Resumo
  • Esta pesquisa tem como objetivo investigar as influências da sociedade neoliberal e neoconservadora nas políticas educacionais brasileiras e os discursos do Escola Sem Partido, no contexto após o golpe de 2016 até o ano de 2022. A tese é de que o projeto neoliberal e neoconservador, instaurado com o golpe em 2016, propiciou a expansão do ideário do ESP no âmbito da sociedade brasileira e na construção das políticas educacionais, além de fomentar discursos que têm como bases: despolitização, autoritarismo, produtivismo, lógica mercantil, competitividade, marginalização dos grupos socialmente vulnerabilizados, desestabilização do sistema democrático, dentre outras características. Para tanto, nas construções epistemetodológicas, nos valemos da perspectiva teórica pós-estruturalista (GLYNOS; HOWARTH, 2007; MAINARDES; FERREIRA; TELLO, 2011; LOPES, 2013; MENDONÇA, 2014), onde mobilizamos a teoria do discurso (LACLAU, 1993, 2005; GLYNOS; HOWARTH, 2007; BURITY, 2010; MENDONÇA; RODRIGUES, 2014; LACLAU; MOUFFE, 2015 [1985]; MENDONÇA, 2003, 2010, 2012, 2014; FREITAS, 2019) como aporte teórico e ferramenta de análise de discurso. A metodologia da pesquisa é desenvolvida a partir da pesquisa bibliográfica, documental, e, subsidiariamente, recorremos a análise de redes sociais virtuais, para investigar o registro das dinâmicas sociais virtuais, através da ferramenta SocialBlade. Nosso corpus de análise é composto por: Principais projetos de lei apresentado à nível nacional que guardam correlação com o Escola Sem Partido; Páginas em redes sociais e sites do movimento e do programa Escola Sem Partido; Discursos proferidos em entrevistas divulgadas dos coordenadores e apoiadores do Escola Sem Partido nas plataformas virtuais; Pronunciamento dos órgãos administrativos sobre o Escola Sem Partido (Ministério Público Federal, Supremo Tribunal Federal, Ministério da Educação); Documento de notificação da Organização das Nações Unidas sobre o avanço de projetos de lei que tratam do Escola Sem Partido; Discursos direcionados para a educação no Plano de Governo dos candidatos à Presidência da República nas eleições de 2018; Pronunciamento oficial de Miguel Nagib de desligamento do Escola Sem Partido proferido em 2020. Como reflexões considerativas, analisamos que: o campo das políticas educacionais se dá em um processo de disputas e influência contingente, precário e marcado por jogos políticos de articulação que produzem deslizamentos; o ESP, a partir do discurso de combate à doutrinação, favorecido pelas condições sociais e políticas que desembocaram no golpe de 2016, tornou-se desde o período pré-golpe um discurso hegemônico, com a capacidade de reunir o desejo coletivo de grupos fundamentalistas religiosos, direitistas, neoconservadores e neoliberais contrários à educação cidadã e emancipatória; de 2016 a 2022, o ESP encampou diferentes demandas, articulações, mobilizou grupos distintos e produziu diversas cadeias de equivalência.
  • CHRISTIANO CORDEIRO SOARES
  • COOPERAÇÃO INTERNACIONAL E REDES METAESTÁVEIS: UM ESTUDO COMPARADO DAS POLÍTICAS DE INCLUSÃO PARA AS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA PROMOVIDAS PELA UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA E PELA UNIVERSIDADE DE ROMATRE
  • Data: 11/08/2023
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • A inclusão de pessoas com deficiência na educação superior é um fenômeno que se inicia de forma tímida na segunda metade do Século XX e passa a ganhar musculatura em diversos países no Século XXI. Nesse cenário, objetivamos realizar um estudo comparado das políticas de inclusão que produzem condições de acesso e de permanência às pessoas com deficiência na educação superior adotadas na Universidade Estadual da Paraíba – UEPB e na Università Degli Studi Roma Tre – ROMATRE, tomando como base a Convenção Internacional das Nações Unidas sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência – CIDPD de 2006 e a rede SOLIDARIS. A rede SOLIDARIS se formou através de um projeto aprovado na política educacional de colaboração internacional no âmbito do programa Erasmus Plus da União Europeia. Parte da tese defende que as políticas de inclusão para as pessoas com deficiência só acontecem através de uma rede metaestável, isto é, com a percepção de que as políticas não acontecem de modo isolado e de que se faz necessária a construção de parcerias que se consolidem e se retroalimentem. Nessa perspectiva, temos como base o materialismo sócio-histórico-dialético e o estudo comparado, a partir das categorias teóricas: hegemonia, contradição, metaestabilidade, ecologia de saberes, externalização, estrangeiro indígena e hibridação; e das categorias empíricas: acesso e permanência, nas quais refletimos sobre o papel da cooperação educacional internacional e o caráter metaestável das relações sociais que visam assegurar direitos e políticas públicas de acesso e de permanência das pessoas com deficiência na educação superior no contexto neoliberal. Para tanto, utilizamos uma abordagem crítica analítica do fazer institucional da UEPB e da ROMATRE para as pessoas com deficiência, alicerçado pelas visitas de observação e pela análise documental dos materiais produzidos pela rede SOLIDARIS e dos sites oficiais das instituições brasileira e italiana. Os resultados evidenciam, entre outros aspectos, que as redes de estudos sobre as pessoas com deficiência e os tratados internacionais materializados como direito conduzem a um duplo movimento sinérgico: por um lado, esses estudos modificam as leis internas dos países em direção à inclusão educacional; por outro lado, as normas internacionais são fontes de luta para assegurar as políticas de inclusão para as pessoas com deficiência. Em relação à implementação dessas políticas públicas na educação superior da UEPB e da ROMATRE, ponderamos que mesmo registradas em documentos legais e técnicos não há garantias de que são exequíveis, compreendendo-se assim como campos de disputa que se ativam na metaestabilidade.
  • ALINE PRAXEDES DE ARAUJO
  • EDUCAÇÃO DO CAMPO PELA DECOLONIALIDADE DE GÊNERO: VIVÊNCIAS DAS EGRESSAS DO CURSO DE PEDAGOGIA PRONERA/UFPB (2015-2019)
  • Orientador : SEVERINO BEZERRA DA SILVA
  • Data: 31/07/2023
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • A presente tese, vinculada a Linha de Pesquisa de Educação Popular do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal da Paraíba (PPGE/UFPB), tem como escopo as narrativas biográficas das egressas do curso de Licenciatura em Pedagogia (2015-2019), pelo Programa Nacional da Reforma Agrária (PRONERA), desenvolvido na Universidade Federal da Paraíba (UFPB), no Centro de Educação. O objetivo geral consiste em reconhecer indícios da decolonialidade de gênero presente nos processos formativos do curso de Pedagogia PRONERA/UFPB (2015-2019) na vida das egressas por meio das narrativas biográficas. Desdobramos a nossa pesquisa por meio dos seguintes objetivos específicos: apresentar a percepção das colaboradoras acerca da Educação do Campo; compreender as narrativas biográficas das colaboradoras a partir dos contextos social e cultural; perceber os sentidos que a formação no ensino superior assume ao longo de suas histórias de vida. O referencial teórico entra em consonância com a Educação Popular, o debate decolonial de gênero e a História Oral, além de estabelecermos um diálogo com a legislação educacional da Educação do Campo. Dialogamos com autoras e autores como Brandão (1994), Paludo (2013), Alheit (2011), Caldart (2012), Freire (2014), Lugones (2014), Meihy (2020), Mignolo (2008), Tardin (2012), Walsh (2005), entre outras e outros. Os procedimentos metodológicos incluíram a pesquisa bibliográfica, documental e as entrevistas semiestruturadas com as nove egressas do referido curso. Observamos que as experiências e os conhecimentos proporcionados ao longo do curso promoveram o fortalecimento da identidade camponesa em nossas colaboradoras, o que possibilitou a transformação acerca de suas concepções sobre o campo e sobre si mesmas. Assim, a presente tese contribuiu para a avaliação das contribuições de uma política pública de Educação do Campo em que observamos sua importância histórica e social para garantir o direito de acesso e permanência dos povos atendidos pela Educação do Campo no ensino superior.
  • MARCOS FELIPE GONCALVES MAIA
  • A PRODUÇÃO DE CONHECIMENTO EM GÊNERO E SEXUALIDADE NO ENSINO DE BIOLOGIA NO BRASIL: UMA REVISÃO SISTEMÁTICA (1996-2022)
  • Data: 28/07/2023
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • Esta tese em educação trata dos conceitos de gênero e sexualidade no ensino de Biologia no Brasil. Com base em uma revisão sistemática de literatura, objetivando mapear e analisar a produção de conhecimento dessas temáticas no Ensino de Biologia no país, desde a LDB/1996 até 2022, imagina novas possibilidades de pesquisa e interlocução. Com os termos de busca “gênero, sexualidade, ensino de Biologia”, realizou-se um levantamento nas seguintes bases de dados: Biblioteca Digital de Teses e Dissertações (BDTD/IBICT), Google Acadêmico, Microsoft Academic, Periódicos CAPES, Web of Science e Scopus. Chegou-se a um número de 71 trabalhos de vários tipos: teses, dissertações, TCCs de graduação e especialização, artigos de periódicos e apresentados em eventos científicos, e capítulos de livro. Em uma primeira aproximação descritivo-exploratória, a partir da leitura integral dos textos, elaboraram-se cinco categorias: 1) cronologia, 2) tipologia, 3) região geográfica, 4) foco temático e 5) indicadores bibliométricos. No recorte temporal 1996-2022, a primeira pesquisa só apareceu em 2004. O tipo de trabalho mais frequente foi artigo de periódico, seguido de dissertação, trabalho apresentado em evento, tese, TCC de especialização, TCC de graduação e capítulo de livro, em ordem decrescente. As regiões Sul e Sudeste juntas produziram quase 80% de toda a massa textual estudada. O foco temático foi subdividido em: 1) currículo, 2) docente, 3) discente, 4) práticas pedagógicas, 5) relação escola/comunidade, 6) corpo, gênero e sexualidade, 7) conhecimentos biológicos e 8) livros didáticos. Os indicadores bibliométricos sustentam o argumento de que a massa textual, mesmo heterogênea, apresenta qualidade (cursos e revistas bem avaliados), impacto (registro de citações e mínima autocitação) e produtividade científica (média de 78 publicações para cada uma das 113 autoras). Em uma segunda aproximação, conduziu-se nova análise de conteúdo, desta vez somente com os textos que apresentavam características interventivas, excluindo-se aqueles de abordagem bibliográfico-documental. Foram analisados 32 textos agrupados segundo a tendência didática (pesquisas, encontros, jogos e artivismos). Em seguida, foram selecionados trechos ilustrativos da diversidade de abordagens em gênero e sexualidade. Das oito abordagens, somente a tradicional não se manifestou; as outras sete (biológico- higienista, religiosa, em direitos humanos, em direitos sexuais, emancipatória, queer e pedagógico in-formativa) tiveram ao menos uma pesquisa como expoente; houve maior incidência nas abordagens emancipatória e em direitos sexuais. Ao final são apresentadas onze pistas para se pensar possibilidades para novas pesquisas e diálogos: A) não fugir da Biologia, B) ampliar a noção de currículo, C) formação docente, D) superar a dicotomia alunas como objetos, professoras como sujeitos, E) fontes de informações, F) o uso dos prazeres, G) prática pedagógica ou didática? H) família e comunidade, I) os conhecimentos biológicos, J) livros didáticos e K) indicadores bibliométricos. Em conclusão, considerando-se a articulação entre os conceitos de gênero e sexualidade na literatura científica estudada, evidencia-se que são conceitos complexos em processo de representação cultural, sendo insustentável a dicotomia entre saberes biológicos e saberes sociais/humanos para fins de ensino ou de Educação em Biologia, demandando-se, por conseguinte, um chamado à Biologia da naturocultura.
  • ILKA TATIANA EVARISTO TEIXEIRA
  • POLÍTICA REGULATÓRIA DE INCLUSÃO NO CONTEXTO PÓS-LBI:UMA ANÁLISE DAS LEGISLAÇÕES EDUCACIONAIS DO MUNICIPAL DE JOÃO PESSOA-PB (2015-2022)
  • Data: 28/07/2023
  • Hora: 10:00
  • Mostrar Resumo
  • A pesquisa apresentada tem como problema central a análise das políticas públicas educacionais de inclusão para as pessoas com deficiência fomentadas na rede municipal de ensino de João Pessoa, tomando como recorte o período pós Estatuto da Pessoa com Deficiência (LBI/2015). Para tanto, objetiva-se analisar se as Políticas Públicas regulatórias educacionais da Rede Municipal de Ensino de João Pessoa, correspondem às perspectivas da Lei Brasileira de Inclusão – LBI? Como estas políticas municipais de ensino consideram as dimensões das diferenças e se adequam ao contexto da pandemia? Como objetivos específicos, pretende-se: Discutir o papel do estado para a constituição das políticas públicas; Reconhecer as principais políticas públicas regulatórias de inclusão no Brasil pós CF/1988; Analisar as políticas públicas para as pessoas com deficiência na rede municipal de ensino de João Pessoa, a partir do Estatuto da Pessoa com Deficiência – LBI; Problematizar a viabilidade da inclusão escolar das pessoas com deficiência na rede municipal de ensino de João Pessoa, diante das políticas públicas regulatórias e suas adequações no contexto da pandemia da COVID-19. Para tanto, organizou-se o trabalho a partir de cinco seções. Partiu-se do método da dialética para pensar as políticas públicas na perspectiva da educação inclusiva a partir da ótica do Estado, visando, a partir dessa análise, apreender como se processa o objeto de estudo em análise. O recorte temporal da pesquisa foi o período de 2015 a 2022, acompanhando uma trajetória de sete anos de políticas públicas regulatórias no município de João Pessoa. Foi realizado um levantamento documental e bibliográfico, analisando documentos oficiais, como normas jurídicas, além de outros documentos de gestão, como síntese crítica das leis à luz do Estatuto em questão. Este trabalho concluiu que apesar dos avanços que a LBI proporcionou para as pessoas com deficiência, enquanto aparato jurídico que visa à igualdade de condições, ainda há muito o que avançar, em âmbito local. No campo da rede regular de ensino do município de João Pessoa, as políticas públicas regulatórias visando à educação inclusiva das pessoas com deficiência ainda é escassa, há poucas leis elaboradas desde a implementação da LBI e a maior parte delas, muitas vezes, serve apenas para reafirmar aquilo que já vem sendo colocado pelas Leis nacionais.
  • DEBORA DE OLIVEIRA LOPES
  • EXPANSÃO, DEMOCRATIZAÇÃO E EFICIÊNCIA DE UNIVERSIDADES FEDERAIS DO NORDESTE EM PERSPECTIVA COMPARADA
  • Data: 30/06/2023
  • Hora: 09:30
  • Mostrar Resumo
  • O presente estudo tem como tema a expansão, democratização e eficiência de Universidades Federais da região nordeste. O objetivo geral da presente investigação consiste em analisar comparativamente as Instituições Federais de Ensino Superior (IFES) de maior porte da região e compreender como se deu o seu desempenho diante das políticas públicas de expansão e democratização a que foram submetidas desde o ano de 2007. As IFES têm enfrentado medidas que têm dificultado sua expansão, seu pleno funcionamento e sua autonomia, evidenciando assim a importância do completo aproveitamento do período favorável à expansão e democratização das IFES vivido em 2007 e anos seguintes. Questiona-se, portanto, se as IFES do Nordeste foram consideradas eficientes durante esse período. Nesse sentido, através de uma revisão de literatura e pesquisa documental, discorreu-se sobre expansão, democratização e eficiência, evidenciando as políticas de avaliação das IFES. E com base em dados obtidos junto ao Tesouro Gerencial, CAPES, MEC e Relatórios de Gestão das universidades disponibilizados pelo TCU, realizou-se a análise desta pesquisa. Para tanto, foi utilizado a Análise Envoltória de Dados – DEA, sob o modelo CCR que trata de retornos constantes de escala, usando indicadores de gestão estabelecidos pelo Tribunal de Contas da União como inputs e outputs. Os resultados alcançados da fronteira de eficiência determinaram que das nove universidades estudadas, apenas duas foram consideradas eficientes durante todo o período analisado. O modelo DEA propôs metas e alvos necessários para que as IFES ineficientes alcançassem a fronteira de produção com base nos resultados apresentados pelas IFES eficientes, aqui consideradas benchmarks.
  • CHARLYNE LIRA URTIGA
  • CAPOEIRA NA COMPLEMENTAÇÃO DO EMPODERAMENTO AFRO-BRASILEIRO A PARTIR DA LEI 10.639/2003
  • Orientador : WILSON HONORATO ARAGAO
  • Data: 28/06/2023
  • Hora: 10:00
  • Mostrar Resumo
  • A presente pesquisa tem por objetivo de estudo a capoeira como elemento de empoderamento afro-brasileiro, que propõe-se a realizar uma reflexão, que tem como objetivo geral, analisar a contribuição da capoeira como elemento complementar no empoderamento para população afrodescendente do sistema educacional de ensino, fundamentado pela Lei 10.639/2003, tendo como lócus as Escolas Municipais do da cidade de João Pessoa, PB, se baseando pelo material didático ofertados pelas escolas de ensino, em relação às políticas públicas voltadas ao ensino de história da África nas escolas. Adotou-se o caminho metodológico numa abordagem qualitativa, classificando-se, quanto aos seus objetivos, como documental com métodos de procedimento descritivo, utilizando-se de estratégias bibliográfico-documental. A temática é discutida perpassando pela história da escravidão e da capoeira, a criminalização e descriminalização da mesma, a ludicidade que é usada no ensino da capoeira como ferramenta na escola e sua importância na educação, e abordamos sobre a história e características da lei 10.639/2003, que completa neste ano de 2023, 20 anos, que instituiu a obrigatoriedade de ensino da História de África e dos africanos trazidos para o Brasil, no currículo escolar de ensino fundamental e médio, resgatando historicamente o papel dos negros na construção e formação da sociedade brasileira, e analisamos como se dá a sua execução na escola municipal, nesta capital, situações, dificuldades e formas complementares no ensino de África e cultura afro-brasileira. Assim, a partir das reflexões, espera-se que esse estudo, ora apresentado, e as discussões relevantes sobre temáticas raciais, afro-brasileiras e a importância da capoeira nesse cenário, permita abrir margem às novas indagações sociais, além da busca pela efetiva educação, compreendendo a importância da equidade no que tange ao empoderamento das crianças negras do ensino público municipal da cidade de João Pessoa.
  • CLEOMAR MACIEL DE ARAUJO VIEIRA
  • COORDENAÇÃO ESCOLAR, FORMAÇÃO CONTÍNUA DE PROFESSORES E AVALIAÇÕES EM LARGA ESCALA: uma análise dessa relação em escolas estaduais do Vale do Jaguaribe-CE
  • Data: 21/06/2023
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • RESUMO: Esta tese aborda as possíveis interferências das avaliações em larga escala na atuação dos coordenadores pedagógico/escolares das escolas de ensino médio da rede estadual cearense. Entre as avaliações aplicadas no estado, destaca-se o Sistema Permanente de Avaliação da Educação Básica do Ceará (SPAECE), criado pela rede em 1992 e atualmente com papel de destaque e até de supremacia em relação a outras avaliações externas, inclusive as nacionais como as do Sistema de Avaliação da Educação Básica (SAEB). Devido a uma forte política de responsabilização e publicização dos resultados, o SPAECE ganhou importância entre as escolas do Ceará e seus profissionais da educação. Um desses profissionais é o coordenador escolar. Nesse sentido, esta pesquisa se volta ao trabalho da coordenação em uma das vinte e uma regionais de educação do Ceará, a Coordenadoria Regional de Desenvolvimento da Educação (CREDE 11), localizada no Vale do Jaguaribe-CE. A questão que norteia o estudo é: Que relações podem ser estabelecidas entre os resultados de aprendizagem das escolas da CREDE 11 com melhores desempenhos no SPAECE e as práticas pedagógicas de seus coordenadores escolares, especialmente as relacionadas à formação de professores em serviço? Dessa forma, o argumento da tese é que as escolas com bons resultados no SPAECE incorporam a avaliação em sua prática cotidiana e suas atuações ou comportamentos se direcionam a procurarem atingir os melhores resultados, seja pelo reconhecimento público junto à comunidade escolar ou mesmo pelos incentivos financeiros dados pelo governo estadual. Em suma, suas práticas são reduzidas às ações que podem produzir bons indicadores na avaliação. Assim, o objetivo geral da pesquisa é analisar o trabalho da coordenação escolar das duas melhores escolas da CREDE 11 no SPAECE, tendo como foco as suas práticas pedagógico-formativas e como estas podem estar relacionadas ao bom desempenho dos alunos dessas instituições na avaliação estadual de larga escala. Como objetivos específicos pretende-se compreender como se estrutura a rotina pedagógica das duas melhores escolas da CREDE 11 no SPAECE e como a coordenação escolar atua nestas questões; investigar os espaços ocupados pelo SPAECE nas agendas formativas e na prática dos coordenadores; identificar como os discursos e fazeres dos coordenadores estão permeados pela busca/manutenção dos bons resultados na avaliação estadual em larga escala e até que ponto se sentem responsáveis pelos resultados de suas instituições. A pesquisa utiliza uma abordagem qualitativa e está dividida em duas etapas. A primeira, já realizada, foi uma pesquisa bibliográfica e documental para um resgate histórico e conceitual da coordenação, especialmente a do Ceará, visando compreender como as avaliações surgem no contexto do profissional e o atravessa. A segunda etapa, se dará em forma de entrevista semiestruturada com os coordenadores das escolas selecionadas e ocorrerá após a qualificação. Os procedimentos teórico-metodológicos da investigação estão fundamentados no materialismo histórico-dialético. Portanto, para análise dos das informações obtidas serão utilizadas algumas de suas categorias. Pelo que pode ser observado até o momento, as avaliações influenciam na prática da escola, mas, não está evidente como isso ocorre, sobretudo com a coordenação, nos desdobramentos de suas práticas.
  • MARIA APARECIDA DA COSTA SILVA
  • A REPRESENTAÇÃO DOS ANÚNCIOS DE EDUCAÇÃO NO JORNAL A GAZETA DA PARAHYBA (1888-1890)
  • Data: 30/05/2023
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • O presente trabalho tem como objetivo geral investigar e analisar os anúncios relacionados à educação no período oitocentista, presentes no jornal Gazeta da Parahyba, periódico que circulou entre os anos de 1888 e 1890. Tomando como referência os estudos de Chartier (2014; 1999), a pesquisa também tomou como base as fontes primárias disponíveis no site da Hemeroteca Digital da Biblioteca Nacional. O século XIX foi estabelecido como demarcador temporal do trabalho, observando-se a classificação e categorização do tema, especificamente com a seleção e estudo dos anúncios relacionados à educação. O corpus é formado por anúncios sobre educação, coletados do jornal Gazeta da Parahyba. Visando à análise histórico-discursiva do anúncio, a pesquisa tem como objetivo também descrever o percurso do gênero em jornais do século XIX, identificando, no período em destaque, os aspectos de mudança e das estratégias discursivas em cada época. O estudo fundamenta-se metodologicamente nas premissas da História Cultural. Algumas perguntas foram motivadoras para o desenvolvimento da pesquisa, entre as quais: Como os anúncios relacionados à educação configuravam-se na Paraíba do século XIX? O que diz a Historiografia Paraibana a respeito dos anúncios no Oitocentos? Respondendo a estes questionamentos a partir de fontes primárias, presentes no jornal Gazeta da Parahyba, pretendemos contribuir para a história da educação paraibana. Buscaremos também, de certa forma, associar os tipos de anúncios que foram publicados, quais tipos de anúncios eram mais publicados, quais eram mais divulgados, o espaço a eles destinado, o formato da escrita, na tentativa de compreender como aquele determinado anúncio foi elaborado e por quem o foi, haja vista que os anúncios estavam imersos em uma sociedade disciplinar movida por regras sociais determinantes do comportamento dos sujeitos. A construção deste trabalho busca compreender, portanto, como os anúncios relacionados à educação constroem sentido, fazem circular discursos sociais.
  • RUTH BARBOSA DE ARAUJO RIBEIRO
  • EDUCAÇÃO, FIGURAÇÃO E PODER: A PROFISSÃO DE APOIO ESCOLAR NA MODALIDADE CUIDADOR/A EM PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO.
  • Data: 26/05/2023
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • O trabalho de tese aqui apresentado objetiva investigar o desenvolvimento da profissão do cuidador/a no âmbito escolar, referendando-se principalmente na Teoria dos Processos Sociais apresentados pelo Sociólogo Norbert Elias (2006). Ainda, nesta tese, busca-se, especificamente, apresentar a função do profissional de apoio escolar cuidador/a, com uma ressignificação de sua prática estabelecida ao longo do tempo; identificar o perfil e atribuições solicitados nos editais normativos para o desempenho da profissão do cuidador/a escolar, observando-se: o poder, os conflitos, as figurações e as independências que se têm constituído para a profissionalização dessa atividade na sociedade. Além de nos apoiarmos na Teoria dos Processos Sociais, também nos reportaremos aos estudos da Sociologia das Profissões, da historiografia de cuidados de crianças e das políticas de inclusão, temáticas que também contribuíram para respostas aos objetivos propostos. Assim, também faremos uso dos estudos de Bonelli (2002), Diniz (2012), Freidson (2001), Januzzi (1985), Kulhmann Júnior (2015), Le Breton (2007), Ortiz (2004), entre outros. O material empírico se deu a partir de nove editais normativos para o cargo de profissional de apoio escolar na modalidade cuidador/a. As informações contidas no material foram divididas em quatro categorias de análise, as quais forneceram suporte para entendermos o movimento de constituição da profissão aqui em estudo, a qual se encontra na interface de conflitos, tensões e poder sob as mais diferentes figurações sociais. Essas problemáticas constituem o processo de desenvolvimento das mais diferentes profissões em múltiplas sociedades. Argumenta-se também nesta tese que, segundo a teoria eliasiana, o surgimento de uma profissão não o deve ser, apenas, por imposição legislativa nem tão pouco por necessidades individuais, mas sim como parte de uma construção complexa entre diversas figurações ao longo de cada década inerente ao processo civilizador.
  • MARIA DE FÁTIMA DA SILVA
  • IMPLICAÇÕES DAS DEMANDAS ESCOLARES NO COTIDIANO DE MÃES E NA RELAÇÃO FAMÍLIA-ESCOLA DURANTE O ENSINO REMOTO EMERGENCIAL
  • Data: 25/05/2023
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • Durante a Pandemia da Covid-19 as atividades escolares remotas demandadas no contexto do ensino remoto emergencial evidenciaram ainda mais as desigualdades sociais, econômicas, educacionais e de gênero no acompanhamento da educação escolar dos/as filhos/as, que tem estado muito mais a cargo das mães do que dos pais. Esta pesquisa de Dissertação de Mestrado objetivou analisar as implicações do ensino remoto emergencial no cotidiano de mulheres-mães no município de Bernardino Batista, no Sertão Paraibano. Seus fundamentos teóricos se assentam nos Estudos de Gênero e Educação e das Relações Família-Escola e Estudos Culturais da Educação. A abordagem, de caráter quanti-qualitativo, emprega questionários digitais e impressos aplicados junto a 134 mães de alunos e alunas que estudam na principal escola pública do município. O material empírico produzido evidenciou um perfil predominante de mulheres-mães em situação de pobreza, com baixa escolaridade e cujos filhos/as tiveram apenas um aparelho celular para devolver as tarefas escolares durante o ensino remoto emergencial. Essas mulheres declararam dificuldades na mediação das tarefas, pois, além de não dominarem minimamente as ferramentas digitais utilizadas pelas professoras, não possuem escolaridade suficiente e ainda são as únicas responsáveis pelas tarefas domésticas, pelos cuidados e pela educação dos/as filhos/as.
  • CICERO PEDROZA DA SILVA
  • MEMÓRIAS DO ANTIGO COCO DE RODA: dos processos de resistência no município de Conde-PB às relações epistemológicas com a Educação Popular
  • Data: 28/04/2023
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • O Coco de Roda é um encontro das pessoas consigo mesmas, fazendo com que estas se descubram, pois, o Coco tem o poder do encontro − com os outros, com a educação, com a política, com a natureza, com a ideia de cosmo, com as matrizes culturais, com a ancestralidade. O Coco de Roda é um brinquedo ancestral, é uma cantoria de trabalho, um patrimônio imaterial, assim como os mestres e mestras do Coco são patrimônios imateriais. E, quem dança o Coco é chamado de brincante. O presente estudo, MEMÓRIAS DO ANTIGO COCO DE RODA: dos processos de resistência no município de Conde-PB às relações com a Educação Popular, tem como objeto de investigação o Coco de Roda nos antigos encontros do Coco na praia de Jacumã, daí o denominarmos de Antigo Coco de Roda, o qual tem raízes em territórios quilombolas. Nosso objetivo central é compreender a origem e contribuição histórica, cultural, social e política do movimento do Antigo Coco de Roda no município de Conde-PB, observando seus processos de resistência e suas relações epistemológicas com princípios da Educação Popular. O problema da pesquisa foi definido tomando por base o seguinte questionamento: a partir da origem do Antigo Coco de Roda do município de Conde-PB é possível explicarmos os processos de resistência advindos dessa expressão cultural e suas possíveis conexões com a educação popular? Com a metodologia da História Oral e Memória, trazemos para o debate Bosi (1994), com a importância da memória para a sociedade; Meihy (2013), com o como fazer e o como pensar a história Oral; com Oliveira (2005), pelo viés das Revistas da Associação Brasileira de História Oral, e, o referencial teórico em Freire (2015), relendo e reescrevendo a pedagogia do oprimido como a superação da educação domesticadora por uma problematizadora/libertadora. Situada metodologicamente nos preceitos da abordagem qualitativa de pesquisa, nos ancoramos em uma perspectiva teórico-crítica a partir da história oral e a memória em um lócus de investigação de muitas lutas e fatos sociais relevantes à história do município de Conde-Paraíba, especificamente em quatro territórios: os antigos quilombos de Gurugi e de Ipiranga, a Vila de Pescadores de Jacumã e o Assentamento rural Dona Antônia. Para a sua realização, os sujeitos da pesquisa são os brincantes do Antigo Coco de Roda no município de Conde-PB. Realizamos entrevistas durante três meses, com roteiro semiestruturado, acompanhando o uso de gravador; formulário para identificação do perfil dos entrevistados e análise documental, fizemos uma cobertura fotográfica e utilizamos como fontes as músicas dos cocos, as fotos e os vídeos antigos, que nos remetem à origem do Coco de Roda no município. Com uso da história oral e memória, desenvolvemos uma análise crítica a partir da observação sistemática, para melhor interpretar a realidade dos envolvidos nessa pesquisa. No geral, os resultados revelaram que o movimento da Cultura Popular do Coco de Roda sempre esteve presente nas lutas e nas conquistas da reforma agrária nos territórios pesquisados, e que, da brincadeira à resistência, o Coco de Roda permanece vivo na memória das pessoas. Assim, a tese aqui defendida é a de que o Antigo Coco de Roda reflete não só processos históricos de resistência popular, como há, nele, relação epistemológica com princípios da Educação Popular.
  • CICERO PEDROZA DA SILVA
  • MEMÓRIAS DO ANTIGO COCO DE RODA: dos processos de resistência no município de Conde-PB às relações epistemológicas com a Educação Popular
  • Data: 28/04/2023
  • Hora: 08:30
  • Mostrar Resumo
  • O Coco de Roda é um encontro das pessoas consigo mesmas, fazendo com que estas se descubram, pois, o Coco tem o poder do encontro − com os outros, com a educação, com a política, com a natureza, com a ideia de cosmo, com as matrizes culturais, com a ancestralidade. O Coco de Roda é um brinquedo ancestral, é uma cantoria de trabalho, um patrimônio imaterial, assim como os mestres e mestras do Coco são patrimônios imateriais. E, quem dança o Coco é chamado de brincante. O presente estudo, MEMÓRIAS DO ANTIGO COCO DE RODA: dos processos de resistência no município de Conde-PB às relações com a Educação Popular, tem como objeto de investigação o Coco de Roda nos antigos encontros do Coco na praia de Jacumã, daí o denominarmos de Antigo Coco de Roda, o qual tem raízes em territórios quilombolas. Nosso objetivo central é compreender a origem e contribuição histórica, cultural, social e política do movimento do Antigo Coco de Roda no município de Conde-PB, observando seus processos de resistência e suas relações epistemológicas com princípios da Educação Popular. O problema da pesquisa foi definido tomando por base o seguinte questionamento: a partir da origem do Antigo Coco de Roda do município de Conde-PB é possível explicarmos os processos de resistência advindos dessa expressão cultural e suas possíveis conexões com a educação popular? Com a metodologia da História Oral e Memória, trazemos para o debate Bosi (1994), com a importância da memória para a sociedade; Meihy (2013), com o como fazer e o como pensar a história Oral; com Oliveira (2005), pelo viés das Revistas da Associação Brasileira de História Oral, e, o referencial teórico em Freire (2015), relendo e reescrevendo a pedagogia do oprimido como a superação da educação domesticadora por uma problematizadora/libertadora. Situada metodologicamente nos preceitos da abordagem qualitativa de pesquisa, nos ancoramos em uma perspectiva teórico-crítica a partir da história oral e a memória em um lócus de investigação de muitas lutas e fatos sociais relevantes à história do município de Conde-Paraíba, especificamente em quatro territórios: os antigos quilombos de Gurugi e de Ipiranga, a Vila de Pescadores de Jacumã e o Assentamento rural Dona Antônia. Para a sua realização, os sujeitos da pesquisa são os brincantes do Antigo Coco de Roda no município de Conde-PB. Realizamos entrevistas durante três meses, com roteiro semiestruturado, acompanhando o uso de gravador; formulário para identificação do perfil dos entrevistados e análise documental, fizemos uma cobertura fotográfica e utilizamos como fontes as músicas dos cocos, as fotos e os vídeos antigos, que nos remetem à origem do Coco de Roda no município. Com uso da história oral e memória, desenvolvemos uma análise crítica a partir da observação sistemática, para melhor interpretar a realidade dos envolvidos nessa pesquisa. No geral, os resultados revelaram que o movimento da Cultura Popular do Coco de Roda sempre esteve presente nas lutas e nas conquistas da reforma agrária nos territórios pesquisados, e que, da brincadeira à resistência, o Coco de Roda permanece vivo na memória das pessoas. Assim, a tese aqui defendida é a de que o Antigo Coco de Roda reflete não só processos históricos de resistência popular, como há, nele, relação epistemológica com princípios da Educação Popular.
  • MARIA KAMYLLA E SILVA XAVIER
  • ANÁLISE INTERSECCIONAL DO PERFIL DO PROFESSORADO DE FÍSICA DO ENSINO MÉDIO NA PARAÍBA E NO BRASIL
  • Data: 26/04/2023
  • Hora: 15:00
  • Mostrar Resumo
  • Nesta pesquisa de doutorado objetivo analisar o perfil do professorado de Física em exercício no Ensino Médio no Brasil, destacando a rede estadual da Paraíba e considerando aspectos interseccionais. Para a descrição do panorama nacional utilizo os microdados do Censo da Educação Básica de 2020 no formato disponibilizado pelo INEP até fevereiro de 2022, tratados no ambiente de programação R. Para a delimitação do panorama estadual considero, além dos microdados, o material empírico produzido a partir da aplicação de questionário. O referencial teórico se baseia nos Estudos Culturais da Educação e da Ciência, nos Estudos de Gênero e da Interseccionalidade, buscando articular contribuições desses campos para analisar o perfil do professorado de Física. A análise emprega estatísticas descritivas e análise multivariada de dados, discutidas à luz da interseccionalidade. Os resultados apontam um tipo ou perfil predominante entre os/as professores/as de Física no Ensino Médio no Brasil: masculino, branco, em regime de contratação temporária e lotado na rede pública estadual. Apenas 24,1% têm formação em Licenciatura em Física. No âmbito do estado da Paraíba o cenário se mantém e apresenta desigualdade de sexo/gênero bem maior que a média nacional; e, embora haja maior número de pardos/as, as pessoas pretas, especialmente as mulheres, são mais sub-representadas do que no âmbito nacional. Considero que a articulação de abordagens macro e micro pode ajudar a compreender a desigualdade de gênero, raça e classe que limita o avanço das mulheres na Física, particularmente como professoras na Educação Básica. Os resultados podem contribuir para políticas de formação docente e ações de estímulo ao ingresso e permanência de mulheres na Física e no Ensino de Física.
  • LUCELIA CAROLINE FERREIRA BRANDÃO
  • COORDENADORES(AS) PEDAGÓGICO(A) E O DIREITO À EDUCAÇÃO: CONCEPÇÕES E MODOS DE AÇÃO
  • Data: 26/04/2023
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • A presente pesquisa está vinculada à Linha de Processo de Ensino-Aprendizagem (PEA) do Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE) da Universidade Federal da Paraíba (UFPB) e objetiva compreender as concepções e os modos de ação dos/as Coordenadores/as Pedagógicos/as - CoPs, como mediadores da aprendizagem e da garantia do direito à educação nas escolas públicas municipais de Educação Básica do município de Codó. O/a CoP desempenha duas funções principais com os/as professores/as na escola: criar e mobilizar espaços e dispositivos de formação, de acordo com as finalidades educativas que se fazem presentes no Projeto Político-Pedagógico da escola; e articular o trabalho coletivo na instituição, considerando a participação da comunidade escolar. Este trabalho se caracteriza como uma pesquisa de campo com caráter qualitativo, ancorada em pressupostos do Materialismo Histórico-dialético, por considerar, no que tange ao campo educacional, a totalidade e historicidade dos fenômenos e dos sujeitos, a partir da compreensão de todas as suas mediações e correlações com o objeto investigado. Os instrumentos utilizados para a coleta de dados foram a observação participante, a entrevista semiestruturada e o questionário aplicado com três CoPs atuantes em diferentes escolas públicas dos Anos Iniciais situadas na zona urbana do município de Codó, no estado do Maranhão. A análise dos dados foi realizada com base na Análise Categorial de Conteúdo de Bardin (2016) a partir das seguintes categorias: Funções e os Modos de ação do/a CoP; Concepções dos/as CoPs em torno do direito à educação; e a Formação da identidade profissional dos/as CoPs. Os dados apresentados revelaram que, as funções e os modos de ação dos/as Coordenadores/as Pedagógicos/as participantes da pesquisa, muitas vezes, ainda estão mais centralizados na supervisão de resultados de aprendizagem dos/as estudantes do que no acompanhamento ativo e participativo das ações elaboradas com/para os/as docentes. No que tange às concepções dos/as CoPs em torno do direito à educação, os dados apontaram que, uma das principais estratégias didáticas empregadas pelos/as docentes, com o aval dos/as CoPs, para assegurar a garantia do direito à educação ainda se restringe à participação e ao desempenho dos/as alunos/as nas avaliações de larga escala. Diante disso, a complexidade do trabalho dos/as CoPs deve considerado na elaboração dessas políticas e deve traduzir as situações e práticas que são inerentes à organização e articulação do trabalho pedagógico.
  • ANA CLARA DA SILVA NASCIMENTO
  • CONTRIBUIÇÕES DAS INFÂNCIAS CAMPONESAS PARA UMA EDUCAÇÃO POPULAR DO CAMPO
  • Data: 25/04/2023
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • O trabalho emerge a partir da triangulação de três categorias: a Infância Camponesa, a Educação do Campo e a Educação Popular e tem como objeto de investigação as Infâncias Camponesas e suas perspectivas sobre a vida no campo. Elegemos como objetivo geral compreender as configurações da vida no campo e as infâncias camponesas a partir da percepção das crianças. A pesquisa foi guiada pelos seguintes objetivos específicos: destacar as imagens que as crianças têm sobre a infância no campo; definir a visão das crianças sobre a escola e o assentamento; identificar as brincadeiras, afazeres que as crianças vivenciam no cotidiano no campo e na escola. Nossa pesquisa se baseou metodologicamente nos princípios da Educação Popular do Campo, buscando, como realça Freire (1967), um método ativo, dialogal, crítico e criticizador. O trabalho deu-se por uma abordagem qualitativa, realizamos procedimentos como: estudo da arte, estudo de caso e uma pesquisa bibliográfica, baseada em autores como: No prisma teórico-metodológico, este trabalho se fundamentou na abordagem da Sociologia da Infância da América Latina, um campo cientifico o qual afirma que as crianças são capazes de realizar interações e dar sentido às suas ações, como sujeitos sociais, como seres ativos capazes de construir, transformar,(re)inventar e reconhece que as crianças não são universais, compreendendo que as crianças da América Latina possui pautas e interesse inerentes as suas realidades. Os sujeitos da nossa pesquisa são vinte (20) Crianças Camponesas estudantes da turma multisseriada de 3º, 4º e 5º ano dos anos iniciais do ensino fundamental da escola do Assentamento Chico Mendes I. O campo da Educação Popular do Campo é um território com especificidades e modos de vida próprios e diversificados, o que vai redundar em infâncias que guardam diferentes características e formas de vida, modos de pensar e viver. As crianças expressam as questões sociais dos espaços de vivência nos quais se inserem, fazem do campo um lugar de presença à rotina das crianças é dividida em tarefas junto com a família, a escola, a igreja e o Movimento. Seus afazeres de estudar, ajudar dos pais e cumprir obrigações no Assentamento são mediados de brinquedos e brincadeiras, sob essa ótica da ludicidade, as crianças do campo produzem capital agrário e uma cultura no território camponês.
  • JAILTON FERREIRA DA SILVA
  • AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DOS PROFESSORES NA ESCOLA EDMILSOM BALTAZAR DE MENDONÇA NA COMUNIDADE DE TAUMATÁ, MARÍ-PB: APROXIMAÇÕES COM OS PRINCÍPIOS DA EDUCAÇÃO DO CAMPO
  • Data: 14/04/2023
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • A presente pesquisa faz parte de um estudo de mestrado que tem como objeto de estudo as práticas pedagógicas dos professores na Escola Municipal de Ensino Fundamental Edmilsom Baltazar de Mendonça na Comunidade de Taumatá, Marí-PB. A pesquisa apresenta as seguintes questões-problema: como são desenvolvidas as práticas pedagógicas dos professores que atuam nesta unidade de ensino? As práticas se aproximam dos princípios da Educação do Campo? A proposta pedagógica e o PPP apresentam os princípios da Educação do Campo? O objetivo geral da pesquisa é analisar as práticas pedagógicas dos professores buscando identificar se nelas estão presentes princípios da Educação do Campo. Como objetivos específicos: identificar os princípios da Educação do Campo presentes nos documentos do Movimento Por uma Educação do Campo e nos documentos da política pública de educação do campo; analisar no PPP da Escola se os princípios da Educação do Campo são evidenciados e Investigar as práticas pedagógicas dos professores, e as ações desenvolvidas no cotidiano escolar para verificar se há a presença dos princípios da Educação do Campo. Como aporte teórico da Educação do Campo, temos: Caldart (2002, 2003, 2004, 2005, 2009, 2011 e 2012), Batista (2016) Costa (2019), Alencar (2015), Bizerra (2020), Vieiro e Medeiro (2018), com os quais buscamos afirmar que a educação deve estar enraizada historicamente na memória, no modo de vida e cultura de seu povo atendendo aos princípios da Educação do Campo. Na categoria práticas pedagógicas buscamos como referência: Batista (2016), Silva (2017), Souza (2005), Souza (2009) e Veiga (1992). A pesquisa foi realizada numa abordagem qualitativa e para fins de construção de dados elegemos os seguintes instrumentos: a entrevista semi estruturada, a observação participante, e análise de documentos. Como base para analisar os dados gerados, nos aproximamos da análise de conteúdo de Bardin (2011), para podermos observar as práticas pedagógicas dos/as professores/as e documentos regulatórios da Educação do Campo. As análises das práticas pedagógicas nos permitiram compreender destacamos que na escola campo de pesquisa desenvolve práticas pedagógicas tradicionais mescladas práticas que seguem os princípios da Educação do Campo, pautadas na vida dos povos do campo como sujeitos construtores de conhecimentos, histórias que têm potencial de fortalecer a vida e as lutas camponesas.
  • ANGÊLICA RITA DE ARAÚJO
  • O DISCURSO DA BNCC ACERCA DO MEME NA EDUCAÇÃO BÁSICA
  • Data: 31/03/2023
  • Hora: 14:30
  • Mostrar Resumo
  • Esta pesquisa situada na linha dos Estudos Culturais da Educação (ECE) teve como objetivo geral analisar e descrever a ordem do discurso da BNCC acerca do meme na Educação Básica, com fins de responder a seguinte questão problema: quais regras tecem as condições de possibilidade enunciativas que constituem a ordem discursiva da BNCC acerca da especificidade do meme na EB?. De natureza qualitativa, esta pesquisa utilizou como referencial teórico-metodológico a Análise Arqueológica do Discurso (AAD) de Michel Foucault (2019) em sua obra Arqueologia do Saber. Para tal, seguimos as seguintes etapas: mapeamento do documento do texto fonte da pesquisa; análise da zona enunciativa e descrição dos enunciados, conforme Alcântara e Carlos (2013). Como fonte, utilizamos a Base Nacional Comum Curricular (2018). Dentre as justificativas para esta empreitada, destacamos a originalidade acadêmica, constatada por meio de mapeamento temático nos repositórios da UFPB, CAPES e BDTD, uma vez que nos ancoramos em uma abordagem de análise do discurso de cunho arqueológico em uma política educacional de caráter regulador dos currículos da Educação Básica Brasileira. Social e culturalmente quando discutimos e problematizamos o artefato cultural meme em diversos formatos, que é consumido, compartilhado, produzido e produtor de subjetividades por e entre discentes da EB. Sendo assim, através da análise descritiva realizada, identificamos oito séries enunciativas que funcionam como regras que organizam a ordem acerca do meme na EB, a saber: o meme enquanto um gênero da cultura digital e da cultura visual; próprio da cultura juvenil; presente no campo jornalístico-midiático; correlacionado ao domínio semiótico; que apresenta características multissemióticas; inserido nos componentes de Língua Portuguesa, no EF anos finais e no EM, e de Língua Inglesa apenas no EF anos finais; correlacionado ao letramento digital, e que exige competências e habilidades singulares, próprias do ambiente digital.
  • RAQUEL LEÃO DE BASTOS
  • EDUCAÇÃO POPULAR E EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: ENTRE O PENSAR E O FAZER DOS PROFESSORES DE HISTÓRIA DE CAJAZEIRAS – PB
  • Data: 31/03/2023
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • A presente pesquisa tem o objetivo de analisar as principais concepções dos professores de História da EJA, da rede municipal de Cajazeiras – PB, acerca da Educação Popular e as relações dessas ideias com suas práticas didáticas cotidianas. Para alcançarmos tal intento, elaboramos os seguintes objetivos específicos: discutir acerca do Ensino de História e suas influências historiográficas e pedagógicas para a formação de sujeitos transformadores da realidade social a partir do fortalecimento das consciências históricas; refletir sobre a formação de professores e suas relações com as especificidades da EJA; investigar as relações teórico-metodológicas entre o ensino de História e a Educação Popular a partir da prática docente dos professores de História que atuam na EJA da rede municipal do município de Cajazeiras e relacionar a História Local com possibilidades de aproximação entre o Ensino de História na EJA e a realidade dos educandos, dialogando saberes e significando a prática educativa. Nossa pesquisa se caracteriza como um estudo de caso, a partir de um viés exploratório e qualitativo, no qual buscamos descortinar nosso objeto recorrendo à entrevistas com cinco docentes de História da rede pública de Cajazeiras. Para complementar nossas análises, também procedemos com observação participante no cotidiano das aulas de História desses professores (as). Como autores importantes para a construção do nosso trabalho, podemos apontar Arroyo (2007); Alberi (2004); Bittencourt (2008); Brandão (2012); Freire (2011), entre outros. Compreendemos que, mesmo diante de tantas propostas, mais políticas e progressistas de educação, como no caso da Educação Popular, ainda se enfrentam muitas dificuldades para que essas concepções pedagógicas possam ser, efetivamente, vivenciadas no cotidiano escolar, principalmente na Educação de Jovens e Adultos. Nossa pesquisa apontou que, mesmo a maioria dos professores expressando um discurso alinhado com os pressupostos da Educação Popular, ainda existem muitos entraves para que ela se concretize no cotidiano escolar. Diante dessas dificuldades, muitas experiências de ensino ainda se caracterizam em seu viés positivista e tradicional.
  • DANIELA SANTOS SUASSUNA
  • Percepção de professores sobre práticas pedagógicas para crianças com transtorno do espectro autista na Educação do Campo da Paraíba
  • Data: 31/03/2023
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • A Educação do Campo e a Educação Especial são modalidades de ensino que juntas podem possibilitar o processo de ensino-aprendizagem das crianças com transtorno do espectro autista que vivem no campo. Neste contexto, este trabalho teve como objetivo analisar a percepção de professores a respeito das práticas pedagógicas e as conquistas e os desafios para a educação inclusiva de alunos com transtorno do espectro autista nas escolas do campo da Paraíba. A pesquisa se insere nos pressupostos metodológicos da pesquisa qualitativa com caráter exploratório. Foi feito um mapeamento geral do estado da Paraíba pelo censo escolar do ano de 2021 acerca das matrículas dos estudantes com transtorno do espectro autista nas escolas do campo e foi identificada que a 3ª Gerência Regional de Educação tem o maior número de matrículas. Assim, foram selecionados seis municípios para a realização da pesquisa, mas apenas dois aceitaram participar. O instrumento da pesquisa foi um questionário online, que foi aplicado com oito professores do ensino regular das escolas do campo desses municípios em uma reunião online pelo Google Meet, marcada previamente com os responsáveis da Secretaria da Educação dos dois municípios. Os resultados foram categorizados e analisados a partir da Análise de Conteúdo. Foram analisadas as práticas pedagógicas na percepção dos professores e pautas importantes dentro de todo o conceito como a formação, avaliação, recursos pedagógicos, serviços de acessibilidade, dentre outros. Além disso, foi discutido sobre o que os professores mais consideraram como desafios e conquistas dentro da realidade e situação que enfrentam. Assim, foi possível identificar que a formação e os conhecimentos sobre o transtorno do espectro autista como também sobre a Educação do Campo foram os pontos que os professores tiveram mais dificuldade em comentar e descrever, como também a questão da dificuldade em relação à estrutura das escolas, a falta de materiais pedagógicos específicos e a falta de apoio escolar e familiar. Quando se tratou das conquistas, foi possível verificar que ainda existem professoras que superam as dificuldades dessa realidade e em suas condições tentam incluir a criança com o transtorno do espectro autista diante suas práticas pedagógicas. Notou-se que ainda existem carências, as escolas estão pouco preparadas para que os alunos com o transtorno do espectro autista se desenvolvam como cidadãos capazes de pensar, aprender, construir e tomar decisões. No entanto, foi possível notar que as professoras tentam realizar seu trabalho pedagógico com o que tem a disposição. Assim, é possível afirmar que muitas intervenções precisam ser desenvolvidas para que a inclusão na Educação do Campo e as práticas pedagógicas realizadas por esses professores sejam alcançadas.
  • MARIA JOSÉ SOARES DE LIMA
  • AMBIENTALIZAÇÃO CURRICULAR NO ENSINO DE CIÊNCIAS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: UM OLHAR PARA OS LIVROS DIDÁTICOS
  • Data: 31/03/2023
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • A ambientalização curricular é a inserção da dimensão ambiental na construção e efetivação dos currículos escolares, na busca de uma melhor relação entre a sociedade e a natureza. A pesquisa se constitui por meio do debate do campo conceitual e temático, tendo como objetivo geral analisar a inserção da dimensão ambiental presente nos livros didáticos de Ciências dos anos iniciais do ensino fundamental para que assim possam contribuir para vislumbrar a ambientalização do currículo. Com intuito de cumprir ao objetivo geral, apresentamos para tanto, os seguintes objetivos específicos: 1) localizar os conteúdos que tem relação com o meio ambiente apresentados nos livros didáticos selecionados; 2) analisar os textos, imagens e atividades que estão presentes nos livros didáticos selecionados; 3) apresentar possibilidades e orientações didáticas com base nos conteúdos identificados nos livros didáticos. Deste modo, o estudo corresponde metodologicamente a uma abordagem qualitativa, utilizando a pesquisa documental, em que a análise dos dados se deu através da análise de conteúdo de Bardin (1977), seguindo, portanto a etapa da pré-análise, exploração do material e tratamento dos resultados. Os resultados obtidos por meio das análises indicaram que os livros didáticos fazem menção a diferentes conteúdos ambientais, entre eles: características do meio ambiente em seus aspectos naturais e sociais; problemas ambientais; consumo e consumismo; e desenvolvimento sustentável. Além disso, constatou o uso de diversas propostas metodológicas para trabalhar os conteúdos tanto na sala de aula quanto na comunidade em que a escola está localizada. Assim, o estudo em tela tem importante contribuição para a produção acadêmica, estruturação de propostas para ambientalizar o currículo de instituições escolares, bem como para o planejamento pedagógico dos educadores que utilizam os livros didáticos de ciências em suas aulas.
  • ANA LUIZA NUNES BEZERRA
  • MEMÓRIAS E IDENTIDADE DE PROFESSORES ALFABETIZADORES DA COMUNIDADE DE BAIXA VERDE, MUNICÍPIO DE UIRAÚNA – PB (1969-1989)
  • Data: 30/03/2023
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • Esta pesquisa buscou analisar as memórias e identidade de professores alfabetizadores da comunidade de Baixa Verde, município de Uiraúna – PB (1969-1989), sendo delineada a partir de lembranças, em um processo de construção da identidade profissional. A pesquisa qualitativa utilizou-se da metodologia da história oral de vida e da técnica de entrevista semiestruturada para a coleta de dados. O referencial teórico recorreu a autores que discutem sobre as temáticas da memória, identidade e profissão docente, como Bosi (1994; 2003), Carvalho (2002); Halbwachs (2003), Le Goff (2013); Nóvoa (1999; 2000), Freire (2005; 2014), dentre outros. As análises mostraram a vida, formação escolar e trabalho dos professores, dialogando com a história de uma comunidade da zona rural do sertão paraibano, concretizando memórias construídas no passado pelos relatos dos colaboradores. Assim, as narrativas coletadas fazem uma transmissão das vivências, tradições da comunidade e das experiências dos alfabetizadores, a partir da memória que conta as dificuldades, os sofrimentos e a vida em família de cada professor(a). Por fim, revelam a luta pela sobrevivência através dos trabalhos rural e profissional, que contribuíram para a construção identitária de cada um(a), construindo a si mesmo(a) por meio das trajetórias vividas, rememorando o meio social em que viveram no sertão da Paraíba e do Rio Grande do Norte.
  • JOSEILDO SILVESTRE DA SILVA
  • Concepções de Ensino e Práticas Pedagógicas de Professores no Contexto das Salas de Aula Multianuais/Multisseriadas de Escolas do/no Campo.
  • Data: 30/03/2023
  • Hora: 10:00
  • Mostrar Resumo
  • As concepções de ensino se apresentam nas práticas dos professores podendo contribuir com os processos pedagógicos que se desenvolvem em sala de aula. Nesse sentido, a presente pesquisa tem como objetivo geral investigar as concepções de ensino que permeiam os discursos e as práticas pedagógicas de professores de salas multianuais/multisseriadas de escolas do/no campo. Em termos metodológicos, essa pesquisa se caracteriza como descritiva e de campo, de cunho qualitativo e como instrumentos de coleta de dados foram utilizados a entrevista semiestruturada e a observação sistemática. Foram selecionados como colaboradores da pesquisa três (03) professores que atuam em salas multianuais/multisseriadas de escolas do/no campo, lecionando com os anos iniciais do ensino fundamental, no município de Jucurutu/RN. Dessa forma observou-se a prática dos professores colaboradores de nossa pesquisa e colheu-se suas falas através das entrevistas com o intuito de angariar respostas para nossa questão problema. Para analisarmos os dados obtidos, utilizamos a técnica de análise documental e análise de conteúdo. Através da análise documental, analisamos do Plano Municipal de Educação – PME e do Projeto Político Pedagógico do centro rural que englobas as escolas foco do nosso estudo, procedeu-se ainda a análise de alguns recortes de planos de aula dos professores colaboradores. A análise de conteúdo nos possibilitou perceber através dos discursos de nossos colaboradores pontos e linhas interpretativas para associando as nossas observações e análise de documentos traçamos respostas para o nosso objeto de estudo. Diante da pesquisa desenvolvida, apontamos como achados, que as práticas pedagógicas dos professores são permeadas por mais de uma concepção de ensino, mas de que forma predominante uma específica se destaca em relação as demais e que essas proporcionam contribuições para o alinhamento do trabalho pedagógico do professor, no entanto, percebe-se uma necessidade de que essas concepções sejam melhor discutidas e assimiladas no contexto de salas multianuais/multisseriadas do/no campo. Conclui-se que as concepções de ensino contribuem com a relação teoria/prática tão necessária ao fazer docente, pois estabelecem uma relação de complementaridade em que as práticas fornecem elementos para discutir e ampliar a teoria e em contrapartida a teoria oferece subsídios para refletir criticamente sobre a prática, auxiliando na melhoria dessa.
  • RAFAELA CARNEIRO CLAUDIO
  • A EDUCAÇÃO DO CAMPO CERCADA DE CANA-DE-AÇÚCAR POR TODOS OS LADOS DE SANTA RITA/PB
  • Data: 30/03/2023
  • Hora: 10:00
  • Mostrar Resumo
  • A proposta de investigação deste trabalho se baseou nas discussões sobre a Política Educacional do Campo para além dos assentamentos da reforma agrária, bem como, conhecer a história da comunidade e da escola; refletir sobre os desafios de construir a Educação do Campo na escola pública rural, tem como recorte analisar a Escola Rural Municipal Emília Cavalcante Morais Neta, localizada no Distrito Rural de Lerolândia, no município de Santa Rita/PB. Neste sentido, tem como objetivo geral de perceber a relação entre a Educação do Campo e a Escola Pública nas políticas educacionais, tendo como objetivos específicos de conhecer a Política Educacional desenvolvida desta cidade, e se tem interface com a Educação do Campo. Identificar a oferta de Formação Pedagógica no âmbito da Educação do Campo para os Professores desta unidade escolar; investigar se o currículo da Escola Rural Emília Cavalcante Morais Neta está relacionado com a educação do campo e se há as mudanças na relação entre escola e comunidade. A pesquisa parte das inquietações que persistiram na conclusão do Trabalho de Conclusão de Curso (TCC), no qual buscamos a relação da Educação do Campo a partir da experiência de uma escola rural, tendo em vista, às caraterísticas peculiares da zona rural do município de Santa Rita, que foge do perfil de análise da produção de saberes e de práticas educativas desenvolvidas por grupos e movimentos sociais organizados do campo e da cidade. O espaço agrário investigado possui uma área de transição entre o rural e urbano, predominando o trabalho assalariado rural, cuja economia produtiva é de predominância do plantio, do corte da cana-de-açúcar (Agroindústria Japungu) e da industrialização da água de coco (Coco do Vale), sendo grande parte dessa população empregada nesses dois tipos de produção, tal perspectiva de modelo de espaço agrário implica na dinâmica da educação, ou seja, na não implementação de uma Educação do Campo na escola pública rural. Para a realização dessa pesquisa o aporte teórico se baseou no diálogo entre Educação Popular, Educação do Campo, Política Educacional do Campo e Escola Pública. Elegemos os autores como Brandão (1981), Leite (1999), Caldart (2012), Carrillo (2013), Esteban e Tavares (2013), entre outros. A proposta de abordagem teórico-metodológica que melhor atende aos interesses desta pesquisa se fundamenta na pesquisa qualitativa, a qual permite uma visão analítica, baseada no estudo de dados empíricos. A construção do método de pesquisa teve o direcionamento de um conjunto específico de metodologias, as quais foram: pesquisa bibliográfica e documental; observação e entrevistas semiestruturadas. A Educação do Campo tem elementos que possibilitam a construção de um novo horizonte de escola pública no contexto rural, não como uma fórmula mágica de mudanças ou transposição de experiências que não condizem com a realidade em análise, mas que sirvam de orientação para práticas educativas que façam refletir e problematizar o contexto ao qual a escola está inserida.
  • JOANDERSON DE OLIVEIRA GOMES
  • NARRATIVAS DOCENTES: AS PERFORMANCES DE PROFESSORES GAYS.
  • Data: 29/03/2023
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • O presente estudo investigou as performances de professores gays em um interior da Paraíba. Por meio de suas narrativas, o objetivo geral foi compreender como eles têm transitado no espaço educativo, e as performances que desenvolvem. Este trabalho vincula-se à linha de pesquisa dos Estudos Culturais da Educação, do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal da Paraíba. São acionados no desenvolvimento da escrita de forma mais enfática os conceitos de gêneros e sexualidades, assim como a ideia das performances e performatividades depreendidas por Butler (2019, 2020a, 2020b, 2022) e Borba (2014). Para além dessa discussão, o texto se fundamenta nas contribuições de autores/as como Louro (2019, 2020), Junqueira (2013, 2022), Seffner (2011, 2013), Sell (2006), Miskolci (2020), entre outros/as que fomentaram a discussão aqui estabelecida. A pesquisa se configura do tipo qualitativa, realizada por meio do estudo de caso. Para tanto foram entrevistados seis professores que se autodeclaram gays e atuam em escolas públicas e/ou privadas da cidade de Mamanguape/PB. A partir das demandas oriundas desse trabalho utilizei como ferramenta de geração de dados a entrevista narrativa, e para análise recorri aos Núcleos de Significação. A pesquisa mostrou um cenário educativo ainda vinculado aos ditames da heteronormatividade, desse modo, duas situações foram detectadas de um lado docentes que afirmam a sua sexualidade, como forma de enfrentamento e conquista de novos espaços e de outro, professores que mantém suas sexualidades ocultadas, como forma de proteção frente ao preconceito e a discriminação. Foi evidenciado o discurso ainda presente nos muros escolares que privilegia a heterossexualidade, o que alerta sobre como a tomamos enquanto padrão de normalidade. Não sendo ela questionada ou indagada sobre seus processos constitutivos, da mesma forma que a homossexualidade é cobrada para dizer de si e se justificar, nessa direção, destaca-se a importância de que as pesquisas que tomam por objeto de estudo as sexualidades não heteronormativas, tencionarem as questões sobre a heterossexualidade, fazendo a norma falar, tirando-a de sua zona de conforto e provocando-as nas reflexões que desenvolvemos.
  • MARIA DA CONCEIÇÃO PEREIRA ALVARES TEOFANES
  • ABAIOMI EM NÓS POR LINHAS SIMBÓLICAS ELIASIANAS:OUTRAS COMPREENSÕES SOBRE A PRESENÇA NEGRA NO BRASIL
  • Data: 29/03/2023
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • A contribuição de Abayomí para a Educação das novas gerações de crianças negras está em gradativa ascensão, uma vez que a mesma gera uma rede de interdependência ao compartilhar categorias em suas versões narrativas, que a faz ser utilizada como instrumento de afirmação identitária para mulheres e crianças, sendo reconhecida no campo simbólico das relações de poder como resistência. Qual/quais são as compreensões da Abayomi como símbolo de identidade e resistência ? Como objetivo geral pretendemos analisar a força simbólica das narrativas Abayomí em uma perspectiva Eliasiana de identidade e relações de poder, que foram difundidas oralmente e sistematizadas. Especificamente objetivamos compreender como as narrativas simbólicas podem auxiliar na presença identitária de negros e negras no Brasil; Compreender suas contribuições para a educação de novas gerações de crianças negras ao sintetizar das narrativas o que há de pensamento, linguagem e conhecimento com base na teoria simbólica. Metodologia de pesquisa de caráter documental, foram utilizados documentos que requerem uma organização na análise uma vez incluídas fotografias do arquivo pessoal. Refletindo ou representando por linhas da teoria simbólica de Norbert Elias e da identidade em Nilma Lino Gomes e utilizando-se da descrição das narrativas assim como da síntese das mesmas buscamos tecer entre as tramas das principais narrativas sobre Abayomí e de sua idealizadora Lena Martins. Palavras-chave: Estudos Culturais. Educação. Identidade Negra
  • GUILHERME WILLISGNTON TAVARES PEREIRA
  • Práticas pedagógicas inclusivas para pessoas com deficiência em artigos científicos nacionais e internacionais
  • Data: 28/03/2023
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • No dinamismo educacional, a ideia de efetivação do processo de ensino-aprendizagem possui diferentes vertentes, sendo um de seus focos a possibilidade do desenvolvimento de uma boa prática pedagógica inclusiva que leve em consideração todos os atores educacionais influenciadores desta prática e o meio na qual a mesma está inserida. A partir de tal, que neste trabalho objetiva-se analisar práticas pedagógicas inclusivas específicas para pessoas com deficiência em artigos científicos nacionais e internacionais do Brasil, Chile e Portugal, e como específicos objetiva-se elencar práticas pedagógicas inclusivas exitosas, direcionadas às pessoas com deficiência verificadas em artigos científicos nacionais e internacionais, que estão sendo realizadas no Brasil, Chile e Portugal; e contrastar a contextualização local dos países selecionados com o desenvolvimento de suas práticas pedagógicas inclusivas. O cumprimento dos objetivos propostos é realizado a partir do processo metodológico da pesquisa bibliográfica, seguindo-se uma abordagem qualitativa, com foco na pesquisa descritiva, utilizando-se, para isso, da publicação de artigos indexados nas bases de dados Scopus e REDIB, pesquisados entre os anos de 2015 e 2021, que possuem objetivos direcionados a descrever ou discutir sobre práticas pedagógicas inclusivas desenvolvidas no Brasil, no Chile e em Portugal. Para o processo de análise utilizou-se como instrumento fundamentador os critérios da Análise de Conteúdo proposto por Laurence Bardin. A partir de tal, obteve-se um quantitativo de quatorze trabalhos analisados por meio de dez temas definidos através do processo de codificação dos artigos, que direcionaram-se a tratar sobre a prática docente, as relações entre professores, alunos e equipe multiprofissional, a utilização de recursos didático-pedagógicos diferenciados e a seleção de técnicas e estratégias utilizadas para o desenvolvimento da prática. Além destes, os temas ainda se direcionaram para a importância do planejamento, da autonomia do aluno e da adaptação de atividades no ensino, todos discutidos com base nas influências das políticas públicas de cada país no desenvolvimento de tais práticas pedagógicas. Com isso, percebeu-se que cada temática abordada e discutida possui sua importância individual, ao mesmo tempo que para uma prática pedagógica inclusiva ser considerada como exitosa a relação entre os diferentes temas é necessária, juntamente com o contexto no qual tais práticas ocorreram. Além disso, a cultura de cada país interfere diretamente na compreensão do que deve ser considerado uma prática pedagógica inclusiva exitosa, e que mudanças específicas são necessárias para a efetivação do processo de ensino-aprendizagem do aluno com deficiência. Portanto, vê-se a importância que há na relação dos diferentes temas aqui discutidos e analisados com base nos artigos científicos dos diferentes países, acrescido do desenvolvimento inclusivo de cada um deles, para que assim uma prática seja considerada uma boa prática pedagógica inclusiva.
  • JOSÉ ROGÉRIO DA SILVA
  • FECHAMENTO DE ESCOLAS DO CAMPO NO BREJO PARAIBANO: RESISTÊNCIA E PERMANÊNCIA
  • Data: 28/03/2023
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • A pesquisa debruça-se sob a temática da Educação do Campo, guiada pelos precursores da discussão a saber: Arroyo (1999, 2000, 2004, 2006, 2007, 2011); Caldart (1997, 2000, 2004, 2009); Fernandes (2004, 2006); Molina (2004, 2009) e Souza (2006), no contexto em que a tentativa de encerrar as atividades da Escola Municipal Maria Emília Maracajá e a consequente resistência da Comunidade São José do Bonfim, no município paraibano de Areia. Buscou-se compreender o processo de resistência da Comunidade São José do Bonfim, mediante a iminente ameaça de fechamento da instituição. Desta forma, fez-se necessário entender o contexto em que ocorreu o fechamento das escolas do campo, no município de Areia – Paraíba, na tentativa de analisar o contexto de resistência da Comunidade São José do Bonfim, dos movimentos sociais e militantes da Educação do Campo no território contra o fechamento desta unidade. Metodologicamente, seguiu a abordagem qualitativa, fez-se uma Análise Documental explorando todo o contexto de fechamento das escolas do campo no lócus pesquisado. Foram realizadas entrevistas semiestruturadas, envolvendo quatro sujeitos que vivenciaram todo o fenômeno pesquisado, a fim de sistematizar os dados coletados por análise categorial, a luz de Bardin (2010) na perspectiva do Materialismo Histórico Dialético. Evidencia-se que o movimento de resistência da Comunidade São José do Bonfim resultou na consequente permanência das atividades escolares como um exercício de resistência motivado pelo desejo de mudar a realidade social na qual estavam inseridos.
  • WAGNER LEITE RIBEIRO
  • DESVELANDO A AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA (UFPB) A PARTIR DA VISÃO DOS GESTORES
  • Data: 20/03/2023
  • Hora: 09:30
  • Mostrar Resumo
  • Esta tese está vinculada aos estudos relativos à Avaliação da Educação Superior no Brasil, problemática correlacionada à linha de pesquisa Políticas Educacionais, do Programa de Pós-graduação em Educação (PPGE), da Universidade Federal da Paraíba (UFPB). A pesquisa se direcionou à Autoavaliação Institucional, considerando o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (SINAES) - Lei nº. 10.861, de 14 de abril de 2004, e tendo como objetivo analisar o papel da autoavaliação institucional e suas repercussões no processo de tomada de decisão da UFPB, a partir da ótica dos gestores da Comissão Própria de Avaliação (CPA) a fim de possibilitar a melhoria da qualidade do processo. Para tanto, a base teórica e conceitual utilizada contemplou as concepções de Estado Avaliador e Regulador, as Políticas Educacionais e, mais especificamente, o SINAES. Assim, foram analisadas as experiências de autoavaliação institucional da UFPB, desenvolvidas nos últimos 5 (cinco) anos, mais especificamente no período de 2017 a 2021, a fim de compreender os seus sentidos, significados numa visão da instituição em sua integralidade. Com a finalidade de alcançar o objetivo geral dessa investigação, buscou-se conhecer as trajetórias, desmembramentos e avanços da UFPB em termos de Avaliação Institucional, a partir dos resultados evidenciados nos Relatórios de Avaliação Institucional Interna (RAAIs), elaborados pela Comissão Própria de Avaliação (CPA) e, por isso, optou-se pelo estudo de caso como método de procedimento. Como estratégia para desenvolver o estudo empírico, foram realizadas entrevistas com os gestores da CPA a fim de que fossem identificadas as forças, fraquezas, oportunidades e ameaças no âmbito da instituição, considerando a utilização da Matriz SWOT como ferramenta para análise e interpretação dos dados. Diante disso, os resultados da pesquisa desvelaram que as políticas institucionais de autoavaliação estão previstas no Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI) (2019 – 2023) da UFPB, entretanto, identificou-se que os eixos e indicadores definidos pelo Instrumento de Avaliação Institucional Externa (IAIE) não foram plenamente contemplados nos RAAIs analisados. Ademais, verificou-se a inexistência de um sistema computacional específico para coleta e tratamento dos dados de autoavaliação na UFPB, de forma a alcançar um maior quantitativo de respondentes, dar celeridade ao processo e elaborar subsídios para a melhoria da sua eficácia institucional e efetividade acadêmica e social. Constatou-se, ainda, a necessidade de melhorias nas condições de infraestrutura física, atualização do Regimento Interno da CPA – em vigor desde 2004, adequações no que se refere à paridade dos segmentos que compõem a comissão, bem como a consolidação de uma cultura de autoavaliação na instituição, em conformidade com os preceitos do SINAES.
  • THAÍS FARIAS DE ALMEIDA
  • A questão das drogas no contexto dos jovens e adolescentes em situação de privação de liberdade em Lagoa Seca/PB: uma análise a partir da Educação Popular
  • Data: 10/03/2023
  • Hora: 15:30
  • Mostrar Resumo
  • No contexto do debate latino-americano atual, tem sido assinalado que os novos fenômenos contemporâneos e os seus desafios requerem o desenvolvimento de abordagens sob a ótica da Educação Popular que não compunham o seu marco anterior, na sua versão clássica desenvolvida nos anos 1960. A questão das drogas, por exemplo, é um desses fenômenos. As políticas proibicionistas, impulsionadas pela visão bélica de ‘guerra às drogas’, têm provocado o aumento da violência, o encarceramento em massa, o extermínio de pessoas pertencentes às classes populares, a destruição das perspectivas de futuro de jovens e adolescentes etc. Tendo isso em atenção, o trabalho socioeducativo envolvendo as drogas, sob a perspectiva da Educação Popular, constitui-se em uma alternativa distinta aos enfoques hegemônicos, que são norteados pela irracionalidade das determinações repressivas oriundas da visão bélica sobre o assunto. A presente pesquisa situa-se nesse campo temático, sendo o seu objetivo geral analisar como a questão das drogas tem sido abordada no contexto escolar dos jovens e adolescentes em cumprimento de medida socioeducativa de internação no Centro Socioeducativo Lar do Garoto, localizado no município de Lagoa Seca/PB. No sentido de alcançar o seu propósito, a pesquisa parte dos seguintes objetivos específicos: 1) apresentar aspectos da base analítica da Educação Popular que dialogam com a temática das drogas; 2) enfocar a origem do sistema socioeducativo no Brasil e, mais especificamente, do Lar do Garoto; 3) investigar de que maneira os professores atuantes no Lar do Garoto têm abordado as drogas no contexto escolar da mencionada instituição. Do ponto de vista do seu referencial teórico-conceitual, o estudo tem em atenção, fundamentalmente, as contribuições de três esferas analíticas: a Educação Popular, a Sociologia do Desvio e a Criminologia Crítica. Metodologicamente, trata-se de uma pesquisa qualitativa operacionalizada através da realização de observações assistemáticas no Lar do Garoto e mediante entrevistas semiestruturadas com professores da Escola dessa instituição. O material empírico resultante das entrevistas foi escrutinado conforme os procedimentos técnicos da Análise Temática de Braun e Clarke (2006). Como decorrência da Análise Temática realizada, o trabalho chegou a cinco categorias, as quais nortearam a discussão dos resultados, quais sejam: 1) perfil social dos adolescentes do Lar do Garoto; 2) presença das famílias no Lar do Garoto; 3) atividades desenvolvidas no Lar do Garoto; 4) relação dos adolescentes do Lar do Garoto com as drogas; 5) abordagens sobre as drogas realizadas no Lar do Garoto. Entre outros achados, identificou-se o seguinte: 1) diferentes abordagens sobre as drogas, havendo enfoques orientados tanto pela lógica proibicionista como enfoques que a rejeitam; 2) inexistência de formação específica aos docentes para tratar da temática das drogas; 3) casos em que, mesmo sem o conhecimento sistematizado a respeito da Educação Popular, se desenvolvem ações que se aproximam das suas perspectivas. Conclusivamente, assinala-se, por exemplo, a necessidade imprescindível de se oferecer formação continuada aos professores da socioeducação, tendo em conta os desafios implicados nas abordagens sobre as drogas.
  • ANA CLAUDIA PRAZERES FRANCA CAVALCANTI DE ALBUQUERQUE
  • TÍTULO: O jovem autista: estratégias de acessibilidade no ensino híbrido nas capitais da Paraíba e de Pernambuco em 2020/2021.
  • Orientador : JANINE MARTA COELHO RODRIGUES
  • Data: 08/03/2023
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • RESUMO: Centrada na inclusão escola de duas capitais do nordeste durante os dois primeiros anos da pandemia a pesquisa intitulada como “O jovem autista: estratégias de acessibilidade no ensino híbrido nas capitais da Paraíba e de Pernambuco em 2020/2021” tem como objetivo geral analisar as estratégias de acessibilidade adotadas no ensino híbrido pelos professores e familiares de adolescentes e jovens com autismo nas capitais da Paraíba e Pernambuco em 2020/2021. E como objetivos específicos: investigar as estratégias de acessibilidade utilizadas pelos professores e familiares no ensino híbrido de jovens com autismo; identificar as dificuldades encontradas e as estratégias utilizadas para superação do desafio do ensino híbrido; analisar os sentidos associados à acessibilidade, considerando o contexto e as relações de cada grupo; e catalogar estratégias de acessibilidade praticadas por professores e familiares para os jovens autistas no ensino híbrido. A partir das pesquisas bibliográficas realizamos um breve resgate do entendimento sobre o Transtorno do Espectro Autista (TEA) de 1911 a 2022, conhecendo o conceito sobre o TEA desde seus primeiros teóricos até a perspectiva do Manual de Diagnóstico e Estatísticos de Transtornos Mentais, edição 5 (DSM- 5) e da Classificação Internacional de Doenças, edição 11 (CID 11). Para o embasamento legal de proteção específica sobre o TEA temos as políticas de proteção nas esferas federal e estadual. Também na pesquisa conheceremos sobre o que é o ensino híbrido e as estratégias de acessibilidade para a inclusão escolar de pessoas com transtorno do espectro autista, sob a luz das acessibilidades: programática, arquitetônica/física, comunicacional, metodológica, instrumental, natural e atitudinal/social. Como pressuposto metodológico a pesquisa tem a natureza qualitativa, do tipo exploratória e analítica. A amostra contará com representantes de João Pessoa e de Recife. O instrumento utilizado foi um questionário do google forms aplicado através da mídia social com familiares e professores de adolescentes e jovens com TEA. Os resultados serão analisados e categorizados a partir da Análise de Conteúdo. Ao final pretende-se identificar e catalogar as estratégias de acessibilidade adotadas para os adolescentes e jovens com TEA no ensino híbrido durante os anos de 2020/2021 em João Pessoa e em Pernambuco.
  • ALBERTO JOSE FERREIRA DE LIMA
  • TEORIA FUNDAMENTADA E A PESQUISA EM EDUCAÇÃO: TENDÊNCIAS E PADRÕES PARA O DESENVOLVIMENTO TEÓRICO NO ÂMAGO DA CULTURA DA CONVERGÊNCIA
  • Data: 28/02/2023
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • Teoria Fundamentada é uma metodologia popular usada na pesquisa em educação. Ela envolve o desenvolvimento de teoria “fundada” e construída a partir de dados sistematicamente coletados e analisados por meio de métodos qualitativos. Mas pouco se sabe sobre os processos conceituais e metodológicos empregados no desenvolvimento de pesquisas em educação, conduzidas com a teoria fundamentada, em nível de doutorado no Brasil. Este estudo teve como objetivo analisar o estado da construção teórica presente em teses de doutorado conduzidas com a teoria fundamentada que foram desenvolvidas no âmbito dos Programas de Pós-Graduação em Educação no Brasil, defendidas no período de 2018 a 2022 e publicadas na Biblioteca Digital Brasileira de Teses e Dissertações (BDTD). O paradigma de investigação interpretativo-construtivista, escolhido para esse estudo, incorporou minha perspectiva ontológica, epistemológica e metodológica e forneceu a orientação geral da pesquisa. A estratégia de investigação qualitativa denominada teoria fundamentada construtivista foi utilizada na condução do estudo. O campo empírico de investigação foi a BDTD. Os dados foram selecionados por meio de consulta à BDTD com o termo “grounded theory”. A análise dos dados foi realizada com alguns métodos da teoria fundamentada construtivista. Os achados indicam que muitas teses de doutorado não contribuíram para o desenvolvimento de teoria, usam a teoria fundamentada de forma indistinta e ambígua, indicam claramente qual variante da teoria fundamentada é usada e não fornecem detalhes metodológicos suficientes para uma avaliação rigorosa. Nesse sentido, a compreensão é de que são incipientes os usos de construção teórica e metodológica da teoria fundamentada na pesquisa educacional no Brasil. Algumas considerações pontuais são sugeridas para aumentar o nível de teorização em estudos de teoria fundamentada em educação.
  • PRISCILA SANTOS CANUTO
  • JUVENTUDES NA BATALHA: Experiências Educativas do/no Slam da Paz
  • Data: 28/02/2023
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • As juventudes da/na periferia encontram, em geral, nas ruas e em outros espaços públicos os cenários propícios para produzir e expressar seus movimentos culturais. Nesse contexto, especificamente na Praça da Paz, em João Pessoa (Paraíba), emerge uma expressão do movimento Hip-Hop, a Batalha e Slam da Paz. A partir da observação e da experiência em algumas dessas Batalhas, são mostradas pistas sobre a relação entre Hip-Hop, Slam e potências educativas. Pensar no Slam da Paz como um espaço e movimento que educa tornou-se, então, objeto desta pesquisa. E foi na pluralidade do Slam e em sua contingência no movimento da Batalha da Paz que se estabeleceu a questão central: Quais potências educativas são produzidas e acionadas por jovens do movimento Hip-Hop da Paraíba no Slam da Paz? Partindo desta questão, o objetivo geral deste trabalho é: Compreender como as potências educativas são mobilizadas, produzidas e acionadas nas batalhas de rimas do Slam da Paz na perspectiva das organizadoras do movimento. Esta pesquisa se aporta no campo Estudos Culturais da Educação, e sua metodologia tem caráter qualitativo. O material empírico foi produzido a partir do acompanhamento das batalhas e Slam da Paz no espaço virtual e da realização de entrevistas semiestruturadas com conversação online junto às organizadoras da Batalha e Slam da Paz. O material empírico foi analisado na perspectiva da análise cultural, com inspiração da/na poetnografia. A pesquisa evidenciou o conhecimento enquanto achado e potência educativa que é acionada, construída e compartilhada pelas organizadoras, entre elas e com a comunidade.
  • RAMON OLIMPIO DE OLIVEIRA
  • POLÍTICAS EDUCACIONAIS E A GARANTIA DO DIREITO À EDUCAÇÃO DOS ADOLESCENTES DO SISTEMA SOCIOEDUCATIVO DE JOÃO PESSOA/PB
  • Data: 28/02/2023
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • O presente texto analisa o papel do Estado na garantia do direito à educação dos adolescentes internos no Centro Socioeducativo Educacional Edson Mota/CSE, João Pessoa - PB. Tem como objeto de estudo a investigação sobre as condições de oferta da educação para os adolescentes internos na referida unidade socioeducativa. Seu objetivo geral é analisar como a FUNDAC-PB implementa a educação para os adolescentes com base nas políticas públicas educacionais que constam no Sistema de Garantia de Direitos da Criança e do Adolescente, no Sistema Nacional de Atendimento Socioeducativo, no Plano Estadual de Atendimento Socioeducativo da Paraíba e nas Diretrizes Operacionais das Escolas Estaduais para os adolescentes. A tese apresentada é a de que as unidades de execução de medidas socioeducativas da Paraíba não possuem um programa de execução de políticas públicas educacionais relativas aos adolescentes internos ou não garantem a devida execução dessas políticas. A questão que norteou a pesquisa foi a seguinte: em que medida o Estado garante o direito à educação do adolescente em contexto de medida socioeducativa através de uma educação emancipadora que constitua meio para aquisição de outros direitos? A fim de responder ao problema formulado, a tese se estruturou em quatro capítulos, além da introdução e da conclusão. No primeiro capítulo apresentamos o percurso metodológico da pesquisa explicitando o método e o conjunto de instrumentos, procedimentos e técnicas de coleta e de análise dos dados. No segundo capítulo, realizamos um levantamento teórico conceitual acerca da definição de criança e adolescente como fases distintas da vida no Brasil e um breve estudo acerca da história social da criança e do adolescente até serem reconhecidos como sujeitos de direitos. No terceiro capítulo abordamos um pouco sobre como se deu a construção de direitos para crianças e adolescentes no Brasil, estudando a legislação nacional e internacional a respeito da matéria. No quarto e último capítulo apresentamos os dados relativos à pesquisa empírica. Para tanto, realizamos um levantamento acerca dos documentos que norteiam a educação de adolescentes que se encontram em contexto de cumprimento de medida socioeducativas, bem como uma discussão acerca do modelo de Escola da Escolha, que foi selecionado como base para a implantação das ECIs na Paraíba. Realizado esse levantamento, partimos para discorrer sobre o Centro Socioeducativo Edson Mota e a Escola Cidadã Integral Socioeducativa Almirante Saldanha (EAS) através de uma análise sobre os seus documentos de base, quais sejam os Regimentos Internos e respectivos Projetos Político Pedagógicos. Por fim, realizamos uma pesquisa de campo ao longo do ano de 2022 com visitas à EAS com finalidade de observar como se dá a oferta da educação para os adolescentes que se encontram internos no CSE. Como principal resultado temos a constatação de que a Escola Cidadã Integral Socioeducativa Almirante Saldanha disponibiliza um modelo de ensino adequado, baseado em uma educação emancipadora, mas que a finalidade dessa educação não atinge todos os adolescentes em virtude, principalmente, mas não exclusivamente, das constantes mudanças que ocorrem ao longo do ano letivo e do dia a dia da unidade. Alguns desafios se colocaram ao longo de todo o trabalho empreendido, dentre os quais podemos destacar a logística de traslado dos adolescentes dos seus quartos para as salas de aula, a busca pela garantia do tempo de aula seguindo os horários de entrada e saída e a luta pela criação de uma rotina de ensino mesmo diante das constantes mudanças que se apresentam no cotidiano do CSE com as mudanças de horário das aulas e a constante entrada e saída de adolescentes. Pretendemos continuar investigando a garantia do direito à educação destes adolescentes.
  • ANA CAROLINA ALVES DE LIMA
  • TEIAS DISCURSIVAS DA IDEOLOGIA DE GÊNERO NO FÓRUM NACIONAL SOBRE VIOLÊNCIA INSTITUCIONAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: UMA ANÁLISE DE GÊNERO
  • Data: 28/02/2023
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • Esta pesquisa, realizada no Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal da Paraíba, inserida na Linha de Pesquisa Estudos Culturais da Educação, tem como objetivo central analisar a(s) perspectiva(s) de gênero e sexualidade abordada(s) nas palestras apresentadas no Fórum Nacional sobre Violência Institucional contra Crianças e Adolescentes. Organizado pelo Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos – MMFDH, o Fórum pretendia debater acerca das violências institucionais às quais crianças e adolescentes estão expostos – por meio de sete palestras, apresentadas nos dias 27 e 28 de abril de 2021. No entanto, toda a temática do evento orbitou em torno da falaciosa ideologia de gênero e de como professoras e professores aplicam tal ideologia. De acordo com o Fórum, a suposta ideologia de gênero afeta a saúde física e mental de crianças e adolescentes e, por isso, é necessário defender a ‘família tradicional’. Além disso, o Fórum apresenta uma visão reducionista de Educação, apoiando-se nos pressupostos do Movimento Escola sem Partido. Este trabalho se caracteriza como uma pesquisa qualitativa, de caráter documental, situada no campo dos Estudos Culturais da Educação. O corpus de análise foi produzido por meio da transcrição das palestras – disponíveis no canal oficial do YouTube do MMFDH e do livro digital, enviado às pessoas inscritas no evento, utilizando os Núcleos de Significação como estratégia de análise. Os resultados da pesquisa apontam que o evento adota gênero e sexualidade como dados biológicos, defende que debates sobre esses temas não devem acontecer nas escolas; aciona uma pedagogia do medo em docentes; ignora o fato de que gênero e sexualidade perpassam a vida de todas as pessoas e desconsidera os diferentes tipos de arranjos familiares. Na contramão do que foi exposto nas palestras, gênero e sexualidade, neste trabalho, são entendidos como construções sócio-históricas, culturais e pedagógicas. Ao longo da pesquisa, defende-se que abordar estes temas nas escolas auxilia crianças e adolescentes a identificar possíveis casos de violências, bem como ajuda a conhecer e aprender a conviver com as diferenças e diversidades que nos constituem. Considerando que o referido Fórum integra as políticas do MMFDH e, desse modo, repercute na política educacional e nas relações culturais amplamente, esta dissertação pretende contribuir para ampliar as reflexões sobre a educação no contexto dos direitos humanos e diversidade sexual e de gênero, dentro e fora da escola.
  • CINTHYA RAQUEL PIMENTEL DA MOTA
  • AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM E ÉTICA DA RESPONSABILIDADE NO ENSINO MÉDIO: A PERSPECTIVA DOCENTE NA DINÂMICA DE SENTIDOS DA TEORIA E DA PRÁTICA
  • Data: 28/02/2023
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • A presente pesquisa se apresenta como uma proposta de diálogo sobre a temática da avaliação da aprendizagem e a ética da responsabilidade, conceituada pelo filósofo Hans Jonas, de uma maneira a levantar proposições significativas para a transformação de nossa sociedade, tendo como objetivo identificar argumentos que embasam o momento da avaliação no ensino médio, a partir de uma ética responsável na dinâmica de sentidos da teoria e da prática no ensino médio integrado do IFPB campus avançado Cabedelo Centro, bem como objetivos específicos: observar os discursos dos professores em relação aos conceitos, metodologias, estratégias e instrumentos de avaliação; analisar como os docentes utilizam seus conhecimentos teóricos sobre a avaliação da aprendizagem com as práticas do cotidiano em sala de aula; e identificar implicações de uma ética responsável no processo avaliativo para a concretização de aprendizagens significativas. Para o desenvolvimento de nossa pesquisa, utilizamos os pressupostos da abordagem de pesquisa qualitativa, com base no paradigma epistemológico da Fenomenologia. Utilizamos como técnica de coleta de dados a observação e a entrevista, e para análise dos dados os pressupostos do método fenomenológico. Recorremos a esse tipo de pesquisa, visto a necessidade de compreender os contextos, ouvir os pesquisados, respeitando suas singularidades. Como resultado, as falas dos sujeitos apontam para os desafios de avaliar, apontando a necessidade de superação de barreiras tanto políticas quanto pessoais e a necessidade de ações de formação continuada no IFPB, como um instrumento de pensar e refletir o fazer docente e desenvolver estratégias para uma avaliação significativa, aliada aos princípios de uma ética responsável. A partir das entrevistas, apresentamos quatro horizontes de análise: Avaliação na formação docente; o aspecto dialógico na relação docente-discente; aprendizagem significativa e transformação de vida: caminhos do ser e vir-a-ser; e o ideal e o real: de utopia à realidade. Concluímos que a avaliação articulada com os princípios da ética da responsabilidade se constitui como ponto de partida para mudanças e transformações significativas para a educação e para a sociedade, contribuindo no processo de ensino e aprendizagem.
  • PÂMELLA TAMIRES AVELINO DE SOUSA
  • NORMALISTAS CAMPINENSES: O PROJETO CURRICULAR DA ESCOLA NORMAL ESTADUAL DE CAMPINA GRANDE-PB (1960 - 1971)
  • Data: 27/02/2023
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • A criação da primeira Escola Normal pública de Campina Grande-PB, em 1960, atendeu a uma política de desenvolvimento do Governo Federal, a qual previa que as escolas normais deveriam ser criadas, reestruturadas e reformuladas. Essa iniciativa teve como objetivo expandir o Ensino Normal e profissionalizar mais educadoras para a nação em desenvolvimento. Esta pesquisa pretende analisar o currículo desenvolvido na Escola Normal Estadual de Campina Grande (ENECG), no período de 1960-1971, tendo como início o ano de 1960, quando se dá a criação dessa escola, e, por fim, 1971, tomando como referência a Lei 5.692/71, que reformula o ensino de 1° e 2° graus. A pesquisa de cunho documental analisa, com base no Paradigma Indiciário, as fontes encontradas na coleta de dados, e objetiva – a partir do jornal Diário da Borborema, documentos e fotografias – analisar o currículo desenvolvido na ENECG, sob a perspectiva das categorias de análises da Representação, Currículo e Disciplina. A composição das fontes como jornal, fotografia, documentos oficiais e exames avaliativos delineou a cultura escolar vigente nessa Instituição, nos permitindo concluir que o currículo desenvolvido na ENECG, durante o período de 1960 a 1971, estava pautado nas ideias de responsabilidade moral e cívica das normalistas para desempenharem o papel de mãe, esposa e filha para a educação campinense.
  • GISELLE OLIVEIRA DO NASCIMENTO
  • INVESTIGAÇÃO DO USO DE BOAS PRÁTICAS DE GESTÃO DO PROGRAMA DINHEIRO DIRETO NA ESCOLA (REGIÃO NORDESTE) NA GESTÃO ESCOLAR
  • Data: 27/02/2023
  • Hora: 09:30
  • Mostrar Resumo
  • O PDDE é um Programa Federal de transferências suplementar de recursos direto às instituições de ensino que ofertam a educação básica pública, com fins de contribuir com a melhoria da infraestrutura das escolas e com a parte pedagógica. O Índice de Desempenho da Gestão Descentralizada do PDDE (IdeGES-PDDE) é um indicador para mensurar o desempenho da gestão descentralizada do PDDE em todo território nacional. A pesquisa teve como lócus 9 escolas da região nordeste, com IdeGES acima de 9, trata-se de uma pesquisa de campo. Pauta-se também nos pressupostos teórico-metodológicos da pesquisa de natureza exploratória, multicaso e descritiva, com abordagem qualitativa. A pesquisa foi dividida em quatro etapas que são, primeiro, uma pesquisa bibliográfica, em seguida, foi realizada uma pesquisa documental acerca dos documentos que norteiam a operacionalização do uso das verbas destinadas às escolas, em terceiro, realizamos a entrevista semiestruturada e, por último, a realização da análise dos dados a partir da técnica de análise de SWOT. Constatamos que a gestão financeira é de grande dificuldade para os administradores escolares em geral, oriundos de cursos de Pedagogia onde não se estuda essa disciplina. Ao analisar alguns fatores determinantes na gestão do PDDE, a partir da pesquisa realizada, constatamos a importância da definição e difusão de processos de gestão do PDDE para os atores sociais que gerenciam ou realizam o controle social das Unidades Executoras e, com isso, institucionalizar uma gestão coletiva e participativa do Programa.
  • OTÁVIO AUGUSTO CHAVES RUBINO DOS SANTOS
  • O SABER PEDAGÓGICO FEMINISTA DAS MULHERES PRATICANTES DE YOGA NO MOVIMENTO HARE KRISHNA - UMA PEDAGOGIA VAISHNAVI DE CONSCIÊNCIA, LUTA E COLETIVIDADE
  • Data: 24/02/2023
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • A presente tese intitulada “O saber das mulheres praticantes de yoga do movimento Hare Krishna - uma pedagogia feminista vaishnavé: uma pedagogia de consciência, luta e coletividade” e defendida no Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal da Paraíba (PPGE - UFPB) - na linha de pesquisa dos Estudos Culturais da Educação (ECE) - se estrutura a partir do conceito de saber, tendo, neste, a ideia chave seguida na pesquisa. O objeto de investigação é “o saber pedagógico feminista das vaishnavés do movimento Hare Krishna”. Em síntese, o termo vaishnavé se refere a mulheres praticantes de yoga. A tese é: os saberes das vaishnavés do movimento Hare Krishna apresentam uma singularidade pedagógica feminista transformadora das relações desiguais de gênero. A problemática central é: como se dá a tessitura de saberes da ordem do discurso pedagógico feminista das vaishnavés? Por conseguinte, o objetivo geral é: analisar e descrever a ordem do discurso do saber pedagógico feminista das vaishnavés do movimento Hare Krishna. A abordagem teórico-metodológica é a Análise Arqueológica do Discurso (AAD), abordagem pela qual Foucault nos dá, em suas primeiras obras, as condições básicas para se pesquisar em uma perspectiva de análise do discurso arqueológica. Na perspectiva arqueológica não se trabalha com sujeitos da pesquisa, mas com o conceito de posição de sujeito, um lugar vazio que pode ser ocupado por diferentes indivíduos e que guarda em si uma teia de saberes. No caso dessa tese, a posição de sujeito analisada se refere às vaishnavés. Nesse sentido, pesquiso sobre o saber dessas vaishnavés a partir das especificidades da AAD. Dessa forma, a pesquisa aborda a posição de sujeito chamada vaishnavés e os saberes que constituem o discurso que existe quando se ocupa essa posição de sujeito singular. É uma pesquisa sobre o que pode ser dito, ou o interdito em si, por essas mulheres em determinada ordem do discurso. Assim, “posição de sujeito” e “saber” são as categorias teórico-metodológicas e “Estudos Culturais da Educação”, “Pedagogias Feministas”, “yoga” e “vaishnavés” são as categorias temáticas. O movimento Hare Krishna é a instância na qual a pesquisa se desenvolve. Como considerações finais posso afirmar que consegui alcançar as fronteiras, os fios que tecem a ordem discursiva em questão e que indicam que existe uma pedagogia feministavaishnavé. Essa pedagogia tem singularidades próprias e é uma pedagogia de consciência, luta e coletividade, aspectos que se voltam para questões comunitárias, de empoderamento recíproco, de saúde social e espiritual, de construção de pontes e comunidades de amor, de relações de coração para coração que conectam esperanças comuns. Essa pedagogia é formada por uma coletividade de saberes. Esses novos conceitos são os principais achados dessa tese. Concluindo, destaco que há, nessa tese, dois tipos de resultados de pesquisa. O primeiro se refere aos achados a partir da análise e descrição das fontes. O segundo é o achado do ponto de vista da teoria da arqueologia. Quer dizer, a reflexão feita sobre a arqueologia enquanto um modo de vida (arqueologia do viver).
  • NADIA FARIAS DOS SANTOS
  • SANKOFA: SABERES E PRÁTICAS DE PROFESSORES PEDAGOGOS PARA A EDUCAÇÃO DAS RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS EM CURSOS DE LICENCIATURA EM QUÍMICA DO IFRN
  • Data: 24/02/2023
  • Hora: 09:30
  • Mostrar Resumo
  • Uma educação antirracista pressupõe uma formação que valorize a história, a cultura e as identidades de seus pares, num processo dialético estabelecido e pensado para estas diversidades. A presente pesquisa tem como objeto de estudo a relação entre saberes e práticas acionados pelos professores pedagogos para a educação e ensino das relações étnico-raciais, buscando compreender a atuação dos docentes de Pedagogia nos cursos de Licenciatura em Química frente ao ensino dessa temática pautada no princípio da igualdade de direitos, reconhecimento e valorização da cultura afro-brasileira e africana e na aplicabilidade das legislações e normatizações orientadoras de uma proposta de formação para uma educação racial inclusiva. E como objetivo geral analisar saberes e práticas dos professores pedagogos para a educação das relações étnico-raciais dos cursos de licenciatura de Química do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte na perspectiva da afrocentricidade. Os objetivos específicos: identificar nos Projetos Políticos Pedagógicos dos Cursos de Licenciatura em Química do IFRN fundamentos epistemológicos e teórico-metodológicos afrocentrados no contexto das relações étnico-raciais; identificar os saberes e práticas afrocentrados mobilizados no exercício da docência dos professores pedagogos quanto a educação das relações étnico-raciais e compreender as interfaces e relações nos cursos de Licenciatura em Química do IFRN e o papel da educação das relações étnico-raciais. A pesquisa foi desenvolvida com os professores licenciados em Pedagogia que lecionam nos cursos de Química. Os dados foram coletados por meio de questionários online, entrevistas e Projeto Político Pedagógicos dos cursos, que foram analisados com a base na análise de conteúdos de Bardin e ancorados na teoria da afrocentricidade de Asante, fazendo uso de três categorias de análise: conscientização, localização e agências, conceitos centrais da perspectiva teórica adotada. A partir dos dados foi possível identificar os conteúdos de História e Cultura Afro-brasileira, africana e Indígena é tratado de forma superficial ou inexistente, revelando a ausência da centralidade africana e afro-diaspórica nos currículos. A pesquisa também revelou que essas ausências acontecem como reflexo da formação dos/as docente e do não cumprimento da obrigatoriedade das Leis 10.639/03 e 11.645/08, deixando a responsabilidade a cargo dos docente ou sob a responsabilidade dos Núcleo de Estudos de História e Cultura Afro-brasileira, Africana e Indígena. Outra conclusão desse estudo é o despreparo que os docentes para trabalhar a temática e ainda que há pouca ou nenhuma participação em formação na graduação, na pós-graduação e formação continuada e apontam essa condição como justificativa para as dificuldades de trabalhar a temática de forma mais contundente em suas salas de aula.
  • AURELIANA DA SILVA TAVARES
  • Ações interativas X políticas inclusivas: um estudo do espaço de convivência chamada – APAE/JP
  • Data: 17/02/2023
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • À décadas pesquisas vem sendo desenvolvidas em prol de uma melhor qualidade de vida das pessoas com deficiências. Algumas ações já foram iniciadas através da criação de leis e decretos que em alguns casos ainda não foram contemplados. Através das políticas públicas de inclusão lutamos a cada dia para que a sociedade entenda a importância de tratarmos o nosso próximo como nossos iguais independente de suas limitações. Assim, a tese terá como universo da pesquisa a Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais- APAE/Bancários/João Pessoa/Paraíba e propõe analisar o papel da APAE, após a Lei Brasileira de Inclusão nº 13146/2016, como agente de ação social inclusiva das pessoas com deficiência intelectual. Percorrerá num viés de cunho qualitativo, documental e bibliográfico com discurso no materialismo histórico dialético, cujo escopo são as políticas educacionais inclusivas que garantem a interação das pessoas com deficiência na Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais – APAE. O método da abordagem será o dedutivo que partirá do geral para o particular relacionado ao procedimento exploratório e descritivo com base num estudo de caso com coleta de dados na entrevista semiestruturada. Perceberemos que o desenvolvimento da tese ancorará em aportes teórico-metodológicos e também entre as ciências humanas e sociais que buscam compreender as dimensões econômicas, políticas, culturais e sociais do ato educativo com base nas proposições das políticas de inclusão para a pessoa com deficiência intelectual. Percebemos que a colaboração da sociedade é fundamental para que haja a inclusão social, a conscientização de que todos tem suas limitações e o diferente pode se tornar aceito entre os demais. Estas são colocações defendidas pelos direitos sociais e precisam ser respeitadas. Assim, a tese buscará ao longo do discurso defender movimentos que busquem uma melhor: educação, qualidade de vida, equidade social, efetivação das políticas de inclusão oportunizando as ações inclusivas cabíveis as pessoas com deficiências intelectuais.
  • ANNE JAQUELINE CLARK
  • Título: AMBIENTE HOSPITALAR: UM ESTUDO DAS PRÁTICAS LÚDICAS EDUCATIVAS NO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO LAURO WANDERLEY
  • Data: 14/02/2023
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • Durante o processo de internação, a criança se mantém afastada do seu cotidiano, de sua família, da escola, de seus amigos, da realidade na vida em sociedade, tais fatos influenciam diretamente e indiretamente no seu sistema emocional e no processo de recuperação. A suspensão das atividades do seu dia-a-dia, pode dificultar o desenvolvimento biopsicossocial da criança, podendo então causar danos na qualidade de vida, no processo de desenvolvimento da aprendizagem, e em seu processo de recuperação. Este trabalho, busca demonstrar a necessidade de espaços alternativos informais de aprendizagem com atividades lúdicas, mediadas pelo pedagogo nas unidades de saúde e os resultados otimizadores das ações pedagógicas, como influenciam positivamente na recuperação dessas crianças internas em unidades de saúde, garantindo vínculos escolares. A ludicidade das atividades nesses espaços alternativos de educação torna-se um “atrativo educacional” no processo de ensino e aprendizagem, estimulando o desenvolvimento intelectual e recuperação desse aluno. A criança expressa melhor os seus sentimentos, seus anseios e absorve melhor o novo momento por qual está passando quando se tem na rotina o acolhimento das práticas educativas lúdicas. O estudo está dividido em duas etapas de construção teórico - metodológica: primeiramente foi realizado um levantamento bibliográfico e documental, já no segundo momento foi realizada uma pesquisa de campo com aplicação de questionário virtualmente devido ao contexto hospitalar pandêmico e os desafios da COVID 19. Participaram da pesquisa oito pessoas, distribuídas entre profissionais da saúde que atuam na pediatria do HULW e profissionais da Educação que são integrantes do projeto: “Atendimento psicopedagógico à criança e ao adolescente hospitalizado: trabalho alternativo para o pedagogo”. Portanto o ensinar e aprender no ambiente hospitalar consiste em um grande desafio, fazendo com que seja vencido a cada dia.
2022
Descrição
  • MARIA FILOMENA SPINELLI ARAÚJO
  • Inclusão na Educação Superior de Pessoas com Deficiência- trajetórias de Permanência no setor público e privado
  • Orientador : EDINEIDE JEZINI MESQUITA ARAUJO
  • Data: 21/12/2022
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • A inclusão da pessoa com deficiência ainda representa um desafio que perpassa as modalidades de Educação como um todo, desde a Educação Básica até o Ensino Superior, em instituições tanto privadas quanto públicas. A expansão do acesso ao ensino superior tornou-se evidente nas últimas décadas, associada a uma política de inclusão, que criou possibilidades para o acesso das pessoas com deficiência. Nesse contexto, a pesquisa questiona qual a trajetória e as perspectivas de êxito das pessoas com deficiência no ensino superior e seu objetivo é analisar o processo de permanência das pessoas com deficiência no ensino superior público e privado a fim de relacionar fatores comparativos ao êxito acadêmico. Para tanto, busca-se mapear as políticas de permanência para as pessoas com deficiência nos cursos de graduação na esfera pública e privada; caracterizar o perfil sócioeducacional do discente com deficiência matriculado em cursos no ensino superior público e privado para diferenciar políticas e estratégias que viabilizem a permanência, além de analisar a trajetória do aluno com deficiência no ensino superior público e privado, reconhecendo fatores que facilitam ou dificultam sua permanência nos cursos de graduação da área de saúde. O estudo se caracteriza como uma pesquisa qualitativa, de caráter descritivo e exploratório na qual os sujeitos envolvidos serão as pessoas com deficiência que estiverem frequentando um curso de graduação na área de saúde, com tempo de permanência igual ou superior a 50% da duração do curso, em instituições públicas e privadas do município de João pessoa, tendo como base investigativa a trajetória acadêmica nesse nível de ensino. Os instrumentos a serem utilizados serão a Escala para Avaliação da Permanência Discente - EAPD e um roteiro de entrevista elaborado pela pesquisadora. Entretanto, para aperfeiçoar os respectivos instrumentos com vista a uma melhor qualificação dos resultados pretende-se realizar um Pré-teste com alunos tanto de instituição pública quanto de privada. As análises serão fundamentadas do ponto de vista teórico através de Pierre Bourdieu, com os conceitos de capital cultural, social e econômico. Os dados quantitativos coletados através do questionário serão tabulados no programa SPSS - Statistical Package for the Social Sciences e a análise qualitativa dos dados terá como base a Análise de Conteúdo de Laurence Bardin, de modo que a pesquisa possa contribuir para pensar os processos de permanência na Educação superior e a elaboração de políticas inclusivas.
  • REBECA LEITÃO GOUVEIA
  • O Estágio Supervisionado nas Licenciaturas: a concepção do professor orientador sobre a dimensão da prática
  • Data: 20/12/2022
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • O Estágio Supervisionado (ES), disciplina obrigatória no currículo dos cursos de Licenciatura, é o espaço que insere os discentes no seu futuro local de trabalho, o ambiente escolar, de maneira a possibilitar o conhecimento das demandas da realidade escolar e a aproximação com a realidade em que irão atuar como professores. Ao proporcionar essa inserção, é inegável que, em comparação com as demais disciplinas dos cursos de Licenciatura, o ES carrega o status de “disciplina prática do curso”, entretanto, a natureza dessa prática necessita ser compreendida, o que levou ao desenvolvimento da presente pesquisa. Ao considerar o professor como um sujeito construído histórica e socialmente, a sua concepção do mundo constitui um dos elementos na construção da disciplina que ele ministra. Portanto, a concepção de prática do docente orientador de ES também influencia o modo com que esse sujeito social orienta a disciplina. Nesse sentido, a presente pesquisa tem como objetivo geral, compreender a concepção de prática dos docentes orientadores da disciplina de Estágio Supervisionado nos cursos de Licenciatura na UFPB, na perspectiva da dialética teoria e prática. A pesquisa tem como fundamento teórico-metodológico o materialismo histórico-dialético, que, pelo movimento dialético, permite conhecer a totalidade e a essência do objeto deste estudo em suas relações e contradições, situando-o no seu contexto histórico. A pesquisa de natureza qualitativa investigou a concepção de prática de 8 (oito) docentes que ministram a disciplina de ES nas Licenciaturas, utilizando como instrumento para a coleta de informações, a entrevista semiestruturada. Apesar das diferentes perspectivas de prática presentes nos cursos de Licenciatura, acredita-se que é impossível analisar a prática sem considerar a teoria, ou seja, sem considerar a relação dialética de unidade e contradição entre a teoria e a prática e, consequentemente, enquanto transformação do homem e da natureza social, enfim, como práxis. O presente estudo permite destacar que a concepção de prática no ES está orientada, de forma majoritária, pela Epistemologia da Prática, ainda que o docente não esteja consciente dessa abordagem, uma vez que evidenciam o ES como o momento da prática individual e fragmentada, tendo as teorias um caráter utilitário nesse campo.
  • HEDGARD RODRIGUES DA SILVA
  • A regulação do trabalho no Programa de Educação Integral da Paraíba: a percepção dos docentes
  • Data: 16/12/2022
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • A criação das Escolas Cidadãs Integrais foi um marco para o nascimento do Programa de Educação Integral da Paraíba (PEIPB), para a oferta de Ensino Médio em tempo integral, com uma série de mudanças na organização da escola e do trabalho docente. O PEIPB efetivou um novo currículo com disciplinas diferenciadas, práticas pedagógicas para o projeto de vida do estudante, instrumentos de gestão para acompanhamento pedagógico e administrativo e implantou o Regime de Dedicação Docente Integral (RDDI). Esta tese procurou conhecer mais profundamente essas mudanças, a partir da percepção de como os professores do Ensino Médio em RDDI interpretam o processo de regulação do trabalho docente no PEIPB. Para tanto, estabeleceu-se como objetivo geral da pesquisa compreender como as mudanças no processo do trabalho docente no PEIPB impactaram a profissionalidade dos professores do Ensino Médio em RDDI. A metodologia da pesquisa contou com estudos quantitativos e qualitativos. Por meio de levantamento documental e revisão bibliográfica, buscou-se conhecer as orientações das políticas mais recentes que informam o PEIPB. A pesquisa de campo foi realizada de forma integrada à pesquisa As condições de oferta da Educação Básica pública em quatro estados do Nordeste do Brasil, desenvolvida pelo Grupo de Estudos sobre Política Educacional e Trabalho Docente da Universidade Federal de Minas Gerais. Os dados foram coletados por meio de questionário e grupo focal e analisados por meio do emprego de técnicas de tratamento estatístico e análise de conteúdo, delimitada nas categorias: carga de trabalho, avaliação docente, relação com a gestão escolar, autonomia didática e remuneração. Nas considerações finais a tese aponta que o trabalho docente no PEIPB apresenta sobrecarga de trabalho, resultando em sua intensificação. Conclui ainda que esse trabalho tem sido desenvolvido sob pressão, controle e cobrança por parte da gestão e da Secretaria de Estado da Educação, Ciência e Tecnologia. Ressalta também a instabilidade e rotatividade entre os professores nas escolas pesquisadas, assim como, a denúncia à autonomia condicionada e a manifestação de insatisfação com a remuneração e o plano de cargo e carreira. A tese conclui que o PEIPB reforça os processos de responsabilização docente e da escola que já vinham sendo empregados na rede estadual de ensino da Paraíba, que tem sido alvo de resistência dos professores por meio de formas coletivas de organização e de colaboração entre eles.
  • VANESSA GONCALVES LIRA
  • “O BEDEL DO LICEU DESEMPENHA BEM O SEU LUGAR” - UM OLHAR SOBRE OS BEDÉIS DA PARAHYBA DO NORTE (1836-1889)
  • Data: 15/12/2022
  • Hora: 15:00
  • Mostrar Resumo
  • Trata-se de um trabalho dissertativo que tem por objetivo compreender o cargo de bedel no Lyceo da Parahyba do Norte. Para tanto, nossas fontes são os estatutos do colégio nos anos de 1837, 1846 e 1886, as legislações Oitocentistas sobre instrução pública e documentos burocráticos manuscritos coletados no Arquivo Histórico Waldemar Bispo Duarte – Funesc. O recorte temporal escolhido para este estudo é de 1836 a 1889, sendo o marco inicial o ano no qual se criou o cargo de bedel no colégio de ensino secundário na Parahyba e final a última menção a tal ocupação na imprensa paraibana. Trabalhamos a organização da instrução pública a partir dos seus empregados e entendemos que existiu uma organização no sistema disciplinar de poder da qual o bedel foi protagonista quanto ao tema disciplina escolar. Vimos a diferença entre cargo, função e sujeito. O cargo é o título do emprego, a função as obrigações a serem cumpridas e os sujeitos foram as pessoas que fizeram ou não as regras serem seguidas. Concluímos que o cargo de bedel foi pensado para manter a ordem no Lyceo. No entanto, quando tratamos dos sujeitos encontramos distinções de lugares social a saber: Gervazio Victor da Natividade foi bedel, tenente e jornalista de impresso pernambucano, Laurindo Peregrino Bandeira de Mello, bedel e professor de ensino primário e Joaquim Pavão de Vasconcellos, bedel e alferes.
  • SAULO JOSÉ VELÔSO DE ANDRADE
  • RETORNO E PERMANÊNCIA DE IDOSOS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NO MUNICÍPIO DE JOÃO PESSOA-PB
  • Data: 07/12/2022
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • A presente tese versa sobre o retorno e a permanência de idosos no ambiente escolar, na modalidade da Educação de Jovens e Adultos. Esse fato acontece em decorrência do envelhecimento populacional brasileiro, fenômeno atestado pelos dados oficiais do país. O retorno e a permanência deste contingente à sala de aula estão ancorados no direito à educação, conforme legislação específica vigente. A educação para esse público se revela como um elemento a serviço da emancipação do indivíduo, possibilitando a superação de estigmas, preconceitos e marginalização, ainda sofridos por essa população. O estudo ateve-se a seguinte problemática: como é efetivado o direito humano e constitucional à educação dos idosos a partir do retorno destes à escola através da EJA? O objetivo geral visou analisar as razões pelas quais idosos, matriculados na EJA no município de João Pessoa-PB, retornam e permanecem em sala de aula, e, os específicos, propõem-se a refletir sobre o processo de envelhecimento e suas implicações no cotidiano dos idosos, problematizar a Educação de Jovens e Adultos em diferentes dimensões e perspectivas para atendimento ao idoso, descrever os principais desafios que os alunos idosos enfrentam ao retornar à sala de aula, e identificar o valor social que os idosos atribuem à escola. A pesquisa está embasada em documentos como a Constituição Federal (CF), de 1988; o Estatuto da Pessoa Idosa (EPI), de 2003; e a Política Nacional do Idoso (PNI), de 1994. Além desses, apoiamo-nos em estudos cunhados por Camarano e Pasinato (2004), Schneider e Irigaray (2008), Scortegagna e Oliveira (2010), Pereira (2012) e Camarano (2016), os quais, alinhados a tantos outros, tornam-se artefatos teórico-metodológicos que dão sustentação conceitual. Trata-se de uma pesquisa exploratória, de abordagem qualitativa. Foram ouvidos 11 (onze) idosos matriculados na EJA, entre os meses de abril e maio de 2022, nas cinco escolas que registraram os maiores quantitativos dessas matrículas, entre 2011 e 2020, no município de João Pessoa-PB. Utilizamos a técnica da entrevista semiestruturada, e as falas geradas foram analisadas à luz da Análise de Conteúdo, segundo Bardin (2016). Os resultados indicam que, ao estarem na escola, os estudantes idosos permanecem em sala de aula porque almejam o bem-estar, a formação profissional, a conquista da autonomia e o exercício da memória, ressignificando sua forma de ser e estar na velhice. Os dados ainda reforçam a necessidade de uma educação que considere as orientações presentes na PNI e no EPI, para garantir não apenas o acesso, mas a sua permanência no espaço escolar. Concluímos que o modelo de educação vigente na EJA torna-se antagônico, por não estar alinhado com a realidade e as especificidades dos idosos, reforçando a seguinte tese: o retorno e a permanência de alunos idosos, matriculados na EJA, no município de João Pessoa-PB, são motivados por interesses relacionados à convivência com seus pares e amigos, além da realização pessoal na velhice, e não exclusivamente pelo processo de escolarização.
  • THEOFFILLO DA SILVA LOPES
  • POR UMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL CRÍTICA NA FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES/AS: possibilidades emancipatórias em Licenciaturas da UFPB.
  • Data: 07/12/2022
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • Este estudo se desenvolveu em uma abordagem qualitativa da pesquisa em educação sobre a prática e as discussões da Educação Ambiental Crítica na Formação Inicial de Professores/as. Na perspectiva das demandas sociais sobre a educação, a partir dos novos saberes científicos, filosóficos, tecnológicos e teóricos sobre os problemas ambientais que a humanidade enfrenta na atualidade, e como esses saberes e suas problemáticas necessitam estar presente na formação dos profissionais que atuarão nas práticas educativas, este trabalho teve como objetivo analisar as possibilidades de ressignificação de concepções/ações sobre Educação Ambiental, através de um processo de formação complementar, desenvolvido de forma crítica na formação inicial de professores/as dos cursos de Licenciatura em Ciências Sociais, História, Geografia e Ciências Biológicas da Universidade Federal da Paraíba, Campus de João Pessoa. Nesse sentido, em coerência com premissas críticas da pesquisa em educação, o estudo teve como orientação epistemológica o Materialismo Histórico Dialético, compreendendo o caráter não neutro da educação e da investigação e esteve ancorado em uma Pesquisa-Ação, realizada a partir de um curso de formação complementar sobre a Educação Ambiental Crítica, oferecido a estudantes das licenciaturas aqui investigadas, garantindo a adesão e participação dos mesmos, de forma prático-interpretativa e mediante ações críticas. Para a realização dos objetivos da pesquisa ainda foram analisados os Projetos Pedagógicos dos Cursos (PPC) e aplicado um questionário semiestruturado aos participantes da pesquisa. A análise dos resultados foi realizada a partir da Análise de Conteúdo em uma perspectiva crítica, que caminha com pressupostos da investigação como uma construção real da sociedade e expressão da existência humana. Os resultados demonstram que os aspectos ambientais presentes nos PPCs, que apresentam a totalidade das problemáticas ambientais, estão concentrados nas disciplinas optativas dos cursos, enquanto as disciplinas obrigatórias se detêm nos aspectos naturais. Essas características conflitivas encontradas nos currículos são refletidas nas concepções dos/as estudantes, revelando que, mesmo compreendendo a finalidade da EA de forma crítica, suas concepções sobre conceitos, objetivos, abordagem da temática e conteúdos e temas a serem trabalhados, ainda caminham em uma tendência Conservadora da EA. Em outra via, foi possível verificar que práticas críticas, que incluem a práxis educativa de ação-reflexão-ação, puderam suscitar novas concepções, construindo coletivamente novas posturas diante de si, do mundo, do outro e da natureza. Dialeticamente, compreendendo o caráter de historicidade, do devir e do contraditório da realidade concreta, considera-se a necessidade de uma prática educativa ambiental problematizadora na formação inicial de professores/as, que se ancora na práxis e na dialética existente na educação e nas problemáticas ambientais, rompendo com os paradigmas positivistas, tradicionais e pragmáticos, coerente com fundamentos teóricos, epistemológicos, metodológicos e ontológicos das teorias críticas da educação.
  • JULYANA JESSYKA GONÇALVES CASIMIRO LIMA
  • “MAIS QUE UMA ESCOLA, VALORES PARA A VIDA”: COLÉGIO NOSSA SENHORA AUXILIADORA E A EDUCAÇÃO DE MULHERES (1957-1958)
  • Data: 30/11/2022
  • Hora: 15:00
  • Mostrar Resumo
  • Esta pesquisa insere-se no conjunto de estudos acadêmicos sobre instituições educativas confessionais católicas e a formação feminina para o magistério no século XX. Perscrutamos analisar as condições de possibilidades para criação do Colégio Nossa Senhora Auxiliadora na cidade de Sousa - Paraíba, bem como a formação feminina para o magistério, nos anos de sua implementação e fundação (1957-1958), buscando compreender as relações entre sociedade, educação escolar e religião, e suas articulações com os modelos sociais, culturais e educacionais difundidos à época. O Colégio Nossa Senhora Auxiliadora, lócus da pesquisa, foi implantado pelo Vigário João Cartaxo Rolim, que contou com a colaboração da elite sousense e a administração da Congregação das Filhas de Santa Teresa de Jesus. O prédio doado pela família Mariz para fins educativos, localizado no centro da cidade, foi reformado, mobilhado e destinado para a formação primária, "ginasial", secundária e o pedagógico. Funcionando em regime de internato, externato e semi-internato, este teve em seu 1° ano de funcionamento 218 alunas matriculadas. Este estudo sustenta-se numa abordagem qualitativa pautada na análise documental direta e indireta enquanto método investigativo, concentrada na área da História da Instituições Escolares apoiada nos referenciais teórico-metodológicos emanados da História Cultural e da Sociologia enquanto eixo analítico. No Brasil República, diante dos processos de modernização e urbanização das cidades brasileiras, há uma intensificação considerável dos valores sociais, da importância da família, bem como o papel das mulheres, vistas como capazes de educar e preparar o “novo cidadão” da sociedade emergente, porém essa educação deveria ser mínima, voltada apenas para as primeiras letras e afazeres domésticos. Nessa perspectiva, com o alargamento do projeto expansionista do catolicismo, Igreja Católica e elite sousense, em regime de cooperação, viram num colégio de freiras, o melhor lugar para preparar as moças para o lar e a vida na sociedade em desenvolvimento. Com o lema “ciência, fé, cidadania”, o CNSA incentivou a transformação da sociedade à luz dos valores cristãos, e assim foi construindo um marco imperecível na sociedade local.
  • ALICE MARIA SANTOS RAMOS
  • LUGAR DE BEBÊ É NA CRECHE E NÃO NO CÁRCERE: A (DES)PROTEÇÃO DA INFÂNCIA PELO ESTADO.
  • Orientador : ADELAIDE ALVES DIAS
  • Data: 30/11/2022
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • A presente pesquisa tem como objetivo analisar a efetivação do direito à educação para bebês filhos de mães presas, ante a observância do direito à educação infantil assegurado pelo ordenamento jurídico de proteção à infância, bem como o que é feito pelo Estado para garantir o exercício de tal direito, tendo em vista que a mãe encontra-se interna no estabelecimento prisional. Com a promulgação da Constituição da República Federativa do Brasil de 1988, a Doutrina da Proteção Integral foi recepcionada pelo ordenamento jurídico brasileiro, que reconheceu todas as crianças e adolescentes como sujeitos de direitos, colocando-os à salvo de qualquer forma de negligência, discriminação, exploração, violência, crueldade e opressão, punindo na forma da lei qualquer atentado, por ação ou omissão, aos seus direitos fundamentais. É nesse contexto que surge a problemática dessa pesquisa, tendo em vista que se a todas as crianças e adolescentes é garantido os direitos fundamentais essenciais ao ser humano, inclui-se aí os bebês que permanecem com suas mães nos estabelecimentos prisionais, notadamente, no tocante ao exercício ao direito à educação. Especificamente, objetivou-se: contextualizar o encarceramento feminino mediante estudo da realidade carcerária brasileira; mapear nromativas nacionais e internacionais de proteção à infância, as quais asseguram à todas as crianças os direitos fundamentais ao ser humano, inclusive para bebês que se encontram com suas mães presas; abordar o direito à educação no campo prisional às crianças filhas de mães presas, e; retratar a realidade educacional das crianças filhas de mães encarceradas, no Centro de Reeducação Feminino Maria Júlia Maranhão, na cidade de João Pessoa, no Estado da Paraíba. Tendo em vista a problemática do aumento de mulheres mães de filhos pequenos no sistema prisional, anunciamos a Tese de que o Estado não garante o direito à educação infantil aos seus bebês, uma vez que exime-se do provimento de acesso a creches de qualidade, expondo-os à rotina diária do cárcere. Trata-se de uma pesquisa do tipo descritiva-empírico, com abordagem qualitativa, fazendo-se uso das técnicas de análise documental, diário de campo e da entrevista narrativa, cujos sujeitos são as mulheres presas com filhos de até seis meses de idade. Os dados obtidos na pesquisa foram analisados com base nos métodos interpretativos críticos, os quais foram capazes de explicar a realidade educacional das bebês filhas de mães presidiárias. Constatou-se a violação do direito fundamental à educação desses bebês, tendo em vista o despreparo e a inadequação da instituição prisional em manter bebês em suas dependências sem garantias mínimas da qualidade do seu desenvolvimento integral, tal como preconiza a legislação pertinente sobre educação infantil. Inexiste um olhar mais atento por parte do Sistema de Garantia de Direitos para com os bebês que estão no cárcere. Desta feita, conclui-se, que apesar de termos a legislação pátria mais avançada do mundo de proteção à infância, verifica-se a não aplicabilibilidade dos ditames legais, ficando o bebê filho de mãe presa à margem da sociedade e invisivel para o Estado. Como contribuição acadêmica, ressalta-se a necessidade de o Estado repensar sua política carcerária de modo a contemplar a especificidade de gênero nas instituições prisionais, a fim de garantir que os bebês tenham acesso a ambientes que permitam seu pleno desenvolvimento, com a garantia de creches em período integral, para que eles possam efetivamente terem seu direito à educação infantil assegurado.
  • MARIA PORCINA DE MACÊDO SANTOS
  • PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DE DOCENTES DA EDUCAÇÃO BÁSICA NO ENSINO REMOTO: CIBERESPAÇO E MULTILETRAMENTO
  • Data: 25/11/2022
  • Hora: 09:30
  • Mostrar Resumo
  • Em tempos de pandemia, novas ferramentas digitais puderam ser problematizadas e discutidas, com o objetivo de adaptá-las e encará-las como meio didático, a fim de reorganizar e redirecionar o processo de ensino-aprendizagem. A presente pesquisa tem como objetivo analisar as práticas pedagógicas, no contexto do ciberespaço e multiletramento, de docentes que atuam no itinerário formativo de Linguagens e suas Tecnologias em uma escola pública estadual da Paraíba durante o ensino remoto emergencial. Este estudo é de natureza qualitativa, cujo percurso metodológico foi delineado pelo método fenomenológico apresentado por Husserl (1975; 1990; 2006), tendo como lócus uma Escola Cidadã Integral Técnica de Ensino Médio, localizada no interior do estado da Paraíba. A técnica utilizada para a coleta de dados foi a entrevista, tendo como instrumento o roteiro semiestruturado, cujos sujeitos da pesquisa são os docentes do itinerário formativo de Linguagens e suas Tecnologias da referida escola. A técnica de análise dos dados foi norteada pela teoria de Bardin (2011; 2016), no prisma da análise temática categorial. Nessa direção, buscamos um aparato teórico sobre ciberespaço à luz de Pierre Levy (1999; 2000; 2077; 2009; 2010) e sobre o multiletramento de Roxane Rojo (2012; 2013); sobre as Práticas Pedagógicas Modernas discorreremos à luz de Franco (2015), Sacristán (1999) e Libâneo (2005); quanto às práticas de linguagens, os itinerários formativos e as competências gerais faremos uso do documento da BNCC (2017; 2018) para nos nortearmos. Após uma breve discussão sobre o ensino remoto emergencial e os novos espaços de aprendizagem, expomos a pesquisa de campo que está dividida em seções que remetem às três formas de descrição fenomenológica – noema, noese e variação eidética, para então começar a analisar as categorias analíticas e empíricas com olhar criterioso, enriquecendo a pesquisa com teorias que são pertinentes para uma melhor compreensão do nosso objeto. Assim, a partir da análise das categorias apresentadas, evidencia-se que, apesar de o ensino remoto emergencial ter alguns pontos que foram satisfatórios para a prática docente em algumas situações, a desigualdade social e a falta de inclusão digital por parte principalmente dos discentes, ocasionou impactos negativos na leitura, escrita, conhecimento de mundo, produção e interpretação textual no processo de aprendizagem que já estão sendo sentidos com o retorno às aulas na modalidade híbrida.
  • LUZIEL AUGUSTO DA SILVA
  • MEMÓRIAS DA DOCÊNCIA: O PERCURSO FORMATIVO DA PROFESSORA MARIA SALETE VAN DER POEL NA EDUCAÇÃO POPULAR (1960-1970)
  • Data: 14/11/2022
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • Esta pesquisa analisou o percurso formativo da professora Maria Salete Van Der Poel, considerando sua trajetória docente e as memórias de suas experiências na Educação Popular nos anos de 1960-1969, buscando compreender a história da docência e da educação popular na Paraíba na década de 1960, um período marcado por mudanças socioeconômicas, problemas sociais – altas taxas de analfabetismo e a falta de participação popular nas decisões do país – e emergência dos movimentos sociais e culturais impulsionados pelos segmentos intelectuais do nordeste, principalmente de Pernambuco, Paraíba e Rio Grande do Norte. Metodologicamente, esta é uma pesquisa (auto) biográfica que foi realizada a partir das fontes biográficas, legais e orais. E para análise desses materiais utilizamos a análise documental, realizando uma interpretação dos dados à luz do referencial teórico. Os resultados possibilitaram perceber que o percurso de formação da professora se constituiu atravessada de vários confrontos sociopolíticos (governo autoritário/Regime Militar e Movimentos sociais/ideias progressistas), embates ideológicos educacionais (política educacional alinhada ao capital, concepção de educação pautada no capitalismo e no governo militar e a emergência do pensamento de Paulo Freire e sua concepção de educação libertadora) e afirmações profissionais (afirmação como professora, militante e educadora popular). Bem como, contribuiu para compreensão da docência em espaços de Educação Popular.
  • IVANILDA DANTAS DE OLIVEIRA
  • A Proposta Curricular para a Educação Infantil da Paraíba e suas relações com as DCNEI e a BNCC-EI
  • Data: 25/10/2022
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • As políticas curriculares para Educação Infantil demandadas após a promulgação da Constituição Federal (1988), foram se materializando em meio a embates e disputas acerca da função dessa etapa da Educação Básica, trazendo como desdobramentos dissensos em relação aos fundamentos que devem nortear a educação das crianças de 0 a 6 anos. Imbuídas dessa compreensão, elencamos como objetivo principal analisar como os fundamentos políticos e pedagógicos que orientam as DCNEI incidem na BNCC-EI e na Proposta Curricular da Paraíba-EI. Assumimos como tese, que os pressupostos das DCNEI, apesar de reivindicados nos textos da BNCC–EI e da Proposta Curricular da Paraíba-EI, não se constituem seus fundamentos. Optamos, então, pela pesquisa qualitativa alinhada ao paradigma social interpretativo, por privilegiarmos a análise das falas dos sujeitos entrevistados, assim como os contextos sócio-histórico-político e pedagógico que conformaram o processo de construção das referidas políticas curriculares, a fim de desvelar os pressupostos implícitos, conflitos, oposições e chegar a uma compreensão enriquecida do fenômeno social pesquisado. Para tanto, realizamos a revisão bibliográfica acerca das políticas curriculares mandatórias para Educação Infantil e, de forma concomitante, empreendemos uma pesquisa documental e empírica. Nesta última, elegemos como sujeitos da pesquisa 1 (um) representante do comitê gestor e 4 (quatro) da assessoria técnica que atuaram na elaboração da Proposta Curricular da Paraíba-EI. A organização dos dados coletados seguiram as orientações da Análise de Conteúdo fundamentada na acepção de Bardin, através da análise categorial temática. Os resultados da pesquisa documental nos indicam que o processo de revisão das DCNEI (2010) contou com uma participação ampliada de atores públicos e dos movimentos sociais, que, por meio de discussões e negociações, construíram consensos em relação às concepções que deveriam nortear as Propostas Pedagógicas/Curriculares de creches e pré-escolas de todo o país. Em contrapartida, a conjuntura política em que se deu o processo de elaboração da BNCC-EI e da Proposta Curricular da Paraíba-EI evidenciou a hegemonia do Movimento pela Base e seus intelectuais, o que conformou um currículo nacional que subordina a formação das crianças à lógica do mercado. Em relação aos pressupostos das referidas políticas, as DCNEI (2010) apresentam coerência entre a concepção de criança, Educação Infantil, proposta pedagógica e currículo, consoante ao projeto de educação emancipatório defendido. Diferentemente, nos documentos da BNCC-EI e da Proposta Curricular da Paraíba-EI tais concepções são utilizadas para validar o discurso da continuidade de fundamentos em relação às DCNEI, mas esses não são a base do arranjo curricular, assumindo centralidade as competências e habilidades, os objetivos de aprendizagem, desenvolvimento e as sínteses de aprendizagem, por permitirem o controle do que é ensinado às crianças e a regulação do trabalho docente. Apontamos, assim, a necessidade de que as instituições reivindiquem sua autonomia na formulação do seu projeto político pedagógico e do seu documento curricular. Entretanto, para atingir tal fim se faz necessário investir-se na formação continuada dos/as professores/as da Educação Infantil na perspectiva do desenvolvimento integral da criança, dissociando-se, desse modo, do processo de construção de competências, habilidades e de objetivos de aprendizagem propostos na BNCC-EI e na Proposta Curricular da Paraíba-EI, pois esses não garantem sequer os direitos de aprendizagem.
  • SERGIO ANDRADE DE MOURA
  • INCIDÊNCIA DE ATORES PRIVADOS E DE PROCESSOS DE PRIVATIZAÇÃO NA POLÍTICA EDUCACIONAL DO ESTADO DA PARAÍBA
  • Data: 14/10/2022
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • A privatização da educação é um fenômeno complexo e multifacetado que está acontecendo, em âmbito global, no contexto da hegemonia do neoliberalismo, das reformas de Estado norteadas pela Nova Gestão Pública e da agenda de livre mercado para a educação. Assim como, resulta de uma intensa atuação de múltiplos atores em redes de políticas, em diversos níveis, dimensões e contextos, diante de uma mudança paradigmática das relações entre os governos, a nova filantropia e o mercado. A privatização da educação ocorre por meio do emprego de múltiplas estratégias e tecnologias políticas nas reformas educacionais, inspiradas nas “soluções” e nas “melhores práticas” do mercado, que promovem uma reconfiguração do setor público educacional sob os argumentos discursivos de alcançar uma maior eficiência e uma suposta melhor “qualidade” (BALL; YOUDELL, 2007; BALL, 2014; VERGER, FONTDEVILA, ZANCAJO, 2017). Nesse cenário, o objetivo desta tese é analisar, no contexto de reformas da Nova Gestão Pública da última década, a incidência de atores privados e as estratégias empregadas nos processos de privatização da educação na rede de ensino do estado da Paraíba. Para tanto, a pesquisa foi desenvolvida empregando a revisão da literatura e o levantamento e análise documental referente ao objeto investigado. Além disso, utiliza como referencial teórico-metodológico a Abordagem do Ciclo de Políticas (Policy Cycle Approach) (BOWE; BALL; GOLD, 1992) e ancora-se na chave analítica apresentada por Ball e Youdell (2008) que categoriza a privatização da educação pública em duas formas fundamentais: endógena e exógena. Como resultado deste estudo, constatou-se uma acentuada atuação de atores privados na educação pública paraibana. As evidências apontaram, em primeiro lugar, que atores privados celebraram parcerias público-privadas com o estado da Paraíba, mobilizaram recursos humanos, financeiros e materiais, e na condição de experts realizaram consultorias, forneceram materiais, promoveram a formação de professores e gestores, propuseram “soluções” e transferiram modelos pedagógicos e de gestão inspirados nas tecnologias e padrões gerenciais privados, prestaram serviços por meio do emprego de contratos de gestão e assim por diante. Além disso, participaram dos processos de formulação, planejamento e decisão das políticas educacionais, junto a governantes, formuladores de política e funcionários públicos, numa estrutura coordenada, interconectada e interdependente que é característica de uma governança heterárquica. As evidências indicaram, em segundo lugar, a ocorrência de um processo de reforma educacional, explicitamente articulada com as novas formas de poder e gestão estatal, que empregou diversas estratégias e tecnologias políticas inscritas no âmbito da racionalidade gerencial da Nova Gestão Pública, como avaliações estandardizadas em larga escala, adoção de objetivos e padrões de aprendizagem definidos centralmente, contratualização de metas explícitas, ênfase na responsabilização (accountability), estímulos à competição e à constituição de quase-mercados, como também da meritocracia mediante o pagamento de bônus financeiro vinculado ao desempenho individual, dentre outros. Ao longo desse processo as fronteiras entre o público e o privado tornaram-se turvas, a educação foi reconfigurada segundo os padrões da Nova Gestão Pública e a privatização na e da educação foi impulsionada na rede de ensino do estado da Paraíba.
  • CLEIDE MARIA FERRAZ
  • GESTÃO ESCOLAR E A POLÍTICA EDUCACIONAL: UM ESTUDO NA REDE PÚBLICA MUNICIPAL DE ENSINO DO RECIFE
  • Data: 28/09/2022
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • Esta pesquisa teve como objeto de estudo a gestão escolar, considerando os embates pela democratização da gestão educacional no Brasil, no período prevalecente de 2013 a 2022. Teve como objetivo geral apreender como se materializa a ação de gestores escolares no sistema municipal de ensino do Recife considerando a perspectiva da gestão democrática - participativa. E, como objetivos específicos: analisar em perspectiva democrática os processos de diálogo/consenso/participação dos sujeitos nos processos decisórios e na dinâmica escolar; identificar as políticas inclusivas implementadas na gestão escolar-pedagógica; identificar como os gestores escolares entendem as percepções de professores sobre autonomia escolar - docente, em uma perspectiva cidadã. Para tanto, buscou-se examinar as experiências de gestores, identificando os aspectos democráticos de participação e autonomia, gestão pedagógica e política inclusiva, com base em autores como Freitas (2016), Aguiar (2008, 2004), Dourado (2017, 2016), Paro (2010, 2007, 2001), Santos (2010, 2002), Lima (2014, 2001) e outros. A pesquisa, de corte qualitativo, assenta-se na perspectiva teórico-epistemológica gramsciana do Estado em Ação, para analisar o campo das políticas educacionais e os processos de materialização no âmbito dos processos gestionários no sistema de ensino. A metodologia contemplou a técnica da observação direta intensiva conforme Lakatos e Marconi (1988). Os instrumentos de coleta de dados foram a pesquisa bibliográfica, a pesquisa documental e a entrevista semiestruturada com vinte sujeitos implicados no desenvolvimento da política em análise: seis gestores, seis vice-gestores e oito coordenadores pedagógicos, de seis escolas públicas municipais do Recife. As entrevistas realizaram-se em 2021 e a pesquisa documental incide de 2002 a meados de 2022 abrangendo principalmente o governo municipal 2013-2020. Os dados foram tratados e analisados mediante a análise de conteúdo (BARDIN, 2016) e, complementarmente, foram analisados dados obtidos em entrevistas com dois membros da equipe técnica da Secretaria de Educação e dois do Sindicato Municipal dos Profissionais do Ensino da Rede Municipal do Recife - SIMPERE. O método de abordagem se aproxima do dialético e o método de procedimentos consiste no analítico-dedutivo. A análise revela valorização da participação nos internos processos de tomada de decisão, vivenciam-se mecanismos de gestão democrática mediante o Conselho Escolar e o Projeto Político Pedagógico, valorizando-se a participação externa. Há ênfase na política inclusiva de portadores de necessidades especiais. Pode-se concluir que a gestão pedagógica movimenta o fluxo comunicacional das orientações do espaço meso para o micro, contudo, prevalecem as orientações de caráter instrumental da esfera superior em detrimento de verdadeira escuta à base local. Observa-se fragilidade de autonomia docente e escolar se considerada a perspectiva cidadã. Conclui-se que as falas têm sintonia com uma concepção de gestão escolar democrática, no entanto a teoria da gestão democrática parece perder consistência na concepção do governo de cunho gerencialista, cujas orientações são limitadoras à gestão democrática; os professores acreditam numa democracia mais ampla, porém há limitações.
  • JANAINA AGUIAR DA SILVA
  • A EDUCAÇÃO COMO RAIZ: A trajetória de vida sindical de Valdirene Maria dos Santos Rosas (2011-2020)
  • Data: 26/09/2022
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • A proposta dessa pesquisa versa na utilização das narrativas orais sobre a trajetória de vida sindical da Sr.ª. Valdirene Maria dos Santos Rosas, analisando suas práticas educativas dentro do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Rio Tinto - PB (STR/RT). O marco temporal dessa pesquisa tem início em 2011, ano de sua primeira posse como presidente sindical e encerra-se em 2020 com o início da pandemia da COVID-19. Nascida no Sítio Curral de Fora, zona rural da cidade de Rio Tinto, ex-professora da educação básica e ex-catequista da igreja católica, Valdirene é objeto e fonte para a escrita dessa dissertação e para a História da Educação da Paraíba. Essa trajetória foi investigada através de relatos de memória, buscando responder como ocorrem os processos de práticas educativas da sindicalista, observando os possíveis vestígios da educação formal nos espaços sociais onde ocorre a educação popular. Esta pesquisa está amparada teórico-metodologicamente no aporte teórico da Nova História Cultural e se apoia nos estudos sobre memória e história oral, pela qual se destacam Legoff (1990) e Thompson (2002). Os estudos desses autores trazem uma reflexão a respeito da importância das narrativas orais e da memória como fonte de pesquisa para a compreensão dos sujeitos dentro da história. Essa investigação ocorreu por intermédio da metodologia de entrevistas orais, utilizando como base um roteiro de entrevista. Outras fontes também foram acrescentadas como suporte para o andamento da pesquisa, evidenciando todo o trajeto feito pela sindicalista na educação popular (Atas documentais do STR e fotografias). Através das narrativas orais é possível ao pesquisador conhecer a história sob as lentes de quem a narra, oportunizando uma comparação dos seus conhecimentos prévios que o pesquisador tem sobre o objeto de pesquisa e o que lhes serão apresentadas pelo próprio narrador. Conhecer os desdobramentos das práticas educativas da sindicalista dentro do espaço sindical, leva-nos a perceber dentro desse contexto, possíveis sinais de uma continuidade educativa enraizada no ensino formal, pelo qual é possível evidenciar aspectos que constroem a história da educação.
  • JOSICLEIDE FARIAS GUIMARÂES
  • A PROPOSTA PEDAGÓGICA EM ESCOLAS DE TEMPO INTEGRAL: A concepção dos tutores sobre a tarefa para casa na perspectiva da colaboração em Vigotski
  • Data: 02/09/2022
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • RESUMO A tarefa para casa é um instrumento pedagógico bastante utilizado no meio docente, trata-se de uma prática presente na escola desde o Brasil Colônia. Nos últimos anos a escola de tempo integral vem ressurgindo de forma mais ampla e se efetivando em diversos municípios brasileiros. Com a jornada escolar ampliada, o aluno passa a realizar a tarefa para casa na própria escola sob a orientação da tutora. Embora esteja presente no cotidiano escolar, a tarefa para casa enquanto objeto de estudo científico, apresenta estudos ainda incipientes e aparece em alguns trabalhos de pesquisas ainda como subtemas. Diante da necessidade de refletir sobre esse instrumento pedagógico, de uso tão recorrente no meio docente, e de identificar as concepções que giram em torno dele, foi elaborado a seguinte questão norteadora da pesquisa: Qual a concepção dos tutores sobre a tarefa para casa em escola de tempo integral na perspectiva da colaboração em Vigotski. Dessa forma, o objetivo da pesquisa é investigar a concepção dos tutores sobre a tarefa para casa em escolas de tempo integral na rede pública de ensino de João Pessoa/PB, nos anos iniciais do Ensino Fundamental. Do ponto de vista metodológico a abordagem adotada é de natureza qualitativa e de cunho exploratório. O enfoque teórico-metodológico desse trabalho é pautado no materialismo histórico-dialético, que visa compreender a essência do objeto investigado, possibilitando a compreensão na sua totalidade, considerando aspectos históricos, condições materiais e as múltiplas determinações que o constituíram. Nesse percurso, trabalhamos com autores como Gramsci (2007), Vigotski (1999, 2000), Leontiev (1978), Saviani (2013,2019), Duarte (2000,2002), Gamboa (1989), entre outros, que contribuem com a proposta metodológica em pauta. A pesquisa empírica foi realizada em uma escola do Município de João Pessoa-PB, tendo como sujeitos da pesquisa 09 tutoras que trabalharam nesta unidade. Para obtenção das informações utilizamos a entrevista semiestruturada e para análise das informações usamos a hermenêutica dialética. A pesquisa possibilitou constatar que há um consenso entre as tutoras sobre a importância da tarefa para casa, especialmente, pelo fato de que na escola de tempo integral o aluno realiza as atividades escolares com a mediação da tutora, garantindo que as atividades sejam realizadas cotidianamente. Entretanto, a organização da tarefa para casa não é definida conjuntamente, cabendo ao professor planejar a tarefa para casa e ao tutor garantir que os alunos realizem as tarefas para casa. Tal propositura, incide claramente, na divisão do trabalho docente, uma vez que cabe ao docente planejar e ao tutor executar essa atividade. Tal constatação destaca a importância de a escola integral incluir no planejamento escolar a tarefa para casa e que essa seja construída por professores e tutores, tendo em vista que aos tutores é exigida a formação de licenciatura em Pedagogia.
  • EDILEUZA RICARDO DA SILVA
  • SABERES E PRÁTICAS POPULARES EM SAÚDE: UMA EXPERIÊNCIA COMPARTILHADA COM O QUILOMBO CAIANA DOS CRIOULOS
  • Orientador : PEDRO JOSÉ SANTOS CARNEIRO CRUZ
  • Data: 31/08/2022
  • Hora: 10:00
  • Mostrar Resumo
  • As práticas culturais e a sabedoria popular acompanham a humanidade desde os princípios das civilizações. Seus traços, suas raízes, seus hábitos, saberes e costumes acompanham o nosso povo por longos anos. Este estudo vinculado à Linha de Educação Popular do Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE) da Universidade Federal da Paraíba aborda as Práticas Populares em Saúde praticadas pelos povos quilombolas, tendo como campo empírico o Quilombo Caiana dos Crioulos, localizado na zona rural do município de Alagoa Grande na Paraíba. A presente dissertação tem como questão de pesquisa: “quais são os saberes e as práticas populares de saúde dos povos quilombolas em Caiana dos Crioulos e quais os processos educativos que por eles são desenvolvidos?”. Como objetivo geral, buscamos conhecer os processos educativos das práticas populares em saúde na comunidade, identificar seus processos educativos tradicionais, analisar como os saberes populares em saúde que são concebidos e valorizados pelos membros da comunidade, além de compreender como esses saberes são passados para as gerações mais novas. Metodologicamente o estudo segue uma abordagem Qualitativa, de caráter Etnográfico, fundamentando-se em autores e autoras da área da Educação Popular, a exemplo de Freire (1996), Calado (2014), Machado (2012), da área de Educação Popular em Saúde, como Vasconcelos (2001), Oliveira (2009), Lopes (2020), e sobre a cultura dos povos quilombolas e a perspectiva antirracista, tais como Gomes (2019), Ribeiro (2020), entre outros. O estudo está dividido em três etapas de construção teórico-metodológica. A revisão bibliográfica foi feita considerando dissertações e teses que encontramos em bancos de produção científica. Já no segundo momento fizemos uma pesquisa documental, em vídeos, documentários e reportagens os quais mostraram a origem e a realidade vivenciada pela comunidade, trouxeram-nos subsídios da atualidade e de antigamente, e no terceiro momento procedemos com uma observação participante, onde visitamos o território, acompanhamos algumas moradoras e conversamos com elas a respeito das suas vivências e suas práticas. Nossa visita de campo contou com o registro do diário de campo para um maior aprofundamento da abordagem ao objeto de pesquisa. Como resultado, apresentamos as narrativas das trajetórias e experiências de protagonistas comunitários, com evidenciação de suas principais práticas no cuidado em saúde e os saberes populares mais centrais construídos na comunidade estudada. A partir disso, problematizamos os apontamentos e as contribuições desses saberes e dessas práticas para o campo da Educação Popular em Saúde, trazendo em pauta debates e reflexões a respeito dessa temática. Acredita-se que este estudo contribuirá para fortalecer a evidenciação da relevância e do significado das Práticas Populares em Saúde, reforçando a centralidade da sabedoria dos povos quilombolas na produção de iniciativas de cuidado integral em saúde e de promoção do direito a saúde.
  • ALBERTO JOSE FERREIRA DE LIMA
  • TEORIA FUNDAMENTADA E A PESQUISA EM EDUCAÇÃO: TENDÊNCIAS E PADRÕES PARA O DESENVOLVIMENTO TEÓRICO NO ÂMAGO DA CULTURA DA CONVERGÊNCIA
  • Data: 31/08/2022
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • Este estudo teve como objetivo construir uma teoria substantiva que explique como a cultura da convergência cria espaços de construção de memórias e aprendizagens sobre violência coletiva no regime militar no Brasil (1964-1985). O paradigma de investigação interpretativo-construtivista, escolhido para este estudo, incorporou minha perspectiva ontológica, epistemológica e metodológica e forneceu a orientação geral do trabalho. A escolha justifica-se em reconhecimento ao caráter subjetivo da investigação, às múltiplas realidades dos envolvidos no estudo, porque se adequava ao objetivo da pesquisa e reflete minha própria visão de mundo. A estratégia de investigação qualitativa denominada teoria fundamentada construtivista foi utilizada na condução do estudo. O campo empírico de investigação foi a plataforma de mídia social YouTube. Os dados foram selecionados por meio de consulta no YouTube com o termo “violência coletiva na ditadura militar” e coletados com o auxílio da extensão de navegador Web NCapture. Os critérios de seleção de dados seguiram os passos da teoria fundamentada visual. A análise dos dados foi realizada com os métodos da teoria fundamentada construtivista no aplicativo QSR NVivo. O estudo demonstrou que é possível construir teoria substantiva, na área de educação, a partir de dados visuais e textuais coletados das mídias sociais. Considerando a análise dos resultados, defende-se que a interação, a participação ativa e a conectividade, enraizadas no âmago da cultura da convergência, favorece a criação de espaços de construção de memórias conectivas e aprendizagens distribuídas em redes dinâmicas e complexas de conexões sobre perpetradores de violência coletiva no regime militar no Brasil.  
  • HUMBERTO VIEIRA FARIAS
  • CURSOS SEMIPRESENCIAIS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: UMA ANÁLISE A PARTIR DAS PESQUISAS ACADÊMICAS (2000-2020)
  • Data: 31/08/2022
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • Todo cidadão brasileiro tem o direito constitucional de acessar a educação escolar. Com vistas a exercer esse direito, um contingente de jovens, adultos e idosos procura pelos sistemas públicos de educação de todo país que disponibilizam escolarização via cursos presenciais. Contudo, em alguns sistemas, há possibilidade de matrícula em cursos a distância ou por meio da oferta de cursos semipresenciais, que constituem o foco deste trabalho de tese, cujo objetivo foi identificar, a partir de pesquisas acadêmicas, impressões que justifiquem a oferta de escolarização semipresencial na EJA por se ajustar às necessidades do público jovem, adulto e idoso. Trata-se de um estudo de abordagem qualitativa, alicerçado nos procedimentos metodológicos da pesquisa bibliográfica, e que recorreu aos trabalhos acadêmicos em nível de pós-graduação realizados entre os anos de 2000 e 2020. A partir da concepção teórica que norteia esta pesquisa, do apoio teórico de autores que discutem a EJA no Brasil, dos dados disponíveis no INEP e de informações presentes nas cinquenta e quatro pesquisas selecionadas, foi possível reconstruir a trajetória histórica dos cursos semipresenciais da EJA e discutir sobre o desenvolvimento dos referidos cursos no decorrer dos anos. Recorrendo à Análise de Conteúdo, preconizada por Bardin (2011), enquanto metodologia apropriada para organizar informações, realizar interpretações e fazer inferências, analisar as impressões deixadas nas pesquisas a respeito dos cursos semipresenciais da EJA. Os resultados demonstram que existem situações que representam ajustes da oferta em relação ao público da modalidade e que, apesar dos aparentes desajustes observados, estes não têm relação com a mediação didático-pedagógica semipresencial, mas com situações envolvendo a atuação docente, a ausência de material didático adequado, a falta de formação continuada e a possível exclusão da oferta em relação às políticas para a educação, dentre outros. Por fim, a pesquisa indicou ainda que nos espaços onde ocorre a oferta da modalidade semipresencial da EJA, também ocorrem reajustes que aproximam ainda mais esse modelo de oferta às necessidades dos estudantes, que é desenvolvido por profissionais comprometidos e que acreditam na possibilidade de avançar, seja na promoção do diálogo, na valorização da presença dos estudantes, na utilização da tecnologia, na melhoria dos recursos didáticos, nas avaliações e nas práticas dos professores. Sendo assim, os resultados confirmam que os cursos semipresenciais da EJA se constituem numa oferta que se ajusta às condições de vida dos sujeitos jovens, adultos e idosos que demandam pela escolarização. Portanto, acreditamos que os cursos em questão devem ter o funcionamento mantido pelos sistemas de educação para que muitos sujeitos possam ter a oportunidade de acessar, permanecer e concluir a escolaridade básica.
  • ANA DANIELLY LEITE BATISTA PESSOA
  • MEMÓRIAS DA DISCIPLINA ESTUDO DE PROBLEMAS BRASILEIROS (EPB) NO CURRÍCULO DAS UNIVERSIDADES PARAIBANAS: lembrando para não esquecer (1969-1993)
  • Data: 29/08/2022
  • Hora: 15:30
  • Mostrar Resumo
  • A ditadura civil- militar, que teve início em março de 1964, com o golpe civil-militar, e finalizou em janeiro de 1985, estabeleceu violações aos Direitos Humanos e contribuiu para o esquecimento de memórias. Deveras, o campo educacional foi amplamente atingindo nesse período, especialmente as universidades, considerando o cerceamento da liberdade de expressão, as perseguições aos docentes e aos movimentos estudantis, a promulgação da reforma universitária e a implantação da disciplina Estudo dos Problemas Brasileiros (EPB), criada em 1969, e constituída como componente curricular obrigatório por meio do decreto 869/69. Embora existam importantes pesquisas sobre as universidades brasileiras nesse período, há uma lacuna sobre a micro-história da EPB nas universidades paraibanas. É nesse sentido que o presente estudo se alberga, cujo propósito é analisar o desenvolvimento e a organização da disciplina EPB nas universidades paraibanas durante a ditadura civil-militar e os primeiros anos de redemocratização (1964-1993), considerando aspectos históricos e mnemônicos, a fim de contribuir para a fomentação de uma “pedagogia para o nunca mais”. Trata-se de um trabalho qualitativo, conduzido por fontes escritas (legais, documentais e bibliográficas), orais (impressões e subjetividades de participantes) e iconográficas (imagens encontradas nos manuais de EPB).A proposta está pautada no paradigma indiciário (GINZBURG, 1989), no conceito de representação (CHARTIER, 1991; 2016; 1990), de memória (POLLAK, 1989; HALBWACHS, 2002; THOMPSON, 1992) e amparada na metodologia da história oral (ALBERTI, 2003; MEIHY; HOLANDA, 2014). A elaboração da escrita orienta-se pelos estudos de autores, como: Motta (2014) e Germano (2011), a fim de compreender a realidade do cenário em que foi criada a EPB; Bittencourt (1993) e Fonseca (1999), concernente aos estudos sobre livros didáticos; Certeau (2015), Freire (2011, 2014) e Zenaide (2010), auxiliando nos estudos sobre as táticas, o fortalecimento da resistência e a “pedagogia para o nunca mais”. Além disso, as fontes documentais foram matéria de reflexões no tocante às normas que fundamentam esse objeto de estudo, que tem em sua base a Educação Moral e Cívica (EMC). Ao propor a superação do silenciamento que condicionou a história da disciplina EPB, o presente estudo buscou rememorar essa história por meio das vozes dos sujeitos que vivenciaram essa experiência, dos documentos, programas de ensino e manuais escolares que foram encontrados. Deveras, em tempos de instabilidade política, este trabalho é um convite para refletirmos sobre como a disciplina EPB serviu de instrumento para reforçar os valores da ditadura civil-militar e dessa forma, estarmos alertas diante de questões que interferem na organização do currículo educacional brasileiro, na atualidade. Urge a necessidade de lembrar. Não um lembrar esvaziado de luta, mas um lembrar esperançoso, de quem deseja lutar para não esquecer. Lutar para que nunca mais aconteça.
  • PAULO ROGÉRIO BARBOSA DO NASCIMENTO
  • A constituição dos saberes docentes para a Educação Inclusiva
  • Data: 29/08/2022
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • tese trata da temática constituição dos saberes docentes à inclusão escolar em um contexto de mudanças dos paradigmas da educação especial. Para a constituição da tese parte-se da questão da seguinte pesquisa: como professores da Educação Básica constituem, mobilizam e apreendem saberes docentes, e quais são esses saberes, considerando a sua atuação em salas de aulas inclusivas? O estudo parte da premissa epistemológica da Sociologia Compreensiva de Schütz (2018), e se constitui numa pesquisa qualitativa do tipo “história oral temática híbrida”. A pesquisa permitiu às professoras colaboradoras narrarem fatos e acontecimentos vivenciados, possibilitando ao pesquisador analisar e interpretar significados e sentidos, expressos e ou inferidos nas narrativas, considerando a triangulação com a literatura científica. As narrativas foram emitidas por três professoras com mais de dez anos de experiência no ensino inclusivo na primeira etapa do Ensino Fundamental. As categorias prévias do referencial teórico de análise foram: a) sentidos e significados da escola/inclusão e exclusão; b) o paradigma da inclusão escolar e decorrências pedagógicas; c) a formação e atuação do professor em contexto de inclusão escolar; d) o cotidiano docente como formativo; e) a experiência docente como formativa; e f) tipos de saberes docentes. A análise e interpretação dos dados seguiu a organização prescrita pela história oral (MEIHY, 2002), e foi complementada por uma adaptação da Análise de Conteúdo Interpretativa (MINAYO et al., 2013). As professoras reconheceram a escola como um importante referente social e com um constructo específico, apesar de considerarem o momento sociocultural desestabilizante quanto aos seus sentidos sociais em que vivenciaram crises de identidade docente e passam a investir na autoformação. O cotidiano foi vivido e compreendido como processo possível de subversão, criatividade e espaço das “artes do fazer”. Os saberes constituídos pelas professoras perpassaram o contexto macro, com a necessidade de compreender o paradigma da inclusão escolar; as deficiências e suas particularidades; o agir interdisciplinar e multiprofissional; e interatuar com diferentes planejamentos em uma mesma aula e diversificados processos de ensino. Em um contexto micro, evidenciou-se os saberes relativos à produção de materiais didáticos à capacidade de antecipação da professora às questões inviabilizadoras das aulas, potencializando, assim, o tempo pedagógico e as estratégias de ensino. Todavia, as docentes, ainda, se ressentem de formação colaborativa em rede, em que as experiências e ou os estudos de casos vividos possam ter lugar e, ao serem comunicados, discutidos e interpretados sob diferentes perspectivas teóricas, sejam os saberes docentes constituídos como numa espiral formativa.
  • RAVI CAJU DURE
  • Memórias formativas e inserção profissional de licenciados em Ciências Biológicas: currículo e identidade
  • Data: 26/08/2022
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • A identificação profissional é um processo fundamental para o engajamento acadêmico em cursos de formação inicial, de tal forma que a identificação com o campo da educação constitui um tema central para o desenvolvimento curricular das licenciaturas, redução das taxas de evasão universitária, e a consequente ampliação da inserção de profissionais qualificados nas instituições educacionais do país. Diante disso, o presente estudo analisou o processo subjetivo de formação identitária promovido no curso de Licenciatura em Ciências Biológicas da UFPB, investigando o processos de engajamento e identificação formativo-profissional de licenciados egressos e evadidos do curso nesse período. Para tanto, desenvolvemos um Estudo de Caso de abordagem qualitativa do tipo único, instrumental e de finalidade descritiva. A nossa amostragem foi intencional e deu-se através da coleta de dados em três unidades de análise: questionários aplicados a alunos graduados e evadidos do respectivo curso (87 graduados e 65 evadidos); entrevistas com alunos recém-concluintes (11 licenciados); e os documentos curriculares do curso em vigência nesse período (PPP-2008). A análise do caso foi dada através da técnica de triangulação dos dados, relacionando os resultados encontrados através da análise documental do PPP, e análise de conteúdo dos questionários e entrevistas. Como resultado, identificamos uma estrutura de currículo formal preponderantemente voltada à formação nas áreas específicas da Biologia, com 58% das disciplinas destinadas às áreas de Meio Ambiente, Biodiversidade, Biotecnologia, Produção e Saúde, e apenas 29% das disciplinas direcionadas à área de Educação. Apesar dessa estrutura, a maioria dos egressos se demonstrou satisfeita com a formação do curso para as profissões relacionadas com o campo educacional. As intenções formativas dos discentes, expressas em suas trajetórias formativas pós-curso e desejos profissionais manifestados, demonstraram a construção de um projeto de identidade profissional fortemente desvinculado do campo educacional, mesmo sendo a educação o atual espaço profissional de 82% dos egressos. Tais elementos evidenciam um curso que apesar de ser destinado à formação de professores e com egressos que se tornam professores, realiza um processo de engajamento e identificação com as subáreas de Meio Ambiente e Biodiversidade, constituindo um processo identitário contraditório entre desejos discentes e realidades profissionais que esses licenciados vivenciam em sua vida.
  • MARIA JOSÉ DIAS DE ANDRADE
  • Tendências de publicações brasileiras sobre Alfabetização Científica no Ensino de Biologia (1997 - 2021): um estado da arte
  • Data: 26/08/2022
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • O presente estudo teve como objetivo investigar as tendências de publicações brasileiras sobre Alfabetização Científica (AC) no Ensino de Biologia, divulgadas nos dois principais eventos científicos dessa área (ENPEC e ENEBIO) e no Catálogo de Teses e Dissertações da CAPES. Concebida a partir do conceito de alfabetização de Freire, a AC é incorporada ao contexto educacional a partir de sua concepção como um ato político que visa a emancipação e a formação cidadã dos estudantes, proporcionando a estes as habilidades necessárias para exercer seu direito à prática social a partir da mobilização dos conhecimentos científicos. Parte-se do pressuposto de que as memórias impressas nos anais dos dois principais eventos de Ensino de Ciências e Biologia do país, e no Catálogo de Teses e Dissertações da CAPES, proporcionarão o conhecimento a respeito de como a pesquisa sobre AC evoluiu ao longo dos espaços e do tempo no cenário brasileiro, apontando os caminhos percorridos e as pistas sobre as trajetórias a trilhar. Utilizou-se como pressupostos teórico-metodológicos a abordagem qualitativa e o método de estado da arte ou estado do conhecimento, sob o foco da análise de conteúdo do tipo categorial. Parte-se de categorias pré-estabelecidas para analisar os dados que compreendem o período entre 1997, quando foi realizado o I ENPEC, e 2021, ano de realização da edição mais recente desse encontro e do ENEBIO. Os resultados indicam o crescimento significativo do número de trabalhos publicados nos bancos de dados analisados, revelando a expansão e a consolidação dos eventos enquanto lócus de socialização das pesquisas na área, caminhando para a formação de uma comunidade nacional de investigadores em Educação de Ciências, bem como, evidenciam seu potencial político, o reafirmando como um espaço no qual professores e estudantes podem participar de forma sistemática e propositiva, se posicionando diante de temas que influenciam tanto o campo da pesquisa, quanto as práticas educacionais no universo escolar. A partir das categorias analisadas foi possível observar elementos que caracterizam a evolução histórica e os movimentos realizados pelos pesquisadores que trabalham com a AC no Ensino de Biologia, revelando continuidades e mudanças com relação a pesquisas gerais da área de Educação em Ciências, bem como, a permanência de tendências temáticas e metodológicas com relação aos trabalhos gerais sobre Ensino de Biologia.
  • LEILA BEZERRA DE ARAÚJO
  • A Dança como Expressão da Educação Popular na Construção da Libertação de Corpos Femininos
  • Data: 25/08/2022
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • O trabalho de tese intitulado: “A Dança como Expressão da Educação Popular na Construção da Libertação de Corpos Femininos” busca constituir interfaces entre os campos da Educação Popular e da Dança com ênfase em histórias de vida de mulheres para a identificação e desagregação de opressões, e o anúncio de processos emancipatórios e libertadores. Tem por objetivo central apreender na experiência do Grupo CorpoMulher como a dança se expressa na perspectiva da Educação Popular buscando meios para decolonizar pensamentos, sentires, saberes e agires em direção a construção da libertação de corpos femininos. O estudo tem abordagem qualitativa com metodologia da pesquisa-ação e parte da convivência, participação, colaboração e acompanhamento do Grupo CorpoMulher. Tal Grupo é um desdobramento do Grupo de Relaxamento e Bem Viver Vila Saúde, ação de extensão vinculada ao Programa de Extensão Práticas Integrais de Promoção da Saúde e Nutrição na Atenção Básica (PINAB) que atua junto a Unidade Básica de Saúde, no bairro do Cristo Redentor, em João Pessoa. A fundação do Grupo CorpoMulher se deu por meio do amplo convite as mulheres do Grupo de Relaxamento e Bem Viver e teve como intenção realizar encontros semanais para aprofundar vivências em Dança com práticas criativas orientadas pela perspectiva da Educação Popular. Oito mulheres, com idades entre 54 e 68 anos, com ensino fundamental incompleto (1), ensino fundamental completo (5) e ensino superior (2), aceitaram o convite e contribuíram para a elaboração desta pesquisa. A coleta de informações e a produção dos dados se deu por meio da pesquisa bibliográfica, pesquisa documental, observação participante e entrevista semiestruturada. A fase analítica das narrativas fez emergir três eixos de discussão e análise: O abrir das gaiolas: impressões da dança e das opressões percebidas; Ventanias por dentro: percepções do corpo; Uma dança, vários voos: compreensões e significados sobre a construção da libertação de corpos femininos. Ao longo do estudo foram abordadas questões como colonialidade/decolonialidade, feminismo popular e libertação. Os resultados produzidos demonstraram que o Grupo CorpoMulher constituiu uma perspectiva feminista composta pelas vozes, corpos e reivindicações situadas contra as opressões vividas, especialmente pelas relações de gênero, e que a construção de saberes e aprendizagens mais orgânicas permitidas pelo dançar favoreceram a modificação de pontos de vista, a desconstrução de opressões e a protagonização de maneiras outras de fluir pela vida expressando práticas decoloniais. Além disso, indicaram que os processos de conscientização perante as realidades e opressões vividas viabilizados pelos encontros educativos/artísticos permeados por princípios da Educação Popular como o diálogo, a participação ativa, a partilha de saberes e a construção compartilhada do conhecimento, significaram o caminho pelo qual foi possível constituir experiências emancipadoras e libertadoras nas dimensões sociais, culturais e ideológicas da vida das mulheres. A tese aqui defendida é A dança, como uma das expressões da Educação Popular, proporciona estratégias educativas que contribuem para libertação de corpos femininos, em contextos de trabalhos sociais e comunitários, favorecendo a emancipação e autonomia de mulheres de maneira decolonial radical.
  • AURISTELA RODRIGUES DOS SANTOS
  • RELENDO MEMÓRIAS E REPRESENTAÇÕES SOBRE O MOBRAL: ENTRE RASTROS E FIOS DE NARRATIVAS NAS PÁGINAS DOS JORNAIS (1967-1985)
  • Data: 23/08/2022
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • O trabalho de tese intitulado: “Relendo memórias e representações sobre o MOBRAL: entre rastros e fios de narrativas nas páginas de jornais (1967-1985)” tem por objetivo geral analisar as representações e memórias sobre o MOBRAL, presentes em narrativas de jornais e em outras fontes, como a iconografia e versões de participantes, considerando o cenário histórico da ditadura civil-militar (1964-1985). Assim, tem-se o interesse de compreender quais representações acerca desse movimento educacional eram veiculadas pelos impressos, seguindo os rastros e fios das reportagens para reler a história do MOBRAL, com a corroboração das memórias de participantes e de imagens, em uma problematização de fontes que retrata sobre suas versões acerca dessa experiência educacional, concebida para alfabetizar jovens e adultos. O MOBRAL configurou-se como uma campanha de alfabetização de adultos que tinha como princípio a funcionalidade e a continuidade, em que a educação era defendida a partir de uma proposta tecnicista. Além disso, houve um grande esforço para que existisse uma mobilização social para acabar com o analfabetismo no Brasil a partir do MOBRAL e, para isso, os jornais desenvolveram papel fundamental. Tanto os jornais da época, quanto as vozes dos participantes e as iconografias, são fontes que configuram esse acontecimento educacional e suas representações, em disputa, contribuem para uma releitura da escrita de sua história. Dessa forma, utilizou-se fontes escritas, como as literaturas sobre a temática, sobre o contexto social e os jornais; fontes iconográficas e orais, que são as imagens publicadas e as memórias de participantes do MOBRAL. A pesquisa foi bibliográfica e caminhou em concordância com o método indiciário proposto por Ginzburg (1989). Ressalta-se que o trabalho procurou ser marcado pela hibridez de fontes, em um diálogo entre memórias e representações. Portanto, situa-se no âmbito das pesquisas qualitativas, tendo a contribuição e fundamentação de autores como: Roger Chartier (1990; 2016), Halbwachs (2006), Ginzburg (1989), Germano (2011), entre outros. Conclui-se que a análise das fontes possibilitou discutir sobre as representações do MOBRAL, relendo sua história, seguindo os rastros e pistas das notícias dos jornais, em diálogo com outras memórias. Observa-se como as narrativas apresentam o MOBRAL, como uma campanha de massa, marcada por diferentes experiências, sem a total uniformidade e/ou originalidade percebidas nas entrelinhas dos discursos oficiais. Nota-se, ainda, uma proposta em que muitos esforços foram aplicados para sua efetivação, mas baseada em uma pedagogia tecnicista, que se esquivou de alfabetizar para a cidadania.
  • DANIEL TAVARES DO NASCIMENTO
  • FORMAÇÃO INICIAL DOCENTE: ANÁLISE DO CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA NA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA-CAMPUS I A PARTIR DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO
  • Data: 02/08/2022
  • Hora: 10:00
  • Mostrar Resumo
  • Esta pesquisa tem como objetivo geral analisar a formação inicial dos professores de Matemática, tendo como lócus a Universidade Federal da Paraíba (UFPB), Campus I, se baseando pelo Projeto Pedagógico do Curso (PPC). O caminho metodológico passa por uma abordagem qualitativa, de caráter documental com métodos de procedimento descritivo. A temática é discutida por documentos que tratam das políticas educacionais e avaliam cursos do ensino superior, como (BRASIL, 1996; BRASIL, 2001; BRASIL, 2002; BRASIL, 2004; BRASIL, 2015; BRASIL, 2015a; BRASIL, 2019). O referencial teórico discute a formação docente, onde nos referenciamos a partir de (GATTI, 2009; GATTI, 2010; GATTI, 2013; GATTI, 2016; GATTI, 2018; GATTI, 2021), Libâneo (2015), (NÓVOA, 2016; NÓVOA, 2019) e abordamos sobre a história e características da formação docente, situações e problemas atuais, o currículo das Licenciaturas, além do conhecimento disciplinar e pedagógico; a importância da teoria na formação docente, além da discussão sobre as DCNs e outros documentos que tratam diretamente sobre a formação de professores de Matemática. Constatou-se que a formação inicial do professor de Matemática na UFPB no Campus I, a partir das propostas trazidas pelo PPC do curso e norteado pelas diretrizes, dificilmente dará conta de formar um docente para trabalhar com a heterogeneidade dos elementos presentes na escola. Estima-se que as inquietações iniciadas e apresentadas nessa pesquisa seja um ponto de partida para mudanças no Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em Matemática do Campus I da UFPB.
  • JULYANNA DE OLIVEIRA BEZERRA
  • “A RESSIGNIFICAÇÃO DA MEMÓRIA NOS VESTÍGIOS DA LUTA”
  • Data: 29/07/2022
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • A presente tese “A Ressignificação da Memória nos Vestígios da Luta” é vinculada a linha de pesquisa Educação Popular do Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE) da Universidade Federal da Paraíba (UFPB). O texto reflete o resultado da pesquisa realizada no Memorial das Ligas e Lutas Camponesas localizado na comunidade tradicional de Barra de Antas e na Escola Municipal de Ensino Infantil e Fundamental Luiz José Gonçalo localizada no Sítio Inhauá, localizados no município de Sapé-Pb. Para tanto, foram eleitas como categorias analíticas a priori: memória, território e educação; as quais outras categorias foram sendo vinculadas dialeticamente apresentando as suas estruturas, processos e ressignificações: diálogo, resistência, conscientização, esperança e pedagogia. A tese se propõe a analisar como a história e a memória das Ligas Camponesas tem sido objeto de ações educativas realizadas no e com o Memorial das Ligas e Lutas Camponesas e a Escola Municipal Luiz José Gonçalo no município de Sapé/PB, formando sujeitos de direitos que possam saber resistir às formas de autoritarismo e opressão em espaços sociais e institucionais onde a violência possa impor dor e violação dos direitos humanos. A pesquisa está ancorada nos elementos teóricos-conceituais e metodológicos da Educação Popular, a partir de uma abordagem qualitativa de caráter exploratório. Os procedimentos metodológicos incluíram, a pesquisa bibliográfica, documental e a entrevista semiestruturada, envolvendo os Educadores Populares da rede municipal de ensino que desenvolvem ações junto ao Memorial das Ligas e Lutas Camponesas, membros de movimentos e pastorais sociais e Instituições de Ensino Superior. Como metodologia de análise utilizamos a Análise de Conteúdo e a Trama Conceitual Freireana A trama conceitual freireana, aqui proposta, assume o compromisso com a radicalidade do pensamento de Paulo Freire, e nos desafia a explicitar quais são os conceitos fundamentais que demonstram a natureza, as condições de viabilização, os limites e a intencionalidade do conceito central a ser compreendido que é a Educação para Nunca Mais.
  • IVANA LEITE RIBEIRO
  • PROCESSO DE RECONHECIMENTO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO DA UFPB - CAMPUS SANTA RITA: UMA ANÁLISE A PARTIR DO SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR
  • Data: 15/07/2022
  • Hora: 10:00
  • Mostrar Resumo
  • Esta dissertação teve como finalidade analisar o último Relatório de Avaliação do Curso de Graduação em Direito - Campus Santa Rita, da Universidade Federal da Paraíba (UFPB), a partir do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (SINAES), disponibilizado pela Comissão Própria de Avaliação (CPA) da instituição. Sendo assim, a coleta de dados foi realizada mediante pesquisa exploratória através do levantamento bibliográfico e documental. Com esse propósito, a técnica utilizada para a análise dos dados coletados se efetivou por meio da ferramenta SWOT (Strenghts, Weaknesses, Opportunities, Threats). Objetivou-se fornecer subsídios para a melhoria da qualidade do curso de graduação em Direito do referido campus, a partir da identificação de aspectos relativos a forças, fraquezas, oportunidades e ameaças apresentadas no Relatório de Avaliação Externa realizada pelo INEP. Diante disso, os resultados da pesquisa demonstraram que as políticas institucionais de ensino, pesquisa e extensão foram implantadas de forma excelente, contudo, o corpo docente e as condições de infraestrutura são insuficientes para atender ao número de vagas ofertadas. Constatou-se, ainda, a necessidade de investimento em Tecnologias de Informação e Comunicação (TICs) no processo de ensino-aprendizagem, tendo em vista sua insuficiência para o pleno atendimento ao que dispõe o projeto pedagógico do curso, bem como a necessidade de melhorias em termos de produção científica a fim de possibilitar um aperfeiçoamento com vistas aos futuros processos regulatórios que o curso se submeterá, em conformidade com os preceitos estabelecidos pelo SINAES.
  • CAMILA ALMEIDA DE ARAÚJO
  • “O DISTINCTIVO DE UMA ALMA BEM FORMADA”: PRINCÍPIOS GERAES DE MORAL NO MANUAL ENCICLOPÉDICO PARA USO DAS ESCOLAS DE INSTRUCÇÃO PRIMÁRIA NA PROVÍNCIA DA PARAÍBA (1862-1874)
  • Data: 12/07/2022
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • O presente trabalho intenciona compreender os princípios de moralidade dispostos no Manual Enciclopédico, como contributos para a formação da mocidade na província da Paraíba. O princípio de moralidade era algo intrínseco à sociedade imperial, uma vez que estava atrelado à própria formação do povo brasileiro. A obra, contendo 700 páginas, tem um caráter enciclopédico, como descrito em sua própria nomenclatura, por aglutinar os conteúdos que envolvem todas as matérias correspondentes ao ensino primário. A pesquisa se enquadra em um momento de renovação da historiografia, contexto no qual novas fontes e novos objetos de pesquisas são considerados relevantes, tal como a imprensa e, por sua vez, os jornais e o livro. Dentre os teóricos que nos deram suporte, ressaltamos os estudos de Chartier (1999) – a história do livro e o estudo das práticas-, Durkheim (1983,1999,1952) – o conceito de moral coletiva e fato social -, e Foucault (2008) – o controle dos corpos. A relevância da temática se assenta na possibilidade de podermos compreender a sociedade imperial em suas diversas instâncias, partindo dos saberes por ela produzidos ou disseminados, neste caso o Manual, bem como na ausência de trabalhos que tratem diretamente do nosso objeto, a saber: os princípios de moralidade no Manual Enciclopédico. O tipo de pesquisa que realizamos é a pesquisa histórica, a qual se constitui como um viés da pesquisa documental. Reconhecemos a grandiosidade da obra e a sua relevância para a instrução e para a sociedade da época, devido à extensão dos conteúdos, dos questionamentos e das explicações. Portanto, apesar de o Manual Enciclopédico ter os seus contributos à mocidade firmados em um discurso moralizante, revelando como deveria ser uma sociedade ideal, não significou que todas as pessoas estariam submissas aos seus ditames, em razão da diversidade de províncias que tiveram acesso ao Manual.
  • ANE FLÁVIA DE SOUZA RODRIGUES
  • LIMOLAYGO TOYPE: NOSSA EDUCAÇÃO É NOSSA RESISTÊNCIA. EDUCAÇÃO INDÍGENA E A PEDAGOGIA DECOLONIAL, POVO XUKURU DO ORORUBÁ, PE.
  • Orientador : PEDRO JOSÉ SANTOS CARNEIRO CRUZ
  • Data: 30/06/2022
  • Hora: 18:00
  • Mostrar Resumo
  • A presente pesquisa buscou impulsionar o debate sobre a decolonialidade no campo da educação popular, a partir da educação indígena e mais especificamente do caso do povo indígena Xukuru do Ororubá, do estado de Pernambuco-Brasil. A educação indígena, como compreendemos, é pensada em sua gênese a partir da comunidade e se desenvolve no território, para além da sala de aula. Detentora de propósitos muito específicos, que vão muito além do saber ler e escrever, a educação escolar indígena volta sua atenção tanto para práticas micro - processos pedagógicos de ensino e gestão -, como também para o espaço macro - o sistema de organização social, ao se construir, paralelamente ao currículo escolar, o projeto de vida dos povos. Se a decolonialidade implica partir da desumanização e considerar as lutas dos povos historicamente subalternizados, dando visibilidade a essas pessoas, suas práticas sociais, epistêmicas e políticas, é necessário pensá-la para além da sua dimensão subjetiva, evocando seu objetivo final, de reconstrução radical do poder, do ser e do saber. Nesse sentido, essa pesquisa teve como proposta analisar o processo histórico - social da educação escolar indígena do povo Xukuru do Ororubá, a partir do Limolaygo Toype (em brobo, língua materna do povo Xukuru do Ororubá, “terra ancestral”), que apontem a decolonialidade, e elencamos como objetivos específicos: descrever e analisar as práticas pedagógicas escolares do povo Xukuru do Ororubá e os princípios que as sustentam; e discutir as práticas pedagógicas do povo Xukuru do Ororubá a luz de suas aproximações e distanciamentos da pedagogia decolonial. Para tanto, a metodologia proposta foi ancorada em uma abordagem qualitativa, com uso de triangulação metodológica, através da observação participante, da pesquisa bibliográfica e da pesquisa documental. Nessa direção, partimos de memorial crítico-reflexivo, costruido na perspectiva de evidenciar aspectos significativos da experiência da pesquisadora, enfatizando observações da mesma sobre as práticas pedagógicas escolares do povo Xukuru do Ororubá. Em seguida, situamos a presença indígena no Nordeste Brasileiro e a dimensão da territorialização, resistência e estratégia dos índios dos sertões. Apresentamos a ideia do Limolaygo e seus sentidos para a territorialização dos povos Indígenas, incluindo as estratégias, alianças, lutas e resistências dos povos indígenas do Brasil. Destacamos aspectos históricos do Povo Xukuru do Ororubá e elementos de sua construção social e política. Ademais, debruçamo-nos em uma construção teórica sobre os conceitos em torno da decolonialidade, os estudos pós-coloniais, tensionamentos e rearranjos epistemológicos, a partir dos quais traçamos o debate histórico da educação indígena, educação escolar indígena e o diálogo com a educação popular. Finalmente, problematizamos questões emergentes da análise sobre recentes produções sobre a pedagogia do Povo Xukuru do Ororubá na literatura acadêmica, bem como estudamos materiais oriundos dos registros da construção dessa pedagogia em acervos documentais do próprio povo. A história do povo Xukuru do Ororubá aponta a revolta política e a revolta epistêmica – ancoradas em reflexões acerca do estado atual do povo, da retomada do valor de nossos saberes e tessitura desses saberes, possibilitando a criação de alternativas de enfrentamento das estruturas dominantes das instituições- aquelas que mantêm o capitalismo e os interesses do mercado, possibilitaram a reconfiguração das escolas no território, em espaços de afirmação da identidade étnica, a partir de princípios escolares, práticas pedagógicas, metodologias e conteúdos que dialoguem com quem fomos, quem somos e quem seremos, no processo de formatação de nosso projeto de vida. Entre tentativas, erros e acertos, o sistema de educação escolar indígena Xukuru do Ororubá desenvolve, nos últimos trinta anos, um trabalho que tem fundamentalmente um objetivo: formar guerreiros e guerreiras capazes de defenderem o legado do nosso povo, nosso território e nossas tradições, a partir do fortalecimento de nossa identidade, reconhecendo a nossa humanidade, promovendo e estimulando a auto estima, e problematizando a cosmologia do branco – o desenvolvimentismo – através do trabalho educacional, favorecendo os princípios ancestrais das folhas secas do Ororubá.
  • KLEBSON FELISMINO BERNARDO
  • EXTENSÃO COMUNITÁRIA: ANALISANDO ALTERNATIVAS E DESAFIOS PARA O APROFUNDAMENTO DA PARTICIPAÇÃO DA COMUNIDADE NA GESTÃO DE PROJETOS DE EXTENSÃO POPULAR DA UFPB
  • Data: 30/06/2022
  • Hora: 13:00
  • Mostrar Resumo
  • A presente pesquisa está apoiada na ideia-força da Extensão Comunitária (EC) e orientada pelos princípios teórico-metodológicos da Educação Popular (EP). No contexto desse estudo, a EC é entendida como o movimento em que a comunidade, em sua interlocução com os projetos de extensão popular, interagem com a universidade de forma protagônica, seja na produção do conhecimento que está sendo desenvolvido na academia, seja na gestão e no desenvolvimento das atividades de extensão. Assim, a EC envolveria, em sua definição, a possibilidade de se fazer uma “extensão” de fora (comunidade) para dentro (universidade), com a participação ativa da comunidade e de seus protagonistas em processos e experiências no âmbito universitário. Com base em tal ideia-força, o estudo em tela foi desenvolvido junto a membros comunitários e coordenadores de diferentes projetos de extensão popular da Universidade Federal da Paraíba (UFPB). Teve como objetivo principal compreender de que maneira esse projetos tem considerado e promovido o protagonismo da comunidade e de seus atores na gestão desses projetos e em outras dimensões da vida universitária. Em termos metodológicos, a pesquisa está ancorada nos princípios metodológicos da perspectiva qualitativa, de caráter exploratório, por meio da pesquisa bibliográfica e entrevistas semiestruturadas. Em relação a teoria de análise, o estudo adotou a hermenêutico-dialética, fundamentada nos aportes de Maria Cecília de Souza Minayo. O desenvolvimento da pesquisa contemplou a delimitação do contexto histórico da extensão universitária, a explicitação do referencial político-pedagógico da EP e a apresentação aprofundada da Extensão Popular, seus aspectos teórico-metodológicos, potencialidades e intercâmbio com os setores populares. Situou-se a ideia de EC, sua dimensão de concepção polissêmica e as principais utilizações e interpretações da mesma a luz da literatura atual. Ainda foram apresentadas experiências extensionistas que se embasam na EC. Os resultados indicam que se faz necessária ampliação da produção teórica acerca da ideia de EC, tendo em vista a tímida exploração dessa categoria na atual literatura. Os entrevistados destacaram a potencialidade dessa concepção, na perspectiva da relevância em se considerar a participação popular como elemento basilar da extensão popular e das perspectivas de adensamento da universidade e seu impacto social. Ressaltou-se, ainda, que a EC pode romper com os distanciamentos entre universidade e sociedade, bem como adensar os espaços nos quais os coordenadores, estudantes e técnicos dos projetos de extensão possam ouvir as demandas da comunidade, com vistas a fortalecer também o diálogo horizontalizado entre os/as sujeitos e os contextos. O estudo apontou, pelas experiências e percepções dos entrevistados, aspectos relativos ao envolvimento dos atores comunitários com os projetos de extensão; a constituição da relação dos coordenadores com a comunidade e os desafios a serem enfrentados; questões atinentes à gestão do projeto e a perspectiva de gestão participativa e dialógica dos mesmos. Entende-se que essa ideia, aprofundada do ponto de vista teórico e metodológico, pode aportar mais possibilidades de subsidiar que os projetos de extensão popular estimulem e promovam o envolvimento da comunidade e seus atores no contexto universitário. Em síntese, a EC pode contribuir com o movimento histórico que as práticas de extensão popular vêm desenvolvendo no campo universitário, ao apontar aspectos teóricos e metodológicos que qualifiquem suas práticas e contribuam na persistência do avanço de iniciativas acadêmicas pautadas pelo diálogo crítico, respeitoso e propositivo dos saberes (científico e popular), podendo-se ampliar o horizonte epistêmico e tornar a universidade permeada também por saberes e experiências pautados na realidade concreta dos diferentes sujeitos sociais populares.
  • ANE FLÁVIA DE SOUZA RODRIGUES
  • LIMOLAYGO TOYPE: NOSSA EDUCAÇÃO É NOSSA RESISTÊNCIA. EDUCAÇÃO INDÍGENA E A PEDAGOGIA DECOLONIAL, POVO XUKURU DO ORORUBÁ, PE.
  • Orientador : PEDRO JOSÉ SANTOS CARNEIRO CRUZ
  • Data: 30/06/2022
  • Hora: 10:00
  • Mostrar Resumo
  • A presente pesquisa buscou impulsionar o debate sobre a decolonialidade no campo da educação popular, a partir da educação indígena e mais especificamente do caso do povo indígena Xukuru do Ororubá, do estado de Pernambuco-Brasil. A educação indígena, como compreendemos, é pensada em sua gênese a partir da comunidade e se desenvolve no território, para além da sala de aula. Detentora de propósitos muito específicos, que vão muito além do saber ler e escrever, a educação escolar indígena volta sua atenção tanto para práticas micro - processos pedagógicos de ensino e gestão -, como também para o espaço macro - o sistema de organização social, ao se construir, paralelamente ao currículo escolar, o projeto de vida dos povos. Se a decolonialidade implica partir da desumanização e considerar as lutas dos povos historicamente subalternizados, dando visibilidade a essas pessoas, suas práticas sociais, epistêmicas e políticas, é necessário pensá-la para além da sua dimensão subjetiva, evocando seu objetivo final, de reconstrução radical do poder, do ser e do saber. Nesse sentido, essa pesquisa teve como proposta analisar o processo histórico - social da educação escolar indígena do povo Xukuru do Ororubá, a partir do Limolaygo Toype (em brobo, língua materna do povo Xukuru do Ororubá, “terra ancestral”), que apontem a decolonialidade, e elencamos como objetivos específicos: descrever e analisar as práticas pedagógicas escolares do povo Xukuru do Ororubá e os princípios que as sustentam; e discutir as práticas pedagógicas do povo Xukuru do Ororubá a luz de suas aproximações e distanciamentos da pedagogia decolonial. Para tanto, a metodologia proposta foi ancorada em uma abordagem qualitativa, com uso de triangulação metodológica, através da observação participante, da pesquisa bibliográfica e da pesquisa documental. Nessa direção, partimos de memorial crítico-reflexivo, costruido na perspectiva de evidenciar aspectos significativos da experiência da pesquisadora, enfatizando observações da mesma sobre as práticas pedagógicas escolares do povo Xukuru do Ororubá. Em seguida, situamos a presença indígena no Nordeste Brasileiro e a dimensão da territorialização, resistência e estratégia dos índios dos sertões. Apresentamos a ideia do Limolaygo e seus sentidos para a territorialização dos povos Indígenas, incluindo as estratégias, alianças, lutas e resistências dos povos indígenas do Brasil. Destacamos aspectos históricos do Povo Xukuru do Ororubá e elementos de sua construção social e política. Ademais, debruçamo-nos em uma construção teórica sobre os conceitos em torno da decolonialidade, os estudos pós-coloniais, tensionamentos e rearranjos epistemológicos, a partir dos quais traçamos o debate histórico da educação indígena, educação escolar indígena e o diálogo com a educação popular. Finalmente, problematizamos questões emergentes da análise sobre recentes produções sobre a pedagogia do Povo Xukuru do Ororubá na literatura acadêmica, bem como estudamos materiais oriundos dos registros da construção dessa pedagogia em acervos documentais do próprio povo. A história do povo Xukuru do Ororubá aponta a revolta política e a revolta epistêmica – ancoradas em reflexões acerca do estado atual do povo, da retomada do valor de nossos saberes e tessitura desses saberes, possibilitando a criação de alternativas de enfrentamento das estruturas dominantes das instituições- aquelas que mantêm o capitalismo e os interesses do mercado, possibilitaram a reconfiguração das escolas no território, em espaços de afirmação da identidade étnica, a partir de princípios escolares, práticas pedagógicas, metodologias e conteúdos que dialoguem com quem fomos, quem somos e quem seremos, no processo de formatação de nosso projeto de vida. Entre tentativas, erros e acertos, o sistema de educação escolar indígena Xukuru do Ororubá desenvolve, nos últimos trinta anos, um trabalho que tem fundamentalmente um objetivo: formar guerreiros e guerreiras capazes de defenderem o legado do nosso povo, nosso território e nossas tradições, a partir do fortalecimento de nossa identidade, reconhecendo a nossa humanidade, promovendo e estimulando a auto estima, e problematizando a cosmologia do branco – o desenvolvimentismo – através do trabalho educacional, favorecendo os princípios ancestrais das folhas secas do Ororubá.
  • ANA ANGELICA DE LUCENA TAVEIRA ROCHA
  • JOVENS DO ENSINO MÉDIO DO SERIDÓ PARAIBANO: SENTIDOS ATRIBUÍDOS A UMA EXPERIÊNCIA DE INTERCÂMBIO INTERNACIONAL
  • Data: 29/06/2022
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • A presente pesquisa se propõe a analisar relatos de jovens estudantes egressas/os do ensino médio de um instituto federal localizado na região do Seridó, no Estado da Paraíba, sobre sua participação em um projeto iniciado em 2016, que culminou com uma experiência de intercâmbio acadêmico-cultural internacional em 2018. Considerando as/os jovens como sujeitos socioculturais, construídas/os e, ao mesmo tempo, construtoras/es das suas relações, pretende-se estudar as implicações das experiências vividas por essas/es, buscando analisar os sentidos atribuídos por elas/es à sua participação no projeto e no intercâmbio acadêmico- cultural internacional. A pesquisa está inserida no campo dos Estudos Culturais e se vincula à abordagem qualitativa, respaldando-se teoricamente nas concepções de juventude(s) e culturas juvenis. O material empírico foi produzido a partir de entrevistas semiestruturadas com as/os jovens e os achados da pesquisa foram analisados na perspectiva da Análise de Conteúdo, na modalidade temática. Espera-se que esse estudo possa contribuir para fomentar novas discussões e conhecimento sobre jovens do ensino médio e seus projetos de vida, em especial, as/os jovens de classes sociais menos favorecidas.
  • THAYANA PRISCILA DOMINGOS DA SILVA
  • ESCOLA DE APLICAÇÃO DA PARAIBA: REPRESENTAÇÃO DA CULTURA ESCOLAR PRIMÁRIA (1935-1946))
  • Data: 29/06/2022
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • Este trabalho teve como objetivo compreender o processo de institucionalização da Escola de Aplicação da Paraíba, localizada na cidade de João Pessoa, bem como as representações das práticas educativas que constituíram o ensino primário numa escola-modelo. O recorte histórico demarcado caracterizou-se a partir da Reforma da Instrução Pública sob a Lei nº 16 de 13 de dezembro de 1935, que dispõe sobre a criação do Instituto de Educação da Paraíba e, consequentemente, da Escola de Aplicação. O percurso de análise encerrou-se anterior as transformações advindas das Leis Orgânicas de 1946, que reformulou a organização do Ensino Primário e das Escolas Normais, fim do regime ditatorial de 1945 – Estado Novo. O campo teórico-metodológico situou-se na Nova História Cultural, elucidando teóricos como Roger Chartier (1990) e Michel de Certeau (1994), dialogando sobre representações e práticas sociais. Na perspectiva da historiografia da educação, compreenderam-se as questões teórico-metodológicas situadas na categoria de análise da Cultura Escolar, dialogando com Dominique Julia (1995), Antonio Viñao Frago (1995), Luciano Faria Filho (2004) e Diana Vidal (2004). Assim, pretendeu-se empreender uma pesquisa documental de fontes nos Arquivos, a partir dos registros documentais da instituição citada, fazendo uma releitura dos principais registros históricos. O levantamento das fontes percorreu o Arquivo do atual Instituto de Educação da Paraíba, a procura dos documentos que envolvessem a cultura escolar e o Instituto Histórico e Geográfico Paraibano para investigação das leis, dos decretos e do jornal oficial A União, da Revista do Ensino (1932-1942), dos materiais iconográficos, entre outros. Revisitou-se o jornal A União e a Revista do Ensino (1932-1942) da Paraíba por meio dos arquivos bem como via digital. Também analisamos estudos com temas relacionados ao Instituto de Educação e Ensino Primário, especialmente do Programa de Pós-graduação em Educação da Universidade Federal da Paraíba, que colaboraram para a condução dos indícios de implantação, institucionalização e práticas educativas em torno da Escola de Aplicação. O escopo possibilitou ressignificar os contextos sobre a configuração educacional com relação social e cultural da sociedade paraibana e brasileira do século XX, uma vez que, a Escola de Aplicação da Paraíba esteve vinculada ao que se propagou de projeto escolanovista no cenário local. Assim, a Escola surge a partir da criação do Instituto de Educação da Paraíba, garantindo, sobretudo, um ambiente propício para servir de campo de experimentação as jovens normalistas, professorandas, atendendo a prática no ensino primário. Entretanto, a implantação da Escola de Aplicação paraibana se diferenciou dos demais contextos brasileiros, onde estas instituições surgiram, especialmente, atreladas as Faculdades e instituições superiores no final dos anos de 1940. Portanto, foi possível situar alguns elementos em torno da implantação, funcionamento, arquitetura, direção, professorado, propostas pedagógicas, semanas pedagógicas, serviços de instituições auxiliares relacionados à escola em foco.
  • THAYANA PRISCILA DOMINGOS DA SILVA
  • ESCOLA DE APLICAÇÃO DA PARAIBA: REPRESENTAÇÃO DA CULTURA ESCOLAR PRIMÁRIA (1935-1946)
  • Data: 29/06/2022
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • Este trabalho teve como objetivo compreender o processo de institucionalização da Escola de Aplicação da Paraíba, localizada na cidade de João Pessoa, bem como as representações das práticas educativas que constituíram o ensino primário numa escola-modelo. O recorte histórico demarcado caracterizou-se a partir da Reforma da Instrução Pública sob a Lei nº 16 de 13 de dezembro de 1935, que dispõe sobre a criação do Instituto de Educação da Paraíba e, consequentemente, da Escola de Aplicação. O percurso de análise encerrou-se anterior as transformações advindas das Leis Orgânicas de 1946, que reformulou a organização do Ensino Primário e das Escolas Normais, fim do regime ditatorial de 1945 – Estado Novo. O campo teórico-metodológico situou-se na Nova História Cultural, elucidando teóricos como Roger Chartier (1990) e Michel de Certeau (1994), dialogando sobre representações e práticas sociais. Na perspectiva da historiografia da educação, compreenderam-se as questões teórico-metodológicas situadas na categoria de análise da Cultura Escolar, dialogando com Dominique Julia (1995), Antonio Viñao Frago (1995), Luciano Faria Filho (2004) e Diana Vidal (2004). Assim, pretendeu-se empreender uma pesquisa documental de fontes nos Arquivos, a partir dos registros documentais da instituição citada, fazendo uma releitura dos principais registros históricos. O levantamento das fontes percorreu o Arquivo do atual Instituto de Educação da Paraíba, a procura dos documentos que envolvessem a cultura escolar e o Instituto Histórico e Geográfico Paraibano para investigação das leis, dos decretos e do jornal oficial A União, da Revista do Ensino (1932-1942), dos materiais iconográficos, entre outros. Revisitou-se o jornal A União e a Revista do Ensino (1932-1942) da Paraíba por meio dos arquivos bem como via digital. Também analisamos estudos com temas relacionados ao Instituto de Educação e Ensino Primário, especialmente do Programa de Pós-graduação em Educação da Universidade Federal da Paraíba, que colaboraram para a condução dos indícios de implantação, institucionalização e práticas educativas em torno da Escola de Aplicação. O escopo possibilitou ressignificar os contextos sobre a configuração educacional com relação social e cultural da sociedade paraibana e brasileira do século XX, uma vez que, a Escola de Aplicação da Paraíba esteve vinculada ao que se propagou de projeto escolanovista no cenário local. Assim, a Escola surge a partir da criação do Instituto de Educação da Paraíba, garantindo, sobretudo, um ambiente propício para servir de campo de experimentação as jovens normalistas, professorandas, atendendo a prática no ensino primário. Entretanto, a implantação da Escola de Aplicação paraibana se diferenciou dos demais contextos brasileiros, onde estas instituições surgiram, especialmente, atreladas as Faculdades e instituições superiores no final dos anos de 1940. Portanto, foi possível situar alguns elementos em torno da implantação, funcionamento, arquitetura, direção, professorado, propostas pedagógicas, semanas pedagógicas, serviços de instituições auxiliares relacionados à escola em foco.
  • LUPERCIA JEANE SOARES
  • EDUCAÇÃO EMOCIONAL NA ABORDAGEM AO BAIXO RENDIMENTO ESCOLAR NA EDUCAÇÃO BÁSICA: um olhar a partir da concepção da educação popular
  • Data: 28/06/2022
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • A presente pesquisa busca compreender as emoções dos educandos que apresentam baixo rendimento escolar. Para tanto, analisaram-se perspectivas teóricas e práticas pedagógicas para a abordagem das questões emocionais que permeiam o baixo rendimento escolar durante o processo de escolarização da educação básica nos anos iniciais do ensino fundamental. Buscou-se identificar aspectos significativos da relação emoção e aprendizagem; reconhecer quais emoções se manifestam nos educandos que apresentam rendimento insatisfatório; situar as concepções de Educação Popular e de Educação Emocional do ponto de vista teórico e pedagógico; problematizar os desafios da Educação Popular e da Educação Emocional como estratégias pedagógicas para abordagem ao baixo rendimento escolar no contexto da escola pública. Esse estudo possui natureza qualitativa, com base na perspectiva da Fenomenologia Hermenêutica no campo da Educação Popular. Os dados empíricos foram produzidos no espaço da Escola Municipal de Educação Infantil e Ensino Fundamental em Tempo Integral Augusto dos Anjos, localizada na cidade de João Pessoa; através de entrevistas semiestruturadas com educadoras da Educação Básica que observam o fenômeno do baixo rendimento escolar em seus educandos. A análise dos dados foi embasada pela fenomenologia em que os dados foram sintetizados em unidades de significados e sistematizados em categorias de análise de acordo com os objetivos da pesquisa. Tomou-se como referencial teórico os estudos sobre educação popular de Paulo Freire, Carlos Rodrigues Brandão, Danilo Streck, Eduardo Wanderley; a respeito do baixo rendimento escolar e as questões sociais: Miguel Arroyo, Bernard Charlot, Álvaro Marchesi e Eva Maria Pérez; quanto às questões emocionais, conceitos de emoções e suas características: António Damásio, José Maria Martins, Rafael Bisquerra, Juan Casassus, Elisa Gonsalves; sobre os processos de aprendizagem e as motivações para aprender: Humberto Maturana, Francisco Varela, Alexei Leontiev. Na construção da tese, são estudados e problematizados os caminhos entrelaçados da pesquisadora e sua vivência na educação básica, incluindo aspectos de sua trajetória de vida pessoal à atuação como pesquisadora da prática educativa. As relações entre educação popular, educação emocional e as abordagens ao baixo rendimento escolar são analisadas na reflexão crítica sobre as interfaces entre emoção, aprendizagem e baixo rendimento escolar, enfatizando especialmente os aspectos significativos da relação emoção e aprendizagem. Destacou-se, ainda, a dimensão da relação família e escola e seu impacto no baixo rendimento escolar; os comportamentos como indicadores emocionais no contexto da sala de aula; as emoções que se manifestam nos educandos com baixo rendimento escolar em uma escola no contexto popular. Os achados da pesquisa indicam que as emoções dos educandos que apresentam baixo rendimento escolar podem limitar suas capacidades de superação, logo é imprescindível compreender tais emoções para construir estratégias de regulação emocional para o reconhecimento de suas capacidades para o enfrentamento e empoderamento infantil através das perspectivas teóricas da educação popular e da educação emocional construindo uma educação que reconhece o educando da educação básica como sujeito de direitos. Identificaram-se aspectos de limites e fragilidades no conhecimento e na apropriação da educação emocional pelos docentes no contexto escolar, bem como os desafios da educação popular libertadora no enfrentamento ao baixo rendimento escolar e as possibilidades da educação popular e da educação emocional como estratégias pedagógicas para abordagem a essa questão. O diálogo entre educação popular e educação emocional possibilita o desenvolvimento do que caracterizamos como educação popular emocional libertadora, baseada no direito à aprendizagem, no fortalecimento da pessoa humana como sujeito crítico e autônomo.
  • GABRIEL ALVES DO NASCIMENTO
  • A EDUCAÇÃO MORAL NA FORMAÇÃO DA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA DESVALIDA MODERNA: O CASO DE PINDOBAL NA PARAÍBA DO SÉCULO XX (1930-1960)
  • Data: 27/06/2022
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • A história da Escola Profissional Presidente João Pessoa (Pindobal) possui uma áurea de misticismo popular incontestável, a crença de uma instituição que regenerava vadios, delinquentes e transviados rondou o imaginário da sociedade paraibana ao longo do século XX, fabricando gritos populares como: “Menino, me obedeça, senão vou te mandar para Pindobal!”. Pindobal permeia o imaginário social como uma instituição destinada ao cárcere ou a regenerar os insanos. Entre a crença popular e a verdadeira realidade existe um vácuo que este estudo tentou aprofundar. A metodologia utilizada é o Paradigma Indiciário (GINZBURG, 1987; 1989; 2007), foram analisadas cerca de 53 (cinquenta e três) fontes escritas e 49 (quarenta e nove) iconográficas, que tratam de um longo período, de 1930 a 1960. Pindobal, como é conhecida popularmente, é uma instituição que possui características de Patronato Agrícola, cujo objetivo institucional é profissionalizar, conter, regenerar e educar os considerados incorrigíveis socialmente – as crianças e os adolescentes pobres e pretos do sexo masculino. Esta instituição foi criada em 1930, na região de Mamanguape, na Paraíba, através do Decreto 1.606, de 14 de novembro de 1929, e regulamentada pelo Decreto 1.672, de 10 de junho de 1930. Os resultados que obtivemos através desse estudo caracterizam Pindobal a partir de quatro momentos distintos: 1) 1913-1929, primeira fase da instituição, administrada pelo governo Federal e fundado um Centro Agrícola; 2) 1930-1940, com a criação, em 1930, da Escola Profissional Presidente João Pessoa, administrada pelo governo do Estado; 3) 1941-1949, tendo a Educação Moral como principal ferramenta de controle dos internos de Pindobal através das mãos dos Padres do Sagrado Coração de Jesus; e 4) 1950-1960, com a direção da Professora e Assistente Social Jandira Pinto, que desenvolve uma concepção de Educação Humanista Cristã Assistencial. Esses quatro momentos distintos estão presentes a partir do ideário de sociedade de cada período. Pindobal esteve imersa nos discursos psiquiátricos, pedagógicos, jurídicos, religiosos e do ensino profissionalizante agrícola, culminando no trabalho compulsório com o intuito de moralizar, corrigir e conceder-lhes um ensino útil. Esse estudo aproxima-se da história social da infância no século XX. Esperamos que esta pesquisa sirva de ponto de chegada ou de partida para aqueles e aquelas que desejam investigar a História da Educação e a História das Instituições Educativas correcionais e agrícolas na Paraíba do século XX.
  • FRANCINEIDE RIBEIRO VIANA SANTOS
  • A IMPLEMENTAÇÃO DO CURRÍCULO DA EDUCAÇÃO INFANTIL À LUZ DA BNCC NO MUNICÍPIO DE JOÃO PESSOA-PB
  • Data: 22/06/2022
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • O estudo das políticas educacionais voltadas à criança de zero a cinco anos de idade apontam para mudanças conceituais sobre os objetivos direcionados ao atendimento institucional da educação infantil. Tais mudanças vão justificar a necessidade de garantir a essa etapa da educação básica uma prática que observe as especificidades necessárias ao trabalho pedagógico voltado à criança. É correto afirmar que nos últimos trinta anos, após a Constituição Federal de 1988, evidencia-se uma mudança de concepção em relação ao conceito de criança, na qual a criança passa a ser vista como um sujeito de direitos. A partir da Constituição Cidadã inaugura-se um conjunto de leis que caminham para a construção de uma política nacional curricular de educação. No ano de 2017, em meio a muitos embates e contradições foi homologada a BNCC, a qual trata da Educação Infantil e Ensino Fundamental, por ser um documento normativo define um conjunto de aprendizagens essenciais para todos os alunos ao longo da Educação Básica, dessa forma estabelece para os Estados e Municípios a obrigatoriedade (re)elabolar suas propostas curriculares. Considerando as orientações dispostas nas políticas educacionais para a infância, e sobretudo no âmbito da BNCC, nos questionamos como o currículo da Educação Infantil tem sido estruturado na rede pública municipal de João Pessoa e como tem sido favorecido a participação dos professores na construção de uma proposta curricular a ser implementada nos CREIs e escolas. O estudo caracteriza-se como uma pesquisa documental, a qual nos proporciona caminhos para uma análise dos documentos que direcionam a estruturação da política curricular implementada na rede municipal. A análise dos documentos nos permitiu concluir que a BNCCEI, apessar de referendar os princípios postos nas DCNEIs, a terceira e a última versão do documento reforçam uma antecipação da escolarização, desconsiderando os avanços e discussões vivenciadas ao longo dos últimos anos. Foi possível também perceber que a construção das propostas estaduais, a exemplo da Paraíba, aconteceram em um prazo mínimo, dificultando o processo de análise e participação. No âmbito municipal ainda não foi construída a Proposta Curricular, sendo assim buscamos as Diretrizes Pedagógicas para a Educação Infantil, em consonância com os demais documentos, são fortes a perspectiva prescritivas e gerencialista da educação.
  • WALDELIO PINHEIRO DO NASCIMENTO JUNIOR
  • Ditadura? Não, obrigado. Já vi esse filme. Cinema, ditadura militar e educação para nunca mais.
  • Data: 07/06/2022
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • A presente tese trouxe como foco analítico a educação em direitos humanos, na perspectiva da educação para nunca mais e teve no direito à memória e à informação os elementos fundamentais para pensar o desenvolvimento de processos cognitivos capazes de incentivar a autonomia e a valorização da democracia e da liberdade. A pesquisa recorreu ao cinema nacional a fim de pensar, por meio das narrativas fílmicas, estratégias sensíveis voltadas à manutenção da memória e da educação contra a barbárie, as violências e liberdades cerceadas durante os 21 anos do Estado de exceção brasileiro. Para tanto, analisou narrativas fílmicas do gênero documentário, por entender que as mesmas possuem mais vitalidade e profundidade crítica para apreensão da memória, por meio das vozes dos envolvidos no contexto das diversas vivências e das provas e registros documentais apresentados em complementação. Como estratégia metodológica para a leitura das produções cinematográficas selecionadas, a pesquisa se valeu da Análise de Conteúdo, enquanto metodologia apropriada para realizar tratamentos e interpretações em mensagens comunicacionais e artísticas dessa natureza. A investigação fílmica levou em consideração os testemunhos dos atores sociais, a apresentação de documentos e registros históricos e as formas de representação das violações aos direitos humanos e seus perpetradores – militares e civis – assim como seu modus operandi. Os resultados indicaram um potencial informacional e sensibilizante dos discursos fílmicos e, consequentemente, sua potencialidade para interferir na memória social e suscitar reflexões críticas acerca das violações à dignidade humana, de forma serena e equilibrada, lançando luz, em vez de sal, nas feridas abertas. Por fim, a pesquisa indicou a urgência de uma educação para nunca mais, baseada na memória social, enquanto um pertinente debate a respeito da ditadura aliado às práxis educacionais que incentive uma sociedade mais humana, consciente do valor da liberdade e da democracia e comprometida com a formação de novas gerações imbuídas a evitar que os horrores do autoritarismo voltem a se repetir em nossa história.
  • ANA MARIA GOMES RIBEIRO
  • Educação Popular e Sustentabilidade: um estudo sobre os aspectos educativos não formais no processo de fornecimento de alimentos para a merenda escolar por agricultores familiares, no município de Jacaraú-PB
  • Data: 31/05/2022
  • Hora: 15:00
  • Mostrar Resumo
  • Diante da crise ecológica que ameaça a vida no planeta, alternativas têm sido pensadas no sentido de construir sociedades sustentáveis. Por exemplo, a agricultura familiar tem produzido de forma alternativa adotando práticas agroecológicas, produtos seus têm sido incorporados à alimentação escolar, a educação tem sido invocada como educação ambiental para formar o ‘sujeito ecológico’, etc. Neste sentido, este trabalho teve como objetivo geral analisar os aspectos educativos não formais presentes no processo de fornecimento de alimentos para a merenda escolar por agricultores familiares, no município de Jacaraú-PB, tendo em conta o Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE). Do ponto de vista do referencial teórico, a pesquisa teve em atenção, entre outras, elaborações em torno da Educação Ambiental Popular e da Agroecologia. No que diz respeito aos procedimentos metodológicos, tratou-se de uma investigação qualitativa realizada junto a agricultores familiares e membros da gestão vinculados à alimentação escolar no município de Jacaraú-PB, tendo como meio de coleta de dados entrevistas semiestruturadas, além de visitas – em forma de observação – às unidades de produção e armazenamento, realizando-se registros fotográficos. O material empírico resultante das entrevistas foi tratado conforme a técnica de análise de conteúdo temático-categorial, de onde resultaram as seguintes categorias: a operacionalização do PNAE na perspectiva dos agricultores fornecedores de alimentos; desafios da produção e comercialização na agricultura familiar; aspectos do desenvolvimento socioeconômico local e ambiental nas ações do PNAE; operacionalização do PNAE na perspectiva dos gestores; protagonistas do fornecimento de alimentos para a merenda escolar pelo PNAE; construindo a Educação Ambiental Popular a partir das ações do PNAE. Dentre os resultados, verificou-se que aspectos educativos não formais presentes no processo de fornecimento de alimentos para a merenda escolar por agricultores familiares, no município de Jacaraú-PB, se relacionam ao aporte de informações para a sustentabilidade ambiental, para a alimentação saudável e para o desenvolvimento local inclusivo. Entre outras inferências conclusivas, é enfatizado que as ações do PNAE fomentam entre os envolvidos o sentimento de coletividade, a autonomia e a participação cidadã, a difusão de perspectivas orgânicas/agroecológicas e a consciência ambiental, num contexto de aprendizados a partir da prática e da troca de experiências.
  • RENATA BEATRIZ NASCIMENTO LIMA
  • Educação Popular e vulnerabilidade social: um estudo sobre ações educativas no contexto do Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos (SCFV)/Mamanguape-PB
  • Data: 30/05/2022
  • Hora: 15:00
  • Mostrar Resumo
  • O presente trabalho investigou as atividades socioeducativas desenvolvidas pelo Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos (SCFV) do município de Mamanguape-PB. O SCFV foi regulamentado pela Resolução do Conselho Nacional de Assistência Social (CNAS) nº102/2009, e reordenado anos depois por meio da Resolução/CNAS nº01/2013. Trata-se de um serviço de caráter proativo e preventivo, pautado pela defesa e afirmação de direitos e pelo desenvolvimento de capacidades e potencialidades dos indivíduos, buscando alcançar alternativas para o enfrentamento das vulnerabilidades e situações de risco. As atividades executadas pelo SCFV devem ser organizadas de modo a considerar seus três eixos norteadores: convivência social, direito de ser e participação. O objetivo geral deste estudo foi analisar as contribuições do Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos (SCFV) do município de Mamanguape-PB, do ponto de vista educativo, para o processo de mudança de vida dos setores populares que são o seu público-alvo. Este objetivo geral suscitou outros específicos na seguinte direção: 1) conhecer as diretrizes administrativas e educativas que norteiam a atuação do SCFV; 2) compreender as percepções do público adolescente sobre as atividades desenvolvidas; 3) descrever as atividades que são desenvolvidas pelos educadores sociais. Do ponto de vista do referencial teórico, a pesquisa teve em conta, por exemplo, os aportes da Educação Popular e da Educação Social. Metodologicamente, caracteriza-se como uma pesquisa qualitativa de caráter descritivo, tendo sido operacionalizada mediante a realização de roda de conversa com dez adolescentes frequentadores do SCFV há pelo menos três anos e entrevistas semiestruturadas com quatro educadores socais que desenvolvem atividades junto ao público-alvo há cinco anos. O material empírico resultante das entrevistas com os educadores sociais foi analisado mediante a técnica de análise de conteúdo temático-categorial. Verificou-se, dentre outros os resultados, que as contribuições educativas do SCFV estão relacionadas às dimensões cognitiva, de socialização secundária e inclusão social. Foram encontradas diversas atividades e estratégias voltadas ao público-alvo, como as oficinas culturais e orientações sociais realizadas a partir de atividades grupais, tematizadas, dinâmicas, voltadas ao desenvolvimento social e à construção da cidadania. Além disso, foi possível identificar diferentes elementos que condicionam o trabalho dos educadores sociais. Entre as conclusões, pode-se inferir da pesquisa, por exemplo, que o SCFV tem conseguido contribuir com processos de mudança de vida do seu público-alvo, chegando inclusive a auxiliar na sua profissionalização, tendo-se, por outro lado, no entanto, que a natureza dessa dinâmica está sujeita a limitações próprias das condicionalidades da esfera institucional.
  • MARIA LIGIA ISIDIO ALVES
  • A EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS E A ECONOMIA SOLIDÁRIA: PERSPECTIVAS E RESSIGNIFICAÇÕES DA EDUCAÇÃO POPULAR
  • Data: 30/05/2022
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • A Educação de Jovens e Adultos (EJA) é concebida como processo educativo para além de um mecanismo de reparação das trajetórias de escolarização não percorridas por jovens, adultos e idosos no tempo legalmente esperado. Logo, a EJA se situa no campo dos diversos tempos e territórios formativos sejam eles, escolares, sociais, econômicos, culturais ou políticos. A pesquisa que deu origem a esta tese construiu diálogos no campo das práticas de Educação de Jovens e Adultos e da Economia Solidária (ECOSOL) que acontecem no município de Lagoa de Dentro-PB. O estudo foi desenvolvido junto aos educandos (as) e professores (as) EJA da rede municipal de Lagoa de Dentro/PB; produtores/artesãos/comerciantes da Feira de Economia Solidária, Agricultura Familiar, Arte e Cultura de Lagoa de Dentro-PB, e lideranças comunitárias populares. Teve como objetivo principal, compreender a Educação de Jovens e Adultos no contexto local, a partir dos vínculos e motivações que ligam a dinâmica da formação escolar ao conjunto das organizações e práticas de Economia Solidária do território. Adotou como problematização a seguinte inquietação: Quais as implicações entre a Educação de Jovens e Adultos e o conjunto das organizações e iniciativas de Economia Solidária do território, mediante a dinâmica dos educandos? Este estudo se insere na abordagem teórica-metodológica da Educação Popular enquanto epistemologia crítica, ancorado nos princípios metodológicos da Pesquisa Participante, por meio de observações participantes e entrevistas semiestruturadas. Os vínculos entre EJA e Economia Solidária transitam da denúncia ao anúncio. Da EJA que temos emergem enunciados da EJA que queremos, mediante anúncios de indícios de como a EJA pode vir a ser, e, nesse movimento, aproximar a escola dos itinerários de trabalho, cotidianidades e necessidades dos/as educandos/as trabalhadores. A Educação Popular interconectada a perspectiva de Economia Solidária como multidimensional forjam espaços de resistência dos sujeitos da EJA frente a condição de opressão que por meio de seus fazeres se ressignificam demostrando expressões de criatividades e intercâmbios de saberes que anunciam a construção de práticas educativas que assumem a emancipação como possibilidade de formação política e cidadã para a (re)configuração da EJA na escola pública e usos do território. Esse movimento formativo elucida que os sujeitos da EJA em domínio dos conhecimentos provenientes da Educação Popular e da Economia Solidária constroem mecanismos de geração de trabalho e renda a partir das dinâmicas sócio-produtivas e dos processos econômicos desenvolvidos, os quais não se limitam as necessidades imediatas de sobrevivência, mas configura-se como dimensão educativa integral que preza por uma produção e reprodução ampliada da vida pautada na perspectiva solidária e inclusiva construída pela participação popular, solidariedade e emancipação como estratégia política de desenvolvimento alternativo e multidimensional. Assim, a presente tese contribui com a ressignificação da EJA como um processo de Educação Popular a partir do desenvolvimento de uma pedagogia que permita relacionar os saberes sistematizados e os saberes emergentes das territorialidades e vida cotidiana dos sujeitos e, assim, construir uma escola pública cidadã.
  • ALINE CAMPOS
  • EDUCAÇÃO-VAGA-LUME: REINVENTAR A EDUCAÇÃO POPULAR, RESISTIR À OPRIMISSÃO E IMAGINAR UMA EDUCAÇÃO ANTIPRISIONAL
  • Data: 18/05/2022
  • Hora: 16:00
  • Mostrar Resumo
  • É possível fazer acontecer uma educação antiprisional na prisão? É a partir desse aparente paradoxo que me aventurei numa investigação científica ancorada na Pesquisa Participante e na Pesquisa Narrativa, mergulhando em narrativas de vida de quatro sobreviventes do sistema prisional e em minhas próprias experiências educativas em contextos prisionais. Juntos, os interlocutores desta pesquisa e eu, buscamos compreender as possibilidades e limites para promoção de uma educação na (e para além da) prisão que não reforce a existência do sistema prisional. Por meio da conversa como metodologia de pesquisa, a noção de oprimissão emergiu fazendo-nos compreender que os procedimentos próprios da prisão humilham e impõem à pessoa que está presa uma condição permanente de inferioridade, a qual implica no apagamento de sua humanidade. A partir da junção de três movimentos de luta – reinventar da Educação Popular, resistir à oprimissão e imaginar uma educação antiprisional – elaboramos a noção de educação-vaga-lume como estratégia para nutrir a humanidade das pessoas que tem suas vidas submetidas ao apagamento na prisão. Cinco horizontes para se promover a educação-vaga-lume são apresentados: (1) estabelecer relações comunitárias e amorosas, a partir da partilha, do cuidado e do estímulo a expressão, escuta e conversa; (2) enfatizar a existência como condição comum a todos os seres vivos do planeta, bem como a interdependência entre eles; (3) problematizar nossas múltiplas identidades, favorecendo o desenvolvimento de sensibilidades e pertencimentos, e reconhecendo a trajetória histórica de marginalização a que está submetida a maior parte da população carcerária; (4) tecer encontros e compartilhar experiências, a fim de fomentar a apropriação do tempo-espaço da vida, por meio da conexão entre passado, presente e futuro; e (5) estimular a (re)criação e invenção de si, para expandir as possibilidades de ser. Por fim, a alegria é proposta como uma medida de atenção possível para a (auto)avaliação permanente de educadores e educadoras em contextos prisionais, para que saibam se estão de fato combatendo o sistema prisional e nutrindo bioluminescências.
  • EDSON LEANDRO DE ALMEIDA
  • PREPRESENTAÇÕES SOCIAIS DE MASCULINIDADE DE ESTUDANTES DO ENSINO MÉDIO DE PERNAMBUCO
  • Data: 02/05/2022
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • O objeto de estudo desta tese se define como as representações sociais de masculinidade no interior das relações de gênero, entendidas as relações de gênero como construção cultural de uma forma básica de relações de poder, e as masculinidades como formas de identidade, múltipla, complexa e interseccionada. As masculinidades têm sido objeto de pesquisas nos diversos campos da produção do saber, especialmente aquelas orientadas pela teoria feminista. Porém, são poucos os estudos que correlacionam representações sociais e masculinidade, bem como os que enfocam as representações sociais de masculinidade de estudantes do Ensino Médio – e na vertente estruturalista são inexistentes. O conceito de representação social (RS) é compreendido, a partir de Serge Moscovici e Denise Jodelet, como uma forma de conhecimento socialmente elaborado e partilhado, que orienta a comunicação e a ação, e concorre para a construção de uma realidade comum a um grupo social. Assim, o objetivo da tese é identificar as representações sociais que jovens estudantes do Ensino Médio do Estado de Pernambuco têm das masculinidades, localizando seus possíveis elementos centrais e periféricos, numa perspectiva interseccional. Os objetivos específicos compreendem: levantar as representações sociais de masculinidades de estudantes do Ensino Médio no estado de Pernambuco; delimitar os elementos centrais e periféricos das representações de masculinidades, segundo o modelo analítico de Jean-Claude Abric, e suas implicações; distinguir, a partir da interseccionalidade, possíveis representações sociais singulares de masculinidade; indicar os elementos componentes do núcleo central da representação social predominante de masculinidade de estudantes do Ensino Médio em Pernambuco. A pesquisa caracteriza-se por uma abordagem metodológica mista, qualitativa e quantitativa, de tipo aplicada. A produção do material empírico se deu a partir da Técnica de Associação Livre de Palavras (TALP), aplicada através de questionário em cascata online e de entrevista estruturada online. Participaram da pesquisa 121 estudantes do Ensino Médio de oito cidades do interior de Pernambuco. Os resultados indicam que suas representações sociais de masculinidade são estruturadas em torno dos elementos homem, machismo e força. E, ainda, que as identidades marcadas pela diversidade sexual e diversidade religiosa possuem, muito provavelmente, uma representação de masculinidade diversa do grande grupo, especialmente na exclusão do elemento homem como central. A heterossexualidade, para o grupo pesquisado, não se apresentou como elemento saliente da masculinidade. A compreensão da estrutura da representação social de masculinidade é um importante recurso de implementação de políticas, projetos e programas voltados para a questão das masculinidades no interior das relações de gênero na escola. A tese sugere a necessidade de novas pesquisas para melhor verificação do núcleo central e sistema periférico das representações sociais de masculinidades em estudantes da educação básica, especialmente os grupos identificados com marcadores de diferença, como orientação sexual, espiritualidade e raça/etnia.
  • FERNANDA DE PAULA GOMIDES
  • NOVA REFORMA DO ENSINO MÉDIO (LEI Nº 13.415/17): DESVELANDO A PROPOSTA CURRICULAR DO ESTADO DA PARAÍBA
  • Data: 29/04/2022
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • Em meio a uma conjuntura de crise política, econômica e social no Brasil, em especial a partir de 2016, mudanças substanciais estão sendo implementadas na educação. Uma dessas mudanças que merece ser avaliada é a aprovação da Nova Reforma do Ensino Médio (NEM) no Brasil, resultante da aprovação da Lei nº 13.415/2017. Tal lei obriga todos os estados da União a desenvolver propostas curriculares estaduais alinhadas à BNCC. A partir disso, o objetivo geral dessa pesquisa é analisar a proposta curricular no estado paraibano, considerando o persistente e histórico dualismo educacional representado na lei e propostas curriculares. Em relação aos objetivos específicos, buscamos, para além de uma discussão histórica sobre tais políticas e da reforma atual: investigar sobre a crise no mundo trabalho, a partir de 1970, e seus impactos na educação, incluindo na América Latina atualmente; identificar as políticas educacionais historicamente formuladas no Brasil, em especial para Ensino Médio, a partir de 1930; examinar a formulação e instituição da reforma do Ensino Médio no Brasil; analisar a implementação da reforma do Ensino Médio no estado da Paraíba com base na Lei nº 13.415/2017 e nos documentos/propostas do Conselho Estadual de Educação na Paraíba (CEE/PB). Fundamentamo-nos no aporte teórico-metodológico do método científico do materialismo histórico dialético (em especial tratando de categorias como contradição e totalidade) e da pedagogia histórico-crítica, a partir compreensão das relações entre Estado e sociedade, capital e trabalho. Como fontes principais, é definida a própria Lei nº 13.415 de 2017 (que modificou a LDBEN/1996 e apropriou-se dos fundamentos da BNCC/EM de 2018), acompanhada dos documentos do CEE/PB, em especial as versões de proposta curricular do estado paraibano. Pontuamos aqui que analisamos as propostas curriculares dando ênfase à área de conhecimento em ciências humanas, bem como no itinerário formativo da mesma área, tendo em vista nossa formação acadêmica que possibilita maior fluidez de análise. Com base nesse trabalho, compreendemos que não só não superamos, como incentivamos – com essa reforma de cunho curricular – o histórico dualismo educacional presente no país no que se refere à diferença entre a educação pública (ajustada para a classe trabalhadora na produção de mão de obra) e a privada (modulada para o acesso ao conhecimento culto da elite). Indicamos a Lei 13.425/17 como um retrocesso no que tange o aligeiramento da formação dos estudantes com objetivo de atender ao mercado de trabalho e às avaliações internacionais e institucionais. A proposta paraibana, por sua vez, mesmo tendo como base a reforma imposta sem diálogo com a sociedade e com as influências globais/neoliberais, caminhou para um viés mais consonante com os ideais de uma educação popular, de crítica à influências de organismos e avaliações externas e com foco na formação de jovens mais conscientes socialmente. Há no documento paraibano um amplo esforço em constituir uma proposta democrática e inclusiva, mas ao estar alinhada com os pilares neoliberais já proferidos em documentos anteriores como a BNCC, por exemplo, fica-nos clara a limitação transformadora da proposta. No geral, os impactos dessa reforma tendem a ser fortes na educação pública, com aligeiramento da formação e na ênfase na formação profissional. Já a rede privada, por sua vez, deverá se especializar ainda mais em prover acesso ao ensino superior.
  • ROSILENE SILVA DE MOURAES
  • AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM NO ENSINO SUPERIOR: SIGNIFICADOS E MODOS DE AÇÃO DE DOCENTES DO CURSO DE PEDAGOGIA
  • Data: 29/04/2022
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • A presente pesquisa está vinculada a linha de Processos de Ensino-Aprendizagem do Programa de Pós-graduação em Educação da Universidade Federal da Paraíba (CE/PPGE/UFPB) e tem por objetivo geral investigar os significados e modos de ação que estruturam as práticas avaliativas de professores/as do curso de Pedagogia de um dos Campus da Universidade Federal da Paraíba. A avaliação da aprendizagem tem um papel importante no processo de ensinar e aprender e, ao situá-la no curso de Pedagogia, podemos problematizar como os cursos de licenciatura preparam os/as profissionais que atuam na educação, entendendo que as experiências formativas, incluindo as que dizem respeito à avaliação, contribuem para a sua formação pedagógica. A presente pesquisa opera com o estudo de caso qualitativo do tipo instrumental; baseando-se em um estudo exploratório, tomando como inspiração a abordagem epistemológica do Interacionismo Simbólico, em função de entendermos que a compreensão que o/a professor/a tem de avaliação não é fruto do pensamento isolado das relações que estabelece com o mundo, mas emergem justamente da interação com outros/as, sob a mediação de significados estruturados socialmente. Como técnicas de coleta de dados, escolhemos trabalhar com entrevista e questionário semiestruturado, diante do contexto de isolamento social, devido à pandemia COVID-19, os dados foram coletados por “meio ou ambiente virtual” conforme as orientações do Ofício Circular nº 2/2021/CONEP/SECNS/MS. O tipo de análise de dados escolhido para a pesquisa foi a Análise de Conteúdo, em Bardin (2016). Para contribuir com a qualificação das práticas avaliativas no referido curso, a base teórica da pesquisa foi construída de categorias conceituais que englobam a Avaliação da Aprendizagem, os estudos da Pedagogia Universitária e da Didática no Ensino Superior. Os resultados apresentados apontam que a avaliação da aprendizagem desenvolvida no curso de Pedagogia, lócus da pesquisa, é atravessada por significados, que, por sua vez são produzidos e/ou adquiridos pelos/as professores/as, especificamente, através da interação com outras pessoas em seus contextos de formação e atuação profissional. Além disso, a pesquisa concluiu que tais significados foram interpretados e transformados, isto é, os/as professores/as direcionaram seus modos de ação.
  • GILDIVAN FRANCISCO DAS NEVES
  • MOVIMENTOS SOCIAIS DO CAMPO, PRÁTICAS EDUCATIVAS E (RE)CONFIGURAÇÕES DO TERRITÓRIO: LEITURAS A PARTIR DA LUTA DO POVO DE ALAGAMAR
  • Data: 28/04/2022
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • A Luta do Povo de Alagamar foi um movimento social ocorrido na década de 1970, em Alagamar, situado entre os municípios paraibanos de Itabaiana e Salgado de São Félix e integra um cenário de lutas e resistências no campo e que tem contribuído para (re)configurá-lo. Deste modo, elencamos como objeto de estudo as (re)configurações do território de Alagamar, a partir das práticas educativas construídas pelos trabalhadores rurais na participação no movimento social neste ocorrido. Enquanto problemática: de que maneira, as práticas educativas construídas pelos trabalhadores rurais, através de suas participações na Luta do Povo de Alagamar, contribuíram para o desencadeamento de (re)configurações no território, a partir do movimento social? Frente a esta, elencamos como objetivo geral analisar como as práticas educativas construídas pelos trabalhadores rurais na Luta do Povo de Alagamar contribuíram para a (re)configuração do território no qual foi realizada, enfatizando as novas territorialidades construídas. Como objetivos específicos, destacamos: a) Contextualizar o território de Alagamar, tomando como referência o movimento social neste ocorrido; b) Discutir as diferentes propostas de solução para a situação de exclusão vivenciada em Alagamar, no contexto do movimento social, como ressonâncias de leituras distintas do território; c) Compreender como o movimento social e as práticas educativas a partir deste construídas contribuíram para a construção de novas leituras para o território de Alagamar; e, d) Levantar fontes para a história local, contribuindo para o trato com a memória do movimento social, no âmbito da educação do campo, no território em que foi realizado. Apresentamos como tese o seguinte argumento: mediante a participação na Luta do Povo de Alagamar, os trabalhadores rurais construíram práticas educativas que contribuíram para a construção de novas leituras e (re)configurações para o território no qual ocorreu. Partimos do campo da Educação Popular que nos possibilitou adentrar a história local do território em que o movimento social foi realizado, visualizando o território e as suas memórias, ao Sul. Trata-se de uma pesquisa qualitativa, a partir da pesquisa documental, tendo como fontes jornais, cartilha, cartas pastorais escritas por D José Maria Pires, Informativo Arquidiocesano no 83 de 1980, fotografias, analisadas considerando o disposto por Bacellar (2008) e Le Goff (2012) sobre o trato com documentos. A partir dos referidos autores, construímos uma ficha que contribuiu com o processo de catalogação e análise e resultou na construção de um produto que denominamos de Catálogo de fontes: Luta do Povo de Alagamar. Percebemos que no contexto do movimento social, existiam leituras divergentes para o território, o que incidia nas resistências realizadas pelos trabalhadores rurais, na busca pela desapropriação e permanência na localidade e nas ações dos novos proprietários, com vistas a expulsar os moradores de Alagamar. Este remeteu a um espaço de construção de práticas educativas, a partir das quais foram geradas aprendizagens, que possibilitaram aos trabalhadores rurais construir uma luta que continua, frente ao entendimento de que as medidas adotadas pelo governo do estado e do governo federal não solucionavam o problema e, assim, interferindo na (re)configuração e usos do território. A presente tese, mediante a construção do catálogo, contribui para o trato com a história local, na educação do campo em Alagamar, ao passo em que apresenta fontes que permitem construir diálogos com o território, suas memórias e histórias.
  • JOSÉ CLEUDO GOMES
  • A EDUCAÇÃO COMO PRÁTICA DA CIDADANIA LGBT NO MOVIMENTO DO ESPÍRITO LILÁS – MEL (1992-2020)
  • Orientador : MARIA DE NAZARE TAVARES ZENAIDE
  • Data: 25/04/2022
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • A presente pesquisa investigou a prática educativa do Movimento do Espírito Lilás (MEL), fundado em 1992 com foco no enfrentamento ao preconceito e discriminação de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais (LGBT) no Estado da Paraíba. O MEL ao longo de sua trajetória vem desenvolvendo uma dimensão comunitária de sua prática educativa que proporcionou articulações em rede, assim tornou-se um sujeito político singular na propositura de políticas públicas para LGBT em âmbito nacional, estadual e local. O objetivo geral do estudo foi analisar as ações educativas e sociopolíticas do MEL à luz da educação em e para os direitos humanos (1992-2020), e em que medida têm contribuído para a emancipação e a conquista da cidadania LGBT. Este objetivo principal suscita outros mais específicos relacionados a: identificar o percurso histórico e a memória institucional do MEL enquanto coletivo; identificar as ações, conteúdos e metodologias com foco no fazer educativo da instituição; investigar as contribuições do MEL como um espaço educativo e de luta do movimento social. A pesquisa foi desenvolvida a partir de uma abordagem dialética, dialogando com referenciais teóricos oriundos do movimento LGBT, da educação popular e da educação em direitos humanos. Trata-se de uma pesquisa qualitativa de caráter exploratório, envolvendo a pesquisa documental dos materiais educativos e ações sociopolíticas produzidas pela entidade, tais como o boletim informativo A Colmeia, além das entrevistas semiestruturadas realizadas com dez militantes que atuam ou atuaram no movimento social, cujas reminiscências de memórias contribuíram para identificar as ações realizadas pelo MEL. Os resultados das análises apontaram que o MEL tem uma prática educativa voltada para promover os direitos humanos e a cidadania LGBT. Ao longo do estudo, foram identificadas atividades lúdicas, culturais e sociopolíticas realizadas de maneira engajada nos processos formativos do grupo que ora formava para a cidadania LGBT, já que o MEL tem uma natureza dialética, em que não separar o cultural, o educativo e o político. Por fim, o MEL, enquanto agrupamento político esteve presente e atuante junto a sua militância, das lutas por emancipação ao reconhecimento da cidadania LGBT, transformando vidas, por meio de sua prática educativa e sociopolítica que visava a criticidade, a autonomia e a utopia de que outro país seria possível com direitos e políticas públicas para a população LGBT.
  • JENIFFER CAMILA DA SILVA GUIMARÃES
  • ENSINO DA ESCRITA EM TURMAS MULTISSERIADAS: UMA ANÁLISE DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NO ENSINO FUNDAMENTAL ANOS INICIAIS DURANTE A PANDEMIA DO COVID - 19
  • Data: 13/04/2022
  • Hora: 09:30
  • Mostrar Resumo
  • O ensino da escrita está presente no currículo escolar desde o surgimento das primeiras escolas brasileiras. Nesse sentido, a prática do ensino da escrita foi exercida por interesses políticos, sociais e culturais ao longo dos anos. Assim, na busca de estratégias que enriquecessem o processo de ensino da escrita, o sistema educacional brasileiro aderiu a vários métodos e modelos de ensino ao longo dos anos. Nesse contexto, dentre as diferentes formas de organização do ensino o modelo multisseriado tem permanecido como ferramenta de ensino para o mundo rural no decorrer da história da educação brasileira. Em nosso país, esse modelo de ensino se constitui como complexo, exigindo uma atuação docente diferenciada e comprometida com a realidade do mundo rural. Á vista dessas informações, a pesquisa em desenvolvimento tem por título ‘’ Ensino da escrita em turmas multisseriadas: uma análise das atividades desenvolvidas no ensino fundamental anos inicias durante a pandemia do covid - 19’’. A pesquisa está situada no campo de estudos da linha de pesquisa Processos de Ensino e Aprendizagem, apresenta abordagem qualitativa e se caracteriza como pesquisa exploratória. Nesse sentido, realizamos a coleta de dados através de entrevista semiestruturada e análise documental através das atividades de escrita realizada por alunos matriculados no ensino fundamental anos iniciais em turma multisseriada. Para a análise de conteúdos utilizamos a abordagem de Bardin (2011). A pesquisa busca responder a seguinte problemática: Como se dá o processo de ensino da escrita em turmas multisseriadas, no ciclo que compreende os anos iniciais do ensino fundamental? Nesse contexto, destacamos como objetivo geral investigar como ocorreu o processo de ensino da escrita em turma multisseriada em tempos de pandemia. Para alcançá-lo, delimitamos os seguintes objetivos específicos: verificar como o professor busca considerar o processo de construção da aprendizagem da criança; identificar qual a concepção do professor sobre o processo de ensino da escrita; refletir sobre a prática do ensino da escrita na concepção interacionista; relatar a opinião e concepção do professor sobre sua vivência e prática de ensino no mundo rural em turma multisseriada. Nesse contexto, a pesquisa revelou que o processo de ensino da escrita está diretamente relacionado a concepção de ensino do professor responsável pela turma e as necessidades de aprendizagem dos alunos. Assim, a escolha do método de ensino não se constitui como uma receita que deve ser aplicada por todos os professores, mas como uma estratégia de ensino particular a cada contexto escolar.
  • VALDENISE LIMA PIMENTEL NOGUEIRA
  • CRIANÇAS QUILOMBOLAS EM UM CINECLUBE ESCOLAR: PARTICIPAÇÃO E PROTAGONISMO.
  • Data: 31/03/2022
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • Esta pesquisa se propôs a analisar as relações de crianças quilombolas com um Cineclube Escolar. Ancorada no nexo entre educação e cinema e situada no campo das Pedagogias Culturais. Estabeleci como objetivo geral analisar as relações das crianças quilombolas da Escola Municipal José Albino Pimentel com o Cineclube escolar. Para isso, apoiei-me em autores diversos, localizados a partir dos eixos temáticos, a saber: Crianças quilombolas, Anete Abramowicz (2012; 2020), Wanderson Nascimento (2018); Cineclube Escolar, Inês Teixeira (2014; 2020), Débora Brutuce (2003); Participação, Diaz Bordenave (1983), Maria Gohn (2019); Protagonismo, Adriana Friedmann (2017), Raquel Franzim (2017), entre outros. O desenho metodológico se estruturou em torno de estudos qualitativos, realizado por meio de pesquisa documental, exploratória. Os dados foram produzidos por meio de documentos primários, disponíveis no acervo da Escola Municipal de Educação Infantil e Ensino Fundamental José Albino Pimentel, Conde-PB, lócus da pesquisa. Para análise dos dados, utilizei a Análise de conteúdo, conforme apresentado por Laurence Bardin (2009). Alicerçada nesse referencial teórico e metodológico, foi possível reconhecer que essa experiência de acesso à cultura, em particular, o cinema na escola, chama atenção por apresentar uma dinâmica singular, ou seja, durante as sessões, as crianças dos quilombos, Gurugi e Ipiranga, Conde-PB, assistirem aos filmes, participaram conversando sobre as obras, brincaram e conheceram a sala de cinema comercial, dessa forma, protagonizaram, atuaram como atores/personagens em suas produções audiovisuais, planejaram e mediaram sessões cineclubistas , além de terem se revelado como crianças que cultivam laços afetivos, dançam e estudam na companhia prazerosa de seus pares.
  • GIOCONDA MARIA MEDEIROS AZEVEDO
  • O CONHECIMENTO BIOLÓGICO EM LIVROS DIDÁTICOS DE CIÊNCIAS DOS ANOS INICIAIS: UMA ANÁLISE DE PARÂMETROS E INDICADORES DE ALFABETIZAÇÃO CIENTÍFICA
  • Data: 31/03/2022
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • O ensino de ciências é responsável por promover a Alfabetização Científica (AC), sendo importante para os anos iniciais do Ensino Fundamental (EF), pois é o espaço de iniciação das crianças ao conhecimento científico, contribuindo para a formação e o desenvolvimento da cidadania dos estudantes. Conforme os documentos curriculares nacio O ensino de ciências é responsável por promover a Alfabetização Científica (AC), sendo importante para os anos iniciais do Ensino Fundamental (EF), pois é o espaço de iniciação das crianças ao conhecimento científico, contribuindo para a formação e o desenvolvimento da cidadania dos estudantes. Conforme os documentos curriculares nacionais (Parâmetros Curriculares Nacionais – PCN e Base Nacional Comum Curricular – BNCC), o conhecimento biológico faz parte da composição curricular da disciplina escolar Ciências para os anos iniciais do Ensino Fundamental – conhecimento oriundo das várias áreas que compõem a ciência Biologia, devendo, portanto, configurar nos livros didáticos da disciplina nesse nível escolar. Esses livros, atendendo ao Programa Nacional do Livro Didático (PNLD), devem seguir as orientações curriculares vigentes na área de Educação em Ciências e Ensino de Biologia, mas constata-se que o conhecimento biológico, nesse nível de ensino, ainda é pouco estudado. Este trabalho toma como questões de pesquisa: a forma como os livros didáticos de ciências dos anos iniciais (PNLD/2019-2022) organizam-se na estrutura e na sequenciação dos conteúdos e atividades relacionados ao conhecimento biológico possibilitam aos alunos condições para o desenvolvimento de parâmetros e indicadores de AC? Como o conhecimento biológico está presente nos conteúdos que o envolvem identificados nos livros didáticos de Ciências para os anos iniciais, aprovados pelo PNLD (2019-2022) e como se relacionam com o processo de AC? O conhecimento biológico relaciona-se a ações, como fazer observações, levantar hipóteses e tentar comprová-las. O objetivo geral desta pesquisa é analisar como o conhecimento biológico está presente em livros didáticos de ciências dos anos iniciais, por meio de uma análise de parâmetros e indicadores de AC no que se refere ao conhecimento biológico. Já os objetivos específicos são: caracterizar o conhecimento biológico constante no ensino de ciências nos anos iniciais presente nos livros didáticos do 1º ao 5º ano do EF e caracterizar possíveis contribuições do conhecimento biológico presente nos livros analisados, para o processo de Alfabetização Científica no contexto escolar. Assim, foi realizada uma pesquisa qualitativa para localizar indícios de textos, esquemas, problematizações/questões e imagens, no contexto do conhecimento biológico em livros didáticos de ciências – anos iniciais (PNLD/2019-2022), para auxiliar o professor no desenvolvimento da AC e no conhecimento biológico de seus alunos. Foi escolhida, para a análise, uma coleção de livros de Ciências Naturais mais votada e adotada no Município de João Pessoa, Paraíba. A metodologia toma como base a Análise de Conteúdo de Bardin, do tipo temática, que consiste em uma das modalidades da análise de conteúdo, com a construção de categorias que nos remete à identificação de verbos e termos de ação dentro das unidades didáticas analisadas e relacionadas ao conhecimento biológico. A análise dos dados pautou-se na orientação teórica fornecida pelos três parâmetros de AC descritos por Shen (1975), considerando apenas a parte textual dos livros, e alguns dos indicadores de AC propostos por Sasseron e Carvalho (2008). A análise do material inicialmente identificou e caracterizou como o conhecimento biológico se faz presente nessas coleções e como definem esse conhecimento.
  • ERCULES LAURENTINO DINIZ
  • ALUNOS VIRTUAIS, PROFESSORES PRESENCIAIS: A NEGAÇÃO DE ELEMENTOS ESSENCIAIS DO ENSINO NO PROCESSO DE FORMAÇÃO INICIAL DOCENTE A DISTÂNCIA
  • Data: 30/03/2022
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • A formação de professores(as) a distância é um fenômeno repleto de contradições. A principal delas talvez resida na posterior atuação presencial desse sujeito. Optamos por manter certo distanciamento das discussões maniqueístas que envolvem o fenômeno, as quais têm como maior preocupação avaliar a modalidade EaD como positiva ou negativa. Nosso objetivo é compreender a concepção do professor formado na modalidade EaD sobre o seu trabalho no espaço escolar. A tese defendida é: a Educação a Distância, desenvolvida segundo uma lógica capitalista, nega o tempo necessário à socialização e à apropriação dos conteúdos, e as relações humanas durante o processo de socialização do conhecimento como elementos essenciais na formação docente para o trabalho presencial. Amparados no materialismo histórico-dialético, investigamos os limites e as possibilidades de uma formação inicial de professores(as) que, ocorrida em ambientes virtuais, visa capacitar para a atuação em salas de aulas presenciais. Trata-se de uma pesquisa qualitativa que tem nas entrevistas semiestruturadas o instrumento necessário à obtenção das informações junto aos sujeitos. Foram entrevistados(as) dez professores(as) que, egressos(as) da Licenciatura em Ciências Biológicas a Distância da Universidade Federal da Paraíba, se encontram, atualmente, em exercício da docência nas escolas da educação básica. Para responder aos problemas oriundos da prática social, temos como instrumento teórico a hermenêutica crítica, segundo a qual, de acordo com Gamboa (2006), o pesquisador deve obter respostas ao problema apresentado em pelo menos quatro níveis: técnico; metodológico; teórico; e epistemológico. As falas evidenciam, além dos benefícios conferidos pela formação, uma série de inquietações dos(as) professores(as) ao relembrarem os anos de graduação. Os(as) entrevistados(as) destacam o fato de cursarem diversas disciplinas sem contato com o professor; a construção de uma autonomia compulsória; a individualização do processo formativo. A partir de teóricos da Pedagogia Histórico-Crítica, em especial Saviani (2011) e Duarte (1992), buscamos ressaltar a importância da presença do outro no trabalho educativo e denunciamos que, ao negar o encontro entre humanos durante o processo formativo, a Educação a Distância estaria adequada às propostas educativas hegemônicas que visam a valorização do indivíduo em detrimento do coletivo. Conclui-se, portanto, que é de fundamental importância a continuidade da Licenciatura pesquisada como instrumento de formação distante dos grandes centros universitários, mas que esta deve, em vez de negar elementos do ensino presencial, incorporá-los, assegurando um processo formativo onde o tempo necessário à apropriação dos conteúdos e a presença do professor continuem sendo elementos imprescindíveis ao trabalho educativo.
  • KLÉBER NEVES MARQUES JÚNIOR
  • MASCULINIDADES BICHA: TRAJETÓRIAS ESCOLARES DAS BICHAS NO ENSINO MÉDIO.
  • Data: 30/03/2022
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • As formas de viver fora do marco masculino hegemônico, em sua relação direta com os pressupostos da heteronormatividade em suas ferramentas teóricas, simbólicas e práticas, podem reverberar, rearticular e deslocar trajetórias bicha na escola por meio da sua cultura. Dessa maneira, o objetivo geral desse estudo é o de compreender como nas trajetórias escolares de bichas estudantes do Ensino Médio são forjadas as experiências de masculinidades. Para um delineamento mais apurado do que pretendi, desdobrei o objetivo geral nos seguintes objetivos específicos: identificar como as bichas se constituem em meio à heteronormatividade das relações escolares do Ensino Médio; analisar que noções, saberes, atitudes e práticas constituem suas experiências subalternas na vivência escolar no Ensino Médio e; problematizar os sentidos que atribuem às suas trajetórias escolares no Ensino Médio. Situei a pesquisa nos espaços dos Estudos de Masculinidades em suas interfaces com os Estudos de Gênero e os Estudos Culturais. Nessas definições, a dissertação é formada por três eixos temáticos: masculinidades – Raewyn Connell (1995; 2003; 2013; 2016), Elisabeth Badinter (1993); juventudes, gêneros e sexualidades – Juarez Dayrell (2003), Joel Birman (2009), Guacira Lopes Louro (1997; 2000; 2001; 2002; 2020) e; cultura escolar e cultura da escola – Dominique Julia (2001), Jean Claude Forquin (1993); dentre outros/as autores/as. A partir dessa proposta direcionei o estudo para uma pesquisa do tipo qualitativa por meio do estudo de caso, que foi realizada em uma escola da rede pública do município de João Pessoa/PB, com três estudantes que se auto-identificaram como bichas e estavam cursando o Ensino Médio. Utilizei como instrumento de produção de dados a entrevista semiestruturada e as informações produzidas foram sistematizadas por meio dos Núcleos de Significação. Compreendi que a produção social das bichas encontra uma cultura escolar já consolidada em sentidos e lógicas estruturadas na heteronormatividade fazendo com que os sentidos forjados para as masculinidades bicha na cultura da escola guardem a chancela dos códigos culturais de hegemonia sobre ser homem, tendo o Ensino Médio como um lugar fronteiriço para a consolidação de vetores culturais em gêneros e sexualidades na vida das bichas.
  • ANA THAMIRIS BATISTA DE FARIAS
  • O BRINCAR E AS RELAÇÕES DE GÊNERO E SEXUALIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL.
  • Data: 29/03/2022
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • O brincar tem significados que são costurados e alinhavados às construções históricas e culturais de gênero e sexualidade, sendo, portanto, uma pedagogia cultural que (re)produz e ensina modos de ser e de agir para os meninos e para as meninas na escola desde a Educação Infantil. Assim, o objetivo geral desta pesquisa foi compreender as concepções das crianças sobre gênero e sexualidade a partir do brincar no contexto da Educação Infantil. A partir desse entendimento, para uma melhor delimitação do estudo, desdobrei o objetivo geral nos seguintes objetivos específicos: identificar quais os significados culturais que as crianças apresentam no brincar e como as questões de gênero e sexualidade se fazem presentes; analisar como são construídas as relações de gênero e sexualidade na Educação Infantil frente ao brincar; analisar como as pedagogias culturais de gênero e sexualidade estão implicadas na construção das identidades das crianças a partir do brincar. Esta pesquisa está localizada no campo dos Estudos de Gênero e Sexualidade em interface com os Estudos Culturais da Educação. Organizei, então, o estudo em três eixos temáticos, ancorados em diversos(as) autores(as), a saber: Educação Infantil e Infância – Àries (1986), Del Priore (2018), Kuhlmann (1998), Didonet (2001), Demartini (2009; 2020), Kramer (2006), Rinaldi (2020); Brincar e Cultura – Kishimoto (2000; 2011), Brougère (2010; 2019) Wajskop (2012), Corsaro (2003; 2009; 2011), Giroux (1994;2001;2013); Steinberg; Kincheloe (2001), Gênero e Sexualidade - Scott (1995), Louro (1997; 2000; 2007; 2014; 2019), Weeks (1999), Felipe (2003; 2004; 2006), Meyer (2013), Finco (2003; 2007; 2010) entre outros(as). Os participantes da pesquisa foram crianças de uma turma da Educação Infantil, a qual foi submetida e aprovada pelo Comitê de Ética e Pesquisa. Quanto à abordagem metodológica, trata-se de um estudo qualitativo, por meio da pesquisa participante. Foram utilizados como instrumentos para a geração de dados a observação participante e oficinas pedagógicas. Para a sistematização dos dados gerados, utilizei os Núcleos de Significação, proposto por Aguiar; Ozella (2006, 2013). Os resultados desta pesquisa constituíram três núcleos de significação, que indicam as concepções das crianças por meio do brincar acerca de gênero e sexualidade evidenciando que os brinquedos e brincadeiras desde a Educação Infantil se apresentam como pedagogias culturais, pelos dos múltiplos artefatos corroborando com a (re)produção práticas machistas e sexistas. No entanto, as crianças expuseram mecanismos para transgredir as regras socialmente normatizadas. Dessa forma, o estudo aponta a possibilidade de novos modos de ser e agir em relação às questões de gênero e sexualidade desde o contexto da Educação Infantil.
  • JACSON DE JESUS DA SILVA
  • Entre os becos das memórias e as vielas do silêncio: trajetórias de estudantes negros gays na Universidade Federal da Paraíba
  • Data: 28/03/2022
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • Ser homem “e” negro “e” gay “e” acadêmico apresenta marcas sociais distintas daquelas existentes em outros corpos negros, contudo, elas não são capazes de suprimir o racismo, pelo contrário, abrem brechas para articulações com outras formas de violência, dentre elas a homofobia. Com base nisso, esta pesquisa teve como objetivo: compreender as trajetórias de estudantes negros e gays da/na Universidade Federal da Paraíba-UFPB, articuladas aos seus atravessamentos de raça e sexualidades. Trata-se de uma pesquisa qualitativa, situada no campo dos Estudos Culturais da Educação cujo material empírico foi produzido por meio de entrevistas narrativas online com quatro estudantes negros e gays vinculados à UFPB, que foram analisadas na perspectiva da análise temática. A escrita é inspirada na escrevivência, conforme proposta por Conceição Evaristo. Os resultados das análises apontam para trajetórias que aproximam, sobretudo, pela contiguidades estabelecidas a partir do sentimento de solidão e, por meio dela, das experiências de silenciamentos vivenciadas dentro e/ou fora da universidade. Em determinados momentos, o espaço da UFPB revelou-se como um ambiente hostil e pouco acolhedor, no qual as marcas do corpo antecipavam a construção das relações, dos afetos, das vivências e da permanência de determinados participantes. Por isso, faz-se necessário construir, no ambiente da universidade, estratégias de enfrentamento a todas as formas de discriminação, valorizando este espaço como um espaço de convivência plural e de valorização das diferenças.
  • LORRANA OLIVEIRA NUNES
  • FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO ESPECIAL NO MUNICÍPIO DE IMPERATRIZ – MA (2018-2021)
  • Data: 25/03/2022
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • No Brasil, o financiamento da Educação Especial é permeado pelas contradições que emergem das disputas travadas pela sociedade de classes e por meio das quais acompanhamos o movimento dialético do Estado, que ora se posiciona em prol dos interesses particularistas da classe dominante, ora busca assegurar o controle social e a acumulação do capital por meio do atendimento das demandas da classe dominada. A partir dessa compreensão, elaboramos a questão que norteou a pesquisa: Como é executado o orçamento público no financiamento da Educação Especial na rede pública municipal de ensino de Imperatriz – MA? Para responder ao questionamento, definimos este objetivo geral: analisar a destinação de recursos financeiros à Educação Especial da rede pública municipal de ensino de Imperatriz – MA, no período de 2018 a 2021. Para isso, elencamos os seguintes objetivos específicos: a) compreender o papel do Estado no financiamento da educação básica no Brasil, como principal responsável pela garantia do direito à educação; b) refletir sobre a Política de Educação Especial e sua implementação no município de Imperatriz, no âmbito do financiamento da educação básica e das diretrizes nacionais, que determinam a inclusão escolar do seu público-alvo; c) investigar o financiamento da Educação Especial do município de Imperatriz, considerando a gestão da dotação orçamentária aprovada no PPA e o montante de recursos financeiros destinados a essa modalidade, no período de 2018 a 2021; e d) discutir sobre as estratégias adotadas pela Secretaria Municipal de Educação de Imperatriz, no âmbito dos limites e das possibilidades da política de financiamento educacional, para assegurar a inclusão escolar dos alunos público-alvo da Educação Especial. Elegemos o materialismo histórico-dialético de Marx (1985, 1996) como método crítico-dialético de análise e interpretação do fenômeno da pesquisa, e nas categorias analíticas/metodológicas (práxis, totalidade, mediação, contradição, historicidade, reprodução, hegemonia, trabalho, Estado, sociedade civil e burocracia) e empíricas/de conteúdo (financiamento, orçamento público, Educação Especial, inclusão/exclusão escolar e parcerias público-privadas), realizamos uma pesquisa documental e entrevistas semiestruturadas de forma online. Os documentos contábeis, orçamentários e fiscais que foram produzidos entre 2018 e 2021 e analisados na pesquisa foram encaminhados pelo setor de Contabilidade da SEMED (incluindo os dados do SICONFI/Tesouro Nacional) e buscados nos portais online da Prefeitura Municipal de Imperatriz e do SIOPE/FNDE. Os achados da pesquisa revelaram que, entre 2018 e 2021, o total de despesas pagas no Programa Educação Inclusiva superou a dotação orçamentária prevista para o custeio de suas ações. Exceto no ano de 2018, quando os valores de gasto-aluno-ano dos ensinos infantil e fundamental e da EJA foram superiores ao da Educação Especial, entre 2019 e 2021, os valores registrados nas etapas e na EJA foram inferiores aos apresentados pela Educação Especial. As parcerias público-privadas são uma estratégia do município para ofertar a educação. Constatam-se, ainda, dificuldades no acesso aos dados pesquisados; valores divergentes; falta de controle social no planejamento orçamentário e deficiências na publicidade dos atos da SEMED, que comprometem a investigação sobre o financiamento da Educação Especial e nos distanciam de uma práxis transformadora.
  • MARIA ALDA TRANQUELINO DA SILVA
  • PRÁTICA PEDAGÓGICA DISCURSIVA DE PROFESSORES INDÍGENAS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS E O FORTALECIMENTO DA CULTURA POTIGUARA-PB
  • Data: 25/03/2022
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • Entende-se a Educação Escolar Indígena e nela a modalidade da EJA como sendo um paradigma educacional ainda recente no cenário brasileiro, permeado por avanços, limites e retrocessos. Nesse contexto, esta pesquisa é trazida com enfoque nos elementos discursivos identificados nas práticas pedagógicas dos professores indígenas que contribuem para o fortalecimento da cultura Potiguara, a qual está localizada no litoral norte da Paraíba. De modo específico, este trabalho propõe: 1) Analisar os dispositivos legais que tratam a EJA e a Educação Escolar Indígena, interseccionando-os com as duas modalidades em questão; 2) Compreender o conceito de prática pedagógica na EJA indígena, e que está presente nos referenciais teóricos que discutem a modalidade em tela, bem como são trabalhados os elementos da cultura indígena na direção do fortalecimento da mesma; 3) Discutir o conceito de culturas indígenas e de cultura indígena Potiguara, os quais são apresentados a partir dos discursos presentes nos dispositivos legais e da literatura existente sobre a Educação Escolar indígena na modalidade da EJA; 4) Sistematizar os elementos pedagógicos encontrados nas práticas pedagógicas discursivas dos professores que atuam na EJA, como meio de fortalecimento da cultura. Para tanto, esta pesquisa está ancorada em autores como: Barcellos (2014), Nascimento (2012), Munduruku (2009), Kayapó (2019), Silva (2017), Silva e Costa (2018), Silva (2020), Soares (2006) e Pimenta (2012), bem como na legislação vigente. Trata-se de uma pesquisa de abordagem qualitativa, cujas análise e geração de dados utilizam a vistoria de documentos, entrevistas semiestruturadas, que ocorreram no ano de 2021, com professores indígenas que atuam na EJA, nos municípios de Rio Tinto, Marcação e Baía da Traição, no estado da Paraíba. Com relação à análise dos dados, utiliza a Análise Crítica do Discurso preconizada por Fairclough (2016), um instrumento importante para analisar as práticas pedagógicas dos professores em questão, observando como contribuem para o fortalecimento da cultura indígena Potiguara na modalidade da EJA. Como conclusão dos achados dessa pesquisa, ressalta-se a tese de que a educação contextualizada, o protagonismo indígena, a participação, a criticidade e a corporificação da palavra pelo exemplo, a organização e o diálogo são elementos presentes nas ações pedagógicas discursivas, desenvolvidas por professores indígenas na modalidade da EJA, nas escolas das comunidades Potiguara, uma vez que contribuem para o fortalecimento da cultura; constituindo-se numa ação de resistência dessa população no litoral norte da Paraíba, frente aos desafios postos quanto ao enfrentamento de modelos de Educação que tentam homogeneizar, aculturar e integrar a população indígena e, de modo específico, o jovem e o adulto. Nesse percurso, aponta-se a necessidade de fomentar práticas pedagógicas contextualizadas com a cultura indígena, de modo a fortalecê-la na modalidade da EJA, bem como a urgência de novos estudos acadêmicos sobre a modalidade em tela, e de políticas educacionais que discutam, problematizem, reflitam e apontem caminhos para uma Educação Escolar Indígena, na modalidade da EJA, de valorização e respeito às culturas.
  • JORDANIA LIMA BALBINO
  • Carta de formação: relações interpessoais em uma creche pública a partir de uma compreensão simbólica eliasiana
  • Data: 24/03/2022
  • Hora: 14:30
  • Mostrar Resumo
  • Pensando nas instituições de Educação Infantil entendo que as interações estabelecidas nelas são reflexo do contexto social e cultural que os indivíduos dessa figuração vivenciam. Tendo em vista a atual conjuntura social do país, na qual os conflitos interpessoais estão cada vez mais presentes, é necessário considerar o reflexo das relações interpessoais estabelecidas nesses espaços institucionais para o processo de aprendizagem dessas crianças. Como objetivo geral da pesquisa de dissertação, considera-se investigar como os professores compreendem a influência das relações interpessoais na construção do conhecimento simbólico da criança. Em relação aos objetivos específicos, pretendo: discutir como as relações interpessoais são entendidas nas redes de interdependência escolares, identificar como a dimensão processual da construção da identidade docente constitui a compreensão acerca das relações interpessoais, entender a perspectiva do professor quanto às relações de interdependência na figuração escolar e compreender a influência das relações interpessoais para a constituição da dimensão simbólica da criança. Apresentando uma síntese do desenho da metodologia da pesquisa, proponho uma pesquisa qualitativa baseada na concepção pós estruturalista e dos estudos culturais. Um estudo de caso de uma creche pública onde serão entrevistados cerca de dez professores, por meio de entrevistas semiestruturadas, e análise por meio da sociologia processual de Norbert Elias. A ideia é compreender como as relações interpessoais permeadas nas figurações possibilitam a construção do conhecimento das crianças e como estas figurações influenciam nessa construção do conhecimento, considerando que, ao falar de construção do conhecimento, estou pensando no desenvolvimento simbólico das crianças. Ou seja, a partir das leituras feitas, entendo que essa construção envolve a tríade colocada por Elias em Teoria Simbólica (1994): linguagem, pensamento, conhecimento.
  • ELAINE REIS LAUREANO
  • “APERTEM OS CINTOS... A VIAGEM VAI COMEÇAR”: Movimentos Investigativos com Representações sobre Surdos/as em Piadas do YouTube
  • Data: 24/02/2022
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • Diante das novas possibilidades decorrentes da cultura digital, as piadas podem reproduzir ou suscitar diferentes representações relacionadas à surdez e às pessoas surdas. Com base em Foucault (2011), neste trabalho, relaciona-se a vontade de verdade – que diz respeito a temas fabricados em um momento particular da história, e que, sendo, transitória, manifesta-se de forma diluída nos significados, de modo a ser tomada como a própria verdade – às representações em piadas, em particular, em Libras e em Português, que tematizam a surdez, as quais, camufladas pelo humor, ensinam sobre lugares e papéis a serem ocupados pelos/as surdos/as na sociedade. Destarte, baseando-se nas perspectivas dos Estudos Culturais e dos Estudos Surdos, buscou-se visibilizar as disputas culturais em torno da significação que atravessam essas piadas, tendo em vista responder à seguinte questão: de que modo as piadas em Libras e em Português, produzidas/consumidas no YouTube, operam como pedagogias culturais e representam pessoas surdas? Percebe-se que as piadas que tematizam a surdez em Libras e em Português veiculam representações que implicam vontades de verdade distintas. Levando-se em consideração essa problemática, teve-se, então, o seguinte objetivo geral: compreender de que modo as piadas em Libras e em Português, produzidas/consumidas no YouTube, operam como pedagogias culturais e representam pessoas surdas, o qual se desdobrou em quatro objetivos específicos, a saber: i. mapear as representações de surdos/as presentes em piadas postadas no YouTube, no período de 2015 a 2020; ii. identificar a(s) concepção(ões) de surdez e as vontades de verdade que embasa(m) essas piadas; iii. examinar o(s) modo(s) de ser e viver como pessoa surda representados nessas pedagogias culturais; e iv. analisar o consumo dos conteúdos abordados nas piadas, a partir dos comentários dos internautas. Após percorrer o caminho de uma pesquisa qualitativa, do tipo bibliográfica, ancorada na Análise Cultural, confirmou-se o argumento de tese, chegando-se à ideia de que as piadas em Libras e em Português, produzidas/consumidas no YouTube, operam como pedagogias culturais, apresentando lições embasadas em concepções de surdez que marcam as identidades, como a das pessoas surdas; logo, a partir de determinadas visões sociais e culturais, ensinam sobre modos de ser e viver como surdo/a, de acordo com a língua na qual são produzidas. Para tanto, as piadas produzidas em Português retomaram visões cristalizadas em relação aos papéis exercidos e aos lugares ocupados pelas pessoas surdas, representando-as como inferiorizadas em relação às pessoas ouvintes na hierarquia das relações de poder e reforçando a vontade de verdade de que o sujeito surdo é incapaz, por não ouvir, e que sua língua espaçovisual é inferior à língua oral auditiva que predomina em seu país, enquanto as piadas produzidas em Libras, por sua vez, filiadas a uma vontade de verdade antagônica, afirmaram as pessoas surdas, pelo viés da diferença, da identidade e da potencialidade, como um povo que possui língua e cultura próprias. Assim, a pesquisa mostrou que nas piadas produzidas em Português prevaleceram representações embasadas na visão clínica que categoriza a surdez como deficiência, enquanto nas piadas produzidas em Libras predominou a concepção de surdez como diferença cultural.
  • MIRYAN APARECIDA NASCIMENTO DE SOUZA
  • POLÍTICAS PÚBLICAS DE EDUCAÇÃO PARA MULHERES PRIVADAS DE LIBERDADE NO ESTADO DA PARAÍBA
  • Data: 24/02/2022
  • Hora: 10:00
  • Mostrar Resumo
  • O presente estudo se propõe identificar e problematizar as políticas públicas de educação para mulheres privadas de liberdade, tentando fazer correlações com os aspectos ideológicos, políticos e econômicos com os quais as políticas de educação estão imbricadas. Optou-se pelos pressupostos teóricos do materialismo histórico, considerando que as políticas públicas estão permeadas por movimentos dialéticos, relações de causalidade, em uma dinâmica de disputas. O caminho teórico-metodológico toma como referências: Davis (2018); Freire (2015a, 2015b); Gramsci (1999, 2020); Ireland (2011); Julião (2020); Unesco (1997, 2020b); entre outros teóricos. O trabalho tem como objetivo geral averiguar a existência de políticas públicas de educação específicas para mulheres privadas de liberdade. A pesquisa procura identificar as políticas públicas que norteiam as instituições de ensino das penitenciárias e da cadeia feminina da Paraíba. A metodologia é estruturada a partir da pesquisa qualitativa documental e exploratória, com o intuito de ampliar a discussão da temática, tendo como instrumentos de coleta de dados entrevistas semiestruturadas. No que se refere à análise dos dados, tem como suporte procedimental a hermenêutica dialética. A união de ambos neste estudo favoreceu uma análise da universalidade. Os resultados dividiram-se em quatro etapas. A primeira averigua a existência de políticas públicas específicas de educação para as detentas, bem como articula como vem sendo planejada a agenda de educação e seus desafios na cadeia e nas penitenciárias femininas da Paraíba. A segunda baseou-se na identificação das políticas públicas de educação que estão em ação nas escolas investigadas e na construção de reflexões sobre as dinâmicas que estão sendo implementadas. Em seguida, deteve-se na averiguação da existência ou não de avaliação dessas políticas, além de analisar o impacto da pandemia de Covid-19 nas práticas pedagógicas. O terceiro momento das análises e dos resultados trouxe reflexões sobre a formação dos professores, o planejamento pedagógico e as dinâmicas do currículo. A quarta etapa relaciona a sistematização das implicações da relação entre escola, comunidade intramuros e sociedade nas instituições de ensino. Os resultados da pesquisa expõem que há assimetrias de gênero nas políticas públicas de educação ofertadas para as mulheres privadas de liberdade e que se faz oportuno empreender esforços na modificação dessa realidade, seja a universalização do direito à educação em seus diferentes níveis, independentemente das questões de raça, gênero e condição socioeconômica. É indispensável que essas assimetrias sejam corrigidas. Considera-se que a utopia de um projeto social próprio das classes populares é possível, e é emergente criar vias de fazer acontecer esse modelo de sociedade alternativa fundamentada nos interesses populares. A luta pela democratização do direito à educação das mulheres privadas de liberdade é um dos meios possíveis de enfrentamento.
  • DOUGLAS PIERRE JUSTINO DA SILVA LOPES
  • Apenados, Índios, Mulheres e Negros: A Demodiversidade e as Diferentes Formas de Democracia nos Curso de Licenciatura em Pedagogia e Pedagogia do Campo no campus I da Universidade Federal da Paraíba.
  • Data: 23/02/2022
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • Esta pesquisa investiga a prática da Demodiversidade nos cursos de Licenciatura em Pedagogia e Pedagogia do Campo do Campus I da Universidade Federal da Paraíba. Tem como objetivo principal, identificar os diversos contextos, os espaços de conflito, continuidades e descontinuidades, que influenciam a produção do conhecimento para novas práticas democráticas nos cursos de Pedagogia e Educação do Campo do Campus I da Universidade Federal da Paraíba. A pesquisa delimitou como espaço para pesquisa, as produções acadêmicas produzidas nos dois cursos de licenciatura nos últimos dois anos, que abordaram as questões contra-hegemônicas, como gênero, etnicorracial, e das pessoas com privação de liberdade e que evidencia construções de democracias alternativas que façam contraponto e atuam nas linhas abissais, espaços em que o poder hegemônico busca dominar em todos os momentos, para a manutenção do poder do Capital. A pesquisa faz uma análise qualitativa, após triagem de diversas produções, de três trabalhos de conclusão de curso, tanto em Pedagogia, quanto em Pedagogia do Campo e um relato de experiência do meu Estágio Docência I, realizado na disciplina Educação, Economia Popular Solidária e Práticas Associativas. A presente investigação utiliza como fundamentação teórica e metodológica o autor Boaventura de Souza Santos, as aproximações como o pós-colonialismo, dialogando com diversos autores que trabalham a temática das Políticas Educacionais e as relações contra-hegemônicas, preferencialmente com autores da própria UFPB e do Centro de Educação e constrói uma tradução, entre ausências e emergências para uma ecologia dos diversos saberes que influenciam as experiências analisadas. O contexto de Influência de nosso trabalho faz uma análise da atual conjunta política da Educação e das Políticas Educacionais, com o contexto histórico da produção de documentos e normativas em Educação, como o Plano Nacional e o Estadual de Educação e Direitos Humanos e a luta histórica para proteção dos direitos dos povos indígenas, negros e mulheres, que influenciaram diversas leis e políticas como como a Lei N º 10.639/08 e Lei N º 11.645/08 que modificou os currículos de cursos de licenciatura como os dois cursos objeto desta presente investigação. Esta análise dos dados e documentos, em diálogo com os diversos autores aqui trabalhados, evidencia o caráter contra-hegemônico dos cursos de Licenciatura em Pedagogia e Pedagogia do Campo, não buscando, transformar em utopia ou romantismo, nem afirmando que o poder hegemônico não atua nestes espaços, através da prática docente e discente, nem de achar que é fácil o caminho de imaginar novas possibilidades democráticas, mas sim, que é obrigação, com base nos projetos pedagógicos internos e normativas nacionais e internacionais, sempre aperfeiçoar as políticas em educação e dos currículos para uma Universidade que esteja situada no século XII, com suas contradições e demandas específicas e sempre em mutação.
  • FRANCIKELY DA CUNHA BANDEIRA
  • AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE NO BRASIL E EDUCAÇÃO POPULAR: DAS PRÁTICAS VOLUNTÁRIAS NAS ORGANIZAÇÕES DE BASE AOS SERVIÇOS PERMANENTES NAS INSTITUIÇÕES PÚBLICAS
  • Data: 22/02/2022
  • Hora: 14:30
  • Mostrar Resumo
  • Os atuais Agentes Comunitários de Saúde representam uma síntese de diversas experiências em saúde comunitária emergidas e fortalecidas no país especialmente nas décadas de 1970 e 1980, grande parte delas desenvolvida a partir de iniciativa comunitárias das/nas quais surgiram os primeiros Agentes de Saúde. Em um contexto ditatorial, pós-1964, parte da Igreja cumpriu importante papel na arregimentação e formação política dos Agentes das/nas comunidades de base, através das Comunidades Eclesiais de Base - CEBs. No Ceará, observaram-se experiências com os chamados Agentes de Saúde desde a década de 1970 e, como consequência, em 1989, o enfrentamento da seca levou à criação do Programa Agentes de Saúde – PAS, no Estado. Paralelo a isto, foram desenvolvidas experiências de saúde comunitária em vários lugares do país a exemplo de Recife e São Paulo – SP. Em 1991, o Ministério da Saúde, com resistências dentro do campo dos profissionais da saúde, reconheceu o potencial das experiências existentes e captou a relevância daquelas experiências e dos diferentes tipos de agentes e institucionalizou o Programa Nacional de Agentes Comunitários de Saúde – PNACS em 1991. Diante desse panorama, o objetivo da pesquisa é compreender os processos de institucionalização do Programa Agentes Comunitários de Saúde, a partir de um percurso histórico desde as organizações voluntárias de base ao espaço do Estado, identificando as principais mudanças ocorridas nesses processos. Identificamos experiências em saúde comunitária (aqui entendidas como movimentos instituintes) além de (re)construir as experiências do Ceará, a fim de verificar como se deram os processos que forjaram os agentes e como se desdobraram (entendidos como momento da institucionalização) até o momento da “criação” e consolidação do Programa Nacional de Agentes Comunitários de Saúde em âmbito nacional (entendido como momento do instituído) observando alguns avanços e recuos da evolução histórica dos Agentes Comunitários de Saúde. Temos como pressupostos os conceitos de solidariedade, institucionalização e burocracia. Utilizamos como recurso metodológico a hermenêutica numa perspectiva filosófica tendo em vista a principal preocupação do estudo, a de alcançar compreensão a respeito das orientações que davam sentido aos percursos da categoria. O grande desafio foi compreender os percursos das experiências até sua chegada aos espaços públicos identificando ganhos e perdas à luz da Educação Popular entendida aqui enquanto instrumento de transformação social. A pesquisa mostrou que os ACS têm grande potencial de ação coletiva, e que isso precisa ser fortalecido do ponto de vista do protagonismo popular, como também reconhecido do ponto de vista institucional.
  • RAFAEL FERREIRA DE SOUZA HONORATO
  • A POLÍTICA DE CURRÍCULO DO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO CIDADÃ INTEGRAL PARA O ATENDIMENTO DE ADOLESCENTES E JOVENS EM CUMPRIMENTO DE MEDIDAS SOCIOEDUCATIVAS
  • Data: 22/02/2022
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • Esta tese tem como objeto a política curricular do programa Janela para o Futuro, instituída pelo Decreto nº 37.505, de 18 de julho de 2017. Objetívasse analisar a política curricular do Programa de Educação Cidadã Integral para Jovens em Cumprimento de Medidas Socioeducativas no Sistema Socioeducativo da Paraíba. Para tanto priorizei pressupostos teóricos-metodológicos pós-estruturais e pós-fundacionais, afastando-me de um modelo analítico de políticas de currículo centrado no controle do Estado, reconhecendo a complexidade do processo político, a partir do Ciclo Contínuo de Políticas (BOWE; BALL; GOLD, 1992; BALL, 1994, 2014) e da participação dos atores na produção da política através da Teoria da Atuação Política (BALL; MAGUIRE, BRAUN, 2016). Ainda com o intuito de romper com as estruturas e formas que buscam limitar a tradução da política, fiz uso da Teoria do Discurso de Laclau (2011; 2013), Laclau e Mouffe (2015), bem como das teorizações de Mouffe (2005; 2011; 2015) para pensar a política e o político do currículo, em uma perspectiva discursiva, precária e contingente, ou seja, sem um modelo único e predefinido de organizarmos o currículo, mas, percebendo-o como resultado da articulação de uma rede discursiva hegemônica, todavia, contingente. Como fontes empíricas internacionais utilizei a Declaração Universal dos Direitos Humanos (1948), Convenção sobre os Direitos da Criança (1989), Regras Mínimas para a Administração da Justiça dos Menores, também chamada Regras de Beijing (1985), Regras para a Proteção dos Jovens Privados de Liberdade, mais conhecidas como Regras de Havana (1990a) e os Princípios Orientadores da ONU para a prevenção da delinquência juvenil, denominadas Regras de Riad (1990b). Entre as normativas nacionais fiz uso da Constituição da República Federativa do Brasil (1988), Estatuto da Criança e do Adolescente (1990), Sistema de Atendimento Socioeducativo (2006; 2012), Diretrizes Nacionais para o atendimento escolar de adolescentes e jovens em cumprimento de medidas socioeducativas (2016). Chegando aos documentos estaduais que foram compostos pelo Programa de Educação Cidadã Integral para o Atendimento de Jovens em Cumprimento de Medidas Socioeducativas – Janela para o Futuro (2017) e as Diretrizes das Escolas Cidadãs Integrais Socioeducativas - DECIS (2017) e as entrevistas realizadas com atores que atuaram na produção desta política. Assumir pensar o currículo como construção discursiva, especificamente, a partir da ideia de hegemonia, que tem nas lógicas de equivalência e de diferença seu dinamismo interpretativo, levou-me ao entendimento que o discurso sobre o Programa de Educação Cidadã Integral para Jovens em Cumprimento de Medidas Socioeducativas está marcado pela tentativa de projeção de um currículo concebido para a realidade dos jovens que cumprem medidas socioeducativas em privação de liberdade. Todavia, enquanto discurso, sujeito às articulações hegemônicas escritas que dão à política curricular um dinamismo interpretativo, apresentam um nexo de influências e interdependências que resultam numa interconexão, multiplicidade, e hibridização fruto da combinação das lógicas globais e locais, ou seja, forçando a ideia de uma homogeneização curricular que vem sendo tencionado pela heterogeneidade das especificidades do contexto socioeducativo.
  • SUÊNYA DO NASCIMENTO COSTA
  • AULAS NOTURNAS E ENSINO PRISIONAL: iniciativas de uma educação popular na Parahyba do Norte (1870-1889)
  • Data: 21/02/2022
  • Hora: 14:30
  • Mostrar Resumo
  • Esta tese tem por objetivo identificar as aulas noturnas enquanto segmento de uma educação popular que buscava a difusão da instrução para o povo na Província da Parahyba do Norte. O marco temporal inicia-se em 1870, devido à publicação da lei nº 400 de 19 de dezembro, que criou as aulas noturnas na província paraibana, e, como marco final, o ano de 1889, marcando o fim do império no Brasil, as mudanças de regime político e, consequentemente, da legislação educacional. Foi pensado esse espaço de tempo para o recorte temporal, porque as escolas noturnas criadas durante a referida década eram percebidas como uma alternativa para escolarização do trabalhador livre, pobre, do liberto e do ingênuo na província paraibana. A partir disso, outros objetivos, de modo mais específico, pretenderam identificar os diferentes conceitos atribuídos à categorias como povo, cidadão e educação popular nos processos de propagação da escolarização; Compreender como os discursos das autoridades procuraram legitimar a criação e organização das aulas noturnas atreladas a um discurso sobre trabalho e formação do “cidadão útil” e analisar como as aulas nas cadeias compuseram, juntamente com as aulas noturnas, um conceito de educação popular que serviu de alternativa pelas autoridades em controlar determinados grupos da população. O argumento de tese é o de que as aulas noturnas serviram como um segmento que proporcionaria uma educação considerada popular segundo os conceitos da época, atrelando instrução e trabalho para formar sujeitos considerados úteis para a sociedade. Os aportes teórico-metodológicos desenvolvem-se num diálogo entre o Contextualismo Linguístico defendido pelo historiador inglês Quentin Skinner (1999, 2005), para tanto o que os sujeitos tinham a intenção de dizer, bem como a maneira com que desejavam que suas ideias fossem tomadas; a História Conceitual preconizada pelo historiador alemão Reinhart Koselleck (1992, 2006), isso com o objetivo de compreender os conteúdos semânticos provenientes de conceitos políticos e históricos do período; e a História Social do Trabalho, pensando as relações de trabalho do contexto histórico Oitocentista, principalmente com as contribuições de Sidney Chalhoub (1986, 1990) e Marcelo Mac Cord (2012). As fontes analisadas abrangem jornais, relatórios, regulamentos, leis, decretos, dentre outros documentos que contribuem para a historiografia da educação ao nos debruçamos sobre o discurso educacional em seus contextos de produção, interpretando com base em vestígios presentes nas fontes analisadas sobre a escolarização de uma parcela específica da população. Assim, apontamos para o debate em torno da escolarização noturna, educação popular e trabalho, além do caráter político da linguagem, que passa a ser compreendida enquanto instrumento utilizado na tentativa de legitimar projetos e ideias, em meio aos debates e embates travados em torno de determinadas temáticas do final do século XIX.
  • MANUELLE ARAUJO DA SILVA
  • DA "SAGRADA FINALIDADE" AOS OMBROS ESMAGADOS DE UMA CLASSE: REPRESENTAÇÕES IMPRESSAS SOBRE A PROFISSÃO DOCENTE A PARTIR DA CAPITAL CEARENSE NOS ANOS 1940
  • Data: 18/02/2022
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • Esta investigação tem como objeto de estudo as representações sobre a profissão docente, em suas tensões e sinuosidades, a partir do contexto da capital cearense, Fortaleza, nos anos 1940, veiculadas principalmente em quatro tipologias documentais: 1) Impressos periódicos, sobretudo a coluna assinada pelo professor Coelho Sampaio, intitulada Ensino e Educação, seção do matutino diário Gazeta de Notícias, assim como outros jornais da capital cearense em momento coetâneo, a Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos (RBEP) e o Almanaque de Fortaleza; 2) Autobiográfica, que consiste na diminuta autobiografia do professor Coelho Sampaio; 3) Oficiais, no exame de reformas e legislações educacionais; 4) Literatura didática, mais especificamente cartilhas e livros de leitura que circularam à época. O recorte temporal da pesquisa pauta-se pelo período de circulação da coluna Ensino e Educação, veiculada entre os anos de 1944 e 1950, somando um montante de aproximadamente 87 textos jornalísticos. Trata-se de uma pesquisa documental, qualitativa, norteada pelos meandros da Nova História Cultural. Em relação aos aspectos metodológicos, destaca-se a premissa norteadora propalada por Jaques Revel e seu conceito de Jogos de Escala. A referida postura metodológica permite operacionalizar os múltiplos ângulos de análise abordados pela investigação, que vão de uma coluna jornalística da capital cearense à conjuntura brasileira, bem como empreende movimento inverso, do macro ao micro. Essa alternância de escalas possibilita investigar a tensão estabelecida entre dois tipos de conceitos direcionados à profissão docente nos anos 1940: uns, mais ligados às ideias de profissão, método, preparo formativo e reivindicações de classe, na contramão de outros mais atrelados à tônica de missão, abnegação, vocação e ao imaginário apostolar como um todo. Este estudo oportuniza a compreensão de que, no contexto espaço-temporal em análise, dentre as múltiplas formas de se representar a docência, os conceitos advindos do ideal missionário/religioso e os conceitos atrelados à profissão/método, apesar de sugerirem interpretações paradoxais, muitas vezes co-existiram em discursos pedagógicos. Ademais, conclui-se que a coluna Ensino e Educação se configurou como espaço destacado de fala e de mediação cultural, em face à acentuada circularidade do jornal Gazeta de Notícias, da abrangência de seu público-leitor que transcendia aqueles que exerciam a profissão docente, do extenso período de publicação do referido espaço colunar, da fundação/adesão à Associação Cearense de Estudos Pedagógicos (ACEP), que partiu da iniciativa de Coelho Sampaio em sua coluna e das réplicas dos pares de profissão aos seus posicionamentos educacionais impressos.
  • SAWANA ARAUJO LOPES DE SOUZA
  • Os Diálogos Interculturais e as Relações Étnico-Raciais na Formação Inicial de Professores: da obrigatoriedade a sua implementação nos cursos de licenciatura da UFPB
  • Data: 16/02/2022
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • O diálogo intercultural e as relações étnico-raciais na formação inicial de professores vêm sendo incorporado nas políticas educacionais. Diante dessa reflexão, a presente pesquisa apresenta como objetivo geral analisar a obrigatoriedade e a implementação dos diálogos interculturais e das relações étnico-raciais na formação inicial de professores e nos cursos de licenciatura da Universidade Federal da Paraíba – UFPB. Os objetivos específicos são: identificar, nos Projetos Pedagógicos de Curso (PPCs), como está estabelecida a obrigatoriedade das relações étnico-raciais e do diálogo intercultural nas políticas educacionais; analisar como os coordenadores e os professores dos cursos de licenciatura da UFPB estão implementando as relações étnico-raciais e do diálogo intercultural na formação inicial de professores; avaliar sobre como os estudantes estão compreendendo os processos de inserção e de implementação das relações étnico-raciais e da interculturalidade dos cursos de licenciatura da UFPB. O estudo apresenta como questão norteadora: como a interculturalidade e as relações étnico-raciais estão sendo inseridas e implementadas nos cursos de licenciaturas da UFPB? Metodologicamente, trata-se de uma pesquisa quali-quantitativa, pesquisa documental e de uma pesquisa de campo realizada com coordenadores de curso, professores que lecionam os componentes curriculares que discorrem sobre as relações étnico-raciais e o diálogo intercultural e estudantes dos seguintes cursos: Letras (Português, Espanhol, Inglês, Francês), Letras Clássicas, Pedagogia com área de aprofundamento na Educação do Campo e Dança, localizados no campus I, e Pedagogia, no campus IV. O instrumento utilizado nessa investigação foram a entrevista semiestruturada, carta pedagógica e o questionário. Os dados foram analisados com base na análise de conteúdo de Bardin (2011) e no método estatístico da análise fatorial. Além disso, fundamentamo-nos na pedagogia de Paulo Freire. Os resultados obtidos foram: uma caracterização da legislação existente que orienta sobre a obrigatoriedade da temática das relações étnico-raciais e do diálogo intercultural na formação inicial de professores; a identificação de práticas pedagógica exitosas dos docentes, a exemplo das atividades pedagógicas, como o inventário, a confecção de bonecas de Abayomis e exposições de ações desenvolvidas no Hall da Reitoria da UFPB; uma avaliação baseada em três dimensões (motivações para trabalhar com a temática do diálogo intercultural e das relações étnico-raciais, os subsídios fornecidos pelos cursos investigados e a importância atribuída à temática) do processo de implementação do diálogo intercultural e das relações étnico-raciais sob a perspectiva dos estudantes das licenciaturas; e outros. Esses resultados contribuíram para perceber que as relações étnico-raciais e o diálogo intercultural precisam ser expandidos nos cursos de formação de professores por meio da incorporação de mais componentes curriculares, para que a implementação dessa temática possa colaborar para a formação dos futuros docentes. Além disso, quanto mais intensificarmos esse debate, maior será a probabilidade de termos uma educação antirracista e intercultural.
  • ALEXANDRE DE OLIVEIRA FERREIRA
  • FORMAÇÃO DOCENTE NO BRASIL: ELEMENTOS DA TENSÃO E DISPUTA NAS POLÍTICAS EDUCACIONAIS
  • Data: 15/02/2022
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • Este estudo versa sobre as políticas para a formação docente a partir das disputas e tensões em torno das concepções e anseios para formação docente, com intuito de apresentar apontamentos nas políticas educacionais. Configurando-se como categorias da pesquisa a política, que perpassa e traduz a cultura dominante ao determinar a essência da formação humana por meio da profissão docente; a formação docente como relevante no movimento de transformação social, que tem como premissa primeira uma formação que se encontra com o movimento social e se materializa ao se constituir novas formas para pensar, agir e transformar nosso mundo; à docência como um conceito não só abrangente, mas que se amplia para diferentes esferas na constituição da profissão. Assim, erguem-se como eixos temático-categóricos que estruturam a pesquisa a ser realizada, bem como os caminhos iniciais realizados que foram construídos, tendo em vista os motivos que explicam a problemática pesquisa. As fontes para a investigação são os documentos oficiais que estão destacados na pesquisa a partir de dois entendimentos, que são: fontes primárias e secundárias. As fontes primárias se constituem como a resolução nº 2 de 2015, que institui as Diretrizes Para Formação Inicial e Continuada dos Profissionais da Educação (BRASIL, 2015) e as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação Inicial e Continuada de Professores da Educação Básica e Base Nacional Comum para a Formação de Professores da Educação Básica (BNC-Formação e BNC-Formação Continuada) (BRASIL, 2019 e 2020) e as secundárias são todos os antecedentes históricos das políticas para formação. Os fundamentos teóricos-metodológicos que conduzem esta pesquisa foram escolhidos por compreender que o objeto de investigação se compreende dentro de um processo em que posiciona a profissão docente na luta de classes por ser algo central no materialismo histórico dialético. Por tudo isso, o materialismo histórico dialético oportuniza o desvelamento do objetivo de pesquisa que é em síntese compreender as disputas e tensionamentos nas políticas educacionais que determina visões de mundo, homem e educação cujo têm encontrado espaço nas reformulações políticas para a docência. Constituindo-se o estudo por meio da análise documental como fonte de pesquisa e fomento para refletir as justificativas das ações e pensamentos do projeto direcionado, pelas políticas educacionais no Brasil, à formação de professores.
  • LARISSA CAVALCANTI DE ALBUQUERQUE
  • AS AÇÕES AFIRMATIVAS NA PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO: ACESSO, PERMANÊNCIA E PRODUÇÃO DO CONHECIMENTO NAS UNIVERSIDADES FEDERAIS DO NORDESTE
  • Data: 15/02/2022
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • O estudo busca propiciar reflexões sobre as ações afirmativas na pós-graduação tendo como problema de tese: a partir da efetivação das políticas de ações afirmativas na pós-graduação em Educação no Nordeste brasileiro, como se processa o acesso, a permanência e a produção do conhecimento de sujeitos ingressos por políticas de cotas? Como objetivo geral, delimita-se investigar o processo de adoção de cotas na pós-graduação (stricto sensu) nas universidades federais do Nordeste a partir das resoluções das universidades. Essa investigação se desdobra nos seguintes objetivos específicos: analisar as condições de acesso e permanência dos alunos ingressos por cotas na pós-graduação em educação e reconhecer indicativos da produção do conhecimento (dissertações e teses) dos alunos ingressos por cotas na pós-graduação em educação da UFPB. As categorias teóricas dessa tese são: justiça com equidade e capital cultural, já as categorias empíricas são: expansão do acesso à educação superior, ações afirmativas e permanência. Para a construção metodológica, optou-se pela pesquisa qualitativa com a utilização do ciclo de políticas de Ball (2001) e para análises de dados, foi utilizado o fundamento em Yin (2016). No que diz respeito aos procedimentos utilizados, tem-se a revisão da literatura em teses entre os anos 2014 e 2020, a análise documental nas resoluções das universidades federais do Nordeste, como sujeitos da pesquisa têm-se os coordenadores da pós-graduação em educação e dois membros da comissão de cotas da UFPB. Para a coleta de dados foi usado o questionário semiestruturado e a entrevista com roteiro. Como resultados, tem-se que dentre as noves universidades federais do Nordeste, quatro não adotam as ações afirmativas nos processos seletivos de pós-graduação: UFMA, UFC, UFPE e UFRN. Nos questionários, observou-se que todos os coordenadores de pós-graduação em educação concordam com as ações afirmativas, como mecanismo de justiça equitativa. Nas entrevistas, nota-se a necessidade de sistematização de dados da UFPB no que concerne aos alunos cotistas. Na produção (dissertação e teses) discente dos alunos ingressos por cotas do PPGE-UFPB, observa-se que os temas das pesquisas dos alunos perpassam por assuntos das políticas afirmativas. Por fim, salientam-se as contribuições para as discussões de fomento e implementação de políticas afirmativas, visando a uma sociedade justa, equitativa e inclusiva.
  • ISRAEL DIAS DA SILVA FILHO
  • A (IN)VISIBILIDADE SOCIAL E MARGINALIZAÇÃO DAS ETNIAS CIGANAS FRENTE ÀS POLÍTICAS EDUCACIONAIS: O CASO DO POVO CALON DO MUNICÍPIO DE SOUSA (PARAÍBA)
  • Data: 02/02/2022
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • O tema dessa dissertação surgiu por inquietações pessoais, sociais e científicas ao buscar problematizar o fenômeno da etnia cigana nas políticas educacionais. Sendo o contato com os ciganos/ciganas do município de Sousa-PB, em 2010, a identidade temática e a ausência de estudos sobre a etnia cigana, em nosso Programa de Pós-Graduação (PPGE), elementos impulsionadores, para esta pesquisa. Teve como objetivo geral analisar os processos de (in)visibilidade e marginalização dos ciganos fixados no município de Sousa-PB frente às Políticas Educacionais garantidas na legislação. O percurso metodológico trilhou a partir de uma abordagem qualitativa com métodos de procedimento exploratório, descritivo e histórico, numa perspectiva fenomenológica de Rursserl e da análise do conteúdo, temática (BARDIN, 2009). A perspectiva teórica realizou uma tessitura contextualizada de reflexões e diálogos com os marcos legais das políticas educacionais (BRASIL, 1988; BRASIL, 1994; BRASIL, 2001) e com estudiosos do fenômeno da etnia cigana. Procuramos responder: Quais os processos de (in)visibilidade e marginalização dos ciganos fixados no município de Sousa-PB frente às Políticas Educacionais garantidas na legislação? Os resultados apontaram que as políticas ditas universalistas invisibilizam a etnia cigana, e que algumas políticas focalizadas para os chamados Povos Tradicionais possibilitam orientações para uma educação contextualizada, mas o distanciamento entre o currículo prescrito nas legislações e o ocorrido nas escolas provoca um hiato. A pesquisa de campo apresentou caminhos e descaminhos que apontaram possibilidades de inclusão ou exclusão para a Comunidade Cigana de Sousa/Paraíba.
2021
Descrição
  • PEDRO CARLOS DAS NEVES JUNIOR
  • CURSOS PRESENCIAIS DE PEDAGOGIA NA PARAÍBA: INVESTIGANDO REFERENCIAIS SOBRE EDUCAÇÃO ESPECIAL INCLUSIVA E COMUNICAÇÃO ALTERNATIVA
  • Data: 16/12/2021
  • Hora: 19:00
  • Mostrar Resumo
  • Esta pesquisa de mestrado da linha Processos de Ensino-Aprendizagem possui um diálogo teórico com a Educação Especial na perspectiva da Educação Inclusiva, cujo paradigma foi garantido por meio de lutas e movimentos sociais que, aos poucos, foi se materializando em leis, declarações e nos saberes necessários para a formação de professores. Considera-se que, para além de um conhecimento distante e vago sobre inclusão, é necessário que os professores tenham competências para construírem espaços significativos de aprendizagem para os estudantes público-alvo da Educação Especial, com recorte nos com necessidades complexas de comunicação. Desse modo, a Comunicação Suplementar e Alternativa se mostra como um relevante conteúdo para os cursos de formação de professores. O objetivo geral foi: analisar referenciais acerca da Educação Especial na perspectiva da Educação Inclusiva e Comunicação Suplementar e Alternativa, nos cursos de licenciatura em Pedagogia das universidades públicas paraibanas. Os objetivos específicos foram: caracterizar nos cursos investigados referenciais nos projetos pedagógicos de curso e nos componentes curriculares que versam sobre a Educação Especial na perspectiva da Educação Inclusiva e Comunicação Suplementar e Alternativa e identificar, por meio de docentes, conhecimentos e estratégias sobre a Educação Especial na perspectiva da Educação Inclusiva e Comunicação Suplementar e Alternativa em suas práticas pedagógicas. O método utilizado para a pesquisa foi o estudo de casos múltiplos, por sua investigação se dar em sete cursos de Pedagogia. Para a coleta de dados foram selecionados os projetos pedagógicos dos cursos e aplicado um questionário com 22 docentes das instituições públicas de Ensino Superior investigadas. Para a análise dos dados, foi utilizada a Análise de Conteúdo. Os resultados apontaram, sobre a Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva, que os cursos investigados tratam essa temática em seus Projetos Pedagógicos de Curso e práticas pedagógicas. Contudo, os cursos que evidenciaram mais referenciais sobre o tema foram o curso da Universidade Federal de Campina Grande e o da Universidade Estadual da Paraíba, ambos localizados em Campina Grande. Sobre a Comunicação Suplementar e Alternativa, nenhum dos cursos investigados contemplaram nos Projetos Pedagógicos de Curso essa área de estudo, porém, por meio do questionário, foi identificado que há docentes que trabalham essa temática em componentes específicos da área da Educação Especial, mostrando, portanto, que a Comunicação Suplementar e Alternativa tem, ainda que minimamente, aparecido em cursos de Pedagogia na Paraíba, nas práticas em sala de aula. Desse modo, conclui-se que os cursos investigados precisam oferecer mais componentes curriculares específicos da área da Educação Especial que ofereçam um estudo aprofundado sobre como trabalhar com pessoas com deficiência, como utilizando recursos de Comunicação Suplementar e Alternativa, e também tratarem a Educação Especial na perspectiva da Educação Inclusiva de forma interdisciplinar em mais componentes básicos do currículo. Essas considerações precisam estar explícitas no Projeto Pedagógico do Curso, por ele materializar e indicar os rumos formativos que o curso trilhará, explicitando, sobretudo, o olhar humanizador e inclusivo que os docentes precisam traduzir em práticas pedagógicas.
  • JOSE ACLECIO DANTAS
  • PROGRAMA “EDUCAR PRA VALER”: EM TEMPOS DE NEOLIBERALIZAÇÃO DA EDUCAÇÃO
  • Data: 16/12/2021
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • O tema da pesquisa é “política educacional em tempos de neoliberalismo”, tendo como objeto de estudo o programa “Educar pra Valer, implementado nas turmas de 2º e 5º anos das séries iniciais do Ensino Fundamental na rede municipal de Educação de João Pessoa - PB, a partir do 2º trimestre do ano 2019. A finalidade deste trabalho foi contribuir para os estudos sobre as políticas educacionais que são implementadas nas redes de educação municipais como estratégias para a elevação da qualidade na educação pública e da aprendizagem dos alunos. Esta pesquisa procurou responder a seguinte questão: Quais elementos e estratégias neoliberais podem ser identificadas a partir da implementação do programa “Educar pra Valer” na rede municipal de educação de João Pessoa? O nosso objetivo consistiu em analisar as relações que se estabelecem entre a implementação do programa “Educar pra Valer” nas escolas municipais de João Pessoa e o Neoliberalismo. E para isso objetivamos, especificamente nesse trabalho descrever os processos de implementação do Programa “Educar pra Valer” na Rede municipal de Educação de João Pessoa em 2019; Conhecer a organização, as parcerias estabelecidas e objetivos do programa “Educar pra Valer” no município de João Pessoa e analisar os elementos ideológicos e políticos estabelecidos na mediação entre Neoliberalismo e política educacional a partir da implementação do programa “Educar pra Valer” e suas estratégias de melhoria da “qualidade da educação pública”. Nossa metodologia é norteada pelo método materialista histórico dialético. Iniciamos utilizando uma pesquisa bibliográfica e documental, no qual a técnica principal foi a construção de fichamentos de obra e fichamento de citação. O instrumento utilizado foi o questionário aplicado de forma virtual, composto por 14 questões abertas e fechadas, a 10 docentes do 5º ano do ensino Fundamental. Após a análise dos dados destacamos que a partir do ponto que o programa de uma determinada política pública de educação insere alguns elementos de uma lógica de mercado, expressos numa racionalização do trabalho em sala de aula, milimetricamente medida em minutos relógio; na priorização de alguns conteúdos em detrimento de outros, principalmente ao que tange a metrificação das leituras individuais dos alunos; realiza avaliações externas, sistemáticas e padronizadas e restringe os processos de ensino/aprendizagem a aquisição de habilidades e competências, e o faz norteado por uma parceria com instituições privadas e sob financiamento do capital especulativo e fundos de investimentos da fundação Lemann, que têm a incumbência de determinar os novos parâmetros e rumos da educação sob o discurso da elevação da qualidade na educação pública, está implementando elementos e estratégias Neoliberais na Educação, visando a ampliação da produtividade do trabalho, e assim, a reprodução ampliada do capital.
  • SUÊNIA ROBERTA FERREIRA DE CARVALHO CUNHA
  • PROCESSOS AVALIATIVOS EM UMA CLASSE DO ENSINO FUNDAMENTAL E NO ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO DURANTE A PANDEMIA
  • Data: 16/12/2021
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • A partir dos cenários educacionais modificados pelas ações da pandemia do Covid-19, o modelo de ensino remoto tornou-se a opção para continuidade da escolarização dos alunos das escolas públicas do país, no tocante a este estudo, dos alunos público-alvo da Educação Especial. Dessa forma, o presente estudo se insere no âmbito de pesquisas voltadas para o processo avaliativo desses alunos em tempos de pandemia. O objetivo geral foi analisar as concepções e a atuação dos professores do Atendimento Educacional Especializado e do ensino comum no processo avaliativo do aluno público-alvo da Educação Especial no modelo de ensino remoto. Para tanto, a pesquisa contou com uma abordagem qualitativa, realizada com duas professoras, uma do ensino comum e a outra do atendimento educacional especializado, de uma escola pública municipal de uma cidade de grande porte do estado da Paraíba. Os dados foram coletados por meio de observações realizadas no grupo de whatsapp de uma turma de 5º ano, por trocas de mensagens, ligações telefônicas e entrevista semiestruturada com as participantes. Para tratar e analisar os dados utilizou-se a Análise de Conteúdo, na qual possibilitou elementos para discussão e construção das categorias de análises, viabilizando apreciação das mensagens das professoras por meio dos discursos sobre o processo avaliativo dos alunos público-alvo da Educação Especial. Os resultados revelaram percalços e desafios tanto para as professoras quanto para os alunos devido à falta de acesso tecnológico e suporte por parte da família, ocasionando implicações ao processo avaliativo dos alunos. Os dados ainda denotaram que mesmo em um cenário de ensino remoto, a parceria entre as duas professoras se restringiu em comunicações pontuais, trocas de ideias acerca da construção de atividades para os alunos, evidenciando assim, que não houve perspectivas de um ensino colaborativo consistente que englobasse planejamento, estratégias, formas de avaliação e flexibilização curricular. Da mesma forma, percebeu-se que apesar do ensino remoto trazer à tona várias dificuldades e vulnerabilidades, as concepções das professoras são inerentes, independente do cenário escolar, isto é, limitadas e restritas ao modelo médico acerca da deficiência, o que gera estereótipos e restrições para formação de elementos que flexibilizem o currículo, ações e avaliações à aprendizagem dos alunos público-alvo da Educação Especial. Partindo das ponderações apresentadas, se faz necessário refletir sobre a implementação de debates referentes as práticas avaliativas inclusivas, com intuito de romper com concepções avaliativas vinculadas ao viés médico e a mensuração do conhecimento. Além disso, propõe-se a adoção do ensino colaborativo entre as professoras do ensino comum e do atendimento educacional especializado, com o intuito de promover práticas inclusivas, independente do cenário escolar, remoto ou presencial.
  • AMANDA DA ROCHA MOURA
  • EDUCAÇÃO AMBIENTAL CRÍTICA, CURRÍCULO E FORMAÇÃO DE PROFESSORES NA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA: o educador como instrumento de promoção da emancipação social.
  • Data: 16/12/2021
  • Hora: 10:00
  • Mostrar Resumo
  • A Educação Ambiental além de institucionalizada por meio de legislação específica, através da Política Nacional de Educação Ambiental, Lei no 9.795, de 27 de abril de 1999, está se firmando ao longo do tempo enquanto demanda popular. Por outro lado, a prática educativa precisa repensar quais são os elementos de opressão impostos pelo sistema capitalista, enquanto que ao mesmo tempo também deve ser objetivado na Educação Ambiental Crítica estabelecer quais os caminhos metodológicos em sala de aula privilegiam a ação dos sujeitos sobre a realidade que os cerca. As soluções da práxis educativa, neste sentido, acabam por coadunar com os princípios de uma sociedade democrática e inclusiva, herdando da Pedagogia Crítica a base teórico-epistemológica que enxerga a pessoa humana de forma holística. Por essa razão, nesta pesquisa de dissertação, foi objetivado compreender como a Universidade Federal da Paraíba - UFPB aborda os conhecimentos sobre Educação Ambiental Crítica nos cursos de Licenciatura. Para tal, foi utilizado o método de análise de conteúdo das propostas curriculares das seguintes licenciaturas: Pedagogia (Educação do campo), Química, Física, Letras (Português), Letras (Inglês) e Arte da Universidade Federal da Paraíba (UFPB), selecionadas a partir de amostragem que dialogue com a composição curricular do ensino básico brasileiro. Como resultado, foi identificada uma insuficiência na abordagem da Educação Ambiental no decorrer dos cursos supracitados, uma vez que a difusão desse conhecimento muitas vezes se dá na forma de disciplina optativa, sem sinais observáveis acerca do aprofundamento em formação específica na temática da educação ambiental no decorrer do curso. A partir desses resultados é possível concluir a necessidade da ampliação de espaços para discutir a área da educação ambiental nas licenciaturas, uma vez que o processo formativo desconectado dessa ação pode onerar a vida profissional dos discentes, visto que é obrigatória a sistematização dessa temática na ação laboral futura, bem como a acertada prática teórico-metodológica adotada em sala de aula.
  • JANAINA CORREIA VIDAL ATAIDE
  • A FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM UMA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PARA A ATUAÇÃO NO ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO
  • Data: 16/12/2021
  • Hora: 09:30
  • Mostrar Resumo
  • A Educação Especial na perspectiva da Educação Inclusiva atravessa um caminho desafiador, sobretudo no Brasil, especificamente, na Paraíba. A dissertação que segue, partiu das inquietações acerca dos desafios encontrados pelo professor do Atendimento Educacional Especializado em sua atuação no cotidiano escolar, problematizando a respeito da sua formação profissional. Tem como objetivo geral analisar a formação de professores em pós-graduação de nível lato sensu para atuação no atendimento educacional especializado e como objetivos específicos: analisar a estrutura curricular de um curso de pós-graduação de nível lato sensu em Atendimento Educacional Especializado; identificar e analisar as percepções dos professores formadores e dos egressos sobre os processos de ensino-aprendizagem de alunos público-alvo da Educação Especial; identificar as percepções dos professores formadores em relação à formação dos professores em um curso de pós-graduação de nível lato sensu para a atuação no atendimento educacional especializado. Para a fundamentação teórica, buscou-se autores que dissertam acerca do atendimento educacional especializado, da formação continuada e do currículo, além do amparo da legislação vigente para todo o processo educacional do país e do estado onde se situa a pesquisa e, especificamente, da legislação em torno da Educação Especial na perspectiva da Educação Inclusiva. Para desenvolver a pesquisa, a base metodológica foi o estudo de caso. Inicialmente, foi feita a análise de documento do projeto pedagógico do curso, tendo em vista atender ao objetivo da dissertação. Posteriormente, foi realizada a entrevista semiestruturada com egressos do curso e professores formadores, por meio de um roteiro previamente apresentado aos juízes com conhecimentos na área da Educação Especial, os quais puderam contribuir com a construção do mesmo. Foram estabelecidas categorias e subcategorias e foi dado prosseguimento às análises, o que resultou que, embora a formação continuada teve seus aspectos positivos na percepção dos egressos, a formação de professores em nível lato sensu em Atendimento Educacional Especializado precisa de atualização do currículo para que possa melhor atender às demandas cotidianas da atuação do profissional do Atendimento Educacional Especializado junto ao aluno público-alvo da Educação Especial no sistema regular de ensino.
  • ADJEFFERSON VIEIRA ALVES DA SILVA
  • NAS MARGENS, CURRÍCULOS COM GÊNEROS E SEXUALIDADES: UMA LEITURA A PARTIR DOS ANOS FINAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL EM ESCOLAS ESTADUAIS SITUADAS EM CAMPINA GRANDE - PB
  • Data: 15/12/2021
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • Esta pesquisa de doutoramento, desenvolvida no Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal da Paraíba, inserida na Linha de Pesquisa: Estudos Culturais da Educação, tem como objeto “Currículos com Gêneros e Sexualidades” no âmbito dos anos finais do Ensino Fundamental. Entre as várias instâncias sociais, a Educação tem se destacado, nas últimas décadas, como espaço acirrado de disputas e, nesse contexto, os currículos – na condição de artefatos sociais, culturais, pedagógicos e, também, de gênero e sexualidade – emergem como um dos principais espaços de confrontos. A experiência nos anos finais do Ensino Fundamental tem mostrado que gênero e sexualidade são abordados de forma pontual por docentes implicados política e eticamente com essas temáticas. Nessa mesma direção, levantamento realizado junto a repositórios de pesquisas demonstrou que existem poucos estudos sobre as temáticas nessa etapa de ensino da Educação Básica, ao mesmo passo que não foi encontrado nenhum estudo no/sobre o território paraibano. Desta feita, ancorado nos Estudos Culturais da Educação, em sua perspectiva pós-crítica, nos Estudos Curriculares, Estudos de Gênero e Estudos de Sexualidade, na presente pesquisa questiona-se: se e como as relações de gênero e as sexualidades são abordadas nos currículos do Ensino Fundamental nos seus anos finais em Escolas Cidadãs Integrais (ECI) pertencentes à 3ª Gerência Regional de Ensino (GRE) e localizadas em Campina Grande – Paraíba? Partindo desta questão, tem-se como objetivo central: analisar, a partir de fontes documentais e da perspectiva de professoras e professores, a abordagem das questões de gênero e sexualidade nos currículos do Ensino Fundamental, anos finais, em Escolas Cidadãs Integrais (ECI) de Campina Grande – PB. Parte-se de uma dupla pista: A primeira é de que os documentos da política curricular – em âmbito nacional e estadual – possibilitam a abordagem/problematização das questões de gênero e sexualidades, mesmo que por meio de percursos alternativos/não explícitos. A segunda pista supõe que tomando as possibilidades de abordagem/problematização presentes nos documentos curriculares quanto às questões de gênero e sexualidades, espera-se que professoras e professores materializem/abordem/problematizem tais questões, mesmo que tangencialmente. Ao final das análises conclui-se que os textos da política curricular, em seus diversos âmbitos, e a perspectiva docente possibilitam sustentar que a abordagem/problematização das questões dos gêneros e das sexualidades está fundamentada na legislação educacional brasileira e, associadamente a estes fundamentos legais, existe uma disposição de professores e professoras em abordar a temática da diversidade (de gêneros e orientações sexuais), em que pese o receio que o ambiente de vigilância política, ideológica e moral instalado no país há anos, com especial destaque na Educação. Por tudo isso, esta pesquisa é de caráter qualitativo quanto aos objetivos e procedimentos e aplicada quanto aos resultados. Na produção do material empírico são acionadas estratégias da pesquisa documental no acesso e salvaguarda de documentos da política curricular, além de documentos das rotinas pedagógicas escolares. Produz-se, ainda, questionário online para selecionar docentes familiarizadas/os com a abordagem da temática de gênero e sexualidade, atuantes nas escolas selecionadas; e, por fim, realiza-se entrevistas-episódicas semiestruturadas online com docentes. O material empírico produzido foi analisado a partir da perspectiva da Análise Cultural.
  • JISALINE FAGUNDES RODRIGUES
  • JORNAL O CEARENSE: ANÚNCIOS DE LIVROS DE INSTRUÇÃO E EDUCAÇÃO (1846 A 1856)
  • Data: 15/12/2021
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • Este trabalho objetivou identificar e analisar os anúncios de livros no jornal O Cearense, no período compreendido entre 1846 a 1856, considerando a circulação de ideias sobre instrução e educação e suas representações para a sociedade. O estudo identificou, por meio dos anúncios publicados nas 986 edições do respectivo periódico, observando o marco temporal estabelecido, os reclames caracterizados “ANNUNCIOS”, organizados em uma seção específica em que se detectou também oferta de livros, aplicando estratégias de divulgação centradas em despertar o interesse da sociedade bem como as intenções de influenciar escolhas pedagógicas por parte das autoridades governamentais e educacionais. Entre as 986 edições analisadas, 786 apresentam anúncios diversos os quais remetem à lógica da sociedade e do governo do respectivo período; em 204 anúncios, consta(m) indicação(ões) de livros de alguns campos de conhecimento – alguns apenas divulgados, outros expressamente recomendados –,observando-se sua concepção teórica e ou metodológica e seu potencial para aplicação à instrução e educação daquele período. A pesquisa articulou diferentes fontes: 1) periódicos com destaque para o jornal O Cearense, disponíveis no site da Biblioteca Nacional; 2) relatórios de presidentes da província; 3) leis que regulamentaram a Instrução, estas localizados em mídia eletrônica (sites oficiais); e 4) bibliografia produzida sobre o tema, disponibilizada em bases de dados oficiais. O apoio teórico e metodológico aplicado à fundamentação da escrita observou as contribuições de Burke (2008), Carr (2002), Foucault (2012), Ginzburg(1989); Chartier (1994, 2014), Almeida (2007), Vilella (2011), entre outros autores cujas concepções foram essenciais para compreender a circulação não só de ideias, a partir do jornal – dispositivo da cultura letrada –, mas também a representação que se pretendia disseminar como ensinamentos para aquela sociedade, com apoio nos livros, naquele momento, divulgados e recomendados para a Instrução Pública, contemplando a ideia de educação e instrução almejados pelo Estado, o Clero e outras lideranças influentes vinculadas às diversas instituições que compunham o cenário social.
  • RAYSSA MARIA ANSELMO DE BRITO
  • FORMAÇÃO CONTINUADA CRÍTICO-COLABORATIVA NA EJA: UMA EXPERIÊNCIA COM ENFOQUE NA INCLUSÃO DE EDUCANDOS COM DEFICIÊNCIAS
  • Data: 15/12/2021
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • Compreendendo a presença dos estudantes com deficiências na Educação de Jovens e Adultos (EJA) nas escolas regulares e os desafios originados a partir do paradigma da inclusão educacional, trazemos a presente pesquisa, com enfoque na formação continuada de professores da EJA, para uma educação inclusiva das pessoas com deficiência. Desse modo, essa pesquisa de tese objetiva compreender as contribuições da formação continuada construída de modo crítico-colaborativa aos desafios de uma prática pedagógica inclusiva das pessoas com deficiências na EJA, e para tanto, propomo-nos de forma mais específica a: 1- Compreender as representações discursivas das profissionais da educação acerca das modalidades da EJA e da educação inclusiva, da relação entre elas, assim como suas perspectivas sobre os educandos com deficiência; 2- Identificar as práticas pedagógicas evidenciadas no discurso das educadoras no contexto da formação continuada, analisando-as enquanto inclusivas ou excludentes; 3- Refletir sobre a formação continuada como espaço fecundo para discutir os desafios oriundos de uma EJA inclusiva, observando as práticas discursivas das educadoras mediante este cenário educativo. Para tanto, ancoramo-nos em autores que problematizam e refletem sobre a Educação de Jovens e Adultos, tais como Soares (2006), Silva (2011); sobre a Educação Especial na perspectiva da Educação Inclusiva a exemplo de Campbell (2009), Mantoan (2015); e no tocante às discussões do campo da Formação Docente, utilizamos, pois, Carvalho (2014), bem como Pimenta (2012), Tardif (2014) entre outros. A pesquisa é caracterizada como uma pesquisa-ação crítico-colaborativa elaborada por meio de uma parceria entre a Universidade Federal da Paraíba e a Secretaria de Educação do Município de Bayeux - PB, sendo esta parceria viabilizada através do projeto de extensão intitulado: “Curso de Formação Continuada - Práticas Inclusivas na EJA”, que ocorreu no ano de 2019 com um grupo formado por professoras, supervisoras e transcritora de braile de diferentes escolas do município. De modo que foram realizados oito encontros formativos, os quais foram gravados e transcritos, caracterizando-se como nossa principal fonte de dados, acrescentando a estes, os materiais produzidos no decorrer da formação, bem como os cadernos de memórias da pesquisadora e das profissionais colaboradoras da pesquisa. Os dados foram analisados sob a ótica da Análise Crítica do Discurso, importante instrumento para analisarmos os discursos, a práxis pedagógica e o processo de formação continuada como cenário de possíveis mudanças visando potencializar o processo inclusivo de jovens e adultos com deficiências no município de Bayeux – PB. Como conclusão da presente pesquisa, ressaltamos a tese de que “a Formação Continuada construída de modo crítico-colaborativa, ao agregar sujeitos de um mesmo cenário educativo, com visões múltiplas sobre a inclusão, contribui para construir respostas coletivas de enfrentamento aos desafios da Escola Inclusiva, bem como ao fomento de práticas pedagógicas inclusivas, especialmente na EJA”, bem como apontamos para a necessidade de novos estudos acadêmicos, assim como de políticas públicas as quais venham a problematizar e refletir sobre a relação da formação docente e os processos inclusivos de estudantes com deficiências na EJA.
  • THAMYRES RIBEIRO DA SILVA
  • Escolas Cidadãs Integral Técnica: atores, sujeitos, influências e a atuação da política em uma Escola localizada no Brejo Paraibano
  • Data: 14/12/2021
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • O objetivo geral da pesquisa consistiu em compreender a atuação da política de educação integral e de tempo integral nas Escolas Cidadãs Integrais Técnicas (ECITs) Paraibanas. Tal pesquisa encontra justificativa por dedicar-se a estudar um programa que atua em mais de 100 escolas no estado, alterando significativamente aspectos como gestão, currículo e a cultura organizacional das instituições educativas, com participação direta e indireta do setor privado. A partir de uma análise de documentos que tratam sobre o tema Educação Integral, ressaltamos os aspectos históricos, políticos e sociais de cada período, discutindo a reforma do Ensino Médio e como esta mudança embasou o modelo de Educação Integral Paraibana, apontando também as modificações específicas realizadas dentro das ECITs, já que estas se direcionam, além da Educação Integral, ao Ensino Técnico. Apresenta abordagem qualitativa, descritiva quanto aos objetivos traçados e faz uso do método de análise do Ciclo de Políticas de Stephen Ball e Richard Bowe. Através das dimensões contextuais da política de Stephen Ball, Meg Maguire e Annette Braun e por meio das vozes dos sujeitos entrevistados foi possível compreender como a política está sendo interpretada e atuada dentro da instituição, tendo em vista que docentes, estudantes e gestor estão negando e modificando ideias como protagonismo, avaliações, áreas de conhecimento e relações de convivência, que sofrem interferência pela falta de infraestrutura e pelas demandas que são apresentadas.
  • IRIS DAYANE GUEDES LIRA
  • FEMINISMOS EM 280 CARACTERES: O TWITTER COMO ESPAÇO EDUCATIVO
  • Data: 14/12/2021
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • As diferentes formas de interação social constituídas pelas tecnologias da informação e comunicação, bem como o surgimento e o crescimento das redes sociais digitais, têm sido utilizadas por mulheres e homens para ampliar suas lutas políticas, com intuito de dar visibilidade às suas pautas e, assim, contribuir para a redução das desigualdades de gênero. Um dos espaços virtuais bastante utilizados nesse contexto é a rede social Twitter, que foi o campo empírico desta pesquisa. O Twitter é compreendido como um espaço educativo na medida em que possibilita a construção e a disseminação de conhecimentos, produzindo modos de ser, viver e compreender pautas feministas e de gênero, entre tantas outras. Nesse sentido, esta pesquisa, de perspectiva qualitativa feminista, objetiva compreender como estratégias educativas são acionadas nas pautas feministas postadas no Twitter voltadas a problematizar e denunciar desigualdades entre homens e mulheres e, desse modo, educar sobre as relações de gênero. Do ponto de vista metodológico, utiliza-se a netnografia educacional voltada a abarcar as interações sociais que ocorrem por meio das intervenções tecnologias. Buscou-se, portanto, mapear as pautas feministas mais recorrentes no Twitter, no período de agosto a novembro de 2020, com intuito de identificar de que modo as pautas feministas são utilizadas como estratégias educativas no Twitter e analisar de que modo o Twitter tem se tornado um espaço educativo para atuação político-pedagógica de pautas feministas. A pesquisa, situada no campo dos Estudos Culturais da Educação, sustenta-se nos conceitos de culturas em rede, cibercultura e feminismos, compreendendo-os, particularmente, em suas dimensões educativas. O material empírico foi produzido a partir da observação e de capturas de tela dos trending topics do Twitter, durante um período de quatro meses, e analisado na perspectiva na análise de gênero com lente feminista. A partir da análise do material empírico infere-se que as hashtags com pautas feministas, sejam aquelas que convergem ou que se contrapõem às perspectivas feministas e de gênero educam uma vez em que disseminam conhecimentos culturais, sociais e, também, científicos sobre os feminismos e suas lutas e que, desse modo, pode contribuir para a reflexão e para a modificação de algumas nuances dos sexismos internalizados em nossa sociedade.
  • PRISCILA MORGANA GALDINO DOS SANTOS
  • Uma análise dos atos de Assédio Moral contra as Docentes da esfera pública Municipal de João Pessoa frente ao contexto sócio, político e educacional.
  • Data: 14/12/2021
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • RESUMO O presente trabalho é um Estudo de Caso realizado entre Docentes que atuam na Prefeitura Municipal de João Pessoa e buscou compreender como elas vivenciam seu cotidiano laboral, face aos atos de Assédio Moral provocados pelos pares ou superiores, sobretudo em relação a fragilidade e até ausência de políticas que as amparem. É perceptível a complexidade do tema, ainda vivenciado com o silenciamento. O tema é preocupante, pois os setores educacionais da esfera pública se apresentam progressistas e defensores de um espaço educacional que promove a cidadania e respeito à diversidade, tendo como livros de cabeceira as obras de Paulo Freire, embora as práticas sejam distantes desses ideais. Dessa forma a Tese, que está sendo construída numa perspectiva qualitativa e descritiva, tem como objetivo geral analisar as práticas de atos de assédio moral realizados contra as Docentes da Esfera Municipal de João Pessoa e como estas compreendem as consequências dessas práticas em suas vidas profissionais e pessoais. Para a motivação deste trabalho de pesquisa, apresentamos o seguinte problema: Como as docentes da Educação básica do município de João pessoa têm vivenciado cotidiano com ações de Assédio Moral realizadas pelos seus pares ou chefes imediatos? Para a realização da comprovação de nossa Tese, apresentamos a seguinte Hipótese: O espaço profissional da Docência tem nas práticas de assédio a perpetuação do poder contradizendo a perspectiva de uma educação humanizadora. Para a realização da pesquisa, buscamos o depoimento de 20 Professoras da Prefeitura Municipal de João Pessoa, as quais foram ouvidas através da Entrevista semi-estruturada, realizadas pelo Google Meet no ano de 2021. Para a análise de dados seguiram-se os passos da Análise de Conteúdo de Bardin. O relato das Docentes foi definido como um elemento de grande importância para os enunciados propostos, pois desde a construção do Projeto de Doutorado supôs-se que elas poderiam romper com a estrutura do medo e silenciamento acerca do Assédio Moral vivenciado em seus momentos iniciais da Docência ou em momentos atuais da rotina pedagógica, na esfera pública municipal e portanto, oferecer uma justa observação sobre as ações e práticas resultantes de uma violência cultural que foi normalizada ao longo dos anos, inclusive dentro de estruturas educacionais. Os resultados obtidos anunciaram o precário preparo dos profissionais (chefes imediatos e pares das Docentes) atuantes do segmento educacional da Prefeitura Municipal de João Pessoa, quanto a identificação e a supressão dos atos de Assédio, assim como execução de uma rotineira naturalização de ações, que percorrem no rol do que é proibido por lei nas relações trabalhistas. Outro elemento percebido na pesquisa é que tais atos se apresentam como um grande entrave sobre a vida das Docentes, as quais estatisticamente, maioria na Educação Básica da Prefeitura Municipal de João Pessoa, se demonstram resilientes face aos atos de violência vivenciados. Elas exercem práticas de defesa e resistência, assim como ressignificam os espaços de trabalho e a sua profissão. A pesquisa sugere o necessário investimento e a forte propagação de reflexões e de ingerências paralelas por parte da Gestão da Prefeitura Municipal de João Pessoa, para que aquilo o que está instituído legalmente, sobre o cotidiano laboral, seja a prerrogativa maior das ações no trato das relações trabalhistas na esfera pública educacional, de forma que valorize a presença das mulheres na docência, tão imprescindível para a promoção de uma sociedade que respeita a cidadania.
  • RAYANE PEREIRA SANTOS
  • BNCC E OS NOVOS DIRECIONAMENTOS PARA OS PROFESSORES DA EDUCAÇÃO DO CAMPO NO MUNICÍPIO DE SANTA RITA-PB
  • Orientador : ANA CLAUDIA DA SILVA RODRIGUES
  • Data: 14/12/2021
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • Esta pesquisa tem como objetivo geral analisar a atuação da política de formação continuada para professores da Educação Básica de escolas do campo do município de Santa Rita/PB, a partir da instituição da Base Nacional Comum Curricular. A base epistemológica ancora-se nos estudos de autores que discutem educação do campo, tais como: Arroyo (2012); Molina (2013, 2017) e Caldart (2013). Sobre o tema formação de professores: Gatti (2008); Brzezinski (2008); Dourado (2015); e sobre as políticas da BNCC e BNC-Formação Continuada consultou-se os pesquisadores: Oliveira e Süssekind (2018); Macedo (2017); Rodrigues e Albino (2020) e Freitas (2020). Trata-se de uma pesquisa de abordagem qualitativa que utiliza como método o estudo de caso. A técnica utilizada foi a entrevista semiestruturada tendo como instrumento um roteiro com tópicos de interesses da pesquisa. Os sujeitos foram: duas professores; uma gestora da escola; uma supervisora; duas coordenadoras da Educação do Campo; duas formadoras e uma coordenadora da Equipe de Estudo e Formação de Professores - EEFORP. O Ciclo de Políticas de Ball e colaboradores (1992, 1994) foi a ferramenta escolhida para a análise dos contextos de Influência, Produção de texto, Prática e os primeiros Resultados e Efeitos da implementação da BNCC. Após as análises dos achados ressaltamos que a atuação da política de formação de professores realizada no município de Santa Rita/PB orienta a utilização de sequencias didáticas a partir das competências e habilidades instituídas pela BNCC; os encontros são organizados desconsiderando as especificidades das escolas independente se do campo ou da cidade; existe uma narrativa de implementação do documento curricular sem reflexão; não há orientações especificas para a modalidade Educação do Campo.
  • MICARLA LOPES DE FARIAS
  • O DISCURSO SOBRE A FUNÇÃO EPISTÊMICA DA IMAGEM VISUAL NO PROGRAMA NACIONAL DO LIVRO E DO MATERIAL DIDÁTICO
  • Data: 13/12/2021
  • Hora: 15:00
  • Mostrar Resumo
  • A imagem visual é um artefato cultural, cuja produção acontece pela ação humana. A sociedade contemporânea tornou-se altamente imagética, considerando os variados gêneros de imagem, os diversos lugares e dispositivos no qual ela se faz presente em nosso cotidiano. Além disso, as imagens visuais possuem variadas funções: ilustrativa, mnemônica, decorativa, simbólica e epistêmica. O Programa Nacional do Livro e do Material Didático (PNLD) tem sido responsável pela distribuição de livros de forma gratuita e sistematizada. Nos Guias de Livros Didáticos do PNLD, podemos encontrar não somente a resenha dos exemplares, como também os aspectos exigidos pelo programa para a seleção das coleções que serão utilizadas em toda a Educação Básica Pública. Considerando a hipótese de que há imagens com função epistêmica presente no programa nacional de livros, o objeto desta pesquisa é o discurso sobre a função epistêmica da imagem visual no PNLD e a abordagem teórico-metodológica empregada é a Análise Arqueológica do Discurso (Foucault, 2008). Ao mapear os Guias do PNLD, escavar os fragmentos enunciativos que tratam da imagem com função epistêmica, analisamos as suas regularidades e identificamos uma série de correlações que possibilitam conhecer as condições de possibilidade do discurso investigado, assentadas em três séries discursivas: I) a imagem concebida enquanto texto; II) a imagem empregada com finalidades metodológicas; e III) a imagem cumprindo funções epistemológicas.
  • LINDINALVA DE ALCÂNTARA CORREIA
  • A PROFISSIONALIZAÇÃO NA ATUAÇÃO DOCENTE DA EDUCAÇÃO INFANTIL
  • Data: 13/12/2021
  • Hora: 14:30
  • Mostrar Resumo
  • A presente dissertação insere-se nas discussões do universo da formação de professores e trata de investigar a profissionalização na atuação docente da Educação Infantil, que tem influenciado pesquisas e debates nesse campo educacional. Este tema emerge da trajetória percorrida pelas próprias experiências profissionais. A pesquisa está orientada no enfoque fenomenológico para compreendermos a percepção docente acerca da profissionalização e suas inter-relações com a atuação. Foi precisamente por valorizar o pensamento do sujeito de maneira singular nas vivências de mundo que fomos levados a trabalhar com um grupo de oito docentes da Educação Infantil do município de João Pessoa-PB, buscando analisar o sentido que emerge da descrição das experiências vivenciadas pelos docentes no contexto da construção da profissionalização. Este estudo tem por objetivo geral compreender a profissionalização na atuação docente da Educação Infantil. Já no que concerne aos objetivos específicos, optamos por analisar como se constitui a profissionalização de professores na Educação Infantil; destacar os elementos construtores da profissionalização docente na Educação Infantil; apontar em que medida a experiência de professores na Educação Infantil é considerada, por eles, um elemento construtor da profissionalização. Adotamos a abordagem qualitativa de cunho exploratório, pois permite maior envolvimento com o objeto de estudo. Quanto a pesquisa empírica, foi realizada com cinco docentes de um CREI e três de uma escola pública municipal de João Pessoa-PB. Para obtenção das informações utilizamos como instrumento de pesquisa: a observação não participante, o diário de campo e a entrevista semiestruturada. Em relação ao método de análise, optamos pela análise de conteúdo, como forma de apreender a realidade, considerando, principalmente, a prática social dos sujeitos. Os dados colhidos por esses instrumentos foram analisados e interpretados pela análise categorial, que consiste em uma das técnicas da análise de conteúdo, e funciona por desmembramento do texto em categorias objetivando desvendar o que está por trás das palavras sobre as quais se debruça. Foi evidenciado que a construção da profissionalização na atuação docente da Educação Infantil apresenta desafios, que possivelmente incide na ausência de elementos importantes para a questão de tornar-se professor/a.
  • ELIDIANA OLIVEIRA DAS NEVES
  • Experiências de aprendizagem com o cinema para formação humana: percepções dos/as educandos/as nos anos finais do Ensino Fundamental.
  • Data: 13/12/2021
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • Esta pesquisa científica insere-se nos estudos sobre educação e cinema, mais especificamente nas práticas pedagógicas no âmbito escolar, motivada por observações de projetos de pesquisa oriundos de interesses dos(as) próprios(as) educandos(as), envolvendo o uso do cinema. Tem como objetivo central analisar as experiências de aprendizagem com o cinema que podem potencializar as práticas pedagógicas direcionadas à formação humana nos anos finais do Ensino Fundamental. Nesse contexto, busca-se responder aos seguintes questionamentos: Como experiências de aprendizagem com o cinema podem potencializar a prática pedagógica direcionada à formação humana dos(as) educandos(as)? Que saberes os(as) educandos(as) reconhecem por meio de experiências de aprendizagem com o cinema? Sendo assim, levanta-se a hipótese de que o cinema, diante da sua singularidade, contribui de maneira significativa na formação do ser humano quando contextualizado à proposta pedagógica da escola, sendo possível os(as) educandos(as) passarem a evidenciar as próprias experiências como experiências de aprendizagens. A metodologia adotada parte de uma abordagem qualitativa, e, visto o caráter subjetivo do fenômeno, além da necessidade de descrição do mesmo e relação com experiência de vida, optou-se pelo enfoque fenomenológico. Sobre os procedimentos, quanto aos fins, trata-se de uma pesquisa de campo exploratória e, quanto aos meios, de caráter bibliográfico, empírica e documental, em que se recorre às fontes oficiais da legislação brasileira, portfólios dos(as) educandos(as), proposta pedagógica, registros e anotações. Para a coleta de dados, realizou-se a observação participante, assim como a análise de documentos e entrevistas semiestruturadas com educandos(as) dos anos finais do Ensino Fundamental. Quanto à interpretação e categorização dos dados, utilizou-se a Análise de Conteúdo de Bardin (2016), do tipo categorial. Os dados apontam que o cinema se interliga à proposta pedagógica da escola por meio dos projetos e roteiros de aprendizagem, oficina pedagógica, comitê estudantil e cineclube. Percebe-se o reconhecimento de experiências de aprendizagem pelos(as) educandos(as) relacionadas às questões de percepção de si, do outro e do mundo por meio da criação coletiva e dos vínculos elaborados em situações de aprendizagem provocados pelas experiências com o cinema.
  • ADAH KETHLYN BRAZ
  • O DISCURSO SOBRE A ESPECIFICIDADE EDUCATIVA DAS HISTÓRIAS EM QUADRINHOS NA BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR - BNCC
  • Data: 10/12/2021
  • Hora: 14:30
  • Mostrar Resumo
  • Ancorada no nexo entre educação, visualidade e discurso a presente pesquisa situada na linha dos Estudos Culturais da Educação (ECE), objetivou analisar e descrever o discurso sobre a especificidade educativa das HQs na BNCC no intuito de responder ao seguinte problema central: Quais as condições de possibilidades enunciativas para existência do discurso sobre a especificidade educativa das HQs na BNCC? Para isso, adotou-se a abordagem teórico-metodológica da Análise Arqueológica do Discurso (ADD), proposta por Michel Foucault (2008) em sua obra A arqueologia do saber. Os procedimentos investigativos utilizados seguiram os seguintes passos, sistematizados e adotados por Alcântara e Carlos (2013): mapeamento dos documentos, análise da zona enunciativa do discurso e descrição das séries enunciativas que tecem a ordem do discurso. Apesar das HQs ocuparem um espaço cada vez maior nas pesquisas acadêmicas e por serem um objeto cultural de apreciação e consumo de crianças e adultos, a feitura desta pesquisa justificou-pela necessidade de dar visibilidade discursiva às especificidades educativas desse gênero visual, em particular. Além disso, esse artefato se apresenta com uma função educativa e pedagógica reconhecida e como um conteúdo eleito pela política educacional da BNCC na área de Linguagens a ser inserido de forma obrigatória no currículo escolar da Educação Básica. A fonte primária escolhida para o ponto de partida da análise arqueológica foi a última versão da Base Nacional Comum Curricular (2018), especificamente voltada para os achados referentes à etapa dos anos iniciais do Ensino Fundamental. Ao final do percurso de descrição arqueológica, identificamos que no entrelaçamento discursivo dos domínios dos Direitos humanos, das Artes Visuais e da Língua Portuguesa são forjadas um conjunto de séries enunciativas que entrelaçadas funcionam como condições de possibilidade para o que pode ser dito a respeito da ordem do discurso sobre a especificidade educativa das HQs na BNCC. Sinalizamos também, como resultados de nossa análise a identificação de algumas funções educativas desempenhas pelas HQs encontradas na ordem do discurso em questão, quais sejam: a função artística-experimental, a artística-cultural, a epistêmico-lúdica, a didático-pedagógica interdisciplinar, a semiótica-interativa, a estético-lúdica, a semântico-criativa, a discursiva-comunicativa e a crítico-midiática.
  • PEDRO LÔBO DOS SANTOS
  • MOROMBO’ESARA NHEBO’E: O APRENDER E O ENSINAR DO PROFESSOR INDÍGENA POTIGUARA NA BAÍA DA TRAIÇÃO/PARAIBA
  • Data: 10/12/2021
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • A presente pesquisa tem como objetivo analisar a formação permanente oferecida aos professores/as indígenas, identificando a sua contribuição à Educação Escolar Indígena do Povo Potiguara-PB a partir da experiência na Escola Estadual Indígena de Ensino Fundamental e Médio Pedro Poti, localizada na Aldeia São Francisco, no município da Baía da Traição-PB. Ancorados na legislação que regulamenta a Educação Escolar Indígena como uma modalidade legítima faz-se necessário dialogarmos com os professores indígenas com seu arcabouço de saberes e práticas que dizem respeito à nossa cultura e tradição, a partir da realidade indígena possibilitando a interlocução dos saberes populares e os saberes científicos, promovendo o direito à diversidade cultural que é patrimônio comum da humanidade. A investigação se configura metodologicamente como pesquisa qualitativa, tendo como fundamentos teóricos a perspectiva da educação popular os estudos de Brandão (2005), Freire (1996), Streck e Esteban (2018), da educação intercultural decolonial com Quijano (2010), Fanon (2015), Santos (2010), Collet (2006) e Candau (2008; 2016 e 2018) e da educação indígena com Munduruku (2002, 2012; 2019), Bonin (2012), Bergamaschi e Silva (2007), Arritu (1995), Barcellos (2012) e Nascimento (2012), Baniwa (2006), além do Referencial Curricular Nacional para as Escolas Indígenas (RCNEI-1998) e das Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Escolar Indígena (2013). Trabalhamos com a análise documental e a análise temática de conteúdo dialogando com Cellard (2008), Flick (2009) e Bardin (2011). Como resultados, constatamos o protagonismo do coletivo de educadores indígenas, conquistando novas propostas curriculares para as escolas nas aldeias Potiguara da Paraíba. A Educação Escolar Indígena na perspectiva da Educação Popular se apresenta como “inédito viável”, expressão da resistência do nosso Povo através da educação de base política-pedagógica crítica.
  • FELIPE CAVALCANTI IVO
  • HISTÓRIAS DE FORMAÇÃO: ENTRE MEMORIAIS ACADÊMICOS E MEMÓRIAS DE GRADUANDOS DO CURSO DE PEDAGOGIA/CE/UFPB (2006-2016)
  • Data: 09/12/2021
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • As narrativas de formação possuem potencial de inserirem os educandos em um lugar de reflexão sobre si e também, no que diz respeito aos outros e ao mundo. Dessa forma, coube a este trabalho de dissertação desenvolver um estudo de caráter qualitativo, que visou analisar as histórias de formação docente do curso de Pedagogia/CE/UFPB no período de 2006 a 2016, que corresponde à regulamentação da Resolução nº 64º/2006 até a formação do autor, ou seja, à primeira década dessa grade curricular de formação de professores. Para a realização dessa pesquisa historiográfica, utilizou-se como fontes históricas: os memoriais acadêmicos e as memórias dos professores em formação, incluindo as do próprio autor, interpretadas a partir de quatro categorias conceituais: a concepção de História do Tempo Presente; Representações; Memória e Formação docente. Considera-se que os homens, desde sua origem, sempre tiveram a necessidade de contar seu presente através de histórias, em diferentes tempos e espaços, não distantes dos educadores, que possuem um importante lugar social na formação dos sujeitos e na produção e manuseio do conhecimento, em especial os situados no início do terceiro milênio, quando, como indica Ferreira (2018), é o ápice e a consolidação da escrita da historiografia contemporânea. Nesse sentido, para a elaboração dessa pesquisa, dialogou-se, dentre alguns autores, com: Ferreira (2018), Le Goff (1994), Chartier (1990, 1991), Demo (2002, 2011) e Nóvoa (2013, 2014). Adentrando nos itinerários metodológicos, além da pesquisa bibliográfica, selecionou-se para essa investigação alguns memoriais acadêmicos e entrevistas, essas últimas utilizando os procedimentos da História Oral Temática direcionada à formação de professores. Assim, na investigação realizada através da análise e cruzamento dessas fontes escritas e orais, obteve-se variadas narrações de acontecimentos, fatos e experiências dos graduandos sobre sua experiência formativa, recolhendo-se fragmentos e vestígios das tramas e enredos da educação brasileira na natureza histórica do tempo imediato.
  • WALDELIO PINHEIRO DO NASCIMENTO JUNIOR
  • A espiral de Mnemosine.
Cinema, ditadura militar e educação para nunca mais.
  • Data: 07/12/2021
  • Hora: 15:00
  • Mostrar Resumo
  • A presente tese tem como foco analítico a educação em direitos humanos, na perspectiva da educação para nunca mais. Tem no direito à memória e à informação os elementos fundamentais para pensar o desenvolvimento de processos cognitivos capazes de incentivar a autonomia e a valorização da democracia e da liberdade. A pesquisa recorre ao cinema nacional a fim de pensar, junto com as narrativas fílmicas, estratégias sensíveis voltadas à manutenção da memória e da educação contra a barbárie, as violências e liberdades cerceadas durante os 21 anos do Estado de exceção brasileiro. Como ponto de partida, fez-se necessário investigar as formas de representação social que a sétima arte tem feito das violações e seus perpetradores, sejam militares ou civis aliados. Investigou as formas de representação social que o cinema construiu acerca das violações aos direitos humanos e como seus perpetradores, sejam militares ou civis aliados utilizaram como modus operandi. A amostra utilizada foi composta por produções do gênero de cinema documentário por entender que as mesmas possuem mais vitalidade analítica para compreensão da memória por meio das vozes dos envolvidos no contexto das diversas vivências. A estratégia metodológica para a análise dos documentários selecionados está pautada na Teoria Fundamentada nos Dados, a qual preconiza um diálogo intenso e exaustivo entre o escopo do acervo levantado na coleta de dados e as categorias teórico-analíticas apontadas durante os processos interpretativos dos mesmos. A estratégia em espiral da Teoria Fundamentada foi denominada de Espiral de Mnemosine e adaptada a fim de atender às demandas da análise cinematográfica. Os resultados apontaram que as representações e discursos imagéticos interferem na memória social e que as narrativas fílmicas, enquanto arte, ao representar as diversas violações à dignidade humana, não intenta jogar sal nas feridas abertas, mas lançar luz sobre as mesmas, conduzindo a sociedade a uma necessária e urgente reflexão sobre tais acontecimentos. Foi através dessa espiral que o processo analítico foi conduzido, levando à compreensão da importância de uma Pedagogia da Memória que nos permita construir, através da educação, uma sociedade mais humana e consciente do valor da liberdade e da democracia e comprometida com a formação de crianças e jovens que lutem para que outros horrores não sejam protagonizados em nossa história.
  • KILMA CRISTEANE FERREIRA GUEDES
  • PRÁTICAS EDUCATIVAS DO MOVIMENTO DE EDUCAÇÃO DE BASE – MEB: A ALFABETIZAÇÃO/CONSCIENTIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS PELAS ONDAS DO RÁDIO (1961-1964)
  • Data: 06/12/2021
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • O presente estudo tem por objetivo analisar as práticas educativas e as estratégias alfabetizadoras desenvolvidas pelo Movimento de Educação de Base - MEB, que promoveram a conscientização e a politização de jovens e adultos pertencentes à classe popular, no recorte de 1961 a 1964. O MEB emergiu em um cenário de efervescência política e ideológica no Brasil e no mundo, tendo sido criado pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil – CNBB, com o apoio do Governo Federal, oficializado pelo Decreto nº 50.370/1961. Suas atividades foram implementadas por meio de escolas radiofônicas, utilizando “as ondas do rádio” para promover o processo educativo, nas quais professor-locutor, monitor e alunos se esforçavam para superar as barreiras do ensino remoto à época. Em 1963, a cartilha Viver é lutar foi adotada como suporte pedagógico. A história, a memória e o legado do MEB se entrecruzam nas representações de suas práticas educativas, entretanto, percebe-se que, conforme o cenário histórico se modificava, eles foram postos ora em transbordamento, ora em esvaziamento. Para compreender essa dinamicidade e os meandros dessas práticas educativas, esse estudo se debruçou sobre fontes escritas e iconográficas e, especialmente, as produzidas pelo MEB e seus participantes. Utilizou-se como aporte teórico-metodológico os estudos da Teoria da Memória em Le Goff (1990), Halbwachs (1990), Nora (1993) e da Teoria das Representações à luz de Chartier (1988, 1991), em diálogo com a História da Educação de Jovens e Adultos e os estudos de Paiva (2003), Freire (1967, 1987), Fávero (2004, 2006), entre outros. As análises apontaram contribuições, contradições e desdobramentos dessas práticas educativas, configuradas como estratégias de conscientização/politização das massas populares, que colaboram até o momento presente, com a promoção da educação de jovens e adultos, ratificando a importância do MEB para a História da Educação Brasileira.
  • CAMILA DE LOURDES CAVALCANTI PAIVA
  • A CONFIGURAÇÃO DIDÁTICA DAS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DE PROFESSORES/AS DA EJA EM COMBATE À LGBTFOBIA
  • Data: 03/12/2021
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • O objetivo deste trabalho de dissertação consiste em delinear a configuração didática das práticas pedagógicas dos/as professores/as da EJA no combate à LGBTfobia. Justifica-se a presente pesquisa mediante o baixo quantitativo de estudos acadêmicos que correlacionam as práticas pedagógicas, a didática, a LGBTfobia e a EJA. Para tanto, foi utilizada uma pesquisa de abordagem qualitativa, cuja geração de dados se deu por meio da entrevista semiestruturada, com cinco professores/as, os quais se identificavam enquanto docentes, cujas práticas se caracterizavam de forma combativas a LGBTfobia. Estes professores foram selecionados a partir da técnica de snow ball sampling. Como método de análise de dados, neste trabalho foi utilizada a Análise Crítica do Discurso (ACD), pautada nos estudos de Fairclough (2012). Na análise dos dados, os discursos dos/as professores/as sobre o seu papel e o da escola integram um discurso maior que se justifica na manutenção de uma educação tradicional, que enxerga o/a aluno/a como um depósito, o/a qual receberá os conhecimentos possuídos pelo/a professor/a, e ainda, se constitui na ideia heteronormativa de que os assuntos relacionados ao combate a LGBTfobia se resumem em trabalhar as infecções sexualmente transmissíveis (IST’s), dentre elas a AIDS, ou as diferenças dentro de uma lógica binária dos sexos masculino e feminino, o que limita os trabalhos da temática do combate a LGBTfobia às aulas da disciplina de ciências. Ressaltamos que a EJA é uma modalidade com uma diversidade etária, que abrange jovens, adultos/as e idosos/as, e que assuntos tidos como íntimos ou proibidos, podem e devem ser tratados, visando propagar conhecimentos que lhes serão úteis em suas vidas dentro e fora da escola. Dentre os achados da pesquisa, são ressaltados nas práticas discursivas que a LGBTfobia se constitui enquanto uma ameaça e que, algumas vezes, não é identificada pelo/a professor/a e, em algumas situações, é praticada não apenas pelos/as outros/as alunos/as entre si, mas também pelo/a próprio/a professor/a para com estes/as. O medo de represália e a falta de formação inicial e continuada se apresentam como dificuldade de introduzir a temática nas práticas pedagógicas dos/as professores/as. A configuração didática ressaltada nas práticas discursivas dos sujeitos da pesquisa se evidencia nas práticas pedagógicas que objetivam levar o conhecimento aos/as alunos/as, combater as discriminações e os preconceitos, construir uma consciência cidadã de respeito e desnaturalizar a ideia de que só existem os gêneros e orientações sexuais dentro da lógica heteronormativa. Ressalta-se a necessidade de novos estudos sobre práticas pedagógicas de combate à LGBTfobia, sinalizando enquanto futuros possíveis problemas investigativos, aqueles que observem como essas práticas pedagógicas são trabalhadas nos cursos de formação de professores/as. Por fim, apontamos para a necessidade de novas reflexões/estudos, que confiram visibilidade a essas práticas pedagógicas, de modo a contribuir para construir uma educação pautada no diálogo, no respeito a diversidade e na empatia ao próximo.
  • JANAINA LIMA LUNA RODRIGUES
  • A Extensão Universitária na Perspectiva da Educação Popular e suas contribuições para a formação dos estudantes da Universidade Federal da Paraíba: Possibilidades e Limites
  • Data: 30/11/2021
  • Hora: 10:00
  • Mostrar Resumo
  • O presente trabalho trata de uma proposta de Extensão Popular da Universidade Federal da Paraíba. Ele tem como objetivo compreender como as ações e práticas pedagógicas desenvolvidas no Projeto de Educação Popular e Atenção à Saúde da Família (PEPASF), entre 2016 e 2020, repercutiram sobre o processo de formação dos estudantes extensionistas, principalmente considerando o ambiente de polarização política do período, que tem como fato marcante a deposição da Presidenta Dilma Rousseff. Algumas das principais categorias do trabalho são, por exemplo, Educação Popular, Extensão Popular, diálogo, libertação e conscientização. Do ponto de vista metodológico, o estudo foi operacionalizado através da realização de entrevistas semiestruturadas com seis estudantes extensionistas do Projeto. O material empírico foi tratado conforme a técnica de análise de conteúdo temático-categorial. Do tratamento do material empírico, resultaram cinco categorias finais que nortearam a abordagem no sentido de se atingir o objetivo geral. Dentre os achados, verificou-se uma ambivalência: ao mesmo tempo que se constatou a contribuição do Projeto para a formação acadêmico-profissional e emancipatória dos estudantes extensionistas, também foram verificados percalços no Projeto e lacunas do ponto de vista da formação crítica no período 2016-2020. Essa situação se acentuou diante das ressonâncias da polarização política que têm degradado a democracia brasileira nesses anos.
  • MARIA ROBERTA DE ALENCAR OLIVEIRA
  • A DESVIANÇA COMO PRODUTORA DE PROTAGONISMOS-OUTROS DE ADOLESCENTES EM CUMPRIMENTO DE MEDIDAS SOCIOEDUCATIVAS
  • Data: 26/11/2021
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • Esta tese objetiva investigar o fenômeno da desviança enquanto expressão de um protagonismo-Outro e como ele pode significar resistência e busca por reconhecimento por parte de alunos-adolescentes privados de liberdade no estado da Paraíba, Brasil. Parte do pressuposto que toda realidade social desenvolve-se sob condições objetivas e subjetivas, que condicionam, em última instância, as formações sociais. A problemática de pesquisa envolve a necessária ampliação das análises sobre as características estruturais e normativas da sociedade que podem estar relacionadas ao comportamento desviante, vez que os processos de socialização desses adolescentes caracterizam-se pela vulnerabilidade e exposição a problemas sociais relacionados ao crime e a violência. A lente teórico-epistemológica que orienta o estudo são os Estudos Pós-Coloniais Latino Americanos e a abordagem psicossocial da Teoria Societal, com especial atenção para os processos fronteiriços de construção de protagonismos-Outros. De inspiração etnográfica, o estudo foi realizado em uma unidade socioeducativa do interior da Paraíba, com adolescentes privados de liberdade e associados a grupos ou facções criminosas. Para a produção de dados, realizamos entrevistas semiestruturadas, observação participante e registros no Diário de Campo. Os dados foram submetidos à Análise de Conteúdo e os resultados apontam para o fato de que a desviança pode significar a possibilidade de reconhecimento do adolescente na sua comunidade, o que sugere o exercício de um protagonismo invertido e de resistência, que encontra-se em conflito com a concepção majoritária de protagonismo que propõe a sua adaptação a regras sociais que não fazem parte do seu território social.
  • ANGELICA DE CASSIA GOMES MARCELINO
  • A reforma do ensino médio: tensões e contradições no currículo e na formação de professores
  • Data: 29/10/2021
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • Esta pesquisa buscou analisar os impactos da reforma do ensino médio nas políticas de formação de professores, embasadas nos parâmetros da administração gerencialista da educação, principalmente, a partir da aprovação da Lei 13.415/2017 que trata da reforma do ensino médio e da Resolução CNE/CP Nº 04/2018 que instituiu a Base Nacional Comum Curricular do Ensino Médio, estabelecendo mudanças nesta etapa da educação básica a serem implementadas em nível nacional. Destacamos como objetivo geral do estudo, compreender a proposta curricular do ensino médio em Pernambuco elaborada a partir da política nacional para essa etapa do ensino, visando compreender o conteúdo político-pedagógico da proposta para o novo ensino médio, alicerçada nos modelos de gerenciamento da educação por resultados, instaurada no sistema estadual de educação de Pernambuco a partir do princípio da responsabilização. Adotamos como perspectiva teórico-metodológica os referenciais do materialismo histórico-dialético a partir de uma abordagem qualitativa da pesquisa em educação cujo os instrumentos para levantamento de dados foram: a revisão da literatura; levantamento de dados sobre este nível de ensino; análise da legislação, das DCNEM e da BNCC do novo ensino médio. Como base de análise, optou-se pela pedagogia crítica na perspectiva de compreender, para além das aparências do fenômeno educacional, a sua real essência e interesses forjados. Constatamos que o capital vem atuando em âmbito global e impondo uma agenda para a educação, na perspectiva da privatização da educação pública. Esta reforma intensificou os processos de privatização. Nessa lógica, compreendemos que essas mudanças na legislação instituíram a redução da formação básica comum, o estreitamento curricular, a flexibilização da oferta de ensino, a possibilidade do ensino à distância, a formação profissional aligeirada, o aprofundamento da distribuição desigual do conhecimento, ou seja, uma organização curricular que estabelece a histórica dualidade estrutural deste nível de ensino. Constatamos a necessidade de uma formação de professores a partir do contexto e da realidade concreta dos sujeitos, com vistas a refletir as situações-limites que os impedem de avançar nas suas práticas e concepções pedagógicas, como também, buscar construir propostas de formação a partir desses sujeitos em um permanente movimento de ação-reflexão-ação do seu fazer docente, numa perspectiva de constituição de uma práxis pedagógica com base nos referenciais da Pedagogia de Paulo Freire, como proposta contra hegemônica aos parâmetros da formação com base na gestão empresarial-gerencialista de educação.
  • SHEYLENE TATHIANA LAGES DA SILVA
  • OS HERDEIROS DO LIXÃO DO ROGER: contribuições escolares para a relação aluno e pertencimento social
  • Data: 29/10/2021
  • Hora: 10:00
  • Mostrar Resumo
  • Este estudo visa pontuar a construção de identidades sociais por meio do processo educacional brasileiro, focalizando, especificamente, sujeitos pertencentes a comunidades situadas em periferias de centros urbanos. A presente dissertação configura-se em um estudo sobre a comunidade do Bairro do Roger. Esse grupo social pertence ao bairro que abrigou por décadas (1958-2003) o maior lixão a céu aberto da cidade de João Pessoa, Estado da Paraíba. O objetivo geral desta pesquisa é: analisar as contribuições escolares relacionadas ao reconhecimento do pertencimento social de crianças e adolescentes herdeiros do antigo Lixão do Roger. Os objetivos específicos são: compreender se há contribuições escolares para que as crianças e adolescentes do Bairro do Roger se relacionem positivamente com o seu pertencimento social. Buscou-se colaborar para a percepção dos entraves socioeconômicos enfrentados pelos moradores locais, pertinentes a sua historicidade, regionalidade e pertencimento. Procurou também, identificar expressões culturais e artísticas que contribuem paralelamente com a formação social das crianças e adolescentes deste lugar. Além disso, tencionou-se perceber como as políticas públicas educacionais estão contribuindo, em contexto subsidiário, como aportes basilares para ações que acolham e respeitem as especificidades comunitárias desse público-alvo. Metodologicamente, trata-se de uma pesquisa qualitativa, documental e com a aplicação de entrevista e questionário. A amostragem populacional delimitada para este estudo compreendeu um número de 35 participantes, sendo 27 pais e/ou responsáveis pelos estudantes, e 08 professore(a)s atuantes em escola do bairro. Os dados foram analisados sob a perspectiva do materialismo histórico e dialético. Os resultados dessa investigação comprovam que existem ações educativas que contribuem para um processo de reconhecimento social e que conta com o apoio de pais e professores, porém, essas ações não mantem uma regularidade adequada à construção de uma reflexão social sólida. Portanto, em tempos neoconservadores a necessidade de desenvolvermos essa pesquisa constatam que os investimentos precisam ser intensificados para que os estudantes tenham acesso a uma melhor educação.
  • GRACILEIDE ALVES DA SILVA
  • ROMPENDO O SILÊNCIO: DIMENSÕES DA EXPERIÊNCIA DE PROFESSORAS/ES SURDAS/OS NA EDUCAÇÃO BÁSICA
  • Data: 19/10/2021
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • O presente trabalho busca escutar pessoas surdas, na condição docente, de modo a contribuir para que seus silêncios não se reproduzam. A problemática originou-se a partir das vivências da professora-pesquisadora, ao observar docentes surdas/os em situações desafiadoras nas escolas autodenominadas inclusivas. Esta inquietação deu origem a esta pesquisa de tese, cujo objetivo geral é analisar as experiências docentes de professoras/es surdas/os em escolas pensadas e planejadas para ouvintes.Especificamente, pretende-se identificar as situações de tensão inscritas em tais experiências; analisar os encantos e desencantos sobre ser docente surda/o em escolas para ouvintes; e problematizar as práticas educativas e sociais ditas inclusivas, vividas por aquelas/es docentes surdas/os, ao conviverem com pessoas ouvintes na escola. Trata-se de uma investigação baseada nos Estudos Culturais da Educação e nos Estudos Surdos, somados a discussões sociológicas sobre condição/trabalho docente e sujeitos socioculturais professoras/es. A materialidade analítica foi produzida a partir das observações e entrevistas narrativas, realizadas em quatro escolas da Educação Básica de João Pessoa-PB; e envolveu seis docentes surdas/os. O período da produção do material empírico ocorreu de outubro a dezembro de 2019. Com este trabalho desenvolveu-se a tese de que as experiências docentes vividas por pessoas surdas, em escolas ditas inclusivas, são constituídas por múltiplas tensões e dão origem a processos de estigmatização e inferiorização e, ao mesmo tempo a busca por reconhecimento. Trata-se de situações e contextos nos quais os/as docentes surdas/os encontram-se na condição de excluídos do interior e de inclusão subalterna, termos de Pierre Bourdieu (1998) e José de Souza Martins (1997), respectivamente.
  • KATHY SOUZA XAVIER DE ARAUJO
  • ESTRATÉGIAS EDUCACIONAIS NO AMBIENTE HOSPITALAR: UM ESTUDO NA PEDIATRIA DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO LAURO WANDERLEY
  • Data: 06/10/2021
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • A pesquisa está vinculada à Linha de Políticas Educacionais do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal da Paraíba (CE/PPGE/UFPB). O objetivo central da pesquisa foi conhecer as estratégias educacionais no ambiente hospitalar na pediatria do Hospital Universitário Lauro Wanderley em João Pessoa-PB. Uma questão preocupante que afeta os índices da educação, trata-se do afastamento de muitos alunos por questões de saúde. Rotineiramente um número expressivo de crianças e adolescentes deixam de frequentar as salas de aula por estarem muitas vezes hospitalizadas por longos períodos. Nessa perspectiva, percebe-se como é importante o trabalho em conjunto da educação e saúde, cujos benefícios podem ocasionar na vida de uma criança e/ou adolescente hospitalizado. Trata-se de uma pesquisa de natureza exploratória e descritiva, com abordagem qualitativa. O estudo está dividido em duas etapas de construção teórico-metodológica, no primeiro momento foi realizado um levantamento bibliográfico e documental, em prol de um melhor entendimento. Já no segundo momento foi realizada uma pesquisa de campo com aplicação de questionário para maior aprofundamento do objeto de pesquisa. A técnica de coleta de dados deu-se com aplicação de questionário e análise de documentos. Em decorrência da pandemia de Covid-19, reavaliamos alguns pontos da pesquisa e concluímos que seria mais seguro para todas as partes envolvidas realizar a mesma de forma virtual. Sem nenhum prejuízo para o resultado da pesquisa e obedecendo ao documento oficial “Orientações para procedimentos em pesquisa com qualquer etapa em ambiente virtual”, (MS/CNS/CONEP), Brasília, 24/02/2021. Participaram da pesquisa um grupo de 8(oito) pessoas, distribuídas entre profissionais da saúde que atuam na pediatria do HULW, sendo 1 médico(a), 2 enfermeiros(as), e 5 profissionais com graduação e/ou pós-graduação na área de educação que sejam integrantes do projeto “Atendimento psicopedagógico à criança e ao adolescente hospitalizado: trabalho alternativo para o pedagogo” PROBEX-UFPB. A análise dos dados ocorreu através da “análise de conteúdo”, segundo a perspectiva de Bardin (1977). Os principais resultados nos mostram que existe o conhecimento por parte dos participantes da pesquisa à respeito do direito à educação para crianças e adolescentes hospitalizados; Que as estratégias educacionais predominantes na classe hospitalar da pediatria do HULW estão relacionadas à dialogicidade e afeto, ao lúdico e ao uso das tecnologias e que a adequação das estratégias educacionais às necessidades dos alunos/pacientes é fundamental para êxito no processo de ensino e aprendizagem. Os resultados apontaram também que existe relação das estratégias educacionais com a motivação dos alunos/pacientes. Em síntese, a pesquisa sugere maiores estudos e publicações sobre as classes hospitalares e as estratégias educacionais nesse espaço não formal de educação, uma vez que o número de publicações na atualidade ainda é tímido e a escolarização das crianças e adolescentes hospitalizados ou em tratamento domiciliar ainda não se deu de forma efetiva como determinam as leis brasileiras.
  • RAQUEL DO NASCIMENTO SABINO
  • O PROFESSOR AFONSO PEREIRA DA SILVA E A EXPANSÃO DA EDUCAÇÃO NA PARAÍBA (1954- 1974)
  • Data: 30/09/2021
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • Este estudo tem por objetivo compreender a atuação do professor Afonso Pereira da Silva na educação paraibana nos anos de 1954 a 1974, período que compreender o ano da criação da Fundação Padre Ibiapina pelo educador e o ano que deixou a direção dessa instituição. Inscrito no campo da abordagem teórico-metodológica da Nova História Cultural, busca estudar o educador a partir dos papeis que desempenhou, da atuação como professor e sua ligação com a esfera cultural, das suas práticas sociais, dos meios e lugares de difusão do conhecimento pelos quais ele circulou. Do ponto de vista metodológico, trata-se de uma pesquisa bibliográfica e documental a luz de autores que se debruçam sobre a Nova História Cultural: Chartier (1994;2002), Le Goff (1990;2011), Pesavento (2003) e Burke (2005; 2011); e sobre o estudo dos intelectuais Sirinelli (1994; 1998; 2003). Apoiamo-nos na concepção da nova história cultural voltada para a divulgação e recepção dos produtos culturais, dialogando com as categorias: itinerários, redes de sociabilidade e circulação de ideias. Trouxemos um debate acerca do intelectual como objeto/sujeito da pesquisa em História da Educação, situando o professor Afonso Pereira da Silva como um intelectual criador e mediador pela natureza de sua atuação nos espaços de circularidade. Nele apresentamos um recorte biográfico da vida do professor Afonso Pereira da Silva, seus itinerários profissionais e o engajamento do educador na expansão da educação na Paraíba através da criação da Fundação Padre Ibiapina e a instalação de escolas. As principais fontes utilizadas neste estudo foram os relatórios elaborados por Afonso Pereira das atividades da Fundação Padre Ibiapina, seus documentos pessoais, suas produções escritas, Atas da Fundação e correspondências, localizadas no acervo do Arquivo Afonso Pereira na cidade de João Pessoa; outras fontes acresceram o estudo como os jornais que circularam na Paraíba e nos estados vizinhos, a legislação educacional e representações pictóricas, as fotografias. O estudo revelou que através de suas práticas, Afonso Pereira contribuiu com o cenário cultural e educacional da Paraíba, atuando especialmente como um agente na expansão da educação primária e secundária na Paraíba através da instalação de escolas num contexto de acentuada carência da oferta de educação no interior do Estado.
  • STELLA MARCIA DE MORAIS SANTIAGO
  • Trajetórias e experiências de mulheres na reitoria da UFPB
  • Data: 29/09/2021
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • A pesquisa Trajetórias e experiências de mulheres na reitoria da UFPB, lança luz sobre os desafios das mulheres frente às amarras históricas patriarcais que obstaculizam as relações de igualdade entre os gêneros e os engendramentos políticos, quase sempre constituídos como uma demarcação de poder do masculino na sociedade acadêmica. Nesse sentido, tem como objeto de estudo o reitorado de mulheres na UFPB, campo da pesquisa. Para tanto, o estudo parte da seguinte pergunta: Quem são as mulheres que chegaram à reitoria da UFPB e como se deu esse processo para elas? O objetivo central visa compreender as trajetórias e experiências de mulheres em cargos/funções de reitora, vice-reitoras e pró-reitoras da gestão universitária da UFPB a partir dos atravessamentos de gênero, de poder e das aprendizagens nesses lugares. Para isso, torna-se necessário apontar elementos representativos dos atravessamentos de gênero e poder por elas vivenciados institucionalmente; identificar aspectos que configuram a identidade-gestora e as aprendizagens constituídas por estas mulheres nos cargos/funções por elas ocupados; apresentar e analisar as narrativas de suas trajetórias e experiências como mulheres e gestoras. Esta pesquisa qualitativa de abordagem narrativa, utiliza-se como método a história de vida e formação, para contar as trajetórias da vida pessoal e profissional que marcaram o itinerário delas. As entrevistadas são as professoras que atuaram como gestoras, alcançando o patamar mais elevado da gestão universitária da UFPB, na qualidade de reitora, vice-reitoras e pró-reitoras. Para as análises e interpretações utilizamos como fontes principais: entrevistas com seis mulheres, coletando e registrando seus relatos, análise dos seus respectivos currículos, documentos institucionais; tomamos também como referência a pesquisa bibliográfica no que se refere ao recorte da história da educação das mulheres no Brasil. Como resultados da pesquisa, apresentamos as narrativas de suas importantes trajetórias e experiências como mulheres e gestoras, trazendo o debate e a reflexão sobre os atravessamentos de gênero que incidem nas relações de poder por elas vivenciados institucionalmente, delineando aspectos de uma identidade-gestora e evidenciando as aprendizagens nos cargos/funções por elas ocupados na gestão universitária, aliando-se, a análise de aspectos de sua percepção de si, enquanto mulheres-gestoras. Ainda assim, trazemos a contribuição para o campo da História da Educação na Paraíba sobre a participação e a representação das mulheres nesse espaço de decisão e poder, na sociedade acadêmica.
  • CELÂNY TEIXEIRA DE MÉLO
  • EXTENSÃO POPULAR E FORMAÇÃO EM PEDAGOGIA: estudo com base em experiências na Universidade Estadual da Paraíba
  • Data: 27/09/2021
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • Este estudo, vinculado à linha de pesquisa de Educação Popular do Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE) da Universidade Federal da Paraíba/UFPB, aborda a Extensão Popular no Curso de Pedagogia na atualidade, tendo como campo empírico a Universidade Estadual da Paraíba/campus – I, em Campina Grande PB. O estudo segue a perspectiva do Materialismo Histórico Dialético. Participaram da pesquisa 05 alunas do Curso de Pedagogia/UEPB/CAMPUS-I que atuaram em projeto de Extensão de Pedagogia de 2018 a 2019. A pesquisa, de abordagem qualitativa, foi organizada para ser realizada em três etapas. A primeira se constituiu em um Pesquisa Bibliográfica nos bancos de produção científica da SciELO e no Portal de Periódicos da CAPES, na busca de trabalhos sobre as perspectivas da Extensão Popular realizados no Curso de Pedagogia. A segunda etapa se constituiu de uma Pesquisa Documental mediante ao acesso de Projetos de Extensão da cota 2018/2019 realizados no Curso de Pedagogia/UEPB, no intuito de localizar nesses a Extensão Popular. A terceira etapa se compôs em uma Entrevista Semiestruturada mediada por seis questões na busca de uma compreensão das potencialidades, dificuldades e desafios da Extensão Popular no Curso de Pedagogia da UEPB. Os resultados obtidos na Pesquisa Bibliográfica foram analisados pela Dialética; os das Pesquisa Documental e Entrevista Semiestruturada foram analisados pelos Núcleos de Significação. A partir da primeira etapa foi possível constatar a carência de publicações que enfoquem a Extensão Popular no Curso de Pedagogia; a segunda, indica que no Curso de Pedagogia da UEPB existem inciativas em alguns Projetos de Extensão perpassada pelos princípios da Educação Popular; a terceira revela que a Extensão Popular impacta na Formação em Pedagogia ao proporcionar um diálogo entre universidade e comunidade de forma horizontal, permeado por teoria e prática no caminhos da práxis, por uma educação problematizadora e libertadora, pela interação de sujeitos na construção de conhecimento, aproximação da realidade do outro e do mundo, culminando para fragilidades no curso quanto a financiamentos em Extensão e a estudos sobre a perspectiva da Educação Popular, o que aponta para desafios de introduzir no Curso de Pedagogia possibilidades de discentes vivenciarem em sua formação experiências de Projetos de Extensão Popular. Acredita-se que este estudo evidenciou a relevância e o significado da Extensão orientada nos princípios da Educação Popular na formação de profissionais em Pedagogia pelas potencialidades de inserção em espaços educacionais marcados por uma relação dialógica da universidade com a sociedade, como também instiga o desafio de caminhos na construção de conhecimento acerca da Extensão Popular e sua realização no Curso de Pedagogia da Universidade Estadual da Paraíba e nas demais Universidades Brasileiras.
  • GISANIA CARLA DE LIMA
  • JUVENTUDE RURAL E PROCESSOS EDUCATIVOS: um estudo de caso sobre as práticas de jovens em assentamentos rurais no Brejo Paraibano
  • Data: 23/09/2021
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • A juventude passou a ser percebida como ator social importante para entendermos os impactos das mudanças que estão em curso na sociedade ao longo dos últimos anos representado um “espelho agigantado da sociedade”. A complexidade, os dilemas e as possibilidades de determinados contextos sociais são refletidos nas experiências das juventudes. Conhecer e compreender a contribuição dessas experiências em suas trajetórias tornou-se indispensável, tendo em vista que os jovens vivem um tempo de ser que se constitui com suas práticas, e resguarda uma autonomia conquistada com a participação. Processos educativos de formação social e política são organizados considerando a pluralidade e a diversidade das juventudes presentes em contextos diversos, possibilitando o reconhecimento da condição social dos jovens no mundo rural. Neste trabalho analisamos nas experiências de jovens em três assentamentos rurais do Brejo Paraibano nos processos educativos forjados nos princípios de uma educação emancipadora, a contribuição para o desenvolvimento de práticas de valorização e renovação da vida no campo, considerando a construção de uma identidade de jovem assentado e trajetórias de permanência traçadas por essa juventude. O referencial teórico-metodológico adotado fundamentou-se nas contribuições de Stropasolas (2006), Groppo (2015; 2017), Abramoway (2015), Regina Novaes (2013), Calado (1994, 2007), Brandão (1980, 1986, 2002, 2006, 2013), Gohn (1992, 2004, 2011), Streck (2006, 2013, 2016), Geraldo Leão e Maria Isabel Antunes Rocha (2015), Elisa Guaraná de Castro (2005, 2015), Paulo Freire (1987, 1992, 1996), Edward Palmer Thompson (1981, 1998), entre outros, do qual compreendemos a juventude como categoria social, como ator social no contexto rural, suas ações e projeções a partir dos processos educativos. Com o emprego da abordagem de pesquisa qualitativa optamos caminhar pelo método de estudo de caso, tomando como referências Yin (2001), Minayo (1992), Goldenberg (1997), Stropasolas (2006). Os desafios que se colocaram diante de nós fizeram com que fossemos além do que se apresentava como previsível e costumeiramente dito acerca dessa juventude para encontrar o que criam para acrescentar a sua história de vida, lançando-se ao encontro do excepcional, do extraordinário, do inesperado, do inédito viável. Nas narrativas dos jovens as práticas desenvolvidas revelam trajetórias que expressam a particularidade de suas experiências nesse contexto, e asseguram a existência de um lugar social para a atuação dessa juventude, que garante um sentido de pertencimento. As práticas observadas sinalizaram uma conexão com a concepção de educação presente em alguns processos que os jovens estiveram e estão inseridos. O saber construído nos processos tem o mérito de colaborar para que o jovem não seja desvinculado de sua realidade, mas que possa transformar as relações no cotidiano da atuação profissional, da produção e das sociabilidades nos assentamentos por meio do diálogo e da participação, que possibilitam um esperançar para essa juventude.
  • MICHELE TAVORA JULIO
  • Pedagogia da Branquitude: o branco-discurso hegemônico nos artefatos midiáticos
  • Data: 20/09/2021
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • A branquitude, enquanto identidades raciais dos (as) brancos (as), com suas implicações subjetivas e concretas, atua como reprodutora e reforça o racismo e a discriminação contra as pessoas negras. Uma das características da branquitude é sua falsa neutralidade racial, que contribui para uma falsa cegueira em relação às desigualdades raciais no Brasil, portanto, conhecer as diferentes dimensões de seus privilégios é fundamental. O branco-discurso, objeto da pesquisa, configura-se como uma das dimensões da branquitude, e é compreendido como uma narrativa hegemônica, pois opera a partir da negação dos grupos não-hegemônicos. Compreendendo o discurso como discursos,produzidos em razão das relações de poder, os discursos circulam através das mídias, com suas múltiplas origens, histórias, localizações, complexidades, e em suma, são intertextuais. Desse modo, por meio da análise cultural, debrucei-me em analisar uma das dimensões da branquitude, o branco-discurso, na atualidade, nos instrumentos da TV e internet, em episódios selecionados de programas televisivos brasileiros expressas nos discursos; publicações de sites e redes sociais; e estudos específicos sobre a apresentadora branca brasileira Xuxa Meneghel, para destacar os efeitos produzidos pela mídia e pela constituição do branco-discurso, como ele opera se tomado como uma pedagogia e quais potencialidades pode trazer para o campo dos Estudos Culturais em interface com os Estudos Críticos da Branquitude, e assim atender o objetivo central desta pesquisa. Os resultados dessa pesquisa apontam que a narrativa hegemônica do branco-discurso produz significados de branquitude que configuram na existência de uma Pedagogia Cultural, que assumo chamar de Pedagogia da Branquitude, como um campo de discussões sobre raça e etnia, evidenciando entrelaçamentos subjetivos com acontecimentos reais, das relações étnico-raciais, visto que, vivendo na contemporaneidade, as pessoas não apenas aprendem em um sistema educativo, mas fazem parte de uma sociedade educativa, cujos processos pedagógicos e artefatos culturais e midiáticos permeiam o cotidiano. Esta potência da Pedagogia da Branquitude atua nas experiências dos sujeitos, em seus modos de ser e estar no mundo, na forma com que se relacionam, interagem e constroem suas identidades.
  • ALDAROSA CARTAXO JACOME
  • A AMPLIAÇÃO DEMOCRÁTICA DA UFPB E O DIREITO À EDUCAÇÃO: Uma análise do Programa Nacional de Assistência Estudantil no período de 2010 a 2018
  • Data: 02/09/2021
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • No âmbito das IFES, as políticas de expansão e ações afirmativas emergiram diante dos anseios históricos por um ambiente acadêmico mais inclusivo e justo. A presente tese propôs analisar a trajetória, no período de 2010 a 2018 e a recontextualização do Programa Nacional de Assistência Estudantil (PNAES), como instrumento democrático no processo de expansão da UFPB. A abordagem empregada para a sua realização foi quanti-qualitativa e classificada como do tipo exploratória. Ademais, o trabalho foi fundamentado pela abordagem teórica metodológica do Ciclo de Políticas, ancorados pelos contextos da influência, produção de texto e da sua prática (BOWE; BALL; GOLD, 1992), considerando a repercussão do macro no micro contexto, incluindo a dinâmica da interpretação e tradução dos sujeitos que colocam o programa em ação no âmbito da instituição (BALL; MAGUIE e BRAUN, 2016). Como estratégias de coleta de dados foram adotadas as pesquisas bibliográficas e documentais, bem como a realização de entrevistas semiestruturadas aplicadas aos sujeitos envolvidos com a construção da prática do PNAES localmente, nos perfis de gestão e de servidores dos cargos de psicólogo, assistente social e pedagogo da Pró-Reitoria de Assistência e Promoção ao Estudante - PRAPE. Os achados evidenciaram que o contexto de limitação material e de transformação do perfil dos estudantes influenciaram a dinâmica de construção da assistência estudantil na instituição, que implicou no processo de acomodação, prioridades e ajustes necessários ao programa localmente. Ademais, os resultados apontaram que o contexto da produção de texto repercutiu na prática do PNAES. Conclui-se que o PNAES é um instrumento de relevância no atual cenário das IFES, em que a sua continuidade e fortalecimento são imprescindíveis para a sustentabilidade do processo de ampliação democrática afirmado na UFPB.
  • TESSY PRISCILA PAVAN DE PAULA RODRIGUES
  • PEDAGOGIA DOS CORPOS VIVOS: RELAÇÕES ENTRE EDUCAÇÃO POPULAR, AGROECOLOGIA E CAMPONESES EXPERIENTES DE DIFERENTES GERAÇÕES
  • Data: 31/08/2021
  • Hora: 14:30
  • Mostrar Resumo
  • Esta pesquisa teve como objetivo central investigar a relação entre camponeses de distintas gerações cujos jovens são oriundos do curso “Residência Agrária Jovem da Paraíba” (RAJ-PB), compreendendo essa relação como processos genuínos de Educação Popular (EP). Tais camponeses tem em comum assumirem a Agroecologia como força-síntese que, vinculada a um projeto societário, nos convida a reconfigurar o metabolismo entre natureza e sociedade. Partindo da pergunta "Quais foram os processos educativos que inspiraram estas juventudes no caminho da Agroecologia?", a tese foi organizada em quatro capítulos. O primeiro capítulo apresenta as raízes e os trilhamentos da pesquisa, cujos procedimentos metodológicos estiveram ancorados nas estratégias da Pesquisa Participante com influência etnográfica. Os instrumentos metodológicos utilizados foram: revisão bibliográfica, pesquisa no arquivo e material oriundos da RAJ-PB produzidos pelos jovens egressos do curso, revisitação dos cadernos de campo e realização de entrevistas semi-estruturadas. As categorias centrais do trabalho, Educação Popular e Agroecologia, são analisadas de maneira relacional no segundo capítulo, onde estão presentes os fundamentos e os nexos entre as mesmas. Esta relação é tratada como potência que pode contribuir para o enfrentamento da necropolítica. A relação entre as noções de juventudes camponesas e camponeses de gerações anteriores são trabalhadas no terceiro capítulo, onde os sujeitos da pesquisa se revelam como camponeses experientes no caminho da Agroecologia. Aspectos históricos acerca dos territórios de produção de vida e o sentido dos sonhos de tais sujeitos e suas interfaces com projetos coletivos emergem como relevantes para reconstrução de nossa memória biocultural. O significado da Agroecologia para os sujeitos da pesquisa, trabalhado no quarto capítulo, revela sentidos comuns, destacando as camponesas, os camponeses, seus ancestrais e a terra como principais sujeitos construtores da mesma. Conclui-se que a relação intergeracional entre camponeses experientes, atravessada por diferentes agentes de mediação no caminho da Agroecologia constrói uma Pedagogia dos Corpos Vivos, pautada pela circularidade dos saberes, em tempos nos quais permanecer vivo se mostra como questão epocal e desafio urgente à espécie humana, ao mesmo tempo em que o desprezo às vidas se descortina como prática sistemática de forças hegemônicas no contexto da atualidade brasileira.
  • SUELY ARAGÃO AZEVÊDO VIANA
  • AUTOAVALIAÇÃO DE UM CENTRO UNIVERSITÁRIO DA PARAÍBA NO CONTEXTO DO SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR: ANÁLISE DAS CONTRIBUIÇÕES DOS RELATÓRIOS INSTITUCIONAIS (2017-2020)
  • Data: 31/08/2021
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • Esta tese está vinculada à Linha de Pesquisa em Políticas Educacionais, no eixo temático sobre Avaliação da Educação Superior, do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal da Paraíba (PPGE-UFPB). Tal estudo encontra-se inserido no campo da avaliação institucional da educação superior no Brasil, instituído a partir da publicação da Lei nº 10.861, de 14 de abril de 2004. O Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (SINAES) visa garantir melhorias na qualidade da educação superior, orientando sua expansão de oferta, ampliando a permanência da eficácia institucional, promovendo o aprofundamento dos compromissos e responsabilidades sociais das instituições, a partir do respeito à diferença e à diversidade, como também da afirmação da autonomia e da identidade institucional. Assim, o objetivo geral foi analisar os resultados apresentados nos Relatórios de Autoavaliação da IES, a partir da perspectiva das diretrizes do SINAES, para subsidiar a gestão institucional do Centro Universitário – UNIESP. A presente investigação foi pesquisa aplicada, com abordagem qualitativa, e em Com relação aos objetivos, trata-se de pesquisa exploratória. Levando-se em consideração os procedimentos adotados, lançou-se mão de pesquisas bibliográfica, documental e estudo de caso, e os dados coletados foram analisados a partir da Análise SWOT, utilizada como ferramenta para identificar as forças, fraquezas, oportunidades e ameaças, que impactam positiva ou negativamente na qualidade da educação no âmbito do UNIESP, sendo que a amostra constitui-se dos quatro Relatórios de Avaliação Institucional Interna (RAAI’s). Este estudo permitiu constatar que a Comissão Própria de Avaliação (CPA) do UNIESP vem realizando a autoavaliação da IES de acordo com as legislações brasileiras vigentes, uma vez que dos cinquenta indicadores traçados pelo SINAES instituídos no ano de 2017, 42 foram contemplados, já no ano de 2018, 37 indicadores foram abordados, em 2019, apenas cinco dos indicadores foram contemplados e no ano de 2020, observou-se que 40 indicadores foram contemplados, predominando assim, a presença dos indicadores contemplados plenamente nos RAAI’s analisados. Os resultados encontrados evidenciaram que a instituição vem apresentando melhorias significativas no processo de ensino-aprendizagem e administrativo, fatos estes que podem ser atribuídos também ao papel efetivo da CPA que permite subsídios para que os gestores identifiquem as fragilidades da instituição e planejem alternativas de superação dos obstáculos encontrados.
  • TESSY PRISCILA PAVAN DE PAULA RODRIGUES
  • PEDAGOGIA DOS CORPOS VIVOS: RELAÇÕES ENTRE EDUCAÇÃO POPULAR, AGROECOLOGIA E CAMPONESES EXPERIENTES DE DIFERENTES GERAÇÕES
  • Data: 31/08/2021
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • Esta pesquisa teve como objetivo central investigar a relação entre camponeses de distintas gerações cujos jovens são oriundos do curso “Residência Agrária Jovem da Paraíba” (RAJ-PB), compreendendo essa relação como processos genuínos de Educação Popular (EP). Tais camponeses tem em comum assumirem a Agroecologia como força-síntese que, vinculada a um projeto societário, nos convida a reconfigurar o metabolismo entre natureza e sociedade. Partindo da pergunta "Quais foram os processos educativos que inspiraram estas juventudes no caminho da Agroecologia?", a tese foi organizada em quatro capítulos. O primeiro capítulo apresenta as raízes e os trilhamentos da pesquisa, cujos procedimentos metodológicos estiveram ancorados nas estratégias da Pesquisa Participante com influência etnográfica. Os instrumentos metodológicos utilizados foram: revisão bibliográfica, pesquisa no arquivo e material oriundos da RAJ-PB produzidos pelos jovens egressos do curso, revisitação dos cadernos de campo e realização de entrevistas semi-estruturadas. As categorias centrais do trabalho, Educação Popular e Agroecologia, são analisadas de maneira relacional no segundo capítulo, onde estão presentes os fundamentos e os nexos entre as mesmas. Esta relação é tratada como potência que pode contribuir para o enfrentamento da necropolítica. A relação entre as noções de juventudes camponesas e camponeses de gerações anteriores são trabalhadas no terceiro capítulo, onde os sujeitos da pesquisa se revelam como camponeses experientes no caminho da Agroecologia. Aspectos históricos acerca dos territórios de produção de vida e o sentido dos sonhos de tais sujeitos e suas interfaces com projetos coletivos emergem como relevantes para reconstrução de nossa memória biocultural. O significado da Agroecologia para os sujeitos da pesquisa, trabalhado no quarto capítulo, revela sentidos comuns, destacando as camponesas, os camponeses, seus ancestrais e a terra como principais sujeitos construtores da mesma. Conclui-se que a relação intergeracional entre camponeses experientes, atravessada por diferentes agentes de mediação no caminho da Agroecologia constrói uma Pedagogia dos Corpos Vivos, pautada pela circularidade dos saberes, em tempos nos quais permanecer vivo se mostra como questão epocal e desafio urgente à espécie humana, ao mesmo tempo em que o desprezo às vidas se descortina como prática sistemática de forças hegemônicas no contexto da atualidade brasileira.
  • THAIS GOMES DE VASCONCELOS
  • O FÓRUM DE EDUCAÇÃO INFANTIL DA PARAIBA E SUA ARTICULAÇÃO COM AS POLÍTICAS EDUCACIONAIS
  • Data: 31/08/2021
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • Os Fóruns de Educação Infantil são movimentos sociais que atuam em debates e formulações das políticas públicas para crianças de zero a cinco anos de idade no Brasil. Conhecer suas articulações políticas é de suma importância para a política educacional, pela sua atuação em todos estados brasileiros e no Distrito Federal e pela influência que exercem no contexto educacional brasileiro considerando a conquista dos direitos à educação básica e a garantia de seu financiamento, em especial para a primeira infância. Diante dessa constatação, esta dissertação tem por objetivo geral analisar a articulação do Fórum de Educação Infantil do Estado da Paraíba, em relação às políticas educacionais estaduais e nacionais. A pesquisa foi guiada pelos seguintes objetivos específicos: mapear as políticas educacionais para crianças pequenas a partir da Constituição Federal de 1988; conhecer o que são e como atuam os fóruns de Educação Infantil; e historicizar a criação e atuação do FEIPB. Como referencial teórico, as análises foram fundamentadas pelo Ciclo de políticas proposto por Stephen Ball (2014), que consiste em cinco contextos articulados para compreender as políticas educacionais: contexto de influência, contexto de produção de texto, contexto de prática, contexto de resultado e contexto de estratégia. Essa escolha se deu por considerar que esse modelo analítico permite compreender as diferentes fases da formulação e implementação da política educacional. Trata-se de pesquisa qualitativa que se desdobra a partir das análises documentais, bibliográficas, e de entrevistas semiestruturadas realizadas com informantes chaves.
  • MARIA DE LOURDES DE AZEVEDO SOARES
  • O PROGRAMA CRIANÇA FELIZ NA PARAÍBA: LIMITES E POSSIBILIDADES
  • Data: 30/08/2021
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • A presente pesquisa objetiva investigar o processo de implementação do Programa Criança Feliz, no estado da Paraíba, procurando analisar seus desdobramentos na relação cuidar-educar das crianças de zero a três anos de idade. Enquanto instrumento de políticas sociais instituído por meio do Decreto n. 8.869, de 5/10/2016, mas alterado pelo Decreto n° 9.579, de 22/11/2018, o Programa Criança Feliz utiliza a intersetorialidade como estratégia para alcançar seus objetivos. Entretanto, desde a sua criação, há muitas críticas por parte dos trabalhadores do Sistema Único de Assistência Social (SUAS), apoiados pela Frente em Defesa do SUAS e da Seguridade Social – coletivo formado por trabalhadores, usuários e estudiosos da assistência social. Do ponto de vista metodológico, trata-se de uma pesquisa qualitativa, documental e exploratória, que recorre à perspectiva dialética para subsidiar o conhecimento e a análise das realidades social e educacional concretas. A pesquisa conclui o seguinte: o Programa Criança Feliz compromete negativamente a profissionalização e os direitos sociais, integrando o processo de retrocesso das conquistas sociais e políticas que teve início no governo conservador e ultraliberal instituído após o golpe de 2016.
  • MARIA DE LOURDES DE AZEVEDO SOARES
  • O PROGRAMA CRIANÇA FELIZ NA PARAÍBA: LIMITES E POSSIBILIDADES
  • Data: 30/08/2021
  • Hora: 09:30
  • Mostrar Resumo
  • A presente pesquisa objetiva investigar o processo de implementação do Programa Criança Feliz, no estado da Paraíba, procurando analisar seus desdobramentos na relação cuidar-educar das crianças de zero a três anos de idade. Enquanto instrumento de políticas sociais instituído por meio do Decreto n. 8.869, de 5/10/2016, mas alterado pelo Decreto n° 9.579, de 22/11/2018, o Programa Criança Feliz utiliza a intersetorialidade como estratégia para alcançar seus objetivos. Entretanto, desde a sua criação, há muitas críticas por parte dos trabalhadores do Sistema Único de Assistência Social (SUAS), apoiados pela Frente em Defesa do SUAS e da Seguridade Social – coletivo formado por trabalhadores, usuários e estudiosos da assistência social. Do ponto de vista metodológico, trata-se de uma pesquisa qualitativa, documental e exploratória, que recorre à perspectiva dialética para subsidiar o conhecimento e a análise das realidades social e educacional concretas. A pesquisa conclui o seguinte: o Programa Criança Feliz compromete negativamente a profissionalização e os direitos sociais, integrando o processo de retrocesso das conquistas sociais e políticas que teve início no governo conservador e ultraliberal instituído após o golpe de 2016.
  • ANA CLAÚDIA CAVALCANTI DE ARAÚJO
  • Organizações Sociais e gestão escolar nas escolas estaduais da Paraíba
  • Data: 27/08/2021
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • A pesquisa versa sobre a gestão das escolas estaduais de educação básica pelas Organizações Sociais, no estado da Paraíba. O que se procura neste estudo é compreender o contexto que motivou o redesenho das novas relações entre o público e o privado da educação pública brasileira, destacando-se o quase-mercado e o público não-estatal, que resultou na tendência de dispersão da atividade estatal, no que se refere a oferta educacional, e na concentração dessas atividades nas entidades situadas na esfera da Organizações da Sociedade Civil – OSC, cujas organizações constituem, junto a outros tipos de instituições, o Terceiro Setor, na qual se destacam as Organizações Sociais. Tendo como fundamento teórico e metodológico ao materialismo histórico e dialético, a pesquisa conclui o seguinte: apesar das nobres intenções explicitadas pelas autoridades educacionais do Estado da Paraíba, as parcerias público-privadas concretizadas através de Organizações Sociais ocorridas no mercado educacional, servem para adequar à gestão educacional à ideologia ultraliberal imposta pelas autoridades nacionais após a quebra institucional ocorrida com o golpe jurídico-midiático-parlamentar de 2016.
  • GISANIA CARLA DE LIMA
  • JUVENTUDE RURAL E PROCESSOS EDUCATIVOS: um estudo de caso sobre as práticas de jovens em assentamentos rurais no Brejo Paraibano
  • Data: 27/08/2021
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • A juventude passou a ser percebida como ator social importante para entendermos os impactos das mudanças que estão em curso na sociedade ao longo dos últimos anos representado um “espelho agigantado da sociedade”. A complexidade, os dilemas e as possibilidades de determinados contextos sociais são refletidos nas experiências das juventudes. Conhecer e compreender a contribuição dessas experiências em suas trajetórias tornou-se indispensável, tendo em vista que os jovens vivem um tempo de ser que se constitui com suas práticas, e resguarda uma autonomia conquistada com a participação. Processos educativos de formação social e política são organizados considerando a pluralidade e a diversidade das juventudes presentes em contextos diversos, possibilitando o reconhecimento da condição social dos jovens no mundo rural. Neste trabalho analisamos nas experiências de jovens em três assentamentos rurais do Brejo Paraibano nos processos educativos forjados nos princípios de uma educação emancipadora, a contribuição para o desenvolvimento de práticas de valorização e renovação da vida no campo, considerando a construção de uma identidade de jovem assentado e trajetórias de permanência traçadas por essa juventude. O referencial teórico-metodológico adotado fundamentou-se nas contribuições de Stropasolas (2006), Groppo (2015; 2017), Abramoway (2015), Regina Novaes (2013), Calado (1994, 2007), Brandão (1980, 1986, 2002, 2006, 2013), Gohn (1992, 2004, 2011), Streck (2006, 2013, 2016), Geraldo Leão e Maria Isabel Antunes Rocha (2015), Elisa Guaraná de Castro (2005, 2015), Paulo Freire (1987, 1992, 1996), Edward Palmer Thompson (1981, 1998), entre outros, do qual compreendemos a juventude como categoria social, como ator social no contexto rural, suas ações e projeções a partir dos processos educativos. Com o emprego da abordagem de pesquisa qualitativa optamos caminhar pelo método de estudo de caso, tomando como referências Yin (2001), Minayo (1992), Goldenberg (1997), Stropasolas (2006). Os desafios que se colocaram diante de nós fizeram com que fossemos além do que se apresentava como previsível e costumeiramente dito acerca dessa juventude para encontrar o que criam para acrescentar a sua história de vida, lançando-se ao encontro do excepcional, do extraordinário, do inesperado, do inédito viável. Nas narrativas dos jovens as práticas desenvolvidas revelam trajetórias que expressam a particularidade de suas experiências nesse contexto, e asseguram a existência de um lugar social para a atuação dessa juventude, que garante um sentido de pertencimento. As práticas observadas sinalizaram uma conexão com a concepção de educação presente em alguns processos que os jovens estiveram e estão inseridos. O saber construído nos processos tem o mérito de colaborar para que o jovem não seja desvinculado de sua realidade, mas que possa transformar as relações no cotidiano da atuação profissional, da produção e das sociabilidades nos assentamentos por meio do diálogo e da participação, que possibilitam um esperançar para essa juventude.
  • MICHELLE APARECIDA GABRIELLI BOAVENTURA
  • O TRABALHO DOCENTE EM DANÇA: uma análise crítica desde a formação profissional à atuação na educação básica
  • Data: 27/08/2021
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • O presente estudo tem como objetivo principal compreender a realidade dos professores de dança de escolas municipais da educação básica de João Pessoa-PB, verificando sua inserção e permanência em seu campo de atuação, bem como suas práticas e condições de trabalho, a partir de uma abordagem que seja problematizadora, crítica e dialógica. Partiu-se da hipótese de tese de que o desconhecimento da dança como profissão de nível superior constitui-se um dos elementos de precarização das condições de trabalho do professor de dança inserido na educação básica. Esta tese foi desenvolvida por meio da pesquisa qualitativa, caracterizando-se como explicativa uma vez que se buscou identificar os fatores que contribuem para que o professor de dança de escolas formais sejam precarizados em seu ambiente de trabalho. A pesquisa se fundamenta no Materialismo Histórico-Dialético, na qual utilizou-se o método dialético para realizar a análise dos resultados. A produção dos dados se deu a partir de entrevista semiestruturada, da aplicação de um formulário sobre o perfil socioeconômico, dados pessoais e trabalhistas dos professores participantes e de um questionário aberto. Os sujeitos desta pesquisa são 11 (onze) professores da área de dança que lecionam para os segmentos da Educação Infantil, Ensino Fundamental I e II e Educação de Jovens e Adultos escolhidos a partir do critério de terem ingressado na rede pública municipal de ensino em 2015 a partir do Concurso realizado pela Prefeitura Municipal de João Pessoa-PB para cargos na Secretaria de Educação e Cultura (Edital nº 01, de 08 de novembro de 2013). Os resultados encontrados demonstram que, ao considerar a perspectiva dialógica e humanista da Educação Popular junto a visão do professor de dança da educação básica, a compreensão de quaisquer atos educativos formais exige pensar como sujeito de ação e que a partir da atuação de cada um constrói-se cenários de disputas de controle social. Tais considerações embasam e qualificam o trabalho educacional, e aí se inclui o professor de dança, visto que a sua inserção e permanência nos postos de trabalho configuram-se como disputas de poder e a precarização das condições de trabalho denotam as visões de mundo que se tem, mas também o mundo que se deseja alcançar, tendo a humanização desses espaços como foco a ser conquistado.
  • EDUARDA LIRA AMORIM
  • Coordenação Pedagógica nas Escolas Cidadãs Integrais: percursos didático-curriculares
  • Data: 23/08/2021
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • O presente estudo investiga a atuação dos/as coordenadores/as pedagógicos/as das Escolas Cidadãs Integrais (ECI) do município de João Pessoa (PB). A pesquisa objetiva analisar a ação desses sujeitos em relação aos processos didático-curriculares na Educação Integral, considerando a expansão dos tempos e espaços formativos característicos das ECIs. Justifica- se o estudo em razão da importância de investigar de que maneira esses/as profissionais têm se posicionado frente a essa nova configuração escolar, analisando como compreendem a Educação Integral e a construção de novos arranjos e possibilidades formativas associadas ao redimensionamento do currículo escolar. Para subsidiar a compreensão acerca da Educação Integral, seu contexto histórico e os desafios didáticos e curriculares presentes nesse modelo trabalhamos com autores/as como Antunes; Padilha (2010), Moll; Branco (2012), Zucchetti, Severo (2020). Para tratar da coordenação pedagógica, contextualizou-se o processo histórico que perpassa sua constituição enquanto função nas escolas, contemplando o processo formativo desses sujeitos e os desafios que lhes são impostos em suas rotinas de trabalho, fundamentando-se em autores/as como Domingues (2009, 2014); Placco, Souza, Almeida (2013); Costa; Teixeira e Carvalho (2015); Almeida, Souza e Placco (2016) e Franco; Macedo (2016) Com relação aos aspectos metodológicos, apresenta uma abordagem qualitativa, amparada pelo método da Teoria Fundamentada nos Dados, defendida por Strauss, Corbin (1990) e Charmaz (2009), que, partindo da coleta e análise de dados, em um processo de comparação constante que permite idas e vindas ao campo, pretende contribuir para a construção de uma teoria que possa aclarar um modelo conceitual que corrobore para elucidar a realidade investigada. Quanto ao enfoque do objetivo, a pesquisa classifica-se como do tipo exploratório em razão de versar sobre um campo relativamente novo e com pouco conhecimento sistematizado. Para coleta de dados, utilizou-se um questionário estruturado aplicado com 21 (vinte e um) coordenadores/as pedagógicos/as, os 13 (treze) primeiros presencialmente e os 8 (oito) restantes de forma virtual em razão da pandemia do novo coronavírus que vivenciamos no momento de realização dessa investigação, inviabilizando o contato presencial. O processo de análise dos dados fundamentou-se nos procedimentos de codificação Aberta, Axial e Seletiva com base na Teoria Fundamentada e com suporte do software Atlas.ti 8.0. Os resultados apontam que a prática dos/as coordenadores/as pedagógicos/as nas ECIs é permeada por desafios que envolvem o excesso de demandas pedagógicas e burocráticas, a necessidade de uma compreensão mais ampla e aprofundada sobre a Educação Integral e a superação dos desafios relacionados ao currículo das escolas que adotam esse modelo e indicam a necessidade de aprofundamento nos estudos acerca do seu exercício profissional de modo a contribuir para uma prática cada vez mais consciente, crítico-reflexiva e transformadora da realidade educacional na qual estão inseridos/as.
  • EDNO PAULINO DE LUNA
  • PROCESSO DE JUVENILIZAÇÃO DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS ENTRE OS ANOS DE 2000 E 2019: UM ESTUDO NA ESCOLA JOAQUIM BRAZ PEREIRA - MUNICÍPIO DE SOBRADO/PB
  • Data: 19/08/2021
  • Hora: 14:30
  • Mostrar Resumo
  • O presente estudo está voltado para o diálogo sobre o processo de juvenilização da Educação de Jovens e Adultos (EJA) nas décadas iniciais do milênio (2000 a 2019), tendo como panorama o sistema escolar público do município de Sobrado, na Zona da Mata paraibana e os respectivos alunos do Ensino Fundamental II da modalidade EJA como sujeitos da pesquisa. Para tal, traçamos como objetivos: delinear uma análise crítica da história da EJA no contexto brasileiro; elencar os dados colhidos nas atas da Escola Joaquim Braz Pereira (EJBP), Ensino Fundamental II nos últimos 20 anos (2000-2019) e, por fim, tecer considerações acerca das ações da gestão municipal da EJA. Tomando como referencial para realizar e analisar este estudo as contribuições teórico metodológicas da educação popular no Brasil Nesse rumo, apresentamos um estudo de caso inserido no marco referencial da teoria crítica marxiana, com abordagem documental a partir da leitura das atas da escola referenciada como amostra essencial de um contexto, também direcionada pelos objetivos.
  • DANIELA MEDEIROS DA SILVA
  • Na trama do Arquivo: a trajetória de Edvaldo de Sousa do Ó (1929 – 1993)
  • Data: 28/07/2021
  • Hora: 14:30
  • Mostrar Resumo
  • Esta tese tem por objetivo central dissertar sobre o itinerário do economista paraibano Edvaldo de Souza do Ó e suas redes de sociabilidades construídas ao longo de sua trajetória no contexto da Educação de Ensino Superior da cidade de Campina Grande (PB), nos anos 1950, 1960, 1970 e 1980. O caminho investigativo percorreu seus arquivos pessoais, encontrados na Fundação Edvaldo do Ó e na Granja Solidão, estando neles incluída sua biblioteca, na qual está depositado todo o seu acervo particular, desde documentos, livros e fotografias, até anais do periódico Gazeta do Sertão. Tomam-se Sirinelli (1998; 2003) e seus conceitos sobre sociabilidades, redes e microclima intelectual como fundamentos a partir das tramas e teias discursivas por onde Edvaldo do Ó passou, deixando marcas e contribuições enquanto intelectual campinense a partir das relações que construiu. Nessa esteira, procura-se tecer interpretações quanto à participação deste personagem enquanto intelectual campinense atuante no meio educacional, fazendo uma relação com o desenvolvimento da cidade. As relações de sociabilidade eram marcadas pela elite urbana e intelectual campinense, formadas não só pelos graduados, mas também por comerciantes, descendentes de oligarquias rurais e políticos. Era nesse cenário que Edvaldo do Ó estava inserido e idealizava projetos voltados para a urbanização, com o intuito de incentivar uma rápida industrialização e posteriormente de reconhecer e transformar a cidade de Campina Grande em um polo educacional. Diante disso, a presente tese enuncia como Edvaldo do Ó consolidou-se como intelectual engajado, empenhado no desenvolvimento de sua cidade nos aspectos da realidade educacional campinense a partir de sua trajetória de produção intelectual.
  • ERICA LIRA ALBUQUERQUE DE LIMA
  • A IDENTIDADE SOCIAL DE JOVENS DE ORIGEM POPULAR: APROXIMAÇÕES COM A EDUCAÇÃO POPULAR NOS PROJETOS PET/ CONEXÕES DE SABERES DA UFPB
  • Data: 02/07/2021
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • Este estudo tem como objetivo analisar como os jovens bolsistas descrevem a construção da sua identidade social a partir da interação com as ações da Educação Popular nos projetos PET/Conexões de Saberes da UFPB (Campus I). A identidade social, no trabalho, é entendida como dizendo respeito à origem de classe, à pertença étnica e a condição de gênero. Metodologicamente, a pesquisa define-se como qualitativa. Os principais aportes teóricos do estudo são oriundos, por exemplo, dos conceitos de Educação Popular, autonomia, identidade social e origem popular. Metodologicamente, a pesquisa define-se como qualitativa, tendo sido realizadas seis entrevistas com bolsistas dos Projetos PET/Conexões de Saberes (Campus I), de tipo semiestruturada, em modalidade on-line através da plataforma Google Meet. Os dados foram examinados conforme o modelo de análise de conteúdo temático-categorial. Dentre os resultados aos quais se chegou, é possível assinalar que a identidade social, em suas diversas dimensões, pode ser construída, fortalecida e ressignificada através das modalidades de socialização da Educação Popular (onde o conceito de autonomia faz par com o de diálogo), bem como mediante o seu enfoque cognitivo, trabalhando a construção do conhecimento e da aprendizagem de forma compartilhada. Ou seja, a base teórico-prática (a práxis) da Educação Popular proporciona aportes para a configuração da identidade social. Os achados da pesquisa também revelaram que os Projetos PET/Conexões de Saberes, que são fundamentos na Educação Popular, contribuíram para que os bolsistas refletissem e encontrassem sentido de pertencimento quanto à classe social, etnia e gênero. Entre as considerações conclusivas, enfatiza-se que o trabalho ampliou o repertório das discussões e reflexões sobre Educação Popular e identidade social, além de ter dado visibilidade a uma experiência comprometida com a emancipação das classes populares.
  • BEATRIZ XAVIER MACEDO DA LUZ BISNETA
  • EDUCAÇÃO SUFOCADA: OS IMPACTOS DA COVID-19 NAS ATIVIDADES EDUCACIONAIS DE UNIDADES PRISIONAIS BRASILEIRAS
  • Data: 30/06/2021
  • Hora: 14:30
  • Mostrar Resumo
  • Em meados de março de dois mil e vinte, o mundo passou a conviver com os desdobramentos da pandemia do novo coronavírus. Os esforços despendidos pelas autoridades responsáveis se concentraram em medidas não farmacológicas de prevenção da transmissão da doença, como o distanciamento social. Este colapso causado pela Covid-19 gerou o cancelamento das aulas em escolas e em universidades, afetando mais de 90% dos estudantes do mundo (UNESCO, 2020). Tais impactos foram massivamente sentidos pelas populações mais vulneráveis, como é o caso das pessoas privadas de liberdade. Desse modo, com base em pesquisa documental, a partir de fontes escritas (documentos oficiais ou gerados por meio de experiências cotidianas) e fontes visuais (mapas, fotografias, entre outros), iniciada em maio de 2020, com conclusão em maio de 2021, o presente trabalho, à luz das contribuições teóricas de Achille Mbembe, Karl Marx, Michel Foucault e Paulo Freire, propõe uma abordagem teórico-reflexiva, de modo a atestar que a oferta educacional no sistema prisional – resguardada por políticas públicas – sofreu, durante o período pandêmico, expressiva precarização, sendo mais uma, entre tantas omissões promovidas pelo Estado a esse grupo, resultando em efeitos nocivos à premissa do respeito à dignidade da pessoa humana e ao direito do preso à reintegração social.
  • FLÁVIA MELINA AZEVEDO VAZ DOS SANTOS
  • O COMPONENTE CURRICULAR PROJETO DE VIDA COMO EXPERIÊNCIA FORMATIVA EM UMA ESCOLA CIDADÃ INTEGRAL NO MUNICÍPIO DE JOÃO PESSOA - PB
  • Data: 22/06/2021
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • Esta pesquisa se insere em estudos sobre experiências de Educação Integral no Brasil, especificamente, a implantação das Escolas Cidadãs Integrais (ECI’s) na Paraíba em 2016, vindo a se tornar Programa de Educação Integral em 2018. Neste sentido, o Ensino Médio passou por novos arranjos curriculares, sendo inserido o componente Projeto de Vida que, na Paraíba, é tido como aspecto central no modelo pedagógico das ECI’s. Desta forma, temos como objetivo central analisar como o Projeto de Vida se constitui enquanto um dispositivo didático-curricular de experiências formativas na Escola Cidadã Integral, partindo das seguintes problemáticas: o que os documentos reguladores de políticas educacionais nacionais e locais especificam sobre a Educação Integral e o componente Projeto de Vida? Quais as avaliações dos jovens sobre experiências vividas no Projeto de Vida? As discussões teóricas estão conduzidas pela dimensão histórica da Educação Integral (GADOTTI 2009; CAVALIERE, 2002, 2010; MOLL, 2012); construção do Ensino Médio para juventudes (DAYRELL, 2003; 2007; 2014; ARROYO, 2012; 2014); dimensões pedagógicas do Projeto de Vida (Diretrizes Estaduais, 2018,2019,2020; ICE, 2016a; 2016b; 2016c) e das orientações técnicas das Políticas Educacionais para o Ensino Médio (DCNEM, 2012; PNE, 2014; Novo Ensino Médio, 2017; BNCC, 2018). Utilizaremos a abordagem qualitativa, por permitir a investigação de elementos que constituem as relações humanas. Temos como método de pesquisa a Teoria Fundamentada, conforme as orientações de Charmaz (2009), sob a compreensão de que esta teoria permite a coleta de dados e sua análise serve como fio condutor de organização dos argumentos conceituais desde o início da pesquisa, construindo, simultaneamente, estruturação teórica com base em dados empíricos. Foi possível verificar a aceitação pelos (as) jovens acerca das mudanças no currículo, enquanto estavam na escola. Durante a interrupção das atividades presenciais em função da pandemia, demostram sentir saudade do contato cotidiano com colegas e equipe escolar. A pandemia impactou profundamente as dinâmicas escolares e o ensino no componente Projeto de Vida. Identificamos a ênfase na formação técnica, tendências neoliberais e infantis nas orientações curriculares para esse componente. No ensino remoto as disciplinas da base diversificada ficaram desprezados, para dar evidência aos conteúdos da base comum, com vista nos resultados do ENEM, o que escanteou o Projeto de Vida. Demonstrou-se importância de outros tempos e espaços educativos, por isso apontamos a Pedagogia Integradora como base teórico-metodológica para reforçar as lacunas deixadas com ênfase na concepção das aprendizagens e juventudes plurais.
  • ANA PAULA TAIGY DO AMARAL
  • Análise da responsabilidade social do Centro Universitário de João Pessoa: uma contribuição para a melhoria da qualidade da educação superior privada no município
  • Orientador : MARIA DAS GRAÇAS GONÇALVES VIEIRA GUERRA
  • Data: 27/05/2021
  • Hora: 15:00
  • Mostrar Resumo
  • A Constituição Federal de 1988, em seu Art. 205, determina os propósitos da educação, estabelecendo, para isso, duas dimensões a serem atendidas: uma social-coletiva e outra individual. De maneira que uma Instituição de Educação Superior (IES), mesmo de natureza privada, incorpora, em virtude da atividade desempenhada, a responsabilidade social da educação. Assim, o objetivo principal desta pesquisa é analisar quais ações e práticas do Centro Universitário de João Pessoa - Unipê, voltadas para a responsabilidade social da IES, corroboram a qualidade da educação superior privada do município. Para o seu desenvolvimento, optou-se por uma análise dos documentos institucionais e das informações divulgadas pelo portal e redes sociais da casa, com o auxílio de um guia de análise documental e do método de codificação e categorização. Apesar da falta de publicidade dos principais documentos institucionais, foi possível identificar a responsabilidade social no Relatório de Autoavaliação Institucional da Comissão Própria de Avaliação (2018) e em projetos, programas e metas que promovem a eficácia institucional e a efetividade acadêmica e social, notabilizando-se, nesse sentido, a integração das funções entre ensino, pesquisa e extensão do centro universitário investigado. Entretanto, com a mudança do regime jurídico da entidade, após a venda (em 2018), e com o encerramento iminente do Plano de Desenvolvimento Institucional - PDI (2017-2021) atual, sugere-se acompanhamento das ações acadêmico-administrativas da organização, para aferir se as conservarão nesse sentido, cumprindo a responsabilidade social da Educação.
  • ANA MARIA SILVA SOBREIRA
  • ESTRATÉGIAS DE ENSINO E SUAS IMPLICAÇÕES NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS EM UM CENTRO DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL
  • Data: 27/05/2021
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • Esta pesquisa teve por finalidade investigar as estratégias de ensino utilizadas pelas educadoras e suas implicações na Educação de Jovens e Adultos, em duas salas de aula, funcionando em turnos distintos, com educadoras e educandos que os diferem nas respectivas matriculas em um Centro de Atenção Psicossocial, entre os anos de 2018 e 2019. Pensar a educação no campo da saúde mental é uma possibilidade na medida em que se podem contextualizar as experiências intrínsecas e extrínsecas das pessoas com transtornos mentais, a partir das dimensões do processamento e funcionamento conectivos das áreas cerebrais. Este estado mental em termos de criação de uma identidade social acaba por se conectar com fragilidades no decorrer de sua construção histórica, social, cultural e política, demarcadas por um modus operandi biopsicossociais distintos, perseverando no protagonismo destes estudantes, vistos talvez, pela política Escolar no tocante a uma perspectiva de inclusão social, acompanhada de recomendações acerca das propostas pedagógicas a serem realizadas. Com relação às especificações teóricas, estar coadunada em eixos problematizadores, Fundamentado numa discussão interlocutória com autores a exemplo de Pimenta (2018), Arroyo (2011), Mizukami (1983), Libâneo (2013), Mantoan (2000), Vygotsky (1980), Bordenave (2015) e Freire (2010) que constituíram experiências sobre o processo de ensino para pessoas com condições singulares em aprender, e neste cenário de buscas da própria ciência em aproximar-se das necessidades de cada estudante, surgiu novas reflexões em evidências científicas com estruturas didáticas em romper paradigmas que frustram com as competências e habilidades de cada estudante em EJA. Seu lócus empírico situa-se no estado da Paraíba, especificamente numa cidade interior do nordeste, estruturado num processo metodológico baseado em pesquisa qualitativa, alicerçada num estudo de caso, Robert Yin (2016) o qual emprega um processo de investigação com profundidade sobre o objeto no contexto de mundo real, e sua relação entre os fenômenos históricos ao contemporâneo. Utilizou de entrevistas semiestruturadas com 02 educadoras e análise documental para obtenção das informações em alcançar possíveis respostas a partir dos objetivos delimitados. Nesta prescrição, ressalta-se o caráter obscurecido de estratégias de ensino necessárias ao processo de EJA, porém, encontra-se favorável ao ponto de provocar uma discussão teórica e prática significativa em inserir a construção de uma nova política que atenda as responsabilidades de cidadania diante da sociedade, como recomendado pelas Diretrizes de Saúde Mental e Educação de Jovens e Adultos.
  • ENOQUE BERNARDO SANTOS
  • A TRAJETÓRIA PROFISSIONAL E A PRÁTICA DOCENTE DE NINI PAES DE ARAÚJO EM ITABAIANA – PB (1948 – 1988)
  • Data: 26/05/2021
  • Hora: 14:30
  • Mostrar Resumo
  • Nini Paes de Araújo formou-se professora primária na Escola de Professores do Instituto de Educação da Paraíba, sob os auspícios do escolanovismo, mas antes disso estudou no Colégio Nossa Senhora das Neves, ambos na capital paraibana, onde adquiriu todo um repertório cultural católico. A presente tese, no campo da História da Educação, tem como objeto de estudo a prática docente de Nini Paes de Araújo, na cidade Itabaiana/PB, e a questão norteadora da pesquisa é: Como a professora Nini Paes de Araújo articulou em sua prática docente o repertório cultural católico, obtido na vivência com as Irmãs da Sagrada Família, e as ideias do escolanovismo adquiridas durante sua formação como professora primária na Escola de Professores? Nesse sentido, o objetivo é investigar se a prática docente de Nini Paes de Araújo foi permeada pelo repertório pedagógico católico vivenciado no Colégio Nossa Senhora das Neves ou pelo ideário escolanovista da Escola de Professores do Instituto de Educação Secundária da Paraíba, dentro da temporalidade de 1945 a 1988, que compreende o período em que exerceu a docência. É uma pesquisa fundamentada na perspectiva da Nova História Cultural e inserida na modalidade biográfica, com o aporte da metodologia da História Oral, na realização de entrevistas com ex-alunos e ex-alunas de Nini Paes de Araújo, a fim de identificar nos depoimentos como se dava a prática docente do sujeito em estudo, em dois estabelecimentos de ensino em Itabaiana: a Escola Normal Regional Nossa Senhora da Conceição e o Colégio Estadual de Itabaiana. O acesso à memória, via entrevista, impulsionou a busca, o conhecimento e a análise de uma gama de outras fontes, como: memórias manuscritas, fontes iconográficas, cadernos escolares e documentos pessoais da professora; mensagens do executivo paraibano; Encíclicas Papais, a saber do Papa Leão XIII e do Papa Pio XI; além dos periódicos A União, A Imprensa, A Folha, Revista de Ensino da Paraíba, Diário de Pernambuco e o Correio da Paraíba. A leitura e análise das fontes indicam que a prática pedagógica de Nini Paes de Araújo fundamentou-se nas orientações cristãs das Religiosas da Sagrada Família do Colégio Nossa Senhora da Neves, haja vista, que a mesma passou sete anos nesta instituição e, nessa vivência, se apropriou do discurso conservador católico, utilizando-o no espaço escolar e fora dele, com a finalidade de demonstrar o seu posicionamento enquanto mulher católica e professora, no que concerne à educação e à política. Posicionamento perceptível pelos/as ex- alunos e ex-alunas de ambos os estabelecimentos de ensino onde o sujeito de nossa pesquisa lecionou. Desta forma, Nini Paes de Araújo demonstrava que a sua prática pedagógica era interligada com a sua religiosidade católica.
  • ENOQUE BERNARDO SANTOS
  • A TRAJETÓRIA PROFISSIONAL E A PRÁTICA DOCENTE DE NINI PAES DE ARAÚJO EM ITABAIANA – PB (1948 – 1988)
  • Data: 26/05/2021
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • Nini Paes de Araújo formou-se professora primária na Escola de Professores do Instituto de Educação da Paraíba, sob os auspícios do escolanovismo, mas antes disso estudou no Colégio Nossa Senhora das Neves, ambos na capital paraibana, onde adquiriu todo um repertório cultural católico. A presente tese, no campo da História da Educação, tem como objeto de estudo a prática docente de Nini Paes de Araújo, na cidade Itabaiana/PB, e a questão norteadora da pesquisa é: Como a professora Nini Paes de Araújo articulou em sua prática docente o repertório cultural católico, obtido na vivência com as Irmãs da Sagrada Família, e as ideias do escolanovismo adquiridas durante sua formação como professora primária na Escola de Professores? Nesse sentido, o objetivo é investigar se a prática docente de Nini Paes de Araújo foi permeada pelo repertório pedagógico católico vivenciado no Colégio Nossa Senhora das Neves ou pelo ideário escolanovista da Escola de Professores do Instituto de Educação Secundária da Paraíba, dentro da temporalidade de 1945 a 1988, que compreende o período em que exerceu a docência. É uma pesquisa fundamentada na perspectiva da Nova História Cultural e inserida na modalidade biográfica, com o aporte da metodologia da História Oral, na realização de entrevistas com ex-alunos e ex-alunas de Nini Paes de Araújo, a fim de identificar nos depoimentos como se dava a prática docente do sujeito em estudo, em dois estabelecimentos de ensino em Itabaiana: a Escola Normal Regional Nossa Senhora da Conceição e o Colégio Estadual de Itabaiana. O acesso à memória, via entrevista, impulsionou a busca, o conhecimento e a análise de uma gama de outras fontes, como: memórias manuscritas, fontes iconográficas, cadernos escolares e documentos pessoais da professora; mensagens do executivo paraibano; Encíclicas Papais, a saber do Papa Leão XIII e do Papa Pio XI; além dos periódicos A União, A Imprensa, A Folha, Revista de Ensino da Paraíba, Diário de Pernambuco e o Correio da Paraíba. A leitura e análise das fontes indicam que a prática pedagógica de Nini Paes de Araújo fundamentou-se nas orientações cristãs das Religiosas da Sagrada Família do Colégio Nossa Senhora da Neves, haja vista, que a mesma passou sete anos nesta instituição e, nessa vivência, se apropriou do discurso conservador católico, utilizando-o no espaço escolar e fora dele, com a finalidade de demonstrar o seu posicionamento enquanto mulher católica e professora, no que concerne à educação e à política. Posicionamento perceptível pelos/as ex- alunos e ex-alunas de ambos os estabelecimentos de ensino onde o sujeito de nossa pesquisa lecionou. Desta forma, Nini Paes de Araújo demonstrava que a sua prática pedagógica era interligada com a sua religiosidade católica.
  • LARISSA AMARO DOS SANTOS
  • A ATUAÇÃO DO PROGRAMA CAMINHO DA ESCOLA NO MUNICÍPIO DE CUITEGI/PB: SIGNIFICAÇÕES PARA A EDUCAÇÃO DO CAMPO
  • Data: 21/05/2021
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • Esta pesquisa trata da política de transporte escolar e teve como objetivo geral analisar a atuação do Programa Caminho da Escola, nos últimos dez anos (2009-2019), no município de Cuitegi/PB. Metodologicamente, trata-se de uma pesquisa de campo com abordagem qualitativa. A investigação foi realizada por meio de um estudo bibliográfico e entrevistas semiestruturadas com o secretário de Transporte, a secretária de Educação, diretores e estudantes beneficiários do programa no referido município. Como aporte metodológico, orientamos os estudos a partir de Stephen Ball e operamos o Ciclo de Políticas como feramenta, por considerar que esta estrutura conceitual auxilia no estudo das trajetórias das políticas, a partir dos contextos de influência, produção de texto e da prática. Para análise dos resultados, elegemos o método de análise de conteúdo proposto por Bardin (2010). Os achados demonstraram que, apesar de a política de transporte escolar viabilizar o acesso e a permanência dos estudantes das zonas rurais de Cuitegi/PB na escola, existem fatores que dificultam sua eficiência, como: culturas profissionais, infraestrutura precária e condições das estradas, tempo de espera dos estudantes para retornarem às suas residências e número reduzido de veículos. Além disso, o Programa Caminho da Escola contribuiu para a política de nucleação e o fechamento das escolas rurais no município, tensionando com o que preconiza a Educação do Campo: o direito dos estudantes em permanecerem em suas comunidades, com escolas adequadas e proposta pedagógica que enfatizem os valores sociais, culturais e econômicos a fim de fortalecer a identidade campesina.
  • GENOVEVA BATISTA DO NASCIMENTO
  • TECNOLOGIAS DIGITAIS E A PRÁTICA DOCENTE EM CIÊNCIAS E BIOLOGIA COM BASE NA FORMAÇÃO INICIAL DE CURSOS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA DA UFPB
  • Data: 20/05/2021
  • Hora: 10:00
  • Mostrar Resumo
  • A pesquisa baseia-se no processo dinâmico e acelerado de mudança social contemporânea relativa ao avanço e a necessidade de utilização das Tecnologias Digitais de Informação e Comunicação (TDIC) no contexto da formação inicial docente na Educação a Distância (EaD), sobretudo, pensar direcionamentos que desenvolva as habilidades e competências de professoras e professores relacionadas às práticas pedagógicas por meio dessas tecnologias. O objetivo geral consistiu-se em Avaliar as praticas pedagógicas e a formação inicial de professoras de Ciências e Biologia na modalidade à Distância pela UFPB, relativas ao uso das tecnologias digitais como recurso pedagógico. Caracteriza-se como um estudo de cunho qualitativo, ancorando-se no método de pesquisa e análise a Grounded Theory de Strauss e Corbin. Foram realizadas entrevistas estruturadas com duas professoras de Ciências Biológicas e uma de Ciências Naturais formadas na modalidade a distância da UFPB exercendo a função docente em escolas da rede pública do ensino no Município de Diamante – PB. Os resultados apontaram que o ensino na EaD é uma oportunidade de formação pelo aspecto em que a modalidade se apresenta e que necessidades encontradas no decorrer do curso ocorreram pela ausência de laboratórios de aulas práticas e instabilidade no acesso a internet. Reconheceram que as metodologias aplicadas no decorrer do curso foram inovadoras e informaram que passaram a inserir e utilizar essas metodologias e as tecnologias digitais nas práticas pedagógicas por meio na formação inicial na EaD e destacaram que reconhecem que o uso das tecnologias digitais é um desafio que precisa ser superado e demonstraram interesse e curiosidade em utilizar as referidas tecnologias na prática docente, compreendendo que essas tecnologias se tornam auxiliares no ensino como recurso pedagógico. Conclui-se que a formação na EaD permitiu uma relação mais próxima com as tecnologias digitais pela necessidade de utilização das tecnologias para o acompanhamento e cumprimento das disciplinas e atividades ao longo do curso e essa habilidade relativa as tecnologias desenvolvidas no decorrer do curso permitiram que fossem empregadas na prática docente por meio da inserção dessas tecnologias no desenvolvimento de atividades no ensino. Evidenciamos, portanto, que os espaços de formação inicial na EaD precisam além da técnica, ensinar o uso das tecnologias digitais de maneira pedagógica constando assim, em seus documentos, e, enfatizamos, que a formação inicial docente em qualquer modalidade ou quaisquer que seja a licenciatura precisa ser pensada e estruturada com preceitos que forme na conjuntura da cultura digital.
  • AFONSO BARBOSA DE LIMA JUNIOR
  • SABERES PROFISSIONAIS DOCENTES PARA O ENSINO DA GEOMETRIA NOS ANOS INICIAIS
  • Data: 06/05/2021
  • Hora: 13:30
  • Mostrar Resumo
  • Este estudo trata do ensino de Matemática, especificamente sobre Geometria nos anos iniciais de escolarização. No Brasil, existe um crescente movimento de resgate do ensino de Geometria desde os Parâmetros Curriculares Nacionais, a fim de que as proposições para o ensino e a aprendizagem dessa unidade temática culminem no desenvolvimento do pensamento geométrico de crianças e adolescentes, que inclui aspectos acerca das relações espaciais e das figuras geométricas. No caso das figuras geométricas, é necessário explorar as características das figuras, envolvendo a identificação/nomeação, a comparação, a classificação e a composição e decomposição. Assim, reconhecendo a legitimidade dessa demanda curricular, este estudo teve como objetivo analisar os conhecimentos profissionais da docência apresentados por professores(as) que atuam na Paraíba, a fim de desvelar a realidade do ensino de figuras planas nos anos iniciais de escolarização. Para alcançar esse objetivo, foi preciso identificar um conjunto de conhecimentos necessários ao ensino de Geometria; mapear os conhecimentos utilizados pelos(as) professores(as) para o ensino de figuras planas e discutir o ensino dessas figuras geométricas a partir dos conhecimentos profissionais da docência. Para subsidiar a construção do diálogo teórico relativo aos saberes e conhecimentos profissionais da docência, fundamentou-se em Shulman (2014), Ball, Hill e Bass (2005), Serrazina (2014), Tardiff (2000) e Puentes, Aquino e Neto (2009). Enquanto Pavanello (1989; 1993), Galvéz (1996), Lorenzato (1995), Lima e Carvalho (2010; 2014), Walle (2009), Crowley (1994), entre outros, alicerçaram as discussões sobre a Geometria. A base metodológica teve abordagem qualitativa. Os dados empíricos foram produzidos a partir de questionário respondido por professores(as) dos anos iniciais, no estado da Paraíba, com no mínimo 1 ano de experiência profissional. Para a organização, a categorização e a análise desses dados, tomou-se por base as técnicas de análise de conteúdo propostas por Bardin (1977). Como resultado, os dados evidenciam fragilidades formativas em relação ao currículo, ao conteúdo geométrico e aos aspectos pedagógicos do ensino de Geometria nos anos iniciais, principalmente relativos ao ensino de figuras planas. Contudo, a dimensão conceitual emerge como a principal dificuldade dos(as) professores(as) para o desenvolvimento do conhecimento geométricos nos anos iniciais. A superação desse problema está relacionada à construção de um escopo de conhecimentos relativo ao ensino e a aprendizagem, especificamente, ao conhecimento do conteúdo, sem o qual inviabiliza-se o ensino, ao conhecimento do currículo, que orienta e sugere como pode ser concebido o ensino em cada ano de escolarização e ao conhecimento pedagógico do conteúdo, que nutre e efetiva a aprendizagem.
  • FABRICIO DE LIMA BEZERRA SILVA
  • Planejamento colaborativo no ensino de Matemática a partir do Desenho Universal para a Aprendizagem
  • Data: 29/04/2021
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • O Desenho Universal para a Aprendizagem tem viabilizado estratégias ao processo de ensino e aprendizagem de todos os alunos, considerando o desafio para uma educação inclusiva. Assim, esta pesquisa tem como objetivo geral analisar o processo de construção colaborativa de planos de aulas de Matemática baseados nos princípios do Desenho Universal para a Aprendizagem. Os objetivos específicos são: a) compreender como os professores analisam sua prática pedagógica para a inclusão de alunos com deficiência; b) verificar a contribuição, na percepção dos professores, sobre a utilização dos princípios do Desenho Universal para a Aprendizagem no ensino de Matemática; c) analisar o percurso de formação colaborativa para o desenvolvimento de planos de aulas em Matemática caracterizado pelo uso do conceito do Desenho Universal para a Aprendizagem. Os participantes colaboradores da pesquisa foram dois professores de Matemática do Ensino Fundamental dos anos finais e uma professora do Atendimento Educacional Especializado que atua na sala de recursos multifuncionais da escola. A pesquisa tem um diálogo teórico fundamentado nos princípios e diretrizes do Desenho Universal para a Aprendizagem acerca da construção dos planos de aula desenvolvidos com os professores no tipo de pesquisa colaborativa com abordagem qualitativa. Para o desenvolvimento da pesquisa realizaram-se nove encontros com os três professores em plataforma virtual, nos quais foram abordados o seguinte: a apresentação da proposta e realização de entrevistas; discussão sobre o trabalho colaborativo e conceito do Desenho Universal para a Aprendizagem; análise dos princípios do Desenho Universal para a Aprendizagem (três encontros); instruções para construção dos planos de aulas colaborativo na perspectiva do Desenho Universal para a Aprendizagem; produção dos planos (dois encontros); e, por último, a avaliação do trabalho realizado. Referindo-se a coleta de dados, foi elaborado um roteiro previamente para realização das entrevistas semiestruturadas com os professores colaboradores e foram realizadas gravações em vídeos dos encontros com estes profissionais. Para análise, após as transcrições dos dados, utilizou-se a proposta da tematização. Como resultado, os professores colaboradores consideraram que o Desenho Universal para a Aprendizagem é um importante conceito na busca pela perspectiva de participação de todos os alunos nas atividades pedagógicas. O plano de aula elaborado, a partir do modelo de formação colaborativa, possibilitou que os profissionais tivessem à sua disposição diferentes aspectos do ensino. No entanto, os planos de aulas desenvolvidos somente pelos professores se mostraram limitados acerca da oferta de múltiplas estratégias. Concluiu-se, portanto, que o planejamento colaborativo entre o pesquisador, professores do ensino comum e professora do Atendimento Educacional Especializado demonstrou ter potencial para alcançar práticas efetivas e inclusivas.
  • FABRICIO DE LIMA BEZERRA SILVA
  • Planejamento colaborativo no ensino de Matemática a partir do Desenho Universal para a Aprendizagem
  • Data: 29/04/2021
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • O Desenho Universal para a Aprendizagem tem viabilizado estratégias ao processo de ensino e aprendizagem de todos os alunos, considerando o desafio para uma educação inclusiva. Assim, esta pesquisa tem como objetivo geral analisar o processo de construção colaborativa de planos de aulas de Matemática baseados nos princípios do Desenho Universal para a Aprendizagem. Os objetivos específicos são: a) compreender como os professores analisam sua prática pedagógica para a inclusão de alunos com deficiência; b) verificar a contribuição, na percepção dos professores, sobre a utilização dos princípios do Desenho Universal para a Aprendizagem no ensino de Matemática; c) analisar o percurso de formação colaborativa para o desenvolvimento de planos de aulas em Matemática caracterizado pelo uso do conceito do Desenho Universal para a Aprendizagem. Os participantes colaboradores da pesquisa foram dois professores de Matemática do Ensino Fundamental dos anos finais e uma professora do Atendimento Educacional Especializado que atua na sala de recursos multifuncionais da escola. A pesquisa tem um diálogo teórico fundamentado nos princípios e diretrizes do Desenho Universal para a Aprendizagem acerca da construção dos planos de aula desenvolvidos com os professores no tipo de pesquisa colaborativa com abordagem qualitativa. Para o desenvolvimento da pesquisa realizaram-se nove encontros com os três professores em plataforma virtual, nos quais foram abordados o seguinte: a apresentação da proposta e realização de entrevistas; discussão sobre o trabalho colaborativo e conceito do Desenho Universal para a Aprendizagem; análise dos princípios do Desenho Universal para a Aprendizagem (três encontros); instruções para construção dos planos de aulas colaborativo na perspectiva do Desenho Universal para a Aprendizagem; produção dos planos (dois encontros); e, por último, a avaliação do trabalho realizado. Referindo-se a coleta de dados, foi elaborado um roteiro previamente para realização das entrevistas semiestruturadas com os professores colaboradores e foram realizadas gravações em vídeos dos encontros com estes profissionais. Para análise, após as transcrições dos dados, utilizou-se a proposta da tematização. Como resultado, os professores colaboradores consideraram que o Desenho Universal para a Aprendizagem é um importante conceito na busca pela perspectiva de participação de todos os alunos nas atividades pedagógicas. O plano de aula elaborado, a partir do modelo de formação colaborativa, possibilitou que os profissionais tivessem à sua disposição diferentes aspectos do ensino. No entanto, os planos de aulas desenvolvidos somente pelos professores se mostraram limitados acerca da oferta de múltiplas estratégias. Concluiu-se, portanto, que o planejamento colaborativo entre o pesquisador, professores do ensino comum e professora do Atendimento Educacional Especializado demonstrou ter potencial para alcançar práticas efetivas e inclusivas.
  • JOSÉ FELIX DOS SANTOS NETO
  • PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL CONEXÕES DE SABERES: Políticas, Práticas e Formação
  • Orientador : WILSON HONORATO ARAGAO
  • Data: 29/04/2021
  • Hora: 10:00
  • Mostrar Resumo
  • Este estudo tem como objetivo analisar as contribuições das politicas educacionais do Programa de Educação tutorial Conexões de Saberes para formação inicial de professores a partir das atividades de ensino, pesquisa e extensão desenvolvidas pelos grupos Pets existentes no Centro de Educação da Universidade Federal da Paraíba. O programa surgiu em 1979, durante a ditatura militar no Brasil, com a perspectiva de preparar uma elite intelectual e secundariamente aprimorar os cursos de graduação. Inicialmente o PET era denominado como Programa Especial de Treinamento e suas atividades eram direcionadas para os cursos de economia, após o processo de avaliação e reorganização no ano de 1999, o programa passou a ser designado como Programa de Educação Tutorial, essa reorganização ampliou a quantidade de grupos nas universidades, bem como o alcance dos demais cursos de graduação. No entanto, a oferta programa para áreas das ciências humana só iniciou a parti do edital 09 publicado pela secretaria de ensino superior (Sesu/mec) no ano de 2010. É neste contexto que os grupos presentes no centro de educação foram criados, e as ações desenvolvidas pelos bolsistas e tutores voltou-se para as discussões atrelada a formação docente considerando a relação da teoria entrelaçada com prática. Para alcançarmos os objetivos desta pesquisa delineamos um percurso metodológico baseado numa abordagem qualitativa, utilizando-se das técnicas de revisão bibliográfica que foram abordados autores como PIMENTA (1997), GATTI (2010), FREIRE (2014) e TARDIF (2002), para construção do processo histórico do PET tomamos como base MARTIN (2005), BORBA (2017) dentre outros. Como dados, embora o programa tenha vivenciados diversos momentos de fragilidade e retrocessos durante a sua trajetória, mostra-se que as políticas postas pelo o PET, têm apresentado um impacto significativo na formação dos bolsistas petianos no centro de educação da UFPB quando se refere à relação da teoria e prática para formação dos futuros professores.
  • ANDREZZA RAQUEL CIRNE BEZERRA
  • EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA ESCOLA PÚBLICA: EM BUSCA DE PROCESSOS DE EDUCAÇÃO POPULAR COMO ESPAÇO/TEMPO DE ASPIRAÇÕES DEMOCRÁTICAS DO CONHECIMENTO
  • Data: 30/03/2021
  • Hora: 14:30
  • Mostrar Resumo
  • Neste estudo analisamos o contexto de EJA na escola pública em busca de compreender/reconhecer possibilidades, limites e condições de desenvolvimento, procurando perceber uma relação (ou não) com a Educação Popular. Isto Porque a EJA e a Educação Popular se entrelaçam em sua trajetória histórica no Brasil e a Paraíba foi pioneira em práticas e estudos sobre Educação Popular. Argumentamos então que com base na Educação Popular como concepção norteadora das práticas educativas, sob perspectiva de uma forma de educação problematizadora em confluência de saberes das cotidianidades e dos saberes sistematizados da educação escolar, é possível ressignificar e impulsionar a EJA como um processo de Educação Popular, em uma busca de aspirações democráticas do conhecimento e do espaço de sala de aula/escolar. Para trilhar os caminhos dessa pesquisa, além de um levantamento do estado da arte, realizamos pesquisa de campo em busca de retratar a possibilidade de desenvolver práticas pedagógicas na EJA fundamentadas na Educação Popular. Este intuito foi possível a partir da pesquisa participante desenvolvida em uma sala de aula de EJA e que se denomina neste trabalho como “transformação de uma experiência em sala de aula em prática de pesquisa”. Para aprofundar as análises e pesquisa de campo, o estudo buscou ainda observar o contexto de EJA na escola pública. Esta pesquisa se trata de um estudo de caso, realizado a partir da pesquisa participante e observação participante e, apoiados em Yin (2005), buscamos realizar generalização analítica no tratamento dos dados. Para nos esclarecer sobre pesquisa participante, nos alicerçamos em Brandão e Streck (2006), Brandão e Borges (2007), Gajardo (1984), entre outros autores. Sobre EJA, estamos trabalhando principalmente com Arroyo (1996;2001;2005;2014;2017) e Paulo Freire, mas outros autores colaboram com a discussão como Brandão (2005;2008), Streck e Santos (2011), entre outros. Buscamos ainda os autores da Educação Popular, que não por acaso, são alguns que nos apoiam na EJA. Para dialogar sobre escola pública, buscamos Vale (2001), Esteban e Tavares (2013), entre outros. No apoio sobre a trajetória da educação pública no Brasil, buscamos Saviani (2010) e Aranha (2006). Este estudo se apresenta em quatro capítulos e as considerações finais. No primeiro capítulo, a Introdução, apresentamos em subitens uma breve trajetória da pesquisadora, a justificativa, problema, argumento de tese, objetivos e metodologia. O segundo trata de fazer uma explanação sobre a Educação Pública no Brasil, os caminhos trilhados para construção da escola pública, a EJA neste contexto e sua relação como modalidade na escola e com a Educação Popular. No terceiro, trazemos uma descrição analítica da pesquisa participante que chamamos de transformação da experiência de sala de aula em prática de pesquisa. No quarto capítulo discutimos os desafios e possibilidades no contexto da EJA sob a ótica da Educação Popular. Com este estudo pretendemos dar visibilidade à EJA das escolas públicas de João Pessoa e contribuir com reflexões e práticas sobre a Educação Popular como possibilidade de mediar práticas democráticas na escola pública.
  • LUCIANO LIMA DA SILVA
  • PEDAGOGIA ORGANIZACIONAL: ESTUDO BASEADO NA TEORIA FUNDAMENTADA (GROUNDED THEORY) NO NORDESTE DO BRASIL
  • Data: 12/03/2021
  • Hora: 16:00
  • Mostrar Resumo
  • Este estudo trata sobre a Pedagogia Organizacional e as possibilidades de atuação do(a) pedagogo(a) em ambientes corporativos. Compreende-se que a especificidade do trabalho pedagógico desenvolvido nas organizações permitirá dar novos significados e sentidos formativos aos cursos de Pedagogia e à profissão de pedagogo(a). A pesquisa tem como objetivo investigar as perspectivas da atuação profissional dos(as) pedagogos(as) na promoção da aprendizagem em espaços organizacionais, na Região Nordeste. A base metodológica fundamenta-se em: Strauss e Corbin (1990) e Charmaz (2009), que sistematizaram o Método da Teoria Fundamentada, o qual emprega a circularidade no processo da pesquisa qualitativa. Quanto ao enfoque, o presente estudo é do tipo exploratório, tendo em vista que essa vertente possibilita encontrar indícios de um campo com pouco conhecimento sistematizado. O diálogo teórico foi construído com base nas referências da Pedagogia, partindo de Libâneo (2001) e Franco, Libâneo e Pimenta (2011), Educação Não Escolar – Severo (2015, 2017, 2018, 2019), Pedagogia Empresarial – Ribeiro (2007) e Holtz (1999), e aprendizagem organizacional – Bitencourt (2010), dentre outros. Participaram da pesquisa 14 (quatorze) pedagogos(as), selecionados(as) entre os 09 (nove) estados da Região Nordeste, sendo 04 em Paraíba, 01 em Pernambuco, 01 no Rio Grande do Norte, 01 no Ceará, 02 no Maranhão, 02 na Bahia, 01 no Piauí, 01 em Sergipe e 01 em Alagoas. Como instrumento de produção dos dados, utilizou-se um questionário estruturado, aplicado por e-mail e presencialmente. O procedimento de análise dos dados pautou-se na codificação aberta, axial e seletiva da Teoria Fundamentada, tendo como apoio o software de análise Atlas.ti 8.0. Os resultados da pesquisa apontam que os(as) pedagogos(as) que atuam no âmbito organizacional necessitam tomar conhecimento das especificidades atribuidas à função, apropriando-se melhor da dimensão pedagógica que envolve o desenvolgimento da aprendizagem para de um simples processo de treinamento e mudança de comportamento baseada em critérios de desempenho competitivo. Além disso, constatou-se que as práticas educativas dos(as) pedagogos(as) são estruturadas por meio de rede de saberes e habilidades, as quais ocorrem de maneira transversal à medida que entrecruzam os conhecimentos da Pedagogia e os saberes específicos da organização. A teoria substantiva criada a partir das análises na pesquisa expõe os elementos teórico-metodológicos necessários para o(a) profissional da Pedagogia que almeja ingressar em espaços organizacionais, inclusive demonstrando que o curso de Pedagogia deve superar as fronteiras impostas pela tradição, que reduz à formação de professores da educação básica, em função da representatividade social e profissional que o(a) pedagogo(a) pode/deve assumir nas áreas de formação da aprendizagem nos cenários organizacionais.
  • CLEMILSON CAVALCANTI DA SILVA
  • POR UMA EDUCAÇÃO DAS RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS: ANÁLISE AFROCENTRADA EM DISCURSOS QUE CONSTITUEM LIVROS DIDÁTICOS DE CIÊNCIAS NATURAIS
  • Data: 26/02/2021
  • Hora: 15:00
  • Mostrar Resumo
  • A Lei nº 10.639/2003, promoveu alterações profundas e necessárias na Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB), de 1996, no que se refere ao debate das relações étnico-raciais no currículo da Educação Básica, consequentemente, na elaboração dos conteúdos que são inseridos nos livros didáticos (artefato do currículo) utilizados por escolas públicas brasileiras. O presente trabalho, tem como objeto de estudo livros didáticos de Ciências Naturais que foram utilizados em escolas públicas antes e depois da Lei nº 10.639/2003, com foco nos conteúdos que abordam a população afro-brasileira e africana. O objetivo geral é compreender como os discursos e as imagens que constituem os livros didáticos de Ciências Naturais evidenciam à população afro-brasileira e africana referendado por uma educação das relações étnico-raciais. Como referência teórica, utilizamos a Afrocentricidade como uma epistemologia/paradigma que corrobora com as mudanças que a Lei ora citada promoveu no currículo da Educação Básica, notadamente, no ensino de Ciências Naturais. O escopo técnico-metodológico para alicerçar o objetivo do trabalho assenta-se em três momentos, que, na prática, ocorrem simultaneamente. O primeiro, refere-se à abordagem da pesquisa que, no caso específico, é de caráter qualitativa; o segundo, relaciona-se aos procedimentos técnicos, que, nesse caso, são conduzidos pela pesquisa documental e, por último, com intuito de contribuir na construção das inferências e interpretações, evidencia-se a técnica de análise dos dados, que segue o aporte teórico da análise de conteúdo. Munido do arcabouço teórico e do técnico-metodológico da pesquisa, foi possível construir interpretações e inferências que deram respostas ao nosso objetivo de pesquisa. Desse modo, pontuamos três para exemplificar o trabalho: os livros de Ciências Naturais que foram produzidos sob orientações da LDB, de 1971, e do Parecer 853, do mesmo ano, que orientava o currículo, não discutia de nenhuma forma a temática étnico-racial em seus conteúdos, além disso, não se preocupavam em reforçar relações étnico-raciais negativos referentes à população negra; após a promulgação da LDB, de 1996, e da elaboração do PCN, em 1998, os livros didáticos de Ciências Naturais, que foram produzidos sob a orientação desses documentos legais, mesmo que de forma incipiente, começaram a mudar o discurso em relação a população negra, em especial, no que se refere às relações étnico-raciais negativos; depois da promulgação da Lei nº 10.639/2003, que alterou a LDB, de 1996, é possível notar nos livros de Ciências Naturais, certo cuidado em trabalhar conteúdos que debatessem as relações étnico-raciais, entretanto, em nenhum momento citam a referida Lei, além disso, independentemente do tempo histórico em que o livro foi elaborado, há prevalência total das referências europeizadas na construção e abordagem dos conteúdos. Enfim, após essas e tantas outras constatações que observamos ao longo da análise, entendemos que a Afrocentricidade é um paradigma que corrobora com a Lei nº 10.639/2003, e é um caminho viável para mudarmos a prevalência europeia (por vezes, supremacistas) nos conteúdos e na abordagem dos Livros didáticos de Ciências Naturais.
  • RENAN SOARES DE ARAÚJO
  • EXTENSÃO POPULAR E PRODUÇÃO DE CONHECIMENTO: O CASO DO PPGE/UFPB
  • Data: 26/02/2021
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • O presente estudo investiga a produção de conhecimentos na Extensão Popular, tendo como base as dissertações e teses elaboradas no âmbito do Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE) da Universidade Federal da Paraíba (UFPB). Nas últimas décadas, a dimensão da Extensão Universitária comumente tem se destacado como espaço que permite o encontro entre distintos sujeitos com diferentes culturas e saberes, sendo, inclusive, assinalada como locus que viabiliza a construção de novos conhecimentos, em decorrência dessa relação que se estabelece entre a instituição universitária e a realidade vivenciada pelos diversificados grupos e setores sociais. Nessa esteira, merece destaque um amplo e diversificado conjunto de práticas que orientam suas ações pautando-se nos pressupostos teórico-metodológicos e ético-políticos da concepção de Educação Popular (compondo o que tem sido atualmente identificado com o conceito de Extensão Popular), em que ganha centralidade no trabalho extensionista a valorização do saber popular, tendo o diálogo como princípio fundante e a ênfase para a construção do conhecimento de forma compartilhada. Nesse cenário, a UFPB dispõe de uma relevância significativa, ocupando lugar de referência nacional, o que pode ser distinguido pela sua histórica tradição de desenvolvimento de iniciativas de Extensão Popular e em razão do papel expressivo e estratégico que o PPGE/UFPB tem exercido como lugar privilegiado na estruturação de pesquisas e na elaboração de conhecimentos no campo da Educação Popular. Em virtude do exposto, a presente dissertação tem em seu objetivo analisar como o processo de produção de conhecimento na Extensão Popular tem sido abordado pelas dissertações e teses elaboradas no contexto do PPGE/UFPB. Metodologicamente, trata-se de uma investigação de abordagem qualitativa, que efetivou-se a partir da realização de uma pesquisa bibliográfica do tipo “estado da arte”. O método adotado, foi o materialismo histórico-dialético e o referencial teórico-epistemológico que orientou a análise e discussão dos dados produzidos, fundamentou-se nos aportes de autores/as do campo da Educação Popular. Os resultados evidenciam que a produção de conhecimento em/na/sobre Extensão Popular no PPGE/UFPB tem se dado a partir da necessidade de estabelecer processos de reflexão-crítica, autoavaliação e sistematização de experiências extensionistas, com a ótica de desvelar novos olhares sobre as mesmas, tendo como base os fundamentos epistemológicos das teorias críticas, com ênfase na opção por pesquisas de cunho participativo, buscando valorizar os olhares e saberes dos sujeitos das experiências, evidenciando compreensões da Extensão Popular como campo prático, espaço formativo, lugar de construção de conhecimentos e como um movimento social. Ademais, alguns achados indicam a necessidade de fortalecimento de uma visão ampliada do conceito de Extensão Popular. Conclui-se que, apesar da pouca variabilidade epistemológica, presencia-se a utilização de diferentes fundamentos teórico-metodológicos e epistemológicos com importante contribuição para a construção de conhecimentos, perpassada por uma abordagem participativa, uma visão de mundo crítica e uma forte implicação política de compromisso social.
  • FRANCYLLAYANS KARLA DA SILVA FERNANDES
  • EFETIVAÇÃO DA POLÍTICA BILÍNGUE: AS PRÁTICAS DOCENTES PARA A AQUISIÇÃO DAS LÍNGUAS DO SURDO NO ENSINO FUNDAMENTAL I
  • Data: 26/02/2021
  • Hora: 10:00
  • Mostrar Resumo
  • A presente pesquisa analisa a política da educação inclusiva pensando na efetivação da política de educação bilíngue para a pessoa surda que está incluída da rede regular de ensino, já que existem princípios que propõem a integração das diferenças na escola regular. Ainda assim, a língua de sinais não faz parte efetivamente desse ambiente, pois não existem condições necessárias para o seu desenvolvimento. O surdo, desse modo, vivencia o isolamento linguístico e o apagamento da sua identidade. Mesmo com o fortalecimento da luta pelo reconhecimento da sua diferença linguística e identitária, a pessoa surda continua isolada em sua língua, uma vez que se parte do parâmetro da normalidade ouvinte como se a Libras ocupasse, ainda, um lugar estranho e desconhecido. As Leis nº 10.436 de 2002 e nº 10.098 de 2000, do mesmo modo que o Decreto nº 5.626 de 2005, possibilitaram o reconhecimento da importância da língua de sinais para os surdos, bem como das suas diferenças linguística, cultural e de identidade cunhadas pela visão socioantropológica da surdez. Contudo, ainda existem lacunas para utilização da Libras como L1 na prática educacional e na constituição do ambiente bilíngue dentro da perspectiva legal e inclusiva na escola regular. Nesses termos, o objetivo da pesquisa é analisar a implementação da política de ensino bilíngue para o surdo na escola inclusiva. Destaca-se a Libras como língua e não como definição de inclusão, posto que o processo educacional não se resume ao acesso a informações. Assim, a Libras, enquanto língua, é o meio de expressão, comunicação e pertencimento cultural de um povo, por isso deve fazer parte do processo de aprendizagem da pessoa surda, mesmo que não determine a efetivação de um processo inclusivo bilíngue. Sob essa perspectiva, a pesquisa segue a abordagem da metodologia qualitativa recorrendo à entrevista e à observação não participante para realizar a coleta de dados. Tal fase se deu em uma escola pública do município de Canguaretama -RN e foi composta por duas professoras do Ensino Fundamental I, sendo uma da turma do 2º ano e outra do 3º ano, uma coordenadora da escola e o gestor. Ambas as professoras possuem um aluno surdo incluído na sala de aula. Com isso, foi possível verificar que as indicações da política bilíngue não estão sendo efetivadas na educação inclusiva, pois as pessoas surdas são submetidas ao ensino da L2 antes da aquisição da L1, o que ocasiona, portanto, uma falta de aprendizado da sua própria língua, além de não desenvolverem, também, o português na modalidade escrita. Ou seja, estão incluídas, mas isoladas.
  • DAVID ESPINOLA BATISTA
  • CONCEPÇÕES E INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM NA PRÁTICA DE PROFESSORES(AS) DE CIÊNCIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS
  • Data: 26/02/2021
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • A avaliação da aprendizagem é estruturante do processo educacional e faz parte da rotina de estudantes e professores, no sentido de efetivar a construção do conhecimento. Contudo, há duas grandes perspectivas conflitivas no que se refere ao uso da avaliação. A perspectiva de uso da avaliação de forma qualitativa e descritiva, da performance discente, coexiste com uma outra dimensão, interessada na produção de índices de quantificação e mecanismos de comparação. Essas questões são ainda mais complexas quando analisadas no contexto das turmas de Educação de Jovens e Adultos (EJA), caracterizadas pela diversidade de sujeitos afetados por relações sociais e históricas de desigualdade, e pelo o ensino de Ciências em que a relação com a vida concreta tende a ser secundarizada por formulações abstratas do conhecimento e sua relação com o mundo. Esta dissertação apresentou como objeto central a avaliação da aprendizagem no ensino de Ciências na Educação de Jovens e Adultos e como objetivo geral analisar os discursos referentes à avaliação da aprendizagem dos professores que ministram o componente curricular Ciências, nos ciclos III e IV da EJA, em escolas da rede pública municipal de João Pessoa. Teoricamente, o estudo foi orientado por obras e autores que discutem uma perspectiva crítica sobre avaliação da aprendizagem, a EJA e o ensino de Ciências. A pesquisa foi de natureza qualitativa, fundamentada nos pressupostos da Análise Crítica do Discurso, na perspectiva da técnica de entrevista semiestruturada, aplicada a seis professores da rede municipal em tela. Assim, percebeu-se, a partir dos resultados, o entendimento dos professores quanto às especificidades dos sujeitos que compõem a modalidade EJA, além de a importância da utilização de diferentes metodologias, no processo avaliativo, considerando as necessidades dos alunos. Os colaboradores revelaram que há uma constante preocupação com a qualidade da formação dos alunos e com a busca pela redução dos índices da evasão por meio da utilização da avaliação formativa. Apesar disso, a avaliação da aprendizagem surgiu, nos discursos, como um desafio devido à imposição da gestão escolar para quantificação dos saberes, sob uma ótica somativa, com pressões sobre os alunos. Os instrumentos, os critérios e as estratégias avaliativas, adotados pelos professores, foram postos como múltiplos e decididos a partir do contexto de cada turma ou de acordo com o planejamento escolar. A pesquisa evidenciou complexas situações que constituem os processos avaliativos, marcados pela sobreposição entre concepções formativa, somativa e diagnóstica de avaliação, mas também pela tensão constante entre abordagens quantitativas e qualitativas sobre o ensino. Isso caracteriza a própria dificuldade de aplicar e desenvolver mecanismos que deem conta das formulações tradicionais. Sendo assim, é preciso considerar as necessidades individuais dos sujeitos em uma ótica formativa que promova crescimento no processo de ensino-aprendizagem, assim como o investimento na formação inicial e continuada dos professores que os auxiliem em suas práticas avaliativas.
  • TAYS DE SOUSA SANTOS
  • A EDUCAÇÃO POPULAR NO PET/CONEXÕES DE SABERES: CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO E IDENTIDADE DOCENTE DOS EGRESSOS
  • Data: 26/02/2021
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • Este trabalho trata da formação docente, enfocando a construção da identidade profissional, a partir das vivências no Projeto Programa de Educação Tutorial PET/Conexões de Saberes Acesso e Permanência de Jovens de Origem Popular à Universidade: Diálogos Universidade - Comunidade, que realiza ações fundamentadas na perspectiva da Educação Popular na Universidade Federal da Paraíba. Os participantes do Projeto são de origem popular, vinculados a algum curso de licenciatura e desenvolvem ações de ensino, pesquisa e extensão no âmbito universitário e nas comunidades das quais são oriundos. Algumas iniciativas do Projeto são o curso pré-universitário, o grupo de estudos e as ações de formação de professores para a Educação de Jovens e Adultos (EJA). Dessa forma, o objetivo geral deste estudo consistiu em analisar as contribuições do Projeto PET/Conexões de Saberes Acesso e Permanência, baseadas na Educação Popular, para a formação docente e construção da identidade profissional dos egressos. Metodologicamente, a pesquisa é de natureza qualitativa, tendo como referenciais orientadores, entre outros, autores como Freire (1967, 1979, 2001, 2002, 2014), Nóvoa (2004, 2019), Farias et al. (2009), Streck et al. (2014), Sales (1999), Melo Neto (2004, 2013), Calaça (2013, 2015, 2016, 2018) e Chizzotti (2000). Algumas das suas categorias analíticas são as seguintes: diálogo, autonomia, identidade docente como ressignificação processual e educação libertadora. A pesquisa empírica foi realizada com seis egressos do Projeto PET/Conexões de Saberes, mediante entrevistas semiestruturadas, e os dados foram tratados com base na técnica de análise de conteúdo temático-categorial proposta por Bardin (1977). Foi possível constatar que as contribuições do Projeto de Educação Tutorial PET/Conexões de Saberes, fundamentadas na Educação Popular, para a formação docente e construção das identidades profissionais dos egressos são materializadas em ações suas como o grupo de estudos, e dizem respeito ao desenvolvimento do sentido, por exemplo, de justiça social, solidariedade, trabalho colaborativo, participação, diálogo e autonomia.
  • ARILU CAVALCANTE PEQUENO
  • FAZER-SE SUJEITO NOS MEIOS POPULARES: MOTIVOS E MÓBILES PARA A TESSITURA DOS FIOS DE UMA EXISTÊNCIA
  • Data: 25/02/2021
  • Hora: 15:30
  • Mostrar Resumo
  • Este estudo, fundamentado no campo da Educação Popular, aproxima-se da compreensão a respeito das mobilizações dos sujeitos dos meios populares, oriundos da EJA e da migração para fins de postos de trabalho. Tem por objeto os motivos e os móbiles como elementos inerentes ao modo de agir cotidianos dos sujeitos dos meios populares com o intuito de apreender transformações significativas e de sentidos propositivos das ações em suas vidas e no modo como isso é apreendido no seu linguajar. A pesquisa, de caráter qualitativo, foi desenvolvida metodologicamente com base na Qualitative Secondary Analysis – QSA e na Teoria Fundamentada, por meio da análise textual. O objetivo geral busca identificar e analisar nos relatos dos sujeitos, oriundos da EJA e da migração, a presença de motivos e móbiles – como condição biossociocultural – dos sujeitos dos meios populares, por estarem e agirem no mundo com projetos abertos que alteram seus trajetos de vidas, estes identificados em uma dissertação e uma tese defendidas na Linha de Educação Popular do PPGE/UFPB e, posteriormente, revisitadas por mim. Para alcançar esse objetivo, esta tese teve as seguintes questões orientadoras: como se caracterizam os motivos e móbiles nos relatos dos sujeitos populares em diversos contextos apresentados em uma pesquisa de mestrado e outra de doutorado da linha de Educação Popular do PPGE/UFPB? Como os motivos e móbiles dos sujeitos dessas pesquisas podem ser investigados na perspectiva do sujeito biossociocultural? Tais questões se entrelaçaram aos eixos de análise emergentes dos dados coletados, conforme sugere a Teoria Fundamentada, quais sejam: saber prático e o saber escolar: uma conexão necessária; a escola como caminho para as apostas enactantes dos alunos da EJA; ensinar e aprender em rede de afetos; os saberes práticos e as conexões mobilizadoras das redes de apoio e o transitar na vida através percepção ativa dos corpos conscientes. O quadro teórico que sustenta a tese baseia-se nos seguintes conceitos: motivos e móbiles (CHARLOT; HANNOUN) e complexidade da condição humana (MATURANA; FREIRE; MORIN; ASSMANN). Os achados da investigação indicam que: pela nossa condição biossociocultural, as situações-limites fazem alguns sujeitos dos meios populares se moverem no mundo, assumindo, no seu tempo, suas tarefas, buscando respostas aos diversos desafios da vida que interferem e alteram seus trajetos de vidas e que o mobilizar-se desses sujeitos parte dos motivos e dos móbiles, como aspectos inerentes ao viver e ao conhecer, entendendo os motivos como fenômeno das cogitações e os móbiles como fenômeno das disposições para a ação. Nesse sentido, a compreensão é que na condição de sujeitos biossocioculturais, os motivos e os móbiles são elementos entrelaçados aos movimentos cotidianos desses indivíduos, com o intuito de transformação (como significado e sentido) propositiva das suas vidas e buscas, por essa razão, coube nesta pesquisa pôr em questão uma Pedagogia da Vida, ou seja, uma escola aberta ao conhecimento vivo para sujeitos vivos.
  • RAÍSA ALBUQUERQUE ANDRADE
  • PRÁXIS E RESISTÊNCIA MULTICULTURAL NO PROCESSO FORMATIVO DE PROFESSORES/AS: um anúncio das intervenções de Grupos e Núcleos de Estudo, Pesquisa e Extensão
  • Data: 25/02/2021
  • Hora: 15:00
  • Mostrar Resumo
  • Para além das denúncias, os anúncios de superação – anúncios de Práxis e Resistência Multicultural. Práxis, consonante o pensamento freireano, tem a ver com a indissociabilidade entre reflexões teóricas e ações transformadoras. Resistência Multicultural trata-se de um conceito aprofundado por McLaren (1997), fundamentado em abordagens mais críticas do Multiculturalismo, consistindo em intervenções comprometidas com problematizações referentes aos lugares e sentidos atribuídos à raça, classe, gênero e orientação sexual. Almeja-se o desenvolvimento de práticas que ressaltem políticas para as diferenças, questionando e desestruturando os padrões normativos estabelecidos pelo Capitalismo, Colonialismo e Patriarcado - estruturas de dominações responsáveis pela produção de muitas das situações de opressões. Neste estudo, parte-se do pressuposto de tese que, os Grupos e Núcleos de Estudo, Pesquisa e Extensão vinculados à Universidade Federal da Paraíba (UFPB), que visibilizam temáticas relacionadas às políticas para as diferenças com abrangência ao campo da Educação, realizam intervenções que configuram-se como ações de Resistência Multicultural no processo formativo de professores/as na instituição. Assim, o objetivo geral foi investigar e anunciar as atuações destes Grupos e Núcleos. Para tanto, foram elencados os seguintes objetivos específicos: apontar os percursos de criação e recriação dos Grupos e Núcleos; pesquisar quais ações vêm sendo desenvolvidas através da atuação destes espaços, ao longo dos anos, e apontar quais as contribuições das ações desenvolvidas por estes coletivos para o processo formativo dos/as professores/as da instituição, caracterizando as intencionalidades destas ações. As escolhas teóricas e metodológicas foram fundamentadas nos pressupostos filosóficos, epistemológicos e pedagógicos freireanos em diálogo com demais teóricos do campo da Pedagogia Crítica, que compartilham de pensamentos semelhantes no que se refere aos conceitos de Práxis, Resistência e Multiculturalidades, dentre eles, Giroux (1986) e McLaren (1997). Os anúncios das ações de Práxis e Resistência Multicultural foram analisados à luz de uma trama conceitual freireana, sendo possível identificar, nas atuações dos Grupos e Núcleos, proximidades com o pensamento freireano desenhado na trama, posto que as intervenções superam situações limite; encontram e concretizam inéditos viáveis; possibilitam conscientização; promovem Educação à Libertação e; portanto, se configuram como Práxis Política. Confirma-se, nesse sentido, o pressuposto de tese: há Práxis e Resistência Multicultural no processo formativo de professores/as, a partir das intervenções destes Grupos e Núcleos anunciados. Referidas intervenções contemplam não tão somente a formação inicial de professores/as na UFPB, bem como ultrapassam os muros institucionais, contribuindo também em formações continuadas e atendendo ainda determinados anseios sociais.
  • AGDA PATRICIA PONTES DE AQUINO
  • Uma arqueologia do discurso sobre o ensino de fotografia na formação superior em jornalismo no Brasil: o status marginal do fotojornalismo
  • Data: 25/02/2021
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • Esta pesquisa de doutorado investigou o lugar discursivo do ensino de fotografia nos cursos de jornalismo do Brasil. Para isto, recorreu ao caminho teórico-metodológico proposto por Foucault (2005), no livro A arqueologia do saber, a Análise Arqueológica do Discurso (AAD), que orientou o mapeamento das fontes, da escavação das formações discursivas e da identificação das séries enunciativas, cujos achados foram sistematizados em Árvores de Derivação Arqueológica (ADA). A pesquisa se justifica, principalmente, pela falta de conhecimentos específicos sobre o assunto no país, em especial com essa abordagem. O ponto de partida da análise foram as atuais Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de Jornalismo, publicadas em 2013. A constatação da ausência da fotografia nesse documento levou à hipótese da marginalização da fotografia no discurso sobre o ensino de jornalismo nos cursos de graduação do país e à pergunta central: que formações discursivas conferem o status marginal à fotografia nos cursos superiores de jornalismo no Brasil? Identificamos, na dispersão das fontes, uma regularidade que aponta para séries enunciativas que compreendem, principalmente: o jornalista enquanto um intelectual do texto; a fotografia como uma atividade puramente técnica e não intelectual; uma formação voltada para o mercado e retroalimentada por ela; a fotografia como conteúdo necessário à formação, porém compreendido como algo sobre o qual o jornalista deve saber sobre e não necessariamente saber fazer; e um curso que não objetiva formar fotojornalistas, sendo a tarefa do registro fotojornalístico uma atribuição de outro profissional, o fotógrafo. Assim, concebemos a tese de que a natureza técnica da fotografia estabelece uma relação pedagógica diferenciada que situa o discurso sobre seu ensino em um status marginal na formação superior em jornalismo no país.
  • EVANDRO COSTA DE MEDEIROS
  • REDE EPISTÊMICA DE EDUCAÇÃO DO CAMPO NA AMAZÔNIA: Sujeitos Coletivos em Movimento por uma Política e Pedagogia do Inédito Viável no Sudeste do Pará
  • Data: 25/02/2021
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • Partindo da historicidade do Movimento Nacional de Educação do Campo entendido como uma Rede Político-Pedagógico e Epistêmica de Educação do Campo, o presente trabalho busca, compreender produzir e sistematizar dados sobre a origem e trajetória histórica do Movimento de Educação do Campo que emerge no Brasil e na região sudeste do Pará a partir do final dos anos de 1990, relacionando sua raiz histórica no movimento de Educação Popular ocorrido na região os anos de 1970 e 1980 e apresentando o Fórum Regional de Educação do Campo do Sul e Sudeste do Pará como o sujeito-espaço coletivo através do qual se materializa e se consolida tal movimento e a Rede Político-Pedagógico e Epistêmica do Campo do Sudeste do Pará. Essa rede desencadeou um conjunto de conquistas das populações do campo com a criação e consolidação institucional dos cursos de Educação do Campo no Brasil e no Pará, além de debater o direito à educação, as ações desenvolvidas a partir da rede envolvendo movimentos sociais e universidade possibilitou a ampliação da luta pelo direito à educação escolar para dar conta da luta pelo direito da população do campo à uma educação diferenciada. A Educação do Campo, trata-se de um paradigma político-pedagógico em construção que orienta uma práxis coletiva em movimento, que orienta os pensamentos, sentimentos e ações de sujeitos organizados em coletivos políticos que tomam a educação como potente elemento impulsionador de processos de transformações sociais, amplas e radicais, e a luta pelo direito à educação, sustentada no protagonismo pedagógico e epistêmico dos povos do campo, como estratégia para conquista de condições favoráveis ao desenvolvimento, autonomia, sustentabilidade e emancipação das comunidades camponesas no Brasil. Deste modo, se propõem a analisar os avanços, potencialidades e limites desta rede e das conquistas que resultam de sua atuação na região, focando: i) as experiências dos projetos executados pelo PRONERA e dos cursos desenvolvidos pela Faculdade de Educação do Campo (UNIFESSPA) e pelo Campus Rural do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Pará (IFPA), instalado no Assentamento de Reforma Agrária “26 de Março”, em Marabá.; e ii) e sua capacidade de mobilização de debates e de influência na agenda dos governos municipais e do estado no que diz respeito a construção de uma política pública em Educação do Campo no Pará. Por fim, busca refletir sobre os desafios postos ao Movimento de Educação do Campo pelo momento conjuntural no sudeste paraense e no país.
  • EVANDRO COSTA DE MEDEIROS
  • REDE EPISTÊMICA DE EDUCAÇÃO DO CAMPO NA AMAZÔNIA: Sujeitos Coletivos em Movimento por uma Política e Pedagogia do Inédito Viável no Sudeste do Pará
  • Data: 25/02/2021
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • Partindo da historicidade do Movimento Nacional de Educação do Campo entendido como uma Rede Político-Pedagógico e Epistêmica de Educação do Campo, o presente trabalho busca, compreender produzir e sistematizar dados sobre a origem e trajetória histórica do Movimento de Educação do Campo que emerge no Brasil e na região sudeste do Pará a partir do final dos anos de 1990, relacionando sua raiz histórica no movimento de Educação Popular ocorrido na região os anos de 1970 e 1980 e apresentando o Fórum Regional de Educação do Campo do Sul e Sudeste do Pará como o sujeito-espaço coletivo através do qual se materializa e se consolida tal movimento e a Rede Político-Pedagógico e Epistêmica do Campo do Sudeste do Pará. Essa rede desencadeou um conjunto de conquistas das populações do campo com a criação e consolidação institucional dos cursos de Educação do Campo no Brasil e no Pará, além de debater o direito à educação, as ações desenvolvidas a partir da rede envolvendo movimentos sociais e universidade possibilitou a ampliação da luta pelo direito à educação escolar para dar conta da luta pelo direito da população do campo à uma educação diferenciada. A Educação do Campo, trata-se de um paradigma político-pedagógico em construção que orienta uma práxis coletiva em movimento, que orienta os pensamentos, sentimentos e ações de sujeitos organizados em coletivos políticos que tomam a educação como potente elemento impulsionador de processos de transformações sociais, amplas e radicais, e a luta pelo direito à educação, sustentada no protagonismo pedagógico e epistêmico dos povos do campo, como estratégia para conquista de condições favoráveis ao desenvolvimento, autonomia, sustentabilidade e emancipação das comunidades camponesas no Brasil. Deste modo, se propõem a analisar os avanços, potencialidades e limites desta rede e das conquistas que resultam de sua atuação na região, focando: i) as experiências dos projetos executados pelo PRONERA e dos cursos desenvolvidos pela Faculdade de Educação do Campo (UNIFESSPA) e pelo Campus Rural do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Pará (IFPA), instalado no Assentamento de Reforma Agrária “26 de Março”, em Marabá.; e ii) e sua capacidade de mobilização de debates e de influência na agenda dos governos municipais e do estado no que diz respeito a construção de uma política pública em Educação do Campo no Pará. Por fim, busca refletir sobre os desafios postos ao Movimento de Educação do Campo pelo momento conjuntural no sudeste paraense e no país.
  • ISABELA NATHÁLIA NUNES TRISTÃO
  • “OS CABOUQUEIROS DO EDIFÍCIO NACIONAL”: MODELOS DOCENTES EM DISPUTA EM PERNAMBUCO (1889 – 1911)
  • Data: 24/02/2021
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • Esta investigação está inserida no campo de estudo da História da Educação e tem como objetivo geral analisar os modelos docentes em Pernambuco, no final da segunda metade do século XIX e início do Século XX (1889 – 1911). Com os nossos objetivos específicos, examinamos as queixas envolvendo docentes, os quais se tornavam motivos de reclamações e processos disciplinares gerados nas instâncias dos poderes públicos; investigamos o desenvolvimento dos processos disciplinares por meio de situações específicas vivenciadas por professores (as); e articulamos com os discursos e ações governamentais relativos aos comportamentos, valores e práticas dos professores, considerados desejáveis e adequados. Buscando contemplar as análises das possíveis transformações na transição entre o Império e a República brasileira, utilizamos como fontes os códices da Instrução Pública (IP), a série Câmaras Municipais (CM), os relatórios dos Inspetores da Instrução Pública, os regulamentos e os jornais digitalizados na Hemeroteca Digital do Site da Biblioteca Nacional. Ao utilizar o Paradigma Indiciário (GINZBURG, 1989) como postura investigativa, identificamos e investigamos, com base na Análise de Discurso (FOUCAULT, 1971; 1986; 2019), as falas veiculadas pelos agentes governamentais a respeito dos critérios estabelecidos para o ingresso no magistério e o exercício da “boa docência”, correlacionando tais critérios com os casos de denúncias e processos disciplinares contra os docentes públicos de Pernambuco. Tomamos como referência e analisamos um caso específico – o do Professor Francisco Marques da Trindade. A partir deste caso e de outras situações estudadas, esta pesquisa apresenta como resultado a constatação de que, apesar da existência de um conjunto de regramentos e dispositivos estatais centrados na fiscalização e no controle das práticas docentes, havia condutas docentes que configuravam-se como “desviantes”, as quais geravam, consequentemente, remoções de professores(as), facilitadas pelas redes de sociabilidades e ou aliados, estes últimos com vínculos formais ou mesmo informais.
  • JOSÉ DOUGLAS DE ABREU ARAÚJO
  • A DIMENSÃO DA EDUCAÇÃO NOS PROCESSOS DE RESSOCIALIZAÇÃO E HUMANIZAÇÃO NO CÁRCERE NA PERSPECTIVA DE AGENTES EDUCATIVOS
  • Data: 24/02/2021
  • Hora: 10:00
  • Mostrar Resumo
  • Este trabalho está vinculado à Linha de Educação Popular, do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal da Paraíba (PPGE-UFPB) e visa investigar por meio das narrativas de agentes educativos os limites e possibilidades da educação no contexto de socialização e humanização nas prisões, tendo como base questionamentos do tipo: Como a educação pode contribuir no processo de socialização e humanização das pessoas em situação de restrição e privação de liberdade? Assim, para respondermos a tal questionamento objetivamos compreender a dimensão da educação nos processos de ressocialização e humanização de pessoas em situação de privação de liberdade na perspectiva de agentes educativos da Penitenciária de Segurança Máxima Doutor Romeu Gonçalves de Abrantes, em João Pessoa, Paraíba. E, mais especificamente, buscar: i) investigar como tem ocorrido a reintegração social extramuros dos detentos da Penitenciária de Segurança Máxima Doutor Romeu Gonçalves de Abrantes através da educação; ii) analisar os discursos dos agentes educativos quanto às práticas educativas voltadas à socialização e humanização dos detentos; e iii) identificar as aproximações e distanciamentos presentes nas práticas educativas da Penitenciária de Segurança Máxima Doutor Romeu Gonçalves de Abrantes quanto às necessidades socioeducacionais dos detentos na perspectiva da garantia dos direitos humanos. Como construção metodológica, foi empregado a abordagem qualitativa com o uso do método narrativo, sendo adotado para a geração dos dados a entrevista semiestruturada que contou com a participação de cinco agentes educativos que viabilizam, administram e implantam as ações educativas e a (auto)biografia desse autor, a partir de suas experiências na prisão, tendo como espaço da pesquisa a Penitenciária de Segurança Máxima Doutor Romeu Gonçalves de Abrantes, em João Pessoa, Paraíba. O material empírico foi analisado pela Análise Textual Discursiva. A análise desvelou que a educação ofertada na instituição é insuficiente com baixo nível de eficácia devido a negligencia com a oferta ampla de assistência educacional inibindo sua contribuição nos processos de socialização e humanização para reintegração social e prevenção da reincidência. Apesar do déficit de práticas humanas e sociais, a educação em exercício na unidade propicia possibilidade para aqueles que podem acessá-la com processos socializadores e humanizadores que são importantes para a recuperação e aprendizagem dos privados de liberdade. Para a superação das dificuldades falta uma intervenção do poder público e da sociedade civil com políticas exequíveis para proporcionar mudanças no exercício da educação garantindo que as políticas sejam ofertadas adequadamente, contemplando as necessidades socioeducacionais na perspectiva dos direitos humanos.
  • MARAIANE PINTO DE SOUSA
  • FORMAÇÃO DOCENTE EM CONTEXTO NEOLIBERAL: PROJETOS E DISPUTAS NAS POLÍTICAS EDUCACIONAIS
  • Data: 24/02/2021
  • Hora: 10:00
  • Mostrar Resumo
  • O Ministério da Educação (MEC) lançou no ano de 2018 a proposta da Base Nacional Comum para a Formação Inicial e Continuada de Professores da Educação Básica (BNC-F), configurando-se como mais um documento de adequação às necessidades da BNCC, pautado em competências. A discussão que levantamos em torno da Base é a sua confluência com a formação de professores(as), dado ao aspecto prático desses profissionais e alguns questionamentos foram colocados como imperativos quanto aos desafios que essa política tenciona, dado o processo de construção de um novo currículo e seus agentes envolvidos como o setor privado, organizações internacionais, instituições e organizações sociais e OCDE. O direcionamento deste trabalho pretendeu discutir como questão central: como a formação inicial de professores está sendo configurada dentro das políticas educacionais após a aprovação da BNCC? Para tanto, o objetivo geral dessa dissertação foi analisar a formação inicial de professores e sua reformulação após a BNCC. E elegemos como objetivos específicos: a) identificar as mudanças da legislação acerca da formação inicial de professores (as); b) investigar a configuração de formação de professores e os agentes envolvidos e c) analisar o contexto de influência em torno da concepção de formação dos professores e seus desdobramentos. Analiticamente nos ancoramos nos estudos de Arroyo (2011); Ball (2014); Freitas (2018); Apple (2003,2011); Aguiar e Dourado (2019); Rocha (2019), assim como em outros autores cujo trabalho tangem ao nosso tema de pesquisa. Em sentido metodológico, tomamos como base a contribuição de Gonsalves (2011), Richardson (2017), Santos (2010), Michel (2015) e Cellard (2008), que caracterizam a pesquisa como qualitativa e bibliográfica, somando também à análise documental. Para fornecer sustentação utilizamos o Ciclo de políticas de Stephen Ball e colaboradores (1992,1994). Destarte, analisamos a partir do contexto de influência e produção de texto as bases formativas, o pacote de reformas, agenda global, currículo nacional e contexto neoliberal na educação. Assim, o que pretendemos foi a análise de como a formação de professores (as) foi proposta e qual concepção de formação está sendo formulada. O contexto da prática nos possibilitou analisar, a partir de observações e trabalhos que versam sobre o tema da pesquisa, como isso entrou em cena. Somando isso a todos os dispositivos no qual nos debruçamos, atentando para o contexto social global e político, os termos empregados, os agentes envolvidos no desenvolvimento da política e os efeitos dos textos políticos na prática, versando nas modificações acarretadas a partir delas. Compreendemos a partir das análises o que Rocha (2019) destaca, a BNCC é um currículo normativo, que segue uma “lógica racionalista e irreflexiva”, produzindo como efeito também prejuízos à autonomia docente, projetando um professor técnico e performático, mais especificamente, projetando uma atuação docente, uma organização curricular. A padronização dos conteúdos e métodos através da BNCC delimita o trabalho dos(as) professoras(as).
  • MYLLER GOMES MACHADO
  • EDUCAÇÃO AMBIENTAL CRÍTICA PARA A CONVIVÊNCIA COM/NO SEMIÁRIDO: o processo de formação continuada de docentes no município de São José dos Cordeiros-PB.
  • Data: 24/02/2021
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • A formação continuada de professores em Educação Ambiental (EA) Crítica contextualizada para a convivência com/no Semiárido é o contexto em que se insere essa pesquisa, tendo como objetivo geral desvelar os princípios teórico-metodológicos, para uma prática crítica-reflexiva, a partir da formação continuada em EA Crítica. Nesse contexto, defendemos a tese que a formação continuada em EA Crítica para a convivência com/no Semiárido proporciona, aos docentes, embasamento teórico-metodológico para uma prática crítica-reflexiva. Para defendê-la, problematizamos os conceitos de EA, EA Crítica, Formação continuada de professores, docente crítico e reflexivo e educação contextualizada para a convivência no Semiárido a partir de autores como Abílio, Layrargues, Lima, Guimarães, Imbernón, Giroux, Contreras, Freire e Articulação do Semiárido brasileiro. Na metodologia, utilizamos como abordagem a pesquisa qualitativa com pressupostos metodológicas da pesquisa-ação crítico-colaborativa como forma de buscar um pensar-agir a partir formação continuada com 13 docentes das escolas públicas da cidade de São José dos Cordeiros, Semiárido paraibano. Como resultados, as práticas pedagógicas dos docentes direcionavam para um fazer com poucas atividades que estimulem, no discente, uma aprendizagem ativa. Sobre os principais tipos de projetos e reflexões realizadas pelos professores acerca da EA, compreendemos que ocorriam em dimensões conservacionistas e/ou pragmáticas, uma vez que esses demonstravam uma Racionalidade Técnica e fragmentada acerca das relações socioambientais que ocorriam na região. O mesmo ocorreu com características do Semiárido, que eram baseadas demasiadamente das influências do Paradigma da Seca, o que denotava uma visão simplificada da realidade. Todavia, a partir das reflexões constantes realizadas durante a pesquisa-intervenção através de ações participativas e crítico-colaborativas entre os envolvidos e da análise dos projetos desenvolvidos, ocorreu o empoderamento dos docentes e a legitimação de práticas pedagógicas emancipatórias, compatíveis com os pressupostos teóricos da EA Crítica, da Educação contextualizada para a convivência com/no Semiárido e da Racionalidade Prática e Crítica. O que possibilitou um novo contexto/parâmetro que pode estimular o redimensionamento das condições materiais que sustentam o Paradigma Cartesiano. Portanto, tendo discernimento de compreender que mais ações e de maneira constante são fundamentais para materializar as mudanças almejadas, concluímos que surgiram diversos elementos, através da análise das percepções e concepções, das vivências e dos projetos desenvolvidos, em que se consolidam características teóricas, metodológicas e práticas em dimensões críticas e reflexivas direcionadas para uma EA Crítica em perspectivas contextualizadas para a convivência com/no Semiárido.
  • MARCOS OLIVEIRA DIAS VASCONCELOS
  • A EDUCAÇÃO POPULAR PARA O CUIDADO EM SAÚDE ANTE A MORTE E O MORRER NAS EXPERIÊNCIAS, APRENDIZADOS E REFLEXÕES DE PROFISSIONAIS DE SAÚDE DO MUNICÍPIO DE JOÃO PESSOA - PARAÍBA
  • Data: 23/02/2021
  • Hora: 14:30
  • Mostrar Resumo
  • Nas últimas décadas a temática do cuidado ante a morte e o morrer vem merecendo muitos estudos científicos e publicações. Mas as práticas e serviços de saúde ainda estão distantes da construção compartilhada de um cuidado integral às pessoas com doenças ameaçadoras da vida e a seus familiares. Essa pesquisa de abordagem qualitativa tem o objetivo de investigar contribuições da Educação Popular para o cuidado em saúde ante a morte e o morrer a partir de experiências, aprendizados e reflexões de profissionais de saúde, do município de João Pessoa – PB, que tiveram uma formação marcada de forma significativa pela Educação Popular. A Educação Popular foi o referencial teórico-metodológico empregado nessa pesquisa. A Hermenêutica foi base para a análise e interpretação das narrativas. A entrevista em profundidade com roteiro foi utilizada como estratégia metodológica. Verificou-se que a participação em experiências orientadas pela Educação Popular repercutiu na formação dos profissionais de saúde através da criação de forte vínculo afetivo e político com pessoas, grupos e comunidades populares, que se desdobraram na busca e na criação de práticas de saúde mais integradas aos seus interesses, visões de mundo e condições de vida. Várias contribuições da Educação Popular para o aprimoramento do cuidado ante a morte e o morrer foram sistematizadas a partir das experiências práticas, reflexões e aprendizados dos profissionais de saúde, trazendo inovações em relação às reflexões e aos avanços recentes da tanatologia e a medicina paliativa. A Educação Popular amplia o olhar e a compreensão do lidar com a morte e o morrer, não apenas por buscar a integração de conhecimentos das ciências humanas e sociais com os acumulados pelas diferentes profissões da saúde, mas principalmente por seu investimento na escuta e no diálogo com as pessoas acompanhadas. Isso enriquece as práticas de saúde com valores, saberes, interesses e iniciativas, muito peculiares, das diferentes pessoas e grupos sociais envolvidos em cada situação concreta. Há, assim, uma leitura da realidade e construção de práticas de cuidado que vão muito além da interdisciplinaridade e da interprofissionalidade. A Educação Popular integra conhecimentos conscientes e logicamente estruturados com saberes provenientes da emoção, intuição, espiritualidade e amor. Integra os saberes sistematizados academicamente com os provenientes da experiência vivida e refletida localmente. Configura, assim, uma verdadeira conversão epistemológica na produção do conhecimento em saúde. Ao investir na escuta sensível e comprometida da história de vida e do contexto das pessoas, a Educação Popular se torna também um jeito diferenciado de pensar e ser na vida dos diversos profissionais de saúde. A potência do que é aprendido e do que é construído, de forma compartilhada com as pessoas e a famílias que se cuida, propicia uma radical mudança do modelo de cuidado. Ao ressaltar a legitimidade e investir no protagonismo das pessoas e grupos assistidos, em especial os silenciados e marginalizados, contribui com uma sociedade mais justa, solidária e democrática. O cuidado em saúde ante a morte e o morrer, por se tratar de momento de intensa mobilização, tem um grande potencial educativo e de transformação dos caminhos anteriores do viver e das tradições de cuidado. 5. PALAVRAS-CHAVE: Atitude(s) ante a morte. Cuidado. Educação popular. Educação em saúde. Cuidados paliativos.
  • ANA CRISTINA BATISTA DE SOUZA ROSA
  • CARTAS PARA REBECA: REFLEXÕES SOBRE A VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER REFLEXÕES EM UMA ESCOLA MILITAR
  • Data: 08/02/2021
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • A violência contra a mulher é problema social, resultante das relações de gênero desiguais entre homens e mulheres, que contribuem para a perpetuação de um modelo de sociedade patriarcal, onde as mulheres se encontram em condição e posição de subordinação, tendo constantemente violados os seus direitos humanos. A desigualdade de gênero desencadeia diferentes formas de violência contra a mulher - psicológica, física, sexual, patrimonial e moral. A escola, como outras instituições sociais, pode através de suas práticas fortalecer a construção de identidades marcadas por relações de desigualdade de gênero que contribuem para reproduzir a violência contra a mulher ou enfraquecer a produção de masculinidades violentas através do currículo escolar. O objetivo desta pesquisa é analisar como docentes de uma escola pública estadual da Paraíba, que teve uma de suas estudantes estuprada e assassinada em 2011, têm problematizado este tema no currículo escolar. Refletir sobre como a violência contra a mulher pode se manifestar e se legitimar dentro e fora do contexto escolar é importante para se pensar em possibilidades de desconstruir práticas que violam os direitos das mulheres. As referências teóricas utilizadas para compreender o fenômeno estudado se baseiam em contribuições de pesquisadoras feministas como Heleieth Saffioti, Lourdes Bandeira, Lia Zanotta Machado, Marlise Matos, Miriam Pillar Grossi, Céli Regina Jardim Pinto, Guacira Lopes Louro, dentre outras/as. A pesquisa foi realizada através da análise documental dos Projetos de Intervenção Pedagógica – PIP e através da aplicação de questionário junto aos/às docentes da escola. Os dados foram analisados sob as lentes dos Estudos Culturais em Educação. Os resultados demonstram que apesar dos/as docentes considerarem a violência contra a mulher um tema importante, este não tem recebido a devida atenção no currículo escolar, mesmo quando a escola tem o nome de uma estudante vitimada.
2020
Descrição
  • FRANCISCA NATÁLIA DA SILVA RAMOS
  • O MOVIMENTO LEVANTE POPULAR DA JUVENTUDE E SUAS CONEXÕES HISTÓRICAS E FORMATIVAS COM A EDUCAÇÃO POPULAR: um estudo a partir da experiência do Levante em João Pessoa - PB
  • Data: 16/12/2020
  • Hora: 15:00
  • Mostrar Resumo
  • Os movimentos de luta e resistência estiverem sempre presentes na trajetória histórica brasileira, lutando, na maioria das vezes, por melhores condições de existência e buscando a transformação da realidade. Em alguns momentos e conjunturas estiveram mais organizados e em outros momentos mais dispersos, de acordo com as relações de força e poder que se impunham. Uma das formas de enfrentamento e resistência desses movimentos foi a educação, que atuando em especial com a educação popular, busca formas de preparar os militantes do movimento e atuar na sociedade por meio de uma educação que problematizasse essa realidade. Nesse sentido, o presente estudo tem como objetivo compreender o movimento protagonizado por jovens, o Levante Popular da Juventude e suas conexões históricas e formativas com a Educação Popular na atualidade. Para tanto, utilizamos o método dialético fundamentando-se epistemologicamente no materialismo histórico dialético. Para alcance dos objetivos utilizamos a entrevista semiestruturada, a observação participante e a análise documental, além do levantamento bibliográfico. Com o intuito de compreender esse material e as práticas desse movimento utilizamos a técnica análise de conteúdo. Em conjunturas de retrocesso ao conservadorismo, estudar as formas de luta e resistência presentes na sociedade torna-se necessário. A entrevistado foi aplicada com 10 militantes, que apresentaram idade entre 20 e 29 anos, sendo apenas 1 natural de João Pessoas. Todos estavam na graduação ou já eram graduados e todos desenvolviam uma ou mais tarefas dentro do movimento. Mediante os resultamos percebemos que o Levante atua em diversas frentes, com ações de luta e mobilização, solidariedade e organização. Outro pilar importante são os processos formativos que foram citados em diversos momentos pelos entrevistados. Por meio da organização, formação e luta, presentes no movimento, percebemos princípios e categorias da Educação Popular, dentre elas, valorização dos saberes dos educandos, educação para a transformação da realidade, consideração da realidade concreta, amorosidade, relação horizontal e linguagem simples nas formações, amorosidade, atuação com a classe trabalhadora, práxis e ações dialógicas. Em alguns momentos o Levante apresenta influencias dos Novos Movimentos Sociais quando traz os significados do movimento para os militantes e contribuições pessoais, mas isso não faz o movimento um NMS, pois ao percebemos o objetivo do Levante e contribuições para a sociedade fica clara sua relação com os movimentos clássicos com o paradigma marxista, devido a centralidade na luta de classe e objetivo de transformação da realidade. Em conclusão, a atual conjuntura de pandemia tem influenciado as ações do Levante, que passou a intensificar a batalha das ideias nas redes sociais e desenvolver mais ações de solidariedade. O que percebemos é que o movimento, no seu tripé, organização, formação e luta, embora encontre desafios, sempre procura trazer sua práxis fincada na Educação Popular.
  • MARILLIA GABRIELLA DUARTE FIALHO
  • Evasão universitária, planejamento de ensino e singularidade discente
  • Data: 16/12/2020
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • presente pesquisa se propôs a estudar a evasão universitária a partir das singularidades discentes. Considera que o fenômeno possui uma relação direta com o percurso de vida do alunado em diferentes etapas de vidas e contextos. Que o ingresso no ensino superior, um novo espaço de aprendizagens, dinâmico e diversificado, desafia o alunado para permanecer ou abandonar o curso, dependendo, entre outros fatores, da sua integração com o meio acadêmico e com a proposta acadêmica adotada pelo professor, realçando o que denominamos de singularidade docente. A busca de existência de imbricação entre a singularidade docente, o planejamento e a evasão estudantil se apoia na questão: Como a singularidade discente pode ser considerada no planejamento curricular de forma a minimizar a evasão nos cursos de graduação presencial do campus I da UFPB? A questão de pesquisa se operacionaliza no objetivo: Identificar e analisar as possibilidades de relações entre a evasão escolar e a organização dos planos de ensino de graduação da UFPB contemplando aspectos relacionados às singularidades do alunado. A tese defendida é a de que existe uma relação entre evasão e planejamento de ensino, devido a que os docentes adotam planejamentos prontos, sem contemplar as singularidades discentes, suas necessidades acadêmicas, motivações e dificuldades de aprendizagems. A metodologia adotada, de natureza quali e quanti, foi operacionalizada através de três instrumentos: O primeiro, um questionário com questões abertas e fechas e aplicado a 660 alunos ingressantes dos períodos de 2016.2, 2017.1 e 2017.2, com a intenção de traçar o perfil discente e observar a percepção destes, ao longo de três semestres, sobre a possibilidade de permanecer ou se evadir do curso O segundo, uma entrevista estruturada, aplicada a 30 alunos evadidos da UFPB, objetivou identificar os fatores que contribuíram para a efetivar a evasão, e, por fim, levantou-se 70 planos de ensino referentes a 14 cursos de graduação. As análises das informações relacionadas com a questão e os objetivos da pesquisa, assim como a tese levantada, foram tratadas com a utilização de métodos estatísticos, análises dos discursos e análises de questões estruturais, acadêmicas e relacionais específicas do planejamento curricular. Os três instrumentos adotados e as análises dos seus dados, permitiram diagnosticar os fenômenos que possibilitam a evasão e se chegar a conclusão de que existe um percurso percorrido pelo alunado antes de se evadir; que essa decisão evasão dar-se por etapas, partindo de uma causa principal e desencadeando outros subfatores secundários, como ausências das habilidades sociais, empatia, respeito, ética, civilidade, trabalho em equipe e comunicação, todos eles contribuintes para a decisão final de se evadir. Finalmente, quando se relaciona a singularidade docente com o planejamento escolar conclui-se que este se relaciona com o progresso técnico, com foco no conteúdo e não nas necessidades e experiencias do alunado. Acredita-se que o planejamento docente deve ser equilibrado entre o progresso técnico e humanos, qualificando o processo ensino e aprendizagem focalizado no aluno e possibilitando a minimização da evasão universitária. A abordagem do estudo, de natureza inédita e exploratória, requer outra pesquisas, maiores reflexões e aprofundamentos para fortalecer a validação da tese.
  • EDUARDO JORGES PUGLIESI
  • A ORDEM DO DISCURSO DA IMAGEM VISUAL NOS LIVROS DIDÁTICOS DE HISTÓRIA DO ENSINO MÉDIO DA REDE ESTADUAL DA PARAÍBA
  • Data: 11/12/2020
  • Hora: 14:30
  • Mostrar Resumo
  • O século XXI tem como marca indelével a onipresença da imagem visual em seus vários gêneros, assim é mister desenvolver abordagens que permitam aproximar-se dela em seu campo de existência. A escola enquanto espaço cultural tem como finalidade a formação dos sujeitos sociais e desta maneira, desempenha um papel muito importante. Pois, ela exerce a função mediadora por meio das práticas educativas do saber histórico acumulado que estão presentes nos livros didáticos usados na mesma. É partir desse local, que esta pesquisa se oferece a investigar a ordem do discurso nos livros didáticos de história do ensino médio da rede estadual da Paraíba estabelecida pelas séries enunciativas que posicionam as imagens visuais ao longo dos mesmos. Esta é uma pesquisa de natureza analítico-descritiva situada no contexto das investigações qualitativas. A abordagem teórico-metodológica escolhida para realizar a análise dos achados foi a Teoria Arqueológica do Discurso (TAD), de Michel Foucault (2015) que possui um horizonte operativo baseado em três etapas, a saber: mapear, escavar e analisar descritivamente (ALCANTARA; CARLOS, 2013) que opera da seguinte maneira: na primeira etapa – a fase de horizontalização da pesquisa, representa o momento em coletamos os dados, as informações, onde são encontrados os primeiros indícios; na segunda etapa – a fase em que a pesquisa será verticalizada, marca o instante em que nos debruçamos sobre o que foi selecionado e assim constituir o terreno arqueológico da investigação, o local onde a escavação ocorrerá mediante a escolha das ferramentas mais adequadas; na terceira e última etapa – ocasião em que os achados da pesquisa serão comunicados. Por isso, esta é a abordagem mais adequada para trabalhar com o objeto desta pesquisa. Através da análise das imagens visuais postas ao longo das páginas dos três livros didáticos de história da rede estadual da Paraíba devido em primeiro lugar, à importância que elas ganharam na sociedade contemporânea; em seguida, ao fato delas acionarem saberes que estão presentes nas ordens discursivas; e por fim, pela abundância delas que foram identificadas nas séries enunciativas que estabeleceram ordens de discurso específicos, a saber: o discurso histórico-cultural – por meio de séries enunciativas dispersas ao longo do tempo histórico que constituem uma regularidade discursiva; o discurso didático-pedagógico – representa um achado muito significativo, pois ele ordena a forma pela qual a imagens visuais estarão postas nos livros didáticos pesquisados com fins de ensino; e o discurso político-ideológico – aqui temos um achado de suma importância para a compreensão do mundo contemporâneo, uma vez que as séries enunciativas presentes possuem uma regularidade de antagonismo que estabelecem as suas disposições em sentidos opostos, sempre em ângulos de confrontos.
  • JULIANA BARROS DE OLIVEIRA
  • "A escola entre-vista: relações de interdependência entre a EEEFM Professor João José da Costa e o Bairro da Torre (1984-2019)."
  • Data: 04/12/2020
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • RESUMO Na busca de se compreender o espaço urbano, o bairro surge como uma espécie de microespaço que se integra à cidade, sendo entendido como lugar em que a vida social acontece, esse lugar faz parte do traçado urbano de uma dada localidade onde, frequentemente, localiza-se uma escola, instituição que, por sua vez, apresenta um papel fundamental, no que diz respeito à educação formal. Além de ser percebida na condição de equipamento urbano inserido em uma determinada comunidade, a escola é capaz de produzir uma cultura que lhe é própria, conforme enfatiza Julia (2001), além de estabelecer, junto ao bairro, interdependências, na perspectiva de Elias (2008), caracterizando uma figuração formada entre bairro e escola, tal como ocorre entre a EEEFM Professor João José da Costa e o bairro da Torre. Nas relações entre bairro e escola e escola e bairro, expressam-se figurações em que os indivíduos ocupam funções que se alternam, em que escola e bairro se apresentam como lócus de aprendizagem e como lugares em que se ancoram a memória dos indivíduos que estabelecem relações em ambos os espaços. Desse modo, analisar as interdependências entre a EEEFM Professor João José da Costa e o bairro da Torre se constitui no objetivo geral desta tese. Para tanto, foram utilizadas, na condição de fontes para compor a análise, os relatos orais de memória de depoentes que vivenciaram experiências nos espaços da escola e do bairro, bem como excertos de jornais e fontes produzidas pela escola, sobre a escola e sobre o bairro. A análise de tais fontes, unindo-se ao arcabouço teórico-metodológico utilizado para compor a tese, desenvolveu-se perpassando categorias que emergiram das próprias fontes, a exemplo de lugar, tempo e arquitetura, abarcando-as, sucessivamente, no decorrer da constituição das seções que a compõem. Portanto, as relações de interdependência observadas entre escola e bairro e entre bairro e escola determinam as figurações existentes nesses lugares, observando-as à luz da teoria eliasiana, bem como alicerçando-as no entendimento de Portelli (1997) (2000), ao observar a entre-vista na condição de experimento entre entrevistador (a) e entrevistado (a) em que juntos, são capazes de constituir os relatos orais de memória. Diante das análises realizadas, encontra-se uma escola e um bairro estabelecidos para além dos limites de sua materialidade, reconstituídos através da memória dos (as) entrevistados (as), percebidos como lugares de aprendizagem em que essas memórias se ancoram.
  • RICARDO TARGINO PEREIRA
  • A EDUCAÇÃO EMOCIONAL E A ABORDAGEM À EMPATIA NO CONTEXTO DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS
  • Orientador : PEDRO JOSÉ SANTOS CARNEIRO CRUZ
  • Data: 30/11/2020
  • Hora: 13:00
  • Mostrar Resumo
  • O presente trabalho busca analisar os processos relacionados à educação emocional na concepção da emoção empatia no contexto da educação de jovens e adultos. O trabalho de campo foi realizado com a abordagem qualitativa e perspectiva Fenomenológica. Foi feita a aplicação de entrevistas em uma escola pública de João Pessoa/PB com o corpo docente que leciona na turma de EJA. Realizou-se também observação como meio de compreender as relações estabelecidas em sala de aula. Os dados foram analisados em uma perspectiva para compreender as informações trazidas pelos instrumentos de coleta de dados além do contexto relacional em que esses indivíduos estão inseridos. Como resultado, obteve-se que, no processo de ensino e aprendizagem dos educadores e educandos, está presente a empatia e sua importância na construção de um ambiente educacional saudável. Porém, percebeu-se a necessidade de um processo de formação em educação emocional para o desenvolvimento de práticas que contribuam na formação educacional. Nesse sentido, o resultado da pesquisa possibilitou a criação de um quadro que objetiva o desenvolvimento de habilidades empáticas necessárias para a formação de um educador.
  • EMANOEL LOURENÇO DA SILVA
  • POLÍTICA DE GESTÃO ESCOLAR PARA RESULTADOS: uma análise do Índice de Eficiência Gerencial na educação pública estadual de Pernambuco
  • Data: 27/11/2020
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • Esta investigação científica examinou o Índice de Eficiência Gerencial (IEG), um instrumento de responsabilização dos diretores escolares adotado como política de gestão da educação pública estadual de Pernambuco. A discussão se fundamenta na premissa de que a gestão para resultados, via “eficiência gerencial”, suplanta a gestão democrática tornando a escola cada vez mais empresarial (menos custos, mais eficiência) e menos democrática. Nesse sentido, o modelo de gestão baseado em formas de mercado fomenta o surgimento de um novo perfil de diretor escolar mais preocupado com os resultados econômicos do que com o processo democrático, dialógico. Essa gestão transforma o funcionário público a partir de dentro das escolas criando um novo éthos nos profissionais em educação e isso tem implicações na configuração de cidadão e de sociedade que se quer formar. O objetivo central da investigação foi analisar a “eficiência gerencial” como mecanismo de responsabilização verticalizada do diretor escolar e sua influência na promoção de um modelo de gestão da educação em Pernambuco. A metodologia da pesquisa teve como eixo o ciclo de políticas de Stephen Ball e seus colaboradores, na tentativa de analisar o campo das políticas educacionais e compreender como são formuladas e implementadas/atuadas em diferentes contextos. Os instrumentos de coleta de dados foram a pesquisa documental e a entrevista semiestruturada com sujeitos implicados no desenvolvimento da política em análise.A temática investigada é de grande relevância para apontar o contexto da prática da ação gestora a partir da implantação/atuação de uma política gerencialista baseada na lógica de mercado e constatou que a “grande sacada” para realizar a reforma de gestão em Pernambuco foi colocar na mão do diretor escolar a responsabilidade pelo ajustamento fiscal. Como o pagamento do Adicional de Eficiência Gerencial (AEG), só ocorre se a equipe gestora estiver em dia com o ajustamento da carga horaria da escola, da prestação de contas e da inserção de informações gerenciais no site da Secretaria de Educação e Esportes, há uma constante sensação de vigilância e possibilidade de punição, por meio do não recebimento da gratificação. Tal conduta transforma a subjetividade dos diretores escolares regulando-as pelo modelo de mercado e os sobrecarregando com uma nova burocracia virtual em prol de uma escola voltada para a competição, comparação e performatividade.
  • MARIA APARECIDA VIEIRA DE MELO
  • O DISCURSO SOBRE O POSICIONAMENTO INTERCULTURAL DO SUJEITO NA POLÍTICA NACIONAL DO LIVRO DIDÁTICO PARA EDUCAÇÃO DO CAMPO
  • Data: 12/11/2020
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • A educação, enquanto prática social, posiciona os sujeitos sociais de diferentes modos conforme pode ser verificado ao longo da história brasileira e latino-americana. Recentemente, constatou-se o aparecimento de uma ordem discursiva que prima pela diferença e diversidade cultural na educação. Esse acontecimento se faz sentir no território da educação do campo por meio dos movimentos sociais onde os sujeitos do campo assumem posições e funções afirmativas de valorização de seus direitos, de sua cultura, de seus saberes e comprometimentos com a transformação social, rompendo, assim, com o discurso hegemônico sobre a educação no seio da cultura das elites dominantes. Nesse contexto, a interculturalidade, enquanto estratégia de fortalecimento dos movimentos sociais do campo, insere-se numa ótica contra hegemônica e decolonial. Considerando esse pressuposto, esta pesquisa tem como tese a assertiva de que a interculturalidade funciona como um princípio orientador da posição do sujeito do campo na Política Nacional do Livro Didático. Assim, seu objetivo geral visa analisar o posicionamento intercultural do sujeito campesino na ordem do discurso da educação do campo e, como objetivos específicos mapear os textos-fontes que fundamentam o PNLD/campo; identificar as séries de signos que evidenciam as diferentes posições do sujeito do campo; descrever os feixes de relações que especificam a posição do sujeito do campo; elucidar ordens discursivas relacionadas à posição intercultural do sujeito do campo e, por fim, explicitar o funcionamento da interculturalidade como princípio orientador da feitura da PNLD. A caixa de ferramenta teórica/metodológica adotada é a análise arqueológica do discurso de Michel Foucault (2008), a qual, nos oferece condições de responder as seguintes indagações: que feixes de relações são acionados na PNLD para definir as posições dos sujeitos do campo? Que séries de signos constituem a ordem discursiva da PNLD? Quais os correlatos da interculturalidade demarcam a posição do sujeito do campo? As fontes iniciais desta investigação são: PNLD – 2013 e 2016. Alguns achados da PNLD apontam a posição intercultural do sujeito do campo, vinculadas à democracia, aos direitos humanos, a perspectiva decolonial e aos estudos culturais. Pois, a posição dos sujeitos do campo atravessa os sujeitos em suas singularidades e particularidades, dando ênfase as suas diferenças em meio a diversidade intercultural da qual se posicionam na política nacional do livro didático para educação do campo.
  • ALINE FREIRE FALCÃO
  • CLASSE HOSPITALAR NA PEDIATRIA: CONTRIBUIÇÕES DE UMA AÇÃO INTERDISCIPLINAR
  • Data: 10/11/2020
  • Hora: 09:30
  • Mostrar Resumo
  • RESUMO No período de hospitalização, a criança/adolescente se distancia de suas atividades diárias e passa a se inserir em um ambiente complexo com vários procedimentos dolorosos e com barulhos constantes, caracterizando um contexto diferente de sua rotina habitual e também de seu convívio familiar e social. É na Classe Hospitalar, que se garante a possibilidade de pacientes/alunos serem acolhidos na continuidade dos processos escolares. Este estudo trata-se de uma pesquisa bibliográfica, de campo, com abordagem qualitativa, com o objetivo de investigar a percepção dos integrantes do projeto de extensão “Atendimento a Criança e ao Adolescente Hospitalizado”, da equipe interdisciplinar da pediatria diante as abordagens realizadas pelo projeto no Hospital Universitário em João Pessoa- PB. Procuramos identificar métodos que integrem a equipe interdisciplinar, no qual o pedagogo e profissionais de saúde contribuem no processo de escolarização e aprendizagem das crianças/adolescentes, visando também, analisar a importância da classe hospitalar na melhoria do estado geral das crianças/adolescentes. Esta pesquisa foi aprovada pelo comitê de Ética com CAEE de nº 30420220.0.0000.5183. Após a aprovação do comitê de ética em Pesquisa do Hospital Universitário Lauro Wanderley, foi iniciado o processo de coleta de dados realizado de forma individual, mediante um instrumento e apresentação do TCLE, onde foi usado pelo pesquisador o registro escrito, em local apropriado e livre de interrupções, no Hospital Universitário Lauro Wanderley, na Universidade Federal da Paraíba, localizado no município de João Pessoa/PB. Foi aplicado um questionário semiestruturado com 6 participantes, escolhidos por conveniência, distribuídos entre os integrantes do Projeto Atendimento a Criança e ao Adolescente Hospitalizado e os profissionais de saúde presentes no momento da coleta no ano de 2020. Em seguida, foi realizado a análise pelo conteúdo das falas dos participantes, através do método de Bardin. O trabalho obedeceu às normas e diretrizes regulamentadas pela resolução 466/12, que regem as pesquisas envolvendo seres humanos. Esperamos com este estudo colaborar para o aprendizado em ambientes fora do contexto escolar, promovendo um cuidado integral e humanizado dessas crianças/adolescentes em um ambiente hospitalar, no qual compreendemos que, todos os profissionais corroboram com aptidão e interesse na execução do atendimento, visto que é algo que proporciona atividades práticas pedagógicas lúdicas que rebuscam os momentos escolares com mais sutileza dentro do serviço de internação.
  • SARA BARROS MONTEIRO DE CARVALHO
  • PEDAGOGIA JURÍDICA: A ATUAÇÃO DE PEDAGOGAS NAS EQUIPES MULTIDISCIPLINARES DO FÓRUM DA INFÂNCIA E JUVENTUDE DE JOÃO PESSOA-PB
  • Data: 30/10/2020
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • Diante das novas configurações pedagógicas que se instalam em diferentes espaços sociais, o(a) Pedagogo(a) tem assumido a demanda de atuação no âmbito jurídico, visando preservar o estado de desenvolvimento da criança e do adolescente no processo da proteção e promoção de direitos e deveres, especificamente após a promulgação da Lei de nº. 8.069, de 13 de julho de 1990, que constituiu o Estatuto da Criança e do Adolescente (BRASIL, 1990). Desse modo, a presente pesquisa se estrutura em torno do objetivo de investigar as concepções e processos de atuação de cinco Pedagogas junto às equipes multidisciplinares do Fórum da Infância e Juventude da comarca de João Pessoa-PB, desdobrando reflexões sobre uma perspectiva emergente de conceitos e práticas reconhecidas, atualmente, como Pedagogia Jurídica, um âmbito do trabalho pedagógico não escolar que instiga a ressignificação do que se compreende por Pedagogia e profissão de Pedagogo(a). Utilizaram-se como base teórica os estudos de pesquisadores como Rizzini e Pilotti (2011), Pimenta (1996; 2002), Libâneo (1998; 2005; 2006), Severo (2015; 2016; 2017; 2019), Melo e Santos (2015), Saviani (2007), Padilha (2008), Moura e Zucchetti (2006; 2019), Moura, Zucchetti e Menezes (2014), entre outros. A pesquisa foi desenvolvida numa abordagem qualitativa, inspirada por uma epistemologia construtivista com base no Interacionismo Simbólico, fundamentado em Blumer (1986). Como estratégia para coleta de dados, usou-se a entrevista semiestruturada, adotando para sua interpretação o método de Análise de Conteúdo (AC), conforme Bardin (2011). Os resultados apresentados apontam que as práticas de atuação das entrevistadas apresentam um viés social, buscando desenvolver com as partes (litigante e litigados) das ações judiciais um processo de aprendizagem por meio de uma reflexão ou mediação pedagógica, utilizando, para tanto, instrumentos como roteiro de entrevista, questionários, pareceres e relatórios, que facilitam a produção e organização de informações necessárias para subsidiar a conduta jurídica envolvendo cada situação analisada, entre outras ações de natureza educativas desenvolvidas extraprocessualmente. Além disso, apresentou-se uma avaliação das formações recebidas pelas entrevistadas em relação ao curso de licenciatura em Pedagogia, tendo sido indicado um desconhecimento sobre a temática da Educação Não Escolar, além da falta de vivência nesse âmbito, fato que dificultou a atuação inicial da entrevistadas no espaço da Justiça. Outro dado relevante é a falta de administração por parte da instituição a fim de capacitar as profissionais para o encaminhamento das demandas recebidas. Embora reconheçam a especificidade pedagógica do seu fazer profissional, as entrevistadas destacam desafios para se legitimarem nas equipes multidisciplinares, sinalizando caminhos para fortalecimento do espaço da atuação de pedagogos(as) no âmbito judiciário.
  • ALINE RODRIGUES DE ALMEIDA
  • A EDUCAÇÃO ENQUANTO EXPERIÊNCIA COMUNITÁRIA E A ESCOLA VIVA OLHO DO TEMPO: O PARTILHAR DE SABERES EM UMA RODA DE SONHOS POSSÍVEIS
  • Data: 21/10/2020
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • Este estudo buscou analisar a concepção de educação enquanto experiência comunitária, na perspectiva da Educação Popular, com base em seus pressupostos teórico-metodológicos e a partir das experiências de sujeitos e grupos sociais. Para tanto, partimos dos caminhos em que se constituem os saberes de experiência, permeados pelo sentir, pensar e agir dos indivíduos, em relação com os seus pares e com o meio ambiente ao seu redor, tendo como campo de pesquisa a Escola Viva Olho Tempo (EVOT), localizada na comunidade Vale do Gramame, em João Pessoa, Paraíba. Estes escritos foram direcionados por uma visão de mundo que se forjou ao longo da vida, nas “andarilhagens” pelas experiências de educação comunitária, que permitiram questionamentos e inquietações em torno da educação tradicional eurocêntrica. A perspectiva teórica que orientou o estudo foi a da Educação Popular e Educação Comunitária, fundamentando-se em Freire (1981; 1989; 2000; 2005; 2010; 2015), Wanderley (2010), Mejía (2018), Streck (2010), Streck e Esteban (2013), Streck, Redin e Zitkoski (2016), Carrillo (2013), Brandão (1982; 1988; 2002; 2006) e Carneiro (1987; 1988). Com base nesse referencial teórico e na pesquisa participante realizada com os sujeitos da EVOT, identificamos e discutimos indícios dessa concepção de educação, considerando esse outro pensamento educacional a partir das contribuições latino-americanas para delimitar a compreensão de ser humano, mundo, sociedade e educação, partindo dos caminhos pelos quais se constituem os saberes de experiência. Por fim, analisamos os espaços de construção de saberes comunitários na EVOT e suas contribuições sociopedagógicas no sentido de pensar em como a educação fortalece a vida comum e orienta para a emancipação humana. Destacamos o caráter qualitativo desta pesquisa, realizada através da observação participante na escola em questão, com utilização de diários e notas de campo (BOGDAN; BIKLEN, 1999). A análise dos dados foi feita com base nesses instrumentos e de acordo com as categorias freireanas: Diálogo, Esperança, Emancipação e Saberes (FREIRE, 1992; 2005; 2009). Os resultados da pesquisa apontaram para a possibilidade e efetividade da educação enquanto experiência comunitária, permitindo a construção de outros caminhos possíveis, diferindo do pensamento hegemônico e trazendo à tona uma proposta de educação libertadora que insurge junto aos sujeitos e grupos sociais. Concluímos, também, que a práxis que orienta essa concepção educativa forja-se em fundamentos próprios, que revelam a proximidade com a Educação Popular. A aproximação com as experiências da EVOT revelou elementos que afirmam a concretude de sua práxis, permeada por preceitos emancipadores responsáveis por modificarem as bases da educação e propor novos paradigmas para a transformação do cenário atual. Desse modo, esperamos contribuir com a educação, ao provocar reflexões e inquietações diante dessa outra realidade possível, motivando nas e nos profissionais, pensadoras e pensadores da educação, a esperança pela transformação das suas comunidades, de seus grupos, instituições, de seus espaços de vida.
  • JERUSA PEREIRA DE ANDRADE
  • JOVENS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA CULTURA DIGITAL: CONEXÕES COM LETRAMENTOS, SOCIABILIDADES E APRENDIZAGENS
  • Data: 07/10/2020
  • Hora: 10:00
  • Mostrar Resumo
  • Nesta tese, tem-se o propósito de investigar, junto aos jovens da Educação de Jovens e Adultos (EJA), os processos de letramentos, sociabilidades e aprendizagens que emergem do uso dos dispositivos móveis ligados à internet, no contexto de uma sociedade marcada por desigualdades sociais. Os jovens da EJA pertencentes às camadas populares, embora participem, de forma limitada, da sociedade do consumo, ao apropriarem-se do celular tipo smartphone, não se diferenciam de outros jovens melhor situados socialmente demostrando, assim, nesse contexto, disposição e potencialidade para interagir com distintos grupos na recepção, produção e reprodução de informações, comunicações, saberes e linguagens. A hipótese de estudo é a de que os jovens da pesquisa se valem dos dispositivos móveis para interagir e ampliar suas redes de comunicação com o mundo, cabendo à escola o papel de possibilitar o acesso ao conhecimento formal e crítico. As evidências foram capturadas na aproximação da pesquisadora com a escola, inspirada na pesquisa qualitativa e na abordagem etnográfica, por meio da observação, da escuta, do diálogo e da entrevista de grupo focal com os jovens enturmados no Ensino Médio na Modalidade EJA. As tecnologias digitais são vistas de um lado, sob a ótica de teorias que apostam em benefícios da autoria e na democratização do saber e, de outro lado, de teorias que acreditam em vantagens e desvantagens sobre riscos e incertezas. Para fundamentar as discussões sobre os achados, procurou-se dialogar com as contribuições teóricas de Bauman (2008), Buckingham (2010), Charlot (2000, 2001), Freire (1987, 2015), Kleiman (1995, 2010, 2016), Lévy (1998), Simmel (1983), entre outras. A hipótese confirma-se com os relatos dos jovens da pesquisa que admitem a apropriação do dispositivo móvel, o celular, para a obtenção de letramentos formais e informais, em diferentes práticas sociais, para a produção de sociabilidades com grupos de afinidades e pertencimentos ligados ao lúdico e ao entretenimento. Além disso, esses jovens utilizam o celular para a aquisição de aprendizagens em relação ao mundo interconectado pela cultura digital, remetendo-os à inserção em programas de benefícios sociais, em políticas públicas e na resolução de questões relacionadas ao exercício da cidadania. Entretanto, esses jovens se queixam do uso adverso do celular para veicular fake news, atos de violência e destruição. Ainda, denunciam a escassez de infraestrutura de suporte à conexão online capaz de potencializar a mediação pedagógica escolar para o alcance de conhecimentos referentes aos diversos campos. Outra demanda trazida por esses sujeitos da pesquisa se refere ao papel da escola no desenvolvimento da consciência crítica e ética.
  • JERUSA PEREIRA DE ANDRADE
  • JOVENS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA CULTURA DIGITAL: CONEXÕES COM LETRAMENTOS, SOCIABILIDADES E APRENDIZAGENS
  • Data: 07/10/2020
  • Hora: 10:00
  • Mostrar Resumo
  • Nesta tese, tem-se o propósito de investigar, junto aos jovens da Educação de Jovens e Adultos (EJA), os processos de letramentos, sociabilidades e aprendizagens que emergem do uso dos dispositivos móveis ligados à internet, no contexto de uma sociedade marcada por desigualdades sociais. Os jovens da EJA pertencentes às camadas populares, embora participem, de forma limitada, da sociedade do consumo, ao apropriarem-se do celular tipo smartphone, não se diferenciam de outros jovens melhor situados socialmente demostrando, assim, nesse contexto, disposição e potencialidade para interagir com distintos grupos na recepção, produção e reprodução de informações, comunicações, saberes e linguagens. A hipótese de estudo é a de que os jovens da pesquisa se valem dos dispositivos móveis para interagir e ampliar suas redes de comunicação com o mundo, cabendo à escola o papel de possibilitar o acesso ao conhecimento formal e crítico. As evidências foram capturadas na aproximação da pesquisadora com a escola, inspirada na pesquisa qualitativa e na abordagem etnográfica, por meio da observação, da escuta, do diálogo e da entrevista de grupo focal com os jovens enturmados no Ensino Médio na Modalidade EJA. As tecnologias digitais são vistas de um lado, sob a ótica de teorias que apostam em benefícios da autoria e na democratização do saber e, de outro lado, de teorias que acreditam em vantagens e desvantagens sobre riscos e incertezas. Para fundamentar as discussões sobre os achados, procurou-se dialogar com as contribuições teóricas de Bauman (2008), Buckingham (2010), Charlot (2000, 2001), Freire (1987, 2015), Kleiman (1995, 2010, 2016), Lévy (1998), Simmel (1983), entre outras. A hipótese confirma-se com os relatos dos jovens da pesquisa que admitem a apropriação do dispositivo móvel, o celular, para a obtenção de letramentos formais e informais, em diferentes práticas sociais, para a produção de sociabilidades com grupos de afinidades e pertencimentos ligados ao lúdico e ao entretenimento. Além disso, esses jovens utilizam o celular para a aquisição de aprendizagens em relação ao mundo interconectado pela cultura digital, remetendo-os à inserção em programas de benefícios sociais, em políticas públicas e na resolução de questões relacionadas ao exercício da cidadania. Entretanto, esses jovens se queixam do uso adverso do celular para veicular fake news, atos de violência e destruição. Ainda, denunciam a escassez de infraestrutura de suporte à conexão online capaz de potencializar a mediação pedagógica escolar para o alcance de conhecimentos referentes aos diversos campos. Outra demanda trazida por esses sujeitos da pesquisa se refere ao papel da escola no desenvolvimento da consciência crítica e ética.
  • ARMANDO DANTAS DE BARROS FILHO
  • POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO EM PRISÕES (2011-2020): CONQUISTAS E DESAFIOS NO ESTADO DE PERNAMBUCO
  • Data: 30/09/2020
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • A pesquisa objetivou compreender como as políticas públicas para educação em prisões, em Pernambuco, estão sendo implementadas. Partiu de uma revisão sistemática da literatura sob a ótica da Educação em Direitos Humanos, mediante análise do sistema prisional e suas dificuldades para a implementação do direito à educação. Para tanto, discute as políticas educacionais a partir da Constituição Federal de 1988 e de seus efeitos democráticos na emergência do diálogo sobre a educação em prisões no Brasil. A Teoria Crítica constitui-se no referencial de análise privilegiado deste trabalho, subsidiado pelas contribuições da Pedagogia Social Crítica e sua relação com a Educação em Direitos Humanos, ampliando o diálogo com os autores que estudam a EJA em prisões na atualidade. Trata-se de uma pesquisa qualitativa, caracterizada por um estudo descritivo de caso, com recorte temporal das políticas educacionais em prisões no período de 2011 a 2020, envolvendo dados quantitativos e predominantemente qualitativos. Adotou como campo de pesquisa 20 escolas situadas em unidades prisionais de Pernambuco e utilizou como instrumento de coleta de dados entrevistas semi-estruturadas. Participaram da pesquisa 12 professores (as), 04 gestores (as) escolares, 01 coordenador da educação em prisões, 04 diretores (as) de unidades prisionais, além de 01 representante da gestão estadual da educação e 01 do sistema penitenciário. Para análise dos dados foi escolhida a técnica da Análise de Conteúdo com o foco na Análise Categorial. Os resultados quantitativos revelaram que a média da oferta em atividades educacionais em Pernambuco é 33,74%, representando a terceira maior oferta educacional em prisões, até dezembro de 2019, em todo o país. Na ótica qualitativa, os resultados apontaram as subjetividades na EJA em prisões em Pernambuco, revelando os interesses dos estudantes no processo escolar. As contribuições da EJA em prisões são evidenciadas na percepção dos profissionais da educação e do sistema penitenciário. No âmbito pedagógico, os entrevistados ressaltam os entraves e contributos à EJA em prisões. São reveladas as interfaces institucionais das políticas educacionais em prisões. Os limites e possibilidades na educação em prisões são destacados pelos atores sociais. Entre eles, destacam-se como limitações a relação com os agentes penitenciários e a falta de estrutura física e pedagógica adequada. Com relação às possibilidades destacam-se as ações conjuntas entre as secretarias de educação e de ressocialização, a criação de uma coordenação da educação em prisões e a ampliação da oferta escolar. Outro limite da política refere-se à descontinuidade da parceria entre o MEC e DEPEN a partir de 2017, comprometendo as metas pactuadas pelo Plano Estadual de Educação em Prisões. Por fim, outro resultado encontrado está relacionado a evolução da escolarização da educação em prisões no âmbito da educação básica, profissional e superior em Pernambuco. Conclui-se que a EJA em prisões apresenta avanços quantitativos, porém os maiores desafios são de ordem qualitativa, tais como: valorização do trabalho docente, estruturação física e pedagógica das escolas e pouca oferta de níveis mais elevados de escolarização. As análises e discussões na EJA em prisões revelaram novos desafios científicos, como o desenvolvimento de indicadores qualitativos para educação em prisões e a adesão das universidades públicas, no ensino e extensão, presencial e/ou à distância, nos contextos de restrição e privação de liberdade. Pretende-se dar continuidade a esses estudos.
  • ALCIDESIO OLIVEIRA DA SILVA JUNIOR
  • “DEU MATCH NO TINDER!”: APLICATIVO VIRTUAL DE PAQUERA COMO PEDAGOGIA CULTURAL
  • Data: 28/09/2020
  • Hora: 18:00
  • Mostrar Resumo
  • Sociedade midiática dos selfs meticulosamente planejados, mundo globalizado, corpos que se (re)aproximam por similaridades nas buscas por afetos... Nesta efervescência tecnológica surge em 2012 o Tinder, um aplicativo de paquera que busca promover combinações e encontros entre seus/suas usuários/as. Estas formas contemporâneas de pensarmos (e vivermos) os relacionamentos e de concebermos as práticas na busca de parceiros atuam na construção das subjetividades, apontando para novos modos de ser e de se pensar as relações de gênero, bem como as identidades culturalmente construídas por meio de práticas pedagógicas que rompem os muros institucionais das escolas e das universidades – os chamados espaços formais de educação. Assim, problematizo nesta pesquisa, inserida no campo dos Estudos Culturais da Educação em interface com os Estudos de Gênero e de Sexualidade: de que forma o Tinder opera como uma pedagogia cultural de gênero e de sexualidade entre os homens que buscam experiências e/ou relacionamentos (homos)sexuais? Por meio de uma inspiração etnográfica virtual de 06 meses, busco como objetivo principal analisar de que modo a (re)produção de gênero e de sexualidade é experienciada no aplicativo, compreendendo os corpos que ali se fazem presentes como currículos em um cenário pedagógico de subjetivação. Os resultados dessa pesquisa apontam para três lições que são marcantes no Tinder: 1) aprendizagens quanto à exibição de si por meio da centralidade das imagens na composição de estratégias que nomeio de estímulos-affectum; 2) aprendizagens quanto ao amor e a efemeridade dos laços afetivos que chamo de pedagogia do descarte; e 3) aprendizagens de supervalorização de uma masculinidade hegemônica e valorização de uma cultura heteronormativa. Assim, compreendo o Tinder como uma potente pedagogia cultural de gênero e de sexualidade, uma grande escola dos desejos das relações afetivas e sexuais mediadas pela internet, atuando nas experiências dos homens e nos seus modos de ser e estar no mundo.
  • KARINA MARIA DE SOUZA SOARES
  • A POPULAÇÃO NEGRA NOS LIVROS DIDÁTICOS DE BIOLOGIA: UMA ANÁLISE AFROCENTRADA POR UMA EDUCAÇÃO ANTIRRACISTA
  • Data: 18/09/2020
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • O Brasil se destaca como uma das maiores populações multirraciais do mundo e abriga um contingente significativo de descendentes de africanos dispersos pela diáspora, como, também, é palco das grandes desigualdades sociorraciais que persistem nas diferentes esferas da sociedade, sobretudo na educação. Trata-se de uma nação resultante de um processo histórico formado com base no escravismo e com consequências deletérias para população negra. Reconhecer essas injustiças e o modo como foram estruturadas permite um olhar crítico de educadores na elaboração de estratégias significativas em prol de uma educação não hierárquica que respeite e celebre a variedade de perspectivas culturais existentes na comunidade escolar. Esta tese apresenta uma nova concepção de discussão para os conteúdos presentes nos livros didáticos de Biologia do Ensino Médio como proposta de fomento a uma educação antirracista com base nos princípios epistemológicos da Teoria da Afrocentricidade. A problematização nos direcionou a questionar: Os livros didáticos de Biologia do Ensino Médio contemplam problemáticas referentes à população negra de forma a permitir que essas pessoas sejam compreendidas em sua historicidade, cultura e modos de vida social e econômico? O objetivo geral consistiu em analisar nos livros didáticos de Biologia aproximações e distanciamentos entre as narrativas sobre a população negra e o paradigma da Afrocentricidade. Já os objetivos específicos foram: analisar nos livros didáticos de Biologia a relação entre as narrativas sobre o negro e a educação para relações étnico-raciais; investigar o compromisso com o léxico no combate ao racismo linguístico nos livros didáticos de Biologia; e, por último, localizar marcas do discurso eurocêntrico nos livros didáticos de Biologia do Ensino Médio. A pesquisa baseou-se na abordagem qualitativa e os procedimentos metodológicos bibliográficos adotaram, como proposta epistemológica para análise dos dados coletados, a Teoria da Afrocentricidade com base em suas categorias analíticas, a partir da contribuição de teóricos e pesquisadores, como Asante (2003; 2009; 2019), Karenga (2009), Diop (2010), Munanga (2004; 2012; 2019), Mazama (2009), Finch III (2009), Rabaka (2009), Nascimento (2009; 2014), entre outros. Os resultados demonstraram que as duas coleções didáticas selecionadas pelo PNLD 2018, que são as mais distribuídas pelas escolas da rede pública de Ensino Médio e que constituíram nosso campo empírico de investigação, divergem na discussão da temática étnico-racial nos conteúdos didáticos. Na coleção “Biologia Moderna”, evidenciamos o caráter eurocêntrico, racista, objetivo e acrítico na abordagem do conhecimento que a distancia dos princípios afrocêntricos. Na coleção “Biologia Hoje”, observamos que as aproximações em relação ao paradigma da Afrocentricidade estão presentes, porém de forma eventual. Constatamos a fragilidade que ainda se faz presente nesses materiais pedagógicos no que se refere a uma abordagem que contemple os diversos grupos sociais como significativos para construção do conhecimento, como, também, os limites dos programas de avaliação de livros didáticos pelo governo brasileiro em relação à falta de coerência com o que está preconizado em seus editais de seleção. Assim, concluímos, que a ideia afrocêntrica para educação, enquanto proposta epistemológica inovadora contra hegemônica, oferece à comunidade negra a centralidade de sua história, ciência e cultura na abordagem dos conhecimentos biológicos.
  • DOUGLAS WILLIAM QUIRINO PEREIRA
  • EDUCAÇÃO POPULAR E ENCARCERAMENTO: UM ESTUDO SOBRE REMIÇÃO PELA LEITURA NO PRESÍDIO DESEMBARGADOR SÍLVIO PORTO EM JOÃO PESSOA/PB
  • Data: 31/08/2020
  • Hora: 10:00
  • Mostrar Resumo
  • A educação para pessoas em situação de restrição e privação de liberdade no cenário político brasileiro é discutida sobre o olhar de duas grandes vertentes. A primeira diz respeito aos objetivos da execução penal e, com efeito, a ressignificação do caráter punitivo da pena pela possibilidade de medidas que contemplem direitos remanescentes à privação de liberdade. A segunda é de que a educação para esse público perpassa pela política de Educação de Jovens e Adultos em termos estruturais e metodológicos. Assim, a legitimidade da remição de pena aparece nesse cenário como fator emergente e proporciona às unidades prisionais a possibilidade de dinamizar as atividades educacionais a partir de objetivos mais coerentes com o processo da socioeducação dos sujeitos encarcerados. Dessa forma, essa pesquisa tem o objetivo de compreender os significados construídos por sujeitos em situação de privação de liberdade participantes de atividades de leitura na penitenciária Desembargador Silvo Porto, na cidade de João Pessoa/PB, em relação à experiência de remição pela leitura. Para isso, inspirados em princípios da Educação Popular como corrente educacional que contribuiu para elucidar processos formativos das práticas de leitura estudadas, utilizou-se a observação participante e as entrevistas semiestruturadas como forma de produção dos dados qualitativos da pesquisa, doravante, o tratamento destes em termos de interpretação e análise baseou-se nas orientações de análises dos dados qualitativos pensadas por Gibbs (2009). Consoante, a partir das reflexões do fazer científico possibilitado pelo Interacionismo Simbólico enquanto corrente epistemológica que direcionou o movimento das investigações aqui postuladas, chegou-se a alguns resultados discursivos, a saber: 1) a função do cárcere é (re)pensada pelos apenados como explicitação punitiva e forma disciplinar do comportamento e da prática social; 2) A oportunidade de realização de leituras no ambiente penitenciário proporciona ressignificação da experiência carcerária ilustrando possíveis cenários de uma execução de pena melhor conjecturada em termos de sócio educação e; 3) O projeto de remição por leitura se mostra como motivacional e elucidativo de práticas mais eficazes de educação e formação de leitores no espaço da prisão.
  • MARIA SELMA SANTOS DE SANTANA
  • A relação entre educação escolar e ação cultural e política em Sapé/PB através de um olhar para a história do líder camponês João Pedro Teixeira
  • Data: 28/08/2020
  • Hora: 15:00
  • Mostrar Resumo
  • Nesta dissertação investigou-se a relação entre educação e ação cultural e política presentes nos espaços educativos da rede municipal de ensino de Sapé, Paraíba, com destaque para a semana das ligas camponesas como parte das atividades docentes do mês de julho. O objetivo é o de ver os resultados de tirar do esquecimento a história de liderança do camponês João Pedro Teixeira, atuante no movimento das Ligas Camponesas, nas décadas de 1950 e 1960, nesse território vasto de disputas culturais e politicas. A pesquisa ancorou-se em fundamentos teórico-metodológicos da Educação Popular, por meio de uma abordagem qualitativa, de caráter exploratório, de acordo com os pressupostos do Paradigma Indiciário. Foram utilizados práticas docentes, observações, pesquisa bibliográfica, entrevistas semiestruturadas e grupos focais, realizados com professores de duas escolas municipais, uma urbana, outra rural. Os elementos empíricos trouxeram alguns resultados supostos, como também indagações propondo investigações futuras, o que reafirma a complexidade do fenômeno pesquisado. Identificou-se que a experiência vivida por João Pedro Teixeira na Liga Camponesa de Sapé compõe ações culturais, políticas e educativas importantes para o currículo e práticas pedagógicas da rede municipal de ensino. Há a permanência de intenso debate gerado entre professores e destes com os alunos do sistema escolar, a partir dessa memória pautada em conflitos e disputa de narrativas presentes na história local. A semana das ligas camponesas rompe as ondas do “silêncio” mantidas por uma cultura que se afirma na negação desses e de outros saberes e conflitos históricos e culturais da população de Sapé. Segundo os professores, os alunos demonstram interesse pelo tema, interagindo nos debates, construindo e reconstruindo conhecimentos e indagações da oralidade, com perspectivas de ampliação da compreensão desse tema. Percebe-se uma diferença em relação aos sentidos atribuídos à semana das ligas camponesas entre as escolas do campo e as escolas urbanas.
  • ALEXANDRE NASCIMENTO DA SILVA
  • O impacto econômico-financeiro do FIES para as instituições de ensino superior privado no período de 199-2016
  • Data: 28/08/2020
  • Hora: 10:00
  • Mostrar Resumo
  • A presente pesquisa teve por objetivo geral analisar as políticas públicas de financiamento do ensino superior privado e suas implicações no processo de reconfiguração da educação superior no Estado da Paraíba, no período de 1999 a 2018. Como ponto de partida, levou-se em consideração a abertura e a desregulamentação do mercado educacional alusivamente ao ensino superior privado e à mercantilização das relações educativas. Com efeito, verificou-se que o lado mais visível dessas políticas de financiamento apontou para a mercantilização do conhecimento científico, com base em orientações dos organismos internacionais. Para tanto, procedeu-se a um rigoroso estudo dos programas de expansão e de financiamento, mais especificamente o Fundo de Financiamento Estudantil (FIES), procurando-se apreender as origens, as alterações, o funcionamento e a sustentabilidade financeira do programa. Com fundamento em dados oficiais atinentes a recursos financeiros, matrículas, evasão, pôde-se avançar na compreensão do papel do FIES na reconfiguração do ensino superior no Estado da Paraíba, lócus do estudo. Para essa investigação, optou-se por desenvolver uma pesquisa de cunho predominantemente qualitativo, com base na pesquisa bibliográfica e documental, como também incorporar análise quantitativa, envolvendo medidas de correlação estatística. A análise e a discussão dos dados demonstraram ter havido: um processo significativo de expansão do ensino superior no período analisado, com forte indução de matrículas privadas e consequente mercantilização do ensino; a descentralização das instituições privadas por diversas microrregiões do Estado e o ingresso de grandes grupos educacionais, com a incorporação de instituições locais, indicando avanço na oligopolização do ensino superior paraibano. Por fim, revelou-se que, a despeito de aumento no financiamento público, as taxas de evasão no ensino privado põem em dúvida a qualidade da oferta de vagas nesse segmento.
  • EDILEUDA SOARES DINIZ
  • OS IMPACTOS DA EXPANSÃO DO REUNI NA UFPB/CAMPUS I: O CASO DO CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS (2006 – 2015)
  • Data: 30/07/2020
  • Hora: 15:00
  • Mostrar Resumo
  • Analisa a expansão da educação superior pública e os impactos provenientes da implementação do Programa de Reestruturação e Expansão das Universidades Federais (REUNI) proposto pelo Governo Federal em 2007 na Universidade Federal da Paraíba (UFPB)/CAMPUS I. Busca apreender a perspectiva dos docentes acerca desses impactos no contexto da expansão da educação superior e o REUNI como política de expansão. Questiona-se: que impactos e implicações o REUNI traz para a UFPB/CAMPUS I? Para tanto, realiza um estudo de caso no Centro de Ciências Sociais Aplicadas (CCSA), sob o viés da investigação qualitativa com o apoio do quantitativo cujo método de análise ancora-se no fundamento da Fenomenologia. Como categorias de análise teórica, elencamos: Educação Superior e Expansão. A pesquisa empírica, por sua vez, é desenvolvida por intermédio das entrevistas semi-estruturadas com 8 docentes que se constitui a amostra do estudo, bem como pela consulta aos documentos institucionais e oficiais. A análise dos dados é realizada sob o amparo da Fundamentação Teórica acerca da temática expansão da educação superior no Brasil cuja leitura para a compreensão inicial é feita nas produções acadêmicas apresentadas e publicadas na Associação Nacional de Pós-graduação em Educação (ANPED) no Grupo de Trabalho (GT) 11 Política de Educação Superior bem como nos textos oriundos da Rede Universitas/BR a fim de reconhecer as perspectivas teóricas e metodológicas apresentadas nesse lócus de produção. Por fim, conclui-se que o impacto do REUNI no âmbito do CCSA na UFPB/CAMPUS I, vincula-se à proposta de reformulação tanto na parte de reestruturação acadêmico curricular quanto na estrutural, que contribuiu não só com melhorias infraestruturais do Centro, mas, igualmente acentuou problemas de cunho burocrático-administrativos capazes de afetar a efetividade da formação profissional em nível de graduação, principalmente, na medida em que o professor precisou atender à demanda de atividades para além do ensino, da pesquisa e da extensão, o que acarretou no aumento excessivo de suas funções.
  • EDILEUDA SOARES DINIZ
  • OS IMPACTOS DA EXPANSÃO DO REUNI NA UFPB/CAMPUS I: O CASO DO CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS (2006 – 2015)
  • Data: 30/07/2020
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • Analisa a expansão da educação superior pública e os impactos provenientes da implementação do Programa de Reestruturação e Expansão das Universidades Federais (REUNI) proposto pelo Governo Federal em 2007 na Universidade Federal da Paraíba (UFPB)/CAMPUS I. Busca apreender a perspectiva dos docentes acerca desses impactos no contexto da expansão da educação superior e o REUNI como política de expansão. Questiona-se: que impactos e implicações o REUNI traz para a UFPB/CAMPUS I? Para tanto, realiza um estudo de caso no Centro de Ciências Sociais Aplicadas (CCSA), sob o viés da investigação qualitativa com o apoio do quantitativo cujo método de análise ancora-se no fundamento da Fenomenologia. Como categorias de análise teórica, elencamos: Educação Superior e Expansão. A pesquisa empírica, por sua vez, é desenvolvida por intermédio das entrevistas semi-estruturadas com 8 docentes que se constitui a amostra do estudo, bem como pela consulta aos documentos institucionais e oficiais. A análise dos dados é realizada sob o amparo da Fundamentação Teórica acerca da temática expansão da educação superior no Brasil cuja leitura para a compreensão inicial é feita nas produções acadêmicas apresentadas e publicadas na Associação Nacional de Pós-graduação em Educação (ANPED) no Grupo de Trabalho (GT) 11 Política de Educação Superior bem como nos textos oriundos da Rede Universitas/BR a fim de reconhecer as perspectivas teóricas e metodológicas apresentadas nesse lócus de produção. Por fim, conclui-se que o impacto do REUNI no âmbito do CCSA na UFPB/CAMPUS I, vincula-se à proposta de reformulação tanto na parte de reestruturação acadêmico curricular quanto na estrutural, que contribuiu não só com melhorias infraestruturais do Centro, mas, igualmente acentuou problemas de cunho burocrático-administrativos capazes de afetar a efetividade da formação profissional em nível de graduação, principalmente, na medida em que o professor precisou atender à demanda de atividades para além do ensino, da pesquisa e da extensão, o que acarretou no aumento excessivo de suas funções.
  • ISABELLE SERCUNDES SANTOS
  • A CRIANÇA COM TRANSTORNO DO ESPECTRO AUTISTA NA SALA REGULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL: das políticas de educacionais às práticas pedagógicas em João Pessoa-PB
  • Data: 30/06/2020
  • Hora: 15:00
  • Mostrar Resumo
  • A presente pesquisa insere-se nas discussões concernentes à inclusão educacional, problematizando as políticas educacionais que orientam esse processo e as práticas pedagógicas desenvolvidas no contexto da Educação Infantil junto às crianças com Transtorno do Espectro Autista (TEA). Nesta direção, tomamos como objetivo geral compreender em que medida se efetiva a inclusão educacional de crianças com TEA na Educação Infantil. Para tanto, delimitamos os seguintes objetivos específicos: a) Investigar qual a natureza do processo educacional desenvolvido junto às crianças com TEA; b) Refletir sobre os avanços e desafios que desdobram-se das normativas que orientam a inclusão das crianças com TEA na Educação Infantil. A fundamentação teórica respalda-se nos pressupostos de estudiosos que abordam as questões referentes às políticas educacionais de inclusão e à Educação Infantil. O estudo tem enfoque qualitativo e constitui-se em pesquisa exploratória, abrangendo pesquisa documental e pesquisa empírica. Utilizamos como técnicas de coleta de dados entrevistas semiestruturadas em profundidade e observações participantes. O método que conduziu o exercício do pensamento para a compreensão da realidade estudada foi o Hermenêutico-dialético, à luz das contribuições da Teoria Histórico-Cultural. Nosso lócus de pesquisa foi um Centro de referência em Educação Infantil (CREI) em João Pessoa- PB. Nossos sujeitos abrangeram 6 crianças com TEA, 2 professoras das salas regulares, 5 cuidadoras, 1 diretora, 1 supervisora, 1 professora do Atendimento Educacional Especializado e 5 mães, totalizando 21 sujeitos. Os principais resultados apontaram que as práticas pedagógicas para a inclusão das crianças com TEA carecem de uma sistematização que oportunize mais participação dessas crianças e que considerem adequações curriculares de acordo com suas necessidades, a fim de oportunizar aprendizagem e desenvolvimento também nas salas regulares. Neste sentido, a presença das crianças com TEA no CREI pesquisado tem ainda caráter de integração, pois foi identificada a ênfase na socialização e no cuidar em detrimento do educar. Por fim, conclui-se que as políticas educacionais de inclusão avançaram significativamente no contexto nacional e local, ofertando recursos materiais e o apoio de profissionais para tornar espaços e informações acessíveis, o que tem ampliado progressivamente a presença de crianças com deficiências nas escolas públicas. Contudo tratando-se do público de crianças pequenas com TEA, necessitam de aprimoramento como formações permanentes que abordem com profundidade sobre a inclusão; priorização de profissionais especializados para o acompanhamento das crianças nas salas regulares e investimentos em materiais, tempos e espaços que permitam ao máximo brincar, aprender e se desenvolver.
  • JOAO PEDRO DOS ANJOS FIGUEIREDO
  • CAMINHOS DO PROTAGONISMO POPULAR: REFLEXÕES COM BASE EM EXPERIÊNCIAS NA COMUNIDADE JARDIM ITABAIANA EM JOÃO PESSOA-PB
  • Orientador : PEDRO JOSÉ SANTOS CARNEIRO CRUZ
  • Data: 30/06/2020
  • Hora: 15:00
  • Mostrar Resumo
  • A condução desta pesquisa se dá por um olhar curioso e afetuoso da Educação Popular sobre o caminho percorrido no desvelamento do protagonismo popular. Entende-se aqui o protagonista popular como um agente que visa a transformação da realidade a partir do conhecimento desta, e atua sobre a mesma. Alguém que a luta pela construção de uma sociedade baseada na justiça e igualdade. Esta pesquisa tem por objeitvo analisar os caminhos de construção do protagonismo popular com base em duas experiências na comunidade de Jardim Itabaiana em João Pessoa-PB; reconstituir historicamente as experiências de vida de duas protagonistas com atuação na referida comunidade e a partir disto identificar e problematizar os elementos emergentes da análise desse protagonismo popular pela perspectiva da Educação Popular. Foi realizada uma pesquisa na literatura da Educação Popular sobre o referido tema e para dialogar sobre o mesmo foram usados autores tais quais Calado (2014), por Valla (2009), Gadotti (2012), Freire (2011), Fernandes (2010), Paludo (2005), Cruz (2018), Torres (2007), Falcão (2018). Esta pesquisa é de natureza qualitativa (FLICK, 2009), propondo-se a utilização da técnica história de vida Santos e Santos (2008). A priori foi feita uma observação participante com Correia (2009) durante a atuação das duas protagonistas na Unidade de Saúde da Família Vila Saúde, e em seguida também realizou-se entrevistas semi estruturadas conduzida sob os preceitos da história de vida para que elas relatassem suas histórias de vida a fim de captarmos elementos que as trouxeram à condição de protagonistas. Ao final da pesquisa pode-se afirmar que dimensões como o cuidado, a empatia e a perpetuação dos saberes ancestrais contribuíram para a ascensão ao protagonismo popular nas duas pessoas acompanhadas. A prática da Educação Popular exercida pelas protagonistas em questão é uma revolução do amor, pelo amor, como deve fazer uma protagonista popular comprometida com as causas sociais. Buscando caminhos alternativos aos tradicionais, valorizando e fortalecendo os conhecimentos dos povos originários.
  • MARCILANE DA SILVA SANTOS
  • O PROCESSO DE IMPLEMENTAÇÃO DA POLÍTICA NACIONAL DE EDUCAÇÃO POPULAR EM SAÚDE NA PARAÍBA: ESTRATÉGIAS, DESAFIOS E PERSPECTIVAS DO COMITÊ ESTADUAL DE EDUCAÇÃO POPULAR EM SAÚDE DA PARAÍBA
  • Data: 29/06/2020
  • Hora: 15:00
  • Mostrar Resumo
  • Esta dissertação aborda o Processo de Implementação da Política Nacional de Educação Popular em Saúde no estado da Paraíba (PNEPS-SUS), tendo como objeto de pesquisa, o Comitê Estadual de Educação Popular em Saúde da Paraíba (CEEPS-PB) composto pela tríade: Movimentos Sociais-Gestão-Universidade. A presente pesquisa teve como objetivo geral analisar o processo de implementação da PNEPS-SUS no estado da Paraíba. Objetivou também descrever o processo histórico do CEEPS-PB, identificar estratégias e desafios para a implementação da PNEPS-SUS no estado da Paraíba, analisar e problematizar as perspectivas em torno da implementação da PNEPS-SUS no referido estado. O estudo se caracteriza como uma sistematização de experiências, fundamentada na Concepção Metodológica Dialética, cuja coleta de dados se deu por meio da triangulação metodológica entre entrevistas semiestruturadas a membros do CEEPS-PB, pesquisa documental, observação participante e anotações do cotidiano. O lócus da pesquisa foi o Centro Formador de Recursos Humanos da Paraíba (CEFOR-RH/PB), vinculado à Secretaria de Estado da Saúde da Paraíba (SES-PB), em João Pessoa-PB. Os resultados apresentaram o apanhado histórico do CEEPS-PB, com a descrição de suas ações estratégias realizadas desde 2015 até 2019. A pesquisa evidenciou que os desafios para a implementação da PNEPS-SUS no estado estão atrelados à falta financiamento para as ações realizadas pelo CEEPS-PB, dificuldade de engajamento de seus integrantes em ações do Comitê, bem como entraves nos diálogos com a gestão estadual. Como perspectivas, a pesquisa evidenciou que existe potencialidade para a descentralização da PNEPS-SUS no estado, tendo em vista as ações formativas, democráticas e descentralizadas realizadas pelo CEEPS-PB no estado da Paraíba. Compreende-se que a pesquisa representa uma análise importante para o campo da Educação Popular, sobretudo para a mobilização de reflexões sobre sua institucionalização no SUS e espera-se que contribua para a reorientação da experiência do CEEPS-PB, bem como para a elaboração de pesquisas semelhantes.
  • LAYS REGINA BATISTA DE MACENA MARTINS DOS SANTOS
  • HISTÓRIAS DA PROFISSÃO DOCENTE NO BRASIL: “PORQUE NO ENSINO OS PROFESSORES SÃO TUDO!” PARAHYBA DO NORTE. 1835-1885
  • Data: 19/06/2020
  • Hora: 14:30
  • Mostrar Resumo
  • Esta tese analisou os/as professores/as da instrução primária, sujeitos imprescindíveis no processo de institucionalização do ensino primário, e como se constituíram como profissionais do magistério na própria produção da sua profissão antes mesmo de uma formação institucionalizada dada na Escola Normal. O aporte teórico e metodológico considerou as contribuições da história social, em especial, os escritos do historiador Edward P. Thompson por uma tentativa de apreender o processo social valendo-se do uso da categoria de experiência na vida coletiva e particular das pessoas para a análise do fazer-se docente na Paraíba oitocentista na e pela prática dos/as professores/as primários em um ambiente de luta pela subsistência condicionado aos salários recebidos. O recorte temporal considerou a promulgação da primeira lei, da instrução pública na Província da Parahyba do Norte de número 116, de 19 de maio de 1835, que criava cadeiras de primeiras letras e trazia informações sobre a atuação do magistério no ensino público primário. O marco final em 1885 com a institucionalização oficial da Escola Normal. Além de entender o universo social em que os sujeitos da instrução primária estavam inseridos, buscou-se analisar como as leis e os regulamentos se apresentaram como mediadores da produção da profissão docente concomitante ao processo de institucionalização da escola primária. As chamadas de editais, concursos e nomeações, os relatórios dos presidentes de Província e dos diretores gerais da instrução, os ofícios e requerimentos destinados à assembleia provincial e os jornais da época compuseram o corpo documental do trabalho considerando a reconstrução histórica do processo geral da instrução envolvendo toda a sociedade. Em cada seção priorizou-se contar as histórias a partir dos/as professores/as apreciando as informações trazidas e/ou vividas por eles/as concluindo assim a narrativa com a voz dos sujeitos educativos deixando registrado na história da educação os nomes dos/das trabalhadores/as e intelectuais da educação brasileira.
  • MARIA LILIANE SANTOS DA SILVA
  • O FORTALECIMENTO DA IDENTIDADE QUILOMBOLA A PARTIR DO LIVRO LITERÁRIO EM UMA TURMA MULTISSERIADA: UM ESTUDO DE CASO NA E. M. EDUCADOR PAULO FREIRE, NO QUILOMBO CRUZ DA MENINA-PB.
  • Data: 29/05/2020
  • Hora: 15:00
  • Mostrar Resumo
  • Nosso estudo se insere na perspectiva de investigar a possibilidade de promoção do fortalecimento da identidade quilombola a partir dos livros literários/ paradidáticos fornecidos pelo FNDE, que tratam da temática étnico-racial. Trazemos como lócus da pesquisa, a Escola Municipal Educador Paulo Freire, localizada na Comunidade remanescente de quilombolas, Cruz da Menina, zona rural do município de Dona Inês- PB. Buscou-se analisar como a professora trabalha com os livros paradidáticos na escola para o fortalecimento da identidade quilombola. Sobretudo, nossa pesquisa coaduna com o que propõe a Lei nº 10.639/2003, pela garantia do ensino da história e cultura africana e afro-brasileira. Nos fundamentamos nos estudos de Cavalleiro (2003, 2005); Gomes (2006, 2010); Munanga (1999, 2001, 2003, 2005 e 2008), Ribeiro (2015), Domingues (2007) e Petronilha (2007). Nessa direção, nossa pesquisa é qualitativa do tipo estudo de caso único, para isso nos apoiamos em Robert Yin (2015) ao fazermos o estudo de uma unidade específica dentro de um determinado contexto. Utilizamos para coleta e construção de dados, a análise documental dos livros paradidáticos listados pela professora da referida escola como os mais utilizados para trabalhar a identidade quilombola em sua turma multisseriada de 2º ao 5º ano. Esses livros são respectivamente: “As panquecas de Mama Panya” – Coleção Cantos do Mundo, de Mary e Rich Chamberlin; “Canção dos Povos Africanos” de Fernando Paixão; “Crianças: Olhar a África e ver o Brasil”, de Pierre Verger e “Meu avô africano” de Carmem Lúcia Campos. Do mesmo modo, foi realizada uma entrevista semiestruturada com a professora responsável pela turma, nos fundamentamos em Bauer e Gaskell (2015), Marconi e Lakatos (2017). Utilizamos a análise de conteúdo Bardin (2011), Minayo (2016). Neste contexto, compreendemos a importância do trabalho a partir dos livros literários de temática étnico-racial para o enfrentamento do racismo, no entanto, faz-se necessário o olhar atento do professor (a) na seleção e tratamento didático dessas obras, não correndo o risco de perpassar uma ideologia ainda racista.
  • ROSSANA FARIAS QUEIROZ FERRER
  • HISTÓRIA DO CURSO DE PEDAGOGIA DO CE/UFPB A PARTIR DAS MEMÓRIAS DE SEUS PROFESSORES (1984-1996)
  • Data: 20/05/2020
  • Hora: 14:30
  • Mostrar Resumo
  • Esse trabalho buscou analisar o Curso de Pedagogia da Universidade Federal da Paraíba, considerando documentos e as memórias dos professores que vivenciaram a história de reestruturação curricular (1984-1996) do Curso. Desde a institucionalização no sistema de ensino superior, em 1939, o Curso de Pedagogia no Brasil é permeado por polêmicas sobre sua especificidade e características, sendo que essas discussões se refletiram nas legislações que ao longo de décadas regulamentaram os objetivos do curso e o escopo da sua matriz curricular. Nesse contexto, começam a surgir no país mobilizações nacionais compostas por educadores, no intuito de reformular o Curso, motivados pelo entendimento da ação docente como fundamento do trabalho pedagógico, contestando a fragmentação em habilitações decorrente da política educacional da ditadura militar, até então vigente. Nesse espaço, desponta o intento desse trabalho, focado na periodização de 1984 a 1996, mediante a justificativa de representar um período em que houve intensas mobilizações por parte da comunidade acadêmica da Universidade Federal da Paraíba, em consonância aos movimentos educacionais que ocorriam no país, resultando na criação de uma Comissão Interna de Reformulação do Curso de Pedagogia composta por professores do Centro de Educação, em 1984. O período estende-se até o ano de 1996, quando de fato, ocorreu a reestruturação curricular por meio da Resolução nº 13/96 do CONSEPE. Nesse caminho, as memórias dos professores que participaram desse contexto foram convidadas para um retorno ao passado, manifestando-se em forma de lembranças, de esquecimentos ou silêncios. Para contemplar esse enlace produtivo entre memória e história, utilizamos os procedimentos da história oral temática e análise documental. Esse trabalho revela o viés político-educacional que envolveu essa periodização e as implicações para a matriz curricular do Curso de Pedagogia.
  • AILZA DE FREITAS OLIVEIRA
  • EDUCAÇÃO POPULAR E EMPODERAMENTO CRÍTICO: navegando no Projeto Compartilhando Saberes da ONG Maré
  • Data: 11/05/2020
  • Hora: 15:00
  • Mostrar Resumo
  • O presente estudo tem como objeto de pesquisa o Projeto Compartilhando Saberes da ONG Maré Produções Artísticas e Educacionais, com o objetivo de compreender as ações do Projeto, identificando sua relação com a educação popular, a fim de evidenciar em que medida a ONG Maré tem contribuído com processos de empoderamento crítico dos sujeitos sociais envolvidos no Projeto Compartilhando Saberes. A escolha dessa entidade justifica-se, sobretudo, por atuar no âmbito da educação popular; possuir trajetória histórica em que a pesquisadora está inserida e pelo desejo de qualificar as ações com contribuições científicas que auxiliem no aperfeiçoamento desse fazer educacional e pedagógico. Metodologicamente, o estudo fundamenta-se no método dialético, sendo uma pesquisa-ação qualitativa. Os instrumentos investigativos foram: o registro fotográfico, o diário de campo, os enunciados das redes sociais, o questionário sobre as características dos membros e sobre a compreensão das categorias estudadas, a entrevista semiestruturada e os debates de autoavaliação trimestral da ONG. A análise de conteúdo foi utilizada para a organização e análise dos dados. A pesquisa apresenta a análise das ações desenvolvidas no Projeto Compartilhando Saberes identificando que elementos da educação popular estão em maior evidência; aponta a compreensão dos membros do Projeto sobre empoderamento e os vários níveis deste, articulando o nível de empoderamento crítico com a educação popular, revela que na pesquisa-ação, ao seguir uma perspectiva utilizando o ciclo de ações reflexivas, pesquisadores(as) e pesquisados(as) se integram. Portanto, a tese aqui defendida é a de que a ONG Maré, à luz da educação popular, contribui com o empoderamento crítico dos sujeitos sociais envolvidos no Projeto Compartilhando Saberes. O argumento que sustenta a tese é a compreensão de que o grupo que integra a ONG Maré vem aprimorando sua atuação colaborativa por intermédio do diálogo e da participação, no compartilhamento de saberes ao fortalecer seus laços afetivos e de aprendizagens ressignificando os saberes compartilhados nos mares da Maré para outros mares.
  • IONE GOMES DA SILVA