PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA POLÍTICA E RELAÇÕES INTERNACIONAIS (CPRI)

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA

Telefone/Ramal:
Não informado
http://www.ufpb.br/pos/ppgcpri

Notícias


Banca de DEFESA: DANIELE PATRIOTA DE ARAUJO

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: DANIELE PATRIOTA DE ARAUJO
DATA: 05/10/2018
HORA: 10:30
LOCAL: Sala do PPGCPRI
TÍTULO: Participação e contrato na teoria política de Carole Pateman
PALAVRAS-CHAVES: Democracia; Participação Política; Contratualismo; Feminismo
PÁGINAS: 131
GRANDE ÁREA: Ciências Humanas
ÁREA: Ciência Política
RESUMO: A presente dissertacao analisa duas principais obras de Carole Pateman: “Participacao e Teoria Democratica” e “O contrato Sexual”, demonstrando a relevancia de suas teses para analisar criticamente a democracia contemporanea e a continuidade das estruturas patriarcais que possibilitam e naturalizam as desigualdades de genero. A discussao da primeira obra passa pela observacao das diferencas entre a liberdade moderna e a antiga, atraves do olhar de Benjamin Constant e suas consequencias para o tipo de democracia a ser adotada em cada sociedade. Atraves da critica de Pateman aos teoricos contemporaneos da democracia voltamos aos primeiros autores que pensaram o governo representativo e como estes enfatizaram a necessidade de incentivar a participacao popular nas decisoes politicas, uma vez que a participacao atuaria educando os sujeitos para se tornarem cidadaos plenos. Atualmente, a critica participacionista perdeu espaco para o deliberacionismo, que tem potencial critico limitado, por nao questionar o sistema como um todo, como tambem passou a ser utilizada como sinonimo de participacao. A segunda obra faz uma revisao das teorias classicas da fundacao da sociedade civil e seu carater patriarcal. O contratualismo que surgiu para se opor ao patriarcalismo classico – poder paterno –, o adotou para preservar a dominacao dos homens sobre as mulheres. Para Pateman, a concepcao classica de propriedade na pessoa, originada na obra de John Locke, atuaria como uma justificativa para o emprego e a subordinacao civil. O contrato sobre a propriedade na pessoa, tanto no contrato de casamento, quanto no contrato de trabalho, tem o elemento de preservacao da submissao. Ambas as obras propoem fazer a critica da dominacao e da subordinacao civil, atraves da promocao da autodeterminacao dos sujeitos, homens e mulheres, mais capazes a exercerem o autogoverno. Por fim, considerando os temas debatidos, vemos que a baixa representacao formal feminina em esferas institucionais e uma das consequencias da sobrevivencia do contrato sexual.
MEMBROS DA BANCA:
Externo à Instituição - ADRIANA DIAS VIEIRA
Presidente - 2034937 - MARCELO BURGOS PIMENTEL DOS SANTOS
Interno - 1543895 - SAMIR PERRONE DE MIRANDA

Notícia cadastrada em: 05/10/2018 01:34