PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA (PPGE)

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA

Telefone/Ramal:
83 3216-7482
http://www.ufpb.br/pos/ccsa/ppge

Notícias


Banca de DEFESA: STELIO COELHO LOMBARDI FILHO

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: STELIO COELHO LOMBARDI FILHO
DATA: 20/02/2015
HORA: 16:00
LOCAL: PPGE CCSA UFPB
TÍTULO: ENSAIOS SOBRE EDUCAÇÃO NA REDE PÚBLICA DE ENSINO FUNDAMENTAL: ANÁLISES A PARTIR DOS MICRODADOS DA PROVA BRASIL.
PALAVRAS-CHAVES: Desigualdade de Contingência, Avaliação de Impacto, Mais Educação.
PÁGINAS: 75
GRANDE ÁREA: Ciências Sociais Aplicadas
ÁREA: Economia
RESUMO: Esta dissertação é composta por dois ensaios que buscam responder duas questões centrais. No primeiro ensaio o objetivo principal é verificar a ocorrência de desigualdade de contingência, no sentido descrito por Rawls (1971), entre os estudantes do 5º e 9º ano da rede pública de João Pessoa – PB. Desse modo, tenta-se explicar o porquê de estudantes com características observáveis semelhantes obterem resultados tão diferenciados. Para alcançar esse objetivo foram utilizados os Microdados da Prova Brasil de 2011. A estratégia empírica adotada consistiu em combinar o método de Pareamento por Escore de Propensão com a Decomposição de Oaxaca-Blinder. Assim, foi possível obter uma amostra mais homogênea em termos de fatores observáveis dos discentes e separá-los em dois grupos: aqueles com desempenho acima e abaixo da média. Criado esses dois grupos, utilizou-se da decomposição de Oaxaca-Blinder para decompor o diferencial de média entre fatores observáveis e não observáveis. O diferencial decorrente de fatores não observáveis foi atribuído ao efeito contingência, ou seja, às características inatas, particulares, de cada estudante. Os resultados obtidos apresentaram evidências favoráveis à ocorrência do referido fenômeno. O segundo ensaio, por sua vez, consiste em um exercício empírico de avaliação de impacto. Buscou-se avaliar os efeitos do Programa Federal Mais Educação, implementado em 2008, sobre cinco variáveis de impacto: o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB) das escolas, a nota média das escolas em português e em matemática, a taxa de abandono e um índice de violência construído. Optou-se por avaliar esse programa por dois principais motivos: primeiro porque ele vem sendo cada vez mais adotado nas escolas brasileiras, e segundo porque os gastos com o mesmo são consideravelmente elevados. Para tanto, utilizou-se os Microdados da Prova Brasil de 2007, 2009 e 2011. Dessa forma, foi possível construir uma estrutura de dados em painel contendo informações em um período anterior (2007) e em dois períodos posteriores ao início do programa (2009 e 2011). A mensuração dos impactos do Mais Educação deu-se pela combinação de dois métodos amplamente empregados nesse tipo de análise, a saber: Pareamento por Escore de Propensão e Diferenças em Diferenças. A combinação dessas metodologias fornece estimativas robustas do efeito do programa sobre as variáveis de impacto adotadas, pois permite o controle tanto pelas características observáveis como pelas não observáveis. Os modelos estimados indicam que o programa em questão é eficiente, sobretudo, na redução das taxas de abandono e violência nas escolas.
MEMBROS DA BANCA:
Externo à Instituição - GUILHERME DINIZ IRFFI
Presidente - 1646137 - MERCIA SANTOS DA CRUZ
Interno - 1524258 - PAULO AGUIAR DO MONTE

Notícia cadastrada em: 05/02/2015 13:18