PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA (PPGE)

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA

Telefone/Ramal:
83 3216-7482
http://www.ufpb.br/pos/ccsa/ppge

Notícias


Banca de DEFESA: PATRICIA ARAUJO AMARANTE

Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: PATRICIA ARAUJO AMARANTE
DATA: 23/02/2017
HORA: 15:00
LOCAL: SALA MUITIMIDIA DO CCSA
TÍTULO: ECONOMIAS DE AGLOMERAÇÃO NOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS: UMA ABORDAGEM UTILIZANDO NASCIMENTO DE FIRMAS, MOBILIDADE DOS TRABALHADORES E EQUAÇÕES DE SALÁRIOS.
PALAVRAS-CHAVES: Economias de aglomeração. Densidade do emprego. Produtividade
PÁGINAS: 125
GRANDE ÁREA: Ciências Sociais Aplicadas
ÁREA: Economia
RESUMO: Esta tese teve como objetivo verificar, por meio de tres ensaios, como as economias de aglomeracao afetam as decisoes de localizacao das empresas, a mobilidade de trabalhadores e os salarios nos municipios brasileiros. O primeiro ensaio analisa, com base no nascimento de firmas na Industria de Transformacao, como os mecanismos de aglomeracao propostos por Marshall (1920) atuam como causas subjacentes das economias de localizacao e urbanizacao. Para tanto, foi realizando um procedimento em duas etapas: i) estimacao de modelos de regressao para dados de contagem, Poisson e Binomial Negativo, os quais identificaram, para cada setor industrial considerado, qual tipo de economia de aglomeracao contribui para a localizacao das novas empresas; e ii) utilizando-se os coeficientes obtidos no primeiro estagio, verificou-se quais caracteristicas das industrias relacionadas aos mecanismos de aglomeracao de Marshall (1920) podem contribuir para as diferencas de intensidades dessas economias. Pelos resultados auferidos, as economias de localizacao e urbanizacao podem ser consideradas determinantes importantes das decisoes de localizacao das firmas. As economias de localizacao sao mais intensas nas industrias que empregam trabalhadores com habilidades especificas do setor, podendo, assim, compartilhar um pooling comum de trabalhadores especializados. Da mesma forma, os spillovers de conhecimento atuam de forma a impulsionar as economias de localizacao, proporcionando um ambiente propicio a transmissao de conhecimentos e novas ideias. Contudo, as economias de localizacao sao menos intensas nas industrias que possuem uma maior dependencia por insumos manufaturados e dos setores primarios e de fornecimento de energia em seus processos produtivos. Alem disso, tendem a decrescer em industrias mais intensivas tecnologicamente e a se elevar quanto maior o tamanho da empresa em termos de numero de trabalhadores. As economias de urbanizacao estao negativamente relacionadas como o pooling do mercado de trabalho e os spillovers de conhecimento, indicando que as empresas em setores que utilizam trabalhadores com habilidades especificas da industria e possuem altas proporcoes de trabalhadores qualificados tendem a apresentar baixas economias de urbanizacao. Por outro lado, os efeitos do compartilhamento de insumos (input sharing) e a dependencia de insumos primarios (input sharing setores primarios e de energia) sobre as economias de urbanizacao sao positivos e estatisticamente significantes, sugerindo a presenca de elevadas economias de urbanizacao em industrias que utilizam insumos manufaturados e dos setores primario e de fornecimento de energia mais intensamente. Ademais, as evidencias indicam que as economias de urbanizacao sao maiores em industrias intensivas tecnologicamente e com menor tamanho, em termos de numero de trabalhadores. O segundo ensaio teve como objetivo investigar como a densidade espacial do emprego afeta a mobilidade dos trabalhadores interfirma no mercado de trabalho brasileiro. Para tanto, foram produzidas evidencias por meio de modelos Probit com efeitos aleatorios e Probit dinamico aplicados a um painel de dados empregador-empregado que captura as diferencas regionais, alem de caracteristicas relacionadas aos trabalhadores e as empresas, construido por meio da RAIS identificada. Os resultados apontam que os individuos que trabalham em regioes mais densa sao mais propensos a mobilidade interfirma. Em geral, a densidade do emprego afeta a mobilidade interfirma com maior intensidade se os trabalhadores estao na faixa etaria entre 18 e 29 anos de idade e sao mais qualificados. Alem disso, os resultados obtidos para os modelos dinamicos por meio dos estimadores de Heckman (1981) e Stewart (2006) apontam que a mobilidade interfirma defasada temporalmente e estatisticamente significante, sugerindo que a mobilidade interfirma no periodo t depende potencialmente da mobilidade interfirma no periodo t-1. Contudo, essa relacao e negativa, indicando que os individuos que mudaram de um emprego para outro no periodo t-1 sao menos propensos a realizar nova mudanca no periodo t. Por fim, o proposito do terceiro ensaio e verificar, por meio de equacoes salariais associadas a Economia Urbana e a Nova Geografia Economica, como se comporta a relacao entre economias de aglomeracao e produtividade. O quadro teorico e fundamentado em Fingleton e Longhi (2013), e a estrategia empirica considera os diferentes niveis de agregacao dos dados, assim como a possivel evidencia de autocorrelacao espacial nos dados regionais, por meio da abordagem hierarquica espacial com formulacao baseada em Morenoff (2003). Os resultados sugerem que os salarios individuais tendem a ser maiores quanto a maior densidade do emprego e menor a distancia ao centro economico municipal (maior potencial de mercado). Alem disso, a inclusao das defasagens espaciais dessas variaveis sugere que os salarios medios podem ser influenciados tambem pela densidade do emprego e o potencial de mercado dos municipios vizinhos.
MEMBROS DA BANCA:
Interno - 1487310 - IGNACIO TAVARES DE ARAUJO JUNIOR
Externo à Instituição - JORGE LUIZ MARIANO DA SILVA
Presidente - 1285539 - MAGNO VAMBERTO BATISTA DA SILVA
Interno - 1122605 - MARIA DA CONCEICAO SAMPAIO DE SOUSA
Externo à Instituição - ROBERTA DE MORAES ROCHA

Notícia cadastrada em: 14/02/2017 09:25