PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA (PPGE)

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA

Telefone/Ramal:
83 3216-7482
http://www.ufpb.br/pos/ccsa/ppge

Notícias


Banca de DEFESA: CELINA SANTOS DE OLIVEIRA

Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: CELINA SANTOS DE OLIVEIRA
DATA: 28/07/2017
HORA: 09:00
LOCAL: SALA DE AULA PPGE
TÍTULO: ENSAIOS EM ECONOMIA INTERNACIONAL E MERCADO DE TRABALHO
PALAVRAS-CHAVES: Comércio Internacional. Mobilidade Ocupacional Ascendente. Matching no Mercado de Trabalho.
PÁGINAS: 87
GRANDE ÁREA: Ciências Sociais Aplicadas
ÁREA: Economia
RESUMO: O objetivo geral da presente tese e o de investigar como o acesso ao comercio internacional afeta alguns aspectos do mercado de trabalho brasileiro. De modo especifico, objetiva-se em primeiro lugar investigar empiricamente os determinantes da mobilidade ocupacional ascendente para o Brasil em um periodo entre 2003 e 2013, destacando o efeito do setor exportador sobre essa mobilidade em relacao aos seus custos, bem como, sobre a sua profundidade. Com os dados da RAIS e do SECEX aplicou-se o Logit e o Logit Ordenado como metodo econometrico para dois grupos amostrais, interfirmas e intrafirmas. Alem disso, com o intuito de minimizar o vies de selecao amostral sobre o matching dos trabalhadores com as firmas exportadoras, aplicou-se o metodo de Escores de Propensao balanceado por Entropia. Como resultado encontrou-se que o nivel mais alto de educacao, ser branco e um diferencial salarial positivo entre as ocupacoes, aumentam a probabilidade de um trabalhador mudar de ocupacao para um nivel maior. Enquanto a idade, ser homem e estar em uma regiao com migrantes estrangeiros altamente escolarizados reduzem essa probabilidade. Juntamente a isso, destaca-se o efeito positivo do ambiente exportador quando a mobilidade e acompanhada por uma mudanca de empregador e por reducoes nos custos dessa mobilidade quando na presenca do setor exportador. Isto ocorre, principalmente, se este trabalhador proveniente desse setor e atraido por uma empresa nao exportadora. Acrescenta-se ainda o efeito desse ambiente sobre a profundidade da mobilidade ocupacional. Em um segundo momento, pretende-se responder se ha diferencas na realizacao do matching com trabalhadores entre empresas exportadoras e nao exportadoras brasileiras. Utilizou-se tambem os mesmos dados fornecidos pela RAIS para um periodo apos a abertura comercial, entre 2003 e 2013. Partiu-se do modelo teorico de Bombardini, Orefce e Tito (2015) que considera a realizacao do matching em um ambiente com trabalhadores e firmas heterogeneos e com friccoes de busca no mercado de trabalho. Foi construido uma variavel de tipos de trabalhadores usando tres metodologias. A primeira utilizou a abordagem do modelo teorico que reduziu-se ao uso da variavel salario como proxy para tipos de trabalhadores e a segunda e terceira utiliza-se uma regressao salarial tradicional que foi estimada seguindo Guimaraes e Portugal (2010) e Zou (2006) com o Lasso Adaptativo. Em seguida, construiu-se as medidas de media e dispersao do tipo de trabalhadores a nivel de firma e, sobre estas, investigou-se o efeito dessas firmas estarem no setor exportador. Como resultado encontrou-se que as empresas exportadoras selecionam uma media mais alta de tipos de trabalhadores, ao mesmo tempo que esses tipos sao menos dispersos em relacao a essa media. Assim, os exportadores pagam salarios mais altos porque, entre outros fatores, empregam os melhores trabalhadores.
MEMBROS DA BANCA:
Externo ao Programa - 1412731 - ADRIANO FIRMINO VALDEVINO DE ARAUJO
Interno - 1522969 - EDILEAN KLEBER DA SILVA BEJARANO ARAGON
Interno - 1562141 - ERIK ALENCAR DE FIGUEIREDO
Externo à Instituição - JORGE LUIZ MARIANO DA SILVA
Presidente - 1577955 - JOSE LUIS DA SILVA NETTO JUNIOR

Notícia cadastrada em: 26/07/2017 09:14