PROGRAMA DE MESTRADO PROFISSIONAL EM ENSINO DE HISTÓRIA (PROFHISTORIA)

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA

Telefone/Ramal
Não informado

Dissertações/Teses


Clique aqui para acessar os arquivos diretamente da Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da UFPB

2022
Descrição
  • JULIANA DA SILVA BARROS
  • CONSTRUINDO PONTES: O ENSINO DA HISTÓRIA SOCIAL DO TRABALHO ENTRE A ACADEMIA E A ESCOLA
  • Orientador : FERNANDO CAUDURO PUREZA
  • Data: 05/10/2022
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • Essa pesquisa foi desenvolvida com o objetivo de refletir sobre as perspectivas de abordagem da História Social do Trabalho no Ensino de História, de maneira a ampliar as discussões em torno da importância de ensinarmos a História do Trabalho no Brasil. Para tanto, recorri as abordagens teóricos metodológicas da História Social do Trabalho, principalmente ao conceito de experiência na perspectiva thompsoniana, para realizar um estudo do currículo básico de História prescrito pelos Parâmetros Curriculares Nacionais e pela Base Nacional Comum Curricular, contando com as contribuições desenvolvidas por Silva (2015), Sacristan (2000), Cury (2018), Bittencourt (2011) etc. Somado a questionamentos levantados a partir das experiências como professora dos anos finais do Ensino Fundamental em uma escola da rede particular de ensino na cidade de Conde – PB. Por meio dessa reflexão percebi que a abordagem no Ensino de História de uma História Social do Trabalho em sua perspectiva atual e crítica está condicionada ao interesse particular do professor, pois nos currículos nacionais se mantém a abordagem tradicional, cristalizada que ainda não foi atingida pelos avanços historiográficos da área. Nesse sentido é perceptível o distanciamento entre o Ensino de História e a História Social do Trabalho enquanto conhecimento importante para a formação básica, colocando os professores diante da dificuldade de atualizar esse conhecimento de forma significativa e didática no espaço da sala de aula. A partir dessa problemática desenvolvi uma proposta de intervenção didática problematizando o uso da fotografia como ferramenta didática e como fontes de pesquisa para a História Social do Trabalho no espaço escolar. Na aproximação com as reflexões realizadas por Ciavatta (2002), Kossoy (2012) e Mauad (1996) entre outros pude perceber que as fotografias além de representar características particulares dos Mundos do Trabalho - não acessíveis por meio dos documentos escritos - estimulam o desenvolvimento de processos identitários por meio das habilidades visuais, como também são representações das concepções sociais de trabalho e trabalhadores construídas historicamente, sendo por tanto uma fonte fundamental para o processo de ensino e aprendizagem da História Social do Trabalho. Por meio da prática fotográfica os alunos podem ser inseridos no processo de produção de conhecimento e os espaços escolares e comunitários são transformados em objetos de investigação.
  • ITAMAR BENEDITO ARAUJO CABRAL
  • Diálogo Freiriano e Charges no Ensino de História: uma perspectiva de aprendizagem na aula de História
  • Orientador : MARTINHO GUEDES DOS SANTOS NETO
  • Data: 29/08/2022
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • O presente estudo se propõe a analisar e aplicar a proposta dialógica de Paulo Freire no ensino de História como instrumento de aprendizagem, tendo por base suas obras: “Pedagogia do Oprimido”, de 2019, e “Educação como Prática da Liberdade”, de 1976. Para instrumentalizar o diálogo recorremos ao uso de charges, que trazem um conteúdo não só com texto escrito, mas também, imagens e caricaturas, a fim de contribuir para que os professores de História da educação básica realizem aulas dialogadas, cuja perspetiva seja a de promover o ensino- aprendizagem e a relação docente/discente de forma horizontal. Dessa forma, esta pesquisa busca contribuir para que as aulas dialogadas no ensino de História, com a utilização de charges, estabeleçam uma relação problematizadora e de ensino-aprendizagem, com a participação dos alunos em sala de aula, que fomente uma proposta de aprendizagem mais democrática e crítica, fazendo o discente aprender a dizer sua própria palavra. Como procedimento metodológico adotamos uma metodologia de cunho descritivo, por meio de levantamento bibliográfico com uma abordagem quali-quantitativa em autores como: FREIRE (2019); FREIRE (1976); ALBUQUERQUE JÚNIOR (2019); BITTENCOURT (2008).
  • CLÉCIO FRANCISCO DE ALBUQUERQUE SILVA
  • Eu e os Outros Encenando Vidas e Transformando Histórias através da Consciência Histórica, Mito de Medeia e Teatro do Oprimido
  • Data: 25/08/2022
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • O trabalho “Eu e os Outros Encenando Vidas e Transformando Histórias através da Consciência Histórica, Mito de Medeia e Teatro do Oprimido” está baseado no Programa de Mestrado Profissional (ProfHistória) da Universidade Federal da Paraíba e na Escola Estadual de Ensino Fundamental e Médio Professora Maria Geny de Sousa Timóteo da Rede Estadual de Ensino da Paraíba, envolvendo o processo de ensino aprendizagem de professor e alunos na produção de conhecimento histórico. Primamos pela análise da consciência histórica a partir da relação entre a cultura de violência e a cultura de paz, tendo como base o estudo da mitologia grega, destacando os elementos pedagógicos do Mito de Medeia na relação entre a Grécia Clássica e o Brasil Contemporâneo através do Teatro do Oprimido, utilizado aqui como ferramenta de transformação social, política, econômica e cultural. O produto da dissertação consiste na elaboração de um material de estudo, formação e prática pedagógica para professores e alunos, apresentando a leitura, interpretação e possibilidades de encenação de vidas e transformação de histórias através da relação entre cultura de violência e cultura de paz no contexto social e escolar.
  • MARIA DAS GRAÇAS JUSTINO
  • AS RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS NO MANUAL DO PROFESSOR DOS LIVROS DIDÁTICOS DE HISTÓRIA: ANÁLISE DA PRESENÇA/AUSÊNCIA DE UMA PEDAGOGIA DE CONSCIENTIZAÇÃO CONTRA O PRECONCEITO
  • Data: 25/08/2022
  • Hora: 09:30
  • Mostrar Resumo
  • A escola é o local onde a formação dos cidadãos se iniciam. Seu papel vai além dos seus muros, pois em seu interior a sociedade se reflete através dos estudantes que nela estão e, muitas vezes, problemas de todas as ordens são identificados e trabalhados pedagogicamente, na busca de caminhos e soluções. O presente estudo visa, portanto, identificar e analisar nos manuais do professor dos livros didáticos de história, a questão étnico-racial, em consonância com a Lei n°10.639/2003, de forma a contribuir com a discussão sobre o preconceito no Brasil, para sensibilização da sociedade e em busca do fortalecimento da identidade, cultura e história dos negros, ao longo da história de nosso país. Ao lançar o olhar para os manuais, propomos analisar as orientações editoriais sobre as relações étnico-raciais, percebendo se estão presentes, o que delimitam, como abordam, que tipo de suporte oferece aos docentes. Com isso, visando, desta forma, acabar com discriminações, baixa autoestima e, ampliar, a autonomia, a criatividade e as potencialidade de cada aluno(a). No decorrer da pesquisa observamos a escassez de materiais didáticos referentes as questões étnico-raciais e neste sentido elaboramos como produto final um Manual de Orientações aos professores com foco nos anos finais do Ensino Fundamental, mas que pode ser adaptado e implementado em outros níveis de ensino buscando contribuir para um ensino de História voltado para a diversidade racial e cultural presente na sociedade brasileira.
  • ANA CLAUDIA LIMA DE OLIVEIRA CUNHA
  • Os ditos e os não ditos sobre mulheres nos livros didáticos: representações de gênero na coleção didática História das cavernas ao terceiro milênio
  • Data: 15/08/2022
  • Hora: 15:00
  • Mostrar Resumo
  • Este trabalho tem como objetivo principal analisar a maneira como a história das mulheres sob o prisma das relações de gêneros foram incorporadas como saberes históricos na coleção didática História: das cavernas ao terceiro milênio, destinada à modalidade da Educação Básica. A estratégia metodológica empregada foi de natureza descritiva e analítica. Numa primeira etapa, foi feita a revisão bibliográfica a respeito da incorporação das mulheres e da categoria gênero na historiografia, bem como foi revisada a literatura acerca do livro didático, especialmente o de História. Em seguida, foram analisados os livros didáticos da coleção mencionada, buscando compreender como a participação das mulheres nos diferentes processos históricos foi apresentada e a maneira como as relações de gêneros foram abordadas. Constatou-se, por meio dessas análises, que a narrativa didática empregada na coleção estudada coloca as mulheres majoritariamente à margem dos eventos históricos apresentados, sendo suas imagens por vezes descontextualizadas e suas vivências destacadasem separadoao texto principal. As relações de gêneros raramente foram identificadas e questionadas. Por último, foi criado um website no intuito de difundir informações acerca das problemáticas de gêneros e proporcionar a reflexão sobre a necessidade de sua incorporação nas aulas de História.
  • ROBSON RUBENILSON DOS SANTOS FERREIRA
  • AS TECNOLOGIAS DIGITAIS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO (TDIC) COMO ESTRATÉGIA METODOLÓGICA PARA O ENSINO DE HISTÓRIA
  • Data: 14/06/2022
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • O presente trabalho se propõe a refletir sobre as mudanças no currículo do Ensino Médio na Paraíba, considerando as alterações definidas pela Base Nacional Comum Curricular (BNCC) e pela Lei 1.3415/2017 que definiu a Reforma do Ensino Médio. A discussão apresenta os desafios da educação brasileira e os indicadores de organizações como a OCDE e o Banco Mundial, além de dados de avaliações internacionais, como o Programa Internacional de Avaliação de Estudantes (PISA), e nacionais, como o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB) para analisar as medidas reformistas que justificam as mudanças curriculares como estratégicas para o desenvolvimento do País. Durante a pesquisa é possível perceber que a aprovação da Base Nacional Comum Curricular (BNCC), a implementação da Reforma do Ensino Médio e a revisão dos currículos estaduais refletem preceitos regulamentadores da educação atual. Compreendendo as medidas reformistas como atos legais do estado nacional, proponho utilizar das estratégias da BNCC e, portanto, do Currículo do Ensino Médio, para a formação dos professores, utilizando da gamificação como estratégia para o engajamento dos estudantes e diversificação das metodologias de ensino de História. Considerando a Cultura Digital, como uma das competências exigidas pela BNCC, propomos a utilização das Tecnologias Digitais de Informação e Comunicação (TDIC) na formação docente de forma a conciliar a formação historiográfica como o desenvolvimento das habilidades tecnológicas exigidas aos jovens pelos setores produtivos. Como produto didático-pedagógico, apresentado como exigência final do Mestrado Profissional em Ensino de História (ProfHistória), aplicamos cinco oficinas de formação docente sobre a Gamificação e o Ensino de História, com o objetivo de compartilhar as experiências adquiridas durante o ProfHistória e, deste modo, contribuir com a formação continuada dos professores de História, considerando as mudanças curriculares em curso.
  • ROSIANE FERREIRA DA SILVA
  • Matildas, Terezas, Ophélias e Camilas: Protagonizando mulheres do século xx no Ensino de História com histórias em quadrinhos
  • Data: 24/02/2022
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • Esta pesquisa se constitui na análise do silenciamento e sub-representação das mulheres no livro didático, ao passo em que se constitui como uma proposta de ensino de história, cujo protagonismo das mulheres se concretiza como conteúdo das aulas de história e, para tanto, propomos as Histórias em Quadrinhos como ferramentas de ensino aprendizagem. O recorte espaço temporal definido foi o Brasil no século XX, devido ao fato do 9° ano do ensino fundamental II estudar acontecimentos que ocorrem no citado século até os dias atuais. Houve a aplicação de dois questionários, cujo objetivo foi constatar a percepção dos/das discentes acerca das mulheres e o seu conhecimento prévio de modo geral. Também houve a análise do livro didático utilizado pelas escolas municipais Maria do Carmo e João Jacinto da cidade de Bayeux/PB a fim de perceber como as mulheres estão representadas. O livro didático é o Estudar História: das origens do homem à era digital da editora moderna, com vigência para os anos de 2020 até 2023. Para fins de discussão e compreensão das problemáticas deste trabalho, estabelecemos diálogos com obras organizadas por Mary Del Priori (2004), Carla Bassanezi e Joana Maria Pedro (2013), no que diz respeito à abordagem das atuações históricas das mulheres no século XX, além de Koselleck (2006), Hartog (2013), Albuquerque (2019), entre outros autores que abordam sobre História e Ensino de História. Para a discussão sobre aprendizagem histórica e histórias em quadrinhos no ensino de História, dialogaremos com Bittencourt (2008), Vygotsky (2001, 2010), Paulo Freire (2002) (2019), Rubem Alves (2000), entre outros. Como resultado deste trabalho, foram elaboradas quatro histórias em quadrinhos que protagonizam, cada uma delas, personagens femininas interligadas com narrativas e contextos nacionais, a fim de serem utilizadas como material paradidático de apoio ao livro didático de História.