PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SOCIOLOGIA (PPGS)

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA

Telefone/Ramal
(083)32167204

Notícias


Banca de DEFESA: NINIVE FONSECA MACHADO

Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: NINIVE FONSECA MACHADO
DATA: 20/11/2020
HORA: 14:00
LOCAL: por videoconferência (https://meet.google.com/vnn-ocfs-pnq) conforme Comunicado n° 02/2020/PRPG/UFPB
TÍTULO: A construção de uma vida digna e a batalha por legitimidade moral: Fronteiras Simbólicas no Programa Bolsa Família
PALAVRAS-CHAVES: Programa Bolsa Família, Pobreza, Desigualdade, Programas Sociais, Moralidade, Fronteiras Simbólicas
PÁGINAS: 100
GRANDE ÁREA: Ciências Humanas
ÁREA: Sociologia
RESUMO: Este trabalho busca analisar como se dá a construção de valores morais e de repertórios culturais por parte dos beneficiários do Programa Bolsa Família na construção de fronteiras simbólicas entre grupos sociais. Considerando a constante disseminação de críticas e imagens negativas presentes no debate público em torno do Programa Bolsa Família desde sua criação, essa pesquisa buscou identificar, a partir da percepção dos próprios beneficiários, quais são os valores mobilizados por eles que guiam suas ações e dão sentido às suas vidas, bem como, o que os fazem se aproximar ou se distanciar dos demais grupos sociais. Se, por um lado, as críticas (e os estereótipos correspondentes) a essa política são muito visíveis, por outro lado, ainda se sabe muito pouco acerca da forma como o próprio público beneficiário concebe as mesmas questões e problemas, ou mesmo se mobilizam outros elementos no processo de significação de sua própria condição de beneficiários. Os dados discutidos na tese são o resultado do trabalho de campo realizado em um bairro pobre da cidade de João Pessoa e a constante relação dessa realidade com a literatura produzida sobre pobreza, desigualdade, políticas sociais e moralidade. Com a triste marca de ser um dos países mais desiguais do mundo, a discussão trazida nos dois primeiros capítulos desse trabalho remonta a trágica história brasileira de ser capaz de perpetuar índices alarmantes de pobreza e as consequentes estratégias utilizadas pela sociedade para invisibilizar essa situação. Como forma de ‘atacar’ o problema, brotam ao longo da história inúmeras narrativas sobre os motivos que levariam o Brasil a ser tão pobre e tão desigual, carregadas de julgamentos morais e subsidiadas por repertórios economicistas que nada mais fazem do que transferir ao pobre a responsabilidade por suas situações. É nesse contexto que esse trabalho busca perceber como os beneficiários elaboram suas narrativas, considerando que a imagem comumente associada a eles está relacionada a pessoas preguiçosas, acomodadas e cheias de filhos. Um dos resultados dessa pesquisa é que as beneficiárias do programa, ao contrário da imagem veiculada sobre elas, sentem que ser beneficiária é, na verdade, uma conquista para aquelas que batalham por isso, e não um direito garantido. Para elas, só é beneficiária quem luta para conseguir o benefício e também para mantê-lo, já que permanecer beneficiária significa cumprir com as regras estabelecidas pelo governo. Suas regras e condutas morais valorizam o correto, justo e digno e o que as aproximam/distanciam de outras pessoas não é o fato de serem ou não beneficiários do mesmo programa, e sim, de compartilharem dos mesmos valores éticos e morais que elas. As imagens negativas veiculadas sobre os beneficiários em geral (preguiçosos, acomodados e cheios de filhos) são compartilhadas pelas entrevistadas também, no entanto, sempre em relação aos demais beneficiários, e não a elas mesmas. Nesse sentido, concluo que a constante veiculação de críticas supostamente dirigidas a aspectos técnicos do programa são, na verdade, críticas aos comportamentos das mulheres pobres beneficiárias do programa, e que o impacto dessas imagens negativas reflete na formação de opinião das próprias beneficiárias sobre suas ações, bem como no julgamento moral que elas fazem a respeito das ações de outros beneficiários.  
MEMBROS DA BANCA:
Interno - 2425306 - MIQUELI MICHETTI
Externo à Instituição - NICOLE LOUISE MACEDO TELES DE PONTES
Externo à Instituição - RAQUEL DE ARAGÃO UCHOA FERNANDES
Presidente - 1363922 - SIMONE MAGALHAES BRITO