PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA SOCIAL (PPGPS)

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA

Telefone/Ramal
83 3216.7006/7006

Notícias


Banca de DEFESA: CLAUDIA HELENA OLIVEIRA DE SOUTO

Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: CLAUDIA HELENA OLIVEIRA DE SOUTO
DATA: 07/10/2022
HORA: 14:00
LOCAL: Sala virtual
TÍTULO: VIVÊNCIAS SUBJETIVAS NOS PROCESSOS DE SUCESSÃO EM EMPRESAS FAMILIARES
PALAVRAS-CHAVES: empresa, família, sucessão empresarial, vivência subjetiva
PÁGINAS: 186
GRANDE ÁREA: Ciências Humanas
ÁREA: Psicologia
RESUMO: Levando em consideração que a maioria dos estudos realizados sobre os processos sucessórios em empresas familiares é instrumental, uma vez que analisam os processos de sucessão como um conjunto de etapas, ações e atividades e relegam a dimensão subjetiva entre sucedido(a) e sucessor(a), faz-se necessário aprofundar o estudo do fenômeno da sucessão levando em conta essa vivência subjetiva e considerar as dimensões afetivas, sociais e de dominação que ocorem nas relações familiares e que, muitas vezes, vão fazer morada nas empresas. Dessa forma, esta investigação teve como objetivo principal compreender a vivência subjetiva do(a) sucedido(a) e do(a) sucessor(a) durante o processo de sucessão em pequenas empresas familiares. Como aporte teórico, optou-se pela Psicodinâmica do Trabalho. Quanto à metodologia, utilizou-se um paradigma interpretativista e uma abordagem qualitativa, tendo como método de coleta de dados a história oral temática. Os participantes desta investigação foram dez empresários (sucedidos(as) e sucessores(as)) de cinco pequenas empresas localizadas na cidade de João Pessoa - PB que já passaram pelo processo da sucessão empresarial e que atenderam aos seguintes critérios: a empresa deve ser familiar e ter pelo menos dez anos de existência; o processo de sucessão empresarial já deve ter acontecido há pelo menos dois anos; e o(a) sucessor(a) deve ser filho(a) do(a) sucedido(a). Os instrumentos de coleta de dados foram dois roteiros de entrevistas, sendo um para o(a) sucedido(a) e outro para o(a) sucessor(a). Para a análise das falas dos entrevistados, optou-se por utilizar a análise sociológica do discurso (ASD), a qual revelou a existência de categorias temáticas para cada uma das dimensões estudadas. A dimensão afetiva revelou o amor e a renúncia, a frustração e a mágoa e o perdão. A dimensão social revelou o sentido do trabalho para sucedidos(as) e sucessores(as), empresa e família: tudo junto e misturado, e a dificuldade do(a) sucedido(a) em realizar a sucessão. A dimensão de dominação revelou o conflito entre pais e filhos sobre a administração de suas empresas, a falta de reconhecimento do(a) sucessor(a) por parte do(a) sucedido(a) e o preconceito de gênero. A conclusão deste estudo é que não é possível compreender os processos de sucessão em empresas familiares sem considerar a vivência subjetiva de sucedidos(as) e sucessores(as). Ao lançar um olhar mais subjetivo nos estudos sobre a sucessão em empresas familiares, esta tese pretendeu fazer com que as famílias empresárias consigam perceber e transpor os obstáculos que, muitas vezes, impedem a família e a empresa de seguirem juntos.
MEMBROS DA BANCA:
Externo ao Programa - 1346570 - ANA LUCIA DE ARAUJO LIMA COELHO
Externo ao Programa - 2285466 - ANIELSON BARBOSA DA SILVA
Externo à Instituição - HILKA PELIZZA VIER MACHADO
Interno - 1520147 - JULIO RIQUE NETO
Presidente - 1543226 - PAULO CESAR ZAMBRONI DE SOUZA
Externo à Instituição - WLADIMIR FERREIRA DE SOUZA