PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIODIVERSIDADE (PPGBIO)

CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS (CCA)

Telefone/Ramal
33621737

Notícias


Banca de DEFESA: JONEANY MARGYLLA DE MEDEIROS SILVESTRE DA ROCHA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: JONEANY MARGYLLA DE MEDEIROS SILVESTRE DA ROCHA
DATA: 30/07/2020
HORA: 09:00
LOCAL: PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM BIODIVERSIDADE, ATRAVÉS DO LINK: meet.google.com/fjv-iyda-hfd
TÍTULO: IMPACTOS DA REDUÇÃO DAS CHUVAS SOBRE A DIVERSIDADE DE TAMANHO DE COMUNIDADES AQUÁTICAS EM RESERVATÓRIOS DO SEMIÁRIDO.
PALAVRAS-CHAVES: MUDANÇAS CLIMÁTICAS; regiões secas; eutrofização; cianobactérias; plâncton; peixes onívoros; classes de tamanho.
PÁGINAS: 38
GRANDE ÁREA: Ciências Biológicas
ÁREA: Ecologia
RESUMO: Introdução Lagos e reservatórios do semiárido brasileiro têm sofrido cada vez mais com a redução dos níveis da água devido ao prolongamento das secas e diminuição das chuvas. Essas mudanças reduzirão a quantidade e a qualidade da água disponível nos reservatórios da região afetando a estrutura e o funcionamento das comunidades aquáticas. A estrutura de tamanho das comunidades pode ser moldada por meio de interações bióticas e por fatores abióticos nos ambientes aquáticos. A obtenção de informações sobre a diversidade de tamanho é considerada um método adequado, padronizado e promissor para a avaliação de mudanças da estrutura das comunidades aquáticas. Objetivo O objetivo desse trabalho foi averiguar como variações locais e sazonais de precipitação afetarão a diversidade e equitabilidade de tamanho das comunidades de fitoplâncton, zooplâncton e peixes em reservatórios do semiárido. Métodos As amostragens foram realizadas em 16 reservatórios da bacia do Rio Piranhas-Açu e foram divididos igualmente em dois grupos cujas regiões possuíam precipitações contrastantes, sendo 8 inseridos na sub-bacia do Seridó (região mais seca) e 8 na sub-bacia do Piancó (região seca). As coletas de água, plâncton e peixes foram realizadas em dois períodos (chuva e seca) nos anos de 2013 e 2014. Para o cálculo da diversidade de tamanho, utilizamos o método estabelecido por Quintana e colaboradores (2008; 2016). Para testar os efeitos das estações e das regiões e a interação da estação e região sobre a diversidade de tamanho das comunidades, foram feitas análises de variância bifatoriais. Modelos lineares generalizados (GLMs) foram utilizados para relacionar os dados de diversidade de tamanho com as variáveis ambientais e níveis tróficos adjacentes, tempo e porcentagem do Volume de Água Acumulada (%VAA) nos reservatórios. Para checar a importância relativa de cada variável preditora, nós usamos GLMs e uma abordagem de seleção de modelos baseados no critério de informação Akaike. Resultados Os resultados mostraram que a diversidade e a equitabilidade de tamanho do fitoplâncton e de cianobactérias foram ambas afetadas pelo região e pela diversidade de tamanho do zooplâncton, mas a direção do efeito variou de acordo com as classes de tamanho do zooplâncton (microzooplâncton e mesozooplâncton) na região seca (BS) e na região menos seca (BP). A diversidade de tamanho de cianobactérias aumentou com a diversidade de tamanho do mesozooplâncton na região mais seca, mas nenhum efeito do mesozooplâncton foi observado na região menos seca. O zooplâncton também foi afetado pelo ambiente e pelos peixes, mas os peixes onívoros reduziram a diversidade de tamanho do mesozooplâncton e aumentaram a diversidade de tamanho do microzooplâncton na região seca, enquanto que um efeito positivo foi observado para o mesozooplâncton na região menos seca.
MEMBROS DA BANCA:
Externo à Instituição - JULIANA DÉO DIAS
Interno - 1778179 - LUCIANA GOMES BARBOSA
Presidente - 2387459 - ROSEMBERG FERNANDES DE MENEZES