PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO PÚBLICA E COOPERAÇÃO INTERNACIONAL (PGPCI)

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA

Telefone/Ramal
Não informado

Notícias


Banca de DEFESA: RITA DE CASSIA SANTA CRUZ MONTEIRO

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: RITA DE CASSIA SANTA CRUZ MONTEIRO
DATA: 30/09/2022
HORA: 09:30
LOCAL: Presencial
TÍTULO: “De peito aberto”: vulnerabilidade de consumidoras dos serviços de saúde relativos ao câncer de mama pelo Sistema Único de Saúde
PALAVRAS-CHAVES: Câncer de mama, Sistema Único de Saúde, Vulnerabilidade
PÁGINAS: 100
GRANDE ÁREA: Ciências Sociais Aplicadas
ÁREA: Administração
RESUMO: O câncer de mama, ou neoplasia maligna, vem assumindo uma posição cada dia mais preocupante entre as doenças que afetam a população feminina, retratando no Brasil e no mundo significante causa de morte, sendo o segundo tipo de câncer mais frequente no mundo e o primeiro entre as mulheres. Nesse contexto, enquanto consumidoras dos serviços de saúde do Sistema Único de Saúde (SUS), as mulheres com câncer de mama podem experienciar consumos vulneráveis, à medida que esse tipo de doença se configura como um evento gatilho diante do qual elas se encontram incapazes de advogar em prol do seu melhor interesse, sobretudo por se tratar de uma relação de troca pautada por um saber médico, de alta complexidade. Complementarmente, o consumo dos serviços do SUS, em geral, é realizado por pacientes que são impossibilitados de acessar outros provedores, de acordo com sua preferência, o que as submete a um cenário de escolha restrita. Diante disso, o objetivo dessa pesquisa consiste em analisar as experiências de vulnerabilidade de consumidoras dos serviços de saúde relativos ao câncer de mama pelo Sistema Único de Saúde. Para tanto, realizamos uma pesquisa de caráter qualitativo, por meio da entrevista narrativa, com base em um roteiro semiestruturado aplicado com 12 mulheres acometidas pelo câncer de mama e consumidoras dos serviços de saúde do SUS. Como principais resultados, constatamos que as mulheres vivenciam experiências de vulnerabilidades antes mesmo de serem diagnosticadas com câncer de mama, principalmente durante o consumo dos serviços dos postos de saúde, antes de serem encaminhadas para os hospitais referência em câncer. Além disso, situações de consumo vulnerável são muito comuns em relação aos recursos estruturais, pela falta de disponibilidade dos serviços, como realização dos exames e marcação do retorno ao médico no pós-operatório, mas observamos que, à medida que avançam no tratamento, as pacientes melhoram seus recursos interpessoais, principalmente em termos de capital social e suporte social. Com isso, também conseguem lidar melhor com seus recursos individuais, sobretudo em termos de conhecimento e emoções. Desse modo, a pesquisa sinaliza a necessidade de melhoria no serviço de saúde, principalmente, das Unidades Básicas, com ênfase para a detecção precoce dos casos de câncer de mama e atendimento mais acolhedor por parte das equipes que atuam nessa entidade provedora. Nos hospitais referência, destaca-se a dificuldade com equipamentos e medicações, o que gera impotência nas mulheres para conseguirem do sistema de saúde o que precisam para garantir seu bem-estar. Por fim, analisamos que a percepção das mulheres em relação ao acolhimento recebido dos profissionais é algo de suma importância durante suas relações de troca, mas que, mesmo compreendendo as deficiências de entrega dos serviços de saúde, como atrasos nos exames e falta de medicação, as respostas às experiências de vulnerabilidade são, em sua maioria, não defensivas, provavelmente por se sentirem incapazes de conseguir grandes mudanças no sistema. Isso revela a necessidade de se analisar os serviços de saúde relativos ao câncer de mama sob uma perspectiva sistêmica, para que haja melhorias de entrega em todos os níveis, micro, meso e macro, em prol do bem-estar dessas mulheres.
MEMBROS DA BANCA:
Interno - 1671678 - ANA CAROLINA KRUTA DE ARAUJO BISPO
Externo à Instituição - ARIELLE PINTO SILVA
Presidente - 2360507 - DIANA LUCIA TEIXEIRA DE CARVALHO