PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SOCIOLOGIA (PPGS)

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA

Telefone/Ramal
(083)32167204

Notícias


Banca de DEFESA: EMERSON ERIVAN DE ARAUJO RAMOS

Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: EMERSON ERIVAN DE ARAUJO RAMOS
DATA: 28/02/2020
HORA: 16:00
LOCAL: sala de videoconferência 404b do CCHLA
TÍTULO: Feminicídio e necropolítica trans: os assassinatos de travestis e transexuais na Paraíba
PALAVRAS-CHAVES: dispositivo de poder; necropolítica; performatividade de gênero; transfeminismo; transfeminicídio.
PÁGINAS: 100
GRANDE ÁREA: Ciências Humanas
ÁREA: Sociologia
RESUMO: Entre 2010 e 2011, uma série de assassinatos de travestis ocorreu na cidade de Patos/PB. As investigações policiais apontaram que o autor do crime foi um conhecido policial militar da região. Através do estudo desse caso e de dados sobre os crimes violentos letais intencionais contra travestis e mulheres transexuais na Paraíba (fornecidos pela Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social do Estado e pela Secretaria da Mulher e Diversidade Humana da Paraíba), esta tese tem por objetivo analisar a circularidade do poder na violência letal que atinge essas sujeitas, sustentando duas proposições centrais: (1) esses crimes são uma forma de feminicídio (transfeminicídio) e (2) correspondem ao efeito de um tipo específico de poder (necropoder) que tem como finalidade a produção da morte. Essas proposições relacionam-se com o fato de que a transição de gênero viola normas importantes na constituição de nossa forma social, de maneira que a violência é tanto uma resposta ao não enquadramento normativo dessas sujeitas quanto um modo de restabelecer as fronteiras de gênero desestabilizadas pela transição. Além disso, o trânsito do masculino para o feminino realizado pelas travestis e mulheres transexuais torna os corpos dessas sujeitas ainda mais expostos à violência, em razão de encarnarem também a vulnerabilidade social ligada ao feminino. Do ponto de vista teórico, para realizar tal análise, utilizo de categorias advindas de duas correntes intimamente relacionadas: o pós-estruturalismo e os estudos transgêneros. Os métodos científicos utilizados nesta tese mobilizam e reforçam instrumentais elaborados no interior dessas correntes, tais como dispositivo de poder, necropolítica, performatividade de gênero, precaridade, etc., de modo que demonstram a utilidade desses conceitos no esclarecimento e na denúncia da violência dirigida aos corpos trans. Com efeito, esses campos teóricos apresentam relevantes lineamentos sobre o gênero e o poder, que ajudam a observar a dimensão e a regularidade da violência contra a população de travestis e mulheres transexuais, levando a conclusões sobre como e por que morrem as travestis e mulheres transexuais – articuladas ao longo deste trabalho.
MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1287701 - ADRIANO AZEVEDO GOMES DE LEON
Externo à Instituição - ELISA MARIANA DE MEDEIROS NOBREGA
Externo à Instituição - JAQUELINE GOMES DE JESUS
Interno - 1565100 - MARCELA ZAMBONI LUCENA
Externo à Instituição - SUSEL OLIVEIRA DA ROSA