PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO PÚBLICA E COOPERAÇÃO INTERNACIONAL (PGPCI)

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA

Telefone/Ramal
Não informado

Notícias


Banca de DEFESA: EVELLIN CRISTINA DA SILVA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: EVELLIN CRISTINA DA SILVA
DATA: 30/07/2021
HORA: 10:00
LOCAL: Videoconferencia
TÍTULO: CONSELHO DE SEGURANÇA E A GUERRA CIVIL DA SÍRIA: UMA ANÁLISE DO POSICIONAMENTO DA RÚSSIA
PALAVRAS-CHAVES: Conselho de Segurança; Guerra Civil Síria; Rússia; Política Externa; Conflito armado.
PÁGINAS: 112
GRANDE ÁREA: Ciências Sociais Aplicadas
ÁREA: Administração
RESUMO: O presente trabalho analisa o posicionamento da Rússia no Conselho de Segurança das Nações Unidas (CSNU) durante a Guerra Civil da Síria e as possíveis motivações que levaram à falta de consenso e cooperação naquele órgão em relação ao conflito da Síria. A Guerra Civil Síria teve início após manifestações populares em 2011 e perdura até os dias atuais. Com o desenrolar do conflito armado, diversos grupos emergiram em busca de alcançar o poder e retirar Bashar al-Assad da presidência. No entanto, a oposição ao regime é diversa e consta com atores não-estatais armados e potências regionais e globais envolvidas. O presidente Assad também recebeu apoio externo, principalmente da Rússia, para conseguir se manter no poder e reconquistar territórios dominados pela oposição. Por causa desses envolvimentos e embates entre esses grupos, a guerra complexificou e as principais consequências atingiram os civis, pois tiveram que se deslocar ou buscar refúgio em outros países. Além disso, os anos de conflito armado provocaram diversas mortes e uma crise humanitária sem precedentes, razão pela qual espera-se uma ação para resolver o problema. Nesse cenário, o CSNU seria importante por ser um órgão responsável por manter a paz e a segurança e por aprovar intervenção em casos extremos, mas para o caso da Síria houve falta de consenso e a cooperação para resolução do conflito não aconteceu. Essa falta de consenso teve como fator central o veto da Rússia, juntamente com os vetos de outro membro permanente do CSNU, a China. Aqui exploramos as possíveis motivações para o posicionamento russo, em que sua política externa pode ter um papel decisivo para sua conduta no cenário internacional. Entre as principais motivações russas para o veto estão questões econômicas, pois existe uma parceria com a Síria; questões de estratégia e de segurança, porque sua presença na Síria o mantém também no Oriente Médio; e seu objetivo de se manter como um ator central internacionalmente.
MEMBROS DA BANCA:
Interno - 2991390 - ELIA ELISA CIA ALVES
Presidente - 1927918 - MARCOS ALAN SHAIKHZADEH VAHDAT FERREIRA
Externo ao Programa - 2206488 - MARIANA PIMENTA OLIVEIRA BACCARINI