PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA EM REDE NACIONAL (PROFSAÚDE)

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA

Telefone/Ramal
Não informado

Dissertações/Teses


Clique aqui para acessar os arquivos diretamente da Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da UFPB

2021
Descrição
  • POLYANA CARLA DA SILVA COSTA CABRAL
  • MEDIDAS DE PREVENÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE SAÚDE DA ATENÇÃO PRIMÁRIA DE CAMPINA GRANDE-PARAÍBA NO CONVÍVIO FAMILIAR DURANTE A PANDEMIA DE COVID-19
  • Orientador : RILVA LOPES DE SOUSA MUNOZ
  • Data: 28/09/2021
  • Hora: 15:00
  • Mostrar Resumo
  • Durante a pandemia da doença pelo novo coronavírus 2019 (COVID-19), os profissionais de saúde lidam com uma infecção que ainda não conhecem inteiramente. Sem qualquer intervenção farmacêutica e vacinação durante o ano de 2020, a única forma de combater a COVID-19 foi retardar a propagação da doença mediante medidas não farmacológicas (MNF). Isolamento de pacientes, quarentena, distanciamento social, mudanças na prestação de cuidados de saúde e triagem em massa foram as MNF prioritárias para lidar com a pandemia. A COVID-19 colocou em risco, de forma particular, os profissionais da saúde. Nos serviços de Atenção Primária à Saúde (APS), o cenário de incertezas também acometeu os profissionais de forma crucial. Neste contexto, a pandemia de COVID-19 e os bloqueios sem precedentes que se seguiram provocaram um impacto especial nos relacionamentos e na vida familiar. Acredita-se que muitos lares testemunharam mudanças significativas nos hábitos e nas relações da dinâmica familiar, e que aquelas foram mais intensas para os profissionais de saúde, pelo maior risco de contaminação e do medo de adoecer e de contaminar seus familiares. Portanto, compreender a adesão a MNF para prevenção da COVID-19 pelos profissionais de saúde da APS no âmbito de suas famílias é um problema de pesquisa relevante, pois existe escassez de suporte empírico em relação ao trabalho em saúde na APS no que concerne à prevenção da COVID-19 nos domicílios dos profissionais. Portanto, levantaram-se os seguintes questionamentos: Que MNF de prevenção contra a COVID-19 foram adotadas pelos profissionais de saúde da APS de Campina Grande-PB em seu ambiente domiciliar? Os profissionais aderiram ao isolamento da família para exercer seu trabalho? Quais são os principais fatores associados à adesão às medidas de prevenção no domicílio? Assim, esta pesquisa teve o objetivo de avaliar que MNF foram empregadas durante a pandemia de COVID-19 em 2020 pelos profissionais de saúde da APS do município de Campina Grande no ambiente familiar, assim como os fatores associados à não adesão a tais medidas. Para isso, realizou-se estudo observacional, de abordagem quantitativa, aplicando-se remotamente questionários aos profissionais de saúde da APS de Campina Grande, enfocando itens relacionados às referidas perguntas da pesquisa. Dois produtos decorreram desta dissertação: um artigo original resultante do mencionado estudo observacional e um vídeo instrucional intitulado “Como profissional da saúde da atenção básica, posso evitar que minha família seja contaminada durante a pandemia de COVID-19?” Os resultados do estudo observacional mostraram os seguintes achados: (1) as principais medidas não farmacológicas de prevenção, utilizadas no ambiente domiciliar pelos 7 profissionais da APS durante a pandemia da COVID-19 em 2020 foram higiene das mãos e limpeza do ambiente; (2) profissionais de saúde do sexo masculino e solteiros apresentaram menor chance de utilizar essas MNF preventivas contra a COVID-19 nos seus domicílios; (3) uma minoria dos profissionais adotou o isolamento de suas famílias (dentro do domicílio ou por mudança domiciliar) para exercer seu trabalho; e (4) a frequência de diagnóstico de COVID-19 entre os participantes foi de cerca de um terço da amostra, mas este diagnóstico não se associou ao cumprimento das principais MNF contra a doença no ambiente domiciliar. O vídeo instrucional versou sobre a transmissão da COVID-19 e medidas de prevenção no ambiente de saúde e no ambiente familiar. Acredita-se que o conteúdo elaborado em vídeo contribuirá para os treinamentos e educação permanente dos colaboradores da APS. Medidas como uso de máscara, higienização das mãos e distanciamento social devem ser mantidas, mas o uso de precauções adequadas no trabalho pode ajudar a minimizar o risco e a exposição a pacientes com COVID-19 e, por sua vez, pode proteger as famílias dos próprios profissionais.
  • MARIA ALBANETE SANTOS DE LIMA
  • ANÁLISE DA ABORDAGEM FAMILIAR NA PERSPECTIVA DE IMPLEMENTAÇÃO DA PRÁTICA NO CENÁRIO DA RESIDÊNCIA DE MEDICINA DE FAMÍLIA E COMUNIDADE DO MUNICÍPIO DE JOÃO PESSOA-PB
  • Orientador : ANDRE LUIS BONIFACIO DE CARVALHO
  • Data: 27/09/2021
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • O tema central desta dissertação de Mestrado é um estudo do modo como a abordagem familiar é realizada na Residência de Medicina de Família e Comunidade do Município de João Pessoa. O objetivo geral da dissertação é uma análise do modo como a abordagem familiar está inserida na residência na perspectiva de implementação desta prática com a elaboração de um produto educativo para os residentes. O modelo do estudo para o artigo original foi uma pesquisa do tipo exploratória com abordagem qualitativa. A amostra foi composta por residentes do segundo ano da especialização pertencentes as 4 instituições de ensino que ofertam a Residência de Medicina de Família e Comunidade, com dados coletados por meio de entrevistas diretas com preenchimento de formulário semiestruturado. O conteúdo da cartilha foi elaborado a partir de uma revisão da literatura, da análise dos resultados do estudo de campo e discussão com médicos terapeutas de família. Os resultados da pesquisa de campo foram apresentados no artigo original sob o título “Análise da abordagem familiar na perspectiva de implementação da prática no cenário da residência de Medicina de Família e Comunidade do município de João Pessoa-PB”. A apresentação do produto educacional para os residentes foi a cartilha sobre a abordagem familiar sob o título “Abordagem Familiar”. No estudo de campo foram entrevistados 08 residentes com faixa etária entre 26 e 43 anos, formados entre os anos de 2012 e 2019. Observou-se que os residentes entendem a importância da abordagem familiar para uma assistência integral a saúde dos usuários. Em sua totalidade concordam que é uma competência fundamental para a formação do médico de família, entretanto, 75% deles consideram seus conhecimentos e habilidades em abordar as famílias baixo ou mediano. Após análise das entrevistas, concluiu-se que há baixa utilização das ferramentas de abordagem familiar por parte dos residentes por inúmeras razões, relacionadas ao processo de ensino e aprendizagem e a organização dos processos de trabalho das equipes nas unidades de saúde da família. A partir destes resultados encontrados na pesquisa de campo, elaborou-se a cartilha educativa para os residentes versando sobre a importância da abordagem familiar, a aplicabilidade, as ferramentas e estratégias para sua utilização no campo da prática. Portanto, os objetivos da presente Dissertação foram alcançados
  • RACHEL DE ALCÂNTARA OLIVEIRA RAMALHO
  • CONHECIMENTO DE PUÉRPERAS SOBRE ANALGESIA FARMACOLÓGICA DO PARTO NORMAL EM UMA MATERNIDADE PÚBLICA NO INTERIOR DO RIO GRANDE DO NORTE, BRASIL
  • Orientador : RILVA LOPES DE SOUSA MUNOZ
  • Data: 27/07/2021
  • Hora: 10:00
  • Mostrar Resumo
  • O tema central desta Dissertação de Mestrado é o conhecimento de parturientes em relação ao alívio da dor durante o trabalho de parto, assim como a associação entre a informação que dispõem e a sua decisão compartilhada quanto ao tipo de parto na maternidade do Hospital Universitário Ana Bezerra (HUAB), da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). O objetivo geral da dissertação foi avaliar o conhecimento de parturientes sobre analgesia farmacológica para o parto vaginal e elaborar um produto educativo para gestantes sobre alívio da dor do parto. O modelo do estudo para o artigo original foi descritivo e transversal, de abordagem quantitativa. A amostra foi composta por puérperas atendidas na maternidade do HUAB, com dados coletados por meio de entrevistas diretas, preenchimento de questionário estruturado, assim como revisão de prontuários. O conteúdo da cartilha foi desenvolvido a partir de uma revisão da literatura, dos resultados do estudo de campo e discussões com médicos anestesistas. Os resultados da pesquisa de campo foram apresentados no artigo original sob o título “Conhecimento de Puérperas sobre analgesia do Parto Normal em Maternidade Pública no Interior do Rio Grande do Norte, Brasil”. A apresentação de produto educacional para gestantes foi uma cartilha sobre analgesia da dor do parto vaginal sob título de “Analgesia do Parto: Vamos Conhecer?”, voltada para o públicoalvo de gestantes, especialmente para as usuárias da maternidade do HUAB/UFRN, e coerente com a linha de pesquisa de Educação e Saúde do Mestrado Profissional em Saúde da Família, PROFSAUDE. No estudo de campo, foram entrevistadas 99 puérperas, cujo perfil foi de jovens com nível médio de instrução, pardas, em união consensual, baixa renda, sem ocupação remunerada, não primíparas e com assistência pré-natal. Observouse que 78,8% tiveram parto normal e houve relação estatisticamente significativa deste tipo de parto com maior nível de escolaridade, renda maior que um salário-mínimo e trabalho remunerado. Verificou-se que apenas 22,2% sabiam da disponibilidade da analgesia para o parto vaginal. A decisão da gestante sobre o tipo de parto também se associou com a ocorrência de parto vaginal, mas não houve associação entre conhecimento da existência de analgesia do parto na maternidade com a decisão materna ou com a realização do parto vaginal. Concluiu-se, a partir dos resultados do estudo, que a frequência de conhecimento sobre disponibilidade de analgesia para o parto foi baixa, compatível com resultados de outros países em desenvolvimento. O conhecimento materno sobre a disponibilidade de alívio da dor durante o trabalho de parto se relacionou com nível de escolaridade, renda e trabalho remunerado, mas não se associou com a decisão materna pelo parto vaginal ou com a realização deste tipo de parturição. A partir destes resultados na pesquisa de campo, elaborou-se a cartilha educativa para gestantes sobre alívio da dor do parto normal, versando sobre a importância do parto vaginal, a dor do parto e as técnicas disponíveis para o alívio da dor. Portanto, os objetivos da presente Dissertação foram alcançados.
  • SHEILA LUCIA SERPA LEAL
  • QUALIDADE DO PREENCHIMENTO DA CADERNETA DE SAÚDE DA CRIANÇA
  • Data: 11/05/2021
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • O acompanhamento do crescimento da criança tem sua longitudinalidade de cuidado na Atenção Básica à Saúde conforme calendário de puericultura previsto pelo Ministério da Saúde. Em todo o território brasileiro, dispomos da Caderneta de Saúde da Criança (CSC) para o registro das tendências de crescimento e seu correto uso é uma ação valiosa para observação de crianças em situação de vulnerabilidade. A presente dissertação tem como objetivo discutir o acompanhamento do crescimento das crianças no Brasil e em João Pessoa, Paraíba, partindo da observação da utilização da CSC pelos profissionais da Atenção Básica à Saúde. Desse modo, produziu-se: i) uma Revisão Sistemática da Literatura sobre o preenchimento das curvas de crescimento da CSC no Brasil e ii) um estudo transversal observacional analítico sobre o uso do instrumento na cidade de João Pessoa e possíveis correlações com desvios nutricionais. Foram incluídos e estudados 15 artigos na Revisão da Literatura, todos demonstrando preenchimento insatisfatório dos registros de crescimento da CSC, assim revelando a fragilidade no uso desse instrumento em todo território nacional. A análise observacional realizada localmente também corroborou a necessidade de investimento em capacitação e sensibilização de profissionais de saúde e da população para a importância do uso adequado da CSC, tendo em vista que apenas para a curva de peso por idade do segundo ano de vida foi encontrado percentual de preenchimento adequado maior que 50%. Sem a pretensão de encerrar a discussão, o presente estudo espera colaborar para o reconhecimento da imprescindibilidade da CSC para o cuidado integral e promoção da saúde das crianças brasileiras.
  • LINDALVA COELHO DE CARVALHO
  • Análise Crítica das Taxas de Cesarianas em um Serviço de Atenção Terciária
  • Data: 26/02/2021
  • Hora: 16:00
  • Mostrar Resumo
  • O parto cesárea (PC) tem crescido de forma vertiginosa. Entretanto, não existem evidências científicas de que esse aumento tenha colaborado para melhores desfechos. A Organização Mundial da Saúde (OMS) preconiza que a Taxa de Cesarianas (TC) deve variar de 10 a 15%. Em 2014, houve um incentivo ao uso da Classificação de Robson (CR) para nortear as avaliações das TCs nos países. Muitos fatores influenciam na tomada de decisão durante a assistência periparto sobre a via do nascimento. A discussão contemporânea gira no sentido de evidenciar características vinculadas à indicação do parto operatório e das causas relacionadas à opção demasiada pelo PC. O PC pode salvar vidas, tanto de mulheres, quanto de recémnascidos. Neste sentido, a presente dissertação discute a TC, no contexto nacional e local, bem como a utilização da CR para a estratificação das mulheres que são submetidas à assistência obstétrica nas unidades materno-infantis. Produziu-se: i) uma Revisão Sistemática da Literatura sobre a TC e a implementação da CR no Brasil; ii) estudo transversal observacional analítico sobre a TC e a estratificação das mulheres pela CR em uma maternidade escola; iii) um Relatório Epidemiológico da TC do serviço hospitalar estudado. Sem a pretensão de encerrar a discussão, é imperativa a necessidade de questionar os modelos assistenciais, de forma a construir panoramas mais dinâmicos, participativos e multidisciplinares. Utilizar a Classificação de Robson de forma contínua mostrou ser uma boa intervenção no sentido de monitorar as ações das unidades materno-infantis. Por meio de tal análise, é possível agir mais rapidamente, construindo políticas de intervenção e novos protocolos clínicos para, desse modo, ofertar uma assistência cada vez melhor às gestantes. Apesar de colaborar na avaliação dos serviços, percebeu-se como uma limitação da aplicabilidade da CR a quantidade de grupos e a ausência de caracteres, dentro da classificação, que diferenciem os grupos clinicamente mais prevalentes de comorbidades e que, dessa forma, estejam mais propensos ao PC.
2020
Descrição
  • PABLO RODRIGUES COSTA ALVES
  • Manejo das doenças renais na atenção primária a saúde: revisando papéis e propondo roteiros práticos
  • Data: 05/11/2020
  • Hora: 17:00
  • Mostrar Resumo
  • O paciente portador de doença renal crônica (DRC) possui diversos problemas clínicos, sociais e psicológicos, além do problema renal em si. Ao iniciar o tratamento com o nefrologista, o paciente costuma centralizar seu cuidado no especialista em nefrologia, limitando seu plano de cuidado à disfunção renal e suas complicações, à terapia substitutiva renal (quando em diálise) e aos problemas clínicos relacionados como a doença cardiovascular. Essa prática desencontra-se daquela proposta pelo Ministério da Saúde de centralizar o cuidado dos indivíduos na atenção primária, onde o médico de saúde da família e comunidade (MFC) seria o coordenador do cuidado. Diferente da recomendação ministerial, diversos autores sugerem que o nefrologista tem assumido o papel de prestador/coordenador de cuidados primários ao paciente, enquanto o MFC tem papel secundário ou nulo na assistência deste grupo de pacientes. Diversos autores apontam que a pouca participação do MFC no cuidado destes pacientes deve-se a múltiplos fatores, sobretudo ao fato dos nefrologistas, dos MFC e dos pacientes possuírem dúvidas quanto as habilidades do MFC em manejar problemas primários de saúde e em coordenar o cuidado deste grupo complexo de pacientes. A escassez de materiais relacionados a nefrologia e a DRC voltados para o MFC e atenção primária a saúde (APS), nos portais do Ministério da Saúde e Departamento de Atenção Básica, pode contribuir para a insegurança dos MFC ao abordar pacientes portadores de DRC. Neste sentido, o livro “Como manejar as doenças renais na atenção primária a saúde” é apresentado nesta dissertação com a proposta de contribuir para a educação continuada de médicos atuantes na APS. Além disso, outros produtos são – também, apresentados: cartão de acompanhamento longitudinal do paciente portador de DRC, materiais educativos voltados para pacientes portadores de DRC e uma revisão integrativa nomeada “Coordenação de cuidados primários para o paciente com doença renal crônica em diálise: revisitando papéis”
2019
Descrição
  • JANDIRA ARLETE CUNEGUNDES DE FREITAS
  • PERCEPÇÃO DE PROFISSIONAIS DA ESF SOBRE A INSERÇÃO DA RESIDÊNCIA DE MEDICINA DE FAMÍLIA E COMUNIDADE NAS SUAS EQUIPES
  • Data: 31/05/2019
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • O tema central deste estudo e a insercao da residencia de Medicina de Familia e Comunidade em Unidades Basicas de Saude, analisada na perspectiva de profissionais de equipes da Estrategia Saude da Familia. Os objetivos sao descrever e analisar, esta insercao em seu cenario de pratica, a partir da visao dos trabalhadores destas equipes, assim como a contribuicao desta equipe interprofissional sobre a formacao dos residentes. O modelo da pesquisa foi descritivo, com abordagem qualitativa. Os participantes foram 27 profissionais que fazem parte de cinco equipes inseridas em quatro Unidades Basicas de Saude da cidade de Mossoro-RN (tres enfermeiros, uma tecnica de enfermagem, 21 agentes comunitarios de saude, um tecnico de saude bucal e um auxiliar de consultorio dentario. As entrevistas foram realizadas atraves da tecnica do grupo focal, com gravacao em audio, transcricao posterior e realizacao de analise de conteudo proposta por Bardin. Atraves da analise tematica, emergiram as seguintes categorias: residencia e a sua presenca na equipe, residencia e o processo de trabalho, residencia e a comunidade e residencia e a gestao. A pesquisa permitiu uma analise de diversos aspectos relacionados a insercao e atuacao da residencia nas unidades referidas, ressaltando potencialidades e fragilidades neste processo.
  • RANULFO CARDOSO JUNIOR
  • AVALIAÇÃO DA SUPERVISÃO ACADÊMICA NO PROGRAMA MAIS MÉDICOS NA PARAÍBA
  • Data: 29/05/2019
  • Hora: 13:00
  • Mostrar Resumo
  • A supervisao academica dos medicos vinculados ao Programa Mais Medicos (PMM) para o Brasil e considerada uma estrategia estruturadora do Programa. Entretanto, tem-se pouco conhecimento sobre a supervisao academica na perspectiva dos medicos supervisionados, tampouco se essa difere entre medicos brasileiros e estrangeiros e em que medida a area de atuacao desses profissionais [urbana, rural ou urbana/rural (mista)] influenciou o conceito da referida supervisao Nesse sentido, esta pesquisa teve como objetivo avaliar a referida supervisao na percepcao desses medicos, especificamente, na Paraiba (PMM-PB). Para sua realizacao, utilizou-se metodologia qualitativa documental, a partir do Banco de Dados do inquerito conduzido sobre o PMM-PB, o qual contem informacoes obtidas por questionario semiestruturado sobre a visao deles, no periodo 2015 a 2016. Desse inquerito, foi selecionado um subconjunto de 36 questoes fechadas, dentre as 121 documentadas. Foram pesquisados 251 medicos desse Programa, com faixa etaria entre 25 a 55 anos. As respostas fechadas foram analisadas pelo Chi quadrado e o Teste Exato de Fisher, sendo considerado nivel de significancia de 5% (p< 0,05). A formacao academica tem tempo similar entre os grupos, mas, na pos-graduacao (especializacao ou residencia) na area de saude da familia, os estrangeiros superaram os brasileiros, bem como na experiencia de trabalho na atencao primaria a saude. Com relacao a supervisao academica, independentemente da nacionalidade e da area de atuacao do profissional do PMM-PB, a supervisao academica recebeu conceitos “muito bom e otimo”, atribuidos pela maioria dos medicos do PMM-PB, destacando-se a relacao cordial, a facilidade de acesso ao supervisor, o suporte as decisoes clinicas bem como o seu envolvimento no Programa. Entretanto, foram consideradas insuficientes as acoes da supervisao para resolucao de problemas de gestao.
  • MARIA CELESTE DANTAS JOTHA
  • REPERCUSSÕES CLÍNICAS E SOCIAIS DE CRIANÇAS PORTADORAS DE INFECÇÃO CONGÊNITA POR ZIKA VÍRUS ACOMPANHADAS EM UM CENTRO DE REFERÊNCIA DE JOÃO PESSOA JOÃO PESSOA
  • Orientador : CLAUDIO SERGIO MEDEIROS PAIVA
  • Data: 29/05/2019
  • Hora: 11:00
  • Mostrar Resumo
  • Em 2015, apos um aumento inesperado do numero de recem-nascidos microcefalicos associados a uma historia materna de doenca exantematica durante a gravidez, foi descoberto um novo membro dos agentes etiologicos responsaveis pelas infeccoes congenita por transmissao vertical: o Virus Zika. A infeccao congenita pelo Zika virus (CVZ), alem da microcefalia, leva a serios compometimentos neurologicos e sistemicos causando um severo atraso no desenvolvimento destas criancas. No presente estudo, foram revisados vinte e nove casos de criancas diagnosticadas com infeccao congenita por Zika virus e microcefalia acompanhados em um centro de referencia na cidade de Joao Pessoa. O trabalho buscou descrever os principais achados clinicos, complicacoes neurologicas e malformacoes congenitas sistemicas presentes nestas criancas e compreender o impacto que a patologia causos na qualidade de vida nas familias. A analise foi feita atraves de exame fisico e neurologico das criancas ao completarem dois anos de vida, revisao de dados de prontuario medico e entrevista dos cuidadores para preenchimento de ficha com questionario semiestruturado contemplando variaveis sociodemograficas e aplicacao de escala para avaliacao da qualidade de vida WHOQOL-Bref. Cinquenta e um por cento das maes relataram a presenca de sintomas sugestivos de Febre do Zika no primeiro trimestre da gravidez. Em relacao as complicacoes neurologicas detectadas, a epilepsia foi a de maior relevancia, afetando 79% dos casos. A alteracao comportamental encontrada com maior frequencia foi a irritabilidade (n=4). Cinquenta e um por cento das criancas apresentaram linguagem no estagio inicial de sons guturais (n=15) e quarenta e um por cento nao apresentavam controle cervical completo (n=12) ao serem avaliadas aos 24 meses de vida, configurando grave atraso no desenvolvimento neurologico esperado para a idade. Noventa e tres por cento dos pacientes apresentaram algum tipo de comprometimento motor. Dentre os acometidos, 100% apresentou padrao motor de tetraparesia espastica. Malformacoes cardiacas, renais e osseas foram as principais encontradas no estudo.(n=9). Em relacao aos dados sociais e de qualidade de vida familiar, os resultados mostram que a genitora exerce o papel de principal cuidador em noventa por cento das familias, fato que motivou 60% das cuidadoras a sair do trabalho e 25% a trancarem os estudos. Houve mudanca na intencao reprodutiva em 55% das familias. Metade das familias analisadas vivenciou alguma situacao de preconceito. A depressao e lombalgia foram os principais sintomas citados pelas cuidadoras e atribuidos as necessidades especiais do cuidado a crianca com Zika virus. Em relacao a renda familiar, a principal fonte de recursos financeiros foi o trabalho informal. Das familias analisadas, quarenta por cento nao possuem a figura paterna inserida no seu nucleo familiar. Em relacao a qualidade de vida, a media dos valores da escala WHOQOL-Bref demostraram valores abaixo de 50% em todos os dominios analisados, demonstrando uma percepcao negativa da qualidade de vida. Apesar do pequeno numero de pacientes analisados, os dados obtidos neste estudo, sugere que CVZ gera um forte impacto emocional, fisico, economico e social no nucleo dessas familias. Os dados do presente estudo visam auxiliar a construcao do conhecimento cientifico sobre a evolucao natural da infeccao congenita por Zika virus com suas repercussoes clinicas e sociais, contribuindo na incorporacao de novas evidencias para melhor descrever a historia natural dessa doenca.
  • LIGIANE MEDEIROS DIÓGENES
  • ESTILOS DE APRENDIZAGEM DE ESTUDANTES DE CURSOS DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA DE MOSSORÓ - RN
  • Data: 30/04/2019
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • Os estilos de aprendizagem referem-se a maneira preferencial na qual cada individuo recebe e processa uma informacao transformando-a em conhecimento. Essa habilidade e passivel de ser desenvolvida e abrange aspectos cognitivos, afetivos, fisicos e ambientais. Ao aplicar esta questao ao ensino de medicina, a hipotese principal deste estudo foi de que o estilo de aprendizagem predominante nos estudantes de um curso de medicina que emprega metodologias ativas inovadoras difere do estilo de alunos de escolas com metodologias tradicionais. O objetivo deste estudo e analisar comparativamente o perfil de estilos de aprendizagem de estudantes do curso de medicina da Universidade Federal do Seminario (UFERSA) e do curso de medicina da Universidade Estadual do Rio Grande do Norte (UERN) nos campi de Mossoro-RN, assim como verificar associacoes entre esta variavel primaria com indices de rendimento escolar e variaveis sociodemograficas. Realizou-se estudo observacional e transversal de abordagem quantitativa, com autoadministracao do Inventario de Estilos de Aprendizagem de Kolb a 80 alunos da UERN e 60 da UFERSA cursando os dois primeiros anos da graduacao. O registro do Coeficiente de Rendimento Academico (CRA), a media do Exame Nacional do Ensino Medio (ENEM) e a renda familiar mensal (RFM) foram feitos atraves do autorrelato. A idade variou de 18 a 39 anos, com media e desvio-padrao de 23,2 (±4,4) anos, 54,3% do sexo feminino. O estilo de aprendizagem mais frequente foi o convergente (47,8%), seguido pelo assimilador (32,8%), o menos frequente foi divergente (5%). Nao houve diferencas na distribuicao dos tipos de estilo de aprendizagem entre os estudantes das duas escolas pesquisadas. Observou-se que o CRA, as notas do ENEM e a RFM nao divergiram entre os grupos de alunos classificados em relacao ao estilo de aprendizagem. As notas do Enem se associaram ao CRA (p=0,041) e a idade (p=0,001). Os achados do presente estudo nao corroboram, portanto, a hipotese de que haveria associacao entre rendimento academico expresso pelo CRA e nota do Enem e estilos de aprendizagem na amostra. As preferencias de estilo de aprendizagem sao discordantes de resultados de pesquisas recentes. Contudo, ha grande variabilidade na literatura que, nao obstante, confirma o achado de que todos os estilos estiveram presentes em diferentes proporcoes. As hipoteses deste estudo nao foram corroboradas pelos resultados, que revelaram que o estilo de aprendizagem nao diferiu entre os alunos das duas escolas publicas de medicina de Mossoro que usam diferentes metodologias de ensino, assim como pela ausencia de evidencias de associacoes entre estilos de aprendizagem e indices de rendimento escolar e variaveis sociodemograficas. Espera-se que os resultados possam contribuir para o reconhecimento dos estilos de aprendizagem no contexto da educacao medica fornecendo aos discentes, docentes e coordenadores informacoes que favorecam o aperfeicoamento do processo de ensino e aprendizagem nesse momento desafiador de implantacao de novas metodologias.
  • ALEXANDRE JOSE DE MELO NETO
  • FATORES ASSOCIADOS À INTENÇÃO DE PERMANECER TRABALHANDO NA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE ENTRE OS MÉDICOS BRASILEIROS DO PROGRAMA MAIS MÉDICOS NA PARAÍBA
  • Data: 29/04/2019
  • Hora: 16:00
  • Mostrar Resumo
  • Como acontece em varios outros paises, no Brasil ha desigualdades regionais e sociais na distribuicao de profissionais medicos, fato que compromete a ampliacao da Estrategia Saude da Familia (ESF). O Programa Mais Medicos (PMM) tem como objetivo suprir esta carencia e tem conseguido sucesso neste processo, porem e incerto se, excluidas as caracteristicas do PMM, os medicos ainda permanecerao na APS. Este estudo identifica caracteristicas relacionadas ao PMM e ao trabalho dos medicos, que aumentam a sua intencao de permanecer trabalhando na APS apos o termino do programa. Metodologia: Trata-se de estudo observacional, transversal, quantitativo, descritivo e analitico, a partir de um banco de dados formado de um questionario online aplicado aos medicos pertencentes ao PMM, na Paraiba, entre dezembro de 2015 e setembro de 2016. Foi realizada analise descritiva, por meio de medias e desvios-padrao, frequencias absolutas e proporcoes. Para a identificacao das variaveis associadas a intencao de permanecer trabalhando na APS apos o programa, calculou-se a razao de prevalencia (RP), atraves do modelo de Poisson, construindo um modelo multivariado. Resultados: Os resultados sao apresentados em 2 artigos. O primeiro aponta, a partir da avaliacao dos medicos, unidades de saude com estrutura fisica, medicamentos e insumos que ainda podem ser melhorados; equipes de saude completas, com vinculos empregaticios frageis, desenvolvendo processos de trabalho dinamicos com planejamento e atividades em grupo; e fragilidade no eixo tecnico-pedagogico das equipes de apoio matricial. Apesar das dificuldades, observa-se a intencao de 83,5% dos medicos (brasileiros e estrangeiros) de permanecerem trabalhando na APS apos o PMM. O segundo artigo aponta que especificamente entre os brasileiros, 78,4% dos medicos tem a intencao de permanecer trabalhando na APS apos o PMM. Observa-se relacao direta entre esta intencao e o aumento da idade dos medicos e de seu tempo de formacao; ter se graduado em outro pais e ter tido boa experiencia com a supervisao do PMM; estar satisfeito com a gestao municipal; e ter interesse em ser preceptor e/ou fazer a Residencia de Medicina de Familia e Comunidade. Consideracoes Finais: O estudo oferece elementos importantes sob a perspectiva dos medicos para varios dos elementos do PMM. Estes dados indicam a importancia para os gestores em saude de qualificar a rede, de forma a reter a presenca de bons profissionais de saude e garantir uma APS de qualidade para a populacao. Os dados permitem ainda avaliar o PMM enquanto politica publica, contribuindo para a qualificacao das politicas de provimento de profissionais de saude para a APS e o SUS como um todo.
  • PHILIPE MENESES BENEVIDES
  • AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS MÉDICOS DO PROGRAMA MAIS MÉDICOS
  • Data: 29/04/2019
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • A escassez de medicos e sua ma distribuicao no Brasil fazem parte do conjunto de desafios para a qualificacao do Sistema Unico de Saude. O Programa Mais Medicos foi instituido buscando-se garantir o efetivo provimento de medicos para as areas prioritarias e reducao das desigualdades regionais. Para garantir a atracao e a fixacao de medicos na Atencao Basica em longo prazo, faz-se necessario estudar a satisfacao destes com o Programa Mais Medicos, a fim de oferecer subsidios para a tomada de decisao dos gestores para acoes futuras com esses fins. Assim, o presente estudo tem como objetivo identificar quais fatores de satisfacao sao mais bem avaliados e quais influenciam na satisfacao geral do medico com PMM no estado da Paraiba. Para tanto, realizou-se uma pesquisa quantitativa a partir de dados secundarios oriundos de um instrumento de avaliacao de satisfacao do medico inserido no Programa Mais Medicos no estado da Paraiba. Este instrumento gerou banco de dados com dados de 249 respondentes, cujos resultados deram origem a analises divididas em dois artigos. No primeiro artigo, a partir de uma analise descritiva e exploratoria do banco, destaca-se que a avaliacao do trabalho dos medicos nos programas demonstra bom nivel de satisfacao, com alta indicacao de permanencia no programa e no trabalho na Atencao Basica. No segundo artigo, a partir da modelagem de equacoes estruturais, e proposto um modelo explicativo da satisfacao do medico do PMM, a partir do qual se observa 49 variaveis indicadoras agrupadas em 6 dimensoes: medicamentos, estrutura, aspectos do Programa Mais Medicos, apoio, impressos e equipamentos. O presente estudo verificou, assim, quais itens mais bem avaliados e estrutura fatorial de um questionario estrategico para outros pesquisadores estudarem a satisfacao do medico que atua em sistemas de saude. Possibilita tambem a gestores buscarem formas de diminuir a rotatividades de profissionais de saude, conseguindo menores custos e oferta de melhor cuidado a saude de uma populacao.
  • ANA FLAVIA SILVA AMORIM ARRUDA
  • AVALIAÇÃO DAS REDES DE SAÚDE ATRAVÉS DA VISÃO DOS MÉDICOS DO PROGRAMA MAIS MÉDICOS DO BRASIL NA PARAÍBA
  • Data: 25/04/2019
  • Hora: 11:00
  • Mostrar Resumo
  • Redes de Atencao a Saude sao arranjos organizativos de acoes e servicos de saude, de diferentes densidades tecnologicas, que integradas por meio de sistemas de apoio tecnico, logisticos e de gestao, buscam garantir a integralidade do cuidado (BRASIL, 2010). O trabalho de saude no formato de Redes e internacionalmente reconhecido como um modelo eficaz quando se pensa em promover saude integralmente e tambem quando se faz necessario equalizar a distribuicao dos servicos em grande area populacional ou territorial com responsabilidade sanitaria e economica. Desenvolver o principio da integralidade foi e continua a ser um grande desafio enfrentado pelo Estado; desafio este, entre outros aspectos, muito relacionado a dificuldade de acesso aos servicos ofertados e a necessidade de coordenacao do cuidado, que implica em permanente comunicacao entre os servicos; para o qual necessitamos de uma atencao primaria funcionante e robusta. O presente trabalho buscou, atraves da visao dos profissionais do Programa mais medicos do Brasil no estado da Paraiba, desenhar o acesso as redes de atencao a saude no estado da Paraiba. Foi possivel tambem desenvolver o perfil socio demografico dos profissionais atuantes no programa assim como caracterizar atraves da impressao destes profissionais, tanto o acesso as redes por macrorregiao de saude quanto a existencia de hierarquizacao do trabalho em saude
  • EDENILSON CAVALCANTE SANTOS
  • AVALIAÇÃO DO ATRIBUTO ACESSO DOS USUÁRIOS HIPERTENSOS A UMA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE
  • Data: 15/02/2019
  • Hora: 14:00
  • Mostrar Resumo
  • A Atencao Primaria a Saude (APS) se apresenta como uma estrategia de reorganizacao do modelo de atencao a saude. O advento da Estrategia Saude da Familia (ESF) aprofundou a responsabilidade sanitaria de equipes de Saude da Familia cujo trabalho se fundamenta em ser referencia de cuidados para a populacao adscrita. A qualidade dos servicos de saude deve ser medida com instrumentos validos e fidedignos. A necessidade do cuidado as pessoas portadoras de Hipertensao Arterial Sistemica (HAS) tem impulsionado a formulacao e implementacao de politicas publicas de saude para o enfrentamento dessas doencas. A presente pesquisa objetivou avaliar o atributo essencial acesso da APS atraves da aplicacao do instrumento PCATool-Brasil versao Adulto aos usuarios hipertensos acompanhados por equipe de Saude da Familia em uma Unidade Basica de Saude do municipio de Campina Grande-PB. Trata-se de um estudo de abordagem quantitativa, de natureza observacional, descritiva do tipo transversal. Foram utilizados os itens A, B e C do instrumento para entrevistar 66 pessoas. Os dados coletados foram analisados indutivamente atraves da analise de conteudo produzido a partir da aplicacao do instrumento, verificando e testando as associacoes entre variaveis e se adotou o nivel de significancia de 5% (p<0,05). A analise dos dados foi feita inicialmente com o calculo dos escores obtidos. Esta pesquisa mostrou que os hipertensos atendidos na UBS estudada avaliaram como satisfatorios o Grau de Afiliacao e a Utilizacao do servico de saude, e como insatisfatorio a Acessibilidade. O Escore Essencial do atributo Acesso de Primeiro Contato alcancou uma pontuacao considerada adequada. Os resultados encontrados neste estudo foram concordantes aos observados na literatura consultada. Constatou-se que a acessibilidade apresenta fragilidades em diversos servicos de saude, inclusive no local deste estudo. Conclui-se que o acesso dos hipertensos na UBS analisada encontra-se adequado segundo os parametros do PCA Tool. Entretanto, e valido salientar que avalicoes deste tipo devem fazer parte da rotina dos servicos de saude para que as debilidades sejam identificadas com a finalidade de que a APS exerca de forma plena os seus atributos.
2018
Descrição
  • PAULA FALCÃO CARVALHO PORTO DE FREITAS
  • EDUCAÇÃO PERMANENTE OU INTERMITENTE?
  • Data: 20/12/2018
  • Hora: 09:00
  • Mostrar Resumo
  • O trabalho em questao teve como objetivo analisar a implementacao da Politica Nacional de Educacao Permanente em Saude (PNEPS) na Atencao Primaria a Saude (APS) na cidade de Campina Grande, na Paraiba (PB). Para tanto, o estudo foi desenvolvido utilizando-se duas estrategias. A primeira foi realizada por meio de uma revisao na literatura atraves de pesquisas nas bases de dados SciELO, utilizando os seguintes Descritores em Ciencias da Saude (DeCS): Educacao permanente; Atencao Primaria a Saude; Telessaude. Para selecao dos artigos foram estabelecidos os seguintes criterios: artigos em portugues, ingles ou espanhol, com restricao a producao nacional, com titulo relacionado a PNEPS na APS, a partir de 2010 porque, no Brasil, a PNEPS foi iniciada em 2004 e revisada em 2009. A segunda estrategia de analise da politica se deu por meio da avaliacao de sua implementacao em Campina Grande/PB atraves de um questionario aplicado aos medicos da Estrategia de Saude da Familia (ESF). Como resultados obtidos, foram redigidos dois artigos que foram submetidos a Revista Pan-Americana de Saude da Organizacao Pan-Americana de Saude (OPAS). O primeiro seguiu as regras de um artigo de opiniao que concluiu que a PNEPS implementada seria capaz de produzir dialogo e cooperacao entre os profissionais, entre os servicos e entre a gestao, atencao, formacao e controle social, para que essas areas se potencializassem e ampliassem a capacidade de todos para enfrentar e resolver problemas com qualidade. Tambem contribuiria para a analise da equipe a respeito de suas proprias relacoes e de seu processo de trabalho, que e atravessado por instituicoes diversas. O segundo artigo mostrou que apenas 31% dos medicos de Campina Grande que trabalham na Estrategia de Saude da Familia (ESF) conheciam a PNEPS, e apenas um tinha lido realmente a portaria em questao, apesar de apresentar dificuldades para sua utilizacao como todos os outros. Semelhante ao cenario nacional, nao ha apoio da gestao local, o que pode corresponder a questoes micropoliticas, alem de questoes relacionadas a formacao destes profissionais que nao sao expostos ao cotidiano da APS de modo satisfatorio durante a graduacao, o que prejudica a pratica de uma atitude critico-reflexiva necessaria ao agir em saude.
  • MELINA PEREIRA FERNANDES
  • ESTUDO DO TEMPO ENTRE O DIAGNÓSTICO E O INÍCIO DO TRATAMENTO DE CRIANÇAS COM CÂNCER EM UM CENTRO DE REFERÊNCIA DA PARAÍBA
  • Data: 14/12/2018
  • Hora: 08:00
  • Mostrar Resumo
  • Essa dissertacao trata-se de um estudo transversal retrospectivo, descritivo, com abordagem quantitativa, atraves da analise de prontuarios e banco de dados do Hospital Napoleao Laureano, referencia no tratamento de cancer na Paraiba. A populacao constitui-se de todos os casos de criancas de 0 a 18 anos, com diagnostico de cancer. O presente estudo pretende avaliar o tempo entre o diagnostico e o inicio do tratamento das criancas com cancer no Estado na Paraiba, no periodo de junho/2013 a junho/2017, bem como o cumprimento da Lei n° 12.732 para os pacientes pediatricos oncologicos. Quanto ao tempo de intervalo entre o diagnostico e o inicio do tratamento, optamos por separar os pacientes em 2 grupos: tumores hematologicos (Leucemias e Linfomas) e tumores solidos (os demais), que correspondem a 104 e 112 criancas, respectivamente. As criancas com tumores hematologicos apresentaram uma media de 6,1 dias (±9,5), mediana de 2 dias (Percentis 0 – 07) com valor minimo de 0 dias e maximo de 37 dias. As criancas com tumores solidos apresentaram uma media de 18,6 dias (±16,6) entre o diagnostico e o inicio do tratamento, mediana de 14 dias (Percentis 07 – 26) com valor minimo de 0 dias e maximo de 77 dias. Observamos em nosso estudo que 98% das criancas iniciaram seu tratamento antes de 60 dias. Com base nesses resultados e das caracteristicas peculiares do cancer infantojuvenil, sugere-se reduzir o tempo maximo do inicio do tratamento preconizado pela Lei 12.732 para este grupo de pacientes.