PROGRAMA INTEGRADO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FILOSOFIA (PIPGF)

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA

Telefone/Ramal:
Não informado
http://www.ufpb.br/pos/pipgf

Notícias


Banca de DEFESA: JANDUI EVANGELISTA DE OLIVEIRA

Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: JANDUI EVANGELISTA DE OLIVEIRA
DATA: 18/03/2019
HORA: 09:00
LOCAL: UFPB
TÍTULO: A RELAÇÃO ENTRE MÚSICA E FELICIDADE EM SANTO AGOSTINHO
PALAVRAS-CHAVES: Plavras-chave: Felicidade; Música; Agostinho.
PÁGINAS: 172
GRANDE ÁREA: Ciências Humanas
ÁREA: Filosofia
SUBÁREA: História da Filosofia
RESUMO: O emprego da musica na busca da felicidade nao e privilegio de nossa epoca, na qual esta em moda as chamadas musicoterapias com vista ao bem-estar do homem frente ao mal-estar da complexa sociedade pos-moderna; ao contrario do que se possam supor essas duas tematicas estao presentes nas investigacoes filosoficas desde o nascimento da filosofia. Nesse sentido, em Atenas encontram-se as primeiras apologias da felicidade dissociada do mundo sensivel e inteiramente relacionada a boa vida da alma. Igualmente, enquanto componente curricular da educacao grega, a musica exercia um papel de importancia capital, pois suas conexoes com outros campos do saber ultrapassam em muito o sentido comum do que se costuma entender por musica, isto e, como um fenomeno audivel que pode ser percebido sensorialmente. Contudo, apesar de estarem presentes nas investigacoes filosoficas desde a origem da filosofia, a musica e a felicidade sempre foram tratadas isoladamente, independentes e praticamente, sem nenhuma vinculacao. Em vista disso, decorre o erro de se compreender a musica apenas como um produto destinado ao laser, o que implica na compreensao de uma felicidade desconectada da interioridade humana. Esse tipo de abordagem da musica e da felicidade como coisas desconexas se estendeu tambem pela Idade Media, com algumas variacoes, conforme discutiremos a seguir quando tratarmos do pensamento de Santo Agostinho. Para tanto, apresentaremos as principais raizes filosoficas do pensamento greco-romano que inspirou Agostinho e ao mesmo tempo, expor suas particularidades no tocante estas questoes. Assim, ao lermos aquilo que o Bispo de Hipona abordou no conjunto geral de sua obra sobre a musica e a felicidade, e digno notar que ele procurou evitar admitir aquilo que, para ele, foi um grande equivoco das investigacoes anteriores que seria o de defender que a verdadeira felicidade dependeria exclusivamente do esforco pessoal de cada um, a medida que para ser feliz bastava tao somente viver em conformidade com a razao. E por outro lado, evitou limitar o valor da musica somente a ciencia da boa modulacao e por isso procurou moderar o prazer sensivel em funcao dos prazeres espirituais. Com isso, a musica e elevada a categoria de uma fruicao transcendente e suprassensivel, ponto de encontro do humano com o divino, fonte da verdadeira felicidade. Portanto, nota-se a existencia da convergencia entre a musica e felicidade, uma vez que, se a verdadeira felicidade esta no alcance do Sumo Bem, que em ultima instancia e Deus, a verdadeira musica e aquela que favorece a ascensao ao Sumo Bem. Logo, a musica estabelece uma harmoniosa ponte entre a beleza sensivel e a Beleza Suprema e Criadora, fonte da autentica felicidade. Porem, a investigacao da influencia da musica sobre a felicidade nao e facil, pois, tem-se intensificado em nossos dias a oferta desmedida e uma procura desenfreada por felicidade, assim como, a producao e consumo da musica entendida apenas como um elemento voltado para as paixoes humanas. Por essa razao, defendemos que o habito de ouvir a boa musica contribui efetivamente para a conquista da felicidade. Sobretudo, porque a musica que habitualmente ouvimos tende a representar tracos importantes da nossa personalidade, ideias e principios morais. Com isso, esperamos desenvolver a sensibidade do nosso leitor a fim de criar nele o habito de ouvir musica com mais cuidado. Primeiramente, porque a musica nao e um simples aglomerado de sons; ela tem um ritmo e, ao mesmo tempo, e coesao e harmonia; possui uma estrutura e uma profundidade proprias que pode ser posta a servico da felicidade humana. Para tanto, faz-se-a necessario mostrar, de fato, o que e a felicidade e a musica para Santo Agostinho e depois trabalhar os aspectos que nos permite mostrar a relacao existente entre elas.
MEMBROS DA BANCA:
Interno - 1560574 - ANDERSON DARC FERREIRA
Externo à Instituição - ANTÔNIO PEREIRA JÚNIOR
Externo à Instituição - ALFREDO DE OLIVEIRA MORAES
Externo à Instituição - MARIA SIMONE MARINHO NOGUEIRA
Externo à Instituição - MARLESSON CASTELO BRANCO DO RÊGO
Externo à Instituição - RICARDO EVANGELISTA BRANDAO
Externo à Instituição - MARCOS ROBERTO NUNES COSTA

Notícia cadastrada em: 21/02/2019 08:12