PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOLOGIA CELULAR E MOLECULAR (PPBCM)

CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA NATUREZA (CCEN)

Telefone/Ramal
Não informado

Notícias


Banca de DEFESA: Vanessa Erika Ferreira Abrantes

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: Vanessa Erika Ferreira Abrantes
DATA: 21/02/2013
HORA: 09:00
LOCAL: Auditório do Departamento de Biologia Molecular/CCEN
TÍTULO: A modelagem molecular da proteína PHA-LIKE de Acacia farnesiana revela mecanismo anti-inflamatório
PALAVRAS-CHAVES: Acacia farnesiana, AFAL, lectina, atividade antiinflamatória, carragenina
PÁGINAS: 70
GRANDE ÁREA: Ciências Biológicas
ÁREA: Bioquímica
RESUMO:

Lectinas são proteínas e/ou glicoproteínas de origem não imune que possuem, no mínimo, um sítio não-catalítico que se liga de forma reversível a carboidratos e glicoconjugados, o que as tornam modelos ideais de estudos de interações célula-célula, célula-vírus, sendo bons modelos para o desenho de novos fármacos. O grupo de lectinas mais bem estudadas estruturalmente é o presente em sementes de leguminosas. A Fabaceae Acacia farnesiana possui em suas sementes uma aglutinina ligante de quitina (AFAL), classificada como PHA-like1. Seu padrão cromatográfico revelou oligomerização tempo e pH-dependente. Esse comportamento dinâmico dificulta a cristalização dessa proteína, bem como determinação da estrutura tridimensional. Visando compreender melhor a relação estrutura-função, este trabalho teve por objetivo analisar a atividade anti-inflamatória de AFAL através de comparação estrutural com lectinas de leguminosas. Para tanto, fez-se a modelagem e docking molecular com um glicano e a carragenina. A AFAL apresentou um modelo dobrado como um sanduiche de folhas β, que difere do molde utilizado (lectina de Psium sativum) em regiões de loops, no número de folhas β e no sítio de ligação à carboidratos. O docking revelou que a proteína se liga à carragenina e ao glicano em sítios diferentes, o que pode ser explicado pela ausência de uma sexta folha β frontal e de duas folhas β na região posterior. A proteína de A. farnesiana pode inibir a inflamação causada por carragenina, por se ligar a ela, impedindo sua entrada na célula e o desencadeamento de reações típicas do processo inflamatório.

 


MEMBROS DA BANCA:
Externo à Instituição - BRUNO ANDERSON MATIAS DA ROCHA - UFC
Interno - 2141377 - CARLOS ALBERTO DE ALMEIDA GADELHA
Presidente - 1670027 - PLINIO DELA TORRE