PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOLOGIA CELULAR E MOLECULAR (PPBCM)

CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA NATUREZA (CCEN)

Telefone/Ramal
Não informado

Notícias


Banca de DEFESA: MARIA TALITA PACHECO DE OLIVEIRA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: MARIA TALITA PACHECO DE OLIVEIRA
DATA: 15/08/2014
HORA: 14:00
LOCAL: Sala de aulas-PPGBCM
TÍTULO: EFEITO DO ALCALÓIDE SÍNTÉTICO 1-(3-METOXI-4-HIDROXIFENIL)-7-METOXI-1,2,3,4-TETRAHIDROISOQUINOLINA (MHTP) EM MODELO MURINO DE INFLAMAÇÃO AGUDA
PALAVRAS-CHAVES: Inflamação aguda; Alcalóide; MHTP; Anti-inflamatório; Prospecção de fármaco
PÁGINAS: 113
GRANDE ÁREA: Ciências Biológicas
ÁREA: Imunologia
RESUMO: A inflamação é uma resposta imune que visa estabelecer a homeostase tecidual durante uma infecção ou lesão. Reconhecida como um processo benéfico, a inflamação pode tornar-se prejudicial quando em excesso. Assim, estratégias terapêuticas que possam atuar na resolução da inflamação são estudadas e desenvolvidas, tendo os produtos naturais e seus derivados um papel de destaque para as descobertas de novas moléculas anti-inflamatórias. Nesse contexto, o alcalóide 1 (3 metoxi-4-hidroxifenil)-7-metoxi-1,2,3,4 tetrahidroisoquinolina (MHTP) foi sintetizado para prospecção de novos compostos com propriedades terapêuticas. Desta forma, o objetivo desse estudo foi avaliar o pontencial anti-inflamatório do MHTP, in vitro e in vivo, utilizando modelo murino de inflamação aguda. Inicialmente, foi avaliada a viabilidade celular em cultura de macrófagos peritoniais tratados com várias concentrações de MHTP. Observou-se que o alcalóide não apresentou citoxidade nas concentrações de 10, 25 ou 50 μM. Nestas concentrações o MHTP inibiu (p < 0,001) em 24%, 47% e 39% respectivamente, a produção de NO de macrófagos estimulados com LPS (1 μg/mL). Além disso, o tratamento com 10 μM de MHTP diminuiu (p < 0,001) os níveis das citocinas IL-1β, IL-6 e IL-10 em 35,7%, 31,0% e 33,4% respectivamente, sem alterar os níveis da quimiocina MCP-1/CCL2 no sobrenadante da cultura de macrófagos. Adicionalmente foi avaliado o efeito anti-inflamatório do MHTP in vivo. O pré-tratamento oral com MHTP (2,5, 5 ou 10 mg/kg) apresentou efeito anti-edematogênico (p < 0,05) no edema de pata induzido por carragenina inibindo a ação da PGE2 mas independente da desgranulação de mastócitos ou atividade da histamina. O alcalóide (2,5 mg/kg) também foi capaz de inibir (p < 0,01) a migração de leucócitos totais em 41,4% para a cavidade peritonial durante a inflamação induzida com carragenina, diminuindo o número de células polimorfonucleares (PMN) (59,6%) e proteínas totais (29,4%), sem alterar células mononucleares (MNs) e os níveis de MCP-1/CCL2, IL-1β, IL-6 e IL-10. Após caracterização do efeito anti-inflamatório, prosseguimos o estudo avaliando a atividade do MHTP no modelo experimental de lesão pulmonar aguda, onde o pré-tratamento com o MHTP (2,5 mg/kg) inibiu (p < 0,001) a migração de células inflamatórias totais e PMNs para os pulmões em 58% e 67,5%, respectivamente, sem alterar os MNs e a quantidade de proteínas totais. Os resultados obtidos nesse estudo nos permite concluir que a molécula MHTP apresenta efeito anti-inflamatório por inibir vários componentes do processo inflamatório inclusive parâmetros relacionados a lesão pulmonar aguda. Portanto, respaldamos o MHTP como um protótipo de molécula com atividade anti-inflamatória no desenvolvimento de novos fármacos a serem utilizados na resolução do processo inflamatório.
MEMBROS DA BANCA:
Externo ao Programa - 2872926 - LUIS CEZAR RODRIGUES
Presidente - 1117945 - MARCIA REGINA PIUVEZAM
Interno - 1692802 - PATRICIA MIRELLA DA SILVA SCARDUA