PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOLOGIA CELULAR E MOLECULAR (PPBCM)

CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA NATUREZA (CCEN)

Telefone/Ramal
Não informado

Notícias


Banca de DEFESA: GIUSEPPE FERNANDES DE OLIVEIRA BARBOZA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: GIUSEPPE FERNANDES DE OLIVEIRA BARBOZA
DATA: 31/08/2015
HORA: 09:00
LOCAL: Auditório do Departamento de Biologia Molecular/CCEN
TÍTULO: Caracterização morfofisiológica e molecular de cianobactérias marinhas do litoral brasileiro
PALAVRAS-CHAVES: Cianobactérias, perfil de ácidos graxos, taxonomia, atividade antibacteriana
PÁGINAS: 75
GRANDE ÁREA: Ciências Biológicas
ÁREA: Microbiologia
RESUMO: Cianobactérias são organismos procariontes fotoautotróficos com ampla distribuição em diversos ambientes aquáticos que durante as últimas décadas vêm sendo reconhecidos como uma poderosa fonte de lipídeos e compostos bioativos. Apresentam grande variabilidade morfológica que reflete as dificuldades nos estudos taxonômicos. O objetivo deste trabalho foi identificar 22 isolados de cianobactérias provenientes de água do mar e invertebrados marinhos do litoral brasileiro, utilizando classificação taxonômica tradicional e uma abordagem molecular, além disso, caracterizá-las com relação à produção de microcistinas, atividade antibacteriana e analisar o perfil de ácidos graxos, verificando sua viabilidade para a produção de biomassa e uso biotecnológico. De acordo com classificação realizada na base da morfologia das células, os isolados de cianobactérias pertenceram aos gêneros Synechocystis, Synechococcus, Romeria e Planctolyngbya da ordem Synechococcales e aos gêneros Cyanothece e Phormidium da ordem Oscillatoriales. Os resultados da análise filogenética das sequencias parciais do gene RNAr 16S revelaram que 6 isolados apresentaram similaridade entre 98% e 100% com o gênero Synechococcus, no qual apenas 3 isolados foram classificados na base das características morfológicas. A produção de microcistinas, avaliada pela técnica de ELISA, foi observada em 5 isolados, pertencentes ao gênero Synechocystis, enquanto o gene mcyB foi detectado em 12 isolados (Romeria, Synechocystis, Synechococcus). Os extratos metanólicos e etanólicos de quatro isolados de cianobactérias demonstraram inibição do crescimento de Staphylococcus aureus ou Pseudomonas aeruginosa. O perfil de ácidos graxos foi determinado em 8 isolados, dos quais a maioria apresentou os seguintes ácidos com o teor mais elevado: palmítico, linoléico e oléico. O perfil de ácidos graxos do isolado M6C (Romeria gracilis) apresentou o teor mais alto de ácido palmítico (47,3%), enquanto os isolados M100C (Synechococcus nidulans) e M80C (Synechococcus nidulans) do ácido oléico e linoléico, respectivamente. Dentre as cianobactérias analisadas, o isolado M60C (Synechocystis aquatilis) apresentou a maior biomassa (1,646g/L) e alto teor de ácidos linoléico e palmítico, além de conter o ácido linolênico. Este isolado não apresentou produção de microcistina e gene mcyB, mostrando assim um potencial para ser explorado em biotecnologia.
MEMBROS DA BANCA:
Externo ao Programa - 338128 - GEORGE EMMANUEL CAVALCANTI DE MIRANDA
Presidente - 2305006 - KRYSTYNA GORLACH LIRA
Interno - 1692802 - PATRICIA MIRELLA DA SILVA SCARDUA