PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS (PPGCC)

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA

Telefone/Ramal
32167285

Notícias


Banca de DEFESA: ARIANE FIRMEZA MOTA NASCIMENTO

Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: ARIANE FIRMEZA MOTA NASCIMENTO
DATA: 08/06/2020
HORA: 16:00
LOCAL: Videoconferência/ PPGCC - CCSA - UFPB
TÍTULO: Análise do comportamento discricionário do gestor sob a Teoria dos Prospectos
PALAVRAS-CHAVES: Accruals Discricionários; Gerenciamento de Resultados por Atividades Reais; Teoria dos Prospectos; Índices de Governança Mundial; Excesso de Confiança do Gestor.
PÁGINAS: 153
GRANDE ÁREA: Ciências Sociais Aplicadas
ÁREA: Administração
SUBÁREA: Ciências Contábeis
RESUMO: O objetivo dessa pesquisa foi verificar o comportamento do gerenciamento de resultados contábeis, frente à probabilidade de ganhos e perdas, à predisposição ao risco do gestor e ao seu excesso de confiança. Por meio dos accruals discricionários e das decisões operacionais, foram verificados os níveis – moderados e agressivos - de manipulação de resultados contábeis frente a essas perspectivas. A amostra é composta por firmas listadas nos mercados de capitais brasileiro e norte-americano, contabilizando 4.371 observações, correspondentes a 1.545 empresas/ano, no período de 2010 a 2018, excetuando-se as empresas pertencentes ao setor de finanças e de seguros e fundos, em razão das particularidades do setor. Como métrica do gerenciamento de resultados contábeis, utilizou-se Dechow et. al (2012) que preveem nos modelos de estimação a reversão dos accruals totais de períodos anteriores. Por sua vez, estimou-se a manipulação das decisões operacionais conforme Roychowdhury (2006), através do comportamento anormal dos fluxos de caixa, das despesas discricionárias e dos custos de produção. Essas três métricas de gerenciamento de resultados por atividades reais foram combinadas em uma única métrica agregada através da soma dos fluxos de caixa anormais, das despesas discricionárias anormais e dos custos de produção anormais, de modo a identificar o efeito geral dessa manipulação. O retorno das ações e os indicadores de governança mundial foram as proxies utilizadas para analisar a situação de risco sob a visão da Teoria dos Prospectos que estabelece relação assimétrica entre o comportamento dos indivíduos e a situação que envolve risco. A predisposição do gestor ao risco foi analisada através dos indicadores de governança mundial, uma vez que tais indicadores refletem a percepção do contexto sócio economico e tendem a conduzir ações em relação à iniciativa público e privada. Por outro lado, foi verificado o excesso de confiança dos gestores que pode redirecionar o que propugna a Teoria dos Prospectos. A métrica utilizada para tanto, foi o exercício de opções de ações dos gestores. Espera-se que gestores excessivamente confiantes exerçam suas opções (e presumivelmente as troquem por dinheiro) no primeiro momento em que as opções são investidas em dinheiro. A proxy para verificar o excesso de confiança está relacionada com o delay das opções de ações do gestor que é medido pelo logarítmo natural do valor das opções não exercidas, mas exercíveis, do CEO. Através da técnica de regressão múltipla e quantílica, foi verificado o efeito dessas medidas nos vários níveis de gerenciamento de resultados. Em geral, os resultados indicam que, no ambiente brasileiro, o comportamento do gestor é condizente com o que propugna a Teoria dos Prospectos, uma vez que diante dos ganhos, gestores manipulam os resultados de forma moderada e diante de perdas, de forma agressiva. Os gestores demonstram ter predisposição ao risco à medida que a qualidade regulatória influencia positivamente os níveis mais agressivos dos accruals discricionários. Isto pode ser explicado pelo controle da corrupção que apresentou influência negativa, indicado cenário propício à discricionariedade dos gestores e à aplicação das leis. Ademais, gestores com excesso de confiança não favorecem o gereciamento de resultados por atividades reais. No ambiente norte americano, o gerenciamento de resultados por accruals apresentou-se influenciado de forma moderada pelos ganhos no retorno das ações e as perdas não exerceram influência nos níveis agressivos de accruals discricionários. Isto pode ser explicado pelo controle da corrupção que apresentou influência negativa, indicado cenário propício à discricionariedade dos gestores e à aplicação das leis. Ademais, gestores com excesso de confiança não favorecem o gereciamento de resultados por atividades reais. No ambiente norte americano, o gerenciamento de resultados por accruals apresentou-se influenciado de forma moderada pelos ganhos no retorno das ações e as perdas não exerceram influência nos níveis agressivos de accruals discricionários. Por outro lado, a manipulação por atividades reais, é agressiva quando os gestores enfrentam perdas no mercado financeiro. Quando experimentam ganhos, preferem a manipulação das atividades operacionais, de forma moderada, por meio dos fluxos de caixa e dos custos de produção. Desfaz-se, sobretudo, a relação assimétrica, prevista na teoria dos prospectos, para a manipulação das atividades operacionais através dos fluxos de caixa e custos de produção, demonstrando que o excesso de confiança dos gestores influencia essa relação. Principalmente, o excesso de confiança passa a ter influência positiva nos mais altos quantis, sinalizando a inclinação dos níveis agressivos ao viés escorregadio do gerenciamento de resultados.
MEMBROS DA BANCA:
Interno - 1859411 - DIMAS BARRETO DE QUEIROZ
Presidente - 119.581.188-85 - EDILSON PAULO - UFRGS
Externo à Instituição - JOMAR MIRANDA RODRIGUES
Externo à Instituição - LUIZ CARLOS MARQUES DOS ANJOS
Interno - 1526402 - WENNER GLAUCIO LOPES LUCENA