PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO TECNOLÓGICA EM MEDICAMENTOS (PPgDITM)

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA

Telefone/Ramal
Não informado

Notícias


Banca de DEFESA: POLIANE DA SILVA CALIXTO

Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: POLIANE DA SILVA CALIXTO
DATA: 04/06/2021
HORA: 14:00
LOCAL: Videoconferência
TÍTULO: ENVOLVIMENTO DOS SISTEMAS GLUTAMATÉRGICO E OXIDONITRÉRGICO NO EFEITO ANTIDEPRESSIVO E ANSIOLÍTICO DO 4-ALIL-2,6-DIMETOXIFENOL: UMA ABORDAGEM IN SILICO E IN VIVO
PALAVRAS-CHAVES: Estudo não-clínico;4-alil-2,6-dimetoxifenol; fenilpropanoide; mecanismo de ação.
PÁGINAS: 114
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Farmácia
RESUMO: Os transtornos depressivos e de ansiedade estão entre as condições de saúde mental mais comum em todo o mundo. Vários mecanismos biológicos têm mostrado importante papel na fisiopatologia, assim como na etiologia e progressão do TDM e ansiedade. O estresse é o principal fator ambiental que pode causar uma hiperatividade do Eixo hipotálamo-pituitária-adrenal (HPA) um mecanismo importante na resposta ao estresse. O 4-alil 2,6-dimetoxifenol (ADMP) é um fenilpropanoide que mostrou alta atividade antioxidante em estudos anteriores, uma propriedade relevante para fármacos antidepressivos, uma vez que a gravidade dos transtornos de depressão e ansiedade estão correlacionados com o aumento de marcadores de estresse oxidativo. O presente estudo investigou a atividade antidepressiva e ansiolítica do ADMP em camundongos submetidos ao modelo de estresse induzido pela dexametasona e possíveis vias de ação. Para investigar a atividade farmacológica, foram realizados estudos in sílico e in vivo. O ADMP apresentou menor energia de ligação para a via L-arginina/NO/GMPc e o receptor NMDAR, não apresentou toxicidade nos parâmetros de mutagenicidade, carcinogenicidade, toxicidade do sistema reprodutivo, irritabilidade do tecido cutâneo no estudo in sílico., os animais foram pré-administrados com dexametasona (64μg/kg s.c.) 4h antes da realização dos testes comportamentais, sendo o ADMP (25, 50 e 100 mg/kg i.p) e a imipramina (10 mg/kg i.p.) administrados 45 e 30 minutos respectivamente antes dos testes. Nos estudos in vivo, a administração de ADMP produziu efeito antidepressivo nas doses de 25 e 50 mg/kg e ansiolítico nas doses de 25, 50 e 100 mg/kg, sem alterar a atividade locomotora e exploratória na dose 50 mg/kg. Na avaliação dos possíveis mecanismos de ação do ADMP, foi escolhido o teste de nado forçado e a dose de 50 mg/kg, os resultados sugerem que a atividade antidepressiva pode ser dependente da inibição de mediadores da via NMDA-L-arginina/NO/GMPc. Na avaliação dos parâmetros oxidativos foi observado aumento nos níveis de GSH nos animais submetidos ao tratamento com o ADMP nas doses de 25 e 100 mg/kg em comparação ao grupo tratado com dexametasona. Então o tratamento com o ADMP produziu efeito antidepressivo e ansiolítico, através do envolvimento do receptor NMDA e mediadores da via L arginina/NO/GMPc, confirmando os resultados in sílico e atividade antioxidante, no qual demostrou aumentar os níveis de GSH.
MEMBROS DA BANCA:
Externo à Instituição - DIOGO VILAR DA FONSECA
Externo à Instituição - FRANCISCA CLEA FLORENÇO DE SOUSA
Interno - 338029 - HILZETH DE LUNA FREIRE PESSOA
Presidente - 6336328 - REINALDO NOBREGA DE ALMEIDA
Interno - 2215733 - TEMILCE SIMOES DE ASSIS CANTALICE