PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA NUTRIÇÃO (PPGCN)

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA

Telefone:
32167417

Notícias


Banca de DEFESA: LAINE DE CARVALHO GUERRA PESSOA MAMEDE

Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: LAINE DE CARVALHO GUERRA PESSOA MAMEDE
DATA: 17/12/2019
HORA: 09:00
LOCAL: Auditório do Centro de Ciências da Saúde
TÍTULO: PREVALÊNCIA DA HIPOVITAMINOSE D EM TRABALHADORES E EFEITOS DA SUA SUPLEMENTAÇÃO SOBRE MARCADORES DE ESTRESSE OXIDATIVO E INFLAMATÓRIOS
PALAVRAS-CHAVES: Deficiência de vitamina D. Obesidade. Ensaio clínico. Peroxidação de lipídeos. Saúde do trabalhador
PÁGINAS: 106
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Nutrição
RESUMO: A deficiência da vitamina D é considerada uma epidemia mundial com implicações clínicas na obesidade, processo inflamatório e estresse oxidativo. Concomitante à elevada prevalência de hipovitaminose D, verificam-se elevados índices de sobrepeso e obesidade em todo mundo, e a transformação das condições de trabalho predominantemente em ambientes interiores (estilo indoor), podendo interferir negativamente nos níveis séricos de vitamina D. Este estudo teve por objetivo avaliar a prevalência da hipovitaminose D e os efeitos da sua suplementação sobre marcadores de estresse oxidativo e inflamatórios em trabalhadores. Trata-se de um estudo epidemiológico transversal e de um ensaio clínico randomizado, duplo cego, placebo-controlado. Na primeira etapa, participaram do estudo 91 trabalhadores (31 homens e 60 mulheres) de Unidades de Alimentação e Nutrição da Universidade Federal da Paraíba, a fim de avaliar a prevalência de hipovitaminose D, após assinatura do Termo de Consentimento Livre e Esclarecido. No início do estudo, todos participantes foram avaliados quanto ao perfil sociodemográfico e ocupacional, fototipos de pele e exposição solar, estado nutricional e pressão arterial. Os exames laboratoriais foram realizados para analisar a 25-hidroxivitamina D [25(OH)D], paratormônio (PTH), cálcio sérico, glicemia de jejum (GJ), proteína C reativa (PCR), alfa-1 glicoproteína ácida (AGP), capacidade antioxidante total (CAT), malondialdeído (MDA) e marcadores da função renal e hepática. No ensaio clínico, participaram da triagem 69 trabalhadores, dos quais 39 participantes (09 homens e 30 mulheres) apresentaram hipovitaminose D. Após o cálculo amostral, se procedeu a intervenção sendo incluídas 29 mulheres com deficiência/insuficiência de vitamina D e excesso de peso. Realizada a randomização, as trabalhadoras foram alocadas nos grupos: suplementação com 200.000 UI (GS, n=14) ou grupo placebo com excipiente farmacologicamente inativo (GP, n=15). Após quatro semanas, todos parâmetros foram reavaliados. No estudo epidemiológico verificou-se uma prevalência de 61,5% de deficiência/insuficiência dos níveis séricos de 25(OH)D. Não foram confirmadas associações para as características da amostra com o status de vitamina D, pela regressão ajustada. Em relação aos parâmetros laboratoriais verifica-se uma prevalência aumentada para indivíduos portadores de Diabetes tipo 2 e hipertrigliceridemia. A CAT apresentou-se significativa em relação ao status da 25(OH)D, os indivíduos com valores acima da média apresentaram uma redução na prevalência de hipovitaminose D. No ensaio clínico, não foram observadas associações entre os grupos para todas variáveis antes da suplementação. Após a intervenção observou-se o aumento dos níveis de 25(OH)D no GS (p=0,000). Não foram observadas diferenças para o PTH, CAT, PCR, AGP e a GJ, em ambos os grupos. Verificou-se aumento significativo no Ca sérico nos GS e GP. As concentrações do MDA apresentaram aumento no GS (p=0,021) e a creatinina reduziu no GP (p=0,000). Em conclusão, verificou-se uma alta prevalência de hipovitaminose D entre os trabalhadores das unidades analisadas, apresentando-se a CAT como influenciável para redução dessa deficiência/insuficiência. Em relação ao ensaio clínico, a suplementação com megadose de VD3 aumentou significativamente o status da 25(OH)D, mas não apresentou melhora sobre marcadores de estresse oxidativo e inflamatórios em trabalhadoras obesas. Ressalta-se a necessidade de um monitoramento dos parâmetros laboratoriais em vigilância à saúde do trabalhador.
MEMBROS DA BANCA:
Externo à Instituição - ALCIDES DA SILVA DINIZ
Interno - 2338179 - ALEXANDRE SERGIO SILVA
Presidente - 335378 - MARIA DA CONCEICAO RODRIGUES GONCALVES
Externo ao Programa - 1690607 - RAFAELA LIRA FORMIGA CAVALCANTI DE LIMA
Interno - 1454201 - RODRIGO PINHEIRO DE TOLEDO VIANNA