PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO (PPGAU)

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA

Telefone/Ramal
Não informado

Notícias


Banca de DEFESA: BRUNIELLY DE ALMEIDA SILVA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: BRUNIELLY DE ALMEIDA SILVA
DATA: 23/07/2021
HORA: 14:00
LOCAL: Sala virtual: meet.google.com/wzj-hkpu-hig
TÍTULO: Ruas a pé: as dimensões espacial e social de ruas exclusivas para pedestres na área central de João Pessoa
PALAVRAS-CHAVES: pedestres, ruas para pedestres, configurações espaciais, apropriação.
PÁGINAS: 170
GRANDE ÁREA: Ciências Sociais Aplicadas
ÁREA: Arquitetura e Urbanismo
RESUMO: Ruas representam, em sua essência simbólica, um espaço democrático, de compartilhamento de usos, atores, ideias. Esta dissertação investiga a tipologia de ruas destinada exclusivamente para pedestres – ou ruas para pedestres. Nela todo o espaço é priorizado para os deslocamentos a pé e as possibilidades de apropriação são ampliadas, para além de circular, permanecer. São investigados, então, 17 segmentos de ruas, divididos em 3 modalidades: (i) trechos pedestrianizados por políticas públicas; (ii) becos e (iii) ruas incorporadas a espaços de praças, todos inseridos na área central da cidade de João Pessoa, abordada pelas distintas espacialidades de suas ruas para pedestres, que poderiam se relacionar com diferentes respostas de apropriação e urbanidade, objeto teórico da pesquisa. Os questionamentos se interessam por compreender como se dá a relação entre as dimensões espacial e social, entre pedestrianização e fluxo e permanência de pedestres. Os procedimentos metodológicos seguem etapas de revisão de literatura; pesquisa documental; levantamento de campo, tratamento de dados e sínteses. Os resultados mostraram que determinadas caraterísticas espaciais (aliadas a pedestrianização) se correlacionaram positivamente com o fluxo de pedestres. Entre esses atributos destacam-se: a permeabilidade física e visual das fachadas, a presença de mobiliários urbanos e a proximidade com pontos de embarque de transporte público. Houve, também, atributos espaciais que obtiveram menor correlação com apropriação, entre eles a pavimentação das ruas e a dimensão da quadra. Ao término das análises, foi possível compreender que a pedestrianização desarticulada de outras características da dimensão espacial não atrai potencialmente maior fluxo de pedestres e que espaço urbano e o ambiente construído podem criar instigações à presença de pedestres nas ruas, ao passo que pedestres também podem adaptar e superar descortesias espaciais. A urbanidade dessas ruas foi percebida em diferentes expressões não estáticas, espelhada dos manejos e remanejos múltiplos, próprios das correspondências entre a materialidade espacial e a imaterialidade social.
MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1768957 - MARCELE TRIGUEIRO DE ARAUJO MORAIS
Interno - 1579686 - MARIANA FIALHO BONATES
Externo à Instituição - AIDA PAULA PONTES DE AQUINO
Externo à Instituição - CRISTINA PEREIRA DE ARAÚJO