PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO (PPGAU)

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA

Telefone/Ramal
Não informado

Notícias


Banca de DEFESA: JESSICA SOARES DE ARAÚJO RABELLO

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: JESSICA SOARES DE ARAÚJO RABELLO
DATA: 23/09/2022
HORA: 09:00
LOCAL: Link: meet.google.com/txc-sajx-vwe
TÍTULO: Civitas et Urbs: O projeto neoclássico no Campo do Conselheiro Diogo, cidade da Parahyba (1858-1889)
PALAVRAS-CHAVES: Paisagem urbana; linguagem arquitetônica; arquitetura neoclássica; classicismo imperial; cidade da Parahyba.
PÁGINAS: 137
GRANDE ÁREA: Ciências Sociais Aplicadas
ÁREA: Arquitetura e Urbanismo
RESUMO: Dentre as diversas conceituações em torno da ideia de cidade, em geral compreende-se o seu conteúdo como um conjunto de qualidades sociais e também físicas, aqui representadas pelos termos civitas e urbs respectivamente. Partindo dessa compreensão, esta pesquisa tem por objeto de estudo a linguagem neoclássica e sua influência na paisagem urbana da cidade da Parahyba (atual João Pessoa) durante o período imperial. A investigação se fundamenta em uma dupla acepção do projeto neoclássico, que incluiria, primeiramente, sua dimensão cívica (cultura, civilidade), relacionada ao ideário civilizatório do Brasil Império; e também seus aspectos materiais, relativos à linguagem arquitetônica propriamente dita (forma, volumetria). Nesse sentido, adota-se como universo de estudo o Campo do Conselheiro Diogo, atual Praça Pedro Américo, por constituir o logradouro mais emblemático do neoclassicismo na capital paraibana, uma vez que era delimitado por três exemplares do estilo – o teatro Santa Roza, o Quartel de Linha e o Tesouro Provincial – e por estar situado exatamente na região central da urbe à época. Em suma, buscou-se investigar a existência de um projeto neoclássico na escala do urbano e de que modo este contribuiu para forjar a imagem da capital nos oitocentos, traduzindo, através da arquitetura, o discurso civilizatório e progressista que modelava a sociedade à época. Para tanto, o estudo se desdobrou através da pesquisa documental, recorrendo a fontes primárias como os relatórios dos presidentes da província e as publicações da imprensa, que revelaram a influência do ideário nacional na cultura paraibana durante o século XIX. Considerando a dimensão material, da constituição física da cidade, o estudo teve o suporte dos registros iconográficos e da cartografia, a partir dos quais pôde-se analisar a implantação geral dos edifícios neoclássicos e sua importância no traçado da cidade, em especial no Campo do Conselheiro Diogo, bem como os traços fisionômicos desse repertório arquitetônico e seu protagonismo na paisagem urbana oitocentista. Dada a ênfase do estudo, o reconhecimento desse período histórico na Parahyba contribui para a compreensão de um processo nacional, que não se restringiu às metrópoles do Império, mas abarcou diversas províncias do Nordeste que, mesmo não correspondendo aos padrões econômicos e sociais da Corte, assimilaram o ideário imperial através da construção de novos cenários urbanos. Vale ressaltar que o período em questão antecede uma fase marcada por profundas transformações na paisagem da cidade, tanto no que diz respeito à sua arquitetura, pela sobreposição de novas linguagens modernizantes, quanto à remodelação dos espaços públicos em si. A irreversibilidade dessas transformações e o desconhecimento acerca do referido acervo arquitetônico apontam para a necessidade de reconhecer sua importância para a capital paraibana, enxergando-o não apenas como monumentos isolados, mas como signos componentes da imagem e da história urbana da Parahyba no século XIX.
MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 335061 - IVAN CAVALCANTI FILHO
Interno - 338233 - MARIA BERTHILDE DE BARROS LIMA E MOURA FILHA
Externo à Instituição - RUBENILSON BRAZÃO TEIXEIRA