PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA (PPGO)

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA

Telefone/Ramal
Não informado

Notícias


Banca de DEFESA: GABRIELA DE NAZARE WANDERLEY LIRA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: GABRIELA DE NAZARE WANDERLEY LIRA
DATA: 27/04/2021
HORA: 08:30
LOCAL: Ambiente virtual (meet.google.com/ejp-wzpk-rvq)
TÍTULO: Equidade no Uso dos Centros de Especialidades Odontológicas do Nordeste: Análise do 2º Ciclo do PMAQ-CEO
PALAVRAS-CHAVES: Equidade em Saúde. Atenção Secundária à Saúde. Vulnerabilidade Social. Saúde Pública. Odontologia em Saúde Pública.
PÁGINAS: 38
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Odontologia
SUBÁREA: Odontologia Social e Preventiva
RESUMO: Introdução: A equidade, idealmente, exige que as pessoas tenham oportunidades justas de atingir seu potencial em saúde e que ninguém deveria ser menos favorecido de atingir esse potencial. Compreender o funcionamento dos serviços de saúde bucal em relação ao princípio da equidade, é essencial para reconhecer os fatores específicos que contribuem para o aumento e perpetuação das iniquidades em saúde bucal. Objetivos: Analisar os Centros de Especialidades Odontológicas do Nordeste segundo o princípio da equidade e sua relação com aspectos da gestão de lista de espera e instrumentos de planejamento. Metodologia: Estudo transversal que envolveu 410 CEO que participaram da fase de Avaliação Externa (AE) do 2º ciclo do PMAQ-CEO realizada em 2018, 4024 usuários e 367 municípios do Nordeste, sedes desses estabelecimentos. Dos dados do programa, atribuiu-se escores aos usuários dos CEO de acordo com a vulnerabilidade social. A vulnerabilidade dos CEO foi medida a partir de seus usuários, e os municípios de acordo com o Índice de Vulnerabilidade Social (IVS). Afim de comparar a vulnerabilidade dos CEO com o contexto municipal no qual o serviço se insere, calculou-se o indicador da diferença entre a vulnerabilidade do CEO e município, e assim os CEO foram ranqueados e alocados em quartis de acordo com as tendências pró-iniquidade (PI) e pró-equidade (PE) em seu uso, resultando em 4 desfechos ordinais. Variáveis relacionadas a gestão de lista de espera, critérios de priorização do atendimento e planejamento dos CEO foram utilizadas para construção de um modelo explicativo para os desfechos obtidos. A força e o efeito de associação entre as variáveis independentes e os desfechos foram avaliados por meio da Razão de Chances “Odds Ratio”, calculada por Regressão Logística Ordinal considerando o nível de significância global de 5%. Resultados: Quanto à vulnerabilidade, 2,4% dos CEO, 26,9% dos usuários e 63,8% dos municípios foram classificados como de vulnerabilidade alta ou muito alta. Em relação as tendências, 50,5% do CEO analisados, foram classificados nos dois níveis com tendência pró-iniquidade. Os CEO que realizam gestão da lista de espera e planejamento com dados epidemiológicos apresentaram, respectivamente, 1,501 e 1,535 vezes mais chances de estar no pior desfecho de tendência pró-iniquidade (PI2). Conclusão: O estudo demonstrou que o princípio da equidade é incipiente no uso dos CEO do Nordeste e que a realização da gestão da lista de espera e planejamento com dados epidemiológicos, da forma que estão sendo realizados pelos CEO do Nordeste, são potenciais ampliadores da iniquidade no serviço.
MEMBROS DA BANCA:
Externo à Instituição - PETRÔNIO JOSÉ DE LIMA MARTELLI
Presidente - 306485 - WILTON WILNEY NASCIMENTO PADILHA
Interno - 2332212 - YURI WANDERLEY CAVALCANTI